Você está na página 1de 34

Quadro de Distribuição Unifilar - Continuando

seu Projeto Elétrico de TUGs, TUEs e


Iluminação
13 Jun 2017
|
Ricardo Amorim

1º Passo: Abra o projeto modelo que realizamos na primeira aula, caso você não tenha
salvo, por favor, faça-o novamente ou realize o download do mesmo no leiautdicas.com

Antes de começarmos a realizar a representação gráfica dos dispositivos no interior do


quadro de distribuição unifilar, precisamos primeiramente conhecer os seus símbolos
juntamente com as suas derivações.

DISJUNTORES DENTRO DO Q.D

Temos três tipos de disjuntores que são bastante utilizados em nossas instalações elétricas:
Tripolar (rede trifásica), Bipolar (rede bifásica), Monopolar (rede monofásica). Para distinguir
cada um desses dentro do quadro de distribuição você precisa estar atento a alguns
detalhes.

1º Passo: Observe a simbologia dos disjuntores.

Observe que a diferença entre os tipos de disjuntores, está na quantidade de fios


fase que estão representados nele.

2º Passo: De acordo com o circuito em estudo, realize a representação dos disjuntores e


seus respectivos circuitos.

3º Passo: Realize a representação da bitola do fio que está saindo do seu disjuntor para
ligar os pontos de consumo. Caso, você não se recorde, dê uma olhada no quadro de
previsão de cargas.
4º Passo: Insira a corrente nominal de cada disjuntor.

DR – DISPOSITIVO RESIDUAL

O DR, é um dispositivo obrigatório no Brasil desde de 1997. Porém, ainda hoje é pouco
conhecido e muitos profissionais da seara elétrica não conhecem a sua finalidade e como
o mesmo deverá ser ligado no quadro de distribuição.

Função: Proteger o usuário de choque elétrico.

Atuação: O DR será ligado entre Fase e Neutro após o disjuntor geral, ele abrirá o circuito
quando detectar uma fuga de corrente da ordem de 30-40mA.

1º Passo: Realize a colocação do DR dentro do seu quadro de distribuição unifilar,


conforme a representação abaixo.

Preste atenção, dentro de instalações elétricas residenciais o DR deverá ser ligado após o
disjuntor geral e antes dos disjuntores específicos, protegendo todos os circuitos da
residência.

2º Passo: Realize a representação do seu disjuntor geral antes do DR.


Observe que inserimos um disjuntor do modelo trifásico como geral, é importante
que você confira o tipo de instalação do seu imóvel (monofásico,bifásico ou
trifásico) para que em seguida possa determinar o seu disjuntor geral.

DPS – DISPOSITIVO DE PROTEÇÃO CONTRA SURTOS

O DPS, é um dispositivo obrigatório no Brasil desde de 2007. Porém, ainda hoje muitos
profissionais tem dúvidas à respeito de sua atuação e da sua instalação no quadro de
distribuição.

Função: Proteger o circuito elétrico contra sub e sobre tensões provenientes de descargas
atmosféricas e manobras da rede concessionária.

Atuação: O DPS será ligado em paralelo com o circuito, devemos possuir três DPS’s no
Q.D para uma proteção ideal, ligados entre: FASE E NEUTRO, FASE E TERRA e
NEUTRO E TERRA.

1º Passo: Realize a colocação do DPS dentro do seu quadro de distribuição unifilar,


conforme a representação abaixo.

Observe que o DPS deverá ser ligado em paralelo com o circuito, diferentemente do
disjuntor e do DR que são ligados em série.

ATERRAMENTO (PROTEÇÃO ELÉTRICA)

O aterramento é obrigatório nas instalações elétricas, vamos falar um pouco sobre a sua
função e como o mesmo deverá ser representado no projeto elétrico.

Função: Proteger o usuário de choque elétrico proveniente de energia estática.

Atuação: O aterramento é composto por uma haste de cobre (copperweld) fincada à terra
e ligada diretamente ao pino terra das tomadas.
Existem três tipos de aterramentos:

 Funcional – Aterramento do Neutro;


 PE(Proteção Elétrica) – Aterramento do Terra;
 Temporário – Aterramento da Fase.
Dentro do projeto elétrico, quando realizamos no esquema unifilar a ligação das tomadas,
fazemos menção ao aterramento do tipo PE, para proteção dos usuários. Porém, você
deve ficar atento, não devemos falar em aterramento, visto os três modelos existentes,
chamaremos de proteção elétrica.

