Você está na página 1de 44

Ministério da Educação

Universidade Tecnológica Federal do Paraná


Campus Londrina
Pregoeiro(a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

PROCESSO Nº. 23064.006289/2010-10


PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 022/2010
TERMO DE REFERÊNCIA

1 DA JUSTIFICATIVA
1.1 Tal contratação faz-se necessária tendo em vista:

a) A necessidade em manter o prédio em perfeito estado de funcionamento, com a realização de


manutenções preventiva e corretiva dos serviços integrados às instalações prediais, instalações
elétricas de alta e baixa tensão, luminárias, instalação hidro-sanitária, sistemas de combate a
incêndio, caixa d'água e demais instalações físicas como pisos, forros, esquadrias, pintura,
cobertura, alambrados, pavimentação e guaritas nas dependências do Campus Londrina, bem como
a manutenção e conservação de bens móveis.
b) A indisponibilidade de mão-de-obra especializada, equipamentos, ferramental e material ou pouca
agilidade para mobilização dos mesmos;
c) A contratação de serviços de forma continuada proporcionará a consolidação do gerenciamento
dos serviços de manutenção predial necessários ao adequado funcionamento do Campus.
1.2 BENEFÍCIOS DIRETOS E INDIRETOS
1.2.1 Realização de vistorias constantes na instalação predial, proporcionando um ambiente seguro à
comunidade da UTFPR;
1.2.2 Manutenção de forma apropriada do funcionamento das instalações elétricas, hidráulicas e de
iluminação do Campus Londrina da UTFPR.
1.3 NATUREZA DO OBJETO
1.3.1 Serviço comum de natureza continuada.

1.4 ENQUADRAMENTO LEGAL DA CONTRATAÇÃO


1.4.1 A contratação será objeto de procedimento licitatório na modalidade Pregão, pois há empresas do
ramo com plenas condições de atender o objeto deste Termo de Referência;
1.4.2 A contratação objeto deste Termo de Referência tem amparo legal no Decreto 3.555/00, Decreto
3.722/01, Decreto 3.784/01, Decreto 3.931/01 Lei 10.520/02, Decreto 5.450/05, IN nº 02/08, alterada
pela IN 03/09, sendo aplicadas subsidiariamente as normas da Lei 8.666/93 e suas alterações.

Requisição Requisitante Finalidade

Evandro Fujisao de Prestação de serviço de manutenção preventiva e corretiva de


287/2010
Oliveira bens móveis e imóveis da UTFPR Londrina.

2 DO OBJETIVO
2.1 Proporcionar a UTFPR um serviço eficiente, de forma que possíveis problemas relacionados às
redes elétrica e hidráulica, além de pequenas obras civis entre outros, e aos bens móveis, sejam
evitados preventivamente ou resolvidos de uma forma célere, com consequente melhoria na
satisfação do público interno, melhor conservação dos móveis e imóveis, além de redução de
custos, através da modalidade de licitação Pregão Eletrônico.
3 DO OBJETO

3.1 O presente Termo de Referência tem por objeto a contratação de empresa especializada na
prestação de serviço de caráter preventivo e corretivo nas instalações prediais, envolvendo
consertos, recuperação (alvenaria, carpintaria, marcenaria, serralheria, pintura, hidráulica, telefonia,
lógica e elétrica) e manutenção e conservação de bens móveis, com fornecimento de mão de obra,
ferramentas e equipamentos necessários, a serem realizados nas dependências dos prédios da da
UTFPR –Campus Londrina, situada na Avenida dos Pioneiros, 3131 – Jardim Morumbi, perfazendo
a área de 10.438,497 m², aproximadamente, observadas as condições e especificações
estabelecidas.
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

4 DA DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS:


4.1 Das Definições :

4.1.1 Manutenção Preventiva: Serviços de caráter permanente, que obedecem a uma


programação previamente estabelecida, apresentada em cronograma físico devidamente aprovado
pela Fiscalização , cujas etapas são cumpridas obedecendo a uma periodicidade pré-determinada.

4.1.2 Manutenção Corretiva: Serviços esporádicos, ausentes de programação previa, a serem


executados em caráter eventual e/ou especial, de acordo com o surgimento de ocorrências e
solicitações da DIADS – Divisão de Administração da sede da UTFPR –Campus Londrina, por
meio de ordem de serviço, conforme modelo constante no anexo VIII deste Termo de Referência,
devidamente apontado pela Fiscalização e aprovado pela CONTRATANTE.

4.1.3 Obras Civis: Entende-se por obras civis de pequeno porte aquelas cuja área de intervenção não
supere a área de piso 36m² (trinta e seis) metros quadrados, área de parede de 200m² (duzentos)
metros quadrados e linear de 300 (trezentos) metros que não necessitem de projeto específico.

4.2 Dos Serviços Executados:

4.2.1 Deverão ser adotadas as rotinas de manutenção preventiva e corretiva padronizadas em todos os
sistemas, instalações e equipamentos, conforme descrição abaixo:

4.2.1.1 Hidráulica: Manutenção e conservação dos banheiros, cozinhas, bebedouros, e outros;


remoção, montagem, manutenção e conservação dos sistemas hidráulicos que abastecem as
edificações dos prédios; manutenção e conservação dos sistemas de águas pluviais, rede de
esgoto sanitário, sistemas de irrigação e drenagem, e sistemas de gás; instalação e reparos de
encanamentos, caixas d’água e troca de louças, registros, torneiras, caixas de descarga, bóias,
ralos, sifões e outros; reparos de rotina das redes de água; outros serviços hidráulicos que se
façam necessários.

4.2.1.2 Elétrica: Manutenção, montagem, conservação e reparos de instalações elétricas prediais;


instalação, manutenção e conservação de chaves, fusíveis, disjuntores, fios condutores,
interruptores, ar-condicionado, tomadas, luminárias, reatores, lâmpadas, quadros gerais e de
distribuição, circuitos de distribuição, caixas de passagem, eletrodutos, e outros; instalação,
manutenção e conservação de bombas d’água, verificando sistematicamente os dispositivos de
ligação automática (chave de bóia) e os de segurança (fusíveis, reles, etc.), e se os motores e
quadros elétricos estão esquentando, identificando a necessidade de reparos; outros serviços
elétricos que se façam necessários.

4.2.1.3 Telefonia e Lógica: Remoção, manutenção, conservação, instalação e reparos na


instalação de telefônica e lógica prediais.

4.2.1.4 Alvenaria: Manutenção, conservação, demolição e reparos de alvenaria das edificações,


muros, telhados, e outros; confecção de elementos diversos de concreto; abrir e re-aterrar valas,
limpar a obra; colocação (assentamento), manutenção, conservação e reparos de azulejos,
cerâmicas e outros tipos de pisos e revestimentos; demolições e recuperação de paredes;
raspagem de paredes para reparos de alvenaria e pintura; remoção de forro; remoção de divisórias
(madeira, pvc, etc.); outros serviços de alvenaria que se façam necessários.

4.2.1.5 Pintura: Manutenção e recuperação de pintura das edificações (paredes externas e


internas, batentes, rodapés, esquadrias, portas, janelas, pisos, forros etc.), muros, muretas, bancos,
portões e outros; raspagem de paredes e preparo para pintura (aplicação de massa e lixamento);
qualquer tipo de pintura sobre alvenaria (com massa corrida ou concreto), madeira, ferro, estruturas
metálicas, fibrocimento; outros serviços de pintura que se façam necessários.

4.2.1.6 Carpintaria: Manutenção e recuperação de portas, janelas e esquadrias danificadas pelo


cupim ou pelo tempo, conserto de mesas, cadeiras e armários, conserto do madeiramento de
telhados, colocação de telas em janelas e grades, colocação de quadros, trincos, porta cadeado e
ferrolhos; outros serviços de carpintaria que se façam necessários.
2
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

4.2.1.7 Esquadrias: Colocação, remoção, manutenção e conservação em esquadrias de modo em


geral (vidro, madeira, alumínio, etc.).

4.2.1.8 Cobertura: Colocação, remoção, manutenção e conservação da cobertura em geral (telhas,


calhas, rufos, etc.).

4.2.2 As especificações definem técnicas e rotinas a serem seguidas pela CONTRATADA, em estrita
concordância e obediência às normas técnicas vigentes, com o objetivo de permitir o perfeito
funcionamento das instalações prediais e dos equipamentos, objeto do Edital, de forma a
proporcionar atividades ininterruptas nos prédios da UTFPR Londrina.

4.2.3 Os preços apresentados pela CONTRATADA deverão cobrir todos os custos dos serviços,
abrangendo o fornecimento de mão de obra especializada, leis e encargos sociais decorrentes,
ferramentas e equipamentos, transportes, veiculo, celular, hospedagens, passagens, fretes,
remoção de móveis, máquinas ou equipamentos para execução dos serviços e seu
reposicionamento no local, limpeza do ambiente, enfim, tudo o que for preciso para garantir a
qualidade e funcionalidade dos serviços solicitados.

4.2.4 Os preços apresentados pela contratada deverão cobrir também o remanejamento de paredes de
divisória (painel e perfil) com deslocamento do material de local para outro dentro da unidade
administrativa da UTFPR.

4.2.5 No caso de dúvidas, recomenda-se consulta a UTFPR Londrina, para os esclarecimentos


pertinentes, antes da apresentação da proposta.

4.2.6 Este documento será parte integrante do Contrato, independentemente de sua transcrição.

5 DA COMPOSIÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA:


5.1 A empresa contratada deverá manter uma equipe de técnicos, devidamente qualificados,
uniformizados, portadores de crachá de identificação, para atendimento às solicitações da
contratante sendo constituída, como sugestão, pelos seguintes profissionais:
5.1.1 Encanador: deverá possuir conhecimentos elementares em instalações prediais e experiência
em serviços de sistema hidráulico.
5.1.2 Eletricista: deverá ter experiência comprovada bem como sólidos conhecimentos do sistema
elétrico, sendo capaz de executar as atividades básicas demandadas pelos sistemas
lógico/telefônico.
5.1.2.1 Com o objetivo de dar suporte técnico e operacional ao profissional acima, a Contratada deverá
possuir um engenheiro eletricista ou outro profissional com atribuições equivalentes, devidamente
reconhecidas pelo CREA. No caso de o técnico não possuir capacidade para executar todas
as tarefas do Plano de Manutenção, a empresa Contratada deverá fornecer a mão-de-obra
necessária para tal. Portanto, a equipe deverá ter a seguinte composição:
5.1.3 Engenheiro civil, devidamente reconhecido pelo CREA; encanador; pedreiro/pintor; carpinteiro;
técnico em refrigeração, montador de divisórias, etc.
6 DA VISTORIA PRÉVIA

6.1 A licitante deverá realizar vistoria prévia para inspeção do local da prestação dos serviços, de
modo a obter, para sua própria utilização e por sua exclusiva responsabilidade, toda a informação
necessária à elaboração da proposta, nos termos do item 7 do Edital, em cumprimento ao Art. 15,
VIII, da IN n.º 02/08, alterada pela IN 03/09- SLTI/MPOG.

7 DOS RELATÓRIOS MENSAIS

7 .1 A CONTRATADA deverá fornecer, à CONTRATANTE, relatórios mensais com o conteúdo descrito


abaixo, e com outras informações que venham a ser solicitadas:
7.1.1 serviços preventivos, corretivos executados;
7.1.2 data, horário de início e de término dos trabalhos;
3
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

7.1.3 nomes dos profissionais que atuaram na execução dos serviços;


7.1.4 planilha de controle de retrabalho;
7.1.5 serviços em andamento;
7.1.6 serviços a executar (corretivos e preventivos);
7.1.7 estudos e levantamentos realizados;
7.1.8 alterações efetuadas nos planos de manutenção;
7.1.9 avaliações dos equipamentos e sistemas;
7.1.10 relatórios de alerta;
7.1.11 relatório de vistoria mensal da CONTRATADA;
7.1.12 relatório de falta(s) apontadas pela CONTRATANTE.
7.1.13 relatórios de não conformidade.

7.2 A CONTRATADA, até o 5º dia útil de cada mês, enviará ao Gestor do Contrato o relatório mensal
dos serviços prestados no mês anterior.

8 DAS NORMAS TÉCNICAS E DE SEGURANÇA

8.1 Na execução dos serviços de manutenção deverão ser observadas as normas técnicas cabíveis da
Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.

8.2 A Contratada deverá cumprir a legislação vigente sobre Segurança do Trabalho, em especial o que
determina a Portaria Ministerial no 3.214, de 08/06/78, do Ministério de Trabalho, e suas
alterações, que dispõe sobre as Normas Regulamentadoras.

8.3 A Contratada deverá fornecer, gratuitamente, ao pessoal sob sua responsabilidade, o


Equipamento
de Proteção Individual – EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e
funcionamento, sempre que as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis ou não
oferecerem proteção. A Contratada deverá treinar e orientar seus empregados para o uso
adequado e obrigatório do EPI, substituindo-o quando danificado ou extraviado e se
responsabilizando pela sua higienização e manutenção.

8.4 A Contratada deverá executar, quando necessário ou ainda, quando solicitado pela UTFPR,
sinalização de segurança conforme legislação vigente, inclusive no que diz respeito a isolamento
de área de trabalho, visando também, onde necessário, a proteção de terceiros.
9 DA SUBCONTRATAÇÃO
9.1 Será admitida a subcontratação dos seguintes itens:

a) Inspeção termográfica da subestação;


b) Teste do óleo dos transformadores;
c) Rede de esgoto;
d) Serviços de solda;
e) Certificação de cabeamento de lógica;
f) Teste de extintores de incêndio;
g) Outros, mediante aprovação prévia da fiscalização do contrato.

9.2 Os serviços especializados a cargo de diferentes firmas subcontratadas serão coordenados pela
Contratada, de modo a proporcionar o andamento harmonioso em seu conjunto, permanecendo sob
sua inteira responsabilidade o cumprimento das obrigações contratuais.
9.3 Os serviços subcontratados não serão ressarcidos, devendo ser incluídos no valor mensal fixo do
contrato.

10 DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATANTE

10.1 Exercer a fiscalização dos serviços por servidor especialmente designado e documentar as
ocorrências havidas.

4
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

10.2 Formalizar as solicitações de manutenção corretiva por meio de solicitação de serviços e enviá-las
à Contratada pelos meios de comunicação disponibilizados por esta.

10.3 Facilitar aos empregados e/ou aos prepostos da CONTRATADA o acesso às áreas onde os
serviços serão executados, aos equipamentos, às plantas e aos documentos técnicos, prestando-
lhes os esclarecimentos eventualmente solicitados;

14.5 Notificar a CONTRATADA, por escrito, sobre imperfeições, falhas ou irregularidades constatadas na
prestação dos serviços para que sejam adotadas as medidas corretivas necessárias;

14.6 Manifestar-se formalmente em todos os atos relativos à execução do contrato, em especial,


aplicação de sanções, alterações e reajustes do Contrato.

14.7 Aplicar as sanções administrativas, quando se fizerem necessárias.

14.8 Efetuar os pagamentos devidos nas condições estabelecidas neste Contrato;

14.9 Comunicar à CONTRATADA, por escrito, as irregularidades quanto á execução dos serviços ora
contratados;

14.10 Fornecer à Contratada os materiais necessários à execução dos serviços, quando solicitados;

14.11 Exigir o imediato afastamento de qualquer funcionário ou preposto da CONTRATADA que não
mereça sua confiança, que embarace a fiscalização ou que se conduza de modo inconveniente ou
incompatível com o exercício das suas funções;

11 DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA

11.1 Realizar todos os serviços relacionados no Programa de Manutenção Predial de caráter preventivo
e corretivo.

11.2 Comunicar por escrito à Fiscalização da Contratante, de forma detalhada, todo tipo de acidente que
eventualmente venham a ocorrer com seus empregados.

11.3 Apresentar, mensalmente, o Relatório de Manutenção detalhado dos serviços executados, tipo das
manutenções corretivas efetuadas, com indicação dos equipamentos afetados, causas do defeito,
peças substituídas, etc. Apresentar sugestões, com vistas a melhorar a eficiência e confiabilidade
das instalações.

11.4 Fornecer um relatório técnico relativo a cada chamado, que identifique os bens reparados e os
serviços que foram executados, a data e hora do início e término das atividades, para controle da
CONTRATANTE.

11.5 Indicar e apresentar à Fiscalização da contratante o Responsável Técnico pelos serviços.

11.6 Acatar as instruções e observações da Fiscalização da Contratante refazendo qualquer trabalho


não aceito.

11.7 Manter seu pessoal devidamente uniformizado e identificado. Substituir mediante solicitação,
qualquer empregado, cuja conduta seja julgada inconveniente pela Contratante,
independentemente de apresentação de justificativa.

11.8 Substituir qualquer empregado, no caso de ausência por motivo de falta, férias e outros, de maneira
a não prejudicar o andamento e a boa execução dos serviços.

11.9 Promover, em finais de semana ou feriados, de forma plena, sem encargos adicionais para a
UTFPR Londrina, a execução dos serviços de manutenção preventiva que dependa de
desligamento da energia e causem prejuízos de continuidade ao funcionamento do Órgão.

