Você está na página 1de 214

DU
LO
ES
PE

FI
CO
OP
ER
AD
OR
DE
GU
IN
DA
ST
E
-P
RO
NA
TE
C
SEST - Serviço Social do Transporte
SENAT - Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte

MÓDULO ESPECÍFICO OPERADOR DE GUINDASTE - PRONATEC

Caderno do Aluno

Agosto de 2014

Fale com o SEST/SENAT


0800.7282891
www.sestsenat.org.br

Módulo específico do operador de guindaste.


– Brasília : SEST/SENAT, 2014.
214 p. : il.

1. Transporte de carga. 2. Movimentação de carga.


I. Serviço Social do Transporte. II. Serviço Nacional de
Aprendizagem do Transporte.

CDU 656.135:621.873
MÓDULO ESPECÍFICO OPERADOR DE GUINDASTE

Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

SUBMÓDULO I - CARACTERÍSTICAS DA ATIVIDADE DO OPERADOR DE GUINDASTES


Unidade 1 - Características da Atividade do Operador de Guindastes . . . . . . . . . .11
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1. O Operador de Guindastes e a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) . . . . . . . . . . . 13
2.Condições Gerais de Exercício da Profissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3. Recursos de Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
4. Atividades normalmente Desenvolvidas pelo Operador de Guindastes . . . . . . . . . . . . . . 16
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

SUBMÓDULO II - RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL


Unidade 1 - Responsabilidade Civil e Criminal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1. Responsabilidade civil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
2. Responsabilidade Criminal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

SUBMÓDULO III - COMPONENTES BÁSICOS DOS GUINDASTES


Unidade 1 - Componentes Básicos dos Guindastes – Parte 1 . . . . . . . . . . . . . . 33
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
1. Componentes Típicos de um Guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
2. Principais Componentes Acessórios de um Guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

Unidade 2 - Componentes Básicos dos Guindastes – Parte 2 . . . . . . . . . . . . . . 41


Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
1. Contrapeso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2. Cabos de Aço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3. Polias Extras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
4. JIB . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
5. Eslinga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
6. Estabilizadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

SUBMÓDULO IV - CONVERSÃO DE UNIDADES


Unidade 1 - Conversão de Unidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
1. As Grandezas e Suas Unidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
2. Prefixos para Valores de Grandezas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
3. Conversão das Principais Unidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

SUBMÓDULO V - LEITURA DO PAINEL DE INSTRUMENTOS


Unidade 1 - Leitura do Painel de Instrumentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
1. Dispositivos na Cabine de um Guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
2. Principais Funções da Instrumentação de Indicadores de Sinal e de Interruptores da Cabine . 65
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
SUBMÓDULO VI - TIPOS DE GUINDASTES
Unidade 1 - Tipos de Guindastes – Parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
1. Classificação dos Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80

Unidade 2 - Tipos de Guindastes – Parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83


Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
1. Guindastes Fixos (Gruas) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
2. Guindastes Autopropelidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
3. Guindastes Móveis Reach Stackers . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

SUBMÓDULO VII - PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM GUINDASTES


Unidade 1 - Prevenção de Acidentes com Guindastes – Parte 1 . . . . . . . . . . . . . 93
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
1. A Segurança na Operação com Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
2. Recomendações de Segurança na Operação de Equipamentos de Elevação e Transporte . . . 96
3. Preparação da Área para Operação de Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
4. Utilização de Cabos de Aço, Cintas, Estropos, Ganchos e Eslingas . . . . . . . . . . . . . . . . 99
5. Medidas de Segurança para o Operador de Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

Unidade 2 - Prevenção de Acidentes com Guindastes – Parte 2 . . . . . . . . . . . .103


Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
1. Sinalização Manual para orientar o Operador de Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
2. Operando Gruas com Segurança, nos Canteiros de Obras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111

SUBMÓDULO VIII - ESTUDO DE RIGGING


Unidade 1 - Estudo de Rigging – Parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
1. O Conceito de Estudo de Rigging . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
2. Qualificações de um Rigger . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
3. Atribuições Básicas de um Rigger . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
4. Questões Iniciais a serem respondidas pelo Estudo de Rigging . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
5. Premissas Básicas de Conteúdo para o Estudo de Rigging . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121

Unidade 2 - Estudo de Rigging – Parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123


Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .125
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .125
1. Etapas do Estudo de Rigging . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .125
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .129

SUBMÓDULO IX - PLANO DE IÇAMENTO E MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS


Unidade 1 - Plano de Içamento e Movimentação de Cargas . . . . . . . . . . . . . . . 133
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .135
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .135
1. O que é o Plano de Içamento e Movimentação de Cargas? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .135
2. Conteúdo Básico do Plano de Içamento e Movimentação de Cargas . . . . . . . . . . . . . . . 136
3. Tabela de Carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .136
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140

SUBMÓDULO X - INSPEÇÃO, MANUTENÇÃO E CHECKLIST


Unidade 1 - Noções de Inspeções em Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .147
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .147
1. O que é Inspeção? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .147
2. Inspeções de Aceitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .147
3. Inspeções Frequentes e Periódicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
4. Relatórios de Inspeção de Pré-Aceitação e Mensal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .149
5. Relatórios de Inspeção Operacional Diária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .149
6. Relatórios de Inspeção para Içamentos Críticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
7. Inspeção de Cabos e Ganchos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151

Unidade 2 - Prevenção de Acidentes com Guindastes – Parte 2 . . . . . . . . . . . . 153


Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .155
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .155
1. Manutenção de Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
2. Checklists . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160

SUBMÓDULO XI - OPERAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE GUINDASTES


Unidade 1 - Conceitos Operacionais dos Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .165
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .165
1. O Funcionamento do Guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
2. Carga e Capacidade dos Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
3. Momento de Carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .169

Unidade 2 - Aspectos Operacionais dos Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171


Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
1. Entendendo os Quadrantes de Operação com o Guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
2. Raio de Operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
3. Comprimento da Lança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
4. Cabos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
5. Passadas de Cabo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

Unidade 3 - Condições Básicas para Operação dos Guindastes – Parte 1 . . . . . . . . 179


Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
1. Elementos Importantes na Operação com Guindastes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

Unidade 4 - Condições Básicas para Operação dos Guindastes – Parte 2 . . . . . . . . 187


Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
1. A Área de Montagem e de Descarga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
2. Cuidados Operacionais com outros Sistemas do Guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .192
SUBMÓDULO XII - PRÁTICAS OPERACIONAIS
Unidade 1 - Práticas Operacionais – Parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
1. Entrando e Saindo do Guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
2. Como realizar a Telescopagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
3. Mantendo a Concentração no Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
4. Procedimentos para Içamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
5. Risco de Tombamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
6. Contato entre o Moitão ou a Bola-Peso com a Lança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202

Unidade 2 - Práticas Operacionais – Parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205


Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
1. Instalação do Cabo de Aço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
2. Afrouxamento do Cabo de Aço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
3. Andando com o Guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
4. Andando com o Guindaste de uma Obra a outra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
5. Guindaste sem o Operador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
6. Pernoite do Guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
7. Evitando Danos à Lança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
8. Colapso da Lança para Trás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .210
Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211

Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .212


APRESENTAÇÃO

Prezado aluno,

Desejamos boas-vindas ao Módulo Específico do Operador de Guindaste! Vamos trabalhar juntos


para desenvolver novos conhecimentos e aprofundar as competências que você já possui!
O Operador de Guindaste é um profissional fundamental para a empresa de transporte de cargas
e, também, para a cadeia logística.
A execução de suas tarefas, juntamente com outros profissionais da área de movimentação de
cargas, permitem que as empresas de transporte e de logística ofereçam serviços de qualidade, nos
prazos combinados, com custos reduzidos e com o mínimo possível de danos às mercadorias.
Neste sentido, aprofundar os conhecimentos sobre o tema, conhecendo mais profundamente a
função e as técnicas e procedimentos para prestar um serviço de qualidade, auxilia os profissionais
dessa área a exercerem sua atividade com maior dignidade, qualidade e eficiência.
O conteúdo deste módulo tem 84 horas-aula divididas em doze componentes curriculares, con-
forme tabela a seguir.

SUBMÓDULO CARGA HORÁRIA


(HORAS-AULA)
I - Características da Atividade do Operador de Guindaste 4
II - Responsabilidade civil e criminal 4
III - Componentes básicos de guindastes 8
IV - Conversão de unidades 4
V - Leitura do painel de instrumentos 4
VI - Tipos de guindastes 8
VII - Prevenção de acidentes 8
VIII - Estudo de Rigging 8
IX - Plano de içamento e movimentação de cargas 4
X - Inspeção, Manutenção e Checklist 8
XI - Operação e funcionamento de guindastes 16
XII- Práticas Operacionais 8

O texto contém ícones com a finalidade de orientar o estudo, estruturar o texto e ajudá-lo na com-
preensão do conteúdo. Você encontrará também situações extraídas do cotidiano, conceitos e exercícios
de fixação. Confira o significado de cada ícone:
Esperamos que este Módulo Específico seja muito proveitoso para você! Nosso intuito maior é o de
lhe apresentar dicas, conceitos e soluções práticas para ajudá-lo a resolver os problemas encontrados no
seu dia-a-dia de trabalho.

Bom estudo!
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO I
CARACTERÍSTICAS DA ATIVIDADE DO
OPERADOR DE GUINDASTES
UNIDADE 1

CARACTERÍSTICAS DA
ATIVIDADE DO OPERADOR DE
GUINDASTES
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta primeira unidade, apresentaremos as características do trabalho
do Operador de Guindastes. Iniciaremos por situar a atividade na Classifica-
ção Brasileira de Ocupações (CBO), depois passando pelas condições gerais
de exercício da profissão, e finalizando com o conjunto de ações normalmente
desempenhadas por este profissional.

OBJETIVOS

Os objetivos desta Unidade são:


• Conhecer como se situa o Operador de Guindastes na Classificação

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo I - Características da Atividade do Operador de Guindastes
Brasileira de Ocupações (CBO).
• Apresentar as condições gerais de exercício da profissão.
• Exemplificar alguns recursos de trabalho.
• Detalhar as atividades normalmente desenvolvidas pelo Operador de
Guindastes.

INTRODUÇÃO

As atividades do Operador de Guindastes são bem amplas e envolvem o


manuseio de equipamentos fixos e móveis. Tal profissional, para se destacar
no mercado, deve estar atento não apenas à obediência às normas de segu-
rança e saúde ocupacional, mas também sobre cada etapa do trabalho a ser
realizado.

DESENVOLVIMENTO

1. O Operador de Guindastes e a Classificação Brasi-


leira de Ocupações (CBO)

De acordo com a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), os


operadores de guindastes estão classificados como operadores de má-
quinas e equipamentos de elevação (MTECBO, 2014).
Consoante o MTECBO (2014), na categoria dos operadores de má-
quinas e equipamentos de elevação, há duas classificações para os ope-
radores de guindastes, a saber: 13
• Operador de guindaste fixo: guincheiro, guindasteiro, operador de
guindaste fixo sobre vagões de plataformas flutuantes e operador de
ship loader; e
• Operador de guindaste móvel: operador de grua (móvel).
Para a CBO, esses profissionais são responsáveis por operar máquinas e
equipamentos de elevação, ajustando comandos e acionando movimentos das
máquinas. Além disso, devem:
• Avaliar as condições de funcionamento das máquinas, equipamentos
14 e acessórios;
• Realizar e interpretar a leitura do painel de instrumentos dos equipa-
mentos;
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo I - Características da Atividade do Operador de Guindastes

• Testar comandos de acionamento;


• Preparar a área para operação dos equipamentos;
• Trabalhar obedecendo às normas de segurança e saúde laboral, bem
como de higiene, qualidade e proteção ao meio ambiente.

2. Condições Gerais de Exercício da Profissão

Normalmente, é requerido do Operador de Guindastes o ensino funda-


mental completo e um curso básico de qualificação profissional.
O pleno desempenho das atividades ocorre entre um e dois anos de
experiência profissional. Esses trabalhadores atuam em diversas áreas, tra-
balhando de forma individual ou em equipe sob supervisão de profissional
Anotações

devidamente habilitado pelo Sistema do Conselho Federal de Engenharia e


Agronomia / Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CONFEA/CREA)
— normalmente, engenheiros civis ou mecânicos.
O trabalho pode ser desenvolvido em todos os turnos e em escalas, em

Anotações
diferentes ambientes, dentre os quais destacamos:
• Ambiente fechado;
• Ambiente a céu aberto;
• Ambiente confinado;
• Em grandes alturas; e
• Em veículos.

Os Operadores de Guindastes podem ficar sujeitos a longas jornadas de


trabalho mantendo uma única postura corporal. Tais períodos extensos tor-
nam as posições desconfortáveis, os trabalhos se desenvolvem sob pressão
constante, e tudo isso contribui para uma situação de estresse. Além do mais,

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo I - Características da Atividade do Operador de Guindastes
os operadores permanecem expostos a materiais tóxicos, radiação, ruído in-
tenso, oscilações de temperaturas, poeiras, odores e intempéries.
A utilização dos equipamentos de proteção individual (EPI) e coletiva
(EPC) é indispensável para esses profissionais.

Das lições de Campbell (2004) e Filho (2008), verifica-se que, quanto ao


perfil psicológico deste profissional, são requeridas as seguintes característi-
cas no exercício de sua função:
• Demonstrar auto-organização;
• Manter concentração em suas tarefas;
• Comunicar-se com clareza e eficiência;
• Saber relacionar-se com superiores e subordinados;
• Demonstrar autocontrole;
• Evidenciar coordenação motora;
• Ter responsabilidade sobre suas atitudes;
• Adaptar-se a novos trabalhos e situações; e
• Demonstrar autocrítica.

3. Recursos de Trabalho

Além de dominar o manejo de um guindaste, o Operador desse equipa-


mento deve conhecer e saber lidar com outros recursos e ferramentas neces-
sários para o desenvolvimento de suas atividades. Dentre eles, citamos:
• Chaves (combinada, fenda, allen, inglesa);
• Macacos hidráulicos; 15
• Manômetro;
• Martelo;
• Nível;
• Talha elétrica;
• Termômetro.
4. Atividades normalmente Desenvolvidas pelo Ope-
rador de Guindastes

16 Das lições apreendidas de Campbell (2004) e Filho (2008), na operação


de máquinas e equipamentos de elevação, o Operador deve:
• Certificar-se de que existe um procedimento detalhado:
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo I - Características da Atividade do Operador de Guindastes

O procedimento detalhado acerca da atividade a ser desen-


volvida deve ser fornecido pelo supervisor técnico devida-
mente habilitado nos órgãos competentes.

• Regular assento e encosto do banco das máquinas e equipamentos


de elevação;
• Adequar a cabine de acordo com o ambiente de trabalho (tais como
espelhos retrovisores, ar condicionado);
• Ajustar comandos e apoios das máquinas e equipamentos de elevação;
• Conferir capacidade de máquinas e equipamentos;
• Interpretar recomendações dos fabricantes para a operação de má-
quinas e equipamentos;
• Posicionar máquinas e equipamentos de elevação para operação;
• Travar máquinas e equipamentos de elevação;
• Acionar movimentos das máquinas, equipamentos e acessórios, con-
forme procedimentos operacionais; e
• Nivelar máquinas e equipamentos.

De acordo com os mesmos autores, na avaliação das condições de


funcionamento das máquinas e equipamentos de elevação, o Operador deve
atentar para:
• Verificar as fontes de alimentação do equipamento (elétrica e com-
bustível);
• Interpretar painel de instrumentos de medição;
• Testar comandos de acionamento;
• Testar deslocamento e frenagem das máquinas e equipamentos (ro-
Anotações

tação, vertical, horizontal);


• Verificar as condições e conservação de acessórios (gancho, man-
gueira, sinalizadores, friso de roda);
• Inspecionar nível, alinhamento e verticalidade de cabos de aço e cor-
reias transportadoras;
• Inspecionar dispositivos de segurança;
• Vistoriar máquinas e equipamentos de elevação; e
• Solicitar manutenção das máquinas e equipamentos de elevação

Anotações
sempre que necessário.

Ainda consoante os mesmos autores, na preparação da área para ope-


ração de equipamentos de elevação, o Operador deve:

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo I - Características da Atividade do Operador de Guindastes
• Inspecionar visualmente a área de operação do equipamento no solo,
ar, água e vias de acesso;
• Respeitar legislação ambiental e normas técnicas;
• Solicitar limpeza do local de trabalho;
• Solicitar isolamento da área de trabalho;
• Verificar iluminação na área de trabalho;
• Interpretar programação de trabalho.

E, no transporte de pessoas e materiais em máquinas e equipamentos


de elevação, o Operador deve:
• Examinar as condições climáticas;
• Conferir a ordem/autorização de serviço;
• Definir os equipamentos de transporte e movimentação, conforme a
capacidade dos mesmos; 17
• Conferir o peso de cargas;
• Selecionar acessórios conforme o tipo de carga e descarga;
• Utilizar acessórios compatíveis com a carga (cabo, cinta);
• Cumprir ordem de serviço;
• Movimentar, gradativamente, as pessoas e materiais, observando
sempre o funcionamento do conjunto e as condições de segurança.
CONCLUSÃO

Aprendemos, nesta unidade, sobre o Operador de Guindastes e a respec-


tiva Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), bem como sobre as condi-
18 ções gerais de exercício da profissão, alguns recursos de trabalho e o detalha-
mento de suas principais funções.
E nos conscientizamos de que o Operador de Guindastes deve solicitar
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo I - Características da Atividade do Operador de Guindastes

a manutenção das máquinas e equipamentos de elevação sempre que neces-


sário.

1) São características requeridas no perfil psicológico do Operador de


Guindastes, exceto:
(  )  Demonstrar auto-organização.
(  )  Manter concentração em suas tarefas.
(  )  Comunicar-se com clareza e eficiência.
(  )  Ser autoritário com os demais colegas.

2) Marque V (verdadeiro) ou F (falso). Na operação de máquinas e equi-


pamentos de elevação, o Operador deve:
(  )  Certificar-se apenas da ordem verbal do supervisor para a execução
da tarefa.
(  )  Regular assento e encosto do banco das máquinas e equipamentos
de elevação.
(  )  Adequar a cabine de acordo com o ambiente de trabalho (tais como
espelhos retrovisores, ar condicionado).
(  )  Ajustar comandos e apoios das máquinas e equipamentos de
elevação.

3) Marque V (verdadeiro) ou F (falso). No transporte de pessoas e mate-


riais em máquinas e equipamentos de elevação, o Operador deve:
Anotações

(  )  Examinar as condições climáticas.


(  )  Conferir a ordem/autorização de serviço.
(  )  Definir os equipamentos de transporte e movimentação, conforme
a capacidade dos mesmos.
(  )  Acreditar no peso das cargas declarado por terceiros.
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO II
RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL
UNIDADE 1

RESPONSABILIDADE CIVIL E
CRIMINAL
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta primeira unidade, apresentaremos uma introdução às noções de
responsabilidade civil e criminal (penal). O aspirante a Operador de Guindaste
aprenderá ainda sobre as relações existentes entre esses ramos do Direito e a
saúde e segurança do trabalho.

OBJETIVOS

Os objetivos desta unidade são:


• Conhecer as noções de responsabilidade civil e culpabilidade.
• Aprender as noções de responsabilidade penal e tipos de pena.

INTRODUÇÃO

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo II - Responsabilidade Civil e Criminal
Trabalhar com um guindaste é uma tarefa para a qual o Operador não
apenas deve estar bem treinado, mas também deve saber da implicação de
suas ações no campo da responsabilidade civil e penal.

Vamos guindar (içar) nosso conhecimento!

DESENVOLVIMENTO

1. Responsabilidade civil

No Direito brasileiro, as responsabilidades são divididas em duas esferas:


a Civil e a Penal.
A Lei no 10.406/02, que institui o Código Civil Brasileiro, versa sobre a
responsabilidade civil.

Para Gonçalves (2014) e Venosa (2014), o dano material é a lesão con-


creta que afeta o patrimônio da vítima. Assim, a perda de bens materiais deve
ser indenizada de modo que cada desfalque no patrimônio de alguém lesado é
um dano a ser reparado civilmente.
Já o dano moral, para os mesmos autores, é a dor, o espanto, a emoção,
a vergonha, a aflição física ou moral, em geral uma dolorosa sensação provada 23
pela pessoa. É qualquer sofrimento humano que não é causado pela perda
de um bem. Abrange questões relacionadas à reputação da vítima, à sua se-
gurança e tranquilidade, ao seu amor-próprio estético, à integridade de sua
inteligência, a suas afeições.
No caso de um dano material, o valor da indenização pode
ser facilmente determinado com a apresentação de notas,
recibos ou orçamentos, mas no caso do dano moral fica a
24 critério do juiz estabelecer o valor a que a vítima terá direi-
to como reparação pela dor sofrida.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo II - Responsabilidade Civil e Criminal

1.1 O que é culpa para o Direito Civil?


Para Gonçalves (2014) e Venosa (2014), a culpa se refere à responsa-
bilidade dada à pessoa por um ato que provocou prejuízo material, moral ou
espiritual a si mesma ou a outrem. A culpa ocorre quando a pessoa omite ou
age de modo negligente (exemplo: utilizar um guindaste em condições inade-
quadas de manutenção) ou de modo imprudente (exemplo: operar o guindaste
sem respeitar as distâncias mínimas operacionais).
Negligência é o termo que designa falta de cuidado ou atenção em uma
determinada situação, tarefa ou ocorrência. É a indiferença do agente que,
podendo tomar as precauções devidas, não o faz por displicência, relaxamento
ou preguiça.
Anotações

Consideremos, a título de exemplo, um motorista de veículo equipado


com guindaste sobre rodas que, mesmo sabendo do problema no sistema de
freio do veículo, não adota providências para consertá-lo, ou aquele que, sa-
bendo que os pneus estão muito gastos, não os substitui. Nos dois casos, o
motorista está agindo com negligência.
Já a imprudência é um comportamento de irreflexão, de falta de cui-
dados. É uma atitude precipitada do agente que age sem cautela, sem adotar
ações preventivas. É a criação desnecessária de uma situação de perigo.
A imperícia é a incapacidade, a falta de habilidade específica para a re-

Anotações
alização de uma atividade técnica ou científica, não levando, o agente, em
consideração o que sabe ou deveria saber.
Assim, ocorrendo conduta caracterizada por negligência, imprudência
ou imperícia, aparece a culpa, e com ela, a responsabilidade civil de indenizar
os danos advindos, sejam eles materiais ou imorais.
De acordo com o parágrafo único do art. 927 do Código Civil, haverá
obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especifi-
cados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do
dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem.

1.2 Responsabilidade civil e a sua relação com a saúde e segurança do trabalho


Em caso de acidente de trabalho ou de prejuízo à saúde do trabalhador,
aparece a necessidade de reparação do dano, a qual está estabelecida ao lon-
go do Código Civil.
O Decreto-Lei no 5.452/1.943, que dispõe sobre a Consolidação das Leis
do Trabalho (CLT), em seu art. 157, estabelece que cabe às empresas:

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo II - Responsabilidade Civil e Criminal
• Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do tra-
balho;
• Instruir os empregados, através de Ordens de Serviço, quanto às pre-
cauções a tomar no sentido de evitar acidentes do trabalho ou doen-
ças ocupacionais;
• Adotar as medidas que lhes sejam determinadas pelo órgão regional
competente; e
• Facilitar o exercício da fiscalização pela autoridade competente.

