Você está na página 1de 11

UNIÃO DAS ESCOLAS SUPERIORES DE RONDÔNIA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CLEDSON RICHARDY LIMA

LAUDO TÉCNICO DE INSPEÇÃO PREDIAL


GREEN PARK RESIDENCE (TORRE 03)

PORTO VELHO-RO
2018
1
CLEDSON RICHARDY LIMA

LAUDO TÉCNICO DE INSPEÇÃO PREDIAL


GREEN PARK RESIDENCE (TORRE 03)

Laudo Técnico apresentado como requisito avaliativo da


disciplina de Concreto Armado I, do 7º período do curso
de Engenharia Civil da Faculdade Educação de Porto
Velho - UNIRON, sob orientação do Professor Esp.
Cláudio Pereira.

PORTO VELHO-RO
2018

2
SUMÁRIO
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................ 4
1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSTRUÇÃO ............................................................................................... 5
1.1 INTERESSADO ............................................................................................................................. 5
1.2 CNPJ .............................................................................................................................................. 5
1.3 ENDEREÇO DA OBRA ................................................................................................................. 5
1.4 NOME DO RESPONSÁVEL TÉCNICO ........................................................................................ 5
1.5 REGISTRO CREA ......................................................................................................................... 5
2. DADOS TÉCNICOS DA EDIFICAÇÃO .............................................................................................. 6
2.1 TIPOLOGIA DA EDIFICAÇÃO ...................................................................................................... 6
2.2 USO DA EDIFICAÇÃO .................................................................................................................. 6
2.3 NUMEROS DE PAVIMENTOS: ..................................................................................................... 6
2.4 TOTAL DE ARÉA CONSTRUÍDA A REGULARIZAR (M²): ........................................................... 6
2.5 TOTAL DE ARÉA CONSTRUÍDA REGULARIZADA/EXISTENTE (M²): ...................................... 6
2.6 TOTAL DE ARÉA DO TERRENO (M²) .......................................................................................... 6
2.7 DIMENSÕES LINEARES DO TERRENO (M²).............................................................................. 6
2.8 DATA PREVISTA DE CONCLUSÃO: ........................................................................................... 6
3. CARACTERÍSTICAS DA EDIFICAÇÃO ............................................................................................ 6
3.1 ESTRUTURA ................................................................................................................................. 6
3.1.1 PAREDES ARMADAS .......................................................................................................... 6
3.1.2 LAJES ARMADAS ................................................................................................................ 7
3.1.3 FUNDAÇÃO .......................................................................................................................... 8
3.2 COBERTURA .......................................................................................................................... 8
3.3 ESQUADRIAS ......................................................................................................................... 8
3.4 PINTURA ................................................................................................................................. 8
3.5 PISO ........................................................................................................................................ 8
3.6 FORRO .................................................................................................................................... 8
3.7 REVESTIMENTO .................................................................................................................... 8
3.8 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS .................................................................................................. 8
3.9 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS .............................................................................................. 8
3.10 SEGURANÇA DO TRABALHO ............................................................................................. 9
4. RELATÓRIO FOTOGRÀFICO............................................................................................................ 9
CONCLUSÃO ....................................................................................................................................... 10
REFERÊNCIAS ..................................................................................................................................... 11

3
INTRODUÇÃO

Este laudo caracteriza-se pela inspeção predial como um “Check-up” da


edificação, tendo como escopo um diagnóstico específico sobre a Construção da
Edificação denominada de GREEN PARK RESIDENCE (TORRE 03), localizada no
Município de Porto Velho/RO, identificando o desempenho dos sistemas construtivos
e elementos vistoriados da edificação, especialmente o que se refere à elementos
estruturais monolíticos, tendo como base a Instrução Normativa SEMFAZ Nº 3 DE
11/05/2015 que tem como titulo: "Dispõe sobre os procedimentos para a
formalização e tramitação dos processos de licenciamento de obras e revoga a
Instrução Normativa N°. 015/2011/GAB/SEMFAZ, datada de 06 de setembro de
2011".

A vistoria técnica nas dependências da obra foi realizada no dia 02 de março


de 2018, a partir das 16:00hs.

4
1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSTRUÇÃO

1.1 INTERESSADO: SBS Empreendimentos LTDA.

1.2 CNPJ: 01.042.476/0001-58.

1.3 ENDEREÇO DA OBRA: Rua Benedito de Souza Brito, 4779 - Setor


Industrial, Porto Velho - RO.

Fonte: https://www.google.com.br/maps/dir/Porto+Velho+-+RO/Rua+Benedito+de+Souza+Brito,+4779+-+Setor+Industrial,+Porto+Velho+-
+RO/@-8.748175,-63.9101878,6009m/data=!3m2!1e3!4b1!4m13!4m12!1m5!1m1!1s0x92325b665998520b:0x75d0f25ad2c5198b!2m2!1d-
3.9004303!2d-8.7611605!1m5!1m1!1s0x92324345e887ad0d:0xa30b13025c070a92!2m2!1d-63.8811061!2d-8.7352752?hl=pt-BR.

