Você está na página 1de 57

Química Geral e Inorgânica

TERMOQUÍMICA

Daniele Alves Ferreira


Termoquímica
SUMÁRIO
1. Natureza da energia e tipos de energia
2. Sistema, fronteira e vizinhança
3. Variações de energia em reações químicas
4. A 1ª Lei da termodinâmica
5. Entalpia (H) e Energia Interna (U)
6. Entalpias de reações químicas
7. Calorimetria
8. Lei de Hess
9. Entalpias de formação e de reação

Daniele Alves Ferreira


Termoquímica
1. Natureza da energia e tipos de energia

 A energia é definida como a capacidade de realizar trabalho.

 Para os químicos trabalho é:

“A variação de energia diretamente resultante de um

processo”.

 Termoquímica estuda as relações entre reações químicas e

variações de energia na forma de calor.

03
Termoquímica
1.1. Tipos de energia

 Energia cinética (Ec) é a energia produzida por um objeto

(corpo) em movimento, essa energia depende da massa do corpo

e da sua velocidade.

1 2
EC mv (Eq. 1)
2

 Energia potencial (Ep) é a energia referente a posição de um

objeto (ou corpo) em relação a outros objetos.


04
Termoquímica
1.1. Tipos de energia

Ep diminuindo
Ec aumentando

Ep alta
Zero Ec

05
Termoquímica
1.1. Tipos de energia

 Quando uma forma de energia desaparece, outra (de igual

grandeza) deve aparecer, e vice-versa.

 Lei da conservação de energia:

“A quantidade total de energia no universo é sempre constante.”

 A unidade SI para a energia é o Joule, J, em homenagem a James

Joule (1818-1889).

1J = 1kg.m2.s-2

06
Termoquímica
1.1. Tipos de energia

 Uma outra unidade comumente utilizada para medir energia na

forma de calor é a caloria, cal.

1 cal = 4,184J (exatos)

1 kcal = 1000cal = 103 cal

1kJ = 1000 J = 103 J

Daniele Alves Ferreira 07


Termoquímica
1.1. Tipos de energia
 Uma forma importante de energia em química é a energia
potencial eletrostática, Eel , que surge a partir das interações entre
partículas carregadas.

kQ1Q2 (Eq. 2)
Eel
d
Onde:
K: Constante de proporcionalidade (8,99 . 109 J.m.C-2).
Q1 e Q2: Cargas elétricas com ordem de magnitude da carga do
elétron (1,6 . 10-19C).

Daniele Alves Ferreira 08


Termoquímica
Energia potencial eletrostática, Eel

Separação menor, maior Maior separação, menor


repulsão, maior Eel repulsão, menor Eel
Mesma carga
(Repulsão)

Distância de
separação

Cargas opostas
(Atração)
Menor separação, maior Maior separação, menos atração,
atração, menor Eel maior Eel (menos negativo).
09
Termoquímica
1.2. Outras formas de energia

10
Termoquímica
2. Sistema, fronteira e vizinhança

 Sistema: É a parte do universo em que estamos interessados.

 Fronteira: É a interface entre sistema e vizinhança.

 Vizinhança: É a parte externa ao sistema, onde podemos fazer as

observações e medidas.

Daniele Alves Ferreira 11


Termoquímica
2. Sistema, fronteira e vizinhança

Vizinhança

Fronteira

Sistema = H2 (g) e O2 (g)

Daniele Alves Ferreira 12


Termoquímica
 Tipos de sistemas
Matéria

Calor Calor

Aberto Fechado Isolado


13
Termoquímica
3. Variações de energia em reações químicas
 A maioria das reações químicas absorvem ou liberam energia,
geralmente na forma de calor.
 Calor é a energia transferida de um objeto mais quente para um
objeto mais frio.
q=+ q=-

Calor Calor Calor Calor

Processo Endotérmico Processo Exotérmico


Q. 5a – Sld. 42 14
Termoquímica
4. A 1ª Lei da Termodinâmica

 Baseia-se no princípio da conservação de energia:

“ A energia pode ser convertida de uma forma para outra, mas

não pode ser criada ou destruída.”

 Energia interna (U):

É a soma de toda a energia cinética (Ec) e energia potencial (Ep)

de todos os componentes do sistema.

Daniele Alves Ferreira 15


Termoquímica
4. A 1ª Lei da Termodinâmica

 A energia interna é uma grandeza de estado, ou seja, ela

depende apenas do estado inicial e final.

