Você está na página 1de 3

AD1- Filosofia e Ética

Nome: Lucas Lima Candido de Oliveira


Curso: Administração Pública
Polo: Paracambi
Matrícula: 18113110408

QUESTÕES:

1. Compare o tratamento, de forma geral, das questões


éticas em Aristóteles e em Platão.

R: Segundo o texto de Danilo Marcondes nos diálogos de Platão


as questões filosóficas estão todas bem concatenadas que de uma
discussão sobre a verdade passa para uma discussão sobre o
conhecimento e depois para outras de natureza ética quando em
Aristóteles sua filosofia é mais sistematizada, pois ele divide a
natureza humana em três áreas: o saber teórico, o saber prático e o
saber criativo. Outra diferença consiste na maneira como a ética
nos foi apresentada, ou seja, Platão nos apresenta tudo em forma
de diálogos, já Aristóteles que também possa ter escrito diálogos
o que realmente ficou, sobreviveu no tempo foram as notas de
aula o que nos mostra um estilo mais árido. Á ética de Aristóteles
lembra a ciência médica grega: só através do equilíbrio e da
moderação é que podemos nos tornar pessoas felizes ou
harmônicas. Para Aristóteles ética se aprende ,disposição
exatamente incentivada. Ele rejeitou a teoria das ideias de
seu mestre , privilegiando apenas o mundo concreto. A ética de
Platão tem relações com sua filosofia política, pois é na polis que
acontece a vida moral . A vida moral só tem sentindo quando
aliada a vida política

2- Como se pode entender, segundo Aristóteles, a


felicidade como um conceito ético?

R: Para ele felicidade é uma vida como cidadão livre


, responsável. É a vida como pesquisador e filosófico .Na
concepção aristotélica a noção de felicidade está ligada
intrinsecamente à ética e assim é caracterizada como "ética
eudaimônica", isto é a felicidade possui papel central na ética. Em
outras palavras a felicidade está no centro da ética aristotélica. A
felicidade para Aristóteles consiste na realização humana e no
sucesso daquilo que o homem pretende obter ou fazer e assim ele
o faz no seu mais alto grau em excelência humana, ou seja, para
ele chegar onde deseja desenvolve suas virtudes (areté), suas
qualidades de caráter a qual possibilitarão atingir sua excelência e
isto em si já supõe uma "ética perfeita". Para Aristóteles o homem
só é feliz se puder desenvolver e utilizar todas as suas capacidades
e possibilidades.

3-Para Aristóteles, a virtude, ou excelência moral, resulta


do hábito, de sua prática. Contraste essa visão com a de
Platão no Mênon, examinada no capítulo anterior.
R: Assim como Aristóteles, Platão também acreditava que a
virtude resulta do habito de sua pratica. Reocupação inicial de
MÊNON , quando pergunta a Sócrates se a virtude pode ser
ensinada ou adquirida pelo hábito , será convertida gradualmente
numa questão central e anterior a todas aquelas apresentadas pelo
MÊNON, ou seja, o que é a virtude. A partir da teoria da
reminiscência a qual nada se aprende e nada se ensina, pois a
alma tudo se recorda Platão deixa "insinuado" que a verdadeira
ciência e a verdadeira opinião são apenas uma recordação e assim
o conceito de virtude também fica em aberto. Uma outra
característica importante é a capacidade de apresentar diferentes
modos de conceituar essas virtudes, mostrando sua fragilidade
sem, no entanto, propor uma conclusão, deixando também a
questão aberta. Ou seja, são diálogos conhecidos como
aporéticos, ou seja, no final não se chega a uma conclusão e há
um contraste entre a visão de Platão sobre a virtude resultar de um
hábito e a visão de Aristóteles que já afirma que a virtude resulta
sim de uma prática e de um hábito constante.