5
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

11.10 Solicitar à Contratante os materiais necessários à realização dos serviços contratados;

11.11 Promover se for o caso, de forma imediata e plena, a execução dos serviços inadiáveis, ou que
possam provocar prejuízos ou danos aos bens da UTFPR Londrina ou que possam afetar o
funcionamento ou a continuidade dos serviços.

11.12 Apresentar à Fiscalização da UTFPR Londrina o Programa de Rotina de Atendimento, até 30


(trinta) dias do início do contrato, abrangendo todos os imóveis, de tal forma que se possa
diariamente saber quais os serviços que estão sendo realizados e onde estão atuando as equipes.
11.13 Disponibilizar de imediato todo o instrumental de testes, equipamentos mecânicos e eletrônicos,
ferramental adequado, etc., necessários aos serviços.

11.14 Fornecer a seus empregados todos os equipamentos de proteção individual de caráter rotineiro, tais
como: capacetes, protetores faciais, óculos de segurança, luvas, calçados adequados, cintos de
segurança, etc.

11.15 Prestar assessoramento técnico, sempre que solicitado pela Fiscalização.

11.16 Executar escavações e aterros necessários para a execução de serviços de manutenção predial,
sem encargos adicionais para a UTFPR Londrina.

11.17 Fornecer toda mão de obra necessária para a recomposição de paredes, forros e pisos, que
tenham sido demolidos ou danificados em decorrência de execução de serviços de manutenção,
sem encargos adicionais para a UTFPR Londrina.

11.18 Recolocar nos seus devidos lugares, móveis e equipamentos que forem deslocados para execução
de serviços.

11.19 Desmontar, transportar e remontar paredes de divisória dentro das dependências da UTFPR
Londrina, readequando as instalações elétricas, lógicas e telefônicas (estruturada ou não),
assumindo a responsabilidade pelo segurança e qualidade dos serviços executados.

11.20 Fornecer veiculo automotor para transporte de seus funcionários até as instalações da UTFPR
Londrina e suas áreas de abrangência, para serviços objetos do contrato.

11.21 Além dos encargos assumidos em outras cláusulas deste Contrato e seus anexos, a
CONTRATADA obriga-se à:

I) Assumir plena responsabilidade legal, administrativa e técnica pela ordeira execução dos serviços
e pela qualidade dos mesmos, efetuando a Anotação de Responsabilidade Técnica - ART, junto ao
CREA, referente ao objeto deste Contrato, em conformidade com a Resolução CONFEA nº 425, de
18/12/98;

II) Fiscalizar o pessoal que executar o serviço, direta ou indiretamente, no fiel cumprimento das
normas impostas pela CONTRATANTE, ficando entendido que o seu descumprimento por
quaisquer dessas pessoas, acarretará o imediato afastamento do infrator;

III) Pagar quaisquer tributos incidentes sobre sua atividade empresarial ou sobre o presente
Contrato, bem como os encargos sociais e trabalhistas que incidam sobre seus empregados e/ou
prepostos;

IV) Responsabilizar-se civil e criminalmente por todos os atos e omissões que seus empregados
e/ou prepostos direta ou indiretamente cometerem no interior das Unidades do CONTRATANTE;

V) Cumprir todas as exigências da Fiscalização, notadamente aquelas relativas a prazos de


prestação, conclusão e entrega de serviços, bem como as referentes à prestação de serviços em
condições especiais de prazo, especificações, prioridades e de emergência;

VI) Manter um “Diário de Ocorrência” para registro das ordens especiais de serviços, anotações de
irregularidades encontradas e todas as ocorrências relativas à execução deste contrato;
6
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

VII) Atender com presteza às exigências, ponderações ou reclamações da Fiscalização, seja elas
verbais ou escritas, relativas à execução dos serviços;

VIII) Manter Apólice de Seguro de “Acidentes de Trabalho” do seu pessoal, qualquer que seja a
categoria, cobrindo, particularmente, os casos de morte e invalidez permanente, direta ou
indiretamente vinculada ao objeto do Contrato;

IX) Apresentar ao CONTRATANTE, quando solicitados, os certificados de regularidade dos


encargos sociais e trabalhistas;

X) Fornecer, por sua conta, todos os equipamentos, maquinários e ferramental necessário à


execução dos serviços bem como os materiais necessários à limpeza destes, restando à
CONTRATANTE somente o fornecimento dos materiais de consumo, tais como: tintas, massa
corrida, argamassa pronta, cimento, canos, conexões, colas, fita veda-rosca, fita isolante, fios,
cabos elétricos, parafusos e outros correlatos.
XI) Substituir, qualquer empregado e/ou preposto cuja presença nas áreas de prestação de serviços
seja julgada inconveniente pela Fiscalização, sem que esta fique obrigada a declarar os motivos de
sua resolução;

XII) No caso de comprovada necessidade de substituição de membro da equipe técnica indicada


para a execução dos serviços, mormente em se tratando de responsável (is) técnico(s), o(s)
nome(s) e os dados demonstrativos da respectiva capacidade técnica de seu(s) substituto(s)
deverá(ão) ser, tempestivamente, submetido(s) à aprovação do Órgão de Fiscalização;

XIII) Observar no local da prestação de serviços a correta apresentação dos empregados e/ou
prepostos, os quais deverão estar devidamente instruídos quanto as suas funções e
responsabilidades, exigindo-se ainda deles que tratem com urbanidade e cortesia o público, usuário
e empregados da CONTRATANTE;

XIV) Manter o pessoal engajado na execução dos serviços com adequado equipamento individual
de segurança (capacete, luvas, óculos, cintos, calçados etc.) julgados necessários pelas normas
legais de segurança, medicina e higiene do trabalho, para cada categoria profissional;

XV) Assegurar para que a execução dos serviços seja feita de maneira segura em relação aos
empregados, usuários da CONTRATANTE e terceiros, tomando as precauções necessárias
(avisos, interdição de áreas etc.);

XVI) Confeccionar e usar placas indicativas de situação de perigo, alta tensão ou outras indicações,
tudo de boa qualidade e compatíveis com o ambiente público do CONTRATANTE, de modo que os
serviços possam ser executados com a maior segurança possível;

XVII) Zelar pela boa e completa prestação dos serviços e facilitar a ampla ação da Fiscalização,
atendendo prontamente às observações e exigências que lhe forem apresentadas;

XVIII) Remover entulhos e materiais de acordo com a orientação da Fiscalização, desobstruindo e


limpando as áreas de intervenção, com o auxílio de carrinhos apropriados para facilitar o transporte
de material e ferramental;

XIX) Fazer inspeção periódica nos equipamentos de proteção individual e coletiva, retirando de
circulação aqueles que estiverem sem condições seguras de uso;

XX) Dispor, durante a vigência do contrato, de veículos capazes de transportar instrumentos,


equipamentos e/ou componentes necessários à execução dos serviços objeto do presente contrato;

XXI) Apresentar à Fiscalização, no prazo máximo de 30 (trinta) dias após a data de assinatura do
contrato, a programação de atendimento mensal constante no Termo de Referência e de acordo
com a Rotinas Básicas de Manutenção Predial;

7
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

XXII) Comunicar, por escrito, eventual atraso ou paralisação dos serviços, apresentando razões
justificadoras a serem apreciadas pelo CONTRATANTE;

XXIII) Executar serviços de maior vulto, que impliquem na paralisação do equipamento por maior
período de tempo, somente após prévia aprovação da Contratante.

12 DO PAGAMENTO

12.1 O pagamento pela prestação dos serviços será efetuado através do Sistema Integrado de
Administração Financeira - SIAFI, a crédito do beneficiário, em um dos bancos credenciados pelo
Estado, no prazo de até 15 (quinze) dias corridos da data de apresentação da Nota Fiscal, que será
conferida e atestada pelo fiscal responsável, sendo que o atraso no seu recebimento implicará na
prorrogação proporcional do seu vencimento.

13 DAS DEFINIÇÕES E DOS CONCEITOS

13.1 Com o objetivo de identificar e padronizar os termos que serão utilizados no relacionamento
CONTRATANTE/CONTRATADA, os quais visam atender a conveniência da organização dos
serviços de manutenção, fica estabelecida a adoção dos seguintes conceitos e definições:

13.1.1 Instalações e Sistemas: Conjunto de equipamentos, elementos ou materiais ligados fisicamente


ou não, os quais, através do desempenho de suas funções individuais, contribuem para uma
mesma função.

13.1.2 Equipamentos: Conjunto de elementos agrupados fisicamente para executar determinada função.

13.1.3 Manutenção: Conjunto de atividades exercidas com o objetivo de assegurar plena capacidade e
condições de funcionamento contínuo e confiável às Instalações, Sistemas e Equipamentos.
Assegurar também a instalações de novos equipamentos que por ventura venham a ser adquiridos
e ou remanejados pela Instituição, desde que não comprometam ou implique em prejuízo para as
instalações existentes.

13.1.4 Manutenção Preventiva: Conjunto de ações desenvolvidas sobre Instalações, Equipamentos ou


Sistemas com programação antecipada e efetuada dentro de uma periodicidade através de
inspeções sistemáticas, detecções e de medidas necessárias para evitar falhas, com o objetivo de
mantê-lo em estado de uso ou de operação para o qual foram especificados.

13.1.5 Manutenção Corretiva: Conjunto de serviços mobilizados após ocorrência de defeitos ou falhas no
funcionamento de Instalações, Equipamentos e Sistemas, por falhas, ou vencimento da vida útil de
componentes, que resultem na recuperação do estado de uso, de operação ou para que o valor do
patrimônio seja garantido. Neste item incluem-se os serviços necessários de recomposição de
acabamentos ou de componentes afetados, conforme o existente. Assegurar também a instalação
de novos equipamentos (na rede elétrica, dados e voz) que por ventura venham a ser adquiridos e
ou remanejados pelo Instituto, desde que não comprometam ou impliquem em prejuízo para as
instalações existentes. Os custos envolvidos em tais serviços serão de inteira responsabilidade do
Contratado.

13.1.6 Programa de Manutenção: É o plano de trabalho elaborado para cada equipamento ou para cada
sistema, seguindo determinada metodologia, com discriminação pormenorizada dos serviços de
manutenção e suas respectivas etapas, fases, sequências ou periodicidade e com previsão das
atividades de coordenação para execução desses serviços.

13.1.7 Relatório Mensal de Manutenção: É o instrumento de apresentação dos serviços de manutenção


preventiva e corretiva desenvolvido pela CONTRATADA. Deverá conter relatórios, conforme
modelo previamente aprovado, discriminando nome e função dos funcionários, data, local, horários
de início e término, tempos, métodos, ferramental e instrumental utilizado, relação de
dependências, análise dos testes, visto do executante e do chefe ou servidor da Unidade
Administrativa onde os serviços foram efetivamente executados.

8
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

13.1.8 Normas Técnicas: É a designação genérica do conjunto de métodos, especificações,


padronizações e terminologias estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas –
ABNT para a execução dos serviços de manutenção e operação dos sistemas ou dos
equipamentos.

13.1.9 Especificações: É o conjunto de preceitos destinados a fixar as características, condições ou


requisitos mínimos exigíveis para os materiais, elementos ou subconjuntos dos componentes de
equipamentos e sistemas.

13.1.10 Defeito: Anormalidade num equipamento ou sistema que não impede o desempenho de sua
função.

13.1.11 Falha: Anormalidade num equipamento ou sistema com interrupção da capacidade de


desempenhar sua função.

13.1.12 Níveis de Anormalidades: É a graduação de consequências que as falhas e defeitos poderão


acarretar nos equipamentos ou nos sistemas, subdivididos em:

I- Emergência: Ocorrência de defeitos ou falhas num equipamento ou sistema onde sejam


requisitadas ações imediatas a fim de preservar vidas ou patrimônio bem como continuidade dos
serviços prestados pela UTFPR Londrina.

II- Urgência: Ocorrência de defeitos ou falhas que demandem ações a fim de manter a continuidade
da prestação dos serviços inerentes a UTFPR Londrina.

III- Alerta: Ocorrência de defeito ou falha num equipamento ou sistema que poderá acarretar uma
situação do Item I ou II.

13.1.13 Tempo de Atendimento: É o tempo determinado para mobilização pela CONTRATADA, dos
recursos necessários, visando sanar defeitos ou falha dos equipamentos ou sistemas.

13.1.14 Ocorrência: Qualquer acontecimento não previsto na rotina dos Programas de Manutenção ou
Operação.

13.1.15 Equipamentos de Proteção Individuais ou Coletivos: São todos os equipamentos exigidos pelos
órgãos governamentais para execução de serviços profissionais, tais como: luvas, capacetes,
botas, cintos, óculos, etc., fornecidos pela CONTRATADA, dentro do preço fixo cobrado pela
execução dos serviços.

13.1.16 Equipamentos e Ferramentas Básicas de Manutenção: São equipamentos (ferramentas


manuais e elétricas, máquinas, veiculo automotor, celular, instrumentos de teste, instrumentos de
aferição ou de medição), que a CONTRATADA deverá obrigatoriamente dispor e que serão
utilizados para os serviços, e seu custo deverá estar contido no preço mensal.

13.1.17 Equipe de Manutenção: É o grupo de profissionais constituído por empregados da


CONTRATADA, cuja função é executar os serviços considerados indispensáveis, rotineiros,
preventivos, corretivos e emergenciais.

13.1.17 Materiais de consumo: São todos os materiais aplicáveis para execução de serviços na
manutenção dos equipamentos ou instalações, tais como: cola, cola para tubos em PVC, fita
isolante, pontos elétricos (eletrodutos, tomadas, fios ou cabos, disjuntores, quadros elétricos de
sobrepor, abraçadeiras, parafusos e buchas), pontos telefônicos (eletrodutos, tomadas padrão
Telebrás, fios e cabos, quadros de sobrepor, abraçadeiras, buchas com parafusos, etc.), pontos
lógicos (cabo UTP, eletroduto, conduletes, abraçadeiras, terminais RJ (macho e fêmea), patch e
lane cords), Durepóxi, massa de calafetar, graxa, lubrificantes, parafusos com buchas, veda rosca e
outros afins, fornecidos pela CONTRATANTE.

13.1.18 Material de Reposição: Todo e qualquer material ou peça necessária para a consecução das
rotinas de manutenção corretiva, fornecidos pela CONTRATANTE.

9
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

13.1.19 Ordem de Serviço: Comunicado do Contratante para execução de serviços inseridos no Contrato.
Após a execução do serviço a O.S. deverá ser visada pelo responsável da unidade local objeto da
mesma.

13.2 A CONTRATADA deverá manter as instalações e os equipamentos em condições normais de


funcionamento, executando a manutenção preventiva necessária, sem alterar as características
técnicas dos mesmos.

13.3 Na manutenção preventiva de todas as instalações e equipamentos, objeto desta licitação, serão
observadas rotinas programadas aprovadas pela Fiscalização e executadas, se possível, no
período das 08:00 às 18:00 horas em dias úteis.

13.4 As manutenções corretivas deverão ser realizadas imediatamente após a identificação de sua
necessidade, evitando, assim, danos adicionais. Os prejuízos decorrentes de falhas comprovadas
na manutenção preventiva ou corretiva serão imputados à CONTRATADA.

13.5 Nas situações caracterizadas como níveis de anormalidades de emergência, a CONTRATADA


deverá, com a maior brevidade possível, mobilizar técnicos e equipamentos necessários à solução
do problema.
14 DA ORDEM DE SERVIÇO
14.1 Por ocasião da assinatura do contrato o Ordenador de Despesas emitirá Ordem de Serviço
autorizando o início da execução dos serviços, conforme Anexo VII do Edital de Pregão Eletrônico
nº. 022/2010.
15 DO PRAZO DE EXECUÇÃO E VIGÊNCIA DO CONTRATO
15.1 O prazo de vigência do contrato será de 12 (doze) meses a partir do encaminhamento da ordem de
serviço, e será executado na data prevista na O. S., tendo validade e eficácia legal após a
publicação de seu extrato no Diário Oficial da União.

15.2 A vigência do contrato poderá ser prorrogada por períodos iguais e sucessivos, através de Termo
Aditivo, com vistas à obtenção de preços e condições mais vantajosas para a administração,
limitada a 60 (sessenta) meses, na forma do artigo 57, inciso II, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de
1993.
16 DO CUSTO ESTIMADO DA CONTRATAÇÃO
16.1 O custo fixo anual estimado do contrato é de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) para prestação dos
serviços de acordo com a planilha estimativa de composição de custos e formação de preços,
conforme tabela abaixo:

GRUPO ÚNICO
Item 1 Manutenção predial preventiva e corretiva 1 un 15.000,00
Item 2 Manutenção e conservação de bens móveis 1 un 5.000,00

Valor do chamado Valor da hora do Valor da hora do ajudante


profissional
83,33 71,33 31,00
Vale observar que esta planilha é apenas um indicativo de preços, servindo como referencial para
a Administração. Considerou-se uma equipe suficiente para a execução de todo o Plano de
Manutenção exigido neste Termo de Referência. O valor médio apresentado na Planilha acima
será o máximo a ser pago pelo item.

17 DO CRITÉRIO DE JULGAMENTO DA PROPOSTA


17.1 O critério de julgamento será o de tipo menor preço global, pelo “maior percentual de desconto
sobre o custo estimado anual de R$ 20.000,00, por ser o mais adequado à espécie.