U U final U inicial (Eq. 3)

 Dada uma reação química genérica:


A + B → C + D
(Reagentes) (Produtos)

U reação U produtos U reagentes (Eq. 4)

16
Termoquímica
4. A 1ª Lei da Termodinâmica

 Se a variação de energia do universo é nula, logo:

U universo U sistema U vizinhança 0


U sistema U vizinhança 0
U sistema U vizinhança (Eq. 5)

Q. 13-Sld. 48

Daniele Alves Ferreira 17


Termoquímica
4. A 1ª Lei da Termodinâmica

 A expressão matemática da 1ª Lei da termodinâmica é:

U q w (Eq. 6)

Onde:

q: É o calor transferido.

w: É o trabalho realizado sobre ou pelo sistema.

Daniele Alves Ferreira 18


Termoquímica
4. A 1ª Lei da Termodinâmica

 Trabalho (w) pode ser definido fisicamente como:

w FZ .dZ (Eq. 7)

 Considere um gás confinado em um recipiente cilíndrico,

contendo um pistão de área A (desconsiderando o atrito, as

imperfeições da superfície do pistão e as trocas térmicas), temos

então a seguinte figura:

19
Termoquímica
 Trabalho expansão:

Pressão Externa,
PEXT

ΔV

20
Termoquímica
 Trabalho expansão:
Considere que:

w PEXT . A.d (Eq. 8)

21
Termoquímica
 Trabalho expansão:
Então se:

Área, A

ΔV=A.d

Então temos que:


Q. 2, 3 e 12 – Sld. 40 e 48 w PEXT . V (Eq. 9)

(1 atm.L = 101,325J)
22
Termoquímica
5. Entalpia (H) e Energia Interna (U)
 Dada a expressão matemática da 1ª lei da termodinâmica:
U q w (Eq. 9)
 E uma das relações fundamentais da termodinâmica:
H U PV (Eq. 10)
 Relacionando-se a Eq. 9 com a Eq. 10 em um processo de
variação finita de estado a pressão constante (p = cte):
cte
H U PV P V
H U P V
H qP P V P V
H qP (Eq. 11) 23
Termoquímica
6. Entalpia de reação
 A maioria das reações químicas ocorrem a pressão constante (p =
cte), logo podemos considerar a Eq. 11:
H qP
 Então para uma reação genérica:
A+B → C+D
(Reagentes) (Produtos)

 Entalpia da reação, ΔH é:

H reação H produtos H reagentes (Eq. 12)

Q. 7 e 8 –Sld. 44 e 45
24
Termoquímica
6.1. Reações endotérmicas
 Ocorrem com absorção de energia na forma de calor a partir da
vizinhança.

C+D

A+B

25
Termoquímica
6.2. Reações exotérmicas
 Ocorre com liberação de calor pelo sistema para vizinhança.

A+B

C+D

26
Termoquímica
6.3. Entalpia de reações químicas
I. A entalpia é uma propriedade extensiva, portanto o valor do ΔH é
diretamente proporcional à quantidade de reagente ou de produto.
Ex.: CH4 (g) + 2 O2 (g) → CO2 + 2 H2O (g) ΔH = -890kJ
2CH4 (g) + 4 O2 (g) → 2CO2 + 4 H2O (g) ΔH = -1780kJ

II. O ΔH para uma reação é igual em módulo (valor absoluto), mas de


sinal contrário ao ΔH da reação inversa. Q. 1, 4, 5b, 6, 9, 10, 11, 14, 15 e 24
Ex.: Sld. 39, 41, 42, 43, 46, 47, 49 e 56

Reação direta: C(s) + O2 (g) → CO2 ΔH = -393, 5 kJ.mol-1


Reação inversa: CO2 → C(s) + O2 (g) ΔH = 393, 5 kJ.mol-1

Daniele Alves Ferreira 27


Termoquímica
7. Calorimetria
 É a medida das transferências de energia na forma de calor
associadas a uma reação química.
 Calorímetro é o aparelho que mede transferência de calor.

Explosão e fogo:
indicativos de liberação
de calor para vizinhança.

Entalpia
exotérmica

H2(g) + O2 (g) Reação violenta para


formação de H2O (g)
H2 (g) + O2 (g)  H2O (g)
28
Termoquímica
7.1. Calor específico e capacidade calorífica
 Calor específico (c): É a quantidade de calor necessária para
elevar 1ºC a temperatura de 1g da substância.

q
c (Eq. 13)
m. T
Onde:
c: calor específico.
q: calor transferido.
Q. 17, 22 e 23 – Sld. 50 e 55
m: massa da substância.
ΔT: variação da temperatura.

