Você está na página 1de 7
1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser
1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser

1. Introdução

1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido.
1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido.

Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido. O aparelho digestivo, com a colaboração importante do aparelho circulatório, forma como que uma “refeição

sobre rodas” gigante, servindo várias centenas de triliões de clientes, com os nutrientes necessários

ao

seu funcionamento.

O

aparelho digestivo abastece o corpo de água, electrólitos e outros nutrientes provenientes dos

alimentos. Para o fazer, está especializado em ingerir, mastigar, propulsionar e digerir alimentos, à medida que estes progridem através do tubo digestivo. Ao longo do tubo digestivo vão sendo adicionadas as secreções que lubrificam, liquefazem e digerem os alimentos. A água, os electrólitos

e os outros nutrientes, são absorvidos a partir dos alimentos digeridos através do lúmen do tubo

gastrointestinal. Uma vez absorvidas, estas substâncias são transportadas pelo aparelho circulatório até às células onde são utilizadas. As substâncias não digeridas são conduzidas através do tubo digestivo e eliminadas através do ânus. Os processos de propulsão, secreção e de absorção são regulados por mecanismos nervosos e hormonais complexos.

regulados por mecanismos nervosos e hormonais complexos. Digestão, Absorção e Transporte: A digestão consiste
regulados por mecanismos nervosos e hormonais complexos. Digestão, Absorção e Transporte: A digestão consiste

Digestão, Absorção e Transporte:

e hormonais complexos. Digestão, Absorção e Transporte: A digestão consiste no desdobramento das moléculas
e hormonais complexos. Digestão, Absorção e Transporte: A digestão consiste no desdobramento das moléculas
e hormonais complexos. Digestão, Absorção e Transporte: A digestão consiste no desdobramento das moléculas
e hormonais complexos. Digestão, Absorção e Transporte: A digestão consiste no desdobramento das moléculas

A digestão consiste no desdobramento das moléculas orgânicas ingeridas nos seus componentes:

os glícidos em monossacáridos, as proteínas em aminoácidos e os lípidos em ácidos gordos e glicerol. A medida que os alimentos progridem no tubo digestivo, vão-lhes sendo incorporadas secreções para os liquefazer, digerir e também para lubrificar. Na cavidade oral é segregada cerca de 1 a 1,5 L de saliva. Na saliva serosa existe uma enzima digestiva, a amilase salivar que vai quebrar as ligações covalentes entre as moléculas de glicose, de amido e de outros polissacáridos, para produzir os dissacáridos, maltose e isomaltose. A saliva, ao

lavar a boca, previne a infecção bacteriana da mesma. A saliva contém lisozima, com pouca acção antibacteriana, e imunoglobulina A que previne a infecção bacteriana. As secreções mucosas das glândulas submaxilares e sublinguais, contêm uma grande quantidade de mucina, uma substância com muita importância nas propriedades lubrificantes das secreções das glândulas salivares. No estômago, os alimentos misturam-se com as secreções gástricas formando o quimo, tornando-se semi-fluidos. No estômago ocorre alguma digestão e absorção, mas a sua principal função consiste no armazenamento e mistura do quimo. O estômago segrega muco, ácido clorídrico, gastrina, factor intrínseco (liga a vitamina B12 e permite a sua absorção) e pepsinogénio que é a forma inactiva da pepsina, enzima que degrada as proteínas.

A mucosa do intestino delgado produz secreções que contêm principalmente muco, electrólitos e água. Estas

A mucosa do intestino delgado produz secreções que contêm principalmente muco, electrólitos e

água. Estas secreções têm como função lubrificar e proteger a parede intestinal da acidez do quimo e

da acção das enzimas digestivas, bem como de manter o quimo líquido, por forma a facilitar a digestão. As secreções produzidas pelo fígado e pelo pâncreas, que produz a maioria das enzimas

digestivas (tripsina, quimotripsina, carboxipeptidase, amilase e lipase pancreáticas, ribonuclease entre outras), também são lançadas no intestino delgado e desempenham um papel muito importante na digestão.

A absorção e o transporte, são os meios pelos quais as moléculas são removidas do tubo digestivo

para a circulação, por forma a serem distribuídos pelo corpo. Nem todas as moléculas são

desdobradas antes de serem absorvidas, são disso exemplo as vitaminas, os sais minerais e a água.

