Você está na página 1de 10

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO LA SALLE.

NOMES: ANA LÚCIA, HIURY, NATASHA, NICOLAS.

TURMA: 232.

DISCIPLINA: QUÍMICA. PROF.°: RAFAEL.

CAMPO BOM, AGOSTO DE 2010.


Petróleo

Extração de petróleo em Okemah, Oklahoma, Estados Unidos 1922.

Petróleo, é uma substância oleosa, inflamável, geralmente menos densa que a água,
com cheiro característico e coloração que pode variar desde o incolor ou castanho
claro até o preto, passando por verde e marrom ou castanho.

É uma combinação hidrocarbonetos, composta na sua maioria de hidrocarbonetos


alifáticos, alicíclicos e aromáticos, contendo em alguns casos também quantidades
pequenas de nitrogênio, oxigênio, compostos de enxofre e íons metálicos,
principalmente de níquel e vanádio. Esta categoria inclui petróleos leves, médios e
pesados, assim como os óleos extraídos de areias impregnadas de alcatrão.
Materiais hidrocarbonatados que requerem grandes alterações químicas para a sua
recuperação ou conversão em matérias-primas para a refinação do petróleo tais
como óleos de Xisto crus, óleos de xisto enriquecidos e combustíveis líquidos de
hulha, não se incluem nesta definição.

O petróleo é um recurso natural que se apresenta em abundancia no meio


ambiente, porém sua pesquisa envolve elevados custos e complexidade de estudos.
Atualmente o petróleo é a principal fonte de energia que temos. Serve como base
para fabricação dos mais variados produtos, dentre os quais destacam-se:
benzinas, óleo diesel, gasolina, alcatrão, polímeros plásticos e até mesmo
medicamentos. Já provocou muitas guerras e é a principal fonte de renda de
muitos países, principalmente do Oriente Médio.

Além de gerar a gasolina que serve de combustível para grande parte dos
automóveis que circulam no mundo, vários produtos são derivados do petróleo
como, a parafina, GLP, produtos asfálticos, nafta petroquímica, querosene,
solventes, óleos combustíveis, óleos lubrificantes, óleo diesel e combustível de
aviação.

Mossoró, segunda maior cidade do estado do Rio Grande do Norte e o maior


produtor de petróleo em terra do Brasil.

Origem

A idéia mais aceita para a origem do petróleo é que, com o aumento da


temperatura, as moléculas do querogênio começariam a ser quebradas, gerando
compostos orgânicos líquidos e gasosos, num processo denominado catagênese.
Para se ter uma acumulação de petróleo seria necessário que, após o processo de
geração e expulsão, ocorresse a migração do óleo e do gás através das camadas de
rochas adjacentes e porosas, até encontrar uma rocha selante e uma estrutura
geológica que detenha seu caminho, sobre a qual ocorrerá a acumulação do óleo e
gás em uma rocha porosa chamada rocha reservatório.

A maioria dos geólogos e geoquímicos, aceitam a teoria de que ele se forme a


partir de substâncias orgânicas procedentes da superfície terrestre, os detritos
orgânicos, mas esta não é a única teoria sobre a sua formação.

Uma outra hipótese, do século XIX, defende que o petróleo teve uma origem
inorgânica, a partir dos depósitos de carbono que possivelmente foram formados
com a formação da Terra.

Sendo assim, há inúmeras teorias sobre o surgimento do petróleo, porém a mais


aceita é que ele surgiu através de restos orgânicos de animais e vegetais
depositados no fundo de lagos e mares, sofrendo transformações químicas ao
longo de milhões de anos. É uma substância inflamável, que possui estado físico
oleoso e com densidade menor do que a água.
Plataforma de petróleo brasileira.

No Brasil, a primeira sondagem foi realizada em São Paulo, entre 1892-


1896, por Eugênio Ferreira de Camargo, quando ele fez a primeira
perfuração na profundidade de 488 metros; contudo, o poço jorrou
somente água sulfurosa. Foi somente no ano de 1939 que foi descoberto o
óleo de Lobato na Bahia.

