Você está na página 1de 26

1

unidade

A FORMAÇÃO HISTÓRICA DO PENSAMENTO ANTROPOLÓGICO E SUA ARTICULAÇÃO COM AS CIÊNCIAS SOCIAIS
A FORMAÇÃO HISTÓRICA DO
PENSAMENTO
ANTROPOLÓGICO
E SUA ARTICULAÇÃO
COM AS CIÊNCIAS
SOCIAIS

Seção I Civilização e escrita na formação de atitudes antropológicas e pedagógicas. Seção II Civilização e oralidade na formação de atitudes antropológicas e pedagógicas.

Seção III Colonialismo e pensamento social.

1 seções
1
seções
1 seções 2 3 A FORMAÇÃO HISTÓRICA DO PENSAMENTO ANTROPOLÓGICO E SUA ARTICULAÇÃO COM AS CIÊNCIAS

2

3

A FORMAÇÃO HISTÓRICA DO PENSAMENTO ANTROPOLÓGICO E SUA ARTICULAÇÃO COM AS CIÊNCIAS SOCIAIS

• Seção I: refletir sobre escrita como ferramenta cultural para a formação de atitudes pedagógicas e antropológicas.

• Seção II: refletir sobre a oralidade como ferramenta cultural para a formação de atitudes pedagógicas e antropológicas.

• Seção III: refletir sobre o colonialismo como processo de formação do pensamento social.

1

Seção

Unidade I

SEÇÃO I

1 Seção Unidade I SEÇÃO I CIVILIZAÇÃO E ESCRITA NA FORMAÇÃO DE ATITUDES ANTROPOLÓGICAS E PEDAGÓGICAS

CIVILIZAÇÃO E ESCRITA NA FORMAÇÃO DE ATITUDES ANTROPOLÓGICAS E PEDAGÓGICAS

Vamos tentar compreender a relação entre a Antropologia e a Educação. Inicialmente iremos buscar algumas referências históricas que nos auxiliem a estabelecer relações entre uma e outra. Antropologia e Educação são duas importantes áreas do conhecimento científico moderno que se distanciam nos seus conteúdos de reflexão, mas que também se aproximam nos seus processos de análise.

UESC

Pedagogia

19

Antropologia e Educação

Civilização e escrita na formação de atitudes antropológicas e pedagógicas

na formação de atitudes antropológicas e pedagógicas Antropologia: palavra originária do grego que significa
na formação de atitudes antropológicas e pedagógicas Antropologia: palavra originária do grego que significa

Antropologia: palavra originária do grego que significa pensamento sistemático sobre o homem. Anthropos:

homem e logos: razão.

Educação: no sentido aplicado ao texto significa área do conhecimento que busca compreender as relações estabelecidas entre os homens na produção de saberes.

20

Tanto a Antropologia quanto a Educação tomam por tarefa do pensamento o homem e a cultura. Digamos que, enquanto a

Antropologia busca compreender como a cultura produz o homem

e vice-versa, a Educação busca compreender como, através do

ensino e da aprendizagem, a espécie humana produz cultura. Ambas possuem como referências de análise o homem, suas experiências de

convívio social e as práticas e saberes com os quais a espécie humana se relaciona com a cultura sob a forma de pensamento, atitudes e linguagem.

Os primeiros grandes pensadores da antiguidade não separaram

Antropologia e Educação como áreas distintas do conhecimento. Ao criarem seus sistemas de ideias, dedicavam o trabalho de uma vida ao pensamento. A este trabalho chamaram de Filosofia (amor ao saber). Hoje são reconhecidos como filósofos por terem elaborado ensinamentos que buscavam, de forma ordenada, compreender as ações humanas através de princípios e conceitos que orientam tais ações. A filosofia ocidental em sua origem grega buscava demonstrar, como através da vida em sociedade, os humanos produzem conceitos que ordenam suas atitudes. Foi o uso dos registros escritos que permitiu à humanidade acesso a esses ensinamentos que, ainda hoje, nos possibilitam o acesso à maneira como outras civilizações organizavam seus sistemas de ideias e seus sistemas sociais. Tomemos como exemplo dois pensamentos e uma atitude filosófica que demonstram a importância do conhecimento sobre o homem para o desenvolvimento da civilização da espécie humana. O primeiro pensamento está inscrito no Oráculo de Delfos, um templo erguido pelos gregos entre os anos de 650 ac. e 550 ac. na cidade grega de Delfos. Logo na entrada do oráculo, está escrita a seguinte frase: “conhece a ti mesmo”. Através deste pensamento, atribuído aos sete sábios da antiguidade grega, os peregrinos que visitavam o

templo eram convidados a pensar sobre si mesmos para alcançarem

a verdade. Para serem atendidos na sua busca, era necessário que exercitassem o autoconhecimento. Seriam merecedores da verdade

se conhecessem o bastante suas qualidades e seus defeitos, só assim

poderiam lidar, de forma mais adequada, com os ensinamentos do deus Apolo.

O nosso segundo exemplo vem da China Antiga. Está nas

palavras do pensador Kung-Fun-Tse mais conhecido entre nós como Confúcio, e diz o seguinte: “aprender sem pensar é tempo perdido”. Confúcio é considerado um dos maiores pensadores das civilizações orientais. Os registros dos seus ensinamentos foram organizados pelos seus discípulos e orientam, até hoje, as tradições chinesas que

organizados pelos seus discípulos e orientam, até hoje, as tradições chinesas que Módulo 2 I Volume

Módulo 2

I

Volume 1

EAD

1

seguem o confucionismo como um sistema de ideias. O ensinamento destacado anteriormente mostra a importância do pensamento para tornar mais significativas as aprendizagens humanas. Desse ensinamento se deduz que o homem ou a mulher que não pensam

sobre aquilo que aprendem não conseguem guardar lições importantes para suas experiências de vida. O terceiro exemplo também vem da antiguidade. Tem a sua origem em Heródoto, pensador que nasceu na cidade de Halicarnasso

é considerado por

muitos o pai da História, da Etnografia e da Antropologia. Este pensador dedicou toda a sua vida à descrição de inúmeros feitos das civilizações antigas, sobretudo as civilizações egípcia, grega e persa. Passou muitos anos viajando, observando e registrando anotações sobre costumes, guerras, tradições e saberes de outros povos. Organizou seus registros segundo a ordem cronológica das suas