ATERRAMENTO (TEMPORÁRIO)

O aterramento temporário é obrigatório para manutenções dentro das instalações


elétricas.

Função: Proteger o agente direto (eletricista) de possíveis re-ligamentos(manobras) do


circuito.

Atuação: O aterramento é composto por uma/três hastes de cobre (copperweld),


dependendo se o circuito é monofásico ou trifásico. As hastes serão fincadas à terra e
interligadas as FASES no Q.D.
Logo, se houver um possível re-ligamento, os disjuntores irão abrir o circuito e evitar que o
usuário leve um choque elétrico.

ATERRAMENTO (FUNCIONAL)
O aterramento funcional, normalmente é instalado pela rede concessionária no momento
da instalação do contador. Porém, como em muitas casas o contador foi instalado há
muito tempo atrás, é fundamental realizar a manutenção desse aterramento.

Função: Proteger o circuito elétrico, contra possíveis inversões de fases que possam
ocorrer na rede elétrica.

Atuação: O aterramento é composto por uma haste de cobre (copperweld). As hastes


serão fincadas à terra e interligadas ao NEUTRO no Q.D. Logo, se houver uma possível
inversão de fases, o disjuntor geral irá desligar instantaneamente.

BARRAMENTOS

O barramento é uma chapa metálica que deverá ser posicionada no Q.D com a finalidade
de aumentar o espaço para propagação de um fio condutor.

Por exemplo, temos um fio neutro da rede elétrica proveniente da rede concessionária e a
partir dele precisaremos propagar os demais fios neutro para cada circuito, essa derivação
poderá ser feita cortando o fio realizando remendos para que sejam derivados os fios. Ou,
o fio neutro principal poderá ser conectado ao barramento (chapa metálica) e os demais
fios que deveram ser interligados, serão interligados ao barramento.
Consequentemente poderemos ter barramentos para condutores:

1. FASE;

2. NEUTRO;

3. TERRA PE(PROTEÇÃO ELÉTRICA).

REPRESENTAÇÃO DE CIRCUITOS DENTRO DOS PROJETOS


UNIFILARES(DISJUNTORES)

Realizaremos agora a representação esquemática de circuitos elétricos, os quais estão


sendo ligados pelo mesmo disjuntor.

1º Passo: Realize a construção da seguinte planta baixa ou realize o download da mesma


no leiautdicas.

2º Passo: Realize a representação do Q.D dentro de seu projeto.

LIGAÇÃO ESQUEMÁTICA DOS CONDUTORES

Realizaremos a seguinte ligação, o disjuntor do circuito -1- estará alimentando e


protegendo os dois dormitórios simultaneamente.
1º Passo: Represente os eletrodutos saindo do Q.D e chegando nos pontos elétricos dos
dormitórios

Elétrica

Introdução ao Projeto Unifilar – Continuando seu


Projeto Elétrico de TUGs, TUEs e Iluminação.
25 May 2017

Ricardo Amorim

1º Passo: Abra o projeto modelo que realizamos na primeira aula, caso você não tenha salvo, por favor, faça-o novamente ou realize o download do mesmo
no leiautdicas.

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO

Para que possamos começar a desenvolver o nosso projeto elétrico, precisaremos do nosso quadro de distribuição. Visto que a energia proveniente da rede
concessionária chegará até ele e em seguida será distribuída para os pontos de consumo dos circuitos elétricos (TUG’s,TUE’s,Iluminação).

1º Passo: Realize a representação do seu quadro de distribuição, é importante posicioná-lo no centro do seu projeto, para reduzir custos com a propagação

do circuito elétrico.

INSERÇÃO DE ELETRODUTOS
1º Passo: Selecione a ferramenta arco e realize o seguinte procedimento.

2º Passo: Selecione agora a ferramenta line e realize a construção da seguinte linha.

Observe que estamos posicionando nosso eletroduto de duas formas:

 Através da ferramenta arco, onde o eletroduto está passando pelo forro;


 Através da ferramenta linha, onde o eletroduto está passando por dentro da parede.

3º Passo: Dentro do projeto elétrico, precisamos criar camadas para representar esses tipos de eletrodutos padrões. Observe as camadas a serem criadas:.

A camada que será criada, deverá ser eletroduto pelo forro, com o tipo de linha tracejada.
4º Passo: Selecione o seu eletroduto que está passando pelo forro e insira a sua layer.

5º Passo: Construa uma nova layer, para representar os eletrodutos que estão passando por dentro da parede, com a cor vermelha, porém com o tipo de
linha contínuo.