10
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

17.2 O desconto ofertado expresso em percentuais do valor do item será imutável. O desconto será
aplicado sobre valor do serviço (hora trabalhada e/ou chamado).

18 DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

18.1 As despesas decorrentes da aquisição correrão à conta do Orçamento Geral da União para o
exercício de 2010 a cargo da UTFPR - Campus Londrina, Fonte 0112000000, Plano Resumido de
Trabalho 001957, elementos de despesa 339039.16 (manutenção e conservação de bens imóveis)
e 339039.20 (manutenção e conservação de bens móveis).

19 DO LOCAL DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO

19.1 Os serviços serão executados na Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Londrina
situada na Avenida dos Pioneiros, nº. 3131, Jardim Morumbi.

APROVAÇÃO
Solicitamos aprovação do presente Termo Verificados os requisitos exigidos pelo art. 9º, §2º
observado o Art. 9º, II, do Decreto nº. 5.450/2005, do Decreto nº. 5.450/2005. Resolvo pela
através do(a) pregoeiro(a)
Heloisa Cardoso Ferraz, que este subscreve.
( x ) Aprovação. ( ) Não aprovação.

Londrina/PR, 08/10/2010. Londrina/PR, 08/10/2010.

Evandro Fujisao de Oliveira Marcos Massaki Imamura


Requisitante Diretor Geral
Campus Londrina Campus Londrina

11
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

PROCESSO Nº. 23064.006289/2010-10


EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 022/2010
A UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - CAMPUS LONDRINA, autarquia federal
criada pela Lei nº 11.184, de 7 de outubro de 2005, inscrita no CNPJ nº. 75.101.873/0011-61, situada na
Avenida dos Pioneiros, 3131 – Jd Morumbi, inscrita no CNPJ sob o nº. 75.101.873/0011-61, através do (a)
pregoeiro (a) designado (a) pela portaria n.º 0105 de 01/10/2009, do Sr. Diretor Geral do Campus Londrina,
torna público que realizará licitação na modalidade de PREGÃO ELETRÔNICO, para a prestação de serviços
de manutenção predial, sob regime de EMPREITADA POR PREÇO GLOBAL, tipo menor preço, considerado
o maior percentual de desconto, nos termos da Lei nº. 10.520, de 17/07/2002, Lei nº. 8.248 de 23/10/1991;
Decretos nº. 2.271 de 07/07/1997, nº. 3.555, de 08/08/2000, nº. 5.450, de 31/05/2005, nº. 3.722, de
09/01/2001 e nº. 3.784, de 06/04/2001, Lei Complementar nº. 123/06, Instrução Normativa nº. 02/08, SLTI-
MPOG alterada pela IN 03 de 15/10/2009, aplicando-se subsidiariamente o disposto na Lei nº. 8.666, de
21/06/1993, atualizada, bem como pelas condições estabelecidas neste Edital e seus anexos e, em
conformidade com a autorização contida no Processo nº. 23064.006289/2010-10

ABERTURA DA SESSÃO: 25/10/2010


ÀS 09h30min – Horário de Brasília
LOCAL: www.comprasnet.gov.br

 ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA DE PREÇOS E ANEXOS: a partir das 08h h30min do dia


13/10/2010 até às 09h
h30min do dia 25/10/2010 no site www.comprasnet.gov.br.

1 DO OBJETO
1.1 O presente Edital tem por objeto a contratação de empresa especializada na prestação de serviço
de caráter preventivo e corretivo nas instalações prediais, envolvendo consertos, recuperação
(alvenaria, carpintaria, marcenaria, serralheria, pintura, hidráulica, telefonia, lógica e elétrica) e
manutenção e conservação de bens móveis com fornecimento de mão de obra, ferramentas e
equipamentos necessários, a serem realizados nas dependências dos prédios da da UTFPR –
Campus Londrina, sito na Avenida dos Pioneiros, 3131 – Jardim Morumbi, perfazendo a área de
10.438,497 m², aproximadamente, observadas as condições e especificações estabelecidas.

2 DOCUMENTOS INTEGRANTES
2.1 Integram o presente Edital, para todos os fins e efeitos, o Termo de Referência e os seguintes
anexos:
ANEXO I Plano Básico de Manutenção;
ANEXO II Normas Técnicas;
ANEXO III Modelo (Planilha de Custos e Formação de Preço);
ANEXO IV Modelo de Atestado de Vistoria;
ANEXO V Minuta de contrato;
ANEXO VI Modelo de Ordem de Serviço; e
ANEXO VII Modelo Ordem de Serviço - Chamado

3 DA IMPUGNAÇÃO DO ATO CONVOCATÓRIO E PEDIDOS DE ESCLARECIMENTOS


3.1 Qualquer pessoa poderá impugnar o ato convocatório, cuja petição poderá ser encaminhada
administrativamente, via ofício, e-mail demap-ld@utfpr.edu.br ou fax (43) 3315-6121, dirigida ao
(à) Pregoeiro (a), até 02 (dois) dias úteis antes da data fixada para abertura da sessão pública,
nos termos do Art. 18 do Decreto nº. 5.450/05.
3.2 Caberá ao (a) Pregoeiro (a) decidir sobre a petição no prazo de 24 (vinte e quatro) horas.
3.3 Acolhida a petição contra o ato convocatório, será designada nova data para a realização do
certame.
3.4 Os pedidos de esclarecimentos referentes ao processo licitatório deverão ser enviados ao (à)
pregoeiro (a), até 03 (três) dias úteis anteriores à data fixada para a abertura da sessão

12
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

pública, exclusivamente por meio eletrônico via internet, no endereço demap-ld@utfpr.edu.br (Art.
19, do Decreto nº 5.450/05).
3.5 O teor das impugnações e questionamentos/esclarecimentos solicitados, bem como as respectivas
respostas ficarão disponíveis para conhecimento dos fornecedores e sociedade em geral no sistema
ComprasNet, no site www.comprasnet.gov.br, por meio do link: Acesso Livre > Pregões >
Agendados.
3.6 Qualquer modificação no edital será divulgada pelo mesmo instrumento de publicação em que se
deu o texto original, reabrindo-se o prazo inicialmente estabelecido, exceto quando,
inquestionavelmente, a alteração não afetar a formulação das propostas.

4 DAS CONDIÇÕES PARA PARTICIPAÇÃO


4.1 Poderão participar deste Pregão as empresas, inclusive as que se enquadrem com microempresa e
empresa de pequeno porte, na forma do Art. 3º e 4º da Lei Complementar nº. 123, de 14/12/2006,
que:
4.1.1 Atendam as condições deste EDITAL e apresentem os documentos nele exigidos, em original ou por
qualquer processo de cópia autenticada por Cartório de Notas e Ofício competente, ou por servidor
da Equipe de Pregão da Entidade Licitante, à vista dos originais;
4.1.2 Estejam cadastradas e parcialmente habilitadas no Sistema de Cadastramento Unificado de
Fornecedores – SICAF, nos termos do Art. 1º, § 1º, do Decreto 3.722/2001.
4.1.3 Não estejam sob falência, concordata, concurso de credores, dissoluções, liquidações, consórcios
de empresas, recuperação judicial e extrajudicial, e não sejam controladoras, coligadas ou
subsidiárias entre si;
4.1.4 Não tenham sido declaradas inidôneas por qualquer órgão da Administração Pública, direta ou
indireta, federal, estadual, municipal ou do Distrito Federal.
4.2 Por ocasião do envio da proposta, a licitante enquadrada como microempresa ou empresa de
pequeno porte deverá declarar, em campo próprio do Sistema, que atende aos requisitos do Art. 3º
da Lei Complementar nº 123/2006, para fazer jus aos benefícios previstos na referida Lei
4.3 Às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte não se exigirá a comprovação de regularidade
fiscal como condição para participação na licitação, sendo exigível aquela somente para efeito de
contratação, na forma do Art. 42 da Lei Complementar nº. 123/2006.

5 DA REPRESENTAÇÃO E DO CREDENCIAMENTO
5.1 As empresas não cadastradas no SICAF, e que tiverem interesse em participar do presente pregão,
deverão providenciar o seu cadastramento e sua habilitação junto a qualquer Unidade Cadastradora
dos órgãos da Administração Pública, até o terceiro dia útil anterior à data do recebimento das
propostas. (Art. 3º, §2º, do Decreto nº. 3.722/2001).
5.2 O credenciamento dar-se-á pela atribuição de chave de identificação e de senha, pessoal e
intransferível, para acesso ao sistema eletrônico (Art. 3º, § 1º, do Decreto nº. 5450/2005), no site
www.comprasnet.gov.br.
5.3 O credenciamento do licitante dependerá de registro cadastral atualizado no Sistema de
Cadastramento Unificado de Fornecedores – SICAF, que também será requisito obrigatório para fins
de habilitação.
5.4 O credenciamento junto ao provedor do sistema implica na responsabilidade legal do licitante a
presunção de sua capacidade técnica para realização das transações inerentes ao pregão na forma
eletrônica (Art. 3º, § 6º, do Decreto nº. 5.450/2005).
5.5 O uso da senha de acesso pelo licitante é de sua responsabilidade exclusiva, incluindo qualquer
transação efetuada diretamente ou por seu representante, não cabendo ao provedor do sistema ou
à UTFPR - Campus Londrina, órgão promotor da licitação, responsabilidade por eventuais danos
decorrentes do uso indevido da senha, ainda que por terceiros (Art.3º, § 5º, do Decreto nº.
5.450/2005).

13
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

6 DO TIPO DE LICITAÇÃO
6.1 Trata-se de licitação do tipo MENOR PREÇO GLOBAL com base nos valores máximos
estabelecidos no Termo de Referência, conforme disposto no Art. 4°, X da Lei nº. 10.520/2002 e Art.
2º, §2º do Decreto nº. 5.450/2005.

7 DA VISTORIA PRÉVIA
7.1 Nos termos do Art. 19, inciso IV, da IN nº. 02/08 – SLTI/MPOG, alterada pela IN n.º 03/09, a licitante
deverá realizar vistoria prévia e inspecionar o local objeto da prestação do serviço para sua própria
utilização e por sua exclusiva responsabilidade, toda a informação necessária à elaboração da
proposta.
7.2 A vistoria deve ser agendada na Divisão de Administração da Sede, no telefone (43) 3315-6122,
com o servidor Evandro F. de Oliveira até o dia útil anterior da abertura da sessão pública.
7.3 O Atestado de Vistoria Prévia (MODELO – Anexo IV) deverá ser encaminhado, no prazo do item
13, juntamente com a proposta.

8 DO ENVIO DA PROPOSTA DE PREÇOS


8.1 Após a divulgação do edital no endereço eletrônico, os licitantes deverão encaminhar proposta com
a descrição do objeto ofertado e o preço, ou seja, o valor estimado previsto para contratação
(R$ 20.000,00) e o percentual de desconto sobre o referido valor, até a data e hora marcadas
para abertura da sessão, exclusivamente por meio do sistema eletrônico, quando, então, encerrar-
se-á, automaticamente, a fase de recebimento de propostas.
8.2 A participação no pregão dar-se-á pela utilização da chave de identficação e senha privativa da
licitante e subseqüente encaminhamento da Proposta de Preços com valor total do item, a partir
das 08h h30min do dia 13/10/2010 até às 09h h30min do dia 25/10/2010, horário de Brasília,
exclusivamente por meio do sistema eletrônico.
8.3 O arquivo com a proposta de preços (MODELO – ANEXO III) deverá ser enviado compactado, (ex:
empresa.zip) quando solicitado pelo(a) pregoeiro(a).
8.4 O licitante deverá manifestar, em campo próprio do sistema eletrônico que cumpre plenamente os
requisitos de habilitação e que sua proposta está em conformidade com as exigências do
instrumento convocatório, bem como tocante à Declaração de Elaboração Independente de Propota
exigida pela IN/MPOG n° 2, de 16.09.2009.
8.5 A declaração falsa relativa ao cumprimento dos requisitos de habilitação e proposta sujeitará o
licitante às sanções previstas no Decreto nº. 5.450/2005.
8.6 Até a abertura da sessão, os licitantes poderão retirar ou substituir a proposta anteriormente
apresentada.
8.7 A partir de 02 de outubro de 2008, o Portal de Compras do Governo Federal realizou alteração de
funcionalidade do pregão eletrônico, portanto, a licitante fica obrigada a detalhar o objeto ofertado,
no campo “Descrição Detalhada do Objeto Ofertado” (antigo “Descrição Complementar”), que passa
de 800 (oitocentos) para 5000 (cinco mil) caracteres.
8.8 Não havendo informação adicional, em atendimento à exigência do sistema, basta que a empresa
declare no citado campo: “Conforme edital”.
8.9 A Proposta de Preços (MODELO - ANEXO III) deverá ser encaminhada em formulário eletrônico
específico (Art. 21º, do Decreto nº. 5.450/2005), que deverão conter:
a) Valor estimado previsto, percentual de desconto ofertado, valor da proposta após a aplicação do
percentual ofertado, em algarismo e por extenso, expresso em moeda corrente nacional (R$),
inclusos no preço todos os insumos que o compõe, tais como as despesas com mão-de-obra,
equipamentos, impostos, taxas, fretes, seguros e quaisquer outros que incidam direta ou
indiretamente na execução dos serviços objeto desta licitação;
b) Prazo de validade da proposta não inferior a 60 (sessenta) dias; e

14
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

c) Conter o nome do banco, o código da agência e o número da conta-corrente da empresa para


efeito de pagamento.

9 DA DIVULGAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PREÇOS


9.1 A partir das 09hh30min do dia 25/10/2010 e de conformidade com o item 8 deste Edital, terá início à
sessão pública do Pregão Eletrônico nº. 022/2010, com a divulgação das Propostas de Preços
recebidas e início da etapa de lances, conforme Edital e de acordo com o Decreto nº. 5.450/2005.
9.2 O(a) pregoeiro(a) verificará as propostas apresentadas, desclassificando aquelas que não estejam
em conformidade com os requisitos estabelecidos no edital.
9.3 A desclassificação de proposta será sempre fundamentada e registrada no sistema, com
acompanhamento em tempo real por todos os participantes.
9.4 As propostas contendo a descrição do objeto, valor e eventuais anexos estarão disponíveis na
internet.
9.5 O sistema disponibilizará campo próprio para troca de mensagens entre o (a) pregoeiro (a) e os
licitantes.
9.6 O sistema ordenará, automaticamente, as propostas classificadas pelo (a) pregoeiro (a), sendo que
somente estas participarão da fase de lance.

10 DA FORMULAÇÃO DOS LANCES


10.1 Classificadas as propostas, o (a) pregoeiro (a) dará início à fase competitiva, quando então os
licitantes poderão encaminhar lances exclusivamente por meio do sistema eletrônico.
10.2 No que se refere aos lances, o licitante será imediatamente informado do seu recebimento e do
valor consignado no registro.
10.3 Os licitantes poderão oferecer lances sucessivos, observados o horário fixado para abertura da
sessão e as regras estabelecidas no edital.
10.4 O licitante somente poderá oferecer lance inferior ao último por ele ofertado e registrado pelo
sistema.
10.5 Não serão aceitos dois ou mais lances iguais, prevalecendo aquele que for recebido e registrado
primeiro.
10.6 Durante a sessão pública, os licitantes serão informados, em tempo real, do valor do menor lance
registrado, vedada a identificação do licitante.
10.7 A etapa de lances da sessão pública será encerrada por decisão do (a) pregoeiro (a).
10.8 Não poderá haver desistência dos lances ofertados, sujeitando-se o proponente desistente às
sanções constantes deste edital, salvo motivo devidamente justificado.
10.9 Para fins de aplicação da sanção administrativa, o lance é considerado proposta.
10.10 No caso de desconexão com o (a) pregoeiro (a), no decorrer da etapa competitiva do pregão, o
sistema eletrônico poderá permanecer acessível às licitantes para a recepção dos lances.
10.11 O (a) pregoeiro (a), quando possível, dará continuidade a sua atuação no certame, sem prejuízo dos
atos realizados.
10.12 Quando a desconexão persistir por tempo superior a 10 (dez) minutos, a sessão do pregão será
suspensa e terá reinício somente após comunicação expressa do (a) pregoeiro (a) aos participantes.
10.13 Ocorrendo empate entre microempresa ou empresa de pequeno porte com empresa de grande
porte, será assegurado como critério de desempate, a preferência de contratação para a
microempresa ou empresa de pequeno porte, conforme disposto no Artigo 5º do Decreto
6.204/2007. Neste caso, a microempresa ou empresa de pequeno porte melhor classificada poderá
apresentar proposta de preço inferior àquela considerada vencedora do certame, situação em que
será adjudicado o objeto em seu favor.

