Você está na página 1de 96
Bonjorno, José Roberto, 1946- Fisica 3 ; eletricidade / José Roberto Bonjomo, Clinton Marcico Ramos, — Sao Paulo: FTD, 1992. Suplementado por livro do professor. ISBN 85-322-0486-4 1. Fisica {2* grau) 2. Eletricidade |. Ramos, Clinton Mércico, 1943- |, Titulo. Il. Titulo: Eletricidade. CDD-530.07 91-3007 -637 ELETROSTATICA Capitulo 1 - Primeirosconcsitos Capitulo 2 - Forgaeléirica, Capitulo 3 - Campoelétrico . Capitulo 4 - Trabalho e potencial elétric Capitulo 5 - Capacidade de um condutor Capitulo 6 - Condensadoresoucapacitores ... ELETROSTATICA Bea é MICHAEL FARADAY (1791-1867) Fisico quimico inglés, Comegou aos 14 anos como apiendiz de um encadernador, onde passou a interessar-se pela leitura de obras cientificas. Descobriu 0 prinefpio da inducao eletromagnética, no qual se bascia 0 funcionamento do gerador elétrico € do motor elétrico; Estabelecen a teoria da eletrdlise. Foi o primeiro a liquefazer grande nimero de gases. Em Eletrostitica, apresentou a teoria da eletrizacéo por influéncia ¢ descobriu o poder de blindagem eletrostatica (gaiola de Faraday) das estruturas © capas metélicas. CHARLES DE COULOMB (1736-1806) Fisico francés. Iniciou suas I pesquisas rio campo da eletricidade e do magnetismo para participar de um concurso aberto pela Academia de Cigncias sobre a fabricacdo de + agulhaé imantadas. Estudou 0 atrito € descobriu a eletrizacdo stiperficial dos condutdres. Formulou a lei da atracdo ¢ repulsdo entre as cargas clétricas, ELETROSTATICA Primeiros concetios Forga elétrica E Campo elétrico Trabalho e potencial elétrico E Capacidade de um condutor i Condensadores ou capacitores A eletricidade como ciéncia data de 600 a.C., quando os gregos observa- ram que uma pedra de mbar, ao ser atritada com Id, adquiria a capacidade de atrair para si pequenos objetos. ‘Quando um bastao de vidro é atritado com seda, adquire essa capacidade gragas 4 passagem de “algo” de um corpo para autro, Esse “algo”, transferido durante a fricgéo dos corpos, é chamado genericamente de carga elétrica, ¢ 08 corpos nesse estado se encontram carregados de eletricidade, isto é, se 6n- contram eletrizados, Experiéncias comprovam a existéncia de dois tipos de carga elétrica: po- sitiva e negativa, Um bastéo de vidro atritado com sede ad- Um basto de borracha atritado com seda quire carga positiva adquire carga negativa Considere trés bastées eletrizadas, suspensos por fics de 14. ese C2 CSS & Ao aproximarmos desses bastées um outro bastdo életrizado, verificamos que eles se atraem ou se repelem devido aos sinais de suas cargas elétricas, Quando as cargas tem o mesmo sinal, os bastées se repelem;-quando os si nals 840 contrarios, se atraem. A partir dessas observagdes, podemos enunciar o principio da atragdo e repulsao, “Cargas elétricas de mesmo sinal s atraem. Ss ESTRUTURA DA MATERIA ie Para explicar a eletrizagéo dos corpos, recorra-se ao estudo de sua es- trutura, A matéria é constituida de pequenas particulas denominadas Atomos. Cada tomo, por sua vez, 6 formado, basicamente, por uma parte central denomina- da nucleo @ por uma parte periférica chamada eletrostera. No nticleo, a parte mais pesada do tomo, enccntram-se 0s protons e os néutrons. Na eletrosfera encontram-se os elétrons, girando em torno do nucleo em diferentes drbitas. Acarga elétrica 6 uma propriedade da matéria que se apresenta tanto nos prétons como nos élétrons com a mesma intonsidade. A carga elétrica do pré- ton 6 positiva © igual em médulo a carga elétrica do elétron, que & negativa. Um corpo, no seu estado normal, é eletricamente neutro, porque os seus dtomos possuem a mesma quantidade de cargas positiva e negativa, isto €, as. cargas se anulam. Como exemplo, temos 0 étomo de hélio, de numero atémico 2, que no seu estado natural é neutro, pois apresenta dois prétons e dois elétrons. ELETRIZACAO DE UMA SUBSTANCIA ee Do que foi exposto anteriormente, conclu-se que uma substancia estard eletrizada quando as quantidades de protons de elétrons forem diferentes, ou Seja, quando se altera o equilibrio entre protons e elétrons é que a substan: cia apresenta propriedades elétricas. ‘Os protons @ os néutrons estado fortemente ligados ao nticleo do atomo Por uma forga de coesdo, enquanto os elétrons sdo presos ao 4tomo por uma forga elétrica de pequena intensidade. 10. Durante um processo de atrito, somente os elétrons podem trocar de cor pos e, quando isso acorre, os corpos ficam eletrizados. : Um corpo pode estar eleirizado de duas formas: — positivamente: quando cede e fica com falta de elétrons; — negativamente: quando recebe e ha excesso de elétrons. Por exemplo, um bastao de vidro e outro de borracha atritados com peda- gos de seda. ein © bastéo de vidro cedeu elétrans O bastéo de borracha recebeu elétrons VALOR DA CARGA ELEMENTAR borracha ‘Sabe-se, experimentalmente, que a menor quantidade de carga elétrica en- contrada na natureza 6 a carga de um elétron ou de um préton, cujo médulo & chamado de carga elementar e representado por e. : do préton elétrica do elétron A quantidade de carga elétrica de um corpo é sempre um miiltipio inteiro dee. Em que n = numero de elétrons (em falta ou excesso). A unidade de medida de quantidade de carga no Sistema Internacional © coulomb, que se indica pela letra C, E usual o emprego dos submiltiplos: " PROBLEMA [ DE APLICAGAO Determinar 0 nimero de elétrons existentes em uma carga de 1,0 coulomb. Resolugdo: Q = $0C le = 1,6 10 Da equagdo Q = ne, vem: = nO)= 1,0 = n= 1,6- 10-9 ti, 16> 10% 2 = 6,25 - 10! elétrons Resposta: 6,25 + 10! elétrons Dados n= PROBLEMAS PROPOST: OS =aEe 1 B dado um corpo eletrizado com carga 3 Quantos elétrons em excesso thm 0 cor- 6,4uC. Determine o niimero de elétrons po eletrizado com carga de —16pC, em falta no corpo. 4 - 10" elétrons. 10% elétrons 2 Quantos elétrons deveos fornecer a um corpo inicialmente neutro, para eletrizd- lo com carga 48uC? 3. 