A Petrobras foi criada, em 1954, com o objetivo de monopolizar a


exploração do petróleo no Brasil. A partir daí muitos poços foram
perfurados. Atualmente, a Petrobras está entre as maiores empresas
petrolíferas do mundo.

O petróleo é uma das principais commodities minerais produzidas pelo


Brasil.

Até pouco tempo, o país não tinha produção suficiente de petróleo para o
abastecimento interno, desse modo, era dependente do recurso importado,
especialmente dos países do Oriente Médio, mas a partir de 2007 o país alcançou
a auto-suficiência. Atualmente, a produção é de aproximadamente 2,3 milhões de
barris ao dia, que supera o consumo, que é de 2,2 barris diários.

No continente, a maioria das jazidas brasileiras de petróleo se estabelece em


locais que apresentam rochas sedimentares. No oceano, o petróleo é encontrado
nas plataformas continentais.

Para obter os subprodutos do petróleo é preciso que o mesmo passe por diversas
etapas de beneficiamento. Após ter sido extraído do subsolo é transportado até
as refinarias, que fazem a transformação do minério bruto em combustíveis,
matéria-prima e subprodutos.
Os combustíveis abastecem os postos, que comercializam os mesmos para serem
usados em automóveis. Em geral, as empresas que trabalham no refino do petróleo
se instalam em áreas próximas às indústrias, com a finalidade de abastecer as
mesmas de matéria-prima.

O petróleo é um recurso que pode se esgotar.

Maiores países produtores de petróleo

Os países que possuem maior número de poços de petróleo estão localizados


no Oriente Médio, e, por sua vez, são os maiores exportadores mundiais. Os
Estados Unidos da América, Rússia, Irã, Arábia Saudita, Venezuela, Kuwait,
Líbia, Iraque, Nigéria e Canadá, são considerados um dos maiores
produtores mundiais.

Tipos de petróleo:

- Petróleo Brent: petróleo produzido na região do Mar do Norte,


provenientes dos sistemas de exploração petrolífera de Brent e Ninian. É o
petróleo na sua forma bruta (crú) sem passar pelo sistema de refino.

- Petróleo Light: petróleo leve, sem impurezas, que já passou pelo sistema
de refino.

- Petróleo Naftênico: petróleo com grande quantidade de hidrocarbonetos


naftênicos.

- Petróleo Parafínico: petróleo com grande concentração de


hidrocarnonetos parafínicos.
- Petróleo Aromático: com grande concentração de hidrocarbonetos
aromáticos.

Resíduos Petrolíferos e Derrames

Os resíduos petrolíferos são, basicamente, hidrocarbonetos que vão originar


diversas fontes de poluição no meio marinho.
Mais de quatro milhões de toneladas de petróleo são lançadas ao mar por ano, por
meio de:

• exploração de poços de petróleo no mar;


• limpeza dos tanques dos petroleiros e acidentes com estes;
• refinarias e instalações petroquímicas costeiras;
• resíduos urbanos;
• carreamento por águas das chuvas em áreas urbanas;
• carreamento pelas águas dos rios;
• barcos de pesca ou recreação;
• infiltrações naturais;
• precipitação atmosférica.

Esse tipo de poluição provoca a morte de muitos animais, origina as praias sujas de
petróleo e de outros tipos de hidrocarbonetos, mas, mais grave ainda, são os
efeitos “subletais” que aparecem nas espécies marinhas, levando ao seu
desaparecimento em certos meios e provavelmente originando doenças ao homem.
Além disso, petróleo derramado por navios-tanques causa a morte de numerosas
aves marinhas.

Como limpar derramamentos de petróleo?

Existem várias técnicas de combate à poluição dos oceanos pelo petróleo:

• o afundamento;
• a utilização de detergentes;
• a combustão;
• a recolha mecânica (por intermédio de bomba);
• a degradação biológica.

A escolha da técnica a ser utilizada vai depender das condições ambientais e do


tamanho do derramamento.
A técnica do afundamento tem efeitos nocivos sobre a flora e fauna dos fundos
oceânicos. Uma vez afundado, cobre os sedimentos do fundo do mar e destrói toda
a vida aí existente no espaço de alguns meses.