Pelo Código Civil, o Operador de Guindaste deve estar ciente de que:


• Art. 186: “Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou
imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclu-
sivamente moral, comete ato ilícito.”
• Art. 932: “São também responsáveis pela reparação civil:
III - o empregador ou comitente, por seus empregados, serviçais e
prepostos, no exercício do trabalho que lhes competir, ou em razão
dele;”.

No Direito Previdenciário brasileiro, a Lei no 8.213/1991, que dispõe sobre


os Planos de Benefícios da Previdência Social, estabelece:
• Art. 121: “O pagamento, pela Previdência Social, das prestações por
acidente do trabalho não exclui a responsabilidade civil da empresa
ou de outrem”. 25

E o Decreto no 4.032/2001, que aprova o Regulamento da Previdência


Social, regula:
• Art. 338: “A empresa é responsável pela adoção e uso de medidas co-
letivas e individuais de proteção à segurança e saúde do trabalhador
sujeito aos riscos ocupacionais por ela gerados.
§ 1º É dever da empresa prestar informações pormenorizadas sobre
os riscos da operação a executar e do produto a manipular.”
• Art. 341: “Nos casos de negligência quanto às normas de segurança
e saúde do trabalho indicadas para a proteção individual e coletiva, a
26 Previdência Social proporá ação regressiva contra os responsáveis”.

2. Responsabilidade Criminal
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo II - Responsabilidade Civil e Criminal

O Direito Penal identifica as infrações penais e especifica as respectivas


sanções. É ele que zela pelo respeito – individual e/ou coletivo – dos valores
fundamentais da sociedade, tais como a vida, a segurança, a integridade física,
a saúde, entre outros.

No momento em que alguém afronta esses valores fundamentais, estará


afetando o interesse da sociedade, portanto, praticando um crime, ou seja,
cometendo um mal social, e, em razão disso, o Estado tem o dever de acionar
seus mecanismos legais para a aplicação das penalidades, caso a conduta cri-
minosa esteja tipificada no Código Penal.
É importante perceber que um crime, quando assim tipificado no Código
Penal, pode ser praticado até mesmo por omissão. Por exemplo, um acidente
Anotações

com ou sem danos materiais pode ser provocado não só por culpa do condutor
do guindaste, mas também, pelo proprietário do veículo ou, ainda, provocado
apenas por culpa do proprietário do veículo e não do condutor.
2.1 O que é e quais são os tipos de pena?

Anotações
Para Gonçalves (2014) e Venosa (2014), a pena é uma sanção imposta
pelo Estado ao culpado pela prática de uma infração penal. A finalidade é punir
o infrator e prevenir novas transgressões.
As penas privativas de liberdade – detenção e reclusão – são as mais utili-
zadas. Basicamente, a pena de reclusão deve ser cumprida em regime fechado,
semiaberto ou aberto, enquanto a pena de detenção, em regime semiaberto
ou aberto, salvo necessidade de transferência a regime fechado.
Caso o réu tenha sido processado, ele pode receber “penas restritivas
de direito”. Essa modalidade de pena está diretamente relacionada a crimes
menos graves e a criminosos a quem a prisão não é aconselhável.
O Decreto-Lei no 2.848/1940, que institui o Código Penal, e suas altera-
ções preveem, por exemplo, em seu art. 43, as seguintes penas restritivas de
direitos: prestação pecuniária, perda de bens e valores, prestação de serviço à
comunidade ou a entidades públicas, interdição temporária de direitos e limi-
tação de fim de semana. A pena restritiva de direitos converte-se em privativa
de liberdade quando ocorrer o descumprimento injustificado da restrição im-
posta.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo II - Responsabilidade Civil e Criminal
E, por fim, também, no art. 49 do aludido Decreto-Lei no 2.848/1940,
está prevista a pena de multa, que consiste no pagamento, em dinheiro, da
quantia fixada em sentença.

2.2 Responsabilidade penal e a sua relação com a saúde e segurança do trabalho


Um acidente do trabalho também pode causar repercussões no Direito
Penal.

De acordo com o Código Penal, temos que:


• Art. 18: “Diz-se do crime: Doloso — quando o agente quis o resultado
ou assumiu o risco de produzi-lo; Culposo — quando o agente deu
causa ao resultado por imprudência, negligência ou por imperícia”.

A Tabela 1, a seguir, resume de forma didática a diferença entre dolo di-


reto, dolo eventual, culpa consciente e culpa inconsciente.

Tabela 1: Diferença entre dolo direto, dolo eventual, culpa consciente e


culpa inconsciente

Consciência Vontade

Dolo direto Prevê o resultado Quer o resultado


Dolo eventual Prevê o resultado Não quer, mas assume o risco 27
Culpa consciente Prevê o resultado Não quer, não assume risco
e pensa poder evitar
Culpa inconsciente Não prevê o resultado Não quer e não aceita o re-
(que era previsível) sultado
Fonte: JusBrasil (2014)
Para saber sobre a dosimetria das penas em caso de
lesão corporal advinda, por exemplo, de acidente de
trabalho, leia os art. 129 e 132 do Código Penal, no sítio
eletrônico: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-
28 -lei/del2848.htm.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo II - Responsabilidade Civil e Criminal

No Direito Previdenciário, a Lei no 8.213/1991 estabelece:


• Art. 19, § 2º: “Constitui contravenção penal, punível com multa, dei-
xar a empresa de cumprir as normas de segurança e higiene do tra-
balho”.

CONCLUSÃO

Nesta unidade, aprendemos as noções de responsabilidade civil e culpa-


bilidade e as noções de responsabilidade penal e tipos de pena. Conhecemos,
também, a relação existente entre a responsabilidade civil e penal e a questão
da saúde e segurança laboral.
E já sabemos que um crime pode ser praticado até mesmo por omissão.

1) O motorista de um guindaste sobre rodas, mesmo sabendo que existe


problema no sistema de freio do veículo, não adota providências para conser-
tá-lo. Nesse caso:
(  )  O motorista está agindo com negligência.
(  )  O motorista está agindo com imprudência.
(  )  O condutor não tem responsabilidades sobre isso.
(  )  O patrão é o responsável por tudo.
Anotações

2) Marque V (verdadeiro) ou F (falso). De acordo com a Consolidação das


Leis do Trabalho (CLT), cabe às empresas:
(  )  Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do
trabalho.
(  )  Instruir os empregados, através de Ordens de Serviço, quanto às
precauções a tomar no sentido de evitar acidentes do trabalho ou doenças
ocupacionais.
(  )  Adotar as medidas que lhes sejam determinadas pelo órgão regio-

Anotações
nal competente em matéria de saúde e segurança ocupacional.
(  )  Facilitar o exercício da fiscalização pela autoridade competente.

3) De acordo com o Direito Previdenciário brasileiro, constitui contra-


venção penal, punível com multa, deixar a empresa de cumprir as normas de
segurança e higiene do trabalho.
(  )  certo ( ) errado

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo II - Responsabilidade Civil e Criminal

29
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO III
COMPONENTES BÁSICOS DOS GUINDASTES
UNIDADE 1

COMPONENTES BÁSICOS DOS


GUINDASTES – PARTE 1
Anotações
APRESENTAÇÃO

Nesta primeira unidade, apresentaremos os componentes típicos


de um guindaste. Vamos iniciar aprendendo sobre dois dos principais
componentes acessórios de um guindaste: moitão e bola-peso.

OBJETIVOS

Os objetivos desta primeira unidade são:


• Apresentar os componentes típicos de um guindaste.
• Mostrar os principais componentes acessórios de um guindaste.

INTRODUÇÃO

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo III - Componentes Básicos dos Guindastes
Antes de operar um guindaste de qualquer tipo, devemos conhecer os
seus componentes básicos. A propósito, você sabe o que significa um moitão?
E uma bola-peso?
A identificação desses componentes e a escolha de qual acessório deve
ser utilizado para cada tarefa constitui mais um passo da aprendizagem do
aspirante a Operador de Guindastes.

DESENVOLVIMENTO

1. Componentes Típicos de um Guindaste

De acordo com Campbell (2004) e Filho (2008), os componentes de um


guindaste podem variar de acordo com o tipo de equipamento e modelo de
fabricante, mas, em geral, podemos reconhecer os seguintes componentes:

35
36
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo III - Componentes Básicos dos Guindastes

• Veículo;
• Chassis do veículo;
• Conjunto giratório;
• Patola;
• Sapata de apoio;
• Contrapeso;
• Pórtico;
• Conjunto superior de roldanas;
• Conjunto inferior de roldanas;
• Batente da lança;
• Base da lança;
• Segmentos intermediários da lança;
• Pendente da lança;
• Ponta da lança;
• Pendente do JIB;
• Mastro do JIB;
• JIB (lança auxiliar mecânica);
• Cabo auxiliar;
• Bola-peso;
Anotações

• Cabo principal; e
• Moitão principal.
Anotações
Como vimos, os guindastes mais modernos apresentam uma série de
acessórios para realizar o trabalho de suspensão e movimentação de cargas.
Dentre esses equipamentos, e que merecem atenção por parte dos Operado-
res nas movimentações de carga rotineiras, podemos citar:
• Moitão;
• Bola-peso;
• Contrapeso;
• Cabos de aço do guindaste;
• Polias extras; e
• Eslinga.

2. Principais Componentes Acessórios de um Guin-


daste

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo III - Componentes Básicos dos Guindastes
2.1 Moitão
A escolha do moitão a ser utilizado na operação de içamento e
movimentação de carga depende, principalmente, da sua capacidade de
carga.

É importante observar que o peso do moitão deve ser consi-


derado na carga bruta
a ser içada pelo guindaste.

Os guindastes possuem, geralmente, uma série de moitões específicos


para cada valor da carga, os quais devem ser escolhidos e considerados como
parte integrante da carga bruta a ser içada.
Dessa forma, o Operador de Guindastes deve certificar-se, junto ao seu
Supervisor Técnico, se foi escolhido o moitão adequado na tabela especificada
pelo fabricante do equipamento, e se o seu peso foi considerado na composi-
ção da carga bruta.

2.1.1 Tipos de Moitão


Moitões são equipamentos compostos por uma ou mais polias por onde
passam as pernas do cabo de aço. Possuem em sua extremidade inferior um 37
gancho, com trava, para içamento de cargas.
Dentre os tipos de moitão mais usuais, podemos elencar:

38
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo III - Componentes Básicos dos Guindastes

• Moitão de bucha: a roldana gira diretamente sobre o eixo, com ou


sem uma bucha de material diferenciado. Geralmente, o moitão de
bucha é muito resistente se mantido limpo e lubrificado. Pode ter
um rendimento, em condições especiais, superior ao moitão com ro-
lamento, como, por exemplo, em cargas próximas ao seu ponto de
ruptura, ou se a carga é mantida estática por muito tempo (como em
estais volantes).
• Moitão com esferas laterais de apoio e bucha: com comportamen-
to semelhante ao moitão simples de bucha, traz a vantagem de um
apoio lateral mais eficiente, feito por esferas. Este apoio lateral é im-
portante quando existe um desalinhamento entre as linhas de en-
trada e saída do cabo, pressionando a roldana contra a lateral. Os
moitões mais modernos possuem uma bucha de material sofisticado
autolubrificante e que suportam longos períodos sob carga constan-
te. Em geral, a roldana é montada em corpo esculpido em alumínio
sólido com alta resistência.
• Moitão com rolamento de esferas: é aquele em que a roldana gira
sobre duas carreiras de esferas que fornecem apoio radial e axial,
sendo muito eficientes para determinadas faixas de carga. A combi-
Anotações

nação mais frequente são esferas de poliacetal rolando sobre eixo do


mesmo material. Esta montagem é eficiente até 60 % da carga máxi-
ma de trabalho, quando a pressão excessiva causa leve achatamento
das esferas, com geração de calor que acaba por danificar a pista
interna aumentando o atrito e as perdas mecânicas.
Anotações
2.2 Bola-Peso
A bola-peso, também denominada moitão secundário, proporciona o
peso necessário para impedir o atrito nos rolamentos e garantir a tensão na
lança do guindaste ao descarregar o cabo de aço.
Possui uma esfera metálica que trabalha como peso na linha auxiliar,
criando uma tensão no cabo. Em alguns guindastes, a bola-peso é equipada
com polias, as quais permitem a montagem de mais de uma passada de cabo.

CONCLUSÃO

Conforme foi apresentado nesta unidade, aprendemos quais são os prin-


cipais componentes acessórios de um guindaste e conhecemos o moitão e a
bola-peso.
Já sabemos, por exemplo, que a bola-peso também é denominada moi-
tão secundário.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo III - Componentes Básicos dos Guindastes
1) A escolha do moitão a ser utilizado na operação de içamento e movi-
mentação de carga depende, principalmente, da sua capacidade de carga.
(  )  certo ( ) errado

2) Os principais tipos de moitão são: moitão de bucha; moitão com esfe-


ras laterais de apoio e bucha; e moitão com rolamento de esferas.
(  )  certo ( ) errado

3) Possui uma esfera metálica que trabalha como peso na linha auxiliar,
criando uma tensão no cabo. Em alguns guindastes, é equipada com polias,
as quais permitem a montagem de mais de uma passada de cabo. Estamos
falando de:
(  )  bola-peso
(  )  moitão
(  )  eslinga 39
(  )  lança
UNIDADE 2

COMPONENTES BÁSICOS DOS


GUINDASTES – PARTE 2
Anotações
APRESENTAÇÃO

Nesta segunda unidade, estudaremos outros componentes prin-


cipais de um guindaste: contrapeso, cabos de aço, polias extras, JIB,
eslingas e estabilizadores. Falaremos sobre suas características e fun-
ções mais importantes.

OBJETIVOS

Os objetivos desta segunda unidade são:


• Mostrar os componentes básicos de um guindaste: contrapeso, ca-
bos de aço, polias extras, JIB, eslingas e estabilizadores.
• Conhecer as características e funções principais dos componentes
básicos estudados.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo III - Componentes Básicos dos Guindastes
INTRODUÇÃO

Seguindo a esteira do conhecimento, vamos conhecer outros compo-


nentes fundamentais de um guindaste — desde a função do contrapeso e seus
tipos, passando pelos cabos de aço, até entender o papel dos estabilizadores.

DESENVOLVIMENTO

1. Contrapeso

Para Campbell (2004) e Filho (2008), o contrapeso é uma carga adicio-


nal colocada no guindaste para aumentar a capacidade da máquina quanto à
estabilidade, evitando o tombamento.
Quanto maior a massa do contrapeso e/ou a distância dele ao centro de
giro do guindaste, maior será a resistência ao tombamento.

43
Basicamente, existem três tipos de contrapeso, a saber:
• Contrapeso standard (padrão);
• Contrapeso adicional no chassi superior; e
44 • Contrapeso adicional fora do guindaste.

1.1 Contrapeso Standard (Padrão)


Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo III - Componentes Básicos dos Guindastes

O contrapeso-padrão é fixo ao chassi giratório do veículo, não afe-


tando a carga máxima permitida por eixo, para circulação nas rodovias.

1.2 Contrapeso Adicional no Chassi Superior


O contrapeso adicional é aquele adicionado na obra, conforme es-
pecificação do fabricante.

1.3 Contrapeso Adicional fora do Guindaste


O contrapeso adicional fora do guindaste pode ser metálico ou de
concreto. São montados sobre rodas que se distanciam do guindaste
conforme a necessidade e, também, giram juntamente com o guindaste.

Pesquise, na internet, sobre os vários tipos de contrapeso


apresentados e suas aplicações.

2. Cabos de Aço

Para Campbell (2004) e Filho (2008), os cabos de aço presentes nos


guindastes podem ser divididos em duas categorias, a saber:
• Principal: é o cabo de aço que trabalha no tambor principal do guin-
daste. Geralmente, este cabo é utilizado para o içamento de cargas
na lança principal.
• Auxiliar: é o cabo de aço que trabalha no tambor auxiliar do guindas-
te. Geralmente, possui diâmetro menor e é utilizado para içamento de
Anotações

cargas na linha auxiliar, tais como extensão e JIB, utilizando moitão


mais leve ou bola-peso.
Anotações
3. Polias Extras

As polias extras são polias adicionais que, em alguns guindastes, se fa-


zem necessárias montar na ponta da lança, para compor as passadas de cabo
exigidas (Campbell, 2004; Filho, 2008).

4. JIB

O JIB é um acessório auxiliar montado na ponta da lança ou extensão.


Permite formar ângulos em relação à lança — ângulo Off-Set (Campbell, 2004;
Filho, 2008).
O JIB facilita a colocação de cargas em locais fechados ou em si-
tuações em que se necessita de uma lança maior. Sua capacidade, ge-
ralmente, está limitada pela resistência estrutural. O JIB pode, ainda,
conter uma extensão, que é um acessório que permite aumentar seu

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo III - Componentes Básicos dos Guindastes
comprimento.

5. Eslinga

45
A eslinga é um acessório flexível usado em amarrações para içamento
de cargas com comprimento definido e com olhais nas pontas, para facilitar a
fixação (Campbell, 2004; Filho, 2008).
É utilizada para transmitir o peso da carga ao guindaste na opera-
ção de movimentação e içamento.
Os tipos mais comuns de eslingas são:
• Cabos estropos: são cabos de aço cortados em tamanhos predefi-
nidos e que possuem sua extremidade em forma ovalada. Possuem
baixa flexibilidade com elevado peso.
46 • Cintas têxteis ou de nylon: são cabos feitos de material têxtil ou sin-
tético, mais leves, maleáveis e flexíveis que os cabos estropos, con-
tendo as mesmas propriedades.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo III - Componentes Básicos dos Guindastes

Pesquise, na internet, sobre os vários tipos de eslinga


existentes no mercado e suas aplicações para guindastes.

6. Estabilizadores

Os estabilizadores ou patolas são equipamentos que dissipam para o


solo as tensões que atuam no guindaste quando este está em operação, tanto
no içamento como na movimentação de cargas, dando maior estabilidade aos
guindastes (Campbell, 2004; Filho, 2008).
Anotações
Anotações
CONCLUSÃO

Vimos, nesta unidade, sobre as características e funções principais dos


componentes básicos de um guindaste: contrapeso, cabos de aço, polias ex-
tras, JIB, eslingas e estabilizadores.
Agora, sabemos que a eslinga transmite o peso da carga ao guindaste na
operação de movimentação e içamento.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo III - Componentes Básicos dos Guindastes
1) Quanto maior for a massa do contrapeso ou a distância do mesmo ao
centro de giro do guindaste, menor será a resistência ao tombamento.
(  )  certo ( ) errado

2) Os tipos mais comuns de eslingas são os cabos estropos e as cintas


metálicas.
(  )  certo ( ) errado

3) Os estabilizadores, também chamados de patolas, são equipamentos


que dissipam para a carga as tensões que atuam no guindaste quando este
está em operação, tanto no içamento como na movimentação de cargas, dan-
do maior estabilidade aos guindastes.
(  )  certo ( ) errado

47
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO IV
CONVERSÃO DE UNIDADES
UNIDADE 1

CONVERSÃO DE UNIDADES
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta parte do curso, faremos uma introdução às grandezas físicas,
suas unidades e os prefixos para os valores das grandezas. Além disso, vamos
aprender sobre a conversão das principais unidades de comprimento, volume,
massa e tempo.

OBJETIVOS

Nossos objetivos são:


• Apresentar as grandezas físicas, suas unidades e os prefixos para os
valores das grandezas.
• Aprender sobre a conversão das principais unidades.

INTRODUÇÃO

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IV - Conversão de Unidades


A conversão de unidades de comprimento, volume, massa e tempo está
presente em muitas atividades do Operador de Guindastes. E você vai verificar
que essas conversões são bastante simples.

DESENVOLVIMENTO

1. As Grandezas e Suas Unidades

As medidas de grandezas podem ser expressas em várias unidades. Po-


rém, a fim de padronizar essas medidas, foram criados alguns sistemas de
unidades, sendo o Sistema Internacional de Unidades (SI) o mais utilizado.

A Tabela 1, a seguir, mostra algumas grandezas físicas e suas unidades


no SI.

Tabela 1: Grandezas físicas no SI

Grandeza Física Unidade de Medida (SI)


Nome Símbolo
Tempo segundo s
53
Comprimento metro m
Massa quilograma kg
Corrente elétrica ampère A
Temperatura Kelvin K
As grandezas físicas podem ser comparadas apenas quan-
do expressas com a mesma unidade. Caso contrário, uma
conversão de unidades é necessária.

54
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IV - Conversão de Unidades

Não podemos realizar operações como, por exemplo, somar 10 km com


100 m. Antes, é necessário padronizar a grandeza (comprimento) em uma úni-
ca unidade (km ou m).

2. Prefixos para Valores de Grandezas

Os prefixos podem ser utilizados com quaisquer unidades. Eles são fa-
tores que multiplicam estas unidades e, em muitos casos, torna a escrita mais
simples.

1.000 m = 103 m = 1 km
1 mg = 0,001 g= 10-3 g
Na Tabela 2, podemos observar os prefixos mais utili-
zados na indicação das unidades das grandezas.

Tabela 2: Prefixos mais utilizados na indicação das unidades

Prefixos
Potência Prefixo Abreviação
109 giga G
10 6
mega M
10 3
kilo k
10 2
hecto h
10 1
deka da
10-1 deci d
10 -2
centi c
10 -3
mili m
10-6
micro µ
Anotações

3. Conversão das Principais Unidades

As unidades podem ser convertidas de acordo com a sua respecti-


va grandeza. Nas próximas seções, aprenderemos a conversão para as
grandezas mais utilizadas.
Anotações
3.1 Convertendo Unidades de Comprimento
No SI, a medida-padrão para o comprimento é o metro. Porém, como se
pode observar na Figura 1, existem outras unidades. Para realizar a conversão
dessas unidades, temos uma regra bem simples, que envolve multiplicação ou
divisão por dezenas.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IV - Conversão de Unidades


Se prestarmos atenção à Figura 1, temos que, para transformar um metro
em quilômetro, divide-se o valor por mil. Basicamente, pode-se afirmar que o
número de casas andadas à esquerda é igual ao número de zeros do denomi-
nador (1/1.000).
De forma semelhante, para transformar um metro em milímetro, multi-
plica-se o valor em metros por mil — três casas andadas à direita (1 x 1.000).

Somar 1,5 km + 10 m
Passemos todos os valores para metro: 1.500 m + 10 m
= 1.510 m

3.2 Convertendo Unidades de Volume


No SI, a medida-padrão para o volume é o metro cúbico (m3). Para rea- 55
lizar a conversão das unidades de volume, também utilizamos a mesma regra
simples que envolve multiplicação ou divisão por dezenas.
56
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IV - Conversão de Unidades

Observando a Figura 2, temos que, para transformar um metro cúbico


em quilômetro cúbico, basta dividir o valor por mil (andamos três casas à es-
querda). O número de casas andadas é igual ao número de zeros do denomi-
nador.
Da mesma forma, para transformar um metro cúbico em milímetro cúbi-
co, multiplicamos o valor em metros cúbicos por mil.

