Você está na página 1de 85

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

Centro de Linguagem e Comunicação


Faculdade de Letras

A INFLUÊNCIA DO LATIM SOBRE A LÍNGUA INGLESA:


UMA POSSIBILIDADE DE DIÁLOGO NO ENSINO A
LUSÓFONOS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO


Área: Ensino de Língua Estrangeira

Cláudio Roberto Avallone Sgroi Corrêa


RA 11109329

Campinas, SP

Novembro de 2014
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS
Centro de Linguagem e Comunicação
Faculdade de Letras

A INFLUÊNCIA DO LATIM SOBRE A LÍNGUA INGLESA:


UMA POSSIBILIDADE DE DIÁLOGO NO ENSINO A
LUSÓFONOS

Cláudio Roberto Avallone Sgroi Corrêa


RA 11109329

Monografia apresentada como exigência do


Trabalho de Conclusão do Curso de Licenciatura
em Letras: Português-Inglês, da Faculdade de
Letras, do Centro de Linguagem e Comunicação,
da PUC-Campinas, sob a orientação da Profª. Drª.
Maria de Fátima Silva Amarante
SUMÁRIO

Introdução .............................................................................................................................. 3

Capítulo 1 - A influência do latim sobre o inglês

1.1 - História da língua inglesa com foco nas influências latinas .......................... 5

1.2 - Características da influência latina: qual variedade do latim e em que área


do inglês ?.......................................................................................................... 12

1.3 - A relação entre as influências latinas no inglês e o nível de formalidade ... 18

Capítulo 2 - Um possível diálogo no ensino a lusófonos

2.1 - Análise de materiais .................................................................................. 39

2.2 - O uso das influências latinas sobre o inglês na realidade do contexto de


ensino-aprendizagem ........................................................................................ 41

Conclusão ............................................................................................................................ 48

Bibliografia ........................................................................................................................... 51

Anexos ................................................................................................................................. 56
3

INTRODUÇÃO

O ensino de inglês é tão diverso quanto o próprio idioma. Existem, literalmente,


milhares de professores, escolas, métodos/materiais didáticos, cursos, palestras, livros e
sites que têm por objetivo ensinar a língua inglesa, cada um com sua abordagem didático-
pedagógica. Entretanto, não é preciso procurar muito para se chegar à conclusão de que
poucos se preocupam em ensinar questões lingüísticas que aproximem o inglês da língua
nativa do aluno. Dessa falta de preocupação com tal aspecto, surgem idéias equivocadas
que não só não contribuem como atrapalham a aprendizagem da língua inglesa. No Brasil, é
razoavelmente comum ouvir três asserções errôneas: "o inglês e o português são línguas
bem diferentes", "o inglês vem do alemão" e "quem sabe inglês tem facilidade em aprender
alemão". A terceira afirmação não tem relação com este trabalho, mas convém mencionar
que inglês e alemão são línguas consideravelmente diferentes, talvez mais diferentes que
português e francês, por exemplo. Por outro lado, a negação da primeira e da segunda
afirmações constitui parte do escopo deste trabalho: o esclarecimento sobre as raízes e o
desenvolvimento histórico do inglês pode vir a aprimorar o aprendizado desse idioma.

Dizer "o inglês vem do alemão" equivale a dizer "o ser humano vem do macaco" no
sentido de que, apesar de ambos serem parentes, não descendem um do outro, mas sim
têm um ancestral comum. Acabar com a idéia precipitada de que inglês e português são
línguas muito diferentes, contudo, não significa dar margem à idéia de que o inglês é fácil,
uma quarta concepção equivocada sobre o idioma de Shakespeare. Toda língua apresenta
dificuldades, além do que o conceito de facilidade, subjetivo como é por natureza, depende
muito de quem aprende. O que se pretende, aqui, é simplesmente ampliar a percepção de
alunos falantes do português com relação às similaridades entre sua própria língua e o
inglês.

A idéia para o tema do trabalho (a influência latina sobre o inglês) surgiu em 2011,
quando notei que a palavra "bus", "ônibus" em inglês, estava contida na própria palavra
"ônibus" e suspeitei que fosse mais do que uma mera coincidência. Uma rápida olhada em
dicionários das duas línguas revelou que a origem era a mesma: o termo latino "omnibus", o
caso dativo plural de "omnis" (todos/tudo), significando "para todos" (o que faz bastante
sentido pela natureza coletiva daquele meio de transporte). Mais do que isso, surpreendeu-
me saber que, na verdade, "bus" é a forma reduzida de "omnibus" na própria língua inglesa,
mais ou menos como "lab" é de "laboratory" e "phone" é de "telephone", um fenômeno
lingüístico conhecido em inglês como "clipping", assemelhando-se à nossa aférese (ou
4

ablação). Pesquisando sobre o assunto, cheguei aos dados que viriam, mais de dois anos
depois, compor meu embasamento para esta monografia.

Não se pode dizer que o tema deste trabalho é original: existem pelo menos dois
outros, um dos quais foi lido integralmente para a escritura deste. Meu trabalho se diferencia
deles por ser voltado ao ensino, ou seja, por tentar encontrar uma aplicação prática para o
conhecido fato de que o inglês sofreu influência do latim, enquanto os outros são de caráter
puramente histórico-lingüístico. Este trabalho, em resumo, visa a contribuir com o ensino de
língua inglesa para falantes do português por intermédio das influências latinas em ambos
os idiomas. Não se pressupõe, em nenhum estágio, que o estudante tenha conhecimentos
de latim, tampouco que venha a aprender esse idioma, mas sim que tenha um vasto
conhecimento de sua própria língua, a fim de que possa ser capaz de detectar as
semelhanças entre ela e o inglês de forma quase intuitiva. Pode-se dizer, portanto, que o
cerne deste trabalho é o proveito que se pode tirar, no sentido educacional, do fato de a
língua inglesa ter sofrido grande influência da língua latina.

É importante esclarecer, desde o início, que "influência da língua latina" não diz
respeito exclusivamente às influências diretas do latim. Não importa se a influência vem do
latim ou de qualquer língua românica, derivada do latim, o que importa é que ela contribui
para a semelhança com o português, de forma que ajuda no ensino a lusófonos. Poder-se-ia
argumentar que qualquer semelhança entre o português e o inglês, mesmo que não ligada
ao latim ou a uma língua neo-latina, seria de grande ajuda no contexto de ensino-
aprendizagem, e isso não deixa de ser verdade. Aprofundando-nos nesse assunto,
chegaríamos à gramática universal (o princípio teórico tratado por Chomsky de que há
propriedades comuns a todas as línguas, o que ajudaria a aprender idiomas). Contudo, por
questões de delimitação temática, foca-se aqui apenas a afinidade latina que o inglês tem
com o português, ainda que outras equivalências sejam mencionadas em um momento ou
outro deste trabalho.

Estruturalmente, divide-se em apenas dois capítulos: o primeiro trata da origem e do


desenvolvimento do inglês por meio de dados históricos, analisa as influências que ele
recebeu sob perspectivas variadas e aborda a questão da formalidade entre os usuários da
língua, trazendo informações relevantes de diversas pesquisas sobre o assunto,
aproximando-se mais a um estudo sociolingüístico. O segundo é o responsável pela ligação
entre as três seções do primeiro capítulo, de cunho extremamente técnico, e o ensino de
língua inglesa na prática. Isso se dá, primeiramente, por considerações teóricas a respeito
do ensino de línguas semelhantes e, depois, por sugestões que considero relevantes para
que isso se concretize na sala de aula. Contudo, para chegarmos a esse ponto, é preciso
fazer uma análise diacrônica do idioma mais popular da atualidade.
5

CAPÍTULO I

A INFLUÊNCIA DO LATIM SOBRE O INGLÊS

1.1 - HISTÓRIA DA LÍNGUA INGLESA COM FOCO NAS INFLUÊNCIAS LATINAS

Antes de qualquer consideração sobre a influência da língua latina sobre a língua


inglesa, faz-se necessário abordar a origem desse segundo idioma para que se possa
compreender melhor como se deram seu desenvolvimento e sua expansão. Uma lista
detalhada de eventos importantes concernindo o inglês de sua promanação até o século 17
pode ser acompanhada no Anexo I ("Cronologia da Língua Inglesa")1. O que apresento aqui
trata-se apenas de um resumo com os principais eventos, com foco nas conexões entre o
latim e o inglês.

A história da língua inglesa se inicia nas terras baixas da Europa, na região que hoje
abriga os Países Baixos (em neerlandês: nederland = terra/país baixo), a Bélgica e a parte
norte da Alemanha. Devido a suas origens, é classificada como uma língua do ramo
germânico, tal como o alemão (e suas diversas variedades), o neerlandês, o frísio, o
africâner, o scots (ou "escocês"), o norueguês, o dinamarquês, o sueco e o islandês, entre
outras — algumas das quais extintas. Apesar disso, o latim exerceu tamanha influência
sobre o inglês que até hoje seus efeitos podem ser sentidos. Essa influência, contudo, não
se deu de forma organizada e linear: ocorreu ao longo de pouco mais de 1500 anos em
meio a turbulências e conflitos, tanto físicos (invasões e guerras) quanto intelectuais
(desentendimentos lingüísticos e ideológicos). Segundo Ribeiro (2009), pode-se dividir a
influência latina sobre o inglês em quatro "ondas de influência". É sobre essas quatro fases
que tratarei nesta primeira parte do trabalho, com o objetivo de contextualizar tais influências
em relação ao desenvolvimento do inglês desde aproximadamente 450 EC até
aproximadamente 1650 EC.

O desenvolvimento do inglês propriamente dito começa por volta de 450 EC com a


chegada de povos germânicos da Europa continental à grande ilha ao norte da França que

1
Por se tratarem de eventos muito antigos, por vezes não registrados contemporaneamente, algumas datas são
incertas, genéricas ou aproximadas. Há, também, contradições entre as diversas fontes pesquisadas quanto às
datas de alguns eventos, o que se considera normal pela dificuldade de se precisar um acontecimento muito
distante de nossa época. Nesses casos, as duas datas encontradas são apresentadas separadas por "ou" (e.g.: 43 ou
44). As datas em negrito indicam eventos relacionados ao latim, os quais são mais pertinentes a este trabalho,
enquanto as datas em negrito e cor azul indicam as fases de influência que serão tratadas mais adiante. Quanto às
abreviações AEC e EC, convém lembrar que significam Antes da Era Comum e Era Comum, correspondendo às
populares a.C. e d.C., porém sem a conotação religiosa que estas últimas carregam, a qual deve ser evitada em
artigos e trabalhos acadêmicos ou científicos, como este que aqui se apresenta.
6

conhecemos hoje como Grã-Bretanha2. Todavia, a relação com os latinos data de mais de 4
séculos antes disso: em 55 AEC, o célebre imperador romano Júlio César liderou a primeira
expedição latina à ilha. Historiadores não chegaram a um consenso, mas deduz-se que o
propósito tenha sido apenas exploratório (outras teorias são de que César queria conquistar
aquela região e de que ele estava interessado nos recursos minerais da ilha). No ano
seguinte, tornou a cruzar o Canal da Mancha para mais digressões de reconhecimento do
território. Nada fizeram ali os romanos: não se estabeleceram, não dominaram, não
deixaram muitos rastros. Por isso, não se considera ter havido qualquer influência nesses
dois anos.

Foi apenas em 43 ou 44 EC, quase um século depois, que o imperador Cláudio


ordenou que as tropas romanas se firmassem na ilha, que foi anexada ao império. Durante
os mais de 300 anos de ocupação latina, a "Provincia Britannia", como foi chamada durante
o domínio romano, sofreu uma influência considerável da língua dos dominadores. A língua
celta, cujos falantes viviam na ilha havia milhares de anos, foi, com o passar do tempo,
recebendo influências do latim e, aos poucos, começou a cair em desuso. A sociedade
estabelecida ali sofreu influências não só lingüísticas, mas também sociais, culturais,
políticas e econômicas. Em 409 ou 410, depois de décadas de problemas econômicos e
sociais que contribuíram para o declínio daquela sociedade (além de diversas tentativas de
invasões de povos bárbaros), os romanos fragilizados se retiraram da Britânia para se
concentrar nos freqüentes ataques que vinham recebendo no centro do império, na Europa
continental (o qual chegaria a um fim em 476).

A saída dos soldados e plebeus marcou o fim da primeira onda de influência latina.
Pelo fato de tribos germânicas invadirem a ilha nos anos vindouros — e, conseqüentemente,
levarem consigo suas línguas —, o latim praticamente não sobreviveu durante os mais de
100 anos que se seguiram, resumindo-se a algumas poucas palavras que conseguiram se
fixar por hábito dos falantes, estimadas entre 5 e 15 apenas (BAUGH e CABLE, 1978). Entre
elas, nomes de locais, como Londinium, o antigo nome de Londres, as terminações
"chester", "cester", "caster", "wick" e "wich" em nomes de cidades (Manchester, Winchester,
Lancaster, Doncaster, Gloucester, Worcester, Warwick, Greenwich etc.) e o próprio
"Britannia", que viria a ser Britain em inglês, além de algumas palavras latinas que,
curiosamente, já estavam enraizadas no vocabulário das tribos germânicas antes da
invasão da Grã-Bretanha, por causa da influência dos romanos na Europa continental, povo
com quem os germânicos tanto guerreavam quanto faziam comércio (alguns exemplos:
anchor, butter, camp, chalk, cheap, cheese, chest, cook, copper, cup, devil, dish, fork, gem,

2
Este e os próximos parágrafos são embasados no documentário inglês "The Adventure of English", exceto onde
se menciona uma fonte diferente.
7

inch, kettle, kitchen, mile, mill, mint (de moeda), noon, pea, pillow, pipe, plant, plum, pound
(unidade de medida de peso), punt (tipo de embarcação), sack, street, toll, wall, wine).
Estima-se que apenas 170 palavras ou menos, principalmente substantivos relacionados a
objetos domésticos, roupas, plantas e construção, tenham adentrado o léxico inglês durante
esses anos de contato continental entre os dois povos (HOGG, 1992, p. 302, e WILLIAMS,
1986, p. 57, apud MOORE, 2000). Portanto, pode-se dizer que esta primeira fase de
influência latina não é de grande relevância3.

Depois de décadas de invasões dos anglos, saxões, frísios e jutos, os celtas que ali
permaneceram e sobreviveram à violência dos dominadores renderam-se a novas línguas:
as germânicas. O anglo (falado principalmente da Ânglia Oriental em direção ao norte da
Escócia) e o saxão (predominante no sul e no sudeste) acabaram por exercer um domínio
maior e vieram a se unir, dando origem ao anglo-saxão, a forma mais antiga de inglês de
que se tem notícia. Mais de um século depois da primeira invasão germânica, em 596 ou
597, o papa Gregório I (ou Magno) enviou, entre outros missionários, Agostinho (mais tarde
conhecido como Agostinho de Cantuária, por ter se tornado o primeiro arcebispo de
Canterbury) numa missão de extrema importância para a Igreja: propagar o cristianismo,
mais precisamente a fé católica, na terra dos pagãos germânicos. Contra todas as
probabilidades, sua missão foi bem sucedida e igrejas começaram a ser construídas no país
que hoje conhecemos como Inglaterra. É um fato amplamente conhecido que o latim é a
língua oficial da Igreja Católica, e não era diferente na época. Assim, entre 450 e 600
palavras latinas passaram a fazer parte da vida dos recém-convertidos germânicos cristãos,
ampliando o vocabulário daqueles simplórios guerreiros e camponeses, principalmente no
que diz respeito aos termos religiosos (abbot, alms, altar, angel, anthem, ark, apostle,
bishop, candle, canon, chalice, clerk, deacon, disciple, epistle, hymn, mass, minister, monk,
nun, organ, pope, priest, psalm, shrive, school, temple, tunic). Dessa forma, tem-se que essa
segunda onda de influência latina foi bem sucedida, ao contrário da primeira, e mais
relevante que a anterior, deixando marcas lingüísticas e culturais bastante consideráveis na
sociedade da época. Nas palavras de Baugh e Cable4 (1978, s/p): "A influência do latim no
Segundo Período foi não só extensa, mas completa, e marca o verdadeiro início do costume
inglês de incorporar livremente elementos estrangeiros a seu vocabulário" (tradução minha).

3
Há quem considere cinco fases de influência, dividindo a primeira fase em duas: a pré-invasão germânica e a
pós-invasão. O site de assuntos relacionados a latim Orbis Latinus intitula, na página "Romance Influences on
English", as fases de influência da seguinte maneira: The Zero Period, The First Period, The Second Period (597-
1066), The Third Period (1066-1500) e The Modern Period (since 1500). Neste trabalho, considero o período
"zero" e o "um" como uma fase só por sua pequena duração e relevância (pelo menos em número de palavras),
além do que tiveram a mesma origem: os romanos.
4
The Latin influence of the Second Period was not only extensive but thorough and marks the real beginning of
the English habit of freely incorporating foreign elements into its vocabulary.
8

Os anos se passaram e, com eles, vieram mais problemas. Os temidos vikings


chegaram da Escandinávia, pelo leste, e conquistaram a maior parte do terreno britânico,
saqueando, destruindo e queimando o que encontraram pela frente. Aproximadamente
2.000 palavras do nórdico antigo, sua língua, foram acrescidas ao inglês. Eventualmente,
foram derrotados por Alfredo, rei de Wessex, e assinaram um acordo de paz que dividia a
Inglaterra em duas regiões: Wessex, a área britânica, e Danelaw, a área dos danes (danos,
como os vikings passaram a ser conhecidos nessa época). O pior, contudo, ainda estava
por vir: em 1066, Guilherme, o duque da Normandia (atual região da França), chegou à ilha
para reclamar o trono que, pensava ele, era seu por direito. Venceu o rei Haroldo II na
famosa Batalha de Hastings e conseguiu o que desejava: tornou-se o novo monarca, dando
início a uma longa e importantíssima fase de influência latina à língua inglesa, ainda que
indireta (via francês normando, o francês daquele povo). De 1066 a 1399, o período de
domínio francês, três línguas foram comumente faladas pela população: o latim, pelo clero,
o francês, pela realeza e pelos nobres, e o inglês, pelo resto do povo, como camponeses,
agricultores, ferreiros e comerciantes, ou seja, pessoas simples sem acesso a educação.
Exatamente por isso, o inglês foi, durante muito tempo, uma língua apenas falada, o que
explica algumas de suas regras norteadas pelo som, bem como algumas de suas
pronúncias extremamente irregulares, que nada se assemelham à escrita. Robin Callan, o
autor do Callan Method, alude ao fato ao explicar o porquê das poucas regras gramaticais
na língua inglesa5:

Porque o inglês, de certa forma, é como um dialeto. Por quase trezentos


anos, a partir de 1066, ele não foi um idioma escrito e era falado apenas
pelas pessoas comuns, sem estudo. A aristocracia falava francês, enquanto
a Igreja falava latim. Antes de 1066, o inglês e sua gramática eram similares
ao alemão. Durante os trezentos anos, ele perdeu a maior parte de suas
regras porque, quando pessoas sem estudo falam uma língua, elas nem
sempre se atêm às regras. Dessa forma, o inglês se tornou uma língua
rápida e expressiva: muito fácil para um estrangeiro aprender no começo de
seus estudos. Quando o inglês se tornou o idioma oficial da Inglaterra mais
uma vez, ele pegou muitas palavras do francês e do latim, o que resultou no
maior vocabulário de qualquer língua. Hoje, seu vocabulário tem mais de
500 mil palavras. (CALLAN, 2007, p. 610, tradução minha)

5
Because English, in some ways, is rather like a dialect. For nearly three hundred years, from the year 1066, it
was not a written language and was only spoken by the common uneducated people. The aristocracy spoke
French, whilst the Church spoke Latin. Before 1066, English and its grammar were similar to German. During
the three hundred years, it lost most of its rules because, when uneducated people speak a language, they do not
always keep to the rules. In this way English became a fast and expressive language: very easy for a foreigner to
learn at the beginning of his studies. When English became the official language of England once more, it took
many words from French and Latin, which gave it the largest vocabulary of any language. Today it has a
vocabulary of over half a million words.
9

De acordo com o documentário The Adventure of English, de 2003, estima-se que


mais de 10.000 palavras tenham entrado no inglês diretamente do francês durante essa
terceira onda de influência. Muitas delas já existiam em inglês, mas em sua forma
germânica ou nórdica, de forma que o resultado foi um par de palavras com o mesmo
significado (ou muito semelhante), mas de origens diferentes. Exemplos disso são (primeiro
a germânica e depois a oriunda do francês): shut/close, smell/odour, seldom/rare,
yearly/annual, ask/demand, room/chamber, might/power, axe/hatchet, bloom/flower,
swan/cygnet, teacher/professor, better/improve, spin/turn, unhap/disadventure e
meaning/significance. Muitas vezes, o contexto era o responsável pela origem diferente de
palavras com significados muito parecidos. Enquanto os falantes do inglês criavam e
matavam os animais nas fazendas, os falantes do francês os comiam nas mesas dos
castelos e palácios, fazendo nascer pares como ox (ou cow)/beef, calf/veal, sheep/mutton,
deer/venison, snail/escargot, hen (ou chicken)/pullet e pig/pork: o nome do animal e de sua
respectiva carne. Algumas outras palavras vindas do francês que foram adicionadas ao
inglês da época (com sua forma francesa original entre parênteses, exceto quando as duas
formas são iguais): abbey (abaie), atire (atirer), censor (censier), defend (defendre), figure,
music (musique), parson (persone), plead (plaidier), sacrifice, scarlet (escarlate), spy
(espier), stable (estable), virtue (vertu), marshall (mareschal), park (parc), reign (regne),
beauty (bealte), clergy (clergie), country (cuntrée), fool (fol), heir, noble, religion, crew
(creue), detail (détail), passport (passeport), progress (progresse), moustache, explorer,
sovereign (souverain), council (cuncile), parliament (parlement), clerk (clerc), evidence,
enemy (enemi), castle (castel), army (armée), archer (archier), soldier (soudier), guard
(garde), garnison (garrison), crown (corune), throne (trone), court (cort), duke (duc), baron,
nobility (nobilité), peasant (païsant), servant, govern (governer), authority (autorité),
obedience (obédience), traitor (traitre), felony (felonie), arrest (arester), warrant (warant),
justice (justise), judge (juge), jury (jurée), accuse (acuser), sentence, condemn (condemner),
prison (prisun), gaiol (gaiole), city (cité), market, porter (portier), salmon (saumon), oyster
(oistre), sausage (saussiche), bacon (bacun), fruit, orange (orenge), lemon (limon), grape
(grappe), tart (tarte), biscuit (bescoit), sugar (çucre), cream (cresme), fry (frire), vinegar (vyn
egre), herb (erbe), olive, apetite (apetit), plate, mustard (moustarde), salad (salade), dinner
(dîner), Richard, Robert, Simon, Steven, John e Jeffrey (segundo The Adventure of English,
2003).

Como se pode perceber, inúmeros termos relacionados a nobreza, realeza, justiça,


direito, ordem pública, governo, cargos, cozinha, culinária e alimentos, além de nomes
próprios, têm sua origem no francês falado e escrito pelos normandos conquistadores. Além
dos acréscimos ao léxico inglês, o francês também mudou a grafia de algumas palavras já
10

existentes (o "cw" germânico virou "qu", como em queen) e a regra do plural germânico "en"
(ainda existente em palavras como men, women, children e oxen): a partir de agora,
bastava-se acrescer um "s" ao fim da palavra, como em chair/chairs ou book/books; "casas"
passou a ser houses, não mais housen, e "sapatos" passou a ser shoes, não mais shoen.
Em 1399, Henrique, duque de Lancaster, depôs Ricardo II, descendente longínquo
de Guilherme, o conquistador, e pôs fim ao longo período de domínio francês sobre a
Inglaterra. Encerrava-se ali a mais importante fase de influência latina sobre o inglês, a qual
viria a ter efeitos duradouros percebidos até os dias atuais, tanto no campo lingüístico
quanto no cultural (o nascimento da rixa entre ingleses e franceses, por exemplo). Pelo fato
de palavras cotidianas, de uso bastante difundido, terem sido acrescidas ao léxico inglês,
considera-se esta uma fase de influência de maior relevância lingüística que as outras.

Henrique IV, como ficou conhecido após ser coroado o novo rei, foi o primeiro
monarca anglófono desde 1066, quando Haroldo II foi derrotado por Guilherme. Aos poucos,
o inglês se reestabeleceu como a língua daquele país. O idioma havia passado por
transformações, mesmo durante a fase de domínio francês, e evoluiu para o estágio que se
chama atualmente de Middle English, o inglês médio, que durou até mais ou menos 1500. A
partir dessa data, considera-se que a língua inglesa tenha chegado a um alto nível de
semelhança com o inglês atual, sendo classificada como Early Modern English (inglês
moderno inicial), o qual viria a ser o inglês moderno depois de dois séculos de uso. Durante
os primeiros anos do inglês moderno, acadêmicos das universidades de Oxford e de
Cambridge, duas das três mais antigas universidades do mundo, reviveram as línguas
consideradas clássicas: aulas de latim e de grego foram instituídas como obrigatórias aos
alunos. Dessa forma, mestres e pupilos podiam se comunicar com estudiosos de outros
países europeus, bem como compreender textos importantes da antigüidade. Devido a seu
status e prestígio histórico, como "língua cultural universal" (HAUGEN, 1972, p. 111), o latim
logo despontou como a língua dos estudos, da ciência, da filosofia, do pensamento clássico
e da diplomacia (em Oxford, é usado até hoje em cerimônias universitárias oficiais). Explica
Moulton (1972, p. 16): "Mesmo depois da queda do império romano, o latim continuou a ser,
durante séculos, a língua da erudição em toda a Europa Ocidental".

Ao longo dos dois séculos seguintes, milhares de palavras técnicas e científicas


derivadas do latim (ou do grego via latim) passaram a fazer parte do léxico inglês (entre
10.000 e 12.000, segundo estimativas). Elas incluíam aberration, allusion, anachronism,
dexterity, enthusiasm, imaginary, juvenile, pernicious, sophisticated, excavate, horrid,
cautionary, pathetic, pungent, frugal, submerge, antipathy, premium, specimen, concept,
invention, temperature, parasite, virus, pneumonia, delirium, epilepsy, thermometer, capsule,
autograph, meditate, erupt, disregard, allurement e dictionary. Como os termos introduzidos
11

ao inglês nessa quarta e última fase de influência não são populares, restringindo-se a áreas
muito específicas como Medicina, Matemática, Física, Química, Biologia, Direito e Filosofia,
pode-se dizer que, apesar de considerável em questão de número de palavras, ela não é de
grande relevância para os falantes atuais do inglês. Essa é a razão pela qual textos
jurídicos, acadêmicos e científicos, que se baseiam majoritariamente no vocabulário latino,
são considerados extremamente formais pelos usuários do inglês comum do dia-a-dia
(explorarei essa questão mais à frente neste trabalho).

Apesar de a influência latina sobre o inglês ser geralmente dividida pelos autores em
três, quatro ou cinco fases (alguns não consideram a primeira aqui apresentada, enquanto
outros desconsideram a fase francesa por ser indireta e outros consideram as influências
pré-invasão germânica como uma fase própria), vale ressaltar que houve pelo menos uma
quase-onda de influência latina durante o período de uso do inglês moderno: durante os
séculos 17 e 18, palavras tiveram de ser criadas para nomear as novas descobertas
científicas e tecnológicas que ocorriam com freqüência cada vez maior. Novamente, o latim
se mostrou presente na forma de empréstimos lexicais, ainda que em número bem menor
em comparação com os séculos anteriores. Estudiosos e cientistas da época também se
aproveitaram de raízes, prefixos e sufixos latinos para formar palavras híbridas, como
termos meio latinos e meio gregos (ou mesmo meio latinos e meio anglo-saxônicos). Dentre
os latinismos que surgiram no inglês da época, podem-se destacar apparatus, aqueous,
carnivorous, component, corpuscle, data, experiment, formula, incubate, machinery,
mechanics, molecule, nucleus, organic, ratio, structure e vertebra.

