Você está na página 1de 5

Educação na Grécia e Roma antiga

Letícia Ferrari dos Santos 1

Resumo
A educação é o meio pelo qual os conhecimentos de mundo, sociedade e espiritualidade são
passados de geração para geração. Ela engloba o ato de ensinar e aprender.O processo educativo
passou e passa por uma série de mudanças através da história das civilizações. No decorrer
deste artigo poderá se evidenciar diversos pedaços da cultura antiga greco -romana em
nossa educação atual.A história da educação na Antiguidade não pode deixar indiferente nossa
cultura moderna: ela retraça as origens modernas de nossa própria tradição pedagógica. Somos
greco-latinos: o essencial da nossa civilização veio . da deles: isso é verdadeiro, num grau eminente,
para nosso sistema de educação. (Marrou, 1975, p.4) As civilizações greco-latinas apresentavam uma
educação voltada para a resolução de problemas cotidianos e com um perfil mais prático, porém
percorrendo um caminho de refinamento pedagógico e intelectual ocorrido durante os anos e que
fundamentou os atuais pensamentos educacionais e metodológicos.

Palavras-Chave: Educação, antiguidade, surgimento, metodologia, teorias educacionais.

Abstract
Education is the means by which world knowledge, society and spirituality are passed down
from generation to generation. It encompasses the act of teaching and learning.The educational
process has gone through a series of changes through the history of civilizations. In the course of this
article we can see severa' pieces of ancient Greco-Roman culture in our current education.The
history of education in antiquity can not leave our modern culture indifferent: it retraces the
modern origins of our own pedagogical tradition. We are Greco-Latin: the essential of our civilization
carne from theirs: this is true, to an eminent degree, for our education system. (Marrou, 1975, p.4)
The Greco-Latin civilizations presented an education aimed at solving everyday problems and with a
more practical profile, but following a path of pedagogical and intellectual refinement that had taken
place over the years and that grounded the current educational and methodological thoughts.

Key words: Education, antiquity, emergence, métalia, educational theories.

1. INTRODUÇÃO

Os objetivos da educação espartana eram basicamente militares, pois


constantemente estavam em guerra. O Estado tinha amplo domínio sobre a
educação em Espada. Em Atenas, o objetivo educacional estava centrado na
formação completa do homem e o Estado assegurava a eles a liberdade de escolha
em relação à educação. Os sofistas, professores ambulantes, proporcionavam
uma educação individual, valorizando a liberdade, o ceticismo e sua utilidade.
Sócrates, filósofo grego, desenvolveu teorias sobre a educação e criou os métodos:

1
Acadêmica do Curso de Letras, 3º Semestre, da Universidade Estadual de Goiás, Professor Cristiano, Disciplina
História da Educação.
maiêutica e ironia. Platão, discípulo de Sócrates, prosseguiu as ideias do mestre
desenvolvendo o método dialético. Aristóteles desenvolveu o conceito da educação
partindo da ideia da imitação. Ele afirmava que a educação era o bem moral que
conquistava a felicidade humana. A civilização grega se espalha pelo mundo
conhecido da época e sua educação se torna universal. O ideal da educação romana
centrava-se na concepção de direitos e deveres.
A instrução era utilitarista e militar. Possuíam uma mentalidade prática e
aprendiam mediante a imitação. Por isso a família desempenhava importante papel na
educação. Os teóricos romanos apresentavam um caráter pragmático e seu estilo era
retórico. O poder militar romano possibilitou a conquista de inúmeras províncias as
quais passaram a utilizar o idioma latim. Ao conquistar a Grécia, assimilou muitos
elementos culturais que foram transmitidos a sua educação.
Os espartanos eram treinados jovens para pratica militar desde cedo o
Estado assumia para o treinamento, eram desligados de suas famílias e adultos
participavam das guerras. A civilização grega pode ser considerada o "berço da
pedagogia". Foram eles que criaram a palavra paidéia, que significa criação de
meninos. Com o decorrer do tempo, esta palavra teve seu sentido ampliado, o qual
apresentou as linhas básicas da ação pedagógica que influenciou a educação do
ocidente por inúmeras gerações.

