Você está na página 1de 14

Jejum Intermitente Para

Iniciantes – O que é, Benefícios


e Tudo O Que Você Precisa
Saber
Introdução
• O jejum intermitente tem sido a estratégia alimentar
mais discutida na Internet nos últimos tempos;
• E, assim como qualquer nova dieta que surja como “a
solução definitiva para todos os seus problemas”, ele
tem sido distorcido e propagado das maneiras mais
diversas que você pode imaginar;
• Por isso, quisemos dar nossa pequena contribuição neste
texto para ajudar a clarificar o assunto do jejum
intermitente (comumente abreviado para JI).
Introdução
• Ao concluir essa apresentação, você vai saber:
– O que é exatamente o jejum intermitente;
– A maneira mais fácil de começar a colher os resultados do JI;
– Quem pode (e quem não pode) fazer o JI;
– Quais os benefícios de se praticar jejum intermitente;
• Então, antes de entrarmos nos detalhes das diversas
modalidades de JI, vamos começar falando sobre o que
exatamente é o jejum intermitente.
O que É Jejum Intermitente?
• Neste caso, a definição mais precisa é justamente a mais
simples;
• O nome jejum intermitente consiste de duas palavras, e
ambas são importantes para entendermos o que ele quer
dizer;
• A palavra jejum se refere aos períodos em que você fica
sem comer;
• E a palavra intermitente significa algo que não acontece
de maneira contínua.
• Sendo assim, a palavra intermitente se refere a pausas no
jejum;
• Com esses dois termos, a prática do jejum intermitente
é basicamente alternar períodos sem comer com
períodos em que você pode comer;
• Ou, para usar um termo comum entre adeptos do JI,
alternar um período de jejum com uma janela de
alimentação;
• Já a duração de cada um desses períodos varia bastante,
dependendo de qual protocolo de jejum intermitente
você escolher.
• Mas, por ora, vale dizer que as diferenças estão
basicamente em quanto tempo por vez você passa sem
comer;
• Uma consequência lógica dessa definição é a de que
todas as pessoas fazem alguma forma de jejum –
porque, se você não está comendo, você está jejuando;
• No entanto, como a maioria das pessoas não tem um
calendário estruturado de refeições, elas não estão em
um jejum intermitente, mas sim em um jejum
relativamente curto, e bagunçado – o que retira alguns
dos benefícios.
• Com a exceção, claro, de quando dormimos – porque,
durante o sono, não estamos nos alimentando;
• Assim, é comum que a maioria de nós tenha um período
de jejum bastante regular – entre 6 e 8 horas por noite –
até comermos pela manhã;
• É por essa razão que o café da manhã também é
conhecido por “desjejum” – porque você está
literalmente interrompendo o jejum feito durante a noite;
• E, falando em café da manhã, vamos começar logo
apontando a forma mais fácil e direta para se iniciar a
prática do jejum intermitente.
Como Iniciar o Jejum Intermitente de
Forma Fácil: Pule o Café da Manhã
• Já vamos começar dizendo uma verdade que costuma
trazer muita polêmica: o café da manhã não é a refeição
mais importante do dia;
• Uma bobagem propagada por meio de frases como
“tome café da manhã como um rei, almoce como um
príncipe e jante como um mendigo”;
• Mas a verdade é que realmente não “precisamos” dele;
• Assim como não precisamos de nenhuma refeição
específica – conforme provam os estudos e a história.
• E é verdade que existe um estudo indicando uma
correlação entre tomar café da manhã e ter menor peso corporal;
• Mais explicitamente, nesse estudo as pessoas que
pulavam o café da manhã tendiam a pesar mais do que
aquelas que o tomavam;
• Mas o que estava acontecendo, de fato?
• O que acontece é que sempre fomos orientados a
acreditar que tomar café da manhã era muito importante
para uma vida saudável.
• Dessa maneira, o estudo apenas reporta um viés: o de
que pessoas que pulam o café da manhã são justamente
aquelas mais inclinadas a adotar outros hábitos nãosaudáveis: como comer fast
food, fumar, e não praticar
exercícios;
• Mas ainda existe um outro argumento para os
defensores do café da manhã: o argumento da
sensibilidade à insulina;
• Aqui é válido lembrar que quanto mais sensível seu
corpo for à insulina, mais provável será você perder
gordura e ganhar massa muscular.
