Você está na página 1de 23
LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR Célia Fagundes da Cruz Julho/2012 SUPERINTENDÊNCIA DE
LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO
PARANÁ - LACEN/PR
Célia Fagundes da Cruz
Julho/2012
SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SVS
LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR
LACENLACENLACENLACEN/PR:/PR:/PR:/PR: 117117117117 anosanosanosanos dededede histhistóhisthistóóriaóriaria”ria”””
GARANTIA DA QUALIDADE Atividades relacionadas com os processos pré-analíticos, analíticos e pós- analíticos.
GARANTIA DA QUALIDADE
Atividades relacionadas com os processos pré-analíticos, analíticos e pós-
analíticos.
GARANTIA DA QUALIDADE • Assegurar o produto final de suas atividades seja adequado às necessidades
GARANTIA DA QUALIDADE
• Assegurar o produto final de suas atividades seja adequado às necessidades e
satisfação do cliente – resultados de exames de real utilidade para o
diagnóstico, prognóstico, acompanhamento da terapia, evolução e prevenção
das enfermidades.
• Padronização dos processos envolvidos desde a solicitação médica até a
liberação dos resultados.
• Série de processos – fontes de erros
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PRÉ- ANALÍTICOS • Difíceis de monitorar – ocorrem fora do laboratório 1.
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PRÉ-
ANALÍTICOS
• Difíceis de monitorar – ocorrem fora do laboratório
1. Requisição
• Enviar a requisição original preenchida pelo requisitante;
• As requisições devem identificar adequadamente:
• O paciente;
• O requisitante;
• Fornecer os dados clínicos pertinentes.
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PRÉ- ANALÍTICOS 2. Preparação do paciente – informar o que pode afetar
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PRÉ-
ANALÍTICOS
2. Preparação do paciente
– informar o que pode afetar o exame
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PRÉ- ANALÍTICOS 3. Coleta da amostra ERROS : - Identificação incorreta, troca
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PRÉ-
ANALÍTICOS
3. Coleta da amostra
ERROS :
- Identificação incorreta, troca da amostra, hemólise, homogeneização,
centrifugação, conservação inadequada, erro no emprego de anticoagulantes.
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PRÉ- ANALÍTICOS 4. Identificação : - As amostras deverão ser identificadas
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PRÉ-
ANALÍTICOS
4. Identificação :
- As amostras deverão ser identificadas individualmente com o
nome completo do paciente, o local de procedência, o exame a
ser realizado e a data da coleta;
- Amostras com identificação inadequada não devem ser
processadas.
- As etiquetas devem ser colocadas de forma a não ocultar o nível
do volume da amostra contida e não cobrir o código de barras da
etiqueta;
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PRÉ-ANALÍTICOS A instrução para coleta deve conter: 1. Preparação do paciente 2.
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS
PRÉ-ANALÍTICOS
A instrução para coleta deve conter:
1. Preparação do paciente
2. Material a ser coletado
3. Horário da coleta
4. Identificação efetiva do paciente
5. Identificação correta da amostra coletada
6. Cuidados especiais
7. Registro da identidade do colhedor ou receptor da amostra
8. Descarte seguro do material usado na coleta
9. Preenchimento correto do cadastro do paciente
Todas as amostras devem ser identificadas de forma que possibilite
rastreamento, se necessário.
Acondicionamento da Amostra • O armazenamento das amostras deve observar o tempo especificado em condições
Acondicionamento da Amostra
• O armazenamento das amostras deve observar o
tempo especificado em condições que garantam
estabilidade das propriedades e repetição do exame.
• Evitar congelamentos e descongelamentos
consecutivos.
• A qualidade do espécime clínico é de suma
importância para o sucesso da análise.
• Material genético viral é extremamente lábil e,
portanto, facilmente degradado pelo manuseio
inapropriado ou pela demora em seu processamento.
Transporte das Amostras • Certifique-se de que os recipientes estão bem fechados e que não
Transporte das Amostras
• Certifique-se de que os recipientes estão bem fechados e que não há
vazamento de conteúdo
• Colocar os tubos ou frascos, contendo o material biológico, dentro de saco
ou pote plástico, na posição vertical, antes de colocar na caixa de isopor
• Colocar amostras de fezes em sacos plásticos individuais
• Colocar amostras de secreções respiratórias em caixa de isopor separadas
das demais amostras
• Colocar gelo reciclável em quantidade que envolva completamente a
embalagem que contenha as amostras -
• Importante: A caixa de isopor deverá conter quantidade de gelo seco ou
reciclável compatível com a quantidade de material que estiver sendo
enviado.
Transporte de Amostras Documentos que acompanham as amostras: • Acondicionar as requisições e outros documentos
Transporte de Amostras
Documentos que acompanham as amostras:
• Acondicionar as requisições e outros documentos em
saco plástico separado. Não enrolar ao redor dos tubos.
• Fechar o saco plástico contendo as requisições e fixá-lo
na parte interna da tampa da caixa de isopor;
• Fechar e vedar bem a caixa;
• Identificar com destinatário
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS ANALÍTICOS
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS
ANALÍTICOS
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS ANALÍTICOS • Assegurar resultados precisos e exatos • Antes da implantação no
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS ANALÍTICOS
• Assegurar resultados precisos e exatos
• Antes da implantação no laboratório devem ser analisados em relação a:
1. Confiabilidade
precisão,
exatidão,
sensibilidade,
especificidade,
linearidade
2. Praticidade – volume e tipo da amostra, duração do ensaio, complexidade
metodológica, estabilidade dos reagentes, robustez, necessidade de
equipamentos, custo, segurança pessoal.