(hoje Bodrum, Turquia), no século V ac

Heródoto

observações e, após a elaboração dos livros que compõem a obra Histórias, dava aulas públicas, nas quais relatava as experiências culturais de outros povos e defendia a observação e o registro da

história tal como ela é vivida pelos povos como a forma mais adequada

de

se conhecer verdadeiramente as civilizações. Tal atitude contribui até os dias de hoje para o desenvolvimento

do

pensamento humano, seja no campo filosófico seja no campo das

Etnografia: prática de pesquisa que deu origem à antropologia aplicada na modernidade. Significa literalmente
Etnografia: prática de
pesquisa que deu origem
à antropologia aplicada
na modernidade. Significa
literalmente registro
escrito das tradições
de um povo. O prefixo
grego etnos designa:
tradição, povo, raça. O
sufixo graphos designa:
registro escrito. No
pensamento antropológico
contemporâneo é comum
compreendê-la como
descrição da cultura.
História: No sentido
atribuído no texto, refere-
se ao campo das ciências
humanas dedicado ao
registro sistemático no
tempo e no espaço dos
acontecimentos que
constituem a humanidade.
Unidade I
Seção

ciências humanas. Contudo nos interessa, neste momento, destacar o caminho feito por Heródoto para chegar ao conhecimento: ir ao encontro de outros povos, observar a maneira como se organizam e

vivem suas tradições, registrar aquilo que foi observado, sistematizar as informações coletadas, compartilhar com outras pessoas o conhecimento produzido a partir da experiência vivida. Tais atitudes foram extremamente inovadoras para as tradições da época. Os gregos aprendiam a História através da narrativa oral

dos mitos que, na maioria das vezes, eram

apresentados através da saga de personagens fantásticos tais como: deuses, semideuses

e heróis (homens e mulheres capazes de

grandes realizações). Tais narrativas míticas eram organizadas sob a forma de Epopeias. Para realizar tal trabalho, o pensador recolhia- se na sua individualidade para rememorar histórias orais de sua tradição e idealizar, de forma grandiosa, os textos que serviriam de base para a compreensão da relação do humano com o mundo. A partir do exemplo de

da relação do humano com o mundo. A partir do exemplo de SAIBA MAIS Epopeia: gênero

SAIBA MAIS

Epopeia: gênero da produção literária apresentado sob a forma de poemas e canções que expõem as narrativas dos grandes feitos de personagens míticos da história antiga.

Mito: campo do saber através do qual o ser humano estabelece uma relação ‘mágica’ com a tomada de consciência do conhecimento. Personagens, eventos e contextos míticos são compostos por características humanas e mais que humanas que os qualificam como superiores na capacidade de realização de grandes feitos. Estão presentes em fábulas, causos e nas mais diversas crenças, que tem por fundamento a existência de formas de inteligência e saberes superiores aos saberes humanos.

UESC

Pedagogia

21

Antropologia e Educação

Civilização e escrita na formação de atitudes antropológicas e pedagógicas

Heródoto, a civilização grega da época passou a questionar a verdade contida nas narrativas míticas sem, no entanto, abandoná-las no seu valor literário ou no seu conteúdo religioso. Afinal de contas era através dos mitos que contemporâneos de Heródoto cultuavam os

seus deuses.

que contemporâneos de Heródoto cultuavam os seus deuses. A TIVIDADE • Organize as suas dúvidas em

ATIVIDADE

de Heródoto cultuavam os seus deuses. A TIVIDADE • Organize as suas dúvidas em forma de
de Heródoto cultuavam os seus deuses. A TIVIDADE • Organize as suas dúvidas em forma de
de Heródoto cultuavam os seus deuses. A TIVIDADE • Organize as suas dúvidas em forma de

Organize as suas dúvidas em forma de pergunta e tente respondê-las.

Qual a importância do conhecimento do homem pelo homem?

Quais reflexões e/ou questões este texto lhe provocou? Cite as mais importantes.

A partir das suas experiências de vida quais as relações que você consegue

estabelecer com o texto?

Qual a sua ideia de homem?

Qual a sua ideia de cultura?

LEITURA COMPLEMENTAR

A música do Olodum, Faraó Divindade do Egito, nos expõe de forma primorosa elementos

de alguns dos mitos mais importantes da História da humanidade do norte da África, em

suas relações com a cultura negra contemporânea, presente na capital baiana. O Egito e

o Pelourinho celebram a história como um encontro entre culturas e evocam, através da

canção, um novo olhar sobre a importância do povo negro para a humanidade.

A letra da canção diz o seguinte:

22

importância do povo negro para a humanidade. A letra da canção diz o seguinte: 22 Módulo

Módulo 2

I

Volume 1

importância do povo negro para a humanidade. A letra da canção diz o seguinte: 22 Módulo

EAD

1

Seção

Unidade I

1 Seção Unidade I UESC Faraó Divindade do Egito Egito Egito ê Composição: Luciano Gomes É

UESC

Faraó Divindade do Egito

Egito Egito ê

Composição: Luciano Gomes

É

que mara mara

Deuses

Maravilha ê Egito Egito ê

Divindade infinita do universo

Egito Egito ê

Predominante

Faraó ó ó ó ó

Esquema mitológico

Faraó ó ó ó ó

A ênfase do espírito original “Chu”

Formará No Éden o ovo cósmico

A emersão, nem Osíris sabe como

aconteceu

A emersão, nem Osíris sabe como

aconteceu

A ordem ou submissão do olho seu

transformou-se na verdadeira

humanidade

Epopéia do Código de Gueb

E Nut gerou as estrelas

Osíris

Hum Pelourinho Uma pequena comunidade Que porém Olodum unira em laço de confraternidade

Despertai-vos para Cultura egípcia no Brasil Em vez de cabelos trançados Veremos turbantes de Tutancâmom

E nas cabeças

Enchei-as de liberdade o povo negro pede igualdade deixando de lado as separações

Proclamou matrimônio com Ísis

Cadê?

E

o mal Seth

Tutancâmom

Irado o assassinou

Hei Gizé

Em per-aä

Akahenaton

Horus levando avante a vingança do pai

Hei Gizé

Derrotando o império do mal Seth

Tutancâmom

E

grito da vitória

Hei Gizé

Que nos satisfaz

Akahenaton

 

Cadê?