Até hoje, o latim continua contribuindo direta ou indiretamente para o léxico de


inúmeras línguas modernas, neo-latinas ou não. Sua contribuição atual restringe-se
majoritariamente às áreas técnico-científicas já citadas anteriormente e se apresenta na
forma de empréstimos, prefixações/sufixações (rebirth, remake, starvation, talkative) e
neologismos de base latina, como quando é necessário criar um termo para designar uma
nova doença, uma nova invenção tecnológica ou um novo conceito científico (alguns
exemplos recentes são tonic, insulin, quantum, audio, video, internet e computation). Explica
Berlitz sobre o atual status do latim:

Como o emprego do latim parece estar diminuindo, há uma tendência a vê-


lo como língua morta. Esse falecimento, no entanto, pode ser considerado
prematuro: o latim é ainda utilizado em círculos médicos, científicos,
jurídicos e eruditos, e é estudado por milhares de pessoas em todo o
mundo. (BERLITZ, 1982, p. 25 e 26)
12

1.2 - CARACTERÍSTICAS DA INFLUÊNCIA LATINA: QUAL VARIEDADE DE LATIM E EM


QUE ÁREA DO INGLÊS ?

Dada sua importância histórica, como língua oficial do décimo oitavo maior império
da Terra em termos de área conquistada, o latim chegou a lugares bem distantes da capital,
Roma. Como era de se esperar, ao longo de mais de 2.000 anos, a língua latina acabou
sofrendo alterações e recebendo influências em cada um desses lugares, dando origem a
diversas variantes. Assim como existem hoje o português europeu, o africano e o brasileiro,
há também vários tipos de latim. As classificações mais comuns da língua latina, em ordem
cronológica, são as seguintes (desconsidera-se se a vertente é falada ou escrita):

- Latim antigo (ou arcaico, primitivo)

- Latim clássico

- Latim vulgar (ou coloquial, popular)

- Latim tardio

- Latim eclesiástico (ou latim litúrgico, latim da igreja)

- Latim medieval

- Latim da renascença (ou latim renascentista, humanista)

- Latim novo/novo latim (ou neo-latim, latim moderno)

- Latim contemporâneo

Um diagrama disponível no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, organiza


as variedades do latim da seguinte forma (famílias e línguas não relacionadas ao latim foram
omitidas por mim):
13

AS GRANDES FAMÍLIAS LINGÜÍSTICAS DO MUNDO

Línguas
Indo-
européias

Grupo
Itálico

Latim

Latim
arcaico

Latim Latim
culto vulgar

Latim Latim Romance


culto culto (línguas
escrito falado neolatinas)

Latim Latim Latim


medieval eclesiástico literário

Independentemente de quais classificações do latim sejam consideradas, pode-se


dizer que praticamente todas influenciaram o inglês. Com a exceção do latim arcaico (que
não era latim propriamente dito, pelo menos como viemos a conhecê-lo) e do latim
renascentista (que diz mais respeito ao contexto de utilização que a aspectos lexicais ou
morfossintáticos da língua), encontrei, durante minhas pesquisas etimológicas, termos
ingleses vindos de todas as vertentes latinas. Do latim clássico, utilizado por escritores,
políticos e juristas romanos (e o mais lembrado atualmente), temos a maior quantidade de
termos derivados diretamente do latim. Entre eles, juvenile (iuvenilis), admire (admirari),
solitary (solitarius) e just (iustus). Concomitante à forma clássica, existia a vulgar, falada
pelos soldados e pelo povo em geral. Dela, o inglês herdou termos como fairy (fata),
address (addirectiare), language (linguaticum), desert (desertum), salad (salata) e tremble
(tremulare). Do latim eclesiástico, vieram termos utilizados na igreja como incarnate
(incarnatus), baptism (baptisma), martyr (martyr), idolatry (idolatria), chrism (chrisma) e
sacrament (sacramentum), todos derivados originalmente do grego, com exceção do
primeiro e do último. Do latim tardio, o usado entre a era "clássica" do auge do império
romano e o início da Idade Média (século 6), temos allusion (allusio), approach
(appropriare), questionnarie (quaestionarius), concept (conceptus) e stellar (stellaris). Do
14

latim medieval — progressão natural daquela língua durante a fase tenebrosa das
inquisições —, temos alguns como legend (legenda), promise (promissa), date (data) e
dictionary (dictionarium). Do novo latim, o utilizado na fase pós-queda de Constantinopla em
que a língua de Cícero começou a morrer como língua de uso cotidiano (mantida viva
apenas pela Igreja e pela academia), temos termos mais científicos como metric (metricus),
statistic (statisticum), semester (semestris), autopsy (autopsia), penicilin (penicillium),
ventricular (ventricularis) e tentacle (tentaculum).

Um dos objetivos principais deste trabalho é evidenciar as influências do latim sobre


o inglês. Por influência, entende-se aqui qualquer característica latina que tenha sido
passada para a língua inglesa. Não é preciso muito esforço, mas talvez um pouco de
atenção, para notar uma das maiores influências latinas sobre o inglês, comumente
subestimada ou esquecida: o alfabeto. Existem mais de 400 tipos de alfabetos e sistemas
de escrita no planeta (BERLITZ, 1982, p. 108), entre os quais o cirílico, o grego, o armênio,
o arábico, os egípcios (hieróglifos, hieróglifos cursivos, hierático, demótico e copta) e o
hebraico, sem contar os ideogramas asiáticos. O mais comum, entretanto, é o latino,
utilizado por mais de 60 línguas atuais, além de mais de 30 já extintas. Na época da invasão
germânica à ilha da Grã-Bretanha, as tribos dominadoras tinham escritas bastante
diferentes das que se conhecem hoje nas línguas germânicas: eram os chamados alfabetos
"rúnicos", compostos por runas, unidades gráficas (ou grafemas) que serviam como letras
para aqueles povos (BERLITZ, 1982, p 111). Se não fosse pela considerável influência
latina sobre esses povos germânicos durante a cristianização da Grã-Bretanha a partir do
fim do século 6 (segunda fase de influência), talvez o inglês fosse escrito dessa forma até
hoje. Outra característica visual do inglês em comum com o latim é o fato de ser escrito e
lido da esquerda para a direita, diferentemente de outras línguas como árabe e hebraico,
ambas semíticas. Todavia, não se pode afirmar que essa é uma influência direta do latim, já
que as línguas celtas e germânicas utilizadas na Grã-Bretanha antes da chegada dos
romanos também eram escritas e lidas de tal forma.

No tocante à sintaxe, um dos eixos principais de qualquer idioma, pouco há que se


mencionar sobre a influência latina. Segundo Sapir (1921), "na esfera da sintaxe, podem-se
apontar certas influências do francês e do latim, mas é incerto se elas chegaram a um nível
mais profundo que a língua escrita. Boa parte desse tipo de influência pertence mais ao
estilo literário que à morfologia propriamente dita" (tradução minha6). Infelizmente, o autor

6
(...) the morphological influence exerted by foreign languages on English (...) is hardly different in kind from
the mere borrowing of words. (...) In the sphere of syntax, one may point to certain French and Latin influences,
but it is doubtful if they ever reached deeper than the written language. Much of this type of influence belongs
rather to literary style than to morphology proper.
15

não menciona quais são tais influências. Kurath (1972, p. 76) concorda: "a adoção de
palavras estrangeiras em larga escala não mudou materialmente a estrutura do inglês. A
sintaxe e a flexão das palavras permaneceram essencialmente inglesas". Talvez se possa
atribuir isso ao simples fato de que é muito mais complicado alterar a estrutura de uma
língua que seu vocabulário, que já é mutável por natureza, motivo pelo qual o inglês aceitou
de bom grado diversas palavras estrangeiras, mas rejeitou mudanças estruturais mais
profundas.

Apesar disso, pode-se teorizar acerca de pelo menos uma influência sintática latina
sobre o inglês: os pares I/me, who/whom, he/him e my/mine, em que o segundo elemento
talvez seja um resquício dos casos do latim (principalmente dativo, ablativo e nominativo,
todos presentes indiretamente no português). E ainda que não sejam por influência latina,
interessa notar as construções comparativas e superlativas, em que palavras de três ou
mais sílabas necessitam da partícula more ou most, enquanto às palavras de uma ou duas
sílabas acrescenta-se er ou est ao final. Segundo Berlitz (1982, p. 31), "em geral, quase
todas as palavras polissilábicas do inglês são de origem latino-francesa, ao passo que as
palavras monossilábicas provêm do anglo-saxão", então é compreensível que se construa
de maneira mais "românica" o comparativo e o superlativo para as palavras de origem latina,
de forma que um aluno falante do português terá mais facilidade em entender more rapid do
que faster, que querem dizer a mesma coisa, apenas diferindo no nível de formalidade. Por
fim, vale mencionar que se cogita ter o ablativo absoluto do latim influenciado o dativo
absoluto do inglês antigo, ainda que muito pouco se saiba sobre isso, já que poucos
documentos anglo-saxônicos sobrevivem atualmente para uma pesquisa mais detalhada
(MOORE, 2000).

Em resumo, portanto, pouco pode ser apontado como influência latina no âmbito
morfossintático. Contudo, uma vez que este trabalho lida, indiretamente, com as
semelhanças entre o inglês e o português, não se pode ignorar o fato de que, apesar de não
ter relação direta com o latim ou qualquer língua românica, a (morfos)sintaxe inglesa se
assemelha à portuguesa em alguns aspectos. O fato de ambas serem línguas sintéticas (o
português mais que o inglês, certamente) ajuda o aluno na compreensão das palavras e
suas construções; elas não são totalmente isoladas, compostas de morfemas únicos,
monossilábicos, como as do chinês, nem longas demais, com um número exacerbado de
morfemas ligados a um mesmo radical por aglutinação, como ocorre no finlandês. Sem
dúvida, o que mais ajuda num contexto de ensino-aprendizagem envolvendo aprendizes
lusófonos é o fato de o inglês ser, tal como o português, uma língua de estrutura
morfossintática SVO (sujeito-verbo-objeto), a segunda estrutura mais comum entre as
línguas do mundo (TOMLIN, 1986, p. 22). É razoável pressupor que um falante de
16

português tivesse considerável dificuldade em lidar com a estrutura do alemão, do japonês e


do coreano, línguas de estrutura oracional SOV (também a mais comum em latim clássico),
bem como ao lidar com línguas semíticas (árabe, hebraico...) e celtas (irlandês, escocês
gaélico, galês, córnico, bretão etc.), idiomas VSO. Como o inglês não é uma língua de
casos, como o latim clássico, a ordem das palavras faz diferença, o que levanta a suspeita
de uma possível influência do latim vulgar, que foi o que, de fato, chegou às ilhas britânicas.
Enquanto o latim clássico alterava a terminação da palavra, como em "porta casae", o latim
vulgar dependia de uma estrutura fixa de palavras, arranjadas em tal ordem que o
significado era o desejado: "illa porta de illa casa", o mesmo que "the door of the house" ou
"a porta de a (da) casa". Vale ressaltar que a outra forma de se construir a mesma frase em
inglês, "the house's door", apesar da semelhança com a formação do caso genitivo latino
(adição de morfema ao fim do termo que indica o "possuidor"), tem influência germânica,
sendo chamada por vezes de "saxon genitive".

Indubitavelmente, a maior influência latina sobre o inglês, como extensivamente


tratada na seção histórica deste trabalho, foi com relação ao léxico. Como explica Sapir6, "a
influência morfológica exercida por línguas estrangeiras no inglês (...) não difere muito de
um mero empréstimo de palavras". De acordo com The History of English in Ten Minutes,
s/d, a língua inglesa, ao longo dos últimos 1500 anos, emprestou e incorporou palavras de
mais de 350 idiomas. Segundo Berlitz,

Nunca houve outra língua tão influenciada por uma combinação de tantas
outras línguas; o inglês não só é uma língua mundial como uma mistura
assimilada da maioria das línguas do mundo. Ao caldeirão inicial de anglo-
saxão, celta e francês normando foram acrescentadas milhares de outras
palavras do holandês, das línguas escandinavas, do espanhol, italiano,
alemão, português, francês moderno, árabe, russo, hebraico, iídiche,
malaio, hindi, chinês, japonês e línguas ameríndias. (BERLITZ, 1982, p.
288)

Desses empréstimos todos, pode-se afirmar com segurança que a maior parte vem
do latim e das línguas dele derivadas. É praticamente impossível dizer exatamente quantas
palavras de origem latina fazem parte do inglês atualmente, pois questões poderiam ser
levantadas sobre o próprio termo "palavra". Segundo o dicionário Oxford, não se pode
precisar um número absoluto de palavras no léxico do inglês, já que se encontra bastante
dificuldade em definir o que é uma palavra ("book" e "books", por exemplo, são formas
diferentes da mesma palavra ou duas palavras diferentes e independentes ?). Entretanto, é
possível estimar a porcentagem de palavras de uma determinada origem tendo como base
todas as registradas num dicionário, e é exatamente isso que mostra o gráfico a seguir,
baseado na pesquisa computadorizada de Thomas Finkenstaedt e Dieter Wolff (1973),
17

tendo como objeto de estudo o próprio dicionário de Oxford (Shorter Oxford Dictionary, 3ª
edição).

GRÁFICO 1 - ORIGEM DAS PALAVRAS INGLESAS

Francês (incluindo francês antigo,


francês normando e anglo-francês) -
28,3%
Latim (todas as variantes) - 28,24%

Línguas germânicas (anglo-saxão,


nórdico antigo, neerlandês etc.) - 25%

Grego - 5,32%

Outras línguas/desconhecido - 5,03%

Nomes próprios - 3,28%

Como demonstra a pesquisa, pouco mais de 56% do léxico de língua inglesa vem
direta ou indiretamente do latim (se considerarmos apenas as influências diretas, ainda
assim o latim apresenta uma porcentagem maior que a de todas as línguas germânicas
juntas, um feito louvável). Vale ressaltar que não falo aqui de vocabulário. Segundo Silva
(s/d), apesar de gramáticos geralmente usarem "léxico" e "vocabulário" como sinônimos, os
lingüistas os diferem. Léxico é o "conjunto das palavras usadas numa língua. É um
inventário aberto, com número infinito de palavras, podendo ser sempre acrescido e
enriquecido com novos vocábulos e também pela mudança de sentido de outras", enquanto
vocabulário é "a seleção e o emprego de palavras pertencentes ao léxico para realizar a
comunicação humana. É o uso do falante". Isso explica o porquê de não percebermos
muitas palavras de origem latina no inglês "comum", das conversas cotidianas: as palavras
utilizadas pelos falantes de inglês fazem parte de seu vocabulário, que geralmente é
composto por mais palavras informais que formais. Dada a relação entre palavras de origem
latina no inglês e formalidade, como tratarei na próxima seção, é de se compreender que
tais palavras não apareçam com grande freqüência na fala (e mesmo na escrita) desses
usuários da língua, sendo os termos de origem germânica os privilegiados.
18

Outra pesquisa que segue a mesma linha é a de Joseph Williams, professor do


Departamento de Língua e Literatura Inglesas da Universidade de Chicago, que estima
praticamente o mesmo número de palavras de origem latina: 56% (41% do francês e 15%
do latim). A variação considerável na porcentagem de origem direta e indireta do latim7 pode
ser explicada pelo contexto diferente da pesquisa: enquanto a de Finkenstaedt e Wolff
considerou o léxico inglês como um todo, tomando como base um dicionário, a de Williams
analisou cartas corporativas/comerciais. É improvável que o vocabulário adotado pelos
empresários/negociantes correspondentes tenha sido tão amplo e formal a ponto de dar
margem a uma grande quantidade de palavras vindas diretamente do latim.

Uma terceira pesquisa sobre o assunto também se mostra relevante: a realizada


pelo lingüista especializado em ensino de língua e aquisição de vocabulário Paul Nation
(2001). Ele levou em consideração 7.476 palavras inglesas. Desse total, 51% tinham origem
no grupo itálico, o grupo lingüístico do latim e seus derivados, enquanto 36% vinham do
grupo germânico. O grupo helênico, onde se encontra o grego, alcançou 7%. Outras línguas
chegaram a 6%.

1.3 - A RELAÇÃO ENTRE AS INFLUÊNCIAS LATINAS NO INGLÊS E O NÍVEL DE


FORMALIDADE

A idéia parcialmente equívoca de que o inglês e o português são línguas bastante


diferentes talvez venha da constatação óbvia de um estudante que compara frases nessas
duas línguas. De fato, "the boy opened the door" não parece, visualmente, "o menino abriu a
porta", da mesma forma que "I've been to my grandmother's house" não se assemelha,
observando-se superficialmente, a "fui à casa de minha avó". Entretanto, convém notarmos
que ambas as frases dadas como exemplo são bastante informais, utilizando-se de palavras
corriqueiras, de fácil entendimento a qualquer falante nativo (e mesmo a estrangeiros). É
exatamente esse tipo de linguagem que se encontra em métodos de ensino de língua
inglesa: a informal, a cotidiana, a comum. É necessário atentar, contudo, ao fato de que,
durante sua vivência num país anglófono, um lusófono não terá contato somente com a
linguagem informal, mas com a formal também. É quando ele entra em contato com textos
de maior formalidade que percebe a semelhança entre as duas línguas, o que parece um
contrassenso, já que se espera uma dificuldade maior para entender textos de formalidade
elevada. Entretanto, quanto maior a formalidade do texto em inglês, maior sua semelhança
com o português. Não há nenhum mistério, tampouco contradição, nesse curioso fato: as
palavras e construções de origem latina (direta ou indireta) fazem-se mais presentes nos
7
Berlitz (1982, p. 275) alega que entre 40% e 50% do léxico inglês veio por intermédio do francês, mas não cita
nenhuma pesquisa como embasamento.
19

textos de registro mais elevado, sendo mais comuns nos contextos acadêmico, legal,
médico e técnico-científico. Kurath (1972, p. 76) explica que boa parte do vocabulário
utilizado em tratados das áreas de Direito, Teologia, Filosofia e Medicina foi adotada do
latim. Há, sim, palavras inglesas de uso comum/cotidiano derivadas do latim: algumas
diretas, pelo contato com os romanos, e a maioria via francês, em decorrência do já
explanado contexto diglóssico — triglóssico se o latim usado na igreja for considerado
(STÖRIG, 1990, p. 166) — em que se encontrou a Inglaterra durante os mais de 300 anos
de domínio francês. Contudo, dentre as mais comuns, a maioria certamente tem origem
germânica, como é de se esperar, pelo simples fato de que o inglês é uma língua
germânica, e não latina.

Toda língua segue a tendência de derivar palavras de seu idioma-mãe (e não de


qualquer outro, via empréstimo ou imposição estrangeira) quando o nível de elementaridade
é maior. Termos que nomeiam partes do corpo, por exemplo, são considerados
extremamente básicos, motivo pelo qual se assemelham à língua que deu origem àquele
determinado idioma. Isso é provado pela conhecida lista Swadesh, proposta pelo lingüista
histórico estadunidense Morris Swadesh em 1952. A versão mais comum da lista, a de 100
palavras (1971), é disponibilizada no Anexo II. Trata-se de uma enumeração das palavras
que designam os conceitos mais básicos para os seres humanos desde a antigüidade para
fins de estudos de lingüística comparativa e léxico-estatística. Nela, encontram-se termos
relacionados ao corpo, à natureza, aos animais, às cores, aos números etc. Dos 100
listados, apenas um tem origem latina: mountain, que vem do latim vulgar "montanea" via
francês antigo "montaigne". Todos os outros 99 têm origem germânica, o que prova a
preferência por palavras dessa origem em conversas mais elementares, de caráter informal.

A mesma pesquisa de Nation (2001) que oferece a porcentagem de origens lexicais,


citada na seção anterior, também faz um registro relevante sobre a questão das palavras
mais comuns do inglês. Entre as 100 mais freqüentes, 97% vêm do ramo germânico,
enquanto só 3% vêm do itálico, o que vai ao encontro da constatação baseada na lista de
Swadesh. À medida que palavras menos comuns, ligadas às ciências, à filosofia e à
matemática, são consideradas, a porcentagem de palavras itálicas começa a aumentar e a
de germânicas, a diminuir. Entre as 1000 mais freqüentes, por exemplo, o número de termos
itálicos aumenta para 36%, enquanto o de germânicos cai para 57% (além do aparecimento
do grego, com 4%, e de outras línguas, com 3%). Outras pesquisas variam a porcentagem,
mas confirmam que, dentre as 1000 palavras mais comuns do inglês, de 50% a 80% são de
origem germânica.

Não menos importante é a lista das 100 palavras mais comuns da língua inglesa
baseada no The Oxford English Corpus, entre as quais apenas 3 (3,5 se o "cause" de
20

"because" for considerado) têm origem latina, todas via francês antigo. Partindo do
pressuposto de que o nível de formalidade de uma palavra diz respeito à sua freqüência e a
seu contexto de utilização, podemos inferir, portanto, que as palavras mais comumente
utilizadas e mais recorrentes em situações elementares (como uma conversa entre amigos
ou entre um vendedor e um cliente numa loja) são as menos formais, enquanto aquelas
palavras raras, destinadas a situações muito específicas (como um estudo científico de
Genética ou uma convenção internacional de Astrofísica) são as consideradas mais formais.

O lingüista Hans Störig também discorre sobre a questão:

Embora o inglês tenha adotado palavras de inúmeras línguas (...), a grande


maioria das palavras ou raízes inglesas são de origem germânica ou
românica. (...) Mas aqui devemos ressaltar que, na língua do cotidiano e na
língua do homem simples, a participação do germânico é bem maior. As
denominações referentes a família (...) são germânicas, assim como "dia" e
"noite" (day and night), "amor" e "ódio" (love and hate), os numerais (...), os
pronomes pessoais (...), as preposições (...), as conjunções (...), os verbos
auxiliares. Em resumo: as palavras mais freqüentes são germânicas.
(STÖRIG, 1990, p. 168)

Aparentemente, esse é um conhecimento lingüístico bem comum entre os falantes


do inglês, tanto como primeira quanto como segunda língua, não importando o nível de
formação acadêmica ou quantos anos de experiência. As respostas à pergunta sobre esse
tema nas entrevistas que realizei com professores de inglês (questão 4.a dos modelos de
entrevista disponíveis nos anexos III e IV) chegaram perto da unanimidade: 82,60% (19 de
23) dos que responderam (a pergunta era opcional) corroboraram a idéia de que é muito
mais comum encontrar palavras de origem latina em inglês em textos cujo nível de
formalidade é mais elevado, entre os quais foram mencionados os científicos e acadêmicos,
enquanto a linguagem diária utilizada para os gêneros primários, mais coloquiais, tem uma
maior incidência de termos anglo-saxônicos. Além disso, alguns também destacaram que o
vocabulário latino é mais freqüente na escrita que na fala, o que é de se esperar dada a
maior preocupação com a formalidade quando se escreve.

Não satisfeito, apesar de concordar com as pesquisas e opiniões dos entrevistados,


decidi buscar mais evidências por contra própria: reuni quatro textos aleatórios de diferentes
níveis de formalidade. Em seguida, pesquisei a origem de cada um dos 100 primeiros
termos que apareciam nos textos, com a ajuda de fiáveis dicionários8. Os resultados, bem
como meus comentários a eles, são apresentados a seguir. Cabe ressaltar que, para fins de
análise histórico-lingüística, considera-se como língua de origem aquela mais remota sobre
a qual se tenha conhecimento suficiente nos dias de hoje. Todas as línguas listadas como a
origem dos termos analisados também tiveram, por sua vez, uma origem. Entretanto, se a

8
The Free Dictionary, Cambridge Dictionaries Online, Oxford Dictionaries, Wiktionary e Priberam Online.
21

análise se estendesse muito, chegaríamos a línguas que ainda hoje não são muito
conhecidas ou mesmo teóricas (como o proto-indo-europeu, que teria dado origem a todas
as línguas registradas nesses quadros).

O primeiro texto analisado foi um excerto da letra de uma música popular britânica,
como segue:

TEXTO 1 - LETRA DA CANÇÃO "OLD MAID IN THE GARRET", DE AUTORIA


DESCONHECIDA9

I have often heard it said from my father and my mother


That going to a wedding is the making of another
Well, if this be so, then I'll go without a bidding
Oh, kind providence, won't you send me to a wedding?
And it's oh, dear me, how will it be
If I die an old maid in the garret?

Oh, now there's my sister Jean, she's not handsome or good lookin'
Scarcely sixteen and a fella she was courtin'
Now she's twenty four with a son and a daughter
Here am I, forty five, and I've never had an offer.

A análise do texto culminou nos resultados expressos no Quadro 1.

9
Disponível em: www.contemplator.com/england/oldmaid.html
http://worldmusic.about.com/od/irishsonglyrics/p/Old-Maid-In-A-Garret.htm
www.allthelyrics.com/lyrics/tommy_makem/old_maid_in_the_garrett-lyrics-1132808.html
http://celtic-lyrics.com/lyrics/316.html
http://martindardis.com/id345.html
22

QUADRO 1 - OCORRÊNCIA DE PALAVRAS POR ORIGEM E CLASSE GRAMATICAL - PARTE 1

PALAVRA OCORRÊNCIA ORIGEM CLASSE GRAMAT.