• O aumento da sensibilidade à insulina quase sempre está
relacionado a uma dieta mais eficiente;
• Nesse âmbito, como a sensibilidade à insulina é maior
pela manhã, os entusiastas do desjejum matinal
declaram que ingerir uma quantidade maior de calorias
nessa refeição tende a produzir um melhor equilíbrio
corporal;
• O que é esquecido aqui é que a sensibilidade à insulina
não é mais elevada “pela manhã”.
• Na verdade ela é maior após os períodos de jejum de 6-8
horas, que a maioria das pessoas tem enquanto dorme;
• Mais especificamente, a sensibilidade à insulina é maior
quando os níveis de glicogênio estão quase nulos, e isso
acontece pois glicogênio do fígado é consumido com o
jejum durante a noite de sono;
• O jejum intermitente leva isso um passo adiante: um
período de jejum maior do que 10 horas pode aumentar
ainda mais a sensibilidade à insulina.
• Resumidamente, o que quero dizer é que não há nada de
especial com o café da manhã e não há nenhuma real
necessidade de se fazer uma refeição logo ao acordar;
• De toda forma, a primeira coisa que você comer para
quebrar seu jejum ficará sujeita aos benefícios de uma
maior sensibilidade à insulina;
• Por outro lado, também quero deixar claro que não há
nada ruim com o café da manhã;
• Ou seja, mesmo que você pratique alguma forma de
jejum, ainda assim pode tomar o café da manhã
tranquilamente.
• Lembre-se, a parte mais importante é a duração do jejum
e não em qual parte do dia ele ocorre;
• Pular o café só acaba sendo a maneira mais fácil de
colocar o jejum em prática;
• Além da suposta importância do café da manhã, ainda
temos um outro mito muito comum que diz respeito à
importância de se manter uma boa frequência de
refeições – e vamos abordá-lo agora.
Sobre a Frequência: Defensores do Jejum
Intermitente Lutam Contra o Mito das Seis
Refeições
• Se você já tentou perder peso da maneira “tradicional” –
ou leu um livro de dieta, consultou um nutricionista ou
contratou um personal trainer – provavelmente já
escutou que, para perder peso, você tem de comer 5-6
pequenas refeições por dia;
• Uma sugestão que é formulada muitas vezes como “3
refeições e 2 lanches”;
• E esse estilo de comer (em que você se alimenta de
maneira bem frequente) é muito popular entre a maioria
das pessoas.
• O problema é que ele está errado;
• Na verdade, os benefícios de se comer pequenas
refeições mais vezes durante o dia nunca foram
cientificamente comprovados;
• O primeiro e mais comum conceito utilizado é que
comer frequentemente aumentaria o metabolismo;
• Em outras palavras, já que comer aumenta sua taxa
metabólica, quanto mais frequentemente você comesse,
mais sua taxa metabólica se elevaria.
• Isso de fato acontece, mas não leva a uma maior perda
de gordura – e inclusive foi cientificamente comprovado
que não há diferença alguma;
• Isso porque, quando você come, sua taxa metabólica
aumenta devido à energia necessária para digerir o
alimento que você comeu;
• Isso é chamado de Efeito Térmico dos Alimentos (ou do
inglês, TEF).
• O TEF é diretamente proporcional à ingestão calórica (e
à distribuição dos macronutrientes) e, se a ingestão
calórica for igual, no final do dia, não haverá nenhuma
diferença metabólica entre comer 5-6 refeições ou apenas
2-3.
• Na verdade, contanto que o total de calorias e
macronutrientes seja igual, você pode comer dez
refeições ou uma refeição que você ainda terá o mesmo
efeito metabólico.
Sobre a Frequência: Defensores do Jejum
Intermitente Lutam Contra o Mito das Seis
Refeições
• O segundo motivo das pessoas acharem que devem
comer frequentemente é o de que, comendo de 3 em 3
horas, você se sentiria mais saciado;
• No entanto, estudos mostraram que comer mais
frequentemente é menos benéfico do ponto de vista da
saciedade – isto é, de se sentir “cheio” após a refeição;
• O que significa que, quanto mais vezes você come, é
mais provável você ficar com fome – levando a uma
maior ingestão calórica, o que implicaria em ganho de
peso.
• Os outros supostos motivos dizem respeito à
manutenção da glicemia sanguínea e à preservação da
massa muscular.