Daniele Alves Ferreira 29


Termoquímica
7.1. Calor específico e capacidade calorífica
 Capacidade calorífica (C) é a quantidade de calor necessária
para elevar 1ºC a temperatura de uma determinada quantidade de
substância.
C m.c (Eq. 14)
q m.c. T Q. 17, 22 e 23 -Sld. 50, 55 (Eq. 15)

 Substituindo a Eq. 14 na Eq. 15, temos,

q C. T Q. 18 e 19 -Sld. 51 e 52 (Eq. 16)

Daniele Alves Ferreira 30


Termoquímica
7.2. Calorimetria a volume constante
 As reações químicas de combustão são mais convenientemente
estudadas utilizando-se um bomba calorimétrica.
qsistema qcal qreação (Eq. 17)
 Considerando que o sistema (bomba calorimétrica ) é isolado,

qsistema 0
 Logo,
qsistema qcal qreação 0
qcal qreação 0
qreação qcal (Eq. 18)

Daniele Alves Ferreira 31


Termoquímica
7.2. Calorimetria a volume constante

qreação Ccal . T (Eq. 19)

32
Termoquímica
7.3. Calorimetria a pressão constante

 O calorímetro a pressão constante, Termômetro


é utilizado em trocas de calor em
Agitador
reações que não sejam de
combustão.
Tampa de
cortiça
qr = - (calor específico) . m . ΔT
Como p = cte, logo, Dois copos
de isopor.
ΔHreação = qr
Reagentes
em solução
33
Termoquímica
8. Lei de Hess
“O valor do ΔH para uma reação é o mesmo, seja a reação direta
ou em etapas”.

H reação H1 H 2 ... Hn (Eq. 20)


Ex.:

(Somar)

A equação global é:

Q. 01, 09, 10, 11e 24-Sld. 39, 46, 47 e 56 34


Termoquímica
9. Entalpias de formação e de reação

 A variação de entalpia associada a formação de um determinado

composto é chamada de entalpia de formação, ΔHf .

 Para se comparar as entalpias de diferentes reações, temos que

definir um conjunto de condições, chamado de estado padrão.

1 bar de pressão

25ºC (298K) de temperatura

Daniele Alves Ferreira 35


Termoquímica
9. Entalpias de formação e de reação

 Entalpia padrão de formação, ΔHfº: 1 mol de composto é

formado a partir de substâncias em seus estados padrão.

 Se existe mais de um estado para uma substância sob

condições padrão, o estado mais estável é utilizado.

 A entalpia padrão de formação da forma mais estável de um

elemento é zero.

Daniele Alves Ferreira 36


Termoquímica
9. Entalpias de formação e de reação
 Entalpias padrão de formação de diferentes substâncias a 298K

37
Termoquímica
9. Entalpias de formação e de reação

 A entalpia-padrão de reação, ΔHºReação para uma reação

realizada à pressão de 1 bar, pode ser calculada a partir da ΔHºf

(reagentes) e ΔHºf (produtos).

 Dada a reação genérica abaixo:

aA + bB → cC + dD

o o o
H reação n H f ( produtos ) m H f ( reagentes) (Eq. 21)

(Conforme a Lei de Hess) Q. 07 e 08-Sld. 45, 46


38
Termoquímica
EXERCÍCIOS

1. Benzeno pode ser obtido a partir de hexano por reforma catalítica.

Considere as reações da combustão:

H2(g) + 1/2O2(g)  H2O(ℓ) ΔH = -286 kJ/mol

C6H6(ℓ)+15/2O2(g)  6CO2(g)+3H2O(ℓ) ΔH = -3268 kJ/mol

C6H14(ℓ)+19/2O2(g)  6CO2(g)+7H2O(ℓ) ΔH = -4163 kJ/mol

Quanto de energia é liberada ou absorvida durante a formação de

1mol de benzeno, a partir de hexano?


39
Termoquímica
EXERCÍCIOS
2. O volume de um gás aumenta de 2,0 L para 6,0 L, a temperatura
constante. Calcule o trabalho realizado pelo gás se ocorrer sua
expansão (a) contra o vácuo e (b) contra uma
pressão constante de 1,2 atm.

3. Um gás expande-se de 264 mL para 971 mL, a temperatura


constante. Calcule o trabalho realizado (em joules) pelo gás se a
expansão ocorrer (a) no vácuo e (b) contra uma pressão constante de
4,00 atm.

