Você está na página 1de 75

Eletrônica I

Transistor Bipolar de Junção

Prof.: Welbert Rodrigues


Referências Bibliográficas
 BOYLESTAD, R.; NASHELSKY, L. Dispositivos
Eletrônicos e Teoria de Circuitos. 8º ed. Rio de Janeiro:
LTC, 1999.
 Cap. 3, 4, 7, 8 e 19 (Fonte de Tensão);

 MALVINO, A. P. Eletrônica. 4. ed. São Paulo: Pearson,


2007.
 Cap. 6, 7, 8 e 9;

 SEDRA, A. S.; SMITH K. C. Microeletrônica. 5. ed. São


Paulo: Pearson, 2005.
 Cap. 4;
2
Welbert Rodrigues
Introdução
 Os Transistores Bipolares de Junção (TBJ) são
dispositivos semicondutores de três terminais;
 Eles possuem três camadas semicondutoras;
 Suas aplicações vão desde amplificação de sinais até o
projeto de circuitos lógicos digitais e de memória;
 O princípio básico envolvido nesses dispositivos é o uso de
uma tensão entre dois terminais para controlar o fluxo de
corrente no terceiro terminal;
 Portanto, ele pode ser usado como uma fonte de corrente
controlada;
3
Welbert Rodrigues
Introdução
 O sinal de controle também pode ser usado para fazer a
corrente no terceiro terminal seja zero ou um determinado
valor;
 Permitindo que o dispositivo funcione como uma chave,
que são os elementos básicos dos circuitos digitais;
 O transistor bipolar de junção (TBJ) consiste em duas
junções pn conectadas em série e em oposição;
 O termo bipolar se refere a condução de corrente, que se
dá tanto por elétrons quanto por lacunas;

4
Welbert Rodrigues
Estrutura Física
 Estrutura física simplificada de um TBJ;

Configuração npn

5
Welbert Rodrigues
Estrutura Física
 O transistor possui três regiões semicondutoras. E possui
dois tipos de configuração, npn e pnp:

npn pnp
Emissor (tipo n) Emissor (tipo p)
Base (tipo p); Base (tipo n);
Coletor (tipo n); Coletor (tipo p);

6
Welbert Rodrigues
Estrutura Física
 Estrutura física do TBJ na configuração pnp

7
Welbert Rodrigues
Estrutura Física
 Os transistores possuem duas junções pn:
 A junção emissor-base (JEB);
 A junção coletor-base (JCB);

 Dependendo da condição de polarização (direta ou


reversa) dessas junções são obtidos diferentes modos de
operação;

8
Welbert Rodrigues
Modos de Operação
 Modos de Operação

Modo JEB JCB


Corte Reversa Reversa
Ativo Direta Reversa
Saturação Direta Direta

 Modo Ativo: TBJ opera como amplificador;


 Modo Corte e Saturação: TBJ opera como chave;

9
Welbert Rodrigues
Operação no Modo Ativo
 Para polarizar o TBJ é necessário duas fontes de tensão
externas;
 Para operar no modo ativo é necessário que a JEB fique
diretamente polarizada e a JCB reversamente;

10
Welbert Rodrigues
Operação no Modo Ativo
 A corrente do coletor e da base são relacionadas por um
parâmetro (β):

iC   .iB

 O parâmetro β é constante para um determinado transistor


e é chamado de ganho de corrente de emissor comum;

 Para os transistores npn comuns, β fica na faixa de 100 a


200, podendo chegar a 1000 para dispositivos especiais;

11
Welbert Rodrigues
Operação no Modo Ativo
 Relação entre as três correntes do TBJ (IE, IC, IB):

iE  iC  iB

 As seguintes relações podem ser definidas com as duas


anteriores:
 1
iE  iC  iC   iE



 1
12
Welbert Rodrigues
Operação no Modo Ativo
 O α é uma constante menor que a unidade, porém bem
próxima dela;


 1
 Por exemplo, para β=100, o α=0,99, consequentemente
IE≈IC;

 O α é chamado de ganho de corrente em base comum;

