Você está na página 1de 134

••••

•••• A REPÚBLICA
••• de
•••• ~Po -."
•••• ssQJ7 .
-.l:Yy'-,
PLATAO
••
-••••
if"

cv:)'
\ '
Nickolas Pappas
(Ale
•••• Titulo original: Th e Routledge Philosophy
Plato and th e Republic
Guidebook to

••••
C Routledge, 1995

Tradução de Abllio Queiroz

.-•••
•• Revisão de Artur Morão

Capa de Arcângela Marques

..-••• Depósito legal n,2 106379/96

ISBN 972-44-0940-6

•••
..-••
Direitos reservados para todos os países de Lingua Portuguesa
por Edições 70, Lda .

Edições 70, Lda .

••••• Rua Luciano Cordeiro, 123 - 2.2 Eaq." - 1050 Lisboa / Portugal
Telefs.: (01) 315 87 52 - 315 87 53
Fax: (01) 315 84 29

•••• Esta obra está protegida pela lei. Não pode ser reproduzida,

•••• no todo ou em parte, qualquer que seja o modo utilizado,

.-•••
incluindo fotócopia e xerocópia, sem prévia autorização do Editor.
Qualquer transgressão à lei dos Direitos de Autor, será paasível
de procedimento judicial.

edições 70
••
~
'..A
PREFÁCIO

,. ~
•••
.",..
.,.,.
A memória de Meu Pai
Steve Pappas
(1915-1994)
Porquê uma nova introdução, melhor, porquê simples-
mente uma introdução, à República? Platão consegue, .sem
-ªjudas, prender leitores impreparados. Os diálogos vivos e
..-
•••
•••••
••••
drarnátieosc.as constantes e expeditas referências, feitas nos
(dois sentidos, entre os fenômenos mundanos e sua significa- •••
çãO metafísica, a profunda seriedade perante as questões do •••
conhecimento, da moralidade, da vida comunitária, da morte
- tudo num discurso subtil que jamais perde de vista o seu
auditório -, tem feito de Platão um dos filósofos da história
•••
•••
da Europa mais universalmente lidos.
No entanto, o estilo dialogal de Platão, embora fascinante,
produz resultados exíguos sempre que o leitor pretenda ou
•••
•••
alcançar uma visão global do território explorado ou empe-
•••
nhar-se num ponto singular com mais pormenor do que o
permite uma conversa, isolar as premissas de um argumento
e descobrir as que entram em jogo, a fim de encontrar os
•••
•••
meios diferentes de abordar uma questão platónica simples e
descortinar que consequências advêm de cada novo questio- •••
namento. Os temas importantes dos longos diálogos de Pla- •••
tão surgem e desvanecem-se: ele levanta uma questão para
logo passar a outra ou se prender num pormenor do argu-
mento. A questão inicial retorna eventualmente à superfície,
••
•••
mas transformada ou dissimulada. O leitor que se sente per-
•••
dido nos meandros da conversação desejaria porventura que
Platão tivesse escrito também alguns tratados em tom expo- •••
sitivo, explorando os mesmos domínios que os diálogos, mas •••
•••
9
•••

,,..
......--

• PLATÃO E A REP{jBL1CA_~ _ PREFÁcro

•• de forma mais explícita e, embora talvez necessariamente,


mais fastidiosa. '.
Alimento a esperança' de que este livro possa servir de
sitos provoca uma. tensão eficaz no diál~go: ~omo se vê clara-
mente quando o LIvro r se desloca da definição comportamen-
tal da justiça para uma definição interior, ou quando o Livro

•• gUl 'a . Mantive-me quase


. sempre
_

ar questão, exponho a s~a posição,


em .
perto
_ da construção dos
gumentos do própno Platao. RelatIvamente a cada ponto
depois . deten h o-me para
IV tenta acomodar à variedade corrente a interpretação psico-
lógica de virtude, ou ainda quando o LiVro V distingue o filó-
sofo de outros putativos amantes do conhecimento. Esta tensão

•• analisar, criticar ou ampliar o assunto. Parto da ordem expo-


sitiva de Platão só ao discutir os Livros V-VII, que abordo
tendo em mira a teoria política e voltando, depois, para ape-
é mais dramática na ambivalência acercá da natureza da razão
(especialmente no Livro IX); mas intervétn igualmente na repe-

••
tida estratégia de Sócrates do duplo argumento, na qual ele faz
nas atender à metafísica. Assim, este livro - a Parte acompanhar uma justificação teórica relativa a um aspecto com
Segunda - vem a ser, na sua quase totalidade, uma exposi- outra que o não-filósofo é capaz de compreender. Embora Pla-

•• ção do texto, com pausas para uma discussão ulterior. Os


últimos capítulos remetem para questões anteriores, a fim de
facilitar a tarefa de compaginar, num todo unificado, os diver-
tão chegue decerto a conclusões que, em ,determinados pontos,
negam o valor da experiência quotidiana, tais conclusões não
conservariam a sua força se ele não tratasse, com tanta eficá-

.:.•-
sos tratamentos de um dado tema. Foi com o mesmo intuito cia, de as motivar, a partir da experiência interna quotidiana.
que identifiquei e numerei G), @, etc., o que considero serem Ao escrever este livro, contei principalmente com a ajuda
premissas ou assunções fundamentais no argumento da de An Introduction to Plato's Republic, de Julia Anna, e
República, coligindo-as no apêndice do livro, de forma a, por A Companion to Plato's Republic, de Nicholas White. O lei-

••••• um lado, poder aludir, resumidamente, a importantes ques-


tões platónicas e, por outro, dar ao leitor a possibilidade de
ver como entram em acção nos últimos livros da República
tor que conheça estas excelentes obras detectará a medida
dos empréstimos de que beneficiei. As minhas análises foram
igualmente plasmadas pelos livros sobre, a República de Cross


os passos que aparecem nos primeiros livros. Finalmente, os and Woozley, de Murphy e de Nettleship.
últimos três capítulos constituem uma revisão global de cer-

•••• tas questões gerais que beneficiam em serem discutidas,


tendo por referência a República na sua totalidade. Para não
No interesse de manter um modo dei apresentação directo
e natural , omiti as tradicionais referências
I nas quais confes-
saria os enormes débitos intelectuais que contraí na redacção

•••• alterar o formato adoptado neste livro, não é possível aspirar


a muito mais do que simples apontamentos, destinados a
proporcionar uma primeira abordagem das questões e mos-
deste trabalho. Como forma de substituir tais referências,
encerro cada capítulo com uma breve lista dos livros e dos
artigos que mais informaram as interpretações adoptadas,

•• . ... :
" .
trar como se poderá fazer a revisão de todo o diálogo .
Além de realçar a estrutura global da República, realc,ei a
considerando-os como os melhores meios de o leitor ir além
das minhas afirmações. A bibliografia serve também dois

--••
\ r':";'
}}--
complexidade da sua relação com o pensamento ordinário. E fá- objectivos, a saber, identificar as fontes que mais me inspi-
cil cair numa apreciação de Platão como o filósofo arquetípico raram e dirigir as ulteriores pesquisas do leitor. Resta-me
(ou estereotípico) de ideais ultramundanos, na política, por-

••
.-- tanto, um utópico, em ética, um propagandista de uma espécie
de "justiça" que nada tem a ver com a sua forma vulgar. O facto
é que a República tenta manter os seus argumentos inteligí-
confiar que os autores referenciados reconhecerão em que
pontos o meu tratamento aprendeu com o deles .
Todas as citações da República se r~ferem à tradução de
Allan Bloom (Nova lorque: Basic Books, 1968). Apenas me
veis para leitores que não sejam filósofos exercitados, ao mesmo afasto, na minha discussão, do uso qu~ faz de "razão" e de

•,.• tempo que advoga uma perspectiva da razão teórica apta a


ultrapassar o pensamento ordinário. Tal dualidade de propó-
"Formas" de Platão, quanto àquela, frequentemente e, quanto
a estas, sempre.

-
tIA 10
11
••
PLATÃO E A REPÚBLICA Parte Primeira
••••
A duas instituições é devido o meu agradecimento. Quando •••
planeei este livro, era docente no Hollins College, q~e ~e
sustentou generosamente durante a redacção do primeiro
rasJunho. Nessa altura, transferi-me para o City College de

•••
Nova Iorque, onde aprontei o manuscrito para a revisão; pela •••
ajuda material na preparação do livro, com que fui contem-
plado por esta instituição, o meu obrigado.
As minhas outras dívidas dificilmente podem ser enume- --•
radas. Impossível fazer justiça à influência de Cyrus Ban-
ning, sob cuja tutela fiz a minha leitura da República, nem à
longa instrução que recebi de Eugen Kullmann, William

...,
McCulloh, Martha Nussbaum, Steven Strange e Donald Mor- INTRODUÇÃO GERAL ••••
rison. Espero que este livro tenha o crédito do meu professor
Stanley Cavell, a quem devo a mais profunda compreensão
daquilo que é uma teoria filosófica, do que pretende ser e tal-

••••
vez do que não deve ser. Os meus colegas do Hollins College,
comios conselhos que me dispensaram ao longo da execução
deste projecto, ajudaram-me mais do que pensam a torná-Ia
realidade. Agradeço a John Cunningham, Peter Fosl, Allie
••••
Frazier e Brian Seitz; embora tenha deixado Hollins, as suas
impressões digitais conservam-se de muitas maneiras nas
páginas deste livro. Estou profundamente grato, ainda, a
••••
Michael Pakaluk, que leu uma larga secção de um anterior
rascunho e não só me preservou de erros, como também me
mostrou como melhorar o meu discurso. Há ainda os meus
••••
alunos no Hollins e no City College. Se destaco Jennifer Nor-
ton e Caroline Smith, pelos contributos que deram a este livro,
o certo é que poderia com facilidade nomear uma dúzia mais.
••••
Um imenso agradecimento é devido a meus pais, pelo con-
tributo que deram à minha educação e em particular pelo ••••
encorajamento prestado aquando da redacção deste livro, que
dedico à memória de meu pai, falecido durante o processo de
edição. Admirador de Platão, foi ele quem me incitou a fazer
••••
o meu primeiro curso de filosofia. Finalmente, um muito obri-
gado a minha mulher, Barbara Friedman, que me auxiliou
de todas as maneiras imagináveis, ao longo dos últimos dois
••••
anos, lendo rascunhos, discutindo comigo e fazendo o dese-
nho da alma de Platão para o frontespício do meu livro. ••••
12 ••••
~-",
I'



•••• 1
•••• PLATÃO E A REPÚBLICA
•••
••••
••
•• A vida de Platão
o fim
•• da Idade de Ouro de Atenas

Ao descrever a sua cidade ideal na República, Platão uti-

••• liza um tom meditativo, uma quase.nostalgia pelo futuro que


a sua mente imaginou. Sem reduzir 'tal nostalgia a um facto
, puramente biográfico de Platão, podemos apesar de tudo reco-

•• nhecer, na sua esperança de uma cidade perfeita, um certo


sentido de perda relativamente à Atenas que florescera até à
sua tenra infância. Nascido em 427 a. C., no seio de uma

•••• .fumília.aristocrática, Platão deve ter crescido na consciência


do ambiente político que o rodeava, durante os derradeiros
lampejos da Idade de Ouro da cultura ateniense, que arran-
••• cara com a vitória das cidades gregas sobre a Pérsia, no prin-
cípio do século V. Mal se tinha ele capacitado do esplendor de
Atenas, já este se aproximava do ocaso. Uns anos antes do
•• nascimento de Platão, abrira Atenas com os seus aliados a

•• Guerra do Peloponeso, mutuamente' destrutiva, contra


Esparta e sua própria aliança, e levando à dissipação o pres-
tígio, a força militar e a considerável riqueza que arrecadara

• desde o final das Guerras Médicas, cinquenta anos antes,

•• Estava Atenas inicialmente de tal forma confiante na vitó-


ria que até os renitentes à guerra viam esta, na pior das
hipóteses, mais como uma injustiça contra um antigo aliado

•.- do que, como se veio a provar, o fim rla glória de Atenas.

-- 15

-
~
PLATÃO E A REPÚBLICA
PLATÃO E A REPÚBLICA
- _ este círculo sentida por Platão, Tendo
À primeira vista, parecia que a guerra nã,o passaria de uni o grau de atracçao por d t is do tempo Sócrates não
t qua ros men ai ,
momento de aperto, Andava Platão pelos cmco anos, quando mesmo em con a o~ t figurino evidente do professor,
Atenas entabulou com Esparta as tréguas que ficaram conhe- di opnamen e ao 1 I'
correspon lB: pr vulgar ateniense ele pudesse ser ape 1-
cidas pela Paz de Nícias, e os bons dos Atenienses foram Embora na lmguagem , Gór 'as a Protágoras e ao
levados a crer que o pior já lá ia, Mas outros seis ou sete anos dado de "Sofista" e,~(U1para~:~ha !st~ sentido acidental,
de simulações conduziram a novo estado de guerra, em 415, Trasímaco da Repu .Lea ,a a "lunático" nos dias de hoje, Os
altura em que os Atenienses embarcaram na calamitosa "fi pouco mais do que , . , .
Slgnl cava 't' antes que forneclam a umca
Expedição da Sicília. Dois anos mais tarde - tinha PIa tão Sofistas eram pr~fessore~ 1 m:;sível, nas cidades gregas,
quinze - chegavam notícias de que a poderosa armada de forma de educaçao supen~r p b o lugar de Sócrates, neste
'nformaçao so re
Atenas fora destruída em batalha e, com ela, a superioridade Temos pouca 1 tenção em Sócrates e na sua
naval sobre Esperta. A Guerra do PeIoponeso arrastar-se-ia meio. Platão, ao, conc~trar a a retrato do homem extrema-
ainda ao longo de cerca de dez anos, antes da capitulação ate- autoridade ~losofi~a, ,a-no:s u:::ten:qga_os._seus concida~ãos
niense mas, depois do colapso na Sicília, a maioria dos Ate- nte conSIstente. ~t ---, " senndo
me . ráticase teonas morara, m
• nienses sabia que a vitória lhes estava fora do alcance. ~enienses sobre as suas pr ão os seusprºprio~pr~ssupostos.
As obras dramáticas mais sensíveis aos acontecimentos ast1,lciosamentena convdersaç . . l'nde'fesos interlocutores,
,. di '} con uz os seus N
· da actualidade, as comédias de Aristófanes, ganharam nova ~.21,ltros 1~ o~os, , d de teorias éticas e metafís~<:a.8, as
'mordacidade após a batalha da Sicília, para significar a D:umpassaJar lUtnnca o to Sócrates limita-se a pronun-
· mudança dos Atenienses na sua maneira de encarar a guerra. obras de Xenofonte, no entan , m ta-o vertical como o
- .' uma personage ,
i Embora os primeiros protestos do dramaturgo, contra a ciar vãs lamentaçoes, e totalmente à morah-
I guerra, satirizem a vida ateniense, nem por isso deixam de Sócrates platónico, ~as ~dere, ~~~:: bem formado,
,celebrar o basilar vigor da cidade; depois da Expedição da dade tradicional do cldada? ate tra ado por alguém que o
'Sicília, Aristófanes escreve As Aves, como expressão de eva- O terceiro retrato de Socra~s, ç de Aristófanes, Este
,são da humana existência para alguma vida melhor, mas tinha conhecido, aparece e: uve~s~res dedicada a abstru-
também como crítica da arrogância fanfarrona que Atenas Sócrates dirige uma esc,o~a e Pnednesaqualquer aluno que pague
, ti - s metafíslcas o ,
assumira em excesso, Após As Aves, veio a antibelicista comé- sas mves ígaçoe d h b'lidades retóncas, para se
dia Lisístrata, insinuando que Aristófanes já perdera inclu- a sua subscrição pode apren er ~ 1 orais Ta-o enigmático
d 'sançoes m· ,
sive as esperanças de uma derrota honrosa. esquivar aos cre ore~ ,e as latónicos o retrato aristofânlco
como o Sócrates dos dlalogos ,P,d or piatão. Podemos apenas
de Sócrates desafia o transmIti o Pd as que' (1) Sócrates
istura e prov,· ,
Platão e Sôcrates concluir, baseados nes t a ml, t as mas (2) questlO-
:
t ' propnamen e su ,
tinha poucas d ou ririas , das suas convicções
Platão viria a atingir a vida adulta, possuído do desejo de nava os concidadãos atemense~ acerca , honorários daque-
nte nao rece bIa
encontrar, para a sua cidade, uma configuração política morais e, (3) provave Ime " I t (4) algo no seu
melhor do que a então vigente e, se necessário, de impor a les que o seguiam e, inques~lO,na~eIDl,ennfluee' ntes
ieou lUIIDlgOS " d
À.tenas essa configuração, Com este espírito, começou a pro- comportamento lh e gram c. . acepção óbVIa o
- um prolessor na
curar a companhia de outros jovens aristocratas que se reu- Se Sócrates nao e:,a _ 'm estudante segundo a
niamcom Sócrates na agora. Tinha então vinte anos, Seu tio termo, também PIatao nao fOI ~d' de outros filósofos,
mesma acepçâo. Este absorvera 1 elas 1 parece ter-se
Oármides e o primo de sua mãe, Crítias, encontravam-se ócrates o qua
I ,

igualmente entre os amigos de Sócrates. E impossível dizer antes de se encontrar com S '
17
16I
PLATÃO E A REPÚBLlCA
---- PLATAo
.-._-----
«; A REPÚBLICA

••• imposto à imaginação de Platão , pri nmeIro com . d . d


Platão tinha vinte e oito anos quando Sócrates bebeu a

••• uma nova espécie de questão filosófica e


.
d . o cria ar. e
cicuta; bem podemos imaginar que este evento, mais do que

••
••••
bolo do filósofo questionador , que segue ,epms,
conducente a qualquer conclusão. Para PI _ mves igaçao
honestidade e a integridade de S' t
uma' comoti sim-

atao, a coragem, a
-
tudo o resto, o deixou mais desperto do que nunca para a
busca de um sistema político, fundado na fidelidade ao prin-
cípio moral.
pre com as suas virtudes intelec~~:~s es ~ntrelaçam-se sem-

•••• verdade por si mesma juntament ' so retudo o amor da


lidade face a quem nã'o consiga : co~ uma estranha jovia-
funda unidade de filosofia e mo a I~~~r essa verda.de. A pro-
ra
A Academia
Pouco mais há a dizer sobre a restante vida de Platão, não

•••• persistente influência de So' t 1 ab e deve ter SIdo a mais


E'
m muitos Atenienses no enta
peita a respeito do incessante
era es so re Platão
.
n~o, avolumou-se a sus-
obstante ter ele vivido até aos oitenta ou oitenta e um anos.
Após a morte de Sócrates, morou algum tempo na cidade
grega de Mégara, tendo depois, talvez, viajado à volta do

•••• que se lhes antolhava como t~~estlOnamento de Sócrates,


cepticismo moral deriva da cdeplClsfimomoral. E se o medo do
. escon rança de
Mediterrâneo. Voltou a Atenas e comprou uma quinta, onde
fundou a Academia. Mais semelhante a um instituto de
estudo avançado para pessoas já instruídas do que ao local

••
••
tiona os valores tradicionais d
dores de Sócrates devem t po e firn capaz de tudo, os segui-
daí, a suspeita Alcibí d er con irmado tal desconfiança e
. Ia es, por exempl
alguns anos, ser a promessa p IT
que quem ques-

o, pareceu, durante
'
de aculturação que são hoje as modernas universidades, a
Academia de Platão foi, no mundo europeu, a primeira orga-
nização intelectual do género. Aristóteles, o mais famoso dis-
til até ao dia em que persuadi o 1 I~~ para o futuro de Atenas, cípulo de Platão, viria a fundar por sua vez o seu próprio

••• Siciliana: em anos sub


,
que uma vez, chegando ao onto'
u a CI ade quanto à Expedição
sequentes atrai
IÇOO~
tra a democracia. Os pare:tes d:~fon_gemlI~a.r um golpe con-
A
tenas mais do
Liceu em Atenas; mais tarde ainda, Epicuro e os primeiros
Estóicos estabeleceram as suas escolas, permanecendo Ate-
nas um centro de actividade filosófica até ao século sexto da

••• estiveram no centro de um


rubaram a democracia d
atao, Crítias e Cármides,
gru~~ de conservadores que der-
Peloponeso (404 a C ) a sua CI ade, no final da Guerra do
era cristã, quando o imperador bizantino Justiniano encerrou
todas as escolas pagãs de filosofia.

•••• durante nove corruptos

tiranos que passados a


. . e governaram co
meses.
Chegou a altura de todos os At .
1
T .
' mo os rinta Tiranos,

emenses avançarem contra os


Ainda a política
Até à sua morte, em 348 ou 347 a. C.:,Platão viveu em Ate-

•• naram em troca" d que es nove


.. mes es d e d esgoverno resig- nas e dirigiu a Academia. Durante este tempo, a Grécia não

•• dos durante esse tem


e uma amnistia p t d
R
.
ar o os os cnmes cometi-
democracia pore' pO'.r e~essou a democracia a Atenas. Esta
' conheceu nenhuma convulsão da dimensão da Guerra do
Peloponeso. Depois da morte de Platão; o rei Filipe da Mace-



.
comissão de ' OII'g' m, .prelenu um governo formado
na vingança e poucos
. I
arcas
' oucos anos
a sua conc - de i
~pçao e Justiça
c

t depois (em 399 a..C ), a democracia


por uma
. concretizou-se
dónia, uma potência marginal grega, ao norte, conquistaria a
maior parte da Grécia, terminando assim com a era das cida-

••• JU gou e executou S' des-estados autónomas; seu filho Alex~ndre espalhou a civi-
associação deste h ocra es . Se m dúvid
UVl a, desconfiados ante a lização grega a leste, fazendo triunfar à pensamento clássico;

.-•
.
traidores e enfasti d "ornem com uma ma lt a de reaccionários
. e de nenhum contemporâneo de Platão, porém, poderia ter pre-
,
cordaram com as ia os das
_ s tõ
uas ques oes, os Atenienses con- visto tais possibilidades. Para os AteI1ienses do seu tempo,
acusaçoe d .. . dados ao pensamento, tratava-se de encontrar o sentido das
as quais este descria d .d .s os ull~mgos de Sócrates, segundo

.-•
ses próprios e corro os e~ses da Cidade, os substituía por deu- mudanças que presenciaram em Atenas e, de uma forma
mpia a Juventude da cidade. i
19

-
"I'
"'J}i
L~
18
PLATÃO E A REPÚBLICA
PLATÃO E A REPÚBLICA
..
geral, na Grécia. A polis (à letra, cidade, mas, para os Gre-
- 'nformação biográfica deriva da Sétima Carta e, à luz
gos, uma unidade política auto-suficiente) parecia já não fun- desta 1 - • d t c
'., f alt de solidez do documento, nao sera pru en e razer
cionar. Atenas desperdiçara o próprio poder na guerra com
, da 't aaso dos acontecimentos que ele relata. (Platão ende-
Esparta. Em 371, a derrota militar de Esparta, a favor de lllUl o c 1 ' tê ti , par t es envo Iv id a s
Tebas, demonstrou que nenhuma polis era invencível. Iriam reçaac, arta se é que e a e au en ica, as ," b
as novas alianças entre as cidades encaminhar-se para gover- napOllítica siracusana , que parecem. ter serias suspeitas
. so re
a prop, ria participação nos acontecimentos. ASSIm,mesmo d .que
nos pan-helénicos? Que grau de autonomia seria de esperar
que cada cidade iria perder? Que tipo de governação interna a tenha realmente escrito, tinha razão para ~er ~e~ encI.oso
seria preferível, se cada uma delas se visse submersa num relato do sucedido.) Basta dizer que Platao VISItOU.SIra-
grupo mais amplo? no
wY'
três vezes A primeira vez, Dionísio,
,
o Velho, era tirano
da cidade; PIatão encontrou-se com Díon; cunhado daque!e,
Temos razões para pensar que PIa tão, e seus seguidores
aca.démicos, .participaram neste debate. De acordo com vários m o qual estabeleceu uma cimentada amizade. Quando DlO-
registos antIgos, a Academia funcionava em parte como um c~ io morreu e seu filho Dionísio, o Moço, lhe sucedeu, Díon
. escreveu a Platão, insistindo para que voltasse. PIa tão tinha
grupo de consultores políticos, deslocando-se os seus membros . a R epuiblizec;
. esntão sessenta anos de idade. Já tm . h a escrito
~ar~ ~utras .cidades gregas em missão de reforma das cons-
tItwçoes. ?OIS do~ companheiros de Platão, Erasto e Corisco, ~íon pensava que os filósofos podiam in~uenciar o jovem e
voltaram a Sua CIdade de origem, Escepsis, depois de estu- impressionável governante, ao leme de .Slracus~, a estabele-
cer uma cidade ideal. Em vez disso, o Jovem tirano aumen-
darem na Academ~a e.convenceram os seus governos a adop-
tou a sua hostilidade e isolou Díon, enquanto Platão se reti-
tar ~a forma mais lIberal de governação. Os planifica dores
d.as cId~des eram, de maneira geral, heróis populares da Gré- rou para Atenas. Um ano depois, Dionísio escreveu a ~latão
era antiga. Esparta atribuía a sua constituição idiossincrática
invocando mudança de sentimento; mas, apesar de Platao ter
ao lendário Licurgo. Atenas teve Drácon e Sólon, Posta de ido uma terceira vez a Siracusa, Dionísio manteve-se empe-
parte a len~a, Aristót:eles (Política, 1267b22-29) alude a Hipó- dernido; tendo assassinado Díon, transformou num vergo-
nhoso fracasso a tentativa de Platão de estabelecer a sua
damo de Mtleto que mventou a técnica de planear cidades e
cidade.
que, em concreto, planeou o porto ateniense do Pireu. Hipó-
Se, de facto, as coisas se passaram assim, isso deve ter
da~o. era, de acordo com o testemunho de Aristóteles, uma
especle de filósofo, o primeiro não político a pesquisar sobre contribuído para o súbito desaparecimento do pensa~ento
utópico, dos diálogos políticos que Platão escreveu _depoIs da
a~ formas. de governo. Se um político teórico anterior a Pla-
tao se aplícou aos pormenores do planeamento da cidade, isso Repúblíca. No Político, as recomendações de Platao p~rteI?
da premissa de que todas as cidades decairão e, sendo mevi-
que~ dizer que os consultores que constituíam a Academia
tável tal decadência, planear uma cidade será o mal m,enor.
deviam fazer parte de uma tradição reconhecida. É sobre o
A última obra de Platão, as Leis, tem por alvo uma CIdade
pan~ d~ fundo desta tradição que temos de ler o plano da
Republtca para uma nova cidade, não como o sonho de um ideal mas visa tal modificando as constituições de Esparta
e de ereta. Como ~a República, PIa tão busca uma sociedade
pensador sobre um impossível regime perfeito qualquer mas
perfeita; mas há uma grande diferença entre ,reformar algo
c?mo um contributo, entre muitos outros, para um d~bate
VIVOsobre o futuro da sociedade grega. que já existe e desenvolver uma cidade a partir de verdades
teóricas relativas ao conhecimento e à natureza humana,
, Na última metade da sua vida, Platão envolveu-se tarn-
como ele faz na República.
bem ~a política, de maneira mais imediata e insatisfatória
com VIagens à cidade grega de Siracusa, na Sicília. A prova

20
21
-.
ta
11/

PLATÃO E A REPÚBLICA PLATÃO E A REPÚBLiCA


••
Do diálogo platónico

Os leitores que pela primeira vez abordam PIa tão não


girnento, pela discussão prece.d~nte; com maior frequênci~,
derivam bruscamente os participantes para tangentes pro-
)Cirnasda conversa quotidiana, a menos que, nesses diálogos,

••• dévem sentir-se obtusos ante a frequente inconclusividade dos


diálogos, a ocasional indeterminação e as insinuações regula-
res de .haver outros assun~os em jogo ou outros argumentos
a tangente implique um modo de regressar à questão de ori-
gem. Dados os cenários prosaicos dos diálogos - um pátio,
urna reunião de bebida, um passeio ao redor da cidade - e

•• que os interlocutores poderiam esgrimir. Platão gozava d h'


. d
muito, a reputação de evasivo. Os seus diálogos tornam-
id '
' e a
se,
dadas as personagens recortadas da vida diária, o efeito con-
siste em conduzir a conversa intelectual até atingir um nível
artístico de intenso dramatismo.

••• n~m grau consi eravel, cada vez mais claros à medida que a
leitura se repete, podendo a informação histórica lançar luz
s~bre algumas passagens obscuras. Mas as diferenças, de um
Os diálogos fornecem uma nítida prova a favor da consci-
ência dramática que Platão possuía e, portanto, de um certo

,.•• diálogo para outro, e a sua forma consentidamente literária estatuto de dramaturgo. Coloca frequentemente as persona-
deixam perplexos os leitores mais experimentados, pelo menos gens reproduzindo conversas que elas préprias acham actuais,

• em determI~ados pontos, acerca daquilo que o próprio Platão


realmente dIZ. Atraentes para o leitor inexperiente, os diálo-
com um vocabulário retirado do palco. Para mencionar apenas
exemplos da República, temos Sócrates dizendo "eu escolho [a

•••• gos requerem alguma preparação prévia . virtude e o VÍcio]como se fossem coros" (580b), designando a
sua noção do lugar da mulher na cidade como "o drama femi-
A forma do diálogo"- nino" (451c) e usando geralmente as palavras "coro" (490c,

•••
560e), "trágico" (413b, 545e) e "jaez (i. e. veste) trágico" (577b),
S~ ~ne~otas antigas sobre a vida de Platão, embora sem para caracterizar o mundo a que o diálogo se refere.
conslstencla do ponto de vista biográfico, nos informam acerca Apesar de toda a pretensão de que registam conversações,

••• da,s~a perene reputação, é decerto uma anedota convincente


~ un~ca que o apresenta como um jovem poeta. É difícil de
lI~agmar um estatuto mais prestigiado, no século quinto ate-
os diálogos variam, quanto à extensão e à natureza, da forma
dramática. Uns são dramas intensamente desenvolvidos, en-
quanto outros apenas permitem interrupções passageiras à

••• mense, do que o correspondente ao do dramaturgo trágico'


o.=a,segundo. er~ voz corrente, a esse estatuto aspirava Pla~
tao desd: muito Jo~e.m.Tendo, porém, mostrado os seus traba-
exposição do interlocutor principal. Uns apresentam só as
palavras das personagens; noutros, a mesma personagem
narra toda a conversa. Outros ainda misturam as duas for-


•••
lhos a Socrates, ridicularizara-o este de tal forma por cada
verso, que entregou às chamas a poesia e nunca mais voltou
a escrever nenhuma.
mas, encerrando a narrativa num enquadramento dramático.
Sócrates ocupa, nos diálogos, lugar de privilégio mas, em
vários deles - Timeu, Sofista, Político -, cede a oportuni-
. Se nunca teve lugar tal confrontação seria necessário dade a outro filósofo e, nas Leis, não aparece de todo. A maio-

•••• mventá-l
li ,.
. - , '
a, pOISnao ha nada como essa reprimida ambição
slterana para e~~licar a capacidade de apresentação das per-
~nagens dos dIalogos platónicos, bem como as subtis cone-
ria dos estudiosos vê nestes diálogos os últimos que Platão
escreveu. Neles, o apagamento de Sócrates é, assim, o sinal
de que, para o fim da vida, Pia tão pôs de parte qualquer pro-

•• , xoes. que eles traça m en t re as VIidas dos mtervementes


. . e as .iecto de representar as ideias do Mestre.

• II teorias abstra~tas que tais intervenientes defendem. A lin- Este comentário leva-nos a uma complicação ulterior, a
li gud'agem ma1ntem-se ancorada no discurso vulgar mas é um saber, o ordenamento cronológico dos diálogos de Pia tão que,
iscurso vu gar feito eIegan.e
t e flexível.
' '
As conversas recaem geralmente, se dividem em quatro grupbs. Os primitivos, ou

• li por vezes numa únic a ques t-ao, aprofundada, a cada novo sur-
"" .I
'I
li
diálogos socráticos, apresentam Sócrat~s interrogando com-

~ 22

--
23
"
i:
..i.i.

~
~;;.
---
PLATÃO E A REPÚBLICA
PLATÃO E A REPÚBLIL~
--------------~----------------------
uanto até aí se passava no palco da tragédia, em am-
placentes Atenienses sobre as suas convicções morais. Tai
q de grande espectáculo e pirotecnia verbal, viria a ser
diálogos são breves e inconclusivos - Laques e Êutifron. Sãs
ante a tarefa de uma nova espécie de escrita, composta
exemplos clássicos - e podem representar perfeitamente o
Sócrates histórico. A seguir, vêm as obras de transição
SIit"ua das no InICIO
' ,. do período 'médio' Protágoras Gôrei ou
o
.0
dorav
. roblemas, de forma abstracta.
"
não por um poeta mas por alguQémadPtopla::.acIO<:tar s~.
uan. o atao cn ica a I e-
b
te
" 'olas, .P t ra dos seus dias, penso eu que tinha em mente os seus
Menon. e .Eutidemo que, em certos aspectos ,am se assemelh raU
a~ p~meIro ~po, mas com maior desenvolvimento da teo, 'nT'Õon{)S '
diálogos, como forma de escnta capaz d e sup Ian ta r
na ~tIca de S~cr~tes, .Depois destes, estão os diálogos inter- , aquela literatura. _, .
~édIOS, os ma~s Identificados com a visão metafisica de Pia- A tragédia grega era a apresentaçao dramática de narra-
tao, desenv?l~da com maior profundidade: Fédon, Banquete, tivas heróicas ou míticas, tendo normalmente por centro um
Fedro, República e, talvez, Timeu. ° Sócrates destas obras é
con~tante nos exames cruzados do ignorante presunçoso
.....monarca e, muitas vezes.' retratando a morte ~u a .q~e~a
dessa personagem, anunCIada com menor ou maior mln~Cla,
MaiS d~ que reduzir os seus oponentes à confusão, constrói .N- o é porém, a morte ou o fim desgraçado que caractenza a
~
por ~eIo ~e questões complexas teorias como se; mas tais tr:gédia, mas sim a inexorabilidade do enred~ trágico (que
que~toes s_opodem ser tidas como tais pelo viés da forma gra- dá aos acontecimentos da peça o aspecto de urdiduras do des-
matIc~, .tao banal é a maneira de conduzir os interlocutores. tino) e a insistência do género em mostrar não só o avanço ~
,0 último grupo, o mais heterogéneo dos quatro, inclui as de um evento horrendo mas também os lamentos daqueles
~
Leis, Te.e~eto, Sofista e Político. Filebo e Parménides perten-
cem quiça também a esta secção; é difícil de dizer porque há
poucas características comuns a todos estes diálogos.
que o testemunharam. ,-
. Ao desenvolver o seu próprio género dramático, Platao
virou-se contra os trágicos atenienses mas ao lado de Aristó-
fanes o dramaturgo cómico. Platão tinha Aristófanes em ele-
••••
••••
Enquant,o uns explanam teorias, outros apenas fazem crítica.
Nuns, _Socrates desempenha as suas funções habituais nou- vada 'conta, pois aparece a falar com mais se~satez ~o Ban- •••
tros nao. ' quete do que outros participantes, com excepçao de Socr~tes .
Os diálogos ficam a dever mais reminiscências à comédia do •••
Platão e o drama grego que à tragédia. Embora neles surja por vezes a morte .<teste- •••
munhada mencionada ou pressagiada), estas obras sao sur-
preendentemente destituídas de carácter trágico, por recusa- •••
. Não é forçoso que tenha sido só a pena da ambição per-
rem o uso de qualquer dos processos da tragédia. Os diálogos •••
dida que lev~u Platão a escrever os diálogos, após gerações
apresentam não heróis proferindo versos, moldados em for- ••••
••
de, outros filosofos terem escolhido a prosa expositiva para
veículo das suas reflexões. Aqueles filósofos interessavam-se malismo de toada exótica, mas sim Atenienses comuns,
p~la .natureza material do universo ou pela natureza da exis- falando uma linguagem espontânea. E raro haver um en::.ed~
ou mesmo um incidente, e o que realmente acontece nao e ",..
tencI~, e só ~~directamente sentiam o apelo de assuntos
•••
.-.-
morars e ~O~ltIC~S:Em Atenas, os escritores reconhecidos consequência de constrangentes princípios causais da narra-
sobre matenas éticas eram tidos como poetas e, de entre
e~tes, contavam de modo especial os dramaturgos cujos novos
gen~ros dramáticos se encontravam ainda em fas« de desen-
tiva, mas da lógica labiríntica da conversação. Menos que
tudo se permite Platão perder tempo com lágrimas: mesmo
quando os amigos de Sócrates choram à vista da sua execu-
••
.,..""
vO,lvIment?, nas primeiras décadas da vida de Platão. A es- ção (Fédon, 117c-d), mencionam-se as lágrimas, mas sem
:i

!
;i
11
.!
c~Ita filosofica em diálogos constituía, assim um desafio rela-
tivam en t'e a eu Itura ateniense vigente, um' anúncio de que

,24
qualquer referência de expressões de desgosto. Sócra~es c~n-
sura quem chora, reflectindo-se no diálogo muito mais o rISO

25
••
,'r: ", ,':' r>
~..k.L ..•oi:..";'~~
'i _.
i
•••
~
'i,


•••
PLATAo E A REPÚBLICA
. _._---------_ _-------
..

do que o choro. O Eutiden:'~ de Plat~o. é simplesmente des-


Pl ATA.O 1'; A REPÚBLICA
" -- --_._-----

valorizado, como uma especis de parodIa, quase o mesmo se -.


~0V; Estado e expulsa os usurpadores.

••• passando com o Protágoras. Platão constrói os diálogos como


modificações filosóficas da comédia aristofânica, purgada do
anti-intelectuaJismo chocarreiro, mas na mesma linha da
vigente, l~stau~a um

instauraçao, .
tblica devem ter reconhecido na
Os primeiros leitores a EePt ud l por desgosto pela civilização
- de um novo s a o,
s de uma narrativa aristofamca.
A' S'
o por

•• sagacidade verbal, da crítica da tragédia, do sonho por um


mundo político melhor e sobretudo da esperança de um res-
existente, nítidos eco
' I
inexorave
t ado aos leitores que, em vez da
si estes ecos deviam ter mos r d t a'Dica podiam alimentar
ha de um enre o r o' ,
de que PI a tãao lhes
. marc
, .

d indicaria a escapatória per-

••
surgir da morte moral que até ao momento fora a existência a expectatlva
social humana.
feita do actual estad°Arid.ot~Cuneso·que tem uma relação espe-
De todos os diálogos de Platão, a República é o que melhor H' eça de s oran it

•• ilustra este último tema aristofânico. Nenhum intérprete do a umaR p tbli NaAssem bl eia . de Mulheres escri a uns
J.

diálogo pode ignorar as suas metáforas recorrentes de morte cial com a epu lcad· R iblica Aristófanes imagma um
q . antes a epu " , d At
e renascimento, especialmente nascimento numa caverna ou UInZe anos lh que toma cont a da governação e enas, .

• qualquer outro lugar subterrâneo. A nobre mentira (414d-e), grupo de mu . eres . da a família tradicional e a dispa-
abole a propriedade pnv~ E~tas reformas, sendo na pena de

••••
a Alegoria da Caverna (esp, 514, 516a, 516d) e o mito da
reencarnação que encerra o diálogo (esp. 614d) são exemplos ridad~ de estatuto sex::a. ara a sátira, compreendem duas
óbvios desta estrutura narrativa metafórica. Os comentários Aristofanes uma ocasiao p líti cas que Sócrates avança
das três principais ~udaVnçaSsPto°1 ~ menores da sátira, tais
de Sócrates sobre o infanticídio, estranhamente insistentes 1 t no LIvrO ec re . ._
(nos quais repete que as crianças más serão abandonadas reso utamen • e . de triibunai
unaIS d a n ova cidade e a instituição b'

•• num "lugar indizível e invisível": 460c) e, no tocante a esta


matéria, a estrutura imagética do conto de Giges de Gláucon
(esp. 359d), compara também a morte ao enclausuramento e
como a ausencia
de messes comuns p
ara to dos os CI
. líti
'd'a da-os, encontram tam em
de Platão. Uma vez que
correspondênc~a na teona ~o:slC:ssuntos após Aristófanes,

•• produz narrativas afortunadas em termos de remoção dos


espaços ocultos da terra.
este terá escrito ac.erca de t
R
' blica reconhece de certa
havemos de concluir que a e~:a a~istofânica. A comédia
forma o débito para com a c~me I I 'do indivíduo auto-sufi-

•••• Ora, a comédia aristofânica, se podemos generalizar a par-


tir dos onze exemplos sobreviventes, conta quase sempre his-
tórias de morte e regeneração, muitas vezes com o particular
de Platão defenderá a primazIadmor~os para os quais aquela
. t esses e os eseJ
ciente; mas os m er
comédia abre :spaço naAri°
_ _ gora os apetites corporeos
~etr~f.0aes mas os desejos reconhe-
,