1.4 NOME DO RESPONSÁVEL TÉCNICO: Eng Civil Cledson Richardy Lima.

1.5 REGISTRO CREA: 2806D/RO.

5
2. DADOS TÉCNICOS DA EDIFICAÇÃO

2.1 TIPOLOGIA DA EDIFICAÇÃO: A referida edificação está classificada


quanto ao tipo de: RESIDENCIAL.

2.2 USO DA EDIFICAÇÃO: Condomínio Residencial.

2.3 NUMEROS DE PAVIMENTOS: 07 (sete) Pavimentos, sendo 01 (um)


Térreo mais 06 (seis) Andares.

2.4 TOTAL DE ARÉA CONSTRUÍDA A REGULARIZAR (M²): Esta


Edificação (TORRE 03) é composta 40 (quarenta) apartamentos, sendo: 04 (quatro)
apartamentos no térreo (52,7m² x 3 = 158,10m²), sendo 01 (um) apartamento
garden de 77,7m², 06 (seis) apartamentos por andar (52,7m² x 6 x 6 = 1.897,20m²)
nos demais pavimentos totalizando um montante de 1.897,20m² + 158,10m² +
77,70m² = 2.133,00m² de área construída á regularizar.

2.5 TOTAL DE ARÉA CONSTRUÍDA REGULARIZADA/EXISTENTE (M²):


Não Aplicável.

2.6 TOTAL DE ARÉA DO TERRENO (M²): 11.000m².

2.7 DIMENSÕES LINEARES DO TERRENO (M²): Não Informada.

2.8 DATA PREVISTA DE CONCLUSÃO: 15/12/2018.

3. CARACTERÍSTICAS DA EDIFICAÇÃO

3.1 ESTRUTURA

3.1.1 PAREDES ARMADAS: O sistema construtivo é composto por


paredes estruturais de concreto auto-adensável com fck (Resistência Característica
do Concreto à Compressão) de 25 Mpa, armadas com telas metálicas posicionadas
no centro das paredes, o concreto auto-adensável tem característica de fluir com
facilidade dentro das formas, passando pelas armaduras e preenchendo os espaços

6
sob o efeito de seu próprio peso, sem o uso de adensamento mecânico
(equipamento de vibração), a moldagem do elemento estrutural é executada com a
utilização de fôrmas projetadas para cada empreendimento, a fôrma que está sendo
utilizado é a seguinte: Metálica (quadros e chapas em alumínio) (Figura 03),
devidamente escoradas. Na utilização das fôrmas deve se tomar cuidado na escolha
do desmoldante a ser utilizado, o qual deve ser escolhido de acordo com o tipo de
material desejado para modelar a estrutura. O desmoldante deve garantir que o
concreto não tenha aderência para não deixar resíduos na superfície das paredes ou
dificultando a remoção, comprometendo a aderência do revestimento final e o
aspecto da parede. As características físicas e químicas do concreto não podem ser
alteradas, bem como, não degradar a superfície das fôrmas. Neste sistema
construtivo de paredes de concreto, a vedação e a estrutura é constituído por esse
único elemento, onde as paredes são moldadas ‘’in loco’’, tendo embutidas as
demais instalações elétricas, hidráulicas e esquadrias. Antes da concretagem do
elemento estrutural foi retirada uma amostra do CAA (Concreto Auto-Adensável)
para realização do ensaio de "Slump Flow" ou "Espalhamento", tal ensaio
consiste em despejar amostra sobre em uma placa metálica. Dependendo da
dimensão deste espalhamento, o concreto será classificado em uma das três
classes: SF1, SF2 ou SF3, conforme ABNT NBR 15823-2. O Slump Flow é o
principal ensaio para concreto auto-adensável para verificar se a fluidez corresponde
ao que foi especificado, no caso da obra em estudo a medidas do espalhamento que
estão especificadas em projeto são: 65cm ± 5cm.

3.1.2 LAJES ARMADAS: As lajes são de concreto auto-adensável


com fck (Resistência Característica do Concreto à Compressão) de 25 Mpa com uso
de armaduras. As lajes estão amarradas diretamente sobre as paredes
caracterizando assim uma estrutura monolítica, esta propriedade garante à estrutura
de concreto armado uma grande reserva de segurança devido ao alto grau de
hiperestaticidade propiciado pelas ligações bastante rígidas das peças de concreto.
Além disso quando a peça está submetida a um esforço maior que a sua capacidade
elástica resistente, a mesma ao plastificar, promove uma redistribuição de esforços,
transferindo às peças adjacentes a responsabilidade de absorver os mesmos.