10" aléirons PRINCIPIO DA CONSERVACAO DAS CARGAS ELETRICAS Nos fenémenos elétricos torna-se importante o conceito de sistema ele- tricamente isolado, isto é, aguele que n4o troca cargas elétricas com o meio exterior. Num sistema eletricamente igolad ;€ constante a soma algebrica das car gas elétricas. ee Como exemplo, considere dois corpos, Ae B, elstrizados com cargas res- pectivamente Iguals a Q, € Qo. ‘Apés ocorrer, por um processo qualquer, a transforéncia de carga de um , corpo para outro, 8 novas cargas de A eB ficaram respectivamenteiguals @ ne : 12 Considerando o sistema eletricamente isolado, vale a relagao: Denominam-se condutores as substancias nas quais os elétrons se loco: movem com facilidade por estarem fracamente ligados aos atomos. Nos condutores, os elétrons mais distantes do nucleo abandonam o ato- mo, adquirindo liberdade de movimento: 40 0s elétrons fivres. Num condutor eletrizado, as forgas de repulsao, que agem entre as car- {gas de mesmo sinal, fazem com que as cargas fiquem o mais distante possivel umas das outras. O maior atastamento possivel ocorte na superficie do corpo. Num condutor eletrizado, as cargas olétriéas se localiza na sua superticie. Por outro lado, chamam-so isolantes, ou dielétrices, as substancias nas quais, a0 contrarlo dos condutores, os elétrons ndo tém Iiberdade de movimento -, Nos isolantes, os elétrons ndo se movimentam com facilidade, pols estéo fartemente ligados a0 nticleo do atomo @ dificilmente poderéo se libertar. . 7. I8to, no entanto, nao quer dizer que um corpo isolante ndo possa ser ele- Yrlzado. A diferenca é que nos isolantes as cargas elétricas permanecem na re- gido em que aparecoram, enquanto nos condutores elas se distribuem pela Superficie do corpo. Barra de metal elotizada () Basizo de vidro slouizado em Na realidade ndo existem condutores ou isolantas perfeltos, mas apenas bons condutores ¢ bons isolantes. Entre os isolantes e os condutores: ha um grupo Intermediario chamado de semicondutores, de importancla muito gran- de na eletrénica, na construgdo de diodos e transistores, A tabela a seguir mostra a classificagao de alguns materiais. FOr ~ rr “CONDUTOR iSOLANTE SEMICONDUTOR: prata mica germanio cobre plastica silicio aluminio. vidro madeira carvao porcelana solo vacuo corpo humano 13 PROCESSOS DE ELETRIZACAQ a) Eletrizagdo por atrito Quando dois corpos s4o atritados, pode ocorrer a passagem de elétrons de um corpo para o outro, Nesse caso diz-se que houve uma eletrizagao por atrito. Considere um bastéo de plastico sendo atritado com um pedago de 1a, am- bos inicialmente neutros. A experiéncia mostra que, apés 0 atrito, os corpos passam a manifestar propriedades elétricas que se caracterizam pela atragdo de alguns corpos; por exemplo, um pedago de papel. No exemplo descrito, houve perda de elétrons de la, que ficou, entéo, car- regada positivamente, pois a carga dos protons passou a preponderar sobre a dos elétrons, Jé 0 bastdo de plastico ganhou esses elétrons, e, portant, fi cou com carga negativa, pois o nimero de elétrons ficou maior que 0 de prétons. Sabe-se ainda que uma mesma substancia pode ficar oletrizada positiva ‘ou negativamente, conforme o tipo da outra substancia com que ela ¢ atritada. Com base nesse fato elaborou-se uma lista de substancias de tal modo que cada uma se eletriza com carga positiva quando atritada com qualquer ou- tra substancia que Ihe é posterior na lista, ficando esta Gitima, consequente- mente, carregada negativamente. A esta lista denominou-se série triboelétrica. 14 PROBLEMAS PROPOSTOS ae : 6 Atrita-se uma barra de vidro com um. 7 E sabido que: pano. Qual dos dois corpos fice ele- J, ao atritarmos um corpo A com um trizado? Os dois corpos. corpo B, A adguire carga positiva. HL ao atritarmos um corpo C com 0 § Elvira penteia o seu cabelo. Logo depois mesmo corpo B, C adquire carga verifica que o pente utilizado atrai pe: negativa. dagos de papel. Dé a explicacio plausi- TI. ao atritarmos 0 corpo C com um vel para esse fato, © pente ficou eletrizado corpo X, esse corpo adquire carga devido ao atrito com o cabelo, positiva, 6 Dois corpos neutros, A eB, de materiais diferentes foram attitados um de cada ‘vez com amostras de um mesmo maie- rial C. Apés essa experiencia, 0 corpo ‘A. ficou eletrizado negativamente, ‘atraindo eletricamente 0 corpo B. Deter~ mine a posigo desses trés materiais nu- ma série triboelétrica, BCea. Attita-se 0 corpo A com o corpo X. De- termine, se posstvel, os sinais das cargas dos corpos A e X apés 0 atrito. Nao é possivel prever nada, b) Eletrizagao por contato -- Quando colocamos dois corpos condutores em contato, um eletrizado e o’outro neutro, pode ocorrer a passagem de elétrons de um para o outro, fazen- do com que o corpo neutro se eletrize. Consideremos duas esferas, uma eletrizada e a outra neutra. OS &® Oe Antes do contato Durante 0 contato Depois do contato As cargas em excésso do condutor eletrizado negativamente se repelem e alguns elétrons passam para 0 corpo neutro, fazendo com que ele fique tam- bém com elétrons em excesso, e, portanto, eletrizado negativamente, Se a esfera estivesse eletrizada com cargas positivas, haveria também uma passagem de elétrons, porém, desta vez, do corpo neutro para 0 eletrizado, pols este esta com faita de elétrons e os atrai do corpo neutro. Portanto, a esfera neutra também fica eletrizada positivamente, pois cedeu elétrons. (2 Ge © Antes do contato Durante o contato Depois do coniato Na elotrizagao por contato, os corpos ficam eletrizados com cargas de mes: | 10 sinal. 3. Sos js Observagées: 14) Na eletrizagdo por contato, a soma das cargas dos corpos é igual antes @ apés 0 contato, se o sistema for eletricamente isolado. 