Também não é aconselhável o sistema de detergentes, que consiste na dissolução


do petróleo. Os detergentes espalham-no, permitindo a dissolução das porções
mais tóxicas, que atingem grandes concentrações. Esse processo não se revelou
muito eficaz, pois o complexo petróleo-detergente é mais tóxico que o petróleo
isolado, e a sua biodegradação é mais lenta.
A combustão consiste em queimar o petróleo como forma de o eliminar, mas as
altas temperaturas atingidas aumentam a solubilidade de componentes tóxicos,
tornando-o um processo não muito viável.

A recolha mecânica é ideal, salvo em difíceis condições atmosféricas, pois não


fere o ambiente.
Na degradação biológica, as bactérias decompõem o petróleo em substâncias mais
simples. Essas bactérias são extraídas do amido do milho, vivendo enquanto houver
petróleo para degradar. Para digerir 1 litro de petróleo, as bactérias consomem o
oxigênio de 327 litros de água, o que agrava o risco de asfixia do mar.

Poluição na Baía de Guanabara

No começo do ano 2000, aconteceu um desastre ecológico no mar do Rio de


Janeiro. Uma refinaria de petróleo deixou vazar 1.292 toneladas de óleo na Baía
de Guanabara, bem perto das praias cariocas, no dia 18 de janeiro. É uma
quantidade muito grande, equivale a quatro milhões de latinhas de refrigerante
cheias de petróleo no mar.

Houve o agravamento da situação pelo fato de o vazamento atingir os manguezais


de Guapimirim, uma Área de Proteção Ambiental com fauna e flora riquíssimas,
onde vivem mamíferos, peixes, crustáceos e aves. A limpeza dos manguezais é
muito difícil, pois ali existe muita lama e vegetação cerrada.

A limpeza das águas foi feita com bombas que puxam o óleo para barcos especiais.
O óleo que chega até a praia é absorvido com grandes folhas de palha. Essas são
medidas que ajudam, mas não resolvem de vez a poluição.

Mas a Guanabara não ficou em paz: um novo derramamento aconteceu no dia 26 de


junho e, em 25 de julho, um navio não identificado espalhou milhares de litros de
óleo diesel em suas águas. O desastre foi tão grande que a Baía pode levar mais de
dez anos para se recuperar.

O DNA do petróleo

O ácido desoxirribonucléico (DNA) é uma molécula encontrada nos seres vivos e


que contém todas as informações genéticas codificadas. Com a transformação de
matéria orgânica em petróleo, estruturas moleculares presentes nos organismos,
conhecidas como biomarcadores, foram preservadas. Portanto, o petróleo também
possui o seu DNA. Fazendo-se um teste de DNA do petróleo, pode-se conhecer a
procedência da região sedimentar de onde o óleo foi extraído.
Vamos supor que apareceu na superfície do mar da costa brasileira uma grande
mancha de óleo. Alguns mililitros desse petróleo são encaminhados para o Centro
de Pesquisas da Petrobras, e, em 24 horas, os cientistas têm condições de apontar
de que parte do mundo se origina esse petróleo.

Nesse Centro de Pesquisas há 700 amostras do código genético de petróleo


extraído em 65 países. O petróleo de uma bacia é diferente do petróleo de outra
bacia. Assim, pode-se saber se a mancha foi causada por um escape natural de
petróleo indicando a existência de petróleo naquela região, ou se algum navio
deixou vazar o produto.

Notícias sobre o PETRÓLEO

O lucro líquido da Petrobrás foi de R$ 16,21 bilhões no primeiro semestre de


2010, de acordo com balanço divulgado no dia 13 de agosto. O valor é 11% superior
aos R$ 14,45 bilhões apurados no primeiro semestre de 2009.

De acordo com a companhia, o resultado deve-se à recuperação dos volumes de


venda no mercado brasileiro, com alta de 11%, e também ao aumento de 50% da
cotação média do petróleo Brent no semestre, que atingiu US$ 77,27 /barril
contra US$ 51,60 /bbl no mesmo período de 2009.

A produção de petróleo e gás no Brasil subiu 3% em relação ao primeiro semestre


de 2009. Em abril, a Petrobras alcançou o recorde mensal de produção de petróleo
no Brasil, o equivalente a 2,33 milhões barris/dia.