Nossos 10 Benefícios Favoritos do Jejum
Intermitente
• Obviamente, se o JI não tivesse benefícios, seria difícil
engajar tantas pessoas;
• Por isso, vamos aproveitar esta seção para listar alguns
dos nossos favoritos;
• Claro que alguns desses benefícios podem ser bem
impressionantes – por isso, colocamos ao final do texto
algumas evidências que apoiam essas afirmações;
• No entanto, é importante que você saiba algo.
• Que, por um lado, alguns dos benefícios mais
“interessantes” (como prevenção do câncer, e aumento
da expectativa de vida) encontram mais evidências em
estudos com ratos, e que mesmo nos estudos com
humanos os próprios pesquisadores insistem para que
mais estudos sejam feitos;
• Por outro lado, benefícios como a autofagia celular estão
rendendo prêmios Nobel por aí – e os de perda de
gordura você vai poder verificar em você mesmo.
• De todo modo, não deixa de ser uma série incrível de
benefícios para a sua saúde – e tudo o que você teria de
fazer para obtê-los seria pular uma ou outra refeição
ocasionalmente;
• Vamos aos benefícios.
#1 – A Praticidade de Comer Menos
Frequentemente
• Este benefício nada mais é do que uma consequência
lógica de se jejuar – isto é, não comer tantas vezes ao dia;
• Sendo que, quando você começa a praticar jejum
intermitente, já pode começar a percebê-lo na prática;
• Afinal de contas, fazer menos refeições significa menos
tempo e/ou menos dinheiro gasto com elas;
• Esse pode ser um benefício valioso – por exemplo no
caso de quem opta por pular o café da manhã.
• Assim, muita gente começa a conseguir dormir alguns
minutos a mais por não ter mais de acordar cedo nem
para preparar nem para comer essa refeição;
• Outras pessoas gostam sim de comer um café da manhã
nutritivo e saudável – e nesse caso podem optar por
ganhar uma horinha no almoço ou mesmo não ter de se
preocupar com jantar quando chegam em casa;
• De toda forma, não ter de se preocupar com pelo menos
uma refeição por dia já é um grande ganho de tempo na
corrida rotina da maior parte das pessoas.
• Um bônus adicional de jejuar é o de aumentar a
aderência na dieta – afinal, se você come sempre os
mesmos alimentos, o fato de comê-los com menos
frequência já ajuda a apreciar melhor cada refeição;
• Afinal, como já diria Miguel de Cervantes:
– “A fome é o melhor dos temperos.”
#2 – Emagrecer Com Mais Facilidade
• Muitas pessoas que praticam jejum intermitente o fazem
porque desejam emagrecer;
• E, conforme falamos antes, jejuar vai fazer com que você
coma menos refeições do que comeria em um modelo de
alimentação frequente;
• Desse modo, a não ser que você realmente compensasse
em excesso, comendo muito a mais nas outras refeições,
você acabaria por ingerir menos calorias;
• Sendo assim, fazer jejum intermitente tende a resultar
em uma menor ingestão de calorias totais.
• Inclusive, em alguns modelos de jejum intermitente você
não comeria nada, por 24 horas, 2 vezes na semana;
• Fazendo uma conta rápida, isso significa que você
reduziria sua ingestão de alimentos em cerca de 30%.
Com isso, não é difícil entender como o jejum
intermitente pode promover uma boa perda de gordura
corporal;
• Adicionalmente, o JI auxilia o seu corpo a utilizar a
gordura de maneira mais eficiente – especialmente num
contexto onde seu corpo já esteja treinado a utilizar
gordura como combustível, como em uma dieta
cetogênica.
• E, ao contrário do que muitos imaginam, jejuar não
diminui o seu metabolismo;
• Na verdade, devido ao aumento da concentração de
catecolaminas, durante o JI o seu metabolismo aumenta!
• Com isso, seu corpo é capaz de queimar ainda mais
calorias quando está em jejum;
• Dessa maneira, o JI não só reduz a quantidade de
calorias que você ingere mas também auxilia a aumentar
a quantidade de calorias que você queima.