I 4 anglo-saxão pronome
have 1 anglo-saxão verbo
often 1 anglo-saxão advérbio
heard 1 anglo-saxão verbo
it 3 anglo-saxão pronome
said 1 anglo-saxão verbo
from 1 anglo-saxão preposição
my 3 anglo-saxão adjetivo
father 1 anglo-saxão substantivo
and 5 anglo-saxão conjunção
mother 1 anglo-saxão substantivo
that 1 anglo-saxão conjunção
going 1 anglo-saxão verbo
to 3 anglo-saxão preposição
a 6 anglo-saxão artigo
wedding 2 anglo-saxão substantivo
is 5 anglo-saxão verbo
the 2 anglo-saxão artigo
making 1 anglo-saxão substantivo
of 1 anglo-saxão preposição
another 1 anglo-saxão pronome
well 1 anglo-saxão interjeição
if 2 anglo-saxão conjunção
this 1 anglo-saxão pronome
be 2 anglo-saxão verbo
so 1 anglo-saxão advérbio
then 1 anglo-saxão advérbio
will 3 anglo-saxão verbo
go 1 anglo-saxão verbo
without 1 anglo-saxão preposição
bidding 1 anglo-saxão substantivo
kind 1 anglo-saxão adjetivo
providence 1 latim via francês substantivo
not 2 anglo-saxão advérbio
you 1 anglo-saxão pronome
send 1 anglo-saxão verbo
me 2 anglo-saxão pronome
dear 1 anglo-saxão adjetivo
how 1 anglo-saxão advérbio
die 1 nórdico antigo verbo
an 1 anglo-saxão artigo
old 1 anglo-saxão adjetivo
maid 1 anglo-saxão substantivo
in 1 anglo-saxão preposição
garret 1 francês antigo substantivo
now 2 anglo-saxão advérbio
there 1 anglo-saxão pronome
sister 1 nórdico antigo substantivo
Jean 1 francês antigo substantivo
she 3 anglo-saxão pronome
handsome 1 anglo-saxão adjetivo
or 1 anglo-saxão conjunção
good 1 anglo-saxão adjetivo
lookin' (looking) 1 anglo-saxão verbo
latim vulgar via francês
scarcely 1 advérbio
antigo
sixteen 1 anglo-saxão numeral
fella (fellow) 1 nórdico antigo substantivo
23

QUADRO 1 - OCORRÊNCIA DE PALAVRAS POR ORIGEM E CLASSE GRAMATICAL - PARTE 2

PALAVRA OCORRÊNCIA ORIGEM CLASSE GRAMAT.


was 1 anglo-saxão verbo
courtin' (courting) 1 latim via francês antigo verbo
twenty 1 anglo-saxão numeral
four 1 anglo-saxão numeral
with 1 anglo-saxão preposição
son 1 anglo-saxão substantivo
daughter 1 anglo-saxão substantivo
here 1 anglo-saxão advérbio
am 1 anglo-saxão verbo
forty 1 anglo-saxão numeral
five 1 anglo-saxão numeral
Total: 68 Total: 100

Para maior clareza, apresento as tabulações dos resultados com ênfase na origem, na
classe e em suas totalizações relativas:

QUADRO 2 - ORIGEM DAS PALAVRAS

ORIGEM TOTAL
anglo-saxão = 60 (88,23%)
latim via francês = 3 (4,41%)
68 (100%)
nórdico antigo = 3 (4,41%)
francês antigo = 2 (2,94%)

QUADRO 3 - ORIGEM POR CLASSE GRAMATICAL E OCORRÊNCIA

ORIGEM CLASSE OCORRÊNCIA TOTAL


verbo 12 (20%)
substantivo 8 (13,33%)
pronome 8 (13,33%)
advérbio 7 (11,66%)
adjetivo 6 (10%)
anglo-saxão 60 (100%)
preposição 6 (10%)
numeral 5 (8,33%)
conjunção 4 (6,66%)
artigo 3 (5%)
interjeição 1 (1,66%)
substantivo 1 (33,33%)
latim via francês verbo 1 (33,33%) 3 (100%)
advérbio 1 (33,33%)
substantivo 2 (66,66%)
nórdico antigo 3 (100%)
verbo 1 (33,33%)
francês antigo substantivo 2 (100%) 2 (100%)
Totais:
verbo = 14 (20,58%)
substantivo = 13 (19,11%)
advérbio = 8 (11,76%)
pronome = 8 (11,76%)
adjetivo = 6 (8,82%) 68 (100%)
preposição = 6 (8,82%)
numeral = 5 (7,35%)
conjunção = 4 (5,88%)
artigo = 3 (4,41%)
interjeição = 1 (1,47%)
24

Percebe-se, nesta letra de música folclórica de origem incerta (provavelmente


irlandesa ou escocesa), uma preferência bem maior pelos termos mais comuns da língua
inglesa, os quais derivam, em sua maioria, de línguas germânicas. Preposições como to, of,
from, with e in, conjunções como and, but, if, or e that, pronomes como I, she, it e you e os
artigos a, an e the se fazem presentes em praticamente todos os textos do inglês por serem
palavras essenciais à escrita, muitas vezes desempenhando o papel de conectores10. Aqui
não é diferente: dos 68 termos originais contidos na música, 21 pertencem a essas classes.
Entre todos os 100 termos analisados, incluindo os repetidos, esse número é ainda maior
(44), o que não é nenhuma surpresa, já que palavras dessas categorias costumam se
repetir várias vezes ao longo dos textos, algo que não costuma acontecer com substantivos,
adjetivos e verbos, por exemplo. Logo, o resultado obtido após a análise é o esperado: a
maior parte das palavras desse texto de cunho informal provém do anglo-saxão (92 de 100),
enquanto apenas 3 derivam do latim (e indiretamente). Vale mencionar que a exclusão da
interjeição "oh", repetida várias vezes na letra, foi feita pela incerteza de sua origem e por
sua pouca significância semântica.

O segundo texto submetido à verificação foi um excerto de um conto infantil de Hans


Christian Andersen, o qual apresento a seguir:

TEXTO 2 - CONTO INFANTIL "THE SNOW QUEEN", DE HANS CHRISTIAN ANDERSEN


(TRADUZIDO DO DINAMARQUÊS POR TRADUTOR NÃO IDENTIFICADO) 11

There is a legend that, once upon a time, a beautiful fairy, the Snow Queen, lived on the
highest, most solitary peaks of the Alps. The mountain folk and shepherds climbed to the
summits to admire her, and everyone fell head over heels in love with her.
Every man would have given anything, including his life, to marry her. Indeed, their lives are
just what they did give, for Fate had decided that no mortal would ever marry the Snow
Queen. But in spite of that, many brave souls did their best to approach her, hoping always
to persuade her.

A análise do texto culminou nos resultados expressos no Quadro 4.

10
Confira a alta freqüência dessas palavras pequenas e essenciais na lista Swadesh (Anexo II), na lista do The
Oxford English Corpus (Anexo III) e na pesquisa A general service list of English words, realizada por Michael
West em 1953.
11
Disponível em: http://childhoodreading.com/?p=18
25

QUADRO 4 - OCORRÊNCIA DE PALAVRAS POR ORIGEM E CLASSE GRAMATICAL - PARTE 1

PALAVRA OCORRÊNCIA ORIGEM CLASSE GRAMAT.


there 1 anglo-saxão pronome
is 1 anglo-saxão verbo
a 3 anglo-saxão artigo
latim via latim
legend 1 medieval e francês substantivo
antigo
that 3 anglo-saxão conjunção
once 1 anglo-saxão advérbio
upon 1 anglo-saxão preposição
time 1 anglo-saxão substantivo
latim vulgar via francês
beautiful 1 adjetivo
antigo / anglo-saxão
latim vulgar via francês
fairy 1 substantivo
antigo
the 6 anglo-saxão artigo
snow 2 anglo-saxão substantivo
queen 2 anglo-saxão substantivo
lived 1 anglo-saxão verbo
on 1 anglo-saxão preposição
highest (high) 1 anglo-saxão adjetivo
most 1 anglo-saxão adjetivo
solitary 1 latim via francês antigo adjetivo
peaks 1 incerta substantivo
of 2 anglo-saxão preposição
latim (talvez via
alps 1 substantivo
francês)
latim via latim vulgar
mountain 1 substantivo
via francês
folk 1 anglo-saxão substantivo
and 2 anglo-saxão conjunção
shepherds 1 anglo-saxão substantivo
climbed 1 anglo-saxão verbo
to 5 anglo-saxão preposição
summits 1 latim via francês antigo substantivo
admire 1 latim via francês verbo
her 5 anglo-saxão pronome
everyone 1 anglo-saxão pronome
fell 1 anglo-saxão verbo
head 1 anglo-saxão substantivo
over 1 anglo-saxão preposição
heels 1 anglo-saxão substantivo
in 2 anglo-saxão preposição
love 1 anglo-saxão substantivo
with 1 anglo-saxão preposição
every 1 anglo-saxão adjetivo
man 1 anglo-saxão substantivo
would 2 anglo-saxão verbo
have 1 anglo-saxão verbo
given 1 nórdico antigo verbo
anything 1 anglo-saxão pronome
including 1 latim verbo
his 1 anglo-saxão adjetivo
life 1 anglo-saxão substantivo
marry 2 latim via francês antigo verbo
anglo-saxão via inglês
indeed 1 advérbio
médio
their 2 nórdico antigo adjetivo
lives 1 anglo-saxão substantivo
are 1 anglo-saxão verbo
26

QUADRO 4 - OCORRÊNCIA DE PALAVRAS POR ORIGEM E CLASSE GRAMATICAL - PARTE 2

PALAVRA OCORRÊNCIA ORIGEM CLASSE GRAMAT.


just 1 latim via francês antigo advérbio
what 1 anglo-saxão pronome
they 1 nórdico antigo pronome
did 2 anglo-saxão verbo
give 1 nórdico antigo verbo
for 1 anglo-saxão preposição
fate 1 latim via francês antigo substantivo
had 1 anglo-saxão verbo
decided 1 latim via francês antigo verbo
no 1 anglo-saxão advérbio
mortal 1 latim via francês antigo adjetivo
ever 1 anglo-saxão advérbio
but 1 anglo-saxão conjunção
spite 1 latim via francês antigo substantivo
many 1 anglo-saxão adjetivo
prov. latim vulgar via
brave 1 italiano (ou espanhol) adjetivo
e francês
souls 1 anglo-saxão substantivo
best 1 anglo-saxão substantivo
latim vulgar via francês
approach 1 verbo
antigo
hoping 1 anglo-saxão verbo
always 1 anglo-saxão advérbio
persuade 1 latim verbo
Total: 74 Total: 100

Para maior clareza, apresento as tabulações dos resultados com ênfase na origem, na
classe e em suas totalizações relativas:

QUADRO 5 - ORIGEM DAS PALAVRAS

ORIGEM TOTAL
anglo-saxão = 51,5 (69,59%)
latim via francês = 13,5 (18,24%)
nórdico antigo = 4 (5,40%)
74 (100%)
latim = 3 (4,05%)
prov. latim = 1 (1,35%)
incerta = 1 (1,35%)
27

QUADRO 6 - ORIGEM POR CLASSE GRAMATICAL E OCORRÊNCIA

ORIGEM CLASSE OCORRÊNCIA TOTAL


substantivo 13 (25,24%)
verbo 10 (19,41%)
preposição 8 (15,53%)
adjetivo 5,5 (10,67%)
anglo-saxão 51,5 (100%)
advérbio 5 (9,70%)
pronome 5 (9,70%)
conjunção 3 (5,82%)
artigo 2 (3,88%)
substantivo 6 (44,44%)
verbo 4 (29,62%)
latim via francês 13,5 (100%)
adjetivo 2,5 (18,51%)
advérbio 1 (7,40%)
verbo 2 (50%)
nórdico antigo adjetivo 1 (25%) 4 (100%)
pronome 1 (25%)
verbo 2 (66,66%)
latim 3 (100%)
substantivo 1 (33,33%)
provavelmente latim via
italiano ou espanhol e adjetivo 1 (100%) 1 (100%)
francês
incerta substantivo 1 (100%) 1 (100%)
Totais:
substantivo = 21 (28,37%)
verbo = 18 (24,32%)
adjetivo = 10 (13,51%)
preposição = 8 (10,81%) 74 (100%)
pronome = 6 (8,10%)
advérbio = 6 (8,10%)
conjunção = 3 (4,05%)
artigo = 2 (2,70%)

O texto 2 não tem um caráter popular ou folclórico como o 1, mas também se


apresenta de modo informal, com linguagem natural e acessível, principalmente por ter
crianças como o público alvo. Aqui já se constata uma elevação no número de termos
latinos, quase 18 direta ou indiretamente originados daquela língua, bem como uma leve
diminuição na proporção de derivados do anglo-saxão (aprox. 75 de 100). Entretanto, esta
última língua continua sendo a origem mais comum. O nórdico, outra língua de raiz
germânica, também se faz presente, mas com apenas 5 termos dentre os 100, um dos quais
repetido. Vale lembrar que tanto este texto quanto (e principalmente) o anterior foram
produzidos com a intenção de serem divulgados oralmente. Tal como os antigos menestréis
e trovadores, o leitor desses textos pode divulgá-los boca a boca, o que não pode ser feito
com os dois textos vindouros. A característica desses dois primeiros textos que lhes propicia
essa possibilidade é justamente seu baixo nível de formalidade.

O terceiro texto analisado foi o trecho inicial de um documento jurídico:


28

TEXTO 3 - DOCUMENTO LEGAL (NOTA PROMISSÓRIA DA CIDADE DE MADISON, WI,


EUA)12

FOR VALUE RECEIVED, the Borrower promises to pay to the order of the CITY OF
MADISON, a Wisconsin municipal corporation, at its offices located at [endereço omitido],
an amount equal to ______ percent (___%) of ninety-five percent (95%) of the sales price of
the Property, immediately upon the sale or transfer of the Property located at
________________(the “Property”). Legal Description Attached.

THIS NOTE is secured by a Mortgage from the Borrower to the City (the “Mortgage”).

DELINQUENCY CHARGE. If a payment owed under the Note is not paid on or before the
15th day after its due date, the City may collect a delinquency charge equal to 12% per
annum on the unpaid balance until the amount due under the Note is paid in full.

A análise do texto culminou nos resultados expressos no Quadro 7.

QUADRO 7 - OCORRÊNCIA DE PALAVRAS POR ORIGEM E CLASSE GRAMATICAL - PARTE 1

PALAVRA OCORRÊNCIA ORIGEM CLASSE GRAMAT.


for 1 anglo-saxão preposição
value 1 latim via francês antigo substantivo
received 1 latim via francês antigo verbo
the 15 anglo-saxão artigo
borrower 2 anglo-saxão substantivo
latim via latim medieval
promises 1 verbo
via francês antigo
to 4 anglo-saxão preposição
pay 1 latim via francês antigo verbo
order 1 latim via francês antigo substantivo
of 5 anglo-saxão preposição
city 3 latim via francês antigo substantivo
Madison 1 incerta substantivo
a 4 anglo-saxão artigo
Wisconsin 1 prov. miami-illinois substantivo
municipal 1 latim adjetivo
corporation 1 latim substantivo
at 3 anglo-saxão preposição
its 2 anglo-saxão adjetivo
offices 1 latim via francês antigo substantivo
located 2 latim verbo
an 1 anglo-saxão artigo
amount 1 latim via francês antigo substantivo
equal 1 latim adjetivo
percent 2 latim substantivo
ninety 1 anglo-saxão numeral
five 1 anglo-saxão numeral

12
Disponível em: www.cityofmadison.com/cdbg/iz/docs/buyer_pnote.pdf
29

QUADRO 7 - OCORRÊNCIA DE PALAVRAS POR ORIGEM E CLASSE GRAMATICAL - PARTE 2

PALAVRA OCORRÊNCIA ORIGEM CLASSE GRAMAT.


nórdico antigo via anglo-
sales 1 substantivo
saxão
price 1 latim via francês antigo substantivo
property 3 latim via francês antigo substantivo
immediately 1 latim via francês antigo advérbio
upon 1 anglo-saxão preposição
nórdico antigo via anglo-
sale 1 substantivo
saxão
or 2 anglo-saxão conjunção
transfer 1 latim via francês antigo substantivo
legal 1 latim via francês antigo adjetivo
latim via anglo-
description 1 substantivo
normando
attached 1 francês antigo verbo
this 1 anglo-saxão adjetivo
note 2 latim via francês antigo substantivo
is 2 anglo-saxão verbo
secured 1 latim adjetivo
by 1 anglo-saxão preposição
latim vulgar via francês /
mortgage 2 substantivo
língua germânica incerta
from 1 anglo-saxão preposição
delinquency 2 latim substantivo
charge 2 latim via francês antigo substantivo
if 1 anglo-saxão conjunção
payment 1 latim via francês antigo substantivo
owed 1 anglo-saxão verbo
under 1 anglo-saxão preposição
not 1 anglo-saxão advérbio
paid 1 latim via francês antigo verbo
on 1 anglo-saxão preposição
before 1 anglo-saxão preposição
day 1 anglo-saxão substantivo
after 1 anglo-saxão preposição
due 1 latim via francês antigo adjetivo
latim via latim medieval
date 1 substantivo
via francês antigo
may 1 anglo-saxão verbo
collect 1 latim verbo
Total: 60 Total: 100

Para maior clareza, apresento as tabulações dos resultados com ênfase na origem, na
classe e em suas totalizações relativas:

QUADRO 8 - ORIGEM DAS PALAVRAS

ORIGEM TOTAL
anglo-saxão = 26 (43,33%)
latim indireto = 20,5 (34,16%)
latim = 8 (13,33%)
nórdico antigo = 2 (3,33%) 60 (100%)
incerta = 1,5 (2,5%)
francês = 1 (1,66%)
prov. miami-illinois = 1 (1,66%)
30

QUADRO 9 - ORIGEM POR CLASSE GRAMATICAL E OCORRÊNCIA

ORIGEM CLASSE OCORRÊNCIA TOTAL


preposição 11 (42,30%)
verbo 3 (11,53%)
artigo 3 (11,53%)
substantivo 2 (7,69%)
anglo-saxão 26 (100%)
adjetivo 2 (7,69%)
conjunção 2 (7,69%)
numeral 2 (7,69%)
advérbio 1 (3,84%)
substantivo 13,5 (65,85%)
verbo 4 (19,51%)
latim indireto 20,5 (100%)
adjetivo 2 (9,75%)
advérbio 1 (4,87%)
substantivo 3 (37,5%)
latim adjetivo 3 (37,5%) 8 (100%)
verbo 2 (25%)
nórdico antigo substantivo 2 (100%) 2 (100%)
incerta substantivo 1,5 (100%) 1,5 (100%)
francês verbo 1 (100%) 1 (100%)
provavelmente miami-
substantivo 1 (100%) 1 (100%)
illinois
Totais:
substantivo = 23 (38,33%)
preposição = 11 (18,33%)
verbo = 10 (16,66%)
adjetivo = 7 (11,66%) 60 (100%)
artigo = 3 (5%)
advérbio = 2 (3,33%)
numeral = 2 (3,33%)
conjunção = 2 (3,33%)

No texto 3, pertencente ao discurso jurídico, é possível constatar com razoável


facilidade a presença maior de termos latinos. Dos 100 analisados no trecho, quase 38 vêm
do idioma dos romanos direta ou indiretamente, enquanto 67 vêm do idioma dos anglo-
saxões. Pela primeira vez nestas análises, o número de termos latinos é maior que o de
anglo-saxônicos. Os números absolutos só indicam o contrário pelo fato de serem
consideradas as repetições de preposições, conjunções, pronomes e artigos, como já
comentado no texto 1. Desconsiderando as repetições, são 28,5 termos latinos contra 26
anglo-saxônicos. O nórdico e o francês, mais uma vez, fazem-se presentes, mas com
contribuições irrisórias. O único termo que destoa neste exemplo é Wisconsin, vindo de uma
língua álgica incerta, provavelmente miami-illinois. Note a expressão "per annum" utilizada
no final, a qual não foi contabilizada no quadro por não se encontrar entre os 100 primeiros
termos. Trata-se de uma expressão totalmente latina, ou seja, não adaptada para a forma
inglesa "per year". A incidência de expressões diretamente do latim, sem adaptação, é
bastante elevada em textos legais, apesar de elas também ocorrerem no inglês do dia-a-dia
(vice-versa, circa, exempli gratia, id est, et cetera e outras).

O último texto estudado foi um excerto da introdução de um artigo científico da


Universidade de Waterloo, Canadá:
31

TEXTO 4 - ARTIGO CIENTÍFICO DE PSICOLOGIA (WATERLOO UNUSUAL SLEEP


EXPERIENCE QUESTIONNAIRE - TECHNICAL REPORT, POR J. A. CHEYNE)13

The current report provides some basic descriptive information about the Waterloo Unusual
Sleep Experiences Questionnaire. I make no attempt to explicitly discuss the theoretical and
conceptual issues or their associated hypotheses addressed by our research. This report is
primarily descriptive and psychometric and hence will emphasize the quantitative
components. We do consider, however, the inclusion of the qualitative aspects of this
instrument to be an important strength. The questionnaire is retrospective and asks
respondents to reflect on past sleep paralysis (SP) episodes. The responses necessarily
conflate episodes and the analyses reflect individual (respondent) differences in the
aggregate experiences rather than characteristics of individual episodes.

A análise do texto culminou nos resultados expressos no Quadro 10.

QUADRO 10 - OCORRÊNCIA DE PALAVRAS POR ORIGEM E CLASSE GRAMATICAL - PARTE 1

PALAVRA OCORRÊNCIA ORIGEM CLASSE GRAMAT.


the 10 anglo-saxão artigo
current 1 latim via francês antigo adjetivo
report 2 latim via francês antigo substantivo
provides 1 latim verbo
some 1 anglo-saxão adjetivo
basic 1 latim via francês antigo adjetivo
descriptive 2 latim adjetivo
information 1 latim via francês médio substantivo
about 1 anglo-saxão preposição
Waterloo 1 neerlandês médio substantivo
unusual 1 latim via francês antigo adjetivo
sleep 2 anglo-saxão substantivo
experience 1 latim via francês antigo substantivo
questionnaire 2 latim vulgar via francês substantivo
I 1 anglo-saxão pronome
make 1 anglo-saxão verbo
no 1 anglo-saxão advérbio
attempt 1 latim via francês antigo substantivo
to 3 anglo-saxão preposição
explicitly 1 latim advérbio
latim via anglo-
discuss 1 verbo
normando
theoretical 1 grego via latim adjetivo
and 5 anglo-saxão conjunção
latim vulgar via latim
conceptual 1 adjetivo
medieval
latim via latim vulgar via
issues 1 substantivo
francês antigo
or 1 anglo-saxão conjunção
their 1 nórdico antigo adjetivo
associated 1 latim adjetivo
hypotheses 1 grego via latim substantivo
latim via latim vulgar via
addressed 1 verbo
francês antigo

13
Disponível em: http://arts.uwaterloo.ca/~acheyne/spdoc/Techreport.pdf
32

QUADRO 10 - OCORRÊNCIA DE PALAVRAS POR ORIGEM E CLASSE GRAMATICAL - PARTE 2

PALAVRA OCORRÊNCIA ORIGEM CLASSE GRAMAT.


by 1 anglo-saxão preposição
our 1 anglo-saxão adjetivo
research 1 francês antigo substantivo
this 2 anglo-saxão adjetivo
is 2 anglo-saxão verbo
primarily 1 latim advérbio
grego antigo / neo-latim
psychometric 1 adjetivo
via francês antigo
hence 1 anglo-saxão advérbio
will 1 anglo-saxão verbo
emphasize 1 grego via latim verbo
quantitative 1 latim via latim medieval adjetivo
components 1 latim substantivo
we 1 anglo-saxão pronome
do 1 anglo-saxão verbo
consider 1 latim via francês antigo verbo
however 1 anglo-saxão advérbio
inclusion 1 latim substantivo
of 2 anglo-saxão preposição
qualitative 1 latim via latim medieval adjetivo
aspects 1 latim substantivo
instrument 1 latim via francês antigo substantivo
be 1 anglo-saxão verbo
an 1 anglo-saxão artigo
latim via latim medieval
important 1 adjetivo
via francês
strength 1 anglo-saxão substantivo
retrospective 1 latim adjetivo
asks 1 anglo-saxão verbo
respondents 1 latim via francês antigo substantivo
reflect 2 latim via francês antigo verbo
on 1 anglo-saxão preposição
past 1 inglês médio adjetivo
paralysis 1 grego via latim substantivo
episodes 2 grego antigo via francês substantivo
responses 1 latim via francês antigo substantivo
necessarily 1 latim via francês antigo advérbio
conflate 1 latim verbo
grego via latim medieval
analyses 1 substantivo
via francês antigo
individual 1 latim via latim medieval adjetivo
respondent 1 latim via francês antigo adjetivo
differences 1 latim via francês antigo substantivo
in 1 anglo-saxão preposição
aggregate 1 latim adjetivo
experiences 1 latim via francês antigo substantivo
rather 1 anglo-saxão advérbio
than 1 anglo-saxão conjunção
characteristics 1 grego antigo substantivo
Total: 76 Total: 100

Para maior clareza, apresento as tabulações dos resultados com ênfase na origem, na
classe e em suas totalizações relativas:
33

QUADRO 11 – ORIGEM DAS PALAVRAS

ORIGEM TOTAL
anglo-saxão = 28 (36,84%)
latim indireto = 25,5 (33,55%)
latim = 11 (14,47%)
grego = 7,5 (9,86%)
76 (100%)
francês = 1 (1,31%)
inglês médio = 1 (1,31%)
nórdico = 1 (1,31%)
neerlandês = 1 (1,31%)

QUADRO 12 - ORIGEM POR CLASSE GRAMATICAL E OCORRÊNCIA

ORIGEM CLASSE OCORRÊNCIA TOTAL


preposição 6 (21,42%)
verbo 6 (21,42%)
advérbio 4 (14,28%)
adjetivo 3 (10,71%)
anglo-saxão 28 (100%)
conjunção 3 (10,71%)
substantivo 2 (7,14%)
pronome 2 (7,14%)
artigo 2 (7,14%)
substantivo 11 (43,13%)
adjetivo 9,5 (37,25%)
latim indireto 25,5 (100%)
verbo 4 (15,68%)
advérbio 1 (3,92%)
adjetivo 4 (36,36%)
substantivo 3 (27,27%)
latim 11 (100%)
verbo 2 (18,18%)
advérbio 2 (18,18%)
substantivo 5 (66,66%)
grego adjetivo 1,5 (20%) 7,5 (100%)
verbo 1 (13,33%)
francês substantivo 1 (100%) 1 (100%)
inglês médio adjetivo 1 (100%) 1 (100%)
nórdico adjetivo 1 (100%) 1 (100%)
neerlandês substantivo 1 (100%) 1 (100%)
Totais:
substantivo = 23 (30,26%)
adjetivo = 20 (26,31%)
verbo = 13 (17,10%)
advérbio = 7 (9,21%) 76 (100%)
preposição = 6 (7,89%)
conjunção = 3 (3,94%)
pronome = 2 (2,63%)
artigo = 2 (2,63%)

É apenas no texto 4, cuja formalidade científica se destaca desde a introdução, que


se percebe com mais clareza a utilização de termos da língua do Lácio. Pela segunda vez,
os termos do latim compõem a maioria do vocabulário utilizado, mas é só desconsiderando-
se as repetições que se percebe a vitória latina: 36,5 contra 28 dentre 76 termos originais
(em números absolutos, contando as repetições, o resultado é 40,5 contra 47 de 100 termos
no total). O grego também tem sua cota considerável de 7,5 entre os 76, quase 10%. Note
que esta participação grega mais alta do que o esperado deve-se ao fato de o trabalho
34

analisado ser de psicologia, uma área do conhecimento que tem inúmeros termos do grego,
como seu próprio nome já indica (psukhḗ + logia: estudo da alma).

A partir da análise dos quadros, pode-se chegar a várias conclusões, entre as quais
destaco três:

1) Em conformidade com as previsões, dados os resultados de pesquisas da área, constata-


se que, de fato, o uso de termos de origem latina prevalece em textos mais formais.

2) A maioria absoluta das preposições, das conjunções, dos artigos e dos pronomes, as
classes gramaticais mais presentes nas listas de palavras mais comuns do inglês, é de
origem germânica. Isso explica, parcialmente, o porquê de haver mais termos germânicos
em conversas ou textos de baixa formalidade, já que palavras dessas classes costumam se
repetir inúmeras vezes durante a escrita e, principalmente, a fala.

3) A maioria das palavras inglesas de origem latina é ou um substantivo ou um verbo, as


duas classes de palavras mais importantes da língua (a primeira por nomear as coisas do
mundo e a segunda por descrever as ações que nele ocorrem). O adjetivo foi a terceira
classe gramatical que mais apareceu.

Como complemento aos quadros de análise histórico-lexical, disponibilizo abaixo um


quadro14 que compara pares de palavras sinônimas de diferentes origens: uma delas de
línguas germânicas e outra de línguas latinas.