6º Passo: Deixe o seu projeto da seguinte forma.


QUADRO DE LEGENDAS

Em todo projeto elétrico é obrigatório a realização do quadro de legendas, nele deverá conter a representação esquemática de todos os símbolos que estão
sendo usados em seu projeto elétrico.

1º Passo: Realize a construção do seguinte quadro de legendas para o seu projeto.

POTÊNCIAS DAS TUG’S

Dentro do projeto elétrico, as TUG’s possuem algumas potências padrões: Para áreas molhadas (600VA) e demais ambientes (100VA), vimos também que
para uma tomada ser considerada de uso específico ela precisa ter no mínimo uma potência de (1200VA), logo as TUG’s que possuem potência inferior a
esse valor, o que devemos fazer?

1º Passo: As TUG’s que possuem potência superior a 100VA e inferior a 1200VA, deveram ter discriminadas a sua potência e o aparelho que será ligado na
mesma.
DIMENSIONAMENTO DE ELETRODUTOS

Os eletrodutos serão os responsáveis pela propagação dos fios condutores em segurança por toda a instalação elétrica, aprenderemos agora como
propagá-los ao longo da instalação elétrica e dimensionar o valor respectivo a sua seção transversal.

1ºPasso: O primeiro passo é entender que o dimensionamento de eletrodutos nada mais é do que determinar o seu tamanho nominal para cada trecho da
instalação. Anote: o tamanho nominal do eletroduto é o seu diâmetro externo expresso em mm² e padronizado por norma.

2ºPasso: O tamanho deverá ser adequado para que condutores possam passar facilmente e quando necessário também sejam retirados com a mesma
facilidade.

3ºPasso: Para dimensionar, basta saber o número de condutores nos eletrodutos e a maior seção deles.

Observe a tabela:

Exemplo: Deteremine o eletroduto necessário, considerando que o número de condutores no trecho do eletroduto são 6, e a maior seção dos condutores é
de 4mm².

4ºPasso: Assim, se o número de condutores no recho do eletroduto for igual a 6 e a maior seção dos condutores for igual a 4mm², o tamanho nominal do
eletroduto será 20mm².

5ºPasso: Para dimensionar os eletrodutos de um projeto é preciso ter a planta com a representação gráfica da fiação e as seçõesdos condutores indicadas,
além da tabela específica que fornece o tamanho do eletroduto.
6ºPasso: Com a planta em mãos, conte o número de condutores no trecho e verifique qual é a maior seção dos condutores.

7ºPasso: Consulte a tabela específica para obter o tamanho nominal do eletroduto adequado ao trecho.

CONDUTORES ELÉTRICOS (FASE,NEUTRO E TERRA)

Os condutores elétricos, percorreram toda a edificação através dos eletrodutos. Em nosso projeto unifilar, deveremos representar os fios e os circuitos que
os mesmos estão sendo ligados.

CONDUTORES ELÉTRICOS (QD)

Saindo do quadro de distribuição, devemos representar todos os condutores e as respectivas numerações dos seus circuitos. Porém, antes disso, deve-se
ter em mente o número de circuitos que teremos. A norma prevê um disjuntor para cada tipo de circuito. Exemplo: Uma cozinha deverá possuir um disjuntor
para as tomadas e um disjuntor para a iluminação.

Nosso projeto até o momento possui quatro circuitos, são eles:

 TUG’s da Cozinha
 TUG’s da Sala
 TUE da Sala
 Iluminação da Sala

1º Passo: Realize a representação dos seus circuitos na saída do seu QD.


Observe que as numerações correspondem aos números dos circuitos que estão determinados no quadro de distribuição.

CONDUTORES ELÉTRICOS (TUG’s)

As tomadas de uso geral, deveram possuir condutores: fase, neutro e terra, interligando-as.

1º Passo: Insira no eletroduto da cozinha os condutores fase, neutro e terra. Para que você possa ligar todas as TUG’s da cozinha.

Obs: Quando representamos a fiação, devemos ter o cuidado de nunca representá-la dentro do traçado das paredes, e sim utilizando linhas de chamada.
2º Passo: Preste bastante atenção na representação e explicação dos pontos demarcados em sua planta. Em seguida, realize a representação em seu
projeto.