28) O simples contato de dois corpos neutros pode permitir a passagem de elé- trons livres de um para outro, eletrizando-os, desde que sejam preenchi- das certas condig6es, tals como: os corpos sejam constituidos de substancias que exergam diferentes atrages por elétrons; os corpos se- Jam bons condutores, etc. 34) Em termos de manifestagdes elétricas, a Terra é considerada como um onor- me elemento neutro. Dessa forma, quando um condutor eletrizado é colo- cado om contato com ela, hd uma redistribuigéo de cargas elétricas proporciorial ds dimonsées do corpo eletrizado e da Terra, ficando, narea- lidade, ambos eletrizados, Porém, como as dimensdes do corpo sao des- preziveis quando comparadas com as da Terra, a carga elétrica que nele permanece, apds o contato, é tao pequena que pode ser considerada nula, pois néo consegue manifestar propriedades elétricas. Assim, a0 ligarmos um condutor a Terra, dizemos que ele se descarrega, isto é, fica neutro. Na prdtica, pode-se considerar a Terra como um enorme reservatorio con- dutor de elétrons. Entao, ao ligarmos um outro condutor eletrizado a Terra, ele se descarrega de uma das seguintes formas: "[os/elgtons ari excesco | do.condutor escoam: | para'a Terra devido a) repulsdo. entre eles... | "8 elétrons da Terra S40) -atraidos para ocondutor devido “&-atragao: pelas : cargas ‘positives. “Tera PROBLEMA DE APLICACAO Dispée-se de trés esferas metalicas idénticas ¢ isoladas ume da outra. Duas delas, A e B, estdo neutras, enquanto a esfera C contém uma carga elétrica Q. Faz-sc a esfera C tocar primelro a esfera A e depois a esfera B. No final deste procedimento, qual a carga clétrica das esferas A, B ¢ C, respectivamente? . Resolucdo: Contato A com Cz ‘A soma das cargas dos corpos A e C so iguais antes ¢ apds © contato, portanto: a Ge BEM 0A G Contato B com C: @ @) . 16 8 Dispse-se de quatro esferas metalicas id@nticas e isoladas uma da outra. Trés delas, A, Be C, estio descarregadas, en- quanto a quarta esfera, D, comtém car- ga negativa Q. Faz-se a esfera D tocar, " sircessivamente, as esferas A, Be C, De- “termine a carga elétrica final da esfera De emia 9\Sio dadas trés esferas A, Be C, condu- ‘toras, iguais e isoladas. Duas delas, Be ~C, sio neutras, enquanto a esfera A pos- ‘sui carga Q. Inicialmente, coloca-se em ‘coniato A com B ¢ a seguir A com C. : “Apés, estabelece-se contato entre Be C ¢;finalmente, entre A e B. Determine as ‘cargas finais de cada esfera. 5Q Qe ae Bean PR ¢) Elettizaedo por indugao PROBLEMAS PROPOSTOS 10 Um corpo'A, com carga Qy = 8uC, é colocado em contato com um corpo B, inicialmente:neutro. Em seguida, si0 afastados um do outro. Sabendo que a carga do corpo B, apés 0 contato, é de 34C, ealeule a nova carga do corpo A. in c a) O que acontecera a um cotpo condu- tor eletrizado quando entrar em con- tato com 0 solo? b) Por que ndo conseguimos eletrizar por attito um corpo:-condutor, segurando-o diretamente com a mao? ©)'Os caminhdes que conduzem com- bustivel possuem uma corrénte que vai-se atrastando pelo chao. Justifi- que a utilidade da corrente, Rew pie. 25 << A eletrizagdo de um condutor neutro pode ocorier por simpies aproxima- - gdo de'um outro corpo eletrizado, sem que hala 0 contato entre eles. “Consideremos um condutor inicialmente neutro e um bastdo eletrizado ne- gativamente, Quando aproximamos 0 bastao eletrizado do corpo neutfo,as suas cargas negativas repelem os elétron mais distantes possivel. q 8 livres do corpo neutro para posigées 0 Desta forma, 0 corpo fica com falta de elétrons numa extremidade e com excesso de elétrons na outra. 0 fendmeno da separagao de cargas num condutor, provocado pela apro- . ximagao de um corpo eletrizado, 6 denominado indugao eletrostatica. O corpo eletrizado que provocou a Indu \Sofreu a indugdo 6 chamado induzido. i980 é denominado indutor e o que Se quisermos obter no induzido uma eletrizagdo com cargas de um's6 sl- hal, basta lig4-lo & Terra, na presenga do indutor. 17 Nesta situagdo, os elétrons livres do induzido, que estéo sendo repelidos pela presenga do indutor, escoam para a Terra. : Dasfazendo-se esse contalo e, logo apés, afastando-se 0 bastdo, o induzi- do ficara carregado com cargas positivas. prdcesso da inducao eletrostatica, 0 corpo induzide se-elet in cargas de sinal conttario 4s do indutor, = Outro caso interessante é a eletrizag&o por indugdo de dois corpos inicial- mente neutros. Suponhamos dois condutores esféricos A ¢ B, inicial mente neutros e em contato, e um bast&o eletrizado, por exemplo, com cargas positivas. Se aproximarmos da esfera A 0 bastdo eletrizado positivamente, as suas cargas positivas atrairéo os elétrons livres desses corpos para o mais perto pos- sivel. Como as esferas estao em cantato, esses elétrons se localizarao no lado da esfera A préxima ao basta. A situagdo final sera a seguinte: - Eliminando-se, agora, o contato enitre as esferas A e B e, posteriormente, tirando 0 bastdo das proximidades, obteremos a-eletrizagao dos corpos, com cargas de sinal contrarlo. 12 Explique como se pode cletrizar negati- vareta vemente uma esfera neutra através da A c ae induglo eletrostética. resp. pig. 266 CD 13 A figura ao lado mostra um condutor © B ‘Ac uma lamina condutora ¢ flexivel B « ligada a Terra. Empurrado por uma va- reta de néilon, um condutor C, neutro, € deslocado segundo uma trajetéria tal A que ele passard entre Ae B, tocando em B sem tocar, porém, em A. Determine 0 estado elétrico de condu- B tor C apés ter retornado a sua posigao inicial, sem tocar novamente em B. ~ Pos 18 ‘ELETROSCOPI ees Eletroscépio é um aparelho que se destina a Indicaz a existéncia de car- gas elétricas, ou seja, identificar se um corpo ‘esté elatrizado. =" “Os eletroscépios mais comuns so: o péndulo eletrostatico ¢ o eletroscé- "pio de folhas. . “ g): Péndulo eletrostatico E'constituido de uma esfera leve € pequena, em geral de cortiga ou iso- por, suspensa por um fio flexivel ¢ isolante que esta preso a um suporte. suports. HS aE : "Para explicar o seu funcionamento, suponha que se deseja saber se um determinado corpo esta eletrizado. Aproximando o corpo da esfera neutra, se ele estiver eletrizaco, ocorreré o fendmeno da indugaoeletrostatica na esfera, ge ela sera atraida para o corpo em teste. No caso de se querer saber o sinal da carga que 0 corpo eletrizado possul, deve-se, primeiramente, eletrizar a esfera com uma garga de sinal conhecido; por exemplo, suponha que a esfera do péndulo tenha sido eletrizada com car- ga negativa. Ao aproximarmos 0 corpo em teste, que j4 sabemos estar eletriza- do, podem ocorrer dois casos: Fig. A c=, Se aesfera for atraida para ele, o corpo esta eletrizado com a carga de sinal sontrério, no caso, positiva (Fig. A). — Se aesfera for repelida, o corpo esta eletrizado com carga de mesmo sinal, no caso, negativa (Fig. B). 