Eu falei Faraó

Tutancâmom

Ê

e e e e Faraó

Hei Gizé

Eu clamo Olodum Pelourinho

Akahenaton

Ê

e e e e Faraó

Hei Gizé

Pirâmide da Paz do Egito

Tutancâmom

Ê

e e e e Faraó

Hei Gizé

É

eu clamo Olodum Pelourinho

Akahenaton

Ê

e e e e Faraó

Eu falei Faraó

 

Ê e e e e Faraó

É que mara mara

Eu clamo Olodum Pelourinho

Maravilha ê

É

Ê

e e e e Faraó

Egito Egito ê

Pirâmide a Paz do Egito

Egito Egito ê

Ê e e e e Faraó

que mara mara

É eu clamo Olodum Pelourinho

Maravilha ê

Ê

É

e e e e Faraó

Egito Egito ê

que mara mara Maravilha ê Egito Egito ê

Egito Egito ê Faraó ó ó ó ó Faraó ó ó ó ó

Pedagogia

23

Antropologia e Educação

Civilização e oralidade na formação de atitudes antropológicas e pedagógicas

na formação de atitudes antropológicas e pedagógicas A TIVIDADE Após esta leitura, procure identificar elementos

ATIVIDADE

de atitudes antropológicas e pedagógicas A TIVIDADE Após esta leitura, procure identificar elementos da cultura
de atitudes antropológicas e pedagógicas A TIVIDADE Após esta leitura, procure identificar elementos da cultura
de atitudes antropológicas e pedagógicas A TIVIDADE Após esta leitura, procure identificar elementos da cultura

Após esta leitura, procure identificar elementos da cultura distante do povo

egípcio, procure conhecê-los, reflita sobre a importância destes elementos para a

compreensão da formação humana no seio de uma determinada tradição cultural e

escreva o seu próprio texto sobre o seguinte tema: Homem, cultura e vida em sociedade. Este texto deverá ter, no mínimo, trinta linhas e, no máximo, sessenta linhas. Elabore o texto como se organizasse o seu próprio mapa de trajetos para a compreensão da relação entre Antropologia e Educação.

LEITURA RECOMENDADA

Acesse o site de procura Google para obter maiores informações sobre as referências utilizadas no texto para a abordagem do tema da aula: www.google.com.br.

Assista ao filme Ran, de Akira Kurosawa, para conhecer melhor o universo da civilização japonesa. Através do filme procure estabelecer conexões entre as tradições culturais e os princípios educativos apresentado pelo filme

culturais e os princípios educativos apresentado pelo filme RESUMINDO Os objetivos do texto apresentado são: a)

RESUMINDO

e os princípios educativos apresentado pelo filme RESUMINDO Os objetivos do texto apresentado são: a) apresentar
e os princípios educativos apresentado pelo filme RESUMINDO Os objetivos do texto apresentado são: a) apresentar

Os objetivos do texto apresentado são: a) apresentar a Antropologia

e a Educação como atitudes indissociáveis na experiência de duas civilizações

da antigüidade: a civilização grega e a civilização chinesa; b) destacar a

relação entre homem e cultura como uma experiência social de produção do

conhecimento, que torna possível o desenvolvimento do pensamento e da

linguagem; c) destacar que o conhecimento do homem pelo homem define

a base do conhecimento filosófico da antropologia e, que o ensinamento do

conhecimento sobre o homem define a base pedagógica da construção da vida

comum em diferentes civilizações distantes.

Destacam-se como exemplos da escrita como ferramenta cultural das

civilizações grega e chinesa: o Oráculo de Delfos e o desafio do autoconhecimento

compilado pelos seguidores de Confúcio para a difusão da base moral do seu

pensamento.

Heródoto é considerado o pai fundador da História, da Etnografia e da

Antropologia, suas orientações para a aplicação da observação e o registro dos

fatos para elaboração do pensamento sobre outras culturas introduzem atitudes

antropológicas e pedagógicas para a utilização da escrita como ferramenta

cultural no processo civilizatório ocidental.

24

da escrita como ferramenta cultural no processo civilizatório ocidental. 24 Módulo 2 I Volume 1 E

Módulo 2

I

Volume 1

EAD

2

Seção

Unidade I

SEÇÃO II

2 Seção Unidade I SEÇÃO II CIVILIZAÇÃO E ORALIDADE NA FORMAÇÃO DE ATITUDES ANTROPOLÓGICAS E PEDAGÓGICAS

CIVILIZAÇÃO E ORALIDADE NA FORMAÇÃO DE ATITUDES ANTROPOLÓGICAS E PEDAGÓGICAS

Antes da chegada dos portugueses ao Brasil, mais de mil povos de diferentes etnias ocupavam as terras que hoje compreendem a nossa nação. Tais povos tinham em comum a oralidade como ferramenta de preservação e multiplicação dos seus conhecimentos na experiência da vida em sociedade. Para pertencer a um determinado grupo étnico, o indivíduo deveria conhecer a história do seu povo através da experiência dos seus ancestrais.

UESC

Pedagogia

Etnias: palavra de origem grega que significa povo ou raça.
Etnias: palavra de origem
grega que significa povo
ou raça.

25

Antropologia e Educação

Civilização e oralidade na formação de atitudes antropológicas e pedagógicas

Etnias Pré-Cabralinas: povos existentes nas terras brasileiras antes da invasão dos portugueses chefiada por Pedro
Etnias Pré-Cabralinas:
povos existentes nas terras
brasileiras antes da invasão
dos portugueses chefiada
por Pedro Álvares Cabral.