• E claro que você provavelmente teme perder massa
muscular quando emagrece;
• Nesse caso, mais uma boa notícia: Em um estudo, o
grupo que praticou jejum intermitente eliminou a
mesma quantidade de gordura que o grupo que apenas
restringiu calorias… porém o grupo que praticou JI
perdeu menos massa muscular;
• E, falando em benefícios metabólicos do JI…
#3 – Melhor Sensibilidade à Insulina
• O jejum intermitente pode ajudar a promover uma
melhor sensibilidade à insulina e diminuir os níveis de
glicose sanguíneos;
• Mencionamos acima a sensibilidade à insulina, e agora é
válido explicar que ela é o oposto de resistência à
insulina;
• É uma condição na qual o corpo não consegue utilizar a
insulina de maneira eficiente, e por isso produz
quantidades cada vez maiores dela – como no caso da
diabetes tipo 2.
• Por isso, o fato de que, em alguns estudos, o simples ato
de praticar o JI tenha sido capaz de reduzir os níveis de
glicose em jejum de maneira significativa, e ainda mais
os de insulina em jejum, é uma excelente notícia para
aqueles que desejam combater essa doença cada vez
mais presente na sociedade.
#4 – Aumento da Secreção de HGH
• Aprofundando um pouco mais nos benefícios hormonais
do JI, eles também incluem um aumento da secreção do
hormônio do crescimento;
• HGH traz diversos benefícios para a saúde, porém vale
dizer que ele auxilia a construção de massa muscular, ao
mesmo tempo em que ajuda a queimar gordura;
• Inclusive, em um estudo, os níveis de HGH aumentaram
impressionantes 300% após 3 dias de jejum;
• Então, se você se interessa por ganhar massa muscular
ou emagrecer, os benefícios do JI são inegáveis.
#5 – Promoção da Autofagia Celular
• Indo um pouco mais a fundo, ao restringir calorias, você
estará forçando o corpo a procurar por energia em
outros lugares que não nos alimentos, o que pode
favorecer a reparação celular;
• Em resumo, quando jejuamos, o corpo inicia um
processo de “reciclagem” de componentes das células,
que é chamado de autofagia celular;
• Nesse processo, o lisossomo (uma organela dentro da
célula) quebra e metaboliza proteínas danificadas que
foram se acumulando dentro da célula ao longo do
tempo.
• Esse mecanismo de autofagia celular está associado à
prevenção de diversas doenças, inclusive do câncer e do
mal de Alzheimer;
• A autofagia celular é um processo de limpeza do interior
das células, que funciona removendo os detritos
celulares para um funcionamento mais saudável ou
reciclando alguns componentes para reparo celular;
• Esse processo de autofagia ainda previne a quebra de
tecido muscular, auxiliando a preservar os seus
músculos mesmo em contextos de jejum ou atividade
física prolongada.
• E não são apenas os tecidos musculares que se
beneficiam desse tipo de limpeza: as células do sistema
nervoso, especialmente os neurônios, se tornam mais
saudáveis, robustas e melhores em formar novas
conexões, num processo denominado neuroplasticidade,
quando a autofagia é rotineiramente estimulada;
• Ou seja, a autofagia celular – e os seus benefícios –
podem ser obtidos ao se praticar o jejum intermitente.
#6 – Combater O Stress Oxidativo E A
Inflamação
• Parafraseando o Mark Sisson:
– A ciência demonstra que o stress oxidativo está ligado a diversas
doenças em humanos, e por isso devemos sempre visar reduzir o
dano oxidativo em nossas células – especialmente nas
mitocôndrias;
– E comer corretamente, evitar o stress e se exercitar
apropriadamente (porque você não precisa fazer cardio
extensivamente para ser saudável) são algumas maneiras
simples de cuidar bem de nosso organismo;
• E, além das recomendações excelentes desse grande
entusiasta Primal, podemos adicionar mais uma: praticar
jejum intermitente.
• Sem contar o fato de que o JI pode ajudar a combater a
inflamação, outro marcador associado a doenças
degenerativas e envelhecimento;
• Desse modo, se você se interessa por combater doenças –
e eu vou apostar que sim – o jejum intermitente é mais
uma ferramenta para o seu arsenal;
• Os próximos benefícios que abordaremos são promessas
do jejum intermitente: é importante ressaltar que mais
estudos em humanos são necessários.
#7 – Prevenção de Doenças Cardíacas
• Num primeiro momento, podemos ser levados a pensar
que não há nenhuma relação aparente entre pular
refeições e o coração funcionar melhor…
• Entretanto, o jejum intermitente melhora diversos dos
fatores de risco associados à saúde cardíaca, como:
– Pressão sanguínea;
– Colesterol total e LDL;
– Triglicérides;
– Marcadores inflamatórios;
– Glicemia sanguínea.
