Você está na página 1de 7

Brasil um País Violento

A segurança pública no Brasil- concernente à prevenção e repressão


da violência- fracassa na tentativa de estabelece ordem. O Brasil possui
um dos maiores índices de violência do mundo, embora haja esforços
do governo que visam uma sociedade pacífica. Porém tais esforços
fracassam, pois na maioria das vezes visam apenas à repressão
contribuindo para o aumento da violência.

Exporei um quadro sucinto sobre a violência no Brasil para elucidar


sua origem e o impacto na vida dos cidadãos.

A cidade do Rio de Janeiro abriga um dos maiores símbolos de


violência do país, as favelas. Cidade que outrora fora sede do império e
capital federal, hoje está tomada por violência. As favelas da cidade do
Rio de Janeiro originaram-se de assentamentos construídos em áreas
(morros) adjacentes ao centro da cidade por pessoas despejadas de
cortiços e soldados remanescentes da guerra de canudos. Essas áreas
eram ignoradas pelo governo no início do século XX e ao passar do
tempo tornaram-se foco de violência e criminalidade.

( Foto de Augusto Malta, Favela Morro do Pinto, Rio de Janeiro, 1912. )


Favela no Rio de Janeiro
O governo ignorava as favelas e as pessoas que ali viviam, por
conseguinte tais áreas cresceram de forma desordenada e sem
infraestrutura. Logo craves problemas originaram-se nessas regiões,
por exemplo, o narcotráfico. Em meados de 1990, quando as favelas já
estavam consolidas e as suas populações, o governo municipal buscou
desenvolver políticas sócias para essas áreas, até então ignoradas, com
o intuito de urbanizá-las e levar melhor qualidade de vida às suas
populações. No entanto as políticas postas em prática não lograram
êxito. No presente o governo tem imposto forte repressão à violência
que há nas favelas, projetos como; as Unidades de Polícia Pacificadora
(UPP) e outras medidas visam o fim do narcotráfico e o apaziguamento
da violência nessas áreas.

Policial Militar pertencente à UPP do Morro do Alemão


Contudo as favelas são um problema nacional, que não se restringe
apenas a cidade do Rio de Janeiro. Quase todas as grandes cidades do
país possuem favelas que apresentam problemas semelhantes como:
Falta de infraestrutura das construções, inexistência de saneamento
básico, alto índice de criminalidade, baixo nível de escolaridade da
população e outros problemas oriundos do narcotráfico, que muitas
vezes impera nessas áreas. Afirmo que as favelas existem, porque o
governo prefere ignora as populações que ali moram, marginalizando-
as, a desenvolver políticas que atendam as reais necessidades dessas
populações, por conseguinte os problemas existentes tomam maiores
proporções.

Tentativa da População de Proteger-se do Crime


A violência e a criminalidade não são oriundas apenas das favelas,
crimes banais, sequestros, assaltos de todas as espécies entre outros
crimes são noticiados todos os dias pelos diversos meios de
comunicação existentes. Não obstante o governo insiste em dizer que
na sociedade brasileira reina um clima pacífico. Contudo é evidente a
ineficiência das forças de segurança pública, que quase sempre são
incapazes de combater o crime visto a falta de recursos de suas
corporações que são negligenciadas pelo governo. Consequentemente
o crime espalha-se por toda a sociedade e o cidadão tonar-se seu
refém. Na tentativa de refugia-se da violência o cidadão constrói
moradias com muros enormes que mais parecem fortalezas, com
grades de ferro em suas janelas e portas.

Vou enumera alguns fatores que excitam a violência no Brasil.


Drogas ilícitas e sua contribuição no desconforto social: A sociedade
brasileira enfrenta grande problema ao lidar com o narcotráfico. As
drogas que possuem maior notoriedade no Brasil são: crack, cocaína e
maconha outras drogas também figuram no mercado negro, porém
com menor comercialização. O crack em especial tem feito vários
dependentes, possuindo um rápido efeito de dependência seu usuário,
logo se ver viciado. O usuário de crack, que se encontra viciado, deixa
todas as atividades cotidianas e passa a dedica-se exclusivamente ao
vício. Para supri o vício e compra crack o viciado vende todos os seus
pertences, e logo que acabam passa a praticar pequenos furtos. Assim,
um cidadão que antes era saudável e cumpria com todos os seus
deveres cívicos, passa a um estado combalido e fica à margem da lei.
Milhares de famílias têm sido desestruturadas pelas drogas e grandes
áreas em muitas cidades estão sedo tomadas pelos narcotraficantes.
Contudo o governo tem mostrado incapacidade ao lidar com a
disseminação e o aumento no consumo de drogas ilícitas.

"Cracolândia" repleta de usuários de drogas

Na cidade de São Paulo há aéreas sitiadas por usuários de crack


denominadas “cracolândia”, onde os usuários fazem uso de crack ao ar
livre e há comercialização de drogas ilícitas de forma explícita. Há uma
tentativa do governo municipal que visa por um fim em tais áreas, que
se situam próximo ao centro comercial da cidade, contudo ao fazer-se a
desarticulação de uma área, logo os usuários migram para outra. Por
conseguinte o governo perde o controle da situação. Na cidade do Rio
de Janeiro os narcotraficantes estalarem-se nas favelas. Comunidades
que antes eram lar de cidadãos humildes passaram a ser controladas
pelos chefes do narcotráfico. Nessas comunidades os narcotraficantes
construíram uma articulada rede de comercialização de narcóticos e
tomaram seus moradores como reféns. Muitos moradores dessas
aéreas sentiram-se tentados pela proposta de dinheiro fácil, oriundo
do tráfico, e ingressaram no mundo do crime. Entretanto as drogas
expandem suas fronteiras não se limitando apenas as grandes cidades.
Pequenas cidades também sofrem com o narcotráfico e muitas vezes
com maiores danos que nas grandes cidades, pois o governo mostra-se
ausente em pequenos centros.