QUADRO 13 – CORRESPONDENTES DE TERMOS EM PORTUGUÊS - PARTE 1

CORRESPONDENTE MENOS CORRESPONDENTE MAIS


TERMO EM PORTUGUÊS
COMUM EM INGLÊS COMUM EM INGLÊS

ameaça menace threat


amigável amicable/amiable friendly
anniversary (para qualquer
aniversário birthday (para nascimento)
comemoração)
arrepender(-se) repent regret
bandido (ladrão) bandit robber/thief
capricho (vontade súbita e
caprice whim
infundada)
começar commence begin
confiar confide trust
congelar congeal freeze
construir construct build
contente content happy
conversar converse talk
corrente (de água) current stream
culpado culprit (só como substantivo) guilty (só como adjetivo)
curto curt short
demitir dismiss fire
descendência/descendente descendant/descent offspring

14
Baseado em minha experiência como professor e falante de inglês como segunda língua. Para confirmação,
todos os termos foram consultados nos dicionários já mencionados.
35

QUADRO 13 – CORRESPONDENTES DE TERMOS EM PORTUGUÊS - PARTE 2

CORRESPONDENTE MENOS CORRESPONDENTE MAIS


TERMO EM PORTUGUÊS
COMUM EM INGLÊS COMUM EM INGLÊS

descobrir discover find out (phrasal verb)


desejo/desejar desire wish/want
desistir desist give up (phrasal verb)
difícil/complicado/complexo difficult/complicate(d)/complex hard/tough
discurso discourse speech
edifício edifice building
egoísta/egotista egoist/egotist selfish
encontrar encounter find
enterrar inter bury
entrar enter come in/into (phrasal verb)
errar/erro err/error mistake
escrita script writing
explodir explode blow up (phrasal verb)
fantasma* phantasm/phantom ghost
farol* pharos lighthouse
felicidade felicity happiness
fluxo flux flow
fome famine hunger/starvation
forma (formato) form shape
forma (jeito, maneira) form way
fortuna (sorte) fortune luck
fumaça fume smoke
gentil gentle kind
grande grand big/great
habilidade hability/ability skill
homicídio homicide murder/killing
hostil hostile unfriendly
inteiro entire full
inventar (dizer inverdade) invent make up (phrasal verb)
ira/raiva/fúria ire/rage/fury anger (também wrath)
justo/injusto just/unjust fair/unfair
labirinto* labyrinth maze
laborar labour work
legível legible readable
letal/mortal lethal/mortal deadly
liberdade liberty freedom
big/bigger/great/greater/
maior major
large/larger
maneira manner way
manter maintain keep
maravilha/maravilhoso marvel/marvellous wonder/wonderful
mastigar* masticate chew
menor minor small/smaller/little/less/lesser
mudo mute dumb
navegar/navegação navigate/navigation sail/sailing
negligenciar neglect overlook
observar observe watch
obter obtain get
ocidental occidental western
ódio odium hate/hatred
oriental oriental eastern
wander ou walk about/around
perambular (andar por aí sem rumo) perambulate
(phrasal verb)
perdoar pardon forgive
precipício precipice cliff
predizer predict foretell/foresay
preocupação preoccupation worry
principal principal main
profundo profound deep
36

QUADRO 13 – CORRESPONDENTES DE TERMOS EM PORTUGUÊS - PARTE 3

CORRESPONDENTE MENOS CORRESPONDENTE MAIS


TERMO EM PORTUGUÊS
COMUM EM INGLÊS COMUM EM INGLÊS

proibir prohibit forbid


prostituta prostitute whore/hooker
rápido rapid fast
receber receive get
recompensa recompense reward
responder/replicar respond/reply answer
retornar (voltar) return come/go back (phrasal verb)
reunião reunion meeting
rodar rotate spin
saciar satiate quench
sagrado sacred holy
sanguinolento/sangüíneo/ sanguinolent/sanguineous/
bloody
sanguinário sanguinary/sanguine
seguir (suceder, vir depois como
segue follow
conseqüência)
sentimento sentiment feeling
suficiente sufficient enough
suor/perspiração sudor/perspiration sweat
tempestade tempest storm
testemunho (dizer de uma
testemunha tido como evidência testimony witness
jurídica)
tímido timid shy
tipo* type kind
vagabundo vagabond tramp
velocidade velocity speed
vender vend sell
veracidade veracity truthfulness

*Palavras de origem grega que vieram tanto ao português quanto ao inglês via latim.

Longe de ser um quadro completo, ele pelo menos demonstra, num contexto
comparativo, a preferência dos falantes nativos por termos de origem germânica,
independentemente de qual sua língua de origem ("regret" e "reward" vêm do frâncico,
"happy" e "skill" vêm do nórdico antigo — além das construções conhecidas como "phrasal
verbs" (STÖRIG, 1990, p. 169) —, "luck" vem do neerlandês médio e "whim" é de origem
desconhecida; os restantes vêm do anglo-saxão). É de se esperar que falantes de inglês
como segunda língua, por outro lado, procurem maior conforto nesse idioma utilizando
palavras semelhantes às de suas línguas, o que nos levaria a supor que talvez um românico
preferisse os termos da coluna do meio, mas uma pesquisa mais detalhada seria necessária
para se provar tal predileção.

Há que se registrar aqui, também, os casos de substantivos germânicos que vieram


a receber uma forma adjetiva latina (chamada de "adjetivo colateral"), como father/paternal,
mother/maternal, son e daughter/filial, king/royal (ou regal), heaven (ou sky)/celestial,
night/nocturnal, earth/terrestrial, water/aquatic, moon/lunar, sun/solar, star/stellar, ice/glacial,
tree/arboreal, eye/ocular, sight/visual, body/corporal, mouth/oral, nose/nasal, tooth/dental,
tongue/lingual, lips/labial, finger/digital, hand/manual, mind/mental, brain/cerebral,
37

lung/pulmonary, kidney/renal, cow (ou ox)/bovine, dog/canine, cat/feline, home/domestic,


year/annual e edge/marginal, entre vários outros.

Sobre essa interessante dicotomia lingüística presente na língua inglesa, Berlitz


comenta:

Quando o francês e o anglo-saxão se fundiram para formar uma nova


língua, ocorreu um fenômeno raro que ajudou a propiciar ao inglês o maior
vocabulário do mundo: a língua oferecia duas palavras em vez de uma para
se referir a várias ações e fenômenos — uma palavra saxônica básica e
outra, francesa, mais formal e elegante. (BERLITZ, 1982, p. 31)

Störig ratifica o comentário:

Uma das razões da extrema riqueza do léxico inglês consiste no fato de ele
possuir, para muitas coisas, uma palavra de origem germânica e uma de
origem românica, onde na maioria das vezes a segunda indica uma outra
nuança, mais abstrata, "mais distinta", requintada (...) (STÖRIG, 1990, p.
169)

Por fim, não custa lembrar dos pares de palavras semelhantes de origem
exclusivamente latina15: security/safety, facilitate/ease, alter/change, urine/piss, cave/cavern,
treason/betrayal, channel/canal, agree/concur, sure/secure, deny/negate, allow/permit,
poor/pauper, frail/fragile, reason/ratio, prevent/impede etc. Nos seis primeiros casos, ambos
os termos vêm por intermédio do francês; no último, ambos são diretos do latim. Os outros
pares são compostos primeiro por um termo de derivação indireta do latim, pelo francês
normando pós-invasão medieval, e depois por um de derivação direta, em razão das
importações lexicais renascentistas e modernas. Störig explica:

(...) o florescimento dos estudos clássicos, o interesse pela Antigüidade


grega e romana: o Renascimento, que, nascido na Itália, exerceu forte
influência na Inglaterra. O grego (...) começou a ser estudado com afinco;
palavras gregas foram adotadas em grande número, seja diretamente, seja
por intermédio do latim. E o próprio latim, não é grande exagero afirmar que
foi incorporado ao inglês, e não apenas latim eclesiástico, mas o latim
clássico em toda a sua extensão. E tal foi o zelo na adoção que palavras
latinas que já haviam sido adotadas pelo inglês através do francês serviram
novamente de empréstimos, surgindo assim os duplos (...) (STÖRIG, 1990,
p. 167)

Como se pode concluir após a análise do corpus, as palavras de origem germânica


são mais usadas, em detrimento das de origem latina, as quais se assemelham mais à
nossa língua. Por esse motivo, se um nativo utilizasse o termo "felicity" em vez de
"happiness" ou "sudor" em vez de "sweat", ele provavelmente seria considerado formal.
Tem-se, portanto, que, de certo modo, tais termos são evitados pelos anglófonos em
conversas e escritos simples. Para quem aprende a língua inglesa, é importante ter

15
De acordo com http://en.wikipedia.org/wiki/Latin_influence_in_English e com minha experiência advinda do
uso da língua. Todos os termos foram consultados em dicionários para confirmação.
38

conhecimento desse fato lingüístico para que não se engane quanto à existência de tais
termos. É possível que um leitor ou aprendiz de inglês menos informado pense que tais
formas latinas sejam o que se conhece popularmente como "embromations", termos
inventados pela simples pronúncia anglicizada de uma palavra já existente em português ou
por uma formação indevida, ainda que lógica, tendo como base sua versão em português.
39

CAPÍTULO II

UM POSSÍVEL DIÁLOGO NO ENSINO A LUSÓFONOS

2.1 - ANÁLISE DE MATERIAIS

Como mencionado na introdução a esta monografia, é raro encontrar um método


de inglês que tente estabelecer paralelos entre o português e o inglês. Talvez mais raro
ainda seja achar um método contemporâneo que trate de qualquer questão metalingüística.
A metalinguagem é ignorada como se não existisse ou não pudesse ser utilizada
beneficamente no contexto de ensino-aprendizagem. Assim, o método não fala do método e
a língua não fala da língua. Ao longo de anos de experiência como professor, bem como
depois ter contato com vários tipos de material didático por indicações ou comentários de
colegas docentes, deparei-me com apenas dois materiais que constituem exceção: a
apostila do curso de Técnico em Redes de Computadores da Faculdade Anhagüera e o
método de inglês Callan.

O primeiro não se trata de um método. Na verdade, sequer se preocupa em


ensinar inglês. Aborda apenas questões gerais/superficiais da língua e visa a fornecer
subsídios para que alunos possam entendê-la sem ter de gastar anos estudando-a. É o que
se conhece como Inglês Instrumental (ou Inglês Técnico, Inglês para Fins Específicos). Pelo
propósito diferenciado, a autora ensina técnicas metacognitivas para compreender um texto
em inglês mesmo sem saber o idioma com proficiência, sendo o reconhecimento de
palavras iguais ou semelhantes uma delas. Brito esclarece na seção "Palavras Cognatas":

Grande parte do vocabulário do Inglês vem do Latim e o Português é uma


língua latina, sendo assim há muitos vocábulos nos dois idiomas que são
iguais ou muito parecidos. Tem-se então um tipo de palavras que são
chamadas palavras Cognatas, ou seja aquelas iguais ou muito parecidas na
grafia. É importante acrescentar que para que uma palavra seja Cognata,
ela deve ser não apenas parecida na grafia, mas principalmente no
significado. Tem-se então duas categorias de Cognatas: idênticas (piano,
hotel, hospital) e parecidas (intelligent, population, bank). (BRITO, s/d, p.
237)

A técnica de identificação de palavras similares pode, sem dúvida, ajudar no


aprendizado. De fato, é uma das estratégias mais úteis quando da comparação entre duas
línguas que têm pontos comuns. É necessário, contudo, atentar às exceções, chamadas de
"falsos cognatos". Ao mesmo tempo em que existem vários falsos cognatos que têm relação
com a palavra que falsamente representam por estarem no mesmo campo semântico (como
college/colégio, cigar/cigarro, parents/parentes), há os que nada têm a ver com o termo
parecido (tenant/tenente, exit/êxito, ingenious/ingênuo, policy/polícia). Por esse motivo, seria
40

mais sensato adotar essa técnica sob a supervisão de um professor. Na insistência do


autodidatismo, principalmente para o aprendiz que tem facilidade em aprender novas
línguas, seriam aconselháveis, no mínimo, consultas constantes a um dicionário.

A relação entre o inglês e o português se apresenta no método Callan de forma


diferente. Escrito por um britânico, o método não se preocupa em fazer associações diretas
do inglês com nenhuma língua, inclusive porque ele é destinado a alunos de qualquer país,
falantes de qualquer idioma. A relação que se tem com o português é apenas indireta, por
meio das influências latinas. Incluo-o aqui pelo fato de ser o único método de inglês que
conheço que aborda questões lingüísticas conscientemente. Em vários momentos, o autor
insere notas/observações sobre qualquer informação histórica ou metalingüística que ele
considere relevante, como a origem de uma determinada palavra ou de que forma
surgiu/desenvolveu-se uma regra da língua inglesa. "The word regular has many different
meanings. It comes from the Latin word 'regula' meaning 'a rule' and this therefore is its basic
meaning" (CALLAN, 2007, p. 694) é um trecho que exemplifica bem essa característica do
método. Outro bom exemplo disso é a própria citação que se encontra à página 8 deste
trabalho.

Desde que tive o primeiro contato com o Callan Method, percebi que as palavras
contidas nos estágios mais avançados (do 7 para cima) eram mais parecidas com as do
português, motivo pelo qual os alunos raramente encontravam dificuldade em entendê-las, o
que acontecia com freqüência nos estágios mais básicos. Uma análise de 200 palavras do
método comprovou a incidência maior de palavras cognatas nos últimos estágios:

GRÁFICO 2 - ORIGEM DAS 100 PRIMEIRAS PALAVRAS DO ESTÁGIO 1 - CALLAN


METHOD

Línguas germânicas - 76%

Latim (direto ou indireto) - 21%

Grego - 3%
41

GRÁFICO 3 - ORIGEM DE 100 PALAVRAS ALEATÓRIAS DOS ESTÁGIOS 7 E 8 -


CALLAN METHOD

Línguas germânicas - 45,5%


Latim (direto ou indireto) - 47,5%
Grego - 5%
Francês - 1%
Sânscrito - 1%

Dificilmente Robin Callan, o autor do método, teria feito isso pensando na língua
materna dos alunos. O mais provável é que tenha pensado em sua própria língua,
ensinando as palavras mais elementares primeiro e deixando as mais formais para depois.
De uma forma ou de outra, o fato é que essa distribuição característica dos termos facilita o
aprendizado dos alunos lusófonos no sentido de que as palavras mais complicadas para
eles aparecem logo no início. Caso consigam aprendê-las, o resto (não incluo aqui as regras
gramaticais e expressões, apenas o léxico) certamente será aprendido de forma mais
natural.

2.2 - O USO DAS INFLUÊNCIAS LATINAS SOBRE O INGLÊS NA REALIDADE DO


CONTEXTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

Para explicar de forma precisa como se podem utilizar as similaridades entre o


português e o inglês de forma proveitosa na sala de aula, parto da resposta para a seguinte
pergunta-chave: um falante de português tem mais facilidade em aprender espanhol que um
falante de russo ? Mesmo considerando as exceções (por exemplo, um russo que tem muita
facilidade em aprender línguas), presumo que a maioria das pessoas responderia
afirmativamente; mas por quê ? Afinal, que vantagem nós, lusófonos, teríamos sobre os
russos se quiséssemos aprender espanhol ? Neste caso, a resposta mais óbvia é
justamente a que estamos procurando: a semelhança. Creio que seja senso comum afirmar
que temos mais facilidade em lidar com idiomas que mais se assemelham ao nosso, motivo
pelo qual podemos, por exemplo, passar férias na Itália sem falar italiano: conseguimos nos
entender pelos pontos em comum.
42

Partindo desse mesmo pressuposto, analisemos uma questão relacionada: quem


aprenderia inglês com mais facilidade, um falante de português ou um falante de chinês ?
Novamente, arrisco afirmar que a maioria admitiria que um lusófono teria uma vantagem,
quão pequena fosse, sobre um sinófono. O porquê permanece o mesmo: as semelhanças.
Se, como tentei provar até este ponto, o inglês foi enormemente influenciado pelo latim e o
português é, como definem enciclopédias, um idioma neo-latino, por que não aproveitar as
semelhanças entre esses idiomas quando do ensino de língua inglesa ? Em outras palavras,
não se utilizar de tais semelhanças ao ensinar a língua inglesa é torná-la tão difícil a um
falante de português quanto é para um falante de chinês ou qualquer outro idioma bastante
diferente, o que não só soa ilógico como sádico. Quando um professor ou método de inglês
se exime de mencionar as semelhanças entre o inglês e o português e de utilizá-las com
propósitos pedagógicos, ele descarta ilogicamente uma vantagem natural que o aprendiz
lusófono poderia utilizar em seu próprio benefício.

Por mais insensato que isso possa parecer, vários professores e métodos se abstêm
de lidar com a questão da semelhança. Eles evitam uma abordagem que aproxima a língua
que está a ser aprendida com a que já se sabe porque acreditam, equivocadamente, que é
possível aprender um segundo idioma de forma totalmente independente do primeiro16, além
de quererem se distanciar de qualquer abordagem que tenha relação, direta ou indireta, com
a tradução, atividade mal vista nos dias de hoje como prática de ensino (mas
incansavelmente utilizada até o século passado). Preza-se, hoje, as aulas 100% na língua
estrangeira, motivo pelo qual programas de imersão são populares, ainda que seja duvidosa
sua eficácia no caso de pessoas que vão a um país sem falar nada do idioma natural de
lá17.

Embora muitos professores e métodos falhem em abordar essas questões, os alunos


por vezes podem acabar utilizando-as de forma inconsciente, já que muitas das
semelhanças entre o inglês e o português nem precisam ser mencionadas porque são
subentendidas. Mesmo que um professor não utilize as semelhanças entre essas duas
línguas como didática (ou mesmo que se negue a fazê-lo veementemente), ele já está,
indiretamente, ensinando-as a seus alunos, uma vez que é impossível "esconder" tais
características. Caso ele opte por tratar dessas semelhanças, é preciso pensar de que
forma elas podem constituir uma prática pedagógica. A meu ver, uma abordagem que
aproxime o inglês e o português serve tanto para quem está no começo de seus estudos

16
Os trabalhos de Revuz (1997), Krashen (1981), Smith, Tsimpli e Ouhalla (1993), Pereira (2001), Assis (2008),
Canato (2005) e Maia (2009), entre vários outros, abordam essa questão da influência da língua materna no
aprendizado de uma língua estrangeira.
17
Vide comentário de Krashen (198?) sobre a aquisição de uma língua estrangeira num contexto em que ela é
falada o tempo todo, mas sem as ferramentas necessárias para que seu aprendizado se concretize.
43

quanto para quem está num nível mais avançado, mas é mais indicada para quem já tem
conhecimento básico do inglês, pois seria um contrassenso começar a aprender a língua por
sua variedade mais formal. No início dos estudos, portanto, essa abordagem
desempenharia um papel mais psicológico, servindo para aproximar os alunos lusófonos do
inglês, quebrando a barreira que geralmente há entre as duas línguas — barreira essa na
maioria das vezes reforçada pelos próprios estudantes. Nos níveis mais avançados, por
outro lado, o ideal seria fazer o aluno entrar em contato com os termos parecidos com os de
sua língua de forma consciente e pedagogicamente planejada, além de ensiná-lo a adotar
uma postura crítica e investigativa acerca de suas origens para evitar cair nas armadilhas
dos falsos cognatos.

Para os alunos em estágios finais de cursos de inglês ou mesmo de cursos


universitários relacionados a Lingüística, seria interessante fazer menção a relações mais
"obscuras" entre o inglês e o português, possibilitando um aprofundamento às relações
listadas no quadro da página 34. Poder-se-ia explicar que "pregnant" não lembra nem um
pouco "grávida", mas lembra um sinônimo pouco usado, principalmente para animais
irracionais: "prenha", do latim "praegnans" (prae = pré, antes / gnans = nascer). "Wall" não
parece nem "muro" nem "parede", mas o étimo "vallum", do latim, deu origem a "vala" e
"valeta", que têm a ver com uma passagem em meio a duas paredes, como numa trincheira.
Da mesma forma, "chalk" não parece "giz", mas parece "cal", o que faz todo sentido, já que
um giz é um carbonato de cal. A origem latina "calx" também viria a dar origem a "cálcio" e
"calcium", em português e inglês, respectivamente. "Fork" parece muito mais "faca" que
"garfo", o que levaria um aluno a suspeitar que a palavra não tivesse origem latina,
possivelmente germânica. No entanto, ela vem do latim "furca" (provavelmente via francês
normando "forque"), que daria origem ao português "forca", um instrumento agrícola que
lembra um garfo ou tridente (talvez mais conhecido como "forquilha"). "Punt" não se
assemelha a "barco", mas seu étimo latino "ponto" veio de "pons", que deu origem ao
português "ponte", um termo relacionado a "barco" (de fato, um "punt" é um barco raso
capaz de passar por baixo de uma ponte, projetado para ser usado em canais de cidades
cortadas por rios, como Cambridge, que contém "bridge" no próprio nome, sendo Cam o
nome do rio que corta a cidade). "Close", do latim "clausus" (via francês "clos"), não parece
"fechar", mas os termos relacionados "clausura", "enclausurar" e "claustro" vêm de
"clausura" ("clausus" + "-sura") e "claustrum" ("claud-" + "-trum"; "clausus" é o particípio
perfeito passivo de "claud(o)"). Outros exemplos mais difíceis de serem detectados por não
serem tão óbvios incluem18:

18
Exemplos baseados em minha experiência como professor e falante de inglês como segunda língua e estudioso
do português. Para confirmação, todos os termos foram consultados nos dicionários já mencionados.
44

QUADRO 14 – TRADUÇÃO E ORIGEM COMUM DE TERMOS

TRADUÇÃO MAIS TRADUÇÃO MENOS COMUM


ORIGEM LATINA
TERMO EM INGLÊS COMUM EM OU TERMO RELACIONADO
COMUM
PORTUGUÊS EM PORTUGUÊS
candle vela candelabro candela
chest baú, arca cesta cista
claim alegar reclamar (reivindicar) clamare
cook cozinhar cocção (cozimento, cozedura) coquus/cocus/coctio
dish prato disco discus
money dinheiro monetário, moeda moneta
picture imagem, quadro pictórico, pintura pictura
priest padre presbítero presbyter
scissors tesoura cisão (corte, divisão) cisoria/cisorium/ cisus
street rua estrada strata
table mesa tábula, távola, tábua tabula
tax imposto taxa/taxar taxare
very muito deveras veras

É claro que essas informações todas são, dentro de um contexto de ensino de língua
inglesa, muito mais superficiais que as mencionadas em seções anteriores deste trabalho,
mas é justamente por isso que seriam proveitosas apenas se expostas a alunos mais
adiantados, especialmente os que demonstram interesse pela língua e pelos estudos
lingüísticos (em oposição aos que aprendem inglês apenas por obrigação). Como cada caso
é um caso, caberia ao professor analisar as variáveis e optar por utilizar ou não tal técnica
como aliada no processo de ensino de inglês.

Ainda que grande parte dos professores resista a esse tipo de abordagem de
aproximação das línguas, 84,37% dos entrevistados (13,5 de 1619) responderam que o
ensino de inglês a falantes de português pode ser facilitado devido às influências latinas
(pergunta 4.b, Anexo IV). Três professores concordaram parcialmente, com algumas
restrições: talvez isso só sirva para a escrita de textos científicos, talvez não seja benéfico
comparar aspectos gramaticais, apenas lexicais, e informação demais pode confundir o
aluno, de forma que isso só seria benéfico na medida certa, com menções esporádicas.
Mais surpreendente ainda foi que 88,88% (16 de 1819) disseram que seria interessante
tentar utilizar essa técnica de aproximação do inglês ao português como uma forma de
didática (pergunta 5). Na verdade, 20 docentes participantes19 já a utilizam rotineiramente
(pergunta 3.a). As justificativas foram as mais variadas, mas encaixam-se, de uma forma ou
de outra, dentro da proposta apresentada neste trabalho:

- Ajuda e desperta curiosidade nos alunos.

- O estudo de cognatas é plausível e interessante na parte de vocabulário.

19
As três perguntas apresentadas na análise deste parágrafo eram opcionais, de forma que houve variação no
total de respondentes. As porcentagens apresentadas, como se pode conferir nos dados entre parênteses, foram
calculadas com base nesses totais relativos, não nos absolutos. A pergunta 3.a foi respondida por 22 dos 28
entrevistados, sendo 20 deles o equivalente a 90,90%.
45

- Esclarecimento dos cognatos e compreensão da influência latina no inglês deixa os alunos


menos ansiosos e frustrados.

- Essa técnica pode ser usada no processo de conscientização (utilizar estratégia dos
cognatos para inferir significados) visando a criar um ambiente apropriado e confiável para o
aprendizado da língua estrangeira.

- É útil trabalhar prefixos e sufixos de influência latina como ferramenta para melhor
compreensão de textos em inglês.

- Essa técnica é boa para o reconhecimento de palavras e para trabalhar pronúncia e


sintaxe.

- Pode ser aplicada em momentos oportunos para desbloquear obstáculos de compreensão


de vocabulário.

- Ajuda a lembrar alguns vocábulos pela semelhança.

- Dar um sinônimo latino para uma palavra inglesa de outra origem ajuda a compreensão.

- Sinônimos e menção das influências latinas facilitam o entendimento e o aprendizado.

- Os alunos lembram mais facilmente porque não é algo novo. É menos "decoreba" e mais
raciocínio lógico.

- Incentiva os alunos na leitura e compreensão textual usando como ferramenta para


decodificar o texto.

- Pode ser citada como curiosidade.

- Alunos demonstram mais facilidade quando lidam com palavras de origem latina, então,
quando a influência não é tão óbvia, falar um pouco sobre a etimologia ajuda.

- É interessante aprender a procedência das palavras.

- Todas as formas possíveis para facilitar a aprendizagem são válidas.

- Palavras cognatas auxiliam como ferramenta básica para leitura instrumental.

- Melhora o aprendizado.

- Estruturas gramaticais parecidas facilitam a compreensão.

- É interessante e enriquecedor.

- As influências latinas são uma informação fundamental para que os alunos expandam seu
vocabulário.

- Mostrar que as línguas não são tão diferentes é um encorajamento e torna a assimilação
da língua mais fácil.
46

- Mostrar aos alunos que inglês não é de outro mundo e que tem muitas conexões com a
nossa língua mãe desbloqueia os medos do desconhecido que permeiam a mente dos
estudantes.

- Aprendemos uma LE com base em nossa língua materna, então as similaridades ajudam.

- É definitivamente possível porque é algo que as duas línguas têm em comum. As pessoas
gostam de relacionar algo que estão aprendendo com algo com que já estão familiarizadas
e essas influências ajudam a mostrar essa ligação. (tradução minha20)

As duas últimas justificativas tangem uma questão importantíssima: a do


embasamento na primeira língua, mencionada na página 42. Segundo Revuz (1997, p. 215),
"(...) a língua estrangeira é, por definição, uma segunda língua, aprendida depois e tendo
como referência a primeira língua. Pode-se aprender uma língua estrangeira somente
porque já se teve acesso à linguagem através de uma outra língua". Apesar de esse
processo natural de fundamentação poder implicar conseqüências negativas para o aluno,
como a interferência da língua materna nas áreas fonético-fonológicas (ASSIS, 2008; MAIA,
2009), semântico-lexicais e morfossintáticas (MAIA, 2009), ele também gera resultados
positivos, como no caso das "transferências positivas" tratadas por Maia (2009). Canato e
Durão concordam nesse aspecto:

O contraste das línguas serve para predizer erros e dificuldades, de modo


que o ensino deve basear-se nele para eliminar a influência negativa da LM
e potencializar o que é positivamente transferível, já que os aspectos
similares entre as línguas também são transferidos, mas, nesse caso,
colaboram com a aprendizagem. (CANATO; DURÃO, 2005, p. 5)

Opiniões mistas vieram por parte de três professores. Alegaram que só seria uma
técnica ideal à medida que fosse necessário, caso o contexto pedisse, e não o tempo todo,
que não seria adequado utilizar essa técnica como forma de ensino ou abordagem, apenas
como recurso pedagógico esporádico para facilitar a compreensão, que cada aluno aprende
de uma forma, então daria mais certo para alguns que para outros e que sua eficácia
poderia variar de acordo com a faixa etária dos alunos; talvez não fosse tão necessária com
alunos mais jovens, exceto se apresentassem dificuldade.

Interessa notar que três entrevistados citaram certa preocupação com os falsos
cognatos (questão já abordada por mim na seção anterior), o que não os impede de utilizar
as influências latinas como recurso para ensinar o inglês. Argumentam apenas que é
preciso atentar neles. Dois participantes se posicionaram contra a tradução, apesar de

20
"It's definitely possible because it's something they have in common. People like to be able to relate what
they're learning with something they're already familiar with and I think it helps to show them this link."
47

utilizarem a influência latina como recurso (por meio de comparações, sinônimos e


cognatos). Outras respostas dignas de menção por tangerem temas tratados aqui foram:

- "(...) (o) processo de conscientização (...) pode contribuir para o desvelamento das razões
de ser da situação de achar inglês difícil, e colocá-la como parecida com nossa língua em
muitos aspectos pode constituir-se em ação transformadora desta percepção equivocada da
realidade pelo aluno."

