Você está na página 1de 48

Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.

Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Edição Lisboa
oa • Ano XXVIII • n.
n.º 10.127 • 1,20€ • Quinta-feira,
Quinta feira, 11 d
de Janeiro de 2018 • Director: David Dinis Adjuntos: Diogo Queiroz de Andrade, Tiago Luz Pedro, Vítor Costa Directora de Arte: Sónia Matos

Médicos Genética
Portugueses descobrem
Ordem molécula que faz as células
andar para trás no tempo
aprova uso Ciência, 26/27
de cannabis Steve Bannon
mas com O homem que mandou
na América por seis meses
restrições e que acabou desempregado
SSociedade, 10 a 12 Mundo, 22/23

Relações com Angola no topo


das preocupações de Marcelo
Presidente adia para Outubro decisão sobre PGR. Até lá, Marcelo tem outras prioridades. A principal é resolver
o diferendo com Luanda no caso Manuel Vicente, onde Belém e São Bento se sentem de mãos atadas Política, 8
ADRIANO MIRANDA

Eleições no PSD
Rio usa recortes
e Marcelo para
empatar debates
Miguel Relvas
“Vamos ter um
líder para dois
anos. Se não
ganhar, será
posto em causa
p2 a 6 e Editorial

Concorrente Ex-vereador de Angola afasta Atrasos nos


da Uber chega Medina reentra do poder último preços da ADSE
hoje a Lisboa na câmara sobrevivente do custam um
com 600 carros como assessor clã Dos Santos milhão a utentes
Taxify terá preços mais Carlos Castro estava na lista Filho de Eduardo dos Santos Direcção pede urgência nas
baixos e já pensa expandir-se do PS, mas não foi reeleito. liderava Fundo Soberano. novas tabelas. Objectivo é
para o Porto e Algarve p18/19 Salário é quase o mesmo p16 Presidente exonerou-o p24 poupar 42 milhões/ano p20
ISNN-0872-1548
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

2 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

DESTAQUE
ELEIÇÕES PSD

Rui Rio mostrou


“truques”, Santana
Lopes duvidou
do “economista”
No debate de ontem, na TVI, o ex-primeiro-ministro sugeriu
que a posição de Rio sobre a procuradora-geral da República
foi “aproveitada” pelo primeiro-ministro
de dar o “voto útil ao PS” e “força ca do Porto usou então outro truque
Sofia Rodrigues ao BE e ao PCP”, se inviabilizar um – Marcelo —, para se defender. Lem- Corrida nacional replicada em Lisboa
Governo nessas circunstâncias. Até brou que foi com Marcelo Rebelo de

F A
oi já na recta final do debate então o debate foi morno e andou Sousa a líder do PSD que foi viabili-
de ontem na TVI que Pedro à volta do passado, do que disse- zado o Governo minoritário de Gu- concelhia de Lisboa é uma Benfica já foi apoiante de Pedro
Santana Lopes começou ram ou fizeram os dois candidatos terres. Para Santana Lopes, a tese do das estruturas do PSD que Passos Coelho, mas nos últimos
a disparar contra Rui Rio, à liderança do PSD. Novidade? Rio seu adversário revela “falta de con- também vão a votos no tempos começou a distanciar-
apontando dúvidas sobre trazia e citou manchetes de jornais fiança” e lançou o que Rio disse ser sábado numa corrida que se e a fazer oposição interna.
o modelo económico- para neutralizar o adversário. Afi- uma frase feita: “Vieste para direc- replica a disputa nacional. De Quando Rui Rio anunciou que
financeiro que este defende para nal, também sabe fazer “truques” tas para derrotar Passos Coelho, eu um lado, Rodrigo Gonçalves, seria candidato à liderança
o país. “És como o Governo, tens como prometeu. vim para ganhar a António Costa”. o presidente interino do PSD- do PSD já Rodrigo Gonçalves
duas versões”, atirou várias vezes o A estratégia dos dois candidatos O debate arrancou pela campa- Lisboa, e apoiante de Rui Rio; do trabalhava na equipa que
ex-primeiro-ministro, tantas que o sobre o pós-legislativas em cenário nha dos últimos dias em que foram outro, Paulo Ribeiro, membro preparava a candidatura.
antigo autarca do Porto foi obrigado de derrota é um dos pontos que mais publicados vídeos, de um e de outro da assembleia de freguesia da Paulo Ribeiro, 49 anos, é
a puxar dos galões de economista: os dividem. Santana voltou a rejeitar candidato, com declarações incoe- Estrela e pró-Santana Lopes. militante do PSD desde 1993.
“Se há coisa que sei é como devem acordos com o PS, mas disse admitir rentes com as opiniões que manifes- Rodrigo Gonçalves, 43 anos, Foi coordenador do gabinete de
ser as finanças públicas”. “conversar sobre o assunto” desde tam hoje, sejam um sobre o outro ficou com a presidência da estudos da distrital de Lisboa e
O duelo, do mais ideológico que que o PS volte a “provar que está de ou sobre Passos Coelho. Assumin- concelhia depois da saída de delegado à Assembleia Distrital
houve durante o debate, aqueceu a acordo” com a prática constitucional do que não estava preparado para Mauro Xavier, em protesto de Lisboa do PSD. É a segunda
propósito da estratégia após as legis- de deixar governar o partido mais aquilo com que foi confrontado no contra a estratégia autárquica vez que este conselheiro
lativas. Santana Lopes admitiu, pe- votado. E exigiu uma regra escrita. debate da RTP, Rio mostrou a “afi- da direcção nacional do partido. nacional se candidata a
la primeira vez, “conversar” sobre Num tom já azedo, Rui Rio contra- nação” prometida. E tirou da manga O antigo presidente da Junta de presidente da concelhia de
um eventual apoio a um Governo riou. “Sabes o que vai acontecer: é manchetes como “Santana arrasa Freguesia de São Domingos de Lisboa.
minoritário socialista, Rio acusou-o votar útil no PS”, acusou. O ex-autar- Passos mas adia saída do PSD” para
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 3

FOTOS: ANTÓNIO COTRIM/LUSA


Depois dos debates
da RTP, no dia 4,
e da TVI, ontem,
Rio e Santana têm
hoje um derradeiro
frente-a-frente na
rádio (Antena 1/
TSF), que começa
pelas 9h

SANTANA E RIO EM DISCURSO DIRECTO


“Se Pedro Passos Coelho “Não estou nada zangado
tivesse continuado na com o Pedro Santana
liderança, eu não seria Lopes”
candidato”
“Santana Lopes
“Nós não podemos ser fez acusações
vidrinhos” completamente injustas”
“O meu oponente “Em lado nenhum me
tem uma visão mais ouviu dizer que António
tradicional” Costa é o político mais
hábil desde o 25 de Abril”
“Pedro Passos Coelho
superou todas as “Santana terá muita
expectativas” dificuldade em convencer
o povo português de que
“Não tenho proximidade será melhor na segunda
de posições políticas com oportunidade”
António Costa”
“Este Governo governa
“Não andei do lado de à vista, quando o que
lá a receber palmas do é preciso é pensar no
adversário” futuro”
“Eu digo que vamos “Eu não estou satisfeito
dizer que teve divergências com o celo Rebelo de Sousa (o Presidente fim, o tema era o crescimento eco-
ganhar, porque acredito com o regime como um
Governo de Passos Coelho enquanto voltou a servir-lhe de protecção) e nómico, que parecia ser o objectivo no projecto alternativo todo”
presidente da câmara como “teve
com outros” e que nunca veio a pú-
escusou-se a tomar uma posição.
Com o contexto do Governo de
consensual entre os dois. Mas foi aí
que Santana Lopes tentou colocar
que vamos criar”
blico fazer “qualquer crítica”. quatro meses de 2004 e depois de em dúvida as posições de Rui Rio, “O objectivo de Portugal
Aproveitou para se demarcar do esclarecer declarações de apoio que criticando-o por não falar em cres- “Está escrito num acordo não é o défice zero, é o
primeiro-ministro António Costa, fez então a esse executivo, Rio voltou cimento na apresentação da candi-
mas aí Santana Lopes voltou à carga a manifestar “sérias dúvidas” de que datura, mas antes em “défice zero”. [PS-PSD] que o mandato crescimento”
e associou à proximidade de políti- o povo julgue Santana credível, co- O economista ripostou: “Se há coisa [da procuradora-geral da
cas entre os dois o caso da não reno-
vação do mandato da procuradora-
mo candidato a primeiro-ministro.
A forma como o PSD vai enfrentar
que sei é como devem ser as finan-
ças públicas”. Santana Lopes defen-
República] é renovável de “Se eu não conseguir o
geral da República. É o “Dupond e o PS em 2019 evidenciou outra dife- de equilíbrio das contas públicas, seis em seis anos” primeiro objectivo, que é
Dupont” quando na semana seguin-
te ao debate a posição de Rio “é apro-
rença de discurso. Rio diz que não
há impossíveis para vencer Costa e
mas pelo crescimento, não pelos
cortes, e não poupou nos apartes:
ter maioria absoluta, nem
veitada” pelo primeiro-ministro, su- lembra as “fragilidades” dos últimos “Este Governo é como tu, é sempre “Tu vieste para afastar o segundo, que é ganhar,
geriu Santana Lopes. Depois, mais à tempos reveladas pela Protecção a segunda versão”. Rio argumentou Passos Coelho e eu para quero o terceiro, que é
frente quando confrontados com a Civil com os incêndios, os proble- que “o défice equilibrado é condi-
não renovação do mandato de Joa- mas do Serviço Nacional de Saúde ção necessária para o crescimento.” afastar António Costa, é afastar a esquerda do
na Marques Vidal, ambos saudaram ou “coisas escondidas no tapete”. Santana ainda o provocou: “E não essa a grande diferença poder”
a nota de ontem do Presidente da
República. O ex-primeiro-ministro
Santana sublinha o outro lado: “Não
digo que vamos ganhar só porque o
falas do imposto para pagar a dívi-
da?”. Rio disse que teria gosto em
entre nós” Rui Rio
acabou por defender a renovação PCP está mais distante mas porque explicar, mas já não houve tempo. Pedro Santana Lopes
como “adequada”, mas Rio cum- acredito no projecto alternativo.”
priu o pedido de silêncio de Mar- A pouco mais de 15 minutos do srodrigues@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

4 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

DESTAQUE
ELEIÇÕES PSD

“Vamos ter um líder para


dois anos. Se não ganhar,
será posto em causa”
Miguel Relvas Marques Mendes e Montenegro são nomes
para o futuro. Rui Rio, diz, cometeu dois erros na campanha.
Quanto ao PS, o provável é vir a governar com o Bloco
legislativas. Porque vivemos uma o líder do PSD é obrigado a
Hora da Verdade singularidade, não só de um candidatar-se para ganhar
David Dinis (PÚBLICO) e Eunice primeiro-ministro que governa eleições. O líder do PSD é
Lourenço (Renascença) sem ter ganho as eleições, como
a de um líder do partido que
obrigatoriamente candidato a
primeiro-ministro, não candidato

R
ui Rio “está a passar um ganhou as eleições e não concorre a viabilizar um Governo do PS.
cheque em branco” a às eleições seguintes. E esse é o seu maior erro nesta
António Costa, trocando O líder que for eleito será líder campanha. Porque não é aceitável
a “geringonça” por uma de transição? que o PSD ainda antes das eleições
“engenhoca” — que é Vai depender muito da forma venha dizer que viabiliza um o ataque à procuradora-geral
o bloco central. Relvas como for abordada a estratégia e a Governo do PS, sem que, aliás, o da República. Como já se viu,
apoia Santana, mas anota que afirmação desse mesmo líder. PS diga se viabiliza um Governo facilitou e estimulou a posição
devia ter travado a entrada da Mas há esse risco? minoritário do PSD... que o Governo já veio assumir,
Santa Casa no Montepio. E, em Esse risco existe sempre. Os O que não fez em 2015... de substituição de uma figura
entrevista ao PÚBLICO e à Rádio líderes políticos afirmam-se no Como já não fez no passado. E institucional com muito peso
Renascença, avisa: o próximo
líder terá missão difícil.
desempenho da função, não
na sua candidatura. O PSD já
o que Rui Rio está a dizer é: “Eu
quero substituir a ‘geringonça’
Rui Rio diz: ‘Quero como é a procuradora-geral, a
nove meses de cessar o mandato.
Aqui há uns meses, disse teve líderes que surpreenderam actual pela minha ‘engenhoca’. substituir a É uma discussão que se abriu cedo
que pagava para ver Rui Rio
candidato. Queria perguntar-
positivamente e outros, sobre
os quais existia uma grande
Isto é a engenhoca do bloco
central — que não vai existir. ‘geringonça’ pela de mais, que foi estimulada pela
posição e pelos ataques feitos
lhe se já pagou e quanto...
Eu pago sempre as minhas
expectativa, que não foram
capazes de vir a concretizar.
Até porque o PS escolheu um
caminho. O que Rui Rio fez,
minha ‘engenhoca’ por um dos candidatos do PSD à
liderança.
apostas. O que eu disse era Rui Rio O futuro do novo líder será estrategicamente, foi criar Se o PSD não viabilizar um
contra Passos Coelho. O contexto determinado pelas legislativas? condições para que António Governo minoritário do PS,
tem que ser visto. Eu sempre Vamos ter um líder para dois anos; Costa possa lutar pela maioria Nunca, jamais poria não vai estar a entregar o país à
entendi que Passos Coelho, se não
fosse o desastre... um desastre
se ganhar as eleições, continua, se
não ganhar, será posto em causa.
absoluta com mais facilidade.
Porque António Costa sabe que o dinheiro da Santa “geringonça”? À esquerda?
Enquanto António Costa for
mais comunicacional do que real!
O PSD abordou muito mal a noite
Rui Rio, na entrevista que
nos deu recentemente, disse
pode optar: por uma coligação à
esquerda, ou já sabe que o PSD lhe
Casa no Montepio. líder do PS... já só é possível
haver entendimentos sobre essa
das eleições.
Passos devia ter esperado para
que se o PS vencesse as
eleições em 2019, mas com
viabiliza um Governo minoritário.
Mais: é de uma gravidade ainda
Esta questão matéria, sobre matéria de quadro
partidário, quando o PS mudar
pensar melhor? um Governo minoritário, mais extrema, porque permite devia ter sido de líder. António Costa é que, não
O PSD assume a derrota quando
ainda não havia resultados em
estaria disponível para dar
algum apoio parlamentar. O
ao CDS ser o líder da oposição. O
CDS ficou satisfeito, ficou-se a rir travada de início ganhando as eleições, escolheu
um caminho, fez uma aposta,
Almada — e numa série de pontos que dá a entender que não com mais um bónus — depois do por sua iniciativa. É bom lembrar
do país onde depois de verificou vê necessidade de se demitir que teve na Câmara de Lisboa. O que Passos Coelho e Paulo Portas
uma grande derrota do PCP.
E o PSD, com a avaliação que
em caso de derrota. O Miguel
Relvas acha, portanto, que o
aliado preferencial do PSD é o CDS
— e se isto não ficar claro, significa
Vamos ter um ainda tentaram um entendimento
com o PS logo a seguir às eleições.
fez, anulou a derrota do PCP. O futuro do líder dependerá do que podemos estar a passar um Governo do PS com o Não compete a nenhum dos
PSD precipitou-se na noite, foi
muito amadora a forma como
resultado?
Dependerá das eleições e não
cheque em branco. Eu sei que os
militantes do PSD não passam BE, se o PSD facilitar candidatos estar a colocar essa
questão. Eles têm que dizer ao que
o PSD abordou a noite das das consequências. O que Rui cheques em branco. vão, quais são as suas propostas.
eleições. Passos Coelho deveria Rio disse é um erro político Rui Rio cometeu dois erros E estas eleições não estão ganhas
ser candidato nas próximas inaceitável. Em primeiro lugar, nesta campanha. O outro foi para o PS. Desengane-se o PS e
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

DANIEL ROCHA

Há uma figura no PSD


que tem um papel
decisivo no futuro —
Já agora, o que é que pensa do
negócio do Montepio?
e que vamos saber o Acho que não tem que preferir.
Terá a sua opção, conhece os dois.
É inaceitável, não tem lógica
nenhuma.
que é que ele quer no Teve momentos de proximidade
com os dois, momentos de
Não poria o dinheiro da Santa futuro fazer — que é distância. Mas não é ele que tem
Casa no Montepio?
Nunca, jamais. Se fosse um bom Marques Mendes que escolher.
Mas parece bastante apostado
negócio, certamente o mundo em promover o comissário
financeiro, outras entidades Carlos Moedas, que pode ser
financeiras, outras entidades um trunfo para o futuro...
bancárias, fundos estariam a olhar Carlos Moedas será sempre um
para o Montepio, para além da bom número dois, do perfil que
base genética, tradicional. A Santa conheço dele. Acho que o futuro
Casa tem um caminho, tem uma do PSD, nas gerações mais jovens,
história e cultura; a Associação passa por um Luís Montenegro,
Mutualista tem outra. A última por um Miguel Pinto Luz, que
coisa que esperava ver na vida têm combate político, que têm
era a Santa Casa a dar a mão ao afirmação. Mais: há também uma
Montepio. Carlos Moedas será figura no PSD que tem um papel
Santana Lopes devia ter
travado isso? sempre um número decisivo no futuro — e que vamos
saber o que é que ele quer no
Esta questão devia ter sido travada
de início. Nem o Governo a devia dois, do perfil que futuro fazer —, que é Marques
Mendes. Marques Mendes foi
ter colocado. A Santa Casa disse
“vamos estudar”. É uma atitude
conheço dele líder do PSD, tem uma grande
proximidade...
aceitável. Não foi dado tempo a (...). Não tem uma Acha que ele pode voltar a
Santana Lopes para que pudesse
ter a sua opinião. Do que conheço tradição política concorrer à liderança?
Acho que, num momento mais
de Santana Lopes, daquilo que difícil, nenhum militante do PSD
António Costa se pensa que são A questão não é mudar. Ficou bem sei, sei que na hora decisiva não este discurso que foi fatal nos deve dizer que não a poder ajudar
favas contadas. Há dois anos a vincado ao longo dos últimos anos, avançaria com este negócio. últimos dois anos (demasiado o seu partido. Marques Mendes é
discussão era que este Governo e com o trabalho na Misericórdia, Até que ponto no PSD não se financeiro, muito marcado pelo inquestionavelmente hoje um dos
o PS são muito bons na questão que muito do que se passou em começa a preparar o pós-2019? passado). Se formos capazes de grandes activos políticos que o
política e são muito maus na 2004... eu era secretário-geral Montenegro e Rangel, que não olhar para o futuro com ousadia, PSD tem, como Montenegro, como
questão económica. Veio-se a e muitos daqueles episódios avançaram agora, não estão já o novo mundo digital, o papel Pinto Luz. Carlos Moedas será
verificar que a questão económica foram episódios marcadamente a preparar... da inovação, ser capaz de atrair sempre uma pessoa central, não
e financeira estabilizou. E onde fora da vida política. A primeira Calculismos existem sempre na capital... tem uma tradição política — fui eu
é que estão as debilidades do abordagem sobre a questão das vida política. Existiram, existem, E unir o partido, consegue? que fiz, aliás, a sua aproximação,
Governo? Na abordagem política. PPP foi com António Mexia, no vão continuar a existir. Depois desta campanha? apoiei muito a sua entrada.
Desde os incêndios, esta questão Governo de Santana Lopes. Esse Não se perdeu a oportunidade Passos Coelho ganhou as eleições Voltando a 2019: quanto tempo
sobre a renovação do mandato Governo teve as suas virtualidades de uma geração? O PSD parece em 2010 e a primeira iniciativa... acha que Marcelo aguentará
da procuradora-geral, a nove no plano da gestão — e que no voltar atrás... Não foi uma campanha tão um Governo minoritário de
meses do fim do mandato, quando plano da comunicação se deixou ir Sempre vi na vida política que dura como esta... António Costa?
estão vários processos em cima atrás e arrastado por situações... não são os políticos que escolhem Foi uma campanha dura. É Vai depender muito das
da mesa que têm uma grande E sem a legitimidade do voto... as circunstâncias, são elas que preciso não esquecer que os circunstâncias das próximas
importância. Demonstra uma À época, o grande erro de Santana escolhem os políticos. Marcelo apoiantes de Paulo Rangel tinham eleições. Acho que não vai haver
grande inabilidade política. Lopes foi não ter convocado Rebelo de Sousa foi líder do PSD, apoiado Ferreira Leite, Passos um Governo minoritário. A meu
Voltando à corrida ao PSD: eleições. Ele ponderou. Mas não não saiu de forma fácil e hoje é o Coelho tinha sido afastado — como ver, o cenário político que vamos
primeiro falou-se em Luís se seguiu esse caminho. líder político do país. No futuro, se eu — da lista de deputados, sem ter... vamos ter um Governo do
Montenegro, que Miguel Relvas Apoia Santana, mas não tem quem ganhar as directas ganhar as uma explicação aceitável. E Passos PS com o BE. O PS, se ganhar as
apoiaria — mas Montenegro aparecido ao lado dele na legislativas, todos os cálculos que Coelho, o primeiro sinal, qual foi? eleições — e só vai ganhá-las com
não quis. Depois assumiu que campanha... foram feitos terão que ser adiados. Ir buscar Rangel para o conselho facilidade se o PSD lhe facilitar a
apoiaria Paulo Rangel, mas ele Estou fora da vida política. Tenho, Não há candidatos de uma geração, nacional. Quem tem que saber vida — tem o BE para fazer o seu
não avançou. Santana é o mal até, limitações da vida profissional mais jovens ou menos. O que há é gerar a unidade é quem ganha. entendimento. E o PSD tem que
menor contra Rio? que não me permitem estar na vida um líder que se afirma. E os líderes Se Rui Rio ganhasse e seguisse o ser claro: nas próximas eleições o
São os candidatos que temos. política — há uma separação que afirmam-se com as vitórias. exemplo de Ferreira Leite, estaria líder tem que assumir que vamos
Na vida política, como na nossa considero essencial entre o mundo Não há exemplo de um líder do naturalmente a criar condições lutar para ganhar as eleições e
vida, temos que optar perante dos negócios e a vida política. PSD que, num ciclo económico para ter o partido dividido. que o único partido com quem
as circunstâncias que nos são Como é que apoiou Santana positivo, tenha recuperado o Santana Lopes é um líder que faremos alianças é o CDS. O bloco
colocadas. Santana Lopes tem que Lopes? Mobilizou o aparelho? poder... inclui. central foi um momento muito
ser avaliado pelo Santana de hoje Apoiou-o financeiramente? Se o PSD seguir uma estratégia Já disse que Marcelo é o grande especial na vida do país, com a
e não pelo de 2004 — como muitos Dei-lhe a minha opinião muitas de afirmação, com ideias novas, líder político do momento. intervenção do FMI.
querem. vezes. Falei com Santana Lopes, protagonistas novos, se no Acha que ele prefere Rio ou
Ele mudou? com muitas pessoas. discurso económico não tiver Santana? david.dinis@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

6 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

DESTAQUE
ELEIÇÕES PSD
Relvas diz que é preciso pagar mais
A Justiça portuguesa tem para ter melhores políticos

“N
“visão neocolonial sobre Angola” ão vivo frustrado por não
estar na vida política”, diz
Mas também o estatuto
remuneratório?
o agora empresário. Também. Tem de se encontrar
O que é que aprendeu um ponto de equilíbrio. O salário
DANIEL ROCHA
no Governo que lhe é útil de quem está na vida política
Hora da Verdade agora? E o que é que está tem de ser proporcional àquilo
a aprender agora que lhe que ganhou nos últimos cinco
Manuel Vicente devia ser pode ser útil se voltar para a anos anteriores ao desempenho
política? de funções. Senão dificilmente
julgado em Luanda, diz
Conheci muitas pessoas, vamos buscar pessoas que
Relvas. “Nem nos compete aprendi que todos os tenham qualidade, que tenham
a presunção” de pôr em problemas, por mais difíceis condições de servir o seu país —
causa a Justiça angolana que sejam, temos de ser e que não o fazem, porque têm
capazes de ter soluções, juntar compromissos, vidas familiares.

A
Justiça angolana e ouvir pessoas com tolerância Na vida política não podemos
“funciona com (...). Também devo dizer que seguir pela via dos serviços
normalidade”, garante há algo que me preocupa hoje: mínimos. Temos de ser capazes
o agora empresário o estatuto remuneratório dos de ir buscar os melhores. Hoje
Miguel Relvas. E se fosse políticos, toda a pressão que em dia, a vida política é pouco
com o Brasil, a Justiça existe sobre a vida política, atractiva.
portuguesa não faria o mesmo. implica que devemos fazer uma Admite regressar?
Vai muito a Angola em negócios. reflexão sobre se os melhores Nunca se deve dizer que não. E
Tem notado diferenças desde estão a vir para a vida política. como já vimos Cristo descer à
que há um novo Presidente? A sensação que tenho em terra...
Há diferenças subjectivas e da arrogância de sermos nós a se verificasse com o Brasil, qual relação às novas gerações — ... E os ventos mudarem.
objectivas em Angola. Há hoje avaliar se é ou não independente. é que seria a atitude da Justiça tenho uma filha com 25 anos E os ventos mudarem. O que lhe
uma maior abertura. Vamos ser E acredita na autonomia do portuguesa? Qual é que seria? Nós —, há hoje um distanciamento posso dizer é que sou feliz com
claros, em Angola sempre houve Ministério Público? não podemos ser presunçosos. da política que tem muito a o que faço, gosto do trabalho
uma imprensa livre — ao longo Em Angola? Acredito. Temos de ter a capacidade de ver com a abordagem da caça que tenho. E sinto-me bem em
dos últimos anos. Angola não é o E em Portugal? olhar para as movimentações que ao homem, da facilidade com dar a minha opinião, exercer a
Jornal de Angola, há muitos órgãos Em Portugal também. existem, culturais, sociológicas, que se abate quem está na vida minha opção cívica, daquilo em
de comunicação muito críticos O Governo pode dar a indicação políticas que existem no mundo. política, também o estatuto que acredito para o meu partido
para muitas das situações que para o processo seguir para Devíamos sentir uma certa remuneratório, que leva a e para o meu país. E não vivo
se viviam em Angola. É o país de Angola? felicidade, olhando para o que os melhores do país se pressionado, nem vivo frustrado
língua portuguesa mais próximo O Governo não pode. Há uma contexto africano, pela forma dediquem a outras áreas. por não estar na vida política.
culturalmente de Portugal, daí separação de poderes em Portugal. como Angola está a abordar... vi DANIEL ROCHA
muitas vezes as situações de amor- A PGR disse que o processo há umas semanas uma entrevista
ódio. Mas acho que Angola tem deve ser julgado em Lisboa. da embaixadora dos EUA em
razão: há sectores em Portugal E só temos de respeitar. Mas não Angola a fazer um grande elogio
que olham para Angola — pior estou impedido de dar a minha às mudanças em Angola. E vejo
do que colonial — com uma visão opinião, como não estou quando em Portugal uma certa hipocrisia
neocolonial. digo que foi um erro colocar a na avaliação que é feita, uma
Nesses sectores inclui a Justiça? substituição da PGR nove meses sensação de que esta mudança nos
Este processo que estamos hoje a antes do fim do mandato. causa algum problema. Não causa:
viver... Então como é que se pode uma Angola forte é fundamental
A Operação Fizz. ultrapassar o actual momento para a afirmação de Portugal no
... não é aceitável para um país de tensão entre Portugal e mundo. Temos de ser capazes, sem
soberano. Angola é um país Angola? preconceitos, sabermos atirar para
soberano, reconhecido por todos Um apelo ao sentido de o lado os problemas do passado.
nós. A Justiça em Angola funciona, responsabilidade, a um sentido Sem a presunção de uma tutela.
com normalidade. Este processo de contenção de ambas as partes. Nós não tutelamos Angola.
é da Justiça angolana e é na Justiça Temos grande identificação entre Nestes primeiros dias de João
angolana que devia ser tratado. os valores tradicionais. Lourenço, vê uma mudança
Portugal pode confiar Mas a relação pode agudizar-se política ou de imagem?
que a Justiça angolana é com o início do julgamento. As duas coisas. Uma nova forma
independente? Mesmo face ao Angola é um Estado soberano e nós de abordar a comunicação, que é
seu ex-vice-Presidente? temos de olhar para Angola como fundamental. Vejo uma nova visão
Pode confiar. Nem nos compete a olhamos para outros países da de não esconder muitos problemas
nós essa presunção. A presunção Europa, da Ásia. Se esta situação que existem.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

grandes
mentes
discutem
ideias
O diálogo é sempre melhor quando se está bem informado.
Subscreva uma assinatura anual e ofereça outra igual
à pessoa com quem mais gosta
de trocar ideias

100€
ASSINATURA ANUAL + ASSINATURA OFERTA
Saiba mais em publico.pt/mentes-brilhantes

VANTAGENS DE SER ASSINANTE


Acesso ilimitado ao Público no smartphone, tablet ou computador sem publicidade intrusiva |
Acesso a conteúdos exclusivos e ao arquivo digital do PÚBLICO | Leitura antecipada do jornal do dia
em formato digital | Ofertas e descontos em eventos, estadias e espectáculos da rede de parceiros
do Cartão Público | 15% de desconto nos produtos Público disponíveis na Loja Público (excepto livros)

A verdade
é um bem
público
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

8 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

POLÍTICA
Marcelo está mais preocupado
com Angola do que com a PGR
Presidente não falará sobre a recondução de Joana Marques Vidal até ao momento de decidir sobre
o nome que o Governo propuser. Até lá, tem outras prioridades, como o caso Manuel Vicente
MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/EPA

Ministério Público
Leonete Botelho
O Presidente da República não quer
ouvir falar, para já, da substituição
de Joana Marques Vidal como pro-
curadora-geral da República e não
gostou que o Governo tivesse feito
declarações antecipadas sobre o as-
sunto. A nota que sentiu necessidade
de emitir ontem deixa isso muito cla-
ro. Até Outubro, momento em que o
mandato de Marques Vidal termina,
o chefe de Estado tem muitas outras
prioridades — com Angola à cabeça.
O PÚBLICO sabe que Marcelo Re-
belo de Sousa está muito preocupado
e atento às consequências do caso
Manuel Vicente, o ex-vice-presidente
angolano que deveria começar a ser
julgado por corrupção activa no pró-
ximo dia 22 em Lisboa, caso as auto-
ridades de Luanda tivessem notifica-
do o suspeito, como pediu a Justiça
portuguesa. Ora, isso não aconteceu
e o caso vem contaminando as rela-
ções entre os dois países, num dife-
rendo jurídico-político que está num Marcelo e Costa têm insistido junto do Presidente angolano que o caso Manuel Vicente é da exclusiva competência do Ministério Público
impasse e vem subindo de tom.
Esse bloqueio jurídico foi mesmo Vicente em relação aos outros três no espaço judicial que deve ser tra- Joana Marques Vidal dez meses an-
considerado pelo primeiro-ministro
João Lourenço diz arguidos ou a declaração de contu- tado.” De acordo com a ministra, a tes de a questão se colocar. Depois
como “o único irritante” nas relações que a desconfiança mácia (à revelia), se tal for conside- posição assumida por João Louren- de dizer à SIC que o assunto era um
entre os dois países. Após o encon- rado aplicável. ço “não é surpresa para o Governo não-tema neste momento, o Presi-
tro com o Presidente de Angola, João
de Portugal em Paralelamente, a pressão política português”, mas sublinhou que “a dente emitiu uma nota a avisar que
Lourenço, à margem da cimeira en- relação à justiça também tem subido de tom. Na se- única intervenção” que o executivo só se pronunciará sobre designações
tre a União Europeia e a União Africa- gunda-feira, o Presidente angolano teve foi o “encaminhamento de um para este cargo no momento em que
na em Novembro, em Abidjan, Antó-
angolana é “uma considerou “uma ofensa” a forma co- pedido de transferência do processo estas devem ocorrer; e sugeriu que o
nio Costa referiu-se à impotência do ofensa” mo Portugal deu a entender que não que veio pela via diplomática” para Governo deve fazer o mesmo.
poder político português perante as confia na Justiça angolana para lidar as entidades judiciais, às quais com- “Relativamente a poderes constitu-
decisões da Justiça. “Ficou claro que de José Eduardo dos Santos, a defesa com o processo. “Lamentavelmente, pete “fazer esta avaliação”. cionais de designação de titulares de
o único irritante que existe nas nos- deste e a Justiça angolana já alegaram Portugal não satisfez o nosso pedido órgãos do Estado, que, na sua quase
sas relações é algo que transcende o a imunidade de Manuel Vicente e pe- [de transferir o processo], alegando Decisão cabe à PGR totalidade, depende de prévia pro-
Presidente da República de Angola diram a transferência do processo que não confia na Justiça angolana”, Na resolução da Assembleia da Re- posta do Governo, o Presidente da
e o primeiro-ministro de Portugal, para Luanda, o que a PGR recusou. disse João Lourenço. Observou que pública que aprovou a Convenção de República apenas se debruça sobre
transcende o poder político e tem Por seu lado, as autoridades ango- Angola “não aceita este tipo de tra- Auxílio Judiciário em Matéria Penal a matéria no momento em que deve
que ver com um tema da exclusiva lanas têm recusado o auxílio às con- tamento”. Se o desfecho não for fa- assinada pelos Estados-membros da ocorrer tal designação. Esta posição
responsabilidade das autoridades ju- géneres lusas, não cumprindo a noti- vorável ao país africano, “Portugal CPLP, define-se que, em matéria judi- do Presidente da República tem sido,
diciárias portuguesas”, vincou Costa. ficação para interrogatório de Vicen- tomará, a seu devido tempo, conhe- cial, a autoridade central para efeitos aliás, sempre a do Governo”, lê-se na
Uma preocupação que comunga com te e a sua constituição como arguido, cimento das posições que Angola vai da aplicação da convenção é a PGR. nota publicada no site da Presidên-
Marcelo Rebelo de Sousa. pois não só consideram que este tem tomar”, asseverou. E é aqui que reside a impotência de cia. Tendo em conta as declarações
No cerne da questão estão deci- imunidade, como estaria ao abrigo No dia seguinte, na mesma entre- Belém e São Bento: nenhum poder da ministra da Justiça na terça-feira,
sões do Ministério Público, dirigido de uma lei de amnistia publicada por vista à TSF em que deu por certo o político tem legitimidade para dar a nota presidencial pode ser inter-
pela Procuradoria-Geral da Repúbli- José Eduardo dos Santos em 2016. fim do mandato de Joana Marques indicações ao Ministério Público em pretada como um recado de que o
ca (PGR), pelo que os dois assuntos É neste impasse que o processo Vidal em Outubro, a ministra da matéria judicial, tendo a PGR sobera- assunto não deve ser abordado com
não estão assim tão distantes como chega a julgamento, altura em que Justiça portuguesa, Francisca van nia e liberdade para decidir, mesmo dez meses de antecedência. com
poderia parecer. Isto, porque, desde os juízes terão de tomar uma decisão, Dunen, afirmou o mesmo que Cos- que os políticos não gostem. Ana Henriques
que foram conhecidas as suspeitas que pode passar pelo seu adiamento ta tinha dito em Novembro: “Este é Do que Marcelo não gostou foi de
imputadas ao antigo número dois sine die, a separação do processo de claramente um processo judicial e é ouvir anunciar o fim do mandato de leonete.botelho@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 9

POLÍTICA
NELSON GARRIDO

Governo aberto
a negociar com municípios
verba e prazo para
limpeza de terrenos Breves
ável” e que, para que os municípios
Floresta possam actuar, é preciso alterar o Parlamento
Maria Lopes “direito de propriedade e facilitar
a contratação” pelas câmaras — que
Partidos querem
Câmaras municipais estão são actualmente alvo de constrangi- manter grupos
obrigadas a substituir-se mentos criados pelo Ministério das
Finanças.
de trabalho
aos privados, se estes não Entre outros, o presidente do Os partidos concordaram
limparem os terrenos até Conselho Metropolitano do Porto, Autarquias e função pública podem ter tolerância de ponto ontem com a continuação
ao próximo dia 15 de Março Eduardo Vítor Rodrigues, alerta pa- dos grupos de trabalho no

