Você está na página 1de 30

UDF Centro Universitário

Engenharia Civil

Sistema construtivo Light Steel Frame: Um comparativo com o


sistema de alvenaria convencional

Alisson Resende

Brasília
2015
Alisson Resende

Sistema construtivo Light Steel Frame, um comparativo com o


sistema de alvenaria convencional

Trabalho de conclusão de curso


apresentado à Coordenação de
Engenharia Civil do Centro Universitário
do Distrito Federal - UDF, como requisito
parcial para obtenção do grau de bacharel
em Engenharia Civil Orientador: Leila
Teixeira Soares.

Brasília
2015
Reprodução parcial permitida desde que citada a fonte.

Resende, Alisson.
Light Steel Framing: Um comparativo com o sistema de
alvenaria convencional / Alisson Resende. – Brasília, 2015.
Trabalho de conclusão de curso apresentado à
Coordenação de Engenharia Civil do Centro Universitário do
Distrito Federal - UDF, como requisito parcial para obtenção do
grau de bacharel em Engenharia Civil. Orientadora: Leila
Soares Teixeira.

1. Light Steel Framing. I. Comparativo com o sistema de


alvenaria convencional

CDU
Alisson Resende

Light Steel Framing:


Um comparativo com o sistema de Alvenaria Convencional

Trabalho de conclusão de curso apresentado à


Coordenação de Engenharia Civil do Centro
Universitário do Distrito Federal - UDF, como
requisito parcial para obtenção do grau de
bacharel em Engenharia Civil.
Orientadora: Leila Soares Teixeira.

Brasília, _____ de _________ de 2015.

Banca Examinadora

_________________________________________
Nome do Examinador
Titulação
Instituição a qual é filiado

__________________________________________
Nome do Examinador
Titulação
Instituição a qual é filiado

___________________________________________
Nome do Examinador
Titulação
Instituição a qual é filiado

Nota: ______

ii
Dedico à minha família, amigos e a minha
noiva pelo apoio na realização deste
trabalho.
AGRADECIMENTO
Agradeço família, por todo apoio durante a realização do trabalho; a minha orientadora,
pela atenção e cuidados prestados durante essa longa jornada; a meus amigos, pela a
ajuda durante minhas pesquisas; e a minha noiva, responsável por todo o apoio que me
fez chegar até aqui.RESUMO

O avanço tecnológico trouxe consigo a necessidade do aprimoramento de produtos e


meios de produção. Na construção civil formas de construções alternativas são
melhoradas e ganham popularidade com o passar dos anos, é um exemplo disso o
sistema construtivo Light Steel Framing, derivado do Wood Framing e que consiste na
utilização de estruturas de aço que garantem maiores benefícios e inovação tecnológica
quando comparado ao sistema de construção de alvenaria convencional. O LSF surgiu
nos Estados Unidos e é utilizado em larga escala no país de origem e no Japão. Esta
pesquisa visa demonstrar a qualidade do LSF em detrimento do sistema convencional
utilizado no Brasil de forma a apresentar os componentes utilizados, suas vantagens
econômicas e sustentáveis. Além de garantir qualidade e limpeza, o LSF, também
conhecido como uma construção à seco, vai demonstrar a partir dos dados levantados
que tem maior flexibilidade e adaptabilidade, pois seu componente principal é o aço, leve
e reciclável.

Palavras-chave: Light Steel Frame (LSF), Sustentabilidade, Aço, Construção à Seco,


Inovação Tecnológica.
ABSTRACT

Technological advancement has brought with it the need for improvement of products and
means of production. In construction forms of alternative constructions are improved and
gain popularity over the years and one example is the building system Light Steel Framing,
derived from the Wood Framing and that is the use of steel structures that ensure greater
benefits and technological innovation when compared to conventional masonry building
system. The LSF has emerged in the United States and is used widely in the home
country and Japan. The paper demonstrates the quality of the LSF over the conventional
system used in Brazil in order to present the components used and their economic and
sustainable advantages. In addition to ensuring quality and cleanliness, the LSF, also
known as a building to dry, has greater flexibility and adaptability as its main component is
steel, lightweight and recyclable.

Keywords: Light Steel Frame (LSF), Sustainable, Steel, Construction to Dry,


Technological Innovation .
LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Fundação em Radier...........................................................................................10


Figura 2 - Perfis em aço galvanizado..................................................................................11
Figura 3 - Laje seca feita em OSB.......................................................................................12
Figura 4 - Tipo da Laje Úmida.............................................................................................12
Figura 5 - Isolamento de estrutura em LSF.........................................................................13
Figura 6 - Revestimento Interno de uma estrutura de LSF.................................................14
LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Custo de execução de cada etapa.....................................................................18


Tabela 2 - Tempo de execução da obra...............................................................................18
Tabela 3 - Residuos gerados na construção.......................................................................19
LISTA DE GRÁFICOS

Gráfico 1 - Relação Custo x Tempo x Resíduos gerados...................................................20


