Você está na página 1de 41

Igor Saveljevas Rodrigues

Caso – Projeto de escapamentos


Objetivos
• Apresentar como a simulação computacional pode lhe ajudar no
desenvolvimento de escapamentos automotivos em uma segunda
etapa de desenvolvimento.

• Temperatura
o Isolamento, componentes ao redor, tensões provenientes da
dilatação térmica.
• Vibração
o Modos de frequência natural, alteração do módulo de
elasticidade com a temperatura
P&D
• Durabilidade
o PSD, fadiga
Metodologia

Validação final
Desenvolvimento do produto
Hipóteses simplificadoras
• Simplificações são adotadas conforme a disponibilidade de dados e
complexidade da análise.

• Norma interna de empresa automotiva

• Perfil de velocidades uniforme na entrada


• Condição de contorno do ar externo
• Dados comuns de propriedades térmicas para os materiais
• Modelo bilinear de plasticidade dos materiais
• Modelo de convecção
Modelamento do escoamento
• “Teoria analítica” para definir
o coeficiente de convecção
interno e externo

• Bibliografia : Incropera, Witt


– Fundamentos de
transferência de calor e de
massa.
Modelamento do escoamento
• Dittus–Boelter Tm

• Correlação empírica
• Desenvolvido Ts
• Tubo circular
• Sem efeito de
rugosidade
Modelamento do escoamento
• Natural : Morgan T∞
• Cilindro isotérmico
Ts

• Expressa em termos médios de T∞ e Ts


Modelamento do escoamento
• Natural : Churchill e Chu T∞
• Cilindro isotérmico
Ts

• Expressa em termos médios de T∞ e Ts


Modelamento do escoamento
• Forçada : Hilpert T∞

Ts

• Propriedades extraídas na Ts

• Forçada : Churchill e Bernstein

• Propriedades extraídas na Ts
Modelamento do escoamento
• Forçada : Zukauskas T∞

Ts

• Propriedades extraídas na T∞, exceto 𝑷𝒓𝒔 .


Modelamento do escoamento
• Natural versus Forçada

Em geral, os efeitos combinados da convecção forçada com os da


convecção livre devem ser considerados quando (Gr/Re²) ~ 1. Se a
desigualdade for muito menor que 1, os efeitos da convecção livre podem
ser desprezados. O inverso também é valido. Para a convecção livre, a
relação abaixo é válida. (Gr/Re²)=α. Nos casos em que os dois casos é
possível, a literatura aconselha um melhor estudo da situação através de
exemplos atuais para a melhor definição do número de Nusselt.
Modelamento do escoamento
• Mais modelos podem ser encontrados em:
Modelamento do escoamento
• Compressível

• Adiabático com atrito Transferência de calor sem atrito

• Fonte : Fluid Mechanics – White


Modelamento do escoamento
• Compressível

Fonte : Modeling of Compressible Flow with Friction and Heat Transfer using the Generalized Fluid System Simulation Program (GFSSP)
Modelamento do escoamento
• CFD – Fluidodinâmica computacional

• RANS – Reynolds Averaged Navier-Stokes Simulation


• Média temporal
• Turbulência modelada

• Realizable k-ε e SST k-ω

• SST k- ω
- Transferência de calor e separação de camada limite
- Y+ ≈ 1 com crescimento não maior que 1,2
Modelamento do escoamento
• Como calcular o primeiro tamanho de elemento?
Modelamento do escoamento
• Como modelar a transferência de calor na parede?

• Incluir a parede do tubo como elemento


sólido

• Somente o domínio do fluido

• Somente o domínio do fluido

Fonte : Module 08 – Heat Transfer – Introduction to Ansys Fluent


Modelamento do escoamento
• É necessário um modelo de radiação?

• Comparar a magnitude do fluxo de calor

Fonte : Module 08 – Heat Transfer – Introduction to Ansys Fluent


Domínio do escoamento
• Escoamento externo

• Escoamento incompressível

• Convecção natural

• Regime permanente

• Perfil de velocidades uniforme

• Pressão atmosférica

• Entrada : 54 m/s – 750°C


Malha
• Escoamentos complexos sem direção
dominante as mallhas Quad e Hex tem sua
vantagem reduzidas

Fonte : Module 09 – Best Practice Guidelines – Introduction to Ansys Fluent


Malha
• Escoamentos com direção conhecida as
malhas Hex tem sua vantagem.

Fonte : Module 09 – Best Practice Guidelines – Introduction to Ansys Fluent


Material
• As propriedades do aço podem ser obtidas segundo a Eurocode 3

Fonte : Eurocode 3: Design of steel structures - Part 1-2: General rules - Structural fire design
CFX - Solver
• Modelo de turbulência SST
• Gravidade
• Paredes externas definidas como
opening condition
• Residuais até 10−4
• Expressions
Cálculos semi-empíricos
CFD
CFD
Radiação
𝑊
= 5.6704 10−8 x 0.1 x (9304 − 2984 ) = 4197 𝑚2
CFD - Radiação
𝑊
= 5.6704 10−8 x 0.1 x (9104 − 2984 ) = 3843 𝑚2
Alternativa - elementos finitos

• Parte da teoria já está implementada


no Ansys Workbench, no entanto é
necessário definir alguns comandos
para a definição correta das • help/ans_thry/thy_el116.html
convecções. • help/ans_elem/Hlp_E_FLUID116.html
Elementos finitos

• 3607,0 W/m²
• 3564,2 W/m² - Equação
Elementos finitos

• 3607,0 W/m²
• Convecção : 5484,2W/m²
Comparação final

• Correlação entre os modelos


• E quando não se sabe estimar o
“h”?
Transferência
• Transferência automática dos carregamentos térmicos
Condução do calor
• É possível calcular a condução
do calor ao longo de outros
componentes e fixações.

• É necessário aplicar o
coeficiente de convecção
externo
Análise estrutural
• É possível exportar o gradiente
de temperaturas para um
análise estática estrutural e
calcular as tensões
provenientes da dilatação.
Também avaliar outros tipos de
carregamento, como
aceleração, forças, etc.

• Também é possível extrair os


modos vibracionais com o
efeito da temperatura.
Análise estrutural
Análise PSD (Random Vibration)
• Um análise de vibração aleatória é
utilizada para se determinar a
resposta da estrutura sob
carregamentos obtidos durante testes
reais de pista ao longo do tempo.

• O carregamento é descrito como


forma estatística e seu resultado é não
determinístico, ou seja, o resultado é
uma probabilidade de falha.
Análise PSD (Random Vibration)
• No entanto o FEMFAT é capaz de lidar com este problema de uma forma diferente,
plotando diretamente a vida do componente.
Perguntas
• Como incluir o comportamento dependente do campo térmico em otimização
topológica.

• Ajuste de interferência - otimização dimensional e material

• Correlação com dados experimentais

• Ruído
Igor Saveljevas Rodrigues– igor@virtualcae.com.br
Tel: 11 4229 -1349 | www.virtualcae.com.br

Você também pode gostar