1) Temos aqui a saída do Q.D com todos os circuitos que irão alimentar os pontos de consumo;

2) Observe a nossa primeira derivação, onde apenas temos a representação dos fios (F,N,T) na TUG da cozinha, ou seja ligada ao circuito -1-;

3) Observe a nossa segunda derivação, onde apenas temos a representação dos fios (F,N,T) na TUG da sala, ligada ao circuito -2-;

4º Passo: Realize a representação dos circuitos 2;3 que deverá alimentar as suas respectivas tomadas.
CONDUTORES ELÉTRICOS (IlLUMINAÇÃO)

As iluminações, deveram possuir os condutores: retorno e neutro. E deveram ser ligadas juntamente aos interruptores.

1º Passo: Realize a representação dos circuitos da iluminação e de sua TUG para sala.
ESQUEMA MULTIFILAR

É a representação de uma instalação, ou parte dela, por meio de símbolos gráficos. Todo ou qualquer projeto deverá ser desenvolvido através de símbolos,
e para isso são utilizados os esquemas unifilar, multifilar e funcional.

1º Passo: Realize o seguinte esquema multifilar abaixo.

Obs: R1/R2 não significam retorno, as fases dentro do projeto elétrico são três (3) e serão divididas em: R,S e T.

O esquema multifilar representa exatamente como a instalação será executada na prática.

3º Passo: Observe agora o seu respectivo projeto unifilar.

Representação da Ligação do Interruptor a Lâmpada.


Representação da Ligação do Interruptor a Lâmpada e a TUE.

Fique atento: No esquema multifilar acima aparece uma linha tracejada, juntamente com as linhas de neutro e fase. A linha tracejada recebe o nome de PE
(condutor de proteção) que também é chamado de fio terra, pois é o condutor que vai aterrar todas as partes metálicas dos equipamentos, internos da
residência, para garantir a segurança do ser humano. Os equipamentos mais comuns aterrados são: chuveiro, torneira elétrica, freezer, máquina de lavar
roupa, máquina de lavar loucaça, forno micro-ondas, computadores em geral etc.

4º Passo: Realize o seguinte esquema multifilar abaixo.

5º Passo: Observe agora o seu respectivo projeto unifilar.

Representação da Ligação do Interruptor a Lâmpada e duas TUG’s.


Na prática, em alguns ambientes, devido ao seu tamanho, há necessidade de duas ou mais lâmpadas comandadas por um interruptor.

Observe abaixo a representação do comando de três lâmpadas comandadas por um interruptor simples.

6º Passo: Realize o seguinte esquema multifilar abaixo.

7º Passo: Observe agora o seu respectivo projeto unifilar.

Representação da Ligação do Interruptor as três lâmpadas.

8º Passo: Realize o seguinte esquema multifilar abaixo.


9º Passo: Observe agora o seu respectivo projeto unifilar.

Representação da Ligação do Interruptor as duas lâmpadas.

Elétrica

Elétrica

Quadro de Previsão de Carga - Continuando o


Dimensionamento de TUGs, TUEs e Iluminação
25 May 2017
|
Ricardo Amorim

Em um projeto elétrico se faz necessário o dimensionamento dentro da norma técnica da


iluminação e das tomadas, como já vimos. Porém, todos esses dados deverão ser
demonstrados no quadro de previsão de carga para facilitar a fiscalização, execução e a
realização do orçamento do projeto.

Observe a formação do quadro de previsão de carga, ele é o resumo de tudo que vimos até
aqui em relação a dimensões, o quadro é dividido em área(m²) e perímetro(m) dos
ambientes, além das dimensões, também temos referências dos pontos de consumo.

1º Passo: Realize o download da tabelinha que utilizaremos, para representar nosso


quadro de previsão de cargas.
2º Passo: Realize o download do projeto que utilizaremos como modelo também no
leiautdicas.

3º Passo: Passe os dados referentes as dimensões, iluminação e tomadas para o seu


quadro de previsão de cargas, da seguinte forma.
FUNÇÃO DO DISJUNTOR
Antes de aprenderemos a dimensionar os disjuntores necessários para o nosso circuito,
devemos entender um pouco sobre a sua função.

O disjuntor possui como função a proteção do circuito elétrico, de algumas anomalias que
possam ocorrer:

1)Sobrecarga – Quando o usuário realiza a ligação de mais aparelhos eletroeletrônicos


do que o que foi inicialmente planejado pelo projetista elétrico, o disjuntor irá desligar o
circuito automaticamente como mecanismo de defesa

2)Curto-Circuito – Quando há o contato do fio fase com o fio neutro, ou entre fases no
circuito tri-fásico, gerando consequentemente uma corrente extremamente elevada. O
disjuntor irá desligar o circuito evitando que essa corrente se propague e gere um incêndio
na edificação.

