Você está na página 1de 4

Economia: aquele que administra um lar

Paralelo entre divisões de tarefa na família e na sociedade


Alocar pessoas, alocar as produções de bens e serviços
- Os recursos da sociedade são ESCASSOS, recursos limitados e não podem ser
produzidos para todos.
Economia é o estudo e como administrar esses recursos, estudar como as pessoas tomam
decisões: o que compram, o quanto trabalham, quanto poupam e investem, e
comportamento das pessoas
- Forças e tendências: crescimento da renda média, parcela que não encontra trabalho, e
taxa pela qual os preços sobem.
Uma economia é um grupo de pessoas que se interagem, o comportameno da economia
é reflexo do comportamento das pessoas que a compõe
-Tomadas de decisõs INDIVIDUAIS
PRINCÍPIO 1: As pessoas enfrentam TRADEOFFS, “nada é de graça”. Escolher um
objetivo em detrimento de outro. Gastar 1 real a mais em roupas, consequentemente te
priva de gastar 1 real a menos em comida ou na sua economia.
Os trade-offs em sociedade:
- O clássico: quanto mais investir em defesa nacinal (armas), menos pode gastar em
produtos de bens de consumo (manteiga)
- Entre meio ambiente sem poluição e alto nível de renda: devido a leis que exigem
um tipo de produção menos danoso ao meio-ambiente, o custo da produção é elevado.
Em consquência do custo elevado as empresas obtem menos lucro, trabalhadores têm
salários menores, cobram preços mais altos. Reduz a renda de empresários, empregrados
e clientes.
- Eficiência e equidade: Eficiência: obter o máximo a partir do recursos escassos. (Bolo
econômico).
Equidade: a distribuição justa desses recursos (divisão do bolo). A propriedade de
distribuir a prosperidade econômica de maneira justa entre os membros da sociedade
Os dois tendem a entrar em conflito quando são elaborada as políticas de governo.
Políticas que visam mais a equidade: política de bem-estar social, seguro-desemprego,
imposto de renda mais alto das pessoas físicas.
TESE: embora beneficiem os mais necessitados, reduzem a eficiência. Causa
desincentivo ao trabalho, as pessoas trabalhariam menos, produziriam menos e teriam
menos renda
Reconhecer os trade-offs é importante para que as pessoas saibam quais as opções
possíveis, e a partir disso tomar a decisão que julgar melhor.
PRINCÍPIO 2: O custo de alguma coisa é aquilo de que você desiste para obtê-la
Por as pessoas enfrentarem trade-offs, a tomada de decisão exige comparação entre os
custos e benefícios de possibilidades alternativas de ação, e as vezes esse custo não é tão
claro.
Ir a faculdade. Algumas coisas não são custos, como, custos de moradia e alimentação só
são custos se forem mais caros na faculdade do que em outro lugar. O maior custo de
cursar a faculdade é o TEMPO, pois, o tempo que você gastar estudando, lendo, é o tempo
que você deixa de gastar trabalhando em algum emprego.
O custo de oportunidade é aquilo que você abre mão para o obter, ao tomar uma decisão,
quem a toma precisa estar ciente do custo de oportunidade que acompanha aquela ação.
PRINCÍPIO 3: As pessoas racionais pensagem na margem
Ao comer, escolher entre uma colherada a mais ou menos. Ao estudar, revisar páginas a
mais ou a menos. Mudanças marginais: pequenos ajustes incrementais a um plano de ação
existente. Se há uma margem, pressupõe-se que há um extremo, ajustes ao redor do
extremo. Benefício marginal: Ao estudar por um ou dois anos e ter salário fixo,
aprendizado constante. Custo marginal: Não receber salário enquanto estudar.
Passagem: 500
Assento vagos: 10.
Vende-se passagem por 300. Custo médio 500, custo marginal: pacote de amendoins
consumido pelo passageiro.
Tomador de decisão racional executa uma ação se e somente se o benefício marginal da
ação ultrapassa o custo marginal.
PRINCÍPIO 4: As pessoas reagem a incentivos
O comportamento pode mudar quando os custos ou benefícios mudam. Preço da maçã
aumenta, as pessoas comem mais pera. Quem produz maçã vai conttratar mais
trabalhadores para produzir maçã pois o preço aumentou. Efeito do preço sobre o
comportamento dos compradores.
Políticas públicas alteram os custos de benefícios (imposto sobre a gasolina) e afetam os
incentivos. Uma lei afeta comportamentos ao alterar incentivos. Lei do cinto de segurança
afeta o cálculo de custo-benefício de um motorista.
Ao analisar uma política pública devemos analisar os efeitos diretos e os efeitos indiretos
que operam por meio dos incentivos, se a política mudar os incentivos, ela provocará
alteração no comportamento das pessoas.
COMO AS PESSOAS INTERAGEM (PRINCÍPIOS QUE REGEM AS