•• intuito de tornar sãos os morbosos e perversos desejos huma-


nos. A morte e os estados mortais são evocados através da
linguagem e das circunstâncias do típico encarceramento
,.
~~~::~te
tão UbIqUOSem s o an ,
mais elevados da espécie humana.

•• numa caverna ou noutro lugar subterrâneo. O desenvolvi-


mento da comédia arranca o protagonista a essa prisão na
terra, para uma nova vida fora dela. Dado que, como pre-
A República

•• tendo, nenhuma estrutura narrativa ocorre tão frequente- . é rovável que sejam mais
De entre os leitores hodl;:en~blic~' do que qualquer outra

,•.
mente na República como a do renascimento da caverna,
temos pelo menos uma razão literária para ler PIa tão como numerosos os que leram. a . p mais primitiva, das uto-
'fi El é a primeira ou a Ul ,

,.
,
um autor aristofânico. obra filoso ica. a .,' d E ; pa Nela se contem a
"
Pias sistemáticas d história a uro . d
Uma segunda razão provém do enredo favorito de Aristó- .. .. a I' . a o prImelr
.. o exame
c
das origens •o
fanes, no qual o protagonista cómico rejeita a ordem social primeira teoria pSICOOgIC, d forma educativa e a pri-

-
poder, as primeiras propostas e re
meira estética teórica.
26

~ 27

~ :íi;" ••J..:.
·~L
lio
-~
•••
PLATÃO E A REPÚBLICA
1f--"
PLATÃO E A REPÚBLICA

diálo os pertencentes à ultima fase da


••
.-
Mas deixemos de lado o qualificativo de "primeiros", por-
,'S .oras). E embora os grgupo mais denso e acerca do qual
•••
••••
que esta espécie de louvor é aplicável aos esforços desajeita_ - fi rmem um di ,
da de platao o . ode dizer-se que eles fazem uma IVI-
I: dos de um empreendimento, como quando atribuímos a Herão
I: ssível generahz~:~~s e os metafísicos, investigando-os em
de Alexandria a invenção do brinquedo giratório a que cha- s
i I
mamos, retrospectivamente, a primeira máquina a vapor. e entre os tem: e (~ Filebo é uma notável excepção a est~
..
Exceptuando alguma perspicácia ou hipótese isoladas, Platão
ogoS separ~ ,os. as Leis, os dois diálogos subsequentes a
•••
••
( , elo.) O Pol~ttC°de m matérias políticas, dão azo a pouca
! , conserva a importância e o atractivo relativamente a uma • e centra os e di '1 s
C,,}- c" larga audiência, primeiro, por causa da sua profunda des- epúb Z ica , t filosóficos abstrusos. Esses Ia ogo
I confiança quanto ao mundo da aparência e, segundo, por
,.
yestlgaç
,
recisam de ser
ão de assun os
t
R ' bli
r d elo estudioso sério da epu zcc, por
••••
.:/i.'..; .. '
causa dos seus esforços, não obstante a mesma desconfiança
"usa da luz que ~~a
os ~ sobre a política de Platão; mas falta-
R pública oferece, e é por isso •••
.,.",.
••
em mostrar como o mundo, que ele chama real, pode afectar " fôl go de visao que a e Pl tã
j es o o e , 1 entre as obras de a ao,
o aparente. A desconfiança da aparência suscita o Platão dua-

".
~e ela ocupa um lugar especla
lista que teve de construir Formas imutáveis e perfeitamente
inteligíveis como compensação pelo caos das coisas ordiná- ",TBO nagens e situações
·;,e
."rias. O esforço em lançar uma ponte sobre o hiato entre estas
Formas e as coisas dá-nos o Platão filósofo sistemático, cujos " uanto totalidade, agrada menos a uma
.......A Republtca, d que outros diál
enq s Quase todas as suas
diálogos entretecem questões de valor - as definições de ter- '~.
éitura hter~a
", iaiogos.
o I _ históricas vêm no Livro I, para, •••••
mos morais, esboços de teorias morais, recomendações polí-
ticas - com questões relativas ao estado do universo - a
natureza da realidade, a possibilidade e o processo do co-
nhecimento humano. As obras pelas quais Platão tem maior
,~acterizaçoes e, a uso~s desaparecerem, Por isso, a infor-
,~pois dele, pratlcamen e 'afo tem escassas aplicações
""'açãoque compet~ a este paragr s se reduzem a Sócrates, a
•••
•••••
:bSLivros lI-X, cujas person~gen
nomeada exprimem a sua visão de que uma investigação . .
Jáucon e ao l~ao
,- deste Adimanto.
stitui a República tem lugar em 422
••••
desapaixonada da natureza da realidade irá em última aná-
" Aconversaçao que con~ ~ eríodo de acalmia na guerra •••••
lise enformar a vida humana. Podemos, pois, dizer que a sua
maior importância, no âmbito da história da filosofia (para o
s C durante a Paz de Nícias, p
"~'.'" fi
'-'
ela Expediçao a ICIIa.
S' n' Platão
•••••
melhor e para o pior), brotou do seu infatigável empenho em
;(que se aproximava do ~ p versação o que significa que,
,f;~ria cinco anos ao tempo a c?n d algum rezisto da conver- •••••
introduzir a metafísica na existência humana.
A República é um diálogo platónico clássico. Contém as
",'.
~)xnesmono caso
;~'S'~Çã~
de ter transpira o OA
, h ado ao Autor muito
da República" apenas t~:;~~n:; numa altura em q~e
,

••••
mais completas exposições das doutrinas, tradicionalmente rdepOls de ter aconteCIdo, prova ,, ' h ri do (A Repu-
associadas ao seu nome: a teoria das Formas, as partes da -'",o ,. tes Ja tin amor .
'.'"maior parte dos partícípan 1 d 375 a C 50 anos ~
alma, a condenação da poesia e, naturalmente, as intransi- , , it por vo ta e ",
lica fOIprovavelmente escn a que a conversação
gentes recomendações pela mudança política. Mas tipifica ,;d,epoisdo facto, o que novamente suger;, don escritos pela
também os diálogos deste período dos escritos platónicos na i.:.J'o....i objecto de ficção.) O Ban?uet~ ~ o e d'e modo seme-
integralidade com que unifica temas metafísicos e éticos. As "I. . R ibl ca 1nlormam
i.,.mesmaaltura que a epu zce, _ spondem a rela-
duas espécies de questões nunca estão de todo divorciadas '{'1 itores d eles nao corre
"i hante os ,seus laítores e_que sse estabelecer uma dis-
uma da outra, em Platão. Mas, nos primeiros diálogos, Sócra- ::\;tbsfactuais, como se Plat~o prete~de h' tórica de Sócrates,
tes interessa-se muito mais por temas morais e pela teoria .",tância entre o que tem a dizer e a igura 1S a-o da Repú-
moral do que por questões do conhecimento ou do ser, os b que a conversaç
Platão, quando escreve, sa e b d 10 conhecimento
quais, quando muito, são tratados de passagem iÊutifron; Pro- ',blica não pode deixar de ser ensom ra a pe

28 29
il

•• ii
,.I
:1,
~

I: i
1
PLATÃO E A REP(;BLICA
--------
PLATAo E A REPÚBLICA


•••
1'.
I {
,.
j
õ' ••
do que virá a acontecer às personagens. Sócrates, natural-
mente, será executado como traidor à democracia; mas, como
se não tivesse noção deste perigo, propõe alegremente um
Estado governado por comissão, fora da participação política
nas a violência do poder que deriva do facto de se viver num
sistema político, sobre o qual não se tem controlo.
Trasímaco é conhecido dos modernos, sobretudo atraves da
,

sua participação no Livro r. Ele e Cálicles, do Górgias, mor:-

••• da maioria dos cidadãos. Aqui e acolá, os interlocutores


advertem-no de que o público não levará a bem as suas ideias
(p. ex. 474a). Estas advertências permitem-nos saber que este
tam a mais crítica, a mais desprovida de sentimento e_a mais
eficaz oposição à moralidade de todas .as obras ~e Platao. Tra-
rrnaco excede Cálicles em rudeza: msulta Socrates (337a,

••
diálogo, como vários outros, dos mais importantes de Platão,
serve, entre outras coisas, de defesa de Sócrates. 340d, 343a), argui de forma agressiva, amua quan do S'ocra-
SI

tes o derrota. E, no entanto, é na resposta ao desafio lançado


Polemarco, uma das primeiras personagens a falar na

,••.
, moralidade por este feroz niilista que Sócrates gasta o res-

•• República, será também executado por acusações políticas,


~al como Nicérato que, apesar de estar presente (327c), não
mtervém na conversa. Os Trinta Tiranos matarão estes dois
e forçarão Lísias (328b), irmão de Polemarco, ao exílio,
:ante da República. Trasímaco compreende mais d? que con-
segue defender por meio de argumentação lógica. E, ao fim e
ao cabo, um dos primeiros estilistas retóricos do seu t.e~po.
Platão reconhece-lhe a habilidade no Fedro (267c); Aristófa-
quando o Pireu, porto de Atenas, onde Polemarco e Lísias
vivem com seu pai, Céfalo, se torna o centro da oposição nes assume o incómodo de parodiar a sua oratória; Aristóte-

•• democrática.
Céfalo, um negociante abastado, aparece na República
logo no início (388b), embora rapidamente desapareça da con-
les atribui-lhe a invenção do ritmo da prosa cultivada (Retó-
rica, 1404a 14). Por trás da descrição pouco lisonjeira, através
da qual o Livro I o apresenta como u~ temper~mento arre-

••• versa. A sua noção acerca da bondade da vida centra-se à


vo!ta das comodidades que a própria fortuna lhe torna possí-
batado, arrogante, retórico e verborreico, devenamos entre-
ver o homem que Platão respeita o suficiente para fazer dele
o mais difícil opositor de Sócrates. Devemos também dar-nos

•••
veis; sabemos, porém, como o teria sabido o auditório origi-
nal de Platão, que, ao chegarem ao poder, os Trinta Tiranos conta de como no decurso de toda a parte subsequente da
confiscarão a fortuna da família. É igualmente digno de nota República, Tra~ímaco se mantém atento à resposta de Sóc~a-
tes; quando volta a intervir, no Livro V (450a-b), é ~o sent~d.o

•• que Céfalo e seus filhos são não-cidadãos e não-atenienses.


Resi~entes estrangeiros em Atenas, gozavam de alguma pro-
tecça~ leg~l, mas não podiam ser proprietários e apenas
de insistir que Sócrates fale mais sobre as suas teonas políti-
caso Com esta interrupção da conversa, Platão pretende lem-

•••• merce de cIrcunstâncias muito excepcionais tinham garantida


a cidadania. Por isso é que Céfalo e Polemarco descrevem a
bondade da vida humana sem mencionar a política, mesmo
brar-nos que Trasímaco continua presente, para OUVIre para
pôr à prova o que Sócrates diz. .,
Na verdade na maior parte da República, Socrates nao
_

•• sabendo nós, como leitores. que a política tornará irrelevante fala para nenhum destes homens, ~as si~ ~ara_ os irmãos
Gláucon e Adimanto, que são tambem meios rrmaos de P~a-

•••
as suas noções de qualidade de vida.
Podemos concluir provisoriam(mte que Platão pretende tão. Adimanto tende a representar a resistência pragmática
~~e a República abra com discussões apolíticas de teoria às posições defendidas por Sócrates, enquanto Gláu~o,n ~arece

•••• ética, para demonstrar quão limitadas são por força tais dis-
Cussões. O terceiro parLieipante activo no Livro I, o retórica
T.rasímaco, vem de Caleedónia. Embora fale de regras de
mais pronto a seguir Sócrates em argumentos d.lftc.eIse a
concordar com ele. Mas as suas personalidades dificilmente
emergem completamente, em comparação com as do Liv~o ~.

• VIver, referindo-se aos governantes de uma cidade a sua ideia A este respeito, os Livros II-X pertencem ao grupo dos últi-
mos diálogos, nos quais as personagens represent~m P,ou~o


de política toma um tom exag~radamente cínico, ~isando ape-
mais do que nomes, enquanto o Livro 1 regressa as hábeis
30
~

--
31
~"a •••• _
;;11
é.
lil'i [.
PLATÃO E A REPÚBLICA PLATÃO E A REPÚBLICA
I:, !'
I !

: I caracterizações de Lisis, de Protágoras ou de Cármide •.•.•


elha-se ao destino dos prisioneiros, encerrados
.,. aSse.... , '
,I ' Jl . rna onde não chega o sol, enquanto o filosofo e
I: •
O mais importante a prupósito dos irmãos de Platão torna-:~
I a cave " t '1
1 bastante claro; são rectos e filosoficamente sinceros, de tal ém. que sai da caverna para uma are~ mtensamel.n.te I u-
,! forma que a sua argumentação contra Sócrates surge como ';; d Terminada a sua narrativa, Socrates ex~ ICI a as
fazendo parte do seu papel de advogados do diabo. ,_i\~ a. dentes aplicações: o filósofo deve ser seleccionado de
"espon utras pessoas deve ser educado e, depois, incitado
·t~as
;. oar para Orientar
.' os que ficaram. Nesta passagem
A frase de abertura ess
grt para referir o oficio humilde do filósofo, usa repeti-
a es, . t
Conscie~tes destas circunstâncias, podemos compreender
como Platao e~ta~elece a cena da República. Vale a pena
deter-nos na primeira frase do diálogo, não porque precisemos
.e:
~. te o verbo "descer", o mesmo que empregou na m ro-
à República para descrever a própria chegada à cena
suas discussões (516e, 519d, 520c). Platã.o pretende con-
de ler toda a República, com o mesmo cuidado de pormenor ter-nos de que, ao dar as razões da sua cldad~, escolhe o
mas porque a leitura atenta de uma frase pode demonstra:' ",:sso dífícil, não partindo do consenso em clarificar a teo-
que a escrita de Platão recompensa o leitor diligente: ,~as começando em pleno e radical desacordo até alcan-

Descia eu ontem para o Pireu, com Gláucon, filho de


<todavia, algum terreno comum, onde seja possível cons-
"0 seu argumento.
"".•••
Aríston, a fim de invocar a deusa; aproveitando o
ensejo, tencionava observar como corria o festival
dado que era a primeira vez que o realizavam. (327a)
.;;:0 Pireu" estava fadado a transformar-se, não muito
'á~adata dramática do diálogo, no centro das forças demo-
•••••
;...-
\as de Atenas. l\1ais,UIna ye;l, Pfi:receque Platão torna a
I••••
"D e~cl~
. eu ", diiz-se em grego hatebên, a primeira palavra ria tarefa sumamente difícil, pois Sócrates tenta persu-
'a-
•..
da República. Socrates desce do plano da sua existência inte- ~~~~ditório não s6 de qú~'Uma certa espécie de4i~adura
lllõr do que a democracia, mas que esta democrl'lcia vale,
lectu:l para explicar os seus pontos de vista. Tal como explica
a acçao. que abre o diálogo, a ameaça da força assediará o ~~. como o mal menor, entre todos os sistemas políticos,
.~••_,.#) •.. ,
••••
nobre discurso dos participantes sobre a cidade ideal: Pole- rial,Lpreferível à tirania. '
marco, ao ver Sócrates e Gláucon no festival intima-os
'prazenteiramente a que fiquem na cidade corno hóspedes
seus, dado que tem junto de si outros homens (327c). Sócra-
~e~ não o conse~e con~encer do contrário porque, diz ele,
í;~m termos gerais, o Pireu era o porto de Atenas e ~lber-
',á?,umacomunidade diferente do resto da cidade. MaIS que
~funero habitual de mercadores itinerantes, podia encon-
1 <:::8e
também ali uma elevada concentração de sstrangei-
'
•••
'
•...
••••...
nao, v~mos OUVIr. Mediante as construções imaginárias da 'aem estatuto de cidadãos e um não pequeno contingente
República, relativas à cidade perfeita, Sócrates encara o pro- riminosos. Na medida em que o governo político implica
,blema de como tal cidade poderia, alguma vez, ter existência em, o caos crescente do Pireu acentuava os indícios da
•••
.neste mun?o imperfeito; o acto de descer para discretear
acerca da Cidade, em vez de a organizar com toda a minúcia
:dentro de um grupo de simpáticos e experientes filósofos,
'?rdem que ameaçava um regime funcionalmente degra-
o.
A este já conhecido significado do Pireu acrescentaria eu
••
••••
prova que Platão decide enfrentar directamente o assunto. :facto que já veio à colação, a saber, que o Pireu foi pr~-
,.ado por Hipódamo, a quem Aristóteles considera o pri- ••••
,. "Descia eu" ~ ~ma alusão premonit6ria da mais divulgada
Imagem dos diálogos de Platão, ou seja, a Alegoria da ~o a pesquisar a natureza da cidade perfeita. Tal ~acto •••
Caverna, do Livro VII (514a-517a). A existência humana ordi- ça mais luz sobre a conversação do diálogo. Platão Sltua-
•••
32
33 •••
•••• • -C
••• PLATÃO E A REPÚBLICA

-se na tradição dos reformadores municipais, ao mesmo


PLATAo E A REPÚBLICA


••
te~po. qu~, por .outro lado, se Opõe a esta tradição, enquanto
primeiro investigador da forma correcta de actuação. Encon-
tramo-Ia, aSSIm, a explorar, em profundidade, a natureza de
impressão de ser muito mais exótica. No decurso do sé-
. ~ulO V, pelo menos, não houve nenhum outro acto comparável
orn o decreto da assembleia dos Atenienses, em 430, graças
co qual Bendis passava a pertencer aos deuses tradicionais.
todo o valor moral, em busca dos princípios orientadores do

••
fi Como se explica esta radical alteração da religião pública?
seu,s. objectivos. políticos. Nada que se pareça com a acçã~ Três anos antes, um grupo de Trácios recebera autorizaç~o
p~htlca, entendida como uma série de reformas conjunturais, ara constituir um santuário privado em honra de Bendis,
p . ,

••
feitas de remendos e compromissos de ocasião. dentro das muralhas da cidade. Neste mesmo ano, o.rei trá-
"O n t em ",e t u d o quanto a República fornece como forma cio entrou em aliança com Atenas. Os Atenienses sabiam
d~;d~o início da Guerra do Peloponeso que o sucesso depen-

••
d~ enquadramento do locutor. Sócrates nunca diz a quem se .'deria da superioridade naval sobre Esparta. Mas uma frota
" v.., dirige a conversa da noite anterior e, além deste simples "on- exige madeiras, que os Trácios possuíam. em abundância; por
, ,.í"· '~.)tem", parece que no decurso do diálogo se esquece inteira- isso, após alguns anos de guerra, Atenas promoveu Bendis e
)"

•• men,te que se dirige a um auditório. (Mais adiante, no Livro


I, ha-de comentar que "era verão" (350d), estranha observa-
ção quando se trata de referir o dia precedente.) O "ontem"
planeou um festival público em sua honra. . _."
Este estado de coisas transformou-se numa situação iroruca
perante o facto de, em 399, Sócrates ser, pelos seus persegui-

•• não proporciona qualquer contexto interessante a não ser


q~ando muito, a garantia de que, tendo a conver~a tido luga;
tao recentemente, Sócrates podia com maior plausibilidade
dores, acusado de introduzir em Atenas novos deuses. A men-
ção da estreia deste festival não pode deixar de recordar ao

••
auditório de Platão que a cidade entrava com a sua quota-parte
recordar-se dela na totalidade.
de novos deuses, e isto por motivos totalmente mercenários.
(Em Fédon, 118a, Sócrates, no limiar da morte, diz aos seus
"A deusa" que Sócrates viera invocar e cujo'festival Atenas

•• celebrava "pela primeira vez" é Bendis, a deusa lua dos Trácios.


Rar.am.ente, chegam deuses novos a cidades antigas, pois
amigos que façam uma oferenda a Esculápio. Acho dificiller
esta menção de ambas as divindades como mera coincidência).
Em parte, portanto, esta referência introdutória ao festival


os fest.ivais públicos eram considerados como uma forma de iliba Sócrates de uma das acusações contra ele levantadas.
adesão da cidade ao culto do deus. Os deuses tutelavam as Quantas implicações e harmónicos deste tipo fez Platão res-

•• suas cidades eleitas e, por isso, as cidades deviam, por sua


vez, tratar de proteger os seus deuses, não permitindo sobre-
tudo a veneração de divindades estrangeiras. Só uma situa-
soar na frase de abertura da República? Não precisamos de
discutir os pormenores, se nos dermos conta do cuidado que

••
••••
ção de crise podia levar uma cidade a licenciar o culto de
novos deuses. A~s.im, durante o século V a. C., Atenas só por
d~as. vezes admitiu no seu panteão novos deuses de impor-
ele pôs na elaboração da República. Especialmente em certas
passagens, ao reconstituirmos os argumentos a partir de
observações elípticas e termos indefinidos, servirá de ajuda
recordar que, nas mãos de Platão, até um inocente aparte pode
1I
t?nCIa. O outro foi Esculápio, um herói grego originário da conter a premissa crucial ou a glosa de urna outra passagem.

••• ~
11
I:
cidade do Epidauro, primeiramente ali recordado como um
~édico lendário, elevado depois à categoria de deus da medi-
~ma. Atenas veio a reconhecê-Io plenamente como deus, em
Esquema do diálogo

••
Ii
30-429, os anos de uma grande peste em Atenas. A extensão e a complexidade da República podem obscu-
P~lo menos era Esculápio o herói local de uma cidade grega' recer-lhe a estrutura global. O leitor preci.sa de ter presente
li

,.
Bendls, além de rival da grega Artemisa, dava aos Atenienses

•.- I1
I,
n
li
!
34
que a República consiste essencialmente num único argu-

35

.,~---
!
l

~
fil••
----------------~.,,
PLATÃO E A REPÚBLiCA
PLATÃO E A REPÚBLICA
):>::'f'.---- . •,
,
do débil e específico. Além disso: al~ma inex~cti- .
mente com um antecedente e um consequente, com uma rU)~ deJl1a~lamenos da tradução resulta da difusão de Platao e
digressão pelo meio. O argumento central vem nos Livros lI, "f>:dão, ~e o reta 'ão da palavra grega ..glatão nunca part~ d o
lU, IV, VUI e IX; o Livro I introduz os assuntos, enquanto o ';'.\da re~n:erp ~ . conhecemos completamente o que seja a
á "

Livro X, quase à guisa de apêndice, se dedica a pontos es- ';;"':',01'ril.nc~PIOd~ qu J. J::' ~ cia de "justiça" em corresponder
pecíficos do argumento principal. Estas partes da República , ,,~': Dai que a mSUllClen . .'
~:·:i;~.~"~~·ça. de Platão pode certificar uma vanta~em, pOl.SlSS~ 4
fazem grande sentido, mesmo sem a digressão dos Livros V- '•. -\,.;.:G80 USO . t s dos modos como os filósofos reinven
', ...., all tém-nos conscien e
VII, a discussão política e metafísica que, aos olhos do leitor " .i, I
muns ao porem essas pa avras ao
••
"

"tll .
mais exigente, forma o alicerce do diálogo. , JIl as palavras mais co ,
. ,.ta . de teorias filosóficas. .

'.
O argumento central a que me refiro estabelece a tarefa sefVlÇO larifi - o em mente podemos esquematlzar o
de responder a duas questões. "Que é a justiça?" e "Será van- Com esta c an caça , fi 1
República como o demonstra a igura .
tajosa a justiça?" A palavra portuguesa "justiça", embora .argumen t o da .
imperfeita, retém dois importantes traços do termo grego
[Figura 1 -Esquema da Repúbli.ca] •
dikaiosunê:
A) Ambos os termos são usados primariamente para o
comportamento ou para as instituições respeitado- ~
Prólogo: Que é a justiça?
É ela vantajosa? ,
••
ras da lei, sobretudo se o acatamento da lei implica
também regularidade, previsibilidade e imparciali- Argumento: Tanto o 2 ••
dade.
B) Ambos os termos têm aplicação em contextos de
relações entre as pessoas. Dirigem-se a outrem, ao
indivíduo como a
. cidade contêm forças
. em desacordo poten-
3

••
contrário de uma virtude como a coragem, que não cial, umas com as .4

••
i.
Digressão:-A cidade.justa
implica mais ninguém, ou a honestidade, que tem outras: as classes
difere das cidatles existen-
aplicações naturais, tanto em contextos solitários sociais, na cidade, e
5 tes pelo modo como trata
como sociais. as partes da alma,
as mulheres, as crianças e
na pessoa.
a propriedade na classe
ie
'I•..
I' Mas, enquanto estes traços esgotam o significado da pala- A justiça consiste, 6 dirigente. Os governantes
vra portuguesa, dihaiosunê vai mais além da palavra "jus- para ambas, na
serão filósofos, pois só a
tiça", na medida em que implica uma espécie de apropriação, harmonia entre 7

.
filosofia pode ter êxito no
\ Em termos morais, esta apropriação significa o não querer e essas forças. Mas
conhecimento das FOR-
o não tomar mais do que a cada um é devido. (A palavra por- quando estas não
MAS e daquilo que é bom
tuguesa adquire tais conotações só em contextos não morais: entram em relação
em si mesmo.
., harmoniosa, é a '
o advérbio "justamente" pode significar "exactamente" e o uso
do "justificar" pelo tipógrafo significa o ajustamento de linhas
infelicidade; quanto

••.
\.
- maior é a anarquia
tipográficas segundo dimensões iguais). Platão explora esta tanto maior será a '
implicação da dihaiosunê; embora a "justiça" não capte tal miséria. Por isso, a
,harmónico, adopto-a como tradução. "Justiça" funciona justiça é vantajosa.
melhor do que qualquer outro termo individual. "Rectidão" é
i
!:••
Epílogo: A poesia
um termo demasiado vago, com demasiados harmónicos pres- ~ e a imortalidade.
cindíveis, para captar o significado de dikaiosunê, "Equidade"
37

l

•••• PLATÃO E A !!:!!.-'UBLlC!! _ Parte Segunda
Sugestões de outras leituras (*)

•• :',
"

• Para a biografia de Platão, veja-se Paul Shorey, What


t"

i,'

••••
Plato said. Sobre a vida e pensamento de Sócrates, são úteis
duas antologias: Vlastos, The Philosophy of Socrates, e Ben-
son, Essays on the Philosophy of Socrates .

•••• Sobre a natureza do diálogo platónico em geral, veja-se


Hyland, ''Why Plato wrote dialogues", Moors, "Plato's use of
dialogue", e Patterson, "The Platonic art of comedy and tra-

•••• gedy" ,
Para mais informação sobre o uso da linguagem dramá-
tica por Platão nos seus diálogos (resumido nas pp. 22-24) o ARGUMENTO DA REPÚBLICA
•••• veja-se Tarrant, "Plato as dramatist". Sobre as relações entre
a República e a Assembleia de Mulheres de Aristófanes, veja-
-se Adam, The Republic of Plato, vol. r. Para interpretações

••
••••
do diálogo concebidas de forma diferente e extensivamente
realizadas, veja-se Brann, "The music of the Republic", e
Ophir, Plato's inoisible cities.

••••
••••

••••
••••
••••
,.,.
•••• (") Para a referência bibliográfica completa, destas e das "Sugestões»
seguintes, ver no final deste livro a BIBLIOGRAI'lA. (N. E.)

.-
,/11
38

---_ ..•
~
tl.I
".•••
2 .-••
fi'

ti'

~ift__ .,.••••
,
--Q_U_E-~_~_JU_O_~T_) I_Ç_A_? _
~~::./' ..>,<-. ••
F~,; ~

••,
~
~.:':';:Da natureza peculiar do Livro I
~~ ~.-~-':~.-~
~ .: •.... ,'.', Foram os mais tardios dos editores antigos, e não o pró-
6,.,C::prio Platão, quem dividiu a República em dez partes, numa .,.
:>.distribuição amplamente arbitrária.
. No caso do Livro I, porém, obedeceram a uma caracterís- •••
tica real do texto, uma vez que, seja como for, o Livro I se
,destaca dos seguintes. As próprias conclusões a que Sócrates
•••••
chega alcançam uma importância apenas indirecta no resto
da República. A abrupta transição para o Livro II levanta
"questões fundamentais acerca da origem e dos objectivos do
•••••
,'Livro I e, por isso, acerca do espírito segundo o qual as suas
conclusões se devem tirar. ••••
Diferenças do resto da República

o Livro I situa Sócrates num cenário bastante próximo da


•••••
I
realidade, com personagens que se destacam como persona-
.Iidades definidas, que se sentam, se levantam, que gesticu- ••.".
II 1
11I. '
.,
~-

~.
.. . Iam, transpiram e coram. Exprimem-se, algumas delas, atra-
vés de elipses, outras através de hipérboles, mas todas
parecem dizer o que realmente pensam. Sócrates trata dife- .,.•••
~i1I
1

i 1li!'1
rentemente cada uma delas de sua vez, partindo de asserções
. do interlocutor acerca da justiça e enredando-o em contradi-
••••
•••••
II!I ções. Poucas são as doutrinas próprias que avança (v. 336b-
. li
.337e~i.l:.,!\Tro I fecha com pouca coisa em termos de con-
l11'i'11
,i I"II 9u~§~idefinitivas e satisfatórias.
11'
11,1,
41
i::: :,:
I, ,
~I
li-;'\

~'
L .
I~

""
ti-
(~
t
••
C~UE É A ,JUSTIÇA?
PLATÃO ,,~A REP!/nIJCA y' --'-~--- --!---_ .._~-------
----------------------------------------------- I, - ---- ----- ------ I

A este respeito, ele assemelha-se aos diálogos do primeiro 1,'. 'fica no início do Livro Il, porque não saltar logo para
j:~:, filosoe 1iniciar aí a leitura da Repúb L'zcc ?: N'ão h avera' manerra
.

•• período literário de Platão. Até mesmo quanto às posições


filosóficas implicitamente assumidas, este Sócratesé, quando
JllUito, parecido com o Sócrates daqueles diálogos, assim como
{:. ~:t~dentificar a natureza peculiar do Livro 1, edvit~ndo a sdu~
. . - o como se fosse um frustrado esforço e juven ut e.
re)e1ça ,

••• o dos Livros lI-X se compara ao Sócrates dos outros diálogos


do período médio de Platão. O primeiro Sócrates limita-se aos
temas morais, enquanto a personagem platónica (o Sócrates
~'
Livro I como prefácio

A hipótese em questão não reconhece o modo como o Livro


dos diálogos do período médio, o porta-voz de Platão) desen-

••• volve temas da área da política, da metafísica, da religião, da


psicologia e da educação. Nos primeiros diálogos, Sócrates
não cessa de comparar o conhecimento ético às artes e aos
. troduz os temas do resto da República. Ora de passagem
I 1ll
ora extensamente, Sócrates e Trasímaco fala~
d ' .
as aspecres
de governo humano (338d), da violênc~a dos. brano~ ~3.44b-c),

•• ofícios humanos (v. pp. 49-50); mais tarde, parece encarar


a matemática como a mais fina espécie de conhecimento.
O primeiro Sócrates rejeita todo o conhecimento, conduzindo
da onerosidade da lei (345e-346a), da CIdadeI~e~l d~rIgIda por
essoas de bem (347d), do facciosismo da lD]Ustiça (351d-
:352a), da comparação entre a cidade e o indivíduo (352a) :
I

.'••
• as investigações como uma espécie de justas medievais com da posse por cada coisa da sua própria tarefa, que só el~ esta
os adversários, enquanto o Sócrates do período médio sub- em condições de executar (352d-353a). _'f_~m.adasem conJu~to,
mete didacticamente as suas teorias à consideração dos paca- estas menções significam que Platão quer o Livro I para alu-
tos interlocutores. Os primeiros diálogos mostram as pessoas, di~às premissas fundamentais do seu argumento. _
a quem Sócrates se dirige, como psicologicamente vivas e his- __ o A nível mais geral, o Livro 1 pode ler-se como preparaçao

•• toricamente concretas, de tal modo que as convicções teóricas para o tratamento das virtudes, da Repúpli:a. As conversa-
se lhes desprendem como emanações da personalidade e das ções nele contidas constituem uma pr.ogressao desde concep-
suas circunstâncias. Mais tarde, os interlocutores desvane- . ,ÇQes de justiça que postulam esse traço ent alguma faceta das

•• cem-se em pouco mais do que formalidades dramáticas. Por


todos os critérios, o Livro I deve considerar-se como um diá-
logo primitivo.
acções praticadas por alguém até à noção de Justiça ~nquanto
~~racterística da pessoa que as pratica. Daí que a étIc~ tenha
à'ver não com preceitos, mas com o cômputo das VIrtudes.


••••
Estas diferenças doutrinais e estilísticas levaram muitos
comentaristas a julgar que o Livro I foi escrito muito antes
da restante parte da República. Platão teria então achado o
Esta transformação é particularmente notável no modo como
Sócrates lida com Trasímaco (v. pp. 58-64). Assim, o Livro 1
inicia uma mudança nas definições de justiça que tem de
diálogo inadequado ao objectivo pretendido e, voltando a ele estar concluída antes de o fito da República começar a sério.

•••• mais tarde, tê-lo-ia expandido no que hoje conhecemos pela


República .
A hipótese de uma existência anterior relativamente ao
Mas neste caso, torna-se-nos ainda mais perturbadora
hipó~ese de o Livro I ter sido concebido ~omo u~ diálogo sepa-
rado. Só uma estranhíssima coincidênCIa 'perrnitir'ia que uma
a

••• Livro Ijustifica a frustração do leitor em ter de caminhar com obra pensada' de modo autónomo constituísse justamente o

.-
dificuldade e sem proveito por vielas de argumentação obs- caminho para o método de investigação usado no resto da
cura. Justificar-se-ia demasiado completamente, de resto, por República, ,
esta hipótese, a frustração do leitor, na medida em que somos Se o Livro 1 foi escrito em conjunto com o resto da Repu-
levados a interrogar-nos por que razão haverá alguém que se blica, a sua evocação dos primeiros diálogos transforma-o
•••• dê ao esforço de ler o Livro r. Visto que Gláucon e Adimanto num j~ª~tiçhe_,d~~i.bet:ado~~les. Mais do que regressar a um

•• recolocam os problemas contidos no Livro I numa forma mais trabalho anterior mal sucedido, Platão cojneçou com os temas

,.

••
~
il.IIo
42
43
--
PLATÃO E A REPÚBLICA
QUE É A JUSTIÇA?
e tópicos da República em mente, e compôs um diálogo remi_
niscente das suas obras socráticas, no qual embutiu aqueles partir para aquele lugar ~o te:ror de dever alguns
sacrifícios a um deus ou dinheiro a um ser humano
temas .. Mas porque é que Platão,.a ..t.a.rnanha distância, Se
(331b).
haveria de papaguear a si próprio, após se ter deslocado par
um estilo e para doutrinas tão diferentes dos seus escritos da
período médio? Se~a-me permitida uma especulação qúecPõd~ S6crates toma a observ~ção do .an.c~ão.por. uma definição
.... tiça como se Céfalo tivesse dito. A justiça corresponde
Ilummar a reavahação que a República faz de Sócrates: Pl -
a ejUS
.•.....
descargo ,
de todas as obrigações." Corno rep 'I' ica, S'ocra t es
tão escreveu o Livro I à maneira dos seus primeiros diálogo
para sublinhar que se tratava de apresentar o Sócrates his~ fi: e o seu contra-exemplo, do amigo que enlouquece e que
erec . A titui
'II1 depois, reaver as suas armas. _J:!'l.S Ullf.ap. _a13
d an.n~s
tórico. Qualquer inadequação do tratamento que o Livro I dá
;e ~estadas equivale à entrega do que é devido, mal? não
à natureza da justiça revela, por isso mesmo, as limitações
do método socrático. Em aberto contraste com o LiVro I' o .':::~é'\:;,;ro: ~q:úivaler à acção correcta e.justa. Diríamos, por ISSO,
resto da República estabelece com nitidez os méritos dos • ~:~l;f~-ãdefinição de Céfalo é demasiado ampla, dado q~e c()~-
novos métodos filosóficos usados por PIa tão, pois tais méto- · ~L~::~i!}~iide mais casos do que a realid~de que se propõe defimr.
dos, pensa ele, serão bem sucedidos naquilo em que os outros .l:.;t.\~:r definição de Céfalo é censuravel por nao ser, ,p~ra e
falharam. •.
~}';'{;~implesmente, uma definição. Identifica algumas espeCIes de
~~'-;~'}acçoes,
·;;.'.".····;;.··!. '.' • como justas sem dizer o que é que nelas tem . exacta-
Esta explicação supõe que PIa tão foi uma espécie de ven-
tn10quo, ao escrever longos trechos dos diálogos com a voz de .::;:>~::::>JI1ente o valor de justiça. Suponh~-se que Céf~o tinha defi-
·j;;:,;\Xnidoa chuva como a água que Cal na terra. Socrates desco-
?utrem (mesmo se este acabasse por ser ele próprio, quando
Jovem). E, na verdade, foi. As falas de Agatão e Erixímaco no : {?;:~.~.f.~.·.:P.
I· ".riria com toda a facilidade c~ntra-ex~mplos - uma queda
B.anq,uete,o discurso de Lísias recitado no Fedro, a longa ora- ·-;~':r~tde água ou a água da lavandana despejada para o telha~o.
K;::':;i}-/que trairia a falha da definição em captar uma .caractenstIca
ç~~ fúnebre ~o Menéxeno, talvez até toda a Apologia, são exer-
CIClO~ platómcos em pastiche. Para este escritor, com tal pro- t'·~.·~<,·~!es~~ncial da chuva, -ª-.!;jab~,r,a de cair ~omo.;r~sul!a~o de, ~
pensao para a mímica, imitar-se a si mesmo pouco esforço lhe t.,:"' . :'.' ' : .·.:. cicl~ atmosférico . ..N9 c~so verten~e, a Irl.entIficaçao ImphcI~a
custaria. ~;.: ...,ge justiça com determinadas acçoes omite qualquer mençao
~"'.) docarácter que enforma essas acções. .. .
~~:;;.;"""NãO há que esperar, da parte de Céf~lo, um dlscermI?ento
Céfalo (328b-331d) F\~i;{deste tipo. Ele absorveu, da própria sociedade, com tal inten-
~,."J: sida de as normas de bom comportamento que aparenta sen-
Céfalo instiga a conversação da República, pois é o inter-
t;'!!5. tir-se genuinamente feliz, ao agir com rectidão, mas mostra-
f:',; se incapaz de explicar porquê. Gozou de ~oa fortun.a,
locutor ~~e primeiro usa as palavras "justo" e "il1ju.s.to"no
í; . alcançando uma idade em que o desejo sexual deIXOUde o dIS-
ameno d~alogo que ~ra~a .com Sóc:ates acerca da(~elhi0As
recordaçoes das a~ç~es injustas, dIZ ele, fazem tremer os que r trair e acumulando o dinheiro suficiente para o defender da
se er:contram no hmIar da morte, pelo destino que os aguarda ~;'. tentação. A sua vida parece sóbria e pru~ent.e e a sua aus-
na vida futura. Ele, pelo contrário, sente-se feliz: h· tera aceitação da velhice tem o valor do primeiro patamar da
: sabedoria, pelo menos. Mas não saberia o que aconselhar ~os
A posse do dinheiro contribui em grande medida
f que têm uma situação diferente da sua nem que .pal~Ite
fornecer sobre o modo de viver com justiça, sem dinheiro.
p~ra que. algu$m não tenha de recorrer ao engano
e a mentir-a ... e, além disso, para que não tenha de O conhecimento que temos, como leitores, de q~e a fortux:a
de Céfalo cedo desaparecerá demonstra-nos a inadequação
44
45
•••• PLATÃO E A REPllBLlCA
---
,. ~~-~

~~.
~:.~:~;~
.------------------
QUE É A JUSTIÇA?

•••• desta complacênci.a recheada de boa sorte. Ao ouvi-Io falar da


observância dos costumes religiosos, como se se tratasse de
~L: Sócrates não consegue demolir a definição si.mplesmente
:rXf9Y~ umcontra-exemplo e, em vez disso, expõe uma extensa

•••• pagar um seguro, ao vê-lo citar Sófocles, Temístocles e Pín-


daro, em vez de pensar pela própria cabeça, ansiamos por
algo mais substancial. Não há leitor que sinta a falta de
:a~;l~-;:;~iutação,
:~';";"'~""--ando
demonstran~o que a definição de j~stiça pr.oposta,
tomada em conjunto com outras premissas aceites por
1.!!~.:::'~Ulemarco,
~;:;.~.?
conduz a conclusões insustentáveis .
••• Céfalo, quando sai. para cumprir os seus sacrifícios (331d);

••
••
I
.. 1
este, por sua vez, não sentiria a falta da. discussão seguinte
pois apenas lhe poderia trazer confusão. Céfalo manteve-s~
tão alheado da investigação filosófica que, precisamente na
·Uma nova definição (331e-332c)

Chamando à colação o poeta Simónides, pela sua autori-

••
••
altura da vida em que devia avaliar-se a si mesmo e aos seus
valores e oferecer orientação aos seus filhos, eis que nada tem
para dizer, a não ser observações tranquilizantes, considera-
dade, Polemarco define a justiça como o acto de dar a cad~
um "o que lhe é devido", o que significa fazer bem aos a~l-
_gos e mal aos inimigos. Visto que fazer bem e fazer ~al s.ao

••
•••
ções moralizantes de segunda mão e aquele género de curio-
sidades que parecem feitas para serem sucessivamente repe-
·noções mais latas de acção do que o pagamento de dinheiro
· e o cumprimento de sacrifícios de que falava Céfalo, esta defi-

•••
•••
tidas. Na linguagem dos nossos dias, é um burguês, um
filisteu .
Mesmo assim, Céfalo tem um papel preliminar na Repú-
blica. As suas banalidades acerca da bondade da vida toca-
nição tem melhor oportunidade de nos dizer algo de essencial
acerca da justiça. A justiça, poderíamos dizê-Io de forma equi-
valente, consiste em aderir às obrigações implícitas nas nos-
sas relações sociais .
••• ram quase todos os temas éticos da República: É surpreendente como o grego desta citação, tirada de
•••• a) prazeres corporais e libertação a respeito deles;
.Simónides, se pode ler de um modo mais natural, como se o
poeta estivesse não a definir a justiça mas simplesmente a ten-
••• b) a importância, para uma vida de bem, de viver na tar dizer algo sobre a justiça. O enunciado "é justo dar a cada
cidade perfeita; L...•.
-.'. um o que lhe é devido" não precisa de anunciar a identidade
c) temor da punição na vida futura; ~ da justiça com o descargo de obrigações mas, apenas, nomear
d) importânci.a de viver de modo justo. f' um tipo de acção justa.
". . O que é que interessaria? Uma definição filosófica, da eS?é-
Também Céfalo iniciou a actividade da filosofia. Sócrates cie que Sócrates procurava, é uma coisa fora do comum. Dife-
está já em acção, produzindo definições de termos morais e I ,rentemente de uma definição encontrada no dicionário, o seu
encontrando contra-exemplos, ou inconsistências, que as dão !,.....
\.:..... objectivo não é classificar o uso de uma palavra, mas a des-
por inadequadas - intervindo, em suma, conforme aquilo ~ coberta de informação nova, acerca do conceito. No dicionário,
'
que o tornou famoso. t a definição de "justo" pode incluir a palavra "correcto". Como
). indicação do modo de usar a palavra, tal definição não levan-
!. taria objecções; para alguém como Sócrates, que investiga as
Polemarco (331e-335e) ~;."; propriedades da justiça, daria a sensação de ser uma evasiva,
r como se alguém insistisse em definir "automóvel" por "carro",
Polemarco retoma a definição de seu pai e melhora-a um ~." sem nunca ter falado de motores nem de rodas.
pouco, do mesmo modo que Céfalo tinha melhorado a herança A diferença entre definição filosófica e definição léxico-
que o seu próprio pai lhe deixara. Polemarco traz uma gene- '.'. gráfica é claríssima, no caso dos termos de ética passíveis de
ralidade mais ampla à Sua concopção da justiça, de tal forma discussão. Qualquer dicionário pode explicar como são usadas

46 47
PLATÃO E A REPÚBLICA

pelos falantes da língua portuguesa as palavras "bom", "co é


------..
gQ~:.'~
.:

:.'
QUE É A JUSTIÇA?

'ticas wittgensteinianas se apliquem aos termos éti-


=••••••
••
rect?" e ~ju~to". ~ infonnaçã~ ~ seu respeito livra-nos de ~s erI directo como visam os termos da metafísica filo-
o IllOd o , . . d .
fes linguístícas ( o frango esta justamente assado?"), mas n' !. . O projecto de clanficar os limites e a naturez~ a JUS-

••--".
,i~

pode ajudar a decidir da verdade de usos linguisticamen~ y. '.à


força de ser mais conc~eto do q~e o ~roJecto de
legitimados ("o embargo imposto pela ONU é justo"). A defi"t 'lear a percepção hum~~, digamo~, nao est~ amea~ado
nição filosófica pressupõe a informação do dicionário, ma j . lll a maneira pelas críticas do metodo filosofico. J a de
acrescenta-lhe as condições necessárias e suficientes Par 8i:
liquidar, em teoria, toda a incerteza sobre quando usar pala~';
yras discutíveis. .
eS tratarei oprobleIna de d efi'
::da, . ti
imr a JUSIça como se es ta
urna questão legitimaga. No tocante a Polem~rco~ a
'.. ça da .siia definição em comentário acerca da juatiça
,.
~
Neste século, muitos filósofos têm evitado as citações socrá. .: ,anlivrará
o
das objecções de Sócrates.
.. .' ticas. A influência de Wittgenstein tem em especial fomentado:' ~
, a opinião segundo a qual as definições filosóficas não são nem': ·nção da justiça (332c-333e)
possíveis nem necessárias. Por exemplo, na tradição da pino ~
tura europeia, a justaposição de cores numa tela tem sido um. primeira objecção obriga ~olem~rc.o ~ opinar sobre o que fi'!'
tema central de avaliação crítica. Umas justificações resultam eficia os amigos e prejUdICa os imrmgos, dentro de um fi'"
melhor do que outras, na produção de efeitos de contraste, ela. ero de contextos específicos. Sócrates acha que os profis-
••••
'c.

reza e disposição espacial. Até certo ponto, estas relações po- "~i1~~naisde certas especialida.des são capazes ?e prova: s.erem
dem ser sistematizadas: as cores variam, quanto à tonalidade ~i;i<"':1ris
e quanto ao sentido, e podem ser comparadas, no que diz res-t~~~s
< úteis do que o homem JUsto. A lavoura e a especIalIdade
útil para produzir alimento, o fabrico do .calç.ado P~a •••
peito a ambas as características; em certos contextos, as cores .;:)'ltter sapatos, e assim por diante. O exercício da j~stlÇa reside •••
complementares produzem o maior contraste. Mas para lá das i;·ií..~tra esfera da actividade r:umana. Polemarco dI~ a Sóc.:ates •••
normas gerais, tanto o crítico como o pintor precisam de exa-~:,:9.~e essa esfera é a efectuaçao de contratos ou a formaçao de
••••
minar vezes sem conta exemplos de boa e de má justaposição (U~ârcerias.
de cores, antes de atingir a capacidade de emitir juízos segu- tf.·i;:ti:i Mesmo aqui, Sócrates julga esta resposta demas_Ia~o gene-
ros. Além de nenhum deles saber estabelecer os princípios p'1i
ca. Dependendo da actividade em que a cooperaçao e neces-
. ,
•••••
compreensivos de todos os sentidos da "cor perfeita", ninguémW,:~tiria, qualquer número de especialistas ~erá provavelment~
pode tão-pouco sistematizar esses princípios. Mais, é de tal (::'qttaisútil do que alguém que seja apenas Justo. P?r fi~, Pole
modo considerável o-número de pintores experimentados em F'iijl.arcoadmite que a justiça só é útil quando o ~I~he~ro ou a
•••••
c~locar as cores lado a lado, que é oportuno indagar que sen- L.'\~~gurança ou outro bem qualquer permanecem lll.ute~s e pre-
tido haverá ainda para os princípios gerais. Ycisam de ser guardados. Muito rapidamente, .a .JustIça des-
fi-
Não posso garantir que tal perplexidade não exista neste 'viou-se do papel de protecção das relações SOClaISpara o de •••
livro. Mas, para avançar com o argumento da República, pro-:' .!ililciaà actividade mais útil.
ponho duas considerações. Primeiro, os argumentos de Sóera- ~,.:-1\ justiça polemarquiana revela-se, de facto, tão atabalho- ••
••
tes podem, na sua maioria, ser protegidos da objecção a res-à.da

argumento de Sócrates apenas tangeneialmente .depende


deste pretenso mal-entendido entre o comentário de Pole-,~ão
marco acerca da justiça e o tratamento desse comentário dado
nesta passagem, porque Sócrates a trata ~om.o uma
peito das definições. No caso de Polemarco, sucede que o •.' technê. Esta palavra technê, que aparece pela pn~elra v~z
:eJn. 332c, designa uma série de actividades que hoje e:n dl~
costumamos agrupar, desde a medicina e a ~avegaçao ate
. a Criação de cavalos, à construção naval, ao fabnco d~ ~alçado~
•••
' •..••
por Sócrates, como definição. Segundo, não é lá muito claro ·à escultura, Tudo isto requer o que chamamos habilidade.
••••
49 •••
48
•••
,a.-
•••• PLATÃO E A REPÚBLICA
QUE fi; A .JUSTIÇA?

••
fi
"habilidade" serve como tradução de tech.nê se tive
,.,nnos
mente que uma tec h nê era tipificada como ocupação
----...
. '-
e
' tl')
"
"arnbiguidade moral da justiça (333e-334b)

.{ Sócrates leva Polemarco a concordar que todas as habili-

••.- mero
.
io de VIida de uma pessoa, Technê figura com desta e com o
prrmeiros .
Ia ogos como paradigma de conheciment que noS
di 'I
deve ser emulado pelo conhecimento ético se este °t' q\J.e
~;m
;';des requerem, por um lado, o máximo de capacidade para
e, por outro, o máximo de capacidade para o mal. Nin-

•••• '
correspon d er ao nome que tem, Assim pensava Sóc . t
d is d I PI - D'
pre end
epois e e, ~tao. ai que, nesses diálogos, Sócrates C01'll.'
ra es e
e
: ém pode envenenar com tanta eficácia como o médico; nin-
; ém pode, naturalmente, dirigir um navio com tanta suavi-
ade e habilidade como o navegador experiente. Se a justiça

•••• pare as aIegaçoes toscas dos seus interlocutores


' irtud ' , ,
rel ti -
men t e a vírtu e ou a poesia, com a perícia clínica do médic
ou a destreza do general ou do sapateiro, Uma technê te
,. I'
d orrunro c aramente defimdo, um objecto (saúde, sapatos)
alVa_

rn
o
u1'll.
'âáum acréscimo de capacidade na guarda de um depósito de
~heiro, o justo será também o melhor em roubar.
. 'Este argumento afigura-se tão aberrante que somos tenta-

•• para ~odos os membros a que se aplica. O conhecimento da


techne podd~dexpressar-se em termos gerais e ensinar-se. Uma
dos a rejeitar qualquer comparação entre virtude e habilidade
",ptqfissional (ou, pelo .m~nos, a r~c?nsiderar o domínio em que
:·r;:;Justiça pode constituir a habilidade que lhe corresponde.

•• vez apren 1 o, tal conhecimento faz de alguém um profis' . ]~::Creio,de facto, que o próprio Platão tira: esta conclusão dos

,,..
naI da habilidade em questão: saber de construção naval g ;':;"argumentos de Sócrates. Todavia, por mais que estes reduzam
ser um construtor naval. ~~@};':Polemarco ao silêncio, não nos orientam para um endenti-

• O conhecimento mor.al putativo falha em todas estas pro-


·f.•.
..1
~.t.'.;,'.·.'.' ..·.~'...
·.1n. ento maior do, conhecim:nto moral. No re~to - Re.públic~,
vas, como acontece aqui com a concepção de justiça de Pole- '/\<;?'Sócrates falara com muito menor frequência da techne.
marco. Enquanto Sócrates busca uma única actividade que ~~;\h:;:(A


palavra ocorre 0,2 vezes por página nosLivros lI-X, ao con-
compete ao Justo e a mais ninguém, a justiça não tem apa- rf;':Ytrário do Livro I, em que a ocorrência é de uma por página).

,.
••
••••
:en~emen~e nada que ver. Apetece objectar a Sócrates que a
justiça, díversamenro do comércio de cavalos não existe

de todas as actividades humanas. Quando se trata de com-


prar um cavalo, não vem ao caso comparar uma pessoa justa ~
com outra que conhece de cavalos, pois nem toda a honesti-
.•'.
t':JJ
rt
V
Quando ele propõe efectivamente um modelo para o conheci-
mEmtomoral (Livros V-VIl), tal modelo não é a habilidade téc-
como meio para qualquer outro fim, mas como c~racterística ~<\!.ilca mas o conhecimento teórico do matemático. A assunção
)\Ínsita na technê de que as actividades humanas progridem em
, direcção a metas específicas impede-a de iluminar a natureza
f:. da justiça, da qual podemos dizer que é a sua própria meta,
I dade e integridade do mundo produziriam um bom conselho ou que tem por meta não um produto distinto mas a vida
I

••••
de ~uem não sabe do que se trata. Temos de comparar dois
pentos em cavalos, um dos quais é justo e o outro não' torna-
-~e então óbvio com qual deles é mais conveniente fazer negó-
CIO.~as esta réplica lançada a Sócrates é implicitamente
humana integral. Acho que a esterilidade desta parte do Livro
I reflecte, pois, a convicção de Platão de que o método socrá-
tico tradicional, com a propensão que lhe era peculiar para tra-
tar as virtudes como habilidades ocupacionais, apenas

••
••
,
I,
exc\u~da pela suposição de que a justiça tem uma função ,
peculIar, e corresponde a uma habilidade específica. Assim ~.
como ha uma prática médica, exclusiva de qualquer outra [,
demonstra a inadequação das pretensas definições dessas vir-
tudes, não produzindo, por si sós, boas de~nições.

I j' arte, tem de haver também uma prática justa sem mescla, ! Objecções adicionais (334b-335e)
•••• ,

••
separadamente da prática de qualquer outra habilidade.
.i ~om esta suposição actuante no argumento, Polemarco difi- Sócrates faz duas críticas adicionais ao modo de abordar

•••• . I cilments tem saída.


a justiça por Polemarco. Primeiro, é a falta de clareza das

,.
li:: .1
;":i

•• : r,
I
50
51
~;~r ~
!1"·i,'
I I"
'fi,
-"1

'ii,I
I:.;·::
I', ,I:
.,
,!i
1I
I,:
i'
11
PLATÃO E A REPÚBLIL"A

palavras "amigo" e "inimigo". Como é possível que alguém se


.•.. , .
~;.

1.'.:' .',

t'. ---- . que quenaia dizer."


QUE É A JUSTIÇA?

lzer,. (334b) Não tendo equacionado t as


••
••••
.1. engane acerca dos seus amigos, a justiça, segundo esta defi- ; " pãOseIo. d s altissonantes mas, no fim de con as,

;iTli",li
"
: 11 'li
nição, podia significar a ajuda aos maus e dano aos bons
(334b-335b). A questão é bem captada mas facilmente con- ".
ca
:'" , . illlpli çoes. o~ss~olemarco não sabe, de facto, o que. está a
~ - vácUOSPaforism ,
ultrapassar mí el de conversa
es tee mv , Socrates ••
••••
• ',i'll ; ! testada: Polemarco emenda a sua definição para falar não ,I dizer, ara . lguém que consiga pôr de parte a ~
~;.
'- p
ecessita de, dialogar com a
simplesmente de amigos mas de todos aqueles que parecem
jr i-I':li ! I
'bons e o são realmente e, em lugar dos inimigos, aqueles que ',;., : sabedoria vlgeF~~a ainda de uma segunda maneira. Insistiu
. 1"1, I
são maus e o parecem.
II . ~~::::;; a~ustiça em termos das acções que esta requer.
•••
--....
, i

, I·: A última questão de Sócrates diz respeito ao papel da jus- em . • d Sócrates, tomadas no seu todo, mostra~ c~mo
tiça em prejudicar quem quer que seja. Depois de rondar As obJecçoes . e 1men t e descabelada tal noção ded Justiça.
. rernediave __
outras falhas da definição, Sócrates vai a direito ao âmago .era Ir t Polemarco tenta encerrar a justiça numa escriçao,
dela - ou assim parece. Infelizmente, a sua premissa _ }.nquan o ral de um comportamento prescrito, aqu~la corre ~
segundo a qual quem é prejudicado se torna pior - depende embora ge, h bilid de menor ou potencialmente
fortemente de uma ambiguidade, quase um jogo de palavras, '2 1
risco de parecer d~~~vr: I ~t:rará os termos da discussão,
sem o que o argumento perde o vigor. O que neste argumento ~:~~~::d~_::s~esta mal orientada abordagem para uma ~
-....
surpreende é o desejo de Sócrates de concluir que a justiça
! não pode visar o infortúnio de alguém . Com este objeetivo,
outra mais procedente.
-...
-...
----
Sócrates distingue a sua visão da concepção grega tradicio-
nal das relações sociais, na qual a vingança tinha um papel Sugestões de outras leituras
predominante. Qualquer que seja, para Sócrates, o significado

'-
de justiça, o que ele deixa claro é que ela não será um arranjo rizado do Livro I, ver sobre-
puramente contratual. Para um tratamento pormeno J h "Plato's
J tice and Pawer, osep,
Podemos afirmar que Polemarco é duplamente inepto para tudo Lycos, Plato an us L ith Polemarchus", Sesonske,
Republic: the argume~t;: ross e Woozley, Plato's Repu-
a incumbência de falar com Sócrates sobre a justiça. Em pri-
meiro lugar, as suas ideias conformam-se demasiado com a
"Plato's apology: Republic I ,C h R
blic, e Nettleship, Lectures oti t, e epu
blic af Plato são par- •••••
concepção de virtude da cultura a que pertence. Apesar da
ticularmente úteis tam?é~ a~~l. 'fico do Sócrates histórico,
•••
aparência de sofisticação, Pai em arco é o perfeito e digno filho
Para análises do meto o If °t~ Itechne-analogy", Santas, •••
.,..",
de seu pai, herdando a tendência do ancião para aceitar opi-
niões correntes. Como seu pai, apela para um poeta de modo
ver Roochnik, "Socrates' use o
'I
e
"T hne and mora l expe,
rtise" VIastos, The
1 ••••
a dar autoridade à sua posição, como os atenienses muitas
vezes fazem no discurso moral. Nos Livros II e III veremos
Sacrates, TI es,
fS
Philosophy o ocra
ec VI t S raies: lronist and Mora
tes e as os, ocrtues:
, , 1 h "e "Elenchus and mat e-
Philosopher, "The Socratic e enc us
h ••••
Platão expulsar da cidade bem governada a poesia mais pre- matics".
zada da sua cultura, por esta ter funcionado como autoridade
moral, graças ao seu sortilégio, e por ter deixado o seu público
de iniciados, citando versos belamente torneados mas perdi-
dos na pesquisa da verdade, ou da falsidade, que lhes estava
subjacente. Polemarco patenteia o conhecimento que tem de
Simónides, mas acaba por não ter argumentos para apoiar os
..-'.-
•••
,MJ'
seus sentimentos. Sujeito a um exame cruzado, admite: "Já

52 53 ,,-
--'
Il/JIIIIJ
----li.•••

•• 3
•• pARA QUE SERVE A JUSTIÇA?
(LIVROS I-lI)
•••



••• (336b-354c)
Trasímaco viola a cordialidade em que a conversa até

••• ão tinha decorrido, ao compelir Sõcrates a expor todos os


mentos que puder reunir, para evitar que a preocupação
a justiça dê a impressão de ingenuidade. Trasímaco põe

•• . à ficção de uma sociável cavaqueira, preçisamente quando


. , '. !Il:~suasalegações sobre a justiça pretendem banir a auto-ilu-
;f\;:~~(L com que a sociedade organizada la~~a os princípios

••• ,i/:;:itlOrais. Tanto é que Sócrates caracterizá Trasímaco com


••
"t;]:,?fulâgens de incivilidade e vulgaridade (336b; 344d), enquanto
, r;.~:;;rl'fasímaco acusa Sócrates de falsidade (337a, 340d).
, V.e;!'i, ,Mas, qualquer pessoa pode ser rústica. o que coloca Tra-
.:\':);slmacoà parte é a habilidade retórica mercê da qual se havia
.J?;:~â

tomado famoso. Como a maioria dos sofistas, Trasímaco
,'I~.~::::eta um nã~-.ateni~nse que viajou pelas ~~is 'ímportantee cida-


••••
J~,:;~id:s da GrecIa en,sl?ando disciplinas pohtIcament~_utels, esp;-
,;".CIalmentea retOrIca. ~sa a retonca r:esta' ocasiao para por

i
':, sob ameaça qualquer discussão morahzant~.

•• .;' '"A vantagem


"

r~'..
do mais forte (338c-339b) I

A primeira forma que o seu ataque assume é a afirmação

•.- t~:,rn.ais famosa de Trasimaco a respeito da justiça, ou seja, que


~J:,'.,esta "não é mais do que a vantagem do ~ais forte" (338c) .
~k'..Nã.O é mais uma definição de justiça. Trasímaco não descreve
•••
••• 55

••
~j~!: pARA QUE SERVE A JUSTIÇA?
PLATÀO E A REPÚBLICA ~,-'!;:'

----...........;;:l ....f;i:--- it por negar que a justiça exista,


'" '.:" -' T ta desse concei o, 'T t
uma cara,cterística que torne justas as pessoa~, ~cções ou ins, m ".f;~,1'ejei~aonu lS_ , orém, propriamente falando, ,um, nu is ~'
" " i" "'.
tituições Justas, Polemarco tentara uma defimçao mas, então i".r;;'!'rasImaco ,~~o e, p di
Polemarco pensava que o adjectivo 'Justo correspondia a:<:';:.1'a1'a um nllhsta 'T'o íscurs
o de Sócrates sobre a justiça seria
concede que Sócrates f a 1a d e
uma propriedade real das coisas e que o que estava em causa' ; 1tlllll discurso oco; ,r~SltmaCo aquilo de que Sócrates fala não
, - era a captação- d essa propne' d a d e. "A vantagem ~..
na definição .. t;; ',I"
elguma coisa, ' mas msis e que
do mais forte" difere no facto de usar a linguagem amoral~' ;:~,~';;é
o que ele Julga.
para falar d: uma propriedade moral. Trasín::~co ac?~selhara ~:,G" r (339b-346e)
Sócrates a nao definir o Justo como "o necessano, o útil, o pro. ~'::'; ft arte de governa
veitoso, o lucrativo ou o vantajoso" (336c-d), baseando-se em L:;.;' , iniõee expendidas por Trasíma~o
que tais definições se situam dentro da visão convencional da ~••..": Sócrates ~esp~ndeAas ~PIeira nesta secção, ataca a idéia
justiça. A sua exposição, pelo contrário, pretende descobrir a ~.'~'.
origem despercebida da justiça na estrutura de poder da f'
;~, com duas obJecçoes'. l~~ e e;plora os comentários de 'I'ra-
de "vantagem do mais or e t ideal para lhe minar o alar-
cidade - seja qual for o grupo que governa a cidade, ele usa~' símaco ~c~rca do ,~o~er~~,n e A se~da série de objecções
a lei em proveito próprio. Visto que a obediência à lei se diz á deado CInISmOmaqUl~ve forma mais vaga, a opinião imoral
geralmente justa, a palavra "justo", aplicada a essa cidade ~ (348b-354c) combate, e or Concentrarei a discussão nes-
, l, • • ti compensa.
refere-se a todo o comportamento que beneficia a classe diri- L de que a mjus Iça ( 60-67), porque os seus pontos
gente. Daí que "justiça" não corresponda a nenhuma real pro- tes último~ ~rgumentos v. pp~ teoria que Platão mais tarde
priedade, de coisa ou pessoa, mas a uma atraente palavra de imprecIsao aponta~l ~ara
com que protegemos o exercício descarado do poder. desenvolverá na Repu ice.
Tal afirmação rejeita a verdadeira possibilidade de defi-
Erros dos governantes (339b-340c)
nição.Imagine-se que Sócrates e Polemarco tentavam definir ~,
. o amor romântico, digamos, como a atracção por aquilo de que , . t na ideia de que a justiça é
se tem falta, como o desejo de possuir aquilo com que se tem ;. A debilidade q~e salta a Vl~ ~e na capacidade de os fortes
semelhança, como ânsia da beleza. Suponha-se agora que í a vantagem do mais forte C?nSIS ró ria vantagem. Se os
Trasímaco dizia: "Estar apaixonado nada mais é do que um cometerem erros a r~speüo lda p uPmalei que de facto os
ma CIdade to eram . '
estado químico-cerebral". Quereria ele dizer que as definições t governantes deu, d de Trasímaco, a Justiça
.' tã na maneIra e ver .
propostas seriam deslocadas enquanto explicações do amor, prejudica. en ao, t 1 . Mas tal opção priva os
e que, além de identificá-l o como um estado cerebral, nada consistiria em desobede;:rs:n~:d~ ;;. poder, pois autoriza os
mais havia a dizer a seu respeito. Em particular, a convicção governantes de qualqu, .' til aos governantes. Quem
súbditos a decidir o que e ~al~ U I
do amante de que este sentimento é algo que recai sobre a ' são os subdltos. I'
pessoa amada - a convicção que está na base daquelas fal- passa a fazer a 1ei d ntar como faz C ito-
Tr ' aco po e acresce, .
sas definições - é uma ilusão. Da mesma maneira, Trasí- Neste ponto, asrm iusti é a vantagem dos mais
maco pretende que a justiça, que à primeira vista parece uma fonte o qualificativo de que a ~u~ IÇa. pode negar que os
, os mais I artes, ou
característica das relações sociais, se reduz a nada que não fortes tal como parece a 1 ti ente ao que os favorece ou
seja a conveniência dos dirigentes da cidade. Em face das governantes façam erros re a ivam experiência de poder
, ' A . ' opção preserva a A. •

I
,espécies de definição que foram consideradas, concluir-se-ia preJudIca. primeira t rem é obedlencla.
I , , e eles realmen e que ,
,i i que nenhuma definição é possível. dos fortes, pOISo qu ibilid de de a injustIça bene-
Mas .
ISSO dei
eixa em a berto a pOSSl 1 I a damente à convlcçao . -
i' I I Podemos, por isso, chamar à definição de Trasímaco uma
,
ficiar os fracos, Se um tirano chega, erra ,
\análise naturalista do conceito de justiça, Assemelha-se à
I 57
i
!56
!
••.- PLATÃO E A REPÚI3L1C'A
~~~~~~~----.-----------------------------------
de que impostos mais baixos favorecem os seus interesses
,',*~'
PARA QUE SERVE A JUSTIÇA?

