Você está na página 1de 32

Farmacocinética Básica

Profa. Cátia Lira do Amaral

1
“As concentrações do fármaco no sítio de ação –
não a dose – determinam as respostas”
Farmacocinética Farmacodinâmica

Tozer e Rowland, 2009


2
Farmacocinética

O que o organismo faz com o


fármaco. “Efeitos”
“Entrada no organismo”. O que o fármaco faz com o
Depende: organismo.
- Dose
- Forma farmacêutica
- Frequência Farmacodinâmica
- Via de administração 3
Tozer e Rowland, 2009

4
Tozer e Rowland, 2009

5
Disposição de fármacos

A Absorção a partir do sítio de administração


D Distribuição pelo organismo
M Metabolização
E Excreção
6
Membranas biológicas
Difusão passiva Difusão facilitada
Transportador

Linardi et al., Farmacologia Essencial, 2016


7
Membranas biológicas
Transporte ativo Endocitose

Linardi et al., Farmacologia Essencial, 2016


8
Difusão através das membranas:
- Gradiente de concentração
- Espessura
- Outros fatores
- Área
- permeabilidade

(C2 – C1) x (área) x (Permeabilidade)


Fluxo =
Espessura da membrana
9
Fonte: Golan, 2014, p. 29
Estado de ionização

Obs: conhecer o pKa


não determina se a
substância é ácido ou
base.
10
 A forma não ionizada normalmente é lipossolúvel

 A fração não-ionizada é determinada pela constante de


dissociação, pKa, que depende diretamente do pH do meio

Ácido COOH Ka COO- + H+

Base NH3 + H+ Ka NH4+


Equação de Henderson-Hasselbalck

[Protonado]
Log = pka - pH
[não protonado] 11
Sequestro pelo pH Ácido de Lowry

Depende:
Constante de dissociação (pKa) + gradiente de pH através da membrana

Linardi et al., Farmacologia Essencial, 2016


pH mais
acídico

pH mais
alcalino 12
A Absorção a partir do sítio de administração
É a passagem do fármaco do local de administração para a corrente
sanguínea (circulação sistêmica) atravessando membranas.

Local de contato Corrente


Sanguínea

Membranas
celulares

13
Vias de administração
Enteral
Parenteral

Biodisponibilidade
Fração ou percentual da dose administrada que foi
absorvida intacta de forma sistêmica.
14
Absorção sistêmica
É o processo pelo qual o fármaco inalterado é transferido do local
de administração para o local de quantificação no organismo (em
geral, o plasma)

Tozer e Rowland, 2009


15
Concentração máxima

16
Tozer e Rowland, 2009
Ciclo êntero-hepático
O fármaco pode ser excretado na
bile, armazenado e liberado na
vesícula biliar, transferido para o
intestino delgado e reabsorvido
novamente para a circulação.

17
Tozer e Rowland, 2009
D Distribuição pelo organismo

Alcançar órgão alvo (efeito desejado):


- Sistema circulatório
- Sistema linfático

Volume de distribuição (Vd)


Descreve a proporção de fármaco que se Dose
Vd =
divide entre o plasma e os compartimentos [Fármaco]p
teciduais
Golan, 3ed., p. 32 18
Ligação às proteínas plasmáticas
Linardi et al., Farmacologia Essencial, 2016

Afetam Vd:
• lipossolubilidade,
• polaridade,
• Ionização,
• grau de ligação a proteínas
plasmáticas ou teciduais
19
Influência do fluxo sanguíneo na distribuição de fármacos.

Linardi et al., Farmacologia Essencial, 2016


+ rápido
20
M Metabolização (Biotransformação)

Rins
Enzimas
Fígado Fármacos Fármacos
Trato gastrintestinal Hidrofóbicos Hidrofílicos
Pulmões
Pele
Outros órgãos

21
Hidrólise
Redução
Conjugação
Oxidação
Fase 1 Fase 2

CYP UGT
Citocromo P450 Uridina-difosfato
glicuroniltransferase

 Polaridade

Excreção
Mas há exceções!!! 22
Fonte: adaptada de Goodman & Gilman, 2012
E Excreção

É a remoção do fármaco inalterado ou de seus


metabólitos do organismo.

Renal (urina)
Trato digestivo (fezes)
Pulmões (ar exalado)
Outras vias (leite, suor, saliva, lágrimas, unhas, cabelo)

23
Meia vida (t ½ )
É definida como o tempo
necessário para que a

Linardi et al., Farmacologia Essencial, 2016


concentração plasmática,
ou a quantidade do
fármaco presente no
organismo, seja reduzida
em 50%.
24
Clearance (Cl ) ou Depuração
É a taxa de eliminação de
um fármaco do corpo em 0,693 . Vd
Cl =
relação à concentração t½
plasmática dele.

Golan, 3ed., p 37

Cl total = Cl renal + Cl hepática + Cl outra


25
26

Winter, Farmacocinética Clínica Básica, 2012


27

Winter, Farmacocinética Clínica Básica, 2012


28

Winter, Farmacocinética Clínica Básica, 2012


Goodman, 12ed. Eventos após entrada na circulação sistêmica

29
30
Katzung, 12ed,
Tozer e Rowland, 2009 31
Referências
Golan, Princípios de farmacologia – a base fisiopatológica da farmacologia. 3ed,
Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 2014. Capítulo 3
Katzung, Farmacologia básica e clínica. 12ed. Porto Alegre : AMGH Editora,
2014. Capítulo 1
Brunton, As bases farmacológicas da terapêutica de Goodman & Gilman. 12ed.
Porto Alegre : AMGH Editora, 2012. Capítulo 2
Linardi, Farmacologia Essencial. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2016.
Capítulo 1
TOZER, T. N.; ROWLAND, M. Introdução à farmacocinética e à farmacodinâmica:
as bases quantitativas da terapia farmacológica. Porto Alegre : Artmed, 2009.
336p.
32