Depois de os municípios terem acu-


sado o Governo de os estar a chanta-
ra a insuficiência da verba, que não
acompanha a responsabilidade que
se atribuiu agora às câmaras.
PS, PSD e CDS Parlamento, apesar das
críticas ao secretismo e falta
de transparência e de o CDS-
gear, ao ameaçar cortar nas transfe-
rências financeiras se não limparem
terrenos dos privados, o executivo
Prazo pode ser revisto
A disponibilidade do Governo foi
voltam a chumbar PP pedir “mais cautelas” no
futuro. Esta é a conclusão
a retirar da última reunião
admitiu ontem alargar o prazo e re-
forçar os 50 milhões de euros dispo-
níveis para a linha de crédito a que
anunciada na TSF pelo secretário
de Estado das Autarquias Locais,
Carlos Miguel, que assumiu que ha-
feriado no Carnaval da Comissão de Assuntos
Constitucionais, em que se
discutiu o veto do Presidente
as autarquias vão poder recorrer veria contactos com a ANMP ainda às alterações à lei do
para cobrir essa despesa. ontem. Se for “necessário”, o prazo financiamento dos partidos.
De acordo com o Orçamento do de 31 de Maio — a véspera de arran- feriados consagrados na lei, “existe
Estado para 2018, os privados de- que da Fase Bravo, a segunda mais Parlamento uma tradição consolidada de orga-
Comissão técnica
vem limpar os seus terrenos flores- grave do combate aos fogos — po- Luciano Alvarez nização de festas neste período” e o
tais criando faixas de segurança
junto às estradas, casas, empresas
derá ser alargado, mas isso terá de
ser analisado consoante a “situação
Carnaval “continua a ser entendido
e interiorizado como um verdadeiro
Deputados não
ou linhas de energia até 15 de Mar- concreta e sempre em parceria com
Propostas de “Os Verdes”
e do PAN para decretar feriado obrigatório”. podem avaliar
ço. Caso não o façam, podem ser
multados, mas os municípios devem
os municípios”.
Sobre a despesa adicional que es- oficialmente a Terça-feira
Num texto que repete os argumen-
tos apresentados no ano passado, o
incompatibilidade
então assumir essa tarefa até ao dia ta incumbência representa para as Gorda como feriado oficial PEV lembra ainda que há uma inter- Um membro da comissão
31 de Maio. O castigo para as autar- autarquias, Carlos Miguel vinca que só têm apoio do PCP rupção do ano lectivo nesse perío- técnica independente
quias que não o façam até esta data estes trabalhos de limpeza terão de do, as chamadas “férias escolares” que analisa os incêndios
é passarem a ter um corte de 20% ser “remunerados” aos municípios PS, PSD E CDS vão manter a posição de Carnaval, e que a própria GNR de 15 de Outubro
do duodécimo das transferências pelos proprietários em falta. “Nas do ano passado, votando contra as prepara com antecedência e coloca questionou o presidente da
correntes do Fundo de Equilíbrio situações em que a autarquia não alterações à Lei do Trabalho com no terreno a Operação Carnaval, que Assembleia da República se
Financeiro logo a partir de Junho. se consegue ressarcir do trabalho vista a fazer entrar a terça-feira de termina às 24 horas de terça-feira considerava haver alguma
O Jornal de Notícias avançou na que teve, existe uma linha de cré- Carnaval na lista oficial de feriados de Carnaval. incompatibilidade no facto
sua edição de ontem as críticas dos dito de 50 milhões de euros que o nacionais proposta pelo Partido Ao PEV junta-se este ano o PAN de o próprio especialista
autarcas. O socialista Manuel Ma- Governo disponibiliza. Se se revelar Ecologista “Os Verdes” (PEV) e pelo com um diploma que acentua tam- ter sido lesado pelos fogos.
chado, presidente da Câmara de insuficiente, é evidente que terá que Pessoas-Animais-Natureza (PAN). bém a importância económica pa- A questão foi submetida à
Coimbra e da ANMP — Associação a reforçar”, prometeu. Socialistas, sociais-democratas e ra autarquias e privados por via das Subcomissão de Ética, que
Nacional dos Municípios Portugue- centristas insistem que a reorgani- verbas obtidas nos festejos desta ontem respondeu que não lhe
ses, disse que a “ameaça não é razo- maria.lopes@publico.pt zação dos feriados resultou de um data. O partido cita o Relatório da cabe apreciar a questão.
ADRIANO MIRANDA
acordo obtido no seio da concerta- Organização de Cooperação e De-
ção social e, como tal, uma eventual senvolvimento Económico (OCDE)
alteração ao actual calendário deve de 2016 em que Portugal ocupa a Aviação
passar por aquela sede.
Os três partidos não se opõem,
décima posição, numa lista compos-
ta por 38 países, com a maior carga
PSD quer voos civis
porém, a que os municípios optem horária laboral para justificar a sua na base de Monte
por dar tolerância de ponto aos seus
funcionários. No ano passado, o Go-
proposta.
“São vários os estudos que indi-
Real e PS concorda
verno retomou a prática interrom- cam que, à medida que aumenta- O grupo parlamentar do
pida nos governos do PSD e CDS e mos o número de horas de trabalho, PSD apresentou ontem uma
deu tolerância de ponto aos funcio- a produtividade diminui, estando recomendação para que o
nários públicos, o que deverá voltar inclusive associado ao aumento de Governo adapte a base aérea
a acontecer em 2018. produtividade a existência de maio- de Monte Real para receber
Os deputados do PEV José Luís res períodos de descanso e lazer, pe- voos civis, proposta com a
Ferreira e Heloísa Apolónia alegam lo que é preciso promover o aumen- qual o PS concorda. A medida
no seu projecto de lei que o Carnaval to destes períodos, nomeadamente “permitiria desenvolver e
“vive-se como uma festa anual e em pelo aumento do número de dias de potenciar a capacidade
muitas localidades assume mesmo férias e feriados”, diz o projecto de económica e exportadora” da
muita importância”. Lembram tam- lei do PAN. região centro, disse a social-
bém que, embora a chamada Terça- democrata Fátima Ramos.
Governo quer faixas de segurança para evitar incêndios feira Gorda não conste no elenco dos lalvarez@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

10 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

SOCIEDADE
“Não sou entusiasta da legalização
da cannabis para fins recreativos”
João Goulão Director do SICAD
vê vantagens na cannabis para fins
terapêuticos, mas rejeita o autocultivo
e o seu uso recreativo
Sim. Uma das vantagens desta
Entrevista legalização é a possibilidade de
Natália Faria prescrição, de exercer um controlo
de qualidade e de ter a garantia de
A favor da legalização da cannabis que o médico sabe exactamente o
para fins terapêuticos, o director- que está a prescrever, qual é o tipo
geral do Serviço de Intervenção de planta, ou de preparado, que
nos Comportamentos Adictivos e está a prescrever ao seu doente,
nas Dependências (SICAD), João quais os efeitos positivos que são
Goulão, admite ser convencido das expectáveis e quais os eventuais
vantagens da legalização para fins efeitos negativos.
recreativos, desde que a discussão Concorda com a proposta de
se faça ao arrepio dos interesses autorização do autocultivo?
da indústria. Mas avisa que não Não, porque isso me levanta
será porta-estandarte desse sérias dúvidas relativamente à
movimento. Já a possibilidade manutenção desta vantagem do
de autocultivo — presente nas controlo de qualidade, isto é, de
propostas que são hoje discutidas saber exactamente qual é o teor
no Parlamento — merece-lhe um dos diversos alcalóides presentes
rotundo não. Numa altura em que naquela planta. Se houver um
o Governo está a reequacionar o processamento industrial — e já
novo modelo organizacional para foram autorizados cultivos de
a área das dependências, Goulão cannabis para fins terapêuticos
lembra que a integração nas em Portugal —, esse controlo
administrações regionais de saúde de qualidade é exercido. No
relegou o problema das adicções autocultivo, alguém que tem
para “um plano secundaríssimo” e meia dúzia de plantinhas em casa
aponta as vantagens de recriação dificilmente se assegura que a
de uma estrutura autónoma. composição, os produtos daquela
Estando de acordo com a planta, são exactamente aqueles
legalização da cannabis para que são buscados pelos seus fins
fins terapêuticos, em que terapêuticos.
condições é que a substância O uso recreativo não merece ser se disso, apesar dos riscos Uruguai e nos EUA?
deve ser prescrita e adquirida? igualmente discutido? claramente identificados no seu Há alguns sinais que parecem
Essa é uma discussão que Sem dúvida, mas com consumo? bastante animadores no sentido
nunca tinha sido desencadeada pressupostos diferentes. O uso Deve? da legalização com regras,
em moldes tão concretos e recreativo remete-nos para uma Acho que não deve. nomeadamente o facto de não ter
concretizáveis como agora. discussão muito mais ampla sobre Uma organização Que sentido faz que um Estado disparado o consumo de cannabis
E congratulo-me pela clara as responsabilidades que devem que autoriza substâncias como entre os menores, pelo menos em
separação entre o uso recreativo e ser assumidas pelo Estado: em com uma ligação o tabaco e o álcool proíba a Estados que conheço melhor como
o terapêutico. Embora considere que medida é que o Estado tem o directa entre cannabis, sendo ela consumida o Colorado. Isso é animador. E é
que ambas as discussões devem dever ou o direito de se imiscuir no mercado negro? um dado que tem que ser tido em
ser travadas, elas têm contextos nas liberdades individuais e nas a entidade Como digo, essa é uma discussão consideração nessa discussão.
e actores diferentes. Quando escolhas dos cidadãos. Assistimos responsável por que faz sentido travar. A cannabis Teria a vantagem de aumentar
falamos do uso terapêutico, o que em relação ao tabaco a políticas foi introduzida nas listas de a arrecadação de impostos
está em causa é a prescrição do cada vez mais restritivas em pensar as políticas substâncias proibidas e consta de para aplicar no tratamento dos
uso de cannabis em condições nome do direito do Estado a e a sua execução tratados internacionais dos quais utilizadores problemáticos.
clínicas muito concretas e baseada defender o cidadão dos riscos Portugal é signatário. Alguns países No Canadá admite-se que essa
em evidência científica, estamos potenciais do tabaco. Assistimos a no terreno, têm, à revelia dessa assinatura, verba ajude a financiar medidas
a falar, ao fim e ao cabo, da políticas restritivas relativamente sem interposto regulado o uso recreativo de como o rendimento básico
utilização de um medicamento que ao álcool, nomeadamente em cannabis. É um caminho possível. para todos. Ainda assim não se
deve seguir a mesma tramitação termos de idade de consumo. organismo, tem Devo dizer que não sou um inclina para aí?
de introdução no mercado de São substâncias que são legais claramente defensor desse caminho. Não sou muito entusiasta da
qualquer outro medicamento. no nosso quadro. Será que em Que impressões consolidou legalização para fins recreativos,
Deve ser comparticipada e relação à cannabis deve o Estado vantagens a partir das experiências de mas estou aberto a participar
adquirida em farmácias? pura e simplesmente demitir- legalização da cannabis no nessa discussão e a discutir os
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 11

É preciso despachar, dar


resposta, mal ou bem. E os
profissionais no terreno
foram perdendo (...)
a capacidade de fazer o
fato à medida do utente
RUI GAUDÊNCIO
duas opções que acabam por
Naloxona e apoio a ter reflexo no documento
“Seria útil avançar com sala de
final. Uma que prevê um
velhos heroinómanos aprofundamento da integração
nas ARS [administrações regionais consumo assistido no Porto”
Quando é que a naloxona vai de saúde] e outra a existência de
começar a ser distribuída um organismo com uma ligação
para prevenir as mortes por directa às unidades do terreno.
overdose? A sua posição pende para a As salas de chuto avançarão enquistadas no seio das ARS sem
A naloxona por via inalatória recriação de uma estrutura efectivamente durante este ano haver uma verdadeira articulação.
está em apreciação pelo vertical. em Lisboa? Portanto, o potencial ganho
Infarmed e, tão prontamente Faz-me todo o sentido que exista Creio que sim. As salas de consumo acabou por não acontecer.
quanto possível, iniciaremos um organismo que assuma como assistido são respostas em cuja O aprofundamento desta
uma distribuição às equipas preocupação central o problema bondade acredito. Como sabe integração não garantiria esses
de rua. Numa segunda fase, dos comportamentos adictivos e estão consagradas na legislação ganhos?
pensar-se-á na possibilidade das dependências. De outra forma, desde 2001. Na altura, eram Penso que não, porque as
de treinar os próprios eles diluem-se no universo das imprescindíveis, contudo, não necessidades desta área são de
utilizadores de drogas e necessidades dos cidadãos a que as houve condições políticas para facto uma gota de água no universo
as suas famílias para que ARS têm de dedicar a sua atenção. que se pudesse avançar. Neste das preocupações das ARS.
haja uma distribuição mais E os comportamentos adictivos momento, tenho em cima da mesa Qual é o risco de daqui a
alargada. tendem a ficar muito relegados três propostas para a cidade de meia dúzia de anos voltarmos
O que falta fazer mais? para um plano secundaríssimo, o Lisboa, de três entidades que se a ter a droga à cabeça das
Os antigos utilizadores de que provoca uma diminuição da propõem de forma complementar preocupações dos portugueses?
heroína estão envelhecidos. eficácia das respostas. cobrir as necessidades desta Esta abertura às salas de consumo
(...) E as perspectivas que O famoso “modelo português” população mais desorganizada em assistido é um indício disso.
tínhamos, há 20 ou 30 está em risco de colapso? diferentes zonas da cidade, e vou Aquilo que, em presença dos
anos, de uma reintegração Não diria colapso, mas é preciso dentro de dias ter um encontro progressos alcançados, a partir
total na sociedade são um uma atenção urgente a esta área, com o vereador responsável na de certa altura deixou de fazer
bocado diferentes. A nossa nomeadamente em termos do Câmara de Lisboa, sendo que sentido, neste momento volta
responsabilidade é acrescida, reforço de recursos humanos. há suporte político por parte do a fazer. É um indicador de que
já que contribuímos para que A muito curto prazo vamos ter Ministério da Saúde. o desinvestimento nesta área
se mantivessem vivos até um empobrecimento muitíssimo E relativamente ao Porto? começa a ter impactos. Temos uma
aqui, e isso remete-nos para significativo ao nível dos Não tenho um conhecimento tão população que carece de cuidados
a necessidade de criar novas profissionais dedicados a esta área. directo da realidade da cidade do mas não conseguimos, por um
tipologias de respostas, São pessoas que trabalham há Porto. E, mais uma vez, o facto de lado, atender em tempo útil e,
nomeadamente respostas 30 anos e que vão sair, porque se não termos uma ligação orgânica por outro, ser suficientemente
residenciais de longa aproximam da reforma, e não se tão intensa como antigamente às atractivos e ter a qualidade de
duração. perspectiva nenhum mecanismo estruturas no terreno faz diminuir atendimento que tivemos noutros
para repor a capacidade de os píxeis da fotografia que nos tempos.
resposta. chega. Mas, ao que nos parece, Os próprios tempos dedicados
diversos argumentos. Não me sinto das próprias tabaqueiras para um O aprofundamento da seria útil avançar com uma sala a cada utente desta área vão
é capacitado ou à vontade para novo nicho de negócio que lhes integração nas ARS não é de consumo assistido também no sendo reduzidos, para que as
ser um porta-estandarte desse pode assegurar a sobrevivência. susceptível de introduzir aqui Porto. listas de espera não se tornem
movimento. Tudo isto me aconselha alguma melhorias? O que mais deveria estar a incomportáveis. É preciso
Admite mudar de ideias? prudência e alguma distância. Não acredito. Uma organização avançar nesta área e não está? despachar, dar resposta, mal ou
Admito que me convençam. O Serei apelidado de conservador ou com uma ligação directa entre a Temos muito a ganhar com uma bem. E os profissionais no terreno
facto em relação ao qual me sentia reaccionário, mas custa-me ver isto entidade responsável por pensar maior articulação — e essa é foram perdendo a qualidade da
mais fundamentalista era estar-se a discutido apenas em nome de uma as políticas e a sua execução pacífica — com outras estruturas e avaliação e a capacidade de fazer o
querer utilizar o uso terapêutico de suposta modernidade, sem tentar no terreno, sem interposto entidades da área da Saúde e não fato à medida do doente.
cannabis como um Cavalo de Tróia acautelar da forma mais séria organismo, tem claramente só. Era fundamental, por exemplo, Esta degradação é já visível
para fazer passar o uso recreativo. possível os potenciais impactos vantagens relativamente ao ter um maior envolvimento dos nos indicadores de saúde desta
Aí pareceu-me que havia alguma que isto pode ter na saúde das modelo actual. médicos de família, dos centros população? Uma maior taxa de
falta de seriedade intelectual. E populações. E se a decisão não for nesse de saúde. Isto a propósito não só infecções, por exemplo?
incomoda-me um bocadinho que O Governo já o informou da sua sentido continuará a ter das substâncias ilícitas mas dos Não conseguimos ter uma
coincidam na defesa deste novo decisão quanto ao novo modelo condições para fazer o seu problemas ligados ao álcool. monitorização em tempo real
negócio, por um lado, teses que se organizativo para as área das trabalho? Essa articulação não era o desse tipo de fenómenos. Se calhar,
centram nas liberdades individuais dependências? Qualquer resposta que lhe dê neste objectivo da integração nas daqui a dois ou três anos, quando
e no direito à escolha e, por outro, Ainda não. momento pode ser entendida ARS? tivermos os números das novas
teses que são oriundas de grandes A que conclusões chegou o como uma pressão que eu Era um potencial ganho. Na infecções do VIH, concluiremos
empresários que vêem aqui uma grupo de trabalho no segundo considero ilegítima. Seria como se prática, não houve uma verdadeira que o grupo de utilizadores de
oportunidade de negócio que relatório? estivesse a fazer uma chantagem: integração. Houve uma passagem droga, que já era o menor dos três
gera muitos milhões. Como há um Mais uma vez não foi conclusivo se não aceitarem, vou-me embora. de responsabilidades, mas as grandes contingentes de infecção,
fading da utilização do tabaco a porque estiveram sempre estruturas regionais e locais voltou a ganhar peso. É um risco
nível mundial, há aqui um revirar presentes em cima da mesa nfaria@publico.pt dedicadas às dependências ficaram que se corre.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

12 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

SOCIEDADE

Neste momento não é


sensato que a cannabis
seja utilizada [com fins
medicinais] na sua forma
original [fumada]
Miguel Guimarães
Bastonário da Ordem dos Médicos

Ordem dos Médicos aprova uso de cannabis


em várias situações mas só como medicamento
ALESSANDRO BIANCHI/REUTERS
a utilização de medicamentos extra-
Alexandra Campos ídos da planta, frisa Miguel Guima-
rães. “O que os médicos não podem
Bastonário diz que cannabis é prescrever uma caixa de folhas de
cannabis”, diz.
poderá ser usada no
De resto, nos países europeus que
alívio da dor crónica em têm autorizado o uso de cannabis
adultos e de mal-estar em com fins medicinais “o que se utili-
tratamentos dos cancros za são os medicamentos”, afirma. Na
própria Holanda, em que está despe-
A Ordem dos Médicos (OM) concorda nalizado o consumo recreativo, o que
com o uso de cannabis ou derivados está indicado para fins medicinais
da planta para fins terapêuticos num são os fármacos, acrescenta. Mesmo
vasto número de situações, como o nas situações em que há indicação,
alívio da dor crónica em adultos, das estes fármacos devem ser usados co-
náuseas e vómitos associados aos tra- mo “tratamento alternativo, não em
tamentos oncológicos e até no con- primeira linha, mas em segunda ou
trolo da ansiedade, mas apenas na terceira”.
forma medicamentosa.
“Neste momento não é sensato que Na doença de Parkinson não
a cannabis seja utilizada na sua forma No parecer, há ainda uma lista de
original [fumada]” com fins medici- situações em que os peritos defen-
nais, como prevêem os projectos de dem não haver evidência científica
lei do BE e do PAN (Pessoas-Animais- da eficácia do uso de cannabis: epi-
Natureza) que hoje vão ser discutidos lepsia, espasticidade por lesão me-
na Assembleia da República, defende dular, esclerose lateral amiotrófica,
o bastonário da OM, Miguel Guima- glaucoma, doença de Parkinson e
rães, apoiado num parecer de espe- esquizofrenia.
cialistas já aprovado pelo conselho Projectos do BE e do PAN quanto ao uso da planta para fins medicinais são hoje discutidos no Parlamento Sublinhando que “nenhum pa-
nacional executivo da Ordem. ís europeu actualmente autoriza a
“Não é lógico autorizar que se Para que a OM pudesse tomar uma cannabis fumada para fins médicos”,
fume a erva numa altura em que já
existem medicamentos (comprimi-
Aprovação dos projectos nas mãos do PCP posição, o bastonário pediu ao con-
selho nacional da política do medi-
consideram que a regulamentação do
consumo directo é “desafiante, dada

O
dos, óleos, sprays) aprovados” pa- camento um parecer. Fazendo uma a heterogeneidade das quantidades,
ra fins terapêuticos, justifica Miguel PS é favorável aos dois aprovará, segundo adiantou revisão da literatura e dos ensaios clí- eficácia e segurança dos seus compo-
Guimarães, para quem os projectos projectos de lei do Bloco o deputado social-democrata nicos, os especialistas deste conselho nentes activos (tetraidrocanabinol,
de lei do BE e do PAN “têm coisas de Esquerda e do PAN Miguel Santos. da OM concluíram que há “forte evi- canabidiol e outros)”. Frisam ainda
que fazem sentido mas devem ser sobre uso de cannabis À direita o CDS-PP já dência científica” da eficácia do uso que não devem ser negligenciados os
adaptados”. Sobre o autocultivo da para efeitos terapêuticos, mas anunciou o seu voto contra, de cannabis e seus derivados não só potenciais riscos, lembrando que há
planta, também previsto nas propos- vai dar liberdade de voto aos pelo que PS (86 deputados), no alívio da dor crónica em adultos “forte evidência” da associação do
tas dos dois partidos, é peremptó- seus deputados, confirmou BE (19) e o PAN (um) precisarão e como antiemético no tratamento seu consumo ao “desenvolvimento
rio: “Não faz sentido nenhum neste à Lusa fonte da direcção da de pelo menos 108 votos para de cancros, mas também na redu- de dependendência, esquizofrenia
momento.” “Temos uma evolução bancada dos socialistas. fazer passar os diplomas na ção da espasticidade (aumento de e outras psicoses”, bem como “agra-
para fazer. Devemos começar como À direita o PSD e o CDS-PP generalidade, mas, à partida, contracções musculares) na escle- vamento da dificuldade respiratória,
os outros países apenas com medi- anunciaram o seu voto contra. só têm 106. Com a liberdade rose múltipla e no controlo da ansie- bronquite crónica e acidentes rodo-
camentos e só mais tarde pensar na O futuro dos dois diplomas de voto dada aos deputados, dade. “Com moderada evidência”, viários”. Quanto a uma eventual per-
via do fumo”, enfatiza. dependerá, assim, do sentido o PS não assegura assim todos consideram que “poderá ser usada missão do uso directo da planta ou
O BE especifica na sua proposta do voto da bancada do PCP, os 86 votos da bancada. na melhoria do sono em pessoas seus derivados, acentuam que “de-
que as preparações podem incluir que apresentou um projecto Neste cenário, e contando com apneia obstrutiva do sono, fi- ve ser alvo de reflexão ponderada e
as folhas, flores, resina, sementes, os de resolução para que o com eventuais divisões nos bromialgia, anorexia por cancro ou multidisciplinar”, levando em conta
sais ou o óleo da cannabis e os dois Governo avalie o impacto socialistas, os votos dos 15 stress pós-traumático e em glioma a “vontade da sociedade devidamen-
projectos de lei permitem o autocul- da utilização terapêutica deputados do PCP serão [tumor cerebral]”. te esclarecida”.
tivo apenas ao doente e em quanti- da cannabis — que o PSD decisivos para o resultado. É em todas estas situações que a
dade limitada. Ordem tem “abertura” para aceitar acampos@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 13

SOCIEDADE

É oficial. Dados dos Portugueses contra Hospital


“testes do pezinho” sem urgência
revelam quebra de ‘instrumentalização’ vascular no
natalidade em 2017 da sua história fim-de-semana

diferença em relação aos números de


Nascimentos 2016 registou-se no Porto (-304 be- Emigração Lisboa
Rita Marques Costa bés), Leiria (-210) e Santarém (-199). Ana Cristina Pereira Margarida David Cardoso
Ontem o Diário de Notícias divul-
No ano passado foram gou dados do Ministério da Justiça Os que foram para França Profissionais do Hospital
que apontam para a mesma tendên-
rastreados menos 1397 viveram a clandestinidade de Santa Marta tiveram
cia. Segundo o Ministério da Justiça,
bebés do que em 2016. a diferença entre 2016 e 2017 foi de e a xenofobia, como muitos de ir reforçar a urgência
Distrito de Viana do Castelo menos 2702 bebés. Ou seja, uma re- dos que chegam de África geral do Hospital
com a maior descida: 11% dução de 3%. A discrepância entre e do Médio Oriente de São José
as duas fontes de informação — Jus-
Quando foram divulgados os da- tiça e Insa — tem a ver com o tipo de Há uma frente de luso-franceses e de O Hospital de Santa Marta, em Lis-
dos dos “testes do pezinho” para os dados que são recolhidos. A Justiça portugueses residentes em França a boa, funcionou no passado fim-de-
primeiros oito meses de 2017, já se quantifica o registo civil de todas as levantar-se contra o que entende ser semana sem serviço de urgência
antevia que no final de Dezembro o crianças nascidas no país. O Insa não “a instrumentalização da emigração externa de angiologia e cirurgia vas-
número total de nascimentos seria mede directamente o número de nas- portuguesa pela extrema-direita”. cular. Tudo porque os profissionais
menor do que nos anos anteriores, cimentos, antes contabiliza os “testes Recusa o uso da retórica do “bom deste serviço tiveram de ir reforçar
contrariando assim a tendência de do pezinho” (um rastreio feito aos imigrante”, trabalhador árduo e sub- a urgência geral do Hospital de São
aumento da natalidade que se man- bebés entre o 3.º e o 6.º dia de vida, serviente, contra o “mau imigrante”, José de modo a que esta tivesse capa-
tinha desde 2014. Os números finais que tem como objectivo despistar, não branco e/ou não cristão. “Nem bons, nem maus”, afirma cidade para responder aos doentes
dos exames de rastreio feitos aos re- ou caso seja necessário, tratar pre- “Nem bons, nem maus.” Eis o títu- artigo publicado no Le Monde com patologia vascular que ali acor-
cém-nascidos, divulgados ontem pe- cocemente 24 doenças raras) reali- lo do artigo publicado nesta terça-fei- ressem. Resultado: os doentes que
lo Instituto Nacional de Saúde Doutor zados ao longo do ano. O teste não é ra no Le Monde, um diário francês de mo contra grupos estigmatizados.” normalmente iriam para Santa Marta
Ricardo Jorge (Insa), confirmam. No obrigatório, mas segundo o instituto grande tiragem. Foi escrito pelo his- Enquanto historiador e cidadão acabaram por ser encaminhados pa-
ano passado houve menos 1397 be- tem uma taxa de cobertura próxima toriador Victor Pereira, professor da entendeu que “não podia aceitar” ra outros hospitais.
bés testados do que em 2016, o que dos 100%. Universidade de Pau et des Pays de aquilo. “Como filho de portugueses, A angiologia e a cirurgia vascular
equivale a uma quebra de 1,6%. Maria Filomena Mendes, presi- l’Adour e especialista em emigração tenho memória de ouvir: ‘mas vocês respondem a complicações relacio-
Esta foi a primeira vez desde 2013 dente da Associação Portuguesa de portuguesa, e pelo jornalista Hugo são diferentes dos árabes’. Por um nadas com os sistemas arterial, veno-
que os números caíram. Depois de Demografia, explica que a diminui- dos Santos, dirigente da associação lado, o desprezo. Por outro lado, o: so e linfático. São exemplo disso os
uma diminuição acentuada nesse ção da natalidade era esperada e já Mémoire Vive/Memória Viva, e co- ‘és menos pior’.” doentes com AVC, ruptura de aneu-
ano, os nascimentos foram aumen- era possível antevê-la na redução assinado por outros 47 luso-franceses A oposição entre os “bons imigran- risma ou problemas de circulação
tando de forma constante e só em de nascimentos entre o segundo se- ou portugueses, incluindo o soció- tes” e os “maus imigrantes” estru- provocados pela diabetes. O Centro
2017 se voltou a registar um decrésci- mestre de 2016 e o mesmo período logo Albano Cordeiro e o realizador turou a política migratória francesa Hospitalar Lisboa Central (CHLC),
mo. Passou-se de 87.577 bebés rastre- de 2015. José Vieira. dos anos 60 e 70, lê-se no texto. Os a que pertence o Hospital de Santa
ados em 2016 no âmbito do Progra- A especialista avança ainda que es- Na origem da polémica estão in- estudos de Albano Cordeiro feitos Marta, justifica que “houve a neces-
ma Nacional de Diagnóstico Precoce te decréscimo “é a tendência”, uma cidentes ocorridos na passagem de na década de 80 mostram como a sidade de reorganizar a urgência
para 86.180 em 2017. vez que mesmo com o aumento veri- ano nos arredores de Paris. Com ba- imigração africana em geral, e a ar- da angiologia e cirurgia vascular do
Só cinco distritos contrariam es- ficado entre 2014 e 2016 “nunca hou- se num artigo sobre o bairro de lata gelina em particular, serviu de escu- CHLC”, para fortalecer “a capacidade
ta tendência. A variação entre 2016 ve recuperação em relação ao perí- de Champigny, um jornalista de Le do aos portugueses. Quanto mais os de resposta para doentes de foro vas-
e 2017 foi positiva no caso de Faro odo anterior à crise”. Esse aumento Figaro, Alexandre Devecchio, publi- “árabes” se tornaram indesejáveis, cular na urgência polivalente do Hos-
(0,1%), Castelo Branco (0,9%), Ma- foi “responsabilidade dos segundos cou nas redes sociais um comentário: mais eles se esforçavam para ficar pital de São José, pólo relevante da
deira (4,3%), Bragança (4,3%) e Por- e em alguns casos terceiros filhos”, “Mais de dez mil portugueses viviam invisíveis. E no lugar dos “árabes”, urgência metropolitana de Lisboa”,
talegre (4,4%). No extremo oposto, diz a investigadora. Representam os na lama. Sem água, sem electricidade estão hoje os ciganos, os subsarianos, onde haveria falta de especialistas.
ficaram Viana do Castelo e Guarda, bebés que “os pais adiaram durante etc. E sem violência, nem associação os que fogem de conflitos no Médio A situação, fez com que cinco do-
com menos 11% e menos 9%, respec- a crise, entre 2010 e 2013”. para chorar o racismo. Quem pode Oriente. O texto, diz Hugo dos Santos, entes urgentes vindos do Alentejo
tivamente, em relação ao ano ante- negar a desintegração francesa?” é um protesto contra a “instrumen- fossem excepcionalmente encami-
rior. Já em termos absolutos, a maior rita.costa@publico.pt A mesma ideia de ausência de vio- talização” da história e da memória. nhados para o Hospital de Santa Ma-
lência foi repetida dois dias depois Com dois destinatários: os franceses, ria, pertencente ao Centro Hospitalar
Número de nascimentos por dia Só em cinco distritos houve pelo politólogo Laurent Bouvet, du- que não conhecem essa história, e os Lisboa Norte. Não houve, contudo,
é menor do que em 2016 um aumento (%) rante um debate sobre laicidade, no portugueses, que também não (ou necessidade de transferir doentes
programa 28 Minutos, do canal Arte. que a esqueceram). Os que chegaram que já estivessem internados no San-
Portalegre E logo pelo jornalista e ensaísta Be- entre 1951 e 1974 sabem bem o que ta Marta, sublinha o CHLC. Aliás, su-
240 4,4 noît Raysk, no site Atlantico.fr. é a clandestinidade, a exploração, a blinha, foram mesmo operados três
R. A. Madeira Victor Pereira ficou “perplexo”. “O xenofobia. Não é verdade que nunca doentes urgentes no fim-de-semana.
236 Arte não é um canal sensacionalis- houve violência, sublinha Victor Pe- Ao PÚBLICO fonte do Hospital San-
4,3
233 Bragança ta”, é um canal de vocação cultural reira. Houve violência dos donos das ta Maria explicou que receberam um
4,3 europeia. “Isso mostra bem como barracas, que os portugueses pensa- pedido de colaboração da urgência
228 Castelo Branco esta ideia está difundida no seio da vam que os podiam denunciar à polí- metropolitana que tendo sido acei-
0,9 A variação foi mais sociedade”, diz. “Há um desconhe- cia política. E violência no processo te fez com que o Centro de Orien-
acentuada em cimento total sobre a história da emi- de realojamento. Há muitas histórias tação de Doentes Urgentes (CODU)
Faro
Viana do Castelo gração portuguesa. É muito raro ser de resistência silenciosa, mas tam- do INEM passasse a encaminhar os
2014 2015 2016 2017 0,1 (-11%)
convocada para o debate público em bém alguns episódios de revolta. doentes para lá.
França e está a sê-lo de uma forma
Fonte: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge PÚBLICO
manipuladora, para reforçar o racis- acp@publico.pt margarida.cardoso@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

14 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

SOCIEDADE

São as nossas

cidades capazes
de se alimentar?
O Colégio F3 da Universidade de Lisboa reúne diferentes faculdades
num estudo alargado sobre a forma como as cidades se alimentam
e as mudanças desejáveis, do aproveitamento de áreas agrícolas abandonadas
à aproximação entre produtores e consumidores
culdades da Universidade de Lisboa mos que “cerca de 40% do territó- irá começar a recolher dados mais
Alexandra Prado Coelho (UL), decidiu começar a trabalhar rio da região de Lisboa é superfície concretos junto do Mercado Abas-
as questões da alimentação urbana agrícola utilizada”, ignoramos se o tecedor da Região de Lisboa.

