Você está na página 1de 4

Parapente na chuva?

Um parapente voando na chuva, mesmo com uma asa repelente de água (qualquer asa), é uma
ameaça a vida: a água vai se acumulando no bordo de fuga e aplicando freios indesejáveis
levando a um estol que você não pode recuperar. Se uma chuva pequena acontece durante o vôo
não há problema (cumulus grandes, por vezes, deixa algumas gotas ...) mas um vôo na chuva é
geralmente uma má memória depois dela.. Isso é exatamente o tipo de comportamento que,
infelizmente, deixa pilotos mortos.

Chuva forte com gotas grandes é mal também:.Isto levará a uma acumulo de água na vela e
perda de características aerodinâmicas. Além disso, não importa o quão rapidamente a superfície
da vela absorve gotículas de água, eles ainda têm um tempo de residência (tensão superficial) no
tecido,e elas correm a partir do bordo de ataque ao bordo de fuga. Durante este tempo eles vão
criar os efeitos acima mencionados sobre a aerodinâmica, por isso ainda é uma má idéia ter gotas
de água se destacando em seu aerofólio.

Ja viram uma gota de agua grande no capô do carro correndo como se comporta?Ela fica
agarrada e se deformando completamente com o vento.Isso gera turbulência e arrasto induzido.

O problema real é que as asas foram projetados e testados e certificados para voar em condições
de seca (ou seja, não chuva). Uma vez que a asa está molhado um montão de problemas de
desempenho e manuseio surgirão para os quais a asa não foi projetada. As causas da
movimentação ruim são inúmeros e relevantes. Houve vários mencionados e existem outros (o
tecido fica mais pesado, as bainhas encharcam e pesam, linhas encolhem, aumento de carga
alar,desempenho aerodinâmico pobre, ....)
Resultados dos testes realizados Pela SWING

Um acidente com um parapente SWING (deep stall na chuva)serviu para levar a cabo execuções
de teste extenso e simulações (com o apoio da DHV e Stefan Müller) para identificar a causa do
stol de profundidade na chuva.

Em geral, há duas razões pelas quais um paraglider pode entrar em stall profundo na chuva:

1. O primeiro risco reside no fato de que o peso do tecido aumenta se fica na chuva por um longo
período. O centro de gravidade e o ângulo de ataque mudam para trás, é por isso que pode
resultar em deformação do fluxo de ar no bordo de fuga =/ stall.
É relevante aqui que se um parapa absorve mais água e está mais perto do limite de stall
profundo devido ao seu design e envelhecimento que aumentam a absorção de água e, assim, vai
aumentar de peso e colocar o parapente em stall de profundidade.

2. Quando há chuva sobre a superfície superior de um parapente, pode acontecer que muitos
pingos de água sobre a parte superior da asa separem o ar da superfície. Este fenômeno é
conhecido há algum tempopelos pilotos de asa-delta e vôo livre.
Com parapentes novos, as gotículas são absorvidos menos rapidamente pelo tecido.
Assim, quanto mais recente um parapente é, quanto maior o número de gotículas presa na
superfície superior e quanto maior as gotas são, maior é o risco que poderia haver a separação do
fluxo de ar.

Nós também fomos capazes de recriar essas condições através de testes práticos e simulações de
computador. Este tipo de stall profundo tem sido repetidamente observado no passado,
independentemente do tipo de material de vela e fabricante. Uma vez que o fenômeno é de fato
muito raro, mas não pode ser completamente excluído, estamos agora a tentar estabelecer a causa
exacta da formação de gotículas na superfície superior através da realização de investigação
fundamental extensa. Ao mesmo tempo, estamos à procura de soluções técnicas, por exemplo,
um tratamento para a superfície superior do tecido para minimizar o risco da chuva de parar no
fundo da vela.

É o caso, em ambas as situações acima ,que a curso e controle de distância dos freios vão
primeiro reduzir e depois o stall profundo é causado, principalmente pela alteração do curso dos
freios ou o ângulo de ataque!
De qualquer maneira ficar longe da chuva com parapente é fundamental! ...