.~'. co Assim se a governança política é Uma profissão se-


'd1 . , lh

••
quando na verdade favorecem os interesses da população' do a qual uma pessoa governa outras, d~ve asseme ar-se
então os impostos mais baixos na cidade são justos, conform~ ".' , eloutras profissões, no facto de serinr aqueles que gove;-r:a .
os próprios princípios de Trasímaco, sem colisão com a noção . sítnaco está de novo em dificuldade porque, se a poh~lCa

•• convencional de justiça.
Assim, Trasímaco toma a outra opção. Distinguindo o ver-
dadeiro ou ideal profissional de uma technê, do profissional
.8 e os súbditos que governa, os ~ec~etos do g?ve_rnante visa-
, .a vantagem dos súbditos e a Justiça estará ~ao na vanta-
do politicamente mais forte mas na ?o ~mals fraco. .

•• vulgar, pretende estar a falar apenas da primeira espécie de


governante (340d-341e). O médico que diagnostica incorrec_
Trasímaco credita a seu favor ~ma re~hca que faz ainda

••• tamente não é, no momento de o fazer, um verdadeiro médico'


te ponto. Contra o recurso de Socrates a n~tureza de uma
fissão, Trasímaco objecta que esta analogia fal~la.no caso

•,. assim também os governantes, no momento em que erram:


quanto às suas próprias vantagens, não são propriamente
governantes. Daí que a justiça seja determinada pelos pro-
, vernação política. Só de uma perspectiva limitada se
,go
'de dizer que tem por função a va~tagem
d 'bd't
os su 1 os.
borrego pode imaginar o pastor a cuidar-lhe do bem-estar,

-.-
I@a
nunciamentos auto-enaltecedores do governante ideal.
Com esta pirueta, Trasímaco pode ter escapado de uma
armadilha, mas apenas para se ver noutra mais fatal. É que,
ao postular uma forma idealizada de governante, reintrodu-
ziu a analogia da profissão e, com ela, as mesmas questões
s a finalidade deste cuidado é só a de o engor~~r para o
ugue. Por isso, a governação política diver~e cntlcamente
outras profissões e não ganha em esclareCimento na com-
ação com elas. .;_
Sócrates tenta salvar a sua analogia; mas pode nao ter

••
~
acerca das profissões a que Polemarco fora incapaz de res-
ponder. Em particular, se a justiça e a governança política
são profissões, quais são os respectivos objectos ou metas?
'lica para o significado profundo da objec~ão ~e Trasímaco.
; roblema é que uma dada profissão pres~up~e uma d~te:-
ada meta e recebe o mérito da sua eficácia em atingir
".(

•••• Do objecto da governação (341c-342eJ


a meta. A meta pode ser um sapato, o estiado de saúd~ cor-
ralou a música. Em cada um destes casos, a profissao ou
::arte orienta-se para a consecução da própria meta e não
•• Sócrates compara a profissão de governar com a da medi- a a determinação da meta que uma dada situa~ão reque~ .

•••• cina, da pilotagem e adestramento de cavalos. O médico reina


sobre o corpo humano, pois é o médico que determina o que
o corpo deve comer e beber e de que tratamento clínico pre-
eve Atenas investir contra as muralhas de uma Cidade mais
rte ou contra uma força naval superior à sua armada? D.a
. posta depende que tenham de ser os construtores navais

••.- cisa. Esta espécie de governação, em contraste com a que


Trasímaco imaginava, serve os interesses do objecto que
governa. O adestrador de cavalos, quando propriamente cha-
os pedreiros a acudir à cidade. Mas estes: s~o exactamente
,menos apropriados para perguntar qual seja a ,~eta qu~ a
ade deve perseguir; ora, esta é uma questão política. ASSIm

••
~
mado assim, opera para o bem dos cavalos que governa. Os
pilotos operam para benefício dos marinheiros.
Este ponto é estrutural, não psicológico. Sócrates não crê
mbém, bem podem os pastores estar ide~l~e_nte talhados
ra cuidar da saúde do rebanho - a sua decisão sobre qual
.sborregos é para abater, e quando, não decorr~ da sua p~o-
••
~
que os médicos e os pilotos sejam pessoas altruístas. O que
quer dizer é que a medicina, considerada como um conheci-
mento do corpo, faz sentido apenas como meio de tratamento
ssão de pastor, mas dos seus propósitos e: desejos pessoais .
,,' analogia de Sócrates esquece este ponto, porque o seu

••••• do doente. Receitar fármacos com qualquer outra intenção é


ser envenenador ou mercador de drogas, não exactamente um
:pego às capacidades profissionais, enquanto modelo d:
hhecimento, o cega para a inadequação daquelas quanto a
efa de descobrir os fins últimos do comportamento .