S
a b e m o s qu a n t o s e da sustentabilidade alimentar das que aí se produz é consumido lo- Uma das formas de tornar o sis-
alimentos são pro- cidades, cruzando diferentes áreas calmente. tema mais racional seria, de acordo
duzidos à volta das de conhecimento. O aspecto mais Alguns dos mais importantes ac- com outra investigadora do Colé-
n o s s a s c i d a d e s?
Quantos entram dia-
público desta iniciativa será um ci-
clo de seminários que começa hoje,
tores no sistema alimentar são as
grandes empresas distribuidoras,
A alimentação, gio F3, Isabel Rodrigo, do Institu-
to Superior de Agronomia (que irá
riamente e quantos em Lisboa. e “é possível, por exemplo, que especialmente a participar no seminário de 12 de
saem? Quantos são
efectivamente con-
“Se olharmos para a bacia ali-
mentar na perspectiva da área que
alimentos produzidos em Loures
sejam levados para um centro lo- das cidades, é hoje Abril), apostar nos circuitos curtos
agro-alimentares, que aproximam
sumidos? E durante
quanto tempo tería-
abastece uma região em alimentos,
conhecemos a utilização dos solos”,
gístico mais longe para depois se-
rem transportados novamente para
uma questão de produtores de consumidores.
“Este modelo surgiu no Japão,
mos comida em caso de catástrofe,
greve ou outro factor que alterasse
explica Samuel Niza, do Instituto
Superior Técnico e um dos oradores
Lisboa”.
Se conseguirmos um retrato apro-
defesa nacional teve um grande avanço nos Esta-
dos Unidos, passou para a Europa,
o sistema existente? (com Henrique Cabral, da Faculda- ximado destes circuitos, podemos Leonel Fadigas em França está muito desenvolvi-
Este texto começa com tantas de de Ciências da UL) do seminário pensá-los “de uma forma mais ra- Faculdade de Arquitectura do, mas também em Espanha e em
perguntas porque neste tema há, de hoje. “O que não sabemos exac- cional e que reduza a pegada eco- Itália.” E Portugal? “Estamos muito
por enquanto, mais perguntas do tamente são as quantidades de ali- lógica”, explica o investigador, mais atrasados. Na sociedade civil
que respostas. Precisamente por mentos que são consumidos, as que que faz parte do grupo de trabalho estamos adormecidos relativamente
isso, o Colégio F3 (Food, Farming vão para fora da região e as que vêm “Bacias Alimentares e Planeamento a este tema e a nível político tam-
e Forestry), que reúne as várias fa- de fora.” Ou seja, apesar de saber- Alimentar Urbano”, que em breve bém.”
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 15

SOCIEDADE
FERNANDO VELUDO/NFACTOS
circuitos longos”. As hortas urbanas
e sociais, por exemplo, são uma das
respostas a esta inquietação e a um
desejo de auto-abastecimento de al-
gumas comunidades, associado a
uma procura de produtos alimen-
tares mais afastados dos processos
industriais de fabrico.
O crescimento das cidades, ex-
plica Leonel Fadigas, “fez-se qua-
se sempre sobre terrenos agrícolas
férteis, que lhes davam o abasteci-
mento de que necessitavam”. Hoje,
com o aumento da construção, os
alimentos vêm de zonas mais dis-
tantes, muitas vezes de avião. O
conceito de bacia alimentar tem que
ver com a área, maior ou menor,
que abastece determinada cidade —
e é isso que é importante começar
a conhecer melhor. Se Lisboa, por
exemplo, ficasse isolada por uma
catástrofe natural ou deixasse de
receber alimentos devido a uma
greve, conseguiria alimentar-se? E,
em caso afirmativo, durante quanto
tempo? É aqui que entra a ideia de
defesa nacional.
Parte do trabalho do grupo “Ba-
cias Alimentares e Planeamento Ali-
mentar Urbano”, no qual Fadigas
está integrado, passa, entre outras
coisas, por identificar os muitos ter-
renos agrícolas que se encontram
abandonados nas zonas em redor
das cidades (por enquanto, os in-
vestigadores estão mais centrados
em Lisboa) e que poderiam voltar
a ser explorados. “Esses terrenos
constituem um potencial alimen-
tar que deveria ser aproveitado”,
conclui Leonel Fadigas. “Há aqui
novos desafios do ponto de vista da
política alimentar.”
O ciclo de seminários O Planea-
mento Alimentar Urbano, organiza-
do pelo Colégio F3 da Universidade
de Lisboa, decorre entre Janeiro e
Junho, com cinco sessões sempre
a partir das 18h, no Centro de In-
formação Urbana de Lisboa (CIUL)
da Câmara Municipal de Lisboa. A
primeira decorre hoje e tem como
Há, apesar de tudo, alguns (pou- trabalho fácil, reconhece, contudo, alimentar e da pegada de carbono.” tema: “Pegada alimentar urbana:
cos) bons exemplos, como o Circui- a investigadora. É preciso começar Leonel Fadigas, da Faculdade de de onde vêm e para onde vão os ali-
to Curto Cabaz PROVE, que Isabel por fazer um levantamento dos pro- Arquitectura da UL e orador no se- mentos consumidos nas cidades?”
Rodrigo tem acompanhado. dutores que existem na região e dos minário de 8 de Fevereiro, acredita Seguem-se a “Expansão das áreas
Uma medida importante para produtos que cada um vende, assim que este é um caminho que está a urbanas e regressão das áreas agrí-
impulsionar os circuitos curtos, como das necessidades das canti- iniciar-se, mas no qual já se deram colas: o caso da Área Metropolitana
defende, seria garantir que o abas-
tecimento de cantinas escolares e
nas e de outros potenciais clientes.
Depois, é necessário coordenar a
passos importantes. “Esta é uma
discussão que começou em vários
Quarenta por cento de Lisboa” (8 de Fevereiro), “Pers-
pectivar o futuro da alimentação
outras cantinas públicas fosse feito oferta e a procura, de modo que não países e que aborda a questão ali- do território da região nas áreas urbanas num mundo em
preferencialmente com pequenos
produtores locais e, se possível,
haja, por exemplo, excesso de bata-
tas e falta de cenouras. Isto exige a
mentar de uma perspectiva dife-
rente da tradicional, muito voltada de Lisboa é superfície mudança” (8 de Março), “Circuitos
curtos agro-alimentares, o direito à
biológicos.
“Já há algumas autarquias mobi-
participação dos produtores, que,
por vezes, têm de ser “mobilizados
para um problema novo, embora
isso não seja dito de forma expres-
agrícola utilizada, alimentação e as redes cidadãs” (12
de Abril), “O clima do meu bairro:
lizadas nesse sentido, mas há imen-
sas dificuldades burocráticas” que
e apoiados”. sa: a alimentação, especialmente
das cidades, é hoje uma questão de
[mas ignoramos se lições do passado para o consumo
sustentável de alimentos no futu-
passam, por exemplo, pelas regras Pagar o preço justo defesa nacional.” o que aí se produz ro”(10 de Maio) e “A influência da
de contratação pública. Aí seria im-
portante olhar para as experiências
Mas é um esforço que vale a pena,
prossegue Isabel Rodrigo: “É um
O que se tem vindo a constatar
é que “por alterações dos compor- é consumido ética e da justiça alimentar na cida-
de” (14 de Junho). A entrada é livre,
de outros países. “A França tomou
medidas que visaram facilitar o
sistema que permite pagar ao pro-
dutor o preço justo, permite a ma-
tamentos dos consumidores, dos
mercados, abertura de fronteiras e
localmente] mas é necessário registo prévio para
o email ciul@cm-lisboa.pt.
aparecimento e o reforço dos cir- nutenção da biodiversidade, da coe- especialização da actividade produ- Samuel Niza
cuitos curtos”, sublinha. Não é um são social, a redução do desperdício tiva, estamos muito dependentes de Instituto Superior Técnico apc@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

16 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

LOCAL
Medina contrata ex-vereador como
assessor para a Protecção Civil
Carlos Castro estava na lista do PS, mas não foi reeleito. A câmara diz que é “uma contratação natural
e até óbvia”, destacando a experiência do antigo responsável na pasta
JOANA BOURGARD

Autarquias
João Pedro Pincha
O ex-vereador da Protecção Civil
da Câmara Municipal de Lisboa foi
contratado pela autarquia para as-
sessorar Fernando Medina nessa
pasta, que agora é responsabilidade
directa do presidente. Carlos Castro
teve este pelouro no último manda-
to e, sobretudo em 2017, destacou-se
por ter sido o rosto da câmara em
vários incidentes que decorreram
na cidade.
Era o décimo nome na lista do PS
às eleições autárquicas de Outubro,
mas o partido só elegeu oito vere-
adores (em 2013, tinha elegido 11).
Fernando Medina optou então por
se encarregar pessoalmente do pe-
louro da Protecção Civil, mas não
abdicou do antigo eleito. “Dados os
conhecimentos específicos, experi-
ência e conhecimentos da orgânica
da Protecção Civil, afigurou-se como
uma contratação natural e até ób-
via”, disse fonte oficial da câmara.
O contrato entre o município e
Carlos Castro foi celebrado no fim
de Novembro, ficando o ex-vereador
responsável por prestar “assessoria
nas áreas de planeamento estratégi-
co e gestão operacional em matéria
de protecção civil”. Ao PÚBLICO, a
autarquia acrescentou que Castro
“desenvolve trabalho em termos de
planeamento das várias áreas de in- “Dados os conhecimentos [na área] da Protecção Civil, afigurou-se como uma contratação natural e até óbvia”, diz a câmara
tervenção do serviço municipal de
Protecção Civil, seja com as orgâni- guns dias. Também foi Carlos Castro mente atribuído a ninguém). tituído por um mais pequeno. Ainda
cas próprias do município, seja com
A remuneração que primeiro se deslocou ao local e Coube também a Carlos Castro em Junho, quando os vereadores do
entidades externas.” do novo assessor deu informações. No fim de Março, começar a implementar uma polí- PCP levantaram dúvidas sobre esta
O ex-vereador declinou fazer de- a culminar um mês atarefado para tica aprovada no fim do mandato decisão, Carlos Castro garantiu que,
clarações sobre o assunto.
é de 3752,50 euros os bombeiros, duas partes do via- 2009-2013, quando ainda não era apesar de o futuro espaço ser menor
No ano passado, Carlos Castro foi brutos por mês, um duto rodoviário de Alcântara sepa- vereador, respeitante à reorganiza- do que o actual, o centro da cidade
por diversas vezes o porta-voz da câ- raram-se. Foi mais uma vez o agora ção dos quartéis de bombeiros na “ficará com a cobertura necessária
mara em situações graves e incómo-
valor ligeiramente ex-vereador que deu as primeiras cidade. Essa proposta, inicialmen- para um tempo de resposta altamen-
das. Em Fevereiro, um muro ruiu superior ao que explicações sobre o sucedido. te consensual, começou a gerar te eficaz”.
na Graça e deu-se um deslizamento Enquanto vereador da Protecção polémica quando se determinou o O contrato entre a câmara e o ex-
de terras que afectou gravemente
recebia como Civil, Carlos Castro foi o responsável encerramento do Quartel da Luz, vereador dura até ao final de 2018,
vários prédios na Rua Damasceno vereador político pela Polícia Municipal, pelo então o mais moderno de Lisboa. mas pode ser renovado anualmente
Monteiro. O gabinete do vereador Regimento de Sapadores Bombeiros No local está actualmente a ser cons- até ao fim deste mandato autárqui-
coordenou então o realojamento BLICO que se seguia o momento de e pela Direcção Municipal de Protec- truído um novo edifício do Hospital co. A remuneração do novo assessor
dos moradores lesados e ainda as “apurar responsabilidades” — para ção Civil e Socorro. O eleito acumu- da Luz. de Medina é de 3752,50 euros bru-
primeiras obras de estabilização do saber quem paga a factura. lava essas funções com os pelouros Outro ponto polémico da reorga- tos por mês, um valor ligeiramente
muro caído. As casas acabaram por Pouco tempo depois daquele alui- das Relações Internacionais (actu- nização é o que diz respeito ao fecho superior ao que recebia enquanto
ser reconstruídas e, a meio de Se- mento abriu-se um grande buraco almente nas mãos de Catarina Vaz do quartel da Avenida Dom Carlos, vereador.
tembro, pouco depois de concluídos na Avenida de Ceuta, que cortou o Pinto) e da Relação com o Munícipe em Santos, onde está a sede do regi-
os trabalhos, a câmara disse ao PÚ- acesso ao Eixo Norte-Sul durante al- (que neste mandato não está oficial- mento de bombeiros, que será subs- joao.pincha@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 17

LOCAL

Lisboa e Porto querem Seis candidatos


podem apresentar
uma descentralização propostas para hotel
com mais ambição em Santa Apolónia
JOANA GONÇALVES
Santa Apolónia já é antiga, mas co-
Áreas metropolitanas Lisboa meçou a ganhar nova força em me-
Abel Coentrão João Pedro Pincha ados de 2015, quando o vereador do
Urbanismo da Câmara Municipal de
Municípios das duas A Infra-Estruturas de Lisboa, Manuel Salgado, sugeriu o
encerramento da estação ferroviá-
áreas metropolitanas vão Portugal quer um hotel de
ria e a criação de um espaço verde
apresentar contraproposta quatro ou mais estrelas, no local onde agora são as linhas
ao Governo e querem mais com pelo menos 120 de comboio. No início de 2016, a IP
voz nos transportes quartos, na estação rejeitou essa solução, mas abriu ca-
minho à instalação do hotel.
As áreas metropolitanas de Lisboa Seis das dez empresas que mani- Em resposta ao PÚBLICO, uma
e do Porto (AML e AMP, respectiva- festaram interesse em explorar um fonte oficial da IP não quis ontem
mente) esperam fechar nos próxi- hotel na estação de Santa Apolónia, adiantar quando poderá ser feita a
mos dois meses com o Governo um em Lisboa, passaram à segunda fase adjudicação, lembrando que o pro-
acordo para a descentralização de do concurso e têm agora dois meses cesso ainda tem várias fases depois
competências para as autarquias e para apresentar propostas. A Infra- de apresentadas as propostas: uma
regiões metropolitanas. As cúpulas Estruturas de Portugal (IP) diz que primeira avaliação, negociações,
dos dois organismos reuniram-se é “ainda muito precipitado” adian- apresentação de versões finais e,
ontem em Gaia e vão trabalhar nos As duas áreas metropolitanas não querem soluções minimalistas tar uma data para a conclusão do por fim, uma decisão.
próximos dois meses numa contra- processo. O PCP é, para já, o único partido
proposta que, prometem, nalgumas tências à definição dos sistemas de Medina, considerando que só com Do lote de candidatos que, em No- político que está contra esta opera-
áreas será mais ambiciosa do que a bilhética e dos próprios tarifários: uma bilhética transparente e legível vembro, se apresentaram à subcon- ção. Os deputados no Parlamento,
que foi apresentada pela tutela. instrumentos considerados impres- e um tarifário acessível se ganhará cessão de parte do edifício histórico os vereadores na Câmara de Lisboa
O desafio das duas áreas metropo- cindíveis para adequar o serviço às o combate contra o predomínio do da estação, os seis que ficaram são e os deputados na assembleia mu-
litanas ao Governo não é uma finta necessidades e à capacidade econó- transporte individual. The House Ribeira Hotel (grupo So- nicipal apresentaram várias moções
à Associação Nacional de Municí- mica das famílias, cuja adesão ao Ainda é cedo para detalhar o nae, dono do PÚBLICO), o consórcio e questões ao Governo sobre o as-
pios, que tem sido um interlocutor transporte público é fulcral para que vai sair destas reuniões entre entre Visabeira e Montebelo, Pes- sunto. Os comunistas consideram
da tutela para esta reforma, garante ganhar a batalha da redução das as duas áreas metropolitanas, mas tana, os grupos Hoti-Star, Barceló que “em Lisboa sobram hotéis, mas
o presidente da Câmara de Lisboa emissões poluentes associadas à é certo, avisou o líder da Área Me- e Salvor. é confrangedora a falta de resposta
e líder da AML, Fernando Medina. mobilidade. tropolitana do Porto, Eduardo Ví- Estas empresas terão de apresen- dos serviços públicos de transpor-
Mas o autarca socialista conside- Os municípios prometem ser mui- tor Rodrigues, que a sua contrapro- tar propostas até 15 de Março. A IP, tes”.
ra que não seria “compreensível” to exigentes com o Governo nesta posta irá, nalguns casos, mais lon- que promove este projecto através Temem ainda que este seja um
que duas regiões que representam matéria, até porque há problemas ge do que alguns ministérios estão da subsidiária IP Património, quer primeiro passo para o encerra-
45% da população, quase 50% do urgentes para resolver. No Porto, dispostos a ceder, como acontece pôr a funcionar um hotel de quatro mento da estação, pelo que, numa
emprego e mais de 50% da riqueza o título Andante ainda não é uti- na área dos equipamentos de saú- ou mais estrelas, com pelo menos recente moção levada à assembleia
produzida no país se demitissem de lizável em toda a região, nem em de e do parque escolar do segundo 120 quartos, na parte da estação vi- municipal, os deputados pediam
ter uma voz neste debate. todos os operadores de transpor- e terceiro ciclos. Nestes casos, os rada ao Tejo. O programa prevê a mesmo ao executivo de Fernando
Medina, que se fez acompanhar te. E em Lisboa a situação é, a este municípios recusam ficar apenas concessão do espaço por 35 anos e o Medina para não licenciar o futuro
da comissão executiva da AML nesta nível, ainda mais confusa. “Temos com a manutenção dos imóveis, e vencedor terá de realizar “determi- hotel. Este ponto do documento foi
primeira de várias reuniões com a de acabar com este sistema em que pretendem ter também um papel nadas obras de renovação” da esta- chumbado.
AMP, anunciou a realização de uma temos mais de uma centena de títu- na melhoria do serviço prestado ção, inaugurada no século XIX.
cimeira sobre a descentralização, los diferentes”, afirmou Fernando às populações, assinalou o autarca A ideia de instalar um hotel em joao.pincha@publico.pt
em Março. E nesse momento, mais socialista de Gaia. DANIEL ROCHA
do que juntar todos os autarcas “Isto não vai lá se formos pelos
das duas áreas metropolitanas em Medina considera serviços mínimos”, complementou
torno desta iniciativa, o autarca de Fernando Medina, notando que
Lisboa espera ter já uma resposta
que não seria uma descentralização minimalista
do Governo às propostas que vão “compreensível” seria má para o Governo, para as
ser trabalhadas nos próximos en- autarquias e para os próprios ci-
contros, e que tocarão as várias
que duas regiões dadãos. E, além disso, explicou, a
áreas em discussão, como a gestão que representam opção pelo mínimo denominador
do parque escolar e dos equipamen- comum provocaria o desinteresse
tos de saúde, do património e dos
45% da população, das câmaras com mais vontade,
transportes, entre outras. “Isto ou quase 50% do e capacidade, para acolher novas
se faz com alguma rapidez, ou não competências. Por isso, é certo tam-
se fará”, alertou o socialista.
emprego e mais bém que a contraproposta das duas
O sector dos transportes é uma de 50% da riqueza áreas metropolitanas vai incluir a
das prioridades desta negociação. possibilidade de cada município es-
Depois de terem conseguido pas-
produzida no país colher o seu próprio ritmo de absor-
sar a ter um papel activo na gestão se demitissem de ção de novas tarefas, para não pre-
da STCP, no Porto, e da Carris, em judicar o avanço desta reforma.
Lisboa, as autarquias pretendem
ter uma voz na
alargar o espectro das suas compe- descentralização acoentrao@publico.pt Irá nascer um hotel na parte da estação virada ao Tejo
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

18 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

ECONOMIA
Concorrente da Uber chega
a Lisboa com 600 motoristas
A Taxify, criada na Estónia em 2013,
estreia-se hoje em Portugal com
uma estratégia comercial agressiva
e a pensar na expansão para o Porto
e para o Algarve
está tão profissionalizado que no le-
Transportes que de opções da Taxify estão frotas
Luís Villalobos com 150 veículos, ou empresas de
uma só pessoa/veículo (que pesam
Depois da Uber e da Cabify, é agora cerca de 20% no total, ficando as fro-
a vez da Taxify, plataforma de trans- tas com os outros 80%).
portes de passageiros criada na Es- Dados financeiros que atestem a
tónia, entrar no mercado português. saúde da empresa não há. Apenas
E entra com força através de Lisboa, se sabe que, na senda do seu cresci-
com a garantia de que, a partir de mento rápido — Portugal é o vigési-
hoje, a empresa conta com 600 con- mo terceiro país onde está presente,
dutores registados como “parceiros contando, diz a Taxify, com “mais
activos”, a que se somam, de acor- de cinco milhões de utilizadores —, a
do com o responsável pela operação previsão é a de uma receita de cerca
portuguesa, David Silva, mais duas de mil milhões de dólares este ano.
mil manifestações de interesse.
O combate pelo mercado, onde O impulso chinês
o principal concorrente directo é Aqui, e tal como no caso da Uber,
a Uber — além dos táxis —, prome- o impulso é dado por novos inves-
te ser aguerrido, já que a Taxify diz tidores, ou pelo reforço do capital
que vai cobrar uma menor comissão dos mais antigos. Markus Villig, que
aos motoristas (15% contra os 25% fundou a empresa com o seu irmão
do “maior concorrente”, diz David e com o apoio dos pais quando tinha
Silva ao PÚBLICO, sem pronunciar 19 anos e ainda andava no liceu, con-
o nome da Uber) e que quer ser “o trola a maioria do capital, mas em
mais barato”. Agosto do ano passado fechou uma
A questão é saber como é que o importante parceria com o grupo
mercado vai reagir, a começar pelos chinês Didi.
motoristas, até porque muitos já tra- A Didi, que domina este merca-
balham nesta actividade. “Os moto- do na China (venceu um duelo fe-
ristas podem trabalhar com mais do roz com a Uber, que acabou por sair
que uma plataforma. Não há requi- deste país), ficou com cerca de 15%
sito de exclusividade”, diz o gestor, da Taxify — não há dados oficiais —,
de 29 anos. “Acreditamos que, com o que deu à empresa um novo fôlego brasileira 99, e prepara-se para en- cativado pelo projecto e entusiasma-
melhores condições, os motoristas financeiro. Em declarações escritas trar directamente no México. do por iniciar uma operação de raiz.
nos escolhem”, acrescenta. Além da ao PÚBLICO, Markus Villig diz que A velocidade da expansão da Taxi- “Sempre tive uma paixão por star-
questão da margem, diz que não há a o investimento da Didi faz parte da fy, que se apresenta como “a maior tups”, diz o gestor, formado em En-
obrigatoriedade de trabalhar um nú- competição global com a Uber (co- plataforma tecnológica de mobilida- genharia Industrial pela Faculdade
mero mínimo de horas, os motoristas mo curiosidade, as duas empresas Os motoristas de europeia” (a Uber é norte-ameri- de Engenharia da Universidade do
podem definir o raio de recepção das viram a operação de Londres ser cana, tal como a Lyft, a grande rival Porto. No seu CV, depois de ter passa-
viagens e haverá “bónus de incenti- suspensa pelo regulador britânico, podem trabalhar no mercado doméstico e que chegou do pela Siemens, na Alemanha, cons-
vo”. “Motoristas felizes significa uma em processos distintos e ainda por com mais do que agora ao Canadá), é visível pelo tem- ta a Rocket Internet, “considerada
melhor qualidade do serviço para os resolver). po que demorou a preparar a entra- a maior incubadora de startups do
utilizadores”, diz a Taxify. “Esta parceria estratégica permi- uma plataforma. da em Portugal: cerca dois meses. mundo”, e onde ajudou a montar a
Quanto aos clientes, a empresa te-nos beneficiar do know-how da Não há requisito David Silva estava de saída do es- Eatfirst, ligada à restauração.
aposta na sua captação através do Didi e de investimento para solidi- critório da McKinsey em Lisboa, a “O David destacou-se dos outros
preço e de uma estratégia inicial de ficar a nossa posição em mercados de exclusividade preparar-se para uma volta ao mun- candidatos com a sua experiência
promoções agressivas. Neste campo, chave na Europa e em África [onde David Silva do e outra fase na sua vida, quando o profissional no mundo das startups,
nota-se que o tema das margens é está presente em países como África Gestor de operações da Taxify em departamento de recursos humanos o seu conhecimento geral e compre-
sensível quando David Silva faz ques- do Sul, Quénia e Nigéria], e para ex- Portugal da Taxify o contactou no início de ensão do mercado de ride-hailing
tão de sublinhar que quem suporta pandir para novos países”, adianta Novembro, após ter visto o seu perfil [serviço de transporte de passagei-
o custo das promoções é a empresa, Villig. Nem sempre, no entanto, a profissional no Linkedin. “Duas se- ros por chamada], assim como pe-
e não os motoristas. Didi opta por alianças: adquiriu re- manas depois já estava a trabalhar”, la sua motivação profissional”, diz
O negócio alternativo aos táxis já centemente o controlo da empresa conta o gestor, afirmando que logo Markus Villig.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 19

David Silva,
de 29 anos,
estava de saída
da McKinsey
quando foi
contactado
pela Taxify,
via Linkedin,
para liderar a
operação
RUI GAUDÊNCIO

3 PERGUNTAS A MARKUS VILLIG Regulamentação para o sector

M
arkus Villig, fundador e esperar pela nova lei sobre o “está para muito breve”
presidente executivo da sector antes de entrar neste
Taxify, esteve em Lisboa mercado?
no ano passado, de Apesar de a lei ainda não estar
férias, altura em que verificou finalizada, estamos alinhados A lei que vai regulamentar a activi- mento feito até hoje, mas indicou
que a cidade portuguesa com tudo o que a principal dade de transporte de passageiros que a associação dos prestadores
tinha “muito potencial”. Em proposta exige (por exemplo, em veículos descaracterizados está dos serviços das plataformas re-
declarações por escrito ao pedir o registo criminal, aceitar “para muito breve”, depois de já te- feriu, recentemente, 900 contra-
PÚBLICO, o empresário diz apenas carros com menos de rem sido ouvidos os intervenientes ordenações até ao momento, num
que “o país necessita de uma sete anos). Desenvolvemos directos, disse ontem o presidente total de quatro milhões de euros.
alternativa mais ética”. E que as operações com base na da comissão parlamentar de Eco- “Quando se diz que as multas não
a parceria com os chineses da possível nova lei e vamos nomia, Hélder Amaral. estão a ser aplicadas às plataformas
Didi, os grandes concorrentes assegurar que estamos Durante a audição do secretário [Uber ou Cabify] é porque estão a
globais da Uber, permitiu alinhados com tudo, assim que de Estado adjunto e do Ambiente, incidir sobre os operadores, eles é
receber o financiamento a nova lei entrar em vigor. José Mendes, sobre a sua propos- que são os prestadores [do serviço
necessário para solidificar a Qual a importância de contar ta de “mecanismo de limpeza de de transporte], são eles que são pa-
posição nos “mercados-chave com um investidor como o contra-ordenações” para a Uber e a rados na estrada, é só isso, Não se
na Europa e em África”, grupo chinês Didi? Cabify (bastante criticado pelas as- está aqui a fazer protecção a nenhu-
e “expandir para novos países”. A Didi investe normalmente sociações de táxi), na sequência de ma multinacional. É factual, está a
Porque é que decidiram em empresas grandes, da um requerimento do PCP, Hélder acontecer de facto”, frisou.
apostar no mercado região e com potencial de Amaral sublinhou que ontem ter- Em Portugal têm operado duas
português? Quando é que desafiar a Uber (por exemplo, minaram as audições presenciais, destas plataformas estrangeiras que
a decisão foi tomada? Ola na Índia, Careem no faltando chegar alguns contributos ligam motoristas de veículos desca-
Portugal é um mercado Médio Oriente e agora Taxify escritos. racterizados e utilizadores, através
muito promissor, e o Governo na Europa e em África). Esta “Estamos a cumprir os prazos. de uma aplicação online — a Uber e
português foi o primeiro parceria estratégica Terminaram as audições presen- a Cabify. A proposta de lei do Gover-
na Europa a começar a permite-nos beneficiar ciais com o secretário de Estado, no para regulamentar a actividade
desenvolver uma lei para do know-how da Didi e de ontem [foi ouvido o presidente da de transporte de passageiros em ve-
ride-hailing [serviço de investimento para solidificar Autoridade da Mobilidade e dos ículos descaracterizados foi discuti-
transporte de passageiros por a nossa posição em mercados- Transportes], mas ainda há suges- da na Assembleia da República a 17
chamada]. Depois de visitar chave na Europa e em África, tões escritas que podem chegar, de Março. O diploma não foi votado
Lisboa, no ano passado, vi e para expandir para novos uma vez que as propostas não fo- no plenário e baixou à comissão de
muito potencial e apercebi- países. Contudo, a Didi detém ram todas apresentadas aquando Economia, Obras Públicas e Inova-
me que o país necessita de uma participação minoritária do projecto de lei do Governo”, ção para debate na especialidade.
uma alternativa mais ética na e a maioria do capital disse Hélder Amaral. O diploma proposto pelo Governo
indústria de ride-hailing. continua a pertencer aos co- O presidente da Comissão de Eco- tem merecido a contestação das
Não teria sido melhor fundadores. nomia, Inovação e Obras Públicas associações que representam os
do Parlamento referiu que “muito taxistas. Lusa
em breve vai começar o debate na
Passados dois meses sobre o pri- 2013, diz a empresa, o serviço de táxi especialidade para a discussão fi-
Portugal é o meiro contacto, a empresa está pron- era “muito demorado e ineficaz”, o nal”, podendo em Fevereiro o pro-
vigésimo terceiro ta a lançar-se no mercado português, que levou à criação da aplicação. De- cesso estar concluído.
que aguarda ainda pela lei que vai pois dos táxis, foi a vez dos privados, À saída da audiência, o secre-
país onde regular o sector (num processo algo que acabaram por ser tornar o seu tário de Estado adjunto também
está presente, moroso). Sobre esta questão o funda- principal negócio (embora nos países se mostrou satisfeito com o anda-
dor e presidente da Taxify diz que a bálticos e na Hungria tenha também mento do processo, reconhecendo
contando, diz a empresa já está alinhada “com tudo o os táxis como parceiros). que está agora em “velocidade de
Taxify, com “mais que a principal proposta [de lei do Go- No caso de Portugal, a empresa cruzeiro”.
verno] exige” e fará as alterações que tem planos para crescer geografica- “Se estará ou não concluído em
de cinco milhões forem necessárias “assim que a nova mente. “O natural será ir para tam- Fevereiro não sei, mas o presidente
de utilizadores”. lei entrar em vigor”. A empresa estava bém para o Porto e para o Algarve”, da comissão disse lá dentro ser pro-
pois pronta para entrar em mais um diz David Silva, zonas onde a Uber vável. Agora não é de mim que de-
Previsão de receita mercado, e, como acrescenta David já está presente. Depois, há ainda o pende, mas sim da agenda dos de-
global é de mil Silva, em empresas que se expandem segmento empresarial, no qual a Ta- putados”, explicou José Mendes.
depressa “é importante não adiar”. xify deverá entrar, tal como fez em Questionado acerca das multas
milhões de dólares Para quem concorre com os táxis, outros países, mas apenas quando aplicadas para já no âmbito da Lei
este ano pode parecer que a Taxify escolheu o mercado estiver “mais maduro”. 35/2016, que reforçou as medidas
um nome peculiar, só que estes fo- Para já, o desafio está em Lisboa. dissuasoras de actividade ilegal no
ram o seu primeiro cliente e a génese mercado de transporte de táxi, José Regulamentação irá clarificar
do negócio em Talin, na Estónia. Em luis.villalobos@publico.pt Mendes adiantou não ter o levanta- actividades “em breve”
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

20 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

ECONOMIA

Atrasos nas tabelas da ADSE custam


um milhão de euros aos beneficiários
Direcção da ADSE pede ao Conselho Geral e de Supervisão que aprove o parecer sobre as novas tabelas
hoje, para evitar custo adicional de 3,5 milhões de euros por mês
MARIA JOÃO GALA

Função Pública
Raquel Martins
O adiamento da entrada em vigor
da nova tabela de preços da ADSE
(o sistema de assistência na doen-
ça dos funcionários e aposentados
do Estado) tem um custo adicional
mensal de 3,5 milhões de euros, dos
quais cerca de um milhão é supor-
tado pelos beneficiários. O alerta é
deixado pelo presidente da ADSE,
Carlos Liberato Baptista, numa carta
enviada ao Conselho Geral e de Su-
pervisão (CGS) em que pede a este
órgão que, na reunião de hoje, dê o
seu parecer sobre a nova tabela. O
objectivo é que as alterações entrem
em vigor o mais depressa possível.
Com a nova tabela, o conselho
directivo da ADSE quer reforçar o
controlo dos preços praticados pe-
los prestadores de serviços de saúde
com os quais tem convenção ou a
que os beneficiários recorrem para
depois serem reembolsados e evitar
situações de facturação excessiva
e abusiva. A expectativa era que as
alterações entrassem em vigor em
Janeiro de 2018 e permitissem uma
poupança anual de 42,4 milhões de
euros — valor que se reflectiria tanto
na redução dos custos suportado pe-
la ADSE (29,7 milhões) como pelos
beneficiários (12,7 milhões).
Mas o processo atrasou-se e Libe- Direcção da ADSE quer evitar facturações abusivas por parte dos prestadores e quer impor preços fixos para determinados actos
rato Baptista lembra que, na melhor
das hipóteses, a tabela só será apli- pela introdução de preços máximos copias e colonoscopias implica o en- sas associações representativas de consultas. Isso mereceu a oposição
cada a partir de 1 de Março, reduzin- em determinados cuidados de saú- vio prévio de informação clínica aos prestadores de cuidados de saúde, da generalidade dos membros do
do o potencial de poupança. de; pelo ajustamento de alguns pre- serviços da ADSE. “De facto, com a entre os quais a APHP, para apre- CGS, e agora o conselho directivo
“Protelar a entrada em vigor da ços em linha com os praticados pelo introdução dessa informação, fica sentar e ouvir a respectiva opinião confirma que retirou a proposta. Só
nova tabela representa um encar- Serviço Nacional de Saúde (SNS) ou mais limitada a posterior facturação sobre algumas das propostas, que na reunião de hoje se saberá se a
go adicional mensal de cerca de 2,5 pela definição de preços por proce- que a entidade poderá apresentar à foram sendo adequadas em função mudança será suficiente para os 17
milhões de euros para a ADSE e um dimento cirúrgico, além da criação ADSE. Deste modo, a ADSE e os seus da validade dos argumentos apre- membros darem o parecer positivo
encargo adicional de um valor apro- de códigos diferentes consoante se beneficiários ficam mais defendidos sentados por essas entidades”. às novas tabelas.
ximado de um milhão de euros a ser trate de consultas com ou sem exa- de uma posterior revisão em ‘alta’ Porém, sublinhou, o instituto “não Eugénio Rosa, representante da
suportando pelos beneficiários”, re- mes complementares, para evitar do acto praticado”, garantiu ao PÚ- negoceia qualquer tabela com pres- Frente Comum no conselho, deixa
fere o responsável na carta enviada a a realização de exames desneces- BLICO Carlos Liberato Baptista. tadores individuais ou entidades clara a posição de partida: “Não de-
João Proença, presidente do conse- sários. Há ainda alterações signi- As alterações às tabelas mere- colectivas, sendo que no fim deste ve haver aumentos para os beneficiá-
lho onde têm assento representan- ficativas na tabela de transportes, ceram críticas da Associação Por- processo apresenta uma tabela a rios e relativamente aos prestadores
tes dos beneficiários da ADSE, dos cujos preços terão limites similares tuguesa de Hospitalização Priva- que os prestadores individualmen- há necessidade de controlar sobre-
sindicatos, das associações de refor- aos do SNS. da (APHP), que fez chegar os seus te aderem, caso estejam de acordo facturações.” Já José Abraão, repre-
mados, dos municípios e do Governo receios ao CGS. Questionado pelo com os termos da mesma”. sentante da Federação de Sindicatos
e a quem cabe dar parecer sobre as Exames só com autorização PÚBLICO sobre se a nova tabela foi A primeira proposta que Liberato de Administração Pública (Fesap),
decisões estratégicas do sistema. As próteses acima de cinco mil euros negociada com os prestadores de Baptista enviou ao CGS a 17 de Ou- concorda com os ajustamentos pre-
As poupanças estimadas pela (com excepção de casos de urgência cuidados de saúde, Carlos Liberato tubro era mais abrangente e previa vistos para os prestadores.
direcção da ADSE resultam de um justificada) dependem de autoriza- Baptista esclareceu que “foram re- o agravamento (entre 25% e 43%)
conjunto de alterações que passam ção prévia, e a realização de endos- alizadas várias reuniões com diver- dos encargos dos beneficiários com raquel.martins@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 21

ECONOMIA
NUNO FERREIRA SANTOS

Quem tem
filhos vai
ter IRS
Breves automático

Montepio Impostos
Provedor da Santa Pedro Crisóstomo
Casa diz que “nada Governo fixa universo de
está decidido” cidadãos abrangidos pela
O provedor da Santa Casa declaração automática,
da Misericórdia de Lisboa, que este ano chega a mais
Edmundo Martinho, disse contribuintes
ontem que “ainda nada está
decidido” sobre a entrada no A declaração automática do IRS, apli-
capital do Montepio. Decorre cada pela primeira vez em 2017 para
o processo de avaliação do as situações fiscais menos comple-
investimento, sobre o qual xas, vai chegar este ano a mais cida-
espera que haja uma decisão dãos, passando a incluir quem tem
para breve. “Há todo um filhos, caso os contribuintes tenham
conjunto de cautelas que se Procura total foi mais de quatro vezes superior à oferta, disse o IGCP, liderado por Cristina Casalinho apenas rendimentos do trabalho de-
mantêm de pé. Continua o pendente ou de pensões.
processo de avaliação, não
há nenhum valor. O único
limite é 10% do capital”,
Num dia, um quarto das O decreto regulamentar que fixa
o universo dos cidadãos abrangidos
pela medida, já aprovado em Conse-
disse, no Parlamento. Mas
adiantou as condições
para entrar: uma avaliação
obrigações do ano garantidas lho de Ministros a 14 de Dezembro,
foi ontem publicado em Diário da
República.
financeira independente;
entrada simultânea de várias
entidades do sector social; e
e a taxas perto de 2% O Governo prevê que, com o alar-
gamento do IRS Automático, sejam
três milhões os contribuintes que
negociação prévia do valor não precisem de preencher manu-
das acções do banco. almente a declaração — os dados
português colocasse nos mercados que é de 3%, e das emissões realiza- fiscais necessários à declaração vão
Banca
Dívida mais 4000 milhões de euros em das em 2017, que foi de 2,3%. aparecer pré-preenchidos, prontos
Sérgio Aníbal obrigações a dez anos. O volume Há um ano, a última vez que se a confirmar (se o contribuinte veri-
CGD indica de procura elevado permitiu que fez uma emissão sindicada de dívida ficar que os valores propostos pelo
Com novos ratings a as taxas de juro acabassem por se com a mesma dimensão e o mesmo fisco relativamente aos rendimentos
Francisco Cary para atraírem investidores antes cifrar abaixo daquilo que era pre- prazo, as condições eram bem dife- declarados e às despesas das dedu-
presidir ao CaixaBI ausentes, Tesouro iniciou
visto inicialmente e que o total da
emissão ficasse nos 4000 milhões,
rentes. A aceleração da economia
estava ainda por confirmar e várias
ções à colecta estão correctos); caso
contrário, o contribuinte não aceita
O administrador executivo 2018 com a colocação o ponto máximo do intervalo defi- instituições internacionais, como a o que foi pré-preenchido e entrega a
da Caixa Geral de Depósitos de 4000 milhões nido à partida. Comissão Europeia, desconfiavam declaração nos termos gerais.
(CGD) Francisco Cary foi De facto, a procura total foi mais que as metas do défice de 2016 pu- No primeiro ano desta medida, só
indicado pelo banco público Para se perceber, em números, a de quatro vezes superior à oferta, dessem não ter sido cumpridas. A estavam abrangidos contribuintes
para presidir ao CaixaBI, a forma como a percepção que os tendo atingido no final da opera- confiança dos investidores na dívi- sem filhos. Agora, o automatismo
estrutura de investimento mercados têm de Portugal mudou ção os 18.850 milhões de euros. Is- da portuguesa era por isso bastante chega aos agregados familiares com
daquela instituição, avançou no últimos anos, basta comparar so fez, revela a Agência de Gestão mais reduzida. Na operação de Ja- dependentes e quem tem benefícios
fonte oficial à Lusa. “Os os resultados da emissão de dívida da Tesouraria e da Dívida Pública neiro de 2017, o Tesouro optou por fiscais relativos a donativos comuni-
órgãos sociais para o mandato pública portuguesa de ontem com — IGCP, com que a taxa de juro ofe- emitir 3000 milhões de euros, na cados à administração fiscal.
em curso estão nomeados, a realizada em Janeiro de 2017. Am- recida pelo Tesouro aos investidores resposta a uma procura que ficou De fora, continuam outras situa-
sujeitos a apreciação pelo BCE bas foram emissões sindicadas (os fosse progressivamente baixando. próxima dos 9000 milhões. E não ções fiscais mais complexas onde é
[Banco Central Europeu], e investidores compraram não num Se no arranque, o valor do spread conseguiu uma taxa de cupão mais mais difícil aplicar o automatismo.
o presidente indicado é o Dr. leilão, mas através de um sindicato oferecido face à taxa de juro de re- baixa do que 4,227%. Quem passa recibos verdes continua
Francisco Cary”. No site da de bancos) e nas duas o objectivo do ferência do mercado era de 120 pon- Há ainda uma outra diferença. Na de fora, ficando obrigado a preen-
Caixa BI, na informação sobre Governo era colocar entre 3000 e tos base, a meio da operação baixou operação de há um ano, cerca de cher à mão o anexo da declaração
os órgãos sociais, o cargo 4000 milhões de euros de dívida. para 117 pontos e, já no final, caiu metade da procura tinha sido pro- do IRS.
de presidente do conselho Mas tudo o resto foi bem diferente: para 114 pontos. Isto faz com a taxa veniente de fundos de investimento Também não são abrangidos os
de administração encontra- agora a procura mais do que dupli- de juro de cupão acabe por se fixar e 8,9% de hedge funds. Agora, essa contribuintes que em 2017 paga-
se em branco. Nas funções cou, as taxas de juro caíram para em 2,125%. percentagem baixou para 37,9% e ram pensões de alimentos e com
de presidente da comissão metade e o tipo de investidores que No seu programa de financiamen- 5% respectivamente. Em contrapar- deduções relativas a ascendentes a
executiva está actualmente adquiriram dívida portuguesa mu- to para este ano, o IGCP prevê a re- tida, regista-se um aumento no peso cargo. Para ser aplicada a medida, é
Joaquim Souza. O mandato da dou. alização de emissões no valor total dos bancos de 24,6%, para 37,2% e preciso que os contribuintes sejam
actual administração da CGD, A operação, organizada por um de 15 mil milhões de euros, pelo que dos fundos de pensões, de 10,8% considerados residentes em Portugal
presidido por Paulo Macedo, sindicato constituído pelo Novo mais de um quarto do objectivo fi- para 17,2%. durante todo o ano fiscal.
termina em 2020. Banco e mais cinco bancos inter- cou já atingido e a uma taxa que é
nacionais, permitiu que o Tesouro inferior à média do stock da dívida, sergio.anibal@publico.pt pedro.crisóstomo@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

