Você está na página 1de 3

AVC ISQUÊMICO

Clínica: déficit neurológico focal de instalação súbita, que pode cursar com
acometimento motor, de linguagem, sensitivo, cerebelar, visual, coordenação e
cefaleia.

Diagnósticos diferenciais: Epilepsia, tumores cerebrais, distúrbios metabólicos


(hiperglicemia, hipoglicemia), encefalopatia hipertensiva (oftalmoscopia com
papiledema), desidratação, hipernatremia, TCE (hematoma subdural), intoxicação
exógena, síndrome urêmica, meningite, encefalites, neurotoxoplasmose.

Mecanismos: embolia, trombose de grandes artérias, oclusão de pequenas artérias


(infartos lacunares).

Conduta:
- Anamnese
- Escala de Glasgow (intubar se ≤ 8).
- Exame neurológico: pedir para o paciente sorrir, franzir a testa, reflexo pupilar direto
e indireto, teste do H (músculos extrínsecos do olho), pedir para levantar os braços,
avaliar a força muscular, testes cerebelares (equilíbrio).
- Exame físico: PA, FC, FR, oximetria.
- Monitorização cardíaca.
- Realizar dextro (glicemia capilar);
- Estabilizar o paciente (hipotensão (reposição volêmica), hipoglicemia (<80),
hiperglicemia (>200),
- Acesso periférico + solicitar exames: hemograma, glicemia, Urina I, eletrólitos (Na, Ca,
K), creatinina, coagulograma, ECG, MNM.
- Aplicar escala de AVC do NIH
- Solicitar TC sem contraste de urgência.
- Avaliar TC -> se presença de hemorragia = AVC hemorrágico.
-> se ausência de hemorragia = tratar como AVC isquêmico.

Investigação da etiologia:
- Lipidograma (LDL e HDL colesterol), TG, sorologia para chagas, ECG, radiogradia de
tórax, ecodoppler de carótidas e ecocardiograma (transesofágico se suspeita de
trombos).
Tratamento:
Para todos:
- controle rigoroso da glicemia (dextro + glicose ou insulina se alterado);
- controle da natremia;
- controle da temperatura corporal (dipirona se febre);
- ventilação adequada adequada (oxigênio se paciente hipoxêmico);
- Avaliar critérios de inclusão e de exclusão de trombólise

AVC HEMORRÁGICO
Clínica: Cefaleia súbita de forte intensidade (comumente descrita como pior dor de cabeça da
vida, quase sempre presente), vômitos, síncope (50%), diplopia, disartria, paresia facial, ptose
palpebral, rigidez de nuca (aparece após 12-24 horas), crises convulsivas, síncope e alterações
do nível de consciência (pela hipertensão intracraniana). Evento frequentemente precipitado
por esforço físico.
Tríade: cefaleia súbita intensa + síncope + rigidez de nuca

Principal etiologia: Rotura de aneurisma sacular (local + comum = art. comunicante anterior)

Conduta:

- Anamnese: perguntar sobre a cefaleia (a mais forte que já sentiu na vida? Há quanto tempo
iniciou? O que estava fazendo quando iniciou?), sobre a presença dos demais sintomas.
- Exame físico: Exame neurológico (reflexo fotopupilar direto e indireto, H visual, pedir para
sorrir, franzir a testa, avaliar rigidez de nuca, força muscular, escala de Glasgow.
- Estabilizar o paciente (primeiro monitorizar os sinais vitais, nível de consciência e receber
suporte de vida quando necessário).
- Solicitar TC de crânio não contrastada de urgência quando paciente tiver condições clínicas
adequadas, para confirmar o diagnóstico (presença de imagem hiperdensa -> hemorragia).
- Realizar escala de Fisher.
- Solicitar coleta de líquor por punção lombar nos casos de suspeita clínica de AVC hemorrágico
e ausência de hemorragia na TC de crânio. Obs: líquor de aspecto hemorrágico, xantocrômico
após centrifugação, > 100.000 hemácias/mm³, aumento de proteínas.
- Internação na UTI.
- Monitorização invasiva da PAM (cateter radial) e da PIC (ventriculostomia), se houver
rebaixamento do nível de consciência.
- Cabeceira elevada (aumentar o retorno venoso e diminuir a pressão intracraniana).
- Repouso absoluto no leito.
- Jejum para a realização de exame e/ou cirurgia.
- Tratamento dos sintomas com analgesia, antieméticos e antipiréticos.
- Manter PA entre 120 e 150 mmHg (evitar isquemia cerebral ou risco de ressangramento) ->
Labetalol.
- Prescever Nimodipina 60 mg VO (ou enteral) a cada 4 h para prevenção de vasoespasmo.
- Se AVC cortical extensão -> profilaxia de crises convulsivas (Hidantal ou Fenitoína)
- Intubação orotraqueal se Glasgow < 8.
- Comunicar neurocirurgião (decisão da cirurgia)

Você também pode gostar