Você está na página 1de 3

- Descrever o que é uma farmácia hospitalar:

A farmácia hospitalar é uma unidade cujo objetivo é exercer o conjunto de


atividades farmacêuticas em hospitais ou serviços ligados ao mesmo. Apesar de
sujeitos à direção dos órgãos de administração dos hospitais, elas têm autonomia
técnica e científica. A direção desse serviço é obrigatoriamente feita por um
farmacêutico hospitalar. Deve então assegurar aos doentes a terapêutica
farmacológica adequada, a eficiência, a qualidade e segurança dos remédios,
integrando como parte importante a equipe de saúde e promovendo ações de
investigação científica.
Ali se desenvolverão as atividades de controle, armazenamento, dispensa e
distribuição dos remédios e similares na unidade do hospital. Também tem
responsabilidade sobre a orientação dos pacientes, tantos os ambulatoriais quanto os
internados. A sua principal função é servir o paciente com medicação segura e
oportuna, tendo esse farmacêutico importante função clínica e administrativa.

- Como é sua estrutura:


Como qualquer farmácia, a hospitalar precisa estar organizada para distribuir
adequadamente os medicamentos disponíveis aos pacientes. A escolha da forma
como isso será feita depende de cada hospital e das características que ele possui,
bem como dos recursos e implantação. Dessa forma, se deve buscar o uso racional
dos fármacos, redução dos gastos, aumento do controle e diminuição dos erros.
Como estrutura física deve possuir fácil acesso, e estrutura para armazenar e
dispensar os medicamentos.

- O que o farmacêutico deve fazer quando trabalha numa farmácia hospitalar:


Presta serviço de Atenção Farmacêutica a pacientes internados e
ambulatoriais, visando ao uso racional dos medicamentos; atua na logística
farmacêutica, tendo o medicamento como insumo mais importante; representa a
farmácia nas comissões hospitalares, sendo o balizador de decisões em tudo que se
refere ao medicamento; atua como responsável legal pelo fluxo dos medicamentos
dentro da unidade hospitalar; elabora normas e controles que garantam a qualificação
de fornecedores; é responsável pela dispensação do medicamento por meio de
sistemas que permitam fluxos racionais e que minimizem a ocorrência de erros; é
responsável pelo plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde (PGRSS)
da farmácia; responsabiliza-se pela análise, comparação de custos e consequências
das terapias medicamentosas aos pacientes; manipula fórmulas magistrais, oficinais
e parenterais, de acordo com os princípios das boas práticas de manipulação em
farmácia; é responsável pelas atividades relacionadas ao controle de qualidade dos
insumos recebidos; é responsável pelas ações de farmacovigilância dentro da
farmácia hospitalar; participa efetivamente das comissões hospitalares; elabora
editais de compra e especificações técnicas para medicamentos e correlatos.
- Colocar fotos interessantes (sempre referenciando a página de onde foram
tiradas as fotos).

ENTREVISTA
- Qual a formação do farmacêutico (farmacêutico generalista/especialista)?
Formação generalista.

- Onde se formou?
Universidade São Camilo de Cachoeiro de Itapemirim.

- Teve alguma dificuldade para se inserir no mercado de trabalho? Quais foram


e por quê?
Não, pois já trabalhava na área da saúde antes de se formar, então o acesso ao
hospital não teve grande dificuldade.

- Quais são as atribuições e atividades do farmacêutico entrevistado? Peça ao


entrevistado para que detalhe e explique cada uma de suas atividades e
funções.
Dispensação de medicamentos; controle das RDC344 (fala sobre o controle dos
medicamentos de tarja preta e tarja vermelha e como dar baixa no Sistema Nacional
de Gerenciamento de Produtos Controlados), RDC20 (fala sobre os medicamentos
controlados, dos antimicrobianos e antibióticos, é também no SNGPC) e assistência
farmacêutica aos pacientes.

- Foi necessário fazer alguma especialização para exercer a função? Qual?


Não é necessário, mas existem especializações feitas que agregam valor (Saúde
Pública e Gestão Hospitalar).

- Quais são as dificuldades enfrentadas para exercer a função que exerce no


momento?
Profissionais de outra área da saúde tentando se inserir dentro da farmácia e se impor
mesmo não tendo direito sobre o local da farmácia no hospital.

- O que mais agrada e o que menos agrada ao exercer a profissão farmacêutica?


O que mais agrada é ver que o paciente está bem, e contente com o atendimento. O
que menos agrada são os profissionais de outra área tentando se sobrepor a função
farmacêutica de dentro do hospital.

- Está satisfeito com seu trabalho atual?


Sim, com certeza.

- Quais conselhos daria para estudantes que recém ingressaram no curso de


farmácia?
Que ame a sua profissão e que não desvalorize o seu trabalho como profissional
como por exemplo trabalhar recebendo menos que o piso; não aceitar ser sócio tendo
1% da empresa a qual trabalha, pois o salário não será compensatório, já que o
profissional ficará preso a farmácia para ter que ir a qualquer hora e ser
responsabilizado por tudo porque, de certa forma, é responsável pela farmácia já que
tem uma porcentagem dela.

- Qual é a remuneração (caso ele se sinta à vontade em responder)?


Trabalhando 4 horas por 1600.