Você está na página 1de 3

DOCUMENTOS NECESSARIOS PARA INSTRUIR UMA CAUSA DE DISPENSA

DAS OBRIGAÇ_ES COM A ORDENAÇ_O SACERDOTAL

1. Pedido do sacerdote interessado, dirigido, com espírito de humildade e


penitência, ao Santo Padre, com uma síntese dos motivos principais que o
levaram a abandonar as obrigaç_es de sua ordenaç_o e as raz_es que o impedem
de voltar atrás, superar as crises e retomar o ministério.

2. Um "curriculum vitae" do sacerdote, no qual apareçam os momentos e fases


mais significativos de sua vida, de sua formaç_o, de seu ministério, explicando,
com todos os detalhes, os motivos e raz_es de suas crises e de sua defecç_o,
evidenciando os motivos que o levam a considerar irreversível sua volta ao
ministério. (O "curriculum vitae" atua como "libello" introdutório para a causa, junto
com a súplica de dispensa).

3. Um documento que apresente todas as tentativas pastorais feitas pelo


Ordinário Diocesano ou pelo Superior Religioso no sentido de fazê-lo desistir da
intenç_o de pedir a dispensa, como também tudo o que foi feito para ajudá-lo a
superar a crise, voltar ao caminho e retomar as atividades pastorais.

4. Um documento que mostre que o Requerente, definitivamente decidido a


abandonar o sacerdócio, foi suspenso do exercício do sacramento da Ordem
desde o momento em que tenha apresentado ao Ordinário seu pedido de dispensa
e este o tenha acolhido, evitando toda possibilidade de escândalo e salvando sua
reputaç_o.

5. O decreto de nomeaç_o do Juiz "Instrutor" da causa e do Notário, segundo


as "Normas Substanciais" emanadas pela Congregaç_o da Doutrina da Fé, em 14
de Outubro de 1980 (AAS.,LXII (1980), pp. 1132-1137).

6. O interrogatório do Requerente feito pelo Juiz "Instrutor" na presença do


Notário e tendo prestado o juramento de dizer a verdade às perguntas preparadas
e pertinentes, sobretudo relativas ao período de formaç_o precedente à
Ordenaç_o e com uma investigaç_o profunda de tudo quanto se afirma, de forma
particular, sobre as raz_es aduzidas e indicadas no "curriculum" como motivos da
crise, da defecç_o e da irreversibilidade da mesma.

7. O interrogatório ou o depoimento de testemunhas indicadas pelo Interessado


ou escolhidas pelo "Instrutor": pais e familiares do sacerdote, superiores e
condiscípulos no período de formaç_o, superiores e companheiros no momento
presente, etc.

8. Possíveis perícias médicas, psicológicas, psicanalíticas ou psiquiátricas,


do tempo de formaç_o ou mesmo posteriores.

9. Cópia dos "escrutínios" precedentes às Ordenaç_es ou outros


documentos relativos ao Requerente que possam ser encontrados nos arquivos
das casas de formaç_o.

10. Voto pessoal do "Instrutor" sobre a causa e sobre a oportunidade ou a


utilidade ou n_o da concess_o da dispensa, tendo em vista as motivaç_es
apresentadas na instruç_o do processo e o bem pessoal do interessado, mas
sobretudo o bem da Igreja, da Diocese ou do Instituto Religioso e das almas que
lhe foram confiadas durante seu ministério pastoral.

11. Voto pessoal do Bispo ou Superior Religioso que tenha promovido a


instruçao da causa, seja sobre o mérito da mesma, após a leitura dos autos
recebidos do "Instrutor", seja sobre a possibilidade ou oportunidade da
concess_o da dispensa, como também sobre a ausência do escândalo no caso de
que seja concedida.

12. Voto pessoal do Ordinário do lugar, onde de fato o Interessado reside desde
que abandonou o ministério, sobre a ausência do escândalo.

13. Cópia autêntica do eventual matrimónio civil ou da declaraç_o de nulidade


ou de divórcio tanto no que se refere à mulher como ao Interessado.

N.B.: Os autos supramencionados, reunidos, ordenadamente encadernados, com


as páginas numeradas e autenticadas pelo Notário, em três cópias, devem ser
enviados à Congregaç_o para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos. Se
algum manuscrito, de alguma importância, estiver ilegível, que seja datilografado.
O mesmo se diga das fotocópias.

Caso o Presbítero tenha menos de quarenta anos, toda a


documentaç_o deverá ser feita em cinco cópias.
DIÁCONOS

DEMISS_O DOS DIÁCONOS DO ESTADO CLERICAL


E DISPENSA DE TODAS AS OBRIGAÇ_ES INERENTES _ ORDENAÇ_O

1. De acordo com a legislaç_o canónica vigente e a prática da


Congregaç_o, a demiss_o do estado clerical, com dispensa das obrigaç_es
inerentes à Ordenaç_o, só pode ser concedida por "motivos graves" (can. 290 §
3), tanto aos diáconos ordenados em vista do sacerdócio como aos diáconos
permanentes, quer sejam do clero diocesano quer do clero religioso, após o
pedido espontâneo do diácono em quest_o, acompanhado dos seguintes
documentos:

a) O pedido do interessado, assinado por ele próprio e dirigido ao Santo


Padre, no qual solicita expressamente a graça e acrescenta, de modo conciso, os
motivos que o levam a fazer tal pedido.

b) Um "curriculum vitae" do requerente, em que apareçam claramente a


gravidade e a evoluç_o dos acontecimentos ou fatos que levaram à crise e,
eventualmente, os graus de responsabilidade do mesmo ou de outrem.

c) O "Voto" do próprio Bispo ou do Superior Religioso (Maior ou Provincial)


"de rei veritate" e sobre a oportunidade ou n_o da demiss_o do estado clerical e da
concess_o da dispensa.

d) Alguns testemunhos ou depoimentos dos Superiores, dos educadores,


colegas de formação e de ministério.

e) Os actos de arquivo relativos ao período de formação e os "escrutínios"


da admissão à Ordenação (can. 1051).

2. Para demitir do estado clerical um diácono que se recuse de pedi-lo de


forma espontânea, é necessário recorrer a um verdadeiro processo judicial, na
linha de quanto prescreve o can. 1342 § 2. Para esse processo, n_o basta a falta
de idoneidade do interessado, mas requer-se que tenha cometido algum delito.

a) Tal procedimento é de competência do Bispo diocesano ou do Superior


Religioso.

b) Para a eventual dispensa do celibato, só depois do processo é que se


pode apresentar o regular pedido da graça (can. 291).