15
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

10.13.1 Entende-se por empate aquelas situações em que as ofertas apresentadas pelas microempresas e
empresas de pequeno porte sejam até 5% (cinco por cento) superior ao menor preço (Art. 5º, § 2º,
do Decreto 6.204/2007).
10.14 Ocorrendo equivalência de valores apresentados pelas microempresas e empresas de pequeno
porte que se encontrarem em situação de empate, será realizado sorteio eletrônico entre elas para
que se identifique aquela que primeiro poderá apresentar melhor oferta (Art. 5º, §4º, III, do Decreto
6.204/2007).
10.15 O sistema eletrônico convocará a(s) microempresa(s) ou empresa(s) de pequeno porte melhor
classificada para apresentar(em) nova proposta ou desistir no prazo máximo de 5 (cinco) minutos
sob pena de preclusão.
10.16 Após a etapa de lances o sistema eletrônico convocará a(s) microempresa(s) ou empresa(s) de
pequeno porte melhor classificada para apresentar(em) nova proposta ou desistir no prazo máximo
de 5 (cinco) minutos sob pena de preclusão (Art. 5º, § 6º, do Decreto 6.204/2007).
10.17 A etapa de lances da sessão pública será encerrada por decisão do (a) pregoeiro (a), mediante
aviso de fechamento iminente dos lances, emitido pelo sistema eletrônico às licitantes, após o que
transcorrerá período de tempo até 30 (trinta) minutos, aleatoriamente determinado também pelo
sistema eletrônico, findo o qual será automaticamente encerrada a recepção de lances.
10.18 Caso o sistema não emita o aviso de fechamento iminente, o (a) pregoeiro (a) se responsabilizará
pelo aviso de encerramento às licitantes.
10.19 Após o encerramento da etapa de lances, o (a) pregoeiro (a) poderá encaminhar pelo sistema
eletrônico contraproposta diretamente a licitante que tenha apresentado o lance de menor valor,
para que seja obtido preço melhor, bem assim decidir sobre sua aceitação.
10.20 Na hipótese da não contratação nos termos previstos na condição anterior, o objeto licitado será
adjudicado em favor da proposta originalmente mais bem classificada se, após negociação houver
compatibilidade de preço com o valor estimado para contratação e a licitante for considerada
habilitada.
10.21 O (a) pregoeiro (a) anunciará a licitante vencedora imediatamente após o encerramento da etapa de
lances da sessão publicada ou, quando for o caso, após a negociação e decisão pelo(a)
pregoeiro(a) acerca da aceitação do lance de menor valor.

11 DO CRITÉRIO DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS


11.1 O julgamento das Propostas de Preço dar-se-á pelo critério de MENOR PREÇO GLOBAL,
considerado o maior percentual de desconto, observando as especificações técnicas e os
parâmetros mínimos de qualidade e desempenho definidos no Edital.
11.2 Antes de proceder à aceitação da proposta, o Pregoeiro solicitará ao licitante melhor
classificado, enquadrado como ME ou EPP, que envie, no prazo de 5 (cinco) minutos, pelo fax
43-3315-6121, certidão expedida pela Junta Comercial ou pelo Registro Civil das Pessoas
Jurídicas, conforme o caso, que comprove a condição de microempresa ou empresa de
pequeno porte, nos termos do artigo 8° da Instrução Normativa n° 103, de 30.04.2007, do
Departamento Nacional de Registro do Comércio – DNRC.
11.3 A declaração falsa relativa à elaboração independente de proposta, bem como à condição de ME ou
EPP sujeitará o licitante às sanções previstas neste Edital.
11.4 Serão desclassificadas:
a) As propostas que sejam omissas ou que apresentem irregularidades insanáveis;
b) As propostas não apresentem as especificações exigidas no instrumento convocatório;
c) Propostas com valor global superior ao valor máximo estabelecido pela UTFPR- Campus
Londrina;
d) Propostas que especifiquem IRPJ E CSLL, que por serem tributos diretos não permitem a
transferência do seu encargo financeiro para o Contratante, nos termos de orientação do
Tribunal de Contas da União no Acórdão nº. 950 de 23.05.2007;

16
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

e) Propostas manifestamente inexeqüíveis, assim considerados aqueles que não venham a ter
demonstrada sua viabilidade através de documentação que comprove os custos com insumos
são coerentes com os de mercado e que os coeficientes de produtividade são compatíveis com a
execução do objeto da licitação; e
f) Propostas não encaminhadas no prazo do item 12 deste edital.
11.5 Consideram-se manifestamente inexequíveis, as propostas cujos valores sejam inferiores a 70%
(setenta por cento) do menor dos seguintes valores:
a) Média aritmética dos valores das propostas superiores a 50% (cinqüenta por cento) do valor
orçado pela administração, ou
b) Valor orçado pela administração.
11.5.1 A inexequibilidade dos valores referentes a itens isolados da planilha de custos, desde que não
contrariem instrumentos legais, não caracteriza motivo suficiente para a desclassificação da
proposta.
11.5.2 Se houver indícios de inexequibilidade da proposta de preços, ou em caso da necessidade de
esclarecimentos complementares, poderá ser efetuada diligência, na forma do § 3º do Artigo 43 da
Lei nº. 8.666/93, para efeito de comprovação de sua exeqüibilidade, podendo adotar, dentre outros,
os seguintes procedimentos:
a) Solicitação à proponente para, no prazo de 72 (setenta e duas) horas, apresentar justificativas e
comprovações em relação aos custos com indícios de inexequibilidade;
b) Verificação em acordos coletivos, convenções coletivas ou sentenças normativas em dissídios
coletivos de trabalho;
c) Levantamento de informações junto ao Ministério do Trabalho e Emprego, e junto ao Ministério
da Previdência Social;
d) Consultas a entidades ou conselhos de classe, sindicatos ou similares;
e) Pesquisas em órgãos públicos ou empresas privadas;
f) Verificação de outros contratos que o proponente mantenha com a Administração ou com a
iniciativa privada;
g) Verificação de Notas Fiscais dos produtos adquiridos pelo proponente;
h) Levantamento de indicadores salariais ou trabalhistas publicados por órgãos de pesquisa;
i) Consultas às Secretarias de Fazenda Federal, Distrital, Estadual ou Municipal; e
j) Demais verificações que porventura se fizerem necessárias.
11.5.3 Qualquer interessado poderá requerer que se realizem diligências para aferir a exeqüibilidade e a
legalidade das propostas, devendo apresentar as provas ou os indícios que fundamentam a
suspeita.
11.5.4 Havendo necessidade de analisar minuciosamente os documentos apresentados, o pregoeiro
suspenderá a sessão, informando no “Chat” a nova data e horário para sua continuidade.
11.6 Sendo aceitável a proposta do licitante detentor do menor preço, este deverá comprovar sua
condição de habilitação, na forma determinada neste Edital. O(a) pregoeiro(a) poderá negociar com
a licitante para que seja obtido preço melhor.
11.7 A indicação do lance vencedor, a classificação dos lances apresentados e demais informações
relativas à sessão pública do Pregão constarão de ata divulgada no sistema eletrônico, sem prejuízo
das demais formas de publicidades previstas na legislação pertinentes.
11.8 Os valores deverão ser atualizados em conformidade com o último lance ofertado e vencedor,
enviadas no prazo contido no item 13 desse Edital, contado a partir da aceitação da proposta
vencedora.

12 DA HABILITAÇÃO
12.1 Para habilitação dos licitantes, será exigida, exclusivamente, a documentação relativa:

17
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

I. à habilitação jurídica;
II. à qualificação técnica;
III. à qualificação econômico-financeira;
IV. à regularidade fiscal com a Fazenda Nacional, o Sistema da Seguridade Social e o Fundo de
Garantia do Tempo de Serviço - FGTS;
V. à regularidade fiscal perante as Fazendas Estadual e Municipal, quando for o caso;
VI. ao cumprimento do disposto no inciso XXXIII do art. 7o da Constituição e no inciso XVIII do art.
78 da Lei 8.666/1993; e
VII. à inexistência de fato superveniente impeditivo de sua habilitação.
12.2 O registro cadastral no SICAF substitui a documentação exigida nos incisos I, III, IV e V do subitem
anterior, por meio de verificação de sua validade “on line” no sistema.
12.3 A qualificação técnica exigida no inciso II do subitem 12.1 consistirá em:
12.3.1 Comprovação por meio de 1 (um) ou mais atestados de capacidade técnica fornecidos por pessoas
jurídicas de direito público ou privado devidamente registrado no CREA, que os Responsáveis
técnicos apresentados pela empresa, tenham prestado ou estejam prestando serviços de
manutenção predial continuada com mão-de-obra especializada e que façam explícita referência a
pelo menos às parcelas de relevância técnica e valor significativo, que permitam estabelecer, por
comparação, proximidade de características funcionais e técnicas, quantitativas e qualitativas com
os serviços que compõem o objeto da presente licitação conforme segue:
a) Manutenção e operação de instalações elétricas prediais de baixa tensão, incluindo rede
aterrada e estabilizada, com capacidade instalada mínima de 300 KVA, em edificações;
b) Manutenção de instalações hidrosanitárias prediais, em edificações;
c) Manutenção e operação de sistemas de combate à incêndio e pára-raios em edificações;
d) Manutenção e execução de serviços em instalações civis, tais como: serralharia, pintura,
alvenaria, forro, cobertura, divisórias, vidraçaria, etc. em edificações;
e) Manutenção de sistemas de sinalização visual, em edificações;
f) Manutenção de rede elétrica estabilizada e aterrada para computadores e periféricos;
g) Manutenção de rede telefônica interna e rede de comunicação de dados, em edificações.

12.3.2 Comprovação de o licitante possuir, em seu quadro permanente, profissionais de nível superior
reconhecidos pelo CREA, na área de Engenharia Civil e na área de Engenharia Elétrica, os
quais serão responsáveis técnicos pela manutenção.

12.3.3 Declaração de que a empresa possui instalações físicas, equipamentos e pessoal técnico
especializado para o cumprimento do objeto da licitação.

12.3.4 Comprovação, fornecida pela entidade promotora da licitação, de que tomou conhecimento de
todas as informação e condições locais para cumprimento das obrigações objeto da licitação, por
meio de Atestado de Vistoria Prévia.
12.4 A qualificação econômico-financeira da licitante exigida no inciso III do subitem 12.1 será aferida
com base nos índices de Liquidez Geral (LG), Solvência Geral (SG) e liquidez Corrente (LC)
maiores que um (>1), analisada automaticamente pelo SICAF.
12.4.1 Caso a empresa vencedora apresente resultado inferior ou igual a 1 (um) em qualquer dos índices
referidos no item 11.6, deverá comprovar o capital mínimo de 10% (dez por cento) de acordo com o
Art. 31, § 2º e § 3º da Lei n.º 8.666/1993.

12.4.2 Não será exigido da microempresa ou empresa de pequeno porte a apresentação do balanço
patrimonial do último exercício social, na forma do Art. 3º do Decreto n° 6.204/2007.

18
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

12.5 A licitante deverá apresentar Certidão Negativa de Falência ou Concordata, Recuperação Judicial e
Extrajudicial, na forma da Lei nº. 11.101/05, expedida pelo distribuidor da sede da pessoa jurídica,
emitida há no máximo 60 (sessenta) dias anteriores à data de abertura da sessão.

12.6 No momento do cadastro da proposta, a licitante deverá declarar, em campo próprio do sistema
eletrônico, o cumprimento aos VI e VII subitem 11.1.

12.7 As microempresas e empresas de pequeno porte deverão apresentar a documentação exigida para
efeito de comprovação de regularidade fiscal, mesmo que esta apresente alguma restrição, de
acordo Art. 4º do Decreto n° 6.204/2007.

12.8 Havendo alguma restrição na comprovação da regularidade fiscal, às microempresas e empresas


de pequeno porte será assegurado o prazo de 2 (dois) dias úteis, cujo termo inicial corresponderá
ao momento em que o proponente for declarado vencedor do certame, prorrogável por igual
período, para a regularização da documentação, pagamento ou parcelamento do débito, e emissão
de eventuais certidões negativas ou positivas com efeito de certidão negativa.

12.9 A prorrogação de que trata o subitem anterior sempre será concedida quando requerida pelo
licitante, exceto no caso de urgência na contratação ou prazo insuficiente para empenho,
devidamente justificados.

12.10 A não-regularização da documentação, no prazo previsto, implicará decadência do direito à


contratação, sem prejuízo das sanções previstas no Art. 81 da Lei n.o 8.666/1993, sendo facultado
à Administração convocar os licitantes remanescentes, na ordem de classificação, retirada de nota
de empenho, ou revogar a licitação.

12.11 O(a) pregoeiro(a) receberá diretamente do interessado a documentação pertinente que por ventura
estiver irregular quando da consulta on-line no SICAF, se a regularização do fornecedor, não se
efetivar em razão de greve, calamidade pública, fato de natureza grave ou problema com linha de
transmissão de dados, que inviabilize o acesso ao Sistema enquanto perdurarem os motivos
mencionados.

12.12 Os documentos necessários à habilitação poderão ser apresentados em original, ou cópia


autenticada em Cartório competente, ou publicação em órgão da imprensa oficial ou em cópias
simples, desde que acompanhados dos originais, enviados ao (à) Pregoeiro (a) para conferência.

12.13 Não serão aceitos “protocolos de entrega” ou “solicitação de documento” em substituição aos
documentos requeridos no presente Edital e seus Anexos.

13 DO ENVIO DA DOCUMENTAÇÃO
13.1 A licitante deverá comprovar durante as fases de aceitação da proposta e habilitação, que atende as
exigências do ato convocatório, mediante encaminhamento de documentação através do Fax (43)
3315-6121, no prazo máximo de 02 (duas) horas, contadas da solicitação do pregoeiro através de
chat.
13.2 A documentação original ou cópia autenticada deverá ser encaminhada, no prazo máximo de 48
(quarenta e oito) horas, contadas do encerramento da sessão, para a UTFPR – Campus Londrina
situada na Avenida dos Pioneiros, 3131 – Jardim Morumbi, CEP 86036-370, Londrina-PR.

14 DOS RECURSOS
14.1 Existindo intenção de interpor recurso, a licitante deverá manifestá-lo à Pregoeira por meio
eletrônico, Declarado o vencedor, qualquer licitante poderá, durante a sessão pública, de forma
imediata e motivada, em campo próprio do sistema, manifestar sua intenção de recorrer, quando lhe
será concedido o prazo de três dias para apresentar as razões de recurso, ficando os demais
licitantes, desde logo, intimados para, querendo, apresentarem contra-razões em igual prazo, que
começará a contar do término do prazo do recorrente, sendo-lhes assegurada vista imediata dos
elementos indispensáveis à defesa dos seus interesses.

19
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

14.2 A falta de manifestação imediata e motivada do licitante quanto à intenção de recorrer, nos termos
do caput, importará na decadência desse direito, ficando o pregoeiro autorizado a adjudicar o objeto
ao licitante declarado vencedor.
14.3 O recurso contra decisão do(a) Pregoeiro(a) não terá efeito suspensivo.
14.4 O acolhimento do recurso importará na invalidação apenas dos atos insuscetíveis de
aproveitamento.
14.5 A decisão do(a) Pregoeiro (a) deverá ser motivada e submetida à apreciação da autoridade
responsável pela licitação.
14.6 Não serão conhecidos os recursos interpostos após os respectivos prazos legais, bem como os
interpostos que não tiveram intenção prévia registrada no sistema eletrônico.
14.7 Os autos do processo permanecerão com vista franqueada aos interessados na Divisão de
Materiais e Patrimônio, localizada na Avenida dos Pioneiros, 3131, Jardim Morumbi, Londrina-PR.

15 DA ADJUDICAÇÃO, HOMOLOGAÇÃO E CONVOCAÇÃO PARA ASSINATURA DO CONTRATO


15.1 A adjudicação do objeto do presente certame será viabilizada pelo(a) Pregoeiro(a) sempre que não
houver recurso.
15.2 A homologação da licitação é de responsabilidade da autoridade competente e só poderá ser
realizada depois da adjudicação do objeto à proponente vencedora pelo(a) Pregoeiro(a), ou, quando
houver recurso, pela própria autoridade competente.
15.3 A Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Londrina, convocará a adjudicatária para
retirar a Nota de Empenho, a qual terá o prazo de 05 (cinco) dias úteis, a contar do recebimento da
notificação para comparecer à Administração, sob pena de decair do direito à contratação, sem
prejuízo das penalidades previstas neste Edital.
15.4 O prazo de convocação poderá ser prorrogado uma vez, por igual período, quando solicitado pela
vencedora durante o seu transcurso, desde que ocorra motivo justificado e aceito pela
Administração.
15.5 Quando, injustificadamente, a proponente vencedora não apresentar situação regular, no ato da
assinatura do contrato, será convocada outra licitante observada a ordem de classificação, para
celebrar o contrato, e assim sucessivamente, sem prejuízo da aplicação das sanções cabíveis.