Daniele Alves Ferreira 40


Termoquímica
EXERCÍCIOS
4. Com base nos valores aproximados de ΔH para as reações de
combustão do metano (gás natural) e do hidrogênio:
CH4(g) + 2 O2 (g)  CO2 (g) + 2 H2O (l) ΔH = –900 kJ/mol
2 H2 (g) + O2 (g)  2 H2O (l) ΔH = – 600 kJ/mol
Calcule a energia correspondente a 16 kg de metano.
(Dados: MMC = 12 g/mol, MMH = 1 g/mol e MMO = 16 g/mol)

Daniele Alves Ferreira 41


Termoquímica
EXERCÍCIOS

5. Relativamente à reação dada pela equação:

CaCO3 (s)  CaO (s) + CO2 (g) ∆H = + 42 kcal/mol

pede-se:

a) Indicar o sentido da troca de calor entre sistema e vizinhanças;

b) Calcular a quantidade de calor trocada por um sistema no qual são

obtidos 224 g de óxido de cálcio.

Daniele Alves Ferreira 42


Termoquímica
EXERCÍCIOS

6. Na reação representada por:

CH4(g) + Cℓ2(g) → CCℓ4(ℓ) + HCℓ(g)

Há liberação de 108 kJ.mol-1 de HCℓ(g) formado. Nas mesmas

condições:

a) Faça o balanceamento da reação.

b) Qual será a energia térmica na formação de 73,0 g de HCℓ(g)?

Dados: massas atômicas H = 1,0; Cℓ = 35,5.


43
Termoquímica
EXERCÍCIOS

7. São dadas as seguintes energias de ligação em kJ/mol de ligação

formada:

H ─ Cℓ = - 431,8; H ─ F = - 563,2;

Cℓ ─ Cℓ = - 242,6; F ─ F = - 153,1.

Com os dados acima é possível calcular o valor do ∆H para a reação

abaixo?

HCℓ(g) + F2(g) → HF(g) + Cℓ(g)


44
Termoquímica
EXERCÍCIOS
8. Os clorofluorcarbono (CFC’s) são usados extensivamente em aerosóis,
ar-condicionado, refrigeradores e solventes de limpeza. Os dois principais
tipos de CFC’s são o triclorofluorcarbono (CFCl3) ou CFC-11 e
diclorodifluormetano (CF2Cl2) ou CFC-12. O triclorofluorcarbono é usado
em aerosóis, enquanto que o diclorodifluormetano é tipicamente usado em
refrigeradores. Determine o ΔH para a reação de formação do CF2Cl2:
CH4(g) + Cl2(g) + F2(g)  CF2Cl2(g) + HF(g) + HCl(g)
(não-balanceada)
[Dados: Energia de ligação em kJ/mol: C-H (413); Cl-Cl (239); F-F (154);
C-F (485); C-Cl (339); H-F (565); H-Cl (427)].
45
Termoquímica
EXERCÍCIOS
9. Através das equações a seguir determine o calor de combustão do
acetileno (C2H2).
I – Cgrafite + O2(g)  CO2(g) ∆H1 = -94Kcal
II – H2(g) + ½O2(g)  H2O(l) ∆H2 = -68Kcal
III – 2Cgrafite + H2(g)  C2H2(g) ∆H3 = +54,2Kcal
10. Dadas as equações abaixo:
Eq. 1: C(s) + O2(g)  CO2(g) ∆H1 = -94,0 kcal
Eq. 2: H2(g) + 1/2O2(g)  H2O(l) ∆H2 = -68,4 kcal
Eq. 3: CH4(g) + 2O2(g)  CO2(g) + 2H2O(l) ∆H3 = -219,9 kcal
Determine o calor de formação do metano.
46
Termoquímica
EXERCÍCIOS

11. Quando o óxido de magnésio está na presença de uma atmosfera de gás

carbônico, este é convertido a carbonato de magnésio. São dadas as

entalpias-padrão de formação:

Eq. 1: Mg(s) + ½ O2(g)  MgO(s) ∆H1 = -602 kJ/mol

Eq. 2: C(graf) + O2(g)  CO2(g) ∆H2 = -394 kJ/mol

Eq. 3: Mg(s) + C(graf) + 3/2O2(g)  MgCO3(s) ∆H3 = -1096 kJ/mol

Qual o valor da variação de entalpia de formação de 210g de carbonato de

magnésio, a partir do óxido de magnésio?


47
Termoquímica
EXERCÍCIOS
12. Um gás expande-se de 264 mL para 971 mL, a temperatura
constante. Calcule o trabalho realizado (em joules) pelo gás se a
expansão ocorrer (a) no vácuo e (b) contra uma pressão constante de
4,00 atm.

13. Um gás expande-se e realiza um trabalho (P-V) de 279 J sobre a


vizinhança. Ao mesmo tempo, absorve 216 J de calor a partir da
vizinhança. Qual é a variação de energia do sistema?