- "Quanto mais próximo a lingua estrangeira estiver da língua materna do indivíduo mais fácil
será para que ele desenvolva e aprenda o novo idioma." (sic)

- "Acredito que quanto mais línguas falamos, mais facilidade temos em aprender outras. Eu
por exemplo, falo português, inglês e espanhol. Estou estudando Frances no momento e até
agora está tudo muito tranquilo para mim. Percebo que muitas palavras, acentos e estrutura
gramatical são semelhantes as demais línguas que já domino." (sic)

- Certamente seria interessante tentar. A questão é como aplicar isso na aula e ainda
continuar interessante, já que muitas pessoas pensam no latim como uma língua
desatualizada que não se é mais relevante estudar ou usar. (tradução minha21)

Com relação à última resposta, convém lembrar que a proposta apresentada aqui
não é ensinar latim, mas sim utilizar-se das influências dele sobre o inglês para aproximar
essa segunda língua do português no âmbito educacional. Com base em minha experiência
e na opinião de vários professores, concluo que, inserida num contexto mais diverso, na
sala de aula, essa estratégia, aliada a outras de diferentes áreas e linhas, tem o potencial de
contribuir positivamente para a formação histórico-cultural, lingüística e intelectual do
aprendiz de língua inglesa.

21
"Surely would be interesting to try. The question is how to implement it in the class and still remain engaging
as many people think of Latin as an out-dated language that is no longer relevant to study or use."
48

CONCLUSÃO

Ao longo deste trabalho, tentei argumentar que o uso das influências latinas sobre o
inglês é útil para facilitar, clarificar e enriquecer o ensino desse idioma. Facilitar porque é
mais fácil aprender uma língua que se parece com sua própria, principalmente concernindo
aspectos visuais, ou seja, que podem ser percebidos a olho nu por qualquer leigo, como
palavras e ordem sintática, de modo que fazer correlações entre o inglês e o português pode
motivar os alunos nesse sentido. Clarificar porque, dessa vantagem de falantes de línguas
neo-latinas, advém a possibilidade de se utilizar das semelhanças lingüísticas para explicar
o que talvez fosse mais complexo caso o estudante não falasse um idioma românico, como
dar sinônimos latinos para phrasal verbs de origem germânica ou comparar estruturas
parecidas para uma compreensão mais rápida e completa. Enriquecer porque, como já
esclarecido, algumas informações sobre semelhanças e equivalências entre o inglês e o
português por intermédio do latim são ou superficiais ou muito avançadas para a maioria
dos alunos, de forma que suas menções são mais proveitosas como curiosidades, a título
de enriquecimento cultural e ampliação de conhecimento lingüístico a quem se interesse.

Vale ressaltar que essa abordagem aqui discutida só é relevante para falantes de
línguas neo-latinas, sendo meu foco o português. Não faria sentido utilizá-la para um falante
de polonês, japonês, hebraico ou qualquer outro idioma que não descende do latim.
Também vale ressaltar que não se espera que o aluno saiba latim (ainda mais pelo fato de
ser considerada, atualmente, uma língua morta, cujo aprendizado é taxado de
desnecessário ou inútil pela maioria dos estudantes). Espera-se apenas que, como todo
bom aluno, ele tenha vasto conhecimento de sua própria língua (afinal, é com base nela que
ele aprenderá a língua estrangeira, visto que só se aprende uma segunda língua se já se
tem uma primeira).

Um dos intuitos também foi mostrar que está errado quem afirma que o inglês e o
português são línguas muito diferentes. Procurei apontar as semelhanças entre essas
línguas, principalmente no que diz respeito ao léxico, porque acredito que essa seja uma
forma de estimular os alunos, ultrapassando a barreira psicológica imposta pela leiguice
popular. Eles sempre procuram por semelhanças, pois é natural que prefiram aprender uma
língua parecida com a sua em vez de uma totalmente diferente. Isso não deve fomentar,
todavia, a idéia equivocada de que o inglês é uma língua fácil. Tentei explicar, na seção
histórica deste trabalho, como se deu o surgimento do inglês e como ele evoluiu
enormemente de sua gênese até tempos modernos. Não podemos nos esquecer de como o
inglês antigo era bem diferente do inglês atual, em geral por sua grande semelhança com as
49

línguas germânicas e por sua alta complexidade: era um idioma de plurais metafônicos (dos
quais só temos resquícios hoje em dia: goose/geese, mouse/mice etc.), três gêneros
nominais (masculino, feminino e neutro), declinação de substantivos com quatro casos,
adjetivos e pronomes flexionados, conjugação verbal complexa, pronúncias intrincadas etc.
Tudo isso seria o suficiente para impedir que um falante atual do inglês conseguisse
compreendê-lo (STÖRIG, 1990, p. 165). Portanto, se, nos dias hodiernos, o é inglês muito
mais parecido com o português do que foi no passado, pode-se dizer que foi em virtude dos
processos de "latinização" e de "romanização", os quais proporcionaram uma impressão de
"facilitamento" ou "simplificação" aos olhos dos lusófonos. Todavia, ainda hoje é preciso
tratar o inglês com o devido respeito no que se refere ao nível de dificuldade, tendo sempre
em mente que nenhuma língua deve ser subestimada. Störig argumenta que

O inglês falado sofreu transformações decisivas (mutações consonânticas)


durante sua evolução (...). Atualmente, possui não menos que doze
enunciados vocálicos e nove ditongos diferentes, um total de 21 'fonemas
vocálicos'. Como representá-los todos na escrita se o alfabeto latino usado
pelo inglês possui apenas cinco caracteres vocálicos? Esta é uma das
causas do abismo existente entre pronúncia e escrita, que torna o inglês
atual difícil de ser aprendido pelo estrangeiro. Praticamente não há regras
que permitam a quem está aprendendo pronunciar corretamente palavras
não previamente conhecidas. E o mesmo som pode apresentar-se na
escrita de formas totalmente diversas. (...) A ortografia ora vigente remonta
basicamente ao século XV e as mudanças na pronúncia que ocorreram
posteriormente não foram adaptadas a ela. Este é o segundo motivo pelo
qual 'sound' e 'spelling' divergem tanto atualmente. (...) É digno de reflexão,
e até mesmo de espanto, o fato de que uma língua com uma ortografia tão
complicada e arcaica tenha atingido a posição de idioma universal.
(STÖRIG, 1990, p. 172 e 173)

Sobre a origem do inglês, Linhares (s/d, p. 2185) argumenta que é preciso


desmistificar o conceito errôneo que se tem de que ela é latina ou mista latino-germânica
(ainda que tal disparate tenha chegado a mim da forma oposta: "o inglês vem do alemão", e
não "o inglês vem do latim"). De qualquer forma, seu apontamento é correto e corroborado
pela lingüística histórica, que prova ser o inglês de origem somente germânica, embora não
descendente do alemão. O autor defende a idéia de que esse mito propagou-se devido ao
conhecimento de que uma grande proporção do léxico inglês tem por origem o latim.
Contudo, ele vai além ao asseverar que esse conhecimento em si já constitui um leve
equívoco, visto que o léxico do inglês não tem origem latina propriamente dita, mas
românica, ou seja, vem do francês (e um pouco de outras línguas neo-latinas). Com este
trabalho, procurei demonstrar que esta última afirmação de Linhares é falha, visto que ele
parece não considerar que três entre as quatro fases de influência latina foram diretamente
da língua dos romanos (fato confirmado pelos estudos históricos da origem e do
desenvolvimento do inglês e pela porcentagem de termos latinos nas pesquisas léxico-
50

estatísticas). De fato, a fase de influência mais importante foi a francesa, tendo a língua de
Guilherme, o conquistador, contribuído com mais de 10.000 palavras, a maioria de uso
cotidiano, em oposição às romanas, geralmente utilizadas em contextos menos comuns.
Não obstante, esclareci desde o início deste artigo que trataria tanto das influências diretas
quanto das indiretas, visto que não se pode ignorar que a própria língua francesa é derivada
do latim, motivo pelo qual mesmo os termos ingleses que vêm do francês, e não diretamente
do latim, assemelham-se ao nosso português, o que pode contribuir imensamente para o
entendimento dos lusófonos quando de um contexto de ensino-aprendizagem.

Pode-se dizer, com relativa segurança, que o inglês como se apresenta hoje é um
misto de influências germânicas e latinas, ainda que influências de outros grupos lingüísticos
também existam. Berlitz (1982, p. 25) articula: "por causa da longa ocupação romana na
Inglaterra, das invasões e da colonização germânicas que se seguiram e da conquista
normanda em 1066, o inglês está lingüisticamente a meio caminho entre as línguas latinas e
germânicas". Como demonstrado neste trabalho, as semelhanças por intermédio direto ou
indireto do latim restringem-se, basicamente, a questões morfossintáticas, principalmente
lexicais. Somente isso não é o suficiente para compor a base de um novo método de ensino
ou ser o foco de um novo material didático de inglês, visto que uma abordagem educacional
que se baseia apenas no léxico não é substanciosa. Contudo, num processo mais amplo de
ensino-aprendizagem, o aluno munido de tal conhecimento lingüístico pode, sem dúvida,
fruir de seus inegáveis benefícios.
51

BIBLIOGRAFIA

ASSIS, Alessandra Mara de. A Interferência Fonológica do Português - L1 - na Aquisição de


Inglês - L2: "Os Traços [+tenso] e [-tenso]". Universidade Federal de Uberlândia, 2008.
Disponível em:
<http://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/2059/1/Interfer%C3%AAnciaFonol%C3%B3gi
caPortugu%C3%AAs.pdf>. Acesso em: 04/11/2014.

BAUGH, Albert C.; CABLE, Thomas. Latin Influences on Old English. In: A History of the
English Language. 2ª edição. Nova Iorque: Appleton-Century-Crofts, Inc., 1957, p. 86-106.
Trecho da 3ª edição (1978) disponível em: <www.orbilat.com/Influences_of_Romance/
English/RIFL-English-Latin-The_Inflluences_on_Old_English.html>. Acesso em: 27/09/2014.

BAUGH, Albert C. The Chronology of Loan-Words in English. 1935. Modern Language


Notes.

BERLITZ, Charles. As Línguas do Mundo. Traduzido por Heloísa Gonçalves Barbosa. São
Paulo: Círculo do Livro, 1982.

BRITO, Simone Afini Cardoso. Inglês instrumental. In: Técnico em Redes de Computadores.
Brasil: Editora etb, sem data.

BRUNIERA, Celina. Influências do latim: latim influenciou a língua inglesa. 2005. Disponível
em: <http://educacao.uol.com.br/disciplinas/ingles/influencia-do-latim-latim-influenciou-
lingua-inglesa.htm>. Acesso em: 25/08/2014.

______. Origens do Inglês: História da língua inglesa. 2005. Disponível em:


<http://educacao.uol.com.br/disciplinas/ingles/origens-do-ingles-historia-da-lingua-
inglesa.htm>. Acesso em: 25/08/2014.

CALLAN, Robin (1960). Callan Method - Student's Book 4. Cambridge: Orchard Publishing
Ltd, 2007.

CAMBRIDGE DICTIONARIES ONLINE. Inglaterra: Cambridge University Press, 2014.


Disponível em: <http://dictionary.cambridge.org>. Acesso de Agosto a Outubro de 2014.

CANATO, Ana Paul Marques Beato; DURÃO, Adja Balbino de Amorim Barbieri. A Influência
do Português como Língua Materna no Processo de Aprendizagem de Inglês como Língua
Estrangeira: A Questão do Sujeito Gramatical. Revista Investigações, vol. 18, 2005.
Disponível em:
<www.revistainvestigacoes.com.br/Volumes/Vol.18.N.2_2005_ARTIGOSWEB/AdjaBarbiere
Durao-AnaPaulaCanato_A_INFLUENCIA-DO-PORTUGUES_Vol18-N2_Art09.pdf>. Acesso
em: 04/11/2014.

DEKEYSER, Xavier. Romance Loans in Middle English: a re-assessment. 1986. In: Dieter
Kastovsky - Aleksander Szwedek (eds.). Linguistics across Historical and Geographical
Boundaries. Berlin: Mouton-de Gruyter.
52

DICIONÁRIO PRIBERAM ONLINE. Portugal, 2008 - 2014. Disponível em:


<www.priberam.pt/DLPO>. Acesso em: Agosto e Setembro de 2014.

FINKENSTAEDT, Thomas; WOLFF, Dieter. Ordered profusion; studies in dictionaries and


the English lexicon. 1973.

FROST, Andrew. English for Legal Professionals. Oxford: Oxford University Press, 2009.

HAUGEN, Einar Ingvald. Línguas nacionais e internacionais. In: Aspectos da Lingüística


Moderna. HILL, Archibald Anderson (org.). Traduzido por Adair Pimentel Palácio, Maria do
Amparo B. de Azevedo e Maria Antonieta Alba Celani. São Paulo: Cultrix, 1972, p.106-116.

HISTÓRIA DO MUNDO: Língua Inglesa - História da Língua Inglesa. 2014. Disponível em:
<www.historiadomundo.com.br/inglesa/lingua-inglesa.htm>. Acesso em: 27/08/2014.

HOGG, Richard M. The Cambridge History of the English Language. Vol. 1. Cambridge:
Cambridge University Press, 1992.

KATSIAVRIADES, Kryss; QURESHI, Talaat. The Origin and History of the English
Language. Sem data. Disponível em: <www.krysstal.com/english.html>. Acesso em:
26/08/2014.

KURATH, Hans. Alguns aspectos da história da língua inglesa. In: Aspectos da Lingüística
Moderna. HILL, Archibald Anderson (org.). Traduzido por Adair Pimentel Palácio, Maria do
Amparo B. de Azevedo e Maria Antonieta Alba Celani. São Paulo: Cultrix, 1972, p. 74-81.

KRASHEN, Stephen D. Second Language Acquisition and Second Language Learning.


Pergamon Press Inc., 1981, p. 64-69. Disponível em:
<http://sdkrashen.com/content/books/sl_acquisition_and_learning.pdf>. Acesso em:
03/11/2014.

______. Stephen Krashen on Language Acquisition Part 2 of 2. 198?. Disponível em:


<www.youtube.com/watch?v=ak3UrGCj71s>. Acesso em: 04/11/2014.

LINHARES, Miguel Afonso. A formação do léxico românico e o mito da origem híbrida do


inglês. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima, sem data.
Disponível em: <www.filologia.org.br/xiv_cnlf/tomo_3/2167-2187.pdf>. Acesso em:
20/09/2014.

MAIA, Ana Meire Bezerra da. Os Erros de Interlíngua na Produção Escrita da LE (inglês):
um estudo com alunos do ensino médio de uma escola pública do Distrito Federal.
Universidade de Brasília, 2009. Disponível em:
<http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=4891>. Acesso
em: 04/11/2014.

MOORE, Edward. The Influence of Latin on Old English. 2000. Disponível em:
<http://homes.chass.utoronto.ca/~cpercy/courses/1001Moore.htm>. Acesso em: 27/09/2014.
53

MOSSÉ, Ferdinand. On the Chronology of French Loan-Words in English. 1943. English


Studies.

MOULTON, William Gamwell. Natureza e história da Lingüística. In: Aspectos da Lingüística


Moderna. HILL, Archibald Anderson (org.). Traduzido por Adair Pimentel Palácio, Maria do
Amparo B. de Azevedo e Maria Antonieta Alba Celani. São Paulo: Cultrix, 1972, p.3-17.

NATION, I. S. Paul. Learning Vocabulary in Another Language. Inglaterra: Cambridge


University Press, 2001, p. 265.

OJIBWA. Origins of English: Latin. 2012. Disponível em: <www.dailykos.com/story/


2012/03/10/1073076/-Origins-of-English-Latin>. Acesso em: 17/09/2014.

OXFORD DICTIONARIES. Inglaterra: Oxford University Press, 2014. Disponível em:


<www.oxforddictionaries.com>. Acesso de Agosto a Outubro de 2014.

PEREIRA, Elizabete Francisca de Oliveira. O Papel da Língua Materna na Aquisição de


Língua Estrangeira. Revista da Faculdade de Educação da UFG, vol. 26, 2001. Disponível
em: <www.revistas.ufg.br/index.php/interacao/article/viewFile/1600/1565>. Acesso em:
04/11/2014.

REVUZ, C. A língua estrangeira entre o desejo de um outro lugar e o risco do exílio. In:
Lingua(gem) e identidade. São Paulo: Mercado das Letras, 1997.

MOORE, Bob; MOORE, Maxine. NTC’s dictionary of Latin and Greek origins. Estados
Unidos: NTC Publishing Group, 1996.

RIBEIRO, Adriana K. P. A língua inglesa é também uma língua latina ?. São Paulo, 2009.
Disponível em: <www.trabalhosfeitos.com/ensaios/a-Influ%C3%AAncia-Do-Latim-Na-
Forma%C3%A7%C3%A3o/38624173.html>. Acesso em: 20/08/2014.

ROMANCE INFLUENCES ON ENGLISH. Orbis Latinus. Sem data. Disponível em:


<www.orbilat.com/Influences_of_Romance/English/index.html>. Acesso em: Setembro de
2014

SAPIR, Edward. How Languages Influence Each Other. In: Language: An Introduction to the
Study of Speech, 1921. Disponível em: <www.bartleby.com/186/9.html>. Acesso em:
17/09/2014.

SCHÜTZ, Ricardo. História da Língua Inglesa. In: English Made in Brazil. Disponível em:
<www.sk.com.br/sk-enhis.html>. Atualizado em 01/10/2013. Acesso em: 25/08/2014.

SERJEANTSON, Mary. A History of Foreign Words in English. 1937. London: Kegan Paul
and Routledge.

SILVA, Daiane da. As origens da língua inglesa. 2011. Disponível em: <http://englishmaze.
wordpress.com/2011/01/25/as-origens-da-lingua-inglesa>. Acesso em: 27/08/2014.
54

SILVA, Jeane Farias da; LIMA, Rosângela Nunes de. A Herança Latina na Língua Inglesa.
Anais do I Seminário Formação de Professores e Ensino de Língua Inglesa, vol. 1, 2011 –
ISSN: 2236-2061. Disponível em: <https://sites.google.com/site/sefeliufs/comunicacoes>.
Acesso em: 19/09/2014.

SILVA, Jeane Farias da. Análise diacrônica da influência do latim na língua inglesa. 2011.
Disponível em: <http://blogjeanesilvae.blogspot.com.br/2011/04/analise-diacronica-da-
influencia-do.html>. Acesso em: 17/09/2014.

SILVA, Maria Tavares Elza. Léxico e Vocabulário. Sem data. Disponível em:
<http://classe3310direitoumc.blogspot.com.br/2013/03/lexico-e-vocabulario.html>. Acesso
em: 28/08/2014.

SMITH, Neil V.; TSIMPLI, lanthi-Maria; OUHALLA, Jamal. Learning the impossible: The
acquisition of possible and impossible languages by a polyglot savant. 1993, p. 20.
Disponível em: <http://web.mit.edu/6.863/www/readings/smith-epun.pdf>. Acesso em:
03/11/2014.

STÖRIG, Hans Joachim. A Aventura das Línguas: Uma viagem através da História dos
idiomas do mundo. Traduzido por Glória Paschoal de Camargo. Melhoramentos, 1990.

THE ADVENTURE OF ENGLISH: The Biography of a Language. Série de 8 episódios criada


e apresentada Melvyn Bragg. Inglaterra: ITV/Athena, 2003/2009. DVD, NTSC, colorido,
sonoro, inglês. Disponível em:
<www.youtube.com/watch?v=D9HxXjqWdoQ&list=PL8B97E6A3F56735CD>. Acesso em:
Agosto de 2014.

THE FREE DICTIONARY. Pennsylvania: Farlex, 2014. Disponível em:


<www.thefreedictionary.com>. Acesso de Agosto a Outubro de 2014.

THE HISTORY OF ENGLISH IN TEN MINUTES. Sem data (atualizado em 2011). Disponível
em: <www.open.edu/openlearn/languages/english-language/the-history-english-ten-
minutes>. Acesso em: Agosto de 2014.

TOMLIN, Russell. Basic Word Order: Functional Principles. Londres: Croom Helm, 1986, p.
22.

VENTURINI, Laércio. Origem e desenvolvimento da língua inglesa. Sem data. Disponível


em:
<www.startenglish.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=100&Itemid=97>.
Acesso em: 27/08/2014.

WIKIPEDIA, the free encyclopedia. Caesar's invasions of Britain. Florida: Wikimedia


Foundation, 2014. Disponível em:
<http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Caesar%27s_invasions_of_Britain&oldid=6296623
76>. Acesso em: Setembro de 2014.
55

WIKIPEDIA, the free encyclopedia. Latin influence in English. Florida: Wikimedia Foundation,
2014. Disponível em:
<http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Latin_influence_in_English&oldid=610469547>.
Acesso em: Agosto de 2014.

WIKIPEDIA, the free encyclopedia. Latin. Florida: Wikimedia Foundation, 2014. Disponível
em: <http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Latin&oldid=623955404>. Acesso em: Agosto
e Setembro de 2014.

WIKIPEDIA, the free encyclopedia. List of Germanic and Latinate equivalents in English.
Florida: Wikimedia Foundation, 2014. Disponível em:
<http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Germanic_and_Latinate_equivalents_in_English>.
Acesso em: Outubro de 2014.

WIKIPEDIA, the free encyclopedia. List of Latin words with English derivatives. Florida:
Wikimedia Foundation, 2014. Disponível em:
<http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Latin_words_with_English_derivatives>. Acesso em:
Setembro de 2014.

WIKIPEDIA, the free encyclopedia. Most common words in English. Florida: Wikimedia
Foundation, 2014. Disponível em:
<http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Most_common_words_in_English&oldid=6250957
63>. Acesso em: 16/09/2014

WIKIPEDIA, the free encyclopedia. Roman conquest of Britain. Florida: Wikimedia


Foundation, 2014. Disponível em:
<http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Roman_conquest_of_Britain&oldid=630097943>.
Acesso em: Setembro de 2014.

WIKTIONARY, the free dictionary. Appendix:English words by Latin antecedents. Florida:


Wikimedia Foundation, 2014. Disponível em:
<http://en.wiktionary.org/wiki/Appendix:English_words_by_Latin_antecedents>. Acesso em:
Setembro de 2014.

WIKTIONARY, the free dictionary. Florida: Wikimedia Foundation, 2014. Disponível em:
<www.wiktionary.org>. Acesso de Agosto a Outubro de 2014.

WILLIAMS, Joseph M. Origins of the English Language: A social and linguistic history.
Estados Unidos: Free Press, 1986.
56

ANEXO I - CRONOLOGIA DA LÍNGUA INGLESA (DA ORIGEM A 1650)

55 e 54 AEC - Primeiras incursões romanas, lideradas por Júlio César, à ilha que
conhecemos atualmente como Grã-Bretanha.

43 ou 44 EC - Romanos invadiram e dominaram a ilha da Grã-Bretanha (à época chamada


por eles de "Britannia") durante o reinado do imperador Cláudio.

409 ou 410 - Romanos deixaram a Britânia, provavelmente para se concentrarem nos


freqüentes ataques que o império estava recebendo na Europa continental.

449/450 ou 491 - Povos germânicos (anglos, saxões, jutos e frísios) invadiram a ilha
britânica e acabaram com muitos dos celtas que ali haviam se estabelecido séculos antes.

Data indefinida, por volta de 500 - As línguas dos anglos e dos saxões se fundiram e deram
origem ao anglo-saxão, o qual evoluiu e virou o "Old English" (inglês antigo).

500 a 1100 - Fase em que se utilizou o agora chamado Old English (inglês antigo, anglo-
saxão ou Anglisc/Englisc).

Final do século 6/começo do século 7 - Tribos germânicas invasoras já dominavam metade


da ilha e a dividiram em 7 áreas: Wessex, Sussex, Essex ("sex" vindo de "saxon"), Kent,
East Anglia (de "angles", que também deram à Inglaterra seu nome), Mercia e Northumbria.

596 ou 597 - Com a expansão do Cristianismo, o monge beneditino (que se tornou o


primeiro arcebispo de Canterbury) Agostinho viajou de Roma para Kent, enviado pelo papa
Gregório Magno. Na mesma época, monges irlandeses de igrejas celtas se estabeleceram
no norte. Em um século, os cristãos construíram várias igrejas e monastérios. Livros
(religiosos) foram escritos, divulgando, assim, a língua latina. Entretanto, só os "educados"
falavam latim; o povo continuava falando inglês antigo, que também começou a ser escrito.
O alfabeto adotado foi o latino, mas com alguns caracteres (runas) derivados dos alfabetos
dos povos germânicos invasores: as inscrições rúnicas. Séculos mais tarde, esses
caracteres especiais viriam a cair em desuso e somente as letras latinas sobreviveriam.

Entre a metade do século 7 e o final do século 10 - Escrito o mito épico Beowulf em inglês
antigo em forma de epopéia. Foi feito com a intenção de ser lido em voz alta.

Final do século 8 - Vikings começaram a invadir a Grã-Bretanha vindos da Escandinávia,


pelo leste. Saqueavam, destruíam e queimavam o que conseguiam. Essa fase sombria
durou 70 anos.

865 - Os Vikings (agora já chamados danos) chegaram a East Anglia com um vasto exército
e começaram a dominar a ilha, avançado para o oeste. Em 5 anos, conseguiram se
espalhar por quase toda a Inglaterra, levando consigo o "Old Norse" (nórdico antigo), sua
língua materna. Só não invadiram Wessex, no extremo oposto do local de chegada. Tal
como o inglês antigo tinha substituído a língua celta falada ali anos antes, agora o nórdico
antigo substituiu o inglês antigo.

878 - Os danos enfrentaram os homens de Alfred, O Grande, rei de Wessex, em Wiltshire.


Alfred e seus 4.000 homens ganharam dos 5.000 danos.

(após a vitória de Alfred) - foi assinado um tratado de paz e instituída uma barreira entre
Wessex e Danelaw, a terra ocupada pelo danos restantes. Eles só poderiam transgredir a
linha para fazer trocas (escambos).
57

Fim do século 9 - O inglês antigo falado sobreviveu à invasão dos danos. O rei Alfred
mandou traduzirem 5 livros de religião, filosofia e história para a língua que o povo falava.
Cópias foram mandadas para os 12 bispos do país, para que eles promovessem esses
conhecimentos em inglês antigo, não em latim. Esses foram alguns dos primeiros registros
de inglês antigo escrito.

1066 - Guilherme, duque da Normandia, chegou à ilha britânica para reclamar o trono, ao
qual acreditava piamente que tinha direito. O rei Edward o havia nomeado seu sucessor,
mas seu filho Harold ignorou o fato e se coroou o novo monarca. Guilherme venceu a
famosa batalha de Hastings e se tornou rei. Trouxe consigo seus costumes e sua língua: o
francês antigo.

1077 - Guilherme mandou construir a White Tower, ao lado do Tâmisa.

Data incerta - O inglês antigo escrito começou a morrer, pois os normandos escreviam em
francês e latim. Entretanto, ainda era falado por 90% da população, ou seja, a maior e mais
simples camada da sociedade (em contraposição ao latim do clero e dos cultos e ao francês
dos nobres e da realeza). 95% do povo vivia no campo na época feudal (feudalismo
introduzido por Guilherme).

1100 a 1500 - Fase em que se utilizou o agora chamado Middle English (inglês médio).