O Operador de Guindaste deve ter sempre em mente que:


1 litro = 1.000 cm3
1 m3 = 1.000 litros

Somar 10 m3 + 10 cm3.
Passemos todos os valores para metro cúbico: 10 m3 +
0,10 m3 = 10,10 m3.
Anotações

3.3 Convertendo Unidades de Massa


No SI, a medida-padrão para a massa é o grama. Para realizar a conver-
são das unidades de massa, utilizamos a multiplicação ou divisão por dezenas.
Anotações
Observe na figura que para transformar um grama em quilograma, di-
vidimos o valor por mil. O número de casas andadas à esquerda equivale ao
número de zeros no denominador.
Do mesmo modo, para transformar um grama em miligrama, multiplica-
mos o valor em gramas por mil.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IV - Conversão de Unidades


Somar 100 g + 2 kg
Passemos todos os valores para gramas: 100 g + 2.000
g = 2.100 g

3.4 Convertendo Unidades de Tempo


No SI, a medida-padrão para o tempo é o segundo. Para realizar a conver-
são das unidades de tempo, utilizamos a multiplicação ou divisão por dezenas.

57

De abordo com a figura acima, temos que, para transformar um segundo em


minuto, dividimos o valor por sessenta, pois um minuto equivale a sessenta segundos.
De forma semelhante, para transformar uma hora em minutos, multiplica-
mos o valor em horas por sessenta. Ou seja, uma hora equivale a sessenta minutos.
Somar 2 h + 30 s
Passemos todos os valores para segundos:
2 x 60min/h x 60s/h + 30 s = 7.200 s + 30 s = 7.230 s

58
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IV - Conversão de Unidades

CONCLUSÃO

Conforme foi apresentado neste estudo, aprendemos as grandezas fí-


sicas, suas unidades e os prefixos para os valores das grandezas. Também,
aprendemos sobre a conversão das principais unidades.

Ao fazermos alguma operação aritmética com várias unidades, a primei-


ra regra é transformar todos os dados para a mesma unidade.

1) O Operador de Guindaste realizou pela manhã uma atividade que du-


rou 1 hora e 30 min; pela tarde, realizou outra tarefa de 4 horas e 15 min. No
total, a soma das horas de suas atividades foi de:
(  )  350 min
(  )  360 min
(  )  345 min
(  )  355 min

2) No tanque de combustível do posto, havia 1 m3 de gasolina. Foram co-


locados mais 1.000 cm3. Ao final, quantos litros há no tanque?
(  )  1.001 litros
(  )  1.010 litros
(  )  1.100 litros
Anotações

(  )  10.000 litros

3) Ao dizer que um Operador de Guindaste gasta 15 minutos para comer


seu lanche, podemos afirmar que ele leva, de forma equivalente, 900 segun-
dos para a realização dessa atividade.
(  )  certo ( ) errado
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO V
LEITURA DO PAINEL DE INSTRUMENTOS
UNIDADE 1

LEITURA DO PAINEL DE
INSTRUMENTOS
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta unidade, aprenderemos sobre a leitura dos principais instrumen-
tos presentes na cabine de um guindaste, conhecimento essencial para execu-
tar operações eficientes e seguras.

OBJETIVOS

Os objetivos desta unidade são:


• Informar onde ficam os dispositivos na cabine de um guindaste.
• Apresentar as principais funções da instrumentação de indicadores
de sinal e de interruptores da cabine.

INTRODUÇÃO

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo V - Leitura do Painel de Instrumentos
Em geral, os guindastes apresentam diversos instrumentos na cabine de
comando. O Operador de Guindaste, antes de qualquer operação, deve ter sido
treinado no equipamento com o qual irá trabalhar, bem como deve conhecer a
disposição espacial de cada instrumento e sua função. A quantidade e comple-
xidade dos instrumentos dispostos em um painel dependem das funcionalida-
des de que o equipamento dispõe.

DESENVOLVIMENTO

1. Dispositivos na Cabine de um Guindaste

Os dispositivos na cabine consistem em controles e painel de ins-


trumento, incluindo instrumentação, interruptores e indicadores.
A Figura 1, que segue, mostra os principais dispositivos na cabine
de um guindaste XCMG QY70K:

63
64
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo V - Leitura do Painel de Instrumentos

Fonte: xcmg (2008)

1. Luz indicadora de dobrar a direita


2. Luz indicadora da lança
3. Luz indicadora de alternador
4. Luz de alerta da pressão do óleo
5. Luz indicadora da ré
6. Luz indicadora de pedal de freio
7. Luz indicadora do bloqueio diferencial
8. Luz indicadora da lâmpada de neblina
9. Luz de alerta da temperatura da água
10. Luz de alerta do combustível
11. Luz de alerta da pressão de ar baixa
12. Luz indicadora da tomada de força
13. Luz indicadora do freio de mão
14. Luz indicadora de virar à direita
15. Interruptor principal da luz
16. Interruptor da luz de neblina
17. Interruptor de parada do motor
Anotações

18. Interruptor de ar condicionado


19. Interruptor do sinal de emergência
20. Interruptor de bloqueio diferencial
21. Interruptor de partida fria
22. Interruptor do giroflex
23. Rádio
24. Botão de ajuste de ar quente

Anotações
25. Manete do freio de mão
26. Alavanca do controle de transmissão
27. Acendedor de cigarro
28. Manete do acelerador de mão
29. Velocímetro
30. Amperímetro
31. Pedal de acelerador
32. Pedal do freio
33. Interruptor de partida
34. Buzina
35. Interruptor combinado
36. Pedal da embreagem
37. Volante

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo V - Leitura do Painel de Instrumentos
38. Medidor de combustível
39. Medidor de temperatura da água
40. Interruptor da tomada de força
41. Medidor da pressão de ar ponteiro duplo
42. Conta-giros do motor
43. Medidor de pressão do óleo do motor

2. Principais Funções da Instrumentação de Indica-


dores de Sinal e de Interruptores da Cabine

• Interruptor de partida: três posições estão disponíveis após a chave


ser inserida no interruptor de partida. Posição 1: com o fornecimento
de energia elétrica cortada, a chave pode ser tirada. Posição 2: dis-
posição “ON”, a chave deve estar na posição quando o motor estiver
funcionando. Posição 3: disposição do motor de partida.
• Medidor de pressão de ar de ponteiro duplo e luz de alarme da pres-
são de ar baixa: o medidor de pressão de ar de ponteiro duplo indica
pressão em dois circuitos do sistema de freio (circuito 21° e 22°) e a
pressão normal de funcionamento deve estar entre 0.45 e 0.8 MPa.
Se a pressão de ar em qualquer um dos dois circuitos diminuir abaixo
de 0.45 MPa, o Operador deve parar o veículo para checar o sistema
de circuito pneumático.
65
Quando a pressão de ar no circuito de freio de mão (circuito 23°)
do sistema de circuito pneumático estiver abaixo de 0.45 MPa, a luz
acende, indicando que o caminhão não pode dar partida ou que o
guindaste não pode ser operado.
• Velocímetro: consiste em medidor de velocidade e quilometragem.
O medidor de velocidade indica a velocidade do percurso do veículo
e o medidor de quilometragem registra a distância total do percurso
do veículo.
• Conta-giros do motor: indica a velocidade rotacional do motor para
que o motorista ajuste a velocidade lenta do motor e controle a sua
velocidade rotacional máxima.
• Amperímetro: indica carregamento e descarga da bateria. O ponteiro
do amperímetro apontando para a área “+” indica que a força gerada
66 pelo alternador é maior do que a consumida por equipamentos elé-
tricos — a bateria está carregando, se apontar ao contrário, ela está
descarregando.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo V - Leitura do Painel de Instrumentos

• Medidor de combustível e lâmpada de alerta do combustível: quan-


do a chave do interruptor de partida estiver na posição 2, o medidor
de combustível indica, aproximadamente, o nível de combustível do
tanque. O ponteiro do medidor de combustível varia quando o veículo
estiver na disposição acelerar, frear ou subir e descer ladeira.
• Medidor de temperatura da água do motor e luz de alerta da tem-
peratura da água: o medidor de temperatura da água indica tempe-
ratura refrigerante. Em condições normais, o ponteiro fica próximo
da metade, indicando temperatura de funcionamento normal do mo-
tor de 80 a 90 °C. Na zona tropical, quando o caminhão está em alta
velocidade ou descendo ladeira, o ponteiro se moverá para o setor
vermelho do medidor. Se a temperatura da água estiver alta demais,
o caminhão deve ser parado e deixar o motor funcionando em mar-
cha lenta para diminuir a temperatura da água para as condições
normais.
• Medidor de pressão do óleo do motor e luz de alerta da pressão do
óleo: mostra o valor da pressão do óleo no sistema de lubrificação
do motor.
• Interruptor de parada do motor: usado para cortar o fornecimento
de força para o motor, para que ele pare. Solte o interruptor, e ele irá
se recompor.

Não solte o interruptor antes de desligar o motor.

• Interruptor de partida fria: quando o veículo é equipado com um


dispositivo de partida fria, o interruptor é usado no controle de diesel
pulverizado no tubo de entrada. É somente usado quando a tempera-
tura ambiental estiver abaixo de 0°.
Anotações

• Interruptor do ar condicionado: ao apertar o interruptor, o ar condi-


cionado inicia o seu funcionamento.
• Interruptor do sinal de emergência: usado quando o caminhão ti-
ver que estacionar em lugar perigoso. Ligando o interruptor, a luz de
alerta acende e todas as luzes da direção acendem. A luz de alerta
acende mesmo com a chave de partida na posição 1. Desligue o inter-
ruptor para suspender o alerta de perigo.
• Interruptor da chave diferencial e luz indicadora diferencial: quan-

Anotações
do as rodas traseiras caírem em um buraco e não conseguirem sair,
pressione o interruptor para ligar o eixo motor rapidamente pelos
dispositivos de controle eletropneumáticos. Ao usar o interruptor, o
indicador da chave diferencial acende. Se o indicador não acender,
pare o veículo e cheque a causa.

Antes de engatar ou desengatar a chave diferencial, a força


de saída do motor deve ser cortada e o caminhão deve ficar
na condição estática ou na velocidade de pedestre.

O interruptor pode ser usado somente quando o caminhão


estiver em uma via reta.

No caso de estar em boa estrada, o interruptor deve ser desengatado de


uma só vez. Continuar usando o interruptor acarretará em dano de trans-
missão e no aumento de consumo de combustível.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo V - Leitura do Painel de Instrumentos
• Interruptor da luz de neblina e luz indicadora de neblina: ao viajar
em dias de neblina, este interruptor deve ser usado. Ao usar o inter-
ruptor, a luz indicadora de neblina acenderá.
• Interruptor principal da luz: ao viajar à noite, o interruptor principal
de luz deve ser usado. Deixe-o na posição inicial quando não usar.
• Luz indicadora de força: quando o interruptor de partida estiver na
posição 2, a luz do indicador acende, indicando que a força está liga-
da “ON” e você pode iniciar o motor. Quando o motor já estiver fun-
cionando normalmente, a luz indicadora desaparece, indicando que
o gerador começa a funcionar. Se a luz não desaparecer, aumente a
velocidade do acelerador do motor para uma velocidade rotacional
média. Se a luz ainda não desaparecer indica que o gerador não está
funcionando, então, pare o motor e cheque.
• Manete do freio de mão e luz indicadora do freio de mão: antes de
sair do caminhão, aplique a alavanca do freio de mão. Neste momen-
to, a luz indicadora do freio de mão irá acender. Isto significa que o
veículo está estacionado com o freio de mão. Antes de viajar, solte-o
(a luz indicadora do freio de mão desaparecerá).

Não use os freios de estacionamento e de serviço ao mes-


mo tempo para evitar que o sistema de freio danifique-se.
67
• Interruptor PTO (para guindaste hidráulico) e luz indicadora do PTO:
um PTO com a intenção de conduzir a bomba hidráulica para a opera-
ção de levantamento de guindaste é instalado na parte posterior da
transmissão.

68
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo V - Leitura do Painel de Instrumentos

Após estacionar o caminhão, deixe o motor funcionando em velocidade


baixa, posicione a alavanca de câmbio para o neutro, aperte o pedal da em-
breagem para desengatá-la, puxe o interruptor PTO (a luz indicadora do PTO
aparece) e solte o pedal da embreagem ao mesmo tempo — a engrenagem PTO
irá engrenar-se levemente com a engrenagem da transmissão, o PTO começa
a funcionar.
Ao contrário, apertar o pedal da embreagem para desengatar a embrea-
gem, empurrar o interruptor PTO para baixo (a luz indicadora do PTO desapa-
rece) e soltar o pedal da embreagem ao mesmo tempo — a engrenagem do PTO
irá desengatar com a engrenagem da transmissão levemente.

CONCLUSÃO

Assimilamos, nesta unidade, a disposição espacial de instrumentos na


cabine de um guindaste e as funções dos principais instrumentos do painel.
Anotações

Sabemos, por exemplo, que o interruptor PTO serve para acionar a bom-
ba hidráulica para a operação de levantamento de guindaste.
Anotações
1) O ponteiro do amperímetro apontando para a área “+” indica que a for-
ça gerada pelo alternador é menor do que a consumida por equipamentos elé-
tricos — a bateria está carregando e, se ao contrário, ela está descarregando.
(  )  certo ( ) errado

2) O interruptor da chave diferencial serve, por exemplo, para ligar o


eixo motor rapidamente pelos dispositivos de controle eletropneumáticos a
fim de tirar as rodas traseiras do veículo presas em um buraco, de onde não
conseguem sair.
(  )  certo ( ) errado

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo V - Leitura do Painel de Instrumentos
3) Antes de sair de um caminhão equipado com guindaste e aplicando-se
a alavanca do freio de mão, é esperado que a luz indicadora do freio de mão
irá acender.
(  )  certo ( ) errado

69
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO VI
TIPOS DE GUINDASTES
UNIDADE 1

TIPOS DE GUINDASTES –
PARTE 1
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta primeira unidade, aprenderemos sobre a classificação dos guin-
dastes e conheceremos sobre os aspectos referentes aos primeiros três tipos:
hidráulicos para veículos, de transferência e compostos por lanças giratórias.

OBJETIVOS

Os objetivos desta primeira unidade são:


• Apresentar a classificação dos guindastes.
• Mostrar as características, usos e aplicações, vantagens e limitações
dos guindastes dos tipos hidráulicos para veículos, de transferência e
compostos por lanças giratórias.

INTRODUÇÃO

Os guindastes são equipamentos utilizados para a elevação e movimen-

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes


tação de cargas. São comumente empregados nas indústrias, terminais por-
tuários e aeroportuários, onde se exige grande mobilidade no manuseio de
cargas.

Os guindastes podem descarregar e carregar contêineres, organizar ma-


teriais pesados em grandes depósitos e realizar a movimentação de cargas
pesadas na construção civil.

DESENVOLVIMENTO

1. Classificação dos Guindastes

Os guindastes podem ser classificados em:


• Guindastes hidráulicos para veículos;
• Guindastes de transferência;
• Guindastes compostos por lanças giratórias;
• Guindastes fixos (gruas);
• Guindastes autopropelidos;
• Guindastes móveis reach stackers (transportadores de contêineres).
75

1.1 Guindastes Hidráulicos para Veículos


Os guindastes hidráulicos para veículos são acessórios montados sobre
chassi de caminhões com lanças articuladas, de acionamento hidráulico e com
equipamento de içamento de carga preso na ponta.
1.1.1 Características e Tipos
A capacidade de carga desses equipamentos varia de 2 a 10 t. O
raio de giro é de 180° a 360°. Podem ser montados em diversos pontos
do chassi do veículo.
76
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes

1.1.2 Uso e Aplicações


São usados para a carga e descarga do veículo em que estiverem
acoplados. Agilizam o processo de transferência, principalmente em
locais onde haja outro equipamento, de cargas volumosas e variáveis
(postes, máquinas, cargas unitizadas, blocos de tijolos etc.).

1.1.3 Vantagens
Constituem vantagens desse tipo de guindaste:
• Versatilidade;
• Aumento de velocidade de carga/descarga; e
• Operação simples.

1.1.4 Limitações
Anotações

Constituem limitações:
• Requerem o emprego de sapatas para estabilizar o veículo; e
• Reduzem a capacidade de carga do caminhão.
1.2 Guindastes de Transferência

Anotações
Os guindastes de transferência são equipamentos para elevação e trans-
ferência de cargas, constituídos geralmente por uma viga ou treliça (lança)
com uma extremidade acoplada à estrutura de sustentação e a outra livre.

1.2.1 Características e Tipos


Esses equipamentos podem ser montados sobre veículos, pneus e estei-
ras. Permitem as mais variadas configurações, desde pequenas lanças com ca-
bos de elevação movidos por força humana, vigas com trole e talha manuais,
até complexos em que os movimentos da lança, bem como o acionamento de
cabos para elevação, são feitos por motores potentes.
A lança pode ser formada por um tubo, viga em “I” ou treliça, e ser rígi-
da, telescópica ou articulada, com acionamento hidráulico. A fixação do guin-
daste pode assumir diversas formas: em paredes, torres sobre trilhos (portos),
acoplados em caminhões. Podem ser tanto fixos quanto permitir fácil transfe-
rência de local de trabalho.
O mecanismo de içamento da carga também oferece diversas possibili-
dades: pode vir preso na ponta da lança, em cabos presos à ponta da lança, ou
a um trole que se movimenta ao longo da lança.
Estes mecanismos presos na ponta da lança podem ser ganchos, grabs

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes


(garras), caçambas, pinças, eletroímãs.

77
1.2.2 Usos e Aplicações
Os guindastes de transferência são usados na movimentação e içamento
de cargas pesadas e de difícil manuseio em curtas distâncias. São aplicáveis em:
• Depósitos de minérios ou sucata, para carga e descarga de cami-
nhões e vagões, ou carga de transportadores contínuos;
• Terminais marítimos para carregar e descarregar navios (capacidade
de até 50 t);
• Linhas de montagem para transferir materiais pesados e de difícil
manuseio (motores, por exemplo);
78 • Construção civil para realizar a transferência de carga entre pontos
de estocagem ou preparação até os pisos em construção.
Os tipos móveis, de menor capacidade, podem, por exemplo, ser acopla-
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes

dos em caminhões, para carregamento de cargas unitizadas ou de materiais


diversos.

1.2.3 Vantagens
Constituem vantagens desses equipamentos:
• Utilização para vários tipos e pesos de carga;
• Movimentação em três dimensões; e
• Ocupam pouco espaço do piso.

1.2.4 Limitações
São limitações desse tipo de equipamento:
• Raio de ação limitado pelo comprimento da lança;
• Custo de implantação elevado; e
• A capacidade de carga está limitada ao movimento de transporte (re-
lação entre carga e distância).

1.3 Guindastes Compostos por Lanças Giratórias


Os guindastes compostos por lanças giratórias são estruturas fi-
xas montadas em paredes ou sobre colunas, permitindo raio da lança
até 360°.

1.3.1 Características e Tipos


Os guindastes giratórios de coluna apresentam um raio de 360°, en-
quanto os guindastes giratórios de parede possuem raios de 270°.
Nos guindastes de coluna ou parede, em geral, a lança é formada
por uma viga contínua na qual se acopla trole (carretilha) e talha (con-
junto de roldana e correntes para içamento), podendo ter giro da lança
motorizada e, costumeiramente, o equipamento de elevação e trole mo-
torizado.
Anotações

A fixação desses equipamentos pode ser tanto em colunas próprias


quanto na estrutura do edifício (paredes, vigas, colunas de concreto).
Anotações
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes
1.3.2 Uso e Aplicações
Tais equipamentos são utilizados em linhas de montagem ou pro-
dução para o transporte, movimentação e içamento de materiais pesa-
dos e de difícil manuseio (motores, por exemplo), em que seja desejável
a economia de espaço em corredores de circulação. Podem, ainda, ser
utilizados como equipamentos auxiliares de pontes rolantes, acoplados
às mesmas.

1.3.3 Vantagens
Constituem vantagens:
• Não ocupam área do piso, liberando a área de circulação para outras
atividades (para os instalados na estrutura do prédio);
• Versáteis quanto aos vários tipos de carga; e
• Propiciam a movimentação nos três eixos.

1.3.4 Limitações
São limitações desse tipo de equipamento:
• Raio de ação limitado pelo comprimento da lança;
• Custo de implantação pode ser elevado em função do comprimento 79
da lança;
• Requerem apoios resistentes se fixados em paredes.
Consulte, na internet, os fabricantes dos tipos de guindas-
tes estudados e saiba mais sobre os modelos fabricados e
suas especificações técnicas.

80
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes

CONCLUSÃO

Conforme foi apresentado nesta unidade, aprendemos sobre a classifica-


ção dos guindastes, bem como as características, usos e aplicações, vantagens
e limitações dos guindastes dos tipos hidráulicos para veículos, de transferên-
cia e compostos por lanças giratórias.
Assimilamos, por exemplo, que os guindastes giratórios de coluna apre-
sentam um raio de giro de 360°.

1) De modo geral, os guindastes podem ser classificados em:


Guindastes hidráulicos para veículos;
Guindastes de passagem;
Guindastes compostos por lanças giratórias;
Guindastes fixos (gruas);
Guindastes autopropelidos; e
Guindastes móveis reach stackers (transportadores de contêineres).
(  )  certo ( ) errado

2) Capacidade de carga que varia de 2 a 10 t. Raios de giro de 180° a


360°. Podem ser montados em diversos pontos do chassi do veículo. Tais ca-
racterísticas se referem aos guindastes do tipo:
Anotações

(  )  Guindastes hidráulicos para veículos


(  )  Guindastes fixos (gruas)
(  )  Guindastes autopropelidos
(  )  Guindastes móveis reach stackers (transportadores de contêineres)
3) O tipo de guindaste que pode, ainda, ser utilizado como equipamento

Anotações
auxiliar de pontes rolantes é o:
(  )  Guindaste hidráulico para veículo
(  )  Guindaste de transferência
(  )  Guindaste composto por lança giratória
(  )  Guindaste fixo (grua)

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes

81
UNIDADE 2

TIPOS DE GUINDASTES –
PARTE 2
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta segunda unidade, vamos continuar nossa aprendizagem sobre ou-
tros três tipos de guindastes: fixos, autopropelidos e móveis reach stackers. Se-
rão apresentadas suas características, principais usos, vantagens e limitações.

OBJETIVOS

Os objetivos desta segunda unidade são:


• Aprender sobre guindastes fixos, autopropelidos e móveis reach sta-
ckers.
• Conhecer as características, usos e aplicações, vantagens e limita-
ções desses tipos de guindastes.

INTRODUÇÃO

Você conhecerá, agora, as gruas fixas, muito utilizadas no setor de

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes


construção civil e que absorve grande parte da operação de içamento
e movimentação de cargas. Também, serão apresentados os guindas-
tes autopropelidos – veículos constituídos para este fim específico, e os
guindastes móveis reach stackers – utilizados, sobretudo, nos trabalhos
portuários.

DESENVOLVIMENTO

1. Guindastes Fixos (Gruas)

Os guindastes fixos ou gruas são constituídos de uma torre, ou membro


equivalente, em que é acoplado o braço para uso do guincho de carga.