22 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

MUNDO

O homem que mandou na

América
por seis meses e que
acabou desempregado
Chamaram-lhe “o grande manipulador”
e “Presidente Bannon”, e foi por isso
que a Casa Branca lhe caiu em cima. Lá
dentro, aprendeu que ninguém pode ser
maior do que Donald Trump

plano diabólico. A apresentá-lo, um de Bannon, e não Bannon quem in- panha, Bannon teve como primeira É verdade que Bannon foi essen-
Alexandre Martins título que ele por certo aprovaria: “O fluenciava a campanha de Trump. tarefa aconselhar Trump a lidar com cial para aquela onda de promessas
grande manipulador.” Isso mudou em Agosto de 2016, no uma nova ameaça no caminho para cumpridas em que se foram trans-

H
á menos de um ano, Para todos os efeitos, era um ates- meio de uma semana complicada pa- a Casa Branca — já provara que po- formando as primeiras semanas de
em Fevereiro de 2017, tado de relevância que o ex-director ra a campanha de Trump (entre o dia lá chegar se insultasse os liberais Trump na Casa Branca — promessas
o último Presidente do site de notícias Breitbart dificil- anúncio da sua candidatura, em Ju- de Manhattan e de Hollywood, mas feitas aos seus apoiantes mais fervo-
da União Soviética es- mente imaginaria apenas sete meses nho de 2015, e a vitória nas eleições o que aconteceria se continuasse a rosos, como a proibição da entrada
colhia as páginas da antes — ainda hoje, essa edição da re- presidenciais, em Novembro de 2017, insultar a memória de um soldado nos EUA de cidadãos de países de
revista Time para pe- vista Time, de 13 de Fevereiro de 2017, o candidato Trump teve inúmeras americano morto em combate? maioria muçulmana, por exemplo.
dir a Washington e a está exposta à entrada da residência semanas difíceis, muitas delas noti- O conselho que Bannon deu a Mas também é verdade que Ban-
Moscovo que se com- em que funciona a redacção do Breit- ciadas como se fossem a última). Trump foi o único que ele sabe dar non não viu — ou não quis ver — que
prometessem a dizer bart, em Washington D.C., conhecida Mas a primeira semana de Agosto a quem quer que seja, e o único que Trump estava velho demais para mu-
não às armas nuclea- como Breitbart Embassy. de 2016 foi, talvez, a semana em que segue na sua vida: quando se come- dar um dos pilares da sua vida: só
res, e deixava um alerta: “Parece que Fora dos círculos mais radicais da a campanha de Trump esteve mais ça a pensar se não será aconselhável se mantém à volta de Trump quem
o mundo está a preparar-se para a direita norte-americana, Bannon era perto do descalabro — o candidato fazer concessões, então está na hora aceitar que nunca poderá parecer
guerra.” Mas Donald Trump tinha um nome que pouco dizia a quem o tinha comprado mais uma guerra de de carregar ainda mais a fundo no maior do que ele.
acabado de chegar à Casa Branca, e ouvisse até ao fim do Verão de 2016. palavras, mas dessa vez os inimigos acelerador de confrontos.
por mais alertas que personalidades Sim, já era o rosto da transformação eram o pai e a mãe de um soldado E foi nesse momento — no momen- Excesso de protagonismo
como Mikhail Gorbatchov lançassem, do insignificante Breitbart num dos americano chamado Humayun Khan, to em que Trump percebeu que po- Depois de entrevistas e comentários
a Time tinha outra capa em mente: mais influentes sites da direita no pa- morto em combate no Iraque. dia insultar a memória de um solda- a mais em que reclamou os louros pe-
Steve Bannon, o homem que ajuda- ís, mas essa medalha tinha sido con- Depois de meses de um namoro do sem prejudicar as suas pretensões la vitória de Trump na eleição contra
ra Trump a ganhar as eleições e que quistada à custa de um apoio sem que se ia desenrolando nos artigos — que nasceu a ideia de um Bannon Hillary Clinton, Bannon foi levado
acabara de ser nomeado estratega da reservas à candidatura de Trump — do Breitbart, Bannon e Trump de- como grande manipulador, como o pelo braço até à porta da Casa Branca
Casa Branca, surgia na fotografia com por essa altura, era a campanha de cidiram dar um passo em frente. ideólogo de Trump que era maior do em Agosto do ano passado, um ano
um ar de quem está a congeminar um Trump que influenciava os destinos Convidado para fazer parte da cam- que o próprio Trump. depois de ter furado pela multidão
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 23

CARLOS BARRIA/REUTERS
o maior, da multimilionária Rebekah
Mercer, iria fazer-lhe imensa falta pa-
ra continuar a expandir o site Breit-
bart, mas na terça-feira soube-se que
a vingança de Trump nem sequer o
poupou ao desemprego: empurrado
pelos financiadores Mercer e mal re-
cebido na redacção, Bannon também
teve de abandonar o Breitbart.

Fiel apenas ao caos


Depois de tanto ruído, há quem
tente perceber onde está a verdade
(ou o que mais se parece com ela)
na história de Steve Bannon como
conselheiro de Donald Trump: mais
próxima do grande manipulador, ou
do simples funcionário?
Para Ronald Beiner, professor de
Ciência Política na Universidade de
Toronto e autor de um livro sobre
Filosofia Política, Bannon é, acima de
tudo e antes de mais, um provocador
que tem como objectivo destruir o
Estado — mais do que aconselhar o
Presidente, Bannon quer incitar o ca-
os com ideologias contraditórias.
“Se juntarmos tudo, a sua visão do
mundo é uma mixórdia de ideologias
incompatíveis cujo denominador co-
mum é o ódio às elites liberais. Pode-
mos especular que Trump se sentiu
atraído por Bannon porque Bannon
deu expressão às oportunidades polí-
ticas prontas para serem exploradas
num estilo europeu de populismo de
direita: a ideia era que seja o que for
que está a impulsionar o crescimento
do populismo na Europa, também
pode impulsioná-lo na América. Para
além deste instinto estratégico, Ban-
non não consegue articular um con-
junto coerente de ideias a não ser a
ideia de uma conspiração da parte da
sinistra elite liberal-cosmopolita (‘o
partido de Davos’) contra as pessoas
comuns no Kansas e no Colorado.
Como declaração de uma filosofia
política, temos de dizer que é muito
superficial e muito pouco pensada”,
e entrado no círculo mais apertado “Irá olhar para o seu maior provo- do plano e acabou com ele quando diz o especialista num artigo publi-
daquele que viria a ser Presidente cador político, Bannon, com a sua constatou que torcer um braço não cado no site Inroads.
dos EUA. Como é costume, o comu- tendência para fazer explodir coisas, tinha sido suficiente. O comunica- Um exemplo que Beiner dá sobre a
nicado tinha uma linguagem menos ou irá procurar os conselhos de mãos do que escreveu a meio da semana atracção de Bannon pelo caos — mais
colorida do que a realidade — dizia mais experientes na sua Administra- passada não foi só duro; foi brutal: do que pelo envolvimento na cons-
que o então recém-empossado chefe ção, como o secretário da Defesa, Jim “Quando ele foi despedido, perdeu trução de um novo país — é a ideia de
de gabinete da Casa Branca, o gene-
ral John Kelly, e Bannon tinham con-
Mattis, e o general Dunford?”
Ainda ninguém sabe o que passou
Se juntarmos tudo, a o emprego e endoideceu.”
Há apenas um ano, Bannon era “o
nomear Robert F. Kennedy Jr. “czar
das vacinas”, devido à sua defesa (ne-
cordado que estava na hora da saída, pela cabeça de Bannon quando disse sua visão do mundo grande manipulador” e o “Presidente gada pela medicina) de que as vaci-
mas os jornais norte-americanos já
andavam a apontar o dedo a Bannon
ao jornalista Michael Wolff que o filho
mais velho de Trump, Donald Trump é uma mixórdia Bannon”. Na semana passada, o co-
municado de Trump refez o passado
nas são responsáveis pelo autismo.
“É o seu sentido de humor perverso
quando Trump dizia que queria en-
contrar o responsável pelas fugas de
Jr., tinha traído o país quando aceitou
falar com russos. Nem quando dei-
de ideologias do seu antigo estratega, humilhou-
lhe o presente e comprometeu-lhe o
que depois serve de fundação para
as suas políticas (ou antipolíticas). A
informação na Casa Branca.
O fim da relação consumou-se na
xou implícito que o próprio Trump
foi informado sobre essas reuniões,
incompatíveis futuro: “O Steve foi um funcionário
que trabalhou para mim depois de eu
ideia de uma governação responsável
é, para ele, uma grande piada. O ob-
semana passada, de uma forma que dando ainda mais embalagem à dis- cujo denominador já ter ganho a nomeação ao derrotar jectivo é rir na cara da classe política
não seria previsível há um ano, quan-
do Bannon surgiu na capa da revista
cussão sobre uma possível destitui-
ção — o impeachment do Presidente comum é o ódio às 17 candidatos, muitas vezes descritos
como o grupo mais talentoso de sem-
tradicional, e garantir que eles sabem
que nos estamos a rir na cara deles”,
Time como “o grande manipulador”.
E quando o The New York Times lhe
que ele diz ter posto na Casa Branca
há pouco mais de um ano.
elites liberais pre no Partido Republicano.”
Depois de ter sido corrido da Ca-
diz o professor de Ciência Política.
Ou, como disse o correspondente
chamou “Presidente Bannon”, num O que se sabe é que o Presidente Ronald Beiner sa Branca e de ter visto o seu nome do site Breitbart no Vaticano, Thomas
editorial que temia pelo dia em que fez aquilo que sempre fez na vida — Professor de Ciência Política arrastado pela lama, Bannon foi per- Williams, “ele prefere mandar tudo
Trump “tivesse de enfrentar uma pegou num homem de confiança, dendo o apoio da direita radical, que abaixo do que construir”.
crise com a China no Mar do Sul da torceu-lhe o braço quando sentiu preferiu ficar ao lado do Presidente,
China, ou com a Rússia na Ucrânia”: que estava a ser passado para segun- e os apoios de peso que ainda tinha — alexandre.martins@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

24 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

MUNDO
JOOST DE RAEYMAEKER/EPA

Vários manifestantes
iranianos detidos
em protestos
morreram na prisão
da brutalidade em Kahrizak [prisão
Irão em Teerão] fosse revelada”.
Maria João Guimarães Deputados reformadores disseram
ainda que o número de detidos será
Europa fortalece apoio muito superior ao que anunciaram
as autoridades, 450 pessoas. Mah-
ao acordo nuclear
moud Sadeghi disse que podem ter
enquanto Donald Trump sido detidas mais de 3700 pessoas,
considera sanções ao país incluindo entre 40 e 68 estudantes.
Familiares dizem não conseguir
Nas fotografias, Sina Ghanbari parece ter informação sobre pessoas que
mais jovem do que os 23 anos. O estu- podem estar detidas.
dante morreu na prisão depois de ser O ayatollah Ali Khamenei, a auto-
detido por participar nos protestos ridade suprema no Irão, discursou
que começaram no Irão nos últimos na terça-feira em Teerão e falou nos
dias do ano passado — as autoridades protestos — que começaram no final
dizem que se suicidou depois de en- do ano, tudo indica que instigados
João Lourenço já afastara Isabel dos Santos da Sonangol e Tschizé dos Santos da TPA trar na chamada “secção de quaren- por uma facção do regime contrária
tena” da cadeia de Evin. ao Presidente, Hassan Rohani, para

Filho de José Eduardo Ghanbir será um entre vários casos


de detidos que morreram sob deten-
ção, denunciam activistas dos direi-
alastrarem em manifestações contra
as desigualdades económicas e a cor-
rupção. Foram controlados pelas au-

dos Santos afastado do Fundo tos humanos no Irão. É, até agora,


o único nomeado, mas a Amnistia
Internacional mencionava outras
toridades através de cortes no acesso
a sites, a aplicações de redes sociais e
ao envio de Guardas de Revolução,

Soberano de Angola quatro mortes nestas circunstân-


cias. “O manto de segredo e a falta
de transparência sobre o que acon-
a força de elite do regime, para os
locais com protestos.
Khamenei disse que as manifes-
teceu a estes detidos é alarmante”, tações acabaram e que o Irão con-
dizia a organização. seguiu impedir o que disse ser uma
qual estava ligada através da Semba. (no caso de Tschizé e da Semba seria Depois de, em 2009, terem sido tentativa dos seus inimigos para
África O afastamento de José Filomeno um contrato “bastante lesivo para os relatados casos de grande violência transformar um protesto legítimo
Luís Villalobos ocorre apenas dois depois da en- interesses do Estado”). contra manifestantes que protesta- numa insurreição contra o regime.
trevista colectiva do Presidente de Filomeno dos Santos começou ram pela reeleição, vista como frau- O discurso foi acompanhado por twe-
José Filomeno foi Angola, durante a qual respondeu a por ser administrador do Fundo dulenta, do então Presidente Mah- ets em que o ayatollah diz aos “EUA,
questões sobre o Fundo Soberano e Soberano de Angola e, em Junho de moud Ahmadinejad, teme-se que as Grã-Bretanha, e todos os que tentam
exonerado por João
os filhos do seu antecessor, e ainda 2013, subiu a presidente do conse- forças de segurança repitam a tortura. derrubar a República Islâmica” que
Lourenço e substituído por presidente do MPLA. “Não diria que lho de administração, onde só têm A advogada Nasrin Sotoudeh dis- falharam desta vez e “vão continuar a
Carlos Alberto Lopes vou exonerar”, disse Lourenço em assento mais dois membros, quando se ao diário britânico The Guardian falhar”. Falando do “homem que está
resposta a uma pergunta sobre qual Armando Manuel, então à frente do que duvidava da versão oficial de na Casa Branca”, Khamenei disse que
José Filomeno era o último dos filhos seria o futuro de Filomeno no fundo Fundo, foi chamado a ministro das suicídio e lembrou que, “em 2009, “tem de perceber que estes episódios
de José Eduardo dos Santos que ain- que gere cerca de cinco mil milhões Finanças. demorou semanas até que a escala não vão ficar sem resposta”.
da tinha um alto cargo ligado ao Es- de dólares, sem deixar de sublinhar O Fundo Soberano de Angola Donald Trump está prestes a
tado angolano — foi ontem afastado que tal “pode acontecer”. tem aplicações em fundos de inves- decidir se volta a impor sanções
pelo novo Presidente da República, Afirmou, no entanto, que tinha si- timento sediados em paraísos fiscais ao Irão na sequência da sua op-
João Lourenço, que o exonerou da do contratada uma entidade externa através de uma empresa gerida por ção de não declarar que o país es-
presidência do Fundo Soberano. para verificar as contas, algo que de- um empresário suíço-angolano pró- tá a cumprir o acordado sobre o
De acordo com a agência de notí- verá estar ligado a esta exoneração: ximo de Filomeno dos Santos. Um nuclear firmado com o seu ante-
cias Angop, para o seu lugar foi no- “Na sequência do trabalho dessa facto que ficou exposto, com visibi- cessor, Barack Obama (e assinado
meado Carlos Alberto Lopes, que empresa, o Ministério das Finanças lidade internacional, nas recentes também pela UE, China e Rússia).
traz consigo uma nova equipa (com apresentou uma proposta de medi- revelações dos Paradise Papers, a Para mostrar um contrapeso aos
José Filomeno cai também a restante das a tomar e de passarmos a ter um investigação dos media do Consór- EUA, a União Europeia vai reafirmar
administração). controlo mais efectivo dos dinheiros cio Internacional de Jornalistas de o seu apoio ao acordo e a responsável
O afastamento de José Filomeno postos à disposição do Fundo Sobe- Investigação (CIJI). pela diplomacia europeia, Federica
não é uma surpresa, já que o Pre- rano. É muito provável que nos pró- A informação avançada nos Para- Mogherini, irá reunir-se hoje em Bru-
sidente tem feito muitas alterações ximos dias sejam implementadas”. dise Papers mostra que, dos cinco xelas com o ministro dos Negócios
no universo estatal. No caso Após uma pergunta que envol- mil milhões de euros atribuídos ini- Estrangeiros do Irão, Mohammad
dos descendentes de Eduardo via referências a “alegadas per- cialmente ao Fundo Soberano, cerca Javad Zarif. Um diplomata resumiu
dos Santos, Lourenço já tinha seguições aos filhos do anterior de 3000 milhões foram aplicados em à Reuters que “o objectivo é mandar
exonerado Isabel dos Santos Presidente”, João Lourenço dis- sete fundos de investimento. Todos uma mensagem a Washington de que
da presidência da petrolífera se que não se perseguiam estavam sediados nas Maurícias. o Irão está a cumprir e que é melhor
Sonangol, e afastado Ts- pessoas, dando a enten- com Pedro Crisóstomo ter o acordo do que isolar Teerão”.
chizé dos Santos da tele- der que o que estava em Manifestantes contra visita de
visão pública, a TPA, à questão eram as acções luis.villalobos@publico.pt MNE iraniano a Bruxelas mguimaraes@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 25

MUNDO

A partir de Março é proibido cozer


lagostas “vivas”
“v na Suíça — passa a
ser obrigatório
obrigat atordoá-las antes de
serem lanç
lançadas na água a ferver

Breves
Catalunha
Puigdemont Califórnia Chuva torrencial e derrocadas matam 15 pessoas
pode tomar posse
REUTERS

via Skype
Carles Puigdemont e a
Esquerda Republicana da
Catalunha chegaram a um
acordo para voltar a investir o
auto-exilado Puigdemont na
presidência catalã. A ideia é
este tomar posse via Skype, ou
através de um representante
que se apresente no parlamento
regional, pois será preso se
entrar em território espanhol.

Coreia
EUA abertos a
conversações com
Kim na “altura certa”
O Presidente Trump disse ao
chefe do Estado sul-coreano,
Moon Jae-in, que os EUA estão
abertos a conversações com
a Coreia do Norte “na altura
certa” e “nas circunstâncias
certas”, segundo a Casa Branca. Pelo menos 15 pessoas morreram e que ocorreram depois dos de vegetação queimada — de Los Angeles, o bairro onde
Na terça-feira, o Norte e o Sul no Sul da Califórnia (EUA), incêndios de Dezembro, que provocaram deslizamentos de moram as apresentadoras Oprah
realizaram a primeira reunião de onde chuvas torrenciais — as impermeabilizaram o solo, terras e inundações. A zona mais Winfrey e Ellen DeGeneres. Há
alto nível em dois anos. primeiras em vários meses deixando-o coberto de camadas atingida é Montecito, a norte milhares de pessoas desalojadas.

Etiópia União Europeia Equador Peru


Adopção de crianças Empresas britânicas Presença de Assange Papa manda
por estrangeiros avisadas: pode haver em embaixada assumir controlo de
proibida “Brexit” sem acordo “insustentável” sociedade católica
A Etiópia proibiu a adopção Bruxelas tem vindo a avisar A permanência de Julian Assange, O Papa Francisco ordenou que
de menores por estrangeiros, as empresas britânicas para fundador do WikiLeaks, na a Igreja assuma o controlo da
devido a receios de negligência a possibilidade de haver um embaixada do Equador em sociedade católica de elite do
e abusos. Cerca de 20% das “Brexit” sem qualquer tipo Londres, onde entrou há cinco Peru Sodalitium Christianae
adopções internacionais nos de acordo. A informação é do anos com um pedido de asilo, Vitae, cujo fundador, Luis Figari,
EUA eram feitas na Etiópia. A Financial Times, que teve acesso está a tornar-se “insustentável”, é acusado de abusos sexuais e
proibição surge na sequência aos memorandos “Be prepared” disse a ministra dos Negócios físicos a crianças e adultos do
do assassínio de uma rapariga (estejam preparados), enviados Estrangeiros equatoriana, que grupo. A decisão foi tomada
etíope adoptada que foi morta a empresas e reguladores em procura um mediador interna- uma semana antes de uma visita
pelos pais americanos em 2013. Novembro e Dezembro de 2017. cional para solucionar o problema. do Papa a este país.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

26 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

CIÊNCIA

Portugueses descobrem

molécula
que faz as células andar
para trás no tempo
A molécula descoberta ajuda a reverter células adultas — e velhas — em células com a
enorme plasticidade das embrionárias. A regeneração de tecidos ficou mais facilitada
Todas as células do organismo maior quantidade de uma molécula
Teresa Firmino sofrem um processo gradual de en- de ARN do que células de ratinhos
velhecimento que pode contribuir jovens. E, ao reduzir-se a quantida-

U
ma equipa de investiga- para o aparecimento de várias do- de deste ARN, degradando-o, viram
dores portugueses, do enças, refere um comunicado de que se tornava muito mais fácil fazer
Instituto de Medicina imprensa do IMM sobre o trabalho. a reprogramação das células velhas.
Molecular (IMM) João
Lobo Antunes, em
Uma forma de combater as doen-
ças associadas ao envelhecimento,
Estes resultados Na senda de um Nobel
Lisboa, descobriu diz-se ainda, poderá ser através da são um avanço Vamos por partes. Contidas na mo-
que a manipulação
de uma determina-
regeneração celular.
Aliás, o grande sonho da medicina importante no lécula de ADN estão todas as instru-
ções com que se constroem os seres
da molécula de ARN
(ácido ribonucleico) é
regenerativa é usar células adultas,
por exemplo da pele, e transformá-
sentido de virmos vivos, e que depois são “traduzidas”
através de outra molécula, o ARN.
essencial para levar as células a andar
para trás no tempo — passando de
las em células parecidas com as es-
taminais embrionárias, com plas-
a ser capazes de Muitos genes, tal como o seu ARN,
resultam na formação de proteínas.
adultas, já especializadas e diferen- ticidade para originar vários tipos regenerar tecidos Noutros casos, esses genes e o seu
ciadas como as da pele, do coração
ou do cérebro, para células semelhan-
de tecido do organismo. E em se-
guida levar essas células forçadas a doentes em pessoas ARN não são o código de fabrico de
proteínas; o que fazem é regular o
tes às dos embriões, com a extraor-
dinária capacidade de se tornarem
assemelharem-se com as estaminais
a tornarem-se células (adultas, dife-
idosas funcionamento de outros genes.
Dada esta explicação, a equipa
qualquer tecido do corpo. renciadas) dos órgãos doentes do Bruno de Jesus de cientistas, toda portuguesa e do
Entremos, pois, numa máquina corpo, usando-as para os reparar. Bioquímico IMM, começou por fazer um rastreio
do tempo biológica. Do que se está Como neurónios, para regenerar de moléculas de ARN não codifican-
aqui a falar é mesmo disso, da possi- zonas do cérebro responsáveis por tes de proteínas. Queriam identificar
bilidade de regressar a um passado doenças neurodegenerativas como diferenças entre células muitíssimo
distante das células, quando esta- a Parkinson, ou células do coração jovens (ainda embrionárias), célu- “Vimos que o que distinguia uma
vam numa fase inicial de desenvol- para reparar aí tecidos. las adultas e células envelhecidas. célula adulta de uma célula enve-
vimento embrionário. Os resultados Só que as células adultas envelhe- Graças a essas comparações, che- lhecida era o nível dessa molécula
desta reprogramação de células cidas tendem a ser muito resistentes garam ao ARN ligado ao gene Zeb2- de ARN. Se tirarmos esse ARN das
adultas — mais: e já envelhecidas — a manipulações que visam a sua re- NAT. Este gene tem como função células velhas, elas parecem-se mais
em células com características das programação celular. Ora, no IMM, a regular um outro gene que, esse com células novas? Vimos que sim”,
células estaminais dos embriões equipa liderada por Bruno de Jesus e sim, codifica uma proteína, o Zeb2. explica-nos Bruno de Jesus. Mais: “O
foram agora publicados pela equi- Maria do Carmo Fonseca descobriu Quanto mais ARN do Zeb2-NAT há ARN que estudámos (do Zeb2-NAT)
pa portuguesa na revista científica que células retiradas da pele de rati- nas células, mais proteínas existem aumentava com a idade [das células],
Nature Communications. nhos envelhecidos produziam muito também do (segundo gene) Zeb2. e a remoção desse ARN em células
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 27

TÂNIA CARVALHO
observar osso, músculo ou pêlos. Um
teratoma, diz Tânia Carvalho, a pato-
logista da equipa, tem características
extraordinárias. “Por comparação
com outros tumores, por exemplo
da mama, do cólon ou do pulmão,
que apresentam características par-
ticulares destes mesmos tecidos, o
teratoma tem origem em células ger-
minativas com capacidade para se
transformar em muitos tecidos dife-
rentes, como pêlos, osso, cartilagem,
músculo e tecido nervoso. Será quase
como se de uma minipessoa se tratas-
se, ainda que muito desordenada”,
explica a investigadora.
“Fizemos com que fosse possível
reverter células adultas envelhecidas
em células pluripotentes”, resume,
por sua vez, Bruno de Jesus. “Estes
resultados são um avanço importan-
te no sentido de virmos a ser capazes
de regenerar tecidos doentes em pes-
soas idosas”, adianta, agora citado no
comunicado.
O que se segue agora no trabalho?
“Os próximos passos serão ver se há
um paralelismo com as células hu-
manas, ver se há outras moléculas
(outros ARN não codificantes) com
funções semelhantes e testar o papel
desses ARN quer na reprogramação
celular, quer na capacidade dessas
células para formarem tecidos (capa-
cidade de diferenciação)”, responde
o investigador.
No Japão, já se transplantaram para
os olhos de doentes com degeneres-
cência macular da idade células da
IMM retina, geradas a partir de estaminais
Nobel da Fisiologia ou Medicina. pluripotentes induzidas que, por sua
E agora a equipa de Bruno de Jesus vez, tinham sido criadas a partir da
(utilizando já ratinhos alterados ge- pele. Num caso, em 2017, as células da
neticamente por uma outra equipa pele vinham de um dador, noutro, em
para activarem aqueles quatro genes) 2014, eram do próprio doente — o que
procurou aperfeiçoar a técnica de remete para a questão de quando,
reprogramação celular dos japo- afinal, poderemos ver um uso médico
neses. Porque, precisamente, essa alargado destas células. “A translação
técnica não funciona bem quando para a clínica é sempre um passo mo-
as células adultas estão envelhecidas. roso”, salienta Bruno de Jesus, con-
“Esses genes são necessários para a siderando, no entanto, os dois casos
reprogramação celular, no entanto no Japão como passos importantes.
em células muito velhas o processo Mas ainda há problemas a ultra-
ou é muito ineficiente ou não ocorre passar, como os relativos à qualidade
de todo”, explica o investigador por- das células estaminais pluripotentes.
tuguês. “Mas vimos que, ao diminuí- “A qualidade e a quantidade estão
rem os níveis do ARN do gene Zeb2- relacionadas com o envelhecimen-
NAT nas células velhas, elas tinham to da célula original, ou seja, quan-
mais facilidade em serem converti- to mais ‘danificado’ estiver o tecido,
das em células pluripotentes.” menos células estaminais pluripo-
Para verificar se as células da pe- tentes conseguimos obter. O nosso
le velhas tinham realmente andado trabalho foca-se nessa parte inicial,
para trás no tempo celular, até se numa optimização do protocolo de
tornarem células estaminais pluri- reprogramação celular. Descreve
potentes induzidas, rejuvenescen- uma dessas barreiras que aparecem
velhas levou a que adquirissem algu- cou quatro genes que mantinham Da esquerda para a direita, do-se, a equipa portuguesa fez mais com o envelhecimento.”
mas características de células jovens, as células imaturas. Recorrendo a grande parte da equipa: Tânia experiências. Injectou-as debaixo da Ainda que haja um longo cami-
como a capacidade de serem ‘repro- vírus, Yamanaka introduziu esses Carvalho, Sérgio Marinho, pele de ratinhos. Se viessem a formar nho a percorrer até ao uso habitual
gramadas’”, conta o bioquímico de genes (Sox2, Klf4, cMyc, Oct4) em Maria do Carmo Fonseca, Bruno um teratoma, um tumor constituído destas células em tratamentos mé-
37 anos. células adultas e isso forçou-as a re- de Jesus e Catarina Vale; e por vários tipos de células e tecidos dicos — outro problema é o risco de
É preciso também dizer que os verterem-se para células estaminais cortes de teratomas criados diferenciados, queria dizer que essas se tornarem cancerosas —, o avanço
cientistas portugueses seguiram pluripotentes. Conhecidas como pela equipa em ratinhos, com células tinham de facto capacidades da equipa portuguesa tornou agora
na senda da descoberta do japonês “células estaminais pluripotentes osso, tecido nervoso, músculo pluripotentes. E foi o que aconteceu. essa possibilidade mais real.
Shinya Yamanaka (da Universidade induzidas”, esta descoberta valeu ou pelos Nos teratomas formados nos rati-
de Quioto), que em 2006 identifi- a Yamanaka, em 2012, o Prémio nhos, os cientistas puderam então teresa.firmino@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

28 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

CULTURA
O ano da internacionalização
para o Teatro Municipal do Porto
DR

Tiago Guedes quer que os artistas da casa


dêem o salto para o estrangeiro. De fora
chegarão Mathilde Monnier, Philippe
Quesne, Dimitris Papaioannou, Raimund
Hoghe, Salia Sanou e Brett Bailey
co-curador de festivais como o Dañs-
Temporada Fabrik, em Brest, o Panorama, do
Inês Nadais Rio de Janeiro, ou a Bienal de Dança
de Lyon lhe permitirá levar em 2018
Antes de entrar na programação do uma série de criadores portugueses
Teatro Municipal do Porto (TMP) como bagagem extra nalgumas das
para 2018, o prato do dia no café suas viagens de trabalho. De 26 a
do terceiro piso do Rivoli na confe- 29 de Abril, pelo contrário, será a
rência de imprensa de ontem, Rui comunidade internacional das artes
Moreira quis fazer um desvio até performativas a viajar até ao Porto:
uma notícia da véspera, para “assi- o TMP acolhe o próximo plenário da
nalar” a chegada de um filme enco- IETM — International Network for
mendado pela Câmara Municipal do Performing Arts, que deverá reunir
Porto — Russa, que João Salaviza e entre 700 a 900 profissionais oriun-
Ricardo Alves Jr. filmaram no Bairro dos de mais de 60 países. O tema do
do Aleixo — ao Festival de Berlim. encontro, Other Centres: Paths, Pers-
Não foi um desvio casual: a inter- pectives, Practices, parece aliás feito
nacionalização é declaradamente o à medida para uma cidade que nos
eixo principal da agenda do teatro últimos anos fez um esforço para
dirigido por Tiago Guedes para o se posicionar culturalmente como Três novas redes FITEI — Festival Internacional de ra todas as gerações, sempre com
futuro mais próximo, e as três no- alternativa a Lisboa (um esforço re- Teatro de Expressão Ibérica (Maio- entrada gratuita” programados pa-
vas redes de criação, circulação e conhecido pela IETM, que sublinha internacionais Junho), terá orçamento reforçado. ra este aniversário, Tiago Guedes
residências artísticas em que pas- no texto de apresentação da reunião porão o TMP em Reconhecendo a sua importância quis destacar El Baile, em que “uma
sa agora a inscrever-se pô-lo-ão em de Abril “as notáveis políticas cul- estratégica, a Câmara, anunciou Rui das coreógrafas mais importantes
contacto directo com instituições turais” que o Porto tem protago- contacto directo Moreira, pretende gastar cerca de da contemporaneidade”, a france-
congéneres espalhadas um pouco nizado, num país cuja “geografia com instituições 380 mil euros no conjunto dos dois sa Mathilde Monnier, se aventura
por todo o mundo, de Barcelona a artística está mais dinâmica do que festivais, pouco mais de metade do com o escritor Alan Pauls por qua-
Taipé, de Lyon a Santiago do Chile, nunca”). congéneres de que investiu em toda a temporada tro décadas da história da Argenti-
de Liège a Beirute. A visita do IETM coincidirá com Barcelona a Taipé, Janeiro-Julho. na. Mas também haverá os Poemas
São pequenos-grandes passos um período especialmente eferves- Antes, porém, ainda haverá ou- de Pé para a Mão, peça para crian-
para o TMP, poderão ser saltos cente dos próximos meses, com de Lyon a Santiago tra festa, a dos 86 anos do Rivoli, ças de Joana Providência, o musical
quânticos para alguns dos artistas mais uma edição do Festival DDD do Chile, que já no próximo dia 20 estará que André Murraças criou a partir
que vem co-produzindo, defende — Dias da Dança (26 de Abril a 13 de portas abertas das 11h às 4h da das histórias de vida e de trabalho
Tiago Guedes, cuja posição como de Maio), que este ano, tal como o de Liège a Beirute manhã; entre os espectáculos “pa- de quatro funcionários do teatro,
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 29

El Baile, de
Mathilde
Monnier e
Alan Pauls,
chega para o
aniversário
do Rivoli; à
esq., La Valse,
de Raimund
Hoghe
DR
”uma labiríntica instalação perfor-
mativa sobre as rotas migratórias” 3 PERGUNTAS A TIAGO GUEDES
—, regressarão ao Rivoli, “a pedido
de várias famílias”, pesos-pesados
internacionais como Philippe Ques- “Temos de quebrar o nosso estatuto periférico”