19 b) Eletroscépio de folhas - E constituldo de duas folhas metalicas, finas e flexiveis, ligadas em sua parte superior a uma haste, que se prende a uma esfera, ambas condutoras, ‘Oisolante impede a passagem de cargas elétricas da haste para a esfera. Nor- malmente, as folhas metdlicas so mantidas dentro de um frasco transparen- fé, a fim de aumentar a sua justeza e sensibilidade. isolante metélica ‘Aproximando-se da osfera o corpo que se quer verificar, se ele estiver ela- trizado, ocorrerd a indugao eletrostatica, ou seja: se o corpo estiver carregado negativamente, ele repele os elétrons livres da esfera para as laminas, fazendo com que elas se abram devido a repuls4o; se 0 corpo'estiver com cargas positl- vas, ele atrai os elétrons livres das laminas, fazendo também com que elas se abram, novamente, devido a repulsdo. A determinagéo do sinal da carga do corpo em teste, qué ja se sabe estar etetrizado, é obtida carregando-se anteriormente 0 eletroscopio com cargas de sinal conhecido. Dessa forma, as laminas teréo uma determinada abertura inicial. Ao aproximarmos 0 corpo em teste, ocorrera novamente o fendmeno da indugao. I Eletroseépio carregado Corpo teste possul cargas Corpo teste possul cargas com carga conhecida como mesmo sinal das car- de sinal contrario 4s do. gas do eletrosedpio eletroscépio PROBLEMAS ee 14 Uma haste metdlica encontra-se apoia- da sobre os terminais de dois eletroscd- ., pios previamente descarregados. ‘Determine as cargas que se encontram inos ponttos A e B do primeiro eletros- cépio e Ce D do segundo eletroscépio, | quando colocamos um corpo elettizado com carga negativa préximo a extremi- dade da barra. ‘Positive, B: positiva,,C; negativa, D: negativa PROBLEMAS DE FIXACAO o- 15 (PUC-MG) Considere as figuras abaixo: Se, od a) Uma barra negativa é aproximada de tum eletroseépio descarregado. As fo: Ihas separam-se...Qual ¢ 0 sinal da carga que esta nas folhai?” negative, b)-A extremidade superior do eletrése6- pio é, em seguida, momentaneamien: te tocada pela mao. A: seauir, remove-se a barra para‘longe. Ago- a, qual ¢o sinal da carga que existe as folhias? positive ~ 1 Um corpo esté carregado negativamen- te com uma carga de 10C. Quantos elé- ‘trons em excesso tem esse corpo? © 6,25 + 10° elétrons. 2 Considere duas esferas, Ae B, idénticas icisoladascletricamente.Asesferas'AeB ‘Possuem cargas respectivamente iguais a3nC ¢ IC. Colocam-se as duas esfe- 145 em contato. 2xC cada uma, ‘a) Qual a carga final dé cada esfera? +b): Qual o ntimero de elétrons transfe- Fidos da esfera A para a esfera B? 625 - 10" eletrons. 9 @. C. Chagas) Duas esferas metilicas, muito leves, estao penduradas por fics perfeitamente isolantes, em um ambien- ‘te seco, conforme mostra a figura abai- xo, Uma barra metdlica, positivamente carregada, é encostada em uma das ¢s- feras ¢ depois afastada. Apds o afasta- mento da barra, qual deve ser a posigo das esferas? (A carga inicial das esferas énula.) asp pi. 259 Bae 4 (Cescem-SP) A figura mostra trbs esfe- ras de aluminio, eletricamente neutras, de mesma massa ¢ de mesmo raio, pen- duradas por fios isolantes, inextensiveis, duplos ¢ flexiveis. Esto em contato uma com a outra. Sea esfera da esquerda for carregada positivamente, em que posi- fo poderiam ficar as esteras? perp pig.26 O65 5 Na figura estao representados dois con- dutores metalicos descarregados, ‘em contato, suportados por barras iso- antes, m=) Aproxima-se deles um bastdo isolaute carregado positivamente, Com o bastZo ainda préximo dos condutores, afasta- se um do outro. Faga a representagio das cargas presentes, agora, em cada condutor, bastante afastados entre sie do bastlo. Resp. pig, 209 at LOMB es Esta lei diz respelto & Intonsidade das forgas de atragdo ou de repulsdo, que agem em duas cargas elétricas, puntiformes (cargas de dimensdes des- preziveis), quando colocadas em presenga uma da outra. : Considere duas cargas elétricas puntiformes, Q, e Q,, separadas pela dis- tancia d. Sabemos que, se os sinals dessas cargas forem iguais, elas se repe- lem, e, se forem diferentes, se atraem: .@ F = @- Isto acontece devido a agdo de forgas de natureza elétrica sobre elas. Es- tas forgas sdo de agao e reagao, e, portanto, tém a mesma intensidade, a mes- ma diregdo e sentidos opostos. Deve-se notar também que, de acordo com 0 prinefplo da agdo e reagdo, elas s4o forgas que agem em corpos diferentes, e, portanto, nao se anulam. Em fins do sécuto XVIII, Gharies de Coulomb verificou experimentalmente que: “As forgas de atracdo ou de repulsdo entre mes sao ditetamente proporcionais ao produ te’proporclonals ao quadrado da distancia‘ A expresséo matematica dessa forga 6: Em que: F éa intensidade da forga elétrica; Q, € Q, sdo as cargas elétricas em médulo; k € uma constante de proporcionalidade; d @ a distancia entre as duas cargas. “REPRESENTACAO GRAFICA DA tel DE COULOMB ees Representando a forga de interagdo elétrica em fungao da distancia entre = duas cargas puntiformes, obteremos como grAfico uma hipérbole, conforme in- -dica a figura. ‘A partir do grafico podemos abservar que: se a distancia d duplica, a forga F é dividida por 4; 86 a distancia d triplica, a forga F é dividida por se a distancia d quadruplica, a forga F é dividida por 16, -CARACTERISTICAS DA FORCA ELETRICA ae ae ee -) Diregao "ormChlresdo da forga elétrica 6 dada pela reta que une as duas cargas puntl formes. 0) Sentido cargas de mesmo sinal = Q,Q, >0 As forgas sdo de repulsao. cargas de sinais contrarios = Q,Q, < 0 As forgas sao de atragiio. Na aplicagao da expressao da forga, utilizaremos apenas 0 valor absoluto das cargas, concluindo de antemao se as forgas sao de atragao ou de repulsao Pelos sinais das cargas. 