Você está na página 1de 52

1

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – UERN


CAMPUS AVANÇADO PROFª MARIA ELISA DE ALBUQUERQUE MAIA – CAMEAM
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO – DE
Curso de Pedagogia - CP
Grupo de Estudos e Pesquisas em Planejamento do Processo Ensino-aprendizagem - GEPPE
Programa de Iniciação à Docência - PIBID
COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES

Mediação e estratégias de leitura em


processo de (auto)formação do leitor

Autoria:
Maria Dalvanir Queiroz
Francisca Rosineide Gurgel Campelo
Francicleide Cesário de Oliveira Fontes
Maria Aline Queiroz da Silva
Maria Eliza Nunes de Oliveira
Maria Jocelma Duarte de Lima
Maria Lúcia Pessoa Sampaio
Raquel Fernandes de Queiroz
Regiane Maria de Queiroz




PAU DOS FERROS

2017
2

3





COORDENAÇÃO INSTITUCIONAL DO Emanuela da Silva Pinheiro
PIBID/UERN Fernanda Marques Fernandes
Francisca Rozangela Gurgel Campelo
Marcia Betânia de Oliveira Francisca Roseneide Gurgel Campelo
Maria do Socorro Batista da Silva Francisca Thaís Pereira Costa
José Ismaildo Dantas de Oliveira
Secretário José Jucelio da Silva
Mário Sérgio Leite
Larisse Pinheiro Guedes
EQUIPE Letícia Bezerra França
PIBID/PEDAGOGIADE/CAMEAM/UERN Renata Paiva de Freitas
Iasnaia Kadidja Tôrres Ferros
COORDENADORAS DE ÅREA E Ildivaânia Iadlaina Araujo
COLABORADORAS Lívia Natália Dias
Maria Aline Queiroz da Silva
Francicleide Cesário de Oliveira Fontes Maria Edneide de Souza Bezerra
Maria Eliza Nunes de Oliveira
Keutre Gláudia da Conceição Soares Bezerra
Maria Miraíre Pereira Silva
Maria Lúcia Pessoa Sampaio
Maria Jocelma Duarte de Lima

Maria Maeza de Queiros Santos
ESCOLAS PARCEIRAS
Maria Lourena de Queiroz
Escola Estadual José Guedes Maria Patrícia dos Santos
Escola Estadual João Escolástico Maris Raiane Bezerra de Oliveira
Escola Estadual Patronato Alfredo Fernandes Maria Natalina Benício
Raquel Fernandes de Queiroz
PROFESSORAS SUPERVISORAS Rafaella Pereira Chagas
Regiane Maria de Queiroz

Apolonia Elieth da Costa Rego


Eloiza Milka Cardoso Dias Rita de Cássia Fernandes Gadelha de Sousa
Jakeline Peixoto de Queiróz Sheilha Mikaele valeria da Costa
Kalina Lígia Queiroz Barros Tuanni Luma da Silva
Maria Consuelda Marques Pereira
Maria Dalvanir de Queiroz Oliveira REVISÃO ORTOGRÁFICA
Maria Irene Batista de Lima Costa Sueilton Júnior Braz de Lima
Maria Leidiana Lira de Sousa Cavalcante sS

BOLSISTAS/ESTUDANTES DE PEDAGOGIA WEB DESIGNER
Victor Hugo Ferreira Paiva
Adnilsa Avelino de Freitas
Ana Larice Lopes de Lima
Anieli Cristina Oliveira da Costa
Bianara da Silva Franco
Dessica Rocha da Silva

4


Ministério da Educação
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

Governo do Estado do Rio Grande do Norte


Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – UERN
CAMPUS AVANÇADO “PROFª. MARIA ELISA DE ALBUQUERQUE MAIA” – CAMEAM
Departamento de Educação/DE – e-mail: de_pferros@uern.br
End.: BR 405, KM 153, Arizona, 59900-000, Pau dos Ferros/RN –

Setor Bancário Norte, Quadra 2, Bloco L, Lote 06


CEP 70040-020 Brasília-DF pibid@capbr
http://www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid

Catalogação da Publicação na Fonte.


Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.
C186
Queiroz, Maria Dalvanir
Mediação e estratégias de leitura e de textos e processo de autoformação: cartilha. /
Maria Dalvanir Queiroz… [ et al. ]. Coord. Francicleide Cesário de Oliveira, Keutre
Glaudiada Conceição Soares Bezerra, Maria Lúcia Pessoa Sampaio - Pau dos
Ferros/RN, Programa de Iniciação à Docência, 2017.

29 f.

1. Leitura. 2. Mediação de Leitura. 3. Programa de Iniciação à Docência. I. Título

CDD 028
Bibliotecário: Francismeiry Gomes de Oliveira CRB3 /1029


5

SUMÁRIO

Apresentação........................................................................................................ 06

O QUE É PIBID? ................................................................................................. 07

ESTRATÉGIAS DE MEDIAÇÃO DE LEITURA ............................................... 08

Estratégia I: Painéis literários ............................................................................. 09

Estratégia II: Tapete literário .............................................................................. 11

Estratégia III: Maquetes.......................................................................................13

Estratégia IV: Mediação por meio de TV de papelão ........................................ 15

Estratégia V: Mediação através do Bingo............................................................ 17

Estratégia VI: Fantoches...................................................................................... 19

Estratégia VII: A Caixa Mágica ........................................................................... 21

Estratégia VIII: Teatro de palitoches.................................................................... 23

Estratégia IX: O avental literário........................................................................... 24

Estratégia X: O teatro na mediação de histórias................................................... 25

Estratégia XI: O uso das máscaras na mediação de histórias............................... 26


6

7

Apresentação

Prezado(a) leitor(a),

Esta cartilha foi elaborada pelos alunos bolsistas, coordenadores, e colaboradores do


Programa de Iniciação à Docência (PIBID) e recebeu incentivo da Coordenadoria de
Aperfeiçoamento de Pessoal de ensino Superior (CAPES), mediante Subprojeto “mediadores
de leitura e de textos em processo de autoformação”, do Departamento de Educação, do
Campus Avançado Profa. Maria Elisa de Albuquerque Maia (CAMEAM), da Universidade
Estadual do Rio Grande do Norte (UERN), da cidade de Pau dos Ferros/RN.
Neste espaço, apresentamos estratégias de leitura que levam à compreensão de textos
orais e escritos. Esses procedimentos foram desenvolvidos de forma lúdica e pedagógica em
sala de aula, trabalhando de diferentes modos a literatura infantil. As estratégias, aqui,
desenvolvidas podem ser realizadas em espaços escolares e não escolares respeitando as
especificidades de cada ambiente.
Ler é viajar no mundo da fantasia, passear por lugares sem sair da cadeira, se
aventurar por diferentes mundos, conhecer outras pessoas, se apaixonar por personagens e
amá-los como se fizessem parte da sua vida, andar no mundo da imaginação com uma simples
ferramenta: um livro. Ler para uma criança é despertar nela sensações nunca antes sentidas,
acentuar gostos, posturas, comportamentos e sentimentos, é dividir o saber de forma prazerosa
despertando no infante uma abertura para a leitura de mundo. Baseando-se nestes contextos, a
cartilha tem como objetivo ajudar, você leitor, no processo de contação de histórias e
mediações de leitura, seja dentro ou fora da sala de aula, proporcionando ao seu ouvinte uma
história prazerosa e significativa, estando está ligada ao processo ensino-aprendizagem ou ao
simples prazer ler e de ouvir.
Neste sentido, conhecer e saber como desenvolver uma mediação de leitura é
ferramental fundamental para você que quer trazer ao seu ouvinte uma história que encante e
traga conhecimento, magia e imaginação. Reforçamos que as atividades aqui sugeridas têm
um caráter flexível, e aberto, e sua contribuição é indispensável para que o trabalho
pedagógico seja agradável e produtivo, tanto para você como para seus ouvintes.
Contamos com sua criatividade e entusiasmo!
Boa leitura!
As organizadoras
8

9

O QUE É PIBID?