•••• 58

.-
59
PLATÃO E A REPÚBLiCA
~~~~~~------------------
A questão de saber quem é servido pela justiça começou;
por ser um assunto escorregadio, de que nem Sócrates nelll
--- PARA QUE SERVE A JUSTIÇA?

.ção de governar, a visão imoralista decorre da descrição


pO~~ra1ista. (Se se é governante, então, pela definição origi-
Trasímaco escaparam, sem passar para o sólido terreno das lla
1 a justiça é proveitosa.. Neste ponto Trasímaco muda de
questões substanciais relativas à justiça. Sócrates agarra o ~,erspectiva, .
pois chama injusto .
ao tirano em 344 a-c. M as,
tema um pouco mais à frente, após a última diatribe de Tra. P a vez que a discussão não está centrada nos governantes,
símaco, distinguindo o verdadeiro trabalho de qualquer arte- ~a mudança não a afecta). Trasímaco decidiu esclarecer e
são de profissão assalariada que torna o trabalho lucrativo es
defender uma implicação úm,ca . d
esta d e filmç,ao:
. - por~~e so,
(345c-347d). Mas esta distinção, além de nada satisfazer ssa pode ainda dar-lhe ensejo de abalar a fe simplória de
chega demasiado tarde. Trasímaco alterou a sua posição ;r ;6crates no valor da justiça.. ,.
como Sócrates reconhece, e ambos têm de se voltar para Sócrates precisa agora de alvejar esta ameaça a morah-
outros assuntos: dade convencional. Numa série de três argumentos, tent~rá
II10strar que a justiça merece mais louvor do que o concedido
Não posso de maneira nenhuma estar de acordo ~" ,'ar Trasímaco. No resto da República, a pergunta socrática
com Trasímaco em que ser justo é ser vantajoso ~O que é a justiça?" articular-se-á com aqueloutra trasi-
para o mais forte. Mas isto voltaremos nós a consí. -: maqueana: "Será proveitosa a justiça?".
derar noutra altura. O que Trasímaco diz agora é, ~
em minha opinião, uma coisa muito mais imporv : Ajustiça é conhecimento (348b-350d)
tante: afirma que a vida do homem injusto é mais ;'
valiosa do que a do homem justo. (347d-e). \, Sócrates começa por argumentar que, em certos aspectos,

A utilidade da justiça (348b-352b)


f a justiça assemelha-se ao conhecimento e à bondade e, por
~~ 'isso, está do lado das virtudes, enquanto a injustiça faz parte
. dos vícios.
No contexto da chamada de atenção para o facto de a real ~, O argumento demonstra que Trasímaco adere ainda a
preocupação do pastor ser não o bem-estar da ovelha mas a t alguns valores tradicionais. O niilista real encolheria os
sua venda para alimento, Trasímaco faz uma digressão, para ~., ombros ante a conclusão de Sócrates segundo a qual a pes-
recordar a Sócrates a consequência da sua definição original f soa justa é boa, dado que a palavra "bom" já não tem ma~s
- a justiça aproveita não aos justos mas aos injustos, que r necessidade do que a palavra "justo" de corresponder a reais
recebem a vantagem deles (343c). Este ponto prende-lhe a t· propriedades das coisas. Trasímaco só com relutância con-
atenção, levando-o a gastar o resto da intervenção para ilus- t corda com as conclusões de Sócrates; defende alguns valores,
t,
trar a utilidade do comportamento injusto. f· ·embora a justiça não esteja entre eles.
Não era esta, obviamente, a posição que tomara de início. [ De outro modo, o argumento colhe poudco.CO~o.Trt~Símaco
Ao considerar inútil a justiça, Trasímaco deixa de lado a defi- ", recusava agrupar a justiça com as virtu es e a mjus Iça com
nição do termo, mas, ao aceitar o seu significado tradicional, tos vícios, chamando à primeira inocência e à última "bom con-
nega-lhe o valor. Desta vez representa o imoralismo _ a t selho" C348c-d) Sócrates precisa de começar por encontrar
visão segundo a qual os princípios morais são de somenos _ ti ,.algumas características da injustiça, nas quaís, ele e Trasí-
em substituição da perspectiva naturalista que o levara a f: . :
lllaco, estejam de acordo. Em grego tal característica é retida
classificar a justiça como a vantagem dos mais fortes. Não r;, Pela palavra pleonexia, que significa o hábito ou o traço de
quer isto dizer que Trasímaco tenha ficado confuso ao não I\\',<'desejar e de se apoderar de mais do que é devido. A justiç~,
entender a própria posição. Assumindo que não se 'está eTJ1 ~<:: 'pelo contrário, é marcada pela tendência a conservar os limi-
~:;.

60 61
• ;',
PLATÃO E A REPÚBLICA ~~~:.;~'~
~1':'"

-- PARA QUE SERVE A JUSTIÇA?

••
-------------------- -------- ~:'

~::r~~~:;~e;:~:'I:Cr~u;~~SaO:l~r:::~~~fe~t:~~~e~;r~~~à:t~Çe~~ ~.'.. :::í~~)C~ad:e~:~~:n~am~~~~;:~o:r~'~:l~é~~~~!d~u:S °d~:~

•• soa injusta pela lei e pela ordem, Sócrates generaliza esta ~:'>j. remissas de falarem da mesma COIsa,
caracterizações do seguinte modo: S (.,
""
P O argumento tem outros problemas, Não e JustI~cavel a
nsição da semelhança de características entre o Justo e o

•• (j) Os injustos tentam levar a melhor sobre todos os outros


os justos tentam apenas levar a melhor sobre os injus~
tose), (34gb-c)
tra

sa
, T '
bom para a identidade entre os dOIS, enamos pnm~I~o
.'
ber até que ponto essas características são eSSenCIaIS ao
'd
justo e ao bom. Os leitores logicamente ~firevedmos, po l~~
d
de

íI também detectar ambiguidades nos quan~l 1<:aores rmp lCI-

••• Uma vez que Trasímaco aceita Ci), a moderação do justo


deve ser uma característica da justiça universalmente reco,
nhecida, talvez o menor denominador de todas as teorias
tos das premissas dos argumentos, as quais tem de ser selec-
. 'onadas antes de podermos avaliar a validade do argumento.
.CI Obteremos, porém, melhor resultado d a ava I'iaçao - d as

••
(fj
acerca dela. Sócrates generaliza imediatamente de CD para
defender que os injustos lutam por sobrepujar tanto os seme-
lhantes como os dissemelhantes, ao passo que os justos se
'.intenções que estão na base da discussão mais ampla. Esta
deu a Sócrates a oportunidade de apresentar uma noçao geral
de justiça como restrição [(j)l, Nos termos do presente ~rgu-
iÍÍt moderam, para vencer somente os que deles diferem (349c- mento, CD não teve um papel útil; mas, uma vez que Sócra-

•• -d). Visto que a conduta dos justos e dos injustos, neste sen-
tido geral, é paralela à dos instruídos e dos ignorantes, res-
pectivamente, e visto que os instruídos são sábios e bons, por
tes decide definir a justiça em termos de estado de alma, o
principio conduzi-lo-á a procurar a restrição dentro da alma,
na tendência de cada motivação humana para se manter no


••••
esse motivo os justos assemelham-se aos sábios e bons, ao
passo que os injustos se assemelham aos ignorantes e maus
(350b-c). Portanto, os justos são sábios e bons,
lugar que lhe compete.

A justiça é cooperação (350e-352b)

.-
A maior falha deste argumento reside porventura no uso
pouco rigoroso da ideia de "levar a melhor sobre", Aplicada O objectivo encontra-se ainda distante, por ,agora. ,Sóc:a-
aos injustos, significa ludibriar - os injustos levam a melhor tes quer demonstrar directamente como é proveitosa a justiça

--.- sobre os outros, por exemplo, apanhando-lhes o dinheiro,


Noutros contextos, "levar a melhor" sobre os outros diz res-
e, para isso, retira uma consequência da sua últ~ma concl,u-
são: justiça significa cooperação, injustiça sigmfica !acclO-

..- peito à competição. O não-músico tenta ser melhor a fazer


música do que o músico, Estes dois sentidos da expressão
sismo. Qualquer actividade humana que eXIJaa actu~çao co~-
junta de um grupo requer ao menos alguma cooperaçao, e dai,

--.- \.1
nada têm em comum: a competição pode ser honesta. A apa-
rente semelhança entre justos e instruídos falha na demons-
ao menos a estiolada justiça a que se chama "honra entre
ladrões", Assim, a justiça beneficia os justos .

•.-
Este argumento depende da conclusão do argumento pre-
f

1 Certas premissas de argumentos expostas neste livro vão marcadas de cedente (v. 351c) e por isso pode não ser mais seguro do que
uma forma especial Q) com uma numeração dentro de um círculo. Estas pre- este era, E ignora a objecção evidente de q~e: enquanto um
missas, ou pressupostos, ora aparecem em argumentos posteriores ora fun- Pequeno grau de justiça, misturada com a injustiça, Froduz
IA cionam como pressupostos ao longo da República. As mesmas aparecem em
l~~i::;';Lmelhores resultados do que a injustiça genuína, tambem esta

•••• lista separadamente, em apêndice na p. 259 do livro. Tdentifico esses pre~-


supostos para salientar, por entre () tumulto de opiniões expressas na Repu-
blica, os que merecem particular apego da parte de Platão e nos quais ele ".
Iaz assentar o conceito de justiça .
'; 'i.~&.t( Inistura de virtude e de vicio pode revelar maior eficácia d,o
.,> que a justiça por si só. Sócrates podia complicar a 8U~ POSI-
ção para a tornar mais forte - arguindo que urna mistura


lIA 02
______ 4i
•••
tJiA;

--
!,~1t,·.
-
~~:>" PARA QUE SERVE A JUSTIÇA?
PLATÃO E A REPÚBLICA r'~;:~elência
.: ou virtude de uma coisa é aquilo que
de jus~iça e de. i~jus~iça redunda em total injustiça ou que os
proveitos da injustiça são meramente aparentes -
i;':'~)( a faz executar bem a sua função. (353b-d)
. . - fi ' mas
d eixa
.' essa posiçao icar como está: é tal a ignorânci a, a res-
peito de organizações sociais, que é melhor deixá-Ia em paz
l.•...
:·./:;Y.~(''Virtude''
. traduz aretê .que, como mui~as palavras gre~as
f;., (::';louvor e censura, combma uma. quantIdade" de c~notaçoes
Num aspecto, o argumento empurra Sócrates para . í:;~esperadas. Aparenteme?te rel~cIOnada ~o:n. Ares , o nom~
frente,
. . em
"Q direcção
d . a uma abordagem totalme n t e nova daa t,.~.,deus da guer:a, arete refena-se, de lnICIO, so~re~udo a
justiça. uan o a Injustiça surge" num grupo, diz ele, divide
os
ti membros . do grupo
.. (351d); depois prossegue' . "8 e ... a InJus-
..
....
~.}
....
f,tiitrepidez varor:ll n~ batalha e nO,b~eza. O seu, sl~n~ficado
'.:,l.;. rga-se para inchrir toda a especle de excelenc~a. como
Iça surgisse
c no interior de um homem" (351e) . A" InjUStiIça e,
l::. ~!tno mora 1, aretê sigrn
" il'~a
1 .' fiica ".VIrt u d e " o~ exce l'~n:I~ mora 1
como se tosse uuma força . residindo dentro de um gr upo ou d e
uma pes~oa, pOSSUIndoum poder" de provocar a discórdia
(351e). Socrates começara a falar como se pressupusesse que
~.'::r
~,'..' ...'~s, fora do ~omí~i~ moral, ~em. o sentIdo. ordmano como
mo de elogio aphcavel a ammais, a propnedades ou tudo
~, 'íI1ais. Assim, o que pode parecer, no argumento, o comen-
~'....~áÍ-iomais estranho, ou seja, ~u~ os olhos e os ouvidos têm
@ A.~njustiça é uma força, com poder de provocar a desu-
~; \lÍrtudes, é incontroverso no ongma}).
mao, qu~ pode existir no interior de um indivíduo ou de
~ ' .
uma SOCIedade.
..

t 3. A função da alma é viver. (353d)

8ócrates
.. gastará ...'pouco tempo no resto da Re puiblitca, a pro-
cur~ a j~tIça ou injustiça inerente ao conjunto de actos que
se dize~ justos ou injustos; doravante, justiça e injustiça serão
I ., 4. De (2) e (3), a virtude da alma fá-la viver bem.
(353e)
5. @) A justiça é a virtude da alma. (353e)
., 6. De (4) e (5), os justos vivem bem. (353e)
forças Inerentes a pessoas e sociedades e suscitadoras dos actos
correspondent~s. Em suma, Sócrates mudou já o assunto da f[ .. 7. Os justos são felizes. (354a)

sua c~r:versaçao, ~e acções justas e injustas para agentes jus- i' Há uma sensação de prestidigitação em torno deste ar~-
tos e Injustos. O SIstema ético da República não especifica qual
dos comportamentos é ~ correcto, mas, em vez disso, analisa a
l mento, como se ele se dirigisse para a conclusão por uma Via
inesperada. Talvez a maior surpresa seja a súbita introdução
pe.ss.oaj~sta : a cI~a~e,Justa. A superioridade da justiça sobre \ da alma, a qual, antes deste momento, aparecera apenas de
f.'
r.
a injustiça nao residirá na proficuidade das acções particula- I'
forma incidental. As premissas que falam da alma são dema-
I
lida mas na proficuidade de ser uma pessoa de uma certa qua- :.:. siado vagas, para se dizerem verdadeiras ou falsas. Em ~ue
Idade ou organizada num certo modelo social. sentido é que a vida é a função da alma? Porque as cOls.as
mortas não têm alma? Mas então a alma podia ser o efeIto
Justiça e felicidade (352d-354c) da vida, não a sua causa. Quanto a (5), Sócrates pode ter

I sz: chegados ao último e melhor argumento do Livro


. m or~ P?ssa ser seccionado em mais pormenores o seu
demonstrado que a justiça é uma virtude; mas para (5) fu?-
cionar neste argumento, a justiça deve ser não só uma Vir-
tude da alma (entre muitas), mas a sua virtude caracterís-
esquema e simples: ., tica e determinativa. Para uma virtude fazer com que uma
Coisaexecute bem a sua função, é preciso que ela corresponda
1. @ Cada coisa tem uma função (ergon) que só ela à função de tal coisa, como a afiação do gume à função de cor~
pode executar, ou que executa melhor do que qual- tar e a agudeza da vista à função de ver, Se uma coisa pOSSUI
quer outra. (352d-353a)
65
64
,',I

•••
PLATÃO E A REP{JBLICA PARA QUE 'SERVE A JUSTIÇA?
-----,--------
--~
mais do que uma função, pode ter mais do que uma ' 'uilíbrio e harmonia, a alma produzirá 'automaticamente o
cumprindo
, ca d a uma d elas as distintas funções vlrtu'd
_ el ,qJtlPortamento justo; porque a posse desse estado é, de uma

•• Podemos pensar num garfo, como tendo duas taref. . els,~


POSSIV '

tar a comi 'd a no prato e, depois levá-Ia à boca Par as. eSht'e","
, . a espet
~ de outra maneira, agradável, a felicidade será a única
ísa compatível com o seu estado.

•••
bem, o garfo deve ter dentes afiados e para leva b a~;, " A reorientação da atenção sobre a alma permitirá a Platão
id . d rem.-
comi a precisa e um cabo robusto. As duas virtudes n~a' !sponder aos radicais ataques contra li moralidade. Quer
podem operar uma pela outra. Um garfo robusto com d ao, 'doptem a forma niilista, segundo a qual não há verdade
em b ot a d os nao- espeta b em a comida por muito ente S

••• ,

d ob rar-se a camm
.
'li
'que
apressemos a eloglar-Ihe a robustez· um fraco garfo d l- 8;
tico, mesmo que os dentes espetem facilmente a comid
no '
e P as"
"
. h o d'a boca. Assim, mesmo que a únic a, POde,
:'oral, quer a forma cínica, segundo a qual não merece a pena
testar-lhe atenção, tais ataques dizem que a moralidade não
rresponde a nada de natural. Platão arguirá que a morali-

••
' •• ade e os seus efeitos são verdades da psicologia e, por isso,
f ' , a COISa'
que a a 1ma. az seja VIver, e mesmo que a justiça seja uma; erdades a que podemos chamar científicas. O argumento
d~s suas vIrtudes,. não temos fundamento para atribuir o'; nal do Livro I não consegue atingir um fundamento firme;

•• VIver, bem a esta virtude. De novo falha aqui o argum to


po~ ~a d a sua am biiguiid a d e e do silêncio, quando o conteXU;
exigia uma explanação maior.
en o c:
ião porque a sua abordagem seja errada, mas porque o ter-mo
ia! que introduz - "alma" - surge no argumento sem defi-
ição nem explicação. Antes de provar a proficuidade da jus-

••• Outros ter-mos cruciais do argumento foram deixados se '


expl~cação, "Feliz" e "viver bem" são tão vagos no grego ~/
PIa ta o como no português moderno e dependendo de co :'
iça, Platão terá de dizer o que é a alma. Podemos, portanto,
izer do último argumento do Livro I que vai tão longe, na
, rova da proficuidade da justiça, quanto k:t Platão é possível,

•• - d fi id '
sao _ e, ml, os, ,a,passa~em de (6) para (7) vai desde a impli. '
caçao óbvia ate a sofisticação obscurantista. Mas comecei por
chamar a es~e argume~~o o melhor deste Livro I e é tempo;
mo
'sem qualquer investigação subsidiária.
Como puderam estes argumentos défeituosos silenciar

••
Trasímaco? Não nos passando pela cabeça: acusar Platão, seja
de lhe examinar os mer~tos. Em primeiro lugar, @ põe emj .:decegueira quanto aos defeitos dos seus argumentos seja de
destaque uma pressuposíção que, mais tarde se há-de reve-\ desonestidade em torná-los vitoriosos, devemos concluir que

•••• l_a~importante na República. A palavra ergon: por si mesma, "


e mdetermina.da. Literalmente, "função" ou "acção" aplica-se,
a_qualquer COIsaque requeira actividade - a minha ocupa-
çao, os frutos do meu trabalho - ou então, muito generica-
'ele os considera como os primeiros esboços bem sucedidos de
explicação e defesa da justiça. Não passando de esboços, insi-
::nuam apressadamente pontos cruciais, com palavras equ:ívo-
.cas e premissas ad hoc, Mas, porque os argumentos indicam
~ mente, qualquer acto. Mas o ergon de alguém refere-se mui- (O caminho para uma descrição melhor, aqueles equívocos e


~
tas vezes, à ocupação peculiar da pessoa e Platão pressuporá
este sentido da palavra, especificada a primeira vez em @'
:>pressupostos fornecem oportunidades de descoberta de ideias
','filosóficas profundas. Em suma, os argumentos militam con-

•--
quando acaba por dizer que cada habitante da sua cidade exe- 'tra Trasímaco, a despeito das suas evidentes lacunas, preci-
cutará uma tarefa única @ (370a-b). Samente porque essas lacunas revelam a sobrecompressão de
E~ segundo lugar, este argumento antecipa a estratégia ,verdades profundas. Os restantes nove [livros corrigem as
dos LIVros lI-IV, ao ligar moralidade com felicidade. Mais do ,falhas deste, não através da orientação dó debate numa nova
e que ligar as duas directamente, Platão argumentará que :direcção mas fazendo com a teoria política, metafísica e edu-
e t~nto o comportamento moral como a autêntica felicidade, cacional o que o Sócrates do Livro I (a figura histórica,

•• dlmanam de uma só nascente, a saber, a alma em determi-


nado estado. Uma vez neste estado, que PIa tão concebe corno
defendo eu) se contentou em realizar por meio de intuições
dispersas. I

• 66
67

"•
PLATÃO E A REPÚBLICA
PARA QUE SERVE A JUSTIÇA'!
Gláucon e Adimanto
", . 367b 368a), mas têm integridade intelec-
Os irmãos 'sta (358c,t te361e, para sa beer que Sócrates não avançou , com ne-
àal bas a5~ 358b 358d). Espontaneamente, questlOn,a~ ouI
,urna (3~, , ores da moralidade grega tradiciona
Trasímaco representou um avanço sobre outros interlocu_ éjeitam muitos pormen o tempo aguardam uma resposta
tores de Sócrates. Destacou-se da sabedoria demasiado tra, ' ,g. 362e-367 a); a~ mesm fi
dicional, para propor uma análise genuína da justiça; exibiu '. " Trasímaco, a 1m de' preservar alguma inter-
~ sua habilidade argumentativa, livrando Sócrates de vitórias ' - o os va Ior es , em cuj a crença foram educados.
s;atlsfatonda a , _ d
fáceis. Mas, nos restantes nove livros da República não dirá pretaça. t ivel diferença entre Trasímaco e os irmaos ,e
"' A- mais , dno TaS' d de destes para com ocra t es. Com a transi- .
Braticamente mais nada: Gláucon e Adimanto intervêm logo
no início do Livro IIe continuam a falar com Sócrates até ao flataoo e a ~~ll ~I a República fixa-se numa longa lelt~a
fim do diálogo. O que é que os torna melhores do que Trasí- çã ~~ra o l.v;:lé~ entremeada de questões vind~ de Glau-
maco? ..socratlca,Adi aquianto mas com maior , fr equência apenas interrom-
. d
'i~',,~.;,/,con e im ,_ anifestam o seu acordo. Ouvmtes e
Sinal da limitação de Trasímaco, enquanto interlocutor, é ·i':H~.~:pida
~.:,,,,,,'-', por expressoes , d queseus
ue m op,onentes conservam uma acen- .
o facto de Sócrates aceitar debater com eles, depois de ter {:;ft:\\Sócrates mais o q _ e não acreditam nos própnos
reduzido o primeiro ao silêncio, embora a questão original (.I'í~:,·t ada atitude de contenção, porqu _ d do secta-
sobre a justiça tenha, no decurso da conversação, ficado sem ;;-:~~:~ , ti a porque estao satura os ,
>""":, discursos contra
;. >""" ',. • tezesa JUS caracteriza
ç , . os m . terlocutores de Sócra-
.
resoosta, e apesar de o assunto da proficuidade da justiça ter ',::/;',
tido apenas um tratamento apressado. Confrontado com tão - """'..nsmo
(.:"(,' tes A maior
que'arte
tan as vdas obras tar diIaS de Platão conta com inter-
p Adi anto e a
. '."'. . . 'd de se comparam a m
belicoso oponente, Sócrates somente consegue refutar-lhe a L.':/.,,",
',"
locutores que em paSSlVI a b
PI t - aca asse por
temer que o estilo pi-
opinião ou deixá-Ia inatacada e não transformá-Ia numa aná-
!"'.,
-!,'Ú- Gláucon, como se a ao id de de inspirar uma conversa
lise construtiva da justiça. Trasímaco revela falta de flexibi-
lidade para ver até onde pode conduzir o seu argumento por-
que, no estilo cínico que é o seu, acredita nas suas críticas
sobre a justiça. I ·:
r-; ,

o',
t
can . e, ap -
esar da sua capaci a
'o int eress e e a disciplina capazes e
ln
excitante, nao POSSUlSs~- rolon ada. Seja como for, os pre-
acompanhar uma, exposiçao p emb~ra dramaticamente colori-
.:
d

': conceitos de um mterlocutor, do i "to Platão neces-


Nesse caso, a pessoa ideal para dialogar com Sócrates
seria alguém que partilhasse a independência de Trasímaco

'
[,
.. d m profun o mquen .
dos, entrariam n~ VIa e ~ Adimanto porque tem uma nova
sita agora de Glaucon e e
re~ativamente à opinião popular, mas não o seu apego ao imo- f: teoria a expor,
"i
ralísmo. Seria ainda melhor se esse interlocutor se asseme-
lhasse
I a Céfalo em conseguir comportar-se adequadamente, ..
~',
o desafio a Sócrates (357a·367e)
mesmo sem uma teoria sobre a justiça. O melhor interlocu- ~
" o argumento
tor reteria também algo do respeito de Polemarco pelas opí-
niÕes recebidas - não o bastante para obedecer im-
pensadamente à sociedade tradicional, mas o suficiente para , d demonstrar que a justiça, considera~,a eu;
Socrates tem e ", . "A' stiça por si mesma sera
reçonhecer que qualquer proposta de uma nova sociedade si mesma, é prefe~vel a mJu~tlça. t J~OS seus efeitos sociais;
deve ter algo a dizer aos que vivem na velha sociedade. a justiça entendida separa ~men e fiel'tos ela pode não
,Quando Gláucon e Adimanto abrem o Livro II com a sua fi . sistem nesses e ,
pois, se os seus bene ClOSc~n mente convencional.
elaboração da posição trasimaqueana, provam que são eles passar de uma relação sO,cIaImer~ d avaliar um objecto,
próprios tais interlocutores. Pretendem a defesa da vida Gláucon distingue tres ~an.eIr(~~7:_d) A avaliação pode
uma actividade, uma experIenC1a .
68
69
'-------_ ..
PARA QUE SERVE A ,JUSTIÇA?

•.-
PLATÃO E A REPÚBLICA ,------
/'
~~::..:.:::....-::~~--------------_._-------
:'do, segundo o qual não existe, de facto, uma razão válida
recair sobre uma coisa em si ~esma, como o prazer, quer

.-•
/'
meramente pelas suas consequencias quer pela experiênci
intrínseca e pelas suas consequências. Gláucon e Sócrat a
alinham as coisas assim avaliadas: es
ta obedecer a esses princípios. O argumento nuclear a que
trates terá de responder pode condensar-se no seguinte:

1'. Os preceitos de justiça surgiram somente dentro de

•••
/'
1. O bem em si mesmo e nas suas consequências:
2. O bem em si mesmo; ,
sociedades organizadas, como meios de preservar
os membros dessa sociedade.
2'. Quando as sanções da sociedade são desrespeita-

••
3. O bem, só pelas consequências.
das, a injustiça compensa mais do que a justiça.
,.'
A segunda não entrará na discussão, visto que todos con-

•• corda.m que se a justiça é totalmente perfeita, pelo menos é Se Sócrates pretende negar (3'), terá de arguir ou que (1')
perfeita por causa das suas consequências; por isso, a esco- : also ou que (3') não se segue de (1'). Não precisa de men-
lha cai em (1) ou em (3). G1áucon teme e argumenta contra nar (2), pois se (3') é falso, todas as pessoas que sintam as

••• Sócrates, dizendo que a justiça pertence à classe mais baixa


das coisas perfeitas, porque

1. As regras da justiça surgem em situações sociais,


. suras da justiça estarão simplesmente enganadas a tal
speito.
Por essa razão, não me vou deter aqúi em (2) nem na his-
fia de Gláucon acerca de Giges e do anel que a ilustra.

•• de.ac~rdos feitos por pessoas que perseguem os pró- "cerne da história é que, como as pessoas, na sua maioria,
pnos mteresses (358e-359b). roveitariam um anel de invisibi1idade, devem já crer que
2. Ninguém que consiga escapar sem castigo, por o têm razão para agir justamente na ausência de sanções

••• intrujisse, observa as leis da justiça - isto é, as , iais. Assim, a narrativa pode ilustrar a força da tentação
pessoas avaliam a justiça somente pelas suas con- ..e abandonar a moralidade, mas não acrescenta nada ao
sequências (359b-360d) . gumento de Gláucon.
3. A vida dos injustos é melhor do que a vida dos jus- ·t~\~~1;
.
. :~::~sorigens da justiça (358e-359c)

••• tos (360e-362c) .


:":-'J'"

.'
~~)~~.~-'
Esta organização dos três enunciados constrói retorica- ., t, Aquilo a que chamamos justiça, como se fora uma força
~ente, do mais neutro, a descrição da origem social da jus- atural do mundo, descreve, na realidade, um pacto feito no
tiça, para (3), o que mais descomprometidamente critica o terior da sociedade humana. Todos gostariam de gozar dos

-
, tos da dominação absoluta sobre todos os outros, mas nin-

"
valor da justiça. A sua ordem lógica, contudo, é (1)-(3)-(2).
P~rque a justiça é um compromisso social, a sua prossecução ;;guém quer acabar por ser dominado e explorado. Assim, todos

.•- poe em desvantagem os justos, ao serem privados das re-


compensas sociais pelo seu comportamento. E porque todos
acabam por. tomar consciência disto, as pessoas ignoram as
:lloncordam em banir o comportamento apelidado de injusto,
esistindo dos benefícios da exploração, de forma a evitar ser
.'timado. O resultado é o contrato social ou a convenção a que

• n?rmas da justiça sempre que podem. Portanto, do ponto de amos o nome de justiça.
vista d~ ~ua Importância lógica quanto ao argumento, (2) é . Deste ponto de vista, todo o princípio legal ou moral tem o

•• sec~nd~no. A relutância universal em obedecer ao princípio


da justiça, embora não constitua isso uma característica da
,~tatuto das leis que reconhecemos como puramente conven-
lonais. Aceitamos as convenções das leis do trânsito, não como
ncarnação da perfeição moral mas como as regras necessárias

•• humanidade, é apenas um sintoma do problema mais pro-

•,.
70 71

• .L.II.
PLATÃü E A REPÚBLICA
PARA QUE SERVE A JUSTIÇA?

' de um jogo chamado trânsito. De acordo com a história ~" aoer, evelando o " po d er "(dynamis)
namis refere-se queà capacidade
ela exerce dena actuar
alma
da justiça, de Gláu,on, as nossas prescrições contra o cri"" .' umana (358b). A dy . . o a justiça deve estar na
roubo e a violação de contrato funcionam exadamente d' 'o um determina , do sentido 'f por lSS algo os seus efeitos, scra, o
mesma forma. d Daí que a justiça seja uma conveniência enó': .,)Jna para fazer algo e esse azer Em segundo lugar, quando
um estado oe oará,ter intrinseoamente apreciável. . que torna v ali osa a sua_ posse, ualidades do bem, a I'mguagem
A história especulativa da moralidade, de Gláucon, invo", láucon descreve as tres q de acolher e de escolher aque-
' a distinção entre nomos e physis (359c) que, na Atenas de ·",fer':"e aos a,~s de nãot tem que ver com a apreciação de
Platão, se utilizou como uma crítica de todos os padrões Ias coisas. Avaliá-Ias ist em querer as coisas para SI
' mora,..' O u'1"mo 'd termo enotava a natureza e o pnmeito. "1 _ es" o imp ' essoal.' mas consis
it d efado de as ter. Fina 'I men te , os
tudo o que se desenvolveu nas organizações humanas sociai" : ,; mesmo, para tirar !"oue< ; _ ~e coisas boas em si mes.m,as
por isso algo de não natural. (Esta distinção signifioa, em Par- .;. "eXemplos que Glaucrn . a boa saúde e o poder de visao,
ticular, que o "natural" não se opunha, como acontece hoje, . :,;'>};), incluem o prazer, a a egna'ta dos tenham em comum, não é
istoo e» a tu d o o que era t rata dI,o pe as mãos ,.•-Q".-
icia 1" , is
ao "ar,tificí ;~"Seja ,
o que for que . estes best a do A pessoa frui , d e 1es.
' humanas mas, mais estritamente, aos costumes e às leis da. ';:;1
um valor concebido em rt s ra ' deontolóaico e consequente
' comunidades humanas. Para outros usos desta distinÇão em ;,':~;' ,"" .
Assim, a diis t ~nçao en t re dvalor
Gláucon. Asb'consequências .d e
PIa tão, ver Górgias 482e e 492a -c, Teeteto 172b, e Leis 888.. 't,:;,
escapa ao ~ue~boname~; eos efeitos que o consequencia-
-890a), Se a justiça ê um pacto social, os seus beneficios não .c';j' que fala nao mclue~ o ~ sua história sobre a natur~za
!podem exceder quaisquer benefícios que a sociedade esteja ~-,>;~lismo moderno consi .ont a m mente como consequências,
em condições de garantir aos justos, .: social da jus tiIça, Gláucon
to

Começamos agora a ver o que Gláucon queria dizer, ao . '. apenas aquelas que e
opor o "bem em si mesmo e nas suas consequências" ao "bem,
""-

edade a nature~a~
, I
~r!"
em
d e,numa sociedade. Ao opor soei-,

d aucon
uz deve querer distinguir as
uências da justiça que reco-
apenas nas suas consequências", Estas expressões correm o consequencias SOCIaIS as
A '
. conseq
U a coisa é, portanto, boa em ~',
risco de serem mal entendidas, se nas consequências de uma nhecemos como ~atu~ ar~ m nsequências, se os seus efei-
actividade
GI incluirmos todos os seus efeitos possíveis. Quanto mesma, e produtiva e oas co são bons.
a aucon,
' POIS, aria a lmpressao
isv dari - de tomar partIdo, , no mo- tos, t an t o n aturais como SOCIaIS,
dernn debate, entra concepções deontológicas e consequen-, . dos i . tos (360.-362c)
cialistas de valor, Na perspectiva do deontólogo, as conse- As vidas dos Justos e os LnjUS
quências são ierelevantes para a avaliação de uma acção.
Dizer a verdade é correcto e mentir é errado, não por causa
'os efeitos mas por causa das qualidades de acções que são,
"
Esta leitura e apoia ~r:
iad I último argumento de Gláucon,
homem justo, que é universal-
no qual ele contrasta ~ vi a o a de um homem injusto, pos-
O consequen"ahsta
. . - ' que uma acçao-
reclama, pelo contrano, mente consr.derado . injusto, ,comd justo (360e-362c), Gl auco
' n
é correcta se, e apenas se, produz boas consequências. Gláu-
Con seria,
' por ISSO,algo
, semelhante ao deontólogo, Ele pede
li Sócrates que ponha de lado os "resultados" da justiça e da
i.:...
t.;
~
suindo imerecida reputaç,a~ e bre o incompreendido homem
detec t a as sa nções que recairao so ensações que cabem ao as tu _
justo e prodigaliza todas as restã. é clara' todas as vantagens
IllJUSIça
' iustí e "tudo o que proceda" delas-C358b), O constituinte ~,. ciosamen
, t e 1iniusto
J ' A sua ques ao a quem , vive de um modo
~emanescente do valor da justiça tem, pois, de se avaliar! ~. que possamos pensar pertencerem _ tens de uma reputação_ j~
' sta ,
lir~ deontolOgicamente, , justo são simplesmente ~s.vadn ~g t' e da injustiça precisam
I~ ' PI atao
' Usa, porém, aqui uma linguagem subtil. Em pri- t·,
~: As consequencia. s sociais a jus iça guem de maneira 's meno
~elro ugar, G áucon pede a Sócrates que defenda a justiça,
'I 1
r:1 d
e ser pos as a
tas f parte porque se se
I).'"

[, 7.2
ti ~
[ 73
li [~~:
..
&:..
('i'~ PARA QUE SERVE A ~USTIÇA?
'-- PLATÃO E A REPÚBLICA
----
••••
rf•
segura, ou menos imediatamente, ~o que os efeitos naturais .: ue podem. Em segundo lugar, Adim~nto faz .eco.a uma
dos dois estados. Por exemplo, o efeito natural da força físi . q ressuposições de G1áucon a respeito da Justiça, ~~
. - d . ca

••••
seria uma Intensa sensaçao e vigor, ao passo que a sua co e~tar que não haja algum mestre de n:oral ~u.e te.nha ja
sequência social podia ser o esforço contínuo em regime ~-e ... t'do "o que faz cada uma delas [justiça e injustiça] do
u1 ."
trabalho pesado. Como o emprego requer mais do que a força ." der quando habita a alma do homem que a poSSUI
po , . d ber " 'd

•••• esta consequência social é, quando muito, um efeito indirect ' .' ) Gláucon exprimira já o desejo e sa er o que e ca a
da força. Mas o vigor elevado acompanha sempre a força cor- :~edelas e que poder tem, só por si mesma, quando habita
poral. Gláucon quer que Sócrates identifique um efeito natu, · ma" (358b). Ao usar tal linguagem para falar acerc.a _da

••• ral da justiça que, de modo semelhante, decorra directamente . ambos os irmãos aceitam (1) e @), as pressuposlçoes
IÇa, t
da disposição justa da pessoa, sem o auxílio de sanções sociais. Sócrates deixara deslizar nos seus argu~entos. co~ ra
símaco. (1) falava da injustiça (e daí tambem da justiça)

••• Adimanto (362d·367eJ

Onde Gláucon lamenta a má reputação da justiça, Adi-


:. algo presente na pessoa que exercia certos poderes; @)
o ava a justiça no interior da alma. S'ocra t es saíra-se
· li
a~ .
ao mudar o assunto da conversa da justiça enqua~ o
'
t

•••• manto fala desesperadamente do elogio que as pessoas lhe


fazem. Como a sociedade se torna consciente de que as suas
prescrições são artificiais, a sua retórica moral comunica uma
· a~terística das acções humanas, para a justiça concebida
o traço da alma humana .
· Não é ainda claro qual o resultado desta distinção. Qua~do

•• atitude cínica perante o comportamento virtuoso. Quando os -ribuímos a virtude da honestidade ao carácter de alguem,

•• ti pais exortam os filhos a serem justos, estes prezam não a jus-


tiça em si mas a boa reputação que ela precede (363a). Até
às promessas de prémios ultramundanos pela justiça lhes
eremos geralmente dizer que a pessoa fala a verdade. T~a-
·s de carácter podem considerar-se simplesmen~e como fo~-
ula abreviada para dizer o que a pessoa fez. Glaucon e Adi-
.
;. ,;"
I

;
r
•••••
l:.:
'- chama implicitamente um fardo, ao sugerir que na vida 'anto querem mais. Por "justiça por si mesma na ~lma"
futura ninguém se incomoda com a prática da virtude (363c). aerem significar certas características da alma que sejam a
Além disso, uma vez que a vida justa se apresenta como puro w~~àusado agir justo, assim como a neurose me pode ca_usar.a

••
if;
intermediário de algo mais, as pessoas buscarão um atalho
para essa meta. Veja-se os rituais religiosos: se os deuses
conferem prémios e castigos após a morte, então súplicas,
)rda do próprio temperamento, embora a n~urose nao seja
mesma coisa que a ira. Eles querem que Socrates demons-
que as características da alma originadorae do compor-

• ,fj
sacrifícios e iniciações aos cultos de mistério podem ocasio-
nar a beatitude após a morte, sem o incómodo do viver vir-
.mento justo conduzem também, por meio ~e ~m processo
atural a maior felicidade do que as caractenstlcas que pro-

•••
tuoso (365e-366b) . uzem 'a conduta injusta. Desde este ponto até ao fim do
Adimanto centra-se na sociedade existente: falta-lhe a 'vro IV, o argumento, que será retomado nos Livros VIII e
capacidade de Gláucon para imaginar as origens da justiça. , tem por alvo estabelecer esta conclusão .

••.-
Mas o seu discurso sublinha dois pontos importantes. Pri-
meiro, Adimanto esclarece - como Gláucon fez através da
história do anel de Giges - porque é que a justiça pura- , ugestões de outras leituras

••.-
,,. .
mente convencional é má para uma sociedade. Quando as
vantagens da justiça se olham como inerentes aos prémios ..... Para informação sobre a figura histórica de T~asím~co,
que esta sociedade concede aos justos, as pessoas tornam-se \Ver Gotoff, "Thrasymachus of Calchedon iand Clceroman

•.- mais cínicas e mais aptas a descuidar o apelo da justiça sem- tYle". Lycos, Plato on Justice and Power, e Cross e Woozley,

.-.- 74 75

.-
.-••••
\~i

•••
""""

PLATÃü E A REPÚBLICA %.?{:.:". "-..!


";;?~'j;::.:.<~.
Plato's Republic, são particularmente úteis nest, 'I ,""'_"- i;~f~~1:X, :'.:
parte do Livro I, tal como Bambrough "PI t '
1 -"
?gIes ,e
tion" .
Th '
ayer, "Plato: the theory and langu
l-t~ u tIme. : ';;:f:~4~~'
a o s po 1 ica I a .....•.
,,<,.;--.
f f na, ·F~~í;,~·
age o Une .. f:·~;~i;·""
,'."'"'~;':-
4
Annas, An Introduction to Piato's R u: N ett 1esh - J;;:k.:.~~."
L t h' epu te,
ec ures on t e Republie of Plato e Whit A C ,IP,
l:.·'~·:·'"
{(~!;~)- A JUSTIÇA NA CIDADE
R bli -
Pl a t os epu te sao usad'
r ,1 e, ompamon t .. ~""."~J:.
Glá Adi ' os para explIcar o desafio posto p
o '-"""'-".
;:!>.;.~1'\. (LIVROS lI-IV)
aucon e imanto Ver també 1 Or .1, .. ,.,,,,,,.

Crombie An E ,'. em as re evantes secções de~(~~;r-


interpret~tion :;~~~:;;o~epo~~ilc:-to's TDocltrines,Murphy, The i/;;:J~
and his Work, te, e ay or, Plato: The Man ..:.::~~;:
~.':'::~~'
.~ J. :{,'

;- ~~.:
...

:\.
.:

~~ ..

0;.'/\< A fim de mostrar de que modo pode a justiça produzir


~naturalmente bons efeitos, Sócrates impõe-se uma tarefa
':;mais ampla do que a solicitada pelos irmãos, Assumira como
';;tema não simplesmente a justiça, como esta existe na alma,
'.~mas também a justiça de uma cidade inteira, Quer conceba
este projecto mais amplo como pretexto para atingir temas
- políticos quer pense a sério que precisa de abrir discussão
sobre a justiça na cidade, para provar o valor da justiça psi-
cológica, Platão preocupa-se com a política, a partir deste
. ponto da República em diante,
Por vezes, de facto - tanto basta para fazer Platão aque-
. cer para o tema -, a justiça do indivíduo é eclipsada pela
questão de saber como construir e manter uma cidade justa,
.!-
••
- A cidade e a alma (368b-369b)

Dado que a justiça existe tanto nas almas como nas cida-
des, diz Sócrates, revela-se mais fácil de examinar quanto à
,••
••
..
__ ,,
•..:..1

JI

última delas, Daí que ele comece por perguntar como surge
••
.J

•..
a justiça na cidade, para então aplicar o que aprendeu à _il
matéria menor que é a alma,
Sócrates não propõe nenhum argumento a favor da sua
'
•••
.~t.

analogia, mas afirma que, em virtude de tanto as cidades ~


Comoas almas poderem ser justas, ambas devem conter uma •••
76
característica idêntica chamada justiça. Argumenta no Livro
••••
a-
77

"'•"~
A JUpTIÇA NA CIDADE
PLATÃO E A REPÚBLICA
-------------- -. '

•••
,.~

IV que a analogia tem consistência e que as conclusões r ~~ '.' opioiões fundadas sobre argumentos implícitos
. e as . que
I: . " d eVe '.
:; ., 'osinuam na teoria, injustificadas e muitas vezes mex-

.-••
ladas pelos seus inquéritos acerca as cidades afirmar-s _',:'
verdadeiras para os indivíduos. Não obstante o aspecto :-a
o;.;:, ere1 . lozi b .
Ssas, graças à acção exercida pela ana ogra so re a ima-
preendente desta opinião, não a encaramos como um Ia ur_;, 'oação de Platão.
su b rep tíci
lCIOd o argumen t o, mas como uma h'ipótese:
, nce·· :'
Plat-

••••
levará a cabo a sua imagem da cidade e depois cuidará de vea~ ::
ficar como esta se aplica perfeitamente à alma. TI-). .~ primeira e a segunda cidades (369b-373e)
Já podemos ver que a analogia predisporá a República n';1
o~;
•• sentido da concepção da justiça individual, que o Livro I s
empenhou em introduzir. Numa cidade justa, a justiça tome ..~
a forma de instituições e leis justas, de relações justas entr:~'
'o paraíso primitivo (369b-372e)

~- Começando pelas necessidades de comida, de protecção e

••• os residentes da cidade. Os seus sistemas legais não farão dis, ;::
criminações iníquas entre cidadãos, nem uma pequena classe -,,:
~devestuário, Sócrates descreve o crescimento de uma comu-
.dade à escala mínima. Justiça e injustiça residem algures,

.-••
,,01 ." . ,
rica gozará de um poder desproporcionado. A justiça da cio :oas relações que esta comunidade torna posstvets, p~lS, se e
dade consistirá em relações internas, seja entre dois indivj, ,~umacomunidade real, há-de conter comportament~s Justos e
duos seja entre um indivíduo e a cidade, entendida como um :injustos. Como esta primeira cidade surge por magia, na ~ua
todo. Sócrates pouca coisa dirá acerca das relações de uma máxima simplicidade, não contém nenhuma das velhas 1OS-

•••• cidade frente a outras comunidades e quase nada disto se


referirá ao comportamento justo (422e-423a, 469b-471b)..
:tituições , burocracias e relações de poder que complicam ~
'nosso estudo das organizações políticas existentes. A locali-

.-• Assim, para que a analogia entre alma e cidade seja operante,"
a alma justa não terá de ser a alma de alguém que se com-
porta justamente em relação a outrem, mas uma alma inter-
zação da justiça e da injustiça saltará mais rapidamente à
:'vista. '
.. É difícil imaginar uma comunidade mais singela do q~e

•••
namente constituída de uma forma particular. Significa isto " , esta primeira cidade descrita por Sócrates, em~ora ele seja
que, entre outras coisas, a alma humana contém divisões suficientemente pragmático para não tornar a cidade dema-
internas ou "partes", correspondentes quer aos cidadãos indi- siado forte (369b-372e). Haverá lavradores, construtores e

•••• viduais da cidade quer à colectividade por eles formada .


A imagem da alma traçada por Sócrates (Livro IV) acom-
panha estas implicações da comparação cidade/alma. A teo-
tecelões, mas também toda a variedade de artesãos e até mer-
i cadores e moeda corrente. A cidade fica a dever a sua extrema
, simplicidade ao facto de ter resultado, quase matemática- i\

•.- ria política da República, por seu lado, será também confi-
gurada por esta comparação; é que, se a cidade se assemelha
à alma, tal deve ser estudado como unidade. O bem da popu-
i mente, de dois princípios:

1. ® Os humanos, tomados individualmente, não são auto-

••• lação deve ceder ante o hem da cidade, tomada como um


todo, dado que, no caso da alma, só o bem da cidade conta, "
Além disso, no caso da alma, a unanimidade beneficia muito
-suficientes (369b).
@ As pessoas estão naturalmente preparadas
desempenhar diferentes tarefas (370a-b).
para

•••
,
mais o indivíduo do que a discórdia, pelo que a comparação
predispõe-nos a preferir a unanimidade na cidade acima de
qualquer forma de discórdia. Havemos, pois, de nos pôr em

•••• guarda, ao acompanhar os pormenores tanto da teoria da


alma como da teoria da cidade, a fim de distinguirmos eotre

79
78
lJ
.__ •.•••••• 1
li
••
~
I,
i,

:~ r
PLATÃO E A REPÚBLiCA

República, a dar ênfase à preservação da unidade da cidade


pode reivindicar que retoma um dos princípios directores d '
sociedade humana. a
- .
tlça,
A JUSTIÇA NA CIDADE

na cooperação entre grupos sociais, desempenhando


"ções diferentes. ._
, ,I
., Além de necessitar de um modelo de cld~de, Pla~ao. ~em
.Admitindo q~e determinada cidade deve existir, e que Olotivo ulterior para descrever a comunidade primitiva .
existe para satisfazer as necessidades humanas, a única áucon reviu o nascimento da so~iedade h~a.na como.pr?~a
questão pendente é como essas necessidades se hão-de favor da interpretação con~encIOnal da justiça, A história
e~~rentar. C?n: a máxima eficácia. Platão introduz @, o prin. . uma instituição pode muitas vez~s faze: que pa~eça ~e
cipio da divisão do trabalho, para explicar como as sociedades bito contingente, e mesmo arbitrário, ~qu~lo que ate entao
tendem a ser het~rogéneas, de preferência a homogéneas. , tido por garantido. Se a noção de Justiça surge, n~a
Nada pode garantir melhor a eficiência do que um contrato "rticular conjuntura, nas sociedades humanas, nem por ISS.O
social, através do qual cada uma das funções é assegurad :' é um facto inevitável relativamente a essas mesmas SOCI-
pelos mais bem preparados para tal. a
ades. Platão contraria este uso céptico da história com o
Algumas observações acerca de @. Primeiro, a divisão do u próprio relato sobre as origens da sociedade. Baseando
trabalho tem uma origem natural. Sócrates usa repetida- "< teiramente a sua primeira cidade em @ e @, ambos. recla-
mente as palavras "natureza" e "natural" ao defender ® j;ihados como factos ?aturais, argumenta que a .socIedade
(~70a, b; 374e). Em segundo lugar, o princípio não deve erra- L~'" mana é natural. E porque aparece neste relacionamento
damente entender-se como elogio do individualismo: PIa tão ;;.S:cial único, essencial a todas as cidades, qu~ a justiça se
não quer nada com uma sociedade que encoraja a experi- ','4,pil{rtorna, por sua vez, um elemento natural concomitante a todas
mentação de estilos de vida, como a sua descrição da demo- t.',~i;"ascidades.
crr:Ia ass~~ bem elucida (557c-558c). @ defende uma organi- :}:;~~1_~:
zaç~~ pohtIca com o poder de impor os diferentes papéis
so;claIs aos cidadãos. Finalmente, @ tem implicações de
(iJJA segunda cidade
~f,··'.r.~
; :..
(372e-373e)

grande alcance. Só neste capítulo veremos justificada a exis- ;/: Ora, objecta Gláucon que Sócrates descreveu "~ma cidade
tência de um exército regular e a censura sobre a poesia dra- <~<::>de porcos" (372d). A rude aldeola surpreend~ Glau?o~. pela
mática. ~l~tão foi preparando a aparição deste princípio com ''-grosseira dissemelhança com qualquer comurndade cI~hzada
a, proposIç.ao @, segundo a qual tudo tem a sua função espe- <'em que ele 'gostaria de viver. Para manter a sua ~ocIedade
cífíca. @ SImplesmente aplica tal princípio aos seres humanos. O;próxima das exigências da natureza, Sócrate~ permlte.q~e ~s
Com~let~ que e~t~ a .primeira cidade, Sócrates pergunta . seus habitantes alimentem somente os desejos de exigencia
onde a justiça e a Injustiça se poderão encontrar. Adimanto , natural; Gláucon, que cresceu acostumado aos mais .refin~-
sugere que elas emergem "algures pela necessidade que os , 'dos gostos, quer que a cidade por ele imaginada providencie
?om~ns têm uns dos outros" (372a). @ e @, em conjunto, , também esses gostos. Por isso, Sócrates concorda em e~pan-
II Im'phc~m que todas as cidades requerem a cooperação. Sendo dir o relatório inicial, para expor o que ele chama uma CIdade
a Jushça_ a virtude so~ial por essência, tem de significar "febril" e "luxuosa", em oposição à cidade, verdadeira e sau-