23 d) Unidades Es Bs uf ERT si newton(N) | metro(m) ‘coulomb(C) stat-coulomb (stat C) cas dina(dyn) centimetro(cm) A constante de proporcionalidade k depende do meio onde as cargas se localizam e do sistema de unidades adotado. No caso do vacuo, a constante 6 indicada por k, e é denominada constante eletrostatica, cujo valor determi- nado experimentaimente é: PROBLEMAS DE. APLICACAO 1 De acordo com o modelo de Bohr, 0 tomo de hidrogénio ¢ formado-por um proton, em torno do qual um elétron descreve movimento circular e uniforme de raio aproximadamente 1 - 10-m, Determinar a velocidade do elétron. Dados: massa do elétron 9,1 « 10 kg, carga do elétron -1,6 - 10°C ¢ carga do proton 1,6 - 10°C, Resolucio: “a m= 91» 1Okg d=R=1/ 10% © Q = -16 + 10-8C = 16+ 16-8C Dados Como o elétron descreve MCU, a forca elétrica de atragdo ¢ a resultante centripeta, logo: Py = Fotis Resposta: = 1,6 - 10°m/s 24 cargas puntiformes de 5 + 10°C e —4 - 10°5C, no vacuo, esto separadas 2 iuanela de 3m. Determinar a intensidade da forca elétrica entre clas. 7 int Dado ko = 9: 10° “Ga Resolucao: Qi * Dados kp = 9° 10°N Utilizando a lei de Coulomb, temos: 2. pag. 1-2! Fok: P Feo Se 20 + 10” F=9-19- 2 ° 9 F=2N Resposta: 2N 4} Duas cargas puntiformes, Qj ¢ Qp, so fixadas nos pontos A.¢ Bdistantes entre si 0.4m, Dur cuos Sendo Qy = 2° 104C, Q = 8+ 10¢Ce ky = 9+ 10%, determinar: 4) a intensidade da forsa de repulsio entre Q, € at &} a intensidade da forca elétrica resultante sobre uma carga Q, go.lmde A, sobre a reta AB. Resolugi i Q, = 2-108C F a a, * i a) Dados: ]Q, = 8+ 10°C A @.— ——d_- -3 + 10°6C, colocada Esquema: d = 04m Qe ped pelo: or 2 F = 09N Qa: % CJ 2, by Dados: }d, = 0,1m s@™ AQ ~@: d, = 0.3m ’ 4, py s Calculo da forca de atracio F, = ke QS = 2-10 on F, = ko F Rao oti ew F, = 5,4N Calculo da forga de atrasso F, Fy = ke SPE oF 9 F, = 2,4N Calculo da forga resultante sobre Q, 0,3? wf: ig fe Fe Fe = 54-24 F, = 3N Resposta: 2) 0,9N —b) 3N 4. Duas pequenas esferas de mesmo raio, cada uma com masta 0,20g, foram suspensas do mesmo ponto pot fios leves ¢ isolantes de 20cm de comprimento. Eletrizadas com cargas iguais, verifica-se que elas se repelem, permanevendo em equilfbrio a 24cm uma da outra, conforme indica a figura. Determinar a carga de cada esfera. Admitir ¢ = 10m/s*. Resolt I ea m = 0,20g = 0,2 + 10>kg Dados |g = 10m/# d= 2d4em = 0,24m T: tracio no fio P: peso da esfera F.: forea elétrica Do trifangulo BAC, vem: 202 = 12? + x = 400 = 144 + x? x? = 256 x= 16cm Logo: 12. 3 wane Ban y Do triangulo BMN, vem: F, aa B= Pte Resposta: 0,98 + 107C PROBLEMAS PROPOSTOS 16 Duas cargas clétricas puntiformes de 17 A intensidade da forca enire duas car~ 2+104C e 10 + 10°C, no vacuo, es- gas elétricas puntiformes iguais, situa to separadas pela distincia de 20cm. das no vacuo 2 uma distancla,de 2m Calcule a intensidade da forga de repul- uma da; outra,, é de 202,5N. Qual o va- sdo entre elas, 4,5 - 10°'N Tor das cargas? 3+ ioc 18 (Fuvest-SP) Duas particulas, de cargas 10-7C e -107C e mesma massa 0,18, estio separadas de 10cm. ‘a) Qual a intensidade da forca elétrica entre as cargas em um meio onde a forca entre cargas de 1C a uma dis- tancia de 1m €9*10N? 9 19° bb) Sea carga positiva se movimentar ema torno da negativa, descrevendo um movimento circular uniforme de 10em de raio, qual a sua velocidade? Sus 49 (Vunesp) Teés pequenas esferas esto carregadas cletricamente com cargas q,, 4; € dy ¢ alinhadas sobre um plane tio- rizontat sem atrito (no vacuo), confor- me a figura, Nessa’ situacdo elas se encontram em equilfbrio. A carga da es- fera gz € positiva e vale 2,7 * 10*C, “@ Sy “@ ar: om Pede-se: a) determinar os sinais das cargas a, © 35 a, © g, nesatias b) calcular'o$ “Valores’ das cargas a, 8G. g) = a, = 10,8 10S 20 Uma esfera A é colocada em contato com uma outra, igual B, inicialmente neutta, Depois sio separadas e cotoca- das no vacuo @ uma distdncia de 20cm uma da outra e passam a se repelir com uma fotca de intensidade 9 - 10N. Calcule o médulo da carga primitiva da esfera A. 4 10 21 As cargas da figura estdo fixas ¢ locali- ‘zadas no vacuo. %@ ng —— : Boer * Calcule x para que a carga Qz fique em equilibrio sob acdo das forcas eleirosté- ticas, Dados: Q, = 20%C, Q = ~7C 8 = SHC. 160 22. As cargas indicadas na figura estao fi- xas e situadas no vécuo. °@ 2.@- 2@ ee! joer 206m Sabendo que Q, = ~4nC, Qs = ~84C @ Q = —[04C, calcule a intensidade da forca resultante que age sobre a carga: 8) Qi. 22,8N db) Qs. IgN 28 As cargas da figura so fixas e estiio 1o- calizadas no vacuo, Gam OQ, = Bue Determine a intensidade da forga elétci- ca resultante sobre a carga Q.. =0,72N 24 Trés cargas elétricas positivas de 54C ocupam 08 vértices de um tringulo re- t€ngulo cujos catetos medem Scm. @ @ @ Cateule a intensidade da forca elétrica resultante que atua sobre a carga do vér- tice do angulo reto, sabendo que a cons- tante eletrostatica do meio em que est o trianguto é igual a 9 - 10? SE 25 (Fuvest-SP) Um dos pratos de uma b: langa em equilibrio & uma esfera elet zada A. Aproxima-se de A uma esfera B com carga igual, mas de sinal contr4- tio. © equilibrio restabelecido, colocando-se uma massa de 2,5¢ no pra- to da balanca. A figura ilusira a situa- gio, Constarite do meio: k = 9X 10°N = mi/C?, Adote g = 10m/s*, Isot isotante eT “2 os a) Qual a intensidade da forga elétrica? b) Qual o valor da carga de A? ay 2,5 1072N b) S210 26 Duk déferas cOndutstat ideas, mui- topequenas,demesmamassa m = 0,38, encontram-se no vacuo, suspensas por meio de dois fios leves, isolantes e de comprimentos iguais L = Im, presasa uum mesmo ponto de suspensio O. Es- tando as esferas separadas, élas sao ele- trizadas com carga 2 e verifica-se que nna posigdo de equilibrio a distancia que as separa éd = 1,2m.ConsidereQ > 0 eg = 10m/s*, Determine o valor de Q, 1.2nC a 90/2. N PROBLEMAS DE FIKACAQ _ Sree 6 Derermine a que distincia devem ficar localizadas, no vicue, duas cargas pun- tuais idénticas, de modulo 14C, para que o médulo da forga de imeragdo ele- trostatica entre elas seja de 30N. 8-107 7. Duas cargas etétricas puntiformes se re- pelem com forca de intensidade 2+ 10°*N. Se reduzirmos a distancia enice elas & metade, qual seré a intensi- dade da nova fo.ya de repulsdo? 