Daniele Alves Ferreira 48


Termoquímica
EXERCÍCIOS
14. Dada a equação termoquímica:
SO2(g) + ½ O2(g)  SO3 (g) ΔH = -99,1 kJ/mol
Calcule o calor liberado quando 74,6 g de SO2 (massa molar = 64,07
g/mol) se convertem em SO3.

15. Calcule a quantidade de calor liberada durante a combustão de


266 g de fósforo branco (P4) em ar, de acordo com a equação:
P4 (s) + 5O2(g)  P4O10 (s) ΔH = -3013 kJ/mol

Daniele Alves Ferreira 49


Termoquímica
EXERCÍCIOS
16. Calcule a variação da energia interna quando 2 moI de CO são
convertidos em 2 mol de CO2, a 1 atm e 25ºC:
2CO (s) + O2(g)  2 CO2 (g) ΔH = -566,0 kJ/mol

17. Uma amostra de 466 g de água é aquecida de 8,5 C a 74,6 C.


Calcule a quantidade de calor (em quilojoules) absorvida pela água.
Dado: Calor específico da água (cágua ) = 4,184J/g.ºC)

Daniele Alves Ferreira 50


Termoquímica
EXERCÍCIOS
18. A massa de 1,435 g de naftaleno (C10H8) - uma substância de
odor pungente usada como repelente de traças - foi queimada em
uma bomba calorímétrica a volume constante. Em conseqüência, a
temperatura da água elevou-se de 20,28 C para 25,95ºC.
Considerando que a capacidade calorífica da bomba mais a da água é
10,17 kJ/ºC, calcule o calor de combustão do naftaleno em termos de
mol, isto é, determine o calor molar de combustão.

51
Termoquímica
EXERCÍCIOS

19. A massa de 1,922 g de metanol (CH3OH) foi queimada em uma

bomba calorimétrica a volume constante. Em conseqüência, a

temperatura da água elevou-se de 4,20 C. Calcule o calor molar de

combustão do metanol sabendo que a capacidade calorífica da

bomba mais a da água é igual a 10,4 kJ/ºC.

52
Termoquímica
EXERCÍCIOS

20. Uma esfera de chumbo, com 26,47 g de massa a 89,98 C, foi

colocada em um calorímetro a pressão constante, cuja capacidade

calorífica é desprezível, contendo 100,0 mL de água. A temperatura

da água aumentou de 22,50 C até 23,17 C. Qual é o calor específico

da esfera de chumbo?

53
Termoquímica
EXERCÍCIOS

21. Um rolamento de esferas de aço inoxidável de 30,14 g, a

117,82 C, é colocado em um calorímetro a pressão constante que

contém 120,0 rnL de água a 18,44 C. Sabendo que o calor específico

do rolamento de esferas é 0,474 J/g . C, calcule a temperatura final

da água. Suponha que a capacidade calorífica do calorímetro pode

ser desprezada.

54
Termoquímica
EXERCÍCIOS

22. Uma barra de ferro de massa igual a 869 g é resfriada de 94 C

até 5ºC. Calcule o calor (em quilojoules) liberado pelo metal. (cFe =

0,444J/g.ºC)

23. Um pedaço de cobre metálico com massa de 6,22 kg, a 20,5 C, é

aquecido a 324,3 C. Calcule o calor (em kJ) absorvido pelo metal.

55
Termoquímica
EXERCÍCIOS

24. Calcule a variação de entalpia-padrão da reação

2Al(s) + Fe2O3(s)  2Fe(s) + Al2O3(s)

Sabendo que

2 Al(s) + 3/2 O2(g)  Al2O3(s) ΔHºreação = -1601 kJ/mol

2Fe(s) + 3/2 O2(g )  Fe2O3(s) ΔHºreação = -821 kJ/mol

Daniele Alves Ferreira 56


Termoquímica
REFERÊNCIAS
1. Atkins, P. W. e Jones, L. Chemical principles: The Quest for Insight,
Bookman, 5ª. Ed. 2010.
2. Atkins, P. W. e de Paula, J. Physical Chemistry, Oxford University
Press, 8ª. Ed. 2006.
3. Brown, T.L. et al. Chemistry: The central science, Prentice Hall,
Pearson,12ª. Ed., 2012.
4. Chang, R. Chemistry, McGraw-Hill, 10ª. Ed, 2010.
5. Miessler, G.L. Inorganic Chemistry, Pearson, 5ª. Ed, 2014.
6. Shriver, D.F. e Atkins, P. W. Inorganic Chemistry, W. H. Freeman and
Company, New York, 5ª. Ed, 2010.
56

Você também pode gostar