O
ne (La Mélancolie des Dragons, 16 de
Fevereiro), Dimitris Papaioannou director do Teatro acontecerá já este ano com a ida
(The Great Tamer, 9 e 10 de Março) Municipal do Porto do Marco da Silva Ferreira e da
e Raimund Hoghe. Presente na con- (TMP) considera que Cláudia Dias à Bienal de Dança
ferência de imprensa, o coreógrafo o “posicionamento de Lyon, em Setembro.
alemão testemunhou que é “uma internacional” é prioritário A vida do TMP mudará com
grande alegria” poder remontar no para a casa que dirige — mas a constituição da empresa
Porto uma das suas mais decisivas sobretudo para os artistas que municipal de cultura?
criações, Young People, Old Voices; trabalham com ela. E aguarda Sim, sobretudo em termos
encomenda da Capital Europeia da “com alguma expectativa” os de agilidade financeira e
Cultura de Bruges em 2002, encon- desenvolvimentos em Lisboa, contratual. É mais fácil, no
trará agora outra forma com os 12 in- após o anúncio de que o Teatro quadro de uma empresa
térpretes de idades compreendidas Maria Matos vai passar a ter uma municipal, concorrer a apoios
entre os 18 e os 23 anos, bailarinos e gestão privada. mecenáticos e fazer acordos de
não-bailarinos, que selecionou nu- Por que é que a bilheteira mais interessantes,
ma audição em Novembro e com os internacionalização é uma por exemplo. Por outro lado,
quais tem estado a trabalhar desde prioridade para um teatro será finalmente possível
então. Além de Momentos of Young municipal? regularizar algumas situações
People (23 de Março), o espectáculo Embora este teatro festeje este — felizmente são pouquíssimas
que daí resultará, o Rivoli receberá ano o seu 86.º aniversário, — de precariedade profissional
também a última peça de Hoghe, o projecto do TMP é muito que ainda existem nas nossas
La Valse (29 de Março), estreada no jovem — estamos a trabalhar equipas, nomeadamente
Centro Pompidou, em Paris. há apenas três anos e meio. com recibos verdes. Ao nível
Havia um passado, mas não artístico, não haverá qualquer
havia um passado recente, tipo de mudança.
Para Raimund portanto o TMP não estava Como é que vê a anunciada
Hoghe, é “uma inscrito em redes internacionais, privatização da gestão do
nem oleado em termos de Teatro Maria Matos, em Lisboa,
grande alegria” conexões artísticas que uma estrutura municipal que
poder remontar lhe permitissem partilhar tem sido parceira do TMP?
programações com instituições Aguardo com muita expectativa
no Porto uma das congéneres do estrangeiro ou o que poderá vir a acontecer.
suas criações ser parceiro na montagem de Parece-me que pelo menos
tournées. Portugal já é um país haverá a preocupação de não
Mas há vida no TMP para além da naturalmente periférico, e é alterar as linhas principais
dança internacional — dos 76 espec- muito importante quebrar esse de actuação — o trabalho
táculos que apresentará até Julho, estatuto; daí que, depois de pôr com crianças e jovens, agora
apenas 22 são estrangeiros. Entre a máquina a funcionar, me tenha transferido para o Teatro Luís
as estreias e/ou coproduções, estão parecido prioritário investir num de Camões, e o investimento
novas peças de Circolando (Raio X, posicionamento internacional. na nova criação, missão para a
1 a 3 de Fevereiro), Patrícia Porte- Que é vital para nós enquanto qual a configuração de hangar
la (Por Amor!, 8 a 10 de Fevereiro), instituição, mas sobretudo do Teatro do Bairro, apesar de
Albano Jerónimo (Um libreto para para os artistas com quem ter alguns problemas, até se
ficarem em casa, seus anormais, 9 e trabalhamos, e que assim têm pode revelar interessante. Mas
conferências mais ou menos perfor- 27), a “folk soturna” de Scott Kelly 10 de Fevereiro) e Teatro Griot (Que acesso facilitado a outras fontes claro, ficamos sempre um pouco
mativas dos dois artistas associados (27) e a primeira de três conferên- ainda alguém nos invente, 2 e 3 de de financiamento, bem como a a torcer o nariz quando se fala
do TMP, Marco da Silva Ferreira e cias Do Estranho, co-organizadas Março). E ainda, de 14 a 24 de Mar- circuitos de difusão de entregar equipamentos
Jorge Andrade, o lançamento do com a Universidade Lusófona do ço, Maioria Absoluta, o espectáculo internacional e a públicos a privados, ainda que
sexto volume dos Cadernos do Ri- Porto (30). com que o Teatro Experimental do residências de o contexto de Lisboa, onde há
voli, o encontro de Ana Deus com Porto fecha um ciclo de visitas às criação. A nossa dez teatros municipais por onde
Nicolas Tricot, um concerto dos Do Cavaquistão a África juventudes inquietas das décadas de presença nessas a Câmara pode escoar a sua
Gala Drop num subpalco do Rivoli Depois, e até ao final de Março — 50, 70 e 90, mergulhando desta vez redes permite- missão cultural, permita talvez
intervencionado pelo colectivo de Tiago Guedes preferiu deixar para no Cavaquistão, esse país distante nos colocá- arriscar outras experiências.
artes gráficas Oficina Arara e, noi- mais tarde o anúncio detalhado da que foi o oásis dos dinheiros los lá fora: Seja como for, o importante é
te fora, uma maratona com os DJ agenda Primavera/Verão, que trará comunitários, mas também é o que que as alterações sejam rápidas
Rodrigo Affreixo, André Tentúgal ao Porto, por exemplo, o coreógrafo a trincheira da luta contra as — o standby não é bom para a
e Pedro Tudela. Ainda em Janeiro, burquinabês Salia Sanou, com Désir propinas. instituição nem para os seus
chegam ao TMP o novo espectáculo d’Horizon, e o encenador sul-afri- parceiros. I.N.
da Mala Voadora, Amazónia (26 e cano Brett Bailey, com Sanctuary, inadais@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

30 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

CULTURA

Aires Mateus desenharam para


Toulouse a entrada de um museu
que é a porta de um convento Breves
CORTESIA: ATELIER AIRES MATEUS
frades agostinhos está um metro e
Arquitectura meio abaixo do nível da praça frente Assédio
Lucinda Canelas ao museu. Para compensar este des-
nível, os Aires Mateus criaram nesta
Feministas francesas
Arquitectos portugueses entrada uma série de pendentes su- respondem a carta
ganham concurso para a aves, permitindo, mesmo a pessoas
com problemas de mobilidade, ace-
aberta de Deneuve
extensão do Museu dos der ao conjunto usando o percurso Várias feministas francesas
Agostinhos. Obra deverá regular do visitante. responderam ontem, num
estar concluída em 2020 texto do site Franceinfotv,
Uma cidade sem pedra à carta aberta publicada no
Os Aires Mateus não querem ser es- Este projecto de Toulouse, pequeno Le Monde no dia anterior
pecialistas em coisa nenhuma, nem quando comparado com o que os Ai- por várias personalidades,
mesmo em museus e centros de cria- res Mateus conceberam para outra entre as quais Catherine
ção (já os desenharam para Tours e cidade francesa, Tours — o Centro Deneuve, onde classificavam
Lausanne, por exemplo). Mas sempre de Criação Contemporânea Olivier o movimento #MeToo como
que um dos seus projectos é escolhi- Debré —, não foi, apesar da óbvia uma espécie de “puritanismo”.
do por um organismo ligado à arte diferença de escalas, menos desa- “Assim que a igualdade
e à cultura, Francisco Aires Mateus fiante. “Depositar esta pedra num avança um milímetro sequer,
fica “muito satisfeito”: “São espaços conjunto que tem centenas de anos almas bondosas alertam-nos
que se abrem à discussão e que ge- e que a história foi reconfigurando, imediatamente para o facto
ram sempre debates interessantes de com a responsabilidade de, através de que arriscamos cair em
ideias, sobretudo quando envolvem dela, criar uma outra relação entre excesso”, diz o texto assinado
trabalhar com pré-existências, como a cidade e o museu foi muito estimu- por 30 activistas e que tem
é o caso.” Desta vez o caso é o do Mu- lante.” É precisamente da zona de como primeira subscritora a
seu dos Agostinhos, na cidade fran- Tours que vem a pedra escolhida — feminista Caroline De Haas,
cesa de Toulouse, o último concurso calcário branco de Tercé — para criar alertando que todos os
internacional que os dois arquitectos este módulo de entrada, que acabou dias em França acontecem
portugueses — os irmãos Francisco e por ocupar, sem que isso fosse uma “centenas” de casos de
Manuel Aires Mateus (Prémio Pessoa preocupação dos arquitectos, o espa- assédio sexual e violação.
2017) — ganharam, em Dezembro. ço que antes pertenceu à Capela do
Depois de concluída a obra, o que Ecce Homo, destruída no contexto de
deverá acontecer até ao início de uma reorganização urbana. Livros
2020, este museu francês, que reú-
ne escultura e pintura desde a época
“A entrada é como uma pedra que
pousámos ali e cujo interior escul-
Obra reúne crónicas e
medieval até ao século XIX, instalado pimos. O espaço que ali nascer será reportagens do poeta
num convento fundado no séc. XIV e
que foi sujeito já a inúmeras interven-
conquistado à pedra”, acrescenta
Francisco. E será de leitura simples:
Herberto Helder
ções, passará a ter uma nova entrada “Se hoje é construído como entrada, Uma faceta menos conhecida
que na prática completa o claustro, amanhã poderá ser outra coisa. Esta de Herberto Helder, a de
peça central de todo o complexo. possibilidade é importante, porque repórter em Angola, no
“Este corpo que desenhámos, que estamos a trabalhar num edifício que semanário Notícia, motiva
é uma espécie de pedra de soleira tem uma leitura histórica longa. O a obra Em Minúsculas, que
que convida as pessoas a entrarem, que criámos não tem tempo. É sim- reúne crónicas e reportagens
é a peça que faltava para fechar o ples, sereno. É uma forma arquetipal, realizadas pelo poeta, a editar
conjunto”, diz ao PÚBLICO Francis- reconhecível. As pessoas saberão que em Março, divulgou ontem a
co Aires Mateus, garantindo que não aquele é um espaço para usar, para Porto Editora. Este livro resulta
havia, da parte do museu, qualquer Os arquitectos viver.” Na zona que conceberam para da investigação, transcrição,
pressão para que tal acontecesse. quiseram criar que se concentrem os que esperam revisão e selecção de textos
“Sabíamos que tínhamos de usar o um espaço uma visita guiada torna-se evidente por Daniel Oliveira, filho do
espaço entalado entre os dois corpos “simples” e o contraste entre a pedra de Tercé e escritor, Diana Pimentel e
do edifício, mas tínhamos alguma li- “sereno” o tijolo que cobre as paredes exterio- Raquel Gonçalves, e reúne
berdade. Sabíamos que o projecto res do antigo convento. A região de o trabalho jornalístico de
devia criar um espaço de acolhimen- Toulouse, explica ainda o arquitecto Herberto Helder (1930-2015),
to para os visitantes, em que houves- português, não tem pedra e é por is- realizado em Angola entre
se as valências habituais da entrada so que, historicamente, os edifícios Abril de 1971 e Junho de 1972,
de um museu: a bilheteira, uma área da cidade usam o tijolo: “Quando se que assinou como Herberto
para reunir grupos antes das visitas passeia pela cidade, percebe-se lo- Helder e Luís Bernardo.
guiadas. E foi isso que fizemos.” go que as paredes dos grandes edi- Entre as novidades da editora
Nesta entrada, explica, cabe tam- fícios são de tijolo, mas as entradas está também a novela gráfica
bém uma livraria, isto sem sacrificar preparando-se para entrar num edifí- “Outra coisa que tínhamos de re- em pedra. Nós quisemos manter esse O Velho e o Mar, de Thierry
um certo vazio que permite às pesso- cio que foi concebido para o silêncio, solver era o problema das acessibili- contraste.” Murat, a partir do romance
as deambularem, espreitando pelas mas que já não funciona como con- dades”, diz o arquitecto, lembrando homónimo de Hemingway.
aberturas que dão para o claustro e vento desde o final do século XVIII. que o claustro desta antiga casa dos lcanelas@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

As notícias, as histórias e
os números de todo o país
O PÚBLICO e vários jornais regionais
dão-lhe a informação de que precisa
para compreender o país
cidades.publico.pt

A verdade
é um bem
público
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Redacção do Público - Doca de Alcântara Norte - Lisboa


Centro Comercial Colombo junto à Praça Central
+10,90
NAS LOJAS

Online: loja.publico.pt COM O PÚBLICO

Redescubra a mais famosa anti-heroína do universo DC como nunca a imaginou.


R colecção do PÚBLICO, Harley Quinn deixa Joker e o seu passado para trás
Nesta
para se tornar a heroína da sua nova cidade. Uma viagem louca e inesperada criada
por alguns dos mais famosos autores de BD da actualidade.

3 volumes exclusivos e inéditos em português numa edição de capa dura.

Não perca este livro exclusivo e inédito em português,


em versão de capa dura, com o Público.

Colecção de 3 livros. PVP unitário: 10,90€. Preço total da colecção: 32,70€. Periodicidade semanal às Quintas-feiras. De 14 de Dezembro a 28 de Dezembro de 2017. Limitado ao stock existente. TM & © 2017 DC Comics. All Rights Reserved.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público Classificados • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 33

Imobiliário EMPREGO
Vende-se
INSCREVA-SE EM EM PARCERIA COM
RESTAURANTE
SNACK-BAR -
400m2 c/Moradia e
A PORTA PARA O MERCADO DE TRABALHO EMPREGO.PUBLICO.PT
terreno. Nac.115, TRIBUNAL JUDICIAL
Óbidos. 355.000€
Telm.: 916 690 428
DA COMARCA DE
LISBOA OESTE
Juízo Local Cível de Oeiras
COMPRO PRÉDIOS VELHOS
Mensagens
Juiz 4
Processo: 5627/17.9T8OER OU TERRENOS EM LISBOA
ANÚNCIO

ANNE THERAPY -
Interdição / Inabilitação
Requerente: Ministério Pú- CAMPANHA RECONSTRUIR - ANGARIAÇÃO DE FUNDOS Preferência nas zonas de - Ajuda - Belém - Algés
Consultório de Massa-
blico
Requerido: Marcelo Gomes
Ao abrigo do Decreto-Lei 87/99, de 16.03., Bolas - Máquinas e
- e linha de Cascais.
Teixeira
gens de Relaxamento. Faz-se saber que foi distri- Ferramentas de Qualidade, S.A., NIF 500 243 425, autorizada
Tema:"The most beauti- buída neste tribunal, a ação
de Interdição / Inabilitação pela SGMAI, declara que a campanha solidária em título SÓ trato com o proprietário e pago a pronto.
ful movements of touch em que é requerido Marcelo
Gomes Teixeira, com resi- angariou no período de 30 de Dezembro 2017 a 05 de Janeiro
produced by the mind."
Telm.: 918 047 446
dência em domicílio: Rua Ary
dos Santos, n.º 1, r/c D, Vila 2018 a quantia de € 503,20 a favor das seguintes associações: Favor indicar situação dos imóveis, localização, área e preço.
Fria, 2740-023 Porto Salvo,
para efeito de ser decretada • Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande Resposta para: Planeta Alvorada, Lda.
a sua interdição por anomalia
MASSAGEM psíquica.
• Associação de Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em
TANTRICA - Em bom N/ Referência: 110693417 Rua Quinta das Romeiras,
Portugal
ambiente sabe bem. Oeiras, 05-01-2018.
n.º 104, r/chão esquerdo - Miraflores
O Juiz de Direito A campanha esteve em vigor até 31.12.2017 e prevê-se
Lisboa. Dr. Luís Pinto
A Oficial de Justiça disponibilizar a verba total angariada até 15.01.2018. O 1495-236 Algés
www.angelicalspa.com
Telm.: 969 212 744
Estrela Rosinha
Público, 11/01/2018
regulamento da campanha está disponível em www.bolas.pt. planeta.alvorada.lda@gmail.com
TRIBUNAL JUDICIAL TRIBUNAL JUDICIAL DA TRIBUNAL JUDICIAL
DA COMARCA DE COMARCA DE LISBOA DA COMARCA DE
LISBOA OESTE Juízo Local Cível de Almada LISBOA OESTE
Juízo Local Cível de Oeiras Juiz 1 Juízo Local Cível de Sintra
Juiz 2 Processo: 7834/17.5T8ALM Juiz 1
Processo: 5626/17.0T8OER Processo: 201/18.5T8SNT
ANÚNCIO União das Freguesias de Bougado
ANÚNCIO Interdição / Inabilitação ANÚNCIO
Interdição / Inabilitação Requerente: Célia Maria Viola Interdição / Inabilitação
(São Martinho e Santiago)
Requerente: Ministério Público
Requerida: Sílvia Maria Montei-
ro da Costa Campos
Faz-se saber que foi distribuída
Estrelo
Interdida: Maria Irene Viola
Faz saber que foi distribuída
Requerente: Ministério Público
Requerido: António das Neves
Santos
Faz-se saber que foi distribuída
AVISO (EXTRATO) AVISO
neste tribunal, a ação de Inter- neste tribunal, a ação de In- neste tribunal, a ação de Interdição Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 19.º da Portaria n.º 83-A/2009,
dição / Inabilitação em que é
requerida Sílvia Maria Monteiro
terdição / Inabilitação em que
é requerida Maria Irene Viola,
/ Inabilitação em que é requerido
António das Neves Santos, nascido
de 22 de janeiro, alterada pela Portaria 145-A/2011, de 6 de abril, torna-se Faz-se público que através do Aviso n.º
da Costa Campos, nascida em internada presentemente em a 29 de Agosto de 1951, em Santa público que, por despacho do Sr. Presidente da Junta de Freguesia da
27/06/1967, filha de Alfredo
Augusto Miguel da Costa Cam-
domicílio: Lar Granja Luís
Rodrigues - Costas de Cão,
Maria de Belém, Lisboa filho de
Francisco dos Santos e de Fran- União das Freguesias de Bougado (São Martinho e Santiago), concelho 586/2017, publicado no Diário da Repú-
pos e Maria Olga Júlia Montei- celina Rosa das Neves, natural de da Trofa, Sr. Luís Paulo Ferreira de Sousa, se encontra aberto pelo prazo
ro Chã da Costa Campos, com
residência na Alameda Jorge
Monte de Caparica, 2805-000
Almada, para efeito de ser de-
Lisboa, residente Unidade de Cui-
dados Continuados de Algueirão, de 10 dias úteis, a contar da data da publicação do aviso no Diário da blica, II Série, n.º 7, de 10 de janeiro de
Álvares, n.º 13, 3.º esq.º, 2740- cretada a sua interdição por Mem Martins, sita na Rua dos Re- República, procedimento concursal comum para o recrutamento de um
236 Porto Salvo, para efeito de
ser decretada a sua interdição
anomalia psíquica. creios Desportivos do Algueirão, n.º
9, para efeito de ser decretada a sua trabalhador para preenchimento de posto de trabalho, previsto e não 2018, encontra-se aberto, pelo prazo de
N/ Referência: 371496500
por anomalia psíquica. interdição por anomalia psíquica. ocupado no mapa de pessoal da Junta de Freguesia mencionada, con-
N/ Referência: 110693851 Almada, 30-11-2017. N/ Referência: 110739326 forme Aviso n.º 548 publicado no Diário da República, II Série, n.º 6 de 9 10 dias úteis, contados a partir da data
O Juiz de Direito
Oeiras, 05-01-2018. Sintra, 08-01-2018. de janeiro de 2018:
A Juíza de Direito
Dr.ª Cláudia David Alves
Dr. João Manuel P. Cordeiro
Brasão
A Juíza de Direito - 1 (um) posto de trabalho na carreira e categoria de assistente opera- de publicitação em Diário da República,
Marta Rocha Gomes
A Oficial de Justiça A Oficial de Justiça A Oficial de Justiça cional, para o desempenho de funções como cantoneiro e coveiro, na procedimento concursal tendo em vista
Maria Filomena F. Quintas Maria da Graça Lima Sofia Alexandra Fonseca
modalidade de contrato de trabalho em funções públicas por tempo in-
Público, 11/01/2018 Público, 11/01/2018 Público, 11/01/2018
determinado, cujo nível habilitacional exigido é a escolaridade mínima
obrigatória, com possibilidade de substituição do nível habilitacional por
o provimento do seguinte lugar:
formação ou experiência profissional.
União das Freguesia de Bougado (São Martinho e Santiago), 9 de janeiro • 1 Assistente Técnico.
de 2018
O Presidente da Junta de Freguesia da União das Freguesias A Presidente do IGOT-ULisboa
Fundada em 1988 pelo Professor Doutor Carlos Garcia, a Associação de Bougado (São Martinho e Santiago)
Portuguesa de Familiares e Amigos de Doentes de Alzheimer - Luís Paulo Ferreira de Sousa Prof.ª Doutora Maria Lucinda Fonseca
Alzheimer Portugal é uma Instituição Particular de Solidariedade
Social. É a única organização em Portugal, de âmbito nacional,
especificamente constituída para promover a qualidade de vida das
Rua de S. Nicolau, 109 (Espadim)
pessoas com demência e dos seus familiares e cuidadores. Tem cerca
1100-548 Lisboa
de dez mil associados em todo o país. Tel. 21 346 99 50 - Fax 21 343 00 65
Oferece Informação sobre a doença, Formação para cuidadores Tm: 925 005 709
formais e informais, Apoio domiciliário, Apoio Social e Psicológico Email: geral@dobrao.pt
e Consultas Médicas da Especialidade. Metro Baixa Chiado. Saída pela Rua do Crucifixo.
Como membro da Alzheimer Europe, a Alzheimer Portugal participa www.dobrao.pt
ativamente no movimento mundial e europeu sobre as demências, Professor Doutor
procurando reunir e divulgar os conhecimentos mais recentes sobre a
Doença de Alzheimer, promovendo o seu estudo, a investigação das COMPRAMOS/VENDEMOS JOÃO MANUEL RUAS
suas causas, efeitos, profilaxia e tratamentos.
Contactos
Sede: Av. de Ceuta Norte, Lote 15, Piso 3, Quinta do Loureiro, 1300-125 Lisboa
Tel.: 21 361 04 60/8 - E-mail: geral@alzheimerportugal.org
JÓIAS • OURO • PRATAS RIBEIRO DA SILVA
Centro de Dia Prof. Dr. Carlos Garcia: Av. de Ceuta Norte, Lote 1, Loja 1 e 2
Quinta do Loureiro, 1350-410 Lisboa - Tel.: 21 360 93 00 ANTIGAS E MODERNAS FALECEU
Lar, Centro de Dia e Apoio Domiciliário «Casa do Alecrim»: Rua Joaquim Miguel Serra Moura,
n.º 256 - Alapraia, 2765-029 Estoril
Tel. 214 525 145 - E-mail: casadoalecrim@alzheimerportugal.org MOEDAS•NOTAS•RELÓGIOS DE BOLSO Sua Mulher, Filha, Filho e Neto participam o seu falecimen-
to. O velório irá realizar-se hoje, 5.ª feira, a partir das 17
Delegação Norte: Centro de Dia “Memória de Mim” - Rua do Farol Nascente, n.º 47A R/C,
4455-301 Lavra - Tel. 229 260 912 | 226 066 863 - E-mail: geral.norte@alzheimerportugal.org horas nas Capelas Exequiais São João de Deus (Praça de
Delegação Centro: Urb. Casal Galego - Rua Raul Testa Fortunato n.º 17, 3100-523 Pombal Relógios de pulso antigos ou modernos de boas marcas
Tel. 236 219 469 - E-mail: geral.centro@alzheimerportugal.org
Londres). Será celebrada Missa de Corpo Presente ama-
Delegação da Madeira: Avenida do Colégio Militar, Complexo Habitacional da Nazaré, Cave Estimados Clientes, por motivos de obras, nhã, 6.ª feira, pelas 15 horas, seguindo-se o funeral para o
do Bloco 21 - Sala E, 9000-135 FUNCHAL
a partir de dia 19 de Junho, passamos a funcionar Cemitério dos Olivais.
Tel. 291 772 021 - E-mail: geral.madeira@alzheimerportugal.org
Núcleo do Ribatejo: R. Dom Gonçalo da Silveira n.º 31-A, 2080-114 Almeirim
Tel. 24 300 00 87 - E-mail: geral.ribatejo@alzheimerportugal.org
na mesma rua no número 109 (Espadim) Agência Funerária Magno - Sete Rios
Servilusa - Número Verde Grátis 800 204 222
Núcleo de Aveiro: Santa Casa da Misericórdia de Aveiro - Complexo Social da Quinta da Moita Serviço Funerário Permanente 24 Horas
- Oliveirinha, 3810 Aveiro - Tel. 23 494 04 80 - E-mail: geral.aveiro@alzheimeportugal.org AVALIADOR OFICIAL CREDENCIADO PELA CASA DA MOEDA (INCM)
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

34 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

SAIR
à Beira da Estrada M16. 13h20, 16h, 19h,

CINEMAS 21h40, 00h30; O Sacrifício de Um Cervo


Sagrado M16. 17h50
Cinemas Nos Vasco da Gama
Lisboa Parque das Nações. T. 16996
Ferdinando M6. 13h20 (V.Port./2D); Jumanji:
Cinema City Alvalade Bem-Vindos à Selva M12. 13h30, 16h10,
Av. de Roma, nº 100. T. 218413040
Roda Gigante M14. 13h30, 19h55; Star Wars:
Episódio VIII - Os Últimos Jedi M12. 21h20; A
18h50, 21h30, 00h10; Insidious: A
Última Chave M16. 15h50, 18h20, 21h,
23h40; Jogo da Alta Roda M16. 12h40,
Em estreia
lazer@publico.pt
Partir de Uma História Verdadeira M12. 15h40, 18h40, 21h40, 00h30; Um Desastre
17h25; O Grande Showman M12. 13h45, de Artista 21h20, 23h50; A Hora Mais
15h30, 17h50; Jogo da Alta Roda M16. Negra M12. 12h50, 15h30, 18h10, 21h10,
15h45, 18h35, 21h25; A Hora Mais 24h; Tad e o Segredo do Rei Midas M6. 47 Metros de Terror Gabriel Drummer é um militar tempo que tenta descobrir quem
Negra M12. 13h20, 15h50, 18h45, 21h55; Três 13h, 15h20, 17h20, 19h20 (V.Port./2D); Três De Johannes Roberts. Com norte-americano que, após um é o pai da criança, depara-se
Cartazes à Beira da Estrada M16. 12h55, Cartazes à Beira da Estrada M16. 13h10, 16h,
15h10, 19h25, 21h40 19h, 21h50, 00h20
Mandy Moore, Claire Holt, longo período no Afeganistão, com algo perturbador: o homem
Cinema Ideal Medeia Monumental Matthew Modine. EUA/ regressa finalmente a casa. Mas que o criou não é, afinal, do seu
Rua do Loreto, 15/17. T. 210998295 Av. Praia da Vitória, 72. T. 213142223 República Dominicana/GB. o que encontra no seu país é próprio sangue...
Pop Aye M14. 21h35; O Amante de Um O Amante de Um Dia 13h45, 15h45, 17h45, 2017. 89m. Terror. M16. um cenário pós-apocalíptico,
Dia 17h30; O Quadrado 19h; Lucky M14. 21h30; O Meu Belo Sol Interior 19h30; Roda
De férias no México, as irmãs em tudo semelhante ao Tad e o Segredo do Rei Midas
14h10; O Meu Belo Sol Interior 15h45 Gigante M14. 15h30, 17h30, 19h30; Um
CinemaCity Campo Pequeno Desastre de Artista 13h30, 21h30; A Hora Lisa e Kate aceitam fazer um que conheceu no campo de De David Alonso, Enrique Gato.
Centro de Lazer. T. 217981420 Mais Negra M12. 14h, 16h30, 21h30; Três mergulho para observar os batalha. Ao deparar-se com o Com Óscar Barberán (Voz),
Só para Ter a Certeza M12. 13h20, 15h45, Cartazes à Beira da Estrada M16. 14h15, tubarões no seu “habitat“ desaparecimento da mulher Michelle Jenner (Voz), Adriana
17h45, 21h55, 00h10; Um Crime no 16h45, 19h15, 21h45; O Sacrifício de Um
natural, fechadas numa gaiola. e filho, vai procurá-los com Ugarte (Voz). ESP. 2017. 85m.
Expresso do Oriente M12. 22h; Star Wars: Cervo Sagrado M16. 19h
Episódio VIII - Os Últimos Jedi M12. 15h40, Nimas Mas tudo corre terrivelmente a ajuda do melhor amigo. Na Animação, Aventura. M6.
18h40, 23h55; Jumanji: Bem-Vindos Av. 5 Outubro, 42B. T. 213574362 mal. Após uma avaria mecânica, busca, cruzam-se com um Determinado a concretizar
à Selva M12. 13h25, 21h50, 00h20; O Corpo e Alma M16. 13h30, 19h30; a gaiola solta-se e afunda-se a sobrevivente que parece ter o sonho de juventude, o
Grande Showman M12. 13h30, 17h50, Barbara M12. 15h40, 17h30, 21h45 47 metros de profundidade. informações sobre o que terá construtor civil Tad inscreve-se
22h10; Suburbicon M16. 19h45; Insidious: A UCI Cinemas - El Corte Inglés
Última Chave M16. 15h20, 17h40, 20h, 21h40, Av. Ant. Aug. Aguiar, 31. Rodeadas por grandes tubarões acontecido... na universidade para estudar
00h25; Jogo da Alta Roda M16. 13h20, Só para Ter a Certeza M12. 13h45, 16h15, brancos e com oxigénio arqueologia. É então que Sara
16h10, 19h, 21h15, 00h05; Um Desastre de 18h45, 21h25, 24h; O Espírito da Festa M12. suficiente para apenas mais uma Pop Aye Lavroff, uma jovem arqueóloga
Artista 13h35, 15h35, 19h55, 00h30; A Hora 18h50; O Quadrado 18h40; A Casa Torta hora, vão ter de encontrar uma De Kirsten Tan. Com Thaneth por quem Tad morre de
Mais Negra M12. 13h25, 16h, 18h50, 21h40, M12. 23h55; Wonder - Encantador M12.
00h15; Tad e o Segredo do Rei Midas M6. 16h25, 19h05, 21h45; O Meu Belo Sol
forma de escapar... Warakulnukroh, Penpak Sirikul, amores, descobre um dado que
13h35, 15h30, 17h25, 19h20 (V.Port./2D); Três Interior 14h, 16h10, 21h30; Roda Gigante Bong. TAI/SIN. 2017. 104m. comprova a existência de uma
Cartazes à Beira da Estrada M16. 13h40, M14. 14h05, 16h30, 19h, 21h35, 23h55; Star A Hora Mais Negra Drama. M14. gargantilha que pertenceu ao
15h55, 18h30, 21h10, 23h40 Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi M12. De Joe Wright. Com Gary Thana é um arquitecto de meia- lendário rei Midas. Mas as coisas
Cinemas Nos Alvaláxia 13h35, 17h, 21h, 00h10; A Partir de Uma
Estádio José Alvalade. T. 16996 História Verdadeira M12. 13h55, 00h20;
Oldman, Lily James, Kristin idade desiludido com a vida. ficam fora do controlo quando a
Man Down - A Guerra M16. 13h15, 15h40, Jumanji: Bem-Vindos à Selva M12. 14h, Scott Thomas, Stephen Dillane. Certo dia, enquanto deambula rapariga é raptada.
18h, 21h25; 47 Metros de Terror M16. 19h05, 00h20; O Grande Showman M12. GB. 2017. 125m. Drama. M12. pelas ruas de Banguecoque
14h10, 16h50, 19h20, 21h50; Um Crime 14h10, 16h40, 19h10, 21h35, 24h; Suburbicon Ano de 1940. A Alemanha nazi (Tailândia), depara-se com o Três Cartazes à Beira da
no Expresso do Oriente M12. 21h; O M16. 13h30, 16h10, 21h55, 00h25; A
ganha território e poder sobre as elefante domesticado que o Estrada
Fim da Inocência M16. 22h; Wonder - Promessa 21h05, 00h05; Jogo da Alta Roda
Encantador M12. 13h30, 16h40, 19h10, M16. 14h30, 18h, 21h10, 00h15; Um Desastre forças aliadas. Winston Churchill acompanhou na juventude. De Martin McDonagh. Com
21h45; Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos de Artista 14h10, 16h25, 18h55, 21h25, 00h05 é um estadista brilhante que, Num momento irreflectido, Frances McDormand, Woody
Jedi M12. 13h40, 17h, 21h20; Ferdinando M6. Preciso Casar Contigo Pá! M12. 16h35, 21h50 a 10 de Maio desse ano, se vê resolve comprá-lo ao novo dono. Harrelson, Sam Rockwell,
13h50, 16h20, 18h55 (V.Port./2D); Jumanji: A Hora Mais Negra M12. 13h55, 16h35, 19h15, nomeado de urgência para o É então que toma uma decisão Woody Harrelson, Abbie
Bem-Vindos à Selva M12. 13h10, 15h50, 21h50, 00h25; Tad e o Segredo do Rei Midas
18h30, 21h10; O Grande Showman M12. M6. 13h50, 16h, 18h (V.Port./2D); Três cargo de primeiro-ministro que mudará radicalmente a sua Cornish, Lucas Hedges. GB/
13h35, 16h, 21h15; Insidious: A Última Cartazes à Beira da Estrada M16. 14h05, britânico. Poucos dias depois da vida... EUA. 2017. 115m. Drama. M16.
Chave M16. 14h, 16h30, 19h, 21h40; Jogo da 16h40, 19h10, 21h40, 00h10; O Sacrifício de tomada de posse, depara-se com Passaram-se sete meses sobre
Alta Roda M16. 13h45, 17h10, 20h45; Preciso Um Cervo Sagrado M16. 13h40, 16h20, 19h, a maior e mais difícil decisão da Só para Ter a Certeza o brutal assassinato da filha de
Casar Contigo Pá! M12. 18h40; A Hora Mais 21h45, 00h20
Negra M12. 14h20, 17h20, 21h35; Tad e o
sua vida: aceitar um tratado de De Carine Tardieu. Com Mildred Hayes. Inconformada
Segredo do Rei Midas M6. 13h20, 15h30, paz com a Alemanha ou declarar François Damiens, Cécile De com a actuação das autoridades,
Almada France, Guy Marchand. FRA/ que parecem pouco
17h40 (V.Port./2D); Três Cartazes à Beira da guerra...
Estrada M16. 13h25, 16h10, 18h50, 21h30 Cinemas Nos Almada Fórum BEL. 2017. 100m. Comédia empenhadas em encontrar
Cinemas Nos Amoreiras Estr. Caminho Municipal, 1011. T. 16996
Man Down - A Guerra Dramática. M12. o culpado, Mildred resolve
Av. Eng. Duarte Pacheco. T. 16996 Só para Ter a Certeza M12. 13h20, 16h10,
Só para Ter a Certeza M12. 13h10, 15h40, 18h45, 21h10, 23h40; 47 Metros de De Dito Montiel. Com Kate Para seu grande desgosto e chamar a atenção para o caso
18h20, 21h50, 00h15; Ferdinando M6. Terror M16. 13h, 15h15, 17h25, 19h45, Mara, Shia LaBeouf, Jai preocupação, Erwan, um viúvo alugando três cartazes à entrada
13h30, 16h, 18h40 (V.Port./2D); O Grande 22h, 00h20; Coco M6. 13h30, 16h30 Courtney, Gary Oldman. EUA. que ganha a vida a desactivar da cidade de Ebbing, em que
Showman M12. 12h50, 15h20, 20h50, (V.Port./2D); Wonder - Encantador M12.
2015. 92m. Drama, Thriller, bombas, descobre que Juliette, questiona a competência do
23h20; Suburbicon M16. 21h10, 23h50; Jogo 21h15, 23h55; Star Wars: Episódio VIII - Os
da Alta Roda M16. 14h, 17h20, 21h, 24h; Um Últimos Jedi M12. Sala 4DX - 12h30, 15h30, Guerra. M16. a filha, está grávida. Ao mesmo chefe de polícia.
Desastre de Artista 13h40, 16h20, 19h, 18h30, 21h30, 00h30 (3D); Ferdinando M6.
21h30, 24h; A Hora Mais Negra M12. 13h, 13h, 15h50, 18h40 (V.Port./2D); Jumanji: Bem-
15h50, 18h30, 21h20, 00h10; Três Cartazes Vindos à Selva M12. 13h10, 16h, 18h50, 21h40,
à Beira da Estrada M16. 13h20, 16h10, 18h50, 00h25; O Grande Showman M12. 12h45,
21h40, 00h20; O Sacrifício de Um Cervo 15h35, 18h, 20h45, 23h20; Suburbicon M16.
Sagrado M16. 18h 19h, 21h45, 00h25; Insidious: A Última
Cinemas Nos Colombo Chave M16. 13h10, 15h40, 18h10, 21h,
Av. Lusíada. T. 16996 23h30; Jogo da Alta Roda M16. 12h25,
47 Metros de Terror M16. 13h, 15h40, 15h25, 18h25, 21h25, 00h25; Um Desastre de
18h20, 21h50, 00h10; Star Wars: Episódio Artista 13h40, 16h20, 21h55, 00h30 ; Preciso
VIII - Os Últimos Jedi M12. Sala Imax ? Casar Contigo Pá! M12. 19h10; A Hora Mais
13h40, 17h30, 21h, 00h20; Ferdinando M6. Negra M12. 12h55, 15h45, 18h35, 21h35,
13h35 (V.Port./2D); Jumanji: Bem-Vindos 00h25; Tad e o Segredo do Rei Midas M6.
à Selva M12. 12h50, 15h30, 18h30, 21h20, 12h40, 15h20, 17h30, 19h40 (V.Port./2D); Três
00h15; O Grande Showman M12. 12h40, Cartazes à Beira da Estrada M16. 12h50,
15h10, 20h40, 23h20; Insidious: A 15h30, 18h15, 21h20, 24h; O Sacrifício de Um Três Cartazes
Última Chave M16. 13h30, 16h10, 21h10, Cervo Sagrado M16. 21h50, 00h30 à Beira da Estrada
23h40; Jogo da Alta Roda M16. 16h30,
20h50, 24h; Preciso Casar Contigo
Pá! M12. 18h50; A Hora Mais Negra M12.
Amadora
12h55, 15h50, 18h40, 21h30, 00h25; Tad CinemaCity Alegro Alfragide
e o Segredo do Rei Midas M6. 13h10, C.C. Alegro Alfragide. T. 214221030
15h20, 17h40 (V.Port./2D); Três Cartazes 47 Metros de Terror M16. 13h35,
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 35