1.1 Característica e Tipos


As gruas podem ser dos seguintes tipos:
• De pátio: guindastes elevados, apoiados geralmente sobre trilhos,
com lança treliçada, rígida (ou articulada), e com sistema de cabos
que correm pelo extremo da lança;
• Portuários: iguais ao tipo anterior, mas com lança articulada;
85
• De bordo: fixos, com lança rígida fixada ao nível do convés;
• De torre: fixos, de lança treliçada e sem movimento vertical, ou arti-
culados, de grande comprimento e altura, em que os cabos coman-
dam troles ou talhas que correm ao longo da lança;
• Flutuantes: aplicados sobre barcaças para transbordo.
86
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes

1.2 Usos e Aplicações


As gruas são utilizadas em pátios, cais, canteiros de obras, em
que seja necessária grande capacidade e boa velocidade de operação
— transferência de minérios, sucatas, materiais de construção, contêi-
neres, paletes, sacarias ou equipamentos pesados. Os tipos portuários e
de pátio deslocam-se sobre trilhos.

1.3 Vantagens
Constituem vantagens:
• Grande capacidade de carga e versatilidade; e
• Execução de movimentos nos três eixos.

1.4 Limitações
São limitações desse tipo de equipamento:
• Alto custo de aquisição;
Anotações

• Exigem equipamentos auxiliares e equipe de carga/descarga ao nível


do piso;
• Raio de ação limitado.
2. Guindastes Autopropelidos

Anotações
Os guindastes autopropelidos são veículos destinados à elevação e mo-
vimentação de cargas e dotados de um mecanismo de guincho como parte
integrante.

2.1 Características e Tipos


Os guindastes autopropelidos se dividem em:

• Guindastes de transporte: elevam e transportam cargas até a sua


capacidade nominal.
• Guindastes de transferência: transferem cargas em posição estacio-
nária, geralmente patolados, até a capacidade nominal.
Podem estar sobre rodas (maciças ou pneumáticas) ou montadas em la-
gartas (com vários eixos). Quanto aos veículos, são projetados para acomodar
guindaste próprio, ou acoplado sobre chassi de caminhões.
A lança do guindaste pode ser rígida e sem movimentos.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes

2.2 Usos e Aplicações


Os guindastes autopropelidos são utilizados em pátios de estoca-
gem, onde seja necessário um grande volume de transferência de mate-
riais, em pontos diversos (minas a céu aberto, por exemplo).
Podem transportar paletes, vigas, tubulões e minérios, sendo mui-
to utilizados para transferência de equipamentos de obras. 87

2.3 Vantagens
Constituem vantagens:
• Versatilidade e capacidade de carga;
• Flexibilidade e rusticidade quanto às condições locais de difícil acesso; e
• Operam com cargas não paletizadas.
2.4 Limitações
São limitações desse tipo de equipamento:
• Comumente, requerem dois ou três homens para sua operação;

88 • Uso geralmente desaconselhado para ambientes fechados; e


• São de operação lenta, uma vez que a operação é feita sobre pneus,
não podendo desestabilizar o conjunto.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes

3. Guindastes Móveis Reach Stackers

Os guindastes móveis reach stackers (transportadores de contêineres)


são veículos autopropelidos dotados de mecanismos tais como lança teles-
cópica e sistemas de giro, que permitem a movimentação, transporte e em-
pilhamento em até 7 conteineres de altura (cerca de 12 m) e em 3 fileiras de
profundidade, em operação frontal, vertical e longitudinal, sem patolamento.

3.1 Características e tipos


Os guindastes móveis reach stackers apresentam raios de ação limitados
(devido à sua concepção específica), possuindo pneus sem câmara. São para
uso externo em pátios nivelados e compactados, assemelhando-se a empilha-
deiras de grande porte, podendo, com a retirada do spreader (acessório para
içamento de contêineres), ser transformados em guindastes para serviços
múltiplos no segmento de movimentação de cargas.
O motor a combustão é, em geral, a diesel e são equipados com
rodagem pneumática.

3.2 Usos e Aplicações


São utilizados para movimentar, transportar, empilhar e desempi-
lhar contêineres de 20 a 40 pés de comprimento e 9,5 pés de altura,
pesando até 45 t (contêiner + carga). Um pé equivale a 30,48 cm.
Operando de forma estacionada e sem patolas, podem, de um
mesmo ponto, atingir 3 pilhas (fileiras) de contêineres. São usados, es-
sencialmente, em portos, retroportos e em empresas alfandegárias com
grande movimentação de contêineres.

3.3 Vantagens
Constituem vantagens:
• A capacidade de empilhamento é superior à de empilhadeiras con-
Anotações

vencionais de grande porte, tanto no plano vertical quanto no hori-


zontal, o que permite um grande aproveitamento de espaço;
• Possui bons raios de ação, controle de velocidade e precisão de mo-
vimentos.
3.4 Limitações

Anotações
São limitações desse tipo de equipamento:
• São mais caros que as empilhadeiras frontais com contrapeso;
• Operação mais lenta em relação às empilhadeiras frontais com con-
trapeso.

Consulte, na internet, os fabricantes dos tipos de guindas-


tes estudados e saiba mais sobre os modelos fabricados e
suas especificações técnicas.

CONCLUSÃO

Nesta unidade, aprendemos sobre as características, usos e aplicações,

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes


vantagens e limitações dos guindastes fixos, autopropelidos e móveis reach
stackers.
Já sabemos que os guindastes móveis reach stackers possuem bons
raios de ação, controle de velocidade e precisão de movimentos.

1) As gruas podem ser dos seguintes tipos: pátio, portuários, bordo, torre
e flutuantes.
(  )  certo ( ) errado

2) Os guindastes autopropelidos se dividem em: (a) guindastes de trans-


porte, que elevam e transportam cargas até a capacidade nominal; e (b) guin-
dastes de transferência, que transferem cargas em posição móvel, geralmente
patolados, até a capacidade nominal.
89
(  )  certo ( ) errado
3) Muito utilizados em trabalhos portuários. Possuem capacidade de em-
pilhamento superior à de empilhadeiras convencionais de grande porte, tanto
no plano vertical quanto no horizontal, o que permite um grande aproveita-
mento de espaço. Tais características dizem respeito aos guindastes do tipo:
(  )  fixo
90
(  )  hidráulicos para veículos
(  )  móveis reach stackers (transportadores de contêineres)
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VI - Tipos de Guindastes

(  )  compostos por lanças giratórias


Anotações
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO VII
PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM GUINDASTES
UNIDADE 1

PREVENÇÃO DE ACIDENTES
COM GUINDASTES – PARTE 1
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta primeira unidade, apresentaremos uma introdução às noções de
segurança referentes à operação com guindastes, abarcando desde a prepara-
ção da área, uso de equipamentos acessórios e a conduta preventiva do Ope-
rador de Guindastes.

OBJETIVOS

Os objetivos desta primeira unidade são:


• Apresentar uma breve visão da segurança na operação com guindas-
tes.
• Mostrar as recomendações de segurança na operação de equipamen-

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes
tos de elevação e transporte.
• Conhecer os procedimentos para a preparação da área, o uso de equi-
pamentos acessórios e a conduta do Operador de Guindastes.

INTRODUÇÃO

Todos nós já tivemos conhecimento de algum tipo de acidente em ope-


rações de guindastes.
Para evitar ocorrências indesejáveis, é necessário que o Operador de
Guindastes conheça e pratique os cuidados necessários antes, durante e após
o içamento e a movimentação de cargas.

DESENVOLVIMENTO

1. A Segurança na Operação com Guindastes

A maioria dos acidentes com guindastes atinge trabalhadores posiciona-


dos embaixo ou próximo às cargas suspensas. Tais eventos indesejáveis ocor-
rem pela queda de cargas, decorrente de falhas de amarração ou de ganchos
e estropos inseguros.
Por isso, de forma geral, os cabos e os prendedores devem ser examina-
dos diariamente, e inspecionados de forma completa pelo menos uma vez por
semana. Essa frequência deve aumentar quando da aproximação do fim de 95
sua vida útil.
Segundo o Instituto de Treinamento de Engenheiros de Operação de On-
tário, no Canadá – OETIO (2014) – as causas mais comuns de acidentes com
guindastes são:
• Sobrecarga: devido à inobservância das capacidades de içamento
prescritas na tabela de carga dos fabricantes;
• Patolamento realizado incorretamente;
Utilização das patolas sem que estejam totalmente
estendidas, mal apoiadas, em desnível ou sem armação
correta de pranchas.
96
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes

• Acidentes com eletricidade: responsável pela maioria dos acidentes


fatais;
• Problemas com a lingada: amarração malfeita, cabos ou cintas de
içamento sobrecarregados, em más condições, gancho fora do cen-
tro de gravidade da carga, entre outros;
• Falta de atenção do operador;
• Trafegar com a carga suspensa;
• Excesso de velocidade;
• Ventos agindo sobre a carga.

2. Recomendações de Segurança na Operação de


Anotações

Equipamentos de Elevação e Transporte

Nas operações de içamento e movimentação de cargas, o Operador de


Guindastes deve estar atento às seguintes recomendações:
• Todo equipamento de elevação deve ser operado de maneira que
ofereça as necessárias garantias de segurança, além de serem con-
servados em perfeitas condições de trabalho, sendo expressamente
proibido ultrapassar os valores máximos de capacidade de trabalho,

Anotações
sob pena de colocar em risco as partes envolvidas.
• Os Operadores de Guindastes devem certificar-se de que os equipa-
mentos de transporte motorizados possuem sinal de advertência (so-
noro e luminoso), além de serem submetidos a inspeção permanente,
tendo as peças defeituosas imediatamente substituídas, por profis-
sionais habilitados.
• A utilização de equipamentos de içamento e movimentação de car-
gas deve ser feita em condições ideais de iluminação.
• Antes de movimentar o equipamento de elevação, o Operador de
Guindastes deve certificar-se de que o gancho está suficientemente
alto para evitar choques contra outros equipamentos ou estruturas.
• Todo equipamento deve ser rigorosamente inspecionado no início
de cada jornada de trabalho. Ao perceber qualquer irregularidade,
o Operador de Guindastes deverá interromper os trabalhos e avisar
imediatamente os responsáveis.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes
• O Operador de Guindastes não deve operar o equipamento se não
estiver em perfeitas condições físicas e psicológicas.
• Durante a operação, se, por exemplo, os cabos se soltarem ou se
afrouxarem, o Operador de Guindastes deverá conferir o movimento
de subida destes cabos, certificando-se de que estejam sendo enrola-
dos corretamente nas ranhuras das polias.
• O Operador de Guindastes deve respeitar sempre o limite de peso
do equipamento. Além disso, deve certificar-se de que a carga está
corretamente distribuída entre os ganchos e eslingas antes de iniciar
o içamento.
• É proibido o transporte de qualquer outro objeto sobre a carga que
estiver sendo içada. Antes de patolar (apoiar o equipamento no piso),
o Operador de Guindastes deve certificar-se de que não está apoiado
sobre canaletas e caixas subterrâneas.
• O Operador de Guindastes nunca deve deixar uma carga suspensa
durante a realização dos trabalhos, ou até mesmo após o encerra-
mento do expediente.
• Ao baixar a carga, o Operador de Guindastes deve certificar-se de
que as cargas estão bem posicionadas no local, sem haver risco de
tombamento ou deslizamento. Se for necessário, deverá ser utilizado
um palete, calço ou outro dispositivo para posicionamento da carga.
• Se houver corte de energia ou parada súbita do equipamento, o Ope-
rador de Guindastes deve certificar-se de que os equipamentos este-
jam desligados e freados, para que, após o retorno da energia, eles
não possam movimentar-se.
• O Operador de Guindastes deve certificar-se de que todos os disposi-
tivos de segurança dos equipamentos de elevação e transporte este- 97
jam em perfeitas condições de funcionamento.
• Em regra, a operação de içamento e movimentação de carga com
guindaste deve estar contemplada de documento ART (Anotação de
Responsabilidade Técnica). Também, deve ser preparado um progra-
ma de inspeção periódica dos equipamentos, e as inspeções, formal-
mente registradas.
• Em operações de elevação e transporte, quando o operador não pu-
der avistar toda a extensão do material a ser transportado, deverá
solicitar a presença de um auxiliar para orientá-lo na condução. Este
auxiliar deve verificar o alinhamento dos cabos de aço ou fitas, ali-
nhamento do objeto, orientar a passagem de pessoas e, se necessá-
98 rio, isolar o local por onde o objeto vai ser conduzido.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes

3. Preparação da Área para Operação de Guindastes

No içamento e movimentação de cargas, as atenções não devem estar


voltadas apenas aos equipamentos. O Operador de Guindastes deve estar
atento à correta preparação das áreas:
• Durante a operação de movimentação da carga, o local deve estar
devidamente isolado, sem a presença de pessoas no raio de isola-
mento a ser definido pelo Supervisor Técnico da operação.
• Tanto o operador quanto seu ajudante devem ficar atentos para evi-
tar que pessoas adentrem a área isolada, bem como passem sob car-
gas suspensas.
• Todo reparo a ser feito nos equipamentos de elevação e transporte
deve ocorrer em local onde não haja trânsito.
Anotações

• O Operador de Guindastes nunca deve movimentar o equipamento


se não tiver certeza do sinal recebido.
Anotações
Se houver qualquer dúvida, dever-se-á questionar o respon-
sável pela comunicação. Seu posicionamento físico deve ser
de fácil acesso à visão do Operador de Guindastes.

4. Utilização de Cabos de Aço, Cintas, Estropos, Gan-


chos e Eslingas

O manuseio de acessórios deve ser realizado de forma criteriosa:


• Os cabos de aço e cintas utilizados na movimentação ou transporte
de materiais deverão ser inspecionados e suas partes defeituosas de-
vem ser substituídas.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes
• Os cabos devem ser mantidos sempre lubrificados para o perfeito
funcionamento do equipamento.
• Ganchos e eslingas não devem ser arrastados pelo chão. Devem ser
inspecionados quanto à presença de trincas, rachaduras, pontos de
corrosão, e ao perfeito funcionamento das travas. Ao se detectar
qualquer irregularidade, esta deverá ser sanada imediatamente.
• Em regra, os cabos de aço e cintas devem obedecer às prescrições
constantes das normas:
-- NBR-6327 — Cabo de aço para uso geral;
-- EB-2020 — Grampo pesado para cabo de aço;
-- PB-1411 — Grampo pesado para cabo de aço;
-- EB-2200 — Extremidades de laços de cabos de aço;
-- NBR-10070 — Ganchos-haste forjados para equipamentos de levan-
tamento; movimentação de cargas dimensões e propriedades me-
cânicas;
-- Norma DIN-61630 — Cintas, correias de elevação de fibras sintéticas;
-- Norma ASME B 30.2 — Pórticos e Pontes Rolantes;
-- Norma ASME B 30.5 — Guindastes Móveis; e
-- Norma ASME B 30.9 — Laços — Seleção, uso e manutenção.
• Os cabos de aço e as cintas que são utilizados para elevação de mate-
riais e equipamentos devem ser armazenados em local seco, arejado,
e onde não exista influência de intempéries ou ambientes corrosivos
que possam danificar sua estrutura, diminuindo a capacidade de tra-
balho. 99
5. Medidas de Segurança para o Operador de Guin-
dastes

100 O Operador de Guindastes deverá estar atento às seguintes medidas


preventivas:
• Obedecer às normas de higiene e segurança do trabalho.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes

• Solicitar e utilizar equipamentos de proteção individual (EPI) e cole-


tiva (EPC).
• Identificar situações de risco (regiões de solo irregular, rede elétrica).
• Sinalizar, adequadamente, a área de trabalho.
• Acionar dispositivos sonoros para a retirada de pessoas do local de
trabalho.
• Conhecer e respeitar a sinalização de elevação e movimentação de
cargas.
• Realizar o içamento e a movimentação de cargas perigosas conforme
instruções dos fabricantes e dos Supervisores Técnicos.

CONCLUSÃO

Aprendemos uma breve visão da segurança na operação com guindas-


tes, as recomendações de segurança na operação de equipamentos de ele-
vação e transporte, e os procedimentos para a preparação da área, uso de
equipamentos acessórios e conduta do Operador de Guindaste.
Sabemos que o Operador de Guindastes deve utilizar equipamentos de
proteção individual (EPI) e coletiva (EPC).

1) Assinale com um “x” as causas mais comuns de acidentes com guin-


dastes:
(  )  sobrecarga no equipamento
(  )  patolamento realizado incorretamente
Anotações

(  )  acidentes com eletricidade


(  )  problemas com a lingada
2) Com relação à preparação da área para a operação de guindastes, é

Anotações
correto afirmar, exceto:
(  )  Durante a operação de movimentação da carga, o local deve estar
devidamente isolado, sem a presença de pessoas no raio de isolamento a ser
definido pelo Operador de Guindastes.
(  )  Tanto o operador quanto seu ajudante devem ficar atentos para
evitar que pessoas adentrem a área isolada, bem como passem sob cargas
suspensas.
(  )  Todo reparo a ser feito nos equipamentos de elevação e transporte
deve ocorrer em local onde não haja trânsito.
(  )  O Operador de Guindastes nunca deve movimentar o equipamento
se não tiver certeza quanto ao sinal recebido de seu auxiliar.

3) Marque V (Verdadeiro) ou F (Falso). São medidas preventivas a serem


empregadas pelo Operador de Guindastes:

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes
(  )  Sinalizar, adequadamente, a área de trabalho.
(  )  Acionar dispositivos sonoros para a retirada de pessoas do local de
trabalho.
(  )  Conhecer e respeitar a sinalização de elevação e movimentação de
cargas.
(  )  Realizar o içamento e a movimentação de cargas perigosas confor-
me instruções dos fabricantes e dos Supervisores Técnicos.

101
UNIDADE 2

PREVENÇÃO DE ACIDENTES
COM GUINDASTES – PARTE 2
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta segunda unidade, vamos aprender sobre a sinalização manual
para içamento e movimentação de cargas. Também, assimilaremos como rea-
lizar, de forma adequada e segura, a operação de gruas nos canteiros de obras.

OBJETIVOS

Os objetivos desta segunda unidade são:


• Aprender a sinalização manual para orientar o Operador de Guindas-
tes.
• Conhecer a operação de gruas, com segurança, nos canteiros de
obras.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes
INTRODUÇÃO

O aspirante a Operador de Guindastes dispõe de vários recursos para


que suas ações sejam seguras e o içamento e a movimentação de cargas ocor-
ram de forma eficiente. Um desses recursos é a sinalização manual. São sinais
universais e, aprendendo-os, você se tornará um profissional diferenciado no
mercado.
Também, será informado sobre a operação segura das gruas nos cantei-
ros de obra, relacionada à implantação, documentação obrigatória e respon-
sabilidades.

DESENVOLVIMENTO

1. Sinalização Manual para orientar o Operador de


Guindastes

O quadro abaixo apresenta os principais sinais manuais, e seus significa-


dos, que servem de orientação para o Operador de Guindastes.

105
Sinalização Como fazer Significado

Com o antebraço na vertical e o Içar.


dedo indicador para cima, mova a
106 mão em pequenos círculos hori-
zontais.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes

Com o braço esticado para Abaixar.


baixo, dedo indicador apontado
para baixo, mova a mão em peque-
nos círculos horizontais.

Braço esticado, dedos fechados, Levantar a


polegar apontando para cima. lança.

Braço esticado, dedos fechados, Baixar a lança.


polegar apontando para baixo.

Braço esticado, palma da Pare.


mão para baixo, mantendo
esta posição firme.

Braço esticado, palma para Parada de


emergência
baixo, mova a mão
rapidamente para direita e
esquerda.

Braço esticado para frente, Deslocamento


da máquina
mão aberta e erguida, faça
Anotações

movimento de empurrar na
direção do deslocamento.
Junte as duas mãos em Travar tudo.

Anotações
frente do corpo.

Use uma das mãos para dar Movimento


lento
o sinal do movimento
desejado, e coloque a mão
parada em frente da outra.
O desenho mostra “Içar
lentamente”.
Com o braço esticado, Levantar a
lança / Baixar a
polegar para cima, flexione
carga.
os dedos (abrindo e

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes
fechando) enquanto durar o
movimento de carga.
Com o braço esticado, Baixar a lança
/ Levantar a
polegar para baixo, abra e
carga.
feche os dedos enquanto
durar o movimento de
carga.
Braço esticado, aponte Girar a lança.
com o dedo a direção do
giro da lança.

Travar a esteira no lado Acione uma


esteira.
indicado pelo punho erguido.
Acione a esteira oposta na
direção indicada pelo
movimento circular do outro
punho, que gira verticalmente
em frente ao corpo.
Use os dois punhos em Acione ambas
as esteiras.
frente ao corpo, fazendo
107
um movimento circular,
indicando a direção do
movimento para frente ou
para trás.
Ambos os punhos em Estender a
lança.
frente ao corpo, com o
polegar apontando para
108 fora.

Ambos os punhos em Recolher a


lança.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes

frente ao corpo, com um


polegar apontando para
outro.

Coloque o punho na Use o guincho


principal.
cabeça e use os outros
sinais.

Ponha a mão no cotovelo Use o guincho


auxiliar.
e use os outros sinais.

Um punho em frente ao Estender a


lança.
peito, com o polegar
apontando o peito.

Um punho em frente ao Recolher a


lança.
peito, com o polegar
apontando para fora.

2. Operando Gruas com Segurança, nos Canteiros de


Obras

A grua é definida, em linhas gerais, como sendo um guindaste universal


de torre para transporte de cargas, tanto na horizontal quanto na vertical.
A implantação segura de gruas em canteiros de obras deve obedecer
Anotações

aos seguintes elementos:


• Planejamento da obra: deve ser feito por meio do Programa de Con-
dições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (PC-
MAT), obedecendo às disposições contidas na NR-18 do MTE.
• Tipo de grua: definido pelo método construtivo e duração da obra.
• Escolha do ponto de instalação:
Anotações
De acordo com a NR-18 do MTE, a implantação, instalação,
manutenção e retirada de gruas devem ser supervisiona-
das por engenheiro legalmente habilitado, devendo ser
emitida a ART.

• Montagem, manutenção e locação: de acordo com a NR-18 do MTE,


toda empresa fornecedora, locadora ou de manutenção de gruas
deve ser registrada no CREA para prestar tais serviços técnicos.
• Programa de manutenção preventiva: o equipamento deve estar
acompanhado da documentação de manutenção preventiva, elen-
cando as manutenções que foram realizadas e as que ainda o serão.
• Termo de Entrega Técnica: ao entregar/receber o equipamento, deve
ser realizada verificação operacional e de segurança, e teste de car-

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes
ga. O recebimento deve ser realizado pelo Responsável Técnico (RT)
da obra ou serviço de engenharia.
De acordo com dados do MTE (2014), os acidentes mais comuns com
gruas nos canteiros de obras apresentam as seguintes causas:
• Folgas nos dispositivos de fixação dos elementos da estrutura da torre;
• Desestabilização do conjunto giratório da grua;
• Falta de apoio do engate esquerdo do moitão inferior com a canto-
neira da torre;
• Retirada da travessa/pino mestre e da cruzeta da torre;
• Movimento brusco do conjunto giratório da grua;
• Ruptura do engate direito do moitão inferior;
• Perda de apoio do moitão superior com a cantoneira da torre;
• Falta de qualificação e treinamento dos trabalhadores;
• Falta de supervisão por engenheiro legalmente habilitado;
• Falta de procedimentos técnicos e de segurança na atividade;
• Falta de sistema de comunicação eficiente;
• Equipamento antigo;
• Ausência de Análise Preliminar de Risco (APR);
• Pressão psicológica; e
• Ausência de gerenciamento de risco.