26

A ancestralidade pode ser compreendida como uma linguagem predominantemente oral através da qual os mais velhos compartilham com os mais novos os ensinamentos originais dos seus antepassados. Segundo esta experiência, a ideia de homem é indissociável da ideia de cosmos e os saberes e fazeres que constituem a cultura específica de cada povo ou nação consolidam as aprendizagens fundamentais para a vivência do indivíduo em sua comunidade de origem. Com o tráfico de escravos da África Negra para o Brasil, outros povos de tradição oral passam a compor os cenários de formação do povo brasileiro. A oralidade foi fundamental para que os primeiros africanos transpostos para nossas terras mantivessem vivas suas memórias culturais, sobretudo no que diz respeito aos seus costumes religiosos, culinários, linguísticos, agrícolas, manufaturais e festivos. Também para estes povos, a palavra falada, em plena circulação na experiência da vida em grupo, radicava visões de mundo em que tornar-se humano era, sobretudo, pertencer a um povo, vincular-se a uma etnia. Nestes contextos em que a oralidade dimensiona as relações entre linguagem e pensamento, a construção coletiva da memória cultural se revela como fundamento das experiências antropológicas e pedagógicas que, diferentemente das civilizações em que a experiência da escrita indica o caminho da história das civilizações, tomam por base o convívio e a troca da palavra falada como fundamento da consciência de si com os outros na vida em sociedade. Tais povos construíram nações, sistemas econômicos, armamentos, rituais religiosos, artefatos agrícolas, práticas de cura, enfim um sem número de saberes, valores e fazeres que os definiam como praticantes de uma experiência específica de civilização. O trágico contato de etnias indígenas e africanas com portugueses, holandeses, franceses, espanhóis e ingleses, no processo de colonização no Brasil, erradicou parcialmente a experiência da oralidade na construção efetiva de uma outra civilização que hoje nós experimentamos nacionalmente. No entanto, muitas de suas tradições atravessaram os mais de quinhentos anos de história do nosso país. Segundo os dados do Instituto Socioambiental (2006), ainda existem no Brasil cerca de 225 etnias pré-cabralinas em nossas terras. Com relação às tradições de origem africanas, os remanescentes de quilombos nas zonas rurais e urbanas e os afrodescendentes dos mais diferentes estados brasileiros, preservam no interior da nossa cultura, inúmeros elementos dos seus antepassados. Isto nos revela a importância da oralidade como elemento da nossa formação. Revela ainda a

revela a importância da oralidade como elemento da nossa formação. Revela ainda a Módulo 2 I

Módulo 2

I

Volume 1

EAD

2

Seção

importância da palavra falada como ferramenta de registro, resistência

e afirmação cultural de um povo. Deste ponto de vista, podemos compreender a Antropologia e a Educação como experiências vividas que se constituem e se consolidam no interior da vida em grupo. Ao contrário dos povos ocidentais e orientais que encontraram na escrita uma ferramenta de registro da história, os povos ágrafos celebram a palavra falada como garantia de manutenção de sua própria existência. A oralidade

é, em última análise, a dimensão existencial mais profunda da relação entre o indivíduo e o grupo. Deste ponto de vista, a Antropologia e

a Educação não podem ser compreendidas como filosofia ou ciência,

mas como sabedorias necessárias para garantir aos indivíduos sentimento e conhecimento de pertença a um grupo. O reconhecimento do valor destas experiências antropológicas

e pedagógicas de outras culturas ainda é tema de debate na atualidade.

Podemos afirmar que a excessiva valorização da presença dos europeus no Brasil produziu uma visão eurocêntrica do mundo. Tal visão ainda está presente nos nossos modelos de organização da sociedade em que, a título de exemplo, a palavra escrita ainda é mais valorizada que a palavra falada, o saber científico é mais valorizado que o saber popular, os padrões culturais europeus são mais valorizados que outros padrões culturais. No entanto diversas expressões de saberes não-europeus atravessam a história e nos indicam a importância da oralidade como forte expressão de pensamento e linguagem entre nós.

Povos Ágrafos: povos que não possuem o domínio da escrita. Unidade I
Povos Ágrafos: povos que
não possuem o domínio da
escrita.
Unidade I
povos que não possuem o domínio da escrita. Unidade I A TIVIDADE • Organize as suas

ATIVIDADE

não possuem o domínio da escrita. Unidade I A TIVIDADE • Organize as suas dúvidas em
não possuem o domínio da escrita. Unidade I A TIVIDADE • Organize as suas dúvidas em
não possuem o domínio da escrita. Unidade I A TIVIDADE • Organize as suas dúvidas em

Organize as suas dúvidas em forma de pergunta e tente respondê-las.

De que maneira você define a Antropologia e a Educação como saberes produzidos através da experiência vivida?

Qual a importância da oralidade para o desenvolvimento do pensamento e da linguagem?

O que você entende por ancestralidade?

Quais as contribuições culturais de povos indígenas e africanos para a formação de sua comunidade?

UESC

Pedagogia

27

Antropologia e Educação

Civilização e oralidade na formação de atitudes antropológicas e pedagógicas

LEITURA COMPLEMENTAR

Os textos apresentados a seguir foram retirados de duas importantes obras publicadas recentemente no Brasil: Terra dos Mil Povos (2002) e O Espírito da Intimidade (2003). O primeiro foi escrito por Kaká Werá Jecupé, representante da etnia brasileira Txucarramãe; o segundo livro foi escrito por Sobonfu Some, uma africana que pertence à tribo Dagara da África do Oeste. Colocam-se em destaque nos trechos transcritos, a memória cultural e a iniciação como fundamentos do pertencimento do indivíduo a um povo e suas tradições.

A Memória Cultural

“A memória cultural se baseia no ensinamento oral da tradição, que é a forma original da educação nativa, que consiste em deixar o espírito fluir e se manifestar através da fala aquilo que foi passado pelo pai, pelo avô e pelo tataravô. A memória cultural também se dá através da grafia-desenho, a maneira de guardar a síntese do ensinamento que consiste em escrever através de símbolos, traços, formas e deixar registrado no barro, no trançado de uma folha de palmeira transformado em cestaria, na parede e até no corpo, através de pinturas feitas com jenipapo e urucum. Um narrador da história de um povo indígena começa um ensinamento a partir da memória cultural do seu povo, e as raízes dessa memória cultural começam antes de o Tempo existir. O Tempo chegou depois dos ancestrais que semearam as tribos no ventre da Mãe Terra. Os ancestrais fundaram o Mundo, a Paisagem e, de si mesmos, fundaram a humanidade. Foi nesse momento que o Tempo surgiu. Para o povo indígena, a origem da tribo humana está intimamente ligada à formação da Terra, assim como o Tempo está intimamente ligado à formação da humanidade. O Tempo organizou o espaço dos ancestrais, do Homem, da paisagem, das Tribos. A formação da Terra está ligada ao coração do Sol, da Lua e das Estrelas. Na consciência indígena, tais seres também fazem parte do Grande Conselho dos Ancestrais, de maneira que pertencemos, pela memória, pelo sangue, também à parte descendente. Essa visão pode ser chamada de cosmologia nativa.”