8° 105N 8 Trés objetos com cargas elétricas idén- ticas esto alinhados, como mostra a fi- gura. O objeto C exerce, sobre B, uma forca igual a 3,0 - 10"*N. Qual 2 forca elétrica resultante dos efei- tos de Ae € sobre B? 24 + 10°N 9 As trés esferas P,, P, ¢ Py, abaixo, es- to carregadas positivamente, respecti- vamente, com cargas 1nC, uC ¢ 3nC. As esferas P, e P; sto fixas, enquanto P; pode se mover sem atrito, Determi- ne a distancia x indicada, que faz a es- fera P; permanecer em equilibslo. 10 Determine a intensidade da resultante das forgas, produzidas pelas cargas que se encontram nos vértices de um quadra- do de 2m de lado, sobre uma carga Q que se encontra no centro do quadrado ocalizado no vacuo, conforme indica a figura. 27.10» 10°N £ Q a Qy = eC en | Q: = Lac 2m} XO} Dados {Q, = 3x LNG Q = nC OBO LQ = eC 1} Determine a intensidade da resultante das forcas, produzidas pelas cargas Q, € Q, sobre a carga Qy, quando coloca- das no vacuo, conforme indica a figura. 37° 0N 12 Nos vértices do iridngulo eqiiilétero ABC da figura a seguir, so fixadas tres cargas elétricas puntiformes: em A~10uC, em B+ MyeCeemC + 10pC. © lado do tridngulo mede ! = Im eo meio € 0 vacuo. Caracterize a forca elétrica resultante na esfera C.0,9N: horizontal ¢ para a esquerda. 13 Uma pequena esfera recebe uma carga de 40xC, e outra esfera de didmeiro igual, localizada a 20cm de distancia, re- eebe uma carga de ~10aC. a) Qual a forga de atracao entre elas? b) Colocando as esféras em contato ¢ afastando-as Sem, determine @ nova forga de interagio elétrica entre elas. a) 90N bp SION 14 (UF-MG) Duas bolinhas idénticas, pin- tadas com tinta metalica, esto car- regadas. Quando estZo afastadas 0 - 10-*m, elas se atraem com uma forga de27 - 10-5N. Encosta-se uma nna outta, sem tocé-las ‘com a mio. Afastando-as novamente até a distancia de 4,0 10-%m, elas se repelem com a forga de 9 - 10N. a) Explique por que’a forga mudou de atrativa para repulsiva, b) Determine as cargas das bolithas an- tes e depois de se tocarem, conside- tando que uma das cargas, antes do contato, era positiva eo triplo da ou- tra, e que k = 9 + 10°Nm/C?, 2) Porque as bolinbas adquirem cargas de mes- ro sinal, b) ames: ~$,0 10°C © 12 0° LOC ed,0 + 10% 10°C; depois: 15 Uma carga positiva q = 50 + 10*Ces- 14 fixa num ponto O do espago. Uma se- gonda carga positivaQ = 1,0 - 10*C € colocada num corpo de peso BP = 200Ne6 se pode deslocar na ver- tical que passa por q. a) Qestard em equilibrio acima ou abai- x0 de q? acima +b) No equilibrio, qual & distancia en- tre Qe q?15- 10m O meio é 6 vacuo. E dado: ky = 9- 10° tunidades SI. 16 No ponto B do plano inclinado, que se encontra no vacuo, temos um corpo fi- x0 € eletrizado com carga Q, = 20,C. No ponto A a 0,3m de B, coloca-se um corptisculo de massa 20g ¢ eletrizado com carga Q,. Despreze os atritos ¢ adote g = 10m/s*, Caloule Q, para que © corpo colocado em A fique em equilibria. 510% Campo elétrico INTRODUCA\ 0 conceito de campo elétrico pode ser melhor apresentado fazendo-se uma analogia do campo elétrico com © campo gravitacional criado pela Terra om torno de si: a gravidade g. Um corpo préximo a Terra fica sujelto a uma forga de atragdo gravitacio- nal (0 seu peso), decorrente da agdo do campo gravitaclonal g sobre a massa m, Uma carga elétrica Q produz, em torno do espago que a envolve, uma re- gido afetada pela sua presenga, o campo elétrico. Uma carga puntiforme q, na Presenga de um campo elétrico, fica sujeita 4 agdéo de uma forga elétrica. “A carga Q cria um campo elé' 00 que exerce uma forga elétric “Esobre'a carga’g. E importante observar que o campo elétrico 6 uma propriedade dos pon- tos da regido influenciada pela presenga da carga elétrica Q, nao dependendo da presenga da carga de prova q nesses pontos para a sua existéncla. A carga do prova q é utilizada somente para a verificagao da existéncia do campo elé-| trico num determinado ponto da regiao. Portanto: 7 30 _VETOR ure ELETRICO Considere uma carga Q criando em torno de sium campo elétrico. Golocando-se num ponto,P dessa regiéo uma carga de prova q, esta fica sujel- ~ ta a uma forga elétrica F ‘A definigdo do vetor campo elétrico E é dada pela expressdo: ou ‘As:caracteristicas de vetor campo elétrico sao: Intensidade E dada por: € = £. A unidade de medida de E no Sistema Internacional é 0 O-vetor E tem a mesma direcao da forga F. @) Sentido -Analisando a expresso F = qE, podemos associar o seritido do campo létrico'com 0 da forga elétrica da seguinte forma: seq >0 seq<0 Fo EF E i.e —__= qd aq, Eo F tém o mesmo sentido. E e F tem sentidos contrarios. PROBLEMA bo E APLICACAO Um‘ campo elétrico apresenta em um ponto P de uma regido ima intensidade de JO°N/C, diregao horizontal e sentido da esquerda para a direita, Determinar a inten- idade, a diregdio e o sentido da forga eléirica que atua sobre uma carga puntiforme q, co- locada no ponto P, nos seguintes casos: ) g's 2c 2) = Sn : = 6+ 1ON/C 8) Dados tq = 24 m 2+ 10°C E 0 610) > F = 1,2N Ditesao: ‘vient = Sentido: como q > 0, F tem o mesmo sentido de E. a1 E = 6+ 10°N/C b) Dados [4 2-340 = -3- 10%C FE p Eg Esquema: pane Suerte Intensidade: F = qE = F = -3- 10%-6- 10° -1,8N <. [FI = 18N Direcdo: horizontal _ Sentido: como q < 0, F tem sentido contrério ao de E. Resposta: Vide resolugao. PROBLEMAS, FROPOSTOS ue 27 Uma carga de prova q = ~2uC, colo- 29’ Um campo elétrico apresenta em um. ‘qda na presenga de um campo elétrico ponto P de uma regido intensidade de E, fica sujeita a uma forca elétrica de in- 12 - 10°N/C, diregdo e sentido indica- tensidade 4N, horizontal, da direita para dos na figura. aesquerda, Determine as caracterfsticas ——_> . do vetor campo elétrico E. Fade an 5° TENTS RoReontal, da esguerda para a Determine a intensidade, a directo