109
110
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes

Com relação à documentação obrigatória, que deve estar disponibiliza-


da no canteiro de obras, para consulta dos técnicos e da fiscalização de órgãos
competentes – como o MTE, citam-se:
Contrato de locação, se houver;
• Lista de Verificação de Conformidades (checklist), a cargo do Opera-
dor da grua;
• Lista de Verificação de Conformidades (checklist) referente aos ma-
teriais de içamento, a cargo do Sinaleiro/Amarrador de cargas;
• Livro de inspeção da grua conforme disposto no item 18.22.11 desta
NR-18;
• Comprovantes de qualificação e treinamento do pessoal envolvido na
operacionalização e operação da grua;
• Cópia da ART do engenheiro responsável;
• Plano de Içamento e Movimentação de Cargas, devidamente preen-
chido e assinado em todos os seus itens;
• Documentação sobre esforços atuantes na estrutura do edifício, con-
forme disposto na NR-18;
• Atestado de aterramento elétrico com medição ôhmica, conforme
NBR 5410 e 5419, elaborado por profissional legalmente habilitado e
realizado semestralmente;
Anotações

• Manual do fabricante acerca da operação da grua, contendo, no


mínimo: Lista de Verificação de Conformidades e Instruções de
Segurança e Operação.
No que tange às responsabilidades dos diversos profissionais, o Opera-
dor de Guindastes deve saber que:
• O responsável pela obra deve observar o atendimento aos seguintes
itens de segurança:
-- Aterramento da estrutura da grua;

Anotações
-- Implementação do PCMAT, conforme NR-18, prevendo a operação
com gruas, independentemente do Plano de Içamento e Movimen-
tação de Cargas;
-- Fiscalização do isolamento de áreas, de trajetos e da correta aplica-
ção das determinações do Plano de Içamento e Movimentação de
Cargas; e
-- Disponibilização de instalações sanitárias a uma distância máxima
de 30 m (trinta metros) no plano vertical e de 50 m (cinquenta me-
tros) no plano horizontal em relação à cabine do Operador, não se
aplicando para gruas com alturas livres móveis superiores às espe-
cificadas.
• Verificar registro e assinatura no livro de inspeções de máquinas e
equipamentos pelo profissional competente, conforme requerido na
NR-18, e a confirmação da correta operacionalização de todos os dis-
positivos das máquinas e equipamentos.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes
CONCLUSÃO

Com o conteúdo que foi apresentado nesta unidade, aprendemos a sina-


lização manual para orientar o Operador de Guindastes e a operação de gruas
com segurança, nos canteiros de obras.
Já sabemos que um dos documentos obrigatórios na obra é a cópia da
ART do engenheiro responsável pela grua e pelo Plano de Içamento e Movi-
mentação de Cargas.

1) O sinal manual descrito por “braço esticado, palma da mão para baixo,
mantendo esta posição firme” significa para o Operador de Guindastes:
(  )  Pare.
(  )  Içar.
(  )  Abaixar.
(  )  Levantar a lança.
111
2) De acordo com a NR-18 do MTE, a implantação, instalação, manuten-
ção e retirada de gruas deve ser supervisionada por engenheiro legalmente
habilitado, devendo ser emitida a ART.
(  )  certo ( ) errado
3) Assinale um “x” nas causas dos acidentes mais comuns com gruas nos
canteiros de obras:
(  )  folgas nos dispositivos de fixação dos elementos da estrutura da
torre
112 (  )  desestabilização do conjunto giratório da grua
(  )  falta de apoio do engate esquerdo do moitão inferior com a canto-
neira da torre
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VII - Prevenção de Acidentes com Guindastes

(  )  retirada da travessa/pino mestre e da cruzeta da torre


Anotações
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO VIII
ESTUDO DE RIGGING
UNIDADE 1

ESTUDO DE RIGGING – PARTE 1


APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta primeira unidade, apresentaremos uma introdução ao Estudo de
Rigging. Vamos conhecer desde o conceito do Estudo de Rigging, passando pe-
las atribuições e qualificações normalmente exigidas do rigger, até o conteúdo
mínimo desse tipo de estudo.

OBJETIVOS

Os objetivos desta primeira Unidade são:


• Apresentar o conceito de Estudo de Rigging.
• Mostrar as qualificações e atribuições básicas de um rigger.
• Debater sobre quais as questões iniciais a serem respondidas pelo
Estudo de Rigging.
• Aprender qual é o conteúdo mínimo de um Estudo de Rigging.

INTRODUÇÃO

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging
A utilização do guindaste requer estudos prévios para garantir que o
içamento e a movimentação das cargas sejam realizados com segurança para
o Operador, para os demais trabalhadores do ambiente de movimentação das
cargas e, inclusive, para as próprias cargas.
Esta atividade — que deve ser desenvolvida previamente a qualquer mo-
vimentação – é chamada estudo de rigging. Vamos a seu detalhamento.

DESENVOLVIMENTO

1. O Conceito de Estudo de Rigging

Estudo de Rigging corresponde ao conjunto de conhecimentos necessá-


rios para o planejamento da operação de içamento e movimentação de carga. Tal
atividade é desenvolvida por profissionais qualificados, denominados riggers.
Todo o conjunto de ações necessárias dentro de um estudo de rigging
irá, ao final dos estudos, compor um documento conhecido como Plano de
Rigging ou Plano de Içamento e Movimentação de Cargas. Esse plano visa
determinar o procedimento pelo qual se dará a movimentação da carga.
117
2. Qualificações de um Rigger

Constituem pré-requisitos buscados pelo mercado para o Rigger:

118 • No mínimo, o Ensino Fundamental completo para operação do guin-


daste.
• Desejável Engenheiro Mecânico ou Engenheiro Operacional para Su-
pervisor Técnico (ART) do Plano de Rigging.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging

• Experiência com cálculos numéricos (matemática, geometria, trigo-


nometria) e conhecimento de desenho técnico (mecânico, estrutural,
civil e de instalações industriais).

• Prática em leitura e compreensão de manuais técnicos de guindastes.


• Estar física e mentalmente apto e capaz de operar o guindaste com
segurança.
• Conhecer as funções do rigger para cada tarefa e do pessoal que
prende a carga, inclusive toda a sinalização empregada.
• Estar adequadamente treinado para aquele tipo de guindaste que irá
operar.
• Estar apto a avaliar distâncias e alturas, e não ser daltônico.
Anotações

• Saber utilizar extintores de incêndio e conhecer as formas de escape.


• Estar autorizado a operar o guindaste.
3. Atribuições Básicas de um Rigger

Anotações
São atribuições básicas de um Rigger:
• Selecionar o guindaste.
• Planejar a operação.
• Configurar o guindaste.
• Checar o Plano de Rigging.
• Compor a carga bruta.
• Calcular as amarrações.
• Especificar acessórios de amarração.

Já o Rigger sinaleiro, auxiliar do Operador de Guindastes na sinalização


e comunicação, tem como atribuições básicas:
• Orientar o Operador, quando ele não puder observar a carga ou o
gancho em todos os movimentos do guindaste.
• Autorizar o içamento da carga após o seu sinal.
• Posicionar-se de maneira a ser visto pelo Operador, e suficientemen-

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging
te perto se estiver fazendo uso de sinais manuais.
• Ter a visão total do guindaste e da carga, posicionando-se em local
seguro, para não ser atingido enquanto o guindaste estiver em mo-
vimento.
• Parar a operação imediatamente se o Operador não estiver vendo a
sua localização.
• Estabelecer outro meio de comunicação — tais como rádio, sinal so-
noro e sinal luminoso — quando não for possível o contato visual com
o Operador do Guindaste.

4. Questões Iniciais a serem respondidas pelo Estudo


de Rigging

O Estudo de Rigging pode ser desenvolvido a partir das respostas às


seguintes questões iniciais:
• Qual o peso da carga a ser içada?
• Quais são suas dimensões?
• A carga possui pontos de pega para o içamento?
• Qual o posicionamento da carga a ser içada em relação ao guindaste?
119
• Qual o tipo de terreno em que se dará o içamento e a movimentação
da carga?
• Existem interferências entre a carga a ser içada e o local de descar-
regamento?
120
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging

5. Premissas Básicas de Conteúdo para o Estudo de


Rigging

O Estudo de Rigging deve basear-se nas seguintes premissas de conteúdo:


• A totalidade de informações básicas e parâmetros de segurança es-
tabelecidos por normas e pelo fabricante do guindaste envolvido, em
todas as fases operacionais, desde o transporte até o posicionamen-
to final;
• Definição da área necessária para o posicionamento da peça a ser
içada e movimentada, para montagem e operação do guindaste, le-
vando em consideração o local, os acessos e as interferências;
• Cálculos, dimensionamentos e listas de materiais de todos os ele-
mentos aplicados para ligação entre o guindaste e a peça, tais como
eslingas, balancins e acessórios em geral;
• Configuração do guindaste com a definição de todas as variáveis e
recursos do guindaste, tais como raio(s) de operação, comprimento
de lança, contrapeso, moitão, passadas de cabo, utilização de jib e
mastros;
• Seleção do guindaste mais adequado ao tipo de operação, buscando
a melhor estratégia de içamento, com segurança e economia;
Anotações

• Identificação completa do guindaste selecionado, incluindo tipo, mar-


ca, modelo, série e capacidade nominal;
• Demonstração de cálculos específicos e fatores de segurança aplica-
dos para içamentos considerados de alto grau de risco;
Anotações
Içamentos de alto grau de risco: guindaste embarcado,
içamento com 2 ou mais guindastes, içamento na beira
de barrancos, sobre pontes, demolições e proximidade
de redes elétricas

• Apresentação de parâmetros de segurança obtidos na solução de


içamento e movimentação de carga: porcentagem de utilização do
guindaste, capacidade bruta tabelada e tabela de carga aplicada;
• Explanação da composição da carga bruta aplicada ao guindaste,
discriminando todos os itens envolvidos e os fatores de segurança
exigidos;
• Demonstração do cálculo de fatores que podem influenciar na segu-
rança da operação: força na sapata, pressão nas esteiras e velocida-
de máxima de vento permitida para a operação;
• Definição das folgas das interferências locais, bem como da lança
com a peça a ser içada;
• Listagem dos cuidados especiais em função de condições locais: iso-

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging
lamento da área, sinalização visual, aterramento do guindaste e ilu-
minação artificial;
• Previsão das folgas normalizadas para o movimento do guindaste:
andar com a carga e giro do contrapeso próximo às interferências;
• Apresentação do Estudo de Rigging por meio de desenhos técnicos
com os detalhes inteligíveis, juntamente com as memórias de cálculo
e as tabelas de carga aplicadas.

CONCLUSÃO

Nesta unidade, aprendemos sobre o conceito do Estudo de Rigging, as


qualificações e atribuições básicas de um rigger, debatemos sobre quais as
questões iniciais a serem respondidas pelo Estudo e o seu conteúdo mínimo.
Assimilamos, por exemplo, que o Estudo de Rigging deve apresentar a
definição da área necessária para o posicionamento da peça a ser içada e mo-
vimentada, para montagem e operação do guindaste.

121
122
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging

1) O Plano de Rigging ou Plano de Içamento e Movimentação de Cargas


visa determinar os procedimentos pelo quais se dará a movimentação da car-
ga.
(  )  certo ( ) errado

2) O Rigger sinaleiro, auxiliar do Operador de Guindastes na sinalização


e comunicação, tem como atribuições básicas:
(  )  Orientar o Operador, quando ele não puder observar a carga ou o
gancho em todos os movimentos do guindaste.
(  )  Posicionar-se de maneira a ser visto pelo Operador, e suficiente-
mente perto se estiver fazendo uso de sinais manuais.
(  )  Ter a visão total do guindaste e da carga, posicionando-se em local
seguro, para não ser atingido enquanto o guindaste estiver em movimento.
(  )  Todas as alternativas anteriores estão corretas.

3) Marque V (Verdadeiro) ou F (Falso). O Estudo de Rigging deve conter:


(  )  A totalidade de informações básicas e parâmetros de segurança
estabelecidos por normas e pelo fabricante do guindaste envolvido, em todas
as fases operacionais, desde o transporte até o posicionamento final.
(  )  Cálculos, dimensionamentos e listas de materiais de todos os ele-
mentos aplicados para ligação entre o guindaste e a peça, tais como eslingas,
balancins e acessórios em geral.
(  )  Configuração do guindaste com a definição de todas as variáveis e
recursos do guindaste.
(  )  Seleção do guindaste mais adequado ao tipo de operação, buscan-
do a melhor estratégia de içamento, com segurança e economia, dando-se pre-
ferência a equipamentos de fabricantes internacionais.
Anotações
UNIDADE 2

ESTUDO DE RIGGING – PARTE 2


APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta segunda unidade, vamos aprender sobre as etapas do Estudo de
Rigging. São elas: coleta de dados do projeto; análise mecânica do equipamen-
to; e definições das especificações técnicas do equipamento a ser utilizado.

OBJETIVOS

Os objetivos desta segunda unidade são:


• Aprender quais são as etapas do Estudo de Rigging.
• Conhecer sobre as principais atividades que devem ser realizadas em
cada uma das etapas do Estudo de Rigging.

INTRODUÇÃO

O Estudo de Rigging é tarefa para o profissional legalmente habilitado. O


Operador de Guindastes deve ter conhecimento sobre o que deve conter um

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging
estudo desse tipo e, além disso, deve saber interpretar os desenhos, os proce-
dimentos e estar preparado para realizar a operação indicada para içamento e
movimentação da carga.

DESENVOLVIMENTO

1. Etapas do Estudo de Rigging

O Estudo de Rigging se assemelha à fase de planejamento de uma obra


de engenharia. Com isso, tal estudo prevê uma série de etapas a serem de-
senvolvidas, as quais buscam otimizar o custo e o tempo nas atividades de
içamento e movimentação de cargas.
As principais etapas de um Estudo de Rigging são:
• Coleta de dados do projeto;
• Análise mecânica do equipamento; e
• Definição do equipamento a ser utilizado.

1.1 Coleta de Dados do Projeto


A coleta de dados corresponde à primeira etapa do Estudo de Rigging. 125
Essa é a etapa que propicia ao Operador de Guindastes subsídio para a escolha
do tipo de equipamento mais adequado a ser utilizado.
A etapa de coleta de dados pode ser dividida em subetapas, a saber:
• Estudo da carga;
• Estudo de içamento e movimentação da carga; e
• Estudo geotécnico.
126
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging

1.1.1 Estudo da Carga


No estudo da carga a ser içada e movimentada, é realizada uma análise
dos tipos de carga a serem operados, bem como seu peso e dimensões.

Busca-se conhecer, nessa etapa, todas as características


possíveis dessa carga: quais os cuidados na movimentação,
pontos de içamento, comportamento do centro de gravidade.

1.1.2 Estudo de Içamento e Movimentação da Carga


O Operador de Guindaste deve conhecer, ainda, o local onde ocorrerá a
movimentação da carga.
Esta etapa é extremamente importante, pois é nela que se avalia a exis-
tência ou não de espaço suficiente para manobra do equipamento e da carga,
tanto na posição horizontal como na vertical.
Nesse sentido, o Operador deve determinar quanto de distância, de al-
Anotações

tura e área de manobra ele dispõe no local de movimentação das cargas, para
estimar o equipamento correto a ser utilizado.

1.1.3 Estudo Geotécnico


O Supervisor Técnico da obra deve solicitar a realização de estudos geotéc-
nicos para reconhecer as características do solo no qual o equipamento irá operar.
Esse procedimento é fundamental para garantir o funcionamento cor-

Anotações
reto do equipamento, garantir a sua estabilidade e, consequentemente, evitar
tombamento e acidentes.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging
1.2 Análise Mecânica do Equipamento
A análise mecânica do equipamento a ser utilizado corresponde à segun-
da etapa do Estudo de Rigging.
Nessa fase, é realizada a análise dos equipamentos disponíveis no mer-
cado e que se enquadram dentro das restrições já determinadas na etapa an-
terior.
Algumas características são importantes e devem ser levadas em consi-
deração no estudo da escolha do equipamento, a saber:
• O equipamento deve ter peso próprio compatível com o solo onde irá
operar.
• O equipamento deve ter dimensões tais que permitam uma movi-
mentação confortável dentro do espaço destinado à montagem.
• Os raios de manobra devem ser coerentes com os exigidos quando o
equipamento for solicitado para içamento da carga.
• O equipamento deve ser compatível com a máxima carga a ser movi-
mentada, bem como com as suas dimensões e características.
127
1.3 Definição do Equipamento a ser Utilizado
Ao ser definido o tipo de guindaste a ser utilizado para o içamento e a
movimentação das cargas, deve-se determinar a capacidade de carga-limite
aplicada ao equipamento.
A capacidade de carga-limite corresponde à maior capaci-
dade de carga à qual o guindaste estará submetido quando
posicionado em situação mais desfavorável prevista pelo
plano de içamento e movimentação de carga, dentro dos
128 padrões de segurança.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging

Os principais dados, do equipamento a ser utilizado, são os seguintes:


• Especificação do guindaste:
-- Tipo;
-- Marca;
-- Modelo;
-- Série; e
-- Capacidade nominal.

• Dados operacionais:
-- Capacidade bruta;
-- Percentagem de utilização;
-- Força na sapata;
-- Tabela adotada.

• Configuração do guindaste: auxilia na definição do moitão e do nú-


mero de passadas dos cabos:
-- Carga na linha principal:
-- Contrapeso total;
-- Comprimento da lança;
-- Raios de operação;
-- Posicionamento das sapatas;
-- Quadrante operacional inicial e final.

• Composição do peso da carga bruta:


-- Carga líquida;
Anotações

-- Amarrações (eslingas, balancins e acessórios);


-- Moitão;
-- Cabo do guindaste;
-- Acessórios do guindaste (jib, bola peso, polia extra, extensões).
CONCLUSÃO

Anotações
Assimilamos, nesta unidade, quais são as etapas do Estudo de Rigging e
conhecemos as principais atividades que devem ser realizadas em cada uma
de suas etapas.
Já sabemos, por exemplo, que o guindaste deve ter peso próprio compa-
tível com o solo onde irá operar.

1) São características importantes que devem ser levadas em considera-


ção no estudo da escolha do equipamento:
(  )  O equipamento deve ter dimensões tais que permita uma movi-

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo VIII - Estudo de Rigging
mentação confortável dentro do espaço destinado à montagem.
(  )  Os raios de manobra devem ser coerentes com os exigidos quando
o equipamento for solicitado para içamento da carga.
(  )  O equipamento deve ser compatível com a máxima carga a ser mo-
vimentada, bem como com as suas dimensões e características.
(  )  Todas as alternativas anteriores estão corretas.

2) A capacidade de carga-limite corresponde à maior capacidade de car-


ga a que o guindaste estará submetido quando posicionado em situação me-
nos desfavorável prevista pelo plano de içamento e movimentação de carga,
dentro dos padrões de segurança.
(  )  certo ( ) errado

3) Os principais dados do equipamento (guindaste) a ser utilizado são os


seguintes: especificação do guindaste, dados operacionais, capacidade bruta
e sua configuração.
(  )  certo ( ) errado

129
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO IX
PLANO DE IÇAMENTO E
MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS
UNIDADE 1

PLANO DE IÇAMENTO E
MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta primeira unidade, apresentaremos o conceito de Plano de Içamen-
to e Movimentação de Cargas e o seu conteúdo básico. Em seguida, passa-
remos a examinar as Tabelas de Carga de um guindaste, a fim de que nos
habituemos a obter informações nestas tabelas, para o desenvolvimento das
atividades.

OBJETIVOS

Os objetivos desta unidade são:


• Conhecer o conceito de Plano de Içamento e Movimentação de Car-
gas, e o seu conteúdo básico.
• Apresentar uma visão sobre as Tabelas de Carga de guindastes e
seus aspectos gerais.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IX - Plano de Içamento e Movimentação de Cargas
INTRODUÇÃO

O Operador de Guindaste deve conhecer bem o Plano de Içamento e


Movimentação de Cargas, uma vez que o Plano representa o passo a passo da
execução das atividades.
Esse conhecimento é de extrema necessidade, tendo em vista que o Ope-
rador de Guindaste deve responsabilizar-se pela carga até a sua deposição no
destino final, bem como pelo rigor no cumprimento dos prazos estipulados nos
cronogramas de trabalho.

DESENVOLVIMENTO

1. O que é o Plano de Içamento e Movimentação de


Cargas?

O Plano de Içamento e Movimentação de Cargas, também conhe-


cido como Estudo de Rigging, é o documento no qual se visualizam e se
detalham todas as operações que serão realizadas com o guindaste e as
cargas a serem movimentadas.
Deve ser elaborado por profissional habilitado, e previamente à
execução das operações.

135
136
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IX - Plano de Içamento e Movimentação de Cargas

2. Conteúdo Básico do Plano de Içamento e Movi-


mentação de Cargas

O Plano de Içamento e Movimentação de Cargas deve abranger, no mí-


nimo, os seguintes itens:
• Tabelas de carga dos equipamentos a serem utilizados;
• Cálculo do peso da carga e o peso de movimentação;
• Detalhes da amarração da carga;
• Lingas e acessórios a serem utilizados;
• Detalhes dos trajetos de movimentação da carga;
• Estudo da área de trabalho para movimentação da carga.

3. Tabela de Carga

A Tabela de Carga é um documento, emitido pelo fabricante do equipa-


mento, no qual constam as máximas capacidades de carga garantidas para o
equipamento original.
Ela serve para orientar o operador na movimentação de cargas com se-
gurança, e deve ser exposta em local visível para consulta a cada operação,
Anotações

tanto no equipamento, para consulta do Operador, como no canteiro de obras,


para consulta do rigger e do Supervisor Técnico da operação.
A Figura 1 representa um exemplo de Tabela de Carga de um guindaste,
mostrando a capacidade de içamento em função do comprimento da lança,
raio de trabalho e ângulo de inclinação da lança.
Cada guindaste possui sua própria Tabela de Carga. Cabe ao Operador
conhecer a Tabela do guindaste que irá operar.
Anotações
Sob hipótese alguma é permitido consultar a Tabela de Car-
ga de qualquer outro guindaste que não seja o que se está
usando, mesmo que sejam muito parecidas, incorrendo no
risco de causar um acidente grave e danificar o equipamen-
to, bem como a carga içada.