O Programa Institucional de Bolsas para a Iniciação à Docência (PIBID) é um


programa ofertado pela Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de ensino Superior
(CAPES), tendo como objetivo o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores
para a Educação Básica.
Esse projeto concede bolsas a alunos de licenciatura participantes de projetos de
iniciação à docência, desenvolvida por Instituições de Educação Superior (IES), em parceria
com escolas de educação básica da rede pública de ensino.
O programa promove a inserção dos estudantes no contexto das escolas públicas desde
o início da sua formação acadêmica para que desenvolvam atividades didático-pedagógicas,
sob orientação de um docente da licenciatura e de um professor da escola.
O programa PIBID é dividido em subprojetos que atuam em várias áreas de
conhecimento, o nosso está vinculado ao Departamento de Educação da Universidade do
Estado do Rio Grande do Norte, é denominado “Mediadores de leitura e de texto em processo
de (auto)formação”. Temos como principal objetivo mediar leitura para os alunos, afim de
que consigam despertar o gosto pela mesma.
10

Estratégias de mediação de leitura


Estratégia I: Painel literário

Fonte: Arquivo pessoal de Jocelma

Professora colaboradora: Maria Consuelda Marques Pereira

Bolsista: Maria Jocelma Duarte de Lima

Tema: O grande rabanete

Objetivo geral:

• Contar histórias através do uso de painéis literários, a fim de despertar a oralidade nas
crianças usando o material concreto.

Objetivos específicos:

• Utilizar-se de materiais concretos para a mediação da história;


• Proporcionar aos alunos a interação através da história cumulativa;
• Permitir a participação dos alunos como coautores no momento do reconto da história,
utilizando-se também de materiais concretos.

Conteúdo:

• Expressão oral;
• Reconto.

Metodologia:

• Para o uso do painel é necessário que o mesmo esteja apoiado em uma superfície plana
e solida, para que tenha um melhor manuseio dos materiais concretos. Sendo assim é
preferível que seja em um quadro ou algo do tipo;
• Em seguida escolhesse a história que deseja contar;
• E por fim confecciona os personagens (pode ser de E.V.A, impressos ou de feltro).
• O contador deve organizar a sequência lógica dos personagens, de maneira que facilite
o manuseio na hora da história e que proporcione um melhor entendimento para os
alunos. O visual do painel depende muito da criatividade de cada um.

Recursos utilizados:

• Um retalho (tecido ou TNT);


• Personagens (imagens impressas, EVA ou feltro);
• Cola;
• Fita adesiva;
• Livros e/ou histórias infantis.

Avaliação:

• Dar-se-á de forma processual, levando em consideração a participação dos alunos nos


momentos da mediação e principalmente do reconto.

Referência:

BELINKY, Tatiana. O grande rabanete. Editora: moderna.

Estratégia II: Tapete literário

Fonte: Arquivo pessoal de Rosangela e Renata

Professora Colaboradora: Maria Consuelda Marques Pereira

Bolsista: Maria Jocelma Duarte de Lima

Tema: A festa no céu

Objetivo geral:

• Proporcionar aos alunos um espaço aconchegante e motivador que possibilite a


realização de rodas de leituras e/ou leituras individuais, contribuindo para o processo
de formação leitora dos alunos.

Objetivos específicos:

• Trabalhar a diversidade dos animais existente, focando mais especificamente os que


aparecem na história;
• Proporcionar destaque aos animais existentes na nossa região.

Conteúdo:

• Linguagem oral;
• Expressão corporal;

Metodologia:

• Para a realização dessa atividade, deve-se pensar em um lugar diferente para a


mediação, que não seja somente a sala de aula pois a finalidade do tapete é justamente
tornar possível a leitura em vários lugares.
• O ideal é que seja realizado rodas de leitura e enfeitar o tapete com livros, que fiquem
à disposição das crianças para lerem.
• A nossa experiência aconteceu ao ar livre, embaixo de uma árvore, ornamentamos
todo o espaço com livros e objetos relacionados a histórias.

Recursos utilizados:

• TNT ou tecido;
• Livros infantis.

Avaliação:

• Se dará de forma processual, levando em consideração a participação e o


comportamento dos alunos em um espaço extraclasse.

Referência:

LAGO, Ângela. A festa no céu: um conto do nosso folclore. Editora: Melhoramentos.

Estratégia III: Mediação através de Maquete

Fonte: Arquivo pessoal de Regiane

Título: O rato do campo e o rato da cidade

Objetivo Geral:

• Proporcionar através da contação de história o conhecimento dos espaços Urbano e


Rural

Objetivos específicos:

• Conhecer as características do campo e da cidade;


• Identificar as diferenças entre a zona rural e urbana;
• Desenvolver a capacidade de comparação, a criatividade, a memória, a linguagem oral
e escrita.