16 DO PAGAMENTO
16.1 A contratante efetuará o pagamento mensal até 15 (quinze) dias ao subsequente ao da prestação
dos serviços contratados, mediante a apresentação da Nota Fiscal/Fatura devidamente
discriminada, acompanhada do Relatório Mensal, e das cópias a qual será conferida e atestada pelo
seu responsável.
a) O pagamento será realizado, através de crédito em conta corrente, mediante emissão de Ordem
Bancária - OB, para crédito em conta corrente da adjudicatária.

b) Serão retidos na fonte os tributos e contribuições sobre os pagamentos efetuados, conforme


Instrução Normativa SRF Nº 539, de 25.04.2005 e Lei nº 9.430, de 27.12.96 se a CONTRATADA
não for optante pelo SIMPLES, bem como, os tributos provenientes do custeio previdenciário
previsto na Lei 8.212/91 com alterações introduzidas pela Lei 9.711/98 e na IN/SRP nº 03, de 14 de
julho de 2005, e o ISSQN quando houver exigência mediante legislação municipal.

c) Se optante pelo SIMPLES, deverá apresentar a comprovação da opção.

d) As empresas optantes pela tributação simplificada, não estão sujeitas a retenção de que trata a
Instrução citada na alínea “b”.

e) A comprovação da condição de optante pelo SIMPLES far-se-á mediante apresentação de cópia


do Termo de Opção de que trata a Instrução Normativa SRF nº 608 de 09 de janeiro de 2006.

f) A consulta ao SICAF ou a documentação de regularidade fiscal, será realizada, previamente, a


cada pagamento, devendo seu resultado ser impresso e juntado, também, aos autos do processo.
20
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

g) Qualquer erro ou omissão havido na documentação fiscal ou na fatura será objeto de correção
pela empresa contratada e haverá, em decorrência, suspensão do prazo de pagamento até que o
problema seja definitivamente regularizado.

16.2 O relatório mensal deverá ser assinado pelo responsável técnico da Contratada, contendo a
descrição dos serviços executados por imóvel, de acordo com as “Rotinas Básicas de Manutenção
Predial de caráter preventivo e corretivo, constando o quantitativo, mão-de-obra empregada,
quantidade de visitas com sua duração, índices anormais de falhas observadas e análise de
ocorrências e sugestões de medidas corretivas a serem adotadas e deverá acompanhar a Nota
Fiscal.
16.3 Nenhum pagamento será efetuado à contratada, antes de paga ou relevada a multa que lhe tenha
sido aplicada, e também, sem que antes tenha sido comprovado o recolhimento da ART (Anotação
de Responsabilidade Técnica) do Contrato.
16.4 Nenhum pagamento será efetuado à CONTRATADA antes de paga ou relevada a multa que
porventura lhe tenha sido aplicada.
16.4.1 A importância das multas porventura aplicadas em função do Contrato, quando não tiverem sido
recolhidas espontaneamente, serão descontadas do pagamento.
16.5 A nota fiscal deverá ser emitida em nome da Unidade pagadora: UTFPR - Campus Londrina, inscrita
no CNPJ/MF sob nº. 75.101.873/0011-61, com endereço na Avenida dos Pioneiros, 3131 CEP
86.036-370 – Jd. Morumbi, Londrina – PR.

15.6 Na hipótese de atraso de pagamento da Nota Fiscal atestada, o valor devido pela CONTRATANTE
será atualizado financeiramente, obedecendo à legislação vigente.

16.6 Todos os custos com impostos, taxas, pedágios, fretes e demais despesas que por ventura
ocorrerem serão de responsabilidade da empresa vencedora.

17 DO PRAZO DE VIGÊNCIA DO CONTRATO


16.1 O Contrato terá vigência por 12 (doze) meses a partir da data da ordem de serviço, podendo ter a
sua duração prorrogada mediante termos aditivos, até o limite de 60 (sessenta) meses, nos termos
do inciso II do Artigo 57 da Lei 8.666/1993.

17 DA FISCALIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO
17.1 O acompanhamento e fiscalização da execução do contrato consistem na verificação da
conformidade da prestação dos serviços e da alocação dos recursos necessários, de forma a
assegurar o perfeito cumprimento do contrato, devendo ser exercido por servidor da Universidade
Tecnológica Federal do Paraná - Campus Londrina, especialmente designado na forma do Art. 67
da Lei nº 8.666/1993 e do Art. 6º do Decreto nº 2.271/1997.
17.2 Além das disposições previstas no item anterior, a fiscalização contratual dos serviços continuados
deverá seguir o disposto no Anexo IV da IN/MPOG 02/2008, alterada pela IN 03/09.
17.3 A Contratante poderá recusar os serviços quando entender que os mesmos não sejam os
especificados, ou quando entender que o serviço esteja irregular.
17.4 A fiscalização se reserva o direito de recusar os serviços executados que não atenderem as
especificações estabelecidas neste Edital.
17.5 A fiscalização do recolhimento dos encargos previdenciários e trabalhistas dar-se-á, também,
mediante consulta direta aos órgãos competentes sobre a situação de empregados da contratada,
aleatoriamente definidos.
17.6 A Contratada poderá, também, ser instada a apresentar as respectivas comprovações de
recolhimento, fazendo-o imediatamente após a exigência formal da Contratante.
17.7 Na ocorrência de omissões ou lacunas nos recolhimentos de que trata este item, a Contratada terá
o prazo de 48 (quarenta e oito) horas para comprovar-se adimplente em relação a todos os

21
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

empregados, bem como para sanar a irregularidade detectada, sem prejuízo de eventuais sanções
e penalidades previstas no Edital e no Contrato.
17.8 A Contratada fica obrigada a executar os serviços referentes ao objeto licitado relacionado neste
Edital, não se admitindo quaisquer modificações sem a prévia autorização da fiscalização.
17.9 A Contratada deverá se responsabilizar por quaisquer danos ou prejuízos causados à Universidade
Tecnológica Federal do Paraná, em decorrência dos serviços executados, incluindo-se também os
danos causados a terceiros, a que título for.
17.10 É vedada a subcontratação dos serviços ou sua realização por sócios da Contratada, nos termos
deste Edital, sob pena de rescisão do contrato, nos moldes o Art. 78, VI, da Lei nº 8666/1993.
18 DA INEXECUÇÃO E DA RESCISÃO DO CONTRATO
18.1 A inexecução total ou parcial do Contrato enseja sua rescisão, com as consequências contratuais,
inclusive o reconhecimento dos direitos da Administração, conforme disposto nos Arts. 77 a 80 da
Lei n.º 8.666/1993 e posteriores alterações.
18.2 Os casos de rescisão serão formalmente motivados nos autos do processo, assegurado o
contraditório e a ampla defesa.
18.3 A rescisão do Contrato poderá ser:
18.3.1 Determinada por ato unilateral e escrito da Administração nos casos enumerados nos incisos I a
XII, XVII e XVIII do Art. 78 da Lei nº 8.666/1993;
18.3.2 Amigável, por acordo entre as partes, reduzidas a termo no processo da licitação, desde que haja
conveniência para a Administração; e
18.3.3 Judicial, nos termos da legislação.
19.3.4 No interesse da CONTRATANTE, mediante comunicação com antecedência de 10 (dez) dias, com o
pagamento dos serviços realizados até a data comunicada no aviso de rescisão;
18.4 A rescisão administrativa ou amigável, deverá ser precedida de autorização escrita e fundamentada
da autoridade competente.
19 DOS ACRÉSCIMOS E SUPRESSÕES
19.1 A Contratada obriga-se a aceitar, nas mesmas condições contratuais, e mediante Termo Aditivo, os
acréscimos ou supressões que se fizerem necessárias, no montante de até 25% (vinte e cinco por
cento) do valor inicial atualizado do Contrato, de acordo com o Art. 65, §1º da Lei n.º 8.666/1993.
19.2 Nenhum acréscimo ou supressão poderá exceder os limites estabelecidos em Lei, salvo, as
supressões resultantes de acordo celebrados entre os contratantes (Art. 65, §2º da Lei n.º
8.666/1993).
20 DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA
20.1 As despesas decorrentes da aquisição correrão à conta do Orçamento Geral da União para o
exercício de 2010 e os subseqüentes a cargo da UTFPR - Campus Londrina, Fonte 0112000000,
Plano Resumido de Trabalho 001957, elemento de despesa 339036.16 (manutenção e
conservação de bens imóveis).
21 DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS
21.1 Pelo atraso injustificado ou inexecução, total ou parcial, do objeto deste edital, erro, imperfeição,
mora na execução, inadimplemento ou não veracidade das informações prestadas, a empresa
Adjudicatária estará sujeita, segundo a extensão da falta cometida, às penalidades previstas nos
Artigos 86 e 87 da Lei n.º 8.666/93, garantida a prévia defesa, quais sejam:

I. Advertência por faltas leves, assim entendidas como aquelas que não acarretarem prejuízos
significativos ao objeto da contratação;
II. Multa:

22
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

a) Moratória de até 0,5% (cinco décimos por cento) por dia de atraso injustificado sobre o valor da
contratação, até o limite de 15 (quinze) dias;
b) Compensatória de até 10% (dez por cento) sobre o valor total do contratado, no caso de
inexecução total ou parcial da obrigação assumida, podendo ser cumulada com a multa
moratória;
III. Suspensão de licitar e impedimento de contratar com a UTFPR- Campus Londrina pelo prazo de até
dois anos;
IV. Declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a Administração Pública, enquanto
perdurarem os motivos determinantes da punição ou até que seja promovida a reabilitação perante a
própria autoridade que aplicou a penalidade, que será concedida sempre que a Contratada ressarcir a
Administração pelos prejuízos causados;
V. Impedimento de licitar e contratar com a União e descredenciamento no SICAF pelo prazo de até
cinco anos;
21.2 A penalidade de multa pode ser aplicada cumulativamente com as demais sanções.
21.3 A aplicação de qualquer das penalidades previstas realizar-se-á em processo administrativo que
assegurará o contraditório e a ampla defesa, observando-se o procedimento previsto na Lei nº
8.666, de 1993, e subsidiariamente na Lei nº 9.784, de 1999.

21.4 A autoridade competente, na aplicação das sanções, levará em consideração a gravidade da


conduta do infrator, o caráter educativo da pena, bem como o dano causado à Administração,
observado o princípio da proporcionalidade.

21.5 As multas devidas e/ou prejuízos causados à Contratante serão deduzidos dos valores a serem
pagos, ou recolhidos em favor da União, ou deduzidos da garantia, ou ainda, quando for o caso,
serão inscritos na Dívida Ativa da União e cobrados judicialmente.

21.6 Caso a Contratante determine, a multa deverá ser recolhida no prazo máximo de 10 (dez) dias, a
contar da data do recebimento da comunicação enviada através de carta postal com aviso de
recebimento.

21.7 As sanções aqui previstas são independentes entre si, podendo ser aplicadas isoladas ou, no caso
das multas, cumulativamente, sem prejuízo de outras medidas cabíveis. As sanções serão
obrigatoriamente registradas no SICAF.

22 GARANTIA DE EXECUÇÃO CONTRATUAL

22.1 Será dispensada a apresentação de garantia contratual de acordo com o previsto no artigo 56 da Lei
nº 8.666/93, em atendimento a mensagem MPOG/DLSG/SLTI nº 049256 de 23/09/2008..
23 DA REVOGAÇÃO E ANULAÇÃO DO CERTAME
23.1 Esta Licitação poderá ser revogada por interesse da Universidade Tecnológica Federal do Paraná –
Campus Londrina, em decorrência de fato superveniente devidamente comprovado, pertinente e
suficiente para justificar o ato, ou anulada por vício ou ilegalidade, de ofício ou por provocação de
qualquer pessoa, mediante ato escrito e fundamentado, conforme disposto no Art. 29, do Decreto n.º
5.450/05.

23.2 A anulação do procedimento licitatório induz à do instrumento contratual ou da ata de registro de


preços, na forma do Art. 29, §1º do Decreto nº. 5.450/05.

23.3 A anulação do procedimento licitatório por motivo de ilegalidade não gera obrigação de indenizar,
ressalvado o direito do contratado de boa-fé de ser ressarcido pelos encargos que tiver suportado
no cumprimento do contrato, de acordo com Art. 29, §2º do Decreto nº. 5.450/05.

23.4 No caso de desfazimento do processo licitatório, fica assegurado o contraditório e a ampla defesa.

23
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

24 DA FRAUDE À LICITAÇÃO
24.1 A constatação, no curso da licitação, de condutas ou procedimentos que impliquem atos contrários
aos fins almejados por esse Edital, ensejará a formulação imediata de representação junto ao
Ministério Público Federal, para as providências cabíveis, sem prejuízo da abertura de procedimento
administrativo para os fins estabelecidos no Art. 88, inciso II, da Lei n.º 8666/93.
25 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
25.1 Este Edital deverá ser lido e interpretado na íntegra, e após encaminhamento da proposta não serão
aceitas alegações de desconhecimento.

25.2 Não havendo expediente ou ocorrendo qualquer fato superveniente que impeça a realização do
certame na data marcada, a sessão será automaticamente transferida para o primeiro dia útil
subseqüente, no mesmo horário anteriormente estabelecido, desde que não haja comunicação do
(a) Pregoeiro (a) em contrário.

25.3 É facultado à Pregoeiro(a) ou à autoridade competente, em qualquer fase da licitação, a promoção


de diligência destinada a esclarecer ou complementar a instrução do processo, vedada a inclusão
posterior de documento ou informação que deveria constar do mesmo desde a realização da sessão
pública.

25.4 As proponentes são responsáveis pela fidelidade e legitimidade das informações e dos documentos
apresentados em qualquer fase da licitação.

25.5 Após apresentação da proposta não caberá desistência, salvo por motivo justo decorrente de fato
superveniente e aceito pelo(a) Pregoeiro (a).

25.6 O pregoeiro, no julgamento das propostas e da habilitação, poderá sanar erros ou falhas que não
alterem a substância das propostas, dos documentos e de sua validade jurídica, mediante despacho
fundamentado, com validade e eficácia, e acessível a todos os interessados.

25.7 Caberá à empresa credenciada acompanhar as operações no sistema eletrônico durante a sessão
pública do pregão, ficando responsável pelo ônus decorrente da perda de negócios diante da
inobservância de quaisquer mensagens emitidas pelo sistema ou de sua desconexão.

25.8 A homologação do resultado desta licitação não implicará direito à contratação do serviço pela
Administração.

25.9 Na contagem dos prazos estabelecidos neste Edital e seus Anexos excluir-se-á o dia do início e
incluir-se-á o do vencimento. Vencendo-se os prazos somente em dias de expediente normais.

25.10 O desatendimento de exigências formais não essenciais não importará no afastamento da licitante,
desde que sejam possíveis a aferição da sua qualificação e a exata compreensão da sua proposta,
durante a realização da sessão pública de pregão.

25.11 Para fins de aplicação da sanção administrativa constante do item 21.1 do presente Edital, o lance é
considerado proposta.

25.12 As normas que disciplinam este pregão serão sempre interpretadas em favor da ampliação da
disputa entre os interessados, sem comprometimento do interesse da Administração, a finalidade e
a segurança da contratação.

25.13 Quaisquer informações complementares sobre o presente Edital e seus anexos poderão ser obtidas
na Divisão de Materiais e Patrimônio localizada na Avenida dos Pioneiros, 3131, Jardim Morumbi,
Londrina-PR ou pelo telefones (43) 3315-6137/3315-6114, em dias úteis das 08:00 às 12:00 e das
13:30 às 17:30.

25.14 Os casos omissos serão solucionados pela Pregoeira ou pela autoridade competente, observados
os preceitos de Direito Público e as disposições das Leis n.º 8.666/1993, n.º10.520/2002, Decretos
n.º 3.555/2000, n.º 5.450/2005 e n.º 6.204/2007.
24
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

26 DO FORO
26.1 O Foro para dirimir os possíveis litígios que decorrerem do procedimento licitatório, será o
da Justiça Federal de Londrina, Seção Judiciária do Paraná.

Londrina/PR, 13 de outubro de 2010.

HELOISA CARDOSO FERRAZ


Pregoeira

25
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

ANEXO I - PLANO BÁSICO DE MANUTENÇÃO/DETALHAMENTO

1. PRINCIPAIS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO CORRETIVA

1.1 Os principais serviços de manutenção corretiva a serem realizados são os descritos neste item. Os
serviços listados, no entanto, não são exaustivos. A CONTRATADA deve identificar os serviços
faltantes, inserir no plano de manutenção, que será aprovado pela CONTRATANTE.

