Você está na página 1de 6

UMA PROPOSTA PARA A UTILIZAÇÃO DE PLANILHAS

ELETRÔNICAS EM PROBLEMAS DE SISTEMAS DE EQUAÇÕES


LINEARES
Hugo Luiz Gonzaga Honório¹
Marinalva Passamai Alvarenga²
¹ Ufjf/Educação Matemática/ hugohonorio12@gmail.com
² Ufjf/ Educação Matemática/ passamai.marinalva@gmail.com

Resumo
Este trabalho apresenta sugestões de exercícios exploratórios que visam utilizar as
potencialidades de planilhas eletrônicas no ensino de Sistemas de Equações Lineares. Devido
a facilidade de manipulação das ferramentas e fácil acesso ao seu pacote, a planilha eletrônica
escolhida foi o Excel. Um fator que contribuiu para a escolha da planilha eletrônica como a
tecnologia utilizada na atividade é a representação por Equação Matricial de Sistemas Lineares
que torna a planilha eletrônica uma tecnologia adequada à representação de um sistema. Os
problemas resolvidos na atividade são contextualizados e representam situações reais que
podem ser modelados por sistemas de equações lineares.
Palavras-chave: Matemática, Tecnologias, Planilhas Eletrônicas, Matrizes, Sistemas
Lineares.
INTRODUÇÃO
As reflexões sobre a utilização das novas tecnologias de informação e de comunicação
(NTICs) nas aulas de matemática estão cada vez mais presentes nas pesquisas em Educação
Matemática, que procuram maneiras de aplicá-las de modo a contribuir no processo de
aprendizagem.
A partir do final da década de 90, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)
acompanhando o desenvolvimento das tecnologias no país, já apontavam a importância das
NTICs na educação, bem como sua utilização integrada ao ensino da matemática. Segundo
Castro (2000):
Para os PCNs o computador é, ao mesmo tempo ferramenta e instrumento de
mediação. Ferramenta porque permite ao usuário realizar atividades que,
sem ele, seriam muito difíceis ou mesmo impossíveis: construir objetos
virtuais, fazer simulações, realizar cálculos complexos com rapidez e
eficiência, editar textos. (CASTRO, 2000, p. 1)
A utilização de computadores nas aulas de matemática no ensino médio pode ter vários
objetivos pedagógicos, como por exemplo desenvolver atividades com softwares que
possibilitem aos alunos a investigar, pensar e resolver problemas.
Atualmente, existe uma grande diversidade de softwares livres. E, Campos (2009)
define como sendo estes “softwares que podem ser usados, copiados, estudados, modificados e
redistribuídos sem restrição”. Como exemplos de softwares livres temos o Geogebra, o Cabri,
Graphiquation e Winplot, que são chamados softwares educacionais, pois foram projetados
por uma metodologia que o inserem no processo de aprendizagem.
Outro software com um grande potencial pedagógico é a planilha eletrônica. A
planilha eletrônica é um software aplicativo, ou seja, é um tipo de software concebido para
desempenhar tarefas práticas ao usuário para que este possa concretizar determinados
trabalhos. Elas possuem uma forma de registro de dados muito comum no dia-a-dia de nossas
anotações
Pacotes de programas para escritório contêm vários tipos de programas, incluindo as
planilhas eletrônicas. Os mais populares são o Microsoft Office e MS Works, LotusWorks,
iWork, AppleWorks, WordPerfect e StarOffice/BrOffice. Os programas de planilhas
eletrônicas de cada um deles são respectivamente: Excel, Lotus 123, Numbers, AppleWorks
Spreadsheet, Quattro Pro e Calc. O Excel da Microsoft será a planilha eletrônica utilizada nas
atividades descritas nesse trabalho.
Muitos são os trabalhos que discutem o uso de softwares como a planilha eletrônica do
Excel no ensino da matemática: Shinoda (1998), Stieler (2007) e Branco (2005) relataram o
uso do Excel no ensino da Matemática Financeira. Sampaio (2008) relatou sua experiência no
ensino de proporcionalidade, Lapponi (2005) na Estatística, Neurath & Stephens (2006)
estudaram o efeito do uso do Excel no ensino de álgebra em turmas de ensino médio nos EUA,
observando o aumento do interesse dos alunos.
Neste contexto, o presente trabalho explora as potencialidades de uma planilha
eletrônica, no caso o Microsoft Excel, aplicada à resolução de problemas de Sistemas
Lineares, fazendo o uso de sua representação na forma matricial.
SISTEMAS LINEARES, MATRIZES E PLANILHAS ELETRÔNICAS
A importância do estudo de sistemas lineares é destacada por vários autores. Segundo
Lima (1993), os sistemas lineares configuram um tópico importante na grade curricular do
ensino médio devido seu grande potencial de aplicação. Ainda para ele, a utilização de
computadores em problemas de sistemas lineares oferece a oportunidade de explorar diversas
estratégias de resolução.
Nesse sentido, ao pensar na resolução de sistemas lineares com o auxílio de um
computador, deve-se levar em consideração se a metodologia tecnológica utilizada é adequada
à sua forma de representação.
No que se refere a representação de sistemas lineares, a representação por equação
matricial trazida em livros pode justificar a utilização de planilhas eletrônicas em resolução de
problemas. De fato, um sistema de equações algébricas de ordem n, que é um conjunto de n
equações com n incógnitas,

