Você está na página 1de 11

c 


   c 

  

  


 
V
V
VVV
 V
V
V
V
V
V
Podemos dizer que uma matriz é uma tabela com colunas (vertical) e linhas (horizontal). Então chamamos
de matriz toda tabela m x n sendo que m e n podem assumir qualquer valor ‘   menos o zero. Sendo
que m é o número de linhas e n o número de colunas.

Para representar uma matriz devemos colocar as linhas e colunas entre parênteses, chaves ou entre duas
barras duplas, veja alguns exemplos:

Observe que em cada matriz dos exemplos acima tem ao lado indicando o número de linhas e o de
colunas da matriz, o primeiro exemplo esta indicado 2 x 3 que lê assim a matriz é de ordem dois por três.
E cada número pertencente a uma matriz é o seu elemento.

Se pegarmos uma matriz qualquer de ordem m x n, como iríamos representá-la?


Cada elemento de uma matriz pertence a uma linha e uma coluna. Dada a matriz de ordem 3 x 2:

O elemento - 5 pertence a 1ª linha e a 1ª coluna.


O elemento 2 pertence a 2ª linha e 2ª coluna.

Para representarmos uma matriz de ordem 2 x 2 onde não temos seus elementos definidos,
representamos da seguinte forma:
a11 ; a21 ; a12 ; a22 são elementos da matriz de ordem 2 x 2 (duas linhas e duas colunas).

Então o elemento a21 pertence a 2ª linha e 1º coluna.

Exemplo:
Escreva a matriz A = (ai j) 2 x 3 tal que ai j = 2i + j.

A matriz A é de ordem 2 x 3, então podemos escrevê-la assim:

Agora os números que ocuparam o lugar de: a11, a 21, a12, a22, a13 e a23, irão depender da equação dada no
enunciado: ai j = 2i + j.
Então iremos calcular cada elemento sabendo que:
i é a linha que o elemento pertence.
j é a coluna que o elemento pertence.

a11 = 2 . 1 + 1 a21 = 2 . 2 + 1
a11 = 3 a21 = 5

a12 = 2 . 1 + 2 a22 = 2 . 2 + 2
a12 = 4 a22 = 6

a13 = 2 . 1 + 3 a23 = 2 . 2 + 3
a13= 5 a23 = 7

Então os elementos que pertencem a matriz A são:

Uma matriz recebe certo tipo de nome dependendo da quantidade de elementos em suas linhas e colunas
ou apenas por características específicas.

Xá l 
Recebe o nome de Matriz linha toda matriz que possui apenas uma linha. O número de colunas é
independente. Por exemplo:

[x

Xá 
olu
Recebe o nome de Matriz coluna toda matriz que possuir apenas uma coluna. O número de linhas é
independente. Por exemplo:
Dx[

Xá ul
Recebe o nome de Matriz nula toda matriz que independentemente do número de linhas e colunas todos
os seus elementos são iguais a zero. Por exemplo:

Podendo ser representada por 03 x 2.

Xá  u 
Matriz quadrada é toda matriz que o número de colunas é o mesmo do número de linhas. Por exemplo:

Quando a matriz é quadrada nela podemos perceber a presença de uma diagonal secundária e uma
diagonal principal.


Xá   o l
Será uma matriz diagonal, toda matriz quadrada que os elementos que ‘ee‘em à di ‘ 
i‘i  sejam iguais a zero. Sendo que os elementos da diagonal principal podem ser iguais a zero ou
não. Por exemplo:
Xá  e e
Para que uma matriz seja matriz identidade ela tem que ser quadrada e os elementos que pertencerem à
diagonal principal devem ser iguais a 1 e o restante dos elementos iguais a zero. Veja o exemplo:

Xá opo
Dada uma matriz B, a matriz oposta a ela é - B. Se tivermos uma matriz:

A matriz oposta a ela é:

Concluímos que, para encontrar a matriz oposta de uma matriz qualquer basta trocar os sinais dos
elementos.

V
Xá e u ou u l e em e
Dada uma matriz A e uma matriz B, as duas poderão ser iguais se somente seus elementos
correspondentes forem iguais.