DIMENSIONAMENTO DO DISJUNTOR EM CIRCUITO MONOFÁSICO

Tendo em mente a função do disjuntor de proteção do circuito, realizaremos agora um


estudo incial para o dimensionamento de disjuntores em circuitos monofásicos.

Caso proposto1: Considere que devemos realizar o dimensionamento para um disjuntor


que deverá proteger um chuveiro elétrico de 4400Watts.

1ºPasso: Observe o valor da potência do seu chuveiro elétrico (4400Watts);


2ºPasso: Divida o valor da potência do seu chuveiro pela tensão que o mesmo será
submetido. Através da seguinte função matemática.

I=P/V

I = 4400 / 220 = 20A

3ºPasso: Observe o valor encontrado (20A), esse é o valor respectivo a corrente que está
passando pelo seu circuito elétrico, para dimensionar o valor preciso do seu disjuntor
precisaremos multiplicar esse valor por 1,3 (acrescentar 30%), para que o disjuntor
possua uma margem de folga dentro do circuito elétrico.

I = 20 X 1,3 = 26A

4ºPasso: Encontramos o valor de 26A, porém um detalhe deve ser comentado. Muitas
vezes o valor encontrado não possui correspondente no mercado para aquisição, logo,
você deverá adquirir o de valor mais próximo e superior.

Geralmente os disjuntores são dos seguintes valores: 5,10,15,20,25,30,35,40A.


Geralmente, de valores na ordem de 5, salvo algumas exceções, como a linha da
siemens.

Utilizaremos então o disjuntor de 30A para o nosso chuveiro elétrico.

DIMENSIONAMENTO DO DISJUNTOR EM CIRCUITO MONOFÁSICO - II

Realizaremos agora o dimensionamento de disjuntores para circuitos elétricos, fique


atento para observar alguns detalhes importantes.

Caso proposto2: Considere que devemos realizar o dimensionamento para proteção de


uma sala de jantar, a qual possui os seguintes aparelhos eletroeletrônicos:
 1TV (200W)
 1PC (250W)
 3LUMINÁRIAS (100W/CADA)
 1APARELHOS DE TV À CABO (100W)
 1AR-CONDICIONADO (12.000BTU’S)
1ºPasso: Um detalhe fundamental para o dimensionamento do circuito de proteção em
circuitos residênciais consiste na separação do circuito elétrico em três:

1ºCircuito – TOMADAS DE USO GERAL;

2ºCircuito – ILUMINAÇÃO;

3ºCircuito – TOMADAS DE USO ESPECÍFICO.

Pelo que podemos analisar do nosso caso proposto, encontramos estes três tipos de
circuitos dentro de nossa sala, deveremos então dimensionar três disjuntores para a
proteção dessa sala.

DIMENSIONAMENTO DO DISJUNTOR PARA AS TUG’S


2ºPasso: Começaremos dimensionando o circuito das TUG’s. Observe os aparelhos
eletroeletrônicos que estarão sendo ligados:
 1TV (200W)
 1PC (250W)
 1APARELHOS DE TV À CABO (100W)

3ºPasso: Como estamos trabalhando com um circuito elétrico paralelo, deveremos somar
as potências de todos os aparelhos eletroeletrônicos e em seguida dividir pela tensão a
qual os aparelhos estão submetidas.

Pot.TOTAL = Pot.Tv + Pot.Pc + Pot.Aparelho de TV = 200 + 250 + 100 = 550Watts


I = 550 / 220 = 2,5A

4ºPasso: Encontrado o valor correspondente a corrente do circuito elétrico, multiplique a


mesma por 1,3 (tolerância) para os disjuntores.
2,5 x 1,3 = 3,25A

5ºPasso: Você deverá adquirir um disjuntor de 5A.

DIMENSIONAMENTO DO DISJUNTOR PARA A ILUMINAÇÃO

6ºPasso: Observe as luminárias que estarão ligadas em sua residência.

3LUMINÁRIAS (100W/CADA)

7ºPasso: Como estamos trabalhando com um circuito elétrico paralelo, deveremos somar
as potências de toda a nossa iluminação e em seguida dividir pela tensão a qual a
iluminação está submetida.

Pot.TOTAL = Pot.Luminária x 3 (número de luminárias) = 100 x 3 = 300VA

I = 300 / 220 = 1,36A

8ºPasso: Encontrado o valor correspondente a corrente do circuito elétrico, multiplique a


mesma por 1,3 (tolerância) para os disjuntores.