No manual do equipamento, também deve constar um gráfico que mos-


tre a relação entre a altura de içamento e o raio de trabalho, como apresenta-
do no exemplo da Figura 2.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IX - Plano de Içamento e Movimentação de Cargas

137

Figura 1: Exemplo de Tabela de Carga para um guindaste


Fonte: Tadano (2014). Manual para Guindaste Autopropelido GR-550EX
138
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IX - Plano de Içamento e Movimentação de Cargas

Figura 2: Exemplo de Tabela de altura de içamento x raio de trabalho


Fonte: Tadano (2014). Manual para Guindaste Autopropelido GR-550EX

3.1 Raio de Operação ou Raio de Trabalho


O Raio de Operação ou Raio de Trabalho corresponde à distância entre
o centro de giro do guindaste e o centro da carga.
Para a operação com um guindaste, o raio de operação corresponde à
distância horizontal do centro de giro do guindaste até o centro de gravidade da
carga (passando pela linha imaginária do eixo do moitão) com a mesma içada.
A Tabela de Carga prevê o raio mínimo de operação que pode haver en-
tre equipamento e carga. Caso haja um valor intermediário de raio de opera-
ção entre os valores fornecidos pela Tabela, deve-se adotar o raio de operação
de maior valor, a fim de que se trabalhe sempre a favor da segurança.
Anotações

3.2 Extensão da Lança


Toda Tabela de Carga indica a relação entre o raio de operação e o com-
primento de extensão da lança.
É importante observar que, conforme se aumenta o raio de operação,
aumenta-se, também, a abertura da lança, como mostrado na Figura 2. Em ge-
ral, as Tabelas de Carga também fornecem a angulação da lança, relacionan-
do-a com a sua abertura e com o raio de operação, como mostrado na Figura 1.
3.3 JIB

Anotações
Além da lança telescópica, os guindastes podem possuir, ainda, uma ex-
tensão treliçada para a mesma, comumente chamada de JIB.
O JIB é uma lança auxiliar mecânica, sendo utilizado com frequência
para ganho de comprimento, altura e raio do equipamento. A Tabela de Carga
prevê a inclinação máxima onde este tipo de acessório pode ser utilizado. Veja
o exemplo da Figura 2.

3.4 Estabilizadores
São equipamentos que dão maior estabilidade aos guindastes. É normal
um mesmo equipamento exibir Tabela de Carga configurada para estabilizado-
res totalmente estendidos ou estabilizadores totalmente recolhidos. Atente-se
que o exemplo da Figura 2 é para os estabilizadores totalmente recolhidos.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IX - Plano de Içamento e Movimentação de Cargas
3.5 Contrapesos
O contrapeso visa garantir estabilidade durante o giro do conjunto for-
mado pela cabine de operação e a lança telescópica.
Certos equipamentos possuem várias configurações para as Tabelas de
Carga, de acordo com o contrapeso utilizado durante a operação de içamento
e movimentação de cargas. Neste caso, o contrapeso do equipamento é fixo e
seu valor é mostrado em todas as Tabelas de Carga.

Veja, por meio do link abaixo, no Manual para Guindas-


te Autopropelido GR-550EX da Tadano, que o contra-
peso para este equipamento está integrado na estrutu-
ra giratória, e sua massa é de 5.100 kg:
http://www.tdbbrasil.com.br/wp-content/uploads/cata-
logos/GR-550EX-1-00212-EX-11.pdf.

3.6 Peso da Carga e Peso de Movimentação


O peso da carga é aquele obtido por meio da pesagem da carga ou do
desenho de fabricação da mesma.
O peso da movimentação é o peso total, ou parcial máximo da carga
acrescido do peso de todos os acessórios de içamento — tais como cabos, moi-
tão, manilhas e ganchos suspensos na ponta da lança do guindaste durante a
operação de movimentação de cargas.
Ao se consultar a Tabela de Carga, é necessário adicionar o peso dos
cabos e moitão ao peso da carga, chegando-se, assim, ao peso total de movi- 139
mentação.

3.7 Área para Movimentação de Cargas


Para a segurança na área de trabalho, é necessário observar:
• O rigger deve determinar as áreas de risco antes de iniciar a opera-
ção de içamento e movimentação de carga.
• O gancho de elevação quase nunca está sobre o centro de gravidade
e quando se eleva a carga ela poderá pender para algum lado. Como
o lado para o qual ela penderá nem sempre pode ser previsto, a área
considerada perigosa deverá ser evitada.

140 • O rigger, somente, poderá sinalizar para que a carga seja depositada
após verificação de que todas as pessoas estejam fora da área de
risco.
• O acerto de posicionamento da carga ou estabilidade deve ser feito
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IX - Plano de Içamento e Movimentação de Cargas

por meio de acessórios, como ganchos de engates ou cabos, nunca


com as mãos.
• Durante a execução dos serviços, a carga não deve passar por cima
de pessoas.
• O operador do equipamento utilizado para movimentar carga não
deve afastar-se da cabine de comando durante a operação.
• Os trabalhos de movimentação de carga não devem ser executados
em dias de chuva intensa, ventos fortes ou condições adversas de
iluminação.

CONCLUSÃO

Aprendemos, nesta unidade, sobre o conceito de Plano de Içamento e


Movimentação de Carga e o seu conteúdo básico. Também, aprendemos a ana-
lisar uma Tabela de Carga de guindaste e seus aspectos gerais.
E já sabemos que o rigger poderá sinalizar para a carga ser depositada
somente após verificação de que todas as pessoas estejam fora da área de risco.

1) Um Operador de Guindaste, não dispondo de manual técnico com as


Tabelas de Carga de seu equipamento, decidiu consultar um manual de equi-
pamento semelhante. Tal atitude do profissional está:
(  )  certa ( ) errada
Anotações

2) O Plano de Içamento e Movimentação de Cargas deve abranger, no


mínimo, os seguintes itens: tabelas de cargas dos equipamentos a serem utili-
zados; cálculo do peso da carga e o peso de movimentação; detalhes de amar-
ração da carga; lingas e acessórios a serem utilizados; detalhes dos trajetos de
movimentação da carga; e estudo da área de trabalho para movimentação da
carga.
(  )  certa ( ) errada
3) Com relação à segurança na área de trabalho, sabemos que o gancho

Anotações
de elevação quase nunca está sobre o centro de gravidade e, quando se eleva
a carga, ela poderá pender para algum lado. Como o lado para o qual ela pen-
derá nem sempre pode ser previsto, a área considerada perigosa deverá ser
evitada.
(  )  certa ( ) errada

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo IX - Plano de Içamento e Movimentação de Cargas

141
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO X
INSPEÇÃO, MANUTENÇÃO E CHECKLIST
UNIDADE 1

NOÇÕES DE INSPEÇÕES EM
GUINDASTES
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta primeira unidade, vamos aprender o conceito e os diversos tipos
de inspeção (de aceitação, frequentes e periódicas), bem como os vários tipos
de relatório (de pré-aceitação, mensal, operacional diário e para içamentos
críticos).

OBJETIVOS

Os objetivos desta primeira unidade são:


• Apresentar o conceito de inspeção.
• Entender os diversos tipos de inspeção e de relatórios acerca dos
guindastes.

INTRODUÇÃO

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist
Na prática profissional, o Operador de Guindaste se depara com a reali-
dade de que é necessária a realização de inspeções no guindaste antes e após
as atividades de içamento e movimentação de cargas.
Esse é um dos deveres do profissional Operador de Guindastes que em
muito contribui para a redução de ocorrências indesejáveis, desde uma avaria
no equipamento a um acidente de trabalho.

DESENVOLVIMENTO

1. O que é Inspeção?

Na inspeção, um técnico (treinado com conhecimentos sobre o mode-


lo do guindaste, legislação e manuseio dos equipamentos de teste) avalia as
condições, manuseando os equipamentos do guindaste e utilizando máquinas
específicas para teste, a fim de verificar seu funcionamento, correto ou não.

2. Inspeções de Aceitação

Todo guindaste, antes de se iniciar uma operação, deve ser inspecionado


e testado para comprovar seu atendimento às disposições das normas legais
pertinentes e às exigências e/ou especificações do fabricante.
147
Os guindastes deverão ser submetidos a testes de carga e serem exami-
nados, detalhadamente, antes de entrarem em operação.
Toda a documentação dos testes em fábrica devem ser arquivados no setor
técnico e as informações operacionais e de segurança também devem estar dis-
poníveis no Serviço de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) da empresa.
Caso a configuração do guindaste seja alterada, ou o guindaste tiver sido
desmontado ou remontado, um novo teste deverá ser efetuado.

3. Inspeções Frequentes e Periódicas


148
Os procedimentos de inspeção para guindastes em uso regular são divi-
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist

didos em duas categorias, baseadas nos intervalos entre inspeções. Os inter-


valos, por sua vez, dependem da natureza dos componentes críticos do guin-
daste e o nível de exposição ao desgaste, deterioração e defeitos.

As duas categorias são denominadas de frequente e periódica, com os


intervalos respectivos definidos da seguinte forma:
• Inspeção frequente: normalmente, mensal
• Inspeção periódica: com intervalos maiores do que um mês

O guindaste e seus equipamentos deverão ser inspecionados regular-


mente.
Para cada inspeção realizada, deverão ser preenchidos registros, os
Anotações

quais devem ser assinados e datados, e deverão estar sempre disponíveis para
controle da área de manutenção da empresa.
Esses registros deverão incluir detalhes sobre o serviço e manutenção
do guindaste.
Os testes de capacidade de içamento deverão ser realizados após cada
reparo ou modificação substancial no guindaste. Este teste será devidamente
documentado, e tais registros passados às áreas responsáveis da empresa.
4. Relatórios de Inspeção de Pré-Aceitação e Mensal

Anotações
A condição do equipamento ao chegar na obra ou serviço é muito impor-
tante. Os Relatórios de Inspeção de Pré-Aceitação deverão ser usados para
observar a aparência geral e condições dos diferentes tipos de guindastes,
antes que sejam aprovados para uso.
Se, em qualquer momento, a condição do equipamento não satisfizer os
requisitos técnicos necessários, de acordo com as instruções do fabricante, o
Operador deverá rejeitá-lo para uso no serviço.

Nenhuma peça do guindaste que possa ser submetida a


carga ou tensão de içamento poderá ser alterada, soldada
ou modificada de qualquer forma, ou em desacordo com os
procedimentos especificados pelo fabricante.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist
Todos os guindastes que irão operar em um canteiro de obras devem ser
acompanhados de cópia dos documentos abaixo:
• Relatório de Inspeção realizada por Engenheiro/Técnico Mecânico de
Manutenção da empresa locadora do guindaste, e assinada por ele e
pelo Supervisor Técnico da obra.
• Relatório de Inspeção realizada pelo fabricante ou por empresa certi-
ficadora a pedido da empresa locadora ou proprietária do guindaste,
que comprove que o equipamento foi inspecionado e submetido a
teste de içamento de cargas, dentro do especificado na Tabela de
Cargas do fabricante, apresentando estabilidade durante o teste e
resultado esperado satisfatório.
Os Relatórios de Inspeção Mensal do guindaste devem contemplar as
atividades de inspeção requeridas pelo fabricante do equipamento, de acordo
com o modelo do equipamento. Os resultados devem ser registrados e arqui-
vados nas áreas responsáveis da empresa.
A inspeção mensal tem como objetivo verificar se o guindaste está li-
vre de defeitos mecânicos e/ou problemas de segurança. O equipamento só
deverá ser liberado se estiver em boas condições, sem necessitar de reparos,
manutenção ou qualquer dispositivo adicional de segurança.

5. Relatórios de Inspeção Operacional Diária

Antes de realizar qualquer içamento, o Operador responsável deverá


149
preencher, por completo, o Relatório de Inspeção Operacional Diária, que
consiste em um registro de inspeção do guindaste.
O Operador deve inspecionar, diariamente, o guindaste com relação a
óleo, fluido hidráulico, vazamentos, entre outros itens, conforme requisitado
no manual de operação do equipamento fornecido pelo fabricante. Quaisquer
irregularidades devem ser registradas e comunicadas ao Supervisor Técnico.
Quando o guindaste não oferecer condições de segurança, o Operador
deve comunicar, imediatamente, ao Supervisor Técnico a condição insegura. Em
seguida, etiquetar o guindaste, informando essa condição insegura detectada, a
fim de que outro Operador não o utilize até que o problema seja sanado.

150 A Tabela de Carga do guindaste deve estar à disposição do Operador na


cabine de comando, em língua portuguesa e legível.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist

6. Relatórios de Inspeção para Içamentos Críticos

Içamentos críticos são aqueles que apresentam as seguintes caracte-


rísticas:
• Estejam acima do limite crítico de 10 toneladas para os quais deverá
ser preparado um Plano de Içamento e Movimentação de Carga, a ser
elaborado e assinado por Engenheiro devidamente habilitado.
• Excedam 85 % da capacidade nominal da Tabela de Carga para uma
determinada configuração de ângulo, raio e comprimento de lança
do guindaste.
• Exijam dois ou mais guindastes trabalhando em conjunto para içar
uma carga com ou sem um dispositivo de içamento – tal como uma
barra transversal.
• Içamentos realizados em locais em que há perigo do guindaste ou da
carga caírem sobre rede de energia elétrica, transformadores, tubu-
lações, tanques ou reatores contendo gases ou líquidos inflamáveis,
explosivos ou quaisquer outros produtos perigosos.
Em todos os içamentos considerados críticos, as áreas responsáveis da
empresa devem utilizar um formulário de permissão de trabalho, descrevendo
os procedimentos operacionais e os cuidados a serem tomados, e devem ser
assinados pelos responsáveis de cada área.

7. Inspeção de Cabos e Ganchos

No que tange à inspeção de cabos de içamento, esta deve ser feita uma
vez por mês em todos os cabos, e um relatório completo escrito, datado e as-
sinado das condições dos cabos deve ser mantido nos arquivos da empresa.
Qualquer deterioração, que resulte em uma perda substancial de força
original, deve ser cuidadosamente anotada, e tomada decisão quanto à pos-
sibilidade de uso posterior do cabo que possa constituir um risco de acidente.
Anotações
Anotações
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist
Todos os cabos acessórios que tenham ficado sem uso pelo período de
um mês ou mais, devido à parada do guindaste em que estavam instalados, de-
vem ser inspecionados antes de serem usados. Essa inspeção verificará todos
os tipos de deterioração e deve ser realizada por um profissional habilitado,
cuja aprovação será necessária para a continuidade da utilização dos cabos.
Um relatório escrito e detalhado das condições dos cabos acessórios
também deve estar sempre disponível para consulta do SESMT da empresa.
Sugere-se que cada estropo deva ser numerado e possua um código de
cor diferente para cada mês, a fim de atestar a realização da inspeção mensal.
Um relatório escrito e detalhado das condições dos estropos deve estar sem-
pre disponível para consulta pelas áreas da empresa.
No que concerne aos ganchos de carregamento e contrapinos de lança,
a cada ano eles devem ser inspecionados com instrumento de partícula mag-
nética ou outro sistema adequado de detecção de rachaduras (líquido pene-
trante), a fim de se investigar a ocorrência de possíveis deformidades.
A inspeção visual de todos os ganchos deve ser realizada em paralelo
com a inspeção mensal dos cabos de aço e estropos.

CONCLUSÃO

Aprendemos, nesta unidade, o conceito de inspeção e entendemos os 151


diversos tipos de inspeção e de relatórios acerca dos guindastes.
Assimilamos, por exemplo, que a inspeção dos cabos de içamento deve
ser documentada em um relatório, datado e assinado, e que deve ser mantido
nos arquivos da empresa.
152
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist

1) Nenhuma peça do guindaste, que possa ser submetida a carga ou ten-


são de içamento, poderá ser alterada, soldada ou modificada de qualquer for-
ma, ou em desacordo com os procedimentos especificados pelo fabricante.
(  )  certa ( ) errada

2) Para os içamentos e movimentações de carga que excedam 85 % da


capacidade nominal da Tabela de Carga para uma determinada configuração
de ângulo, raio e comprimento de lança do guindaste, é necessário o Relatório
de Içamento Crítico.
(  )  certa ( ) errada

3) No que concerne aos ganchos de carregamento e contrapinos de lan-


ça, eles devem ser inspecionados anualmente com instrumento de partícula
magnética ou outro sistema adequado de detecção de rachaduras (líquido pe-
netrante), a fim de se constatar possíveis deformidades.
(  )  certa ( ) errada
Anotações
UNIDADE 2

NOÇÕES DE MANUTENÇÃO E
CHECKLIST PARA GUINDASTES
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta segunda unidade, vamos aprender sobre a manutenção dos guin-
dastes (seus papéis e principais modelos) e os checklists para as atividades de
inspeção e manutenção.

OBJETIVOS

Os objetivos desta segunda unidade são:


• Aprender sobre a manutenção dos guindastes.
• Conhecer os diversos checklists para inspeção e manutenção dos
guindastes.

INTRODUÇÃO

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist
Essa é uma fase da aprendizagem que visa formar a consciência do Ope-
rador de Guindaste acerca da importância da manutenção do equipamento.
Quando o Operador entende que pode ajudar o processo de manutenção por
meio de uma operação adequada do equipamento, muitos benefícios podem
ser conseguidos – desde a redução de custos com reposição de peças até a
ampliação da vida útil.

DESENVOLVIMENTO

1. Manutenção de Guindastes

De acordo com o dicionário Houaiss, manutenção significa “ato ou efeito


de manter(-se), ato de fazer perdurar algo em determinado estado; (...) geren-
ciamento periódico e realizado por profissional, cuidado com vistas à conser-
vação e bom funcionamento de (máquinas, engenhos, ferramentas etc.)”.

1.1 Os Papéis da Manutenção


De acordo com Paccola (2011), a manutenção apresenta os seguintes papéis:
• Manter: visa garantir a função básica dos equipamentos. Os cuidados
básicos essenciais são: limpeza, lubrificação, reaperto e observação das
recomendações operacionais e características de projeto do guindaste.
155
Esta atividade exige uma equipe muito comprometida
com a execução dos procedimentos e atribuições diárias
— tanto o setor de Operação quanto o de Manutenção
da empresa – e ciente de que é na execução cuidadosa e
156 com muito rigor que serão vencidos os primeiros desa-
fios para manter o estado atual da frota de guindastes.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist

• Melhorar: o ato de melhorar significa tomar ações para evitar ou re-


duzir a ocorrência de anormalidades reincidentes. Procura-se apren-
der com a correção da falha e, por causa dela e por meio de sua
correção, tomar medidas para evitá-la.
Muito importante é saber qual item deve ser melhorado, pois isto é
comum em uma área de Manutenção. Logo, a priorização é impor-
tante para que se gaste energia naqueles temas que trarão maiores
benefícios para a empresa.
• Antecipar: depois que uma área de Manutenção estabeleceu rotinas
para manter, e desenvolveu procedimentos para melhorar, os equi-
Anotações

pamentos sob sua responsabilidade, é hora de buscar a antecipação


dos eventos, mesmo sabendo que antecipar também contribui com o
manter, já que, quando se antecipa, garante-se a manutenção futura.
É por isso que, nesse momento, as práticas de manutenção contri-
buem, significativamente, para a elevação da confiabilidade e redu-
ção dos custos operacionais.
Anotações
À medida que se consegue prever anormalidades, é possível
planejar com mais precisão as intervenções e, consequente-
mente, a atividade dos técnicos de manutenção e a necessi-
dade de peças de reposição.

1.2 Os Principais Modelos de Manutenção


Na lição de Paccola (2011), os principais modelos de manutenção são:
• Totalmente própria: todos os profissionais da equipe de manutenção
são funcionários da empresa, a qual detém também a frota. A maio-
ria dos serviços é realizada dentro da empresa onde, normalmente,
existe um almoxarifado de peças. Os equipamentos de manutenção
também são próprios. As atividades de abastecimento, lubrificação e
lavagem, em geral, são realizadas por equipe própria. Alguns servi-
ços são realizados por terceiros – tais como reparos em componentes
hidráulicos, elétricos e pneus.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist
-- Vantagens: o custo pode ser menor; maior controle da qualidade dos
serviços; autonomia para definir prioridades; maior liberdade para
deslocamentos de equipamentos e profissionais entre as frentes de
serviço; o conhecimento sobre o equipamento fica na empresa; e
maior controle do histórico do equipamento.
-- Desvantagens: custo fixo recorrente; o estoque de peças é maior; é
necessária uma estrutura administrativa para registros, controle e
planejamento de manutenção; maior investimento em equipamen-
tos de apoio; e investimento em treinamentos para mecânicos.
• Totalmente terceirizada: a empresa – proprietária da frota – possui
vários prestadores de serviço de manutenção (ou apenas um), que
efetua todos os serviços de manutenção nos equipamentos.
-- Vantagens: nenhum investimento em treinamento de equipe de ma-
nutenção e estrutura de apoio; menores custos alocados em almoxa-
rifados; redução de custo fixo; menor nível de controle de ocorrências.
-- Desvantagens: o custo pode ser mais alto; o proprietário da frota
não adquire conhecimento sobre os equipamentos; é preciso nego-
ciar com o prestador de serviços de manutenção o tempo de libera-
ção do equipamento para trabalho.
• Contrato de manutenção com fornecedor de equipamento: normal-
mente, é realizado com pagamento baseado em desempenho, isto é,
com indicadores de disponibilidade estabelecidos, custo de mão de
obra e estrutura de apoio pagos como custo fixo, e custo de peças
pago por hora trabalhada e conforme a faixa de vida em que o equi-
pamento estiver. 157
-- Vantagens: nenhum investimento em treinamentos de manutenção
e estrutura de apoio; sem a necessidade de almoxarifado; redução
de custo fixo; maior agilidade nas alterações de projeto; e atualiza-
ção tecnológica constante.
-- Desvantagens: uma vez montada a estrutura de manutenção do
fornecedor, haverá dificuldade para se mudar de marca, aproveitar
avanços tecnológicos e mesmo ofertas comerciais de outro fabrican-
te; custo maior; e necessidade de negociar toda ocorrência não pre-
vista em contrato.
158
• Sistema misto: a empresa proprietária da frota possui uma equipe
de manutenção reduzida — especializada em manutenções progra-
madas, regulagens, ajustes e diagnósticos — e contrata serviços espe-
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist

cializados no mercado, os quais podem, inclusive, ser realizados pela


assistência técnica do fabricante do equipamento.
-- Vantagens: utilizar-se de serviços especializados sob demanda e
equipe própria reduzida.
-- Desvantagens: o mercado nem sempre oferece prestadores de ser-
viços especialistas de qualidade; necessidade de maior controle de
serviços de terceiros.

2. Checklists

2.1 Para os Relatórios de Inspeção Mecânica de Pré-Aceitação e Mensal


Anotações

O checklist das atividades de inspeção mecânica de pré-aceitação e ma-


nutenção mensal varia de acordo com o modelo e fabricante do equipamento.
No entanto, em regra, deve abranger:
• Elementos do guindaste: lança, guincho, moitões, cabos de carga,
cabos de levantamento de lança e treliças, gancho, trava de segu-
rança do gancho, treliças/extensões da lança, mesa de gira e sistema
operacional.
• Acessórios: patolas, espelhos retrovisores, trava mecânica da mesa

Anotações
de giro, caixa de primeiros socorros, Tabela de Carga, caixa de fer-
ramentas, verificador de ângulo da lança, rádio de comunicação e
alarme sonoro de ré.
• Estado mecânico: luzes, direção, motor, embreagem, freios, pneus, sis-
tema hidráulico (bombas/motores, mangueiras, cilindros hidráulicos,
válvulas e conexões), cabine, painel de instrumentos de comando.

2.2 Para os Relatórios de Inspeção Diária


O checklist das atividades de inspeção diária varia de acordo com o mo-
delo e fabricante do equipamento. Em regra, deve abranger:
• Nível de fluidos: óleo de motor, água do radiador e óleo hidráulico
• Luzes de alerta, equipamentos de segurança e instrumentos: rodas/
aros/pneus, sistema de freio, dispositivos de iluminação e refletores,
dispositivos de acoplamento, inspeção de reboque, mecanismo de di-
reção, buzina, retrovisores, equipamentos de emergência, limpador
de para-brisa, instrumento de painéis e guincho

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist
• Danos na estrutura, lança e pneus: inspeção visual do veículo acer-
ca de danos que possam ter acontecido; cheque e calibragem dos
pneus e remoção de qualquer material estranho na banda de roda-
gem; inspeção das roldanas do moitão e da ponta da lança; inspeção
do indicador do ângulo da lança; verificação das condições dos cabos
de aço.