• Porém, muitos destes resultados são baseados em
estudos feitos em animais – e são necessários mais
estudos em humanos antes de podermos afirmar
categoricamente que eles se traduzem em resultados
concretos para eu e você.
#8 – Possível prevenção do câncer
• Embora, novamente, sejam necessários mais estudos em
humanos, os estudos feitos em animais indicam que
jejuar pode ser benéfico para ajudar a prevenir o câncer;
• Além disso, em um estudo, pacientes humanos jejuaram
antes e/ou depois de sessões de quimioterapia, e
nenhum dos pacientes envolvidos reportou efeitos
colaterais significativos (além de fome ou tontura);
• O jejum os ajudou a reduzir os efeitos colaterais da
quimioterapia como fadiga, fraqueza e enjoos, sem
prejuízo de eficácia do tratamento (nos pacientes em que
isso pode ser observado).
#9 – Prevenção de Doenças
Neurodegenerativas Como o Alzheimer
• Como todos nós sabemos, a doença de Alzheimer é uma
das doenças neurodegenerativas mais comuns na
atualidade, atacando milhares de pessoas todos os anos;
• E não há cura disponível para essa doença, o que torna
sua prevenção (ou postergação) ainda mais importante;
• Estudos em ratos mostraram que o jejum intermitente
pode atrasar a aparição da doença de Alzheimer ou ao
menos reduzir sua severidade.
• Em muitos casos reportados, uma mudança de estilo de
vida, incluindo jejuns diários já se mostrou significativa
para atenuar os sintomas de Alzheimer em 9 de cada 10
pacientes;
• Outros estudos em animais sugerem que jejuar pode
proteger ainda contra outras doenças
neurodegenerativas como doença de Parkinson e doença
de Huntington;
• De toda forma, mais pesquisas nesse âmbito devem ser
feitas em humanos para se ter certeza que tais benefícios
também se aplicam a nós.
#10 – Aumento da Expectativa de Vida
• Por último, mas não menos importante, algumas
pesquisas têm apontado na direção de que o jejum
intermitente teria capacidade inclusive de aumentar
alguns anos de sua expectativa de vida;
• Na verdade esses ainda são estudos feitos em ratos mas
que mostram que o JI, assim como uma restrição calórica
contínua, leva a aumento de suas vidas;
• Em um desses estudos, os ratos que praticaram algum
tipo de jejum todos os dias viveram impressionantes 83%
a mais que aqueles ratos que não jejuaram.
• Ainda que tais benefícios não tenham sido estudos e
provados em humanos, jejuar tem se tornado uma
prática bem comum entre os entusiastas do antienvelhecimento;
• Dado os já conhecidos benefícios do JI para o
metabolismo e todos os tipos de marcadores de saúde,
faz sentido pensar que o jejum intermitente poderia
ajudar a viver uma vida mais longa e saudável.
Jejum Intermitente: Quem Pode Fazer JI?
• A maioria das pessoas saudáveis pode fazer o jejum
intermitente sem nenhum tipo de prejuízo a sua saúde e
ainda colhendo todos os benefícios que apresentamos
acima;
• Claro que algumas pessoas vão ter mais dificuldades
que outras para iniciar algum protocolo de jejum
intermitente;
• Afinal não é fácil reverter o cenário de anos e anos se
alimentando majoritariamente de carboidratos e
comendo a cada 3 horas.
• Felizmente, a ciência já vem derrubando tais mitos e
provando que comer em intervalos regulares (a cada 3
horas, por exemplo) não passa de balela;
• E que a melhor e mais saudável forma de emagrecer é
restringindo os carboidratos e não apenas as calorias ou
as gorduras;
• O ser humano em sua história jamais teve comida
disponível a cada 3 horas e, ainda assim, tinha energia
para sair em busca de alimento mesmo após horas de
jejum.
• Então não venha me dizer que tá com dor de cabeça ou
mau humor porque está há algumas horas sem comer –
se chegou nesse ponto, talvez seja hora de parar e
reavaliar seus hábitos;
• Aqueles já adaptados a uma baixa ingestão de
carboidratos certamente irão encontrar muito menos
problemas ao iniciarem a prática do jejum intermitente;
• Afinal esses indivíduos já treinaram seu corpo a queimar
preferencialmente gordura como fonte de energia – e
não mais os carboidratos como no primeiro grupo de
pessoas.