INTERAÇÕES ECONÔMICAS, como ela funciona)
Nossas decisões afetam nós e as outras pessoas.
PRINCÍPIO 5: O comércio pode ser bom para todos
Comércio entre Japão e EUA. Eles disputam o mercado, mas o comércio entre dois países
pode ser bom para os dois. Por quê? Como o comércio afeta sua família.
Cada família concorre com as demais, nas compras de produtos, empregos. O comércio
permite que as pessoas se especializem na área, atividade em que são melhores, ao
comerciar uma com as outras, isso permite comprar maior variedade de bens e serviços a
um custo menor. Assim são com os países, ao mesmo tempo são concorrentes e parceiros.
PRINCÍPIO 6: Os mercados geralmente são uma boa meneira de organizar a
atividade econômica
URSS: economia de planejamento central x economia de mercado.
Economia de mercado: não há um planejador central, são substituidos pelas decisões de
famílias, empresas. Não há um responsável pelo bem estar econômico de todos.
“as famílias e empresas ao interagirem nos mercados, agem como se fossem guiadas por
uma “mão inisível”.
Preço: o instumento com que a mão invisível coduz a atividade econômica. Refltem o
valor de um bem e seu custo social para produzi-lo. Os preços levam os tomadores de
decisões individuais a resultados que maximizam o bem-estar da sociedade.
O governo ao impedir que os preços se ajustem naturalmente à oferta e à demanda,
impede que a mão invisível coordene os milhões de famílias e empresas que compõe a
economia.
Impostos distorcem os preços e consequentemente as decisões das empresas e famílias
O corolário também explicar porque o comunismo falhou, ao tentar conduzir a economia
com a mão amarrada nas costas.
PRINCÍPIO 7: Às vezes os governos podem melhorar os resultados dos mercados
Se a mão invisível do mercado é tão boa, por que precisamos de governo? Porque ela
precisa que o governo a proteja. Direito de proprieda garantido faz o mercado funcionar
bem
Dois motivos para que o governo intervenha na economia: promovar a eficiência
Promover a equidade
Falha de mercado: uma situação em que o mercado, por si só, fracassa ao alocar recursos
com eficiência ou produzir uma alocação eficiente de recursos. Causas:
Externalidade: o impacto das ações de uma pessoa sobre o bem-estar de outras que não
tomam parte da ação
poder de mercado: a capacidade de um único agente econômico ou um pequeno grupo de
agentes tem de influênciar significativamente os preços do mercado (capacidade de uma
ou um grupo de pessoas influênciar indevidamente os preços de mercado.)
Quando isso ocorre, as políticas públicas podem aumentar a eficiência econômica
Políticas públicas tem por objetivo atingir uma distribuição mais equitativa do bem-estar
econômico
COMO A ECONOMIA FUNCIONA
Decisões e interações formam a economia.
PRINCÍPIO 8: O padrão de vida de um país depende de sua capacidade de prduzir
bens e serviços
Produtividade: a quatidade de bens e serviços que um trabalhador pode produzir por
hora de trabalho.
-Porque os países possuem padrões de vida diferentes? Pois a produtividade é diferente,
a produção de bens e serviços em uma hora de trabalho.
-Taxa de crescimento da produtividade de um país determina a taxa de crescimento da
sua renda média. Melhor produtividade, melhor padrão de vida.
-EUA década de 1970-80 teve um lento crescimento devido ao menor crescimento da
produtividade e não a competição internacional.
-Como uma política pública afetará a capacidade de produção de bens e serviços, acesso
a tecnologia, educação, ferramentas necessárias para a produção.
PRINCÍPIO 9: Os preços sobem quando o governo emite moeda demais
Inflação: um aumento no nível geral de preços na economia
Ela impõe diversos custos a sociedade
-O que causa inflação? O aumento na quantidade de moeda.
Baixa inflação, lento crescimento da quantidade de moedas
PRINCÍPIO 10: A sociedade enfrente um tradeoff de curto prazo entre Inflação e
Desemprego
Ao emitir moeda demais causa inflação, por outro lado, tem um menor índice de
desemprego. Representado pela Curva Philips, crucial para entender o ciclo de negócios.
Escolha entre inflação e desemprego é temporária, mas pode durar anos.
Ciclo de negócios: flutuações da atividade econômica, medidas pelo número de pessoas
empregadas ou pela produção de bens e serviços.
A combinação de inflação e desemprego pode ser muada por: mudando o montante de
gastos do governo, o valor de arrecadação de impostos, montante de emissão da moeda.
Estes são instrumentos da política monetária e fiscal para controlar a economia.