2.3 Para o Teste de Operação


O checklist das atividades para o teste de operação deve incluir, no mínimo:
• Checagem da operação das patolas
• Abaixamento e suspensão da lança
• Abaixamento e suspensão do moitão
• Extensão e recolhimento da lança
• Extensão e recolhimento do telescópio
• Inspeção no local de trabalho (inspeção pré-operacional):
-- Inspeção das condições e segurança de todos os anéis de pressão,
prendedores, pinos, porcas, suportes das caçambas e cestas;
-- Inspeção quando há vazamento ao redor da unidade hidraúlica, de
mangueiras, válvulas, cilindros e bomba;
-- Verificação das condições do terreno para apoio da patolas.
• Inspeção a ser realizada ao chegar no pátio/estacionamento após o
serviço: 159
-- Inspeção visual do equipamento acerca de avarias e vazamentos;
-- Inspeção dos instrumentos;
-- Necessidade de reparos.
Procure na internet, no sítio eletrônico de fabricantes de
guindastes, e localize, nos manuais dos equipamentos,
as principais inspeções e rotinas de manutenção e sua
periodicidade.
160
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo X - Inspeção, Manutenção e Checklist

CONCLUSÃO

Aprendemos sobre a manutenção dos guindastes e conhecemos os di-


versos checklists para inspeção e manutenção do equipamento.
Já sabemos que a checagem do funcionamento da operação das patolas
é um dos itens do teste operacional.

1) Os principais papéis da atividade da manutenção são: manter, melho-


rar e postergar.
(  )  certa ( ) errada

2) Os principais modelos aplicáveis à manutenção de guindastes são:


(  )  Totalmente própria
(  )  Totalmente terceirizada
(  )  Contrato de manutenção com fornecedor do equipamento
(  )  Sistema misto
(  )  Todas as alternativas anteriores estão corretas.

3) A verificação visual do equipamento acerca de avarias e vazamentos


é um dos itens de inspeção a ser realizado ao se chegar no pátio/estaciona-
mento após a realização dos serviços de içamento e movimentação de cargas.
Anotações

(  )  certa ( ) errada


ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO XI
OPERAÇÃO E FUNCIONAMENTO
DE GUINDASTES
UNIDADE 1

CONCEITOS OPERACIONAIS
DOS GUINDASTES
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta primeira unidade, abordaremos os conceitos operacionais
dos guindastes, iniciando por entender como funciona o equipamento,
passando pelos aspectos relacionados à carga e capacidade, e por fim
com a compreensão do conceito de momento de carga.

OBJETIVOS

Os objetivos desta primeira unidade são:


• Apresentar o funcionamento do guindaste.
• Mostrar os aspectos relacionados à carga e capacidade dos guindastes.
• Conhecer o conceito de momento de carga.

INTRODUÇÃO

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais
Para realizar as operações de içamento e movimentação de cargas de
forma eficiente e segura, é fundamental que o Operador conheça alguns con-
ceitos básicos operacionais.
Tais conceitos permitirão aos operadores realizarem suas atividades de
forma correta, permitindo um melhor aproveitamento do equipamento.

DESENVOLVIMENTO

1. O Funcionamento do Guindaste

O funcionamento de um guindaste depende de uma relação matemática


entre a força utilizada no cabo de aço e o ângulo em que se encontra a carga
a ser erguida.
A segurança de toda a operação, bem como a capacidade da máquina,
depende sempre dessa relação matemática.
Em quase todos os modelos de guindastes, a maior parte da ação de le-
vantamento de carga é executada por um ou mais cabos de aço que se enrolam
em um tambor situado dentro da superestrutura.

165
166
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais

Quando o solo é plano e firme, os guindastes de lança movimentam-se


usualmente sobre pneumáticos.
Contudo, em solos instáveis ou irregulares, é comum apoiarem-se sobre
esteiras, tais como as dos tanques militares.
O problema do equilíbrio é mais crítico nos modelos de torre, já que a
área de apoio, em regra, é menor. Nesse tipo de guindaste, a torre serve de
suporte para um braço horizontal, que se prolonga em direções opostas e em
comprimentos distintos. A extremidade mais curta do braço possui um con-
trapeso; na outra, o mecanismo de suspensão movimenta-se sobre um trole
(dispositivo deslizante com roldanas).

A capacidade de carga aumenta à medida que o trole tra-


balha mais próximo da torre central.
Anotações
2. Carga e Capacidade dos Guindastes

Anotações
Alguns conceitos são essenciais para compreendermos a questão da di-
nâmica das cargas:
• Carga Líquida Estática: é o peso real da carga, parada, a ser içada.
• Carga Bruta Estática: é o somatório de todos os pesos reais, para-
dos, que são aplicados no guindaste.
• Carga Bruta Dinâmica: é o somatório da carga bruta estática e as
cargas eventuais originadas pelo movimento da peça.

Ao levantar a peça, girar, frear, pode-se originar um


acréscimo na Carga Bruta Estática, devido à inércia e ao
movimento. Este acréscimo poderá chegar a 50 % da
Carga Bruta Estática.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais
Por isso, a aceleração, a frenagem e o giro do guindaste devem ser os
mais lentos possíveis.
• Capacidade Bruta: é a capacidade real máxima do guindaste, confor-
me sua configuração, determinada pelo seu fabricante e constante
nas Tabelas de Carga.
• Capacidade Nominal: é a capacidade expressa comercialmente pelo fa-
bricante, a qual depende de condições especiais na operação, tais como:
-- Menor comprimento da lança;
-- Menor raio de operação;
-- Operação na traseira;
-- Utilização de acessórios especiais para grandes capacidades; e
-- Maior número de passadas de cabo.
• Peso Efetivo: corresponde à força que um elemento exerce em um
sistema devido à sua posição.
Dessa forma, cada acessório do guindaste exerce sobre ele um peso efe-
tivo diferente. Assim, esse peso exercido pelos acessórios pode ser menor,
igual ou maior que seu peso real.

167
Veja os exemplos na Figura 2, abaixo.

168
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais

Na Figura 2, temos diversas situações, a saber:


• Situação A: o peso efetivo do JIB na ponta da lança e da bola-peso na
ponta do JIB é maior que seus pesos reais.
• Situação B: o peso efetivo da extensão treliçada do JIB e da bola-
-peso é maior que seus pesos reais.
• Situação C: o peso efetivo da extensão treliçada guardada na lança é
menor que o peso real.
• Situação D: o peso efetivo do moitão recolhido é menor que o peso real.

3. Momento de Carga
Anotações

O momento de carga é o produto da multiplicação da força peso pela


distância do ponto de apoio até a aplicação do peso.
São unidades usuais para o momento de carga: t.m (tonelada metro) ou
kg.cm (quilograma centímetro).
3.1 LOAD MOMENT INDICATOR (LMI) / Indicador de Momento de Carga

Anotações
O Indicador de Momento de Carga é o instrumento incorporado ao guin-
daste que permite configurar e operar o equipamento em função de algumas
informações, a saber:
• Raio de Operação;
• Comprimento da lança;
• Peso real (carga bruta ou líquida);
• Número de passadas de cabo;
• Contrapeso;
• Velocidade do vento; e
• Força da Sapata.
Por isso, o Operador de Guindaste tem que conhecer as Tabelas de Carga
para aplicar no LMI. O LMI alerta o Operador quando o guindaste se aproxima
de situações inseguras com alarmes audiovisuais e bloqueia a operação no
caso de atingir os limites.
Em alguns sistemas de LMI, é possível configurar os limites conforme a
exigência da operação.
O centro de gravidade corresponde ao ponto de equilíbrio, ou seja, onde

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais
está determinada a resultante total das massas de um objeto.
É importante observar que, dependendo da geometria da peça, o centro
de gravidade pode localizar-se fora do objeto.

Para toda operação com um guindaste, o içamento deve


ser feito pelo centro de gravidade da carga. Isso faz com
que as forças necessárias para o içamento sejam igual-
mente distribuídas no guindaste.

CONCLUSÃO

Aprendemos, nesta unidade, sobre o entendimento do funcionamento


do guindaste, aspectos relacionados à carga e capacidade, e o conceito de
momento de carga.
Assimilamos, por exemplo, que o Indicador de Momento de Carga é o
instrumento incorporado ao guindaste que permite configurar e operar o equi- 169
pamento em função de algumas informações.
170
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais

1) O problema do equilíbrio é mais crítico nos modelos de guindaste de


torre, já que a área de apoio, em regra, é menor.
(  )  certa ( ) errada

2) Peso efetivo corresponde:


(  )  à força que um elemento exerce em um sistema devido à sua po-
sição
(  )  à capacidade real máxima do guindaste, conforme sua configura-
ção, determinada pelo seu fabricante e constante nas Tabelas de Carga
(  )  à capacidade expressa comercialmente pelo fabricante, a qual de-
pende de condições especiais na operação
(  )  nenhuma das afirmativas anteriores

3) Para toda operação com um guindaste, o içamento deve ser feito pelo
centro de gravidade da carga, porque isso faz com que as forças necessárias
para o içamento sejam igualmente distribuídas no guindaste.
(  )  certa ( ) errada
Anotações
UNIDADE 2

ASPECTOS OPERACIONAIS DOS


GUINDASTES
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta segunda unidade, aprenderemos sobre os quadrantes de
operação do guindaste, entendendo a sua importância para a manuten-
ção da estabilidade do conjunto guindaste e carga. Também, falaremos
sobre a operação e configuração do raio de trabalho, comprimento da
lança e cabos.

OBJETIVOS

Os objetivos desta segunda unidade são:


• Aprender sobre os quadrantes de operação do guindaste.
• Conhecer os aspectos relacionados a raio de operação, comprimento
da lança, cabos e passadas de cabo.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas
INTRODUÇÃO

Entender como se deve operar nos quadrantes traseiro, lateral e dian-


teiro de um guindaste proporciona ao futuro Operador maior segurança em
sua atividade. Além disso, há outros aspectos como o raio de operação, com-
primento da lança e cabos que influenciam na estabilidade e segurança do
conjunto.

DESENVOLVIMENTO

1. Entendendo os Quadrantes de Operação com o


Guindaste

É importante que o Operador entenda que há variação da capacidade do


guindaste em função do quadrante de operação: quando o guindaste gira, a
distância entre o centro de gravidade e o eixo de tombamento varia.
Com isso, as capacidades de alguns guindastes são diferentes quando o
mesmo está na lateral, na traseira ou na dianteira. Observe a Figura 1, abaixo.

173
174
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas

O quadrante de operação corresponde à área ao redor do guindaste em


que pode ser realizada a operação de içamento.
A operação é diferenciada quando o Operador trabalha na dianteira, na
traseira ou nas laterais.
O tombamento do guindaste ocorre quando a relação entre a distância
do centro de gravidade do guindaste até o ponto de tombamento e a distância
do centro de gravidade da carga até o ponto de tombamento é muito pequena,
ou seja, a primeira distância é muito inferior à segunda (observe a Figura 1).

2. Raio de Operação

O centro de giro do guindaste é a distância horizontal do centro de gra-


vidade do guindaste até o centro de gravidade da carga (linha imaginária que
passa pelo moitão) com a carga elevada.
É recomendável que o Operador adote raios que constem na Tabela de
Carga com a respectiva capacidade bruta. Ao trabalhar com raios intermedi-
ários, o Operador deve usar, como referência, para determinar a capacidade
bruta, sempre o raio imediatamente superior mostrado na Tabela de Carga.
Isso dá uma margem de segurança na operação.
Anotações

Vá, no link abaixo, no Manual para Guindaste Autopro-


pelido GR-550EX, da Tadano:
http://www.tdbbrasil.com.br/wp-content/uploads/cata-
logos/GR-550EX-1-00212-EX-11.pdf.
Veja, na Tabela de Carga, como a capacidade bruta
varia em função do raio de operação.
3. Comprimento da Lança

Anotações
Comprimento da lança é aquele medido ao longo da mesma, do eixo de
articulação da base até o eixo da polia na ponta da lança.
Nos guindastes modernos, só é possível trabalhar com comprimen-
tos de lança mostrados na Tabela de Carga, os quais são configurados
previamente pelo computador de bordo do equipamento.

Utilizando o mesmo exemplo, vá ao link abaixo, no


Manual para Guindaste Autopropelido GR-550EX, da
Tadano:
http://www.tdbbrasil.com.br/wp-content/uploads/cata-
logos/GR-550EX-1-00212-EX-11.pdf.
Veja, na Tabela de Carga, como a capacidade bruta
varia em função do comprimento da lança.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas
Nos guindastes que permitem configurar comprimentos de lança que
não constam na Tabela de Carga do equipamento, o planejador deve deter-
minar a capacidade bruta sempre pelo comprimento de lança imediatamente
superior mostrado na Tabela de Carga.
O ângulo da lança corresponde ao ângulo formado entre a lança e a
horizontal. É importante observar que algumas Tabelas de Carga apresentam
os ângulos da lança.

Ainda no Manual para Guindaste Autopropelido GR-


-550EX, da Tadano, vá ao link:
http://www.tdbbrasil.com.br/wp-content/uploads/cata-
logos/GR-550EX-1-00212-EX-11.pdf.
Veja, na Tabela de Carga, como a capacidade bruta
varia em função do ângulo da lança.

Em função da operação do guindaste, o ângulo da lança não possui pre-


cisão adequada. Isso ocorre porque, quando o guindaste está em operação, a
lança, ao estar carregada, não permanece em perfeita reta, descrevendo uma
curva. Dessa forma, recomenda-se que a configuração do guindaste seja feita
pelo seu raio de operação. 175
4. Cabos

Há que se ter em mente que é de responsabilidade do Rigger:

176 • Prever a quantidade máxima de cabo que ficará pendurada na lança


durante a operação.
• Calcular o peso do cabo.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas

• Somar o peso dos cabos na composição da carga bruta.

5. Passadas de Cabo

O centro de giro do guindaste, como já falamos, é a distância horizontal


do centro de gravidade do guindaste até o centro de gravidade da carga (linha
imaginária vertical que passa pelo centro do moitão) com a carga elevada.

Para conseguir movimentar a carga, o guindaste deve exercer uma for-


ça maior que o peso da carga. Isso ocorre porque, além da carga, existem as
forças de atrito dos cabos com as polias e, ainda, a própria rigidez dos cabos.
Anotações

Dessa forma, quanto maior for a flexibilidade do cabo utilizado no guin-


daste e menor for o coeficiente de atrito nas polias, melhor será o rendimento
de todo o sistema durante sua operação.
Anotações
Quanto menor for o número de polias existentes no guin-
daste, maior será seu rendimento.

O Operador deve ter ciência de que fica a cargo do Rigger determinar


o número de passadas de cabo e o moitão adequado para a operação a ser
executada.
É importante observar que, normalmente, os fabricantes fornecem, nos
manuais dos equipamentos, uma tabela de passadas de cabo e o moitão ade-
quado para a carga a ser içada.

Consulte, na internet, catálogos de fabricantes de guin-

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas
dastes e observe as tabelas de passadas de cabo e o tipo
de moitão recomendado.

Consulte, na internet, catálogos de fabricantes de cabos


de aço e as capacidades correspondentes para os vários
diâmetros.

CONCLUSÃO

Aprendemos, nesta unidade, sobre os quadrantes de operação do guin-


daste e sobre os aspectos relacionados a raio de operação, comprimento da
lança, cabos e passadas de cabo.
Já dominamos, por exemplo que, quanto maior for a flexibilidade do
cabo utilizado no guindaste e menor o coeficiente de atrito nas polias, melhor
será o rendimento de todo o sistema durante a operação.

177

1) O tombamento do guindaste ocorre quando a relação entre a distância


do centro de gravidade do guindaste até o ponto de tombamento e a distância
do centro de gravidade da carga até o ponto de tombamento é muito pequena.
(  )  certa ( ) errada
2) O peso dos cabos de içamento não precisam ser computados na com-
posição da carga bruta.
(  )  certa ( ) errada

178 3) Em regra, pode-se dizer que quanto menor for o número de polias
existentes no guindaste, maior será seu rendimento.
(  )  certa ( ) errada
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas
Anotações
UNIDADE 3

CONDIÇÕES BÁSICAS PARA


OPERAÇÃO DOS GUINDASTES –
PARTE 1
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta terceira unidade, apresentaremos os elementos importan-
tes a serem considerados na operação com guindastes. Verificaremos
desde a importância do estabelecimento de um plano de rota, até os
procedimentos adequados para a atividade de içamento e movimenta-
ção de cargas.

OBJETIVOS

Os objetivos desta unidade são:


• Apresentar os elementos importantes na operação com guindastes.
• Mostrar os principais procedimentos na operação com guindastes.

INTRODUÇÃO

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas
Antes de realizar qualquer tipo de operação com o guindaste, o Operador
deve estar consciente de que foram tomados cuidados com o planejamento e
preparação da atividade. Isso inclui a verificação do plano de rota, da operação
conjunta com outros equipamentos e a segurança da área de carregamento.

DESENVOLVIMENTO

1. Elementos Importantes na Operação com Guindas-


tes

1.1 Plano de Rota


Toda movimentação de carga deverá ser precedida de um Plano de Rota
envolvendo o Supervisor Técnico, o Operador de Guindaste, o responsável
pela execução do içamento (rigger) e demais colaboradores, para que os en-
volvidos tenham consciência dos riscos da carga suspensa e para que os pos-
síveis problemas na sua movimentação sejam resolvidos antes do içamento,
tais como: passagem obstruída, interferência acima, abaixo, e com o próprio
guindaste, e espaço limitado para a movimentação da peça.

1.2 Operação Conjunta com Outros Equipamentos


181
Outros equipamentos de construção não deverão ser operados junto a
guindastes quando:
• Dentro da área de carregamento;
• Debaixo do raio de giro no momento da movimentação; e
• Dentro do isolamento da área de montagem.
182
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas

1.3 Área de Carregamento


A área de carregamento deve estar preparada para a operação, obser-
vando-se:
• O trânsito de pessoas debaixo da carga içada deve ser proibido, uma
vez que existe o perigo de serem atingidas pela carga que está sendo
levantada ou em uma possível queda por falha do equipamento ou na
amarração.
• A passagem de colaboradores não autorizados na área de carrega-
mento também deve ser proibida, exceto aqueles que estão envolvi-
dos na operação (rigger, colaboradores responsáveis pela amarração
e verificação das cargas). Colaboradores não envolvidos somente po-
dem circular nas áreas externas à área isolada.
• O isolamento da área de trabalho deve ser feito com cavaletes e cor-
rentes zebradas.

1.4 Condições de Trabalho para Atividades de Içamento e Movimentação de Cargas


O Operador de Guindaste deve estar ciente acerca das recomendações
básicas nas atividades de içamento e movimentação de cargas, a saber:
• Não é recomendável atividades com guindastes quando houver falta
de visibilidade, como, por exemplo, a existência de neblina.
Anotações

Da mesma monta, também não é recomendável atividades


com guindastes quando houver chuvas.
• Quando houver ventos excessivos, não se devem realizar as opera-

Anotações
ções de içamento, uma vez que estas podem desestabilizar e deslocar
a carga e causar acidentes. Com ventania forte, a lança deverá estar
posicionada na direção do vento e, neste momento, não deverá ser
içada a carga, principalmente aquelas de grande superfície lateral ex-
posta ao vento. Se a peça estiver no alto, deve-se colocar a lança no
alcance máximo, evitando que a peça, ao balançar ou girar pela ação
do vento, venha a atingi-la.
• Havendo descargas elétricas atmosféricas, não se recomendam as
atividades com guindastes. Se estiver trovejando, o Operador deve
parar a operação, retrair e abaixar totalmente a lança. Os colabora-
dores deverão ser retirados das áreas próximas das estruturas metá-
licas e devem ser verificados os aterramentos.
• O Operador não deve operar o guindaste com o ângulo da lança no
limite. E deve considerar a flexão da lança ao levantar a carga no raio
de trabalho.
• O gancho de carga não deve ser baixado até assentar no chão ou na
carga, porque pode acarretar o afrouxamento do cabo de içamento.
• De acordo com a peça a ser içada, os acessórios — tais como cabos,

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas
manilhas e cintas — deverão ser dimensionados de acordo com as
recomendações dos fabricantes para a correta amarração da carga.
• Quando a peça for descida da carreta para ser preparada para o seu
içamento, deverá ser usado calço de madeira entre o piso e a peça,
evitando o prensamento de partes de membros inferiores e superiores.

Quando a carga for levantada do solo, o Operador deve


verificar a condição de estabilidade e segurança.

• Não se devem realizar:


-- Içamento com carga fixada no solo;
-- Içamento inclinado;
-- Arrastamento de cargas sobre o solo ou em outra condição;
-- Dobrar o cabo de carga ao redor da peça;
-- Tracionar lateralmente a lança;
-- Apoiar o contrapeso do guindaste com outra máquina, procurando
com isso aumentar a capacidade e a estabilidade; e 183
-- Operar um guindaste com suas rodas no chão ou superfície de tra-
balho, a não ser que esteja corretamente firmado e nivelado com
patolas.
1.5 Operação de Giro do Guindaste
De acordo com vários fabricantes de equipamentos, algumas regras são
fundamentais para serem observadas pelo Operador ao se realizar o giro do
guindaste:
184 • Observar qual é o melhor lado para o giro da lança;
A área do raio de giro deverá ser evacuada para garantir que esteja
livre e não haja pessoas durante todo o deslocamento da peça. O
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas

Operador deve acionar a sirene ou buzina para alertar as pessoas e


evacuar a área de giro.
• O giro rápido do guindaste faz com que a carga saia do raio pré-
-estabelecido de giro.

O aumento do raio de giro pode virar uma máquina. O mes-


mo poderá acontecer com lanças de longo comprimento,
com ou sem cargas, quando giradas rapidamente. Lembre-
-se, quanto maior a velocidade do giro, maior a inércia, ou
seja, maior a dificuldade de parar a carga e evitar o balanço.

• Ao girar o equipamento, considere o giro adicional da lança devido à


sua inércia e à influência do vento.
• Com o trabalho de mais de um guindaste, a interseção nas áreas de
giro dos vários equipamentos deve ser evitada. Caso haja necessida-
de de qualquer interseção, o Plano de Içamento e Movimentação de
Carga deve apresentar a sequência operacional a ser executada. E
a operação deve, em regra, ser realizada na presença do Supervisor
Técnico.
Anotações
CONCLUSÃO

Anotações
Aprendemos, nesta unidade, os elementos importantes a serem consi-
derados na operação com guindastes, bem como os principais procedimentos
adequados para as atividades de içamento e movimentação de cargas.
Assimilamos, por exemplo, que a área do raio de giro deverá ser evacu-
ada para garantir que esteja livre e não haja pessoas durante todo o desloca-
mento da peça a ser içada.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas
1) O Operador pode realizar atividades de içamento e movimentação de
cargas quando houver falta de visibilidade, como, por exemplo, a existência de
neblina, e com chuvas intensas.
(  )  certa ( ) errada

2) Na operação de içamento e movimentação de cargas, não são proce-


dimentos recomendáveis ao Operador do Guindaste:
(  )  Içamento inclinado
(  )  Arrastamento de cargas sobre o solo ou em outra condição
(  )  Dobragem do cabo de carga ao redor da peça
(  )  Todas as alternativas anteriores

3) O aumento do raio de giro pode virar uma máquina. O mesmo poderá


acontecer com lanças de longo comprimento, com ou sem cargas, quando gi-
radas lentamente.
(  )  certa ( ) errada

185
UNIDADE 4

CONDIÇÕES BÁSICAS PARA


OPERAÇÃO DOS GUINDASTES –
PARTE 2
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta quarta unidade, aprenderemos sobre os cuidados na área de mon-
tagem e de descarga, englobando a necessidade de isolamento e a preocupa-
ção com a segurança dos trabalhadores envolvidos, dos equipamentos e da
carga. Também, abordaremos os procedimentos operacionais com os outros
sistemas que compõem o guindaste, tal como o motor de combustão interna.