1,36 x 1,3 = 1,77A

9ºPasso: Você deverá adquirir um disjuntor de 5A.

DIMENSIONAMENTO DO DISJUNTOR PARA A TUE

Realizaremos o dimensionamento do disjuntor para o nosso ar-condicionado (TUE), um


detalhe deverá ser realizado para esse aprelho elétrico em específico.

A potência elétrica do ar-condicionado é informada em BTU’s, enquanto para o


dimensionamento de disjuntores, precisamos da potência elétrica em WATTS, logo,
precisaremos converter de uma unidade para outra.
10ºPasso: Observe a potência do seu ar-condicionado: 12.000BTU’s, para transformar
essa potência para watts, basta multiplicar por 0,1.

Pot Watts = Pot.BTU’s x 0,1

12.000 x 0,1 = 1.200Watts

11ºPasso: Realizada a conversão de BTU’s para Watt’s, divida o valor da potência, pela
tensão a qual será submetida.

I = 1200 / 220 = 5,45A

12ºPasso: Encontrado o valor correspondente a corrente do circuito elétrico, multiplique a


mesma por 1,3 (tolerância) para os disjuntores.

5,45 x 1,3 = 7,09A

13ºPasso: Você deverá adquirir um disjuntor de 10A.

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

Realizado o dimensionamento do nosso dispositivo de segurança, precisamos agora


dimensionar a bitola dos nossos condutores, os quais levaram a energia do quadro de
distribuição para todos os pontos de consumo do nosso circuito.

Caso proposto1: Retomaremos o caso proposto 1, para dimensionarmos os condutores


elétricos responsáveis pela condução de energia do quadro de distribuição até o chuveiro
elétrico.

1ºPasso: Observe o valor da potência do seu chuveiro elétrico (4400Watts);


2ºPasso: Divida o valor da potência do seu chuveiro pela tensão que o mesmo será
submetido. Através da seguinte função matemática.

Perspectiva Isométrica Aplicada ao Projeto Elétrico


Entre todas as perspectivas paralelas, as isométricas são as mais comuns de serem
utilizadas no dia a dia de escritórios de projetos de arquitetura, devido à sua versatilidade e
facilidade de montagem (é possível desenhar uma isométrica relativamente precisa
utilizando-se apenas um par de esquadros). Ela, no entanto, tem suas desvantagens, dado
que vários pontos nos objetos representados podem gerar ilusões de óptica, por meio de
coincidências com o plano bidimensional.

1º Passo: Realize o seguinte projeto.

Quando vamos realizar uma perspectiva isométrica do nosso projeto, não é


necessário os condutores unifilares e a potência dos respectivos pontos, será
necessário apenas o posicionamento dos pontos e dos eletrodutos.

2º Passo: Para realizarmos a vista isométrica, dê um clique no seguinte vértice de seu


cubo.

Observe como deverá ficar a visualização do seu projeto


.

REPRESENTAÇÃO DOS PONTOS ELÉTRICOS

1º Passo: Construa a seguinte linha de referência, selecione o seu círculo e posicione-o


da seguinte forma.
Em seguida, delete a sua linha de referência.

2º Passo: Construa as linhas de referência para o posicionamentos dos pontos elétricos.


Utilize as seguintes alturas:
 TUG = 1,20
 INTERRUPTOR = 1,20
 Q.D = 1,50

Em seguida, realize um retângulo para representar os seus pontos elétricos.

A perspectiva ISOMÉTRICA não deverá ser realizada para todo o projeto elétrico.
Mas, para aquelas vistas que exijam um maior detalhamento em relação ao
posicionamento dos pontos elétricos.

3º Passo: Apague todas as linhas de referência para o posicionamento dos seus pontos
elétricos.
Não apague a linha inferior do Q.D, ela além tem uma função além do auxílio ao
posicionamento do mesmo, ela representa o eletroduto que traz os condutores do
QM.

REPRESENTAÇÃO DOS ELETRODUTOS

1º Passo: Realize a representação do seu eletroduto saindo do Q.D e indo diretamente a


sua lâmpada.

2º Passo: Ative a ferramenta line e em seguida, ligue diretamente os pontos de consumo.


Elétrica

Dica de 3 Equipamentos para Proteção de


Periféricos e Usuários
26 May 2017
|
Ricardo Amorim

A energia elétrica aqui no nosso País, em sua grande maioria, é gerada pelas hidrelétricas,
delas até as nossas residências um grande percurso é percorrido até as cidades, através
dos condutores e transformadores.