eo direia. sentido da forga elétrica que atua sobre 28 Sobre uma carga de 4C, situada num uma carga puntiforme q colocada no Poato P, atua uma frga de BN. Se subs- ponto P, quando: tituirmos a carga de 4C por uma outra ie = eS. qual serd a inteasidade da forsa Bate Da = 3e sobre essa carga quando colocada no 30 Qual é a carga de uma particula de Ponto P? 108 2+ 10%kg de massa, para que perma- nega estacionéria, quando colocada em um campo elétrico vertical de 100N/C, num local onde a aceleracdo da gravi- dade é de 10m/s?? 2,0 - 10*C CAMPO ELETRICO DE UMA CARGA A expressao E = = permite determinar o campo elétrico, qualquer que cela a carga Q que. cricu. A seguir, apresentamos 0 caso particular do campo elétrico erlado por uma carga puniiforme. Considere uma carga puntiforme Q, fixa, originando um campo elétrico, de tal forma que uma carga de provaq, nele colocada, num ponto P, a uma dis- tancia d da carga criadora do campo, fica sujeita a uma forga F, cuja intensidai de pode ser calculada pela lei de Coulomb, 3 >—-@-----+---o-— 7 Q-q F ee Fake We a 32 0 campo elétrico no ponto P é dado por: "<> Analisando a express4o anterlor, concluimos que o vetor campo elétrico em um ponto independe da carga de prova nele colocada. ‘As caracteristicas de vetor E, determinado pela carga Q criadora do cam- “po, 80: BI Sane - a) Intensidade “dada por: E = eB. 'b) Diregao Da reta que une o ponto P a carga Q. Sentido. -__ O sentido do vetor campo elétrico depende do sinal da carga que origina = campo. /) Quando a carga criadora do campo for positiva, o campo elétrice produzi- do sera sempre de afastamento, como pode ser verificado, pela colocagdo de cargas de prova de sinais diferentes, nos pontos P, e P,. | Quando a carga criadora do campo for negativa, o campo olétrico seré sem- "ple de aproximagao, como mostra o esquema, 8 figuras a seguir indicam 0 sentido do vetor campo elétrico devido as positiva @ negativa. Velores campo a> 0 Vetores campo aso de atastamento de aproximagao 33 REPRESENTACAO GRAFICA DO CAMPO ELETRICO eee Avvariagao da intensidade do vetor campo elétrico E, originado por uma carga Q, em fungao da sua distancla d a um ponto P, 6 ropresentada pela hipér- bole a seguir: o d PROBLEMAS DE APLICACAO a 1 Determine a intensidade, a diresdo ¢ 0 sentido do vetor campo elétrico nos pontos P, € P,, criado por uma carga puntiforme, fixa, Q = 8:C, localizada no vacuo, conforme in- dica a figura. ro] P, Resolucdo: Q = BC = 8 106C 4, = 200m = 0,2m Dados } 4, = 10cm = 01m k= 9-10 Net Esquema: Z, + Campo elétrico no ponto P, Inensidade: B= ky G= B= 9-104 i B= 18+ 1ON/C Diregdo: da reta que passa por Q ¢ P). Sentido: sendo Q'> 0, 6 campo é de afastamento, isto é, parg a direita © Campo elétrico no ponto P Intensidade: B= ky Q = B= 9.10" fae B= 72+ 10NWC Diregfo: da reta que passa por Q ¢ P. Sentido: sendo Q > 0, o campo é de afastamento, isto é, para a esquerdé Resposta: Vide resolugdo. 34 2:Uma carga Q = 4uC, fixa, encontra-se no vicuo, conforme indica a figura. S Q Determine, num ponio P, a 20cm da carga: 0Q £ <0 Vejamos, agora, 0 que ocorre num determinado ponto P de uma regiao on- de existem varias cargas puntiformes, por exemplo: Q,, Q; @ Qs. Oa, <0 z Cada uma das cargas cria urn campo elétrico como se agisse isoladamente. Portanto, no ponto P existird um vetor campo elétrico resultante ER, dos veto- tes E,, E, ¢ Ey dado pela soma vetorial dos vetores componentes. “Ene E+ & Particularmente, para duas cargas puntiformes, a intensidade do campo elétrico resultante E & dada pela expressao: ee. 1 Duas cargas puntiformes de 4n.C ¢ —5uC esto fixas nos pontos A ¢ B, localizados no va- cuo, conforme indica a figura. om] Sn Sabendo-se que AC = 20cmeCB = 30cm, determinar a intensidade do vetor campo elé- trico no ponto C. Resolugio: = eC = 4+ 10%C Esquema: -5-10“C a, An a, 0,2m 2 Dados $ a * 0.3m @ ! 8 Nm | i t cj * 1 * Calculo de E, t “10+ E,= ky Gh 10 oe 9 B, = 9+ 10-N/C * Céleulo de Ey a9. 1 S21 2 5-10» ‘ By yt GP = 91 EE = 5-10 = 5 1OON/C © Céleulo de B B= B+ 8, =9- 10° +5: 10' = 14: 10N/C B= 14: 105N/C 2 Em dois vértices de um triangulo eqiiflétero se encontram duas éargas positivas Q = 4xC, ‘conforme indica a figura. saa Pp Q, a, Os campos E, ¢ E, sao de afastamento, logo: = Rak 2e no 19) Ato Bis B= ky E, = BE, = 9° 10% oar B)- B= 4- 10N/C 0 vetor campo resultante E ¢ dado por: _, Intensidade: : Ba E}Pi}+26,cos60" = EB = |(4-107 444-1094. 108-4:105-4. E 448 = 10" E = 43-10N/C Direcao: vertical. ‘Sentido: para cima. O vetor campo elétrico resultante tem médulo 4,3 - 105N/C, diregdo ver; tical e sentido para cima. . 37 PROBLEMAS PROPOSTOS u , 34 Duas cargas puntiformes de 6:C e =10,C esto fixas nos pontos A ¢ B, lo- calizados no vacuo, conforme indica a figura, 6x P 1026 o-—-+-—-@ {+ | + oem em Determine a intensidade do vetor cam- po elétrico resultante no ponto P. 5,875 - LON/C 35 Nos vértices de um quadrado ‘de 10cm de lado colocam-se quatro cargas de mé- Gulos iguais a 24C, conforme indica a figura:| 240 AC —2nC = 2nC Determine a intensidade do vetor cam- po elétrico resultante no centro do quadrado, 72/2 - to°N/C 36 Nos pontos A eB, indicados na figura, estao localizadas, respectivamente, duas cargas fixas e positivas Qy ¢ Qy- A P. 5 z,° Determine a relagio entre as cargas Qy € Qy de modo que seja nulo o campo elétrico resultante no ponto P. Qa = AQ, LINHAS DE FORCA Ba puntiformes, 37 Duas cargas Q, = 50+ 10°C & Q = 32° 108C, esto colocadas nos vértices de um trian: gulo retangulo, como mostra a figura. Determine a intensidade do vetor cam- po elétrico resultante no ponto P. BNC @ Q, 3,0m Pe Q, 400 . 