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS ANALÍTICOS Variáveis importantes: 1. Qualidade da água 2. Limpeza da vidraria 3.
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS ANALÍTICOS
Variáveis importantes:
1. Qualidade da água
2. Limpeza da vidraria
3. Calibração dos Dispositivos de Medição e Ensaio: pipetas,
vidrarias, equipamentos, etc.
Todos os ensaios devem ser documentados detalhadamente,
implementados e colocados à disposição dos responsáveis pela
realização dos diversos exames,
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS ANALÍTICOS 1. Nome do procedimento 2. Nome e fundamento do método 3.
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS
ANALÍTICOS
1. Nome do procedimento
2. Nome e fundamento do método
3. Principais aplicações clínicas
4. Amostra do paciente – condições em que pode ser aceitável.
5. Padrões, calibradores, controles, reagentes e insumos
6. Equipamentos
7. Cuidados e precauções
8. Procedimento detalhado
9. Linearidade do método
10. Limite de detecção do método
11. Cálculos
12. Controle de qualidade
13. Valores de referência
14. Significado clínico
15. Valores críticos
16. Observações
17. Referências bibliográficas
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PÓS- ANALÍTICOS • Etapas: 1. Cálculo 2. Análise de consistência dos resultados
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PÓS-
ANALÍTICOS
• Etapas:
1. Cálculo
2. Análise de consistência dos resultados
3. Liberação dos laudos
4. Armazenamento da amostra do paciente
5. Transmissão e arquivamento dos resultados
6. Consultoria técnica
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PÓS- ANALÍTICOS • Conteúdo de um laudo 1. Do laboratório – nome,
PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS PÓS-
ANALÍTICOS
• Conteúdo de um laudo
1. Do laboratório – nome, endereço completo, número do registro no conselho
profissional, responsável técnico com seu registro no conselho profissional
2. Do paciente – nome, número do registro no laboratório
3. Do médico solicitante – nome, número do registro no conselho profissional
4. Da amostra do paciente – tipo, data, hora da coleta ou recebimento, quando
aplicável
5. Do resultado do exame – nome do analito, resultado, unidade, nome do
método, unidade de referência, data da liberação
6. Do responsável técnico – nome, número do registro no conselho profissional,
assinatura
ERROS POTENCIAIS NA REALIZAÇÃO DOS EXAMES Fase pré-analítica 1. Erro na solicitação do exame: •
ERROS POTENCIAIS NA REALIZAÇÃO DOS
EXAMES
Fase pré-analítica
1. Erro na solicitação do exame:
• escrita ilegível
• interpretação errada do exame
• erro na identificação do paciente
• falta de orientação por parte do médico ou do laboratório para
determinados exames
ERROS POTENCIAIS NA REALIZAÇÃO DOS EXAMES 2. Erros na coleta da amostra • identificação errada
ERROS POTENCIAIS NA REALIZAÇÃO DOS
EXAMES
2. Erros na coleta da amostra
• identificação errada do paciente
• troca de amostras
• paciente não preparado corretamente – falta de jejum, horário da
coleta incorreto, tempo da coleta de urina incorreto
• uso de anticoagulante errado
• volume da amostra inadequado para o exame
• Hemólise e lipemia intensas
• Transporte e armazenamento da amostra incorretos
• Contaminação de tubos, frascos, tampas
ERROS POTENCIAIS NA REALIZAÇÃO DOS EXAMES Fase analítica • Troca de amostras • Erros de
ERROS POTENCIAIS NA REALIZAÇÃO DOS
EXAMES
Fase analítica
• Troca de amostras
• Erros de pipetagem – pipetas não aferidas, molhadas, volume incorreto
• Vidrarias e recipientes mal lavados
• Reagentes e padrões: contaminados, mal conservados, com validade
vencida, erros no preparo dos reagentes, concentração errada
• Presença de interferentes na amostra: medicamentos, lipemia,
hemólise, icterícia
ERROS POTENCIAIS NA REALIZAÇÃO DOS EXAMES Fase analítica • Equipamentos – não calibrados, erros no
ERROS POTENCIAIS NA REALIZAÇÃO DOS
EXAMES
Fase analítica
• Equipamentos – não calibrados, erros no protocolo de automação, cubetas
arranhadas, com bolhas de ar, contaminados com outros reagentes,
comprimento de onda incorreto. Erros na fonte de energia, sujeira no
sistema ótico do equipamento, ajuste incorreto do zero, instabilidade na
leitura fotométrica, volume de leitura fotométrica insuficiente
• Temperatura ambiente e de reação não adequadas
• Tempo de reação errado
• Erros nos cálculos de concentração, nas unidades, não considerar
diluições
ERROS POTENCIAIS NA REALIZAÇÃO DOS EXAMES Fase Pós-Analítica • Identificação errada do paciente •
ERROS POTENCIAIS NA REALIZAÇÃO DOS
EXAMES
Fase Pós-Analítica
• Identificação errada do paciente
• Transcrição de dados incorreta
• Resultado ilegível
• Unidades erradas
• Não identificação de substâncias interferentes
• Especificidade, sensibilidade e precisão dos teste não adequada
• Erros na interpretação do resultado
LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ – LACEN/PR Direção – Célia Fagundes da Cruz Fone
LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO
PARANÁ – LACEN/PR
Direção – Célia Fagundes da Cruz
Fone – 41 – 3299.3200
E-mail – diretorialacen@sesa.pr.gov.br

Interesses relacionados