Conteúdo:

• Zona Rural e Urbana;


• Linguagem oral e escrita.
Procedimentos metodológicos:

• Realização de uma roda de conversa com os alunos onde será feito os seguintes
questionamentos: Gostam de história? Vocês conhecem esta história? O que será que
ela vem tratar? Por quê tem este nome?
• Contação da história “O rato do campo e o rato da cidade” de La Fontaine, através de
palitoche e uma maquete representando o campo e cidade;
• Realização de reconto pelos alunos e discussão das diferenças que encontraram nos
diferentes lugares através da história e da maquete;
• Realização de uma atividade de interpretação da história.

Recursos

• Isopor;
• Palitoche;
• Papel A4;
• Livro;
• Caixa de remédio;
• Papelão.

Avaliação:

• Dar-se-á de forma processual considerando a participação, interação dos alunos na


realização das atividades propostas, analisando se eles realmente conseguiram
identificar as diferenças entre o campo e a cidade.
Referência:

LA FONTAINE. O rato do campo e o rato da cidade. - São Paulo: BrasiLeitura, 2002.

Estratégia IV: Mediação através da Televisão

Fonte: Arquivo pessoal de Regiane

Título: Um redondo pode ser quadrado

Objetivo geral:

• Conhecer as figuras geométricas que ocupam o espaço através da contação de história.

Objetivos Específicos:

• Conhecer as figuras geométricas;


• Desenvolver a oralidade e a criatividade.
Conteúdo:

• Figuras geométricas
• Linguagem oral
Procedimentos Metodológicos:

• Realização de uma roda de conversa com os alunos, na qual será feito os seguintes
questionamentos: vocês gostam de ler? Gostam de história? Vocês conhecem esta
história? O que será que ela vem tratar? Por quê tem este nome?
• Contação da história “Um redondo pode ser quadrado de Renato Canini através da
televisão, onde se gira os dois palitos em uma mesma direção (para trás), e a história
vai passando por dentro da caixa;
• Realização do reconto pelos alunos;
• Realização do jogo Tangran, onde os alunos irão montar animais com as sete peças
geométricas que compõem o jogo.

Recursos:

• Livro impresso;
• Papel A4;
• Caixa sapato;
• Tesoura;
• Palitos;
• Cola;
• Coleção.

Avaliação:

• A avaliação se dará de forma processual considerando a participação e criatividade


dos alunos na realização das atividades propostas.

Referência:

CANINI, Renato. Um redondo pode ser quadrado. -São Paulo: FNDE, 2008.

ESTRATÉGIA V: Mediação através do bingo

Arquivo pessoal de Rosineide e Kadidja

Professora Colaboradora: Maria Consuelda Marques Pereira

Bolsistas: Francisca Roseneide Gurgel Campêlo e Iasnaia Kadidja Torres

Título: Bingo como mediação de leitura

Conteúdo:

• As Sílabas.

Objetivo geral:

• Estimular através do bingo de sílabas a compreensão sobre as sílabas e suas funções,


bem como, possibilitar através de uma atividade escrita, reforçar o conhecimento dos
mesmos de como usar as sílabas em diversas palavras.

Objetivos específicos:

• Propiciar aos alunos a compreensão do uso das silabas em palavras distintas, para que
eles compreendam as suas funções e como emprega-las;
• Possibilitar momento de atividade escrita, para que os alunos estabeleçam a relação
entre as sílabas e o texto na sua totalidade.

Desenvolvimento da atividade:

• Iniciar com uma roda de conversa para investigar os conhecimentos prévios das
crianças sobre o jogo;
• Explicar como ocorrerá o jogo “o bingo das sílabas”, mostrando regras, bem como
explicando a importância de ganhar e também de saber perder;
• Apresentar as cartelas que serão usadas no jogo, e entrega-las para que eles já
façam conhecimento das mesmas e tire as possíveis dúvidas sobre o bingo das
silabas.
• Na sequência, começa o jogo com o mediador ditando as silabas que estão sendo
retiradas de um saco, e auxilia as crianças no decorrer do jogo de forma dinâmica;
• Levar algo como prêmio para o vencedor (Sugestão: Livro).

Recurso:

• Cartelas;
• Silabas;
• Saco Plástico;
• Livro (será utilizado como prêmio).