V
Xá  po V
Dada uma matriz A de ordem m x n, a matriz transposta dela será representada por A t de ordem
Ơinvertidaơ n x m.
Essa ordem invertida significa que para transformarmos uma matriz em matriz transposta, basta trocar os
elementos das linhas pelo das colunas e vice-versa.

Veja o exemplo:

Dada a matriz A = 3 x 2, a matriz transposta representada por A t, será:

At = 2 x 3.

Observamos que a ordem das matrizes A e da sua transposta At foi invertida, o que era linha virou coluna
e o que era coluna virou linha.

Veja mais um exemplo:

Dada a matriz B = 3 x 3, a matriz transposta representada por

Bt, será:

Bt = 3x3

Observamos que quando temos uma matriz quadrada a sua matriz transposta terá a mesma ordem o que
irá diferenciar uma da outra é a disposição das linhas e colunas.

Xá mé
VV
V
§ quando a matriz transposta é igual à matriz (A = A t). Ou seja, os elementos da diagonal principal de A e
At são iguais.

Dada a matriz A = 2 x 2, a sua transposta é At = .

V
O V V
V V  V
A operação com qualquer matriz sempre resultará em outra matriz, independentemente da operação
utilizada.

Antes de falarmos da adição e da subtração de matrizes, iremos relembrar do que uma matriz é formada:
toda matriz tem seus elementos que são dispostos em linhas e colunas.

A quantidade de linhas e colunas deve ser maior ou igual a 1. Cada elemento vem representado com a
linha e a coluna que pertence. Exemplo: Dada uma matriz B de ordem 2 x 3 o elemento que se encontra
na 1º linha e 2° coluna será representado por b12.

XO o
As matrizes envolvidas na adição devem ser da mesma ordem. E o resultado dessa soma será também
outra matriz com a mesma ordem.

Assim podemos concluir que:

Se somarmos a matriz A com a matriz B de mesma ordem, A + B = C, teremos como resultado outra
matriz C de mesma ordem e para formar os elementos de C somaremos os elementos correspondentes de
A e B, assim: [[[[
[[.

Exemplos:

Dada a matriz A= 3 x 3 e matriz B= 3 x 3, se somarmos a


A + B, teremos:

+ = 3x3

Observe os elementos em destaques:

a13 = - 1 e b13 = - 5 ao somarmos esses elementos chegaremos a um terceiro que é o


c13 = -6. Pois [ D [D 
O mesmo ocorre com os outros elementos, para chegarmos ao elemento c32, tivemos que somar a 32 +
b32. Pois, 3 + (-5) = 3 ƛ 5 = - 2

Assim: A + B = C, onde C tem a mesma ordem de A e B.

Xu o
As duas matrizes envolvidas na subtração devem ser da mesma ordem. E a diferença delas deverá dar
como resposta outra matriz, mas de mesma ordem.

Assim temos:
Se subtrairmos a matriz A da matriz B de mesma ordem, A ƛ B = C, obteremos outra matriz C de mesma
ordem. E para formarmos os elementos de C, subtrairemos os elementos de A com os elementos
correspondentes de B, assim: [[ 
[.

Exemplos:

Dada a matriz A = 3x3eB= 3 x 3, se subtrairmos A ƛ B,


teremos:
= 3x3

Observe os elementos destacados:

Quando subtraímos a13 ƛ b13 = c 13, [ D [D

Quando subtraímos a31 ƛ b31 = c 31,  [ [


Assim A ƛ B = C, onde C é uma matriz de mesma ordem de A e B.

V V V VVV


V
V
VVV V
V  VVVVVVVVVVV
VVV VVVVVVVVVVVV

V
V
V
VVVV VVV!"VVVVV

V
V

V
V
V
#V V$V%VV V VVVVVVVVV
 VVVVV&V
V
V' V
V V
V '  V
V V
VV
VV
V( V
V(V
V V)V$ V
V V)V$V

V V)V* $V
V$V)V*$V
V * V
V *  VV

V V V
V
V
#V VVVVVVV$VVVVVV+VVVV V
VV$VVV%VVVVV*VVVV%V  V+&V

V
V
V
,VVVVVV%V-VVVVV
VV.VVVV VVVVVV VVV$VVV
V/VVVVV0 V&V

V
V
V
VVVVV VV$V-V+VVVVVVVVVVV
V V+V/VVVV.VVV$V &VV

V
V
V
VVVV VVV-VVV 1 V

V
V
V
V
V
V
V
Ex V V VV  V
Sabemos que uma matriz irá admitir inversa se, somente se, ela for quadrada e o produto dela com a
inversa forem iguais a uma matriz identidade de mesma ordem, mas será que podemos concluir que
qualquer matriz quadrada tem uma matriz inversa correspondente? Veja o exemplo abaixo:

Dado a matriz A = , para verificar se ela é invisível temos que verificar se existe sua matriz
inversa A-1, como não conhecemos os elementos da matriz A-1 iremos defini-la como sendo uma matriz

qualquer de ordem 2: A-1 = . Para que A-1 seja a matriz inversa de A o produto delas deverá ser

igual a .
Agora, formamos dois sistemas com a igualdade de matrizes abaixo:

Ao resolvermos o primeiro sistema chegaremos à seguinte conclusão:

4a + 2b = 1
2a + b = 0 (-2)

4a + 2b = 1
-4a ƛ 2b = -2
0a + 0b = -1

Assim, podemos concluir que esse sistema é impossível, então não terá solução. Portanto, A matriz A não
é invisível.

Veja esse outro exemplo, onde a matriz terá sua inversa.

Dada a matriz B = , para verificar se ela é invisível temos que verificar se existe sua matriz
inversa A-1, como não conhecemos os elementos da matriz B-1 iremos defini-la como sendo uma matriz
qualquer de ordem 2: B-1 = . Para que B-1 seja a matriz inversa de B, o produto delas deverá ser igual a

Formando dois sistemas com a igualdade das matrizes, teremos:

Resolvendo o primeiro sistema, encontraremos os valores de a e c:

a + 4c = 1
0a + 2c = 0

2c = 0
c=0

a+4.0=1
a=1

Resolvendo o segundo sistema, encontraremos os valores de b e d:

b + 4d = 0
0b + 2d = 1

2d = 1
d=1/2

b + 4 . 1/2 = 0
b = -2
Portanto, concluímos que a inversa de B será B-1 = .

-   V
V
Determinante é o valor numérico de uma m  u  (que tem o mesmo número de linhas e de
colunas).

ƥeem e em e eo em[


Matriz de ordem 1 é uma matriz que possui apenas uma linha e uma coluna.
Por exemplo:
A = (1)
B = [-5]

O valor do determinante desse tipo de matriz é o próprio elemento da matriz de ordem 1, assim podemos
concluir que o determinante das matrizes A e B serão:

det A = | 1 | = 1

det B = | -5 | = -5

OBSERVAÇÃO: As duas barras que limitam os elementos de um determinante não devem ser considerados
módulos, é apenas um símbolo que representa os determinantes.

ƥ eem e em e eo em


Para calcular o determinante de uma matriz quadrada de ordem 2, basta multiplicar os elementos da
diagonal principal e diminuir pelo produto dos elementos da diagonal secundária.

Dada uma matriz de ordem 2:

O seu determinante será = a 11 . a22 ƛ a21 . a 12.

Exemplo:

Dada a matriz B de ordem 2x2 . Calcule o seu determinante:

= -3 . 0 ƛ 1 . 2 = 0 ƛ 2 = -2, portanto det B = -2


>eem e em e eo em 
O cálculo do determinante de matriz de ordem 3 é feito utilizando um processo diferente. Veja como é
feito.

Dada a matriz A de ordem 3x3 , o seu determinante será calculado da


seguinte forma:

Escrevemos o seu determinante, repetindo as duas primeiras colunas à direita da matriz A:

Agora devemos multiplicar os elementos conforme o esquema montado abaixo, sabendo que os produtos
da direita conservaram os sinais e os produtos da esquerda inverteram os sinais, veja:

Depois de ter feito as multiplicações devemos somar os seus produtos.

det A = 0 ƛ 40 + 0 ƛ 15 + 0 ƛ 4 = -59, portanto det A = -59

Esse processo é chamado de regra de Sarrus.