SWING Flugsportgeräte GmbH


Günther Worl
Diretor
DHV
Jornal de segurança
Acidente parachutagem

No domingo, 23 de julho 06 um grave acidente ocorrido com um piloto de parapente suíço


durante o vôo da Ebenalp na Suíça. Um piloto experiente foi surpreendido pela evolução do
tempo e voou através de uma nuvem de chuva. Seu paraglider (DHV classe 1-2), em seguida,
entrou em uma parachutagem, que o piloto não foi capaz de recuperar-se ao usar os métodos
padrão (puxando o A-risers ou acelerar com a barra de velocidade). O piloto decidiu tentar
pousar em uma encosta íngreme gramado ainda na parachutagem. Pouco antes do impacto (2m
acima do solo) a vela entrou um full stall, provavelmente devido ao aplique do freio. No impacto
o piloto sofreu graves lesões na coluna vertebral, felizmente sem efeitos colaterais neurológicos.

Sabe-se que alguns velames têm uma maior tendência a entrar emparachutagem quando
molhado. Também é sabido que existem grandes diferenças nas reações de velas de diferentes
fabricantes - alguns voam normalmente quando molhado, como tem sido freqüentemente
relatados por pilotos de cross country pego em pancadas de chuva, enquanto outros relatam que a
chuva mínima é suficiente para aumentar a perigo de parachutagem em suas velas. No ano
passado o piloto ficou ferido após pouso forçado em uma parachutagem, depois de ter voado
apenas por alguns minutos na chuva bem leve. No relatório do acidente atual da Suíça,
novamente, a chuva foi descrito como mínima, e os ajudantes de resgate relataram o tecido sendo
seco em sua chegada na cena do crime.

Ocorrências de parachutagem quando molhado têm sido relatadas em todas as classes. Parece
que tecidos mais velhos, onde o pano pode absorver água mais facilmente podem estar em maior
risco, no entanto, o acidente ocorreu atual com uma vela nova.

É muito importante que os pilotos reconhecem essa fonte potencial de perigo e agir em
conformidade. Se um piloto voar através da chuva, a área deve ser deixada tão rapidamente
quanto possível, os freios só deve ser usados com moderação, as manobras que provocam o
parapente a voar com um maior ângulo de ataque (por exemplo, as orelhas grandes) devem ser
evitados, e se as condições de segurança permitirem, a vela deve ser levada ao solo acelerada
usando a barra de velocidade.

Se uma parachutagem ocorrer quando voando a uma altura suficiente para uma implantação de
reserva, isso deve ser considerado. A vantagem aqui é que a descida de reserva é mais estável, e
não sujeito a qualquer adiamento ou mergulho como em uma descida em parachutagem. A
velocidade de uma descida de reserva é geralmente inferior ao de um parapente em
parachutagem sendo o velame reserva do tamanho correto para o piloto. O piloto suíço relatou
uma velocidade de afundamento de -6m / s durante a parachutagem.
Karl Slezak

Diretor de segurança DHV


Lembrete: dicas sobre o que fazer em um stall profundidade:

- Não aplicar muito do freio =A vela já está estolando;


- Considere a utilização do sistema de velocidade (acelerador para manter a velocidade )
- Considere puxar para baixo o tirante A (manobra extrema)

Se seu parapenter se molhar e suas linhas começarem a soltar agua, sua vela ficará pesada e você
deve prestar atenção para que a velocidade relativa permaneca alta para evitar stall de
profundidade. em alguns casos você terá que empurrar a barra de velocidade para conseguir este
feito, o ponto é fazer com que uma grande quantidade de fluxo de ar passe na asa, tudo isso até
que seque por fora e está tudo ok.
Em casos extremos, quando você vai pousar com uma vela molhada deve ser mais cauteloso.Pois
o ponto de stall é muito diferente do que antes .Atento para ser mais cauteloso com a aplicação
de freio, e manter sempre ativo o fluxo de ar para evitar stall de profundidade .

Compilado da net:
Paraglider forum,DHV e Swing.

Bons voos com segurança e menos fomiagem!


Az.
.