7
3.1.3 FUNDAÇÃO: A fundação da obra em epigrafe é do tipo RADIER
de concreto auto-adensável com fck (Resistência Característica do Concreto à
Compressão) de 25 Mpa com uso de armaduras, é uma fundação rasa com volume
de concreto de 115m³, que atua como laje monolítica, estruturada em placa contínua
de concreto armado, e que transmite as cargas da estrutura da edificação (paredes)
para o terreno de forma uniforme. O sistema é muito usado em edificações com
cargas relativamente baixas, como residências térreas e sobrados, especialmente
em casos em que a edificação tenha apenas um nível e em que todos os painéis do
primeiro pavimento possam ser assentados na mesma cota do radier, claro que na
escolha deste tipo de fundação, ou qualquer outra, não podemos esquecer o estudo
de sondagem do solo que irá receber esta fundação, é um procedimento técnico vital
em qualquer tipo de obra. Dependendo dos resultados obtidos com o estudo, o
projeto pode até ser financeiramente inviabilizado. Do ponto de vista técnico, sempre
há alternativas para contornar possíveis problemas localizados pela sondagem,
entretanto, o custo das ações é elevado, e o investimento pode não compensar para
determinados empreendimentos.

3.2 COBERTURA: Cobertura em Estrutura Metálica com telha de


fibrocimento de 244x110cm 8mm.

3.3 ESQUADRIAS: Esquadria Metálica.

3.4 PINTURA: Pintura em Látex PVA aplicada em ambiente interno e Látex


Acrílica aplicada no ambiente externo.

3.5 PISO: Piso Cerâmico.

3.6 FORRO: Forro de Gesso.

3.7 REVESTIMENTO: Revestimento em Gesso.

3.8 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS: As Instalações Elétricas são embutidas na


estrutura (paredes e lajes) com encaminhamento em conduítes flexíveis da cor
laranja (Figura 01 e 02), possibilitando assim uma maior trabalhabilidade com os
cabos elétricos.

3.9 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS: Existem pontos de coletas de esgoto e


águas servidas.

8
3.10 SEGURANÇA DO TRABALHO: Verificou-se uma preocupação com a
higiene e segurança dos colaboradores envolvidos neste empreendimento,
sinalização eficaz e presente, proteção coletiva contra quedas de materiais e
pessoas (Figura 04), uso constante de epi's por parte dos colaboradores, em razão
do sistema construtivo a obra se mantém limpa, por conseguinte mantendo um
ambiente laboral salubre e inexistindo sérios riscos de acidentes, presença de linha
de vida para minimizar os riscos de queda em altura, como preconiza as Normas
Regulamentadoras, em especial a NR. 18 e a NR 35.

4. RELATÓRIO FOTOGRÁFICO

Figura 01 - Disposição dos Conduítes na Laje. Figura 02 - Disposição dos Conduítes na Parede.

Figura 03 - Fôrmas Metálicas. Figura 04 - Proteção Coletiva.


9
CONCLUSÃO

O concreto auto-adensável se destaca, em relação ao concreto convencional,


por garantir melhor acabamento superficial nas faces superior e inferior da laje,
eliminando ou reduzindo o custo de regularização com contra-piso, gesso e
estucagem. Inclusive, tem menos fissuração por retração. Também elimina-se
etapas de adensamento por vibração, espalhamento manual e acabamento
superficial.

Ao se optar pelo concreto auto-adensável, é possível também economizar no


tempo da mão de obra e de execução, com esses fatores executaremos a obra em
menor tempo, um cronograma bem elaborado é fundamental para atender os
prazos, controlar o financeiro, programar compras, gerir e contratar mão de obra e
prevenir conflitos entre atividades.

10
REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15823-2 (2017) –


Concreto auto-adensável Parte 2: Determinação do espalhamento, do tempo de
escoamento e do índice de estabilidade visual - Método do cone de Abrams.
Rio de Janeiro, 2017.

Instrução Normativa SEMFAZ Nº 3 DE 11/05/2015 - Dispõe sobre os


procedimentos para a formalização e tramitação dos processos de
licenciamento de obras e revoga a Instrução Normativa N°.
015/2011/GAB/SEMFAZ, datada de 06 de setembro de 2011. Disponível
<https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=284888>. Acesso em 13 de março de
2018 às 22:46.

ALVES, Cleber de Oliveira e Peixoto, EGLESON José dos Santos. Estudo


Comparativo de Custo Entre Alvenaria Estrutural e Paredes De Concreto
Armado Moldadas no Local com Fôrmas de Alumínio. Trabalho de Conclusão
de Curso. Universidade da Amazônia, Graduação em Engenharia Civil, Belém.
<http://www.unama.br/graduacao/engenhariacivil/tccs/2011/ESTUDO%20COMPARA
TIVO%20DE%20CUSTO%20ENTRE%20ALVENARIA%20ESTRUTURAL%20E%20
PAREDES%20DE%20CONCRETO%20ARMADO%20MOLDADAS%20NO%20L.pdf
>. Acesso em 13 de março de 2018 às 23:36.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Normas Regulamentadoras.


Disponível em: Ministério do Trabalho, Normas Regulamentadoras. Site
http://www.mte.gov.br, Acesso em 14 de março de 2018 às 00:16.

11