Quando finalmente a energia chega até a nossa residência, em nossas tomadas, ela pode
vim acompanhada de certos distúrbios, estudaremos agora alguns aparelhos que foram
desenvolvidos para um maior rendimento das instalações elétricas.

ESTABILIZADOR

O estabilizador é um aparelho desenvolvido no Brasil e feito exclusivamente para o nosso


País, motivo de orgulho nacional, será?

Para responder o questionamento acima, precisamos entender um pouco sobre a função


do estabilizador. Função: O estabilizador possui como função, estabilizar a tensão(em torno
de 10 até 15%) proveniente da rede concessionária para o melhor funcionamento dos
aparelhos eletroeletrônicos.

1ºExemplo: A tensão (ACV) em nossa tomada 2P + T proveniente da rede concessionária


está chegando com um valor abaixo ou acima de 220V, logo, iremos ligar um estabilizador
para que a tensão seja estabilizada em 220V.

2ºExemplo: No caso de desejarmos uma tensão de 110V para ligar um equipamento e a


rede elétrica local seja de 220V, você deverá utilizar um estabilizador redutor de entrada
220V e saída 110V.

DIMENSIONAMENTO DO ESTABILIZADOR
Agora que já aprendemos a função básica do estabilizador, estudaremos agora sobre o
dimensionamento exato do nosso estabilizador.

Antes de qualquer dimensionamento matemático, precisamos ter o conhecimento da


unidade de medida da potência para os estabilizadores. A potência utilizada será o VA
(VOLT Ampére – Chamada de potência aparente). Logo, teremos que desenvolver o
seguinte problema: Os aparelhos que serão ligados ao estabilizador, normalmente
possuem a potência em Watts, unidade de medida da potência diferente do estabilizador.

Para equiparar a potência de VA para Watts precisaremos trabalhar com algumas


conversões:

Pot.VA = Pot.Watts x 0,65


DETALHES ACERCA DO ESTABILIZADOR

O estabilizador, dispositivo utilizado para estabilizar a tensão elétrica, obviamente não será
utilizado para ligar todos os aparelhos da residência. Imagine a potência do mesmo, seria
extremamente gigante. Por isso, apenas alguns aparelhos, os quais são mais sensíveis em
seu funcionamento serão ligados ao estabilizador.

Podemos tomar como exemplo, um computador, o qual em locais de grande variação na


tensão elétrica, caso não haja a presença do estabilizador, o mesmo ficará sujeito a todo
tipo de tensão e transientes, podendo assim levar a queima de alguns de seus
componentes, como o HD,Placa Mãe, etc.

Um outro exemplo, as impressoras, muitas delas precisam ser alimentadas por uma tensão
constante sem variações, caso contrário o seu funcionamento será prejudicado, a
impressão poderá apresentar travamentos e problemas ao imprimir.

NO-BREAK

O NO-BREAK, é um equipamento eletroeletrônico que possui como finalidade suprir a falta


de energia elétrica por um breve período de tempo, proveniente da rede concessionária de
energia, disponibilizando alguns minutos para o usuário salvar os arquivos em que está
trabalhando.
Existe atualmente dois tipos de NO-BREAKS mais comuns no mercado:
 NO-BREAK (OFFLINE)
 NO-BREAK (ONLINE /
SMART)
O NO-BREAK do tipo offline(não senoidal), é mais barato do que o do tipo online, a diferença
financeira entre os modelos, representa uma diferença brusca na qualidade de
funcionamento dos dois. Enquanto o off-line(não senoidal), não poderá ser utilizado para
ligar motores, compressores, ou até mesmo estabilizadores(módulo isoladores e fontes
lineares), por conta do tipo de tensão ACV(quadrada/retangular) encontrada na saída do
mesmo, o online(senoidal) está habilitado para tais serviços.

O Nobreak não senoidal como o senoidal, estão habilitados para suprir quedas bruscas de
tensões (subtensão) ou de elevações (sobretensão). A diferença básica entre os dois tipos
de nobreak está no fato que o não senoidal nesse momento irá gerar uma tensão (ACV)
quadrada ou retangular, já o senoidal irá gerar uma tensão (ACV) senoidal e os
equipamentos ligados ao nobreak senoidal estão 100% protegidos de qualquer problema
existente na rede elétrica concessionária.

DIMENSIONAMENTO DO NO-BREAK

Assim como o estabilizador, o NO-BREAK, possui a sua potência elétrica em VA, não
teremos distinção para o dimensionamento da potência do off-line para o online.

