Você está na página 1de 13

MÓDULO 06 – FOLHA DE PAGAMENTO

AULA 05 – Diferença de Férias


Diferença de Férias
Através deste processo são calculadas as diferenças de férias, ocasionada por algum
aumento salarial ou devido à variação de médias.
A diferença é calculada verificando a data do aumento salarial (existente no histórico
salarial) e todos os períodos de gozo posteriores a esta data.
Somente é permitido o cálculo da diferença de férias quando as mesmas estão
lançadas.
Antes do processamento da diferença é fundamental verificar as parametrizações do
sindicato (Médias, Eventos para Diferença, etc).
Para encontrar o valor da diferença é calculado novamente os eventos do período
informado e subtraído os valores já pagos dentro deste período, verificando a tabela
PFVERBASDIS (eventos de diferenças) se houve alguma diferença paga neste
período.
Sendo o procedimento interno do sistema:
1 - Recalcular as férias;
2 - Comparar os valores encontrados com os valores pagos no recibo de férias;
3 - Quando o valor encontrado é maior que o valor calculado no recibo, é lançado o
valor da diferença;
4 - Os valores são dispostos em eventos específicos de diferença e lançados
automaticamente para o envelope.
Conceito e Procedimento das diferenças
Competência 01/2016
Cálculo da diferença período 01/09/2015 a 30/09/2015
Início gozo das férias: 18/09/2015
Histórico Salarial
Data Processamento Data Mudança Salário
20/05/2013 01/04/2013 1.000,00
01/08/2014 01/05/2014 1.050,00
01/08/2014 02/05/2014 1.100,00
01/10/2015 01/07/2015 1.200,00
01/01/2016 01/01/2016 1.300,00
Ao calcular a diferença é verificada a data de processamento que tem a data >
(MAIOR) do que o início do gozo das férias, para saber o dia em que foi aplicada a
alteração na base de dados.
Dentro deste filtro verifica a data de mudança que tem a data <= (MENOR OU
IGUAL) do que a data de fim de gozo.
No exemplo acima é utilizado o salário R$1.200,00 para o cálculo da diferença.
Sempre que existir evento utilizando variável de fórmula contendo parâmetros MÊS e
ANO (mesmo quando este parâmetro é interno, como por exemplo a variável SM
(retorna salário mínimo)), é considerado o MES e ANO da época da diferença.
Exemplo I:
O salário mínimo de 2012 é de R$500,00 e em 2013 foi ajustado para R$600,00.
Caso a competência atual da base seja 2013, e a diferença processada é referente a
2012, se existir uma fórmula que utilize a variável SM, é considerado o valor de 500,00
para o salário mínimo.
Exemplo II:
Um evento tem a fórmula HANT
(MTDATA(DIADT(ULTDIAMES(MTDATA(01,MES,ANO))), MES,ANO) ), quando
processar uma diferença retroativa, o MES e ANO será da época da diferença.
Exemplo de outras variáveis: MV, C, MH, etc.
O parâmetro 'Zera evento de diferença quando o valor for negativo' existente
em Configurações | Parametrizador | Folha Normal | Cálculo é verificado apenas no
recálculo do envelope original, ou seja, o valor é zerado somente quando um evento
que constava no envelope original fica com valor negativo após o novo recálculo.
Exemplo:
Considerando que o funcionário recebeu um evento utilizando a fórmula:
SE RC<1600 ENTAO 100 SENAO 50 FIMSE
Salário inicial: R$1.500,00
Envelope Inicial
Cod. Descrição Evento Valor
0001 Salário 1.500,00
2033 Desconto 100,00 (calculado pela formula acima)
Alterado o salário para: R$1.670,00
Envelope Recalculado:

Evento Descrição Valor pago Val. recalculado Diferença


0001 Salário 1.500,00 1.670,00 170,00
2033 Desconto 100,00 50,00 -50,00
(como o valor deste evento é negativo, caso o parâmetro esteja marcado o valor é
zerado).
Atenção:
Existe situação em que mesmo com o parâmetro desmarcado, ou seja, não
permitindo lançar valores negativos, o evento pode ser lançado com o valor negativo.
Exemplo:
Um evento de desconto teve cálculo de diferença, porém neste evento não está
informado um evento de diferença.
Neste caso a diferença é lançada no evento com código de cálculo 45 (provento). Caso
o valor do desconto seja maior que o valor do código de cálculo 45, o evento com cc45
é lançado negativo.
Para que isso não ocorra, basta criar um evento de diferença do tipo desconto, e
informá-lo no cadastro do evento original.
Quando no intervalo do cálculo da diferença de férias existir mais de um período de
gozo (recibo de férias), é necessário realizar o processo da diferença individual para
cada período de gozo e em períodos(envelopes) distintos.
Exemplo:
Competência do registro do aumento 06/2013
Data do aumento salarial 01/07/2012
1- Férias gozadas em 01/10/2012 a 30/10/2012
2- Férias gozadas em 01/06/2013 a 30/06/2013
Para calcular a diferença de férias, nesse exemplo, deve calcular no período 1 (envelope), a
diferença referente ao período de gozo 01/10/2012 a 30/10/2012.
Em seguida alterar o período (envelope) para 2 e processar novo cálculo de diferença
referente ao período de gozo de férias de 01/06/2013 a 30/06/2013.
Quando utiliza salário composto, a diferença de férias é calculada com base no salário
ATUAL, não é feita a proporcionalidade de eventos que porventura tenham tido aumentos
em datas diferentes.
Quando o funcionário tem férias partidas, e ocorrerem dois aumentos salariais, sendo um
no mês do início do gozo das férias e o segundo aumento no mês de fim de gozo, e o
primeiro aumento já teve a diferença calculada, é lançado o evento com código de cálculo
80-Dif. Férias Próx. Mês.
Ao calcular diferenças para funcionários com múltiplos vínculos (parametrizações do
sistema), é feito o lançamento de INSS e IRRF apenas na chapa centralizadora.
IRRF Férias
Para o cálculo do IRRF Diferença de Férias, existem as seguintes considerações:
Se a diferença de férias é calculada no mesmo mês em que as férias são lançadas, o
valor do IRRF é recalculado utilizado as novas bases, e é lançado a diferença entre o
novo IRRF e o IRRF já descontado.
Se a diferença de férias é calculada em meses posteriores ao do lançamento das férias,
o IRRF é calculado sobre o valor da diferença de férias.
13º Pago nas Férias
É necessário informar um evento com código de cálculo '9-1ª Parcela de 13º Salário'
para que a diferença da 1ª parcela seja lançada.
Dissídio NÃO
Considera a tabela de incidência de INSS da competência atual.
Dissídio SIM
Considera a tabela de incidência de INSS do mês das férias, sendo necessária a
existência de eventos com os códigos de cálculos:
CC 110 – INSS DE DIF. SALARIAL DE FÉRIAS;
CC 111 – BASE DE FGTS DE DIF. SALARIAL DE FÉRIAS;
CC 116 – ESTORNO BASE INSS DISSÍDIO RET. FÉRIAS.
Observação:
Quando utiliza as configurações de Múltiplos Vínculos, para que o INSS por dissídio
seja lançado corretamente, é necessário sempre processar a diferença por dissídio
para a chapa centralizadora de INSS, independentemente de ter aumento salarial.
Aumentos a não considerar
Para desconsiderar aumentos que foram concedidos dentro do período de apuração
da diferença.
Exemplo:
Férias gozadas: Agosto/2013
Salário utilizado no cálculo das férias: R$950,00
Histórico Salarial
Data Processamento Data Mudança Salário Motivo
01/08/2013 01/08/2013 R$950,00 Mérito
01/09/2013 01/09/2013 R$1.010,00 Enquadramento
01/10/2013 01/07/2013 R$1.100,00 Dissídio
Marcando para desconsiderar o motivo 'Enquadramento', o valor da diferença entre o salário
alterado por Dissídio e o salário alterado por Mérito não é considerado, e o resultado encontrado é
somado ao salário da época em que as férias foram pagas, neste caso 08/2013.

Sendo o cálculo:

R$1.100,00 – R$1.010,00 = R$90,00 (diferença entre o aumento do salário por 'Dissídio' e o salário por
'Mérito'.

Para cálculo da diferença das férias é utilizado a base:

R$950,00 + R$90,00 = R$1.040,00 (base para cálculo da diferença)

Cálculo da diferença de férias:

R$1.040,00 (base para cálculo da diferença) – 950,00 (salário pago nas férias) = 90,00.

A diferença do evento Férias é R$90,00.

Observação:

Este exemplo não contempla 1/3 de férias e outras verbas pagas no recibo de férias.

Fonte: TOTVS