Iniciação: aprendizado

Kaká Werá Jecupé, 2002

“Em nossa aldeia, as crianças aprendem sobre intimidade e ritual desde o nascimento. Quando amadurecem, torna-se crucial desenvolverem uma compreensão

profunda dessas questões. Na iniciação, os anciãos orientam os jovens sobre intimidade, sexualidade e ritual, para que saibam o que lhes espera. Assim, evitamos que se firam quando adentram o território desconhecido da maturidade.” “A iniciação das mulheres ocorre depois do seu primeiro ciclo menstrual. É feita uma vez por ano, entre dezembro e fevereiro. Assim, se o seu primeiro período for em março, você terá de esperar até a próxima iniciação. No caso dos homens, a iniciação é feita na puberdade, quando começam a querer ser adultos, quando os hormônios começam

a aparecer Durante a iniciação, você aprende muitas coisas; sexo e intimidade são apenas parte dos ensinamentos. Mesmo após a iniciação, há um longo período de acompanhamento por um tutor. Quando você sente que há algo que não está entendendo, sempre pode procurar um ancião.

28

sente que há algo que não está entendendo, sempre pode procurar um ancião. 28 Módulo 2

Módulo 2

I

Volume 1

sente que há algo que não está entendendo, sempre pode procurar um ancião. 28 Módulo 2

EAD

2

Seção

Unidade I

2 Seção Unidade I Intimidade é algo sagrado, e não se deve brincar com isso. Existe

Intimidade é algo sagrado, e não se deve brincar com isso. Existe um grande perigo na intimidade. Quando você mergulha nela de olhos fechados, pode facilmente ferir-se. É por isso que os mentores são tão importantes: para que a pessoa evite agir com base em conhecimento ilusório.”

Sobonfu Somé, 2003

com base em conhecimento ilusório.” Sobonfu Somé, 2003 A TIVIDADE Apesar das diferentes origens étnicas e

ATIVIDADE

conhecimento ilusório.” Sobonfu Somé, 2003 A TIVIDADE Apesar das diferentes origens étnicas e de gênero dos
conhecimento ilusório.” Sobonfu Somé, 2003 A TIVIDADE Apesar das diferentes origens étnicas e de gênero dos
conhecimento ilusório.” Sobonfu Somé, 2003 A TIVIDADE Apesar das diferentes origens étnicas e de gênero dos

Apesar das diferentes origens étnicas e de gênero dos dois autores, os textos

revelam elementos importantes para compreendermos as experiências antropológicas

e pedagógicas entre povos indígenas e africanos: a memória cultural como contexto

dos ensinamentos ancestrais e a iniciação como prática de ensino das tradições de

um povo. Você se recorda de suas experiências de aprendizagem oral? Quais as que

mais marcaram suas vivências? Elabore um texto descritivo em que você apresente

de forma resumida uma experiência de aprendizagem na comunidade em que você

vive ou no grupo familiar a que você pertence. Procure descrever com precisão o

contexto social desta aprendizagem (grupo social e local em que ela aconteceu); a

forma como foi ensinado ou ensinada; o conteúdo apreendido desta experiência; a

pessoa responsável pelo ensinamento e a posição social que esta pessoa ocupa na sua

família ou na sua comunidade.

UESC

LEITURA RECOMENDADA

Acesse o site www.mec.gov.br clique no link educação, ao entrar na página do Ministério da Educação, logo na primeira coluna à direita você vai encontrar a indicação: professores e diretores, clique no link publicações e faça download do livro: História da Educação do Negro e outras histórias. O primeiro artigo deste livro busca definir: Uma abordagem sobre a educação dos negros. Trata-se de um interessante texto de Mariléia dos Santos Cruz. Aproveite a leitura para refletir sobre as questões apresentadas até aqui.

Assista ao filme: Narradores de Javé. O enredo do filme busca apresentar os dilemas vividos por uma comunidade no interior da Bahia, os habitantes de Javé não dominam a escrita e precisam elaborar um documento que prove a importância histórica do local que está ameaçado de deixar de existir, pois suas terras serão utilizadas na construção de uma barragem.

que está ameaçado de deixar de existir, pois suas terras serão utilizadas na construção de uma

Pedagogia

29

Antropologia e Educação

Colonialismo e pensamento social

RESUMINDO

e Educação Colonialismo e pensamento social RESUMINDO O texto busca apresentar a experiência cultural, através
e Educação Colonialismo e pensamento social RESUMINDO O texto busca apresentar a experiência cultural, através

O texto busca apresentar a experiência cultural, através das tradições orais de outros povos como fundamento da construção da noção de homem e cultura. É importante destacar a oralidade como ferramenta de

elaboração e manutenção da memória cultural que traduz a Antropologia e

a

Educação como sabedorias emergentes da existência dos povos indígenas

e

africanos. Ressalta-se ainda o valor do homem e da cultura entre etnias

indígenas e africanas como base para a construção do conhecimento na vida em comunidade. As situações de conflito cultural entre tradições escritas

e tradições orais constituem o processo de colonização que deu origem à

civilização brasileira contemporânea. Para compreender a reflexão proposta pelo texto é importante tomar como referências de análise do seu conteúdo: a) a oralidade como base da cultura dos mais de mil povos habitantes do Brasil antes da chegada dos portugueses; b) ancestralidade como linguagem que traduz a experiência humana como traço marcante das etnias indígenas e africanas no Brasil; c) Antropologia e Educação como sabedorias construídas nas vivências comunitárias dos indivíduos em suas etnias de pertencimento. No conjunto tais pressupostos indicam a existência de atitudes antropológicas e pedagógicas em outras culturas em que tanto a escrita quanto o pensamento filosófico tradicional do ocidente estão ausentes.

30

a escrita quanto o pensamento filosófico tradicional do ocidente estão ausentes. 30 Módulo 2 I Volume

Módulo 2

I

Volume 1

EAD

3

Seção

Unidade I

SEÇÃO III

3 Seção Unidade I SEÇÃO III COLONIALISMO E PENSAMENTO SOCIAL A expansão da Europa pelo mundo,

COLONIALISMO E PENSAMENTO SOCIAL

A expansão da Europa pelo mundo, a partir do século XVI, produziu uma série significativa de mudanças em escala planetária. Os europeus já tinham desenvolvido modelos de organização política e social, tecnologias militares, de navegação e de exploração comercial que em muito se diferenciavam da maioria das sociedades não europeias, pelo uso do processo de industrialização, em larga escala, da madeira e do metal na produção de suas ferramentas de dominação econômica.