Podemos representá-lo pela equação matricial


onde é a matriz dos coeficientes, é a matriz das variáveis e

é a matriz dos termos independentes.

Dessa forma, pode-se ver a relação entre matrizes e sistemas lineares quanto à
representação, já que todo sistema pode ser escrito na forma de equação matricial.
Para Boldrini (1980) a matriz é uma tabela de elementos dispostos em linhas e colunas,
assim como a planilha eletrônica, que é um software que utiliza tabelas para realização de
cálculos, tornando-a uma ferramenta tecnológica adequada para se utilizar nas atividades
propostas.
Para a resolução dos sistemas propostos nas atividades, será utilizado o Método da
Matriz Inversa, pois:
● Os problemas serão modelados em sistemas quadrados, ou seja, cuja matriz dos
coeficientes é uma matriz quadrada e, no caso dos exercícios propostos é inversível.
● Os cálculos que serão necessários são facilmente executados com os comandos do
Excel, que será a planilha utilizada.
O interesse em utilizar matrizes inversíveis é pelo fato de dado um sistema de
equações e incógnitas, de equação matricial , se soubermos que a matriz é
inversível ou soubermos calcular sua inversa, então o sistema se resolve apenas efetuando a
multiplicação da matriz com , pois

A partir da metodologia descrita nesse tópico serão apresentadas no próximo tópico as


resoluções de exercícios de sistemas lineares por meio da planilha eletrônica.
ATIVIDADES REALIZADAS
O primeiro exercício a ser resolvido trata de um problema de adubação de um terreno.
Os dados do problema são números decimais que são difíceis de serem manipulados sem o
auxílio de calculadora ou algum software.
Exercício 1: Para adubar um terreno, um agrônomo necessita acrescentar a ele 210 g de
nitrogênio, 260g de fósforo, 280g de potássio e 310g de magnésio. Ele dispõe de quatro
marcas de adubo:
 O adubo A que em cada quilograma contém 10g de nitrogênio, 50g de fósforo, 90g de
potássio e 45g de magnésio.
 O adubo B que em cada quilograma contém 10g de nitrogênio, 75g de fósforo, 40g de
potássio e 30g de magnésio
 O adubo C que em cada quilograma contém 55g de nitrogênio, 20g de fósforo, 20g de
potássio e 40g de magnésio.
 O Adubo D que em cada quilograma contém 10g de nitrogênio, 25g de fósforo, 20g de
potássio e 60g de magnésio
Quanto de cada adubo esse agrônomo deve misturar para obter a mistura comercial
desejada?
Para a resolução desse exercício, o problema foi modelado pelo seguinte sistema:

Onde representam as quantidades dos adubos A, B, C e D respectivamente.


Na figura 1 que é apresentada abaixo, temos a resolução do problema na planilha eletrônica do
Excel.

