Você está na página 1de 2

LITERATURA EM CONTEXTO CLÍNICO

Cristielaine Aparecida Alves de Souza


Centro Unifieo

Resumo
Este trabalho tem como proposta analisar contos da literatura do final do século XIX e
início do século XX e apresentá-los como proposta para a prática de leitura em
contexto da clínica psicopedagógica na tentativa de se abrir espaço para reflexão e
simbolização de situações traumáticas de pacientes. Os contos escolhidos são de
Anton Tchekhov e a análise é feita através da teoria literária de Wolfgang Iser e Fabio
Herrmann sob a luz da Psicanálise de Freud.

Abstract
This work has as an analytical proposal short stories from the literature of the late
nineteenth and early twentieth century and present them as a proposal for a practice of
reading in the context of the psychopedagogical clinic in an attempt to open space for
reflection and symbolization of traumatic situations of patients. The short stories chosen
are by Anton Chekhov and an analysis made through the literary theory of Wolfgang
Iser and Fabio Herrmann in the light of Freud's Psychoanalysis.

Introdução

Ao propor como objetivo deste trabalho a análise de textos literários para a


prática de leitura em contexto da clínica psicopedagógica, na tentativa de se abrir
espaço para reflexão e simbolização de situações traumáticas de pacientes, tento
responder às perguntas lançadas por Petit ( ) em seu artigo “ A leitura em espaço de
crise”. Perguntas essas que me levaram a refletir de como o trabalho clínico através
da literatura pode auxiliar pacientes em processos de ressignificação de suas vidas
através do testemunho. Para isso Petit questiona “O que pode propiciar a leitura em
tempos de desamparo, poderia ela sustentar as forças da vida? O que poderíamos
realmente atingir sem iludir-nos, em espaços onde a crise é particularmente
intensa. ..?” Para responder a esses questionamentos, penso que o uso de textos
literários pode auxiliar o paciente expor, recordar, repetir e elaborar traumas
instaurados. A literatura traz significado para aquilo que se torna difícil para o paciente
significar e a não significação é a não simbolização, fazendo com que o paciente entre
num ciclo de repetição, reprimindo seu desejo. Por este motivo, a literatura pode ser
importante para o processo de cura. A literatura possibilita que ao leitor Segundo Freud
a repetição, observada na prática da psicanálise, tem sua relação com os conceitos de
transferência, resistência e atuação que serão abordados nas análises dos contos.

Se ler é re-significar, a literatura pode auxiliar na cura de traumas.


Ou melhor, ela se dá justamente pela impossibilidade de alcançar o ponto original pelo
desejo. O homem repete-se (em ato) na busca do objeto perdido da primeira experiência de
satisfação.