Você está na página 1de 46

UNIVERSIDADE TIRADENTES

ENGENHARIA CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

Dosagem e Aditivos para o Concreto

Prof. Andréa Quaranta Barbosa


andreaquaranta@live.com

2017/2
Dosagem do Concreto

DEFINIÇÃO
É o proporcionamento adequado e mais econômico dos materiais
que compõem o concreto: cimento, água, agregados, adições e
aditivos.
A resistência do concreto depende não apenas da qualidade dos
constituintes mas também, e muito, da sua dosagem, ou seja, a
correta dosagem do concreto vai determinar a sua resistência.
Considerando que os constituintes são de boa qualidade, o
concreto com maior teor de cimento é mais resistente.
Dosagem do Concreto

O “TRAÇO” é normalmente uma relação de volumes. Não


importa qual a unidade de volume utilizada contanto que seja a
mesma: metros cúbicos, litros, pés cúbicos, padiolas, carrinhos,
baldes etc.

Além dos ingredientes sólidos (cimento, areia e brita, tem-se


também a dosagem da água que chama-se “FATOR ÁGUA /
CIMENTO”.
Dosagem do Concreto

➢Dosagem Racional e Experimental

– NBR 12655:2015 Concreto de Cimento Portland – Preparo,


controle e recebimento do concreto - Procedimento

O traço do concreto só pode ser estabelecido empiricamente se


for da Classe C10

Adotar consumo mínimo de cimento 300 kg por cada m³


de concreto produzido.

Para os concretos das classes superiores a C15, exige-se dosagem


racional e experimental
Dosagem do Concreto

➢Determinação da Resistência de Dosagem - fcj

– Tomar como base a resistência característica do concreto à


compressão (fck)

– Levar em conta a dispersão dos valores

Média

Desvio padrão (s)

– Garantia da probabilidade de que apenas 5% dos resultados


das determinações de resistência à compressão caiam abaixo
do fck do projeto
Dosagem do Concreto

➢Determinação da Resistência de Dosagem - fcj


Dosagem do Concreto

➢Determinação da Resistência de Dosagem – fcj

1ª HIPÓTESE: quando for conhecido o desvio padrão (s) da


resistência à compressão, determinado a partir de resultados de
ensaios com corpos-de-prova da obra em questão, ou de outra obra
cujo concreto tenha sido executado com o mesmo equipamento e
iguais organização e controle de qualidade.

A resistência de dosagem será calculada pela fórmula: fcj = fck + 1,65 . sd


Onde: sd = kn . s
Kn varia com o número (n) de ensaios
n 20 25 30 50 100

kn 1,35 1,30 1,25 1,20 1,10

OBS: Não se tomará para sd valor inferior a 2,0 MPa


Dosagem do Concreto

➢Determinação da Resistência de Dosagem – fcj

2ª HIPÓTESE: se não for conhecido o desvio padrão, deve ser


adotado em função da condição de preparo do concreto.
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Método ACI (American Concrete Institute) e PCI (Portland


Cement Institute) adaptados às condições brasileiras

– Utilização de agregados graúdos britados e areia de rio, que


obedecem à NBR 7211 - Agregados para Concreto -
Especificação

➢OBJETIVO DA DOSAGEM

Determinar a quantidade com que cada material (cimento, água e


agregados) participa na composição da mistura, determinando-se
os consumos de materiais por m³ de concreto.
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Requisitos para a Dosagem

– Trabalhabilidade

– Resistência físico-mecânica

– Porosidade

– Condição de exposição

– Custo
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢CARACTERÍSTICAS DO MÉTODO

– Recomendado para dosagem de concretos com


trabalhabilidade adequada para moldagem “in loco”
(consistência plástica a fluida).

– Não aplicável a concretos com agregados leves.

– O método fornece, em primeira aproximação, as quantidades


dos materiais constituintes, devendo-se, obrigatoriamente,
executar uma mistura experimental para verificar se as
qualidades requeridas foram atingidas.
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢ CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

– Cimento: tipo, massa específica e resistência aos 28 dias.

– Agregados graúdos: análise granulométrica, dimensão máxima do


agregado, massa específica e massa unitária compactada

– Agregados miúdos: análise granulométrica, módulo de finura,


massa específica e massa unitária compactada

– Concreto: Consistência desejada no estado fresco (medida pelo


abatimento do tronco de cone); Condições de exposição e
finalidade da obra; Resistência característica do concreto;
Resistência de dosagem do concreto
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢FIXAÇÃO DA RELAÇÃO ÁGUA / CIMENTO

– Em função da resistência mecânica - CURVA DE ABRAMS

Quando a resistência do cimento é conhecida, usa-se este valor


diretamente no gráfico.