Jejum Intermitente: Quem Não Deve
Praticar JI?
• JI para mulheres grávidas e lactantes:
– Na verdade, não existem pesquisas suficientes sobre os efeitos
do jejum sobre um feto;
– Devido a essa ausência de conhecimento na área, achamos que é
mais prudente, tanto para o feto quanto para a mãe, evitar
praticar JI durante a gestação;
– O mesmo ocorre com as lactantes.
• JI para crianças:
– Via de regra é pouco aconselhável permitir que as crianças
jejuem;
– Inclusive, na Europa, há um grande debate acerca de permitir
que as crianças jejuem durante o Ramadã (um mês durante o
qual os muçulmanos praticam o jejum intermitente por motivos
religiosos);
– Por outro lado, também não achamos ideal obrigar uma criança
a comer, ainda mais em se tratando de lanches poucos saudáveis
à base de açúcar e farinha refinados.
• JI para pessoas com desordens alimentares:
– Não é recomendada a prática de jejum intermitente para pessoas
que sofrem com doenças como anorexia ou bulimia;
• JI para pessoas que se recuperam de cirurgia ou
enfermidade grave:
– Após uma intervenção médica, o ideal é que se leve algum
tempo para se recuperar antes de iniciar um jejum, sendo que
apenas um médico poderá avaliar caso a caso.
• JI para pessoas com certas condições médicas
– Você não deve iniciar a prática de jejuar se tem algum tipo de
diabetes ou faz uso contínuo de medicamentos;
– Também não é aconselhável o jejum intermitente se você
apresenta alguma doença no fígado ou nos rins, se é
extremamente magro, desnutrido, anêmico ou exausto;
– Ou mesmo se você tiver um sistema imunológico enfraquecido,
pressão arterial elevada, diabetes dependente de medicamentos
ou fraca circulação causando desmaios frequentes.
• JI para pessoas com certas condições médicas
– Em todos esses casos, você deve sempre consultar um médico
de sua confiança e estar sob seus cuidados durante o jejum;
– Com muitas condições, é possível jejuar, mas quanto mais grave
a condição, mais você precisa de apoio profissional durante um
jejum para evitar quaisquer problemas;
– Se você estiver em qualquer medicação prescrita, as suas
necessidades para esse medicamento podem variar de dia para
dia, tornando necessário que você tenha um médico monitorá-lo
diariamente.
• JI para pessoas com medo de praticar jejum intermitente
– O medo não o coloca no bom estado de emocional para jejuar e
pode levar a uma experiência desagradável;
– Emoções fortes, como o medo, são conhecidas por alterar os
processos fisiológicos do corpo;
– Em vez disso, prefira embarcar em um jejum de maneira
relaxada e confiante, e esteja aberto para as mudanças positivas
que jejum proporciona.
• JI para pessoas com medo de praticar jejum intermitente
– É válido lembrar que se você não tem certeza se pode praticar
jejum intermitente ou, principalmente se pretende praticar jejuns
de água ou jejuns com mais de 3 dias de duração (os quais nós
não recomendamos e não vemos nenhum benefício que
justifique tais práticas) nossa recomendação é que você sempre
consulte um profissional de sua confiança antes de mais nada.
Um Resumo Sobre Jejum Intermitente
• A coisa mais importante a ser lembrada em se tratando
de jejum intermitente é que ele não é uma “dieta”, mas
sim uma maneira de se alimentar;
• Ou ainda: um estilo de vida nutricional que permitirá
que você alcance seus objetivos de forma eficiente,
conveniente e que torna possível a manutenção dos
resultados obtidos;
• É claro que fazer jejum intermitente não é uma prática
para todos e nem tampouco é o plano perfeito para ter o
corpo dos seus sonhos, mas, certamente, é uma forma
muito eficaz de perder peso.
• Além dos benefícios hormonais inerentes à prática, você
também se sentirá mais saciado ao comer, sentirá fome
menos frequentemente, provavelmente aumentará sua
expectativa de vida e ainda economizará algum
dinheiro na conta do supermercado;
• Ou seja, o jejum intermitente é bem aceito assim que as
pessoas se informam mais a respeito dele – e por um
simples motivo: ele funciona e traz benefícios reais aos
praticantes;