SAIR
15h35, 17h55, 21h50, 00h15; O Fim 21h10; Tad e o Segredo do Rei Midas M6. 21h10; Ferdinando M6. 14h20, 16h40,
da Inocência M16. 24h; Wonder -
Encantador M12. 13h05, 19h30; Star Wars: AS ESTRELAS Jorge
Mourinha
Luís M.
Oliveira
Vasco
Câmara
15h, 17h, 19h (V.Port./2D) 19h (V.Port./2D); Jumanji: Bem-Vindos
à Selva M12. 14h, 16h30, 21h30 (2D),
Episódio VIII - Os Últimos Jedi M12. 15h20,
18h20, 21h20; Ferdinando M6. 17h50
DO PÚBLICO Torres Novas 19h (3D); O Grande Showman M12.
15h50; Suburbicon M16. 21h40; Insidious:
(V.Port./2D); Um Ritmo Perfeito 3 M12. Castello Lopes - TorreShopping A Última Chave M16. 15h20, 17h30, 19h40,
13h25; Jumanji: Bem-Vindos à Selva M12. Bairro Nicho - Ponte Nova. T. 249830752 21h50; Jogo da Alta Roda M16. 18h30,
13h40, 16h10, 18h40, 21h30, 00h10; O Jumanji: Bem-Vindos à Selva M12. 21h20; Preciso Casar Contigo Pá! M12.
Grande Showman M12. 17h50, 19h55, 22h,
Barbara mmmmm mmmmm mmmmm 15h40, 21h15; O Grande Showman M12. 16h30; A Hora Mais Negra M12. 16h10, 18h50,
00h20; Suburbicon M16. 00h25; Insidious: O Amante de um Dia – mmmmm mmmmm 18h30; Jogo da Alta Roda M16. 13h, 21h30; Tad e o Segredo do Rei Midas M6.
A Última Chave M16. 13h10, 17h25, 15h30, 15h40, 18h20, 21h10; Um Desastre de 15h40, 17h40, 19h40 (V.Port./2D); Três
21h45, 00h05; Jogo da Alta Roda M16. Um Belo Sol Interior mmmmm mmmmm mmmmm Artista 13h20, 15h35, 18h15, 21h20 Cartazes à Beira da Estrada M16. 14h10,
13h10, 16h, 18h50, 21h15, 00h05; Um 16h40, 19h10, 21h40; O Sacrifício de Um
Um Desastre de Artista mmmmm – mmmmm
Desastre de Artista 13h35, 15h40, 19h45, Cervo Sagrado M16. 21h20
Torres Vedras
22h10, 00h30; A Hora Mais Negra M12. A Hora Mais Negra mmmmm – –
13h40, 16h15, 19h, 21h40, 00h15; Tad e o Cinemas Nos Torres Vedras
Jogo da Alta Roda mmmmm – mmmmm
Segredo do Rei Midas M6. 13h55, 15h50,
17h45, 19h40 (V.Port./2D); Três Cartazes à
Beira da Estrada M16. 13h30, 15h55, 18h30,
Uma Mulher Fantástica mmmmm – mmmmm
C.C. Arena Shopping. T. 16996
Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos
Jedi M12. 17h45, 20h45; Ferdinando M6.
TEATRO
21h10, 23h40 O Sacrifício de um Cervo Sagrado – mmmmm mmmmm 12h45, 15h15 (V.Port./2D); Jumanji: Bem-
Lisboa
UCI Dolce Vita Tejo Vindos à Selva M12. 13h10, 15h50, 18h30,
Estrada Nacional 249/1, Venteira. Pop Aye mmmmm – – 21h40; Insidious: A Última Chave M16. Culturgest
Coco M6. 16h15 (V.Port./2D); A Estrela de Roda Gigante mmmmm – mmmmm 13h45, 16h15, 18h45, 21h30; Jogo da Rua Arco do Cego - CGD. T. 217905155
Natal 13h45 (V.Port./2D); Paddington 2 M6. Alta Roda M16. 21h15; Tad e o Segredo Agora Nós os Dois De Georges Bernanos (a
13h30 (V.Port./2D); Star Wars: Episódio Suburbicon mmmmm – mmmmm do Rei Midas M6. 13h, 15h, 17h, 19h partir de). Enc. Jonathan Capdevielle. De 11/1
VIII - Os Últimos Jedi M12. 14h, 17h30, (V.Port./2D); Três Cartazes à Beira da a 12/1. 5ª e 6ª às 20h30. M/14. Duração: 3h.
21h; Ferdinando M6. 13h45, 16h20, 18h45, Três Cartazes à Beira da Estrada mmmmm mmmmm mmmmm Estrada M16. 12h50, 15h30, 18h15, 21h Maria Matos Teatro Municipal
21h15 (V.Port./2D); Um Ritmo Perfeito a Mau mmmmm Medíocre mmmmm Razoável mmmmm Bom mmmmm Muito Bom mmmmm Excelente Av. Frei Miguel Contreiras, 52. T. 218438801
3 M12. 21h20; Jumanji: Bem-Vindos à Chego Sempre Atrasada aos Funerais
Selva M12. 13h45, 16h20, 19h, 21h40; O
Santarém Importantes De Catarina Vieira. De 11/1 a
Grande Showman M12. 16h35, 19h05, Quinta da Beloura II, Linhó. T. 219247643 do Rei Midas M6. 15h20, 17h20, 19h20 Castello Lopes - Santarém 14/1. 5ª a Sáb às 21h30. Dom às 18h30.
21h30; Suburbicon M16. 19h; Insidious: Só para Ter a Certeza M12. 15h35, 17h35, (V.Port./2D); O Sacrifício de Um Cervo Largo Cândido dos Reis. T. 243309340 Teatro Aberto
A Última Chave M16. 14h25, 16h50, 21h35; Roda Gigante M14. 19h35; Star Wars: Sagrado M16. 21h20 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Praça de Espanha. T. 213880089
19h25, 21h50; Jogo da Alta Roda M16. Episódio VIII - Os Últimos Jedi M12. 18h20, Jedi M12. 15h, 18h10, 21h20; Jumanji: Bem- Noite Viva De Conor McPherson. Enc.
14h20, 17h30, 21h20; Um Desastre de 21h20; Jumanji: Bem-Vindos à Selva M12. Vindos à Selva M12. 16h20, 18h50, 21h30; O João Lourenço. Com Anna Eremin, Bruno
Artista 16h40, 19h10, 21h45; Preciso Casar 15h45; O Grande Showman M12. 17h45,
Loures Grande Showman M12. 16h, 18h40, Bernardo, Filipe Vargas, Rui Mendes e Vítor
Contigo Pá! M12. 14h10, 21h45; A Hora Mais 19h50, 21h55; Suburbicon M16. 21h25; Jogo Cineplace - Loures Shopping 21h40; Insidious: A Última Chave M16. Norte. De 20/12 a 11/3. 4ª a Sáb às 21h30.
Negra M12. 13h30, 16h15, 19h, 21h40; Tad da Alta Roda M16. 15h40, 18h30, 21h15; Um Quinta do Infantado, Loja A003. 15h30, 18h20, 21h; Insidious: A Última Dom às 16h (Sala Azul). M/16.
e o Segredo do Rei Midas M6. 14h, 16h30, Desastre de Artista 15h30, 17h50, 47 Metros de Terror M16. 17h50, 19h50, Chave M16. 15h30, 21h; A Hora Mais Teatro Armando Cortez
19h10 (V.Port./2D); Três Cartazes à Beira da 22h; Preciso Casar Contigo Pá! M12. 15h20, 21h50; Coco M6. 14h30, 16h50; A Estrela de Negra M12. 15h50, 18h30, 21h10; Tad e o Estrada da Pontinha, 7. T. 217110890
Estrada M16. 13h50, 16h40, 19h20, 21h50 20h10; A Hora Mais Negra M12. 16h, 18h40, Natal 15h50 (V.Port./2D); Paddington 2 M6. Segredo do Rei Midas M6. 15h10, 17h15, O Último Dia de Um Condenado Enc. Paulo
21h40; Tad e o Segredo do Rei Midas M6. 16h20 (V.Port./2D); Star Wars: Episódio VIII - 19h20 (V.Port./2D); O Sacrifício de Um Sousa Costa. Com Virgílio Castelo. De 7/12 a
15h40, 17h35, 19h30 (V.Port./2D); Três Os Últimos Jedi M12. 21h10; Ferdinando M6. Cervo Sagrado M16. 21h15 28/1. 5ª a Sáb às 21h30. Dom às 18h.
Cascais Cartazes à Beira da Estrada M16. 15h55, 14h10, 16h30 (2D), 18h50 (3D); Jumanji: Teatro da Trindade
Cinemas Nos CascaiShopping 18h50, 21h30 Bem-Vindos à Selva M12. 19h10, 21h40; O Largo da Trindade, 7A. T. 213420000
CascaiShopping-EN 9. T. 16996 Castello Lopes - Fórum Sintra Grande Showman M12. 19h; Jogo da Alta
Setúbal 150 Milhões de Escravos Teatro da Trindade
Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Loja 2.21 - Alto do Forte. T. 219184352 Roda M16. 16h10, 21h20; Um Desastre de Auditório Charlot INATEL e Teatro da Terra. Enc. Maria João
Jedi M12. 22h30; Ferdinando M6. 13h10, 47 Metros de Terror M16. 14h, 16h, 18h, 20h, Artista 21h40; A Hora Mais Negra M12. Av. Dr. António Manuel Gamito, 11. Luís. De 11/1 a 28/1. 4ª a Sáb às 21h30. Dom às
15h40 (V.Port./2D); Jumanji: Bem-Vindos 22h; Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos 18h50, 21h30; Tad e o Segredo do Rei T. 265522446 16h30. Pedro Tochas: Descobrimentos
à Selva M12. 12h40, 15h30, 18h30, 21h30, Jedi M12. 15h30, 18h30; Jumanji: Bem- Midas M6. 13h40, 15h40, 17h40, 19h40 A Liberdade do Diabo M12. 18h; A Hora Mais De 4/1 a 27/1. 5ª a Sáb às 21h45.
00h20; O Grande Showman M12. 18h40, Vindos à Selva M12. 15h40, 18h30, 21h45; O (V.Port./2D); Três Cartazes à Beira da Negra M12. 21h30 Teatro Municipal São Luiz
21h, 23h30; Insidious: A Última Chave M16. Grande Showman M12. 21h10; Insidious: Estrada M16. 14h, 16h30, 19h, 21h30 Cinema City Alegro Setúbal R. António Maria Cardoso, 38. T. 213257650
13h20, 15h50, 18h10, 20h55, 23h20; Jogo A Última Chave M16. 15h40, 18h40, C. C. Alegro Setúbal. T. 265239853 Actores Enc. Marco Martins. Com Bruno
da Alta Roda M16. 12h25, 15h20, 18h20, 21h15; Jogo da Alta Roda M16. 21h30; A Hora 47 Metros de Terror M16. 13h45, 15h35, 17h40, Nogueira, Carolina Amaral, Miguel
21h20, 00h20; A Hora Mais Negra M12. Mais Negra M12. 15h20, 18h20, 21h20; Tad
Montijo 19h30, 21h50, 00h30; Star Wars: Episódio Guilherme, Nuno Lopes, Rita Cabaço. De
12h25, 15h10, 18h, 20h45, 23h35; Tad e e o Segredo do Rei Midas M6. 15h10, 17h10, Cinemas Nos Fórum Montijo VIII - Os Últimos Jedi M12. 13h10, 16h10, 19h10, 11/1 a 28/1. 4ª a Sáb às 21h. Dom às 17h30.
o Segredo do Rei Midas M6. 12h50, 15h, 19h10 (V.Port./2D); Três Cartazes à Beira da C. C. Fórum Montijo. T. 16996 21h10, 00h10; Um Ritmo Perfeito 3 M12. Teatro Nacional D. Maria II
17h10, 19h15 (V.Port./2D); Três Cartazes à Estrada M16. 15h50, 18h40, 21h40 47 Metros de Terror M16. 21h40; 47 Metros 22h10; Jumanji: Bem-Vindos à Selva M12. Praça Dom Pedro IV. T. 800213250
Beira da Estrada M16. 12h30, 15h05, 17h50, de Terror M16. 13h15, 15h55, 18h10; Star 13h15, 15h45, 19h, 21h30, 00h05; O Grande Jornalismo Amadorismo Hipnotismo Enc.
21h10, 23h50; Star Wars: Episódio VIII - Os Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi M12. Showman M12. 13h25, 15h30, 17h50, 22h, Rui Catalão. De 11/1 a 21/1. 4ª às 19h30. 5ª a
Últimos Jedi M12. Sala IMAX ? 13h, 16h20,
Leiria 21h; Jumanji: Bem-Vindos à Selva M12. 00h20; Suburbicon M16. 00h30; Insidious: Sáb às 21h30. Dom às 16h30 (Sala Estúdio).
20h30, 23h45 (3D) Cinema City Leiria 13h, 15h40, 18h20, 21h10; O Grande A Última Chave M16. 13h35, 15h40, 17h45, Teatro Taborda
O Cinema da Villa - Cascais Rua Dr. Virgílio Vieira Cunha. T. 244845071 Showman M12. 13h20, 16h, 18h30, 19h50, 21h55, 00h15; Jogo da Alta Roda M16. Rua da Costa do Castelo, 75. T. 218854190
Avenida Dom Pedro I, Lote 1/2. T. 215887311 47 Metros de Terror M16. 15h50, 17h50, 21h15; Jogo da Alta Roda M16. 12h20, 15h20, 23h50; Jogo da Alta Roda M16. 13h10, 16h, A Vida Como Ela É Enc. Carlos J. Pessoa.
Só para Ter a Certeza M12. 14h30, 19h50, 21h50; Star Wars: Episódio 18h20, 21h20; A Hora Mais Negra M12. 18h50, 21h40; Preciso Casar Contigo Pá! M12. De 11/1 a 21/1. 5ª a Dom às 21h30. M/16.
16h40, 19h, 21h20; O Meu Belo Sol VIII - Os Últimos Jedi M12. 15h20, 13h05, 15h50, 18h35, 21h30; Tad e o 20h10; A Hora Mais Negra M12. 13h25, 16h,
Interior 16h40; Ferdinando M6. 14h, 16h30 21h10; Ferdinando M6. 15h30, 17h50 Segredo do Rei Midas M6. 13h10, 16h10, 18h40, 21h20, 23h55; Tad e o Segredo do
(V.Port./2D); O Grande Showman M12.
19h; Suburbicon M16. 21h20; Jogo da Alta
Roda M16. 13h50, 18h45, 21h35; A Hora Mais
(V.Port./2D); Jumanji: Bem-Vindos à
Selva M12. 16h, 18h30, 21h35; O Grande
Showman M12. 19h45, 22h10; Insidious:
18h15 (V.Port./2D) Rei Midas M6. 13h55, 15h50, 17h45, 19h40
(V.Port./2D); Três Cartazes à Beira da
Estrada M16. 13h40, 15h55, 18h30, 21h35, 24h
MÚSICA
Negra M12. 13h50, 16h20, 19h, 21h35; Três A Última Chave M16. 15h25, 17h40,
Odivelas
Cartazes à Beira da Estrada M16. 14h10, 21h40; Jogo da Alta Roda M16. 18h20, Cinemas Nos Odivelas Parque
Lisboa
16h40, 19h10, 21h40 21h15; Tad e o Segredo do Rei Midas M6. C. C. Odivelasparque. T. 16996
Faro Hot Clube de Portugal
15h40, 17h35, 19h30 (V.Port./2D); Três 47 Metros de Terror M16. 13h30, 16h, Cinemas Nos Fórum Algarve Praça da Alegria, 48. T. 213619740
Cartazes à Beira da Estrada M16. 16h10, 18h30, 21h30; Wonder - Encantador M12. C. C. Fórum Algarve. T. 289887212 Laurent Filipe & The Song Band
Caldas da Rainha 18h40, 21h30 21h20; Star Wars: Episódio VIII - Os 47 Metros de Terror M16. 13h20, 15h25, De 11/1 a 13/1. 5ª a Sáb às 22h30 e 24h.
Cineplace - Caldas da Rainha Cineplace - Leiria Shopping Últimos Jedi M12. 14h20, 17h30, 17h30, 19h35, 21h40, 23h55; Jumanji: Lux Frágil
La Vie Caldas da Rainha Shopping Center. CC Leiria Shopping, IC2. T. 244826516 20h40; Ferdinando M6. 13h15, 15h40, Bem-Vindos à Selva M12. 123h50, 15h45, Av. Infante D. Henrique. T. 218820890
Coco M6. 14h30 (V.Port./2D); Wonder 47 Metros de Terror M16. 15h50, 18h15 (V.Port./2D); Jumanji: Bem-Vindos à 18h20, 21h, 23h50; Jogo da Alta Roda M16. Francesco Tristano + Diana Oliveira & Inês
- Encantador M12. 21h40; Star Wars: 17h50, 19h50, 21h50; Coco M6. 15h50 Selva M12. 13h, 15h30, 18h, 20h50; Jogo da 12h40, 15h35, 18h30, 21h30; Um Desastre Duarte Dia 11/1 às 23h45.
Episódio VIII - Os Últimos Jedi M12. (V.Port./2D); A Estrela de Natal 14h10 Alta Roda M16. 21h; Tad e o Segredo do Rei de Artista 21h20, 00h25; Tad e o Segredo
21h20; Ferdinando M6. 14h40, 17h (V.Port./2D); Star Wars: Episódio Midas M6. 13h, 15h, 17h, 19h (V.Port./2D) do Rei Midas M6. 13h10, 15h15, 17h20,
(V.Port./2D), 19h20 (V.Port./3D); Jumanji:
Bem-Vindos à Selva M12. 14h, 16h30, 19h,
21h30; O Grande Showman M12. 16h50,
VIII - Os Últimos Jedi M12. 18h10
(3D), 21h10 (2D); Ferdinando M6.
14h50, 17h10 (V.Port./2D), 19h30
Miraflores
19h20 (V.Port./2D); Três Cartazes à Beira da
Estrada M16. 13h, 15h55, 18h40, 21h10, 23h45 DANÇA
19h10, 21h40; Jogo da Alta Roda M16. (V.Port./3D); Ferdinando M6. 14h50, Cinemas Nos Dolce Vita Miraflores
18h30, 21h20; Tad e o Segredo do Rei 17h10 (V.Port./2D); Um Ritmo Perfeito Av. das Túlipas. T. 707 CINEMA
Albufeira Lisboa
Midas M6. 15h20, 17h20, 19h20 (V.Port./2D) 3 M12. 21h50; Jumanji: Bem-Vindos à Star Wars: Episódio VIII - Os Cineplace - AlgarveShopping Teatro da Trindade
Selva M12. 14h10, 16h40, 21h40 (2D), Últimos Jedi M12. 14h50, 18h20, Estrada Nacional 125 - Vale Verde. Largo da Trindade, 7A. T. 213420000
19h10 (3D); O Grande Showman M12. 14h, 21h50; Ferdinando M6. 15h20, 17h50 47 Metros de Terror M16. 18h; Coco M6. Conversas de Corpo Coreog. Clara
Sintra 16h20 (V.Port./2D); Jogo da Alta Roda M16. (V.Port./2D); Jumanji: Bem-Vindos à 15h40, 20h, 22h; A Estrela de Natal 14h30 Bevilaqua e Guilherme Calegari. De 11/1 a
Cinema City Beloura 18h40, 21h30; A Hora Mais Negra M12. Selva M12. 21h20; O Grande Showman M12. (V.Port./2D); Star Wars: Episódio 31/3. 5ª e 6ª às 10h30 (escolas). Sáb às 11h e
Beloura Shopping, R. Matos Cruzadas, EN 9, 16h10, 18h50, 21h30; Tad e o Segredo 21h30; Jogo da Alta Roda M16. 15h10, 18h10, VIII - Os Últimos Jedi M12. 18h10, 16h30. Para crianças até aos 3 anos.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

36 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

FICAR

linhagem, acompanha um grupo


CINEMA Os mais vistos da TV
Terça-feira, 9
RTP1 12,5%
% de vikings até às bárbaras terras
do Norte. Aí, fica estarrecido
Grudge Match: Ajuste
de Contas A Herdeira
% Aud. Share
TVI 14,9 30,6
RTP2 1,6 com os costumes brutais deste
povo, com a sua sexualidade
Hollywood, 21h30
Realizada por Peter Segal,
Jornal das 8 TVI 13.2 27,4 SIC 17,0 desregrada, a falta de higiene e os
sacrifícios humanos executados
TVI
Paixão SIC 11,5 23,6
uma comédia que combina os
talentos de dois actores que
Televisão Jogo Duplo TVI 10,8 29,0 23,7 a sangue-frio. Ainda mal refeito
deste choque cultural, Ahmed
Cabo
Apanha Se Puderes TVI 10,6 25,1
interpretaram pugilistas em
lazer@publico.pt
FONTE: CAEM
33,2 vai ser confrontado com uma
filmes de culto: Sylvester Stallone novidade ainda mais terrível:
em Rocky e Robert De Niro em ele foi escolhido para combater
Touro Enraivecido. Do elenco RTP 1 18.50 A Bela e o Monstro (2017) (V.O.) FOX Wendol, uma criatura lendária
fazem também parte Alan Arkin, 6.30 Bom Dia Portugal 10.00 A Praça 21.00 Próximo Plano 21.30 Guardiões 13.23 C.S.I. Miami 14.09 Hawai e mostruosa, que aterroriza até
Kim Basinger e LL Cool J. Henry 12.13 A Minha Mãe Cozinha Melhor da Galáxia Vol. 2 23.50 Assassin’s Força Especial 15.45 Investigação os próprios vikings... De John
“Razor” Sharp (Stallone) e Billy do Que a Tua - Diários 13.00 Jornal Creed 1.50 Ninguém Quer a Noite 3.35 Criminal: Los Angeles 17.17 C.S.I. Miami McTiernan e Michael Crichton,
“The Kid” McDonnen (De Niro), da Tarde 14.18 O Sábio 14.43 Agora Fascínio Mortal 2: O Regresso 18.52 Hawai Força Especial 20.30 com Antonio Banderas, Diane
dois boxeadores de Pittsburgh, Nós 17.30 Portugal em Directo 18.58 Investigação Criminal: Los Angeles Venora e Omar Sharif.
encontraram-se apenas duas Factura da Sorte 19.13 O Preço Certo 22.15 Hawai Força Especial 23.03
vezes no ringue. Mas esses 19.59 Telejornal 21.00 Linha da Frente FOX MOVIES Investigação Criminal: Los Angeles
encontros foram suficientes 21.40 Brainstorm 22.31 5 Para a Meia- 11.24 Swat Força Comando 12.48 23.57 O Rochedo 2.20 Sob Suspeita REALIDADE
para que a sua rivalidade se Noite 0.04 The Daily Show: Global Código Momentum 14.20 Virgem Aos
tornasse lendária e para que Edition 0.28 Automobilismo: Dakar 40 Anos 16.11 A Crista do Diabo 17.35 West Texas Investor –
os seus nomes ficassem para 2018 0.43 O Sábio 1.14 Donos Disto O Homem Que Matou Liberty Valance FOX LIFE Os Tubarões do Oeste
sempre na memória dos adeptos Tudo 2.05 Brainstorm 2.54 Vivo em 19.33 Bandolero! 21.15 O Regresso do 13.10 Rizzoli & Isles 13.55 The Dating SIC Radical, 23h02
do pugilismo profissional. Mas, Portugal 3.31 Televendas Ninja Americano 22.41 Rio da Morte Coach 15.22 Garage Sale Mystery: Estreia. Programa que segue
depois de 30 anos, as lutas são 0.18 Aliança Mortal 2.12 Comando 3.38 Guilty Until Proven Innocent 16.55 os milionários Mike Rooster
agora com o avançar da idade. Até Máquina Zero 5.35 Duelo de Fogo Autumn Dreams 18.23 Ossos 19.57 McConaughey e Waybe
que recebem uma proposta que RTP 2 Na Sua Pele 22.20 This Is Us 23.10 No Butch Gilliam enquanto
lhes vai dar um fôlego inesperado: 6.32 Repórter África - 2ª Edição 7.00 Limite 0.06 For Better or for Worse estes conhecem empresários
um derradeiro duelo. Agora os Espaço Zig Zag 10.20 O Bairro 10.44 CANAL HOLLYWOOD 1.46 No Limite 3.25 Rizzoli & Isles e empreendedores pelo
dois reformados só têm de se pôr Euronews 11.37 Mulheres do Mundo 10.25 Os Cavaleiros do Asfalto 12.15 Texas. Rooster e Butch dão a
em forma… 12.31 Biosfera 13.02 Amor em Berlim Brigada 49 14.10 Fintar o Amor 16.00 oportunidade a estes aspirantes
14.00 Sociedade Civil 15.03 A Fé Quando Elas... São Eles 17.40 O DISNEY ao sucesso de os cativarem com
A Marca do Terror dos Homens 15.37 Instinto Selvagem Coleccionador de Ossos 19.45 Step Up 15.22 Lab Rats 16.08 Gravity Falls as suas ideias de negócios. Se
TVC2, 22h 16.31 Diga-me Onde Vive 16.59 Zig Revolução 21.30 Grudge Match: Ajuste 16.54 Phineas e Ferb 17.41 Mickey sucederem, serão financiados
De Budd Boetticher (1957), um Zag 21.03 O Bairro 21.30 Jornal 2 22.11 de Contas 23.30 Heat - Cidade sob Mouse - Edição Especial 18.05 Star pela Rooster and Butch.
western com direito a lugar cativo Gomorra 23.02 Paris-Berlim - Destinos Pressão 2.20 Rapto Brutal 3.40 Perigo Contra as Forças do Mal 18.29 A Lei
na Biblioteca do Congresso dos Cruzados 23.57 O Berço da Máfia de no Pântano de Milo Murphy 18.53 Miraculous - As
Estados Unidos desde 2000. Nova Iorque 0.42 Sociedade Civil Aventuras de Ladybug 19.40 A Irmã do SÉRIES
Um pequeno rancheiro e uma 1.46 Fabrico Nacional: Chá Gorreana Meio 20.29 Bizaardvark
abastada herdeira são raptados 2.13 Portugal 3.0 2.59 SMS - Ser Mais AXN This Is Us
por uma perigosa quadrilha Sabedor 3.51 Euronews 4.51 Bem- 13.35 Chicago Fire 14.23 Mentes Fox Life, 22h20
de malfeitores, que pretende vindos a Beirais 5.41 Liberdade 21 Criminosas 15.11 Danos Colaterais 17.10 DISCOVERY Estreia a segunda parte da
obter um avultado resgate. Mas Mentes Criminosas 18.00 Investigação 17.30 Alasca: A Última Fronteira 19.15 segunda temporada de um dos
o cowboy engendra um ardiloso Criminal 18.50 Investigação Criminal Camionistas da Austrália 21.00 Speed grandes dramas televisivos
plano para conseguir escapar. SIC 19.40 Chicago Fire 20.30 Mentes Is The New Black 22.55 Corridas do último ano, com um Globo
Com Randolph Scott, Richard 6.00 Edição da Manhã 9.30 Queridas Criminosas 21.20 Mentes Criminosas Ilegais 23.50 O Império da Sucata de Ouro entre mais de uma
Boone, Maureen O’Sullivan, Manhãs 13.00 Primeiro Jornal 14.45 22.15 Investigação Criminal 0.40 Speed Is The New Black 2.15 A vintena de prémios. No último
Arthur Hunnicutt e Skip Homeier. Sol de Inverno 16.35 Juntos à Tarde 23.11 Investigação Criminal 0.06 História do Universo 3.00 Segredos do episódio, Kate (Chrissy Metz)
19.15 Linha Aberta 19.57 Jornal da Noite Armageddon 2.37 Castle 3.22 Castle Universo com Morgan Freeman 4.30 sofreu um aborto e Kevin ( Justin
Maré de Azar 21.45 Paixão 22.50 Espelho de Água 4.06 Mentes Criminosas Guerra de Leilões Canadá Hartley), desesperado, acabou
TVC3, 22h30 23.55 A Força do Querer 0.55 Mentes a conduzir embriagado. Até
Drama de Ben Hickernell, Criminosas 1.50 Cartaz Cultural 2.40 ter sido mandado parar pelas
nomeado em Seattle. Sam Rama Poderosas 3.30 Televendas AXN BLACK HISTÓRIA autoridades... Será desta que
(Hunter Parrish), um jovem 13.05 O Livro de Eli 14.54 Diários do 17.17 O Preço da História 18.37 Made In a família irá perceber o que se
cozinheiro que trabalha no Vampiro 15.40 Diários do Vampiro Detroit 20.43 O Preço da História 0.07 passa com Kevin?
restaurante da família, tem como TVI 16.26 400 Dias 17.58 Cold Mountain O Preço da História - Louisiana 1.33
desafio reconstruir o espaço 6.30 Diário da Manhã 10.10 Você na 20.26 Birth - O Mistério 22.00 Pecados Caça Tesouros 2.59 Relíquias Perdidas Teen Wolf
depois de uma tempestade o TV! 13.00 Jornal da Uma 14.00 SOS Íntimos 0.12 A Pele Onde Eu Vivo 2.09 4.23 D.B. Cooper: Caso Encerrado? AMC, 22h10
ter destruído. Para o conseguir, 24 14.45 Sedução 15.30 Espírito Cold Mountain 4.35 Hannibal Estreia a sexta e última
Sam descobre que os maiores Indomável 16.15 A Tarde é Sua 19.10 temporada. Stiles, o cérebro do
investimentos que fazemos Apanha se Puderes 19.58 Jornal das ODISSEIA grupo, é preso por um grupo
na vida não são pagos com 8 21.43 A Herdeira 22.50 Jogo Duplo AXN WHITE 17.34 Animais Bebés No Nosso Mundo da caça selvagem que apaga a
dinheiro. E uma série de eventos 23.56 Confessionário 0.57 Hawai 1.52 13.28 Notorious 14.13 Dr. Ken 14.36 A 18.23 Falar Com os Animais 19.21 memória que os outros têm dele.
inesperados, mas interligados, Autores 2.57 Anjo Meu 3.47 Anjo Meu Teoria do Big Bang 14.59 O Amor Está Animais Bebés No Nosso Mundo Desesperado por se lembrarem
fá-lo-ão cruzar-se com as pessoas no Ar 16.44 Família de Acolhimento 20.10 Guerreiros do Ar 21.02 Resgate de si, Scott e os amigos tentam
certas. Ainda com Ashley 17.29 Notorious 18.15 O Amor Está na Praia 21.47 Clima Extremo Viral pôr fim à caça, levada a cabo por
Hinshaw, Tim Daly, Jonathan Togo TVC1 no Ar 20.00 Família de Acolhimento 22.30 Cyberwar 23.13 Weediquette cowboys fantasma, enquanto se
e Nana Visitor. 10.05 Mulheres Procuram-se Para 20.46 A Teoria do Big Bang 21.56 Dr. 23.58 Cyberwar 0.42 1000 Formas de preparam para a sua separação e
Ir a Casamento 11.45 A Rapariga no Ken 22.20 A Teoria do Big Bang 23.10 Morrer 1.25 Resgate na Praia 2.10 Clima ida para a universidade, receosos
O Último Viking Comboio (2016) 13.40 Mulheres do O Último Viking 0.50 Dr. Ken 1.14 Infiéis Extremo Viral 2.53 Fábrica de Combate de deixar para trás Beacon
AXN White, 23h10 Século XX 15.45 A Vida Secreta dos 1.59 Família de Acolhimento 2.44 03.37 Guerreiros do Ar 04.34 Resgate Hills e aquela pessoa que todos
No ano 922 d.C., Ahmed Ibn Nossos Bichos (V.P.) 17.15 Morgan Pequenas Mentirosas 3.29 Infiéis na Praia 05.23 Clima Extremo Viral conhecem mas de que ninguém
Fahdlan, um árabe de boa se lembra.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 37

JOGOS

CRUZADAS 10.127 TEMPO PARA HOJE


Horizontais: 1. Coelho novo. Toca ao de Verticais: 1. Leito. Casaco curto e justo
leve. 2. Outra coisa (ant.). Coisa típica de usado por oficiais do exército. 2. Ânimo.
um lugar que se traz como recordação. Elemento químico com o símbolo I. 3.
3. Ponderar (fig.). Dou com. 4. Pequena Preposição que designa posse. Prefixo Viana do Bragança
argola com que se enfeitam os dedos. (duas vezes). Euro (abrev.). 4. Acolher Castelo -1º 7º
Cadinho em que se fundem ou purificam por favor. A pessoa ou as pessoas que. 5. 4º 12º
Braga
metais preciosos. 5. Rebocar. Sociedade Preposição designativa de substituição. 3º 13º
Anónima. 6. Tocam (os sinos). Eles. 7. Tântalo (s.q.). Los Angeles (abrev.). 6. Vila Real
Parlamento Europeu. Caminhava para Alternativa. Rivalidade. 7. Conjunto 14º Porto 1º 9º
lá. 8. Medida itinerária chinesa (576 m). de porcos. Elemento de formação de 5º 13º
Aresta. República Dominicana (domínio palavras que exprime a ideia de vinho. 8.
Viseu
de Internet). 9. Reduziu a pó. Obrigar Isolamento temporário. Recurso (fig.). 9.
1º 9º Guarda
algo a girar sobre si mesmo. 10. Tábua Erva-doce. Sétima nota musical. Óxido de 3-4m Aveiro
arqueada de tonel, pipa, etc. Feiticeira. cálcio. 10. Instrumento que produz sons 0º 6º
6º 15º Penha
11. Regra de procedimento. Proferir por mais ou menos fortes quando se percute
palavras. com o badalo (pl.). Casa térrea onde se Douradas
Coimbra -4º 2º
guarda o vinho e outras provisões. 11.
Troca-tintas (regional). Discursar. 5º 13º
Castelo
Branco
Depois do problema resolvido Leiria
encontre o título de uma obra de Ernest 4º 11º
Hemingway (5 palavras). 5º 14º

Santarém
Solução do problema anterior Portalegre
6º 15º
Horizontais: 1. Afasta. Baco. 2. Urso. Ameiar. 3. Tanas. Abala. 4. Acimar. Al. 4 º 9º
5. Rol. Renda. 6. Cs. Mas. Acha. 7. FORTES. OS. 8. Mar. Ar. AM. 9. Dez. Arganel. Lisboa
10. Idear. Ovino. 11. Zombar. Essa.
8º 15º
Verticais: 1. Autarca. Diz. 2. FRACOS. Medo. 3. Asnil. FAZEM. 4. Soam. Mor. Ab.
5. Sarar. Ara. 6. Aa. Restar. 7. Ma. Ergo. 8. BEBIDAS. Ave. 9. Aia. AC. Anis. Setúbal
10. Cala. HOMENS. 11. Oral. AS. Loa. 6º 16º Évora
Provérbio: As bebidas fortes fazem os homens fracos.
4º 14º
AMANHÃ

15º Beja
Sines
BRIDGE SUDOKU 8º 14º
6º 13º

Problema 3-4m
Dador: Sul do que Oeste possa ter a mão. Esta última
Vul: EO é incontestavelmente a melhor solução, 8028
quase perfeita. Sagres
Dificuldade: Faro
Vamos a isto: Dama de copas presa pelo 8º 16º
7º 17º
NORTE Ás e Valete de espadas que deixamos cor- Fácil
♠ K43 rer (se Oeste não jogar a Dama). Se a pas- 17º
♥ K65 sagem não resultar, não há problema, pois 1-2m
♦ K62 Este não poderá atacar ouros sem nos ce- Açores
♣ AKJ7 der uma vaza.
Corvo
Em suma, iremos obter 10 vazas com a
Graciosa
OESTE ESTE Dama de espadas e o Ás de ouros em Este, Terceira
♠ Q875 ♠6 ou 12 vazas, se a Dama de espadas e o Ás Solução do Flores
S. Jorge 12º 19º
♥ QJ104 ♥ 9732 de ouros em Oeste, 11 vazas nos outros ca- problema 8026 10º 19º
♦ QJ5 ♦ A1074 sos. 18º Pico
18º
♣ 96 ♣ 10432
Considere o seguinte naipe: Faial
3-5m
SUL Norte
11º 20º
♠ AJ1092 1043 5-6m S. Miguel
♥ A8 15º 19º
♦ 983 Sul Ponta
♣ Q85 AKJ82 18º Delgada

3-4m
Qual a forma correcta de jogar este nai- Madeira Sta Maria
Oeste Norte Este Sul pe, se o seu objectivo for fazer cinco va-
1♠ zas? Porto Santo
passo 2♣ passo 2♠ Problema
passo 3♠ passo 4♠ Resposta: Encaixe primeiro o Ás, vá a Norte 8029
15º 19º
19º
Todos passam noutro naipe e apresente o 10. Desta forma
garantirá as cinco vazas quando a Dama Dificuldade:
estiver seca ou sempre que a Dama estiver Difícil Funchal
2,5-3,5m
Leilão: Equipas ou partida livre. à direita, mesmo que esteja à quarta! 1-2m 19º 15º 20º

Carteio: Saída: Q♥. Qual o seu plano de


jogo? Sol Lua Nova
Nascente 07h55
Poente 17h34 17 Jan. 02h17
Solução: Se tudo correr mal, as suas per- Solução do
dentes poderão ser quatro: uma a trunfo e problema 8027
três a ouros. Em contrapartida, uma extra
ganhante certa a paus, mas tenha cuida-
Marés
do, saiba tirar partido da mesma. Leixões Cascais Faro
Porquê este cepticismo? Se Oeste tiver
a mão, ele contra-atacará ouros e a vaza
Preia-mar 11:04 2,7 10:38 2,8 10:34 2,7
suplementar a paus passará a ser simples-
mente supérflua! 23:38 2,8 23:14 2,8 23:09 2,7
Duas soluções ao seu dispor, vejamos: Baixa-mar 17:23 1,3 16:56 1,4 16:47 1,3
tirar Ás e Rei de trunfo e passar para os
paus, na esperança que Oeste, se tiver 05:52* 1,3 05:28* 1,4 05:20* 1,3
a Dama de trunfo, tenha pelo menos três João Fanha/Pedro Morbey
cartas a paus; manejar os trunfos evitan- (bridgepublico@gmail.com) © Alastair Chisholm 2008 and www.indigopuzzles.com Fonte: www.AccuWeather.com *de amanhã
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

38 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

DESPORTO
Qualificação muito sofrida para
o Sporting na Taça de Portugal
”Leões” seguem para as meias-finais da prova após triunfo muito difícil sobre o Cova da Piedade. Jorge
Jesus precisou de ir ao banco buscar Bruno Fernandes e Bas Dost para derrotar um adversário da II Liga
MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Cova da Piedade
Cleo 58’ (g.p.)
1 Crónica de jogo
Marco Vaza
Sporting 2 Não aconteceu muitas vezes, mas
Bruno Fernandes 54’, Bas Dost 78’
aconteceu algumas e, ontem, po-
dia bem ter acontecido outra vez.
Jogo no Estádio do Bonfim, em O Sporting correu riscos e podia ter
Setúbal. saído do Bonfim eliminado da Ta-
Assistência Não disponível.
ça de Portugal por uma equipa de
escalão inferior que se agigantou.
Cova da Piedade Joyce, Lima Pereira, Mas, no meio de uma exibição fran-
Daniel Almeida, Adilson a84’, Evaldo, camente desinspirada, os “leões” lá
Paulo Tavares (Rui Sampaio, 79’),
conseguiram uma vitória por 2-1 so-
Soares, Robson, Wang Chu (Ballack,
55’), Cléo e Hugo Firmino (Dieguinho, bre o Cova da Piedade, da II Liga, e
82’). Treinador Bruno Ribeiro. qualificaram-se para as meias-finais
da competição.
Sporting Rui Patrício, Ristovski,
Foi preciso Jorge Jesus meter em
Coates, André Pinto, Coentrão,
Bruno César (Bruno Fernandes, 46’), campo duas das suas mais-valias
Battaglia, Bryan Ruiz (Bas Dost, 46’), (Bruno Fernandes e Bas Dost), pa-
Acuña, Podence e Doumbia (Palhinha, ra os golos do apuramento para as
86’). Treinador Jorge Jesus. “meias” aparecerem. Agora, os “le-
Árbitro Rui Costa (AF Porto) ões” ficam à espera do vencedor da
partida entre o Moreirense e o FC
Porto para saber quem será o adver-
Positivo/Negativo sário no caminho até ao Jamor.
Em todo o seu percurso na Taça, o
Bas Dost e Bruno Sporting não apanhou nenhum ad-
Fernandes versário do seu campeonato e Jesus
São os dois jogadores mais tem aproveitado esse capricho do
decisivos do Sporting e sorteio para colocar em campo um
voltaram a sê-lo quando misto de primeiras e segundas esco-
as coisas estavam lhas. William e Gelson Martins nem
complicadas, cada um sequer foram para o banco, Bruno
deles com um golo. Fernandes e Bas Dost foram suplen-
tes, com o meio-campo a ficar entre-
Cova da Piedade gue a Battaglia e Bryan Ruiz (segundo
Não fossem os ferros da jogo consecutivo a titular deste últi-
baliza de Patrício e podia mo). Já o ataque foi composto por
ter chegado ao intervalo Bruno César, Podence e Doumbia.
a vencer por 2-0. Jogou Esperava-se um domínio cerrado
bem com as armas que do Sporting para resolver cedo o jo-
tem, defesa sólida e contra- go, mas os “leões” foram muito pou-
ataque venenoso, e criou co intensos tanto a atacar como a de-
muitos problemas ao fender. Nada disto, claro, era proble-
Sporting. Joyce, o guarda- ma do Cova da Piedade, que assumia
redes, e Firmino, um dos o autocarro junto à sua baliza, mas
avançados. foram os
maiores destaques.