UESC

Pedagogia

31

Antropologia e Educação

Colonialismo e pensamento social

Estado-nação: definição utilizada pelas ciências políticas para se referirem a um território delimitado por um
Estado-nação: definição
utilizada pelas ciências
políticas para se referirem
a um território delimitado
por um governo e uma
população de composição
étnico-cultural coesa.
Etnocentrismo:
etnocentrismo é uma
postura de compreensão
do mundo fechada no
ponto de vista de um
grupo ou sociedade.
Segundo Rocha (1984,
p.39) “
o
nosso próprio
grupo é tomado como
centro de tudo e todos
os outros grupos são
pensados e sentidos
através dos nossos
valores, nossos modelos,
nossas definições do que é
existência

32

Através da descoberta e exploração de outros povos, os europeus deram marcha a um processo de colonização que, nos séculos

posteriores, iriam redefinir o papel do conhecimento de outros povos

e outras culturas no processo de colonização das Américas, África,

Ásia e Oceania. As tripulações dos colonizadores conduziam homens

dedicados à tarefa da observação e registro dos costumes dos povos

a serem colonizados. Tais homens executavam o trabalho que mais

tarde passaria a caracterizar a base metodológica da antropologia. Uma vez instalados nas colônias, os europeus constituíram missões de educadores para implantar, nas terras exploradas, sua cultura e seus modelos de dominação, disseminando aquelas que seriam as bases do pensamento e da prática pedagógica de formação educacional nas colônias. O princípio da dominação exigia conhecimento e controle social

e cultural sobre os povos colonizados. Para sedimentar tal princípio,

os

europeus utilizaram ferramentas de sua própria cultura. À época

da

formação das primeiras colônias, grandes filósofos e pensadores

europeus já formulavam as bases do pensamento científico e

pedagógico que orientariam a organização dos Estados-Nações na Europa, bem como a expansão desses Estados-Nações através dos processos de colonização dos povos não europeus. Dada a diversidade e complexidade histórica da expansão

da Europa pelo mundo, tomemos, a título de exemplo, a chegada

dos portugueses no Brasil. A Carta, de Pero Vaz de Caminha, é o

primeiro esboço descritivo da observação sistemática dos povos aqui encontrados. Provavelmente é o primeiro documento de natureza antropológica produzido pelos colonizadores em nossas terras.

O desembarque das missões jesuíticas para evangelização dos

“selvagens”, por sua vez, é o primeiro feito de intervenção pedagógica na colônia. Tanto o texto de Pero Vaz de Caminha quanto os princípios

da educação jesuítica estavam fundamentados na visão de mundo dos

europeus. A imagem dos povos e da cultura locais era interpretada segundo a compreensão de civilização dos colonizadores, o que viria a ser criticado mais tarde como etnocentrismo europeu. À medida que tais conceitos eram postos em prática nas

colônias, vários conflitos dificultavam a universalização do pensamento europeu fora da Europa. Os povos colonizados falavam diversas línguas e dialetos, possuíam diferentes formas de organização política e social, viviam em terras cuja geografia e clima em muito

se diferenciavam da Europa, enfim tornavam difíceis e complexas as

condições de domínio pelos colonizadores. Ao contrário deste cenário, dentro do contexto europeu, o nascimento das primeiras escolas e

deste cenário, dentro do contexto europeu, o nascimento das primeiras escolas e Módulo 2 I Volume

Módulo 2

I

Volume 1

EAD

3

Seção

Unidade I

universidades unificava as práticas de produção do conhecimento e, apesar das diferenças culturais entre os povos da Europa, a atividade do pensamento filosófico, científico e artístico aproximava cada vez mais estes povos na sua forma de compreender e dominar outros povos.

Segundo o antropólogo francês François Laplantine (2000), o nascimento do pensamento científico na Europa tem início no final do século XVIII e está marcado pela divisão entre a observação e o objeto do conhecimento. Quando o homem toma o próprio homem como objeto de conhecimento, a ciência inaugura uma nova forma de pensamento. Devemos lembrar que a filosofia foi o caminho encontrado na Antiguidade e na Idade Média, para a reflexão sistemática sobre a existência humana e sobre a natureza. A filosofia sempre usou como recurso de suas reflexões a contemplação e a abstração sobre os fenômenos contemplados como exercício de expansão do pensamento. Em contraposição a esta postura, a ciência passa a ser o pensamento

que irá intervir através da experiência vivida pelo observador naquilo que define o seu objeto de reflexão. Voltemos ao exemplo de Pero Vaz de Caminha. Embora não tenha desenvolvido uma teoria sobre as situações observadas nas nossas terras, ele consegue delimitar o campo das suas observações e descrever de forma sistemática aquilo que foi observado. Sua Carta ainda é um documento valioso para as ciências históricas e sociais. No que diz respeito à orientação conceitual do trabalho pedagógico praticado pelos jesuítas no Brasil, eram utilizadas as regras da Ratio Studiorum, um plano de estudos que indicava os princípios gerais da educação católica de acordo com as Ordens Jesuíticas. Segundo Gadotti (2006 p. 72) “ A educação dos jesuítas destinava-se à formação das elites burguesas, para prepará-los

a exercer a hegemonia cultural e política

dos povos com que a

Companhia de Jesus colaborava com o processo de colonização. Neste sentido, tanto a Antropologia quanto a Educação vão encontrar, no contexto europeu, as condições para a formação de um pensamento social de caráter científico. O surgimento da biologia, da física, da história, da pedagogia, da sociologia, da etnologia e da psicologia, entre os séculos XVIII e XIX, irá criar novas condições para que o pensamento sobre o homem e a cultura possa construir novas bases de compreensão e intervenção intelectual da espécie humana sobre si mesma. A Antropologia, no final do século XIX, irá despontar como ciência na medida em que o estranhamento e a observação de diferentes culturas vão servir de base para a construção de teorias

UESC

Pedagogia

servir de base para a construção de teorias UESC Pedagogia Ratio Studiorum: expressão de origem latina
servir de base para a construção de teorias UESC Pedagogia Ratio Studiorum: expressão de origem latina

Ratio Studiorum:

expressão de origem latina utilizada para designar o conjunto de regras pedagógicas da

Companhia de Jesus para

o

ensinamento da fé católica.