1204 - John, rei da Normandia, Aquitânia e Inglaterra, perdeu as terras da Normandia para o
pequeno reino da França. Com isso, os normandos que haviam se estabelecido na Grã-
Bretanha perderam contato com suas raízes. Com o passar dos anos, foram se casando
com inglesas. Assim, muitas das crianças nascidas nessa época eram bilíngües.

Meio do século 13 - Cada vez mais falantes de francês começaram a falar inglês, tornando-
se bilíngües. Entretanto, o francês ainda influenciava o inglês, com mais palavras sendo
adicionadas ao vocabulário do povo inglês a cada dia. Em vez de substituir as palavras
inglesas, as francesas conviviam com elas, por vezes usadas como sinônimos e às vezes
usadas com sentidos um pouco diferentes, mas, de qualquer forma, elas ajudaram a
ampliar/enriquecer o vocabulário do inglês.

1295 - Rei Eduardo I usou o inglês para reunir apoio do povo quando da ameaça de ataque
do rei Felipe da França. Contudo, latim e francês continuavam sendo as línguas oficiais, do
Estado.

1300 - Roberto de Gloucester escreveu que o inglês era usado apenas por "low people".

1325 - Guilherme de Nassyngton escreveu "Latin can no-one speak, but those who went to
school do know. Some know French, but not Latin, who are used to court and dwell therein.
And some know Latin, though just in part, whose use of French is less than art. And some
can understand English, but neither Latin nor French. But unlettered or learned, old and
young, all understand the English tongue."

1348 - A Peste Negra chegou à ilha britânica. Entre um quarto e um terço da população de 4
milhões da Inglaterra morreu. Nos anos seguintes, o clero, que falava latim, foi reduzido à
quase metade. Leigos da igreja (fiéis), que não eram tão bem educados, os substituíram,
mas só falavam inglês.

1362 - Foi decretado que o inglês também poderia ser usado na corte, já que poucos
entendiam o francês a essa altura. Também foi utilizado pela primeira vez na abertura do
Parlamento.
58

1380 - John Wycliffe organizou a primeira bíblia em inglês, traduzida do latim. O trabalho foi
feito em Oxford por vários tradutores. Sem prática de tradução e com receio de lidar com "a
palavra de Deus", eles fizeram uma tradução bastante literal, mantendo até a ordem das
palavras latinas. Alguns termos da língua não foram traduzidos ou foram adaptados,
aparecendo em inglês pela primeira vez (emperor, justice, profession, city, suddenly, angel,
multitude, glory...).

1382 - Uma reunião do clero condenou Wycliffe e seu trabalho, chamando-o de herege e
sentenciando seus seguidores à prisão. Todas as bíblias em inglês foram banidas.

1385 - O inglês substituiu o francês nas escolas e a demanda por livros naquela língua
aumentou. Começou a ser usado, também, para assuntos legais e governamentais.

Próximo a 1387 - Geoffrey Chaucer começa os Canterbury Tales e é reconhecido, mais


tarde, como o primeiro autor literário de língua inglesa (de facto). Ele ajuda a estabelecer o
inglês, bem como adiciona algumas palavras a ele e retoma algumas esquecidas desde
antes da invasão normanda. Chaucer sabia latim, francês e italiano, dando vida, em sua
obras, ao inglês da época: a mistura de influências românicas e germânicas. (STÖRIG,
1990, p. 166)

1399 - Richard II foi deposto por Henry, Duque de Lancaster, e a Inglaterra teve seu primeiro
rei falante de inglês desde 1066, quando Harold foi derrotado por Guilherme. Fez seu
discurso de coroação em inglês, a língua do povo, e foi nomeado Henry IV.

1417 - Henry V escreve cartas oficiais em inglês pela primeira vez. Até então, os reis
continuavam usando o francês como a língua oficial, apesar de já falarem inglês desde
Henry IV, seu pai. Continuou usando inglês e deu um passo à frente no processo de
oficialização da língua pelo Estado.

1428 - Depois de anos, a Igreja continuou queimando as bíblias inglesas e pessoas. Um


conselho organizado pela igreja católica ordenou que os ossos de Wycliffe fossem
desenterrados e queimados por sua heresia.

Entre 1469 e 1479 - Documentos oficiais/legais escritos em inglês e mandados para todo o
país começaram a estabelecer uma forma padrão do inglês. As variações aos poucos
começaram a diminuir.

1476 - William Caxton introduziu a imprensa à Inglaterra. Ele, bem como outros
impressores, decidiam quais palavras usar em suas publicações (Canterbury Tales e King
Arthur, por exemplo), influenciando, assim, a forma como passou a se escrever depois.

1500 - O inglês já havia se padronizado o suficiente a ponto de ser reconhecido por leitores
atuais com razoável facilidade.

1500 à atualidade - Fase de utilização do chamado Modern English (inglês moderno),


chamado nos primeiros anos de Early Modern English (final do século 15 ao meio do século
17).

Séculos 15 e 16 - Fase em que ocorreu a chamada Grande Mudança Vocálica na língua


inglesa, que consistiu numa variação de praticamente todas as pronúncias de vogais.

1521 - A mando de Henry VIII, uma enorme fogueira foi feita em frente à Catedral de São
Paulo original para queimar livros hereges, incluindo cópias manuscritas da bíblia incorreta
de Wycliffe, que ainda circulavam pelo país.
59

1524 - William Tyndale partiu da Inglaterra para Colônia, Alemanha, e começou uma
tradução original e inovadora da bíblia: direta do hebreu e do grego. Essa versão foi
produzida em larga escala (com a ajuda dos já estabelecidos métodos de imprensa). Em
1526, 6.000 cópias já haviam sido feitas. O rei Henry VIII mandou interceptar navios que
chegavam à costa da Grã-Bretanha para confiscar tais livros. 85% de sua bíblia foram
usados para a versão do rei James em 1611. Ele introduziu várias expressões (sick to
death, broken heart, the powers that be, sign of the times) e palavras (beautiful, fisherman,
seashore, viper, zealous) ao inglês.

1535 - Tyndale foi preso. No ano seguinte, foi condenado nos Países Baixos, estrangulado e
queimado. A bíblia de Coverdale, traduzida do alemão, foi a primeira bíblia em inglês a ser
aceita legalmente, por Henry VIII. Nos 6 anos seguintes, mais cinco bíblias em inglês foram
autorizadas e produzidas.

1604 - Robert Cawdrey escreveu o primeiro dicionário da língua inglesa. Chamava-se A


Table Alphabeticall e continha apenas 2.543 palavras, todas um tanto incomuns, vindas do
latim, francês, hebreu ou grego. Foi feito para o povo entender as escrituras e sermões.

1611 - Havia tantas versões da bíblia que o rei James I requisitou uma versão padronizada,
a que conhecemos hoje como King James Version, baseada na versão de Tyndale, sem
qualquer atualização de grafia ou de uso de palavras.

Século 16 e parte do século 17 - Estudiosos de Cambridge e Oxford, as duas maiores


cidades universitárias da Inglaterra, retomaram as línguas clássicas: latim e grego. Foram
instituídas aulas de latim e grego clássicos nas universidades. O latim tornou-se a língua
dos estudos, da ciência, da filosofia, do pensamento clássico e da diplomacia (ainda é
usado atualmente em cerimônias da Universidade de Oxford). Estudiosos ingleses
escreviam e falavam latim, de forma que conseguiam se comunicar com outros estudiosos
europeus, já que latim era a língua franca da época. Com o passar dos anos, milhares de
palavras latinas técnicas ou científicas entraram diretamente no vocabulário desses
estudiosos.

Século 16 - Alguns estudiosos eram contra a inclusão de termos clássicos ao inglês, entre
eles, Sir John Cheke, que disse "a língua inglesa não deve ser poluída por outras línguas".
Ele escreveu diversos textos evitando palavras emprestadas de outros idiomas e até
inventou algumas baseando-se em raízes germânicas para substituir as latinas.

Século 16 e começo do século 17 - Já havia se estabelecido o que se chama hoje de "inglês


moderno", o qual tornou-se o inglês falado e escrito atualmente.

Obs.: cronologia embasada em THE ADVENTURE OF ENGLISH, 2003.


60

ANEXO II - LISTA SWADESH COM 100 TERMOS (1971)

1. I (pers. pron. 1. sg.) 2. you (2. sg. thou & ye) 3. we (inclusive)
4. this 5. that 6. who?
7. what? 8. not 9. all (of a number)
10. many 11. one 12. two
13. big 14. long (not 'wide') 15. small
16. woman 17. man (adult male human) 18. person (individual
human)
19. fish (noun) 20. bird 21. dog
22. louse 23. tree (not log) 24. seed (noun)
25. leaf (botanics) 26. root (botanics) 27. bark (of tree)
28. skin (person’s) 29. flesh (meat, flesh) 30. blood
31. bone 32. grease (fat, organic 33. egg
substance)
34. horn (of bull etc.) 35. tail 36. feather (large, not down)
37. hair (on head of humans) 38. head (anatomic) 39. ear
40. eye 41. nose 42. mouth
43. tooth (front, rather than 44. tongue (anatomical) 45. claw
molar)
46. foot (not leg) 47. knee 48. hand
49. belly (lower part of body, 50. neck (not nape) 51. breasts (female)
abdomen)
52. heart 53. liver 54. drink (verb)
55. eat (verb) 56. bite (verb) 57. see (verb)
58. hear (verb) 59. know (facts) 60. sleep (verb)
61. die (verb) 62. kill (verb) 63. swim (verb)
64. fly (verb) 65. walk (verb) 66. come (verb)
67. lie (on side, recline) 68. sit (verb) 69. stand (verb)
70. give (verb) 71. say (verb) 72. sun
73. moon 74. star 75. water (noun)
76. rain (noun) 77. stone 78. sand (opposite to
following)
79. earth (=soil) 80. cloud (not fog) 81. smoke (noun, of fire)
82. fire 83. ash(es) 84. burn (verb intr.)
85. path (road, trail; not 86. mountain (not hill) 87. red (colour)
street)
88. green (colour) 89. yellow (colour) 90. white (colour)
91. black (colour) 92. night 93. hot (adjective; warm, of
weather)
94. cold (of weather) 95. full 96. new
97. good 98. round 99. dry (substance)
100. name
61

ANEXO III - LISTA DAS 100 PALAVRAS MAIS COMUNS DA LÍNGUA INGLESA NO THE
OXFORD ENGLISH CORPUS

1. the 2. be 3. to
4. of 5. and 6. a
7. in 8. that 9. have
10. I 11. it 12. for
13. not 14. on 15. with
16. he 17. as 18. you
19. do 20. at 21. this
22. but 23. his 24. by
25. from 26. they 27. we
28. say 29. her 30. she
31. or 32. an 33. will
34. my 35. one 36. all
37. would 38. there 39. their
40. what 41. so 42. up
43. out 44. if 45. about
46. who 47. get 48. which
49. go 50. me 51. when
52. make 53. can 54. like
55. time 56. no 57. just
58. him 59. know 60. take
61. people 62. into 63. year
64. your 65. good 66. some
67. could 68. them 69. see
70. other 71. than 72. then
73. now 74. look 75. only
76. come 77. its 78. over
79. think 80. also 81. back
82. after 83. use 84. two
85. how 86. our 87. work
88. first 89. well 90. way
91. even 92. new 93. want
94. because 95. any 96. these
97. give 98. day 99. most
100. us
62

ANEXO IV - MODELO DE ENTREVISTA EM PORTUGUÊS

ORIENTAÇÕES PARA A ENTREVISTA:

1) Por favor, leia atentamente todas as questões e responda a todas que se aplicarem a você.
2) Responda a todas as questões da forma mais completa, precisa e sincera possível. Evite responder somente
“sim”, “não”, “talvez” ou “mais ou menos”.
3) Não deixe de completar a autorização no final da última página, sem a qual sua entrevista não terá validade
por não poder ser utilizada, legalmente, no trabalho a ser desenvolvido. Por questões legais e acadêmicas, seu
nome (bem como seu documento de identidade) não será divulgado na versão final do TCC (você será
identificado genericamente como “entrevistado 1” ou “participante 3”). Vale ressaltar que o conteúdo desta
entrevista será utilizado unicamente para fins acadêmicos de pesquisa e não-comerciais.
4) Por gentileza, retorne esta entrevista completa ao remetente até o dia 15 de Setembro de 2014.
5) Muito obrigado por sua participação !

PERFIL DO SUJEITO

1) Idade:
2) Onde cresceu ?
3) Quando aprendeu inglês (fase aproximada de aprendizagem. E.g.: a partir dos 7 ou dos 7 aos 15 anos) ?
4) Como aprendeu o idioma (autodidata, livros, aulas particulares etc.) ?
5) Em caso de aulas com professor(es): ele(s) utilizava(m) uma abordagem que considerava a língua materna ou
focava somente a língua estrangeira ?
6) Onde e quando realizou sua formação em inglês (curso de idiomas, graduação, pós, mestrado, doutorado etc.)
?
7) Teve latim durante a formação ?
8) Lecionando desde:
9) Onde leciona atualmente (escola particular/pública, em casa etc.) ?
10) A escola permite o uso do português ou exige que as aulas sejam 100% em inglês ?
11) Você leciona inglês geral ou instrumental/específico ?
12) Fala outras línguas latinas (espanhol, italiano, francês, romeno etc.) ? Se sim, você acha que isso o ajudou
de alguma forma na aprendizagem/entendimento do inglês ?

QUESTIONÁRIO

1) Pesquisas histórico-lingüísticas indicam que quase 60% do léxico da língua inglesa veio direta ou
indiretamente do latim (quase 30% dos vários tipos de latim, como clássico, eclesiástico e vulgar, e quase 30%
do francês, uma língua neo-latina). Esse já era um dado de seu conhecimento ? Se sim, como ficou sabendo ?

2) Você se lembra de ter havido, durante seu aprendizado e/ou formação em língua inglesa, alguma menção à
influência latina sobre aquele idioma por parte de seus professores ou métodos de ensino (cadernos, apostilas,
livros, sites, vídeos, materiais didáticos em geral) ?

Em caso de resposta positiva à questão 1:

3.a) Em algum ponto de sua carreira você utilizou a influência latina sobre o inglês como recurso didático ? Se
não, chegou a, pelo menos, mencionar o fato a seus alunos ?

4.a) Você diria que há preferência pelo uso de palavras vindas do latim de acordo com o nível de formalidade do
texto ? E quanto à dicotomia "fala x escrita", percebe alguma diferença ?

Em caso de resposta negativa à questão 1:

3.b) Você já notou indícios de semelhanças entre o português e o inglês (palavras cognatas, por exemplo) ?

4.b) Você acredita que seria plausível afirmar que o ensino de língua inglesa a falantes do português pode ser
facilitado por intermédio das (ou mesmo devido às) influências latinas ?

5) Você acha que seria interessante adotar as similaridades entre o português e o inglês como uma forma de
ensino, ainda que aliada a outras didáticas ?

Eu, (nome completo), portador do RG (ou CPF) de número XXXXX, autorizo o acadêmico Cláudio Sgroi a utilizar
esta entrevista como parte integrante de seu Trabalho de Conclusão de Curso em Letras Português/Inglês pela
PUC-Campinas.
63

ANEXO V - MODELO DE ENTREVISTA EM INGLÊS

INSTRUCTIONS FOR THE INTERVIEW:

1) Please, read carefully and answer all questions that apply to you.
2) Answer all the questions in the most complete, accurate and sincere way possible. Avoid answering only "yes",
"no", "maybe" or "more or less".
3) Do not forget to complete the authorisation at the end of the last page, without which your interview will not be
valid, not being legally possible to use it in the work to be developed afterwards. Because of legal and academic
reasons, your name (as well as your ID number) will not be divulged in the final version of the Conclusion Work
(you will be identified generically as "interviewee 1" or "participant 3"). It is important to note that the contents of
this interview will only be used for academic/research and non-commercial purposes.
4) Please, return the completed interview to the sender by 15 September 2014.
5) Thank you very much for your participation !

SUBJECT PROFILE

1) Age:
2) Where did you grow up ?
3) When did you learn English (approximate phase of learning at school, not the acquisition phase at home with
the parents) ?
4) What area of the language influenced your learning the most (reading, writing, speaking, listening etc.) ?
5) Do you have any course on English language and/or its Literatures (graduation, post-graduation, master's
degree, doctorate etc.) ?
6) Did you have Latin during your course or school studies ?
7) Teaching since:
8) Where do you teach nowadays ?
9) Do you teach general English or instrumental/specific English (e.g.: English for aviation, Business English etc.)
?
10) Do you speak any other language besides English ? If you do, do you think the knowledge of that second
language helps you to understand or know more about your first tongue ?

QUESTIONNAIRE

1) Historical-linguistic researches indicate that almost 60% of English's lexicon came directly or indirectly from
Latin (almost 30% from the various types of Latin, such as Classic, Ecclesiastical and Vulgar, and almost 30%
from French, a Neo-Latin language). Did you know about this fact ? If you did, how did you come to know it ?
2) Do you remember if, during your phase of learning at school, your teachers or methods ever mentioned
anything about the influence Latin has had over English ?

In case of positive answer to question 1:

3.a) Have you ever used the influence of Latin over English as a didactic resource in your classes ? If not, have
you, at least, mentioned the fact to your pupils ?

4.a) Would you say there is a preference for the use of Latin-origin words depending on the level of formality of
the text ? What about the dichotomy "speech vs writing", do you notice any difference regarding the use of Latin-
origin words ?

In case of negative answer to question 1:

3.b) Have you ever noticed similarities between Portuguese (or any other Neo-Latin language) and English ? If
so, give some examples.

4.b) Do you believe it would be plausible to state that the teaching of English to Portuguese speakers might be
facilitated via (or even because of) the Latin influences ?

5) Do you think it would be interesting to adopt the similarities between two languages as a way of teaching, even
if it wasn't the only one (that is, there would be other approaches as well) ?

I, (full name), ID number XXXXXX, authorise the student Cláudio Sgroi to use this interview as part of his
conclusion work for the Languages/Linguistics (Portuguese/English) course in PUC-Campinas.
64

ANEXO VI - ENTREVISTAS REALIZADAS22

ENTREVISTA 1

PERFIL DO SUJEITO

1) 81
2) Valinhos
3) A partir dos 11 anos (escola pública)
4) Escola secundária, livros, aulas particulares
5) Abordagem que considerava mais a língua materna na escola secundária; nas aulas particulares mais a língua
estrangeira.
6) Na graduação, pós, no Brasil e Inglaterra.
7) Sim, desde a 5a série.
8) 1952
9) Na Puc-Campinas, Faculdade de Letras.
10) A critério do professor, no meu caso, uso o idioma que estou lecionando.
11) Leciono as disciplinas de Compreensão e Produção de Textos em Língua Inglesa, Literaturas de Língua
Inglesa e Tradução de Textos.
12) Falo Francês e entendo espanhol e italiano. O aprendizado de uma língua sempre ajuda no de outra língua.

QUESTIONÁRIO

1) Não quanto ao dado estatístico, mas a percepção da influência do Latim e de outra línguas, o que ocorre
quando há contato entre elas, ficou óbvia desde que comecei a estudar a língua inglesa.

2) Não houve.

3.a) Sempre procuro mostra a influência de outras sobre o inglês.

4.a) O uso de palavras de origem latina marca a formalidade do texto (religioso/legal...), e mostrar as
transposições e equivalências é criar uma curiosidade transcultural que evidencia que há mais pontos comuns
entre os povos e suas maneiras de expressar o mundo do que diferenças.

5) Não entendi o que se quis dizer com "ainda que aliada a outras didáticas", mas acredito que não só é
interessante mostrar as similaridades entre o Português e o Inglês mas também apontar como as palavras que
têm a mesma origem, se modificaram de forma diversa em cada língua, criando muitas vezes problemas, como a
ocorrência dos chamados "falsos cognatos".

ENTREVISTA 2

PERFIL DO SUJEITO

1) 63
2) Campo Grande (MS), Curitiba (PR) e Rio Claro (SP)
3) Dos 11 aos 18 anos
4) Colégio (ginásio: 4 anos e clássico: 3 anos)
5) Ambas as línguas, porém a ênfase era na língua estrangeira.
6) Graduação em Letras (Português-Inglês) PUC-Campinas, duas disciplinas de língua inglesa no mestrado e
também cursos e trabalho em firmas multinacionais (Citibank, Fairchild e IBM)
7) 3 anos no colegial (clássico) e 2 anos na graduação.
8) 1972
9) Somente na PUC
10) Pode-se usar o português, se necessário.
11) Atualmente geral, mas já lecionei instrumental para os cursos de turismo, relações públicas, publicidade e
propaganda e análise de sistemas.
12) Falo francês e um pouco de alemão. Saber outras línguas me ajudou na aprendizagem do inglês, porque
você acaba percebendo as semelhanças e diferenças dos aspectos lexicais, morfossintáticos, etc, entre as
diferentes línguas.

22
As entrevistas disponibilizadas nesta seção de anexos foram organizadas por ordem decrescente de experiência
na profissão. Sendo assim, esta primeira corresponde ao professor que leciona há mais tempo e a última, ao que
leciona há menos.
65

QUESTIONÁRIO

1) Sim, desde o colegial quando o professor de inglês começou a trabalhar textos literários em inglês.

2) Sim, no curso de graduação na disciplina de didática da língua inglesa.

3.a) Sim, costumo trabalhar os sufixos e prefixos em inglês como ferramenta para a melhor compreensão de
textos em inglês.

4.a) Acredito que pessoas com maior nível de conhecimento utilizam mais palavras vindas do latim,
principalmente em textos escritos mais formais ou literários. Na fala, se considerarmos a linguagem do cotidiano,
que é mais informal, há menos palavras de origem latina. Exceção feita para um discurso escrito que é lido, por
exemplo, na Câmara dos Lordes na Inglaterra.

ENTREVISTA 3

PERFIL DO SUJEITO

1) 56 anos
2) Uma parte de minha vida no Rio de Janeiro, onde nasci, mas meus pais se mudaram durante a minha infância
e adolescência para São Paulo capital e interior, e Santa Catarina, interior.
3) Comecei na escola primária, bem no finalzinho, em Santa Catarina. Continuei estudando na escola regular e
sigo estudando até os dias de hoje.
4) Sempre tive interesse por línguas estrangeiras, mas não tinha condições financeiras para arcar com curso de
idiomas. O que aprendia na escola transformava em algo significativo para mim. Repetia para mim mesma,
escrevia e sempre aproveitava as oportunidades para interagir com outras pessoas.
Estudei sozinha por muito tempo, e também tive professora particular. Quando estava cursando Letras, participei
pela primeira vez de um curso de idiomas, no Rio de Janeiro, sendo classificada para a turma de conversação.
Aprendi muito ensinando, desde o segundo ano de minha primeira graduação, em Linguística, e isso até hoje.
5) As aulas particulares eram de gramática e de listas de vocabulário, e eram em português. Na escola também
eram dadas em português com pequenos momentos para simulação de situações.
6) Desde que comecei na escola básica, em Santa Catarina. Depois com professora particular, no interior de São
Paulo. Aprendi muito ensinando, já como aluna de graduação em Linguística e depois em Letras, e ainda hoje.
No mestrado e no doutorado, tive que ler em inglês.
7) Sim, durante o curso de Linguística.
8) 1979, com 19 anos de idade.
9) Leciono inglês em uma faculdade estadual no interior de São Paulo. Também leciono uma disciplina sobre o
ensino de línguas para fins específicos em um programa de mestrado em Brasília.
10) Usamos português quando percebemos que o seu uso é bom para a interação, para, por exemplo, quebrar
algum possível distanciamento entre professores e alunos. Mas nos esforçamos e nossos alunos também para
que as aulas sejam em inglês.
11) Para fins específicos, porém não na versão forte, pois os cursos da faculdade onde leciono têm uma base
comum tecnológica, considerado ensino para fins específicos, porém comum a algumas áreas (versão fraca
dentro de ESP).
12) Estudei Francês durante um tempo e mais tarde alemão, mas não para ensinar essas línguas. Entendo que
me ajudou a perceber a beleza e as peculiaridades das línguas e culturas. Com as aulas de alemão, pude
relembrar o processo de aprender línguas estrangeiras.

QUESTIONÁRIO

1) Quando cursei Linguística estudávamos a parte histórica da formação de algumas línguas, mas não seria
capaz de afirmar a porcentagem da influência.

2) Sim, quando estudei Linguística.

3.a) Sim, quando posso fazer essa correlação, ela ajuda e desperta a curiosidade dos alunos.

4.a) Talvez percebamos essa influência na escrita de textos científicos.

4.b) Penso que não, ou não necessariamente, mas poderia ser uma informação. Talvez para a escrita de textos
científicos, sim.

5) Em alguma medida, sempre que o contexto pedir. Ajudaria de alguma forma, mas não vejo como forma de
ensino, não como abordagem.
66

ENTREVISTA 4

PERFIL DO SUJEITO

1) 56
2) Até 8 anos no Brasil; de 8 a 16 na Itália; voltei ao Brasil onde fiquei até os 24-25 anos; casei e fui morar
novamente na Itália, onde fiquei 19 anos. Estou de retorno ao Brasil há mais ou menos 8 anos.
3) Comecei a estudar inglês por volta dos 10 anos, na escola. Não fazia parte da grade escolar, mas havia uma
professora madre língua que vinha dar 1 aula por semana a um grupo de alunos. Não gostava.... Comecei a
gostar da língua e a estudar mesmo, não somente “para passar de ano” quando, aos 14 anos, tivemos uma
professora escocesa muito simpática, com ótima didática, que trazia revistas e filmes para a gente assistir (na
época, era pioneiro....).
4) Comecei com professores e livros, na escola e curso (Yázigi), depois tive aulas particulares, principalmente de
conversação. Aprendi também lendo livros e romances (sempre gostei de ler, e continuo lendo em inglês até
hoje) e fiz alguns intercâmbios.
5) Minha primeira professora só falava inglês, e eu não gostava. Aprendi muito pouco, só palavras soltas e as
frases feitas de sempre (What is this? What’s your name? How old are you?............). Depois tive aulas com
professores que usavam português para explicar gramática ou outros pontos mais difíceis, e somente o inglês
nas aulas de literatura, por exemplo.
6) Estudei com professores em aula, fiz curso no Yázigi, dois intercâmbios, morei dois meses em New Jersey
(USA), sempre li, viajei e viajo muito e necessito do inglês para tanto. Nunca fiz graduação, mestrado, etc.
7) Sim. Estudando na Itália, latim era matéria obrigatória. Mas nunca foi mencionado aprendizado de latim para
as aulas de inglês.
8) comecei a dar aulas de inglês no começo dos anos 80: era um reforço escolar par o filho de uma amiga que
estava com dificuldades. Continuei depois com aulas particulares, reforço escolar e em cursos de idiomas (Fisk).
Nunca dei aulas em escola “regulares”.
9) No momento não estou lecionando, só fazendo alguns reforços escolares para conhecidos, não somente de
inglês.
10) Nas primeiras turmas do Fisk pode-se usar o português.
11) Inglês geral.
12) Falo italiano e francês (sou formada em literatura francesa, com endereço tradutor-interpréte) fluentemente.
Meu espanhol falado é bem básico, mas compreendo tudo e leio jornais e livros nesta língua. Conheço algumas
expressões básicas de alemão, o suficiente para pedir um quarto no hotel e não “morrer de sede ou de fome”.
Na realidade, uso o conhecimento das línguas para fazer conexões e ligações uma com as outras. Isto me ajuda
a lembrar. Quando dou aula também, uso o conhecimento que eventualmente o aluno pode ter de outras línguas
para fazer um paralelo.