A digestão inicia-se na cavidade oral e continua no estômago, mas dá-se principalmente na porção

proximal do intestino delgado, especialmente no duodeno. Algumas moléculas podem ser absorvidos ao longo de todo o tubo digestivo. Alguns produtos químicos, por exemplo a nitroglicerina (terapêutica em caso de problemas cardíacos), podem ser absorvidos através da mucosa sublingual. Algumas moléculas de pequenas dimensões (por exemplo o álcool e a aspirina) podem passar através do epitélio do estômago para a circulação. No entanto, a maior parte da absorção dá-se no duodeno e no jejuno, embora também se dê no íleon (Figuras 1, 2 e 3). Uma vez absorvidos, os nutrientes são transportados às diferentes partes do organismo por duas vias diferentes. A água, os iões e os produtos hidrossolúveis, como a glicose e os aminoácidos, entram no sistema porta e são conduzidos para o fígado (Figura 1). Os produtos do metabolismo dos lípidos, ligam-se ás proteínas e entram nos vasos quilíferos (Figura 3). Os quilíferos ligam-se, através de vasos linfáticos, ao canal torácico que drena para a veia sub-clávia esquerda. Estes lípidos ligados a proteínas são levados, pela circulação sanguínea, ao tecido adiposo ou ao fígado.

Lumen intestinal Camada epitelial Capilar Proteínas Aminoácidos Monossacáridos Transporte Difusão Difusão
Lumen intestinal Camada epitelial Capilar Proteínas Aminoácidos Monossacáridos Transporte Difusão Difusão
Lumen intestinal
Camada epitelial
Capilar
Proteínas
Aminoácidos
Monossacáridos
Transporte
Difusão
Difusão
activo
facilitada

Hidratos de carbono

Enzima pancreática

Enzima intestinal

Figura 1. Absorção das proteínas e dos hidratos de carbono.

Digestão dos alimentos Absorçao dos nutrientes Absorçao dos nutrientes Vitaminas Minerais Proteínas Água L í
Digestão dos alimentos Absorçao dos nutrientes Absorçao dos nutrientes
Digestão dos
alimentos
Absorçao dos
nutrientes
Absorçao dos
nutrientes
Absorçao dos nutrientes Absorçao dos nutrientes Vitaminas Minerais Proteínas Água L í p i d o
Absorçao dos nutrientes Absorçao dos nutrientes Vitaminas Minerais Proteínas Água L í p i d o

Vitaminas

Minerais

nutrientes Absorçao dos nutrientes Vitaminas Minerais Proteínas Água L í p i d o s Hidratos

Proteínas

Absorçao dos nutrientes Vitaminas Minerais Proteínas Água L í p i d o s Hidratos de
Absorçao dos nutrientes Vitaminas Minerais Proteínas Água L í p i d o s Hidratos de

Água

Lípidos

Hidratos de carbono

Figura 2. Principais locais de digestão e absorção dos nutrientes ao longo do aparelho digestivo.

Lumen intestinal Camada epitelial Quilífero Glóbulos de gordura Proteína Ácidos gordos livres Digestão
Lumen intestinal
Camada epitelial
Quilífero
Glóbulos de
gordura
Proteína
Ácidos gordos livres
Digestão
Triacilglicerol
por
Moléculas
lipases
emulsionadas
Sais
Sais
biliares
biliares
Quilomicrons
Sais
Vesícula
biliares
secretora

Figura 3. Absorção dos lípidos.

Hidratos de carbono Os hidratos de carbono ingeridos são principalmente polissacáridos, como o amido e
Hidratos de carbono Os hidratos de carbono ingeridos são principalmente polissacáridos, como o amido e
Hidratos de carbono Os hidratos de carbono ingeridos são principalmente polissacáridos, como o amido e

Hidratos de carbono

Hidratos de carbono Os hidratos de carbono ingeridos são principalmente polissacáridos, como o amido e o
Hidratos de carbono Os hidratos de carbono ingeridos são principalmente polissacáridos, como o amido e o
Hidratos de carbono Os hidratos de carbono ingeridos são principalmente polissacáridos, como o amido e o
Hidratos de carbono Os hidratos de carbono ingeridos são principalmente polissacáridos, como o amido e o