Quando é desconhecida, mas conhece-se sua média e desvio padrão, a


resistência mínima pode ser estimada segundo a fórmula:

fcj = fck + 1,65 . Sd

Quando o desconhecimento é total: Estima-se a resistência do cimento


como especificada pela norma (classe do cimento)
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Fixação da Relação água / cimento

– Curva de Abrams
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢FIXAÇÃO DA RELAÇÃO ÁGUA / CIMENTO

– Curva de Abrams

Ex: Cimento CP 32
Concreto com resistência
de 25 MPa (fcj) aos 28
dias

a/c = 0,585
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢FIXAÇÃO DA RELAÇÃO ÁGUA / CIMENTO

– Em função da durabilidade - NBR 6118/2014

RELAÇÃO A/C MÁXIMAS PERMISSÍVEIS

Classe de agressividade do ambiente

PREVALECE A MENOR RELAÇÃO ENTRE AS DETERMINADAS PELOS DOIS


CRITÉRIOS:

Resistência mecânica

Durabilidade
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Fixação da Relação água / cimento

– Em função da durabilidade
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Fixação da Relação água / cimento

– Em função da durabilidade
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Determinar o Consumo de Materiais

– CONSUMO DE ÁGUA (CA)

A quantidade de água necessária para fornecer ao concreto fresco


uma consistência determinada, depende de características e
proporções de materiais utilizados.

A água de amassamento deverá ser determinada utilizando os valores


recomendados.

Valores recomendados para concretos com agregado graúdo britado


(granito), areia de rio: o consumo de cimento da ordem de 300
kg/m³ e abatimento entre 40 e 100 mm.
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Determinação do Consumo de Materiais

– Consumo de água (Ca)

Consumo de água aproximado (L/m³)

Dmáx. Agregado graúdo (mm)


Abatimento (mm)
9,5 19,0 25,0 32,0 38,0

40 a 60 220 195 190 185 180

60 a 80 225 200 195 190 185

80 a 100 230 205 200 195 190

brita 0 – 4,8 a 9,5 mm; brita 2 – 19 a 38 mm;


brita 1 – 9,5 a 19 mm; brita 3 – 38 a 76 mm;
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Determinação do Consumo de Materiais

– Consumo de água (Ca)

Caso não haja especificação prévia, pode-se estabelecer o


abatimento do concreto, utilizando a recomendação a seguir:
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Determinar o Consumo de Materiais

– Consumo de cimento (Cc)

O consumo de cimento é calculado diretamente com base no


consumo de água

Onde:

Ca = consumo de água

a/c = relação água / cimento


Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Determinar o Consumo de Materiais

– Consumo de agregados

Agregados estão compostos por miúdo e graúdo, sendo necessário


que se faça o proporcionamento para a composição da curva
granulométrica do agregado total.

Este é o ponto chave, pois vai ditar a trabalhabilidade e o custo total.


Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Determinar o Consumo de Materiais

– Consumo de agregados

Consumo de agregado graúdo (Cb)

Dimensão máxima do agregado graúdo

Módulo de finura da areia

Consumo de agregado miúdo (Cm ou Careia)

Teor de pasta

Consumo de agregado graúdo


Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Determinar o Consumo de Materiais

– Consumo de agregados

Consumo de agregado graúdo (Cb)


Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Determinar o Consumo de Materiais

– Consumo de agregados

Consumo de agregado graúdo (Cb)

A determinação do consumo de brita Cb (em massa) é feita pela


expressão:

(kg)
Onde:
Vb = volume do agregado (brita) seco por m³ de concreto (m³)
= massa unitária compactada do agregado graúdo (kg/m³)
OBS: Quando não for possível determinar pode-se adotar o valor
aproximado de 1500 kg/m³
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Determinar o Consumo de Materiais

– Consumo de agregados

Consumo de agregado graúdo (Cb)

Sugestões para proporcionamento das britas


Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Determinar o Consumo de Materiais

– Consumo de agregados

Consumo de agregado miúdo (Cm) : O volume do concreto é


formado pela soma dos volumes absolutos do cimento (Vc), água
(Va), e agregados (Vm e Vb). Dessa forma, para 1 m³ de concreto,
tem-se:

1 m³ = Vc + Vareia + Vb + Va

Vm = 1 - (Vc + Vb + Va)

Onde: = massas específicas reais


O consumo, em massa de agregado miúdo é:
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Apresentação do Traço do Concreto

É a indicação de quantidade dos materiais que constituem o


concreto

Cimento : Areia : Brita 1 : Brita 2 : a/c

Ex: 1,0 : 2,2 : 3,3 : 0,55

Ex: 1,0 : 1,67 : 2,04 : 0,51 : 0,475

Para maior facilidade, deve-se também indicar o consumo de cimento


por m³ de concreto  Ex: 300 kg/m³ de concreto fresco
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Exemplo de Aplicação

Calcular o traço do concreto com as seguintes características:


Areia Brita 1 Brita 2 Cimento Concreto
(80%) (20%)

Mf = 2,60 δ = 2700 kg/m3 δ = 2700 kg/m3 CP II - 32 MPa Fck = 25 MPa

δ = 2650 kg/m3 γ comp = 1500 kg/m3 γ comp = 1500 kg/m3 δ = 3100 kg/m3 Abatimento = 90 ± 10

γ = 1460 kg/m3 γ solta = 1430 kg/m3 γ solta = 1400 kg/m3 Condição B

Φmáx = 25 mm

De acordo com o traço calculado, qual será a quantidade de material necessário


para moldar 6 CP’s de 15 x 30 cm, e levando em consideração que há um
desperdício de material em torno de 10%?
Método de Dosagem do Concreto ACI / ABCP

➢Correção do Traço para areia com umidade

– A dosagem desconsiderando a umidade da areia provoca o


acréscimo de água e menos areia do que o discriminado no
traço.