QUESTIONÁRIO

1) sim, já havia percebido que há muitas palavras latinas usadas em inglês, principalmente as eruditas. Percebi
sozinha também que muitas vezes há duas maneiras de falar a mesma palavra, uma derivada do latim
(considerada mais erudita, mais culta) e outra mais corriqueira. Para mim sempre foi mais fácil empregar a
palavra latina, e todos acabam achando que meu inglês é muito bom, por pensar que estou empregando
palavras eruditas.....
Não sabia que havia assim tanta influência do latim...

2) não lembro se algum professor mencionou isto. Com certeza nenhum deles usou o latim para ensinar inglês.

3.a) Nunca usei o latim como recurso didático. No Brasil é meio que impossível, infelizmente. Acredito já ter
mencionado o fato que o latim também influi na língua inglesa.

4.a) Sim, em linguagem mais culta (texto acadêmicos, por exemplo) é bastante comum o uso d palavras vindas
do latim. Na fala, muito menos.
O que percebi é que os americanos usam bastante palavras latinas sem o saber. Veja o exemplo dos vários
“plus, minus, item, idem....” são palavras latinas, mas o engraçado é que ao serem “exportadas” as pessoas
acham que são inglesas e acabam pronunciando-as como se fossem inglês (plás, mainas, aitem, aidem....): isso
eu acho engraçado (ou talvez trágico?)

5) (apesar de ter respondido afirmativamente à 1, vou responder esta também, se importa?) Acredito ser muito
interessante empregar as similaridades entre as línguas; parece-me que os alunos lembram mais facilmente as
regras, pois não é “algo novo”. É menos “decoreba”, e mais raciocínio lógico.)
67

ENTREVISTA 5

PERFIL DO SUJEITO

1) 49 anos
2) SP
3) A partir dos 11 anos.
4) Escola de idioma, na escola regular e leituras pessoais ou indicadas pelas escolas.
5) Houve professores que eram nativos na língua inglesa (sul africanos, ingleses etc.). Esses basicamente
utilizavam-se somente do inglês. Os que eram brasileiros faziam referências ao português, em estudos
comparativos.
6) Como já dito, comecei em escola de inglês e lá estudei até os 17 anos. Depois, fiz a graduação em Letras
(português/inglês) e especialização em Língua Inglesa na Universidade de São Paulo. Meu doutorado foi
também em língua estrangeira na Unicamp. Meu mestrado foi em Educação, na PUC, portanto, não
especificamente em língua estrangeira.
7) Sim, na graduação.
8) 1988 (com um intervalo nesse tempo, quando trabalhei em editoras)
9) PUC - particular
10) Pode-se fazer uso de português.
11) Leciono inglês a partir de uma visão discursivo-funcional da linguagem, que implica, além das chamadas
“habilidades”, atenção ao contexto de uso (visão funcionalista) e os fatores que condicionam a produção dos
dizeres, o que está associado, logicamente, ao contexto sociocultural dos alunos e à sua língua materna (o
português). No entanto, já trabalhei bastante com inglês instrumental.
12) Conheço o italiano, o francês e um pouco do espanhol. Hoje não sou mais falante dessas línguas, apenas
consigo fazer leituras nesses idiomas. No entanto, elas contribuíram sim para minha aprendizagem de inglês. Na
verdade, foi o inverso que mais aconteceu: o aprendizado do inglês, às vezes, facilitou o aprendizado de outra
língua, nos estudos comparativos.

QUESTIONÁRIO

1) Sim, estudando. Na verdade, estudamos esses aspectos numa abordagem histórica de língua, também
necessária ao estudioso da mesma.

2) Sim, na época em que fui professora de inglês para cursos que não de Letras (Administração, Engenharia,
Comércio Exterior), trabalhei com inglês instrumental, cuja abordagem focava, em determinado momento, a
etimologia das palavras do inglês e os processos de formação de palavras (derivação, por exemplo). Nesse
momento, fazia uso dos estudos comparativos entre inglês e português, já que muitas das palavras tinham
origem comum, do latim.

3.a) Sim, como já mencionado na questão 2. Hoje continuo fazendo isso nas aulas para o curso de Letras,
embora não sistematicamente como num curso instrumental de inglês. Tal relação é ainda bastante utilizada por
mim nos cursos de gramática de língua inglesa. Na parte de ensino de vocabulário, o estudo de cognatas é
bastante plausível e interessante.

4.a) Sim, eu diria que nos textos cujo nível de formalidade é maior ou em textos mais voltados à linguagem dita
“científica”, portanto, destinado a um público mais acadêmico, isso é notado. Em relação ao inglês falado e
escrito, embora não seja essa a única diferença, pode-se dizer que o inglês mais coloquial, nos gêneros
chamados primários, que se identificam com as práticas mais diárias, utiliza-se de um léxico (quando não
também de estruturas) anglo-saxônico, de caráter, digamos, mais popular.

ENTREVISTA 6

PERFIL DO SUJEITO

1) 51
2) INDAIATUBA
3) A PARTIR DOS 15 ANOS
4) ESCOLA DE IDIOMAS
5) FOCAVA SOMENTE A LÍNGUA ESTRANGEIRA
6) PASSEI POR CURSOS DE IDIOMA E SEGUI PARA A GRADUAÇÃO E PÓS GRADUAÇÃO COM VIVÊNCIA
NO EXTERIOR
7) SIM
8) 1989
9) ESCOLA PARTICULAR E PÚBLICA.
-COLÉGIO RODIN
-EE”RANDOLFO MOREIRA FERNANDES”
68

-FIEC
10) PERMITE O USO DA LÍNGUA PORTUGUESA
11) GERAL E INSTRUMENTAL
12) NÃO

QUESTIONÁRIO

1) DEVO TER VISTO ALGO NA FACULDADE NAS AULAS DE LATIM, MAS SINSERAMENTE NÃO ME
LEMBRO.

2) SIM , EM ALGUNS VOCÁBULOS.

3.a) EX: CV – CURRICULUM VITAE


E TAMBÉM AO ENSINAR HORAS COM O AM E PM

4.a) NÃO ACHO QUE HÁ PREFERÊNCIA


SEMPRE HÁ DIFERENÇA ENTRE A LINGUAGE ESCRITA E A FALADA (FORMALIDADE, CONTRAÇÕES,
TERMOS, ETC)

3.b) COM CERTEZA HÁ MUITAS PALAVRAS COGNATAS E ESSAS AUXILIAM COMO FERRAMENTA
BÁSICA AS TÉCNIAS DE LEITURA INSTRUMENTAL.

4.b) NÃO SABERIA AFIRMAR. UM ESTUDO MAIS COMPLEXO SERIA NECESSÁRIO.

5) FAÇO ISSO (COMO JÁ CITADO NA RESPOSTA DA QUESTÃO 3)

ENTREVISTA 7

PERFIL DO SUJEITO

1) 44
2) Bauru
3) 11 aos 21
4) Curso de idiomas CCAA (Bauru e São José do Rio Preto), Escola “America” (São José do Rio Preto) e
disciplinas de língua inglesa na universidade.
5) Focada na língua estrangeira.
6) Resposta 4.
7) Sim.
8) 1992
9) Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Bauru.
10) Cada docente escolhe sua abordagem de ensino, se as turmas forem heterogêneas e com nível de fluência
básico, mesclo língua inglesa com portuguesa, em outras situações, uso somente língua inglesa.
11) Leciono para cursos de Comunicação Social, desenvolvemos as 4 habilidades da língua com enfoque em
conteúdos de cada curso: Jornalismo, Rádio e TV e Relações Públicos.
12) Falo francês, leio e compreendo bem espanhol e italiano. Aprendi o inglês antes das outras línguas, no
entanto, as línguas latinas influenciam na boa compreensão de diversas línguas.

QUESTIONÁRIO

1) Sim, a presença de palavras cognatas é bastante grande, desde a Graduação já estudávamos isso nas
disciplinas de Linguística e Latim.

2) Na década de 80, pelo menos em Bauru, as escolas de idiomas não tinham enfoque na questão da influência
de outras línguas na língua inglesa. Só tive essa noção quando fui ser docente.

3.a) Em aulas de Prática de Tradução ou em disciplina de inglês para Cursos de Graduação em Química,
Computação, Análise de Sistemas eu apresentava a questão dos cognatos. Tal esclarecimento deixa os alunos
menos ansiosos e frustrados.

4.a) Não percebo essa preferência no que se refere à formalidade, mas pelo fato de os alunos recorrem
primeiramente à língua materna, consequentemente, usam palavras cognatas.

3.b) Já foi respondido.

4.b) Sim, como já mencionado, os alunos tornam-se menos ansiosos e frustrados se compreendem a influência
do latim na língua inglesa.
69

5) Sim.

ENTREVISTA 8

PERFIL DO SUJEITO

1) 44
2) Em Estrela D’oeste até os 6 anos,em Fernandópolis até os 17, aos 18 fui para a Universidade em São José do
Rio Preto, depois voltei para Fernandópolis onde resido até hoje.
3) Quando entrei na universidade, dos 17 aos 20.
4) Na Faculdade
5) Tinha professores que focavam mais a língua estrangeira (abordagem comunicativa) e professores que
focavam a língua materna (abordagem mais tradicional)
6) Na graduação, como dito acima.
7) Sim, muito pouco, mas tive. Se naõ me falha a memória apenas 1 semestre
8) 1993
9) Em uma escola de idiomas, em uma faculdade particular (FEF) e uma faculdade estadual (FATEC)
10) Depende o nível, no primeiro estágio, principalmente, em função das crenças negativas que os alunos
trazem em relação à aprendizagem de inglês, tomamos por consenso, entre os professores, trabalharmos com
um processo de conscientização e desmitistificação das crenças e introduzir o inglês aos poucos. Geralmente,
no meio do semestre já estamos com as aulas praticamente toda em inglês, para que o segundo estágio seja
todo em inglês. Penso que nós, professores, não podemos ficar presos somente aos livros didáticos, mas
devemos observar a realidade dos alunos e fazer dos erros de seus alunos um rico material a ser explorado,
tornando o currículo mais flexível. As necessidades reais dos alunos devem ser a primeira diretriz do processo
ensino-aprendizagem.
11) Ambos: na FATEC: curso de Agronegócio, Sistemas para internet e Gestão Empresarial (para fins
específicos); na FEF, no curso de Sistemas de Informação (para fins específicos) e no curso de Letras (inglês
geral) e aulas VIPs, que denominamos de tailored course (feito para atender as necessidades específicas dos
alunos) .Vale lembrar que minha concepção de inglês instrumental ou para fins específicos não quer dizer dar
aula apenas para leitura e compreensão de texto, mas sim trabalhar inglês (todas as habilidades: ler, falar,
escrever e ouvir) de acordo com o contexto de atuação do profissional, por exemplo.
12) Falo um pouco de espanhol, já que minha formação na faculdade foi inglês e espanhol; entretanto, atuo mais
com o ensino de inglês, o que me proporcionou melhor competência no inglês. Na verdade, não me recordo se
ajudou ou atrapalhou.

QUESTIONÁRIO

1) Sim, já sabia. Fiz pesquisas, fui em busca de algo que pudesse desmistificar as crenças dos alunos de que
inglês é muito diferente do português (meu mestrado foi feito em cima de pesquisa ação e queria muito
comprovar para o aluno que ele podia ver semelhanças entre as duas línguas e que inclusive a gramática do
inglês me matéria de verbos era muito mais fácil do que o nosso português). O período que acima chamo de
conscientização trabalho muito com a teoria dos gêneros textuais, estratégias de leituras, cognatos para que os
alunos possam ver a língua inglesa como mais próxima da realidade deles.

3.a) Sim, utilizo principalmente durante o processo de conscientização, e durante todos os exercícios que
apareçam palavras cognatas até perceber que eles já estão usando estratégias como essa para inferir
significados. Penso ser de extrema importância tornar o aluno consciente de todo esse processo, criando um
ambiente apropriado e confiável para o uso da LE, juntamente com a abordagem comunicativa em meio a
processos de reflexão da ação, facilitará o processo de aprendizagem.

4.a) Sim, no texto acadêmico, portanto a escrita, percebo maior frequência de palavras de origem latina, uma vez
que esses vocábulos são considerados mais cultos na língua inglesa e também de maior compreensão nesse
meio pela similaridade com as demais línguas, havendo uma maior uniformização do jargão. Enquanto na fala,
usa-se mais phrasal verbs, palavras de origem anglo-saxônica por sua informalidade.
Convém fazer uma reflexão juntamente com os alunos sobre essas questões, sobre a língua utilizada nos livros
didáticos que, por um lado, é idealizada e diferente da realidade dos falantes nativos, quando se trata de livros
nacionais, e diferente da realidade dos aprendizes, quando se trata dos importados. Isso pode ser feito por meio
de materiais mais autênticos trazidos paralelamente ao livro, tais como músicas, jornais, filmes, revistas, cartas
escritas por nativos, etc. em que a língua apresenta todas as suas verdadeiras nuances.

3.b) Muitas, como citado acima.

4.b) Sim, acredito e utilizo nas minhas aulas e procuro melhor entender não só minha prática, mas trazer
modificações significativas para melhorar o processo de ensino-aprendizagem de LE dentro da sala de aula. O
que denominei acima de processo de conscientização (DIAS, 2003) penso que pode contribuir para o
70

desvelamento das razões de ser da situação de achar inglês difícil e colocá-la como parecida com nossa língua
em muitos aspectos pode constituir-se em ação transformadora desta percepção equivocada da realidade pelo
aluno.

5) Sim, penso que cada contexto tem suas peculiaridades, não podendo, assim, afirmar que isso possa ser
usado sempre e/ou o tempo todo, mas dependendo a faixa etária, as crenças que esses alunos tragam consigo,
essas similaridades podem ser muito úteis no processo de aprendizagem da LE.

ENTREVISTA 9

SUBJECT PROFILE

1) 64 yrs
2) Near London UK
3) Mother tongue
4) Speaking
5) GCE I level language and literature. Normal course of studies for england
6) Yes
7)
8) Teach Italian to adults and English as a foreign language to visitors to UK.
9) General
10) Yes. Yes.

QUESTIONNAIRE

1) Yes. I deduced it for myself

2) Yes

3.a) Yes

4.a) No and No

ENTREVISTA 10

PERFIL DO SUJEITO

1) 34
2) Sorocaba
3) dos 7 anos aos 23 anos
4) escola de idiomas e intercâmbios em outros países
5) As aulas focavam somente a Língua Estrangeira
6) Comecei a estudar inglês na Pink and Blue em Sorocaba aos 7 anos. Aos 10 anos, mudei par ao Centro
Cultural em Sorocaba, onde fiquei até os 15 anos aproximadamente. Estudei também por um ano na Cultura
Inglesa e com uma professora particular em grupo com o objetivo de tirar os certificados de Cambridge. Já tinha
o FCE. Depois tirei o CAE e o CPE. O CPE foi importante porque me abriu portas para trabalhar na Cultura
Inglesa e ser examinadora de Cambridge.
Em 2000, aos 19 anos, iniciei o curso de Linguística na UNICAMP, no qual escolhi muitas matérias optativas de
Linguística Aplicada. Ao terminar a graduação, já iniciei o mestrado em Linguística Aplicada pesquisando o
aprendiz de inglês e suas atitudes face à gramática em uma abordagem quantitativa. Defendi minha dissertação
em janeiro de 2006.
Retomei os estudos em 2009 na UNIP para fazer Letras Inglês/Português, formando-me em 2012. Em 2013,
ingressei no Doutorado e estou pesquisando a formação de professores de inglês para ensino fundamental I
através de um estudo de caso.
Fiz intercâmbio nos EUA aos 17 anos por 5 meses. Fiz um curso de Inglês Contemporâneo para professores por
15 dias em Cambridge no ano de 2010. E fiz um curso de vida e cultura britânica para professores por 15 dias
em Londres em 2013.
7) Sim. Um semestre na UNICAMP e um semestre na UNIP.
8) 1998 Comecei a lecionar aos 17 anos na Wizard próxima à minha casa para crianças e na Obra Social do
Colégio em que eu estudava (Salesiano).
Depois me afastei para o intercâmbio e voltei a lecionar em 2001 no CCAA por um ano. Em 2002 na Speak Out
por um ano. Em 2006 na St Giles por seis meses. De 2006 a 2014 na Cultura Inglesa. De 2008 a 2010 na PUC e
retornei à PUC em 2014.
Também lecionei como convidada na pós-graduação em Tradução da UNIMEP em 2012 e 2013
9) Na PUC-Campinas
10) Em inglês o tempo todo.
71

11) Leciono ambos. Inglês geral para o curso de Letras e específico para Turismo e Hotelaria.
12) Estudei quatro anos de Francês como língua obrigatória na minha graduação em Linguística. Eu já falava
Inglês. Na verdade, tive dificuldades em Francês porque quando tentava falar, acabava saindo inglês. O
conhecimento de Francês me ajuda no entendimento e pronúncia das palavras francesas usadas em inglês.

QUESTIONÁRIO

1) Não tinha conhecimento exato dos números. Mas percebo essa realidade claramente no vocabulário e nas
construções da língua inglesa.

2) Sim. Eu tive uma professora que sempre dizia que as palavras originárias do Latim em Inglês eram mais
formais. Mas não me passaram nenhuma informação mais profunda que essa.

3.a) Eu sempre utilizo essa influência como recurso didático para ensinar os alunos a reconhecerem as palavras
latinas, para trabalhar a pronúncia, para trabalhar sufixo e prefixo e sintaxe.

4.a) Eu acredito e percebo em minhas leituras que as palavras do Latim em Inglês são de uso mais formal.
Também acredito que estejam mais presentes na escrita. E quanto à fala, acho que os britânicos usam mais
palavras latinas que os americanos. Mas são apenas crenças e intuições porque não pesquisei sobre o assunto
de forma detalhada.

ENTREVISTA 11

PERFIL DO SUJEITO

1) 32 anos
2) São Paulo - SP
3) O interesse surgiu com uns 9 anos mais ou menos, a partir daí comecei a me dedicar mais à lingua.
4) Dos 9 aos 17 anos estudava por conta própria, traduzia letras de músicas, assistia seriados e filmes, e
estudava alguns livros. Depois que completei 17 anos entrei em uma escola de inglês para aperfeiçoar a língua,
já entrei no nível avançado e estudei somente um ano, terminando o curso.
5) Como entrei no último nível do curso, o professor falava somente inglês e exigia o mesmo dos alunos.
6) Minha formação acadêmica é em Administração de empresas, em Indaiatuba, 2006. Porém meu curso de
Inglês eu realizei em São Paulo no ano de 1999.
7) Não
8) 2000
9) Atualmente leciono em casa.
10) Eu permito o uso do português, principalmente para os iniciantes.
11) Ambos, depende da necessidade do aluno.
12) Falo espanhol nível intermediário, acredito que o inglês que me ajudou no entendimento do espanhol, pois
minha paixão pelo inglês acabou despertando interesse por outras línguas.

QUESTIONÁRIO

1) Não, eu desconhecia este dado.

2) Muito pouca menção. Me lembro de já ter visto em alguns livros que algumas palavras são derivadas do latim,
porém a frequência é baixa.
Em caso de resposta positiva à questão 1:

3.b) Sim, inclusive aponto essas semelhanças para os alunos, como forma de melhor assimilação.

4.b) Acredito que sim, além de se tornar mais interessante, pois assim eles aprendem a procedência das
palavras.

5) Sim, conforme mencionei anteriormente, acho tão interessante que eu mesmo utilizo este método por
acreditar que melhora o aprendizado.
72

ENTREVISTA 12

PERFIL DO SUJEITO

1) 33
2) São Caetano do Sul
3) à partir dos 11 anos
4) Fui alfabetizada em inglês por uma pedagoga(formada nos EUA) amiga da minha mãe que tinha uma escola
de inglês para crianças (English For Today). Fiquei 7 anos com ela e depois comecei a dar aula. Alguns anos
depois fui pra Londres estudar por 2 anos, qdo me preparei e tirei as certificações da Cambridge. Nesse período
também fui coordenadora e professora de uma escola de Inglês como segunda Língua em Londres. Mas, sem
dúvida a maior parte do aprendizado se deu autonomamente, apesar de ter frequentado instituições.
5) Na escola onde estudei aqui em Indaiatuba não havia tradução. Tudo era em inglês. Aliás, ainda tenho meus
livros de infância, que são fantásticos, e estive mostrando eles para os meus alunos! E claro, em Londres foi
imersão total!
6) 1992-1999 – English For Today
2003-2004 – The London Skills Institute
2003-2004 – Cambridge certifications ( CAE & CPE)
7) só aprendi um pouco de latim com meu professor de inglês em Londres!
8) 2000
9) Apenas particular, alugo uma sala!!!
10) Nas que trabalhei quase ninguém gostava de usar inglês. Pra mim é muito estranho professores de inglês
que tem vergonha de falar, mas é o que geralmente acontece. Mesmo qdo é obrigatório usar só a língua alvo.
11) Ensino de acordo com a necessidade do aluno. E isso engloba todos esses tipos em momentos distintos.
Porém, mais importante do que isso, é ter a sensibilidade de investigar o perfil do aluno e fazer um trabalho
100% personalizado.
Brinco que professor de inglês é em primeiro lugar psicólogo e terapeuta. Explico pros meus alunos que o
objetivo deles está dividido em 2 partes: 50% a língua(ou qqer outra atividade que se deseja aprender) e 50% de
auto-confiança (self-steem). Essa é uma dupla inseparável e precisamos desenvolvê-los de forma balanceada.
12) Inglês foi minha 1ª língua estrangeira, e isso facilitou muito meu aprendizado de outras como: alemão,
Francês, Espanhol, Hindi, Esperanto e Sanskrito. Uma vez que o cérebro é expandido para falar uma nova
língua, ele nunca mais será o mesmo, e então passamos a ter uma visão mais ampla do mundo ao nosso redor.
Desenvolver o cérebro significa evoluir como espécie e descobrir seus potenciais latentes.

QUESTIONÁRIO

1) Sim, claro. Essa informação é fundamental para que os alunos expandam seu vocabulário. Mostrar pra eles
que inglês não é de outro mundo e que tem muitas conexões com a nossa língua mãe desbloqueia os medos do
desconhecido que permeiam a mente dos entusiastas.

2) Ah sim, apenas por parte do meu professor Inglês, Jeffrey Marshall, que era highly educated, e tinha um
conhecimento muito amplo de “mundo”. Serei eternamente grata à por ter me mostrado uma nova forma de ver a
língua e o mundo! Cheers!!

3.a) Faz parte da minha rotina de aulas e é aplicado em momentos oportunos, como para desbloquear
obstáculos de compreensão de vocabulário, principalmente. Mas jamais uso tradução, os alunos não me
conhecem em Português!!! Só eles podem traduzir, se for o caso.

4.a) Aprendi com Jeffrey que a maioria das palavras latinas, que em inglês tendem a tomar a ortografia do
francês/italiano/espanhol (ou quase), by and large demonstram pompa ou um alto nível de educação do falante.
Em geral são palavras sofisticadas, que embelezam a língua, como as joias de uma princesa!
Mas claro que nem todas são de uso refinado!
Quase sempre quem fala bem, ou seja, articula bem o vocabulário, utiliza estas palavras pra escrever também.
Durante meus anos de trabalho, quando tive a oportunidade de observar estudantes de várias nacionalidades,
constatei que, infelizmente, o aluno brasileiro tende a ter muita dificuldade para expandir seu vocabulário e usar
essas palavras mais sofisticadas, porque eles não as têm em seu vocabulário pessoal nativo. Ou seja, a gama
de palavras que a pessoa fala em Português refletirá em Inglês.
Agora falando de formalidade de texto eu diria que depende de quem tá escrevendo porque aí entramos no caso
acima, mas se considerarmos apenas o texto, sem dúvida o escrito tende a ser mais bem elaborado e
conseqüentemente pode utilizar esse vocabulário (há tempo para pensar e elaborar).
Noto um uso massivo de palavras latinas em textos científicos de todas as áreas, mas quando vejo entrevistas
destas comunidades, não vejo a mesma taxa de uso deste vocabulário, apesar do jargão ser geralmente
incessante.
No mundo dos negócios eles também gostam de usar um pouco de palavras bonitas, principalmente em jornais e
revistas de negócios, o que mais uma vez não necessariamente reflete na oralidade destes profissionais. Todo
tipo de documento que roda numa empresa, seja fiscal, contratual, financeiro etc, utiliza uma linguagem formal e
mais refinada também.
73

ENTREVISTA 13

PERFIL DO SUJEITO

1) 30 anos
2) Indaiatuba - SP
3) A partir dos 10 anos
4) Curso de Idiomas
5) focavam somente a língua estrangeira.
6) Curso de Idiomas(FISK, Cultura Inglesa), graduação (PUCC)
7) Não
8) 2001
9) Escola Particular
10) Nos primeiros níveis é permitido o uso de português para se tratar de assuntos importantes e que não seriam
compreendidos pelos alunos em inglês, Depois dos primeiros níveis, a comunicação é totalmente em inglês.
11) inglês geral
12) Sim, Falo francês e espanhol. O ato de se colocar como aluno ao fazer aulas, muda completamente a
concepção que se tem sobre ensino-aprendizagem.

QUESTIONÁRIO

1) Não tinha informações estatísticas assim como lidas na questao. Já sabia sobre isso por curiosidade e leituras
passadas.

2) Sim.

3.a) Sim e muito. Muitas vezes quando os alunos não entendem determinada palavra em inglês, a utilização de
um termo parecido que tem origem latina os ajuda.

4.a) Sim. Palavras mais próximas do Latim são mais formais.

4.b) Claro

5) A pergunta não é muito especifica. Preciso de mais detalhes para responder. Entretanto posso dar um
exemplo: Quando preciso explicar o significado de um phrasal verb, tento sempre utilizar uma palavra de origem
latina para facilitar a compreensão do aluno, seguido de vários exemplos contextualizados

ENTREVISTA 14

PERFIL DO SUJEITO

1) 28 anos
2) Na cidade de Hortolândia
3) A partir dos 15 anos
4) Em uma escola de idiomas
5) Era uma metodologia que fazia uso do português para explicações em geral
6) Em um curso de idiomas
7) Não
8) Leciono desde 2003
9) Na minha própria escola de inglês
10) As aulas são 100% em inglês.
11) Leciono inglês geral
12) Estou aprendendo espanhol

QUESTIONÁRIO

1) Sim, pois cursei um ano e meio do curso de letras em uma faculdade e já tinha visto isso no curso.

2) Sim, por parte dos professores e materiais específicos.

3.a) Sim, cheguei a mencionar o fato algumas vezes, e também uso a semelhança com a nossa língua para
lembrá-los de alguns vocabulários.

4.a) Sim, eu diria que há preferência do uso de palavras vindas do latim mesmo para que haja melhor
entendimento de pessoas de diferentes nacionalidades, mas que tem como base o latim em sua língua-mãe.
Quanto à fala e escrita, as palavras derivadas do latim tem sons e grafia bastante similares.
74

3.b) Sim, há vários exemplos, tais como as palavras: frequent, consequence, ignorance, tolerance, balloon,
condition, superficial, entre muitas outras, inclusive a palavra “latin”.

4.b) Em questão de vocabulário sim, mas gramaticalmente, não é nada aconselhável comparar as duas línguas.

5) Sim, é interessante usar das similaridades como forma de ensino, mas não fazendo o uso de traduções, e sim,
apenas comparações ou por meio de sinônimos.