1.1.1 Manutenção Corretiva:

a) Serviços elétricos – pequenas instalações elétricas e de processamento de dados, que não


configurem construção, reforma ou ampliação, tendo com o parâmetro 30% (trinta por cento) da área,
dos materiais ou de outro modelo comparativo, com conhecimento específico, tais como:

- troca de lâmpadas, soquetes e reatores;


- substituição de luminárias;
- conserto, instalação e substituição de tomadas elétricas, telefônicas e extensões;
compreendendo a instalação aparente de canaletas ou eletrodutos;
- instalação de cabos lógicos, compreendendo a passagem de cabos de pequena monta e
canaletas;
- conversão de tomadas de 110V para 220V ou vice-versa e de tomadas elétricas simples para
tomadas 2P+T (três pinos), compreendendo a passagem de fio-terra, se necessário;
- verificação de queda de energia elétrica em quadros, tomadas e equipamentos provocados
por curto-circuitos, sobrecarga no sistema e outros, corrigindo o problema de forma
adequada;
- verificação dos quadros de entrada, após a queda de energia, corrigindo de forma adequada
o problema no local.

b) Serviços hidro-sanitários – serviços que não se enquadrem como construção, reforma ou ampliação,
tais como:

- conserto ou troca de dispositivos de descarga das caixas acopladas de vasos sanitários ou


válvulas de descarga, pias e lavatórios;
- conserto ou troca de canos com vazamento;
- desentupimento de canos, limpeza de caixas de gordura e de passagem de esgoto;
- conserto ou troca de vedantes de torneiras;
- limpeza de caixa d’água;
- substituição ou instalação de louças sanitárias, em caso de quebra/defeito;
- conserto ou troca de registros de fechamento de água;
- conserto ou troca de bóia ou sensores de nível de água dos reservatórios d’água;
- conserto ou troca de conexões hidráulicas em geral.

c) Serviços de alvenaria – serviços que não se enquadrem como construção, reforma ou


ampliação, tais
como:

- consertos e arremates em paredes de alvenaria, proveniente de reparos hidráulicos ou


demolição;
- conserto, instalação ou substituição de azulejos e pisos, proveniente de reparos hidráulicos
ou demolição;
- retirada de paredes por demolição, conserto e instalação de pisos cerâmicos, vinílicos e de
granitina, oriundos da retirada de paredes e divisórias;
- reparos em coberturas e lajes;
- tratamento de infiltrações e vazamentos em coberturas e lajes
- Substituição de azulejos e ladrilhos soltos

d) Serviços de pintura – serviços que não se enquadrem como reforma total, tais como:

26
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

- repintura de locais onde não se configura pintura total do prédio;


- retoques de pintura em locais onde se efetuaram reparos elétricos, hidráulicos e alvenaria ou
remanejamento de móveis, equipamentos e divisórias;
- retoques ou consertos com massa corrida em paredes;

e) Serviços de carpintaria – serviços de carpintaria que não se enquadrem como reforma total, tais
como:

- reparos em prateleiras;
- conserto, instalação ou readequação de portas e caixilhos;
- conserto ou instalação de fechaduras;
- conserto ou instalação de rodapés;
- conserto ou instalação de fechaduras e dobradiças em móveis;
- conserto de móveis no que tange a colagem, fixação, parafusamento;
- readequação de rodapé de armários;
- instalação de murais, quadros, biombos e divisórias;
- conserto de armários, arquivos, mesas e prateleiras de madeira.

f) Serviços gerais – serviços que não se enquadrem como reforma total, tais como:

- substituição de telhas, telhas goivas quebradas e rufos metálicos;


- limpeza mensal das calhas de águas pluviais das edificações, constando da remoção de
folhas e/ou sujeiras depositadas nas calhas e entradas dos coletores de águas pluviais;
- troca de placas de forro;
- desprendimento de forro;
- desembaraçamento e remanejamento de persianas;
- serviços de manutenção em bens móveis de outras naturezas, tais como: instalações que
não necessitem de conhecimento técnico especializado, reparos na parte elétrica não-
técnicos, remanejamento de móveis, biombos e ou divisórias, desde que isso não configure
construção, reforma ou ampliação e outros serviços conexos;
- serviços de transporte de móveis e equipamentos entre andares e dependências do
prédio(mudança de disposição) quando solicitado, para melhor adequação de layout;

2. MANUTENÇÃO PREVENTIVA

2.1 É de responsabilidade da CONTRATADA a elaboração do Plano Detalhado de Manutenção


Preventiva, a partir do Plano Básico de Manutenção Preventiva, previsto pela CONTRATANTE, em
até 30 (trinta) dias após o início das atividades.

2.2 O plano detalhado deverá garantir que os serviços básicos de manutenção preventiva estejam
cobertos, sendo complementado com a experiência de mercado da CONTRATADA, o qual será
aprovado pela CONTRATANTE.

2.3 O Plano Detalhado de Manutenção Preventiva poderá ser alterado no todo ou em parte, a qualquer
momento, desde que verificada e justificada a necessidade pela CONTRATADA ou pela
CONTRATANTE, e desde que acordado entre as partes. Sempre será levada em consideração a
melhoria contínua dos serviços com o aumento da confiabilidade e a otimização dos custos de
manutenção.

2.4 Manutenção Preventiva:

2.4.1 Serão desenvolvidos serviços de manutenção preventiva na unidade em questão nas áreas de
instalações civis, instalações hidráulicas, instalações elétricas, subestações e sinalização visual.
Estas intervenções terão o caráter preventivo e serão executadas pela CONTRATADA por meio de
serviços caracterizados como verificações, inspeções, exames, medições, limpeza, lubrificação,
testes, regulagens, reapertos, fixações, recolocações, substituição, pintura, repintura e outros. A
finalidade básica desses serviços será a de prevenir os desgastes ou os defeitos apresentados nas
instalações prediais. Todas as inspeções a seguir descritas gerarão relatórios descritivos, entregues

27
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

ao fiscal do contrato – telefone (43) 3315-6139/3315-6122 e que serão examinados pela autoridade
competente/DIADS/DIRPLAD.

a) Instalações elétricas:

I) Iluminação geral: (Freqüência: Semanal)


- Verificação das luminárias, quanto à ocorrência de lâmpadas queimadas ou operação insuficiente;
- Substituir lâmpadas queimadas;
- Substituir reatores defeituosos.

II) Quadro geral de luz e energia – medição (Freqüência: Semestral)


- Verificação de aquecimento e funcionamento dos disjuntores termomagnéticos;
- Verificação da existência de ruídos anormais, quer elétricos ou mecânicos;
- Verificação de aquecimento nos cabos de alimentação;
- Verificação da fixação de barramento, conexões e ferragens;
- Reaperto da fixação dos disjuntores termomagnéticos;
- Verificação da regulagem do disjuntor geral.

III) Quadros de Distribuição de energia: (Freqüência: Semestral)


- Verificação da existência de ruídos anormais, quer elétricos ou mecânicos;
- Verificação da fixação e estado do barramento, conexões e ferragens;
- Verificação de aquecimento e funcionamento dos disjuntores termomagnéticos, disjuntor geral e nos
cabos de alimentação;

IV) Painel Geral de Baixa e Alta Tensão: (Freqüência: Semestral)


- Substituir lâmpadas de sinalização queimadas;
- Verificar o funcionamento das chaves e disjuntores;
- Verificar fiação;
- Verificar fusíveis;
- Verificar a existência de vibrações e ruídos anormais;
- Verificar transformador.

b) Instalações Hidro-Sanitárias

I) Extintores de incêndio (Freqüência: anual)


- Verificar a validade e as condições dos extintores de incêndio, quando necessário;

II) Reservatório de água: (Freqüência: Semestral)


- Verificar a torneira bóia;
- Verificar se há vazamentos e infiltrações de água;
- Limpeza dos reservatórios.

III) Instalações hidráulicas e sanitárias: (Freqüência: Mensal)


- Verificar válvulas e tubulações;
- Verificar dispositivos de acionamento;
- Verificar se há vazamento;
- Regulagem das válvulas de descarga, torneiras, registros e troca de reparos;
- Eliminação de vazamentos em toda a rede;
- Desentupimento de ralos, vasos sanitários, sifões e tubulações de esgoto primário e secundário;
- Limpeza e desentupimento das galerias de águas pluviais;

28
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

ANEXO II – NORMAS TÉCNICAS

Os trabalhos deverão ser executados tomando como referência as seguintes normas técnicas:
a) Normas, especificações e métodos da ABNT;
b) Leis trabalhistas vigentes;
c) Portaria do Ministério da Saúde nº 3.523/GM, de 28 de agosto de 1998 (publicada no D.O. de 31
de agosto de 1998);
d) Recomendação Normativa 004-1995 da SBCC – Classificação de filtros de ar para utilização em
ambientes climatizados;
e) ISO - 9.386-1 (Vertical Lifting Platforms) - Plataformas Verticais
f) Os pontos omissos deverão obedecer às normas internacionais pertinentes ao assunto;
g) Sempre que necessário, consultar as seguintes normas da NBR:
I – Normas técnicas da NBR para o sistema predial civil:
1. Arquitetura
NBR6492 - Representação de projetos de arquitetura
NBR7679 - Termos básicos relativos à cor
NBR9050/2004 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos
NBR13531 - Elaboração de projetos de edificações – Atividades técnicas
NBR13532 - Elaboração de projetos de edificações – Arquitetura
2. Acústica
NBR10152 - Níveis de ruído para conforto acústico
NBR12179 - Tratamento acústico em recintos fechados
3. Vedação
NBR7170 - Tijolo maciço cerâmico para alvenaria
NBR7171 - Bloco cerâmico para alvenaria
NBR7173 - Blocos vazados de concreto simples para alvenaria sem função estrutural
NBR8041 - Tijolo maciço cerâmico para alvenaria - Forma e dimensões
NBR8042 - Bloco cerâmico para alvenaria - Formas e dimensões
NBR10834 - Bloco vazado de solo-cimento sem função estrutural
NBR10835 - Bloco vazado de solo-cimento sem função estrutural - Forma e dimensões
NBR14974-1 - Bloco sílico-calcário para alvenaria - parte 1: Requisitos, dimensões e métodos de
ensaio
NBR14974-2 - Bloco sílico-calcário para alvenaria - Parte 2: Procedimento para execução de alvenaria
NBR14715 - Chapas de gesso acartonado - Requisitos
NBR5721 - Divisória modular vertical interna
NBR11673 - Divisórias leves internas moduladas - Perfis metálicos
NBR11681 - Divisórias leves internas moduladas
NBR11683 - Divisórias leves internas moduladas
NBR11684 - Divisórias leves internas moduladas
NBR11685 - Divisórias leves internas moduladas
NBR13964 - Móveis para escritório - Divisórias tipo painel
4. Revestimentos de paredes e pisos
NBR11801 - Argamassa de alta resistência mecânica para pisos
NBR13530 - Revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas
NBR13529 - Revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas
NBR13749 - Revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas - Especificação
NBR14081 - Argamassa colante industrializada para assentamento de placas cerâmicas - Requisitos
5. Pedras naturais
NBR13707 - Projeto de revestimento de paredes e estruturas com placas de rocha

29
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

6. Cerâmica
NBR13816 - Placas cerâmicas para revestimento - Terminologia
NBR13817 - Placas cerâmicas para revestimento - Classificação
NBR13818 - Placas cerâmicas para revestimento - Especificação e métodos de ensaios.
7. Gesso
NBR13207 - Gesso para construção civil
NBR13867 - Revestimento interno de paredes e tetos com pastas de gesso - Materiais, preparo,
aplicação e acabamento.
8. Tintas
NBR11702 - Tintas para edificações não industriais
9. Têxteis e madeiras
NBR7686 - Revestimentos têxteis de piso
10. Vinílicos, melamínicos e linóleos
NBR7374 - Placa vinílica semi-flexível para revestimento de pisos e paredes - Requisitos e métodos de
ensaio.
NBR14851-1 - Revestimentos de pisos - Mantas (rolos) e placas de linóleo - Parte 1: Classificação e
requisitos.
NBR14851-2 - Revestimentos de pisos - Mantas (rolos) e placas de linóleo - Parte 2: Procedimentos
para aplicação e manutenção.
NBR14833-1 - Revestimento de pisos laminados melamínicos de alta resistência - Parte 1: Requisitos,
características, classes e métodos de ensaio.
NBR14833-2 - Revestimento de pisos laminados melamínicos de alta resistência - Parte 2:
Procedimentos para aplicação e manutenção.
11. Pisos elevados
NBR11802 - Pisos elevados
NBR12544 - Pisos elevados
NBR12561 - Calçado de proteção
12. Caixilhos, portas e vidros
NBR7199 - Projeto, execução e aplicações de vidros na construção civil
NBR8037 - Porta de madeira de edificação
NBR10821 - Caixilhos para edificação - Janelas
NBR10830 - Caixilho para edificação - Acústica dos edifícios
NBR10831 - Projeto e utilização de caixilhos para edificações de uso residencial e comercial - Janelas
NBR11706 - Vidros na construção civil
NBR14718 - Guarda-corpos para edificação
NBR14207 - Boxes de banheiro, fabricados com vidro de segurança temperado - Projeto, Instalação e
materiais utilizados
13. Telhados
NBR5640 - Telha estrutural de fibrocimento
NBR7172 - Telha cerâmica tipo francesa
NBR7196 - Folha de telha ondulada de fibrocimento
NBR7581 - Telha ondulada de fibrocimento
NBR8039 - Projeto e execução de telhados com telhas cerâmicas tipo francesa
NBR8055 - Parafusos, ganchos e pinos usados para a fixação de telhas de fibrocimento - Dimensões e
tipos
NBR9066 - Peças complementares para telhas onduladas de fibrocimento - Funções, tipos e dimensões
NBR9601 - Telha cerâmica de capa e canal
NBR12800 - Telha de fibrocimento, tipo pequenas ondas
NBR12825 - Telha de fibrocimento, tipo canal
NBR13582 - Telha cerâmica tipo romana
NBR13858-1 - Telhas de concreto - Parte 1: Projeto e execução de telhados
NBR13858-2 - Telhas de concreto - Parte 2: Requisitos e métodos de ensaio
30
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

NBR14331 - Alumínio e suas ligas - Telhas (chapas corrugadas) - Requisitos


NBR14513 - Telhas de aço revestido de seção ondulada – Requisitos
NBR14514 - Telhas de aço revestido de seção trapezoidal – Requisitos
14. Impermeabilização
NBR8083 - Materiais e sistemas utilizados em impermeabilização
NBR9575 - Impermeabilização - Seleção e projeto
NBR9689 - Materiais e sistemas de impermeabilização
NBR9690 - Mantas de polímeros para impermeabilização (PVC)
NBR12190 - Seleção da impermeabilização
15. Estruturas
NBR6120 - Cargas para o cálculo de estruturas de edificações
NBR6123 - Forças devidas ao vento em edificações
NBR8681 - Ações e segurança nas estruturas - Procedimento
NBR14432 - Exigências de resistência ao fogo de elementos construtivos de edificações - o
Procedimento
16. Concreto
NBR6118 - Projeto de estruturas de concreto - Procedimento
NBR7211 - Agregado para concreto - Especificação
NBR7480 - Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado
NBR7481 - Tela de aço soldada - Armadura para concreto
NBR7482 - Fios de aço para concreto protendido
NBR7483 - Cordoalhas de aço para concreto protendido - Requisitos
NBR8953 - Concreto para fins estruturais - Classificação por grupos de resistência
NBR9062 - Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado
NBR11768 - Aditivos para concreto de cimento Portland
NBR14859-1 - Laje pré-fabricada - Requisitos - Parte 1: Lajes unidirecionais
NBR14859-2 - Laje pré-fabricada - Requisitos - Parte 2: Lajes bidirecionais
NBR14860-1 - Laje pré-fabricada - Pré-laje - Requisitos - Parte 1: Lajes unidirecionais
NBR14860-2 - Laje pré-fabricada - Pré-laje - Requisitos - Parte 2: Lajes bidirecionais
NBR14861 - Laje pré-fabricada - Painel alveolar de concreto protendido – Requisitos
17 Esquadrias
NBR13756:1996 - Esquadrias de alumínio - Guarnição elastomérica em EPDM para vedação -
Especificação
NBR5722:1982 - Esquadrias modulares
NBR5728:1982 - Detalhes modulares de esquadrias
NBR7778:1983 - Alavanca para basculantes - Padrão popular
NBR7779:1983 - Alavanca para basculantes - Padrão superior

II – Normas técnicas da NBR para o sistema elétrico:


NBR5354 - Requisitos gerais para material de instalações elétricas prediais
NBR5410 - Instalações elétricas de baixa tensão
NBR5413 - Iluminância de interiores
NBR5419 - Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
NBR10898 - Sistema de iluminação de emergência
NBR5597 - Eletroduto de aço-carbono e acessórios, com revestimento protetor e rosca NPT -
Requisitos
NBR6150 - Eletroduto de PVC rígido
NBR6689 - Requisitos gerais para condutos de instalações elétricas prediais
NBR5361 - Disjuntores de baixa tensão
NBR7118 - Disjuntores de alta-tensão
NBR5419 - Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
NBR IEC 60947-2 - Dispositivos de manobra e comando de baixa tensão - Parte 2: Disjuntores
NBR6527 - Interruptores para instalação elétrica fixa doméstica e análoga - Especificação
NBR5111 - Fios de cobre nus, de seção circular, para fins elétricos - Especificação
31
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

NBR5368 - Fios de cobre mole estanhados para fins elétricos - Especificação


NBR8120 - Fio de aço-cobre, encruado para fins elétricos.
NBR5118 - Fios de alumínio nus de seção circular para fins elétricos
NBR5285 - Fios de alumínio-liga, nus, de seção circular, para fins elétricos
NBR10711 - Fios de aço-alumínio nus, encruados, de seção circular, para fins elétricos

III – Normas técnicas da NBR para o sistema hidráulico:


NBR6493 - Emprego de cores para identificação de tubulações
NBR5626 - Instalação predial de água fria
NBR7367 - Projeto e assentamento de tubulações de PVC rígido para sistemas de esgoto sanitário
NBR8160 - Sistemas prediais de esgoto sanitário - Projeto e execução
NBR10844 - Instalações prediais de águas pluviais
NBR14486 - Sistemas enterrados para condução de esgoto sanitário - Projeto de redes coletoras com
tubos de PVC
NBR5648 - Sistemas prediais de água fria - Tubos e conexões de PVC 6,3, PN 750 KPa, com junta
soldável - Requisitos
NBR5688 - Sistemas prediais de água pluvial, esgoto sanitário e ventilação - Tubos e conexões de
PVC, tipo DN - Requisitos
NBR7362-1 - Sistemas enterrados para condução de esgoto - Parte 1: Requisitos para tubos de PVC
com junta elástica
NBR7362-2 - Sistemas enterrados para condução de esgoto - Parte 2: Requisitos para tubos de PVC
com parede maciça
NBR7362-3 - Sistemas enterrados para condução de esgoto - Parte 3: Requisitos para tubos de PVC
com dupla parede
NBR7362-4 - Sistemas enterrados para condução de esgoto - Parte 4: Requisitos para tubos de PVC
com parede de núcleo celular
NBR10570 - Tubos e conexões de PVC rígido com junta elástica para coletor predial e sistema
condominial de esgoto sanitário - Tipos e dimensões
NBR10925 - Cavalete de PVC DN 20 para ramais prediais
NBR8417 - Sistemas de ramais prediais de água - Tubos de polietileno PE - Requisitos
NBR14301 - Sistemas de ramais prediais de água - Tubos de polietileno PE – Determinação das
Dimensões
NBR8161 - Tubos e conexões de ferro fundido para esgoto e ventilação - Formatos e dimensões
NBR9651 - Tubo e conexão de ferro fundido para esgoto
NBR6452 - Aparelhos sanitários de material cerâmico
NBR6498 - Bacia sanitária de material cerâmico de entrada horizontal e saída embutida vertical -
Dimensões
NBR 6499 - Material cerâmico - Lavatório de fixar na parede - Dimensões
NBR6500 - Mictórios de material cerâmico - Dimensões
NBR9065 - Material cerâmico - Bidê - Dimensões
NBR9338 - Bacia sanitária de material cerâmico com caixa acoplada e saída embutida vertical -
Dimensões
NBR10353 - Material cerâmico - Mini-lavatório de fixar na parede - Dimensões
NBR12487 - Tanque de material cerâmico - Dimensões padronizadas
NBR12488 - Material cerâmico - Lavatório de embutir - Dimensões
NBR12489 - Material cerâmico - Lavatório de sobrepor - Dimensões
NBR12490 - Bacia sanitária de material cerâmico com caixa integrada e saída embutida vertical -
Dimensões
NBR14776 - Cadeira plástica monobloco - Requisitos e métodos de ensaio
NBR10979 - Válvula de escoamento com ladrão para bidês e lavatórios
NBR11146 - Válvula de escoamento, sem ladrão, para lavatórios e pias
NBR11852 - Caixa de descarga
NBR12904 - Válvula de descarga
NBR14162 - Aparelhos sanitários - Sifão - Requisitos e métodos de ensaio
NBR12483 - Chuveiros elétricos
NBR14011 - Aquecedores instantâneos de água e torneiras elétricas - Requisitos
NBR14390 - Misturador para lavatório - Requisitos e métodos de ensaio
NBR6135 - Chuveiros automáticos para extinção de incêndio
NBR9077 - Saídas de emergência em edifícios
NBR10897 - Proteção contra incêndio por chuveiro automático
32
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

NBR11711 - Portas e vedadores corta-fogo com núcleo de madeira para isolamento de riscos em
ambientes comerciais e industriais.
NBR11742 - Porta corta-fogo para saída de emergência
NBR11785 - Barra antipânico – Requisitos

IV – Normas técnicas da NBR para o sistema de ar condicionado:


NBR5858 - Condicionador de ar doméstico
NBR5882 - Condicionador de ar doméstico - Determinação das características
NBR6401 - Instalações centrais de ar condicionado para conforto - Parâmetros básicos de projeto
NBR9318 - Condicionadores de ar domésticos - Requisitos de segurança elétrica
NBR 10080 - Instalações de ar condicionado para salas de computadores
NBR 7256 - Tratamento de ar em Estabelecimentos Assistenciais de Saúde - Requisitos para projeto e
execução das instalações
NBR 14518 - Sistema de Ventilação para Cozinhas Profissionais
NBR 6401 - Instalações Centrais de ar condicionado para conforto - Parâmetros Básicos
NBR 14679 - Sistemas de condicionamento de ar e ventilação - Execução de serviços de Higienização

33
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

ANEXO III – MODELO DE PROPOSTA

Nº Processo 23064.006289/2010-10

Licitação Nº PREGÃO ELETRÔNICO N.º 022/2010

Data e hora _____/______/_________ às _____: ______ horas

Objeto da Contração SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA

Empresa

Endereço

CNPJ

Nome do Representante Legal

Estado civil do Representante Legal

Identidade do Representante Legal

CPF do Representante Legal

Nacionalidade do Representante Legal

Cidade: UF: CEP:

Telefone: Fax: E-mail:

Banco: Agência: Conta Corrente:

Item Descrição sucinta Valor Estimado


Unitário
Serviços de manutenção preventiva e corretiva de móvel e imóvel da
Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Londrina.
01 Hora trabalhada de Profissional R$

02 Hora trabalhada de Ajudante R$

03 Valor do Chamado. R$

Desconto sobre o valor anual estimado em R$ 20.000,00: _______%

Percentual de desconto por extenso: R$ _______________,_______ (______________)

DATA DA PROPOSTA: VALIDADE DA PROPOSTA:

___________________________
(assinatura autorizada)
(nome, cargo do signatário, CPF)

(RAZÃO SOCIAL DA EMPRESA)

34
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

ANEXO IV – MODELO DE ATESTADO DE VISTORIA PRÉVIA


(Imprimir com o logotipo da empresa e em 2 duas)

Processo nº. 23064.006289/2010-10


Pregão Eletrônico nº. 022/2010
Abertura da sessão pública: ...../...../2009 às ...:... horas (Horário de Brasília)

ATESTADO DE VISTORIA PRÉVIA

Atesto para os devidos fins, que a empresa ............................... CNPJ


nº........................................,..., representada pelo Sr............................................., compareceu nesta
Universidade para conhecer as peculiaridades do objeto da licitação especificado no Termo de Referência do
Edital de Pregão nº 014/2010.

Londrina/PR, .......... de ..................................... de 2010.

Representante da empresa
(Documento de identificação)

35
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

ANEXO V – MINUTA DE CONTRATO

CONTRATO nº ....../2010

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE


MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DE
MÓVEIS E IMÓVEL QUE ENTRE SI CELEBRAM A
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO
PARANÁ – CAMPUS LONDRINA E
............................ NA FORMA, ABAIXO:

Aos ........ dias do mês de ................................, do ano de dois mil e nove, compareceram, de um lado, a
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ – CAMPUS LONDRINA, inscrita no CNPJ sob o
número 75.101.873/0011-61, situada na Avenida dos Pioneiros, 3131 – Jardim Morumbi, Londrina-Paraná,
representada neste ato pelo Diretor Geral da UTFPR – Campus Londrina, Prof. Marcos Massaki Imamura,
doravante denominada simplesmente CONTRATANTE, e ..........................................., na pessoa jurídica de
direito privado, inscrita no CNPJ sob n° ............ ............................, com sede na .......................................,
representada pelo(a) [cargo, Sr(a). [nome]. ............................................., [nacionalidade], [estado
civil],portador(a) da cédula de identidade nº. ....................., expedida pela SSP/......... e inscrito(a) CPF nº.
................................ doravante designada CONTRATADA, em observância ao disposto nos termos da Lei nº
10.520, de 17 de julho de 2002, Decreto nº 3.555, de 08 de agosto de 2000, Decreto nº 2.271, de 07 de julho
de 1997, Decreto 5.450 de 31 de maio de 2005, IN/SLTI/MPOG nº 02, de 30 de abril de 2008 alterada pela IN
03 de 15 de outubro de 2009 e demais legislações correlatas, Lei Complementar nº. 123 de 14 de dezembro
de 2006 e Decreto nº. 6.204 de 05 de setembro de 2007, aplicando-se subsidiariamente a Lei nº 8.666, de 21
de junho de 1993, atualizada, resolvem celebrar o presente Contrato de prestação de serviços de
motorista,sob a forma de execução indireta, mediante as cláusulas e condições seguintes:

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO


O presente Contrato tem por objeto os serviços de manutenção preventiva e corretiva de móvel e imóvel da
CONTRATANTE, com fornecimento de mão-de-obra e equipamentos de acordo com as especificações e
locais constantes no Termo de Referência.

CLÁUSULA SEGUNDA – DA VINCULAÇÃO AO EDITAL


Este Instrumento de Contrato e seus Anexos guardam inteira conformidade com as especificações e
quantidades relacionadas no Termo de Referência do Edital de Pregão Eletrônico nº. 022/2010 – UTFPR –
Campus Londrina, do qual é parte integrante, vinculando-se, ainda, a proposta da CONTRATADA.

CLÁUSULA TERCEIRA – DA VIGÊNCIA DO CONTRATO


O Contrato terá vigência por 12 (doze) meses a partir da data da ordem de serviço, podendo ser prorrogado
por iguais e sucessivos períodos até o limite de sessenta meses, conforme art. 57, II, da Lei 8.666/93 e
alterações posteriores.
SUBCLÁUSULA ÚNICA - O presente contrato só terá validade e eficácia depois de publicado no Diário Oficial
da União.
CLÁUSULA QUARTA – DO LOCAL DA APRESENTAÇÃO PARA A PRESTAÇÃO DO SERVIÇO
O serviço será executado na UTFPR/Campus Londrina situada na Avenida dos Pioneiros, nº. 3131 – Jardim
Morumbi – Londrina – PR.

CLÁUSULA QUINTA – DA EXECUÇÃO DO CONTRATO


Conforme Art. 67 da Lei n.º 8666/93, os serviços serão objeto de acompanhamento, controle, fiscalização e
avaliação por representante da CONTRATANTE, com atribuições específicas, especialmente designadas para
tal fim pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Londrina, nos termos do Edital e das
condições aceitas pela CONTRATADA, constantes dos seus documentos de classificação, inerentes ao
Pregão Eletrônico nº 014/2010.

36
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

SUBCLÁUSULA PRIMEIRA- A fiscalização será exercida no interesse da CONTRATANTE e não exclui nem
reduz a responsabilidade da CONTRATADA, inclusive perante terceiros, por quaisquer irregularidades, e, a
sua ocorrência, não implica co-responsabilidade do Poder Público ou de seus agentes e prepostos.

SUBCLÁUSULA SEGUNDA - Quaisquer exigências da fiscalização inerentes ao objeto do Contrato deverão


ser prontamente atendidas pela CONTRATADA, sem ônus para a CONTRATANTE.

SUBCLÁUSULA TERCEIRA - A CONTRATADA fica obrigada a aceitar, nas mesmas condições contratuais,
os acréscimos ou supressões que se fizerem necessárias ao fornecimento do objeto do presente Contrato, até
25% (vinte e cinco por cento) do valor deste Contrato.

SUBCLÁUSULA QUARTA - A Contratante se reserva o direito de rejeitar no todo ou em parte os serviços


prestados, se em desacordo com este contrato.

SUBCLÁUSULA QUINTA - DA SUBCONTRATAÇÃO: Será admitida a subcontratação dos seguintes itens,


nos termos e condições estabelecidos no Termo de Referência:

I) Inspeção termográfica da subestação;


II) Teste do óleo dos transformadores;
III) Limpeza de rede de esgoto;
IV) Serviços de solda;
V) Certificação de cabeamento de rede lógica;
VI) Teste de extintores de incêndio;
VII) Outros, mediante aprovação prévia da Fiscalização do Contrato.
SUBCLÁUSULA SEXTA- Os serviços especializados a cargo de diferentes firmas subcontratadas serão
coordenados pela CONTRATADA de modo a proporcionar o andamento harmonioso, em seu conjunto,
permanecendo sob sua inteira responsabilidade o cumprimento das obrigações contratuais.

CLÁUSULA SEXTA – DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA


São obrigações de exclusiva conta e responsabilidade da CONTRATADA, além do fornecimento da mão-de-
obra, das ferramentas, equipamentos e utensílios necessários para a perfeita execução dos serviços de
manutenção predial corretiva e preventiva e demais atividades correlatas, estimados no termo de referência
do Edital vinculado a este instrumento contratual, e das previstas na IN/SLTI/MPOG nº 02, de 30 de abril de
2008 alterada pela IN 03 de 15/10/2009, independentemente de transcrição, afora outras não previstas e que
por lei lhe couberem, as seguintes:

SUBCLÁUSULA PRIMEIRA - A CONTRATADA deverá realizar os serviços descritos no Anexo I –


Detalhamento do objeto – do Edital que passa a ser o Anexo I do presente Contrato,

SUBCLÁUSULA SEGUNDA- Executar os serviços objeto deste contrato com observância de todas as leis,
regulamentos e normas técnicas pertinentes.

SUBCLÁUSULA TERCEIRA - Atender rigorosamente às especificações e obrigações constantes do


Detalhamento do objeto – Anexo I deste Contrato - e ao Edital do Pregão Eletrônico.

SUBCLÁUSULA QUARTA- Responsabilizar-se por eventuais multas e outras quaisquer penalidades ou


despesas decorrentes da infração de leis e posturas que se relacionarem com a prestação do serviço
contratado, de forma que, em hipótese alguma, tais responsabilidades poderão ser atribuídas à
CONTRATANTE.

SUBCLÁUSULA QUINTA- Responder pelas despesas relativas a encargos trabalhistas, seguro de acidentes,
impostos, contribuições previdenciárias e quaisquer outras que forem devidas referentes aos serviços
executados por seus empregados, uma vez que os mesmos não têm nenhum vínculo empregatício com a
Contratante;

SUBCLÁUSULA SEXTA - Manter, durante toda a execução do contrato, todas as condições de habilitação e
qualificação exigidas na licitação, assim como manter a compatibilidade com as obrigações por ela assumidas,
devendo comunicar à CONTRATANTE, imediatamente, qualquer alteração que possa comprometer a
37
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

manutenção do presente.

SUBCLÁUSULA SÉTIMA - Selecionar e preparar rigorosamente os empregados que irão prestar os serviços,
encaminhando elementos portadores de atestado de boa conduta e demais referências, tendo funções
profissionais legalmente registradas em suas carteiras de trabalho.

SUBCLÁUSULA OITAVA - Manter disciplina nos locais dos serviços, retirando após notificação, qualquer
empregado considerado com conduta inconveniente pela Administração.

SUBCLÁUSULA NONA - Responsabilizar-se pelo cumprimento, por parte de seus empregados, das normas
disciplinares determinadas pela Administração.

SUBCLÁUSULA DÉCIMA - Responder, civil e penalmente, por quaisquer danos materiais ou pessoais
ocasionados à Contratante e/ou terceiros, por seus empregados, dolosa ou culposamente, nos locais de
trabalho.

SUBCLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA- Relatar ao Fiscal do Contrato toda e qualquer irregularidade, inclusive
de ordem funcional, constatada durante a execução dos serviços, cujo saneamento dependa de autorização
para execução ou de providência por parte da Contratante, especialmente se representar risco para o
patrimônio público.

SUBCLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA- Executar os serviços de manutenção sob a responsabilidade técnica


do profissional de nível superior (Engenheiro) indicado pela Contratada na fase de habilitação da licitação. O
responsável técnico somente poderá ser substituído por profissional com experiência equivalente ou superior
à exigida por ocasião da licitação, e mediante prévia aprovação da fiscalização do contrato.

SUBCLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA- Programar as manutenções preventivas e corretivas dos


equipamentos de acordo com o Plano de Manutenção, com o cronograma de manutenções e em comum
acordo com a fiscalização do contrato.

SUBCLÁUSULA DÉCIMA QUARTA - Apresentar, para aprovação prévia da fiscalização do contrato,


comprovação de que os profissionais integrantes da Equipe possuem qualificação de técnico de nível médio
ou técnico de 2º grau, com formação conforme Decreto nº 90.922, de 06/02/85, ou que possuem, no mínimo, 3
(três) anos de experiência profissional em atividade de manutenção da sua área de especialização,
demonstrada através de anotação na Carteira do Trabalho e Previdência Social.

SUBCLÁUSULA DÉCIMA QUINTA - Apresentar à Contratante, em até 10 (dez) dias úteis após a data de
início dos serviços, o recolhimento junto ao CREA-PR, da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART),
relativa a todos os serviços constantes do objeto do contrato e referente ao período de duração do mesmo,
inclusive quanto aos serviços que tenham sido subcontratados.

SUBCLÁUSULA DÉCIMA SEXTA - A Contratada não poderá cobrar pelo serviço de manutenção corretiva
que tenha que ser realizado sobre um problema que já foi objeto de manutenção preventiva até 30 (trinta) dias
antes. Deverá realizar tal serviço, sem custos para a CONTRATANTE.

SUBCLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA - Providenciar o transporte dos equipamentos que necessitem sofrer
manutenção corretiva, a qual não possa ser efetuada no próprio local de instalação, desde a sede da
CONTRATANTE até o local onde será executada a manutenção, sem ônus adicional para a Administração.