Avaliação:

• A avaliação se dará de acordo com a participação e o aprendizado que será avaliado


durante a realização da atividade, a partir de observações individuais e coletivas,
incentivando a participação, e o desenvolvimento em relação à aprendizagem dos
alunos sobre a compreensão das silabas.

Estratégia VI: Fantoches

Arquivo pessoal de Eliza

Título: Fantoches como auxilio nas mediações

Conteúdo:

• Linguagem oral;

Objetivo:

• Despertar a criatividade viabilizando a participação com a história e o lúdico;

Metodologia:

• Para realização da contação de histórias com fantoches, é necessário organizar


previamente o ambiente com uma estrutura móvel de altura considerável, pode ser
uma cortina ou estrutura de madeira, que permita aos contadores permanecerem
escondidos do público deixando a mostra apenas os personagens em fantoche. Desse
modo, os contadores se posicionarão no momento propício com os personagens em
mãos e o texto devidamente ensaiado para melhor desenvolvimento da apresentação.
Para melhor desenvoltura da contação é importante que o contador interaja com o
público e que cada personagem tenha uma voz característica.

Recursos utilizados:

• Cortina/Estrutura de madeira/Mesa;
• Feltro;
• Meias;
• Cola, tesoura, olhos de plástico;
• Agulha e linha.

Estratégia VII: A Caixa Mágica

Fonte: arquivo pessoal de Regiane

Conteúdo:

• Linguagem oral;

Objetivo:

• Estimular a imaginação e desenvolvimento da percepção.

Metodologia:

• Para utilizar a caixa mágica em contações de história, é muito simples:


Inicialmente são colocados objetos dentro de uma caixa decorada e totalmente
fechada, apenas com uma abertura para retirada dos objetos. No momento da
apresentação, eles vão sendo retirados de forma aleatória e o contador precisa
raciocinar rápido para contextualizar o objeto com a história de forma coerente e
sem perder o ritmo da narrativa. Os objetos podem ser de uma história já
determinada, ou pode ser improviso. É interessante que os elementos da caixa
estejam de acordo com a faixa etária do público, para melhor compreensão do
desenvolvimento da história.
Recursos utilizados:

• Caixa de Papelão;
• Cola;
• Tesoura;
• Papel colorido;
• TNT.

Estratégia VIII: Teatro de palitoches

Fonte: Arquivo pessoal de Raquel

Tema: Um elefante em busca de amigos.

Objetivo geral:

• Facilitar a compreensão e a contação da história por meio do teatro de palitoches,


assim como o desenvolvimento da oralidade nas atividades posteriores à contação com
este material.

Objetivos específicos:

• Identificar as diferenças entre os animais;


• Reconhecer as qualidades que cada um tem;
• Compreender a relevância da amizade.
Metodologia:

• Para a confecção dos palitoches, faz-se necessário imagens referentes a história a ser
contada que, tanto podem ser desenhadas ou retiradas da internet ou do próprio livro;
• Após serem recortadas, é indicado que o contador cole as imagens em uma cartolina
ou outro papel, a fim de dar maior suporte a imagem (deixando-a durinha) para uma
melhor visualização dos ouvintes;
• Em seguida, com fita adesiva ou até mesmo cola, fixa-se as imagens em palitos que,
podem ser aqueles utilizados em churrasco;
• É indicado que para cada ação e/ou personagem fique em um só palito;
• O contador deve organizar a sequência das ações presentes na história, o que facilitará
no momento da contação;
• Fica a critério do contador a confecção de um cenário que pode ser feito com caixas de
papelão, com pedaços de tecidos ou papeis para fazerem as cortinas, enfim, conforme
sua criatividade.

Recursos utilizados:

• Imagens referentes a história;


• Palitos (churrasco, bambu, galhos, canudos);
• Cola;
• Fita adesiva;
• Tesoura;
• Caixa de papelão;
• Cartolina;
• Pedaços de tecidos ou papel sulfite.

Avaliação:
Se dará de forma processual e contínua no decorrer da atividade, levando em consideração a
participação e a interação dos alunos.

Referencias:
Um elefante em busca de amigos. Autor desconhecido.