13
Welbert Rodrigues
Operação no Modo Ativo
 A tensão VBE faz com que uma corrente
flua pelo coletor (IC);
 Essa corrente IC é independente do
valor da tensão do coletor;
 Enquanto a junção JCB permanecer polarizada
reversamente (VCB≥0) fluirá uma corrente pelo coletor;
 Com isso, o terminal do coletor se comporta como uma
fonte de corrente ideal;
 O valor dessa fonte de corrente é determinado por VBE;

14
Welbert Rodrigues
Operação no Modo Ativo
 O modelo equivalente do TBJ é apresentado abaixo:

 Portanto, o TBJ no modo ativo é uma fonte de corrente


(IC) controlada por tensão (vBE);

15
Welbert Rodrigues
Operação no Modo Ativo
 Para polarizar diretamente a JEB, pode-se aplicar uma
fonte de tensão diretamente aos terminais BE?

 É necessário um resistor para limitar essa corrente, pois


entre esses terminais há somente um diodo;
16
Welbert Rodrigues
Operação no Modo Ativo
 Polarização no modo ativo do TBJ pnp;

17
Welbert Rodrigues
Símbolos e Convenções
 Simbologia para transistores TBJ;

18
Welbert Rodrigues
Símbolos e Convenções
 Polarização do transistor no modo ativo;

iE  iC  iB iE  iC  iB

19
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 1) Determine todas as tensões nodais e correntes
dos ramos, β=100.

2 Malhas: BE e CE 20
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 A princípio não sabemos se o TBJ esta no modo ativo.
Uma abordagem simplificada é supor a operação neste
modo;
 Depois da resolução basta checar se realmente o transistor
está ou não no modo ativo;
 Se as condições de operação no modo ativo forem
satisfeitas, então nosso trabalho estará completo;
 Caso contrário, o TBJ estará em outro modo de operação e
o problema terá que ser resolvido novamente;

21
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Como a base está conectada à
fonte de 4V, permite-nos
concluir que a JBE está
diretamente polarizada;
 Como a queda de tensão é
aproximadamente 0,7V.
 Concluímos que a tensão no
emissor é 3,3V;

22
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Consequentemente, a corrente
no emissor IE é 1mA;
IC   I E

 O α≈0,99, então IC=0,99mA;


 A tensão no coletor é dada por:

VC  10  RC .I C  5,3V

23
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Como a tensão na base é 4V e a tensão no coletor é 5,3V, a
JCB está reversamente polarizada (1,3V).
 Ou seja, transistor operando no modo ativo;
 A corrente na base IB=0,01mA;
Simulação

VCE = 2V

24
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 2) Analisar o circuito da
figura ao lado (β=100);

 A tensão VE=5,3V e a corrente


IE=1,6mA;

 Como IC≈IE, VC=2,48V;

25
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 A suposição do modo ativo está incorreta, visto que a JCB
esta diretamente polarizada. TBJ no modo de saturação;

VCEsat ≈ 0,3V

http://www.csgnetwork.com/transistorcalc.html 26
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 3) Analisar o circuito abaixo (β=100);

27
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 4) Analisar o circuito abaixo (β=100);

Simulação
28
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 5) Analisar o circuito abaixo (β=100);

29
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 6) Analisar o circuito abaixo (β=100);

Polarização por
divisor de tensão

30
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 6) Resolução:

Simulação
31
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 7) Determine:
a) IB, IC e VCE; b) VBC;

Polarização Fixa

32
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 7) Solução:
a)

b)

33
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 8) Polarização com realimentação de tensão;
VCC  RC I C'  RB I B  VBE  RE I E  0
Considerando I C'  I C e IC  I E
VCC  RC I B  RB I B  VBE  RE I B  0
I B  11,9 A

Ponto de operação
I C  I B  I C  1,07mA

VCC  RC I C  VCE  RE I E  0  VCE  3,69V


Simulação
P  VCE I C  3,95mW
34
Welbert Rodrigues
Análise cc de Circuitos com TBJs
 Exemplo 9) Determine IC e VCE;
b) Determine VB, VC, VE, VBC e a potência dissipada no TBJ;

Q (11.26V , 1.86mA)

VB = 0,7V
VC = 11,26V
VE = 0
VBC = -10,56V

P = 20,9 mW

35
Welbert Rodrigues
Exercício
 Determine IC e VCE de polarização cc para o circuito da
figura;

Ic = 0,846mA

VCE = 12,21V

36
Welbert Rodrigues
Exercício
 No circuito da figura, considere
RC=2,5kΩ, RE=4,3kΩ e que o transistor
Q1 apresenta VBE=0,7V e um parâmetro
β muito elevado. Dessa forma,
determine o valor da tensão entre o
coletor do transistor Q1 e o terminal de
terra.