MÓDULO ISOLADOR
É um equipamento utilizado para alimentar os circuitos elétricos ou eletrônicos, com total
segurança para o usuário contra choque elétrico. Ele poderá ser utilizado para substituir o
aterramento PE em computadores residenciais, nos quais a instalação de aterramento pode
não ser um processo simples. Módulo isolador possui no seu interior um transformador do
tipo isolado entre o enrolamento primário e secundário, o qual por meio de campo
eletromagnético transfere a energia para as suas saídas, de maneira totalmente isoladas e
seguras para os usuários.
Obs: Esse tipo de isolação é chamada de isolação galvânica.
Nas disciplina posteriores, aprenderemos um pouco mais sobre o funcionamento desse
equipamento.

O módulo isolador é fundamental em edificações que não é possível a instalação do


aterramento elétrico. Resolvendo de maneira paliativa, visto que não será possível ligar
todos os aparelhos da sua residência no mesmo, diferentemente do aterramento.

DIMENSIONAMENTO DO MÓDULO ISOLADOR

Assim como o estabilizador, o módulo isolador possui a sua potência elétrica em VA, não
teremos distinção para o dimensionamento da potência do off-line para o online.

Elétrica

Aprendendo a Fazer Projeto de Iluminação


25 May 2017
|

Ricardo Amorim

Enquanto o dimensionamento de tomadas é realizado pelo perímetro, o dimensionamento


de iluminação será realizada pela área do ambiente.

1º Passo: Para dimensionar a iluminação para a sua sala, digite area e pressione Enter.
Em seguida, selecione toda a área do seu ambiente e pressione Enter.
DIMENSIONAMENTO DE ILUMINAÇÃO FLUORESCENTE

Realizaremos agora o dimensionamento para lâmpadas do tipo fluorescentes, em


seguida, trabalharemos com lâmpadas do tipo incandescente.

1º Passo: Encontrado o valor referente a área, você deverá realizar a seguinte


correspondência matemática:

Observe o valor da Área = 20,23m²

2º Passo: Em seguida, realize a subtração do valor da área por 6,00 e o restante por 4,0.

20,29 – 6,00 = 14,29 – 4,00 = 10,29 – 4,00 = 6,29 – 4,00 = 2,29

3º Passo: Quando você encontrar um valor abaixo do que 4,00, você deverá
desconsiderar e parar ali.

4º Passo: Realize as correspondências, para cada 6,00m², teremos 60VA de potência e


para cada 4,00m², teremos 40VA de potência.
6,00 + 4,00 + 4,00 + 4,00
Logo: 60 + 40 + 40 + 40 = 180VA
5º Passo: O valor encontrado por você, será referente a potência de iluminação necessária
para o ambiente dimensionado. Lembre-se, esse valor de potência poderá ser considerado
integral, ou seja, será inserido uma lâmpada de 180VA, ou você poderá inserir 3 x 60VA.

6º Passo: Antes de inserir o seu ponto de luz, você deverá realizar a construção das
seguinte linhas de referência, para certificar que a sua iluminação está no ponto central de
seu ambiente.

7º Passo: Realize a inserção do seu ponto de luz fluorescente no meio de seu ambiente.

8º Passo: Após, o posicionamento do seu ponto de luz, delete as linhas de referência.

REPRESENTAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NO PROJETO E O SEU RESPECTIVO


INTERRUPTOR

Precisamos agora realizar a representação dentro do nosso projeto da potência referente


a nossa iluminação, em seguida determinar o número de secções do nosso interruptor.

1º Passo: Como já determinamos, precisamos para iluminar perfeitamente esse ambiente


uma potência mínima de 180VA, pela indisponibilidade de aquisição de apenas uma
lâmpada com essa potência no mercado, vamos inserir duas lâmpadas de 100VA.
Estamos informando através da representação que naquele ponto, existe duas
lâmpadas de 100VA.
2º Passo: Para que as duas lâmpadas sejam ligadas, precisaremos obviamente de um
interruptor. Caso desejarmos que apenas um interruptor desligue as duas lâmpadas,
teremos um interruptor de uma seção, caso desejemos que um interruptor apague as duas,
será de duas seções.

SIMBOLOGIA DOS INTERRUPTORES


Observe abaixo a simbologia mais utilizada dentro dos projetos elétricos para a
representação dos interruptores.

A letra S, deriva do inglês, onde swtich representa chave.

Você também pode gostar