Primeira parte do Sporting


CALENDÁRIO
É verdade que mais de TAÇA DE PORTUGAL
metade da equipa era de Quartos-de-final
Caldas-Farense 2-2 (3-2 a.p.)
segundas opções, mas Rio Ave-Desp. Aves 3-3 (4-5 g.p.)
aquela primeira parte, Cova Piedade-Sporting 1-2
sem ponta de intensidade, Hoje
Moreirense-FC Porto 20h30, SP-TV1
podia ter custado muito Meias-finais (28/02)
caro ao Sporting. Desp. Aves-Caldas
Moreirense/FC Porto-Sporting
Podence tenta levar o Sporting para o ataque frente ao Cova da Piedade
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 39

16
Há 16 anos que um clube do
terceiro escalão não atingia
as meias-finais da Taça de
Portugal. O último a consegui-
lo foi o Leixões, em 2001-02,
tendo mesmo chegado à final
CARLOS BARROSO/LUSA
encontrava os buracos para poder jo-
gar em contra-ataque e criar perigo.
E, graças a esta estratégia, podia ter Conceição pede um FC Porto
chegado ao intervalo a ganhar por
2-0. Logo aos 11’, Robson surgiu na ca- com objectividade no Minho
ra de Rui Patrício e acertou no poste,
e, aos 40’, foi Hugo Firmino a atirar
à trave num remate de fora da área.
Bruno Ribeiro, treinador do Co- quilibrado que levou o então treina-
va da Piedade, tinha razões para Augusto Bernardino dor moreirense, Manuel Machado, a
estar satisfeito e o decorrer do jo- “denunciar” a tirania dos “grandes”.
go só lhe dava esperança. Já Jor- Sérgio Conceição adora a Taça de O Moreirense mudou entretanto de
ge Jesus devia estar super-irritado Portugal, um objectivo natural, claro “comandante”, apostando em Sér-
com o que o Sporting (não) estava e identificado no catálogo de troféus gio Vieira no final de Outubro, o que
a fazer frente àquela que tinha si- desejados pelo FC Porto, que não para o técnico do FC Porto significa
do a primeira equipa do próprio confunde o Moreirense com mero uma variação na identidade.
Jesus dos seus tempos de jogador. aperitivo dos quartos-de-final, ape- “Espera-nos um jogo difícil, pela
Para a segunda parte, Jesus lançou sar da goleada aplicada aos minhotos capacidade e qualidade do Morei-
dois dos seus homens mais decisivos em finais de Agosto e da discrepância rense, mas também pelas condições,
e, pouco depois, um deles começou A festa dos jogadores do Caldas após o apuramento para as “meias” patente na classificação da Liga. Até dimensões e estado do terreno”, su-
a fazer a diferença. Bruno Fernandes pelas condições muito específicas do blinhou, confessando — à margem da
ganhou uma bola na área do Cova da templo dos cónegos, onde o treina- Taça — alívio por já não ter de defron-
Piedade e rematou na direcção da
baliza (o pontapé desviou na perna
“Chuva de golos” apurou dor dos “dragões” pede pragmatis-
mo e objectividade.
tar o ex-Liverpool Philippe Coutinho,
na Champions. Sérgio Conceição ad-
de Evaldo e enganou o guarda-redes
Joyce Anacoura).
Caldas e Desportivo das Aves Com Héctor Herrera disponível,
após dois jogos de suspensão, e sem
mitiu ainda só ser possível gerir as
flutuações emocionais potenciadas
Mas a equipa orientada por Bruno mais expulsões a lamentar pelos por- pela reabertura do mercado e pela
Ribeiro não levou muito tempo a che- tistas na viragem do campeonato, proximidade do Mundial, graças à
gar ao empate. Um remate de Evaldo São momentos históricos aqueles das Aves que, pela primeira vez na apenas a baixa de Ótavio continua a dimensão e profissionalismo do plan-
bateu no braço de André Pinto na que se vivem nas Caldas da Rainha, história, fica a um triunfo de distân- limitar Sérgio Conceição, que garan- tel que tem à disposição.
área do Sporting, o árbitro assinalou com o clube daquela cidade a atingir, cia do Estádio do Jamor. te estar preparado para as dificulda- O técnico respondeu, de resto, a
penálti e, da marca dos 11 metros, pela primeira vez na sua história, as O festival de golos começou aos des que o aguardam no Comendador todas as questões, mesmo não estan-
Cleo nivelou o marcador (58’). meias-finais da Taça de Portugal. A 17’, quando Marcelo inaugurou o Joaquim de Almeida Freitas. do relacionadas com o Moreirense,
O golo do triunfo “leonino” acaba- equipa treinada por José Vala, com- marcador para o Rio Ave. A respos- Desde a tarde quente do penúltimo para encerrar a sessão com um “mea
ria por surgir só aos 78’. Na sequência posta unicamente por jogadores ta dos avenses chegaria no arranque domingo de Agosto, no Dragão, até à culpa”, justificando as recentes de-
de um canto, Battaglia ganhou uma portugueses e formados na região do segundo tempo (49’), quando De- noite especialmente fria de Moreira clarações em que visou Rui Vitória.
primeira bola de cabeça e Bas Dost Oeste do país, derrotou ontem, após fendi aproveitou um livre indirecto de Cónegos muita água passou sob a “Nunca foi intenção minha ofender
fez o 2-1, resultado suficiente para prolongamento, o Farense, o outro para empatar a partida, de cabeça, ponte que o FC Porto terá que trans- ninguém. Sou frontal, mas não fui
poupar os “leões” ao escândalo do sobrevivente do terceiro escalão, por já o treinador Lito Vidigal tinha sido por para marcar presença nas meias- feliz”, referiu, relativamente à com-
prolongamento no Bonfim. 3-2 (2-2 no final dos 90’ regulamen- expulso do banco. finais. Sérgio Conceição espera um paração do treinador do Benfica com
tares). Os vila-condenses aceleraram en- Moreirense diferente daquele ao qual um brinquedo do filho.
mvaza@publico.pt Depois de já ter afastado do seu tão para uma reacção à altura, com Aboubakar aplicou o primeiro hat-
caminho na Taça cinco equipas (Lou- Tarantini a assinar o 2-1 e João Novais trick da época, num duelo tão dese- augusto.bernardino@publico.pt
rinhanense, Olímpico Montijo, Cesa- a dar seguimento à veia goleadora,
REACÇÕES
FILIP SINGER/EPA
rense, Arouca e Académica), o Cal- aos 74’, a ampliar para 3-1. Parecia en-
das foi mais forte do que o Farense, contrado o vencedor da eliminatória,
Fizemos uma boa primeira apesar de Livramento (47’ e 60’) ter
colocado os algarvios por duas vezes
mas com o relógio em contagem de-
crescente, Amilton reduziu para 3-2
parte, com uma bola na em vantagem. Só que os caldenses de cabeça (89’). Faltava um minuto
trave e outra no poste e nunca esmureceram e, primeiro Ja-
nuário (55’), depois Pedro Emanuel
para o fim do tempo regulamentar e
o Desp. Aves empatou com um golo
na segunda parte nunca (69’ e 115’) garantiram o triunfo numa de Arango.
atirámos a toalha ao chão altura em que jogavam em superio- O jogo resvalou para o prolonga-
ridade numérica, por expulsão de mento e havia ainda mais dois golos
Bruno Ribeiro Neca (97’). na manga. Arango bisou (105’) e, aos
Cova da Piedade Em Vila do Conde, num dos jogos 114’, Gelson Dala, lançado durante o
mais empolgantes da temporada, o tempo extra, empatou novamente o
Rio Ave esteve na frente do marca- encontro.
O objectivo foi atingido, dor, permitiu o empate em cima do A decisão ia ser tomada da marca
estamos a jogar de três em tempo regulamentar, recuperou de dos 11 metros e só no último penálti
três dias e não é fácil uma desvantagem no prolongamen-
to (4-4) e acabou por cair definitiva-
da série inicial se encontrou o segun-
do semifinalista da Taça de Portugal
Jorge Jesus Sporting mente no desempate por grandes — Bruno Teles perdeu o duelo com o
penalidades, diante do Desportivo guarda-redes Adriano. “Espera-nos um jogo difícil”, antevê Sérgio Conceição
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

40 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

DESPORTO

Uma duna deu cabo


SRDJAN SUKI/EPA

do Dakar de Sébastien
Loeb e de Carlos Sousa
Todo-o-terreno CLASSIFICAÇÕES
Jorge Miguel Matias ETAPA 5
As opções de
O piloto francês viu-se Carros
1. S. Peterhansel (Peugeot) 2h51m19s
Marc Coma
forçado a abandonar o rali 2. Bernhard ten Brinke (Toyota) a 4m42s
e o português atrasou-se de 3. Giniel de Villiers (Toyota) a 12m47s
(...)
forma irremediável 45. Carlos Sousa (Renault) a 5h36m49s
Motos
Só mesmo os dez dias que ainda fal- 1. Joan Barreda (Honda) 3h19m42s
2. Matthias Walkner (KTM) a 10m26s
tam para terminar o Dakar parecem O ala português venceu o troféu com uma votação esmagadora
3. Kevin Benavides (Honda) a 12m20s
ser capazes de impedir Stéphane Pe- (...)
terhansel (Peugeot) de vencer mais
um rali Dakar (será o 14.º, entre mo-
55. Fausto Mota (Alfer)
GERAL
a 1h33m56s
Crónica Ricardinho deixa
tos e carros), já que os seus principais Carros Miguel Barbosa companhia de Falcão
adversários vão cedendo à dureza da 1. S. Peterhansel (Peugeot) 13h27m26s

com quinto título


competição. Ontem, na despedida da 2. Carlos Sainz (Peugeot) a 31m16s Marc Coma, actual director de
caravana do Peru e antes da sua en- 3. Bernhard ten Brinke (Toyota)a 1h15m16s prova do Dakar, venceu esta
(...)
trada na Bolívia, foi Sébastien Loeb
(Peugeot) a desistir.
26. Carlos Sousa (Renault)
Motos
a 9h25m25s
competição por cinco vezes de
moto. Tem-se esforçado por dar de melhor do mundo
Aquele que venceu o Mundial de 1. A. Van Beveren (Yamaha) 14h37m40s uma melhor dinâmica à prova.
ralis por nove vezes consecutivas 2. Kevin Benavides (Honda) a 1m00s O regresso do Peru trazia a tão
acabou com o carro preso no meio 3. Matthias Walkner (KTM) a 1m14s desejada areia e dunas que
(...)
de uma duna e com o seu co-piloto faltavam nas anteriores edições. “Foram 45 minutos espera e de
a queixar-se de dores um pouco por
59. Fausto Mota (Alfer) a 5h37m07s
E o que vemos após cinco etapas Futsal grande ansiedade. Estava num res-
todo o lado. marcadas, sem dúvida, por taurante que na mesma noite teve
Loeb não seria a única vítima 7m33s do primeiro, o francês Adrien cenários fabulosos? Internacional português a sorte de juntar dez bolas de ouro:
que essa duna faria, ontem. Tam- van Beveren, da Yamaha, que ontem Uma competição de motos cinco do Ronaldo e cinco minhas,
espera não ficar por aqui
bém Carlos Sousa (Renault), o úni- se ficou pela quinta posição e cedeu ao rubro com uma dezena dois portugueses que se orgulham
co português em prova depois do 14m32 minutos para Barreda). de pilotos ainda na luta e promete elevar a fasquia do país e das respectivas origens”,
abandono, na véspera, de André Já o argentino Kevin Benavides pela vitória. Quatro marcas de melhor de todos os sublinhou, enfatizando as dificul-
Villas-Boas, ficou preso na areia. E, (Honda) subiu ao segundo posto ao diferentes. Se não falarmos dos tempos na modalidade dades superadas longe da família,
apesar de ter conseguido continuar aproveitar um dia mau do chileno portugueses, levados por um por vezes em latitudes e culturas
em prova, registava um atraso supe- Pablo Quintanilla (Husqvarna), que ano inacreditável, apenas o O internacional português Ricardi- bastante diferentes, desde o Japão
rior a cinco horas num dos controlos perdeu mais de 28 minutos e é agora vencedor de 2017 está de fora de nho conquistou pela quinta vez — e à Rússia, apesar de não perspec-
intermédios. Assim, o 15.º posto da nono. Mas a luta está renhida nas du- entre os principais candidatos. pela quarta consecutiva na carreira tivar um regresso a Portugal nos
geral que Sousa ocupava anteontem as rodas, com os dez primeiros clas- Em contrapartida, nos — o galardão de melhor futsalista tempos mais próximos. Um cenário
ficou definitivamente enterrado na sificados separados por apenas 25 automóveis e também nos do mundo, passando a deter, a so- que, a acontecer, garante, só ocor-
areia peruana. minutos à saída do deserto do Peru camiões, a razia é enorme e lo, o recorde que até agora partilha- rerá de “águia” ao peito.
Nas motos, o equilíbrio é maior. O e à chegada à Bolívia, onde o maior uma corrida que prometia ser va com o brasileiro Falcão. Ricardinho reforça a ideia de que
espanhol Joan Barreda (Honda) im- adversário será a altitude, que che- animada perdeu todo o fulgor. O “ás” dos espanhóis do Inter “manter este nível é muito difícil”
pôs-se na quinta etapa e continuou a gará aos 3800m. Stephane Peterhansel — há que Movistar superou a marca de Fal- e que o sucesso se deve em gran-
recuperação com vista aos primeiros reconhecer que continua a ser cão, já retirado, considerando, em de medida ao trabalho de equipa,
postos da geral (segue em quarto, a jmatias@publico.pt o senhor Dakar — já tem uma declarações à RTP, que este, junta- agradecendo aos companheiros do
DR
hora e um quarto de avanço mente com o primeiro título (con- Inter e da selecção todo o apoio,
face à primeira Toyota que nem quistado em 2010, ano em que ven- sem o qual “nada seria possível”.
é a de Al-Attiyah e até de entre ceu a UEFA Futsal Cup pelo Benfi- A primeira reacção do interna-
os seus colegas já não resta ca), foi duplamente especial. cional português surgiu nas redes
para tentar o tão ambicionado “O primeiro foi o início de tudo. sociais de uma forma franca: “Obri-
triunfo Sebastian Loeb. O seu Nessa altura disse que tinha toca- gado, futsal! Não sei o que dizer
compatriota Cyril Despres, do o ceú, pois era um feito inédito neste momento, mas são cinco ve-
tão afundado na classificação, para o futsal português”, vincou, zes no topo do mundo... Obriga-
promete ser uma boa considerando, à quinta distinção do, obrigado, obrigado, obrigado,
assistência rápida. O cenário do site Futsal Planet (com chance- obrigado”, escreveu Ricardinho no
é pouco animador. Um abraço la da FIFA), não estar ainda plena- perfil pessoal do Facebook.
para o André Villas-Boas e para mente satisfeito. “Agora sinto que Ricardinho, de 32 anos, totalizou
o Rúben Faria que até estavam começo a ganhar raízes lá em cima 917 votos do painel de 211 eleitores
a fazer uma boa corrida, tendo e, como ainda tenho alguns anos dos prémios para os melhores de
em conta a total inexperiência pela frente, queria alcançar uma 2017, contra 508 do espanhol Car-
do piloto. Sobra-nos o Carlos marca histórica”, declarou, sem es- los Ortiz Jiménez, seu companheiro
Sousa! conder o nervosismo provocado de equipa no Inter, e 332 de San-
pelo atraso verificado no anúncio tiago Basile, “capitão” da selecção
O carro de Loeb preso numa das dunas do deserto do Peru Heptacampeão nacional de TT do prémio. da Argentina.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 41

DESPORTO

“Seria muito importante manter


o boatyard da VOR em Lisboa”
António Fontes A recuperar de uma lesão sofrida num braço na difícil etapa entre a Cidade do Cabo
e Melbourne, o português explica a importância de ser navegador numa equipa da Volvo Ocean Race
JESUS RENEDO/VOLVO OCEAN RACE
retirar completamente o gesso no
Entrevista dia 24 de Janeiro e a partida será
David Andrade apenas a 7 de Fevereiro.
A Mapfre e a Dongfeng têm
Uma semana depois de partirem conseguido superiorizar-se. São
de Melbourne, os sete barcos que os principais candidatos?
competem na Volvo Ocean Race São as equipas com mais
(VOR) 2017-18 caíram, ao largo das experiência e começaram a
ilhas Salomão, na armadilha dos treinar mais cedo. Já se conhecem
“doldrums” — região de ventos todos muito bem e estão
inconstantes entre os hemisférios entrosados. Desde o início que são
— e, entre quarta e quinta-feira, a os favoritos.
distância por hora percorrida pelos Deverá ser anunciado em breve
veleiros foi inferior a 2,5 milhas o figurino da edição seguinte da
náuticas (cerca de 4,4 km). Ausente VOR. O que é preciso fazer para
desta etapa por ter partido o braço que Portugal continue a ter uma
na ligação entre a Cidade do Cabo participação forte na prova?
e Melbourne, António Fontes, Seria muito importante conseguir
navegador da SHK Scallywag, manter o boatyard em Lisboa.
explica, em entrevista ao PÚBLICO, Esse é o primeiro passo, porque
que para as tripulações “é penoso significaria que iriam investir
ultrapassar” esta região, mas dinheiro na Docapesca e iriam
realça que não era possível escapar continuar com os barcos em
ao fenómeno. Quanto ao futuro Lisboa. Além da visibilidade
da VOR, o velejador, de 34 anos, que dá ao país, será precisa
salienta que é muito importante muita mão-de-obra e serviços. O
manter em Lisboa o boatyard. austera e rude. Como foi perdeu quase 50 milhas para boatyard trouxe muitos ganhos
Participou na primeira etapa trabalhar como ele? os outros barcos em poucos para Portugal. Depois, como eu, o
com a equipa AzkoNobel, mas Ele tem uma imagem diferente, minutos, ao ver-se obrigada Bernardo [Freitas] e o Frederico
foi na terceira regata que teve mas correu bem. No início podia a alterar a rota devido a um [Melo] já estamos dentro da prova,
o primeiro grande desafio na haver falta de confiança e podiam recife. O que aconteceu? será mais fácil continuarmos.
VOR, ao assumir a posição de Se mantiverem a olhar para mim como alguém que Já tentei perceber em pormenor o Abriram a porta nesta edição, o
navegador da SHK Scallywag. vinha da equipa de terra, mas com que se passou, mas ainda não tive que é preciso fazer para que ela
Porém, acabou por fracturar o próxima edição duas ou três boas decisões minhas, resposta. À partida, era um recife não se volte a fechar?
braço. Como se deu o acidente? para daqui a três ganharam confiança. A partir daí que estava naquele local e havia A decisão sobre a permanência
Foi no terceiro dia da regata. confiaram em tudo o que eu dizia. uma discrepância entre a carta de do boatyard será política e não
Estava tudo a correr normalmente, anos, já não haverá Preparou como navegador navegação electrónica e a de papel. depende de nós, velejadores.
mas ia entrar mais vento e tivemos tempo para fazer a quarta regata para a SHK Mas não percebi o que se passou. Quanto a voltar a haver uma
de mudar as velas. Quando as Scallywag. Não era possível Numa situação como essa, equipa portuguesa, com esta
estávamos a acartar de um lado barcos novos prever o que aconteceu nesta a responsabilidade e a palavra [Turn the Tide on Plastic] está a
para o outro, com o barco bastante semana, com os sete barcos final sobre o que fazer são do correr tudo bem e só é pena haver
inclinado, uma delas ficou presa. fazia tudo. Aprendi e pratiquei quase parados ao largo das ilhas navegador? apenas dois portugueses no barco.
Ao fazer um pouco mais de força, bastante. Cometemos alguns erros, Salomão. Que fenómeno é este? Teve de ser o navegador a dizer Espero que no futuro sejam mais.
desequilibrei-me, caí dentro mas nada de significativo. O fenómeno acontece na zona o que fazer e depois tem de Trabalhou no boatyard de
do poço e bati em alguma coisa Qual o papel de um navegador de convergência intertropical, haver a aprovação do skipper. Lisboa na preparação dos Volvo
com o braço. Inicialmente não numa prova como a VOR? onde há uma circulação de ar nos A trajectória que o barco fez é Ocean 65. Crê que ainda podem
senti dores, mas ao tentar puxar Recebemos em bruto as hemisférios norte e sul, e onde se bastante estranha. Essa é uma ser usados na edição seguinte?
novamente as velas, o braço não informações com as posições juntam, na linha do Equador, há das primeiras perguntas que lhes Se mantiverem a próxima edição
tinha força e percebi que algo dos barcos e da meteorologia, e, uma grande área sem vento. Há quero fazer quando chegarem a para daqui a três anos, já não
estava mal. A partir daí, não usei tratando e interpretando esses dias em que se passa e outros em Hong Kong. haverá tempo para construir
mais o braço esquerdo. dados, decidimos a táctica. As que se fica 500 a 600 milhas sem É possível recuperar a tempo de barcos novos. Acho que se está a
Apesar do incidente, que decisões são repartidas entre nenhum vento. É muito aleatório e participar na próxima regata, chegar a um ponto em que não
balanço faz da experiência o navegador e o skipper, mas é penoso ultrapassar isso. À partida entre Hong Kong e Auckland? há grandes hipóteses de não usar
como navegador? no fundo tudo depende da já se sabia que ia acontecer, mas A recuperação está a correr bem. estes barcos outra vez. Estão
Mesmo assim, foi espectacular. interpretação dos dados pelo não havia escapatória. Não dava Amanhã [hoje] vou fazer um bem construídos e são sólidos.
Consegui fazer o que era suposto navegador. para dar uma volta maior. A única raios-x de controlo e devo retirar Conseguem claramente fazer mais
como navegador. Não ajudei muito O australiano David Witt, coisa a fazer é tentar chegar a norte algum gesso. Estou a trabalhar para uma volta ao mundo.
o resto da tripulação da parte de skipper da SHK Scallywag, o mais rapidamente possível. entrar na regata e espero estar
fora, mas dentro, no computador, transmite uma imagem algo Nesta etapa, a SHK Scallywag pronto quando for preciso. Devo dandrade@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

42 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

ESPAÇO PÚBLICO
A ideia é vir a converter células adultas do Um teatro municipal que define como
nosso corpo em células parecidas com as prioridade a internacionalização dos artistas
dos embriões (capazes de ser qualquer tipo não é propriamente a regra em Portugal —
de célula), para fazer tratamentos de regeneração. mas foi a meta que Tiago Guedes definiu para 2018.
Isso já tinha sido conseguido (em ratinhos), em Desde que chegou ao Teatro Municipal do Porto,
2006. Mas quando as células adultas são velhas, essa o director artístico não só levantou das cinzas o
conversão é difícil. Uma equipa portuguesa derrubou equipamento, como criou um público fiel e injectou
agora essa barreira (em ratinhos), facilitando um dia sangue novo no circuito local — e nacional — das
o uso de células da pele (por exemplo) de cada um artes performativas. A inscrição do TMP no circuito
Carmo Fonseca e Bruno de Jesus de nós para criar células do cérebro ou coração. T.F. Tiago Guedes internacional é a cereja no topo do bolo. I.N.

O pesadelo do PSD está quase a chegar ao fim


sempre menos margem para golpes debate porque se preparou para Lançados os dados na televisão,
baixos. Mas, chegados ao fim, há resistir aos truques de Santana a imagem que sobra do frente-a-
muito pouco que se possa dizer que Lopes e fez questão de levar para o -frente é a de um vazio absoluto.
extravase a analogia do combate, confronto os seus próprios passes Os dois candidatos criaram um
o duelo entre egos ou o braço-de- de mágica com recortes de jornais. contexto banal e uma narrativa
Manuel Carvalho ferro entre passados. Santana Lopes é ainda assim um banal sobre o passado, o presente
Editorial Para muitos, a causa desta político com outra inteligência e o futuro do país e acabaram

S
indigência com que o futuro do país táctica e com outro jogo de rins para por submergir nessa mesma
e o primeiro debate televisivo se resume a análises de carácter ou dizer o que disse, o que não disse banalidade. Para um militante,
entre os dois candidatos testes à coerência com um ligeiro ou o seu contrário. Rui Rio esforça- o que ontem se viu na TVI só
à liderança do PSD foi travo a Inquisição é culpa dos se mais em falar de factos ou ideias pode ser motivo de insónia, de
comparado a um combate políticos. É-o, seguramente, em com argumentação racional. Nos incerteza e de preocupação. O PSD
de boxe que acabou, de primeiro lugar. É-o principalmente malabarismos da luta livre, soube que ontem se mostrou tem muito
acordo com boa parte dos analistas, por se limitarem a apregoar resistir à ofensiva dirigida à sua passado para discutir e zero futuro
numa vitória de Santana Lopes, lugares-comuns. Mas é-o também alegada incoerência na avaliação do para apresentar. Dez minutos
o segundo round do confronto porque quem conduz o debate Governo de Santana ou à suposta depois, a TVI24 voltava-se para o
mudou de modalidade e acabou deixa gastar 25 minutos com a oposição a Passos Coelho, mas foi futebol. Ao menos aí sempre há
num empate. Em vez de boxe houve biografia dos protagonistas, quando completamente anulado pelo seu um pouco mais de paixão. Pobre
uma espécie de luta livre, em que o em discussão deviam estar visões oponente no campo em que melhor país.
choque é menos violento, em que para o futuro. podia brilhar: o da economia e das
se ganha aos pontos e em que há Rui Rio esteve melhor neste finanças públicas. manuel.carvalho@publico.pt

CARTAS AO DIRECTOR
Ainda o assédio.... sensibility que tornam divertidas e solução para esta situação. do ano corrente os proprietários
apetecíveis as relações humanas. Deste modo, a Catarina Vaz florestais deveriam proceder à
Penso que o assédio sexual tem Ana Maria Mota, Porto Pinto, vereadora da cultura da limpeza de matas 10m para cada
especial importância no contexto CML, apelo(amos) para que encete estrada ou caminhos-de-ferro,
de relações de trabalho ou de Cai (n)o Carmo... mais esta tarefa, no sentido de 50m para cada lado de casas e
dependência a que uma mulher não se perder mais um espaço sob linhas eléctricas. Se tal não
está sujeita, por razões que não Esta semana, ao passar na Rua privilegiado com história já antiga for feito, o que acontece aos
está em posição de dominar e que do Carmo, fui confrontado com o e de cultura. A cultura não pode proprietários faltosos? Nada!
ultrapassam a sua vontade. encerramento da Livraria Aillaud ser preterida face aos valores Serão as autarquias a fazer
No entanto, julgo que é um & Lellos, onde, nem a propósito, materiais, antes deve ser relevada, esse trabalho até 31 de Maio.
tema para tratar com o máximo ia procurar um livro que não tinha de modo a que sejamos mais E se as autarquias não o
de bom senso, imparcialidade encontrado nas ditas grandes cultos e mais sábios. fizerem, o que lhes acontece?
e capacidade de discernimento cadeias livreiras. Na Bíblia podemos encontrar Verão diminuídas as verbas
As cartas destinadas a esta secção possíveis, sob pena de na Hoje, no PÚBLICO, encontrei uma sentença, no Livro dos transferidas do Governo central
devem indicar o nome e a morada “amálgama” que se vive uma oportuna, mas triste, Provérbios, atribuído a Salomão, (o tal que felizmente nos rege).
do autor, bem como um número actualmente, sobretudo nos EUA, reportagem de Cristiana Faria onde está inscrito: “A sabedoria É uma justiça
telefónico de contacto. O PÚBLICO “deitar fora a criança, com a água Moreira (C.F.M.) sobre este facto, é mais preciosa do que as jóias; verdadeiramente salomónica.
reserva-se o direito de seleccionar do banho”. na qual também não deixa de nada do que possuas se lhe pode Se quem deve limpar não quer
e eventualmente reduzir os textos Pessoalmente gostaria de referir outros encerramentos de comparar” (Pr 3, 15). gastar dinheiro a fazê-lo, então
não solicitados e não prestará evitar um futuro (que já não será livrarias (e não só) emblemáticas José P. Costa, Lisboa seremos nós os contribuintes
informação postal sobre eles. o meu) de homens “castrados” na Baixa da capital. Apesar de, (através das autarquias a fazê-
e conduzidos à situação de como também é registado no texto Tudo menos castigar lo).
real incapacidade de lidar com de C.F.M., a CML dizer que já nada os culpados Felizmente temos a sorte de
mulheres com bom senso e pode fazer, tenho que irreversível ter este Governo.
Email: cartasdirector@publico.pt sem serem obrigados a perder só a morte, pelo que se deve O Governo que felizmente nos Vítor Macieira,
Telefone: 210 111 000 a espontaneidade, sense and continuar a procurar uma rege decidiu que até 31 de Março Casal dos Bernardos
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 43

Os artigos publicados nesta secção respeitam a norma ortográfica escolhida pelos autores

Não houve surpresa em Setúbal para a Taça, A entrada em cena de Steve Bannon na
mas Jesus foi obrigado, ao intervalo, a tirar campanha de Trump foi vista como a peça
do banco alguns titulares que ficaram de fora ideológica que faltava à mensagem do
para vencer o Cova de Piedade, que causou alguns magnata. Já na Casa Branca, chamaram-lhe “o
calafrios ao adversário. O Sporting está nas meias- grande manipulador” e elogiaram-lhe – para o bem
finais da competição, mas teve de trabalhar mais e para o mal – o suposto ascendente que tinha sobre
que do que se esperaria, já que a qualidade do jogo o Presidente. Mas, no final, Bannon provou o mesmo
da equipa foi confrangedora em muitos momentos. remédio que Trump dá a todos os que o tentam
Esta oscilação, dias depois de golear o Marítimo, empurrar para segundo plano: foi expulso da Casa
Jorge Jesus devia ser bem analisada em Alvalade. J.J.M. Steve Bannon Branca e até teve de sair do site Breitbart. A.M.