Resp.: 2,5V

37
Welbert Rodrigues
Representação Gráfica
 Característica da curva IB x VBE - Emissor Comum;

38
Welbert Rodrigues
Representação Gráfica
 Um parâmetro importante do TBJ é a queda de tensão
VCE;

 Ela está diretamente relacionada com a potência dissipada


no transistor;
P  VCE .I C
39
Welbert Rodrigues
Representação Gráfica
 A curva IC x VCE, informa o valor da corrente do coletor (IC)
em função de VCE, para diferentes correntes de base (IB);

40
Welbert Rodrigues
Representação Gráfica
 Regiões da curva IC x VCE;

VCEsat ≈ 0,3V

Corrente de Fuga (nA) 41


Welbert Rodrigues
Representação Gráfica
 Na região de saturação, a JCB não está reversamente
polarizada. Como amplificador, essa região é evitada, pois o
sinal amplificado ficará destorcido (β varia);

Datasheet

42
Welbert Rodrigues
Polarização CC do TBJ
 Para determinar o ponto de operação (ponto quiescente Q)
do transistor utiliza-se a reta de carga;

43
Welbert Rodrigues
Polarização CC do TBJ
 A Reta de Carga do transistor consiste em construir a
curva IC x VCE, de um determinado circuito, ajustando-se
um valor fixo de IB, variando o VCE e medindo os valores
correspondentes de IC.

 O ponto de operação, ou ponto quiescente, será a


interseção da reta de carga com a curva IC x VCE
correspondente à corrente de base IB de operação.

44
Welbert Rodrigues
Polarização CC do TBJ
 Reta IC x VCE; VCC  RC .I C  VCE
1 VCC VF  VB
IC   .VCE  IB 
RC RC RB

45
Welbert Rodrigues
Polarização CC do TBJ
 Movimentação do ponto Q com variação de IB;

1 VCC
IC   .VCE 
RC RC

46
Welbert Rodrigues
Polarização CC do TBJ
 Variação do ponto Q em função de RC;

1 V
IC   .VCE  CC
RC RC

47
Welbert Rodrigues
Polarização CC do TBJ
 Variação do ponto Q em função de VCC;

1 VCC
IC   .VCE 
RC RC

48
Welbert Rodrigues
Polarização CC do TBJ
 Exemplo: Determine o ponto de operação do transistor do
circuito (RB = 500kΩ);
Q (5.5V , 6mA)

1 V
vCE  VCC  RC iC iC   vCE  CC
RC RC
49
Welbert Rodrigues
Polarização CC do TBJ
 O ponto onde a reta de carga
intercepta a curva IB=0 é
conhecido como corte. Nesse
ponto a corrente de base é
zero e corrente do coletor é
muito pequena;
 A interseção da reta de carga
e a curva IB=IB(sat) é chamada
saturação;

50
Welbert Rodrigues
Polarização CC do TBJ
 Exercício: Dados a reta de carga e o ponto Q, determine os
valores de VCC, RC e RB do circuito;

VCC = 20V RC = 2kΩ RB = 965kΩ


51
Welbert Rodrigues
Polarização CC do TBJ
VCE  9V e I B  0,05mA
 Exercício VCC  RC .I C  RE I E  9 considerando I E  IC
VCC  RC . I B  RE . I B  9    50

52
Welbert Rodrigues
Modos de Operação
 Modos de Operação

Modo JEB JCB


Corte Reversa Reversa
Ativo Direta Reversa
Saturação Direta Direta

 Modo Ativo: TBJ opera como amplificador;


 Modo Corte e Saturação: TBJ opera como chave;

53
Welbert Rodrigues
Corte e Saturação do TBJ
 Para funcionar como chave, o TBJ deve trabalhar nas
regiões de corte e saturação;