Etnologia: estudo dos povos ou raças. Esta

Etnologia: estudo dos povos ou raças. Esta

é uma das definições

da prática teórica da antropologia que se dedica à compreensão das formas de organização sóciocultural de outros povos. Muitas vezes é utilizada como sinônimo da antropologia no sentido amplo.

33

Antropologia e Educação

Colonialismo e pensamento social

que buscam definir cientificamente a maneira como os indivíduos, a sociedade e a cultura interagem na criação de fenômenos passíveis de novas interpretações. No caso da experiência da colonização, outro antropólogo francês, Georges Balandier (1976), irá mostrar que tanto a História como a própria Antropologia irão se interessar por este fenômeno como objeto da ciência. Para os historiadores, o evento da colonização vai servir de base para a compreensão das formas modernas de imperialismo. Do ponto de vista dos antropólogos, a colonização vai orientar os estudos sobre contatos entre diferentes povos e conflitos culturais. Tanto em um quanto em outro exemplo, o que concluímos é que o processo de colonização de outros povos pelos europeus foi decisivo para a consolidação e expansão do pensamento social como ciência dentro e fora da Europa.

do pensamento social como ciência dentro e fora da Europa. A TIVIDADE • Organize suas dúvidas

ATIVIDADE

social como ciência dentro e fora da Europa. A TIVIDADE • Organize suas dúvidas sob a
social como ciência dentro e fora da Europa. A TIVIDADE • Organize suas dúvidas sob a
social como ciência dentro e fora da Europa. A TIVIDADE • Organize suas dúvidas sob a

Organize suas dúvidas sob a forma de perguntas e tente respondê-las.

Quais as principais diferenças entre o pensamento filosófico e o pensamento científico sobre o homem?

Qual a importância da observação de outros povos para a formação do pensamento social da Europa a partir do Século XVI?

Na sua opinião, como a ciência pode contribuir para o pensamento do homem pelo homem?

De acordo com os exemplos do texto quais a principais contribuições dos colonizadores para a introdução da Antropologia e da Pedagogia no Brasil?

34

dos colonizadores para a introdução da Antropologia e da Pedagogia no Brasil? 34 Módulo 2 I

Módulo 2

I

Volume 1

EAD

3

Seção

Unidade I

LEITURA COMPLEMENTAR

Os textos apresentados a seguir buscam esboçar explicações para a maneira como os grupos sociais se organizam e estabelecem diferenças entre os indivíduos. O primeiro é uma breve descrição de como os franceses utilizam a gravata como símbolo de distinção social. Trata-se de um trecho da Fisiologia do Vestir, escrito por Honoré de Balzac (2004), no século XIX. O segundo texto foi retirado de um ensaio produzido pelo antropólogo Pierre Clastres (1988) e mostra como se dá a divisão do trabalho entre homens e mulheres numa comunidade Guaiaqui, na fronteira entre o Brasil e o Paraguai.

Sobre a gravata

“A Revolução foi para o vestir, como para a ordem civil e política, um tempo de crise e de anarquia; ela introduziu com a gravata em particular uma dessas mudanças

orgânicas que vieram, com séculos de intervalo, renovar a face das coisas. Sob o antigo regime, cada classe da sociedade tinha seu modo de vestir; reconhecíamos pelo traje

o senhor, o burguês, o artesão. Então a gravata (se é que podemos dar esse nome à

gola de musselina e ao retalho de renda que nossos pais envolviam o pescoço) não era nada mais que uma vestimenta necessária, de tecido mais ou menos rico, mas sem consideração, como sem importância pessoal. Enfim, os franceses se tornaram todos iguais em seus direitos, e também em suas vestimentas, e a diferença do tecido ou

a diversidade nos trajes deixou de distinguir as condições. Como então reconhecer-

se no meio desta uniformidade? Por que sinal exterior distinguir a classe de cada indivíduo? Desde então estava reservado à gravata um destino novo: ela nasceu para

a vida pública, adquiriu importância social; pois foi chamada a restabelecer os matizes inteiramente apagados do vestir, tornou-se critério pelo qual se reconhecia o homem digno deste nome e o homem sem educação”.

Honoré de Balzac, 2004

O arco e o cesto

“Uma oposição muito clara organiza e domina a vida quotidiana dos guaiaqui: aquela dos homens e das mulheres cujas atividades respectivas, marcadas fortemente pela divisão sexual das tarefas, constituem dois campos nitidamente separados e, como

aliás em todos os lugares, complementares. Mas, diferentemente da maioria das outras sociedades indígenas, os guaiaqui não conhecem forma de trabalho em que participem ao mesmo tempo os homens e as mulheres. A agricultura, por exemplo, alterna tanto atividades masculinas como femininas, já que, em geral as mulheres se dedicam

a semear, a limpar os campos de cultivo e a colher os legumes e cereais, são os

homens que se encarregam de preparar o lugar das plantações derrubando as árvores e queimando a vegetação seca”.

Pierre Clastres, 1988 Os dois textos fazem o uso da observação e descrição de práticas culturais

UESC

Pedagogia

35

Antropologia e Educação

Colonialismo e pensamento social

Antropologia e Educação Colonialismo e pensamento social A TIVIDADE para buscar explicitar como os indivíduos

ATIVIDADE

e Educação Colonialismo e pensamento social A TIVIDADE para buscar explicitar como os indivíduos significam seus
e Educação Colonialismo e pensamento social A TIVIDADE para buscar explicitar como os indivíduos significam seus
e Educação Colonialismo e pensamento social A TIVIDADE para buscar explicitar como os indivíduos significam seus

para buscar explicitar como os indivíduos significam seus papéis sociais dentro do grupo em que estão inseridos. Balzac descreve o uso da gravata em sua própria sociedade. Clastres descreve a organização do trabalho numa comunidade indígena. Os dois textos expressam posturas que são adotadas na contemporaneidade pelos antropólogos: a observação da sociedade da qual o observador pertence, a observação de uma sociedade da qual o observador é um estrangeiro. Com base nestes exemplos, procure desenvolver um texto descritivo, no qual você apresenta significações de diferentes papéis sociais, observados nas comunidades a que vocês pertencem.