ESCRITO NA PEDRA
O juízo em geral é a faculdade de pensar o particular como
compreendido sob o universal
Lisboa
Emmanuel Kant (1724-1804), filósofo era boa
SEM COMENTÁRIOS BRASIL
MARCELO SAYAO/EPA

O
Miguel Esteves Cardoso
Ainda ontem
Corvo — sítio de Lisboa — é
um excelente jornal online
feito por quatro jornalistas e
três fotógrafos. Bem escrito,
com amor à camisola, junta
reportagens, crónicas e causas
que são essenciais à vida
lisboeta, mas que merecem ser
lidas por leitores de todas as
cidades, porque tratam temas
universais como a gentrificação.
Sofia Cristino escreveu recentemente
uma reportagem muito interessante com
o título “Há uma geração de lisboetas a
converter casas em alojamento local para
sobreviver”.
Vou fugir descaradamente da questão
do alojamento local, porque começo a
levantar a voz e não vem daí nenhum bem.
Aquilo que não posso deixar passar é a
actual mania, por parte de quem depende
financeiramente dos turistas, de difamar
Lisboa antes do ano 2000 — que estava a
cair de podre, que estava às moscas, que
era só droga e prostituição, lixo nas ruas e
prédios a desabar dia sim, dia não.
Segundo esta fantasia conveniente, a
Lisboa bonita que temos hoje, da qual
EM PUBLICO.PT os turistas tanto gostam, devemo-la,
precisamente, ao turismo e às receitas que
trouxe.
Em duas décadas, Hollywood Tatuagens veganas: é fácil fazer O livro que mostra “recantos Isto é um tão grande disparate que é
não conseguiu corrigir as uma em Portugal? mágicos” de Portugal escandaloso ter de denunciá-lo. Lisboa
desigualdades de género sempre foi bonita — se não fosse bonita, não
bastava pintar as casinhas e as oficinas e as
Nos últimos 20 anos não houve Para terem selo vegano, as tatuagens têm Dois fotógrafos profissionais e apaixonados lojinhas e os armazéns.
uma grande evolução na indústria de ser feitas com materiais sem produtos contadores de histórias (Joel Santos e Vivi vinte e tal anos em Lisboa até 2005,
cinematográfica no que à igualdade de de origem animal ou testados em animais. Magali Tarouca) lançaram Foto Portugal, todos os dias e todas as noites, batendo toda
géneros diz respeito. Um estudo revela E isto vai além das tintas. um livro XL de fotografia que não só revela a cidade. Grande novidade: Lisboa já era
que as mulheres não chegam a 20% dos p3.publico.pt “recantos mágicos” do nosso país, como deliciosa naquela altura. Havia muita gente
lugares de realizador, guionista, produtores serve de guia a quem quiser explorar e e muita coisa para fazer. Comia-se
e outros na indústria cinematográfica. fotografar os mesmos locais. e bebia-se bem. E divertíamo-nos também.
publico.pt/culto publico.pt/fugas Quem diria?
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

44 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

ESPAÇO PÚBLICO

Espanha, a crise financeira


e os erros do Governo
YVES HERMAN/REUTERS
proferiu acerca de alguns aspectos da
Francisco Assis sua acção governativa. No fundo admitiu
que, apesar da dimensão da crise
internacional, o Governo que integrou
Pedro Solbes fez uma deveria der agido com maior rigor quer
leitura crítica da sua própria na fase de expansão económica, quer
no seu momento recessivo. Esta tese

1.
actuação e da do executivo colide radicalmente com a interpretação
liderado por Zapatero histórica dessa época recente
prevalecente em largos sectores da
Em Maio do ano passado o esquerda democrática europeia. Colide,
Parlamento espanhol criou uma desde logo, com a posição daqueles que
comissão especial denominada identificam qualquer preocupação séria
Comissão de Investigação sobre de rigor orçamental com a prática de uma
a Crise Financeira de Espanha austeridade desumana. Solbes revelou
e o Programa de Assistência uma grande coragem ao contrariar o
Financeira com o intuito de espírito sectário do tempo e permitiu, a
promover o esclarecimento meu ver, a abertura de uma discussão que
possível sobre as causas e a desejavelmente também se deve levar a
natureza da grave crise que cabo no caso português.
afectou o país vizinho. No âmbito dos 2. Há umas semanas publiquei neste
trabalhos dessa comissão foram ouvidos espaço um artigo intitulado “A defesa da
no decorrer desta semana vários ex- honra do PS”. Tal como previa e, aliás,
responsáveis pela condução da política afirmei na ocasião, tal texto originou
económica e financeira dos governos de severas críticas. Não há dúvida que teria
Aznar e de Zapatero. Ontem de manhã sido bem mais cómodo permanecer
ocorreu a audição de Pedro Solbes, em silêncio. Só que tal comodidade
que exerceu as funções de ministro das incomodar-me-ia. De resto, as críticas
Finanças e de vice-presidente do Governo que me foram dirigidas não se afastaram
de Zapatero entre Abril de 2004 e Abril de do campo da argumentação democrática
2009. Solbes, que havia desempenhado livre e racional e, como tal, merecem a
anteriormente as funções de comissário consideração de uma resposta.
europeu dos Assuntos Económicos Em nenhum momento desse meu texto
e Monetários, era, à época, uma das afirmei que o PS enquanto instituição ou
principais personalidades políticas aqueles, muitos, que em seu nome agiram
espanholas, quer pela função que exercia, não cometeram erros ou não praticaram
quer pelo prestígio de que dispunha. póstuma, ora contestando outros a haverá que salientar o que nele releva actos merecedores de reprovação.
Ontem no seu depoimento perante própria natureza das considerações de uma atitude de grande seriedade Também não só não reclamei para o PS
os parlamentares optou por fazer uma enunciadas, ora saudando ainda outros intelectual. A decisão política é por o exclusivo do contributo para o que
leitura crítica da sua própria actuação a bondade do definição contingente, indissociável do de melhor sucedeu no nosso percurso
e da do Governo em que se integrava gesto autocrítico. contexto específico em que é tomada e nacional nas últimas décadas, como até
no decorrer do período histórico em É natural que da própria precariedade inerente a toda a critiquei a tese, hoje muito divulgada,
apreciação. Começou por reconhecer assim ocorra numa actividade humana. As democracias liberais que procura desqualificar a contribuição
que se haviam equivocado totalmente nas sociedade liberal e assentam precisamente, entre outras coisas, fornecida por outros partidos, em especial
previsões macroeconómicas, revelando-
se incapazes de detectar a verdadeira
Solbes revelou pluralista.
Há dois aspectos
na aceitação dessa contingência e, como
tal, convivem melhor do que qualquer
os que se situam no campo da direita
democrática e liberal.
amplitude da recessão verificada em uma grande que em minha outro regime político com o modelo da O que afirmei e reitero é a minha
2009, o que prejudicou a adopção de
medidas mais adequadas à tormentosa
coragem e opinião devem
ser destacados no
tentativa e erro como fórmula preferencial
da acção política. Por isso mesmo este tipo
plena convicção de que o PS teve ao
longo dos anos um papel decisivo na
situação então vivida. Indo ainda mais permitiu a depoimento de de regime revela pouca compatibilidade edificação do regime democrático,
longe, reconheceu que em anos anteriores abertura de Pedro Solbes: o com o excesso de convicção que leva na criação de condições promotoras
se poderia ter executado uma política reconhecimento ao dogmatismo e ao sectarismo. Pelo do desenvolvimento económico e na
orçamental mais focada na obtenção uma discussão do erro à luz de contrário, ao compreender o carácter instauração de um Estado- -providência
de superavits, de modo a robustecer as que também uma informação falível de toda a decisão, acaba por apelar que dignificou a vida de milhões de
finanças públicas, assim como reconheceu
também que algumas decisões tomadas
se deve levar superveniente e
a identificação da
à prevalência de um permanente espírito
crítico. Dessa forma, o reconhecimento
portugueses. Afirmei ainda que essa
é a verdadeira identidade do PS,
no sentido da redução da carga fiscal ou a cabo no caso natureza desse erro do erro não constitui nenhum modo de contrariando, desta forma, a caluniosa
da promoção de múltiplos investimentos
públicos não foram as mais razoáveis.
português em função de um
posicionamento
expiação moral, como é característico das
ditaduras, mas antes uma manifestação de
imputação que lhe tinha sido dirigida pelo
Bloco de Esquerda. Admitirão aqueles que
Esta atitude, rara em tempos tão doutrinário lucidez política. me criticaram que a natureza da minha
dados a exaltações fanáticas, merece e político Já no que diz respeito ao segundo intervenção pública não é coadunável
consideração e deve originar reflexão. devidamente ponto parece-me muito relevante que um com qualquer tipo de obstinação acrítica
Não faltarão, decerto, comentários consolidado. homem que sempre se situou no campo ou de proselitismo primário.
contraditórios acerca das mesmas, ora Em relação ao da esquerda liberal e democrática formule
enfatizando uns o demérito da lucidez primeiro aspecto o tipo de considerações que ele próprio Eurodeputado (PS). Escreve à quinta-feira
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 45

ESPAÇO PÚBLICO

Estes silêncios que O truque dos helvéticos


tanto nos “afetam” é arriscar sempre mais

N
Mesmo assim, o AFAO continua, impante, do programa de expansão quantitativa

N
Nuno Pacheco a espalhar a detestável “boa nova” que já Ricardo Cabral do BCE, o euro tem-se apreciado face
Em Público não convence ninguém. “Já somos 1000! ao dólar. Daí resulta a depreciação do
Obrigado!”, exclamam. Mas, ao contrário do o dia 15 de Janeiro de 2015, o franco suíço em relação ao euro e, em
o final de 2017 houve em célebre slogan do velho PPD (“hoje somos Banco Nacional Suíço (BNS) consequência, enormes ganhos financeiros
Portugal a costumeira votação muitos, amanhã seremos milhões”), não deixou de impor um tecto para o BNS, estimados em 54 mil milhões
da palavra do ano. Uma coisa cresceram, definharam. mínimo para a taxa de câmbio de CHF.
destinada a cibernautas e Nenhuma comparação com os opositores do franco suíço (CHF) face ao Pode argumentar-se que os responsáveis
promovida pela Porto Editora, ao “monstro”. Em 2009, a petição Em Defesa euro que, até essa data, era de do BNS tinham razão, e que, com mão
que apresentava uma lista à da Língua Portuguesa (e contra o AO) juntou 1€=1,2 CHF. segura, conduziram a política cambial
votação. Ganhou, como se mais de 100.000 assinaturas; actualmente, O BNS reagia desse modo de forma prudente, assegurando ganhos
sabe, a palavra “incêndios”, a petição pública Cidadãos contra o “Acordo ao programa de expansão significativos para os contribuintes suíços.
apoiada por (diz a editora) Ortográfico” tem 22.140 assinaturas e quantitativa do BCE, que teve Mas o que se afigura que este caso
37% dos 30 mil votantes. Mas o grupo a ela ligado cerca de 28.000 início em Março de 2015 com o programa prova é que um banco central, com o
houve um curioso episódio associado a membros; também no Facebook, a página de compras de activos do sector público poder “ilimitado” de imprimir papel-
esta votação que passou despercebido: o dos Tradutores Contra o Acordo Ortográfico (PSPP), originando a depreciação do moeda, consegue ser mais irracional que
apelo ao voto na palavra “afeto” (sem C, tem 23.746 seguidores; e o grupo Em aCção euro face ao dólar e colocando a moeda os mercados impondo a taxa de câmbio
tal como a apresentou a Porto Editora, que contra o Acordo Ortográfico” tem cerca de suíça sob pressão crescente, dado que os que entende adequada para a sua moeda,
se rendeu ao acordo ortográfico depois 53.000 membros. Já a Iniciativa Legislativa especuladores apostavam que o franco desde que o objectivo seja impedir a sua
de inicialmente se lhe opor). O primeiro de Cidadãos Contra o Acordo Ortográfico suíço se iria valorizar em relação ao apreciação.
a fazê-lo, publicamente, foi o director (ILCAO) conta com euro, mas também porque a Suíça regista Os responsáveis do BNS adoptaram
(com C) do jornal Correio do Minho, num 15.773 assinaturas excedentes elevados de balança corrente e uma estratégia muito arriscada porque,
artigo de opinião intitulado “Incêndios ou validadas. De cada de capital. para assegurar que não sofreriam perdas,
afetos?”, publicado no dia 28 de Dezembro. vez que o tema se Para impedir a apreciação da sua taxa aplicaram montantes crescentes de francos
Começava assim: “Em primeiro lugar é discute, as opiniões de câmbio, o BNS estava obrigado a suíços em activos financeiros denominados
bom registar que ainda não aderimos ao
novo acordo ortográfico. Em segundo... não
É uma coisa que maioritariamente
expressas, ao vivo
intervenções crescentes, imprimindo mais
moeda (novos CHF) para adquirir divisa
em moeda estrangeira. A aposta resultou
graças à bolha especulativa que se vive nos
escrevi nenhuma gralha no título. Afetos é o os portugueses ou em votações, são estrangeira. Quando, a partir de 15 de mercados.
nome que aparece no site da Porto Editora, podem fazer: esmagadoramente Janeiro de 2015, deixou o CHF apreciar-se Mas a Suíça continua a registar elevados
promotora da iniciativa ‘Palavra do Ano contra este acordo. O livremente nos mercados o BNS arriscou-se excedentes da balança corrente, de +11% do
2017’.” E apelava, por razões sociais, ao voto quebrar o seu que justifica, então, a incorrer em enormes perdas financeiras PIB em 2016.
em massa na segunda palavra: “‘Incêndios’ silêncio em a sua sobrevivência? se o CHF continuasse a apreciar-se. Face a tais níveis de excedentes externos,
é uma palavra que nos transmite tristeza,
morte, angústia, desespero... tudo coisas
matéria de O laxismo geral, a
ideia (errada) de que
Em 2015, o BNS registou perdas de 23
mil milhões de CHF. Tais perdas eram
compete às autoridades helvéticas deixar o
CHF apreciar-se gradualmente, ao invés de
más. Afeto é o que precisamos para iniciar ortografia é obrigatório por lei consequência do volume acumulado de se congratularem pelos efeitos financeiros
da melhor maneira o ano de 2018.” Foi o que (não é, foi imposto investimentos em moeda estrangeira da desvalorização do CHF no portfolio de
pensaram muitos votantes. No momento por resoluções realizados pelo BNS com a moeda investimentos do BNS.
em que o artigo foi publicado, “incêndios” do Conselho de estrangeira que adquirira no âmbito da Por isso, seria talvez mais prudente que
ia com 38% e “afeto” com 18%; terminaram Ministros) e a intervenção no mercado cambial, com o os responsáveis do BNS optassem por criar
com 37% e 20%. Mas outros apoiantes de ditadura insana objectivo de manter a taxa de câmbio da as condições para que o franco suíço se
“afeto” vieram a terreiro. No Facebook, dos correctores sua moeda em relação ao euro. Argumentei, aprecie lentamente, vendendo activos em
o grupo A Favor do Acordo Ortográfico ortográficos (que o na altura, que se o CHF se apreciasse mais o moeda estrangeira e reduzindo a dimensão
publicou quase de imediato um comentário AO mudou para “corretores”, como os da BNS sofreria enormes perdas (estimadas em do balanço do BNS.
de incentivo: “Leiam o artigo e, se assim Bolsa). Caiam todos eles, ou alguns deles, 160 mil milhões de euros, se 1 CHF passasse
o entenderem, votem na palavra ‘afeto’ e o “monstro” também cairá, para alívio a valer 1,16€) e que, por conseguinte, era
(seria a primeira vez que uma palavra universal — Brasil, África e Oriente incluídos. provável que o banco central da Suíça
alterada pelo acordo ortográfico ganhava No rescaldo de uma investigação retomasse as intervenções tentando evitar
uma votação deste género”) — seguia-se um jornalística sua, a TVI lançou em finais de uma apreciação excessiva da sua moeda.
emoji maroto, a piscar o olho. Vejam bem 2017 uma campanha intitulada #NAO ADOTO Assim parece ter sido de facto: o Banco
a diferença: um apelou aos sentimentos; os ESTE SILENCIO. Várias personalidades, Nacional Suíço parece ter imprimido mais
outros, fingindo apoiá-lo, à ortografia. segurando um cartaz com tal frase, gravaram de 140 mil milhões de novos CHF, entre
Mas a que se dedica o grupo A Favor do vídeos. Ouça-se o de Ricardo Araújo Pereira: Janeiro de 2015 e Novembro de 2017,
Acordo Ortográfico (AFAO)? A apontar o “Este caso de uma rede internacional de que terá utilizado para adquirir divisa
dedo acusador a quem teima em não aplicar adopção ilegal de crianças no Lar da Igreja estrangeira para evitar a apreciação da sua
o malfadado acordo. “Ainda há jornalistas Universal do Reino de Deus é absolutamente moeda.
que insistem em escrever à antiga. Seis chocante e por isso eu não adopto este Recentemente, com o anúncio do fim
anos para se adaptarem às regras do acordo silêncio. E não adopto com P, porque eu
não chegam? Vergonhoso...” E é recente, também não adopto o acordo ortográfico.
a existência de tal grupo? Não, é antiga, Por isso, não adopto duas vezes este silêncio.”
tem sete anos no Facebook. No início É uma coisa que todos os portugueses
apresentava “1905 gostos”, confirmados na podem fazer: quebrar, resolutamente, o seu
sua página; em 2016 indicava “1094 pessoas silêncio em matéria de ortografia. Por Ricardo Cabral, Francisco Louçã
curtiram isso”; e neste dia 10 de Janeiro e António Bagão Félix
exibia, triunfal: “1093 pessoas gostam disto”. Jornalista. Escreve à quinta-feira
Dois a menos, em sete anos! Notável feito! nuno.pacheco@publico.pt Ricardo Cabral escreve à 2.ª e 5.ª, António Bagão Félix à 3.ª e 6.ª e Francisco Louçã à 4.ª e sáb.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

46 • Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

ESPAÇO PÚBLICO

Outro destino para PGR constituc


três teatros de Lisboa renovável?
NUNO OLIVEIRA
performativa” que se fazia no MM, passa
Miguel Lobo Antunes para o BA, onde ela se sente bem. A Jorge Bacelar Gouveia
programação para crianças e jovens que
antes se desenvolvia no mesmo MM, bem
A petição que circula como as pessoas por ela responsáveis, vão Dizer-se que não se repropõe
criticando a decisão da CML, para o LC, com muito melhores condições
do que no acanhado espaço onde viviam.
certa personalidade porque a

A
assinada por pessoas que O MM é devolvido à sua vocação original, Constituição não deixa é um
tanto prezo, não me convence abrindo-se concurso para quem queira modo peculiar de entender o

1.
tomar conta da sala. Com os excelentes
17 de dezembro passado, a atores que existem, de quem as pessoas jogo jurídico-constitucional
vereadora com o pelouro da gostam muito sobretudo via telenovelas,
Cultura da Câmara Municipal reconhecido e dito por Mark Deputter, até com espetáculos atraentes de carreiras O mundo da justiça e da política
de Lisboa (CML), Catarina Vaz há pouco o diretor artístico do MM. Lembro- longas, a sala pode ser rentável, admito, com ficou particularmente atento e
Pinto, numa entrevista a este me de me contar que programava “contra a uma programação diferente das comédias sobretudo surpreendido com a
jornal, informou o que a câmara sala”. Quem frequentasse o teatro sentava- do Teatro Villaret, dos diversos que vão ao interpretação “pessoal” da ministra
decidiu quanto ao futuro do se amiúde em bancada colocada na plateia Teatro Armando Cortez, ou ao Tivoli ou da Justiça sobre a proibição
Teatro Maria Matos (MM) e ao ou no palco, porque os espetáculos assim o Casino de Lisboa, estas duas últimas salas de constitucional de renovação do
de duas salas que agora são exigiam. grande dimensão. mandato da procuradora-geral
geridas pela EGEAC, o Teatro Havendo ao tempo só mais um local, A petição que circula criticando a da República. Interpretação
Luís de Camões (LC), na Calçada da Ajuda, a Culturgest, com uma programação decisão da CML, assinada por pessoas que foi secundada — não se sabe
e o Teatro do Bairro Alto (BA), durante “contemporânea”, o que o MM apresentava, que tanto prezo, não me convence. Diz se em “damage control” — pelo
muitos anos sede da Companhia Teatro da apesar de desajustado ao espaço (o que que o município gastou ali muito dinheiro primeiro-ministro no debate parlamentar
Cornucópia. também em parte sucede com a Culturgest), em obras e equipamento e agora vai dá- de anteontem. Sabemos que em Direito as
O destino a dar ao MM tem sido criticado, fazia falta a Lisboa. lo a privados. O investimento feito foi-o interpretações não são líquidas, mas esta
que eu saiba, quer no Facebook, quer numa Entretanto, o número de sítios onde esse antes do destino “contemporâneo” dado assunção de posição assume uma gravidade
reunião de colaboradores e amigos do teatro, tipo de programação se faz aumentou. O à sala, e era indispensável para se manter especial, que em muito transcende a mera
quer ainda através de uma petição que S. Luiz, o D. Maria II, o Teatro do Bairro, operacional. Quem explorar o MM não fica perspetiva jurídico-constitucional.
continua a circular recolhendo adesões. e vários outros que não se assemelham a com um excelente negócio, antes arrisca o 2. Concluir que o mandato da
O MM foi inaugurado em 1969 e era uma salas de teatro, acolhem esse género de seu dinheiro e o seu trabalho e a CML deixa, procuradora-geral é único e não renovável
sala gerida por particulares, casa de algumas espetáculos. Com Luísa Taveira à frente pelo menos, de ter despesa com o teatro. não é uma mera opinião exótica porque é
companhias, que faziam o que hoje em dia da programação do CCB haverá também A cidade não fica mais pobre, enriquece- uma interpretação errada da Constituição.
se chama, muitas vezes depreciativamente, que contar com ele. A meu ver abundam se porque se diversifica o que as pessoas Na letra da Constituição, em lado algum se
“teatro comercial”. Para mim, “teatro em Lisboa os espaços dedicados à criação podem ver e adequam-se os espaços às diz que o mandato de procurador-geral não
comercial” é o que se paga na bilheteira “contemporânea”. funções. Até aqui havia uma sala dedicada possa ser renovado, ao contrário do que
e ainda dá lucro. Como qualquer tipo de A Cornucópia extinguiu-se e a sala, o ao contemporâneo, incluindo o dirigido sucede com os mandatos — esses, sim, únicos
espetáculo, pode ser ótimo, ou não. BA, foi devolvida ao proprietário, que fazia ao público mais novo. Vai passar a haver — dos juízes do Tribunal Constitucional.
Em 1982, o MM foi comprado pela CML, tenções de lhe dar destino diferente. Quando três, uma para o “contemporâneo”, outra Nem é pelo facto de a duração de um cargo
deixando de ter companhia residente e soube, a CML substituiu-se ao Ministério da para o “contemporâneo” só para crianças público ficar delimitada temporalmente que
acolhendo vários tipos de espetáculos. Cultura, passando ela a ser a inquilina, para e jovens, a terceira para espetáculos que esse cargo se torna de exercício único. Se
Em 2003, passou para a gestão da EGEAC, que o BA se mantivesse dedicado às artes. se pagam na bilheteira, em cada uma assim fosse, todos os cargos públicos com
muito degradado, e teve obras profundas e O BA tem a configuração do que se chama se harmonizando o espaço à função. uma definição temporal na Constituição não
comprou-se bom equipamento, reabrindo black box, uma caixa, sem janelas, com uma Não se desperdiçam contactos e redes seriam suscetíveis de renovação. Portanto, os
em 2006. enorme flexibilidade internacionais, porque quem os tem deputados, por exemplo, com um mandato
Em 2008, a CML decidiu que o para apresentação não é o teatro, a sala, são as pessoas, os de quatro anos, por este brilhante raciocínio,
teatro se haveria de vocacionar “para a de espetáculos. programadores que ali trabalharam e levam jamais seriam reelegíveis...
contemporaneidade performativa”, isto é, Um bom espaço consigo esses contactos. Este é um tipo 3. Também não se pode perder de vista a
para teatro, dança, performance, música, para espetáculos de decisão que não carece de discussão delicadeza desta matéria porque, tratando-
espetáculos que combinam tudo isso,
em que se ensaiam formas de expressão
A cidade não “contemporâneos”.
A lotação da
pública. Quem foi eleito para dirigir a
política cultural da câmara deve definir o
se do exercício de um cargo público — que é
uma expressão indeclinável de um direito,
“inovadoras”, que contribuem para a fica mais pobre, bancada que lá destino dos seus equipamentos, ouvindo liberdade e garantia de natureza política —,
evolução das artes e que em regra suscitam a
adesão de poucos.
enriquece- foi posta é de 180
lugares. A CML
quem quiser, se quiser, e assumindo as suas
responsabilidades.
só pode vigorar o princípio da liberdade. Ora,
as restrições de tais direitos são excecionais
O MM é uma sala desadequada à se porque se fez obras no LC Resta ver quem vai tomar conta destas e só serão válidas se constitucionalmente
apresentação desse género de espetáculos. diversifica o que, dizem-me, salas. Aí se joga tudo. A probabilidade de legitimadas. Não se vê onde possa ser
Por diversas razões que resultam da ficou como novo, serem escolhidas pessoas competentes é encontrada essa autorização e é temerário
arquitetura do espaço: capacidade da sala, que as pessoas bem equipado e elevada. Para o LC vai, como foi anunciado, vislumbrar proibições onde elas não existem
relação do palco com o público, rigidez podem ver confortável, com a equipa, dirigida por Susana Menezes, que em matéria de direitos fundamentais.
da configuração dessa relação, existência uma lotação de 175 estava no MM a fazer excelente trabalho. Coisa diversa é discutir a bondade de a
de um só palco, inexistência de uma sala lugares. Para as outras duas salas há bons candidatos Constituição estipular a não recondução: mas
de ensaios (a que, em tempos atrás, servia É a boa altura de possíveis. Vamos ver quem aparece. Espero essa é uma opção que tem de ser analisada
para uma fase de ensaios muito inicial, de ajustar a arquitetura que o futuro demonstre o ajuizado desta e, acima de tudo, constitucionalmente
reduzidas dimensões, passou a acolher, de das salas à sua solução. aprovada pelo Parlamento, o que
forma acanhada, uma boa programação programação. A manifestamente não sucedeu.
de artes para crianças e jovens). Isto era “contemporaneidade Jurista 4. Acresce que a opinião da titular da
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 • 47

ESPAÇO PÚBLICO

cionalmente Chico-espertismo

MIGUEL MANSO
Justiça está em contramão com a mens pelo primeiro-ministro. Estão a imaginar
legislatoris, que foi clara no sentido de M. Fátima Bonifácio ministros e quadros do PS a peregrinar
PS e PSD terem entendido — em acordo para o Campus de Justiça na Expo? Estão
político-parlamentar aquando da revisão a imaginar a que maquinações Sócrates
constitucional de 1997 — que a introdução A remoção da procuradora recorrerá para produzir o máximo de
de um tempo para o mandato do PGR não
implicava a sua não recondução.
não evitará o julgamento de escândalo público?
A remoção de Joana Marques Vidal, per

U
Não pode a governante ignorar esse tempo Sócrates. Mas pode facilitar o se, não evitará o julgamento. Mas poderá
histórico porque sempre foi — e já o era — adiamento para após eleições facilitar ou promover o adiamento para
magistrada do Ministério Público e decerto depois das eleições, quando já nada afectará
se recordará da razão por que se alterou ma das principais os resultados eleitorais.
a Constituição com a predeterminação de especialidades do primeiro- O chico-espertismo escuda-se num
um tempo para o mandato do procurador- ministro António Costa consiste pobre argumento jurídico-político. Disse
geral. Estávamos na década de 90, num em fazer dos cidadãos parvos. Van Dunem à TSF, citada pelo PÚBLICO de
outro tempo revolto — e também de revolta Anteontem abri o PÚBLICO 10.01.18: “A Constituição prevê um mandato
— com um procurador-geral da República online e deparei com a notícia — longo e único. Historicamente, é a ideia
que se eternizava no poder e sobre o qual “Ministra da Justiça abre porta subjacente ao mandato.” Acrescentou ainda
se lançaram as mais variadas dúvidas, até de saída à actual PGR”. Bingo! a ministra que após o caso Cunha Rodrigues,
recebendo o cognome de “Arquivador-Geral Há meses que se especulava se pública, na qual catalogava o ex-amigo e ex- que permaneceu no cargo de 1984 a 2000,
da República”. António Costa teria a coragem — companheiro político como um “merdas” “o que se estabeleceu foi um mandato longo
5. Mesmo que a opinião ministerial deva ou o desplante — de não reconduzir a actual sem “tomates para ser primeiro-ministro”. e um mandato único”. Infelizmente, é falso.
ser fundada na ignorância daquilo que diz procuradora-geral, Joana Marques Vidal, Excelente para Costa: entre os dois, qualquer Primeiro: a Constituição, revista em 1997,
a nossa lei fundamental, ela também não se empossada no cargo em Outubro de 2012. tipo de relações estavam cortadas sem apelo. não proíbe expressa e imperativamente
livrará de acusação, ainda mais penosa, que Van Dunem, ministra da Justiça, essa limitou- Estavam, estão e estarão. Por que raio de a renovação ou extensão do mandato de
é a de justificar uma vontade política com se a fazer de porta-voz da decisão de António motivo quer agora Costa livrar-se de Joana procurador-geral, nem tão-pouco a sua
base numa norma Costa de expelir Joana Marques Vidal da Marques Vidal, a procuradora a quem se exoneração antes de completado o prazo
constitucional PGR (o argumento invocado é risível, e lá irei deve, entre outras, a abertura da Operação previsto do seu exercício (art.º 220; art.º
inexistente. mais adiante). Ou mais exactamente: coube Marquês, que resultou na acusação do ex- 133/alínea M). E só porque o não proíbe é
Ora, é aqui que à ministra ir preparando o terreno para a primeiro-ministro de gravíssimos crimes e que Cunha Rodrigues pôde por lá estanciar
tudo se torna mais decisão talvez mais controversa e suspeita cujo julgamento deverá (ou deveria) iniciar- durante 16 anos, até 2000.
Questão deixou dramático e ninguém
colocou em causa
de todas quantas decisões controversas e
suspeitas Costa já tomou até hoje.
se ainda em 2018?
O julgamento, a iniciar-se, como deve
Segundo: não existe nenhuma tradição
doutrinária consolidada que obrigue à
de ser jurídica as competências António Costa tem sido gabado por ter (ou deveria), lá para o Outono do ano substituição de Marques Vidal em Outubro
e tornou-se dos órgãos
constitucionais
conseguido, graças à sua egrégia habilidade
política, estabelecer em torno do Partido
corrente, vai certamente prolongar-se
por muitos meses (ou até anos). Com toda
deste ano: antes de Marques Vidal, tivemos
desde o 25 de Abril cinco procuradores-
inopinadamente quanto à designação Socialista e da “geringonça” um cordão a probabilidade, o julgamento de José gerais: Pinheiro Farinha, 1974 a 1976 (dois
— ou proposita- do procurador-geral. sanitário que deixe ambos — e que o deixe Sócrates estará em curso ao longo de 2019, anos); Arala Chaves, 1977 a 1984 (oito anos);
O que está escrito é também a ele pessoalmente — ao abrigo de ano de eleições em Maio/Junho (para o Cunha Rodrigues, 1984 a 2000 (16-17 anos);
damente — que se trata de uma uma jorrada de lama possivelmente lançada Parlamento Europeu) e em Setembro/ Souto de Moura, 2000 a 2006 (seis anos);
política escolha combinada pelo desenvolvimento do ominoso caso Outubro (para a Assembleia da República). Pinto Monteiro, 2006 a 2012 (seis anos).
entre o Governo de José Sócrates. Esta estratégia apenas Ora a “ferocidade” do “animal” (“eu sou Ou seja, em cinco procuradores-gerais que
e o Presidente da tem resultado em virtude da amnésia e um animal feroz”, estiveram em exercício entre 1974 e 2012,
República: aquele da distracção do país. Com efeito, quase disse Sócrates) não só dois cumpriram o mandato pseudo-
propõe, este decide ninguém ainda se lembra de que António deve entretanto ter- tradicional de seis anos. Três deles foram
se nomeia ou não a Costa era o número dois do “engenheiro”, e se amansado, bem atípicos — acaso se tivesse estabelecido
pessoa indicada. quase ninguém repara que o pessoal político pelo contrário, deve um mandato tipificado, que os números
Implicitamente,
dizer-se que não se vai repropor certa
que rodeia o primeiro-ministro e integra
a “geringonça” é basicamente o mesmo
A remoção ter-se assanhado.
E, portanto, é
mostram não ter sido o caso. Dois casos em
cinco não fazem uma tradição histórica.
personalidade porque a Constituição não que rodeava Sócrates, a começar pelo de Joana certo e sabido que Conclusão: a remoção de Joana Marques
deixa é, no mínimo, um modo peculiar de
entender o jogo jurídico-constitucional. E
próprio Costa, passando pelos ministros
mais importantes, Santos Silva e Vieira da
Marques Vidal o acusado usará
do direito legal
Vidal, a coberto de desculpas esfarrapadas,
é uma decisão puramente política, que
note-se que isso é feito a cerca de nove meses Silva, e a acabar no secretário de Estado é uma decisão de indicar as suas convém a António Costa e, por extensão, aos
de terminar um mandato, não nas semanas da Segurança Social, Pedro Marques; o puramente testemunhas, seus camaradas de partido e de Governo.
finais do mesmo, e numa altura em que são rasto de Sócrates chega também à Câmara que não podem Tudo aconselhava o prolongamento
efervescentes as notícias que envolvem a Municipal de Lisboa na pessoa do presidente política que recusar-se a depor, do mandato de Marques Vidal, desde a
atuação do Ministério Público. da câmara, Fernando Medina, que cedo se convém a presencialmente sua competência, lisura e coragem, até à
De repente, a questão deixou de ser
jurídica e tornou-se inopinadamente — ou
transformou num apaniguado do círculo
mais promissor do “costismo”.
António Costa ou por escrito. E
que testemunhas
notória inconveniência de a remover numa
circunstância em que a Justiça portuguesa
talvez propositadamente — política, com a António Costa conseguiu duas coisas: chamará ele de passa pela sua maior prova. Paradoxalmente,
multiplicação de opiniões que vão escrevendo silenciar a sementeira socrática acantonada preferência? Os seus é precisamente por causa desta circunstância
o epitáfio funcional mais ou menos no PS e na “geringonça”; passar a impressão, anteriores cúmplices e por causa das raras qualidades da
preenchido da atual procuradora-geral. aliás verdadeira, de que Sócrates não podia ou simplesmente procuradora-geral que esta se torna um
Não foi bonito de se ver. contar com o Partido Socialista para o coniventes, alguns estorvo para António Costa.
proteger. Sócrates retribuiu-lhe a gentileza deles hoje no
Constitucionalista com uma confidência que o Sol tornou Governo, a começar Historiadora
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018

BARTOON LUÍS AFONSO

O RESPEITINHO NÃO É BONITO

Não toquem em Joana Marques Vidal


RUI GAUDÊNCIO
— é incrivelmente estapafúrdia a É verdade que não se percebe
teoria segundo a qual a ministra, bem porque é que Francisca van
na entrevista à TSF, não havia Dunem se lembrou de dizer tal
transmitido uma opinião “política” coisa numa altura destas — para
sobre o assunto, mas apenas mais, com a infelicidade acrescida
partilhado a sua opinião “jurídica”. de ter concedido a entrevista um
João Miguel Tavares

P
Ah, ah, ah, ah. Que magnífica dia depois de o Presidente de
piada. Angola se ter atirado de forma
or favor, não critiquem Em bom rigor, a análise jurídica desbragada à justiça portuguesa.
Francisca van Dunem — do artigo 220 da Constituição Até admito que tenha sido apenas
agradeçam-lhe. Todas Portuguesa pode ser feita por ingenuidade e inépcia. Às vezes
as pessoas que desejam, qualquer um dos meus quatro acontece. O que não admito é que
como eu desejo, que filhos, talvez com excepção da Van Dunem não saiba de cor e
Joana Marques Vidal seja Rita, que ainda não sabe ler. Diz salteado qual a opinião de António
reconduzida no seu cargo devem assim no seu ponto 3: “O mandato Costa sobre o tema. Logo, 1) as suas
estar gratas à ministra da Justiça do Procurador-Geral da República declarações comprometem todo
por ter tido a simpatia de nos tem a duração de seis anos.” Basta o Governo, 2) o desejo de afastar
informar que o Governo não tem ler esta frase em voz alta e a análise a procuradora é bem real, e 3)
qualquer interesse em renovar o jurídica está concluída. Dirão os fãs Joana Marques Vidal precisa de ser
mandato da procuradora-geral de António Costa: “Mas também defendida.
da República. A partir de agora não está lá escrito que o mandato É perfeitamente defensável Dir-me-ão: não haverá outros
sabemos que António Costa não é renovável”. É verdade que argumentar que um mandato magistrados habilitados para
a quer, que Rui Rio não a quer e não. Mas logo dois artigos abaixo longo de seis anos de um desempenhar o cargo com idêntica
que Marcelo Rebelo de Sousa não (222, ponto 3) podemos ler: “O procurador-geral não deve ser competência? A minha resposta é
se pronuncia. Isso só pode querer mandato dos juízes do Tribunal renovado, de forma a preservar a simples: em 44 (curioso número)
dizer que Joana Marques Vidal está
a fazer um excelente trabalho.
Constitucional tem a duração de
nove anos e não é renovável.”
Se houve coisa que sua independência e não ceder à
tentação de agradar ao Governo
anos de democracia não houve. Se
fosse fácil ser independente, outros
O caso acaba por ser um duplo Quando o legislador quis garantir Joana Marques Vidal em funções. Mas — lamento muito teriam sido. Não foram. Portugal
embaraço para o Governo. Não só
Francisca van Dunem reforçou a
a não-renovação de um mandato
escreveu — imaginem — “não é
demonstrou ao longo — não é isso que lá está escrito. E
se houve coisa que Joana Marques
precisa que Joana Marques Vidal
continue até 2024. Doze anos de
posição da procuradora, dado o renovável”. dos últimos seis anos Vidal demonstrou ao longo dos magistrados livres para investigar a
clamor generalizado que originou, Donde, se há coisa que Francisca é imunidade à terrível últimos seis anos é imunidade corrupção que há décadas sufoca o
como entalou o primeiro-ministro van Dunem não fez foi uma à terrível tentação de agradar país não é muito — é muito pouco.
no Parlamento, ao obrigá-lo interpretação jurídica da lei. O tentação de agradar aos governos. É por isso que os
a inventar à pressa uma séria que ela fez, de facto, foi uma aos governos portugueses se afeiçoaram Jornalista
candidata à Pior Desculpa de 2018 interpretação 100% política. tanto a ela. jmtavares@outlook.com

Esta informação não dispensa a


consulta da lista oficial de prémios Totoloto 17 21 32 43 47 4 1.º Prémio
1.700.000€

PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ESTUDANTES


notícias que
ajudam a ver o mundo 0,70€ semana
70% DESCONTO
ASSINATURA ANO LECTIVO

publico.pt/campanhaestudantes

Você também pode gostar