VCEsat ≈ 0,3V

Chave aberta
Chave fechada

Exercício 7 – Lista 4
54
Welbert Rodrigues
Corte e Saturação do TBJ
 Aplicação como Chave;
 Na saturação, a corrente IC é
muito alta e a tensão VCE é
muito baixa.
 O resultado é um valor de
resistência pequena entre os
dois terminais (C e E) dado
por:
VCEsat
Rsat 
I Csat
Chave fechada
55
Welbert Rodrigues
Corte e Saturação do TBJ
 Aplicação como Chave;
 Na região de corte o valor de
ICEO é muito pequena e o
valor de VCE ≈ VCC;
 Com isso, tem-se uma
resistência grande entre o
coletor e o emissor, dada por:

VCC
Rcorte 
I CEO
Chave aberta
56
Welbert Rodrigues
Corte e Saturação do TBJ
 Exemplo numérico:

 Saturação: VCEsat=0,3V e ICsat=4A


Rsat=75mΩ≈0

 Corte: VCE=VCC=15V e ICEO=50nA


Rcorte≈∞

57
Welbert Rodrigues
Corte e Saturação do TBJ
 Porta lógica inversora;

 É necessário que o TBJ chaveie do corte para saturação;


 Neste caso, será considerado que IC=ICEO=0, quando o IB=0;
 Além disso, será considerado que VCE=VCEsat=0, ao invés de
adotar um valor em torno de 0,3V;
58
Welbert Rodrigues
Corte e Saturação do TBJ
 Resultado das considerações:

59
Welbert Rodrigues
Corte e Saturação do TBJ
 Quando Vi=5V:
IB=63,2μA, VB=0,7V, IC=6,32mA
e VC=-0,19V => JCB: D e JEB:D VC=0,3V ≈ 0V
Saturação
 Quando Vi=0V:
IB=0A, IC=0 e VC=5V;

60
Welbert Rodrigues
Corte e Saturação do TBJ
 Transistores de Chaveamento:
possuem alta velocidade de
comutação, ou seja, para ir de 0
a 1 (0V a 5V) ou 1 para 0;

 td=retardo de tempo (resposta);

 tr= tempo de ascensão (10 a


90%);

 ton=tempo para ir de off a on;

 ts=tempo de resposta;

 tf= tempo para ir de 90 a 10%;

 toff=tempo para ir de on a off;


61
Welbert Rodrigues
Corte e Saturação do TBJ
 Aplicação: Fontes chaveadas;
 Conversor Buck (CC-CC):

t on
 Abaixador de tensão: VS  D.VE D
T

62
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Diagrama de Blocos de uma Fonte Linear;

98
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Circuito de uma fonte linear;

99
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Transistor como regulador de tensão;

 O zener é responsável por manter V0 estabilizada, porém


um circuito somente com o zener não consegue fornecer
correntes altas à carga;
100
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 O TBJ é usado para reforçar a corrente de saída da fonte;
 Ele é colocado em série com a carga, que
funcionará como um resistor variável;

V0 = VZ – 0,7
V0 = VI – VCE

 O TBJ funciona como resistor variável, que ajusta seu


valor para manter V0 sempre no mesmo valor;
101
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Fonte linear ajustável;

Potenciômetro
R2'
V0  VR 2'  0,7 VR 2'  V1.
R1  R2

R2'
V0  V1.  0,7 Não regulada!
R1  R2
102
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Fonte linear ajustável (e estabilizada) com zener;

R2'
 No circuito V1 é variável. V0  VZ .  0,7
R2
 Neste circuito a tensão VZ entra no lugar de V1 das
equações anteriores;
103
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Exemplo: Determine a máxima corrente de saída?

5,7  0,7
I L max   500mA
10
104
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Exercício: O circuito da figura abaixo é uma fonte de tensão
regulada que usa como referência um diodo zener com 6 V de tensão
nominal. A tensão não regulada de entrada (Vnr) tem valor nominal
de 15 V e admite uma variação de 20% em torno do seu valor
nominal. A resistência de carga pode assumir valores que variam de
100 Ω até a resistência infinita (circuito aberto). Nessas condições,
qual será a corrente máxima, em mA, suportada pelo diodo?

IZmax = 40mA

105
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Exercício:

106
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Acionamentos de relés;

Qual o grande problema dessa montagem?


107
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Ao desligar o transistor a corrente no indutor é anulada
instantaneamente;

108
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Solução:

109
Welbert Rodrigues
Circuitos com TBJ
 Foto acoplador:

110
Welbert Rodrigues