Os hidratos de carbono ingeridos são principalmente polissacáridos, como o amido e o glicogénio; dissacáridos como a sacarose (açúcar vulgar) e a lactose (açúcar do leite); e monossacáridos como a glicose e a frutose (em muitos frutos). Durante o processo de digestão, os polissacáridos vão sendo sucessivamente desdobrados em cadeias menores, transformando-se em dissacáridos e monossacáridos. A digestão dos glícidos inicia-se na boca, com a acção da amilase salivar sobre os amidos, e completa-se no intestino com a acção da amilase pancreática. As dissacaridases (enzimas) ligadas às microvilosidades do epitélio intestinal são responsáveis pela quebra de ligações dos dissacáridos em monossacáridos constituintes. O transporte da glicose ao diferente tipo de células é particularmente influenciado pela insulina (uma hormona produzida pelo pâncreas) que pode aumentar a velocidade de transporte até dez vezes.

Lípidos

Os lípidos são moléculas insolúveis, ou pouco solúveis, em água. Assim, o primeiro passo na digestão dos lípidos é a emulsificação, a transformação de grandes gotículas de lípidos em outras de menor tamanho. Como as enzimas que actuam sobre os lípidos são hidrossolúveis, só actuam na superfície das gotículas. A emulsificação, ao diminuir o tamanho das gotículas lipídicas, aumenta a área exposta à acção das enzimas, favorecendo a sua digestão. Este processo é concluído pelos sais biliares, segregados pelo fígado e armazenados na vesícula biliar. A lipase, segregada pelo pâncreas, digere moléculas lipídicas. Os principais produtos deste processo digestivo são ácidos gordos livres e glicerol. Do processo de digestão dos lípidos também fazem parte o colesterol e os fosfolípidos. Após a digestão dos lípidos no intestino, os sais biliares agregam-se à volta das pequenas gotículas para formar micelas. Quando a micela entra em contacto com as células epiteliais do epitélio do intestino delgado, o seu conteúdo passa por difusão simples para dentro das células do epitélio intestinal. Dentro das células epiteliais os ácidos gordos livres combinam-se com moléculas de glicerol formando os triacilgliceróis. São formados os quilomicrons (pequenas partículas no quilo, ou linfa gorda) que deixam as células epiteliais e entram nos quilíferos do sistema linfático conforme descrito anteriormente (Figura 3).

Proteínas As fontes alimentares de proteínas são diversas. A pepsina, segregada pelo estômago, promove a

Proteínas

As fontes alimentares de proteínas são diversas. A pepsina, segregada pelo estômago, promove a quebra das ligações peptídicas das proteínas transformando-as em cadeias polipeptídicas menores. A pepsina digere 10 a 20 % do total de proteínas ingeridas. As enzimas proteolíticas do pâncreas continuam o processo digestivo, fragmentando-as em fragmentos ainda menores. Estas cadeias são desdobradas em dipéptidos, tripéptidos e aminoácidos pelas peptidases ligadas às microvilosidades do intestino delgado. Os aminoácidos entram nas células epiteliais na forma de tripéptidos ou dipéptidos (ou aminoácidos simples embora em menor quantidade do que os anteriores) onde são desdobrados nas suas unidades constituintes. Os aminoácidos resultantes saem da célula para o sistema porta que os conduz ao fígado. No fígado os aminoácidos podem ser modificados ou libertados para o sangue e serem distribuídos através do organismo. A maior parte dos aminoácidos é utilizada como partes constituintes de novas proteínas mas alguns podem ser utilizados como fonte de energia.

Água

Cerca de 92% da água que entra diariamente no aparelho digestivo é absorvida no intestino delgado, 6 a 7 % do total é absorvido no intestino grosso. A água pode movimentar-se nos dois sentidos, através das paredes do intestino delgado; o sentido da sua difusão, através do epitélio, é determinada por gradientes de concentração. Quando o quimo está diluído, a água é absorvida através da parede intestinal para o sangue por osmose (movimento a favor do gradiente: da região com maior quantidade de água para a região com menor quantidade de água); quando o quimo está muito concentrado e contém pouca água, esta move-se para o lúmen do intestino delgado, também por osmose.

Material educativo auxiliar:

1. Seeley, Stephens e Tate. 2001. Anatomia & Fisiologia. Lusodidacta. Pág. 825-868.