ENTREVISTA 15

PERFIL DO SUJEITO

1) 28
2) CAMPINAS INDAIATUBA
3) COMECEI A ESTUDAR EM CASA POR VOLTA DOS 12 ANOS
4) APRENDI DE MODO AUTO DIDATA, TRANSCREVENDO E TRADUZINDO MÚSICAS, LENDO LIVROS,
ETC. POR VOLTA DOS 17 ANOS FIZ ALGUMAS AULAS EM ESCOLAS PARA PRATICAR CONVERSAÇÃO.
5) NA ESCOLA QUE ESTUDEI O FOCO ERA NA LÍNGUA ESTRANGEIRA.
6) COMO DISSE ANTERIORMENTE FUI AUTODIDATA E TENHO MINHA FORMAÇÃO NA FACULDADE DE
LETRAS NA PUC-CAMPINAS.
7) TIVEMOS INTRODUÇÃO AO LATIM
8) 2004
9) LECIONO EM UMA ESCOLA DE IDIOMAS NA CIDADE DE INDAIATUBA.
10) A METODOLOGIA UTILIZADA NA ESCOLA EXIGE QUE OS PROFESSRES UTILIZEM O INGLÊS 100%
DO TEMPO DA AULA.
11) NA ESCOLA EM QUE ESTOU ATUALMENTE TEMOS INGLÊS “GERAL” E TAMBÉM CURSOS
ESPECIFICOS PARA DIFERENTES ÁREAS, COMO AVIAÇÃO, BUSINESS, ETC.
12) FALO ESPANHOL , APRENDI DA MESMA FORMA QUE O INGLÊS. APRENDER UM IDIOMA SEMPRE
AUXILIA NO PRÓXIMO A SER ESTUDADO, NO CASO O INGLÊS AJUDOU O ESPANHOL.

QUESTIONÁRIO

1) JÁ SABIA DESSE DADO. TIVE O CONHECIMENTO AINDA NA FASE DE ESTUDOS, QUANDO PERCEBIA
VÁRIAS SEMELHANÇAS ENTRE VOCABULÁRIOS E NO PERÍODO DA FACULDADE LI VÁRIOS TEXTOS E
TEORIAS FALANDO SOBRE O ASSUNTO.

2) LEMBRO QUE EU SEMPRE ENXERGAVA ESSAS SEMELHANÇAS E ME APEGAVA NELAS PARA


PROCURAR OUTROS SINONIMOS DE ORIGEM NÃO LATINA COM O INTUITO DE IMPROVE MEU
VOCABULÁRIO. PORÉM NOS LIVROS QUE TIVE CONTATO NAS ESCOLAS QUE ESTUDEI, NÃO ME
RECORDO DE TER ALGUMA MENÇÃO A ISSO.

3.a) SIM SEMPRE UTILIZO ESSA INFLUÊNCIA NA BUSCA DE SINÔNIMOS PARA FACILITAR O
ENTENDIMENTO DOS ALUNOS.

4.a) PERCEBO QUE EM TEXTOS FORMAIS EM ALGUMAS ÁREAS ESPECIFICAS COMO DIREITO,
MEDICINA E ATÉ MESMO BUSINESS EM GERAL HÁ UMA PREFERÊNCIA POR PALAVRAS DE ORIGEM
LATINA, J

ENTREVISTA 16

PERFIL DO SUJEITO

1) 28 anos
2) São Paulo / Indaiatuba
3) Dos 10 aos 20 anos
4) Aulas particulares, autodidata no nível avançado.
5) Somente língua estrangeira.
6) Aulas particulares com professora Canadense e curso na Cultura Inglesa.
7) Não
8) 2004
9) Escola Particular.
10) 100% Inglês.
11) Inglês para os negócios principalmente.
12) Não.
75

QUESTIONÁRIO

1) Sim, apesar de achar que essa porcentagem era de aproximadamente 50%.

2) Não

3.a) Sim, e sempre menciono.

4.a) Sim, mas percebo que muitas palavras vindas do Latim não são utilizadas no Inglês Americano falado.

3.b) Lógico.

4.b) Sim

5) Sim, acho que muitas estruturas gramaticais são parecidas e podem ser usadas para facilitar a compreensão.

ENTREVISTA 17

PERFIL DO SUJEITO

1) 55 anos
2) Tatui/SP
3) inicio aos 11 anos
4) escola de ingles - FISK
5) o foco sempre foi ingles, no entanto no inicio do curso o professor era brasileiro com vivencia no exterior e nos
ultimos estagios o professor era nativo americano
6) em 1977 - 1978 fui exchange student pelo AFS , terminando meu ultimo ano de ensino medio nos EUA, depois
disso fiz letras na PUCC Campinas me formando em 1984
7) tive 2 anos de latim
8) leciono desde 2005 em escola publica , sindicato dos trabalhadores de Itapetininga Tatui e regiao( curso de
ingles), e aulas particulares
9) atualmente leciono em escola publica e aulas particulares
10) o uso de portugues eh permitido nas escolas publicas, em aulas particulares procuro usar o maximo de
ingles possivel desde os niveis iniciais
11) leciono ambos, pois no estado hoje com as apostilas e falta de base dos alunos vejo o ingles instrumental
como uma forma melhor de atingir os objetivos exigidos. em aulas particulares uso a abordagem comunicativa
12) nao apenas ingles

QUESTIONÁRIO

1) Nao, ate onde sei o ingles se originou da lingua anglo saxonica, com influencias do latim e celta

2) nao me recordo de nenhuma mencao ao fato a nao ser pelos cognatos e falsos cognatos

3.a) sim, sempre que possivel especialmente quando usando ingles instrumental

4.a) por experiencia tenho comigo que quanto mais cientifico o texto mais vocabulos de origem latina sao
usados..
Na fala no entanto nota-se pouco dessa influencia do latim. No entanto nunca participei de seminarios cientificos.

3.b) Sim muitas palavras sao cognatas, [por volta de 70% outras 30% sao falsos cognatos e ha uma
preocupacao em trazer a tona essa questao

4.b) sim acredito que todas as formas possiveis para facilitar a aprendizagem sao validas

5) Nao, creio que as similaridades sao muito pequenas para serem o ccerne do metodo didatico de ensino
76

ENTREVISTA 18

PERFIL DO SUJEITO

1) 32 anos
2) NA CIDADE DE SÃO PAULO
3) DOS 15 ANOS EM DIANTE
4) AULAS PARTICULARES
5)
6) GRADUAÇÃO E CURSO DE IDIOMAS
7) SIM
8) 2006
9) REDE PARTICULAR
10) PERMITE O USO DO PORTUGUÊS.
11) INGLÊS GERAL
12) NÃO

QUESTIONÁRIO

1) SIM, NA MINHA GRADUAÇÃO

2) A APOSTILA E PELO MEUS PROFESSORES, TANTO DE LÍNGUA INGLESA COMO DE LATIM

3.a) SIM, JÁ MENCIONEI ESTE FATO PARA MEUS ALUNOS.

4.a) NÃO ACREDITO QUE AS PALAVRAS VINDAS DO LATIM TEM SUA PREFERÊNCIA EM TEXTOS
FORMAIS. PERCEBO QUE O USO DAS PALAVRAS LATINAS SÃO MAIS USADAS NA FALA DO QUE NA
ESCRITA.

ENTREVISTA 19

PERFIL DO SUJEITO

1) 27 anos
2) Indaiatuba
3) aprendi o inglês a partir dos 8 anos de idade em curso livre, cuja abordagem considerava a língua materna.
4) Fiz o curso de inglês no FIScK entre 1995 e 2005.
5) língua materna
6) Graduação em letras em 2012 na Faculdade Anhanguera
7) Não houve estudo de latim na minha graduação.
8) Leciono desde 2008
9) atualmente em escolas regulares da rede pública e particular.
10) As escolas permitem o uso do português, na verdade existindo um equilíbrio do uso dos dois idiomas.
11) Leciono inglês geral
12) Não falo outras línguas latinas.

QUESTIONÁRIO

1) Não conhecia o dado da porcentagem, mas já sabia da grande influência do latim no vocabulário inglês por
meio de leitura e pesquisa pessoal.

2) Não me recordo de professores citarem esse fato na minha formação.

3.a) Sempre uso a influência latina sobre o inglês para incentivar os alunos na leitura e compreensão textual,
usando como ferramenta para decodificar o texto. Menciono sempre que possível como o inglês foi influenciado
por língua latinas. Há muito cognatos entre português e inglês.

4.a) Sim, existe um padrão para escolher palavras vindas do latim ou do inglês e também de acordo com a
região e nível social / grupo social.

3.b) Sempre uso a influência latina sobre o inglês para incentivar os alunos na leitura e compreensão textual,
usando como ferramenta para decodificar o texto. Menciono sempre que possível como o inglês foi influenciado
por línguas latinas.

4.b) Acredito muito nessa ferramenta de usar as influências latinas no inglês para facilitar o aprendizado.
77

5) Acho interessante e também enriquecedor adotar similaridades entre as língua como forma de ensino.

ENTREVISTA 20

PERFIL DO SUJEITO

1) 24 anos
2) Em São Paulo até os 16 anos. Posteriormente em Indaiatuba
3) A partir dos 16 anos. Dos 16 aos 18 anos como aluno.
4) Curso de Linguas.
5) Ele focava somente a língua estrangeira.
6) Dos 16 anos 18 anos. Curso de idiomas. Método Callan. Posteriormente, ingressei na área de instrutor de
línguas, podendo dar continuidade aos estudos para ensinar.
7) Não.
8) 2008
9) Na própria escola.
10) A escola exige que as aulas sejam totalmente em inglês.
11) Inglês geral.
12) Sim. Falo espanhol. O fato de já dominar uma língua anteriormente ao inglês, ajudou muito no aprendizado
do novo idioma.

QUESTIONÁRIO

1) Sim, pois no método em que leciono, temos algumas informações deste tipo. O professor que me instruiu
sempre fazia questão de salientar alguma palavra com origem latina.

2) Sim, por parte da metodologia ( Callan ) e do professor, que sempre mostrava algo do tipo.

3.a) Sim, sempre mencionei, quando possível, algumas origens latinas das palavras em inglês.

4.a) Diria que à medida em que o texto torna-se mais formal, há o uso maior de palavras de origem latina.

ENTREVISTA 21

PERFIL DO SUJEITO

1) 24 anos
2) Maior parte no estado de São-Paulo (Indaiatuba, Marília, Ribeirão-Preto, Guarulhos), morei também em Porto
Alegre –RS e Toronto - CA
3) Aprendi o inglês a partir dos meus 14 anos até 18.
4) Aprendi o idioma através das atividades diárias, convivência com pessoas que falavam o idioma e na escola.
5) A maior parte do meu aprendizado foi através da convivência ao invés de aulas, quando entrei na escola o
foco foi somente a língua estrangeira.
6) eu não fiz nenhuma formação em inglês, irei realizar no ano que vem o teste IELTS (e isso também não é
formação rs) tenho o certificado da minha high school rsrs
7) Não
8) 2010
9) Não leciono mais, mas pode falar que dei aula na Callan ne?rs
10) A escola permite o uso do português somente para os níveis básicos. Os demais níveis as aulas são 100%
em inglês.
11) Geral.
12) Não.

QUESTIONÁRIO

1) Sim, assim que começei lecionar o idioma notei que muitas palavras eram parecidas e/ou igual ao francês
(resumeé), em latim e outras.

2) Não, nenhum dos meus professores ou materias que usei durante o meu aprendizado mencionaram sobre
este fato. Porém, quando começei a lecionar aulas notei que o material que utilizava descrevia quando a palavra
era em latim. Na época em que lecionava o idioma nunca me aprofundei nos detalhes apenas comentava sobre
o fato.

4.a) Sim.

3.b) Sim, por exemplo cinema, chocolate, agenda, zero dentre outros.
78

4.b) Sim, porque o latim de uma certa forma inclui semelhanças com outros idiomas além do
português(espanhol, frances) quanto mais próximo a lingua estrangeira estiver da língua materna do indivíduo
mais fácil será para que ele desenvolva e aprenda o novo idioma.

5) Sim, porque aprendemos com base em nossa língua materna, e por haver similiaridades entre os idiomas
facilita o aprendizado do indivíduo.

ENTREVISTA 22

PERFIL DO SUJEITO

1) 21 anos
2) São Carlos – SP e Maryland – EUA.
3) Aprendi inglês quando fui morar fora do país com minha família, eu tinha 9 anos de idade. Segundo meus
pais, aprendi a falar fluentemente o idioma em 1 ano.
4) Não tive nenhum professor, eu aprendi tendo que me virar no dia-dia. Também o contato diário com a língua
(como morava nos EUA) me ajudou muito.
5)
6) Como não estudei em uma escola de idiomas, não tive nenhum tipo de formação nessa área.
7)
8) 2010
9) Em casa, aulas particulares. Durante minhas férias da faculdade, em uma escola de idiomas.
10) Nível básico, sim. A partir do nível intermediário o uso do português deve ser bem restrito.
11) Ambos.
12) Falo espanhol, mas não acho que isso me ajudou de alguma forma na aprendizagem/entendimento do
inglês.

QUESTIONÁRIO

1) Sei que grande parte das línguas são derivadas do latim, isso eu aprendi quando estava estudando nos EUA.
Quando eu estava na quinta serie, tivemos a matéria latim. Não aprofundamos muito na matéria, mas na minha
opinião foi uma matéria muito útil.

2) Não

3.b) Sim, mas acredito que a maioria dessas semelhanças são o que chamamos de “falsos cognatas”.

4.b) Sim, com certeza. Acredito que quanto mais línguas falamos, mais facilidade temos em aprender outras. Eu
por exemplo, falo português, inglês e espanhol. Estou estudando Frances no momento e até agora está tudo
muito tranquilo para mim. Percebo que muitas palavras, acentos e estrutura gramatical são semelhantes as
demais línguas que já domino.

5) Se for aliada a outras didáticas, sim, com certeza. Isso ajudará muito o aprendizado.

ENTREVISTA 23

PERFIL DO SUJEITO

1) 21
2) Indaiatuba
3) dos 15 aos 19
4) Aulas em escola de inglês.
5) somente a língua estrangeira.
6) Curso de idiomas em 2010
7) Não
8) 2010
9) Curso de inglês (BC English)
10) Aulas 100% em inglês com raras exceções.
11) Geral
12) Sim, francês. Ajudou e ajuda muito a entender as mudanças linguísticas por causa da influencia.

QUESTIONÁRIO

1) Sim, porque curso Linguística.


79

2) Não. Só fui aprender pela influência tanto latina quanto francesa na faculdade.

3.a) Sim. Como estudei latim por 2 semestres, cito algumas curiosidades pros alunos também. O mesmo com o
francês.

4.a) Sim. Nota-se um maior uso de palavras latinas quando o nível de formalidade é mais alto. E, claro, existe a
diferença entre fala e escrita. Até porque a mudança ocorre de maneira mais efetiva na fala. Até ela chegar na
escrita leva-se mais tempo. Por isso a dicotomia.

ENTREVISTA 24

SUBJECT PROFILE

1) I am 27 years old.
2) I grew up in Los Angeles and lived in a few other cities in Southern California.
3) From the age of 4 until 18 I studied it in school on a daily basis. From kindergarten through high school .
Outside of that, I learned in a natural way absorbing the language from my parents and the world around me, as
most people learn to speak their native tongue.
4) I studied in a one hour English class everyday that generally involved writing and grammar, almost never
speaking or listening.
5) The only formal training I had was a one-week Teacher Training course focused on exploring different ESL
teaching methods. Although brief, I learned a lot from it.
6) No, I never learned Latin in school it was merely mentioned in passing on occasion.
7) I started teaching in 2010.
8) I teach at BC ENGLISH School in Indaiatuba, S.P. A school I opened with my partner and fellow teacher
Juliano Cortizas in 2012.
9) I teach both general English and in some cases more specifically business English.
10) Yes, I also speak Portuguese. Yes I definitely think I've learned more about my native tongue and really just
have a better understanding of language in general after learning Portuguese. Before starting to learn I thought of
language as something static; black and white, on or off, like mathematics. I thought it would be a matter of simply
learning the translation of each individual word. Of course that's not the reality. Language isn't something you can
put in a box, it's more fluid than that. There are expressions unique to each language, words that don't have real
equivalents in different tongues and different grammatical structures, among other things.

QUESTIONNAIRE

1) No to be honest I did not know the exact statistics but I knew that the majority of the English language has it's
origins in Latin. Not by taking any one course or class but more like I said, mentioned in passing or a comment
here or there in English class or some other situations.

2) Yes, as I said above it was mentioned however I don't recall it ever being elaborated on or explained in great
detail.

3.a) I prefer not to as I feel I am not well-versed enough to broach the subject. Also it would be something I would
only bring up with students already at a higher level of studies to avoid confusion.

4.a) Yes it's clear there is a difference in formality and of course people naturally communicate in a more formal
way when they write.

3.b) Yes sure there are plenty of similar words for example banana, idea, pajamas, and many other words with
little or no difference in writing; only pronunciation. Animals are another good example with many similar names.
Structurally there's much less in common between the languages but you can see some parity for example
passive voice and conditional tenses can be translated without changing the structure, order etc.

4.b) It's definitely possible because it's something they have in common. People like to be able to relate what
they're learning with something they're already familiar with and I think it helps to show them this link.

5) Surely would be interesting to try. The question is how to implement it in the class and still remain engaging as
many people think of Latin as an out-dated language that is no longer relevant to study or use.
80

ENTREVISTA 25

PERFIL DO SUJEITO

1) 20 anos.
2) São Paulo/SP.
3) Início do curso aos 7 anos, curso concluído aos 17 anos (de 2001-2011).
4) Em escolas de idioma, embora eu sempre tenha tido facilidade (logo, aprendi parte do meu inglês sozinha).
5) Usavam abordagens que consideravam a língua materna.
6) Primeiro na Escola WISDOM de Idiomas, em São Paulo/SP (de 2001-2003) depois na Escola FISK de
Idiomas, em Salto/SP, onde concluí o curso (2004-2011).
7) Não.
8) 2012.
9) Escola FISK de Idiomas.
10) Permite o uso do português;
11) Leciono inglês geral.
12) Estudei espanhol, mas não acredito que tenha me ajudado muito. Algumas noções de gramática, sim, mas,
no geral, o inglês me ajudou muito mais com japonês e alemão.

QUESTIONÁRIO

1) Eu sabia que o inglês tinha influência latina e algumas palavras francesas, mas não conhecia a informação
exata. Fiquei sabendo disso por meio de aulas de inglês e de Literatura Inglesa e Norte-Americana.

2) Sim, meus professores já comentaram algumas vezes sobre este assunto.

3.b) Sim, várias vezes.

4.b) Desde que não seja exagerado, acredito que sim. Mas informação demais confunde o aluno. Vale a pena
dar apenas um relance de vez em quando.

5) Não, eu acredito no aprendizado intuitivo e natural.

ENTREVISTA 26

PERFIL DO SUJEITO

1) 21
2) Campinas
3) Comecei meu aprendizado por volta dos 7 anos de idade, embora saiba que o processo de aprendizagem de
uma língua seja constante e interminável, senti que estava conseguindo entender a maioria das sentenças em
inglês por volta dos 13 anos.
4) Fui autodidata, pelo menos na maior parte do meu aprendizado. Sempre gostei muito de filmes (a maioria
estadunidenses ou britânicos) mas tinha dificuldade de acompanhar o ritmo das legendas, já que na época eu
ainda era criança e tinha acabado de ser alfabetizado, então decidi que iria aprender o idioma falado nos filmes
para que futuramente eu não precisasse mais das legendas. Comecei a prestar mais atenção e tentei
estabelecer uma relação entre o que era dito e o que a legenda exibia, o processo ficou mais fácil com o
surgimento do DVD, que possibilitava a seleção de legendas em inglês. Com o tempo, minha compreensão foi se
desenvolvendo e, antes que percebesse, já estava entendendo a maioria das frases que eu ouvia com bastante
facilidade, foi um processo bem natural. Paralelamente, eu utilizava o inglês que era dado na escola como base
para aprender gramática, uma vez que isso não seria possível só por meio dos filmes.
5) Só tive professores de inglês na escola, a maioria utilizava a língua materna em parte da aula, me lembro de
dois ou três que utilizavam inglês durante toda a aula e se recusavam a falar português, mas não tive muitas
aulas com eles.
6) Cursando último semestre do curso de graduação de Letras.
7) Não, não há latim na grade do meu curso.
8) 2012
9) Onbyte - formação profissional, lecionei na MicroPRO – qualificação profissional anteriormente, ambas são
escolas que tem como foco a formação profissional na área da informática (cursos como auxiliar administrativo
tecnológico, analista em suporte técnico, projetista CAD, designer gráfico etc.) e oferecem também um curso de
inglês.
10) Na MicroPRO o método fica mais por conta do instrutor, a única exigência é que o material seja utilizado para
basear as aulas e que o cronograma seja seguido. A Onbyte oferece cursos interativos, ou seja, o aluno senta
em frente a um computador, segue as instruções passadas no monitor e faz os exercícios da apostila, as aulas
com o professor são apenas de conversação e a escola orienta os professores a evitar ao máximo o uso do
português e a procurar desenvolver no decorrer das aulas um curso de imersão.
81

11) Leciono inglês de forma geral, mas faço adaptações dependendo da necessidade do aluno.
12) Não.

QUESTIONÁRIO

1) Sabia que o latim tinha certa influência no inglês, mas não tinha conhecimento de que essa influência tomava
tais proporções.

2) Sim, me lembro de um professor ter comentado algo sobre uma palavra ou outra, mas não me lembro de ter
visto nada em nenhum material didático.

3.a) Sim, mas de forma superficial. Percebi que os alunos demonstram mais facilidade quando lidam com
palavras de origem latina, então quando a influência não é tão óbvia, falar um pouco sobre a etimologia ajuda.

4.a) Sim, não apenas de acordo com a formalidade, mas também de acordo com o falante. Pessoas que tem
uma língua latina como língua materna apresentam uma tendência maior a utilizar palavras de origem latina.
Quanto a dicotomia fala x escrita, naturalmente um texto escrito é diferente de um texto verbal pelo simples fato
de podermos desenvolver as ideias com mais calma e antecedência quando lidamos com a escrita. Some isso a
tendência natural de buscar maior formalidade, ou evitar o coloquialismo, na escrita e percebemos uma nítida
diferença na seleção de palavras latinas.

ENTREVISTA 27

PERFIL DO SUJEITO

1) 23 anos
2) Amparo, São Paulo.
3) Iniciei minha aprendizagem a partir dos 11 anos
4) O pouco contato que tive com professores de língua estrangeira foi na minha escola, então, por curiosidade,
me tornei meio autodidata, mas não utilizava gramática. Sempre tentava traduzir letras de músicas das bandas
que gostava quando adolescente e quando surgia alguma dúvida eu perguntava aos meus professores da escola
(no caso, pública) onde estudava.
5) Bom, meus professores sempre utilizaram o mesmo método que uma escola pública utiliza até hoje, ou seja, a
abordagem era focada puramente em língua materna.
6) Curso de graduação
7) Não
8) 2013
9) Atualmente leciono em uma unidade Wizard da minha cidade
10) A escola permite que eu fale português com os alunos, principalmente se ele for iniciante.
11) Leciono inglês geral
12) Não falo outras línguas latinas.

QUESTIONÁRIO

1) Não. Fiquei sabendo ao ler esta pergunta.

2) Não me lembro, creio que não foi mencionado isso durante minha formação.

3.b) Sim, palavras cognatas são exemplos dessa semelhança, mas não consigo me lembrar de nenhuma outra
no momento.

4.b) Creio que sim, devido justamente a tais semelhanças encontradas.

5) Sim, creio que seria interessante, pois acho que facilitaria o entendimento da língua, já que é costume
comparar a língua que está sendo aprendida com a língua nativa.
82

ENTREVISTA 28

PERFIL DO SUJEITO

1) 24
2) Campinas-SP
3) A partir dos 10 anos.
4) Escola de idiomas.
5) Focava na língua estrangeira.
6) Terminei o curso aos 17 anos.
7) Somente nas aulas da PUC. Apesar de ter sido somente por um semestre e não ter aprofundado muito, achei
bem interessante.
8) Desde o começo deste ano (2014).
9) Aulas particulares e duas escolas de idiomas.
10) Depende. Como tenho pouca experiência de aulas, ainda não encontrei uma técnica melhor com os
iniciantes, portanto não exijo 100% de inglês. Mas com os intermediários para cima, procuro exigir o máximo do
inglês.
11) Inglês geral e inglês para aviação.
12) Tenho espanhol intermediário e sou iniciante em francês. Inglês sempre foi minha “segunda língua”, portanto
as outras línguas não chegaram depois. Porém o inglês ajudou um pouco no aprendizado de francês.

QUESTIONÁRIO

1) Eu tinha um conhecimento vago sobre isso. A porcentagem é nova para mim.

2) Não, acho que nunca ouvi sobre isso.

3.b) Sim, já notei. Essas palavras ajudam bastante no aprendizado.

4.b) Eu acredito que sim. Podem mostrar como as línguas não são tão diferentes e dar mais encorajamento. A
assimilação à sua língua, para alguns alunos, torna a aprendizagem mais fácil, principalmente para os alunos
mais velhos de idade.

5) Seria interessante. Pode dar mais certo para alguns alunos do que para outros. Para alunos mais jovens creio
que não é tão necessário, mas caso tenham dificuldade, poderia ser bom para tentar.
83

ANEXO VII - LISTAS DE PALAVRAS DE LIVROS DO MÉTODO CALLAN

ESTÁGIO 1

PEN PENCIL BOOK


TABLE CHAIR WINDOW
LIGHT WALL FLOOR
ROOM CEILING DOOR
CARD BOX PICTURE
YES LONG SHORT
THE LARGE SMALL
CITY TOWN VILLAGE
OR MAN WOMAN
BOY GIRL ONE
TWO THREE FOUR
FIVE SIX SEVEN
EIGHT NINE TEN
ELEVEN TWELVE THIRTEEN
FOURTEEN FIFTEEN SIXTEEN
SEVETEEN EIGHTEEN NINETEEN
TWENTY ON IN
UNDER MISTER MASTER
BLACK GREEN WHITE
BROWN RED BLUE
YELLOW GREY FRONT
BEHIND ME YOU
HIM HER HOUSE
STAND SIT TAKE
PUT OPEN CLOSE
DO WHICH THIS
THAT CHART PLURAL
SAY THESE THOSE
IRREGULAR CLOTHES ALPHABET
LETTER VOWEL CONSONANT
BEFORE AFTER BETWEEN
US THEM PUPIL
TEACHER HIGH LOW
PLEASE

Totais:
76 de línguas germânicas (anglo-saxão, nórdico, lombardo etc.)
21 do latim direto ou indireto
3 do grego
84

ESTÁGIOS 7 e 8

DEVELOPMENT BEHAVE BEHAVIOUR


COMFORT DIANA COMIC
A.D. BENEFIT BIBLE
ABOUT BILL SPEECH
ABROAD BIND COMMANDS
DIRECTOR BIRTH COMMENCED
DISADVANTAGE ACCEPT BLACKBOARD
COMMERCE ACCORDINGLY BLOODY
DISCOVERY ACCOUNT COMPANION
COMPANY DISCUSSION ACCUSTOMED
BOOKSHOP DISH ACT
ARGUMENT CAVEMAN DUST
COWBOY ARMOUR DAMAGE
ASSOCIATION CHAT DANCED
PRONOUNS BACKWARDS CLEANER
EPHESUS BALANCE CLIFF
DEMAND ESSENTIAL BANKER
INDIVIDUAL SOMEONE GREASE
FEELINGS INFORMAL FEMININE
LORD FESTIVAL GRANDMOTHER
INJURY FEW DEAL
INN OFFICE FIERCE
GREED FOOL HIMALAYAS
HINDER MASS KINGDOM
FORCE KISS MASTERPIECE
FOREVER HOBBY KNOWLEDGE
MATERIAL FORM HOLY
MATTER HOME LACK
MATTER LEATHER RESPECT
STUDY TOE SURGEON
TURNOUT WITHOUT OFF
TYPE SWITCH TYPED
WONDER TAKE TERRIBLE
HARBOUR

Totais:
47,5 do latim direto ou indireto
45,5 de línguas germânicas (anglo-saxão, nórdico, neerlandês, flamengo, baixo-alemão etc.)
5 do grego
1 do francês
1 do sânscrito