Você está na página 1de 3

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO

Síntese – Experiência Molas

Dayane Ferreira Araujo – RA: 17213963


Gabriela Lourenço Santana – RA:17210765
Jessica Cruz da Silva – RA:17213785
Wendel da Silva Santos - RA:17210765
Física I Lab. – Professor: Bruno – Pavimentação
Introdução
A Lei de Hooke fala sobre a proporcionalidade da força aplicada deformante e
a deformação produzida por essa força, assim gerando a seguinte equação:
Fel=K.Δx, sendo Fel a força elástica, K a constante elástica e Δx o
deslocamento em relação ao equilíbrio, sendo o Δx podendo ser encontrado
através da seguinte forma Δx² Δx¹= Δx.

Objetivo
Realizar a experiência utilizando a Lei de Hooke para encontrar a constante
elástica desconhecida de uma mola e também a constante elástica de 2 molas
com associações em série e paralelo.

Método Experimental
MATERIAL:

Para realização do experimento foi utilizado os seguintes materiais: Duas


molas, sendo a primeira K1 com a constante desconhecida e a segunda mola
K2 com constante conhecida, Suporte para prender as molas, Régua
graduada, porta massores e 5 massores de pesos diferentes.
PROCEDIMENTO:
Para calibrar e determinar a constante da mola K1, que é a constante
desconhecida, montamos o suporte e colocamos a mola pendurada a ele, após
anotado o tamanho inicial da mola adicionamos a seguir o porta massor com 5
pesos diferentes e conhecidos por vez, anotando e medindo a deformação da
mola a cada peso diferente, assim foi possível determinar a constante elástica
da mola através do coeficiente angular obtida no Tabela/Gráfico1.
A segunda parte do experimento consistia em determinar a constante elástica
quando as molas estiverem em paralelo, assim foi colocado no suporte a mola
calibrada e a de constante conhecida uma ao lado da outra e após anotado o
tamanho inicial da mola foi adicionado 5 pesos diferentes medido sua
deformação e colocado em tabela para através do gráfico gerar sua constante
elástica da associação em paralelo como monstra Tabela/Gráfico2.
Após encontrar essa constante que foi o valor experimental calculamos o valor
teórico através da equação K=K1=K2, com os dois valores foi possível
comparar e achar o erro percentual entre eles.
A última parte do experimento consistia em determinar a constante elástica
quando as molas estivessem em série, isto é, uma pendurada na outra, para
isso seguimos basicamente o mesmo procedimento das outras determinação,
anotando seu tamanho inicial e após isso, adicionando massas já conhecidas e
medindo sua deformação, assim sendo possível achar a constante elástica da
Associação das molas em Série como é possível ver na Tabela/Gráfico3. Esse
valor encontrado seria a o valor de K experimental das molas em série sendo
necessário ainda achar seu valor teórico, para isso usamos a seguinte equação
𝐾1.𝐾2
Kteo = , após encontrado esse valor, calculamos e encontramos o erro
K1+K2
percentual entre eles.