Nos seis primeiros meses de 2010, os investimentos totalizaram R$ 38,10 bilhões,


17% superior ao investido no primeiro semestre de 2009.

No segundo trimestre, o resultado líquido foi de R$ 8, 295 bilhões, 7% superior ao


do primeiro trimestre de 2010. Esse aumento se deve, principalmente, à redução
de 8% das despesas operacionais.

A Petrobras estima que o programa de investimentos seja mantido conforme


projetado.

Recorde

A produção total de petróleo e gás natural da Petrobrás no Brasil e no exterior no


primeiro semestre de 2010 aumentou 3% em relação ao mesmo período de 2009.
No Brasil, a produção total, petróleo e gás, foi de 2,32 milhões de barris de óleo
equivalente no semestre, contra 2,72 milhões.

O aumento na produção de plataformas como a de Marlin Sul, Marlim Leste,


Roncador, entre outras, superou o declínio natural dos campos maduros. A
produção doméstica exclusiva de petróleo alcançou 1,99 milhão barris/dia,
enquanto a de gás natural chegou a 324 mil barris de óleo equivalente.

Em abril, a Petrobrás alcançou o recorde mensal de produção de óleo no Brasil,


com um total de 2,33 milhões barris/dia. A produção de petróleo e gás natural no
exterior alcançou 246 mil barris de óleo equivalente, um aumento de 6% em
relação ao primeiro semestre de 2009, impulsionado pela entrada de produção do
campo de Akpo, na Nigéria, em março de 2009.

Investimentos

"Seguindo as metas traçadas no seu Plano de Negócios, a Petrobras continua


investindo principalmente na ampliação da capacidade futura de produção de
petróleo e gás natural, no setor petroquímico e nas refinarias", informa o
comunicado divulgado no dia 13 agosto pela companhia.

"Estamos investindo na manutenção das refinarias e também no aumento da


capacidade de refino, na adequação da produção à demanda, na qualidade dos
produtos e no aumento do processamento do petróleo produzido no país. A
elevação da produção brasileira de petróleo, em conjunto com o crescimento
econômico, exige a construção de novas capacidades, enquanto que o novo perfil de
demanda por derivados mais nobres e de melhor qualidade requer investimentos na
adequação da produção."

Segundo a Petrobrás, foram utilizadas, em média, 90% da capacidade instalada no


Brasil de refino, priorizando a produção de diesel.

Vendas

As vendas de diesel aumentaram 9% no semestre, em função da recuperação da


atividade industrial, do maior ritmo da colheita de grãos, do consumo gerado pelos
investimentos em infra-estrutura e do fornecimento para térmicas a diesel na
Região Norte.

A escassez de álcool no início de 2010, a redução do teor de álcool anidro em


fevereiro deste ano e o maior consumo das famílias levou ao forte crescimento
das vendas de gasolina no primeiro semestre, com alta de 19% em comparação com
o mesmo período do ano passado.

Também houve forte aumento das vendas de gás natural (18%), em decorrência do
maior consumo do mercado não-térmico.

O endividamento líquido do Sistema Petrobras encerrou o mês de junho 16% acima


daquele registrado em no primeiro trimestre de 2010, devido às captações de
recursos que estão sendo aplicados no programa de investimentos.
O endividamento líquido ficou em 34%, dentro da meta estabelecida no plano de
negócios, segundo a companhia.

CONCLUSÃO

É impossível viver hoje em dia sem petróleo. O petróleo é o principal componente


da matriz energética do planeta. É do petróleo que saem importantes derivados,
como a gasolina, o diesel, o gás de cozinha, querosene de aviação e para a
petroquímica gerando produção de objetos das mais variadas utilizações, como
brinquedos, produtos industriais, remédios, vasilhames e roupas. Por isso, o
petróleo é tão disputado. Movimenta a economia e, lamentavelmente, impulsiona a
máquina de guerra. Petróleo é a energia sob forma de hidrocarboneto, um produto
que movimenta o mundo, por isso, estratégico.

Bibliografia

http://pt.wikipedia.org/wiki/Petroleo

www.petrobras.com.br

www.suapesquisa.com.br