SUBCLÁUSULA DÉCIMA OITAVA- A visita mensal é obrigatória, independentemente de outras necessidades


emergenciais surgidas durante o mês, ficando a administração dispensada do pagamento mensal no caso de
sua não ocorrência.
SUBCLÁUSULA DÉCIMA NONA - Os empregados em serviço possuirão vínculo empregatício
exclusivamente com a CONTRATADA, sendo esta responsável pelo pagamento de salários e demais
vantagens e recolhimento de todas as obrigações e tributos pertinentes, bem assim por quaisquer acidentes
de que possam ser vítimas, quando em serviço, na forma como a expressão é considerada nos artigos 30 e

38
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

60 do Regulamento do Seguro de Acidentes de Trabalho, aprovado pelo Decreto nº 61784, de 20 de


novembro de 1987.

CLÁUSULA SÉTIMA – DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATANTE


Além das obrigações resultantes da observância da legislação pertinente, e das contidas no Termo de
Referência vinculado a este, são obrigações da Contratante:

SUBCLÁUSULA PRIMEIRA - Proporcionar todas as facilidades para que a CONTRATADA possa


desempenhar seus serviços dentro das normas do contrato, permitindo o livre acesso às instalações, quando
assim for solicitado.

SUBCLÁUSULA SEGUNDA - Comunicar à CONTRATADA, por escrito e com a antecedência necessária, as


necessidades quanto à prestação ora contratada;

SUBCLÁUSULA TERCEIRA - Efetuar os pagamentos referentes às Notas Fiscais dentro dos respectivos
prazos;

SUBCLÁUSULA QUARTA - Manter servidor com atribuições específicas de fiscalização e avaliação dos
serviços.

SUBCLÁUSULA QUINTA - Emitir autorização em formulário próprio para a execução dos serviços;

SUBCLÁUSULA SEXTA - Providenciar, sem qualquer ônus para a Contratada, locais para a guarda de
documentação técnica, ferramentas e instrumentos de propriedade desta última e necessários à execução dos
serviços de manutenção;

SUBCLÁUSULA SÉTIMA - Comunicar à CONTRATADA, por escrito, as irregularidades quanto á execução


dos serviços ora contratados;
SUBCLÁUSULA OITAVA - Fornecer à Contratada os materiais necessários à execução dos serviços, quando
solicitados;
SUBCLÁUSULA NONA - Notificar por escrito a Contratada a aplicação de eventual multa, nos casos de
atrasos e/ou inexecuções das obrigações assumidas.

CLÁUSULA OITAVA – DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA


A despesa com a execução do presente Contrato correrá à conta do Orçamento Geral da União, para o
exercício de 2010, sob a seguinte classificação: Natureza da Despesa 339039.16, Fonte de Recurso
0112000000, Plano Resumido de Trabalho 001957.

SUBCLÁUSULA ÚNICA – DA NOTA DE EMPENHO - Será emitida pela CONTRATANTE a Nota de


Empenho de nº ..........., de xx/xx/xxxx, no valor de R$ ( ), à conta da dotação especificada no caput desta
Cláusula, para atender as despesas inerentes a este Contrato.

CLÁUSULA NONA - DO PREÇO MENSAL


Os serviços objeto deste contrato serão executados pelo preço global estimado de R$ _________
(__________________), referente a 12 (doze) parcelas mensais estimadas em R$ _________
(__________________), conforme constante da Planilha de Custos e Formação de Preço apresentada pela
CONTRATADA.

CLÁUSULA DÉCIMA - DA GARANTIA DE EXECUÇÃO


Fica dispensada a apresentação de garantia contratual de acordo com o previsto no artigo 56 da Lei nº
8.666/93, conforme a mensagem MPOG/DLSG/SLTI nº 049256 de 23/09/2008.

CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA – DO PAGAMENTO


De acordo com o Art. 36 da IN nº. 03/09 – SLTI/MPOG, o pagamento deverá ser efetuado mediante a
apresentação de Nota Fiscal ou da Fatura pela contratada, que deverá conter o detalhamento dos serviços
executados, conforme disposto no art. 73 da Lei nº 8.666, de 1993, observado o disposto no art. 35 desta
Instrução Normativa e os seguintes procedimentos:
39
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

SUBCLÁUSULA PRIMEIRA - Todo e qualquer pagamento decorrente da presente licitação estará


condicionado à comprovação da regularidade da Contratada com a Seguridade Social, o Fundo de Garantia
por Tempo de Serviço, a Dívida Ativa da União e Tributos e Contribuições Federais Administrados pela
Secretaria da Receita Federal, todos em vigor na data do pagamento, nos quais conste o CNPJ da
Contratada.
SUBCLÁUSULA SEGUNDA- A regularidade de que trata a Subcláusula anterior poderá ser verificada por
meio de consulta on line no SICAF, cabendo à contratada a devida atualização no Sistema; ou mediante
apresentação de cópia das respectivas certidões.
SUBCLÁUSULA TERCEIRA- O prazo para pagamento da Nota Fiscal/Fatura, devidamente atestada pela
Administração, não deverá ser superior a 15 (quinze) dias, contados da data de sua apresentação, na
inexistência de outra regra contratual.
SUBCLÁUSULA QUARTA- Por ocasião do pagamento, haverá retenção de crédito referente ao
ressarcimento de eventuais danos provocados pela ADJUDICATÁRIA, correspondentes ao prejuízo sofrido
pela Administração.
SUBCLÁUSULA QUINTA- Por época do pagamento será retido na fonte o imposto sobre a renda de pessoa
jurídica, a contribuição sobre o lucro, a contribuição para a seguridade social (COFINS) e a contribuição para o
PIS/PASEP, conforme dispõe a IN n.º 480, da Secretaria da Receita Federal, de 15 de Dezembro de 2004.
Poderá ser retido, ainda, o imposto sobre serviços de qualquer natureza (ISS/ISSQN), de acordo com a
legislação municipal vigente.
SUBCLÁUSULA SEXTA – A retenção tratada na Subcláusula Quarta não será aplicada às microempresas e
empresas de pequeno porte optantes pelo SIMPLES (Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e
Contribuições), desde que, anexem à Nota Fiscal, cópia do documento comprobatório da inscrição.
SUBCLÁUSULA SÉTIMA – Não sendo optantes pelo SIMPLES, será efetuada a retenção na forma da
Instrução Normativa Conjunta SRF/STN/SFC nº. 23, de 02/03/2001.
SUBCLÁUSULA OITAVA – Todos os custos com impostos, taxas, pedágios, fretes e demais despesas que
por ventura ocorrerem serão de responsabilidade da contratada.
SUBCLÁUSULA NONA– No caso de incorreção nos documentos apresentados, inclusive na Nota
Fiscal/Fatura, serão os mesmos restituídos à adjudicatária para as correções necessárias, não respondendo a
CONTRATANTE, por quaisquer encargos resultantes de atrasos na liquidação dos pagamentos
correspondentes.

CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA- DA ALTERAÇÃO DO CONTRATO


Este Contrato poderá ser alterado mediante Termo Aditivo, com as devidas justificativas, nos casos previstos
no art. 65 da Lei n° 8.666/93.

CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA – REAJUSTES


A periodicidade de reajuste é de um ano, contado da data-limite para apresentação da proposta, conforme a
Lei n.º 10.192 de 14.02.2001.
SUBCLÁUSULA PRIMEIRA- O reajuste de que trata o subitem acima, será calculado de acordo com a
variação do IPC-FIPE do período, tendo como fórmula de cálculo a seguinte:

R = Reajuste
 I − I 0   I = Número Índice da data do Reajuste (IPC-FIPE)
R =   × P
 I0 = Número Índice da data de apresentação da proposta ou
 I0   último reajuste concedido.
P = Preço Proposto

SUBCLÁUSULA SEGUNDA- Incumbirão à CONTRATADA a iniciativa e o encargo do cálculo minucioso e a


demonstração analítica de cada reajuste a ser aprovado pela CONTRATANTE, bem como a apresentação no
prazo máximo de 90 (noventa) dias a contar da data que terá direito ao reajuste. Findo este prazo, a
Contratada não fará jus às diferenças do período sem reajuste que decorrer de seu atraso.

40
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA- DA RESCISÃO


Conforme o disposto no Inciso IX, do artigo 55, da Lei nº. 8666/93, a CONTRATADA reconhece os direitos da
CONTRATANTE, em caso de rescisão administrativa prevista no artigo 77, do referido diploma legal.
SUBCLÁUSULA PRIMEIRA – A ocorrência de quaisquer das hipóteses previstas no Art. 78, da Lei n°
8.666/93, ensejará a rescisão do presente Contrato.
SUBCLÁUSULA SEGUNDA – Os casos de rescisão contratual serão formalmente motivados nos autos do
processo, assegurados o contraditório e a ampla defesa.
SUBCLÁUSULA TERCEIRA – A rescisão administrativa ou amigável será precedida de autorização escrita e
fundamentada da autoridade competente.
SUBCLÁUSULA QUARTA – A rescisão determinada por ato unilateral e escrito da CONTRATANTE, nos
casos enumerados nos Incisos I a XI do art. 78, da Lei n° 8.666/93, acarreta as consequências prevista s nos
Incisos II e IV do art. 87 do mesmo Diploma Legal, sem prejuízo das demais sanções previstas.
SUBCLÁUSULA QUINTA – Na hipótese de se concretizar a rescisão contratual, poderá a CONTRATANTE
contratar os serviços das licitantes classificadas em colocação subseqüente, ou efetuar nova Licitação

CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA – DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS


Pelo atraso injustificado ou inexecução, total ou parcial, do objeto deste edital, erro, imperfeição, mora na
execução, inadimplemento ou não veracidade das informações prestadas, a empresa Adjudicatária estará
sujeita, segundo a extensão da falta cometida, às penalidades previstas nos Artigos 86 e 87 da Lei n.º
8.666/93, garantida a prévia defesa, quais sejam:
I. Advertência por faltas leves, assim entendidas como aquelas que não acarretarem prejuízos
significativos ao objeto da contratação;
II. Multa:
a) Moratória de até 0,5% (cinco décimos por cento) por dia de atraso injustificado sobre o valor da
contratação, até o limite de 15 (quinze) dias;
b) Compensatória de até 10% (dez por cento) sobre o valor total do contratado, no caso de
inexecução total ou parcial da obrigação assumida, podendo ser cumulada com a multa
moratória;
III. Suspensão de licitar e impedimento de contratar com a UTFPR- Campus Londrina pelo prazo de até
dois anos;
IV. Declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a Administração Pública, enquanto
perdurarem os motivos determinantes da punição ou até que seja promovida a reabilitação perante a
própria autoridade que aplicou a penalidade, que será concedida sempre que a Contratada ressarcir a
Administração pelos prejuízos causados;
V. Impedimento de licitar e contratar com a União e descredenciamento no SICAF pelo prazo de até cinco
anos;
SUBCLÁUSULA PRIMEIRA – A penalidade de multa pode ser aplicada cumulativamente com as demais
sanções.
SUBCLÁUSULA SEGUNDA – A aplicação de qualquer das penalidades previstas realizar-se-á em processo
administrativo que assegurará o contraditório e a ampla defesa, observando-se o procedimento previsto na Lei
nº 8.666, de 1993, e subsidiariamente na Lei nº 9.784, de 1999.
SUBCLÁUSULA TERCEIRA – A autoridade competente, na aplicação das sanções, levará em consideração
a gravidade da conduta do infrator, o caráter educativo da pena, bem como o dano causado à Administração,
observado o princípio da proporcionalidade.
SUBCLÁUSULA QUARTA – As multas devidas e/ou prejuízos causados à Contratante serão deduzidos dos
valores a serem pagos, ou recolhidos em favor da União, ou deduzidos da garantia, ou ainda, quando for o
caso, serão inscritos na Dívida Ativa da União e cobrados judicialmente.
SUBCLÁUSULA QUINTA – Caso a Contratante determine, a multa deverá ser recolhida no prazo máximo de
10 (dez) dias, a contar da data do recebimento da comunicação enviada através de carta postal com aviso de
recebimento.

41
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

SUBCLÁUSULA SEXTA – As sanções aqui previstas são independentes entre si, podendo ser aplicadas
isoladas ou, no caso das multas, cumulativamente, sem prejuízo de outras medidas cabíveis. As sanções
serão obrigatoriamente registradas no SICAF.

CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA – DOS RECURSOS


Dos atos da Administração que aplicarem sanção ou que rescindirem o contrato, caberá recurso na forma do
Art. 109 da Lei nº. 8666/93.

CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA – DA RESPONSABILIDADE CIVIL


Qualquer dano ocasionado à CONTRATANTE ou a terceiros, por ato comissivo ou omissivo, doloso ou
culposo da CONTRATADA ou de seus prepostos, sujeitará esta, independentemente de outras combinações
contratuais e legais, ao pagamento de perdas e danos.

SUBCLÁUSULA ÚNICA - É também de inteira responsabilidade da CONTRATADA, que detém natureza de


empresa prestadora de serviços, as obrigações patronais ou trabalhistas tidas com seus empregados, não
gerando, a presente relação contratual de prestação de serviços, qualquer responsabilidade solidária da
CONTRATANTE em relação aos empregados da CONTRATADA.

CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA – DOS ÔNUS E ENCARGOS


Todos os ônus ou encargos referentes à execução deste Contrato, que se destinem à realização dos
serviços, a locomoção de pessoal, seguros de acidentes, impostos, taxas, contribuições previdenciárias,
encargos trabalhistas e outros que forem devidos em razão dos serviços ficarão totalmente a cargo da
CONTRATADA.

CLÁUSULA DÉCIMA NONA– DA PUBLICAÇÃO


A CONTRATANTE fará publicar, no Diário Oficial da União, extrato do presente Contrato, no prazo de até 20
(vinte) dias da data da assinatura, com indicação da modalidade de licitação e seu número de referência.

CLÁUSULA VIGÉSIMA – DOS CASOS OMISSOS


Quaisquer dúvidas surgidas na execução deste Contrato serão dirimidas entre as partes, durante a sua
vigência, passando as decisões, assim tomadas, a fazer parte integrante do mesmo.

CLÁUSULA VIGÉSIMA PRIMEIRA– DO FORO


O Foro para dirimir as questões oriundas do presente Contrato será o da Justiça Federal de Londrina, Seção
Judiciária do Paraná.

E, para firmeza e como prova de assim haverem, entre si, ajustado e contratado, é lavrado o presente
Contrato em 2 (duas) vias de igual teor e forma, que depois de lido e achado conforme é assinado pelas
partes CONTRATANTES e pelas testemunhas abaixo firmadas.

_ ____________________________________ _ ________________________________
Diretor Geral Diretor
Campus Londrina Empresa

_ ____________________________________ _________________________________
TESTEMUNHA TESTEMUNHA
CPF: CPF:

APOSTILAMENTO: Para efeito da cláusula 3ª, a ordem de serviço foi assinada em


_____/_____/________ conf. Doc. de fl. ______.

42
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

ANEXO VI – MODELO DE ORDEM DE SERVIÇO

PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ
ORDEM DE SERVIÇO PARA INÍCIO DA
EXECUÇÃO DO OBJETO Nº. XXX/2010
DATA: _____/_____/______

Campus Londrina

PROCESSO Nº. 23064.006289/2010-10 LICITAÇÃO: PREGÃO ELETRÔNICO Nº 022/2010

DEFINIÇÃO DO SERVIÇO:
Prestação de serviços de manutenção preventiva e corretiva de móvel e imóvel com fornecimento de mão-de-
obra e equipamentos necessários a execução do objeto..

PRAZO PARA EXECUÇÃO:


12 (doze) meses a contar da data estabelecida nesta Ordem

CUSTO ESTIMADO GLOBAL DO SERVIÇO:


R$ ..................,......... ( )

LOCAL DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO:


UTFPR – Campus Londrina, Avenida dos Pioneiros, 3131 – Jardim Morumbi – Londrina – Paraná

Em cumprimento aos dispositivos previstos em lei, e tendo em vista a assinatura do contrato nº. .........
datado de .........../.........../..............., atendendo as exigências legais para a execução do serviço
mencionado, fica notificada a empresa .........................................................................................., que a data
para o início dos serviços será em ........../.........../..............., sendo o prazo previsto para a sua execução
de 12 (doze) meses contados a partir da data estabelecida acima, conforme combinado e aprovado
pelas partes interessadas, abaixo assinadas.

MARCOS MASSAKI IMAMURA


Direto Geral
Campus Londrina

43
Ministério da Educação
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Campus Londrina
Pregoeiro (a) e Equipe de Apoio
PR
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Portaria nº. 100 de 14 de setembro e 2010

ANEXO VII – MODELO DE ORDEM DE SERVIÇO - CHAMADO

ORDEM DE SERVIÇO No __________ DATA: _____/_______/_____


CONTRATADA: ____________________________
SOLICITANTE: ____________________________

RESPONSÁVEL TELEFONE

SERVIÇO A SER EXECUTADO:

MARCAÇÃO DOS TEMPOS

SOLICITAÇÃO RECEBIDO PELA EQUIPE


DATA: HORA: DATA: HORA:

CHEGADA AO LOCAL TÉRMINO DO SERVIÇO


DATA: HORA: DATA: HORA:

TEMPO DE REPARO:

VISTO DA UNIDADE VISTO DA PRESTADORA VISTO DO FISCAL

44