2. EDUCAÇÃO NA GRÉCIA ANTIGA

Os gregos são os iniciadores na construção de teorias educacionais, e os que


mais brilharam, sem dúvidas! Esses avanços educacionais deram uma melhor
compreensão de cultura e lugar que deve ser ocupado pelo cidadão na sociedade.
A educação grega tinha como origem o desenvolvimento integral do
individuo, corpo e espírito, às vezes inclinado para a intelectualização, ora pra a
preparação militar, por meio de exercício e esportes.
Mesmo com o surgimento da escrita, a educação era responsabilidade dos
preceptores, que hoje seria algo parecido com tutores em tempo integral, que davam
instruções e formação intelectual nas mais diversas áreas; Porém os preceptores
eram disponíveis apenas para a elite, aos menos poderosos a educação e preparação
dos filhos ficavam a cargo das próprias famílias, com o surgimento da escola, está
ainda ficou restrita aos filhos da nobreza e de comerciantes ricos.
Um dos conceitos da cultura educacional grega era de que a preparação não
era exclusividade da escola, mas em vários âmbitos como: reuniões, atividades coletivas,
jogos, artes e apresentações dramáticas, o teatro, por exemplo, era considerado como
a escola de todos os cidadões. O objetivo de educação grega era preparar para ser
um bom cidadão.
A educação de Espada valorizava as atividades militares desenvolvendo em
sua região uma educação severa e controlada pelo Estado. O objetivo desta
educação era proporcionar ao espartano a perfeição física, coragem e o hábito de
obediência para que se transformasse em bom soldado, já que a política da eugenia
buscava o melhoramento da espécie, e recomendava abandonar aqueles que
nascessem com deficiência. Baseados nessa ideia buscavam fortalecer as mulheres
para que gerassem filhos sadios. Devido à educação rigorosa Espada não obteve
em sua sociedade um esplendor artístico e filosófico. Não eram apreciadores de
debates ou discursos, pois eram lacônicos, falavam pouco.
Os meninos até aos 07 anos, viviam com a família, e após esta idade ficavam a
cargo do Estado que lhes fornecia educação pública obrigatória. Viviam em
casernas, trabalhavam para seu sustento e dedicavam-se ao estudo da música,
canto, dança coletiva e ginástica. Até aos 12 anos participavam de atividades lúdicas,
e preparavam-se para sobreviver suportando desconforto e castigos. Dos 18 aos 20
anos estudavam sobre manobras militares e como manejar armas. Dos 20 aos 30
treinavam as lutas para a guerra. Aos 30 anos tornavam se maiores e continuavam a
se dedicar totalmente ao Estado.
Atenas, outra polis grega, estruturou a finalidade do Estado na ideia de
assegurar ao cidadão, a liberdade pessoal para assegurar condições
vantajosas em relação a sua educação. O ensino era supervisionado pelo Estado,
porém não era obrigatório e nem gratuito. Os pais cuidavam de orientar e preparar
seus filhos para a vida em um ambiente de liberdade. A educação começava aos sete
anos e os meninos passavam a ser educados pelos pedagogos, que eram
escravos ou servos cultos. Eles dirigiam se à palestra, onde praticavam atividades
físicas. Os meninos freqüentavam dois tipos de escolas: a de música e a de ginástica
ou palestra.
3. OS ROMANOS

A educação romana tendia em grande maioria para a práxis diferente da


grega que tinha como ponto de referencia o pensamento filosófico. A sua instrução
escolar tendia para a formação técnica por seu cunho de eficácia, como no caso das
letras e escrita que em muitas vezes era grego, em suma ela tinha um caráter,
prático, familiar e civil.
Em Roma apesar de o pai ter papel central, a mãe era considerada de suma
importância e tinha um posicionamento muito menos submisso que na Grécia. A mãe
era valorizada e reconhecida como organizadora da vida educacional dos filhos,
junto a pedagogos e mestres. Se por um lado a mãe zelava pela formação cultural
da criança, cabia ao pai a formação moral e social, até mesmo permeando os
estudos, o qual era feito de forma rígida, para a formação do futuro.
Até os 7 anos a responsabilidade para com os filhos era da mãe, após isso
as meninas permaneciam no aprendizado dos afazeres do lar e os meninos
passavam a ter o pai como responsável por sua educação.
A partir do século I a.c foram implantadas escolas baseadas nos moldes gregos,
e surgiram as primeiras escolas latinas de retórica e gramática. Pouco tempo depois,
o espírito de praticidade romano levou a uma estruturalização das escolas que
passaram a ser divididas em graus e com instrumentos específicos, como
manuais de estudo. Dentro dessa divisão existiam as escolas elementares, que
eram responsáveis por ensinar a ler, escrever e calcular, tais escolas funcionavam
em locais alugados ou nas casas de ricos, as crianças dirigiam-se para lá
acompanhadas dos pedagogos. A escola secundária provinha conhecimentos em
geometria, música, astronomia, literatura e oratória.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A educação grega tinha como principais objetivos o desenvolvimento do


cidadão fiel ao estado e formação do homem com plena harmonia e domínio de si,
para assim prepará-lo para a cidadania e os deveres cívicos. "A reflexão filosófica
sobre a educação é que dá o tom a pedagogia e dos valores que, hoje, direcionam
a prática educacional e dos valores que deverão orientá-lo para o futuro". (LUCKESI,
1990, P.33)
A educação dentro dos parâmetros que conhecemos, teve inicio na cultura
greco-romana Antiga, e também a abordagem do pensamento racional, a criação
da cidadania e do próprio Estado com leis. O reconhecimento do valor da educação
na vida social e individual, a educação pública e humana em sua integridade física,
intelectual, ética e estética, são valores que nos foram legados pelos gregos, e
todas essas características acima citadas continuam tão presentes, pois são metas
a serem atingidas pela educação atual.
Não se pode deixar de destacar que a educação não era para todos, ficando
concentrada pelo menos em seus últimos níveis, nas mãos de classes dominantes,
tendo esses uma base educacional sólida e voltada para a formação do
pensamento filosófico e oratória. Sendo que, para o restante da população em muitos
casos sua educação era em grande parte provida pela própria família e voltada para
um ofício.

5 . R E F E R Ê N C I AS B I B L I O G R ÁF I C AS

JAEGER, Werner. Paideia. São Paulo: Martins Fontes, 2001. Grécia Antiga. Revista
História Ilustrada da Grécia Antiga. São Paulo: Escala, s/d.

ARANHA, Maria Lúcia. História da Educação e da Pedagogia: Geral Brasil. São


Paulo: Moderna, 2006.

JAEGER, Werner. Paidéia- A formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes,
1994.

MANACORDA, M, A. História da Educação: Da Antiguidade aos nossos dias. São


Paulo: Cortez, 2002.

MARROU, H, I. História da Educação na Antiguidade. São Paulo: E.P.U./ MEC,


1975.

VERNANT, J, P. As origens do pensamento grego. Rio de Janeiro: Ed Bertrand


Brasil, 2000.

ROBERT, Fernand. A literatura grega. Trad: Gilson César Cardoso de Souza. 1ed.
São Paulo: Martins Fontes, 1987.