38 (Unicamp-SP) Duas esferas metétitas identicas, inicialmente carregadas com cargas Q, = 1,0 10°C e Q = -3,0 + 10°C, sto colocadas em contato e depois afastadas uma da ou- ra até uma distancia de 60cm. a) Qual €a forca eletrostatica (intensi- dade, diregio e sentido) que atua so- bre cada uma das cargas? ‘b) Determine as caracteristicas do cam- po elétrico resultante no ponto P, si- tuado sobre a mediatriz do segmento da reta que une as duas cargas, a 50cm de distancia de uma delas, co- mo mostra @ figura, Rep pie. 265 0 vetor campo elétrico E permite abter 0 valor do campo elétrico de qual- quer ponto, mas néo oferece de imediato uma visdo ampla do campo elétrico em toro de um corpo eletrizado. Para Isso recorre-se as linhas de farca. Por definig&o, linha de forea é uma linha imaginéria, tangente ao vetor cam- po elétrico em’cada um dos seus pontos. E orlentada no mesmo sentide do vetor E, Js linha de torga E, zt E, zB linha de forga o Ey Boy ! Por um ponto P de um campo elétrico no podem passar duas linhas de forga, portanto, duas linhas de forga nado podem se cruzar. 38 Denomina-se espectro do campo a representagéo grafica de um campo elétiico, ou seja, das suas linhas de forca. ‘As figuras @ seguir mostram alguns tipos de campo elétrico e seus és: pectros. a) Carga puntiforme ae ae 6. “s: Bumcampo eiétrico varidvel que diminui & medida que se afasta da carga eriadora do campo. b)Duas cargas puntiformes e iguals sinais contrérios sinals iguais -O campo elétrico 6 resultante dos campos criados por cada carga, indivi- dualmente. Deve-se notar que, na regiao onde as linhas de forga séo mals prdximas, “9.campo elétrico é mais intenso, ou seja, hd malor densidade das linhas de forga. ~¢) Campo eilétrico uniforme Eaquele em que 0 vetor campo elétrico Eé constante em todos os pontos do campo, isto 6, tem sempre a mesma intensidade, a mesma diregdo e 0 mes- ‘mo sentido. Num campo unifarme as linhas de foiga sfo retas paralelas. E 0 caso do campo elétrico entre duas placas meté- licas'parateias, eletrizadas com cargas ‘de'Sinais contrarios. O vetor Fé constante, perpendicular as placas ¢ orientado da placa posi- tiva para a negativa. :. AS seguintes figuras mostram as linhas de forga criadas por corpas eletr- Zados de diversas forcas. 39 PROBLEMA DE APLICACAO ee Duas placas metdlicas paralelas, das no vacuo a 10cm de distancia uma da outra. O campo tom intensidade 6 10"N/C. Uma carga elétri eletrizadas com cargas de sinais contrétios, esto coloca- dlétrico produzido pelas placas ica puntiforme de 2nC massa 5 > 10-¢kg é abandonada ne placa positiva. Supondo desprezivel a forca de atrago gravitacional so- bre a carga elétrica, determinar: a) a forca atuante sobre a carga ¢létrica. b) a aceleracdo da carga elétrica. ¢) a velocidade com que a carga clétrica atinge a placa negative. Resolugiio: B= 6+ 10'N/C d= 10cm = 0.1m Dados {q = %C =2- 10*C a) Céleuto de F Feq-E=2-106-6-°10 b) Céleulo de a Fema2ashe mm ©) Céileulo de v v= G+ dad vi=0 42+ 24+ 106+ Ot v=48- 10 =v a) 120N Resposta: b) 24 10'm/s EM OSTOS AS PROP ee ‘99 Uma carga elétrica puntiforme de 4¢C emassa 2: 10"%kg éabandonada, em re- pouso, num ponto A deum campo elétri co uniforme de intensidade 16 - 10°N/C, conforme indica a figura. Determine: a) a intensidade da forca que atua so- ‘ore a carga elétricas b) avelocidade da carga aopassar por B; ¢) o tempo gasto pela carga para ir de A até B. a) 6,4N b) 1B = 10%m/s 9) 56: rts 120 5°10 {4,8 - 108 Esquema: | 120 +. F = 120N = 10 | a= 24> 10m/s* . ¥ = 2,2 + 10'm/s ©) =2,2 - 10 mvs io 40 (Fuvest-SP) Numa dada regido do espa- 40 existe um campo elétrico uniforme de intensidade 10°SN/C. a) Represente as linhas de forga desse campo. b) Qual a intensidade da forca elétrica que atua sobre um proton no interior desse campo? 1,6 10*N (Carga do proton; 1,6 - 10°"C) 4) Linas de forpas paraleas e igalnenteespacacel 41 (Fuvest-SP) Uma particula de agua, com massa 0,80 - 10 ke, eletrizada com carga q = 16 + 10-¥C, estd em equili; brio no interior de um campo elétri¢e uniforme de placas paralelas e hori! zontais. a) Represente as linhas de forga desse ‘campo. Vertical ascendeme ‘ b) Caleule a intensidade do campo elé- ttico entre as placas, 5,0 - 10°N/C MFO DE UM CONDUTOR ELETRIZADO EM é EQUILIB RIO yando eletrizamos um condutor, de qualquer formato, com uma quanti- de carga Q, a repulsdio entre as cargas elementares faz com que elas se “mo mais longe possivel umas das outras. Conforme |4 vimos, Isso corres- (é'a uma distribulgdo de cargas na superficie do condutor, onde elas ficam Igumas experiéncias comprovam que as cargas se distribuem na super- icie dos condutores em equilibrio eletrostatico. fera-oca dé Coulomb upondo-se a esfera eletrizada, 38 que 0 corpo de prova nao se ele- iza/quando ‘toca a parte interna da tera. ‘corpo de prova suport isolante Hemistérios de Cavendish nvolvendo-se a esfera eletrizada com dols hemistérios, as cargas elétri- OQ conceito de equilitirio eletrostatico nos permite concluir que: } campo elétrico no interior de um condutor eletrizado em equilibrio énulo, alquer que seja o formato do corpo. " De fato, se no interior do condutor houvesse campo elétrico diferente de ze- 10, ele agirla nos elétrons livres provocando um movimento de cargas, 0 que ‘contrério ao conceito de condutor em equilfbrlo. 4 ® Na superficie de um condutor eletrizado em equilibrio, o campo elétrico é nor- mal & superficie e nao-nulo. Isto 6 facil de entender, pois, se o vetor campo elétrico ndo fosse normal 4 superficie, ele teria um componente tangencial que provocaria um movimen- to de cargas na superficie, contrariando novamente o conceito de condutor em equilfbrio. Observagses: 14) Egsas conclusées so validas tanto para um condutor oco como para um macigo. 22) No caso de um condutor ligado a uma rede de energia slétrica (fio de co- bre), 0 campo elétrico no seu interior no 6 nulo. Mas, nesse caso, 0 condu- tor nao esta em equillbrio, pois ha movimento de elétrons ao longo do fio. CAMPO ELETRICO CRIADO POR UM CONDUTOR ESFERICO Consideremos um condutor esférico, oco ou macigo, de raio re carga Q. Para os pontos internos e externos, a intensidade do campo elétrico é cal- culada como se a carga fosse puntiforme e localizada no centro do condutor estérico. a) Campo interno Internamente o campo 6 nulo. b) Campo infinitamente préximo a esfera Para pontos muito proximos 4 superficie, a intensidade do campo esféri- co é dada por: . m 42