I' cooperaçao. [G) e espeCIalmente @ estão também reflectidos dável, da sua própria fantasia (372e). . .
na, s.ugestã? de AdimantoJ. Platão não pode ficar por esta Se a questão da discussão política tinha consistido em de~-
an~hse, pOIS está prestes a voltar-se para sociedades bem crever a cidade mais perfeita possível, porquê procur.ar ~ var~-
mais complicadas, cuja justiça e injustiça requerem definições edade pior? Como Sócrates nunca regressa à sua pnme~r~ c:-
mais com~lexas. Mas a definição a que finalmente chega dade, a República, no seu todo, pode parecer uma traição a
(433a) sera semelhante a esta descrição inicial da busca da organização política que Platão realmente pretende. Alguns

80
I~,
,&
••
PLATÃO E A REP[lBLICA A ,IUSTIÇA NA CIDADE
----------
intérpretes têm sugerido que a cidade dos porcos n '- ulares. Muito embora comece por fazer a lista dos luxos

••
correspondeu ao ideal de Platão, porque ali não há lugar unca .~ urIl ateniense do seu tempo poderia desejar -- desde a
a actividade filosófica que Platão tanto prezava e em gPara bília e o perfume até à poesia dramática -, Sócrates pur-
, era}
não oferece nenhuma promessa a favor do tipo de aut ' - á eventualmente esta cidade dos excessos perniciosos

•• n heci
ecimen t o ou re fi exao,
- d e que O cultivo das virtudes ge oco_
_ 9c). Nem todos os gostos se verão satisfeitos na cidade,
. . ti nUI_
nas, t aIS como a JUS Iça, necessita. Sócrates nunca contest -to que alguns deles (especialmente o gosto pela poesia)
descrição desta cidade feita por Gláucon como cidade de a a , por sua própria natureza, conducentes à imoralidade, ao
. Por_

•• cos, recon h ecen do t acItamente que esta vida, descrita


tãao. ex t rema simp
sociedade humana.
. licid d . cOlll
ICI a e, deixa muito a desejar, enquanto
o,. so que outros (v.g. a joalharia) são toleráveis, dentro da
deração. Mas Sócrates nunca mais sugere reduzir a cidade
sua primeira incarnação porcina.

••• ~ão ?bstante, Sócrates firma-se na convicção de que a Pri-


merra CIdade é a verdadeira e saudável. Entretanto, é pOssí-
vel que, contendo, na verdade, as mais perfeitas vidas hum _ S guardiães (373e-412b)

•• nas, essa cidade seja a entidade contra-indícada para estud;


do ponto de vista do desenvolvimento, uma filosofia política' ército regular (373e-376c)

••• A verdadeira perfeição da primeira cidade, deixando-a ca~


rente de todos os elementos irracionais e expansivos que exi-
jam coacção social, pode transformá-Ia num caso pouco escla-
,Uma cidade luxuosa tem, contudo, de contar com a guerra
"73d-e).(Também aqui, o filósofo que pensamos ser um ide-

•• recedor de análise, relativa a uma teoria que encara a justiça


como uma rede de restrições. A justiça não aparece, talvez,
de uma forma tão clara, a menos que tenha a oportunidade
"sta sonhador mostra como entende bem as realidades mate-
ais da política). Agora @ entra de novo em jogo: assim como
• a cidade funciona com maior eficiência quando o autêntico

••• • de entrar em contraste com a injustiça possível numa cidade


mais complexa. Embora desejável em si mesma, a cidade dos
porcos não é adequada como objecto de pesquisa filosófica.
Inclino-me para esta explicação, em parte porque Platão
pateiro e o autêntico mercador executam as tarefas que lhes
rrespondern e não outras, assim também a mesma cidade
cionará melhor se as acções de guerra forem conduzi das
r especialistas, isto é se ela tiver um exército regular (374),
tem grande estima pela vida rural (Político 271d-272b, Leis qual Platão chama exército de guardiães.

--• 739), mas sobretudo porque esta passagem é uma advertên-


cia contra a leitura errada da República, como se ela fosse
Platão encontra-se neste momento numa situação difícil.
.m @ não teria qualquer princípio organizativo para justi-

•• pura fantasia. Na medida em que as utopias descrevem as


comunidades mais perfeitas que é possível, a República reco--
nhece e resiste à tentação da utopia; seria agradável fanta-
ar a política da cidade e, por outro lado, a vinculação a @
ça-o a aceitar a existência de um exército profissional per-
anente. Ao mesmo tempo, observara demasiado a política
..- siar acerca da comunidade perfeita, mas a murmuração de ra recear que uma classe permanente de guerreiros pu-

••
Gláucon contra a austeridade desta comunidade mostra que 'sse impor à população indefesa uma ditadura de benefício
tais devaneios nunca teriam frutos. Platão propõe-se apre- __ ,Óprio.Em tal cidade não haveria lugar para a justiça.
sentar uma filosofia política que seja não só rigorosa na teO- c, , O exército da cidade de PIa tão é de molde a lembrar a


-
ria mas também imaginável na prática. Comprometer-se-á o __ . tiga Esparta, a qual Platão admirava, apesar da guerra da
bastante com o mundo tal como o encontrou , a fim de tornar:,''-'-I, dade a que pertencia. Tinha em grande conta a disciplina
a sua teoria desejável para mais do que uns quantos ascetaS. }~ a estabilidade da sociedade espartana; tinha em grande

•• Não significa isto que Platão ceda tudo perante os gostoS

R2
o"
nta, como aconteceria com todos os Atenienses (numa época

.-• R3

4.
•••
~

PLATÃO E A REPÚBLICA A JUSTIÇA NA CIDADE


~
ti-
.•,
anterior,. os perdedores tornavam-se atraentes), os méritos d i ,. s liberais". Destas, Sócrates escolhe a poesia para fazer
uma SOCIedadecapaz de ganhar tantas guerras. Mas Sab' e; bjecto de minucioso exame; só neste caso é que as suas
também que, em Esparta, a estrutura de classe signific la.! e;'ações sobre educação se tornam parte de uma crítica
tirania e guerra civil. Os Espartanos haviam originalj-, a"a.~ s ampla da cultura grega.
fun da do a sua ci'd'ade conquistando uma populaçãob'nativaente'" .
Hilotas, a quem forçaram à posição subserviente de exec~t os,
todo? trabalho pr~~utivo. Os ~erreiros tiveram de man~;:
os Hilotas em docilidads, atraves da constante ameaça d !
";poesia (376c-398bJ ••
••"
Desde o seu primeiro diálogo até ao último, Platão retoma
fiorça e, mesmo aSSIm,. estes a Igumas vezes se levantaram; a-
se sempre o assunto da poesia, com o fim de distinguir
prolongadas rebeliões. Se ~latão escreveu a República ;:: e a experiência irracional da poesia e, porque mais digna
~ol~a de 375 a.C., c0.m0 muitos supõem, terá tido notícia da ~ 'credibilidade, a participação virtuosa na filosofia. No Livro
ultima revolta dos !fllotas, a qual, por volta de 370 a. C., lhea::
valeu um sub~tanclal nível de independência. O governo pela;
força e~a, por ISSO,repugnante e, a longo prazo, improcedente. }
a República, fala de uma "antiga" querela entre filosofia
oesia (607b), uma querela que na sua cidade filosófica tem
mente por resultado a expulsão da última. Em Ion e,
••
Assim, m~nte: os guardiães leais aos melhores interesses.:
d~s outros cidadãos resultou em imediato embaraço de PIa.;
ais ambiguamente, no Fedro, a poesia torna-se uma espé-
~&lédeloucura; em comentários dispersos por outros lugares ••
•'.
tao. Confia na educação dos guardiães para resolver o pro-; , >pologia, Protágoras, Sofista, Leis), Platão identifica poesia
blen:a '. A semelhança de outros reformadores radicais, é um: m ignorância, logro e confusão intelectual.

~
pessimista quanto à possibilidade de uma sociedade perfeita, ~;' Nos Livros II e III, o ataque de Platão centra-se no papel
dada a natureza humana, tal qual existe, e um optimista, ; ':N.i-da poesia na educação dos guardiães. Primeiro, Sócrates
quanto ao poder da educação para mudar a natureza , }~i~~roíbeque os jovens guardiães sejam expostos ao influxo das
humana. Mas a reforma educativa, como ele a concebe não ,~:;tjendas que pintam os deuses iniciando no mal, promovendo •:.
é matéria trivial para arranjos atamancados feitos de listas : ;;,~t~6 sofrimento injustificado, mudando de aparência ou men-
de l~ituras ou da inspecção dos sistemas de i~struÇãO formal :~:!Ztindo.Tais mitos representam negativamente os deuses e
da cidade. A reforma educativa de Pia tão intenta a transfor- ):1}propõemaos jovens modelos de comportamentos iníquos. De :.I..
I mação da sociedade, no seu todo. Desde este momento até :'i\TiJigual modo, não devem as lendas dedicadas aos deuses ou
aproximadamente ao fim do Livro lII, Platão pormenoriza as : ~,Itheróis humanos mostrá-los tão fracos e desprovidos de dig-

••.
:
actividades às quais os jovens guardiães se podem entregar, . ;ri)i\r:mdade que devam os guardiães evitar compartilhar aqueles
as, espécies de poesia que podem ler e, até, as espécies de ~;~traços de carácter, Os protagonistas nâo hão-de, sobretudo,
música que podem escutar, em ordem a virem a ser simulta- :::)~temera morte nem lamentá-Ia, trazendo sob domínio os ape-
,
neamente ferozes na guerra e amáveis no lar (375b-c). ..~;tites ignóbeis, em vez de a eles se submeterem.

A educação dos guardiães (375b-398b)


::". É cedo de mais, diz Sócrates, para legislar sobre os con-
/'.'teúdos das lendas referidas a seres humanos. É preciso •• ••
(·faguardar até que tenhamos demonstrado por argumentos que
Sócrates diz que a música e a ginástica são os dois ele- (';espécie de vida é de facto a mais perfeita (392c). Sócrates
n:entos da educação dos guardiães. "Música" imousihê) sig- " Parece dizer aqui que a regulamentação da poesia a coloca
••
••
nifica toda.s as actividades tuteladas pelas musas: a poesia de
todos os tipos, a dança, a astronomia, a história _ o que,
em acordo com o que sabemos ser verdade. Este princípio
'tef1ecte a primeira crítica de Sócrates às narrativas sobre os

"
vagamente, corresponde ao que modernamente chamamos . deuses, segundo a qual elas são mentiras que não têm que

••
,."
84
85
.A.
(I,.

ft PLATÃO ]i; A REP(;BLlCA A ,JUSTrçA ,'IA C IDADE


---
••
------
.......••..••.•
ver, .nern sequer alegoricamente, com aquilo que podem verdade factual implica que a verdade dos mitos desinfes-
var ser verdadeiro acerca dos deuses C377d-e,379a). Vis~~Pro, 'doS de Platão é um feliz acaso e não uma parte integrante

•• os poe~as .de Homero ~ de Hesíodo constituem quase tUd:ue


que seja leitura para o Jovem ateniense, Platão propõe-s
. . os erros que a l'I se contem. P ar isso, a sua censura pe COr,
rigrr A
o
. argumento. Se tivesse razão para acreditar que os deuses
o de facto decepcionantes e maliciosos, advogaria, mesmo
i111, a censura das narrativas a seu respeito. O seu plano

•• recair apenas sobre a falsidade e só com vista aos audit~r~ce


d ernasia. d o Jovens
tid íti
sen I o CrI ICO.
. êd 1
e cre u os para lerem aquelas peça
s
afIos
cOm
ucativo tem por alvo, acima de tudo, inculcar nos jovens
:ldados modelos correctos de comportamento.
','Embora a República considere relevante mais do que a

•• Justificada em tais termos, a censura de Platão tem


. v .
aspec t o inorensivo, como se apenas pretendesse banir d
Um
;era falsidade, o facto de se tratar de um plano para a edu-
ção daria um aspecto prematuro à intervenção censória. As

•• escolas locais os livros de texto antiquados, do mesmo mo~~ liotecas escolares de hoje evitam expor as crianças a livros
que regularmente nos desfazemos de livros sobre astrono . scaradamente ofensivos. Exceptuados os casos con-
fí . bi I . mIa versos, ninguém advoga que se preencham as estantes com
isica e 10 ogia que contenham teorias ultrapassadas . N a t ' o

••
ü-

ralmente que PIa tão está a falar da falsidade acerca dos d emplares de conteúdo pornográfico ou de trechos racistas.
ses e nã~ do movimento. dos astros. Mas, mesmo passando ;~; , Seja como for, a posição de Platão é mais radical do que
alto as Importantes diferenças entre estas matérias, não alquer das defendidas nos dias de hoje. A exclusão actual

•• podemos, com tanta facilidade, deixar sem reparo esta sec-


ção. Saber até que ponto é perniciosa a censura de Platão
depende das respostas a duas perguntas: em que medida
~ livros concentra-se, na pior das hipóteses, nos livros des-
ados à juventude. Platão pretende expugnar a Iliada e a
idisseia de Homero e as obras de Hesíodo e de Ésquilo. Os

•• exerce ela efectivamente uma depuração das narrativas popu-


lares e dos poemas para os harmonizar com a verdade do
tema? ~ a~é.que PO?to conseguirá Platão suprimir a poesia
eemas de Homero estavam no centro da educação cultural
; juntamente com a poesia de Hesíodo, transmitiam os ele-
nentos essenciais da religião grega. Os trágicos eram consi-

•• falsa e insidiosa no interior da comunidade?


De início, o objectivo de Platão parecia ser evitar a falsi-
dade a todo o custo. Mas algumas linhas após ter entrado na
erados os mestres da moral da cidade. Ao sujeitar a poesia,
iltamente prestigiada sob o ponto de vista moral, da sua civi-
ização a tão austera inquisição, Platão defende uma censura

•• sua crítica, Sócrates exprime a prontidão em banir histórias


acerca de Cronos, "mesmo que fossem verdadeiras" (378a).
uito mais extensiva do que qualquer daquelas que as de-
iocracias contemporâneas conhecem. Uma explicação mais é

•• Passando aos heróis homéricos, as referências de Sócrates


àquilo que tem de ser verdadeiro perdem relevo ante a pre-
mente preocupação quanto ao efeito que as histórias podem
ossível. As crianças podem ficar facilmente confusas, es-
ecialmente com histórias excitantes. Perto do fim do filme
irth of a Nation, uma turba de escravos emancipados cerca

• t:r nos guardiães (386c; 387b, c; 388a, d; 391e). Qualquer


livro de história fornece narrativas de tiranos vivendo prós-
" cabana que alberga uma inocente família branca de anti-
,,'os proprietários de escravos. A pequena cabana vacila ante ,j

"•.- pera e longa vida, mas deixando duvidosos exemplos morais multidão enlouqueci da e sedenta de sangue. Por fim, os
através da realidade das suas existências. Platão nunca lou- ,guerridos elementos do Ku Klux Klan, altivos e imaculados
v~ria tais narrativas pela mera consideração da sua verdade. as suas alvas túnicas de capuz, cavalgam em direcção ao
Tão-pouco levanta objecções a que os seus governantes inin- uteiro para preservar a justiça. Aqui, os elementos artísti-
(li tam aos jovens (382c..d). Quando a mentira beneficia a cidade c,' Oscombinam tão poderosamente para retratar como heróis
é classificada positivamente (389b-c; também 414-415, 458b- s homens do Ku Klux Klan que os espectadores jovens

"• -460b). Mas esta maior importância do efeito psicológico sobre ,odem ser desencaminhados para ideais de mbralidade ignó-

• 86 87

--_ ...••.
,i

"•
~
li ,
PLATÃO E A REPÚBLICA

bil. Seria ~ai~ simples r:ão permitir que as crianças


sel1l
--------
vis
A JUSTIÇA NA CIDADE

o, tórias exclusivamente através do diálogo; a maior ~arte


•,•
o filme, ate atingiram a Idade suficiente para serem capaz
.' S narrativas históricas, como nós as conhecemos, nao se
de se dirst anciar
••
' d esses processos narrativos, Por que razàes es , h "
não deixar Platão fazer outro tanto, com respeito aos jove o rve daquele; a ficção moderna, como a epopeia _ s.Bócra-
guar d'-raes, nos seus contactos com Homero? ns bina diálogo com narrativa, Com poucas excepçoes, ocra-

••
rnpropõe que a poesia seja expurgada do diálogo, A Ilíada
O problema, muitas vezes deixado sem consideração, é qUe
I S Odisseia tornam-se, por isso, sinopses dos entrech~s das
todos na cidade se verão afectados pela censura, Enquant
"~!~~ ~eriores formas de si mesmas, ao passo que a tragédia e a
t~da a ge~te ouvi: as histórias sobre as quais recai a objec~
çao, tambem as cnanças eventualmente as acabarão por escu_
tar. Sócrates vem rapidamente especificar que "o meno
número possível" deverá saber que Cronos castrou o pa~
~t~:rnédia desaparecem por comp~eto,
c 'H;"

L~','
_ '
Esta passagem merece especial at,ençao, em v~rtude d~ s~r
rimeira discussão que Platão dedica ao conceito de mime-
••
••
"'od:tP "" _" um
(378a), que ninguém, "seja novo ou velho", poderá ouvir dize: ,it@sis, Traduzido às vezes por imitação", ,mLmesLs começou /
'A'

i;·::;ti:;.. ouco antes do tempo de Platão a funcionar como termo tec-


que um deus é causador de mal (380b-c) e que as mães deve_
rão ignorar as histórias referentes aos deuses que mudam de :~~~~~co da estética, PIa tão utiliza as menções recentes do term_o,
aparência, de modo a não as fazerem passar para os filhos
·(381e), Para proteger os jovens guardiães, deve a cidade
inteira mudar o uso da poesia,
'.'Ck'·construindo uma teoria das belas artes em torr:o da relaç~o
",:,',:',;S)'d
'o::;~ioe
"'0 e
uma coisa ou pessoa com a sua representaçao, na poesia
lh
na pintura. No Livro lII, a atenção centra~se- e ma~s ,na
. ••
No Livro X, Platão explicará que os próprios adultos vir-
tuosos correm risco de corrupção moral da parte dos poetas,
{'-Urepresentação da personagem. Dado ~ue ~ CIdade platomca
'<i' e funda na suposição de que cada cidadão executa apenas ••
Por ora, esta implicação permanece latente, já que o tópico
em questão é a educação dos jovens, Aplaude quando Sócra-
t~s di,z que a cidade "não fornecerá coros" (isto é, não parti-
: ~",",:ma tarefa única [@], escrever e desempen~ar o p~pel ~e
::./(:·r: uma personagem tornam-se perversões da cidadania, pOIS
:, - isso atribui a uma única pessoa mais do que uma natureza a
expressar (397d-398a). Mesmo independen~emente desta

••t-
'••.
cipara com os fundos públicos de que dependiam as realiza-
ções dramáticas) a qualquer tragédia que difame os deuses , _,' objecção abstracta, o mimetismo conduz- o~ Jovens .a ma,:s
(383c) ou quando recomenda que certas coisas "não deviam ',' hábitos, à linguagem grosseira, a respos,t_asmapro~nadas as
to,' crises (395c-d). Assim, os jovens guardiães deverao quando

".t-
ser ouvidas, da infância em diante" (386a;, ver 387b), "Não
f~ ';'')'c muito dramatizar a vida e os feitos dos modelos das suas
permitiremos que os nossos homens acreditem" que Aquiles
era avarento ou desdenhoso dos deuses (391b), Vale a pena , mais virtuosas atribuições (396b-e).
recordar esta forte implicação, a fim de diminuir a surpresa, " Exceptuando o uso ambíguo que faz da mimêsis - Sócra-
\': tes parece umas vezes estar a pensar em representar e:
4-
~uando aparece no Livro X, O facto é que esta primeira crí-
" outras em escrever peças -, esta diISt ensao - do a rgumento , ' e
tica da poesia já nos leva muito para lá da solicitude pela
mente das crianças, para o domínio do controlo estatal sobre
notav~lmente prosaica, Este funciona apenas contra ~ prática I.
de recitar papéis numa peça ou contra o diálogo re.tIrado de
as a~tes, Pode estar-se de acordo com as recomendações de
uma epopeia, e entende esta prática de uma maneira extr~- ••
Platao, mas não se pode crer que elas sejam brandas,
Do conteúdo da poesia, Sócrates volta-se para as suas mamente grosseira.
limitadas pela
o Por fim, as imp
atenção de
. liicaçoe
Sócrates
- s do argumento
àquele que esta
,
a
sao
~epre-
••
t-
características formais (392c-398b), Qualquer história de
poema se pode transpor, quer para a forma narrativa quer
p~ra a dramática, dependendo isso do facto de o autor pôr ou
sentar um papel; já que uma fracção de qualque: CIdade
escreveria de facto para ou represen t ar'ia. num festival .dra-'
e.
uao as personagens a falar por si mesmas, O drama conta aS
.
mático o argumento acusa a literatura mime . Tica de prejudi-
car o que só respeita a uns quantos cidadãos. No LIvro X,
.
••••
f

88 e.
•••
89

J
-./fila
'"(f :>1

fi,
.1 J
/'1
:1:1 PLATAo E A REPUl3UCA A .rCST[çl\ NA CIDADE
-'---.......

•• lY' Sócrates estenderá a noção de mimêsis a um fenómeno rn .


.
toda a poesia.
aIS
complexo, para abertamente barrar a entrada na cidade d
e
o
tivos são pura e compreensivelmente económicos.
srcíto
.
regular não se pode permitir motivos econorrucos,
Mas o
, .

••
e"e
'" a vez que o seu poder dentrolantro da cid
CI a di'e evana rapi ida-
U:nte os soldados a pilhar os cidadãos. A cidade perfeita só
Da música e da ginástica (398b.412b) , de existir se o poder político se mantiver separado do poder

•• A maior parte do restante do Livro lII determina, relati_


vamente à educação dos guardiães, mais alguns pormenores
·'·~~onómico.(Platão viu, com tanta clareza como Marx, que, no
'....rso habitual dos acontecimentos, todo o poder assenta na
eu
;;riqueza.) Sem hipótese de fazer grupo com os fICOS . da_cIida de,

•• Estes exigem umas breves explicações: os modos e os ritmo~


da música e o exercício físico dos guardiães, tudo isso tem por
fim a produção de soldados instruídos, suficientemente exps.
.os guardiães precisam de outro incentivo - a. educação, mol-
;:dando-os como patriotas obedientes, proporcionou-lhes esse
·motivo.



rientes na cultura intelectual, para não tratarem selvatica_
mente os cidadãos inermes, mas nem tão polidos pela suavi-
dade da comida e da música que se tornem incapazes de ~'Asrelações de classe e a justiça da cidade



combater os inimigos da cidade. A educação unifica o gosto
estético com a consciência do dever que lhes compete.
Por agora, deve ter ficado evidente que a atenção de Pla-
tão se deslocou dos habitantes da cidade, como um todo, para
,(412b-434c)
o projecto político completo (412b-427c)

~ '•" o exército que os defende. Depois de apresentar os guardiães,


dificilmente volta atrás à ingente classe dos mercadores, dos
lavradores, dos artesãos e dos trabalhadores assalariados, a
; Especificadas duas das classes da cidade, Platão volta-se
'para a questão de saber quem "governa e quem é governado"
';. '(412b). Para esta tarefa, Sócrates selecciona os melhores e



não ser ocasionalmente, para dizer que esses conhecem já os
seus postos. A educação dos seus filhos permanece sem
exame; o padrão da sua vida diária não lhe merece, aparen-
:~',41':-mais antigos guardiães. Em certo sentido, isto não define
: :ftr uma terceira classe, visto que os governantes provêm das
\~>
•••• temente, comentário, embora Platão venha em breve parti-
cularizar sobre o jantar e as práticas sexuais dos seus guar-
fileiras dos guardiães. Mas como as funções dos dois gru~os
•.·ôl;~:diferem, Sócrates dá-lhe dois títulos diferentes: "guardião
.t{~.perfeito", para o governante, e "auxiliar", para o governado

•••• •• diães. Tornou-se lugar comum acusar Platão, o aristocrata,


de se manter desdenhosamente alheio à vida do povo comum .
Seja qual for a verdade que há nisto, tal acusação sugere
que a larga classe produtiva é uma classe de trabalhadores
. ,~i1j (414b). Assim como deixou de se referir à classe produtiva da
,*t cidade após a introdução do exército regular, também Sócra-
; ~; tes, doravante, vai progressivamente ignorando o exército, ao
, }~: examinar a natureza e a educação dos ad.ministra~ores da
rufiões e inexperientes. De facto, Platão concebe esta classe

•••• H
como equivalente a toda a Atenas: alguns dos seus membros
fazem sapatos, outros, porém, são médicos e outros ricos
.':~::'~cidade. Veremos, logo que estes tenham SIdo descritos, por
; ~~•. exemplo, a intensidade com que a vida dos virtu~is gov~r-
" '. :!::' nantes será assinalada por meio de provas, de um mvel muito

.-.-
-.i~
;;:1·
•• comerciantes. Platão pouco diz acerca deles, porque as suas
vidas permanecem imutáveis.
Dando-Ihes maior importância, Platão visa a classe dos
superior ao da disciplina militar em que foram educados
i J.~(412e-414a). Se a concentração das armas na classe dos sol-
:;~. dados deu a Sócrates a preocupação d_eprovê-los de .l_ealdade

••,.
guardiães, porque só eles necessitam de especial atenção. Os : ,?,f;' cívica, a maior concentração, nas maos. dos guardiães, dos
membros da classe produtiva encontram suficiente estímulo
para as suas actividades no proveito que delas tiram. Os seus
iJt: Poderes legislativo, executivo e judicial fê-lo redobrar de
~.. esforços para excluir deste contingente os cidadãos inapro-

.-••
,;11
90
'1r
Iii.:
.":'- .
91

iiI

••••
PLATÃü E A REPÚBLICA
-----------------------------------~ A JUSTIÇA NA CIDADE
priados. A sua tensão relativamente a este assunto denunci
< r conse guinte , precedência sobre qualquer questão de .pre-

••••••••
a preocupação de Platão, porque a cidade perfeita nunca fun~ .
cionará sem concentração do poder; mas, dada essa concen_ A • dos cidadãos ou do modo como eles queiram viver.
tração de poder, este só através de um esforço sobre-hurnan 'rencla deria ser por isso, o primeiro
.. lugar d a R epuibli ica em
ste po,leitores se apoiam para acusar Platao - de tota litari1 ansmo
será preservado de deslizar para a corrupção. o e os .
Depara-se-nos imediatamente um desses esforços sobre_ líti Não só dividiu uma sociedade em castas, como pre-
I ICO. . 'fi
-humanos na nobre mentira que Sócrates propõe que seja dit
aos cidadãos (414b-415d). As memórias destes, relativas ~
d ue o povo aceite um mito estatal que justi ica as suas
n eq - . d
6 .as posições. Embora Platão nao seja emocra a, e pos-
rívelprídefendê-Io das mais severas críticas
, .
tav é

po I icas, po~ d o em
Iíti
••••
••••
infância e à educação, foram um sonho, pois de facto, pros~
segue o relato, todos os cidadãos brotaram da terra completa_ ",,';
e'I evO o modo como as suas classes supostamente . funcionam.
mente adultos. Sendo filhos da terra, não surpreende qUe . ado que as diferenças de classe da sua CIdade s.eparam o
alguns (os guardiães) tenham na alma mistura de Ouro soder económico do poder político, um estat~to mais elevado
outros (os auxiliares) prata e o resto bronze e ferro. Daí qU~
os seus lugares dentro da cidade sejam reflexo das suas natu-
rezas, da forma como estas foram moldadas pelos deuses e
- e traduz em riqueza nem prazer. Efectivamente, encon-
.:tramos
ao s Adimanto a queixar-se da in fie liICI id a d e d os gove:nan-
',tes (419a; também 519d-521a), porque governar esta CIdade
•••
•••••
não pelo acidente histórico que separa os cidadãos de out:as /:não garante benefícios aos governantes. . . _
sociedades. i. Além disso, Platão pretende basear as distinções de classe
De novo encontramos Sócrates em busca de uma base
natural para fenómenos sociais. Classifica a sua fábula como
h;,\
'··"na capacidade e não na riqueza ou no nascimento. A nobre
~;t;~imentira implica que o filho do guardião passará para ~ c asse
I •••
uma alegoria de @; a mentira é "nobre" (kalon) porque se
assemelha à verdade, ao contrário da mentira do poeta acerca
dos deuses, que lhe é dissemelhante (v. 382d). Como um
autêntico publiCitário, forja este mito do Estado a partir de
':::0~~::rjnferior, se a sua alma for ferro ou bronze, mas tamb~m que
,~!?;:t; o talentoso filho do lavrador ou do trab~lhador pode VIr a ser
>';f~';'guardião (415b-c). Sócrates torna expl!clta esta p:~messa em
. 423c-d e, em 468a, prevê a despromoçao do guardI~~ cobarde.
••
~

••••••••
elementos que o auditório grego achava familiares. A lenda é É uma bonita promessa, embora possamos permitir-nos um ,.'
"fenícia" (414c) porque recorda o nascimento mítico de todos saudável cepticismo a seu respeito. Platão espera que ~s
os Tebanos, da terra em que Cadmo, um fenício, serrou os den- crianças de ouro e de prata só raramente provenha.m de pais
de bronze; assim, a República não define um mecarn~mo claro 'f-
tes a uma serpente. A diferenciação das pessoas por meio do
Ir
metal evoca, entretanto, as cinco idades da humanidade de
Hesíodo. Fundamentalmente conservador em matéria de ;eli-
gião - remete de maneira regular para o oráculo de Delfos
e operativo para examinar crianças da classe produtiva, atra-
vés de sinais de talento. Sem alguns desses exames, nunca
elas ascenderão. Platão é sincero, mas não se pr~o~upa sufi-
cientemente com a mobilidade social. Seria tão Injusto, nos
••r-I

com~ a mais alta instância religiosa (427b-c, 416e, 540c) _,


Ir
::
Platao lança mão da mitologia tradicional para justificar o seus termos ou nos nossos, negar a crianças dotadas o lugar
poder político, tal como os monarcas europeus, ao verem ame- que lhes é mais ajustado, quanto alguém se propor est~bele-
a?~da a Sua legitimidade, congeminavam sobre o direito cer um sistema de castas garantm. d o, t od avia, . ser possível, ,a
dIVInOdos reis. mobilidade sem que dissesse exactamente como ela e POSSl-
, coisa de mais .,' vago e um msu lto para o povo
O n:ito de~tina-se a gerar uma lealdade cega: ele implica vel. Qualquer
~ue a c~da?e e a mãe dos cidadãos (414c) e que nada tem mais
Importancla do que a pertença de cada cidadão à classe ade-
em questão por mais sincero que Platão possa ser, do mes:n,o
modo que os, chavoes - so bre a pobreza, u tilizados
1 pelos políti-
•••••
~

quada (415b-c). @, o princípio da divisão do trabalho tem

92
, ,
cos modernos, embora diitos com o coraça- o nas mãos , engana
os pobres, se não se converterem em programas.

93
.;:
___ d."
1-
~::·~~i~.~~
WI PLATÃO E A REPÚBLICA ;, ;;j;t;i: A ,JUSTIÇA NA CIDADE
---------.. .~"t~':'f~:----- '
íi Delineada a estrutura social da sua cidade, começa Platão ~'''''~'''.cusa encarar a discórdia como colisão entre visões filosófi-

".••- "",e s genuinamente opostas. Como Marx, identifica todo o con-


a descrever as actividades. Como antes, o tema mais impor~
tante é a potencial corrupção dos guardiães. Embora as pro- .: .~to
·1, vI com o conflito económico; daí que isso seja sempre a indi-
-

postas plenamente radicais, para evitar tal corrupção } ~f.JJ:~';caçãode que ?s membros da cidade põem as _sua.s~ecessidades
tenham de esperar pelo Livro V, já podemos ver de que mod~ . fi;(i\;'rnediatasacima do bem de todos. A comoçao CIVllrepresenta

••• insólito terão os guardiães de viver. Os governantes e auxilia_


res partilharão as refeições. Nenhum possuirá mais do que a
propriedade pessoal essencial; nenhum terá um espaço pri-
i; J.~i&~
abandono do empreendimento que a cidade possibilita.
'~;_~~t~_t5;~
~:j~';:ft.justiçae as outras virtudes (427c-434cJ

••.- vado (416d-e). Nenhum guardião ou soldado poderá alguma


vez tocar em ouro ou prata, ou sequer estar sob o mesmo tecto
'.~Z~\
:~ '-:';J-:}'
Sócrates regressa por fim a uma questão desencadeadora

•••
com esses metais (417a). Em certo sentido, a educação dos '~'daconversação, "O que é a justiça?". Os participantes carac-
soldados nunca termina, pois essa disciplina intencíongj, ':terizaram uma cidade com a suficiente minúcia para se
mente sustém qualquer tentação que eles possam sentir de ::certificarem da sua perfeição; podem agora tomá-Ia por

••
se apossar de mais poder mundano. :':1llodeloem larga escala da justiça exigida. Sócrates expõe
Sócrates alargar-se-á mais tarde sobre o viver dos guar- ;assim a estratégia de busca da justiça:
diães e, em especial, sobre uma observação, feita aqui apenas

•• de passagem, respeitante à comunidade de mulheres e das


crianças (423e). Já diz bastante para esclarecer por que razão
a auxiliares e governantes nada é permitido do que podería-
1. A cidade que descrevemos é completamente boa.
.. 2. Ela é sábia, corajosa, moderada e justa.
.. 3. Se pusermos de parte estas características deterrni-

•• mos reconhecer como privado. O simples facto de considerar


benefícios privados, em favor desta classe, seria reconhecer
aos seus membros uma fidelidade distinta da fidelidade por
nativas da cidade responsável pela sua sabedoria,
coragem e moderação, as características que res-

••
tam, quaisquer que sejam, definirão a sua justiça
eles prometida à cidade. Os governantes dividir-se-iam em ;t ~~!f' (427e-428a).
facções e a cidade no seu todo perderia a oportunidade da feli- .;~ (f~~?::_.
cidade.

•• Uma versão típica desta ênfase platónica, a respeito do


todo da cidade, aparece em 420b-421c, quando Sócrates res-
! ·;~.V· Embora este argumento possa indicar uma eficiente estra-
\~btégia de identificação da justiça, não devemos esperar dema-
i~~~:siadodo seu valor de prova. Mesmo garantindo a verdade de
, itE),
•• ponde à queixa de Adimanto de que os guardiães não seriam
felizes. Uma outra versão ocorre numa discussão sobre a
guerra: todas as cidades, que não a ideal, diz Sócrates, "são .-
o.argumento nã~ po~e alcanç~r (3) se~ .d,:as pressuposi-
:: ;~fçoes mexpressas. Primeiro, (2) nao se seguira de (1) sem se
""',1
v.

f'i
~;1kpressupor que

•• muitas cidades, mas não uma cidade ... Existem duas, em todo
o caso, guerreando-se uma à outra, uma dos pobres, outra dos
ricos" (422e-423a). Esta passagem, tão reveladora como típica, 1', ~:d~n;~:;:;a é boa, então é sábia, corajosa, mode-

••• indicia o maior terror de Platão, a intranquilidade civil, e iden-


tifica a sua causa na competição pelo dinheiro. Platão imagina
uma solução, não em termos de um equilíbrio justo entre inte-
.~ ~~.,. A bondade tem de incluir ao menos estas virtudes, para

••
::(~";Jque (2) se siga. Todas as quatro eram, sem dúvida, aceites
resses concorrentes, mas na erradicação dessa competição. f" Orno virtudes pela maioria dos contemporâneos de Platão,
Para Platão, toda a discórdia civil é sinal de fracasso político 'embora não de forma sistemática. Mas ainda que aceitemos
- não porque ele venere a ordem pela ordem, mas porque

•• 94
:.l1'), exigimos também que '

91)

••
••
~
PLATÃO E A REP[lBLICA A JUSTIÇA NA CIDADE
------. •••
2'. Se uma coisa é boa, então é sábia, corajosa, mode_
rada e justa e nada mais.
, os cidadãos conhecedores do seu trabalho, mas são os
.cOS cuja sabedoria torna sábia a cidade. (Platão não pode ••••
r;
Para saber que, uma vez consideradas a sabedoria e a cora_
gem, "o que resta" tem de ser a justiça, Platão precisa de
er neste momento que a sabedoria implica essencialmente
;:cto de mandar, porque ainda não analisou a natureza da
'bedoria: é o que vem nos Livros V-VII.) A sabedoria de ••••
. li
··f
;', ~~:
t ,demonstrar que as quatro virtudes esgotam a bondade e qUe
fora delas, não há outras virtudes. Num certo e intuitivo sen~
tido, naturalmente, as quatro podem juntar-se para conformar
~. a cidade manifesta-se no tratamento que a cidade pro-
'rciona aos seus cidadãos e aos de outras cidades (428c-d).
.. entanto, a sabedoria nada mais é do que o governo sábio ••••
•••
I
uma vida moral. Em conjunto permitem tanto a acção como a
;'! :~governo é a função dos guardiães. Ser uma cidade sábia
,reflexão, tanto o autodomínio como a consideração de outrem. portanto, ter guardiães sáb~os_(428a~429a). , .
,O problema é que, segundo parece pela exposição desta sec, Porque é que Platão exclui tao rapidamente a pertcia de
ição, Platão faz depender o lugar da justiça do facto de ela ser
a única virtude não considerada como tal, quando as outras
htros cidadãos? Responderia que só o conhecimento dos guar-
íães diz respeito aos benefícios da cidade como um todo ••••
••••
três receberam os seus lugares na cidade. Transforma uma 28d). Não se trata aqui dos motivos dos produtores; Platão
Crença casual e sem exame numa opinião técnica, como seria ,'o ..ão pode defender justificadamente que o médico o.u o cons-
o caso se o astrónomo defendesse que uma supernova era um '~Ttrutor naval nunca têm em vista o bem de outrem. E possível
mineral, pela razão de não ser nem animal nem vegetal. Ocor- ·;Ji.!}1ndar atrás do dinheiro e, ape~a~ di~so, pensar nas out:as
rem contra-exemplos evidentes: se a generosidade viesse a ser 'JN:ipessoas de vez em q~~do. A Iimitação da classe produtiva ti-
uma virtude tal como aqueloutras, então, separando as pri-
meiras três virtudes da cidade, podiam restar-nos algumas
;; ~;i~o;;~idecorre antes da especie de trabalho que ela faz, O lavrador
)':~'5q:podeter o melhor conhecimento sobre como incrementar a
6-
características constitutivas da sua generosidade, em vez da
justiça. A premissa suprimida (2') parecerá assim tanto menos
;;~f';:~~?produção do trigo da cidade, Mas as questões políticas acerca
ii ~:;i;;:daagricultura, às quais a cidade pode responder com sabe-
t
convincente aos leitores modernos que, sob influência da ética
cristã, podem pretender incluir na lista a humildade e o amor.
Mas até um contemporãneo e compatrício de Platão objecta-
; ;\t1.';:i.doria
:1 J>!:";.tos
ou com insensatez, têm a ver com tarifas sobre alimen-
importados, sobre embargos de exportações e sobre apoios
••
'-'1

••4-f-
,; J/:'>~,estataisà produção alimentar; de outra fo~ma, torna-se de~~-
~ia que aquela lista estava incompleta. Noutros diálogos, a :~,:':it,fsiadodispendiosa para o produtor. Em tais casos, o benefício
piedads é tratada por Platão como virtude CLaques 199d, ;c~;;;;:;:geralda produção alimentar precisa de ser ponderada com
Ménon 78d, Protágoras 329c, Górgias 507b), mas já sai da )~'~\':butros benefícios em favor da cidade. Supondo mesmo que os
lista na altura em que a República é escrita. Porquê?
O problema não fica por aqui. Como saberemos o que se
deve olhar como "características" da cidade perfeita, relevan-
: >~:(H~idavradores têm uma posição altruísta, além do interesse pró-
.' /J": prio, a estreiteza do seu conhecimento profissional torná-los-
':>:;: -ia incapazes de subordinar os seus conhecimentos agrícolas
,,.
\
••••
i.
tes para as suas virtudes? Tendo sido apontados três dos tra- . 'ÚlJ.i à questão mais geral, relativa à cidade. O saber agrícola é, ex
ços da cidade, como ficará claro que algo "restou"? Tomado em ;.~~i;,hypothesi, a única perícia que possuem. (Os modernos
I'I
~I
si mesmo, o argumento pode dissolver-se em metáforas. Como .ri!; defensores do livre empreendimento podem objectar que a so-
~~>,~
,+
método de pesquisa funciona melhor, estimulando Sócrates a ciedade funciona melhor quando todos os produtores visam os
I!
I
,
descobrir onde residem as virtudes da cidade e, daí, a especifi-
car a natureza geral de uma virtude comunitária.
~,:'< próprios interesses. Mesmo, porém, que tal seja certo, a deci-
,tV~são de tornar livre um empreendimento na cidade apenas
Sócrates e Gláucon concluem facilmente que a cidade deve
'!-
••+,.
;,!:if:;podeser obra dos governantes. Nem mesmo os propugnado-
a sua sabedoria aos governantes (428d), Estes não são os ,1,:>( res do livre mercado chamarão sábia a uma sociedade só
i/o

96
97

t.
•• PLATÃO E A REPÚBLICA
-----
A JUSTIÇA NA CIDADE

••• porque tem empresas rendosas, mas apenas se o seu gove


permite. que essas empresas procurem o Iucro sem estorvmo
A perspectiva de Platão não é aqui glorificar os guardíg o.)
essoa pode executar em prol da sua sociedade, e são estas
ês profissões que devem permanecer distintas para que
" a cidade seja justa.

•• mas ana liisar o concei it o d e "'d


CI a d e sá b ia", de uma forma qes ,

lhe permita uma estratégia em ordem à definição da justi Ue


As virtudes de uma cidade podem parecer entidades vaga;a.
· Sócrates justifica a sua definição, misturando
omum com argumentos teóricos. Primeiro, identifica a sua
efinição com a norma proverbial, "não se deve ser introme-
senso

•• desencamadas. Platão aponta o modo de eliminar esta ind ~


terminação, situando a sabedoria na sabedoria individual d~s
membros de classe.
.do" (433a). Afirma que ela satisfaz o argumento com que ele
oI1leçoua indagar das virtudes. A justiça é "o resto", na ci-
ade, depois de as outras três virtudes terem sido definidas,

•• Não causa surpresa, pois, que a coragem se transforrn


para significar a coragem dos soldados da cidade, já que só a
·resumivelmente por ser uma virtude não; identificável com
ualquer das outras três. O seu estatuto é superior ao das

••
coragem destes torna corajosa a cidade (429a-430c). Da ·utras porque, quando os membros de cada uma das classes
mesma maneira, é a temperança inerente às classes da azem o que lhes compete, os governantes .governam (sabia-
cidade, embora semelhante virtude requeira uma análise ente), os soldados preservam (corajosamente) a cidade e os

•• mais complexa (430d-432b). A sophrosunê, tema de Cármides


um dos primeiros diálogos de Platão, significa, antes de mais'
um hábito comportamental contido, deferente, um autodomj,
avradores e operários conseguem cumprira sua função res-
ectiva, deixando o resto para os guardiães. Em suma, se
odos forem, na cidade, politicamente justos, a cidade como

•• nio que se exterioriza, em sociedade, sob a forma de modés-


tia. Mas isto implica também autoconhecimento: é-se gentil
porque se é consciente das próprias insuficiências. Agora que
· m todo será sábia, corajosa e moderada. A justiça inclui
das as outras virtudes, embora não seja idêntica à soma das
· utras, porque tem uma definição distinta.

•• as virtudes mais simples levaram Sócrates a procurar as vir-


tudes, na estrutura de classes da cidade, já pode definir o
autodomínio como a dominação harmoniosa de uma classe
Está claro agora que Platão não confiou em vão no argu-
ento que abriu esta secção. As outras virtudes, que não a
iustiça, podem atribuir-se às diversas classes da cidade, quer

•• sobre as restantes. Como esta dominação é realizada harmo-


niosamente, as classes governadas pelos guardiães aceitam
'se reúnam quer não à bondade; quanto à justiça. a indicação
essencial de Platão a seu respeito pode aqui desligar-se do

.-•• de bom grado o seu governo.


Só a justiça fica por definir. Mas, mais do que procurar a
estrutura social que a sua análise omitiu, Sócrates anuncia
que a justiça, numa cidade perfeita, é o princípio segundo o
argumento para valer significativamente por si mesma: a jus-
,~iça não pode ser explicada pelas operações de uma classe,
; >;:~finstituiçãoou corpo social da comunidade. As abordagens
. ~l'·analíticas da justiça estão condenadas a' falhar quanto à
• qual ele e os seus interlocutores construíram a cidade, desig- ~"~t'~explicaçãodas suas origens, enquanto o inquiridor atentar

•• nadamente o princípio de cada qual ter uma tarefa peculiar


a cumprir e ter que cumprir uma única tarefa (432e-433a).
Esta definição desvia-se num aspecto de @, porque Sócrates
< ~i~.emalgo de inferior à comunidade no seu todo, como seja uma
",~::;acçãosocial que é inferior à cooperação de todas as partes da
! ·~Bcomunidade.A observacão aplica-se perfeitamente, sejam as
•• deixa de estar interessado na divisão das ocupações em
lavoura, fabrico de calçado e assim por diante. O efeito do car-
pinteiro fazendo sapatos é uma pequena ameaça ao bem-estar
i,_' 'J;?!.,'t
:~~Yirtudestrês
..
,;;~,recer o seu ponto de vista.
ou trinta; Platão limitou-se a quatro para escla-

; m;~; Mas agora é como se a irredutibilidade da justiça a qual-


•• da cidade, comparado com o efeito do carpinteiro ou do sapa-
teiro tentando governar (434a-b). As três classes da cidade
, ~;~~quer das classes da cidade tornasse irrelevante toda a estru-
.•~:l~tura de classes. Porquê delinear um quadro da sociedade

••
correspondem às três espécies maiores de funções que uma : ~;i~'estratificada,se as suas estratificações estão expressamente
r J~~~'

·i ~~ .•
98 .~q ~

••• ~.'

....••• 1
I PLATÃO E A REPÚBLICA A JUSTIÇA NA CIDADE
~~~-----------------------------------------
·irrelacionadas com a mais importante virtude da cidade? " . este sentido, as suas teorias políticas e éticas precisam de
IAqui, Platão tem uma resposta simples. A justiça não se pOd~ r, ao mesmo tempo, radicais e conservadoras.
·reduzir ao funcionamento de uma qualquer parte isolada da
.cidade, mas a sua função cooperativa requer, se está pre_
I sente, que as partes d~ cida~e sejam ~ef~id~s. A cooperação I ugestões de outras leituras
íocorre entre grupos identificados discriminadamenta na 't.~(
;cidade. Por isso, o objectivo implícito na divisão teórica da :; Crombie, An Examination of Plato's Doctrines, e Guthrie,
Ícidade feita por Platão foi sempre o de mostrar como as elas- " History of Greek Philosophy, são ambos úteis para a com-
Ises se encontram numa harmoniosa união.
1
':reensão desta secção da leitura. Sobre a crítica da poesia,
· Sócrates encerra esta passagem com dois argumentos er Belfiore, "Lies unlike the truth", Havelock, "Plato on
[mais, para a sua definição de justiça, os quais tentam adap_ ,oetry", e Tate, "Plato, Socrates and the myths". Annas,
itar. a explic.ação teórica às concepções comuns de justiça. Prí. ntroduction to Plato's Republic, e Nettleship, Lectures on the
;melro , subhnha que os casos de tribunal decididos justamente epubIic of Plato são particularmente esclarecedores sobre as
;são aqueles que atribuem a recompensa adequada a cada pes- .;efinições das virtudes e as relações entre as virtudes.
isoa. Esta adequação da recompensa não é mais do que um A esta altura da República, a maioria dos leitores terá
[exemplo da sua definição (433e-434a). Em seguida, argu, começado a acumular suspeitas sobre as tendências ditatori-
Imenta que, em virtude de o movimento entre classes destruir 'ais de Platão. Ninguém forçou esta acusação mais vigorosa-
Ia cidade, e dado que o maior mal que se pode cometer contra mente do que Popper, The Open Society and lts Enemies, que
;a cidade é a injustiça, a mobilidade social constitui, por força, chama a Platão o precursor dos modernos Estados totali-
luma injustiça (434a-c). Uma das premissas cruciais deste bri- :'tários. Com respostas a Popper, ver Bambrough, Plato, Pop-
Ihante e breve argumento é o pressuposto de que a injustiça .per, and Politics e Robinson, "Dr. Popper's defence of demo-
;é o maior mal que se pode cometer contra a cidade; penso eu 'icracy".
'~ue se trata de uma crença popularmente sustentada. Não
uer isto dizer que ele esteja para justificar os preconceitos
os seus congéneres atenienses; ninguém o poderá acusar de
~er erigido a estrutura teórica da República apenas para con-