Água corrigida (AC) =Água do traço – (h/100 . Careia)

onde: h = umidade (%)


Aditivos

➢São produtos empregados na produção de concretos e


argamassas de cimento para modificar certas propriedades do
material fresco ou endurecido, em quantidades inferiores a 5%
da massa de cimento.

“ADITIVO”– 4º componente do concreto,


(cimento / agregados / água / aditivos)

Todo concreto minimamente estudado usa aditivos. No 1º


mundo 70 a 80% dos concretos usam algum tipo de aditivo.
Aditivos - APLICAÇÃO

COMPARAÇÃO ENTRE ADITIVOS E REMÉDIOS


➢Podem trazer melhorias
➢Dose errada – dano ao concreto
➢Prazo de validade
➢Possíveis interações danosas com o tipo de cimento

USADOS LARGAMENTE POR EMPRESAS DE SERVIÇOS DE


CONCRETAGEM
➢equipamentos e controles apropriados para conseguir o
melhor desempenho possível dos concretos aditivados
Aditivos para Concreto

➢FINALIDADES:
•Aumentar a trabalhabilidade ou plasticidade do concreto;
•Reduzir o consumo de cimento (custo);
•Alterar acelerando ou retardando o tempo de pega;
•Reduzir a retração;
•Aumentar a durabilidade:
Inibindo a corrosão das armaduras;
Neutralizando as reações álcali-agregado;
Reduzindo o efeito do ataque por sulfatos;
Diminuir a permeabilidade.
Aditivos para Concreto

NBR-11768/92 classifica alguns dos tipos de aditivos:

TIPO - Finalidade
P - plastificante ou redutor de água (mínimo 6% de redução);
A - acelerador do tempo de pega;
R - retardador do tempo de pega;
PR - plastificante e retardador do tempo de pega;
PA - plastificante e acelerador do tempo de pega;
IAR - incorporador de ar;
SP - superplastificante (mínimo 12% de redução de água);
SPR - superplastificante retardador;
SPA - superplastificante acelerador.
Aditivos para Concreto

ADITIVO INCORPORADOR DE AR - IAR

- Reduzem a tensão superficial da água e incorporam ou


adicionam PEQUENAS BOLHAS DE AR ao concreto (0,1 a
0,8mm).

- Sua utilização depende da presença de finos, quanto mais


finos (também alto consumo de cimento), menos ar é
incorporado.

- Excesso de ar incorporado diminui a resistência mecânica


do concreto.
Aditivos para Concreto

ADITIVO INCORPORADOR DE AR - IAR

FUNÇÃO:

O volume de ar incorporado é influenciado por:

- QUANTIDADE DE FINOS NO TRAÇO – acima de 300kg/m³


a incorporação de ar é restrita por haver pouco espaço livre
para a geração de bolhas.

- PROPORÇÃO DE ÁGUA NA MISTURA – quanto mais seca


for a mistura menor será a incorporação de ar.
Aditivos para Concreto

ADITIVO PLASTIFICANTE OU REDUTOR DE ÁGUA - P

- Aumenta o índice de consistência do concreto,


mantida a quantidade de água de amassamento
OU
- Possibilita a redução de, no mínimo, 6% da
quantidade de água de amassamento para uma
determinada consistência
Aditivos para Concreto

ADITIVO SUPERPLASTIFICANTE - SP

- Aumenta o índice de consistência do concreto,


mantida a quantidade de água de amassamento
OU
- Possibilita a redução de, no mínimo, 12% da
quantidade de água de amassamento, para
determinada consistência
Aditivos para Concreto

ADITIVO RETARDADOR - R

- Aumenta os tempos de início e fim de pega do


concreto
USOS RECOMENDADOS:
Concretagem de grandes peças (manutenção da
trabalhabilidade);
Transporte de concreto por longo período;
Temperaturas elevadas.
Aditivos para Concreto

ADITIVO ACELERADOR - A

- Diminui os tempos de início e fim de pega do


concreto
- Acelera o desenvolvimento das suas resistências
iniciais
USOS RECOMENDADOS:
Desforma rápida (pré-moldados);
Clima frio;
Obras submersas
Aditivos para Concreto

ADITIVO PLASTIFICANTE RETARDADOR - PR


- Combina os efeitos dos aditivos plastificante e retardador

ADITIVO PLASTIFICANTE ACELERADOR - PA


- Combina os efeitos dos aditivos plastificante e acelerador