Estratégia VIII: O teatro na mediação de histórias

Arquivo pessoal de Jocelma

Tema: O uso do teatro na mediação de leitura

Objetivo geral:

• Desenvolver a expressão oral e corporal dos alunos através do teatro.

Objetivos específicos:


Conteúdos:

• Expressão corporal;
• Expressão oral.

Metodologia:

• O teatro pode ser desenvolvido tanto através de bonecos ou fantoches quanto de


caracterizações, ou seja, o(s) contador(es) pode(m) vestir-se conforme as atribuições
do(s) personagem(ns) e montar um cenário característico à história com utensílios que
serão utilizados no decorrer da mesma;
• Deste modo, o(s) contador(es) pode(m) confeccionar o que será utilizado para narrar a
história ou até mesmo trazer de casa;
• É indicado que o(s) contador(es) precisem saber previamente das suas falas e das suas
ações, a fim de darem vida aos personagens e não se desorientar(em) no momento da
dramatização;
• Também pode ser feito um cenário com determinadas características da história a ser
narrada.

Recursos:

Obs.: Os recursos serão conforme a história a ser contada, em alguns casos, podem utilizar-se
um ou mais destes:

• Vestimentas (roupas características do personagem);


• Acessórios (adereços característicos do personagem);
• Ornamentos (decorações conforme o cenário da história);
• Utensílios (materiais que serão utilizados pelo(s) personagem(ens).

Avaliação:
• Se dará de forma processual e contínua no decorrer da atividade, levando em
consideração a participação, a interação dos alunos, e a expressão oral e corporal.

Estratégia IX: O avental literário

Fonte: Arquivo pessoal de Raquel

Título: Chapeuzinho vermelho (Irmãos Grimm)

Objetivo Geral:

• Contar história infantis com o novo cenário, a fim de despertar a imaginação e a


criatividade através da expressão oral.

Objetivos Específicos:

• Desenvolver a interação entre os alunos para com a história;


• Estimular a criatividade e percepção dos alunos.

Conteúdos:

• Expressão oral

Procedimentos Metodológicos:

• Para o uso do avental pode-se deixar um fundo fixo, como por exemplo, uma floresta,
um jardim, um castelo, etc. Dessa forma, vai trocando só os personagens da história ou
se preferir sem cenário se coloca apenas nomes: “Era uma vez” ou “A história vai
começar” fica a critério do contador.
• Em seguida, escolher a história que deseja contar, e confecciona os personagens (EVA
ou Feltro).
• Deve-se organizar a sequência lógica dos personagens, que vai aparecendo no decorrer
da história, dentro do bolso do avental para facilitar na hora da contação da história.
• Á medida que vai aparecendo os personagens vai sendo colocado no avental.

Recursos:

• Avental (Tecido,TNT);
• Personagens (EVA ou Feltro);
• Fita adesiva.

Avaliação:
A avaliação acontecerá de forma processual, observando a participação dos alunos e a
interação para com história.

Referência:
GRIMM, Irmãos. Chapeuzinho Vermelho.

Estratégia XI: O uso das máscaras na mediação de histórias

Fonte: Arquivo pessoal de Raquel

Título: O ouriço (Gustavo Roldan)


Objetivos:

Geral:

• Contar histórias infantis através de máscaras, a fim de trabalhar a oralidade por


meio das expressões.

Específicos:

• Desenvolver a percepção através das expressões;


• Estimular a criatividade e a imaginação.

Conteúdos:

• Expressão oral

Procedimentos metodológicos:

• Escolher a história que será contada;


• Selecionar os personagens, para assim, ser confeccionado as máscaras que podem
ser feitas através de imagem impressa e coladas em (EVA ou cartolina), e
conseguinte recortadas ao tamanho do rosto, a criatividade vai depender de cada
um;
• Contar a história com uma sequência lógica, por meio da linguagem oral e
expressiva, para maior entendimento das crianças;
• Reconto da história.

Recursos:

• Eva
• cartolina
• Tesoura
• Barbante
• Cola

Avaliação:

• Se dará de forma processual, levando em consideração a participação e o


comportamento dos alunos, como também a interação para com a história.

Referência:
ROLDAN, Gustavo. O ouriço.

Apoio:

Campus Avançados Profª. Maria Elisa de Albuquerque Maia-CAMEAM


Departamento de Educação- DE
Programa de Mestrado Profissional em rede nacional - PROFLETRAS