t mar a verdade das crenças dos seus contemporâneos. Mas


filósofo que se debruça no exame de conceitos éticos e polí-
· icos não está pura e simplesmente livre para os redefinir.
Por mais estranha que se afigurasse quando Platão a defi-
'u, esta justiça tem de reter alguma relação com a justiça
al como é comummente concebida, pois, caso contrário, os in-
~ rlocutores de Sócrates queixar-se-ão de que esta condição
~a cidade pode ser útil e estável, mas de forma alguma justa.
! Platão mantém a atitude de equilíbrio com que começou o
!Livro L Quer desafiar e mudar a concepção de justiça dos
~eus leitores, em ordem a produzir um mundo mais perfeito,
mas quer também neles preservar a submissão à justiça o
ruficiente para não destruir o mundo tal como se encontra.

101
.'•
f '/1

M
:L;
I,:
r ,-~
J t!
~~~
t
!
~1
I' 5
•• Ii '~
:,
I1 A JUSTIÇA NA ALMA

•• I'u ~ (LIVRO IV)

•••
~ li
.li!.~~
-

:,!:li
li,

,.,.
•• !
I' __
I~ ,.
As últimas onze páginas do Livro IV (434d-445e) trazem
:-;'~' Sócrates, das suas cogitações sobre a cidade bem gizada, ao
}'~ assunto para cuja explicação Gláucon e Adimanto o tinham
!~
'. ~lli,' .
'l'~~desafiado, a saber, a justiça tal como surge na alma. Esta sec-

••• :;~Fção começa pelas respostas às perguntas que iniciaram o diá-


i :i;. logo, e~bora muitas vezes com alusões a outras questões
,o. 'l~r imprevistas.


•••
;[i
.iif A justiça
:~:
na alma (434d-445e)

i~t Aqui, como numa quantidade de passagens da República,


••••
o duplo argumento do diálogo pode ser desorientador. A lin-
~~- guagem de Sócrates sugere, por vezes, que a justiça na cidade
serve apenas para iluminar a justiça na alma individual; nou-

•••• !'
:,-~{,
tras alturas, fala como se a cidade fosse sempre o tema. Esta
dupla abordagem é, de facto, um dos méritos da República,
.;.t~:~ porque mostra que Platão leva a sério ambos os assuntos. Se
H:l-

•••• o diálogo não passasse de um argumento, am pliado por ana-


~ logia, veríamos aqui Platão a transferir mecanicamente o que

~I' diz acerca da cidade para a alma individual. Em contrapar-

,. • "t tida, sublinha que a análise política tem de funcionar, no


.'~': tocante à alma, sobre sólidas bases psicológicas. Se não for

•• i.I
I'
St assim, diz Sócrates, terão de regressar à cidade para rever o
t~ inventário das suas virtudes (434d-435a). .Ao menos em teo-
~; ria, a analogia, no que se refere à cidade, só,é eficaz para suge-
.ta I:.. ",;, rir como na alma se há-de procurar a justiça.

•••• r-
r-
(
::i
~:
103

••••
I.:
1;:

L
~
PLATÃü .E A REPÚBLICA A JUSTIÇA NA ALMA
'"
~
---------- .:~.

",~
tiII
1
,J..
j
Sócrates pretende justificar-se de transpor o estudo d'
I política da cidade para a política da alma, dizendo qUe a
,cidade deve as suas virtudes às virtudes dos cidadãos (435ba
'., ecisão será então a melhor abordagem. Talvez seja
pr sitado usar, como substituto, "personalidade" ou "carác-
opo , d -' d
" que mau grado determma as conotaçoes m esejaveis,
., .
••
til
I d). ~ sabedoria dos go~ernan.tes torna sábia a cidade; Signi:
ifica Isto que a sabedorIa da cidade se assemelha à sabedor'
~humana que a produziu. (Mais do que qualquer outra, es~a
,
o 'suficientemente amplas para poderem servir. "Pers~nali-
de" livra-nos também de pensar n~ al~a e.?quant~ imor- •••••
••••
1. Embora Platão pense .que .ass~~ e, nao precis a da

•.
!p~ssag~m. sugere que, para Platão, as virtudes individuai:t "ortalidade para a sua teoria psicológica.
:s~o mais Im?Ortantes do que as políticas.) Mas, se qualqUer :: , O argumento começa pela observação de que as almas são
~~rtude da cidade tem a partilhar mais do que o nome Com ' ~bitadas pelo conflito:
virtude pessoal, os dois exemplos ,de virtude têm també~' '

:uma profunda semelhança mútua. E necessário algo na alm


que corresponda às divisões da cidade - não quanto aos cid ~
~~os individuais: já ~ue estes mal têm lugar na descrição qu:
l. O conflito na alma implica diferentes partes que
mutuamente se opõem (436b-438a).
2. O desejo é contrariado pela parte ponderante da

•••
Socrates faz da justiça, mas quanto às classes, cuja interac_ alma (438a-439d). •••
ção faz funcionar, melhor ou pior, a cidade. A extensão do
firgum,ento ~ue se segue (436b-441c) intenta mostrar que a
alma e suficíentemonn, complexa para suportar a analogia. ..
3. O ânimo é diferente tanto do desejo como da parte
ponderante (43ge-441c).
4. De (1), (2) e (3) deduz-se que as partes da alma são
••••
I

Partes da alma (436b-441c)


idênticas em número e em função às partes da
:•..•••
•.i,"
cidade (441c).
,
.. 5. A virtude na pessoa individual estrutura-se da mes-
I ?.argumento nuclear desta secção expõe uma teoria psi-
cológica segundo a qual a alma tem três partes, ou faculda-
des, ou tipos de motivação. Todas as palavras são aqui impre-
ma maneira que a virtude na cidade (441c-442d).

~,: À semelhança de Freud, PIa tão vê ao mesmo tempo o con-


••• :
91sas. Naturalmente, uma alma não pode ter partes no
mesmo sentido que uma porção de terreno ou uma extensão
1~ tempo. Mas "parte" é um termo suficientemente vago para
nao pressupor uma interpretação literal. Por seu lado Pla-
.flito interior como o mais intrínseco e importante facto da
::;existência humana e como o fenómeno mais revelador da
~estrutura da personalidade. O que Platão chama injustiça,
:,aproximadamente o que Freud chama neurose - o que ambos
,-- •••••
f!

tão ~a~e_cede~interessar-se claramente de saber que es~écies \consideram a miséria suprema -, é a perda debilitante de
de divisões sejam essas partes da alma; a esse respeito, asse-
:telha-se a Freud que, na mai~ria das. suas explicações, sobre
a topografia da alma, nada dIZ daquilo que é e onde está o
,:'ontrolo que se segue quando a pessoa se sente simu1t~~ea-
mente inclinada a aceitar e a recusar, a amar e a rejeitar
, ,,(437b). Daí que o fenómeno precise de ser estudado. Ora, tanto
••••
s~perego. Se quiser um sentido de "parte" que torne mais in- , I~\ Platão como Freud observam as almas em malfuncionamento
••
.-
t ,ligível a teoria de Pia tão, faça o leitor a analogia com as . ~-~):
. .
" <::" para aprender como deve trabalhar o mecamsmo. ,
partes de um automóvel, enquanto elementos que devem 'i: .;'ih'i Platão começa pela premissa de que, quando uma COIsa ~
jdgar em conjunto para pôr a funcionar a unidade superior. :;j'" éxecuta à uma dois actos diferentes, deve conter mais do que
O~uer:t~o, veja-se a semelhança com as partes de uma peça
d amatIca, com os seus papéis confiados aos actores. Em
~':~r~~ uma parte (436b-437a). A alma executa dois actos diferentes
~
.,'~':,;quando ao mesmo tempo se move em direcção a um objecto
qualquer caso, a própria alma é uma entidade inteiramente . Ai, e dele se resguarda (437a-438a). Sócrates argumenta demo-
~
ImpreCIsa, sobretudo nas modernas sociedades seculares , e a

E".",
, :&i: radamente (438a-439a) que os desejos são, por si mesmos,
:~,--t··

104
105

•••••
•• PLATÃO E A REPÚBLICA
--------
impulsos cegos, e não os tipos de propensões que, de algu
---------------------~---------
A JUSTIÇA NA ALMA

".rIiI maneira, se regulam a si mesmas. Portanto, o impulso a llla


,:.
,ser maltratado nem sempre me estimulará a intervir,
'. e tudo se me afecta o risco que posso correr. Mas se. fico

••••
br '
beber de uma pessoa sedenta, quando o fornecimento de á;!o do com o malfeitor, posso muito bem esquecer o perigo e
tem de ser racionalizado, não é um desejo que se asselllelha estiro
ao desejo de beber. Tem de ser a faculdade da razão que aco e ;:Algumas variedades de vergonha têm igualmente raí:es

•• selha a não beber, quando a sede reclama a bebida (439c-d~-


O debate de quem se encontra em regime de dieta sobre s'
há-de ou não tomar outra porção de comida, a batalha d:
", ta parte da alma. Sentir-se envergonhado de t.er re~aIdo
Stabaco, após dois meses de abstinência, é sentir-se irado

••••• guarda nocturno para se manter desperto e a luta do celiba_


tário contra a concupiscência, todos exemplificam o conflito,
entre razão e desejo. A razão retrai o desejo às vezes Por
'a própria fraqueza. Assim, a inclinação para a ira, se ad~-
adamente adestrada, pode servir de poder?saener~ia
tivacional na vida ética. Ao introduzir o ânimo naquilo

••
e de outra forma, seria simples dualismo entre razão e
causa daquilo que chamamos motivos morais (como, porven_ es~jo, Platão oferece ao impulso racional um~ estratégia de
tura, no caso do celibatário), às vezes (como no caso de quem nrn comportamento. Uma vez adestrada, a ira pode faz~r

,.•
está sujeito à dieta) por causa dos motivos de prudência. Sem_" •'ler a lei moral no interior da alma do indivíduo, pois
a
pre, porém, a razão parece ser a parte da alma mais apro-' . renta em força os apetites.
priada e mais inclinada a cuidar do bem-estar da pessoa inte-

'" gral. Não é mais um impulso entre muitos, mas a parte da


alma mercê da qual decido entre dois desejos, em lugar de
ustiça platónica e justiça ordinária (441c-445e)

•• ser simplesmente por eles arrastado à toa. Platão não visa


simplesmente os casos de aceitação ou rejeição de um objecto,
mas os casos em que as duas motivações são qualitativa-
, Dada esta grande semelhança entre a estrutura de elas-
s da cidade ideal e a estrutura motivacional da alma, Sócra-

•• mente diferentes.
Neste quadro simplificado do conflito, Platão introduz o
s reivindica a justificação para a aplicação das definições
a virtude de um domínio ao outro. A alma é sábia quando
própria razão governa, é corajosa quando a sua parte

•• que ele chama "ânimo" (thumós), distinto tanto da razão como


do desejo, embora com mais simpatia pelo primeiro. Os exem-
plos de thumós dados por Sócrates (440a-c) fazem sentido
otada de ânimo actua valorosamente (441c-e), é moderada
uando todas as três partes aceitam o governo da faculdade
onderante (442c-d). Ajustiça, como suprema e omnipresente

••• quando reconstituído como ira, na medida em que a ira chega


a emparceirar com sentimentos complexos, como ambição e a
competitividade, e as emoções morais, como indignação e a
irtude, consiste, pois, em cada parte executar a tarefa com-
etente (441d-e). A sua essência é a unidade: a justiça faz "de
uitos , um só" (443e). No fim de contas, Sócrates, .na polé-

•• sede de vingança. Estas emoções comprometem o discerni-


mento, para além do bruto sentimento de ira. Não é possível
sentir-se indignado sem julgar que alguém se atreveu a faze.r
ica com Trasímaco, tinha razão em ter chamado à Justiça a
irtude da alma [@]. Tinha também razão em ver na justiça
.

•• qualquer coisa de errado: na ausência deste juízo, o sentI-


espírito de restrição [G)] e de cooperação [Q)1, embora Tra-
, ímaco zombasse dessas ideias.
mento deixa de ser indignação para ser um rubor na face. .:~. Se a alma é como Platão a descreve, apenas funcionará
Estar em ira significa produzir algum pensamento.

•• < ~~orrectamente por meio da direcção da sua função po?d~ra-


Deste modo, o ânimo manifesta traços de ambas as outras : :g:;,dorae da expressão bem adestrada da sua parte psiquica.
partes da alma. Pode ir em auxílio da razão, pois a ira e a
•.!~,:Quemquer que tenha a experiência de conflitos interiores

•••
competitividade são capazes de tornar uma pessoa mais apta
~;concordará que, sem estes, a existência é mais agradável.
a agir conforme a razão manda. O juízo frio de alguém estar
:~'Ora, uma vez que é a parte ponderadoraque reconhece os

••
~-.

106 , ;'1'
...~. ~~. 107

.JM • ""'1
A JUSTIÇA NA ALMA
PLATÃO E A REPÚBLICA
~i mesmo tempo, não deixou as coisas como estavam.
preceitos da moralidade, o seu governo no interior da a] :'
produzirá acções afinadas pelos rigores da ética. AssimlQa;; atiça na cidade perfeita, diz Sócrates, aparece agora na
alma que melhor funciona por natureza será também a m' .8.'; , ~erdadeira luz como "um fantasma de justi~a" ~44~c),
bem comportada: a alma justa é a alma feliz. Os factos cí a.1tli: , aproximação do objecto genuíno. A verdadeira justiça
tíficos relativos à psicologia humana fornecem o fundarne~~'. a às partes da alma, o preceito de ocupar cada qual 0\
da moralidade. :.: ~~sto "ao que está dentro" (443c-e). Aqueles que têm alma i
Até aqui (442d) Sócrates argumentou que a alma be :: ao comportarem-se de acordo com as normas conven-
organizada, à qual chama justa, por analogia com a cidai:;. nais da justiça, fazem-no não por adesão cega às normas
justa~ é ~ .alma saudável. ~as quando Gláucon e Adimanto~:i porque esse comportamento ajuda a preservar a ordem
4
ao principio, desafiaram Socrates a demonstrar que o horne:, suas almas.
justo pode ser feliz não obstante os infortúnios, queriam ref:'~- 'Sócrates insiste nesta última asserção (444a-e). As acções 4
rir-se a alguém que fosse justo no sentido ordinário do termo;~ 'tas são sintomas da justiça na alma e suas causas con- t
alguém que praticasse acções convencionalmente considera:;::
das justas. A justiça que emergiu do processo definitório dei;'
Sócrates consiste num equilíbrio de poder entre as partes da~,
rgentes, enquanto as acções injustas são sinto~a~ e_ca~sas
injustiça. Uma pessoa que tenha uma constituição inte-
or dissoluta, própria do injusto, cederá a todos os impulsos ,,
6

alma. Mesmo supondo que alguém cuja alma esteja naquela ~


condição goze melhor a vida do que alguém que esteja em con-t
cometerá toda a casta de delitos vergonhosos, os quais irão,
'Il1 o hábito, encorajar os elementos desregrados

ixando a razão ainda mais debilitada. As acções justas e


da alma,
,,
,,
fusão psíquica, que beneficio traz isso a quem obedece às nor-t
mas legais e morais?,~ justas, sobre cuja espécie Gláucon e Adimanto puseram
Sócrates desmonta as semelhanças entre justiça tal comoÉ. estões, são ainda, por isso, relevantes para esta discussão
a definiu e aquela sobre a qual o questionaram os irmãos .'~ bre a justiça, mas no sentido secundário, tal como os sin-
para lhes assegurar que respondera ao desafio proposto. Ime:~
diatamente após dar esta segurança, muda na direcção con-:,
trária, para realçar a diferença entre a justiça segundo a ' ,
mas
oença:
ndo e
são relevantes, para a discussão à volta de uma
eles denunciam a existência de um problema mais
podem exacerbá-lo sem que, porém, se identifiquem
,,'I
, noção quotidiana e a nova justiça por ele definida. Se a socie- com ele. (Ver pp. 118-123, para mais comentários ao tema.)
, dade existente tem tropeçado confusamente em algumas ver-
I dades relativas ao modo de viver, não quer isso dizer, por si
só, que tenha compreendido a importância dessas verdades.
: Tendo
~enfrentar
definido
a segunda
a justiça e a injustiça, Sócrates precisa de
parte do repto dos irmãos, concreta-
}ilente mostrar que a justiça, por si, mesmo sem as recom-
••
"

Sócrates aproxima as duas concepções de justiça, ao exa- ipensas sociais, beneficia o justo (444e-445a). Para provar a
••
, minar a nova definição, como ele diz, "à luz dos padrões cor-
, rentes" (442e). As pessoas dotadas de alma justa serão
verosimilmente as últimas a desviar dinheiro, a roubar os
;,superioridade da justiça, Sócrates examina todas as espécies
.de injustiça susceptíveis de serem atribuídas a almas e cida-
des e argumenta em cada caso que O vício conduz natural-
••
templos, a trair os amigos, a quebrar o juramento, a cometer
qualquer impiedade, como seja adultério ou negligência filial
, (442e-443a). Tais feitos são perpetrados por aqueles cujaS
, ente à miséria ou, pelo menos, a uma felicidade menor do
(que o faz a virtude (445a-c). O final do Livro IV (445c-e)
;encontra Sócrates prestes a estabelecer a lista de cinco regi-
••
almas correspondem a um padrão menos ordenado (442e, , 'Jt;~tnespolíticos e as cinco almas correspondentes, partindo .da

z.(,.
443a). Portanto, a causa do comportamento convencional- , ";~Jorma mais perfeita de cada uma, descendo pelas categonas
~I
: mente justo é o ordenamento político no interior da alma ::~~'de malícia, até às almas e cidades mais imperfeitas.
, (443b). Sócrates, no fim de contas, não chega a sair do tema. J~ i
i

. ~~i~'
I
'108 d l~ l,•
. ,~(
'~
4~

I
PLATÃO li: A REPÚBLICA A ,JUSTIÇA NA ALMA

,.
----------------------------

••
ríiIIi
Discussão complementar

A psicologia de PIa tão ganha em familiaridade pela SUa.


'gundo- Temos então um conflito nesta pessoa, sexualmente
citada e sequiosa, entre o querer e o não-querer, entre o
raçar e o recusar, exactamente a espécie de ambivalência

•.-
semelhança prima facie com a de Freud; é também a descri_ , e Sócrates adopta para caracterizar os conflitos eticamente
ção da alma que se esperava de PIatão, tendo a razão, a facn], levantes- Mas, se o conflito entre a sede e o desejo sexual
dade perenemente favorita do filósofo, por disciplinadora dos um conflito legítimo, exige uma divisão ulterior, no íntimo

• desejos mais vulgares. Mas, como esta secção contém o ful- li alma da pessoa em conflito, Nesse caso, a saca de farra-
cro da resposta de Sócrates a Gláucon e Adimanto, merece a. ,. .OS do "desejo" divide-se numa turba de apetites mais espe-
Iít- ,:~l~íficos, correspondendo cada qual a uma parte da alma, que
,.-
pena tentar decifrar com maior extensão algumas das pas-
sagens destas páginas que mais têm apoquentado estudiosos ";~íoJlla mais ou menos o seguinte aspecto:
e estudantes .

•• razão


JII
o que é o desejo?

Esta parte da alma surpreende provavelmente o leitor


ânimo
fome
sede
JI) pela sua transparência, dado que o desejo faz parte da expe- desejo sexual
riência comum. O problema é que uma vez afastados dos sono
111-
••• exemplos da fome e do prazer, os quais convocam os compe-
tidores para discussões filosóficas acerca dos desejos, ficamos
menos seguros a respeito do que se deve considerar desejo.
Na medida em que este tende a tornar-se cada vez mais obs-
.:?~~~.
.;. ti;;;":
cupidez (580e)
fascinação mórbida

: ~ ..' (Tomo este último desejo da história de Leôncio, em 440a.

•• curo, é mais difícil identificar-lhe as características. Se Pla-


, 'Ir-"
: J:lIP facto de o cadáver e o carrasco ficarem fora das muralhas

.•
tão dá a esta parte da alma demasiada complexidade, não : ~Ja cidade sugere um tabu que rodeia a execução dos cri mino-

•• -
pode estabelecer a distinção nítida que necessita entre um
desejo e a previsão de que este deve ser reprimido. Se, por
outro lado, faz a terceira parte da alma demasiado simples,
"r~os; assim, a ânsia de Leôncio por olhar tem a qualidade mór-
::~?ida das violações dos tabus relativos à morte.) O "desejo"
i ~omeça a ter o aspecto do termo abrangente, à mercê do pen-

••
4-
se o desejo acaba por ter um aspecto demasiado animalesco,
então a palavra "desejo" apenas funcionará para descrever a
fome ou a sede, e não todos os outros desejos que precisam
: f ,'ador preguiçoso quanto a várias outras motivações, de entre

<: WtJsquais duas podem entrar em conflito.


.: ~r Platão reconhece. a mu1tiplici~ade dos de~ejos,_No Livro

•• de se enquadrar nesta espaçosa categoria.


O problema levanta-se, em primeiro lugar, por causa do
uso que Platão faz do conflito interior, para demonstrar a
~, chama aos apetites "chusma' e "enxame', e a alma, na
""~tl'

,~qual eles correm livremente, "anárquica" (ver 573e-575a).


, ' ~latão sugere que a teoria psicológica completa pode ser mais

.-.-
• complexidade da alma. Suponha-se que, em vez dos exemplos
que ele escolheu, Sócrates tinha retratado alguém que fosse
simultaneamente sequioso e libidinoso. Numa tal pessoa =
apetites estender-se-iam ao mesmo tempo (como Pia tão pod1l1
.: qômplicada do que a análise demonstrou, quando Sócrates
: Issere que podem existir "algumas partes entre" as três que
, ': ,escobriu (443d). E, no entanto, esta multiplicação de enti-
'.~~~des psíquicas ameaça destruir a teoria de Platão. A analo-

•.- propor) em duas direcções. Visto que buscar e beber ~~~


fresca é ordinariamente incompatível com buscar a sa~lS
ção sexual, pode dizer-se que o primeiro implica a negaçao
:0 , . ,~a entre cidade e alma perde-se; pior, a conclusão primária
:esta secção fica sem continuação. Pois, se todos os conflitos
-'.\' ;:correm ao mesmo tem po, não existe nada de especial no
f<•.
II- i
, '
~) ·~i
~.

M l
,I
,: llO III

"-
Jj-
li ••••••
,- A JUSTIÇA NA ALMA

=••
~P~L~A~T~Ã~O~E~A~R~E=l~)~Ú~B~L_IC~~ ~ ~ ..
t.1

conflito entre a razão e um qualquer apetite. As exigências:~ ,:.directamente se atacam um ao outro. Mas se escolho entre
da razão vão endossadas às exigências da fome. A alma asse_:.~ ;;.comer e apertar a minha dieta, fico apanhado entre duas
melha-se a uma democracia, com funcionários não eleitos, em.~
que a política se transformou numa competição entre todos
os impulsos, para ver quem fica na posição vencedora. Tmpa.;;.
t
~ espécies de motivação, uma das quais considera factores que
~,'a outra, devido à sua natureza não deliberativa, é incapaz de
:,entender.
••
ciente por mostrar que os múltiplos desejos da alma parti_
lham uma certa propriedade essencial, e também para dis.'~.
tinguir, da voz da razão, as exigências daqueles, Sócrates"
r '. A cidade platónica oferece uma comparação útil. Apesar
}>deos governantes e auxiliares terem cada qual de desempe-
:i"nhar a sua tarefa, a larga classe que Sócrates chama "os

'.'.
argumenta que lhes faltam alguns meios para se qualifica .. ~ :.governados" soma uma multiplicidade de profissões. Os cons-
rem, excepto a sua escolha do objecto:

Ter sede, por si mesmo, nunca será um desejo de


. ~;trutores navais, lavradores, músicos, barbeiros e médicos,
: dificilmente fazem os mesmos trabalhos. Apenas podemos
::especificar a natureza da obra deste terceiro estado, identifi-
••
algo diferente daquilo de que naturalmente é o i.. cando o que ele não faz: os membros desta classe trabalham fíIII
desejo - por bebida só - e, de modo semelhante, ;, para metas privadas, não-políticas. Assim é também na alma:
ter fome será o desejo de comida. (437e). ~
.•por muito divergentes que sejam, porventura, os apetites,

Assim, uma espécie particular de sede é tal por


uma espécie particular de bebida, mas a própria ;'.
';,assemelham-se mutuamente na sua indiferença pela pessoa
total. Não é que sejam necessariamente mais estúpidos do
que a razão: o que são é descuidados dos interesses da razão.
••••
sede não é por muito nem por pouco, nem por bom ri
nem por mau nem, numa palavra, por qualquer
espécie particular, mas a sede em si mesma é natu-
ralmente só por bebida. (439a).
',.Esta merece governar porque "é sábia e tem a providência
sobre toda a alma" (441e); como tal, só ela considera a ques-
tão de como um dado desejo ou satisfação vai afectar a pes-
.soa. Os apetites não sabem mais como governar a alma do o:"
,.:
-.•.
"-
:;. que o médico como regular a polícia pública. Todos os dese-
Se a sede por si mesma pudesse discriminar entre as bebi-
das capazes de a extinguir e as que só dão ainda mais sede,
°
jos, portanto, sejam vagos ou específicos, naturais ou perver-
sos, coincidem no seu desinteresse pelo bem da pessoa. Dese- •••
ou entre uma quantidade de bebida capaz de satisfazer :'ti jar um objecto é não simplesmente persegui-Ia, mas perseguir •••
corpo e uma quantidade que transforme a sede em cólicas, <:' tacteando.
então esta reprimir-se-ia a si mesma. Escusado será dizer, a ~;; . Este quadro dos "bai~os" imp~l~os é s~ficienteme~t~ fami-
razão não teria que fazer - perder-se-ia qualquer sentido de ~~:r'liar. Na verdade, demasiado familiar. POISse a descrição pla-
••O".,
, I

conflito entre a razão e a sede. Para esclarecer este conflito, , ,~,'.;:tónica da alma se presta a uma interpretação do desejo derna-
Sócrates despoja a sede de qualquer poder de juízo ou deli- i~" siado desdenhosa, relativamente
beração. Então, quando a razão entra em conflito com um
apetite, fá-lo de uma forma que não pode ter comparação com
ao tipo de motivação
humana, a mesma descrição ameaça falhar como teoria psi-
cológica. Platão não pensa normalmente que todos os apetites
,~

-.••
.,.•
l
o conflito entre dois apetites. Se tiver de escolher entre ~s sejam abjectos, maus e sensuais. No entanto, anda por vezes
desejos, acidentalmente incompatíveis, de comer e de dornllf• muito perto disso. Ora, esta simplificação extrema tem duas "
então sigo directamente o meu desejo mais forte. O exemplo consequências negativas. Em primeiro lugar, faz um mistério I.
filosófico do burro de Buridano, colocado equidistantemente da preferência de Pia tão pela harmonia da alma, uma prefe- --4
I.
entre a água e o feno e paralisado pela indecisão, descreve .' rência em que se baseia a sua teoria ética. Depois, exclui -(4
um caso de desejos incompatíveis, mas não dois desejos que demasiados outros motivos, que ficam sem espaço na alma. I.
-rc.l
I.

113 ~
112
>Âl.
"i~
••
PLATÃO E A REP(lBL!CA
-----------------------
--
Em 431a-b, ao examinar as virtudes da cidade, Sócrate
_--- A--=-J::.-u::.-s'.=-rr::.2ç~A

.Assim, a amizade e a compaixão, sendo, sem dúvida, desejos,


NA ALMA

••
fala da temperança como uma espécie de autodomínio: "A e){~ 'não pertencem nem à razão nem ao ânimo.
pressão 'mais forte do que ele próprio' usa-se quando aqui! ,_ Em si mesmo isto não constitui acusação contra a teoria.
que é melhor por natureza domina sobre o que é pior." Esta Mas recorde-se o grau de animalidade que os desejos têm de

•• "algo de pior" refere-se aos desejos da pessoa (ver 431c_d)e


mesmo apesar de Sócrates não ter ainda esboçado a sua teo~
ria psicológica. Ora, é surpreendente que, no conjunto, o Livro
.atingir para ficarem irremediavelmente separados da razão
e do ânimo. O apetite tacteia em busca do seu objecto. Em
;que medida é perfeita a caracterização da compaixão que uma

•• IV se coíba de chamar aos apetites a parte pior da alma. Eles


formam decerto a parte inferior (443d), a parte destinada a
ser escrava da razão (444b), mas não uma parte contendo
.tal descrição apresenta (já para pôr de parte o caso mais com-
plexo da amizade)? A autocomplacência pode estar presente
numa grande compaixão: esta ignora decerto o bem do com-

•• objectivos intrinsecamente imorais. A imoralidade não brota


da existência dos desejos, já que muitos deles são necessários
à vida, mas da usurpação que fazem do governo que compete
;padecente. Entretanto, o mecanismo da sede e do sono difi-
'cilmente abrange um sentimento como a compaixão, que não
promete proveito pessoal nem ameaça subverter revolucio-

•• à razão (443d, 444b).


Esta é a visão benigna de Platão. Às vezes, porém, a sua
,nariamente o regime da alma.
.; Quer dizer que, para Platão, a amizade e a compaixão têm

••
linguagem denuncia uma atitude mais condenatória para com de ser associadas às classes desgraçadas da· fome e da devas-
os apetites. Na passagem supracitada, Sócrates chama-Ihes sidão. Muito mais contundente seria a crítica da teoria plató-
piores do que outras partes. Nesse caso, a vida perfeita não nica, se não houvesse em absoluto lugar para estes motivos.

•• requereria a mútua harmonia das três partes da alma como


impulsos individualmente válidos, coordenados para produzir
um bem maior (443d-e; cf. 589a-b), mas a supressão constante
Sem estes, a teoria falha enquanto descrição do comporta-
mento humano; com eles o significado do "desejo" alarga-se
té à raia da vacuidade.

••• e inflexível daquilo que, naquelas partes, é o pior. Embora


Platão não queira admitir tal ideia, nem sempre se dá ao tra-
balho de se distanciar dela.
Tem a justiça platónica
uma característica
'ou é
um conteúdo ético
meramente formal da alma?

•••• Também a interpretação animalesca do desejo ameaça a


plausibilidade da teoria de Platão. Considerem-se exemplos
de conflito que Sócrates nunca descreve. A amizade pode coli-
. Uma grande vantagem da ética orientada por regras é a
.clareza do seu conteúdo. As injunções "não roubeis" e "pagai

•••• dir com a cólera; a amizade entra em conflito com a razão


quando um amigo infringe uma lei grave, e nos sentimos
simultaneamente pressionados a apoiar o amigo e vinculados
.;:,asVossas dívidas", apesar de triviais, prescrevem, ao menos,
.J,ummodo de vida diferente da sua alternativa. Até que ponto

••..- ao acatamento da lei. Qual é o lugar da amizade na alma?


A compaixão é um exemplo ainda mais insistente, visto que
:podemos dizer o mesmo da ética platónica? Será que a visão
.:iiéticadesenvolvida neste passo dá aos leitores um guia de vida
!(ou apenas frases bem sonantes, mas absolutamente incapa-

•.-
é repetidamente referido na República: Sócrates fala por vezes 'lzes de justificar as acções?
dela como de um motivo adequado aos bons efeitos (516c, ): . Do argumento de Sócrates aprendemos que a justiça sig-
606b-c). A compaixão, portanto, é necessariamente um ge- :;nlfica o funcionamento cooperativo de todas as partes da

•••
nuíno impulso humano. Também ela se pode envolver em con- ,:~lrna. Isto soa a algo de muito próximo do amoral: dizer que
flito com a razão, como quando alguém se compadece do pa- ta,. r~zao
- governa é dizer pouco mais que o seguinte:' a pessoa
ciente sofredor que tem de ser submetido a tratamento :r~:cl.de o q~e fazer e, c~n.sequentemente, fá-lo. Há, sem
;t- doloroso; pode colidir com o ânimo no campo de batalha. ,1 UVlda, muita gente que e Incapaz de tal. Mas, mesmo que


-.-
~
114 115
"
••
,

'PLATÃO E A REPÚBLICA
1 _ A JUSTIÇA NA ALMA

'a definição socrática de justiça nos deixe com um pequeno


I
[número de pessoas justas, o que nos diz acerca de como elas
!se hão-de comportar é quase nada. Acabará o sistema de Pls,
.tão por ser inoperante, quanto a distinguir o certo do errado?
I A resposta dependerá do que exactamente faz a razão,
i sua
4ue
influência. A minha razão tem por função decidir em
medid~ e quando é que a ira serve ~elhor a ord~m da
alma. Por ISSO, nem tudo o que ela decide fazer sera uma
'~decisão justa, A justiça platónica implica um nível de auto-
\regulação que nem todos os modos de vida manifestarão.
'.~
.,

1.
. ••

•/.
iquando exerce o governo da alma. Como é que a parte pon, ~NãOse trata de não ter emoções ou apetites, mas antes de
deradora da alma delibera sobre o que é justo? Se não encara iirnpedir que subjuguem a nossa capacidade de chegar a
'outros limites além da definição de justiça, como já vimos, 'decisões sensatas.
[então temos aparentemente de nos confrontar com uma con, Mas a razão carece ainda de um mandato que pode limi-
••
'.••••
lclusão absurda. Se sou pla tonicamente justo em virtude de a :tar-Ihe a escolha ulterior da acção. Como sentinela das outras
'parte não-racional da minha alma servir a minha razão, tudo 'motivações psíquicas, a razão pode, se o achar, conceder um
:0 que eu decidir fazer será, então, ipso facto, uma acção justa, 'papel mais importante aos apetites ou, em nome da sobrie-
'O que a torna justa é a forma como o meu ânimo e os meus ,:dade, negar-lho totalmente, como condição de manter o con-
:apetites se concertam e fazem o que lhes foi ordenado, não :trolo sobre a alma. De certa forma esta é uma visão agradá-
'importa aquilo que as minhas deliberações me levem a fazer,
A justiça, portanto, parece ser uma função do que sucede
; vel: a razão aceita todas as manifestações humanas como
"iegítimas e dá-nos instruções para que consideremos os seus ••
após eu ter deliberado. Ficamos sem informação sobre o que
'vêm a ser as minhas próprias deliberações.
, Esta maneira de pôr o problema mostra já que a justiça
efeitos a longo prazo sobre a pessoa. Quem quiser, porém, um
.determinado rumo de acção pode sentir-se frustrado pela teo- •
••
••
ria formal, (E bem se pode suspeitar que Platão não é, na rea-
iplatõníca tem algum conteúdo. Quanto à alma, não só tem .lidade, tão aberto de espírito como deixa entender.) Há aqui
de permanecer ordenada, em consequência de a razão emi- ".um problema real: o quadro platónico da vida justa perma-
tir as suas ordens, mas deve permanecer ordenada em oir- . nece vazio, porque fixa toda a função de ética no adminis-
tude dessas ordens. Sendo a razão a parte pensante a favor i trador da alma, sem dar a esse administrador qualquer outra
••
:da totalidade da alma e querendo manter a própria autori-
dade, pondera as acções, os hábitos e as ocupações possíveis,
com vista a determinar quais preservarão melhor o equilí-
, meta, excepto a administração. Intrinsecamente vazia, a
razão dirige na alma o tráfego das outras motivações, mas ca-
. rece de objectivos peculiares que ela privilegia acima de todas
•••
'brio da alma. Ainda que condescender uma vez com o tabaco
não seja errado, eu preferiria abster-me se suspeitasse que
as outras exigências em seu favor.
Veremos mais tarde que esta não é a única concepção da ••••
[uma única condescendência me levaria a pedir mais, isto é,
que o meu apetite poderia subsequentemente gritar mais
alto por um segundo cigarro e, depois, um terceiro, até por
fim a razão perder o controlo, O acto justo seria a negaçãO
razão apresentada na República. O que sobressai é que a
razão não só governa a alma devido ao conhecimento que tem
da alma, no seu todo, mas também que tem os seus próprios
desejos que acabam por ser, previsivelmente, orientados para
••••
'do acto, porque este acto é o que mantém melhor a ordem a verdade filosófica. Assim como os guardiães da cidade, no fi'
da alma. De modo semelhante, se a minha paciência é pro-
vocada, a minha faculdade ponderadora tem de decidir se
dar livre curso à ira será a forma de acção mais sábia. Se
Livro V, acabam por ser filósofos, o tempo divide-se-lhes entre
a governação e a investigação metafísica, assim também a
.razão, o análogo daquela classe quanto à alma, desempenha
,.'f'
fi!!'

suprimo sempre a minha ira, corro o risco de amortecer esta dois papéis diferentes, a bem da vida pessoal.
emoção até ela deixar de me ser útil. Se perco a paciência à
[mais leve provocação, corro o risco de ceder indevidamente
Na perspectiva oferecida no Livro IV, a razão avalia e clas-
sifica as opções acessíveis a uma pessoa. Contudo, na pers-
8
~
~
116 117
.~
•.....A .
•••
A
••• PLATÃO E A REPVBLICA JUSTIÇA NA ALMA

pectiva da sua manifestação, a razão contempla a verd d


--- 4. a justiça, por si mesma, na alma, torna o justo mais
aee

•••
. r. feliz do que o injusto.
orgamza a alma de rorma a tornar ". a contemplação aces sIvel
-
à pesso~. A se~n da perspectiva ld~ntl.fica a vida perfeita
com a vida do filosofo, enquanto a primeira deixa totalme t A dificuldade surge a respeito da noção do "homem justo"



por especificar qualquer identificação. Platão mantém n e
suspenso o plano integral da vida, até ao momento em ellI
I
h,a- d e ex~liicar ~e.a . . que
pnm~Ira vez, com maior minúcia, o que
de Gláucon. Embora a justiça deste homem possa estar radi-
cada na sua alma, ele pode ser identificado pelo que é em vir-
tude dos actos que pratica ou não (ver 360b-362c). Gláucon


•••
faz a ;azao._ A ética .do LIvro IV aparece desprovida de real
conteudo, nao por acidente mas porque o diálogo não atingi
ainda o ponto em que se pode revelar a função da razão. U
quer, pois, que Sócrates prove que

5. a alma de quem pratica acções justas-O é feliz,

•• Que semelhança existe, de facto, entre a justiça em que "justiça-O" se refere a uma concepção de justiça iden-
tificável segundo a perspectiva ordinária. Para que (5) derive


platónica e a justiça ordinariamente considerada?
de ®, deve ser no caso de

••• o argumento da República produziu até este momento uma


definição de justiça, ou melhor, do que poderemos apelidar de
"justiça-P", para lembrar que Platão ainda não expôs o estado,
6. (j) a alma justa-P = à alma dequem é mais apto a
praticar acções justas-O do que qualquer outro.



que ele chama justiça, apto a produzir o comportamento
requer que a alma justa-P se encontre
, , todas as vezes ,

.
comummente considerado justo:
numa pessoa que, regular e previsivelmente, pratica

• -
1. -Iustiça-P é a perfeita organização da alma . acções justas-O.

Por que motivo é isto um problema?


'

06 "padrões vulgares"


•••
Se Sócrates pode demonstrar isto,

2. a alma bem organizada é a mais feliz possível,


a que Sócrates submete a sua nascente definição pretendem,
no fim de contas, relacionar ajustiça-P com a justiça-O (442e-
-443b). Sócrates faz uma lista de casos e!mque a pessoa com



estará em condições de concluir que almajusta-P se coibirá de actos de injustiça-O. Exemplos não
são argumentos - menos ainda o são as .afirmações infunda-

•• 3. ® a alma justa-P é a alma mais feliz possível, das - mas Sócrates tem uma justificação premente para as

.-
suas reivindicações. Mais que tudo, a justiça-P implica auto-

•• e responder ao repto lançado no Livro lI. controlo e quanto mais disponibilidade de autocontrolo tive-
rem as pessoas menos susceptíveis serão de sucumbir às ten-

••••• o argumento para (2) terá de esperar pelos Livros VIII e


IX, onde Sócrates compara a vida justa com todas as varie-
dades de vida injusta. Mas podemos ver desde já que, por
tações dos próprios desejos. Os delitos mais ordinários podem
referir-se a tais tentações, por isso é provável que a alma
justa-P se encontre prevenida para as evitar.

•••• mais bem-vinda que ® seja, este não servirá de resposta a Os problemas, como salientam os críticos modernos, come-

,.
Gláucon e Adimanto, os quais pretendiam que Sócrates ~am quando observamos o praticante glauconiano de actos
demonstrasse que Justos-O. Sócrates argumentou que .
jj.

119
118
JJ
Jj.
~
:,:li

PLATÀü E A REPUlJLICA
---------------------------------------
7. a justiça-P na alma causa uma acção justa-O regu_ ::f'. esar
A JUSTIÇA NA ALNIA

da expressão, certamente plausível, do que podia


:PçonviCÇãode Platão, não me parece esta uma resposta

••••
lar, previsível e habitual.

.Reconfortante pensamento. As almas justas-P vindas à


existência servem de exemplos inspiradores de praticantes de
~atão. Penso que ele intenta garantir que qualquer pes-
ô
que pratica predominantemente acções justas-O - um
'() mais digno de confiança, ou seja alguém que não espera
••••
actos justos-O, os quais - admitindo que Sócrates consiga
provar (2) -- também gozam de grande felicidade. Isto
porém, não satisfaz plenamente o requisito de Gláucon, de
\velhice para se preocupar com o estado da sua alma -
!,~fectivamente uma alma justa-P, Afinal, Sócrates não
T,íu (ainda) que a justiça-P compete só aos filósofos. E se
••••
que Sócrates não mostre que alguns, mas todos os pratican-
tes de actos justos-O têm uma vida feliz. Para tal alcançar
Sócrates precisa de uma premissa adicional '
'érn há-de gozar dos benefícios da justiça-P, porque não o
;:oos fazedores constantes de acções justas-O?
~a verdade, Sócrates afirma isto mesmo, num argumento
•••
8. a prática regular de uma acção justa-O implica uma
ivai ao encontro do repto que a crítica de Platão suscitara.
::~plicar à sua definição de justiça os padrões vulgares,
r ates concentra-se na questão de saber o que o justo-P
••••
alma justa-P.

A identidade afirmada em (j) é a conjunção de (7) e (8).


!' ou não fará. Mas só atribui ao in-justo-P alguns dos
?S injustos-O que o justo-P reprimirá: ••••
Segundo alguns críticos de Platão, este não só nunca prova
que (8) é verdadeiro mas até parece não ter consciência de
que tal lhe é necessário. Sem (8), Sócrates jamais responde
~,

[No caso de desfalque,] supões que alguém pensará


ser ele homem para o fazer e não antes aqueles que
••
"

.'
til
ao repto de Gláucon; pois o que leva Gláucon à ansiedade no
respeitante à justiça é precisamente o facto de essa justiça,
tal como ele a concebe, poder não beneficiar o autor de actos
não são como ele? (442e-443a; o itálico é nosso.)

Ademais, o adultério, a negligência filial, a falta de


••••
justos. Se Sócrates não levar em linha de conta essa ansie-
dade, cometerá a falácia de irrelevância.
(8) é uma asserção difícil de provar. Pior, tem o mais a-
cuidado pelos deuses, são mais características de
todas as outras espécies de homem do que deste
(443a; o itálico é nosso.)
••
~
platónico dos aspectos, porque afirma que todo o diligente res- (ia
peitador das leis da sociedade pode reivindicar, mesmo sem
de tal ter conhecimento, o ordenamento das partes da alma
que o filósofo se afadiga em descobrir, ao longo dos quatro
Livros da República. Faria mais sentido, tendo em con-
outrossim, a favor de (7), Sócrates diz

9. se alguém não tem uma alma justa-P, encontra-se


,.
fJt

f-
':j',
".~:
sideração a indiferença de Platão pelas práticas ordinárias,
ne~ar o interesse de argumentar a favor de (8). Ele pode
desembaraçar-se melhor se não reclamar que todos os popu-
larmente considerados justos são justos, mas sim que os nor-
mais predisposto a praticar actos injustos-O.

f ~:;d~entifiquemos o s~r i~just,o com o não ser justo, como faz


'; ,~fatao. Podemos, entao, mfenr de (9) que
,.
fi

fi

••
malmente considerados justos fizeram substanciais embora
': ~" 10. se alguém não tem uma alma justa-P, não é a pes-
incompletos, progressos em relação à justiça genuína. Se
Gláucon continua em ansiedade, depois de aprender isto, ',''t,. soa mais predisposta a praticar actos justos-O,

'•.
tanto pior para ele. O que ele precisa é de melhorar, acei- .:~qr
tando a reavaliação dos seus próprios valores morais. ,~:que implica que

l 121

• •.•
120 i"

~
•••• PLATÃO E A REPÚBLICA

11. se alguém é o mais predisposto a praticar actos . }


:~.~

:~~ A JUSTIÇA NA ALMA


••••
.
tos-O, tem uma a Ima justa-
P ';1 JUs_,

(11) é a~enas a reafirmação d~ (8). Assim, S~crates ar~~ :,~


';.?
~:spondea este problema, embora apenas. com opiniões infun-
" entadas, não pode ser acusado de o Ignorar.

mentou indirectamente que o praticante de actos ]ustos-O POs_ .f

•••• sui uma alma justa-P.


Sócrates afirma claramente (8), só uma página mais adio
'~
ugestões de outras leituras

Para discussões gerais sobre a teoria psicológica, ver Net-

••••
ante, ao explicar como a justiça-P é realizada: ' ship, Lectures on the Republic of Plato, e Cross & Woozley,
ata's Republic. As análises de Murphy, '[lhe Interpretation
Não é verdade que fazer coisas justas também pr~f Plata's Republic, levantam problemas com a teoria que não

•••• duz a justiça, e injustas a injustiça? .. Produzir a~::; ~"deixam resolver com facilidade. ,
justiça não será estabelecer as partes da alma /~ .::;Sobre o desejo (pp.110-115), ver Murphy & N. White,
numa relação de dominadora e dominada, o que <. \Companion to Plato's Republic. Sobre a concepção formal

••• está de acordo com a natureza? (444c-d).'if.

Diz de novo outro tanto, mais adiante, na República (588e.


,. justiça no Livro IV (pp. 115-118) ver Irwin, Plato's Moral
eory, e Nussbaum, "The Republic: true value and the
dpoint of perfection". Sobre a relação entre justiça plató-

•• 591e). Assim, a prática regular da acção justa-O implica, de


facto, que a alma de alguém é justa-P, talvez porque a ade-
;'ca e acções justas ordinárias (pp. 118-123), ver sobretudo
'achs, "A fallacy in Plato's Republic", que inspirou este
são obrigatória (embora não-filosófica) ao comportamento " '~bate e, entre outras respostas a Sachs, Annas, An Intro-


••.-
socialmente prescrito promove o governo da razão. Longe de.~; '.'ction to Plato's Republic, Demos, "A fallacy in Plato's Repu-
desprezar a noção comum de justiça, Platão pretende mostrar :,;7 olic?",Mabbott, "Is Plato's Republic utilitarian?", e Vlastos,
a sua estreita relação com a verdadeira justiça. Se aquilo quer, ~ustice and happiness in the Republic".
afirmou acerca da justiça-P confunde os leitores é porque .'

••
4-
estamos desacostumados à análise filosófica da justiça, e não
porque a justiça da nossa vida diária seja uma fraude. Natu-
ralmente, sem a análise filosófica, estamos condenados a com-

••• preender mal a natureza da justiça e a deliberar a seu res+:

••• peito de forma desajustada. Que ninguém acuse Platão de;~


desfrutar com o que de não-filosófico há na compreensão que,

.•••
os leitores têm dos assuntos morais. Mas nenhum dos seuS

• -
I, elogios da filosofia pretende dizer que a vida moral conscien-
ciosa vai na direcção errada.
É legítimo lamentar que Platão não tenha provado to as
d S

as suas opiniões acerca da justiça. Nunca explica como ~i-


acções justas-O afectam a estrutura profunda da persona ;

.-••.
•••
-
dade. Sem uma explicação de tal mudança, nao
dições de demonstrar que a justiça definida no LIVro de
coné
- est~- ern IV

idêntica à concepção de justiça com que os interlocutores ele


Sócrates iniciaram a conversação. Mas, uma vez que

.-_
•• •..
; :-:~
122
123
••"
••••
6 ••
POLÍTICA RADICAL
(LIVROS V-VII)
••
••
.-•
Agora que já possuímos o mecanismo para descrever a jus-
a e a injustiça, a defesa da justiça avança sem sobressal-

••••
's. De facto, quando Sócrates se prepara para terminar o seu
,. mento nos Livros VIII e IX, poucas surpresas aparecem.
•••••
:.i.
urpresa está mais no tempo que demora para dar o passo
inte. Pois, entre a definição de justiça e a prova da sua
iderabilidade, corre a longa digressão dos Livros V-VII.
:Sem esta digressão, a República seria num argumento
I-
, hado e mais maciço. No fim do Livro VI, o leitor noviço
',':terrogar-se-á sobre o contributo que a teoria platónica do
~~hhecimentotraz ao estudo da justiça. Mas a República teria
••
•••
, a importância filosófica muito menor sem os Livros V-VII.
: ue, à guisa de digressão em torno da cidade ideal, Platão
, ça as reformas políticas mais revolucionárias que procura
" er e, ao mesmo tempo, delineia a forma clássica da sua teo-
,: metafísica que, por sua vez, inclui duas vertentes: a nova
ria do método filosófico (dialéctica) e as entidades que tal
,étodo torna possíveis (as Formas). Seja qual for o seu papel
'o argumento da República, estas discussões não são coisas
somenos, mas sim o coração da filosofia platónica.
~,Em nome da clareza, vou deixar os temas metafísicos para
:próximo capítulo; este centra-se na política dos Livros V-
, r. Não quer isto dizer que Platão entenda os assuntos
,lllo coisas separadas, mas apenas que convém reconhecer
e estes três livros fazem mais sentido se o leitor abordar
tópico de cada vez.

125
,: '4

•• PLATÃO E A REPrlBLICA j~~'.. POLÍTICA RADICAL



A digressão ';ta-O, com ar de quem está pouco interessado em tais ques-
.~(450c-451c), embora pouco depois (471c) venha a pressio-


••
A abertura do Livro V assinala o seu começo com de'
de teatro tanto mais notáveis quanto menos dramático 1~a8
estilo adoptado pelos diálogos. Sócrates prepara-se p e °
~S6crates a responder-lhes. A possibilidade da cidade per-
,; até agora afastada da questão, começava a impacientar
, igos de Sócrates, a partir do momento em que eles falam

•••• enunciar os quatro tipos de vícios no indivíduo e na cida~ra


Vi~os então a saber que Polemarco, silencioso desde o LiVr:
I, tmha estado a escutar atentamente o tempo todo, desde .
'dade, sem considerar a analogia cidade/alma: porque, se
a pena discutir a cidade como entidade política, terá de
ar uma possibilidade política.



seu lugar junto de Adimanto (449b). Puxando pelo mantO
deste (449b), perguntou: "Deixaremos passar esta?", refe~ ulheres (451c-457c)


rindo-se à vida comunitária dos guardiães, que Sócrates s
contentara de mencionar de passagem (423e-424a), No iníci: 'Sócrates começa pela igualdade dos sexos. Quando muito,

•• da República, Polemarco mandara um escravo puxar pelo' ::inulheres diferem dos homens em grau, mas não em espé-



manto de Sócrates (327b) e resistira a "deixál-lo] regressarn .
a Atenas (327c), Agora, dispõe-se a iniciar a discussão. Não
admira que Sócrates fale de voltar "ao princípio" (450c).
'~>Porisso,
.'.
devem tomar parte na obra e na educação dos
,mens. Tudo o que Sócrates dissera acerca do adestramento
$, jovens guardiães aplicar-se-á igualmente às raparigas


•••
Os interlocutores de Sócrates querem que suspenda a ana-
logia entre a cidade e a alma. A cidade viera à conversa para
iluminar a justiça no indivíduo mas, nos três livros seguin-
tes, Sócrates abandonará mesmo o pretexto de estabelecer o
~. sejam guardiãs. E quando os guardiães vão para a
(rra, devem lutar em grupo misto, de homens e mulheres
'2a). Ambos os sexos devem, em suma, fazer tudo em con-
)0, sem ligar à opinião pública não esclarecida. Mesmo

.'.'••
•• paralelo da cidade com a alma. Platão quer ter a liberdade esar de o espectáculo de idosas nuas em luta livre com ido-
de falar da cidade perfeita, sem o empecilho da analogia com 'snus poder "parecer ridículo, no presente estado de coisas"
a alma. Além disso, vê a figura do filósofo que há-de emergir '2a-b), Sócrates mantém o menosprezo "pelo que é cos-
no Livro V como uma oportunidade de abordar temas mais. '~.'e" (452a). Em matéria de relações entre sexos, rejeita
abstractos. O início do Livro V traz à memória o princípio do ,'aIquer interesse em considerar o modo como' as pessoas, de
diálogo, em ordem a realçar o contraste entre o Sócrates his- çto, vivem ou o que elas apreciam. Na verdade, Sócrates

••
••
toricamente concreto, que descera ao Pireu, e este orador, o
porta-voz de Platão, que promete descer à caverna dos come-
sinhos negócios humanos, apetrechado com o discernimento
'.cilmente manifesta na República maior desprezo pela opi-
Jo do que aqui.
~O que lhe causa hesitação é o princípio subjacente à sua
••• da filosofia . J .,:scriÇãoda cidade perfeita, a saber (@), segundo o qual cada


...- Duas ondas de paradoxo (451c-471b)
.;i~adão se encontra naturalmente preparado para executar
\ f :, a tarefa peculiar. Aparentemente

:1.
@ definiria um papel
~ico separado para as mulheres, pois, uma vez que têm

•••• Gláucon, apresentando-se


:,~ pos, ao contrário dos homens, a sua natureza tem de ser
de novo como intérprete do ': ~ éerente da dos homens e, por isso, também as suas tarefas
grupo, encarrega Sócrates de descrever a comunidade das ;.cidade (453b-c). Este é, mesmo hoje em dia, um argumento

•••• mulheres e dos filhos em conjunto com os guardiães. SócrateS ;, 'queiro contra a participação das mulheres na governa-
hesita, baseando-se no facto de a cidade por ele descrita se afi- . ;~ ou na vida profissional. Para Platão constitui um pro-

,.- gurar talvez algo impossível e indesejável (450c), GláucOIl

,..-)
,;~l1laporque, enquanto respeitador das capacidades das
:.',~,t,:.

•• 126

-
127

•..


PLATÃü E A REPllBLICA
4IiI


POLÍTICA RADICAL

mulheres, não pode abandonar @. se~ . ele ocupa demasiado pouco tempo para merecer atenção
- deveri
nao evenam assumir. a função - de governar a cIdade
. rn fllhr

Sócrates responde, distinguindo (454b-c) entre as ':i


os;, ~or. Se aceitamos as concepções tradicionais da família, esta
clusão parece forçada. Dependendo do número de gravide- "•
, tiicas q~e defimem e as que nao
TIS - definem a natureza caract
pessoa. So os traços que afectam a execução de um
de ltEln-',

tarefa devem determinar que tarefas os cidadãos esta a dad~;'


l!!.&,
que uma mulher guardiã atravessa (um assunto que Pla-
"0 nunca analisa) e das complicações que ela encontra, pode-
:"'ás estar inclinados a descontar a simples gravidez como
••
a desempenhar (4?4c-d). Assim, o ter filhos, pró~oapdo~t
mulheres: ~ada teria que ver com a questão política dos a~\
deveres CIVICOS. seu&"
;~upação em tempo inteiro. Mas se a mul.he~ que dá à luz o
,'Jhotem de arcar com o trabalho de o assistir, o parto trans-
~n:
••
. A analogia que Sócrates faz com os sapateiros calvos e
vidos de cabelo merece luz vermelha. Não contarão as J,rq,;,.
,:;1
,~:t'llla~se ocupação exigente. Assim, Sócra~es t:m de partir
"o principio de que aquelas mulheres nao tem respon-
:abilidade pela assistência ao filho. O argumento supõe a sepa- ••
renças entre sexos mais do que as existentes entre urn lfe,-:;
soa ca Iva e outra com a cabeça coberta de cabelo? Mesm
,-
os orgaos repro duti
fí . I
uia pes,c'
""o qlt~,:
utivos da mulher não tenham efeito nas
Sltas-
(
.,;
'ação entre dar à luz e educar os filhos, quer dizer, assume um
',istema social de assistência à infância muito diferente.
1~_ Eis a razão por que Sócrates passa tão rapidamente ao
••
•;.
id d .
capaci a es rsicas e mte ~ctums, ainda assim poderia argu~S I,

'.
'S nto seguinte. A premissa adicional de que necessita para
mentar-se que o parto vmcula naturalmente a mulh'- stificar a participação das mulheres na governação, a saber, I
. tênci
aSSISencia aos filh
1 os, ao passo que o cabelo do homem

lhe atribui nenhuma actividade adicional, a não ser o


t~~r-se. Se as que têm filhos assumem também a responsa_
p:~~
er _.a
e o parto pode ser separado da assistência ao filho e, por
o, não afecta a divisão do trabalho, requer a abolição da
mília. lii
bilidade de os criar, então a diferença entre as naturezas'
masculina e feminina implica grandes diferenças nas respec- >asamento e filhos (457c-461e) li
tivas actividades.
'I.
Sócrates remenda a sua analogia com um argumento
(454c-456b) que especifica o significado de "natureza" em @.
Filhos e pais das classes superiores não se hão-de conhe-
er uns aos outros (457d). Esta mudança, porém, é mais ima-
I.li'
'Jt

i.t.
. ável do que a seguinte que Sócrates formula, ao dizer que
1. O termo "natureza", tal como é usado politicamente, sposas e maridos não se conhecerão uns aos outros - ou
significa a aptidão mais para uma espécie de tra- ntes, homens e mulheres não hão-de partilhar qualquer

i.:,.
balho do que para outra. (455b) ~i;relação comparável com a que hoje em dia existe entre mari-
2. As aptidões são distribuídas sem olhar ao sexo, ~!.::dose esposas.
como se pode provar pela capacidade dos homens ~, A existência de homens e mulheres na área dos guardiães
para fazer tudo o que fazem as mulheres. (455c-eJ
.. 3, Não há diferenças relevantes de natureza entre
homens e mulheres, quanto ao papel que cada qual
deve desempenhar na cidade. (456a).
{~:fomenta a actividade sexual. E isto precisa de regulamento
;~,;(458d). Já que os governantes se têm de envolver de uma
:jl!'maneira ou de outra nestas relações sexuais, devem então
1'::: Usar as relações para utilidade da cidade, combinando casa-
.. mentos de tal forma que os melhores guardiães jovens, macho
'.

,Note-se que (2), de que depende o argumento, só é verda-
d:lro se o parto deixa de se considerar uma tarefa. Dado que
nao o podemos excluir, com base na falta de importância do
e fêmea, se juntem para procriar. Quando Sócrates fala des-
••
tes "casamentos" dentro da classe dos guardiães, refere-se a
copulações procriativas temporárias. Em épocas especiais do
parto como actividade humana, a razão tem de ser a de que
'I'
'.
ano, os governantes anunciam que os casais podem procriar.

128

,.,.
-------.
129
c:1

I
PLATÃO E A REPÚTJLICA POLITICA RADICAL

••• Para guardar do ressentimento os guerreiros, por este~)


d as Bl~asVI'd as; os,govern,ante~ usarao- uma lotaria fraudule
Control "
<.,~~
--------------;~

o.:::{
plica mais aos homens do que às mulheres" (540c). Com a
'sistência em incluir o particípio feminino, Sócrates não só

•• que d: a aparenc~a de a junçao dos pare~ ser aleatória (46;ta';:;


As crianças nascidas dos melhores casais serão educad
grupo por especialistas, enquanto os seus pais regres as em, ";,
al, ';.
corda a Gláucon o acordo a que chegaram, mas adverte-o
rnbém de que o uso da linguagem masculina, a ser aplicada
toda a gente, pode levar ao esquecimento do lugar das

••• suas VIid as comunais.


cos nao- serao
,
' O s d escendentes de guardiães nãosam.
- ed uca d OS,acontecendo outro tanto com erOI'
h às"
"',:1,,

' -,
id as crora d"e casamentos" autorizado quaIs_
, ulheres no meio dos homens.
Platão merece tanto mais crédito pelas suas propostas

••• quer crianças naSCI


Platão é evasivo quanto ao que acontece às crianças :inep_
tas, Para as que nasceram de guardiães mais velhos reco_
s "uanto sabemos ter sido misógina a sua sociedade. Pelos anti-
OS padrões romanos, por exemplo, os Gregos tratavam

uas mulheres com uma severidade insólita; entre eles, os


as

••• menda o aborto (461c), ao passo que os bebés de guard'-


dee pior
ni qua lidI a dee ee os
os nascidos
nasci com deformações deverão laes
ao que parece, expostos numa caverna (460c). Outras vezes'
ser
, tenienses do tempo de Platão destacavam-se pelo seu
.exismo, As mulheres da classe média casavam por volta dos
rez, quinze anos, com homens duas vezes mais velhos;


••
fal~ da não educação de certas crianças (459d-e, 461c), su~
germdo provavelmente a sua remoção para uma classe infe-
rior. Vai-se tornando claro que os governantes exercem maior
uando não morriam de parto, ficavam corri a perspectiva de
ma vida enclausurada em casa, tendo a seu cargo a cozinha
dobando ou tecendo para vestir. Platão reconhece o esban-
poder sobre os guardiães do que nos Livros lI-IV se indicava. amento de recursos humanos que este sistema social implica

•• "Terão de utilizar um montão de mentiras e de ilusões para


benefício dos governantes", diz Sócrates, no tom mais impas-
sível (459c-d). Mas, ao menos pode agora dizer que as capaci-
opõe-se-lhe sem dó nem piedade.
, Não obstante, a perplexidade acerca do seu feminismo per-
~'siste, pois muitos intérpretes objectam contra aquilo que eu

•• dades reprodutivas das mulheres foram separadas da função


mais usual da maternidade (460d) e faz retrospectivamente
mais sentido para Sócrates ter desvalorizado a importância r
;~:'acabode dizer, taxando-o de enganadoramente simplório.
.~ ,~~Defendemuns que a aparente autorização das mulheres nada
'1Jem que ver com o genuíno feminismo; opinam outros que, a

••• do parto, considerando-o incidental à natureza da mulher . ;:~;,despeito ~as ,s~as boas intenções, Platão continuava a parti-

o feminismo de Platão
; !. 7,lhar a rmsogima do seu tempo.
, : ji Determinar se Platão era ou não feminista seria mergu-

• O Livro V defende um notável grau de igualdade sexual.
, ~.Jhar facilmente num atoleiro. O feminismo de hoje abrange
t luma cascata de crenças e de métodos e tem-se submetido ao

•••• Cônscio da virtualidade das mulheres , Platão reivindica a ; , ;iescrutínio inquisitivo sobre o que significa, ou não significa;
sua participação no governo da sua cidade e insiste que sejam : ãf!nem sequer cede a uma única, versão da s~a, história, para
educadas, par a par, com os mais talentosos jovens. A Repú- , ~;que possamos examinar as origens do feminismo a fim de
blica contém igualmente aquilo que deve ser a mais primi- , ~;determinar se sim ou não ele se coaduna com o tratamento
••• tiva conquista de uma linguagem de género neutro. Como o ; If:~dePIa tão relativamente às mulheres. Mas podemos dizer,
•• Livro VII infere à guisa de conclusão, Gláucon felicita Sócra- , ~Por aproximação, que se o moderno feminismo não consegue

••••
U,l.••~-·
tes porque, diz, "tu produziste governantes homens que são ~'recQnhecer-se nas afirmações de Platão é porque as moder-
totalmente belos" (540c). Gláucon usa a palavra archôn, o e l~rinasfeministas querem impor os direitos das mulheres ou aju-
particípio masculino do verbo archô, "governar". Sócrates cor- 'lidar as mulheres a alcançar os seus desejos,ao passo que Pla-

••• rige-o, acrescentando: "E também governantes mulhereS


(archousas), ó Gláucon, .. Não penses que o que eu disse se
,~!tão não produz nenhum pensamento perceptível sobre
~rqualquer desses assuntos, Ocorreu-lhe que 'uma cidade mais

i
,.
••
~
130
i .~
131
r
PLATAo E A REPllBLICA POLÍTICA RADICAL
--------.... y-----
eficiente p.õe as suas mulheres.a comba~er na ~erra e a Pro. .~ !édon refere-se às distracções das lamentações mulheris
mulgar leis. As mulheres podiam sentir-se mais realizad ~.17d). O Timeu ad:rerte os homens de que, se viverem na imo-
sob um regime político desse tipo, mas o argumento de
tão funciona à mesma, na hipótese contrária. NingUé a.
pt
s
i:Uidade,hão-de remcarnar com~ mulheres (42b-c; cf',7.6d-e).
. República contém uma quantidade destes comentanos de
espera que Platão esteja de acordo com todas as POsições: ssagem (387e, 395d-e, 398e, 431b-c, 469d), provando nada
teoria feminista hodierna, mas tão palpável desatenção pel~ enos que o desdém para com as mulheres. As palavras de
que as mulheres pretendem ou pelo modo como elas Podem ócrates, ao referir a sua nova proposta, "a comunidade (koi-
beneficiar parece excluir Pia tão do grémio dos feministas onia) das mulheres" (v.g. 464a), sugerem que as mulheres
Se este argumento funciona ou não, depende da medid~ A>~tsta-o
,t·'1"~e
destinadas a ser "possuídas em comum" pelos homens.
em que julgamos essencial que os direitos estejam conside_ 'i~1Nunca sugere que os homens podem ser possuídos em comum
rados na filosofia política. Se todas as teorias políticas deveIll :;'~:{~pelas mulheres,. mesmo ~ando-se ~o~ta de que uma mulher
reconhecer os direitos do indivíduo, segue-se que todas as teo, , 'lt~;;pode ter umas vinte relaçoes procriativas, talv~z ~om homens