A sensação de insegurança que se instaurou na sociedade: O cidadão


ao andar pelas ruas das grandes de cidades, ver-se sujeito a diversos
crimes. Ondas de assaltos, sequestros, assassinatos entre outros crimes
são frequentes nos grandes centros. Por conseguinte o cidadão tem
que se manter cauteloso ao transitar pelas ruas. Na cidade de São Paulo
há uma prática de assalto denominada “arrastão” que consiste no
roubo de grande número de pessoas em centros públicos –
restaurantes, lanchonetes, bares, shoppings, praças, etc. – na qual os
criminosos agem com violência para intimida as vítimas. Isto deixa
clara a vulnerabilidade do cidadão diante a violência, por conseguinte
impedindo-o de usufruir o direito de livre trânsito, estando ele sujeito
a qualquer estante a crimes horrendos. Os órgãos responsáveis pela
repressão de crimes não conseguem atender a todos os crimes que
ocorrem visto seu grande número em contraste com seus recursos. O
Brasil possui 16 cidades entre as 50 mais violentas do mundo, Maceió
(AL), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB) e Belo Horizonte (MG) são
algumas cidades que figurão nesse ranking. O número de assaltos e
assassinatos nessas cidades é alarmante deixando seus habitantes
reféns do crime. As delegacias de policia civil estão abarrotadas de
processos que versão na maioria das vezes sobre roubos e furtos. Os
delegados vêm-se impedidos de prender os criminosos, pois o código
penal brasileiro é falho impedindo-os de fazer-se cumprir a lei. Por
conseguinte a impunidade prevalece motivando mais crimes. As
penitenciarias brasileiras, embora a lei mostre-se falha, estão
abarrotadas de detentos. A população carcerária do Brasil aumentou
muito nos últimos anos consequência do aumento da violência. Tais
instituições muitas vezes apresentam condições sub-humanas no
tratamento de seus residentes não contribuindo em nada para sua
reabilitação.

Impunidade e crimes: No Brasil a maioria dos crimes fica impune. Os


transgressores das leis não são penalizados por seus delitos e muitas
vezes reincidem em suas infrações. Este é um fator fomentador de
violência no país. Vários fatores contribuem para as leis não serem
aplicadas de maneira eficaz entre os quais; a demora no encerramento
de processos, deficiência de inquéritos policiais e a falta de vagas no
sistema penitenciário são apontadas por diversos magistrados. Há
também falta de cooperação entre as policias civil e militar, ministério
público e poder judiciário que trabalham de maneira desarticulada. A
população ao ver que o poder judiciário é ineficaz busca fazer justiça
com as próprias mãos.

No Brasil há uma sensação que as leis são aplicáveis apenas a alguns


grupos, exemplo disso é o encarceramento de pessoas que praticam
pequenos furtos, muitas vezes de alimento ou itens de baixo valor, que
são podres na maioria das vezes, enquanto políticos corruptos que
roubam bilhões dos cofres públicos não são condenados ou tão pouco
presos, lavando todo o dinheiro subtraído para paraísos fiscais. Por
conseguinte tais grupos privilegiados cometem mais crimes com a
certeza de ficarem impunes.

Trânsito violento: A violência no trânsito brasileiro é alarmante o


número, de acidentes e mortes nas rodovias e estradas brasileiras é
crescente. Na maioria das vezes os acidentes e mortes são motivados
pelo abuso de álcool que é vendido ás margem de estradas e rodovias,
embora seja proibida sua venda em tais locais. Na tentativa de minguar
os acidentes provocados pelo abuso de álcool o governo instituiu a
chamada “Lei Seca”, que passou por várias reformas desde sua
promulgação. Esta lei Proibiu a ingestão de álcool ao volante impondo
graves punições ao seu transgressor; entre elas está a suspensão do
direito de dirigir por 12 meses. Embora tenha ocorrido um decréscimo
no número de acidentes motivados pelo abuso de álcool desde a
promulgação da “Lei Seca”, muitos motoristas continuam ao volante
embriagados. O motorista brasileiro comete muitas infrações de
trânsito. Condutores por diversas vezes não respeitam os milites de
velocidade e tão pouco a sinalização das estradas, por conseguinte
graves acidentes são ocasionados. Nas cidades infrações como os
“pegas”, prática na qual condutores de veículos disputam corridas em
alta velocidade pelas ruas da cidade, ocasionam várias mortes por
atropelamento. Hospitais são repletos de vítimas de acidentes
automobilísticos, que muitas vezes poderiam ser evitados através da
observância da legislação de trânsito. Porém o grande número de
veículos em circulação pelas ruas e a falta de infraestrutura destas
coadjuva no aumento de acidentes.

Intolerância como foco de violência: Crimes de agressão são vistos


frequentemente nos noticiários, muitas vezes motivados por
intolerância. Racismo racial, homofobia, preconceito contra habitantes
de determinadas regiões e até mesmo intolerância religiosa são
motivos que levam a agressões.

Diante a esse cenário o cidadão ver-se impotente e indefeso. O estado


que deveria resguardá-lo mostra-se, por vezes, ausente e incapaz de
estabelece a ordem. Consequentemente o cidadão que não tem seus
direitos assegurados vive à mercê de violência e criminalidade.