Figura 1 – Resolução do exercício 1 na planilha Excel

Pode-se observar na resolução que a matriz e o produto foram calculados


através das fórmulas da planilha eletrônica do Excel. Respondendo à questão, temos que serão
necessários 1,53g do adubo A, 1,17g do adubo B, 3g do adubo C e 1,4g do adubo D.
O segundo exercício proposto foi retirado do livro Álgebra Linear, 3° edição do autor
José Luiz Boldrini, na página 54.
Exercícios 2: Sabe–se que uma alimentação diária equilibrada em vitaminas deve
constar de 170 unidades (u) de vitamina A, 180 u de vitamina B, 140 u de vitamina C, 180 u
de vitamina D e 350 u de vitamina E. Com o objetivo de descobrir como deverá ser uma
refeição equilibrada, foram estudados 5 alimentos. Fixada a mesma quantidade (1g) de cada
alimento, determinou-se que:
(i) o alimento I tem 1 u de vitamina A, 10 u de vitamina B, 1 u de vitamina C, 2 u de
vitamina D e 2 u de vitamina E.
(ii) o alimento II tem 9 u de vitamina A, 1 u de B, 0 u de C, 1 u de D e 1 u de E.
(iii) o alimento III tem 2 u de vitamina A, 2 u de B, 5 u de C, 1 u de D e 2 u de E.
(iv) o alimento IV tem 1 u de A, 1 u de B, 1 u de C, 2 u de D e 13 u de E.
(v) o alimento V tem 1 u de A, 1 u de B, 1 u de C, 9 u de D e 2 u de E. Quantos gramas
de cada um dos alimentos I, II, III, IV e V devemos ingerir diariamente para que nossa
alimentação seja equilibrada?
Se denotamos por a quantidade de alimento 1 (em gramas) ingeridas diariamente e
assim sucessivamente, denota a quantidade do alimento j ingerida diariamente, teremos o
sistema linear

Onde a resolução na planilha eletrônica é apresentada na figura 2 a seguir.

Figura 2 – Resolução do exercício 2 na planilha Excel

Assim como na primeira atividade, as matrizes e o produto foram obtidos


pelas fórmulas da planilha eletrônica do Excel. Assim, respondendo à questão serão
necessários 10g do alimento I, 10g do alimento II, 20g do alimento III, 20g do alimento IV e
10g do alimento V.
A atividade pode ser mais explorada pelo professor, percebendo que a medida em que
mudamos os valores na matriz dos coeficientes ou dos termos independentes, o resultado final
também muda, sem a necessidade de fazer novamente os mesmos cálculos. Por exemplo, se
nessa mesma planilha alterarmos o valor do elemento da primeira linha e primeira coluna da
matriz dos coeficientes para 0, teremos um resultado final diferente, como segue abaixo na
figura 3. Figura 3 – Resolução do exercício 2 com alterações em
elementos da matriz A
Para tal alteração teríamos como resultado 9,89g do alimento I, 11,11g do alimento II,
20,05g do alimento III, 19,93g do alimento IV e 9,9g do alimento V.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O conteúdo de sistemas lineares tem um grande potencial exploratória quanto a


resolução de questões de aplicação. A utilização da planilha eletrônica nas atividades descritas
pode proporcionar aos alunos um momento de investigação, pois como descrito no exercício
dois, a medida em que se modifica algum valor da matriz dos coeficientes ou a matriz dos
termos
Independentes, é possível verificar as alterações na resposta final sem a necessidade de colocar
novamente as matrizes na planilha.
Essas atividades podem ser trabalhadas com turmas do ensino médio ou até mesmo
com alunos do ensino superior.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BOLDRINI, J. L.; COSTA, S. I.; FIGUEREDO, V.; WETZLER, H. G. Álgebra linear. 3ª ed.
São Paulo: Harper & Row do Brasil, 1980
CAMPOS, A. O que é um software livre. Disponível em: < http://br-linux.org/2008/01/faq-
softwarelivre.html >. Acesso em: 28 maio. 2015.
CASTRO, J. A. d., Barreto, A. R., & Corbucci, P. R. A reestruturação das políticas federais
para o ensino fundamental: descentralização e novos mecanismos de gestão. Rio de Janeiro:
Ipea, 2000.
LAPPONI, J. C. Estatística usando excel. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
LIMA, E. L. Sobre o ensino de sistemas lineares. Revista do Professor de Matemática, São
Paulo, n. 23, p. 8-18, mês. 1993.
NEURATH, R. A., & STEPHENS, L. J. (2006). The effect of using Microsoft Excel in a high
school algebra class. International Journal of Mathematical Education in Science and
Technology, v. 37, n.6, p. 721-726.
SAMPAIO, P. A. S. R. Uma experiência com o Excel sobre proporcionalidade directa,
utilizando o quadro interactivo. In ProfMat2008. Elvas: APM, 2008.
SHINODA, Carlos. Matemática Financeira para usuários do Excel. 2. Ed. São Paulo:
Atlas, 1998.
STIELER, E. C. Uso da tecnologia da informática no Ensino Superior: um estudo da
aplicação da planilha eletrônica Excel na disciplina de Matemática Financeira.2007. 85 f.
Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e de Matemática) – Centro
Universitário Franciscano, Unifra, Santa Maria, 2007.