rias políticas feministas devem reconhecer os direitos da ,~(;i:·diferentes.Platão não consegue desfazer-se da Idem de que as
mulher. Se, por outro lado, uma teoria política pode legitims, ,t ~:lnulheres pertencem aos homens; por duas vezes se refere
mente iluminar os direitos do indivíduo, então os seus requi- ; f~i.:sócratesà "posse" (htêsis) das mulheres pelos homens (423e,
sitos acerca do lugar adequado da mulher, enquanto podem ~ ::Nd~451c). E não há nenhuma menção de um papel alargado para
ser verdadeiros ou falsos, prudentes ou insensatos, não ;~,'i\:;'as mulheres, na grande classe inferior da cidade.
devem ser rejeitados por perseguirem outros objectivos além ~i.t~{ Temos também de explicar a insistência de Sócrates em
dos direitos das mulheres. Esta objecção ao Livro V é dema- ~;'f,:W,que os homens ultrapassam as mulheres em qualquer ta;e.fa
siado forte, porque exclui todas as expressões da República .?:'}~exercidapor ambos os sexos (455c, 456a), e o seu comentário,
em que os direitos não tenham absolutamente nenhum lugar. i~ :?>no Livro VIII, de que um sinal do fracasso moral da demo-
Os guardiães não têm direito à felicidade no seu trabalho ~;·j'.',:.'cracia é a igualdade sexual que ela promove (563b). Não pode-
(420b, 421b) nem qualquer direito à privacidade (416d). Os ~.:;}mos censurar estas afirmações como descuido; decorrem da
outros cidadãos não têm direito a governar-se a si mesmos ;: i,+.; crença profundamente instalada de que as mulheres não são
(432a, 434a-b). E ninguém tem direitos, no sentido da frui- }';-:de facto iguais aos homens. Dizer isto não é rejeitar as reco-
ção das liberdades pessoais (557b). Visto que os direitos de
quem quer que seja não têm importância para Platão, a sua
.~>~ mendações de Platão, mas reconhecer a sua vulnerabilidade
\, perante os preconceitos da sua época. Ele torna-se algo menos
desatenção relativamente aos direitos das mulheres não é feminista mercê destas convicções persistentemente misogí-
sinal da sua falha como feminista. Se realmente aceitamos . nicas, embora as suas ponderadas afirmações continuem tão
como princípio necessário das teorias feministas a afirmação ... revolucionárias como apareceram à primeira.
de que às mulheres tem sido negada injustamente a igual-
dade de oportunidade, então Platão é feminista, desde que A grande família, no lar e na guerra (426a-471b)
"igualdade de oportunidade" se refira ao direito da sociedade
a explorar os talentos dos cidadãos, mais do que ao direito Com a dissolução da família, Sócrates completa o quadro
dos cidadãos a perseguir os seus sonhos. da cidade perfeita. A presente secção, que fornece um vívido
Ficamos com o problema da misoginia. Vários dos diálogoS relance pela cidade perfeita em acçào, dá também um claro
de PIa tão falam depreciativamente das mulheres. Na Apolo- Sentido da enorme diferença que a cidade de PIa tão apresenta
gia, Sócrates classifica os que litigam pelas suas vidas em tri- relativamente a qualquer sociedade que os seus leitores
bunal como "não melhores do que as mulheres" (35b); na alguma vez habitaram.

132 133
i' I~
--
PLATÃO E A REPÚBLICA POLÍTICA RADICAL

••
•• Primeiro, Sócrates defende as suas opiniões sobre aí'
liIa, argumen t an d o que a umid a d e oferece o maior bem aml_
;'~;50bre que possam abrir conflitos. Platão dá pouca atenção à
~.{~possibili~~de de uma desav:nça intelectual entre governan-

••
••
uma cidade pode ter (462a-464b), fornecendo depois u~a l~ue
. fiorma I d os b ene fílClOS, ime
m .
. dilatamente apreciáveis a Ista
l'
, laVOr
'i, ~'tes e auxiliares, mas o certo e que este tipo de desavença pode
: $laívidir a comunidade. E embora os guardiães não possuam
: ;~aínheiro nem terras, gozam de menor ou maior honra dentro
••
••
da cidade. Esta dupla estratégia é desde já familiar
c~da si~ific~tiv~ opinião polític~ ou ética da Repúblic~, ~~~
tao expoe primerro a defesa teórica da sua posição e, depoí
renova o apego a, mora lid d
'

ie,
, ~~da cidade. O certo é que o desejo de ser o guerreiro mais
; ~ivalente da cidade pode levar dois guardiães a uma competi-

••••
" ~.,

I a e convencional com uma defe ( 'z;~'çãO malsã.


que diispensa o apoio . d a teoria. sa i' tff Todavia, Platão tem razão em atirar sobre a família uma
Ao abolir as famílias, Sócrates transformou a cidade , ou ) \~.tculpaespecial pela agitação civil. Mais do que nenhuma outra

•••• ao menos a sua classe governante, numa única família. Est


""
ou , na t ura Imen t e, d es liiza para uma questão Importante
.
que é difícil de responder com base na prova textual: imagina
ae
".:~~instituição, a família gera lealdades do mesmo tipo e da
; !f~h:nesmaintensidade que a lealdade ao Estado. As famílias
;\~~funcionam, observa Aristóteles, como microcosmos do Estado,

••• PIa tão que a unanimidade e a fraternidade surgem entre '~'~1comas suas leis próprias, as suas economias e as suas san-

•••• todos os cidadãos da sua cidade ou só entre os guardiães


visto que as reformas da família se aplicam só a eles? A lin-
guagem implica umas vezes a primeira hipótese (462b e'
{.~~çõesde comportamentos (Política, 11.7 e 13). Mas, enquanto
;il~Aristóteles usa este paralelo entre família e cidade, para jus-
~.Iítificar o governo, Platão interpreta-o como traição à sociedade

••
••••
463e; cf. 432a) e, outras vezes, a última (463c; 464a, b). c'o~
toda a verosimilhança, ele esquece a classe produtiva e, por
isso, considera a unidade entre os guardiães como suficiente
t ~organizada, já que a lealdade para com a família pode soca-
',~var a lealdade para com o Estado. Além disso, Platão parece
.,' rtjllpensar que os sentimentos produzidos no seio da família
para a unidade entre os cidadãos, no seu todo. Em qualquer i~~atingem um nível de irracionalidade, sem paralelo com os
,.'"

••
IA
caso, Sócrates argumenta que a unidade melhora a cidade:

1. O maior bem da cidade é o ,que a unifica; o maior


; ;~i.sentimentos que os guardiães partilharão c?m os membros da
- !$,~:sua classe. Entre as mazelas que se encontram nas cidades
l ;r!,tradicionais, Sócrates inclui os "prazeres privados e os des-

•• mal, o que a divide (463a-b) .


2. Quando todos os cidadãos partilham os mesmos
--.~~:gostospor coisas que são privadas" (464d). Embora a morte
. i~:'deum dos guardiães da cidade perfeita venha a mortificar
•••• prazeres e os mesmos sofrimentos, a cidade está
unificada; quando têm prazeres e sofrimentos pri-
vados, está dividida (462b).
; ~{:todosos outros (462b), esta mortificação não equivalerá à dor
'~'do luto privado. No interior da família, as relações são sim-
: ~:plesmente mais intensas.



3. A cidade em que as mulheres e as crianças são
mantidas em comum goza da maior unanimidade
em matéria de sofrimento ou prazer (463e)
: ~~ Os problemas não ficam por aqui, porque, se os sentimen-
'~tos dos guardiães são tão difusos, quer dizer que não existem
~rde forma nenhuma, como observou Aristóteles: os sentimen-
•••
••
.. 4. A comunidade das mulheres e crianças entre os
auxiliares traz o maior bem à cidade (464b).
:~f;tos intensos podem ser substituídos por sentimentos absolu-
- '3i'. tamente inexistentes, estando os guardiães em total falta de

•••• , ?, ~r~mento é válido. Serão verdadeiras as premissas?


E difícil dIZê-Ioa respeito de (3). Que a cidade platónica venha
:~ lealdade mútua. Mas é a premissa (1) deste argumento que
tt'tealmente activa o alarme, porque mostra como Platão pro-
i!}onga as implicações desta premissa basilar. Como provaram

•• a conter a harmonia total é inverosímil, pois o povo pode fen-


der-se em grupos, mesmo sem famílias e sem propriedades
~);as suas definições de justiça cívica e psíquica, no LiVToIV, Pla-

••
IA
.
,;~tão identifica as maiores traições contra a vida perfeita como
~~::':.
~'-~~I.

~~.

••.-
134
~;
~,~,
135
,
PLATÃO E A REPÚBLICA
!._----------- -----------
[conflitos internos, quer se trate da guerra civil, na cidad
0----
POLÍTICA RADICAL

'~o deliberadamente a curiosidade do leitor: este último adia-


.,.•••
••
'quer da ambivalência, na alma. O Livro I preparou o caminh'
ipara esta posição, ao identificar a injustiça, primeiro, com Q
~:ento traz-nos a denúncia conclusiva acerca da importância
. dificuldade do tema pendente. •••
;i·
"
Icompetição desenfreada [Q)] e depois com qualquer força di a
, 1
ISOvente da coesão de um grupo social [@]. A presente pr
s.
"e Entretanto, Sócrates descreve a cidade em guerra (466d-
i.471b). A passagem de 469b a 471b merece uma nota espe- ••
••••
I:
Imissa (1) substitui "injustiça" por "o maior mal que pode aco~:
,tecer a uma sociedade" e, por isso, deriva directament
daquelas premissas. Novamente, o estabelecimento de um:
"'cial. Sócrates faz distinção entre as práticas da cidade em
. guerra contra os bárbaros e as mesmas práticas na luta con-
:tra outras cidades gregas. As limitações que ele prescreve,
•••
•••
cidade, no Livro lI, começou com a pressuposição [@] de qUe
os seres humanos exigem uma comunidade para viverem ullla
!vida reconhecidamente humana. Este princípio implica qUe
:~fquanto ao último caso, são o reconhecimer:t~ pré~~ .de que
~;:até o estado de guerra pode conter restrições civilizadas,
trnuma antecipação de um código internacional tão moderno
••
••
tudo quanto cause erosão nos vínculos desta comunidade
~traiçoa a capacidade de os seus cidadãos terem uma vida
"(0'.
'~B'-como é a Convenção de Genebra. Mas mesmo quando exige
~~~dosseus guardiães e, implicitamente, dos seus contemporâ- ••
••
aceitável; por isso (1) pode também dizer-se que deriva de @.
. Se (1) se baseia em pressupostos relativos à justiça, que
têm tão profundamente imbuído até este ponto o argumento
~a República, só pode ser descartado com risco para o argu-
\4:t.~neos,
~~~::

j !~~r
que transcendam as suas sujeições tradicionais à cidade
pátria, Platão revela o seu aferro aos preconceitos do seu
, ~)Ltempo e do seu meio. Como muitos Gregos, traça uma linha
hítida entre os que partilham a língua e a cultura e todos os
•••
•-.. ,
mento maior. Mas o presente contexto mostra que (1) conduz ; '?ri,ooutros(ver 452c). Mais tarde, Sócrates há-de sugerir que a
a extremos perigosos no controlo social. A abolição da família itL
c!: cidade perfeita pode ter tido origem em terras bárbaras I

é só um exemplo. Enquanto a unidade tiver a precedência : r;:< (499c), mas a sugestão aparece e desaparece muito mais
sobre todos os outros valores, a cidade de PIa tão conseguirá .;;:f depressa do que a presente condenação dos bárbaros. Pode-
~ustificar qualquer concentração de poder, qualquer violação ; t; . mos ver nesta inconsistência de Platão, como ao tratar das
do que consideramos direitos inalienáveis, como a liberdade ,".. mulheres, um exemplo da medida em que até os pensadores
de expressão e de religião, o processo devido ao acusado ou o .....determinados a afastar-se da opinião popular podem ser ten-
controlo sobre o próprio lar e o próprio corpo. O argumento tados a aceitar as suas crenças mais mesquinhas. É, contudo,
presente avisa que a unidade exige sacrificios da parte dos digno de nota que o Político, escrito mais tarde, diverge para
indivíduos. (Ver pp. 232-237, para mais observações sobre a rejeitar as arbitrárias divisões da humanidade, em Gregos e
ditadura platónica). ,bárbaros (262c-e). Ver também o reconhecimento, da parte de
. Após o argumento vem a lista de benefícios mundanos Platão, das origens não helénicas de muitas palavras gregas,
(464c-466d). A cidade onde mulheres e crianças são mantidas 'no Crátilo (409d-e, 425e) e o seu respeito pelo Egipto, nas Leis
~m comum libertar-se-á de processos legais, de facções, de (v.g. 656d-657b; 819b-d) e Timeu (22b-23b).
assaltos ~ de ignomínias que acompanham a pobreza fami-
~iar. Em todo o caso, Sócrates ridiculariza o assunto, quando
deveria encarar a questão de saber se alguma vez tal cidade Os filósofos-governantes (471c-502c)
poderá vir a existir. Visto que o tema da possibilidade da
cidade surgiu já duas vezes no Livro V (450c, 457d), este A possibilidade da cidade (471c-473c)
~eria o m~mento lógico para Sóc:ates direct.amente o vi,sar.
Em vez disso, protela uma terceira vez a discussão, ate ao Sócrates ensaia todas as manobras ao seu alcance para evi-
~rotesto de Gláucon em 471c-476b. Raramente acicata Platão tar a questão de saber se esta preciosa cidade terá viabilidade.

:1:36 137
,.•
'44
i':" PLATÃO E A REPÚBLICA
----
Recorre à contra-afirmação, nesta altura já mais que familiar
de que apenas falou da cidade justa a fim de descobrir a natu~
.~,~:{.

::~:::umento
POLÍTICA

atribui todas as excelências aos filósofos, jus'i-


\ ~~ficando, por isso, a sua supremacia:
.,.,
RADICAL

••
reza da justiça, na alma (472c; cf. 592a-b). Mas a cidade agi_ ',l;
tou-se demasiado para que a sua existência possa ser ignorada. 1. A cidade perfeita é possível se, e apenas se, for pos-
O que vem a seguir, para o fim do Livro VII, é a afirma_ sível da parte dos seus dirigentes um governo vir-

• ção e defesa da ideia política mais radical da República, Ou tuoso e experiente (484d).
seja que ou os filósofos passam a ser reis ou os reis existen_ 2. ® O governo virtuoso e experiente é possível se, e



tes aprendem filosofia. Dado que a defesa desta posição pres-
supõe uma concepção sobre o papel da filosofia, grande parte
?~
apenas se, os governantes forem filósofos.
3. O governo conduzido pelos filósofos é possível

•••• da discussão subsequente vai embrenhar-se na pesquisa do


conhecimento e dos métodos capazes de o atingir. Guardarei
a discussão destas pesquisas para o capítulo seguinte; o que
,,~.
1~·i
f
..
(502a-b).
4. A cidade perfeita é possível.

•••• i
deste resta analisará os assuntos claramente políticos, desde ~.,
'7,
Nem (1) nem (3) pedem muito comentário. É ® que ocupa
este ponto até ao final do Livro VII. Aquelas páginas abran- " '.:a atenção de Sócrates nesta parte do argumento, quando ele
gem as duas partes da defesa de Sócrates a favor do governo .' i.ttenta, demons~rar que as características ~? filóso.fo genuí~o

•••• li

I
I
de filósofos:

1. porque fazem os filósofos leis perfeitas e porque é


" ~:tambem contnbuem para um governo político eficiente e VIr-
~tuoso. Separará ® em asserções sobre a virtude e o conheci-
ifmento, para então reivindicar que uma e outro se encontram

•••• possível um governo de filósofos (473c-502c);


2. como preparar os guardiães para governarem como
filósofos, dada a sua existência na cidade platônica;
. ~ nos filósofos e em ninguém mais. Assim, a presente passa-
~~.gem(474c-487a) argumenta a favor da verdade de ®, base-
~'ando-se na afeição dos filósofos pelo saber:

••• ou como preservar a existência de uma cidade que

••". podemos reconhecer como perfeita (502c-541b) .

As páginas seguintes abrangerão o primeiro destes tópi-


~..
.~f
~'
~',
1. Os filósofos amam toda a espécie de saber (474c-
-475c).
2. Ninguém mais ama toda a espécie de saber (475c-

••
"li
cos e as pp. 145-152, o segundo.

o conhecimento,
s-
.~.
't
-480a) .
3. @ O amor por toda a espécie de saber produz o

••••
a crença e os filósofos (473c-487a) ~:- conhecimento das questões éticas.
i' 4. O amor por toda a espécie de saber produz a vir-
I Uma vez de acordo com a exequibilidade da cidade, Sócra- ~~ tude (485a-486e).
I tes alvitra que filosofia e poder político "coincidem no mesm.o

•••• I"

ir:
lugar, enquanto as inúmeras naturezas, abrindo agora carm-
nho para [a prática de] uma coisa com exclusão da outra, sã.O
1J
~:
...
.• 5. Graças a (3) e (4), o amor de toda a espécie de saber
transforma a pessoa num governante virtuoso e
experiente .

•••• "1
Ir
.~.:
II
por necessidade excluídas" (473d). Embora não seja insiglll-
ficante nem fácil de realizar, esta única mudança política é
possível, diz ele (473c). Por conseguinte, também a cidade
. ~.f.:.;."";.,,,

~,
1-,
.. 6. ® De (1), (2) e (5) segue-se que alguém é um gover-
nante virtuoso e experiente se, e apenas se, for um
filósofo.

••••
,&0,0
:\"
~i
lIi
perfeita é possível. ~\
'II' Desde esta passagem até 502c, Sócrates defende que a ~ Este _argumento, se funcionar, defender,á a teo:i.a política
,I
'.,
i! cidade perfeita pode vir a existir. Em termos muito amplos, l.de Platao. Ao mesmo tempo transformara a política numa

•••• l!
,.
;,
I'

li
138
i:r,

139

••• ,:
••
'~. '
'':(. ~,:~~.:,
,.
~ '

i
PLATÃO E A REPÚBLiCA '~~~~/ POLÍTICA RADICAL
...----·------------_~-=:'::'':'':::::::'~~
c,. 'it~r

';'j~i. •••
busca intelectual, em vez da efectiva busca prática a que esta_ governo político dos filósofos? Se o argumento é para justifi-
••
.-•••
mos habituados - ou melhor, forçar-nos-á a reavaliar o qUe '~~~;car tal governo, tem de demonstrar não só que apenas os filó-
entendemos por "pesquisa intelectual".
A premissa (2), que exclui a governação feita por não filó-
'.~";'}sofos estão de ~osse do conhecimento, mas, além disso, que o
~~tqu~sabem f~ra deles uns governantes óptimos. Devem pos-
••••
sofos, entra neste argumento por uma razão concreta, como se ':~i sUIr o .c~n?eclmen~o das matérias éticas (@)], de modo a pode-

••
conclui da advertência de Gláucon a Sócrates, de que a turba ~4t1<rem dirigir uma CIdade.
há-de apanhá-lo e puni-lo pela sua proposta (473e-474a). Os ;~\~ Entre os objectos de conhecimento do filósofo, ambas as

I
'i!
.diálogos de Platão pressagiam com frequência o julgamento e ; ~~;;componentes do argumento incluem a justiça (476a; 479a, e).
a execução de Sócrates - a República, em particular, alude à :' ~'~~,N~o
sua vida e ao seu destino em 494d-e, 516e-517a, 539a-d) _
se trata de .um t:uq~e da parte de Platão. Os termos mo-
.;, :~jra~~,como explicarei, aJ~stam-se especialmente bem a esta
mas este presságio ressoa de um modo especial, porque a dis- '~.~; cntIc~ das opl:lloes do diletants. A crítica, contudo, perma-
••
••••
cussão do governo de filósofos recordaria a todos os Atenisn, J ~~{neceinconclusiva, porque visa dizer por que razão o diletante
•••
·1
ses o desprezo com que os seguidores de Sócrates traíram a _~r:i:~;.;ca~ecede conhec~~ento, e não por que razão o filósofo o pos-
democracia. Recorde-se que a decisiva perda de Atenas, ) ~K,SUL. Como estratégia de exclusão de pretendentes à experiên-
durante a Guerra do Peloponeso, ocorreu na atabalhoada Ex- .~.;~S'ciapolítica, funciona muito melhor do que como justificação
pedição Siciliana, que não poderia ter sido levada a cabo sem :. f~r:de@). Esta passagem é vaga quanto à natureza das Formas
••
•••
a influência do jovem amigo de Sócrates, Alcibíades; recorde- :;!~i~:queos filósofos conhecem, e até que ponto se pode dizer que ••••
se que, depois da guerra, Crítias e Cármides instigaram os ,::i~:Lelesas conhecem. Neste sentido, o argumento é uma nota
mais antidemocráticos excessos dos Trinta Tiranos. E aqui f ~~promissória. sobre os argumentos seguintes, a começar por
encontramos nós uma conversação, tida em tempos mais ino- ~::§r502d e contmuando pelo Livro VII. Até ao presente, PIa tão
•••
••••
centes, durante a qual Sócrates propõe um governo de filóso- 1: itt:nnão provou que o conhecimento teórico associado à filosofia
•••
fos. O desafio para Platão está em distinguir os filósofos dos ,:!],;:pode garantir qualquer conhecimento prático, do género
seus imitadores, ou seja dos ditadores que usurpam o poder, ~!:,·;~:daquele
apenas armados de falsa confiança na sua superior sabedoria. ;'.4?
que os governantes necessitam.
Se parece impossível imaginar o pensamento prático
Por isso, Sócrates dispõe-se, de imediato, a definir o filó- ; ~!acompanhado pelo teórico, isso não é acidental nem um
sofo, não vá acontecer que Crítias e Cármides pervertam tal : ;?~assunto menor, mas sim, na minha opinião o problema mais
'-•••
li

~.u.

t
figura. Chama ao filósofo um amante de todo o tipo de saber, t~~·
importante que a República enfrenta. R~corde-se que @
mas Gláucon assinala que os amantes de espectáculos e de ~jl:fir~a, e o argumento d~ República reitera, que cada p:s~oa
sons (onde se incluem, sobretudo, os sons dos discursos polí- ,';{ sta, por natureza, mais bem preparada para uma umca
ticos) também gostam de saber (475d-e). É por isso que Sócra- ': ~~tarefa. Ora, Sócrates afirma que o governo político, que
•••
~

•••
tes traça uma linha nítida entre os filósofos e os seus rivais. :t;':'. depende da experiência prática, e a filosofia, cuja perícia é
Dois argumentos se seguem, um rápido, para explicar esta :;:J;:;~altamenteabstracta, andam emparelhadas. Se Platão aban- ••••••
distinção a Gláucon (475e-476d), e outro mais elaborado, para ; ~~édona@, o seu sistema político entra em colapso. Se @ se
explicar a não-filósofos porque é que o seu "conhecimento" é .~1,~(~a?tém, a conju~ção da filosofia com a governação é
realmente, e só, uma opinião, em comparação com o genuíno :;i~' t~natural; mas, VIStoque a CIdade perfeita depende dessa
conhecimento dos filósofos (476d-480a). Os pormenores deste ; ggfcOlljunção,é também antinatural e nunca pode existir. De
••••
argumento pertencem ao capítulo seguinte; de momento v~u .wr~~:ao~ de outra. ~aneira, Platão deve depor a esperança por ~
supor que a conclusão de Sócrates é verdadeira. A questaO "~('fll a cIda,d~ perfeita, a meno~ que con~iga demonstrar que a
~
permanece, contudo: que provou ele de relevante quanto aO : {f asotia e merente ao conhecimento ético.

!I{·
140 ~\; 141
I 'fI


••••
PLATÃO E A REP(]IJLlCl\
------
De momento, Sócrates deixa de lado o tema e volta a ate
n-
POLÍTICA RADICAL

. pas; como veremos no Livro IX, a vida perfeita privilegiará a


actividade filosofante.
ção para a premissa do argumento desta secção que continu

••••
, . a " Além disso, se a razão pode simultaneamente desempe-
a ser necessana:
"pbar a governação prática da alma e a pesquisa teórica da
4. O amor por todas as espécies do saber produz a vir. :verdade, quer dizer então que o filósofo (cuja razão é mais

•••• tude .

Se ele conseguir provar que os filósofos "serão capazes de


bem desenvolvida do que a de ninguém mais) é simultânea,
°
natural e incontroversamente, por um lado, mestre prático
da cidade e, por outro, o inquiridor teórico da verdade. Então

•••• possuir estes dois conjuntos de qualidades" (485a), ou seja o


conhecimento e a virtude, então fica completo o seu argumento .
@ não impede o governo do filósofo, mas exige-o.

Os filósofos na sociedade real (487b·502c)

•••• Sócrates defende (485a-487 a) que a virtude acompanha


sempre o exercício da filosofia, graças à paixão pela sabeds.
ria inerente a todo o filósofo, uma paixão que reduz as outras Antes, porém, de completar a sua teoria da filosofocracia,

•• paixões (485d). Libertos dos mundanais cuidados, através do como podemos chamar ao governo dos filósofos, Sócrates tem
amor pela sabedoria, os filósofos são cada vez mais modera- - . e enfrentar a ateórica figura de Adimanto. Esse lisonjeiro
dos (485e), corajosos (486b) e justos (486b). etrato do filósofo é uma perfeição, diz, e Sócrates incluía

•••• Este argumento exige uma paixão avassaladora para 08


filósofos, que nunca pode existir em mais ninguém com tanta'-
intensidade. Ignora a possibilidade de essa paixão tão forte
:nele Gláucon, por meio das suas famosas e tendenciosas per-
'guntas, mas ninguém acreditava nisso (487a-d). A experiên-
'cia mostra que a maior parte dos adultos, que se dedicam à

,.••
••
poder levar a novos vícios, desconhecidos dos escravos dos -
apetites sensuais. Acima de tudo, o argumento ignora a expe-
riência abundante de que as pessoas absorvidas em ocupa-
ções cerebrais podem até manifestar-se mais susceptíveis do
que ninguém. Mas o argumento é digno de nota, por intro-
~~filosofiase tornam excêntricos - "para não dizer de todo
t;viciosos"- enquanto os poucos decentes são inúteis para a
~(comunidade(487c-d).
.~; Platão precisa de enfrentar esta acusação, se a sua filoso-
,f:"fia política se destina a ter voz quanto às realidades da polí-

,.•
duzir uma ideia que terá implicações a longa distância, mais ~:-tica.Como antes, acompanha o argumento abstracto com


••
adiante, na República. Sócrates baseia a sua afirmação sobr.e
a virtude do filósofo dando relevo à natureza erótica da afei-
ção do filósofo pelo saber. Os filósofos estão "apaixonados po~",
1<>utroque reconhece a importância das percepções populares.
~Desta vez é uma parábola: a cidade é como um barco e a sua
i;população, o dono do barco, um homem poderoso mas surdo
uma espécie de saber ierõsin, 485b), o seu apego é um desejO- ~emíope, com um escasso conhecimento da navegação. Os polí-
(epithumia, 485d; cf. 475b). Podemos atribuir a Platão a pre- Jticos assemelham-se a marinheiros que competem pela capi-

•• ®
missa que segue:

A parte racional da alma tem desejos próprios.


';:;Faniado barco, maquinando contra os seus competidores pela
~:aprovaçãodo dono, mas todos eles hostis a alguém que tenha
p'eal conhecimento da navegação. Ao estudo das estrelas e do

••• N en h um desei . era eVI


esejo deste tipo idente na diISCUSS
a-osobre
.
a razão, no Livro IV. O silêncio do Livro IV quanto ao deseJ~
~~\Tento, a que o verdadeiro comandante se dedica, chamam
,:,elesnefelibatismo; a seus olhos, toda a tentativa de navegar
~;,éinútil (488a-489a).

•••• da razão deve-se, de facto, a que a sua ética teórica par~c .


puramente formal (ver pp. 115-118). Se a razão tem deseJo:~
a justiça será mais do que um equilíbrio das paixões burIl-
. Esta imagem deve não pouco aos Cavaleiros de Aristófa-
t{nes,uma alegoria política em que um ancião confuso, cha-
,,:;llladoDemos ("o povo" ou "o público em geral"), precisa de ser

•••• 142
"~.: .

143

••••
t PLATÃO E A REPÚBLICA
-----
.!~''''..

':8}k,'
'tV;'< POLÍTICA RADICAL
••"••
"I'

I
protegido de comerciantes matreiros; Platão transfere si
plesmente a situação cómica para um barco. Se admitirrn.o~-
;~~f:
'·.~tA9
;H>....----
8). Não é só que os filósofos, porque humanos, ficam vul-
'~eis à corrupção; é mais o facto de algo relativo à sua
••••
parábola como argumento, origina um círculo vicioso, po·a •i~~!pe~~reza que os deixa geralmente à mercê das lisonjas, da
pressupõe, da parte do filósofo, conhecimento da arte de gove
nar e, até aqui, Platão não demonstrou que tal conheciment
1S
r-
: ':~XP:~ueza
;';;p
e da glória. Significativamente, esta passagem marca
cimeira asserção clara da República sobre a necessidade
••••
exista. (A imagem é também deficiente ao falhar na cOmpo ,;,a p preservar e provar ~s filé
:~{~de r t
1 OSOlos-~overnan es a ~z
'I d a su~
•••
ração do conhecimento moral, relativamente a uma especia~~ ,H~fragi1idad~.Mesmo_ aSSIm, a despeito das conces~oes ~ Adi-
dade. Já fiz notar a debilidade da comparação, quando Sócr~_
tes fez dele uso abundante no Livro I; ver pp. 49-51). Sócrate
,~<
anto, Socrates nao lhe respondeu. O que propos fOI uma
t~:L:~sãoalternativa dos fenómenos que Adimanto descreve: mais
•••
",.
fj;;..~o que na demonstração da intrínseca malícia dos filósofos,
não está só a explicar o moti vo por que os filósofos parece~
inúteis nas sociedades reais, mas porque realmente o são j,!::;aquelesfalham na. condenaçã? do divórcio .da sociedade, entre •••
(489b). Dado o grau de influência que tem no mundo o Poder ':'\:o poder e o conhecimento. A vl~ão a!ternatlVa teI? de ,te: plau- •••
•••
•...
•..
político, o conhecimento da melhor política que um Estado J.:','sibilidade, se havemos de considerá-Ia como mais próxima da

....
deve prosseguir nada tem a ver com a execução dessa política. ~j;(verdade do que a versão usual; ora, a plausibilidade da visão
II Ao voltar-se para o assunto dos filósofos viciosos, concorda ~t;de Sócrates repousa na sua reivindicação de que os filósofos ':
':
de novo com Adimanto, virando mais uma vez a crítica con- J\', têm o conhecimento que fará deles governantes melhores. :
tra a sociedade que corrompeu os filósofos. A população Cor- M:;: Platão precisa de provar que aquilo que a filosofia faz natu-
;T '
ralmente está orientado para a perspicácia politicamente
•••
•.
rompe os jovens intelectuais, ao forçá-los a cortejar o favor
popular, em detrimento da persecução da verdade (489d- ,i, valiosa; precisa de provar a verdade de @.
495b). Insurge-se contra quem quer que tente educá-los, des- ';: ~, ;
;
viando os talentos do educador para a prática da intriga polí-
;

;it:
tica. (Em 494c-495b, especialmente, Platão pretende que o Os filósofos na cidade perfeita (502c-541b)
leitor pense em Sócrates e em Alcibíades.) Quanto à perver-
são da filosofia que Adimanto passou por alto, a pretensão de Alcançámos o âmago da República. Em primeiro lugar,
sabedoria de exibicionistas filósofos falhados (495c-496a), isso
apenas acontece porque a sociedade humana recusou honrar
a perspicácia da filosofia. Neste mundo, o filósofo incorrupto
apenas pode esperar ter uma vida privada virtuosa - e não
é mau objectivo, diz Sócrates, mas bem longe do óptirno
Sócrates define o objectivo estrito desta secção: pressuposto
o surgimento da cidade perfeita, como consegue esta manter-
se? Que sistema de educação protegerá os filósofos da cor-
rupção? A resposta a estas perguntas terá também de expli-
car a forma de a educação filosófica preparar o guardião para
':+- :.-'t-
(496a-497a). (Também aqui Pia tão está a pensar no Sócrates o poder político. Para resolver este problema, Sócrates terá de
investigar o objectivo último da actividade filosófica. Nesse
•••
: I
histórico, ao lamentar as realidades políticas que o impedi-
ram de fazer o verdadeiro trabalho de filósofo.) Os filósofos sentido, faz uma nova digressão para delinear a finalidade •••
•••
I
pertencem à cidade perfeita, onde os seus talentos podem suprema da filosofia. Podemos, portanto, dividir em duas esta

•••
••t
I
melhorar a vida de cada um. Em todas as outras cidades secção, a saber, o esboço da Forma ou Ideiat ') de Bem (502c-
seriam verdadeiras as objecções de Adimanto (497a-c). -521b) e o sistema pedagógico da cidade (521c-541b).
Adimanto intuira algo de importante acerca da volatili-
dade das relações entre filósofos e políticos. Até mesmo na (l) Este é um dos muito poucos pontos a respeito dos quais eu me afasto
cidade perfeita, os governantes terão em atenção o potencial da terminologia da tradução de Bloorn. Este usa "idéia" para traduzir o termo
latente de corrupção presente nos intelectos talentosos (497c- grego idea; prefiro empregar a palavra "Forma", um pouco mais usual.
•••
144 145

~
••
't
•• PLATÃO E A REPÚBLICA
:.---- POLÍTICA RADICAL

•• A Forma do Bem (502c-521b)

Pretendendo, embora, falar apenas da educação dos fil'


·'.l'ornámos finalmente o it!nerário ~a~;longo e a~cançámos
este modo de entender. Vistas daqui, as outras VIrtudes da
ma" perdem o brilho, reduzidas a simples "hábitos e exer-

••• safas, Sócrates diz que vai submetê-Ias ao "estudo ma' . I 0-


. XlIno"
(503e, 504d). Pressionado a explicitar isto, usa uma sérí d
. . F
imagens para sugerir a arma do Bem, o pináculo da in .
e e
íÓOs" (518d-e) .
Será que tal implica a falsidade da teoria do Livro IV?
Mais criterioso seria dizer que a teoria é parcial. Falha sobre-

•• . - fil
riçao 'fi
1 oso ica.
A F arma do Bem é como o sol (507c-509c)'qUI-
re~ações entre a Forma do Bem, todas as outras Formas ~ ~:
objectos da palavra visível podem traçar-se ao longo de U
tudo em não oferecer uma explicação da natureza da razão.
· ma teoria ética completa acrescentará, à explanação do
[vro IV, um papel mais activo para a razão filosófica.


••
linha divisória (509d-511e); a relação dos seres humanos c:
a Forma do Bem assemelha-se à relação entre os prisionei_
ros de uma caverna e o sol (514a-517c).
A Alegoria da Caverna traz de novo a política para esta
tliscussão da Forma do Bem. A vida humana, diz Sócrates,
pode imaginar-se como a situação de prisioneiros numa
Como princípio supremo da ética e da metafísica - a um averna, algemados em filas, de costas viradas para a

•••
tempo, a melhor coisa do mundo e a mais real -, a Forma
do Bem promete justificar o governo dos filósofos (506a).
Qu~m do~inar a prática filosófica na demanda dos princípios
entrada, incapazes de desviar sequer a cabeça do teatro de
sombras que lhes passa em frente, na parede da caverna
(514a-b). Não são as sombras dos objectos reais nem a pro-
mais gerais por trás de um fenómeno chegará eventualmente jecção delas pela luz do sol, pois esta luz. não consegue pene-

•• a esta entidade, a qual explica em que consiste a bondade de


todas as coisas. Sem o conhecimento desta Forma, nunca é
possível pensar coerentemente acerca de temas morais, nem
trar na caverna. Em vez disso, há uma fogueira atrás dos pri-
·ioneiros, com homens passeando de um lado para o outro,
alçando modelos de objectos reais. Os prisioneiros olham as

•• decerto determinar o padrão moral da vida humana (505a-b).


O custo desta abrangente teoria da realidade e da vida boa
sombras destes objectos e julgam ver a realidade (515b).
De acordo com esta alegoria, estudar filosofia torna-se no

••• é o facto de ela degradar o valor do comportamento ético,


quando intentado sem a filosofia. Em termos do argumento
da República, isso significa que a Forma do Bem substitui a
processo de se libertar das algemas e, esforçadamente, con-
·eguir ver, primeiro, a fogueira, depois a boca da caverna e,
or fim, o mundo exterior iluminado pela luz solar. Uma vez

• justiça como objecto da inquirição ética. Significa também ora, os iniciados têm de se acostumar àquela luz fulgurante,
que 0, que identifica a justiça platónica com o com- lhando, primeiro, as sombras e reflexos dos humanos e



portamento comummente justo e que Sócrates se empenhou
em demonstrar no Livro IV, prova não ser a última palavra
utras coisas, em seguida as próprias coisas e, finalmente, a
ante de toda a luz, o sol (515c-516b). Não admira que quem
regresse à caverna e tente desenganar os prisioneiros que lá

•••• sobre a ética. O Livro IV definia a justiça como a virtude pre-


emmente e fundamento de toda a moralidade. Agora todo o
olhar se volta para a Forma do Bem. Sócrates não só declara
ficaram das suas ilusórias opiniões acerca da realidade seja
desprezado e escarnecido: ignorantes da grande luz que atrás
deles brilha, os prisioneiros tomam a desorientação de


esta Forma "mais importante do que a justiça" (504d), maS
afirma que "é valendo-se alguém da [Forma do Bem], junta- alguém que caminha da luz para a escuridão pela confusão



~e~te com coisas justas e tudo o mais, que elas se tornaIll
úteis e benéficas" (505a). Tinha já advertido os seus interlo-
cuto~e.s, no L~vro IV, de que a definição da justiça por ele~
superficialmente semelhante de quem 'passa da escuridão
Para a luz C516e-517a; 518a-b).
· Por muito que a troça dos prisioneiros pelo filósofo recorde

••• admitida serra uma perfeição de segundo grau, inferior a


verdadeira inteligência dos principios morais (430c, 43Sd).
'de novo a pessoa de Sócrates, Platão pretende algo mais do
qUe defender a memória do seu amigo. O ponto fuleral da



146 147

•• ••••
PLATÃO E A REPÚBLIL'A POLÍTICA RADICAL
----------------------------------------------
alegoria transfere-se da sociedade para o filósofo, dos maus .ti educação dos melhores guardiães (521c-541b)
i tratos que os filósofos enfrentam no mundo, tal como o encon_
:trámos, para o dever que lhes pesa nos ombros, num mundo . Sócrates regressa finalmente à questão original desta
.bem organizado. Quem quer que tenha alcançado a Forma do 'digressão dentro de uma digressão: que passos terão de dar
:Bem preferirá não regressar aos mesquinhos negócios huma_ ,OS dirigentes da cidade em direeção aos filósofos atentos não
nos (517d-e, 519d): na cidade platónica, os filósofos serão inti_ i;aos aspectos mutáveis do mundo mas às verdades eternas do
mados a entrar na política (519d). .reino inteligível? O restante ?o Livro VII sugere um currículo
Gláucon protesta, dizendo que esta compulsão faria urna ,para. ~fectuar a conversão. A música e à ginástica, que ga-
'injustiça aos filósofos (519d). A resposta de Sócrates, subs- rantmam a educação dos guardiães nos Livros II e Ill, Sócra-
tancialmente a mesma que dera já a Adimanto acerca da feli- .tes acrescenta a matemática (522c-e; 525b-526c): esta inclui
'cidade dos guardiães (420b-421c), é que a cidade não existe a aritmética, a geometria, plana e dos sólidos, a astronomia
,para auxiliar qualquer das classes de cidadãos mas para pro. 'e a harmonia. Terminado este período da educação dos guar-
[duzir um todo harmonioso (51ge-520a). Aliás, os guardiães diães, sucedem-se dois ou três anos de ginástica (537b). Dos
recebem já auxílio que baste da sua cidade, pois, ao contrá- -vinte aos trinta anos, dedicam-se ao estudo sinóptico de todas
irio dos filósofos que conseguem surgir de surpresa no sítio as matérias (537b-c), após o que, dos trinta aos trinta e cinco ,
'pedregoso que são as cidades reais, devem a felicidade con- fazem a primeira introdução à dialéctica (537c-d; ver 532d-
;templativa às instituições da cidade (520a-c). E só eles têm o ,-534c, para a descrição da instrução em dialéctica). Seguida-
lque a sua cidade necessita: o governo dos filósofos beneficia '; mente, servirão a cidade durante quinze anos em postos mili-
a cidade mais do que outro governo o faria, porque é o único tares e civis, como soldados, polícias e administradores
exemplo de poder exercido com relutância. Só os filósofos ~'subalternos (53ge-540a). Só na idade de cinquenta anos são
'conhecem uma vida mais feliz do que a de governar; daí que \ conduzidos à visão da Forma do Bem e, contemplada esta,
só eles governem sem cair em facções (520d-521b; cf. 345e). :. dividem o seu tempo entre a filosofia de nível superior e o
Por muito que a negação da República em reconhecer o ; governo à escala suprema (540a-c).
•••••
I

direito dos indivíduos a conduzir a própria vida possa con-


~undir algum leitor, não é esta passagem a pior manifestação
de tal atitude. Noutro sentido, porém, a discussão ameaça de
>A doutrina educativa de Platão
•••
••••
f
forma mais profunda a teoria política de Platão, pois implica
bue os filósofos têm algo de melhor a fazer do que governar
'a cidade. Se as actividades filosóficas de governar e de con-
Como educador, Platão combina recomendações progres-
: sistas com as mais repressivas e militaristas. A sua proposta
;:mais genérica transformou-se numa atitude tão comum que
••••
•••
~emplar são tão diferentes entre si - assaz diferentes para ..:.
que Sócrates negue que a primeira é "óptima" (540b) -, nesse
o leitor pode passar por alto o seu significado. Platão nega
",;f"'- que esta escolaridade consista na acumulação de conheci-
caso resulta questionável a unidade da filosofia com a polí- \ ';~(:mento dentro da alma (518b); é antes uma conversão, em que
••••
•••••
Itica. Embora sem negar a aptidão dos filósofos para gover- 'i, ,;~'<a alma "leva a cabo uma reorientação" (518c, d) e dirige a
••••
nar, esta passagem atribui-lhes duas tarefas perfeitamente
distintas a desempenhar. Assim, @, que a Forma do BeJ1l 1 I~~::'
supostamente acomodava à filosofocracia, aparece ainda eJ1l
;,~~':atenção para novos objectos (521c-d). A lista de livros bani-
dos, no Livro lI!, pode ter-se seguido à primeira fase da edu-
}l\\;:.< cação dos guardiães, cujos objectivos consistiam apenas na
••
•••
desacordo com a organização política da cidade. A unidade do
conhecimento teórico e prático permanece um problema par8
Platão.
\K'
y'""
exercitação

moral; o empreendimento acessível mais ambi-
,\f;i\C10SO, a produção de filósofos, requer o desenvolvimento de
" :~tumparticular tipo de capacidade. A matemática, pura e apli-
•••
•••
148 ~~"
~'~:i·
'~.,
149 •••
..-
~
.~
'<tt

•• PLATÃO E A REPtJBLICA POLÍTICA RADlCAL

••• cada, fomenta esta capacidade, permitindo que os d


,
-----------
res da cidade mantenham o nível filosófico da Sua ab d
e ucad
0-
: _22d), Os primeiros diálogos que mais provavelmente reflec-
tem o método educativo de Sócrates tCármides, Êutifron, Gôr-

••• àquelas matérias (526e, 529a, 531c), Estes comenta' ,or agem

h , to
,_
recem assaz que Platao (provavelmente o primeiro
' ia) d
nos escla_
a
C' ,
laze-Io
gias, Laques e Lisis) mostram-no chamando os seus interlo-
cutores à consciência de que as suas altissonantes teorias
'morais fracassavam na cobertura até dos mais óbvios fenó-

••
na IS orra europeia a voga uma educação centrad
me'tod os d e ana'I'ise, mais, do que em factos. Encara o p a em .:menos, e de que os seus discursos em assuntos de ética eram,
. rocesso
como um d esenvolvimento natural, ao menos para estud por isso, insignificantes.

••
talentosos (535c): eis a razão por que o seu aprendizad antes Platão optou por substituir um currículo formal em mate-
começar pelos jogos (536d-537a). o Pode , mática por um interrogatório do seu professor sobre as pro-
Platão acrescenta estes comentários fantasiosos a ou t ros posições morais dos Atenienses. Não é fora de propósito con-



enfadonhamente conservadores. Embora pretenda qu
estudos matemáticos elevem a alma ao ser, não deix: ~s
~s recomendar aos estrategos militares (522d-e, 525b, 526d)e
cluir que ele desconfiava do método socrático de ensino.
Sócrates previne Gláucon de que o exame filosófico dos prin-
cípios morais não se deve revelar aos jovens (537c-539d). Os

•• E motivado
. , pelo desejo de demonstrar que um só currí cuI'
servira, tanto para o guerreiro como para o filósofo (525b)' d '
diã
que os guar iaes possam naturalmente desempenhar ao
o
, ar
..jovens estudantes de dialéctica são "cumulados de desordem"
(537e), exercitados a refutar a tradição (539b), mas não sufi-
cientemente estáveis para se manterem pessoas honestas face

•• mesmo tempo ambos os papéis. Mas este motivo não serve de


compensação pelo tom contestável do argumento de Sócrates'
ele repete o seu ponto inicial acerca das crianças assistindo
à incerteza da moral (539d). Estas advertências contra a
exposição dos jovens à dialéctica só podam significar que Pla-
tão acabou por partilhar - embora qualificadamente, e de

•• às batalhas (537a), como se se tratasse de estender a pari-


dade da guerra com a filosofia na vida dos guardiães. Se não
modo provisório - o juízo dos Atenienses de que Sócrates
corrompia a juventude. Platão povoaria, antes, a cidade ideal

••
temos de generalizar, a partir das referências à guerra, cha- com cidadãos obedientes que nunca interrogam a sabedoria
mando militarista a Platão, não devíamos decididamente tradicional, como fazia Sócrates; ao mesmo tempo, não pode
esquecer que a classe dos guardiães começou como exército refutar o valor desta interrogação em prol da produção das

•• regular da cidade e que, por todas as suas esperanças acerca


da perfectibilidade dos seres humanos, Platão está sempre
teorias morais. Espera que a sua propedêutica de aritmética
e geometria inspire o mesmo fervor pela abstracção que


••
~ronto ~ empregar a força sobre aqueles que persistem na
ImperfeIção.
Sócrates estimulava, sem suscitar o mesmo cepticismo aos
futuros governantes .
A fraqueza dos jovens guardiães perante o poder corrosivo



I,
j\.
A ameaça da dialéctica da dialéctica recorda a insinuação de Sócrates a Adimanto,
segundo a qual a natureza filosófica está especialmente

••• o processo de educação aqui delineado tem poucas serne-


lh~nças com o processo pelo qual o Sócrates histórico con-
quistou os seus amigos para a filosofia. Se podemos fiar-noS
aberta à corrupção (491d-492a; cf. 518e-519a). A prevenção
contra a dialéctica aumenta-nos a sensação da vulnerabili-
dade dos filósofos. O que os forma é precisamente o que os

•••• no retrato proposto nos diálogos de Platão, Sócrates deixou-


-~e arrebatar pelas suas investigações, após chegar à condu-
sao. de que. os seus pares e superiores políticos não tinham
deforma, porque os elementos do carácter que produzem a
capacidade filosófica - a mente rápida, a paixão da argu-
mentação - podem também produzir com facilidade um

•••• mais q~e dizer, sobre assuntos vitais, do que coisas inconsis-
tentes, mfundadas e muitas vezes anedóticas (Apologia 21c-
astuto demagogo ou um defensor do tirano. Não é de admi-
rar que os Livros VI e VII insistam na necessidade de pôr à

••
,-
150 151
til

.a
.~ ..

•••
PLATÃü 8 A REP(JBL1CA
----- ••••
prova os guardiães da cidade (503a, e; 53ge), para os obrigar
a empenhar-se na sua educação (504d), para exercer urna ,ugestões de outras leituras
POLÍTICA RADICAL
•••
•••
vigilância constante sobre os medíocres (536a). A firmeza de
conhecimento do filósofo vai acompanhada da sua corrupti_
bilidade.
, Sobre as propostas de Platão relativas à cidade, ver pri-
eira que tudo Aristóteles, Política n. 1-6; também Barker,
•••
••••
A sensibilidade de Platão à debilidade do temperamento
filosófico torna-se um problema, se nos lembrarmos do
"comIDunism in Plato's Republic", Brann, "The music of the
F.epublic", Rankin, Plato and the Individual. White, A Com-
•••
enorme poder que esses governantes detêm. Eles fazem as anian to Plato's Republic, e Nettleship, Lectures on the •••
leis e decidem a maneira de lhes dar execução; mantêm o •••
.",.
epublic of Plato são ambos excelentes para estes tópicos.

--.,...",.
exército em casas onde ninguém escapa à inquirição minu. Bambrough, "Plato's political analogies", começa com o navio
ciosa do chefe; promovem e despromovem de classe os filhos o Estado e estende a discussão para analisar a concepção
dos cidadãos. Tão absoluto poder tem a garantia da infalibili. latónica do conhecimento político. Sobre a educação dos
dade do conhecimento dos filósofos. Mas é oportuno pergun. ardiães e a Forma do Bem, ver Cooper, "The psychology of
tar como poderá ser infalível tal conhecimento, quando pos- ustice in Plato", e Ross, "The Sun and the Idea of Good" .
suído por pessoas tão susceptíveis de decadência moral.
Talvez semelhante natureza possa ser exercitada para a
incorruptibilidade; mas o grau de perfeição de que depende a
investidura platónica do poder nos guardiães transforma num
Sobre as mulheres na cidade platónica, ver Bluestone,
omeri and the Ideal Saciety, que visa tanto as reformas do
ivro V como a história da sua recepção; também Calvert,
lato and the equality ofwomen", Lesser, "Plato's fernínism",
.".,""
mistério a inevitável decadência da cidade, no Livro VIII, Pierce, "Equality: Republic V". Irigaray, "Plato's hystera", •••
•••
•.•....
uma decadência que Platão atribui à falibilidade dos guardi- . epresenta uma crítica radical da visão platónica das mulhe-
ães (546a-54 7a). É de estranhar que a consciência da falibi- , s. Sobre as mulheres em Atenas, ver Keuls, The Reign of
! •••
lidade humana não tenha levado Platão a enxergar as virtu- ,the Phallus. Dover, Greek Homosexuality, e Halperin, One
des da democracia, cuja ineficácia, confusão ideológica e " undred Years of Homosexuality esclarecem a política sexual ~:

•.,".••.
constante sentido de compromisso, embora tudo isso faça da ega. ',
democracia o regime menos susceptível de prosseguir uma
política pública sistemática, lhe permitem, por outro lado, ser
o mais resistente à tirania. Dado que vivemos num mundo ', ••
,_
em que as pessoas mais perfeitas erram, moral e intelectual-
mente, talvez possamos providenciar um sistema que pro-
porcione, não o melhor modo de viver, possível de imaginar, '
mas o melhor, circunstancialmente falando, o melhor em evi-

!I
t

I
li
tar um regime pior. No Político, Platão raciocina desta
maneira, concluindo que se a sociedade humana não puder
depender de um governo estável com leis rígidas, a demo-
cracia é a forma de governo mais desejável (303a-b). Na Repú-
blica, apenas reconhece selectivamente, sem parecer ter pre-
'I.l--
1,'
l_".
i'" .
sente no espírito, que vivemos no que o cristianismo chama ,

I
um mundo decaído.

,~. 152
153 ,. a.I
I'"
·'t.
~)


~i
,
~
!j

• i,
i~é
I~ ",
7
•••• I
I

,
t
I
,~
*'~r--
~"
~~t METAFÍSICA E EPISTEMOLOGIA
•••• i \,ri'
I
1 rlí··· (LIVROS V-VII)
j ~r---------------------------------------------------
;.i';tI'

••• I ~
~~':

.~
âli
••
••
J ~:'
~P·~

",. ~~'
~~'" A metafísica, muito genericamente considerada, pergunta:

••
".
~Slue coisas são reais e em que consiste a sua realidade?
:fA epistemologia pergunta: que podemos conhecer e como o
,f-.conhecemos?As duas perguntas podem manter-se distintas
",-
•••
",.
[·fuma da outra, como aconteceu na filosofia desde Descartes;
~~mas,na República, Pia tão entretece todas as perguntas sobre
~;a
••
•••
realidade com as perguntas sobre conhecimento, baseando-
:j!seem que cada espécie de objecto do mundo corresponde a
t\uma diferente espécie da sua percepção humana. Esta ampla

••
~
~;;unificaçãode todas as inquirições filosóficas é típica da sec-
Y!:çãointermédia da República, sendo uma .das razões da sua
íS im portância filosófica.

--
:i~~
•••• .•
'!-
~:::
t:
1;,0
.I.
problema dos particulares (475e-480a)
••• {\
& Já vimos Gláucon objectar que os filósofos têm o aspecto
••• i%de diletantes (475d). Sócrates aproveita a oportunidade para
••• ~i

1
distinguir os filósofos em função dos superiores objectos de
inquirição, e para começar a separar esses objectos dos
,~outros, os menos perfeitos, que o amante de espectáculos per-
i~segue. O argumento aborda a distinção de ambos os lados,
::.,apelando,primeiro, à superioridade das Formas (475e-476d)
:~e atacando, depois, todos os tipos de coisas inferiores (4 76e-
ij-48Üa).
!,',j
,
;)'

t·.. 155
PLATÃO E A REPÚBLICA,
METAFÍSICA E EPISTEMOLOGIA
:As Formas (475e-476d)
III O resto da teoria. Talvez pensasse que seria tão óbvia a

, Sócrates começa por falar "do justo e do injusto, do bom e , 'stência das Formas que estas não precisavam de demons-
do mau" (476a). Depois, fala mais artificiosa~ente d? "belo em .ação. Em todo o caso, na ausência de uma introdução apro-
si" (476b), como se fosse o mesmo tipo de cOlsa: Glaucon não riada, podemos entender as Formas apenas através da
manifesta surpresa pela nova terminologia - Socrates parece etecção do que Platão espera delas. Na passagem em aná-
referir-se a uma teoria que já ouvira e o convencer.a. Na ver, lse r , Sócrates define as Formas por meio do contraste com as
dade sempre que Sócrates introduz semelhante tipo de lin, -o~Formas. Cada uma das qualidades - justiça e injustiça,
guag~m no argumento, este encontra imed~ato a~ordo da parte olll e mau - é "ela própria" um objecto singular; "mas, ao
.de Gláucon (507b, 596a-b). Numa outra discussão fundamen_ ostrarem-se a si mesmas em toda a parte, em conjunto com
tal de "[o] X em si mesmo", no Fédon, Sócrates encontra de 'cções, corpos e uma com a outra, cada uma se parece com
novo o seu, noutras circunstâncias, combativo in~erlocutor, uitas" (476a). Estas "muitas" são os belos sons e cores atra-
predisposto a consentir sem resi~tência na existência de eny_ és dos quais o próprio belo se manifesta a si mesmo (476b);
dades, de algum modo já conhecidas (l?Ob; cf. 74a). ., participam" no próprio belo, mas não são idênticos a ele
! Estas passagens introduzem as aSSIm chamadas ,F?rm~ 476d). Temos aqui três caracterizações de Formas:
de Platão. Sem propensão para inventar um vocabul~no téc-
\nico formal, dentro do qual cada termo ganha e mantem uma 1. Unicidade - A Forma de X é a única da sua espé-
CIe.
determinação precisa, Platão usa diferentes palavras .para
falar de uma Forma de X, mais normalmente,. porém, dIZ "X 2. Autopredicação - A Forma de X é o exemplar puro
bm si mesmo", para exprimir o modo perfeito com~ uma da propriedade X.
Forma contém a sua propriedade X. Umas vezes, menciona a 3. Não-identidade - As coisas individuais X (acções,
[Forma simplesmente como "X", outras, como eidos, outras corpos, configurações, objectos manufacturados)
ainda como idea (embora a palavra grega idea não se refira participam da Forma de X, mas nenhuma delas é a
,
iaos pensamentos na mente das pessoas. ) "F orma " aca bou por . forma unitária de X.
~er a palavra mais comum da língua inglesa C) para a enti-
dade; capta dois importantes sentidos do grego, a saber, o de Quaisquer outros pormenores relativos a Formas sobre
f'espécie" (uma pistola é uma forma de arma.de fogo) e a de que possamos argumentar (ver Capítulo 11), a unicidade, a
"configuração" ou "modelo" (de carta, de ~odista).. u- "utopredicação e a não-identidade com coisas individuais X
.' i Seja qual for a designação usada, Platao tende a mtrod onstituem as suas propriedades nucleares.
~ir as Formas nos diálogos, sem nenhum argumento a favor ' Esta simplicíssima afirmação sobre as Formas é um tanto
da sua existência. Talvez os seus primeiros leitores conhe- aga, Que falta para exemplificar nitidamente uma proprie-
· I
cessem já todos a teoria; talvez PIa tão quisesse manter a sua > );i,dade'?Que é que torna insuficientes as coisas individuais X?
! teoria disponível só a iniciados; talvez não tivesse argumen~~ '. ~Que significa dizer que uma coisa X "participa" na Forma de
, ~ postulasse a existência das Formas, em ordem a prosseguI :' }2~?
'i"'.,."/",,'. À medida que os Livros V-VII avançam, Platão esforça-se
~]Por clarificar esta teoria, embora as respostas a estas per-
! ·'d ,~ '. ~!~g'untasfiquem sempre em aberto a uma ulterior elucidação.
; (1) Embora em português seja mais , tra diiciona 1 o uso d o te rmo XXVI),
I ei

(v
I'"
M •
H ••
R Pereira "
iritr. trad. ,
A República, 3." ed., Lisboa, 1980, P, a tr a- } ~~~~o:exemplo, Platão insinua aqui, ao explicar a noção de par-
oareceu preferível, pesados os inconvenientes e as vantagens, manter se ,;:l~1.1clpação,que a coisa X é "semelhante" ao X em si mesmo
dução mais próxima do original,
P , 'I'
utíhzan d o o t ermo "F orrna "O
. mesmo
diga no que respeita ao uso de maiúsculas, (N. T,)
;ir j~476C); mas o ~ue não fica claro, para já, é o que significa
., ;,\4··assemelhar-se ,
" q~k
156
157
j'
«I

••••
I'

I
I,
PLATÃO E A REP[jT3LICA
------------------------- --- METAFÍSICAE EPISTEMOLOGIA

•• 1
Esta passagem !,lãoprova que os filósofos se situem achn
. " . . .
dos amantes de experiencias sensorrais, porque esses estetas
a .' 3. De (1) e (2) segue-se que a opinião depende de algo

•• ",1

lj
~: }
só podem olhar-se como ocupando um estado inferior de
conhecimento, se garantirmos que as coisas belas que adrni_
situado entre o que é e o que não é (478d-e).
4. A Forma de X é sempre X (479a).
5. As coisas belas são também feias, as coisas justas

••• ram são meras semelhanças com a beleza em si mesma. Para


tal confirmar, teríamos, primeiro, de acordar em que aquelas
Formas existem e, em segundo lugar, que as coisas X devem,
são também injustas, as coisas sagradas são tam-
bém ímpias, as coisas duplas são também meias
coisas e as coisas grandes são também pequenas

••• a sua propriedade de ser X à Forma de X.


Por estranho que pareça, Sócrates não preenche estas
lacunas. Mas concede que o argumento não convencerá a
(479a-b).
., 6. De (5) segue-se que uma coisa X particular tanto é
X como não-X (479c).


••••
quem sustente opiniões sem conhecimento, pois acrescenta:
"[Cjonsidera o que lhe havemos de dizer" (476e). O resto do
Livro V separa os filósofos dos seus rivais, não provando a
7. De (4) e (6) infere-se que uma coisa particular é e
não é, ao passo que a Forma de X é (479c).
., 8. De (1), (3) e (7) segue-se que a Forma de X é o
existência de Formas mas desenvolvendo uma crítica das objecto do conhecimento, ao passo que as coisas X


••••
não-Formas com fundamentos independentes. Quando chega
a altura de defender a sua teoria metafísica, Platão começa
pelo âmbito da experiência ordinária. Os não-filósofos não só
podem revelar-se incapazes de compreender a teoria abs-
são objectos da opinião (479d-e).

" Podemos afinar a visão sobre uma parte subsidiária deste


. ":àrgumento, dado que a meta principal de Platão é demons-

••••• tracta mas serão relutantes em considerá-Ia sequer, enquanto


se mantiverem enraizados na sua experiência. A demonstra-
ção da verdade de uma teoria como a de Platão, tão oposta à I :"~trar
as lacunas do mundo da experiência vulgar. Dentro deste
,":;~rgumento em prol da superioridade das Formas repousa o
t~:mais conciso e crucial argumento contra o conhecimento dos

•••• experiência vulgar, exige primeiro que se demonstre a sua


necessidade, mostrando que a experiência vulgar falha nos
seus próprios termos .
<;.~

'~~0
· ,
~jJarticulares (daqui para diante, CCP):

1. O conhecimento de uma coisa X é possível apenas


Assim, embora Sócrates mal refira as Formas no argu-
••• '.;:~t se essa coisa for incondicionalmente X (ou "sempre:'

••
••
mento seguinte, argumenta indirectamente a favor da sua
existência. É que o argumento contra os não-filósofos conclui
que a experiência vulgar não é capaz de conduzir ao conhe-
',. 1~'~
~~.
~_-._
": ~.
::~t·
X ,a479 ).
2. As coisas individuais X(ern virtude, ao menos, de
algumas propriedades X) são X e não-X .

••
••
cimento. Se, de facto, tem de haver qualquer conhecimento,
então deverá ter as Formas por objectos.
.;;'r "
,
.'~.
.~~
3. Não pode haver conhecimento de coisas individuais
X.

••
••
Conhecimento

O argumento
e opinião (476e-480a)

completo diz () seguinte:


· ~~.".Gláucon aceita (1) sem um murmúrio, ao concordar que o
~.t{4-c~nhecimento tem de ser conhecimento do que é (476e).

••
••• 1. O conhecimento é conhecimento do que é, enquant)o
a ignorância está ligada ao que não é (476e-477a.
· liiEh~ultaneamente c?m .(1) aceita uma suposição inexpressa
, :~,tnals ampla, que dificilmente encontraremos em acçao na
; ~epistemologia de Platão:
,~

••• 2. A opinião situa-se entre o conhecimento e a igno- ii' Cada nível de conhecimento requer o correspondente

••
•• 15R
rância (478c). t~@
l~;
~t:
nível de realidade no objecto de conhecimento.

••• 159

•••
PLATÃO E A REPÚBLICA
---.
::?

,Ir
t J:
- METAFÍSICA E EPIS1'EMOLOGIA

Aparentemente, a ciência desacreditaria @. O método cien_ " ' 'aados sobre as preferências do meu vizinho que me faça gos-

-•-•
tífico pressupõe que eu parto da ignorância a respeito do sol tar mais de chá do que de cale, não há acumulação de dados
digamos, ou da circulação sanguínea humana e chego à forlllu.~ ~ue transforme a teoria da tectónica de placas num teorema
lação das minhas primeiras opiniões, a saber, que o sol gira de geometria. Porque não chamar a estas três espécies de cer-
em volta da terra ou que o sangue flui e reflui nas veias Para . ; ··eza, ignorância, opinião e conhecimento? Então Platão diz
os tecidos do organismo e regressa ao coração. Após observa_ tlpenas o que também nós diríamos, a saber, que cada tipo de
ção e experimentação, abandono muitas opiniões, substitu.in_ ioisa dá lugar a um tipo diferente de intelecção. (Para Pla-
do-as pelo conhecimento. E então que sei que a terra gira em
volta do sol e que o meu sangue percorre as artérias e as veias.
Completei uma jornada, da ignorância passando à opinião e
ão, o que chamamos ciência é opinião. Em 530a-b, Sócrates
: ega a possibilidade de chegar à verdade através da astro-
, omia empírica. Os céus são visíveis e mutáveis, diz ele, dois ~
••
desta, ao conhecimento, sempre sobre os mesmos objectos. Nã~
poderia ascender ao conhecimento que possuo sem primeiro
Ilpítetos que associa regularmente aos objectos de opinião.
: er também Fédon 96a-99c.) •••
ter opiniões, mesmo aquelas que acabaram por se revelar fal-
sas, porque as opiniões me levam a formular perguntas mais
específicas acerca dos objectos em estudo. Na perspectiva de
\ O maior problema desta defesa não incide nas questões de
'opinião ou nas questões de gosto, a cujo respeito estamos de
icordo com Platão em que não pode haver conhecimento; •••••
Platão, a cada grau crescente de intelecção tem de correspon-
der uma ligação a um assunto diferente, por exemplo não-san-
cide nos objectos do conhecimento; a respeito dos quais, se
i

@ for verdadeiro, não pode haver opinião. Isto é, se o teorema ••


gue, quase-sangue, verdadeiro sangue.
É o sem sentido, naturalmente, e irrelevante para as pre-
ocupações de Platão, que fazem mais sentido, se os abordar-
mos através de um conjunto diferente de exemplos, como
sejam os sabores respectivos do café e do chá, as origens dos
continentes e o comprimento relativo dos lados de um triân-
'dePitágoras se pode conhecer, então por @ não pode ser tam-
pém objecto de opinião. Mas, decerto, alguém ignorante da
'.eometria pode descobrir o teorema de Pitágoras sem imagi-
~ar sequer a estratégia de prova. Tal não contaria como
illonhecimentogeométrico, mas como um .palpite bem fundado;
ou seja, o mesmo teorema seria tanto matéria de opinião para
-
•••
••••
•••
••••
gulo rectângulo. Não precisamos de argumentos para o pri- . a pessoa como matéria de conhecimento para outra. Pode
meiro. Se prefiro café e outra pessoa prefere chá, a diferença ,latão pretender negar isto? Pretende ele dizer que ninguém