OBJETIVOS

Os objetivos desta unidade são:


• Aprender sobre os cuidados na área de montagem e de descarga.
• Conhecer os cuidados operacionais com outros sistemas do guindaste.

INTRODUÇÃO

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas
Operar o guindaste não é apenas saber manusear os seus recursos. Signifi-
ca, também, manter uma atenção constante em tudo que ocorre à volta do equi-
pamento, desde a segurança dos trabalhadores envolvidos até aquela da carga.
Além do motor do equipamento, o Operador deve estar antenado à fun-
cionalidade correta dos sistemas de proteção, de freios, cabos e demais aces-
sórios de içamento. Icemos (elevemos) nosso conhecimento!

DESENVOLVIMENTO

1. A Área de Montagem e de Descarga

O Operador de Guindaste deve estar atento aos procedimentos a serem


realizados na área de montagem e de descarga:
• O isolamento da área de montagem deve ser realizado com cordas
ou correntes zebradas e placas alertando para o risco de queda de
materiais, conforme as normas regulamentadoras do MTE.
• Os trabalhadores sobre estruturas elevadas, que participam da monta-
gem, devem estar equipados com equipamentos de proteção individu-
al (EPI), tais como capacete e cinto de segurança, devidamente espe-
cificados pelo profissional da área de segurança e saúde do trabalho.
• Os vidros da cabine de comando do guindaste devem ser mantidos 189
limpos. Em caso de ofuscamento pelo sol, o operador deverá usar
óculos escuros de proteção, conforme especificado por profissional
da área de higiene e segurança do trabalho.
• A carga deve ser descida lentamente e a sua descida deve ser inter-
rompida quando estiver a cerca de 3 metros do local de montagem.
A partir daí, descer e pousar a carga mais devagar colocando-a na
posição de montagem.
• Normalmente, o posicionamento da carga até o ponto de montagem
é realizado por meio de corda que lhe é amarrada.

190 Caso seja necessário tocar com as mãos na carga, é


recomendável que isso seja feito apenas no momento
do ajuste final, evitando-se os pontos de prensamento
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas

ou de risco de esmagamento.

• Os cabos de sustentação da carga devem ser afrouxados somente


quando a peça estiver totalmente aparafusada.
• É recomendável que os montadores somente se aproximem da peça
a ser montada após o Operador tê-la posicionado adequadamente.
• O Operador não deve deixar a carga suspensa e abandonar a cabine
de comando do guindaste. Se tiver que sair da cabine, deve depositar
a carga no solo e desligar o motor.
• Na iminência de tombamento do guindaste:
Anotações

O Operador deve iniciar, o quanto antes, o abaixamento da


carga e levantar a lança para trazer a carga mais próxima
do guindaste.
2. Cuidados Operacionais com outros Sistemas do

Anotações
Guindaste

Na operação do equipamento, o Operador também deve estar atento às


condições de trabalho de outros sistemas do guindaste.

2.1 Proteções Mecânicas


Elementos tais como correias, engrenagens, eixos, polias, dentes de
roda, fuso, tambores, volantes, correntes e outras partes móveis dos equipa-
mentos deverão ser protegidos quando expostos ao contato com operadores
ou quando constituírem um risco.

2.2 Motores de Combustão Interna


Os seguintes cuidados devem ser tomados em relação aos motores de
combustão interna:
• Quando os motores de combustão interna lançarem sua descarga em

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas
espaços confinados, uma ventilação positiva deve ser instalada para
a retirada dos gases de escape.
• Também, de acordo com as normas regulamentadoras do MTE, de-
vem ser realizados testes para assegurar a inexistência de concentra-
ções prejudiciais de gases tóxicos ou ambientes com insuficiência de
oxigênio. Os laudos de tais testes devem ser arquivados na empresa.
• Os escapamentos dos motores devem estar protegidos nas áreas em
que possa haver contato com os colaboradores durante a execução
de suas atividades.

2.3 Freios
Para se configurarem em condições operacionais, os sistemas de freios
devem apresentar:
• Para cada unidade do guincho do guindaste, deve haver pelo menos um
freio automático, denominado freio de retenção, aplicado diretamente
ao eixo do motor ou a alguma parte no conjunto de engrenagem.
• Cada guincho do guindaste deve ser equipado com um sistema de
freios para evitar excesso de velocidade, além do freio de retenção, à
exceção dos guinchos com engrenagem helicoidal, em que o ângulo
da rosca helicoidal impede a carga de acelerar na direção de descida.
• O sistema de freios de retenção para motores do guincho deve ser ins-
pecionado periodicamente, de acordo com as instruções do fabricante.

191
2.4 Sistema de Freio de Controle
O sistema de controle de energia regenerativo — também denominado
dinâmico ou contratorque —, deve ser capaz de manter velocidades seguras de
descida das cargas nominais.
O sistema de controle de freio deve ter ampla capacidade térmica para a
frequência de operações exigida pelo serviço. Por isso, é importante operar o
equipamento de acordo com as instruções do fabricante.
2.5 Proteção para Cabos de Içamento
Deve haver proteção para os cabos de içamento caso corram perto de
outras partes do equipamento em que possa haver atrito.
Além disso, para os cabos de içamento, devem ser seguidas as recomen-
192 dações do fabricante do guindaste.
O sistema de soquetes (fixação do cabo à manilha) deve ser realizado da
maneira especificada pelo fabricante do equipamento.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas

2.5 Roldanas
As superfícies das roldanas devem ser lisas e livres de defeitos que pos-
sam causar danos aos cabos.
Roldanas que levam cabos que podem ser temporariamente descarrega-
dos devem ser providas de protetores ou guias, ou outros dispositivos apro-
priados, para guiar o cabo de volta para a ranhura quando a carga for aplicada
novamente.

CONCLUSÃO
Anotações

Aprendemos, nesta unidade, sobre os cuidados na área de montagem e


de descarga. Além disso, conhecemos os cuidados operacionais com outros
sistemas do guindaste.
Agora, sabemos, por exemplo, que o sistema de freios de retenção para
motores do guincho deve ser inspecionado periodicamente, de acordo com as
instruções do fabricante.
Anotações
1) Ao perceber que o guindaste pode tombar, o Operador deve iniciar,
o quanto antes, o abaixamento da carga e da lança para trazer a carga mais
próxima do guindaste.
(  )  certa ( ) errada

2) Para cada unidade do guincho do guindaste, deve haver pelo menos


um freio automático, denominado freio de retenção, aplicado diretamente ao
eixo do motor ou a alguma parte no conjunto de engrenagem.
(  )  certa ( ) errada

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XI - Higiene e Segurança das Cargas
3) Roldanas que levam cabos que podem ser temporariamente descar-
regados devem ser providas de protetores ou guias, ou outros dispositivos
apropriados, para guiar o cabo de volta para a ranhura quando a carga for
aplicada novamente.
(  )  certa ( ) errada

193
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

PRONATEC
PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO
ENSINO TÉCNICO E EMPREGO

SUBMÓDULO XII
PRÁTICAS OPERACIONAIS
UNIDADE 1

PRÁTICAS OPERACIONAIS –
PARTE 1
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta primeira unidade, apresentaremos a primeira parte referente às prá-
ticas operacionais rotineiras e aos procedimentos seguros para sua execução.

OBJETIVOS

Os objetivos desta primeira unidade são:


• Apresentar as práticas operacionais rotineiras.
• Mostrar os procedimentos seguros a serem utilizados nas práticas
operacionais rotineiras.

INTRODUÇÃO

A ação de entrar e sair do guindaste pode ser considerada simples, mas,


até para isso, existem algumas recomendações de segurança.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais
Também, conheceremos como realizar a telescopagem, como manter a
concentração no trabalho, os procedimentos de içamento, o risco de tomba-
mento e sobre o contato entre o moitão ou a bola-peso com a lança.

DESENVOLVIMENTO

1. Entrando e Saindo do Guindaste

Os guindastes são equipados com escada, de modo a facilitar o


acesso à cabine de operação.
O Operador deve subir no equipamento de frente, e mantendo
sempre três pontos de contato.
O cinto de segurança é imprescindível quando estiver dirigindo o
guindaste.
Exceto em caso de emergência, nunca pule do equipamento, sob
pena de causar sério acidente.

2. Como realizar a Telescopagem


199
Por meio da utilização de válvulas sequenciais, a maioria dos guindastes
modernos que possuem lança telescópica estendem a lança simultaneamente
com o uso de uma só alavanca. Alguns equipamentos – principalmente os do
tipo AT (All Terrain / Todo Terreno) – possuem somente um cilindro telescópico, o
qual trabalha subindo e descendo as seções da lança tal qual uma vara de pescar.
Em guindastes em que a sequência de telescopagem não é automática,
deve ser consultado o manual do fabricante, a fim de familiarizar o Operador
com o procedimento correto.

200
Um erro na telescopagem pode resultar em empena-
mento da lança ou instabilidade do guindaste.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais

3. Mantendo a Concentração no Trabalho

O Operador deve sempre manter a atenção enquanto estiver ope-


rando o guindaste. Sua segurança e a segurança dos demais envolvidos
dependem de constante atenção no trabalho.
O Operador deve obedecer somente a um rigger sinaleiro. Exceção é o
sinal de parada, que deve ser obedecido independente de quem o fez.
Anotações

4. Procedimentos para Içamento

O Operador deve assegurar-se, antes de iniciar a operação de iça-


mento, de que:
• As condições do tempo estejam boas (sem ventos fortes nem chuvas);
• As pernas do cabo que saem do moitão não estejam torcidas;
• O cabo de carga não esteja dobrado;

Anotações
• O cabo esteja assentado corretamente no sulco dos tambores e rol-
danas;
• O guindaste esteja devidamente nivelado e bloqueado para não an-
dar;
• A área de operação esteja livre de obstruções e pessoal;
• A carga esteja bem presa e balanceada na lingada ou acessório de
içamento.
Durante a operação de içamento, o Operador deve evitar partidas
e paradas repentinas. Isso pode causar um carregamento dinâmico e
avariar o guindaste.

5. Risco de Tombamento

Quando o guindaste começa a inclinar-se, o raio de operação au-


menta. Com isso, o centro de gravidade da carga se afasta do eixo de
tombamento e o centro de gravidade do guindaste se aproxima do eixo
de tombamento.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais
Isso acelera a taxa de tombamento e coloca o Operador em situ-
ação de risco, visto que não haverá condições de reverter a situação.
O tombamento de um guindaste telescópico pode ocorrer mais rá-
pido que em outros tipos de guindaste devido ao peso próprio de sua
lança.
O Operador deve ter em mente que um guindaste pode falhar es-
truturalmente antes de tombar. Logo, não deve aguardar por sinais de
tombamento como uma indicação de capacidade máxima do equipa-
mento para realizar o içamento.

Quando um guindaste começa a tombar, é muito provável


que esteja com sobrecarga, e danos estruturais podem
ocorrer.

201
202
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais

6. Contato entre o Moitão ou a Bola-Peso com a Lança

A ocorrência de “engolir o moitão ou a bola-peso” acontece quando o


moitão ou a bola-peso entram em contato com as roldanas da cabeça de lança
ou do JIB do guindaste. Essa ocorrência pode fazer com que o cabo se rompa,
e o moitão ou a bola-peso caiam.
Para evitar que o moitão ou a bola-peso sejam engolidos, os guindastes
modernos possuem um dispositivo que, automaticamente, bloqueia a opera-
ção do equipamento quando da aproximação do moitão ou da bola-peso da
cabeça da lança ou do JIB.

CONCLUSÃO

Vimos, nesta unidade, algumas práticas operacionais, tais como: entrar


e sair do guindaste, realizar a telescopagem, manter a concentração no traba-
lho, procedimentos de içamento, o modo de evitar o risco de tombamento e de
impedir o contato entre o moitão ou a bola-peso com a lança.
Já sabemos, por exemplo, que quando um guindaste começa a tombar é
muito provável que esteja com sobrecarga e danos estruturais podem ocorrer.
Anotações
Anotações
1) Nos guindastes em que a sequência de telescopagem não é automáti-
ca, deve ser consultado o manual do fabricante, a fim de o Operador se fami-
liarizar com o procedimento correto:
(  )  certa ( ) errada

2) Marque V (verdadeiro) ou F (falso). O Operador deve assegurar-se,


antes de iniciar a operação de içamento, de que:
(  )  As condições do tempo estejam boas (sem ventos forte nem chu-
vas).
(  )  As pernas do cabo que saem do moitão não estejam torcidas.
(  )  O cabo de carga não esteja dobrado.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais
(  )  O cabo esteja assentado corretamente no sulco dos tambores e
roldanas.

3) O tombamento de um guindaste telescópico pode ocorrer mais rápido


que em outros tipos de guindaste devido ao peso próprio de sua lança.
(  )  certa ( ) errada

203
UNIDADE 2

PRÁTICAS OPERACIONAIS –
PARTE 2
APRESENTAÇÃO

Anotações
Nesta segunda unidade, vamos seguir conhecendo mais práticas ope-
racionais, incluindo os procedimentos seguros para se realizar uma operação
com a maior eficiência possível.

OBJETIVOS

Os objetivos desta segunda unidade são:


• Continuar apresentando as práticas operacionais rotineiras.
• Mostrar mais procedimentos de segurança a serem utilizados nas
práticas operacionais rotineiras.

INTRODUÇÃO

Agora, vamos conhecer procedimentos importantes relacionados às prá-

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais
ticas operacionais de instalação do cabo de aço e seu afrouxamento, de como
andar com o guindaste, de pernoite do guindaste, de como evitar danos e o
colapso da lança para trás.

Icemos nosso conhecimento.

DESENVOLVIMENTO

1. Instalação do Cabo de Aço

Em todos os tambores de carga e lança, o cabo de aço deve ser enrolado


de maneira uniforme e justa.

Há risco de o cabo de aço ser danificado na instalação se


não for corretamente enrolado no tambor.

207
Se ocorrer um enrolamento não uniforme do cabo de aço no tambor,
pode ocorrer um “tranco” na carga, dano no cabo de aço, bem como no eixo
do motor.
2. Afrouxamento do Cabo de Aço

O afrouxamento do cabo de aço pode ser causado por:

208 • A bola-peso é muito leve: à medida que a bola-peso é levantada, a


massa da bola-peso pode ser insuficiente para contrabalançar a força
do guincho, tornando o cabo frouxo ou até empurrando-o para fora
do tambor.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais

• Se a carga já estiver apoiada no solo e o Operador abaixar demais o


cabo.

3. Andando com o Guindaste

Antes de o Operador andar na obra com a carga, deve ser designado um


responsável para acompanhar a operação.
Alguns itens precisam ser considerados nas operações de andar com a
carga içada:
• Comprimento e posição da lança;
• Proximidade da carga ao chassi do guindaste e ao chão;
• Condição de resistência do solo no caminho que será percorrido;
Anotações

• Velocidade;
• Pressão e estado dos pneus; e
• Evasão de terrenos inclinados.
4. Andando com o Guindaste de uma Obra a outra

Anotações
Quando o Operador for trafegar com o guindaste de uma obra a outra,
deve verificar se:
A lança está em posição de viagem;
O freio do giro da lança está engatado e a estrutura superior do guindas-
te (upper) pinado;
O moitão está preso; e
As patolas estão travadas.

5. Guindaste sem o Operador

Se a operação é frequentemente interrompida, o Operador poderá sair


da cabine observando se:
• A carga está devidamente apoiada;
• O guindaste está travado contra deslocamento acidental;

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais
• Todos os freios e travas estão aplicados;
• O motor está desligado; e
• O guindaste permanece no campo de visão, e o pessoal não envolvi-
do na operação está com acesso restrito.

6. Pernoite do Guindaste

Quando o Operador deixar o guindaste pernoitar, deverá seguir certos


procedimentos:
• Colocar a carga no solo;
• Recolher a lança ou abaixar;
• Se o guindaste estiver patolado, mantê-lo;
• Aplicar todos os freios e travas;
• Desligar o motor; e
• Trancar todas as portas e compartimentos.

7. Evitando Danos à Lança

O Operador deve estar atento para que a lança do guindaste não esbarre 209
em estruturas próximas. Essa ocorrência pode amassar, empenar o tubo da
lança e até dobrá-la.
Um dano, por menor que seja, pode enfraquecer seria-
mente a lança e resultar em seu colapso total.

210
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais

Se a lança abalroar alguma estrutura, o Operador não deverá abaixá-la.


Deverá chamar o Supervisor Técnico para inspecionar se houve algum dano.
Se a lança estiver danificada, um segundo guindaste pode ser necessário para
auxiliar na descida da lança.
Se a carga esbarrar na lança, também poderá danificá-la. Por isso, o
Operador deve manter distância suficiente entre a carga e a lança, usando,
por exemplo, tag lines (cordas-guias).

8. Colapso da Lança para Trás


Anotações

O Operador deve lembrar-se de que nem sempre os topadores ou limita-


dores de lança são projetados para evitar o colapso da lança para trás.
O Operador deve assegurar-se de que o tambor da lança seja desativado
antes de a lança encostar nos topadores.
O maior risco de a lança ser tombada para trás é quando o ângulo for-
mado pela linha de centro do moitão e a lança for o mesmo formado pelo cabo
de lança e a lança. Quanto mais pesada a carga, maior é o risco.
CONCLUSÃO

Anotações
Vimos, nesta unidade, os procedimentos importantes relacionados às
práticas operacionais de instalação do cabo de aço e seu afrouxamento, de
como andar com o guindaste, de pernoite do guindaste, e de como evitar da-
nos e o colapso da lança para trás.
Já sabemos, por exemplo, que o Operador deve manter distância sufi-
ciente entre a carga e a lança, usando, por exemplo, tag lines (cordas-guias).

1) Marque V (verdadeiro) ou F (falso). Para trafegar com a carga içada, o


Operador deve estar atento a:

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Submódulo XII - Práticas Operacionais
(  )  Comprimento e posição da lança
(  )  Proximidade da carga ao chassi do guindaste e ao chão
(  )  Condição de resistência do solo indiferente
(  )  Pressão e estado dos pneus
(  )  Evasão de terrenos inclinados

2) São procedimentos que o Operador deve seguir quando deixar o guin-


daste pernoitar:
• Colocar a carga no solo.
• Recolher a lança ou abaixar.
• Se o guindaste estiver patolado, mantê-lo.
• Aplicar todos os freios e travas.
• Todas as alternativas anteriores estão corretas.

3) Se a lança abalroar alguma estrutura, o Operador deve abaixá-la o


mais rápido possível, para evitar o risco de queda da carga.
(  )  certa ( ) errada

211
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABNT — Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 14768 — Guindastes —


Guindaste articulado hidráulico — Requisitos. Rio de Janeiro, 2012.
212
__________________________________________. NBR 7557 – Guindaste de
pneus. Rio de Janeiro, 1982.
Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Referências Bibliográficas

__________________________________________. NBR ISO 2408 – Cabos de aço


para uso geral — Requisitos mínimos. (Versão Corrigida 2:2009). Rio de Janei-
ro, 2008.
__________________________________________. NBR ISO 8813 – Máquinas ro-
doviárias — Capacidade de levantamento de assentadores de tubos e pás-car-
regadeiras ou tratores de rodas equipados com lança lateral. Rio de Janeiro,
2001.
__________________________________________. NBR 11436 – Sinalização ma-
nual para movimentação de carga por meio de equipamento mecânico de ele-
vação — Procedimento. Rio de Janeiro, 1988.
__________________________________________. NBR 9974 – Talhas de cabo
com acionamento motorizado — Especificação. (Versão Corrigida: 2005). Rio
de Janeiro, 1987.
__________________________________________. NBR ISO 4309 – Equipamen-
tos de movimentação de carga — Cabos de aço — Cuidados, manutenção, insta-
lação, inspeção e descarte. Rio de Janeiro, 2009.
__________________________________________. NBR ISO 8400 – Cálculo de
equipamento para levantamento e movimentação de cargas — Procedimento.
(Errata 3: 1987). Rio de Janeiro, 1984.
CAMPBELL, D. H. Guindastes Móveis Hoje. São Paulo, 2004.
FILHO, C. Princípios Básicos de Segurança na Operação com Guindastes. São
Paulo, 2008.
GONÇALVES, C. R. Direito Civil Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2014.
GONÇALVES, E. A.; GONÇALVES, J. A. A. Segurança e Saúde no Trabalho —
2000 Perguntas e Respostas. São Paulo: LTR, 2013.
JUSBRASIL. Disponível em: <www.jusbrasil.com.br>. Acesso em maio, 2014.
MILANELLI, E.; OLIVEIRA, C. A. D.; SCALDELAI, A. V. Manual Prático de Saúde
e Segurança do Trabalho. Yendis, 2012.
NUNES, F. O. Segurança e Saúde no Trabalho. São Paulo: Método, 2013.
NUSSENZVEIG, H. M. (2013) Curso de Física Básica. São Paulo: Edgard Blucher.
MONTENEGRO, I. Excelência Operacional. São Paulo: Sobratema, 2013.
MTE — Ministério do Trabalho e Emprego. Disponível em: <www.mte.gov.br>.
Anotações

Acesso em mar., 2014.


MTECBO — Ministério do Trabalho e Emprego – CBO. Disponível em: <www.mte-
cbo.gov.br>. Acesso em mar., 2014.
OETIO — Operating Engineers Training Institute of Ontario. Disponível em:
<www.oetio.com>. Acesso em mar. 2014.
PACCOLA, J. E. Manutenção e Operação de Equipamentos Móveis. Sobratema, 2011.
PERUZZO, J. (2012) Experimentos de Física Básica Mecânica. Livraria da Física.
REIS, S. F. Conversando com a Máquina. São Paulo: Sobratema, 2007.

Anotações
SOARES, P. T.; FERRARO, N. G. (2013) Física Básica. São Paulo: Atual.
TADANO. Manual para Guindaste Autopropelido GR-550EX. Disponível em:
<www.tdbbrasil.com.br>. Acesso em abr. 2014.
VELOSO, N. Gerenciamento e Manutenção de Equipamentos Móveis. Sobrate-
ma, 2009.
VENOSA, S. S. Direito Civil. São Paulo: Atlas, 2014.
XCMG — Manual de Operação do Chassi Especial de Guindaste de Caminhão.
São Paulo, 2008.

Módulo Específico Operador de Guindaste - Programa PRONATEC Referências Bibliográficas

213