LEITURA RECOMENDADA

Para conhecer o texto da Carta de Pero Vaz de Caminha entre no site do Ministério da Educação, acesse ao link Domínio Público e solicite o texto. Assista ao documentário O Povo Brasileiro de Darci Ribeiro, organizado pela GNT. Adquira o livro: O que é etnocentrismo? escrito por Everardo P. Guimarães Rocha, da Coleção Primeiros Passos, da Editora Brasiliense.

da Coleção Primeiros Passos, da Editora Brasiliense. RESUMINDO O processo de expansão colonial da Europa

RESUMINDO

Primeiros Passos, da Editora Brasiliense. RESUMINDO O processo de expansão colonial da Europa produziu as
Primeiros Passos, da Editora Brasiliense. RESUMINDO O processo de expansão colonial da Europa produziu as

O processo de expansão colonial da Europa produziu as condições de emergência da observação de outros povos e formação de um novo pensamento social. A formação das ciências históricas e sociais, sobretudo a Antropologia e a Pedagogia, a partir da experiência entre europeus e não europeus, constituiu as bases para as investigações teóricas da cultura e suas relações com a educação. Situar o homem e a cultura como objetos da ciência do ponto de vista dos modelos de organização social e política da Europa configura-se como o maior legado do colonialismo para o nascimento do pensamento social. No Brasil a experiência do Colonialismo e suas interfaces com o pensamento social pode ser compreendida a partir de dois documentos históricos básicos: a) a Carta de Pero Vaz de Caminha como a primeira experiência sistemática da antropologia no Brasil; b) a Ratio Studiorum como pedagogia jesuítica de base social e religiosa. Em tais documentos, encontraremos as diretrizes fundamentais que orientam o processo de dominação colonial dos portugueses no Brasil.

36

que orientam o processo de dominação colonial dos portugueses no Brasil. 36 Módulo 2 I Volume

Módulo 2

I

Volume 1

EAD

3

Seção

Unidade I

UESC

RESUMINDO A UNIDADE I

3 Seção Unidade I UESC RESUMINDO A UNIDADE I Antropologia e Educação têm a sua origem,

Antropologia e Educação têm a sua origem, do ponto de vista histórico, como atitudes intelectuais da espécie humana sobre si. Através da escrita e da oralidade, diferentes civilizações produziram conhecimento, inscrevendo em seus saberes e suas práticas as concepções de homem subjacentes as suas tradições. Civilizações ocidentais e orientais utilizaram a escrita como uma ferramenta cultural. Na antiguidade os usos da escrita foram fundamentais para a constituição de uma base filosófica do pensamento. Os sistemas de ideias dos filósofos antigos contribuíram para o nascimento da Antropologia Filosófica e da Pedagogia. No que diz respeito às origens da pesquisa sobre a cultura de outros povos, a maior referência da Antiguidade Clássica é Heródoto. Ao descrever os costumes de outros povos aquele que é considerado o Pai da História, contribuiu, também, para as origens da etnografia. As Civilizações Africanas e Pré Colombianas utilizaram como recurso de afirmação de suas tradições a oralidade. Ensinamentos transpassados, geração após geração, consolidaram suas concepções de homem e sociedade. Para estas civilizações, embora a Antropologia e a Educação não constituíssem formas específicas de conhecimento como a Filosofia, pensar o homem e a sua educação era a base para a formação de um povo. É importante destacar que para estes povos a vida humana estava intimamente ligada com a natureza. Nesta perspectiva a cultura é uma forma ampliada da relação do humano com o universo. Os processos de expansão colonial da Europa no mundo introduziram novas formas de dominação cultural. Intelectuais, ocupados da tarefa de conhecer os povos dominados, contribuíram para o nascimento do pensamento social entre os séculos XVII e XVIII. Com o surgimento das Ciências Sociais originam-se as principais orientações teóricas e metodológicas que iriam possibilitar a emergência da Antropologia e da Educação como áreas disciplinares do pensamento científico moderno.

a emergência da Antropologia e da Educação como áreas disciplinares do pensamento científico moderno. Pedagogia 37

Pedagogia

37

Antropologia e Educação

Colonialismo e pensamento social

Antropologia e Educação Colonialismo e pensamento social R E F E R Ê N C I

R E F E R Ê N C I A S

38

BALANDIER, Georges. Antropo-lógicas. Trad. de Oswaldo Elias Xidieh. São Paulo: Cultrix, 1976.

BALZAC, Honoré. Fisiologia do vestir. In: Tratado dos excitantes modernos. Trad. de Zilda Hutchinson Schild Silva; Carlos Nougué. São Paulo: Landy, 2004.

CABALERO, Alexandre. A filosofia através dos textos. São Paulo:

Cultrix, 1972.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o estado. Trad. de Theo Santiago. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

GADOTI, Moacir. História das idéias pedagógicas. 8. ed. São Paulo: Editora Ática, 2006.

GOMES, Luciano. Faraó. Intéprete: Margarete Menezes. In: Tete a Tete Margareth. Afropopbrasileiro. [s.l.] Sonopress Rimo, Brasil, 2003. 1 CD. Faixa 16.

JECUPÉ, Kaká Werá. Terra dos mil povos. 2. ed. São Paulo:

Peirópolis, 1998.

KUPER, Adam. Cultura: a visão dos antropólogos. Trad. de Mirtes Frange de Oliveira Pinheiros. Bauru: EDUSC, 2002.

LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. Trad. de Marie- Agnès Chauvel. São Paulo: Brasiliense, 2002.

MERCIER, Paul. História da Antropologia. Trad. de Claudia Menezes. São Paulo: Editora Moraes, s/d.

ROCHA, Everardo P. G. O que é etnocentrismo. São Paulo:

Brasiliense, 1984.

SOMÉ, Sobonfu. O espírito da intimidade.Trad. de Deborah Weinberg. São Paulo: Odysseus Editora, 2003.

espírito da intimidade .Trad. de Deborah Weinberg. São Paulo: Odysseus Editora, 2003. Módulo 2 I Volume

Módulo 2

I

Volume 1

EAD

Suas anotações

Suas anotações