entre nós fica resolvida, saboreando, sem mais. No caso dos ; pode ter uma opinião sobre objectos de conhecimento? Ou
continentes, há campo para mais investigação. Mas, dada a

quer observações capazes de decidir do caso são indirectas e


., < ~uporá que o conhecimento surge de repente, em vez de emer-
grande lentidão com que os continentes se deslocam, quais- :;'IP-r de um nevoeiro de conjecturas? .
~' Nunca afirma tal coisa. O lento processo pelo qual chega-
.-••
só funcionam dentro de uma rede de factos e de conjecturas. .'~: ...
:~os ao conhecimento das Formas leva-nos a esse conheci-
É possível que uma prova ulterior e novos instrumentos cien- .,;~ento só após um longo despojamento de conhecimento ••
, tíficos permitam aos cientistas desfazer-se da teoria da tec-
tónica de placas. Do terceiro exempo, não tenho dúvidas
quanto ao futuro. Não há dados que me levem a abandona!
i?16a-b, 533c-d). Na passagem em análise, Sócrates diz que
.ª-.all,lantes das coisas belas não vêem "o belo em si mesmo"
217ge),o que equivale a dizer que o ignoram. Assim, Platão
••
••
o teorema de Pitágoras, pois não depende de dados. Cada ~Ul
destes objectos dá lugar a um tipo de certeza: no priIne1ro
,.ontenta-se com admitir que se podem ter meras crenças ou
....tal ignorância, acerca dos objectos do conhecimento' mas a ••
••
.--
<,~treita ligação em que © insiste entre as espécies de cogni-
caso, certeza absolutamente nenhuma, no segundo, a certdZ~
empírica e, no terceiro, certeza infalível. Estes três es~a ~e
mantêm-se distintamente separados: não há acumulaçao
o e as espécies de conhecimento parece levá-lo a negar isso
" esmo.
••
160 161

""
.~

«.

••
PLATAo E A REP1IBLlCA
-------
@ virá mais tarde a criar outros problemas nesta pa t
METAFÍSICA E: EPISTEMOLOGIA

o argumento de Sócrates será mais fá~il de entender se


"
da República. Po demos evitar
. a 1guns dIe es, tendo o cuidad
re
~sermos de lado a beleza, a justiça e a santidade, e s~ con-

•• de tomar @ em sentido restrito: o que Platão afirma não ~


que cada nível da realidade implica exactamente um nível de
cognição correspondente, mas que cada nível admite, qUand~
';derarmos as propriedades que aparentemente ele equipara
quelas. As cois.asque podemos dizer dupla~, pes~das ou leves

••
}1amam-se aSSIm em comparação com outra COIsa.Os meus
muito, um dado nível de cognição. A Platão não lhe importa raÇospodem igualmente ser duplos, se os comparo como par
que tenhamos opinião sobre as Formas, nem sequer lhe orn o braço simples, ou metade se os comparo com o grupo de

••
importa a ideia de conhecimento relativo às não-Formas. odos os meus membros. Assim, a duplicidade não é uma pro-
Posso conjecturar sobre o teorema de Pitágoras, mas nunca riedade essencial dos meus braços, mas uma propriedade
terei uma prova geométrica a favor da superioridade do café. úe depende daquilo com que a comparo. A pergunta "Isto é

•• Esta abundante elaboração pode, inclusive, levar a uma


complicação maior. Como a nossa discussão sobre a Linha
Dividida mostrará daqui a pouco, não existe evasiva fácil
uplo?" precisa de um contexto claro para fazer sentido. Como
enhum termo dependente do contexto ou relativo se aplica
equivocamente a coisas individuais, a evidenciação das coi-

•• para estas questões de pormenor acerca dos níveis de cogrU_


ção. É tempo, porém, de voltar à segunda premissa do CCP,
que acusa as coisas individuais X de serem igualmente X e
.' s individuais que têm aquela propriedade não levará ao
nhecimento da propriedade. Posso examinar um rato
. ande, corpulento e pesado todo o tempo que quiser, que nem

•• não-X, Aqui, na verdade, Platão põe um argumento em acção,


porém tão compacto que é de molde a sustentar uma quan-
tidade de interpretações. Sócrates diz que cada uma das inú-
or isso se me antolhará em que consiste a: grandeza, a cor-
ulência e o peso. Uma Forma, em comparação, é um exem-
10 puro de duplicidade ou de peso que mostra a natureza da-
•• meras coisas belas parece também feia, e injusta cada uma
das coisas justas (479a). As numerosas coisas duplas apare-
nelas propriedades, sem o recurso a qualquer comparação.
. A clareza deste argumento e o seu eco, no Livro VII (ver

••
cem também como metades; o mesmo se diga, mutatis muian- ', 23a-524a, e pp. 182-184), levou alguns intérpretes a concluir
dis, das coisas pesadas e das leves. Segue-se que todas as coi- {que as coisas falham como exemplos das suas propriedades
sas particulares não são mais o que lhes chamam do que ° ~uando, e só quando, estas propriedades sãoltermos relativos.

••
seu oposto (479b). As coisas particulares carecem de genuí- : i.'Sendoeste o caso, voltaríamos atrás para aplicar aos termos
nas propriedades; são apenas semi-reais. Não podemos ~hvaliativos da frase acima - belo, justo e santo - a crítica
conhecê-Ias, se conhecê-Ias tem algo a ver com o conhecer-lhes ~socrática dos termos relativos. Mas as duas espécies de
as propriedades.
a A brevidade deste argumento deu origem a duas questões
':'.:, 'propriedades não exibem as suas ambiguidades da mesma

••• relacionadas. Primeiro, como falha uma coisa X em ser X?


Segundo, que propriedades tem e simultaneamente não tem
...••':forma. Não aplaudimos uma lei justa só quando a podemos
., •.lcomparar com outra. A comparação está fora de questão .
',IINeste sentido de "contexto", os termos av~liativos não são

••
um objecto individual? Responder à primeira pergunta é, em : 'j'Inais dependentes do contexto do que os tenros das cores. Se
grande parte, responder à segunda, já que as propriedades '. ~por suposição eles falham exactamente, como acontece com
em jogo serão aquelas a favor das quais a crítica das coisas :~os termos relativos, temos de esclarecer a natureza da sua

•.- • X intervém. Quando tivermos respondido a estas pergunt~s


estaremos em condições de descrever as Formas: estas sera~
X de um modo que as múltiplas coisas X não são e havera
uma Forma de X para cada uma das propriedades X a que
:.:~!dependência do contexto.
~~. A falta não pode estar nas leis ou nas pessoas a que se
: ~:raplicam ou deixam de aplicar os termos morais, mas nas
·.'generalizações incorrectas que fazemos a respeito de tais ter-
se ap1ica o argumento.

•• 162
'~
'.l.:tnos . Quando Céfalo definia
~.
.., a justiça corno:a restituição do

163


••
J..-
lVlETAFÍSICA E EPISTElVIOLOG[A
PLATÃO E A REPÚBLICA ':.----_.,
. Temos agora quatro fundamentos para chamar coisas X
que era devido e Sócrates o refutava com o exempI~ : portadores incompletos das suas propriedades.
. do homem ensandecido, podemos interpretar Sócrates ~:llla. , OSDos quatro, (2) é a que menos cumpre. Afiirrna a imper-
.
havendo mostrado que a restituição do que é devido é' lllo
..
num con tex to, e Injusta noutro. Esta acção merece por'
pre diica d o "''''
jUsta

Justa numa situação e "injusta" na segunda'ISSOd o.


,
eição dos conteúdos do mu?do, e~b~ra a finalidade deste
'argumento seja provar essa imperfeição. , .
. (4) opera especialmente bem para termos éticos. Nada
•••
••
e'
. .
que um umco acto tanto é justo como não.
A justiça assemelha-se agora mais à duplicidade na
Ii -, .
, aI

sUa
.oderia ser mais óbvio do que o desacordo a respeito da jus-
iça. Os Sofistas argumentavam já no tempo da juve?tude de ••
•••
d
~UI;oca a~ icaçao as COIsas.Mas, enquanto esta interpreta_
çao e perspicaz e sensível ao projecto ético de Pia tão o leit
- .
. eve ter em atençao que tambem é especulativa. Platão
' 10r
e
latão que este radical desacordo revelava a vacuidade da
)11oralidade. Se uma acção parece corajosa a um observador
cobarde a outro, não pode ter nenhuma propriedade intrín- ••
••
j'
nunca fala de Fo~as, em nenhuma das passagens que Con-
denam as nossas mgenuas generalizações respeitantes a
t
ermos m?raIs.
. A
cresce que a analogia resulta imperfeita.
Os
seca, seja a coragem seja a cobardia. PIa tão concorda a meias:
'não interpreta o desacordo como demonstração de que nada
.:sejarealmente corajoso nem cobarde, mas, ao contrário; como
••
•••
.-.-••
"
Esta consideração dos termos avaliativos amplia a noção d "demonstração de que nenhum acto é uma ou outra coisa.
"c~n,t ext"o.' d es d e o se?b.id o claro de uma base de comparaçãoe
'a.te a mais nebulosa idéia de situação. Perdemos a perspec-
•.O que isto acaba por comprovar é a inadequação do mundo
da opinião comparado com o das Formas, acerca das quais
'-
tiva de que certos termos só têm algum significado no duas pessoas informadas nunca divergem.
momento em que um objecto se compara a outro. Este argumento tem uma desvantagem em relação ao de
Se quisermos encontrar outras explicações do modo como (1): enquanto o argumento acerca do contexto se aplica cla-
as p~s~oas justas e pias são também injustas e ímpias, pode ramente aos termos relativos e, vagamente, aos termos
••
ser ~bl buscar outros escritos de Platão. O Banquete, em
p.arbcular, acusa as coisas especificamente belas de três espé-
cies de faltas: a sua beleza só existe em algumas partes suas;
j.:.
••
;ji.. :.l f,fii~!3~:~~:f~;;;~ff:~1::i~!~:;~EJ:~
•••
cresce e diminui; varia com a pessoa que considera o objecto
•••
,(210e-211b). Perante

1. Um objecto não é X em todos os contextos mas é X


'~
J~~'.
tível desacordo. Assim, (4) sozinho não conta para a integri-
dade da crítica platónica do mundo.
""., - (3) a crítica mais poderosa, condena o mundo físico à
••
.""
I.
I
comparado com uma coisa e não-X comparado com
outra
;~:t:: imperfeição pela sua mutabilidade. Dado que o crescime~to
;:~ ~:~,:,'.~,~.',"
e o definhamento das coisas as impede de slupodrtar propne-
...' dades eternas - os animais, por exemp o, e pequenos
••
••
!
podemos formular mais três críticas nítidas de coisas parti-
culares:
b:: fazem-se grandes _, nenhuma coisa X do mundo das convic-
ii{. ções vulgares se pode indicar como paradigma de X. Não •••
••
i

...;.: tarda que seja não-X. Talvez por isso Sócrates emprega o
;., ....~,:~_!

-'.•••
••
I
li .
I, 2. Um objecto não é X em todas as partes, mas con- - tempo futuro, ao interpelar o amante de espectáculos: "Ora,
tém partes não-X, ,;: destas tantas 'coisas belas ... há alguma que não venha tam-
:11
il 3. Um objecto não é X em todos os tempos, mas ~.,1. bém a parecer feia?" (479a, 484b, 485b, 585c). Na ver~ade, a
~! aumenta e diminui em X-dade. y, mutabilidade do mundo físico está em jogo, quando Socrates
4. Um objecto X não é X para todos os observadores, ;.~.' o descreve como um mundo de geração e destruição (508d,
ti~
I.
mas parece X a um e não-X a outro. i::X
i{:
165 ~
li 164
~::~~ij~ ~
Jj
1l
------'.••
PLATAo E A IlEP[jBUCA :VIETAFÍSICA ~EEPISTKlvIOLOGIA
~
", --~
527b) ou decadência (485b). Visto que não é possível neg
.:,-. ---
:-.;.
r--

'~ Uma última palavra sobre as Formas. Estas ameaçam ser

•••• ubiquidade de mudança ou que a mudança do mundo indo .


'.'
todos os objectos nele existentes, este argumento pode inte
vir como elucidação dos breves comentários de Sócrates. r-
ar a
l~a
\objectos tão perfeitos que os seres humanos podem não ter
:l'acesso ao seu conhecimento. Se os modelos de conhecimento
. são tão longínquos, a teoria de Platão proíbe-nos de os alcan-

•• No entanto, esta ampla crítica do mundo físico resulta e 'çar. Mas o argumento do Livro V é uma descrição mais con-

.-•
perturbação. Em primeiro lugar, o argumento do Livro V rem fiante do que a do nosso estado ordinário, Embora careça de
tringe-se aos termos avaliativos e relativos. Se Platão tinhS~ - .. :acutilãncia filosófica, a opinião escapa à total ausência de
em mente um argumento que operasse contra todo o mobili_ '. ~:canhecimentoque caracteriza a ignorância, Se a opinião, mais
ário da terra, é, no mínimo, curioso que não tenha citado ;que a ignorância, é o estado mais corrente das pessoas, então

•• ,
outros exemplos da ambiguidade das coisas. Em segundo
lugar, a corruptibilidade do mundo sensível não se aplica às
acções: um acto corajoso não degenera em acto cobarde nem
'a transição para o conhecimento torna-se dramaticamente
'mais plausível. Pois, se os ignorantes carecem de toda a noção,
, 'a sua aquisição de conhecimentos tem de ser um salto espon-

•• I as leis justas degeneram em injustiça.


Manda a honestidade dizer que nenhuma interpretação
desta passagem explica cabalmente por que razão verbera
. :'tâneo e gratuito para outro estado. Mas se o estado comum é
;.uma miscelânea de ignorância e conhecimento, a educação
h,em por onde pegar. Mais do que transformar os antifilósofos

•• Sócrates o interesse pelas coisas belas, cultivado pelos não-


filósofos. Platão tem aparentemente em intenção uma quan-
tidade de argumentos diferentes, cada um dos quais prova,
{em novos seres, o que importa é banir a ignorância.

••
1
de maneira diferente, e a respeito de diferentes espécies de .)Da Forma do Bem (503e-518b)
propriedades, que uma coisa X é também não-X, As críticas 1,
•••• têm implicações distintas consoante as espécies de Formas
que houver: se (2) ou (3) é o argumento nuclear de Platão,
cada uma das propriedades terá a sua Forma. A mutabilidade
Saltamos agora para o último terço do Livro VI, onde
,;Sócrates, capacitado das tentações que os filósofos enfrentam
lua mundo, retoma o tema da sua educação. Os jovens guar-

•••• do mundo implica que mesmo a propriedade de ser cão só par-


cialmente conterá alguma coisa de individual, já que essa
coisa está destinada a morrer e a deixar de ser cão. Deve, por
isso, existir uma Forma de Cão, como acontece com a Beleza
Idiães têm que ser provados, diz ele, para. se verificar se são
(dignos de aceder às lições dedicadas à Forma do Bem (505a).
iA Forma do Bem, como já disse, destina-se a harmonizar as
:::investigações dos filósofos que, com demasiada frequência,
••• e a Grandeza. Se, pelo contrário, Platão pretende dar crédito ~;vagueiam longe das preocupações humanas, onde se inclui o



a argumentos como (1) e (4), haverá Formas dos termos rela-
tivos e avaliativos. (Ver Capítulo 11, para mais desenvolvi-
ftonhecimento ético que torna a vidadigna de ser vivida (505a-
[-b) e em virtude do qual os filósofos estão habilitados para

••
mento do tema.) .[governar na cidade ideal.
Seja qual for o argumento que se encontra em jogo, uma No estado em que as coisas estão, todos querem o que é
I Forma de X será X em quaisquer condições, para todos os
I' i:bom;a este respeito, o bom distingue-se da justiça, dado que



[:

n
observadores e em todos os tempos. Esta passagem não pr~-
vou que tais entidades existam como objectos de conhecl-
mento mas, sim, que só eles podem ser objectos de conhe-
:ninguém precisa de ser persuadido a procurá-lo. Como a pala-
;\1fa portuguesa "bom", a grega agathós emprega-se também
'{comoconceito estritamente moral e como um latíssimo termo


••
11
:\1
i·l
cimento. Nada, a não ser as Formas, servirá de objecta de
conhecimento, dado que as coisas individuais carecem da
necessária relação com as suas propriedades.
}de aprovação. Até os maus preferem boa alimentação à má;
. f.ouvemboa música, sem perigo de se tornarem santos. Admi-
~tido o desejo universal pelo que é bom, talvez a última estra-
'1

• 11;
'il'
166 167


••
..
PLATAo E A REPÚBLICA
-----------------
tégia para defender a ética inclua o desembrulhar do sign0
cado de bondade, a fim de encontrar um valor fundamen~fi.-
. .------ --
:.\lETAFÍSICA E EPISTEMOLOGlA
-----------
::'observação humana (507b-c) e .tal oposição entre o visível e .0
-< teliafvel sugere uma analogia entre o sol e algumas enti-
--
~

••••
:a•••
sobre o qual todos estejam de acordo. aI 10 /::>- d ,. do i I t
.:dades correspondentes no ormnio o mte ec o:
Digo "talvez" porque a República não leva tão longe a an' t:
lise do bem. Sócrates contenta-se com um esboço da sua fu a- '\'
Forma do Bem sol
ção como supremo princípio da metafísica e mesmo assim n~ inteligência olhos
só um esboço. Nesta secção do diálogo, carregada de imagen e conhecimento visão
raramente entram argumentos consistentes; o leitor recos, '.-
r- Formas objectos visíveis
•••
dará que, embora um certo grau de esclarecimento seja possí_
vel, Platão vagueia em largas conjecturas, sobre as quais não Assim como os olhos vêem os objectos graças ao forneci-
.,..••••
--
.vale a pena fazer perguntas específicas para lá das respostas mento da luz pelo sol, assim também a razão humana pode
que elas podem dar.
conhecer as Formas graças apenas às intercessões da Forma
A República forneceu já vários exemplos de explanações figu_ do Bem (508b-c). E como o sol, fonte de toda a energia, torna
rativas de Platão. A nobre mentira do Livro III arruma a estru_
tura de classes da cidade em termos de metais na alma. O navio
possível a existência de todas as coisas vivas, a Forma do ••••••
do Estado, no Livro VI, explica alegoricamente a hostilidade que
Bem não só nos permite conhecer as Formas mas é causa de
elas existirem em primeiro lugar (509a-b).- ••••
os políticos sentem da parte dos filósofos. O mito de Er, que
encerra a República, reafirma a defesa da justiça numa narra-
Uma vez que Sócrates, ao sol, chama deus (508a) e afirma •••••
tiva sobre a vida futura. Tão familiares para os leitores de Pla.
que a Forma do Bem se situa "além do ser" (509b), ficamos com
a impressão de que estamos perante o início da teologia mís- ••••
tão como as parábolas de Jesus para os leitores dos Evangelhos,
os mitos, as imagens e as alegorias dos diálogos assemelham-
tica; Plotino usará mais tarde esta passagem para elevar a ••••
se às parábolas nas suas três finalidades diversas. Uns persu-
Forma do Bem a princípio divino. Embora haja um elemento
místico no pensamento de Platão, não é este o lugar de o inqui-
•••
adem o auditório a agir como este já sabe dever fazê-lo; outros rir. Os traços da Forma do Bem não fazem desta uma divin- •••
ensinam em linguagem concreta o que um auditório inculto
teria, de outra forma, dificuldade em compreender; outros ainda
,-'." dade mas uma Forma de Formidade, um nível imediatamente •••
especulam sobre questões que nenhum ser humano alguma vez
superior, partindo das Formas em direcção à abstracção e à rea-
lidade e, por isso, uma pedra angular da metafísica platón.ica. •••
compreendeu. A nobre mentira e o mito de Er ilustram a fun-
ção propagandística das imagens de Platão, ao passo que o na-
Para aceder a este nível ulterior de abstracção relativa-
mente às Formas precisamos de lhes ignorar os conteúdos
•••
vio do Estado ilustra a sua função pedagógica. As imagens que ~
particulares e de lhes identificar os traços comuns '. Recorde-
temos oportunidade de encontrar apresentam Platão especu-
lando sobre a Forma do Bem. Como o reino dos céus dos Evan-
se que cada Forma é o exemplo de qualquer propnedade de
que ela é a Forma. A Forma de X capta o que é s~: X o~ ser
:j
gelhos, a Forma do Bem precisa de uma metáfora para expli- um X real; mas isto é o mesmo que ser um X bom. Isto e que
car o processo completo da vida ideal daqueles (entre os quais é uma moto!" - eis uma maneira de elogiar uma moto, qua-
PIatão se auto-incluía) que ainda o não completaram. lificando-a de boa, ao passo que "Isto não é lá grande cão" de~-
creve um cão reles. Todos os usos de "bom" no mundo da O.pl-
A imagem do sol (507c-509b) nião apontam para a Forma da propriedade pela qual a coisa
it
\ . particular é elogiada. 'd
Sócrates abre a discussão pressupondo a existência de No caso de Formas de X, determinamos o seu conte~ o
Formas (507b). Estas contrapõem-se aqui aos objectos da examinando as coisas X e buscando as suas características

168 169
•• PLATÃO E A REPÚBLICA

- --
METAFÍSlqAE EPISTEMOLOGIA

•• comuns, ou essenciais. Se quiséssemos definir a Forma d


Formidade, associarfamos de modo semelhante as Forma e
para encontrar as suas características essenciais. Acabámos
S
l A Linha Dividida (509d-511e)
o argumento a partir da analogia

•• porém, de ver que cada Forma X é o melhor X que pode exis~


tiro Assim, a Forma de Formidade tem de ser a Forma da pro-
priedade de ser o melhor - quer dizer, tem de ser a Forma
;:;f
,"
,: Sócrates tem ainda muito a dizer sobre o lugar da Forma
];\do Bem no seu sistema metafísico e sobre o modo como o filó-

•• do Bem. Visto que uma Forma é o que "é", na expressão do


Livro V, a Forma do Bem situa-se "além do ser", no sentido
de que ultrapassa as Formas, muito à maneira como estas
·,0,. y sofo pode aspirar a alcançá-Io. No restante do Livro VI, volta
.' f à distinção entre objecto de opinião e objecto de conheci-
. ...! 12:

_:'mento, complica a distinção e dispõe toda a estrutura na pers-

•• ultrapassam as coisas particulares.


A Forma do Bem torna possível o conhecimento das outras
7, pectiva da Forma do Bem. Descreve uma linha irregular-

mente dividida, com cada parte redividida nas mesmas

••
Formas, mediante a mesma idealidade das Formas. Em desiguais proporções. Os dois segmentos resultantes do pri-
ordem a certificar-nos do conteúdo da Forma de Justiça, deve- meiro corte correspondem aos objectos do conhecimento e da
mos primeiro adquirir a prática de procurar a justiça ideal. i opinião. Os objectos de opinião, as coisas visíveis, são depois

•• Procurar ideais significa procurar a melhor versão de uma


propriedade; assim, a Forma do Bem, qual meta nebulosa-
mente vislumbrada de toda a investigação, torna as Fonnas
, '~. separados em objectos físicos ordinários e suas sombras e
reflexos (509d-510a), A classe mais elevada de objectos dá
lugar, por sua vez, a uma divisão (510b) em Formas e objec-

•• acessíveis à mente, da mesma maneira que o sol torna as coi-


sas acessíveis aos olhos.
A Forma do Bem é o princípio supremo da metafísica, em
tos matemáticos ("par e ímpar, as figuras, três formas de
ângulos", 510c). Admitindo que a maior extensão corresponde
maior inteligibilidade, a Linha Dividida tem o aspecto da

••• virtude da sua superioridade relativamente às outras For-


mas, bem como o princípio supremo da epistemologia, a enti- '.;1
Figura 2.
O que principiara como simples comparação entre o sol e
ti a Forma do Bem tornou-se uma mescla de analogias. A com-
•••
dade que tem de se compreender, se se quiser conhecer a
natureza integral das Formas. Assim, as duas funções da ~ plexidade resulta do propósito de Platão em usar a Linha
Forma do Bem, correspondentes às funções do sol enquanto '.! Dividida para salientar dois pontos de uma só vez. Primeiro,

•••• causador tanto das coisas visíveis como da visão delas, asso-
ciam a metafísica à epistemologia. Ao mesmo tempo, justa-
mente por ser a Forma do Bem, esta representa a meta da
ela explica a um auditório afilosófico como os objectos de opi-
ilKt nião se relacionam com os objectos de conhecimento, convi-
~. dando o mesmo auditório a ver o mundo visível como uma

••• vida, o princípio que dá sentido e justificação a todo o com-


portamento humano orientado pela busca do valor.
Por estas últimas razões, a teoria começou já a balbuciar;
llé: imagem ao espelho de um outro lugar mais consistente. A afi-
nidade da reflexão usa a nossa vulgar concepção de maior e
menor realidade para acenar, mais além da experiência ordi-

•• a despeito da introdução que faz do Bem em termos éticos, nária, para uma espécie suprema de realidade. Ao mesmo


Sócrates deixa de se referir a qualquer papel que aquele tempo, a Linha permite a Platão encontrar um lugar especial
pudesse ter na ética humana. Suspeito que Platão não sabia para a matemática, a inquirição que ele colocou acima de

•• como fazer para que a sua visão do princípio supremo da filo- todas as outras capacidades como propedêutica da filosofia .


•••
sofia tivesse uma intervenção útil na ética, a menos que tal
intervenção seja muito indirecta, isto é, um produto do papel
que a Forma do Bem desempenha na intervenção da razão.
Esta dupla função da Linha Dividida dá origem a um rococó
arquitectónico, mas acaba por resultar numa exposição uni-
ficada de todos os objectos.



111:
li
170 171

•••• lI!!.

u
••••••
PLATÃO E A REP(;BLICA
---
METAFÍSICA E EPISTEMOLOGIA
••••
A Linha Dividida Espécies de cognição e respectivas espécies de objecto ••••
Espécies de cognição ~
Objectos de cogniçQo

"..
Como se referiu na página 166, Platão pretende conservar
. urna ponte de ligação dos objectos de opinião com os objectos
fI!""I
de conhecimento. Insiste também na diferença entre ambos,
o an-hipotético (a Forma do Bem) , de modo que o conhecimento filosófico fique reservado à posse
~
:;de um número reduzido e superior. A ideia autêntica da
Conhecimento ••••
.,..
Inteligíveis - Linha Dividida reflecte esta tensão: enquanto linha, dá
(gnôsis) ênfase à continuidade entre os domínios superior e inferior; ~
enquanto dividida, estabelece entre eles uma separação. Para
-o conseguir por este duplo processo, Platão necessita de expli-
Intelecção (noesis) Formas
;:car a afinidade entre o par de secções da linha em termos que ••••
! exprimam tanto o parentesco como a diferença.
Daí que Platão recorra à afinidade entre o original e a sua ••••••
semelhança ou imagem (eikón). Nos termos de Platão, as coi- •••••
sas deste mundo possuem uma realidade mais substancial do
que os seus reflexos. O meu reflexo depende de mim quanto
•••••
à sua existência, mas não vice-versa. Constituo um objecto ••••
Pensamento (dianoia) Objectos matemáticos mais fiável de conhecimento do que o meu reflexo. Os espe- •••
: lhos podem deformar-me a aparência e não podem dar-me a
. indicação de coisas, como o meu peso. No entanto, não é de ••••
negar a semelhança entre nós - não haveria casa que tivesse ••••
Opinião (doxa) Visíveis espelhos se os reflexos não produzissem uma especial afini-
dade com a coisa reflectida. A metáfora da semelhança e do ,...
••••
,,-
,...
original, então, diz aos não-filósofos o que eles perdem
quando se espojam no mundo dos sentidos e sugerem o modo
Crença (pistis) Plantas, animais, artefactos como eles poderão vir a alcançá-Io.
A matemática pertence ao domínio do conhecimento, por-
que as verdades que ela descobre não dizem respeito aos objec- ~
tos da experiência sensorial. Saber que sete cadeiras, quando
I 'J{":-;"
~

Imaginação (eikasia) Sombras e reflexos


:.~t,
. ,.,;:
~~r~~~:~~:e~~a:~: fc:~~:c:;~~~
acerca das propriedades dos
:~:~:~a~~a~;;~s~~~~
números, que são entendidas e
o::f~I~'
.".

:1
,~y não vistas" (507b). Assim, os números e as figuras geométricas
1
::'( pertencem às Formas. Mas a matemática fica um tanto abaixo
:1
da metafísica, porque os matemáticos tratam os seus objectos
li I
J: I
Figura 2 como já conhecidos, quando de facto os elementos da mate-
mática exigem mais investigação C510c; ver pp. 175-179).
Além disso, os matemáticos confiam nas coisas visíveis como
:1
: ~j
I":
172
, !. 173
. . ~ jl.
;'('

•••• PLATÃO E A REPÚBLICA


- - METAFÍSICA E EPISTEMOLOGIA


••••
diagramas para a sua tarefa (510d), O emprego do auxílio
visual não relega a prática da matemática para o segmento
inferior da Linha Dividida, porque os matemáticos as usam
mão das, imagens sensoriais (510b, 511b-dl, mas investiga os
seuS propnos pnncípios básicos até alqançar um ponto de
partida não-hipotético (510b, 511b). (No~Livro VII, Sócrates
"como imagens" (510b, e; 511a), exclusivamente como lem- ::.chama a esta investigação a tarefa de "destruir hipóteses":


••
bretes ou guias para as reais entidades em jogo, tal como eu
me sirvo de um espelho para barbear a minha cara de carne
e osso, e não o seu reflexo .
~.533c.) Uma vez em posse deste princípio, o argumenta filo-
j sófico "desce, fixando-se em todas as consequências

'j;' decorrem, até chegar à conclusão"(*) (51lb).


que daí

••• Platão baseia a avaliação da matemática nos métodos dos


seus profissionais. No Livro V, as coisas X deste mundo esta-
vam em falta; aqui a falha não reside nos triângulos, mas no
{ Que são estas hipóteses e que têm elas a ver com as ima-
. ':gens visuais? Sócrates atribui a traficância de hipóteses dos
f matemáticos à sua relutância em considerar os objectos

•••• que PIa tão considera a complacência com que os matemãu,


cos pensam a respeito deles. De modo semelhante, as coisas
visíveis que pareciam capazes de se render a quem as olhasse
.' matemáticos, "como se estes fossem claros para todos" (510c-
\:;.-d). Isto ~iz-nos alguma coisa: os nümenos, as figuras e os
:, outro~ _obJecto.smatemáticos necessitam [que se lhes façam

•• ao nível da mera opinião parecem não ter o mesmo efeito


sobre os matemáticos, porque os matemáticos as usam como
.r- descrições mais completas. Mas este contexto permite que o
;: acréscimo de descrição constitua ou uma .proua dos postula-

•••
imagens, Que vai passar-se com @? Determinam realmente ) dos fundamentais respeitantes àqueles objectos ou uma defi-
os objectos os níveis cognitivos que lhes dizem respeito ou ;' nição dos próprios objectos.
não? Platão não pode simplesmente afirmá-lo, pois todos fica- > A geometria do tempo de Pia tão podia ter sido legitima-

••• riam varados ao nível da opinião, dado que todos entram na


vida dispondo apenas dos objectos de experiência visíveis.
Não haveria esperança nenhuma para a filosofia; a matemá-
,mente acusada de insuficiência tanto de provas como de defi-
::nições, pois até os Elementos, de Euclides, uns cinquenta anos
.j apos a morte de Platão, tratava por adquirlidos certos enunci-

•••• tica não podia existir, Por isso, garante Platão que há dife-
rentes modos de tratamento para um mesmo objecto e, por-
tanto, que um único objecto pode provocar diferentes :stados
lados e termos. O enunciado deste género mais conhecido é o
:}Postulado das Paralelas, segundo o qual, por um dado ponto
,~que se encontre fora de uma dada linha, passa exactamente

•••• de alma em diferentes observadores. Nesse caso, todavia, por~


quê falar de distintas classes de coisas, em vez de disting~lir
quatro visões diferentes de uma única classe? Platão tambem
~8Ó uma linha que seja paralela à primeira. O Postulado das
i,Paralelas é uma asserção complexa da geometria, mas no sis-

••••
'::temaque expõe minuciosamente as demonstrações de todos os
não admite essa alternativa, porque pretende que o campo de ~enunciados sobre linhas e figuras resulta improvado. Se dese-
interesse da filosofia seja algo de mais real do que o são os Enharmos linhas e pontos sobre uma superfície plana, prova-
objectos do exame não-filosófico. A inclusão da matemát,ic~

•• dentro da Linha Dividida e a tentativa de fazer de cada diví-


·fiv:lmente nunca notaremos que o postulado continua a neces-
i;81~arde. s~r provad~. ~ó com o florescim~nto da geometria

•• são a imagem da que lhe é superior leva-o, no mínimo, a urna


perplexidade que reclama uma solução muito mais complexa.
8~ao-euchdlana,. ~os. últimos cem. ano~, é qqe os matemáticos
;,jomaram c~nsclencIa da sua arbItranedadei. O mesmo postu-
idadon~cessIta de ~ma desc~ção .melho~, embora a confiança
•• Destruição de hipóteses
-,:,"Osgeometras nas Imagens visuais os deixe cegos a esta neces-

••• ,

:I
,
,
,,
O mais debatido tema relativo à Linha Dividida tem a /v~r
com as deficiências da matemática. A dialéctica, ao contrarIO
"
;::--------
}no (*) A citação é re,tirada da versão portuguesa feita por M. Helena da
cha Pereira (A República, LIsboa, Fundação C, Glllb~nkian 1980 pp, :l15-

•• 1\
1

11'

da matemática, nem se contenta com hipóteses nem lança )'316), (N, T.) , , ,

••• \"
.lr
174 175

..• '
4

'PLATÃO E A REPÚBLICA
--
METAFÍSICA E EPISTEMOLOGIA ,
41

sidade. Tão improvadas asserções sobre entidades mate ~ ussell pesquisaram axiomas a partir dos quais pudessem
-.
'cas pudem ser aquilo a que PIa tão dá o nome de hipó;nat1-
. Todavia, a geometria euclidiana contém, com igu lese~.
' iav t ermos m
dencia, ' de fiinidos
. e asserções improvadas. Eua lieVl-
var as verdades elementares da aritmética, assim pre-
Jlde Platão achar um fundamento para toda a matemática
,"de algum modo, simultaneamente, para a metafísica. Não
••
ch ama ao pon too t'anuil
'-
de fiiruçao
inar sob
cmar
- tem partes"; não é est c ldes
aqui o que nao
au têen tiica, em bora quem estiver habituado a a UlIla
so re pontos e li10h as ache suficientements
.
.
claro racIO_
"Jlvém forçar demasiado esta analogia histórica, mas pode-
':'05 atribuir com segurança a Platão o desejo da verdade ina-
iiJável a que chamamos hoje a certeza lógica (477e). Não fala
••
di r
' - quer diizer. Insisto que a geometria não- o qUe
essa de fiimçao
iana rornece O fundamento , a esta tradicional segu- ança
li
eUC 1-
. plicitamente de provas nesta passagem, mas isso não põe
rn risco a interpretação através da axiomatização, dado que ••
mostrando que pontos, linhas e planos dão azo a interpr t '
ções radicalmente d~~ergentes. Podemos compreender ::
plano como a superfície de uma esfera e as linhas como
',passagem contém uma referência tão pouco explícita e não
i'1'etafórica do que quer que seja.
O maior problema desta interpretação surge no momento
,'e tentarmos descrever o início não-hipotético, como parece
••
grandes círculos da esfera, em vez da superfície plana e dOS
, d
segmentos estira os a que estamos acostumados. Esta aber-
~ 'gera Forma do Bem. Nada, em qualquer observação de Sócra-
." s, aqui ou noutro lugar, acerca da Forma do Bem ou das For-
•••
til
tura dos t~rmos da geometria a interpretações rivais signi-
fica que nao lhes foram dadas, até à data, definições claras'
se "linha" tivesse uma definição precisa, não poderia ter sido
~~as em geral, nos permite pensar na suprema entidade da
.htetafísica como um superaxioma. Parece menos ainda haver •••
interpretada de, uma maneira nova. Existem, por isso, na geo- ;~falgo capaz de gerar as verdades basilares da matemática. •••
metna termos indefinidos produzindo a obscuridade à volta
da disciplina que PIa tão teria em mente, ao censurar as hipó-
teses dos matemáticos.
~;, Um quadro concorrente, que começa por ver nas hipóteses
[termos indefinidos, toma a subida em direcção ao cimo da
..~?~Linha Dividida como uma clarificação definitória, mais do que
••••
Sabendo nós qual a contestação que Platão pretende fazer,
podemos dizer o que espera ele da mais elevada filosofia e da
.. ': 1uma certeza axiomática. Se os objectos matemáticos,
,irnedida em que continuam indefinidos, carecem de outras des-
na
••
••
Forma do Bem. Se o problema que tem a ver com as hipóte-
ses é a ausência de provas para as afirmações fundamentais,
então Platão exige da dialéctica a descoberta do fundamento 1 ~ ...c1'rições mais, é porque à dialéc~ic~ incumbe a,tarefa de defin~r

ifcada um deles em termos mais Simples, mais amplos e mais


·~.'.abstractos.Os diálogos platónicos, Fedro, Político e Filebo,
••
••
filosófico da matemática. Subir das hipóteses equivale a
encontrar novos princípios fundamentais dos quais elas se
podem deduzir, O início não-hipotético será um superaxioma
.,idescrevem a dialéctica como o método para conseguir defini-
~~çõese, embora, o ~rocesso de ~nc~ntrar definições int,e:veni-
;~E'entesna República possa difer ir dos que esses diálogos
••
r
que dispensa a prova e do qual são dedutíveis todas as ver-
dades respeitantes às Formas e à matemática. A labuta filosó-
fica cumpre-se na busca de princípios cada vez mais podero-
fi(expõem, tratar-se-ia provavelmente, como no caso deles, da
f,busca de termos mais genéricos ainda, de acordo com os quais
i'~'subsumimos termos cada vez mais específicos, até chegarmos
••
\.,.
sos, até se alcançar esse axioma, e então "descem novamente" '~l~:a poder definir tudo através de um conceito não-hipotético.
i""•••
os filósofos para demonstrar a verdade dos princípios inferio-
res que os matemáticos aceitavam como postulados,
~): Esta leitura tem também as suas dificuldades, em especial
~J;seadaptarmos, num contexto que não se lhe ajusta, o método
•..
•.•
Este quadro da elevação até ao início da Linha Dividida, 1;;.definitório desses três diálogos, redigidos mais tarde do que a \

a teoria da ~xiomatização, seduziu muitas imaginações,


sobretudo devido à pesquisa de sistemas de axiomas lógicoS,
..~.República, A mesma leitura, porém, apresenta duas vanta-
fgens sobre a leitura da axiomatização. Primeiro, podemos
~'achar uma certa continuidade entre um projecto que tem por
•••
~
no final do século passado e princípios deste. Tal como Frege

176 177
••
te-
---:!:j
..••
,1,
-
"
r:, PLATÃO E A REPÚBLICA
------
METAFÍS~CA E EPISTEMOLOGIA

.-••
;~i

j
~!
----------------------
';i alvo as definições e as acções do Sócrates histórico. Ao su . ticas. A Forma do Bem terá, portanto, um papel indispensá-
,,
! . - d . t 1 ' Sel_ vel a desempenhar em todas as definições dos objectos do
, tar d efiiruçoes os seus !TI er ocutores, estes são criticad

••.•
muitas vezes pelo Sócrates dos primeiros diálogos platón' Os conhecimento; podemos chamar-lhe o último termo de todas
. .
por defimrem a virtude de uma forma demasiado estreit .
ICOS as definições teóricas.
que ele pretende é dilucidar os termos morais mediante ua. o Destruir hipóteses significa destruir a atitude que se con-
linguagem o mais ampla possível (Ménon 72a-c; Êutifron ~~ substancia na expressão "todos sabem o que é", que os mate-
-
máticos tomam, face aos termos primitivos pertencentes à

•• e; Laques 191c-e). A certa altura, chega mesmo a sugerir q


todas as definições específicas devem ser orientadas pe~e sua actividade. Para um auditório moderno, esta interpreta-


••••
conhecimento do bem (Cármides 174b; comparar os cornent'~
. d e S'ocra t es sobre
rIOS re "o b em " em Laques 199d-e); embora este
"bem" não possa ter uma relação muito estreita com a Forma
a
ção parecerá demasiado modesta. Ora, corno disse já, é pre-
ciso cautela na altura de propor qualquer leitura para esta
passagem. Temos, porém, um sentido mais esclarecido do que
outrora do que Platão esperava da filosofia e do modo como
do Bem da República, a semelhança de termos significa que

•••• Platão enxergou afinidades entre o seu próprio empreendi_


mento e aquele, mais primitivo, do seu mentor. Platão diverge
pensava que ela se poderia transformar numa disciplina uni-
ficada, na qual todos os seus filósofos poderiam colaborar.

•••
frequentemente de Sócrates mas, sempre que pode, tenta
interligar os projectos de ambos, sendo a leitura definitória da A Alegoria da Caverna (514a-517c)
dialéctica um elo possível.
Passada a confusão provocada pela crítica platônica da

•••• A segunda vantagem desta leitura decorre da sua inter-


pretação mais natural da Forma do Bem. Desenganada como
axioma, do qual se deduzam as verdades da matemática, a
matemática, sentir-se-ão os leitores aliviados, chegados que
são à Alegoria da Caverna. De novo aqui, na República, é o
ritmo de urna questão abstracta para especialistas que se vê

•••• Forma do Bem tem oportunidade de intervir no mais amplo


conceito descoberto no campo do conhecimento. Se os objec-
tos matemáticos têm alguma semelhança com as Formas, é
substituído pela vulgarização destinada aos restantes: a Ale-
goria da Caverna transpõe as distinções da Linha Dividida

••
4-
na sua qualidade de serem ideais. Um triângulo entendido
em termos geométricos estritos é algo de superior a qualquer
traçado de um triângulo. A prova de que todos os ângulos
para a imagética do sol e da luz que ilustrou a Forma do Bem.
Os quatro estádios de coisas que os prisioneiros libertos vêem
- as sombras (projectadas pelo clarão: da fogueira) das está-

•••• internos do triângulo somam 180 graus não se aplica sem


ambiguidade aos desenhos, ao passo que no triângulo, tal
como é estritamente definido, a prova funciona na perfeição. '" .
. '.'
tuas das coisas; as próprias estátuas;' as sombras (projecta-
das pela luz solar) das coisas de que as estátuas são imagens;
finalmente, as próprias coisas - correspondem aos quatro

•••• Repito, uma linha, em definição, não tem comprimento; rnas


a natureza das notas físicas garante que qualquer linha que
eu trace terá determinado comprimento. Daí que o triângu~O
estádios de objectos cognitivos dispostos ao longo da Linha
Dividida.
Contudo, para melhor entendimento do modo corno a ale-

•• e a linha, concebidos como entidades abstractas, são rnalS goria funciona, necessitamos de fazer umas perguntas mais


•••
perfeitos do que os traçados no papel, precisamente do mesmo
modo que a Forma de justiça descreve uma justiça mais pe~-
feit
rei a d o que a existente em qualquer pessoa, acto ou lU·
tuição. Se a Forma do Bem é uma Forma de Formidade ert;
. stI-
precisas sobre a ilustração que a Linha lhes dedica:

1. É a analogia a imagem de toda a vida humana ou


somente da vida exterior à cidade perfeita?

••• virtude de captar a idealidade das Formas, então captaf,a 2. Em que medida se compagina a alegoria com a Linha
também a idealidade que caracteriza as entidades materna- Dividida?

•• 178 179



..JiItI,'

~
PLATÃO E A REPÚBLICA METAFl::>tCA 1:..l:..J'LSTElViOLOUlA
! ----
; A Alegoria da Caverna reconduz a conversação para maté_ maneira com as imagens das coisas visíveis. Sócrates, quando
ras políticas, através da ilustração das consequências políti_ não emprega uma linguagem técnica, usa a palavra "ima-
~as da hierarquia do conhecimento. Uma vez que a alegori gem" teihon), na República, para se referir às suas próprias
retrata um prisioneiro sendo levado para fora da caverna: metáforas e histórias (375d, 487e-488a, 489a, 514a, 531b,
regressando para ajudar os outros prisioneiros, pode dizer-se 588b-d); a palavra parece apta a exprimir qualquer uso não-
li flue transfere a imagética estática da Linha Dividida para as
imagens da educação e da governação. Descrita desta
literal da linguagem, muitas vezes sem conotação pejorativa.
Mas "imagem" abrange também uma acepção não-literal que
maneira, assemelha-se a uma imagem da vida na cidade efectivamente indica inferioridade. No Livro III, Sócrates
ideal. A linguagem de Sócrates, em 519b-520d e 540a-c, mos- chama "imagens" às criações imitativas do poeta (401b, 402c)
tra que ele imagina os fugitivos da caverna como guardiães e, mesmo não usando a palavra, na condenação da poesia do
~a sua cidade. Dificilmente, porém, podemos estabelecer a Livro X, essa condenação facilmente situaria a poesia naquele
porrespondência desta interpretação com a amargura de nível, a par das imagens dos Livros VI e VII.
p16e-517a, que retrata os pensadores iluminados reentrando Ora, na alegoria, Sócrates equipara as sombras da caverna
~os tropeções na caverna, forçados a altercar com os antigos às questões debatidas nos tribunais (517d-e). Dado que as dis-
companheiros e ridicularizados por estes pela sua inépcia nos " putas legais atenienses eram famosas pela sua retórica (ver
negócios mundanos. Se tais propósitos aludem a Sócrates, Fedro 272d-e), vem a propósito identificar a linguagem figu-
Como indubitavelmente parece, é porque os prisioneiros rativa, e sobretudo a variedade inculta, como a imagética que
perpétuos representam os Atenienses, e não os cidadãos da mais geralmente capta a atenção do público. Durante as suas
cidade inexistente. (Daí, as palavras de desalento de Sócra- vidas, as pessoas aceitam meros pretextos acerca de assun-
tes, em 515a: "Eles são como nós."). Quererá porventura PIa- tos importantes, a poesia colorida baseada na ignorância e
tão referir a caverna como uma imagem de toda a vida todas as realizações artísticas e políticas que, ao atrair a
humana, seja ela a ideal, seja a actual? atenção mais para o fulgor da forma do que para a real maté-
I Nesse caso, a grande maioria dos seres humanos ver-se-ia ria de conteúdo, deixa o auditório mais ignorante que nunca.
presa da espécie mais baixa da experiência. Segundo a Linha Os prisioneiros que olham, vesgos, as sombras e discutem
Dividida, o nível mais baixo é a "imaginação" ou o "pensar sobre sombras representam todos aqueles cidadãos que acre-
por imagens" (eikasía) limitada à visão dos reflexos e das ditam no que os políticos e artistas lhes apregoam.
sombras e, presumivelmente, ao som dos ecos que até os frus- Se a alegoria descreve o estado de todos os seres humanos,
tes modelos deste mundo de opinião julgam por única reali- na cidade ideal ou fora dela, tal implica que, mesmo em pre-
dade virtual. Errou, sem dúvida, Platão, ao defender que a sença das instituições políticas mais perfeitas, a maioria dos
maior parte dos seres humanos fica abaixo do nível mera- membros da cidade há-de rodopiar em redor de poetas e dema-
mente empírico. Terá assim exagerado tão flagrantemente o gogos. A cidade platónica estará tão repleta de populaça igno-
seu caso, no furioso propósito de desclassificar a experiência rante, essa de que Platão se quer ver livre, como Atenas jamais
I
ordinária? Ou terá inventado uma imagem da Linha Dividida esteve. Ou a cidade platónica se conserva afastada dos utópi-
que apenas funciona nos seus traços mais largos, falhando ao cos, impedida, pela inevitável humana debilidade, de vir a ser
ser aplicada em pormenor? uma comunidade perfeita, ou então é certo que Platão deixou
Qualquer das alternativas pode ser correcta. Mas é tam- de pensar em todas as implicações de tão elaborada alegoria.
bém possível fazer uma leitura mais metafórica da eikasía e Problema maior na adaptação da alegoria à Linha é o que
acusar a conduta geral da humanidade, não de se fixar, qual Surge a respeito da existência dos objectos matemáticos.
Narciso, nas imagens reflectidas, mas de se ocupar de alguma Como vimos, Sócrates distingue matemática de dialéctica,

~80 181
.-.-
.-.'
METAFÍSICA E EPISTEMOLOGIA

-
PLATÃO E A REPÚBLICA

:. 3. No caso das últimas propriedades, o intelecto pre-


com base no.s métodos dos seus p:aticantes, que não, de facto,
cisa de examinar as propriedades separadamente
dos seus objectos. Mas a Alegona da Caverna identifica
. das percepções acerca delas (524c).
tipo especi'filCOdee COIsaspara
coi ca d a um d os passos da Linhrum

.'
• 4. Todos os números surgem como não verdadeiros a
Enquanto a Linha atenua a hierarquia do conhecimento e do
" respeito de uma coisa particular, ao mesmo tempo
ser, para realçar as abordagens dos humanos ao que eles co-
que, a respeito da mesma coisa, parecem verdadei-

••
nhecem, a alegoria adere à pressuposição estrita [@] de que
ros (525a).
para cada espécie de saber, há uma coisa separada a conhe~

.-• cer. A alegoria, por conseguinte, não acompanha exactamente .. 5. A aritmética, que lida com os números, conduz à
verdade (525a-b).
a Linha Dividida, mas dissimula-lhe as complicações respei-
tantes aos objectos cognitivos.
,::' Este argumento assemelha-se assaz à argumentação do
~:LivroV sobre o conhecimento e a opinião para se considerar

•.- Uma educação em metafísica (521c-539d) f'como uma implicação adicional dessa argumentação. Como
~tal, defende a visão de que só os termos relativos têm For-

•.-
,:;roas.Dado que a inferioridade das coisas individuais no
Uma vez que Sócrates mostrou os seus melhores guardi-
;Livro V, permaneceu na ambiguidade das suas propriedades,

.-.-
ães progredindo na dialéctica, terá completado o seu argu-
t:esta passagem negaria a existência de uma .Forrna de Dedo.
mento a favor da cidade filosófica e pode voltar às espécies
;: Por que razão entra subitamente a matemática no pre-
de injustiça que prometera catalogar. Pelo meio dos propósi-
~sente argumento? Porque os números formato um caso espe-
tos curriculares destas páginas há uma mão-cheia de ar-
:'c~alde propriedades oponíveis. Estas aparecem em coisas par-
gumentos que remetem para a Linha Dividida e merecem um

•• exame antes de avançarmos para o Livro VIII.


-tlculares, da mesma maneira confusa como olfazem os termos
irelativos: 525a pode significar, por exemplo, que a minha mão
'é simultaneamente um (a mão) e cinco (osi dedos). Mas os

•.-
De novo o problema dos particulares (523a-525c)
~números pertencem a disciplinas existentes. Os filósofos
_,podemesperar uma educação capaz de conduzir ao estudo sis-
Na demanda dos estudos que conduzam a alma a um pen-
;temático da justiça e da beleza, mas têm cI;earranjar cora-

••• samento mais elevado, Sócrates -distingue entre objectos que


"estimulam o intelecto para a actividade da investigação" e
os que o não fazem (523b). O primeiro implica o que chamá-
mos termos relativos (pp. 163-165). Nesta ocasião, Sócrates
tgem quanto à existência de algumas disciplinas que já estu-
~daram certos termos causadores de confusão, sem referência
)às suas manifestações empíricas. ,
~- O tom desta passagem, uma dramática mudança relativa-


toma a inferioridade das coisas particulares para provar os
',:mente à linguagem apoucante do Livro V, insinua uma incon-
méritos da aritmética:

•• 1. Porque um dedo não deve parecer também não ser


um dedo, a percepção sensorial basta para formu-
?istência na visão platónica do mundo físico. [Corno é possível
; que o tamanho de um dedo condene, por um lado, o estudioso
:do mundo sensível a uma vida de mera opinião (479d-e) e, por



lar o juízo verdadeiro, "Isto é um dedo". (523c-d).
2. Porque um dedo comprido, grosso ou flexível,
parece também ser um dedo curto, fino e duro, a
i:Outro,seja o estímulo que eleva o mesmo esthdioso à área do
;,ser (523a)? Tudo parece depender da atitude do observador
':,perante os fenómenos. Se tomo o mundo físico como a soma

•• percepção sensorial não pode formular juizos claros


sobre estas propriedades (523e-524a).
;'da existência, então o modo incompleto como certos predica-
,-rdos se aplicam a esse mundo deixar-me-ia na posse da mera

• 183

.'
• 182
t
: .
,
-: '~

'PLATÃO
I
E A REP[lBLlCA

i opinião. Mas se. procuro uma compreensão teórica desses


"}~~_~~:

,~::!~
METAFÍSICA E EPISTEMOLOGIA
---------------------------------------------
Em segundo lugar, a Forma do Bem diz-se o alvo da dia-
••••
-..-
:dicados num remo que transcende o domínio físico, tenho Pte':-'iiJ! .:léctica (534b-c; cf. 532a). O início an-hipotético do cimo da
[1 ! oportunidade de atingir o conhecimento. As imagens tê Ulna.,'~~
,~

, Linha Dividida é, sem dúvida, como pensávamos, a Forma do


:seus méritos epistémicos, enquanto as não avaliarmos P~ o~:;::;: , Bem. Neste ponto, Sócrates vincula a dialéctica à capacidade
;,
i mesmas, m.as pela su~ capacidade de apontar além de si, parSl <~:;, de formar uma "supervisão" de todos os outros temas (537c).
'um conhecimento mais Importante. O mundo dos sentidos ~,i'~:; Dado que uma visão englobante ou a declaração mais gené-
li
L
I como um teatr_o de fantoches, uma fonte de decepções apena:\\';> " rica possível sobre a natureza de cada coisa está mais pró-
,para quem nao tencione procurar os bonecreiros fora do;;~ xima de um termo de definição extremamente amplo do que
imundo dos fantoches. de um primeiro axioma, do qual todos os outros decorrem,
Eis-nos regressados ao problema dos objectos de conhe . ' esta passagem favorece a interpretação definitória da ascen-
.mento, A crítica dos particulares, no Livro V, pressupõe q~l- são na Linha Dividida (pp. 175-179).
!a atenção a uma espécie de objectos reenvia uma pessoa par e
a correspondente espéc~e .de conheci~ento. A presente passa~ Revisão dos Livros V-VII
I gem permite que a especie de conhecimento, acessível a par-
[tir de um dado objecto, varie segundo o método que o inves- Os avanços e recuos de Platão, entre as discussões políti-
tigador usa para o estudar: o mesmo dedo tanto pode cas e as metafísicas, tornam estes livros -da República resis-
\deixar-me no atoleiro da confusão como ajudar-me a sair dele tentes à tentativa de sumariação. Como lamentava Aristóte-
'Se, porém, o meu nível de consciência determina sobre qU~ les (Política 1264b39), muito do que neles consta é exterior
Icoísa estou pensando - a Forma da Espessura ou um dedo ao argumento principal da República. Em certa medida estes
[grosso -, então @ não pode ser verdadeiro em qualquer das livros são, inclusivamente, uma ameaça para o resto do diá-
Imaneiras que permita que o argumento do Livro V funcione. logo, pois relegam para uma posição secundária a questão da
'Esta concessão ao quadro mental antecedente do investigador justiça (504b-505a, 506a). Se Platão de tal está realmente
~ignifica, como aconteceu com a discussão dos objectos mate- convencido, deve então considerar o principal argumento da
Imáticos na Linha Dividida, que a distinção de Platão entre República pouco melhor do que uma cartilha filosófica, apro-
~spécies de objectos turva as águas em vez de as clarear. priada para quem não tenha a capacidade de compreender a
Forma do Bem, mas, para os que a tenham, uma abordagem
'pe novo a dialéctica (531d-537d) imatura. Se recusa ver reduzido tão drasticamente o preço da
República, deve convir que esta levanta questões ulteriores e
Depois de definir o seu currículo matemático, Platão re- mais fundamentais, às quais não está ainda em condições de
gressa, aqui, à dialéctica, a fase final da educação do filósofo. responder.
Wemos, primeiro, que embora o elogio socrático da matemá- Apesar de tudo, muito do que estes três livros encerram é
~ica pareça ter esquecido a anterior crítica do método mate- essencial quanto aos argumentos políticos e éticos do diálogo.
mático (529c-e, 530e-531c), essa crítica regressa quando fala Como documento de filosofia política, a República precisa de
tla dialéctica. Dada a sua adesão às hipóteses inexaminadas, ' expor o plano do Estado perfeito, em ordem a especificar que
ps matemáticos apenas sonham com a realidade (533b-c). Os traços estruturais dos Estados existentes geram as injustiças
dialécticos destroem essas hipóteses, a fim de conduzir a alma que os seres humanos experimentam. Sem os pormenores dos
a
um conhecimento superior (533c-e). Assim, a inclusão da Livros V-VII, a cidade perfeita da República resultaria dema-
fnatemática no currículo não implica nenhuma mudança de siado vaga para operar como modelo de mudança política.
ideias relativamente à verdade daquela. A igualdade das mulheres e a abolição da propriedade e da

184 185
•• PLATÃO E A REPÚBLICA ~

família, para os governantes da cidade, clarificam a medida


METAFÍsrCA E EPISTEMOLOGIA

,compete à teoria das Formas? Sobre que versa a teoria? Que

••• em que uma cidade tem de subsumir outros interesses em


prol da busca da justiça. Embora estas mudanças pareçam
, nÇões se supõe que executa: a de explicar? a de predizer?
" ão se trata propriamente da queixa de que nunca vemos as

••
repelentes, o leitor deve reconhecer que elas fazem cair na , ormas. Todas as teorias científicas contêm algumas entida-
conta de que não são as cogitações sobre pormenores que des, sejam elas átomos, sejam buracos negros, que não se
alguma vez produzirão uma sociedade. Neste sentido, todos "ransformam em experiência ordinária e foram, até certo

•• os pensadores de política revolucionária estão em débito para


com Platão, pois este, em vez de uma reforma, concebeu a
mudança radical.
~'onto, objecto de hipótese com base em observações mais
'directas. Mas, no caso da ciência, temos urna compreensão
; ais clara do que a teoria e a entidade teórica podem fazer:

•• O objectivo mais audacioso de Platão, a saber, que os filó-


sofos governem a cidade, torna-se indispensável desde o
momento em que ele decida considerar a exequibilidade do
iulir, sob princípios gerais, os fenómenos dispersos; explicar
;5 propriedades das células vegetais; predizer onde e quando
, ai aparecer Marte no céu da tarde. Engolimos conversas de

•• seu sonho político. A cidade não funcionará sem os filósofos


por timoneiros. Dizer isto, porém, é confirmar a importância
da Forma do Bem para a República, pois, na Forma do Bem,
~tomos e de buracos negros, porque essas coisas fazem parte
de uma descrição do mundo ampla e instrutiva.
, Poderemos aceitar falar das Formas da mesma maneira?

••• Platão consegue, esquematicamente embora, unificar as


inquirições teóricas dos filósofos com a perícia moral exigida
;,m certo sentido, estas violam a exigência tmais fundamen-
ital das teorias científicas, a saber, a de explicar ou dar conta

•••
dos governantes. Podíamos dizer que a Forma do B~~, e~ 'do mundo tal qual é. A doutrina das Formas apresenta-se
ruptura com o optimismo racionalista, nega toda a distinção >'obretudo para descrever entidades teóricas que se situam
entre o "saber como" e o "saber quê", em ética, entre a pers- ;eparadas do mundo da experiência ordinária e julgam as


pectiva que encontramos nos indivíduos s.ábios do pon~o de lacunas deste. As Formas possuem as suas i propriedades de
vista moral e o saber atribuído aos cientistas e estudiosos, " modo impossível para as coisas individuais: a Forma de


•••••
Assim os livros intermédios dão à República uma boa
medida da sua força como texto político. Mas a República é
também um texto ético, um argumento segundo o qual a vida
!X.é inequívoca, pura e completamente X, enquanto as coisas
. são X apenas em parte. Exceptuadas as propriedades espe-
bíficas, as Formas gozam de uma sempiterna existência, ina-
vivida de acordo com os princípios morais é a vida mais digna cessível a toda a coisa individual. Dir-se-ia que a doutrina das

•• de opção; para este argumento, a digressão é também essen- rormaa funciona somente como condenação do mundo ordi-

•••
cial. A razão, coordenadora da alma, no livro IV, ganha con- '. ário e, por isso, não cumpre melhor o papel explicativo do
teúdo nestes livros. No Livro V, é a paixão dos filósofos, com que o faria uma geografia celeste para uns .cartógrafos ras-
a sua própria força motivacional [@J, consequentemente, uma lteiros. Isto, porém, não esgota o que há a dizer das Formas;



força que, nas situações críticas, pode submeter as outras par-
tes da alma. Nos Livros VI e VII, descobrimos especificamente
que tipo de trabalho realiza a razão, ao afastar continuamen~e
pois, se é irrefragavelmente verdadeiro que \uma coisa indi-
, idual X não é inteiramente X, é de igual modo verdade que
eSsa coisa também não é não-X. O que seja carece de ser

•• a alma das seduções do mundo físico, e em vista do princíPio


abstracto da bondade. O argumento em prol do carácter ap:a-
zível da vida justa passa a depender da concepção de razao,
cabalmente exemplificado mas, até certo pohto pelo menos,
isso exernplifica, de facto, a propriedade em questão. Assim,
,áo esclarecer o que a coisa X não é, a Forma mostra igual-

••• que estes livros possibilitam. Desta forma, voltamos da digre_s-


são para o argumento principal, com uma compreensao
melhor dos termos elementares. Nesta história, que lugar
i
ente o que essa coisa pode ser.
Neste sentido, a importância vital das Formas vai muito

••
.além da República. Na concepção platônica da filosofia, todas

186 187

•••
:i"
:.4::

.:~j;
--••••
(

. __\ l A.U E A HEPÚBLICA


--- >~?V--
METAFÍSICA E EPISTEMOLOGIA
1"-
--
..

i
as inquirições em termos abstractos, que afinal se destin .~_Ieitura para começar ..A minha argumentação neste capítulo
a informar a nossa visão do mundo não-abstracto, neceSsit:rn ',' J' C8 a dever-se espeCIalmente a Annas, An Introduction. to
•••
de um objecto de estudo; as Formas oferec,e~ algo de lúci:
e real a examinar, ao passo que o mundo físico, devido à s o
; lato's Republic.
';. O argumento do Livro V acerca da falha dos particulares •••
ambiguidade, imperfeição e corruptibilidade, é aparen:a
mente insusceptível de estudo. Isto é, compreender a just' e,
das leis no nosso mundo ou a beleza das pessoas pressu~~a
um claro conhecimento especulativo da justiça e da bele Oe
.-,.
em SI mesmas " . A' questão continua a ser a compreensãza
; ernonstrou uma das mais difíceis de compreender. Para
_oJIlentários sobre a frase platónica de que algumas coisas são
;:'não são, ver Kahn, "The Greek verb 'be' and the concept of
being" e Fine, "Knowledge and belief in Republic V". Para
~ais sobre os interesses epistemológicos de PIa tão, ver Cher-
----
••••••
•••
deste mundo. Mas o que é a justiça de uma lei e a de urn~
pessoa? Que estudamos realmente, quando estudamos urna
~'ss, "The philosophical economy of the theory of ideas" e
'Moravcsik, "Understanding and knowledge in Plato's philoso- .".,.
•••
I'

.!
il lei justa? Platão apela para as Formas: a "participação" da · :phy". Sobre o problema das coisas particulares, Allen, "The
lt , Forma da Justiça, numa pessoa ou numa lei, torna justo lu-gument from opposites in Republic V", Brentlinger, "Parti-
I~ quanto exista nessa pessoa, nessa lei. Por outras palavras :fulars in Plato's middle dialogues", Nehamas, "Plato on the
(-,

tudo o que é justo, numa pessoa ou numa lei, reflecte as pro. ·;hnperfection of the sensible world" e Vlastos, "Degrees of rea-
I priedades da Forma da Justiça, tal como a massa de uma · ' 'iity in Plato", todos apoiam com argumentos de Platão.
mesa e as propriedades dessa massa são realme