LISTA DE SIGLAS

LSF – Light Steel Framing


CO2 – Dióxido de carbono
SINAPI – Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil
LEED – Leadership in Energy and Environmental Design
GEE – Gases do efeito estufa
CES – Construção Energitérmica Sustentável
OSB – Oriented Strand Board
EPS – Poliestireno Expandido
CBCA – Centro Brasileiro da Construção em Aço
PVC – Policloreto de vinil
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO...................................................................................................................7

2. OBJETIVOS.......................................................................................................................8

2.1 Objetivos Gerais...........................................................................................................8

2.2 Objetivos Específicos...................................................................................................8

3. JUSTIFICATIVA.................................................................................................................9

4. METODOLOGIA..............................................................................................................10

5. REFERENCIAL TEÓRICO...............................................................................................11

5.1. COMPARATIVO............................................................................................................18

6. RESULTADOS.................................................................................................................20
8

1. INTRODUÇÃO

No mundo globalizado a demanda crescente de tempo, exige que as construções


sejam executadas com rapidez e eficiência, porém a alvenaria convencional ainda
demanda uma grande quantidade de tempo para sua execução. Assim como qualquer
outro setor em crescimento exige uma busca por novas tecnologias, a construção civil
precisou se atualizar para atender as demandas populacionais de nossa época dando
origem a novos sistemas construtivos como é o caso do sistema construtivo Light Steel
Frame ou conhecido como LSF. Nesse novo contexto o Light Steel Frame se apresenta
como uma alternativa de sistema construtivo, capaz de trazer em seu conceito praticidade
e velocidade na execução das obras sendo o tempo de execução 1/3 menor que nas
obras com alvenaria Tradicional, areia tijolo e cimento onde este apresenta também maior
precisão no cumprimento de prazos.
Com uso renomado em países como Estados Unidos, Japão, Canadá, Argentina, Chile
e continente Europeu, nas últimas duas décadas o Light Steel Frame tem ganhado força
também no Brasil como uma alternativa ao sistema de alvenaria convencional.
Este fluxo positivo acompanha uma outra demanda crescente atualmente em todos os
espaços da construção civil que é a execução de obras com caráter de sustentabilidade,
vantagem que o Light Steel Frame, que também é conhecido como construção a seco,
tem em relação ao sistema convencional, por ser considerado uma obra seca e limpa, que
gera menos de 1% de resíduos e uma baixa emissão de CO2 na atmosfera que em
comparação ao sistema convencional é cinco vezes menor.
Hoje no mercado brasileiro, técnicos no ramo da construção civil, arquitetos,
engenheiros, bem como indústrias e empresas que possuem produtos para o Light Steel
Frame, já encontram-se preparadas para o desenvolvimento e crescimento desse sistema
construtivo. Em favor deste cenário já é possível encontrarmos em várias regiões do país
obras, tais como residências, escolas, hospitais e prédios construídos com esse sistema,
garantindo a este um mercado forte e em expansão.
9

2. OBJETIVOS

2.1 Objetivos Gerais

Esse trabalho tem como objetivo apresentar as características técnicas do Light Steel
Framing e do sistema construtivo convencional, em um comparativo entre os dois
sistemas, apontando vantagens e desvantagens de cada sistema em uma análise de
melhor custo x benefício para o mercado da construção civil.

2.2 Objetivos Específicos

• Verificar a viabilidade econômica do sistema Light Steel Frame.


• Fazer um comparativo do sistema Light Steel Frame com o sistema convencional,
apresentando vantagens e desvantagens de cada sistema.
• Apresentar o porquê de o Light Steel Frame ser considerado um tipo de construção
a seco.
• Mostrar o sistema light Steel Frame como um sistema que trabalha com conceito
de sustentabilidade.
10

3. JUSTIFICATIVA

A busca por inovação que cresce mais a cada ano levou a construção civil a se
adaptar as diversas demandas existentes na atualidade. É com esse contexto que o Light
Steel Frame surge e é hoje usado em grande escala por vários países, tendo ganhado
espaço nas últimas duas décadas também no Brasil.
Embora dentro de um contexto atual favorável, o conceito e a tecnologia do LSF ainda
não são conhecidos por grande parte da população e usuários de sistemas construtivos
no Brasil. Este estudo pretende que através dessa pesquisa possamos ter acesso a esse
conhecimento e tecnologia construtiva com o objetivo final de nos dar a capacidade de
avaliar quando o Light Steel Framing e sua aplicação é mais vantajosa que o sistema de
alvenaria convencional, bem como mostrar que este sistema garante qualidade final da
construção sem perda de desempenho da estrutura, e ainda ser considerado uma
construção sustentável.
11

4. METODOLOGIA

A metodologia utilizada para a pesquisa contou com etapas de levantamento


bibliográfico, através de pesquisas e publicações, artigos, revisões bibliográficas,
dissertações e definições sobre sistema tradicional de vedação e o sistema LSF. Foi
coletado através de editais de licitações, disponíveis no site da Caixa Econômica Federal,
o custo e o tempo de execução total de agências que utilizem os dois sistemas, bem
como a base de dados do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da
Construção Civil (SINAPI). Então foram comparados os três principais aspectos que
determinam um sistema como viável ou não na construção civil, o custo, o tempo de
execução e a qualidade final da obra. Após isso foi feito a avaliação e apresentação dos
resultados obtidos.
12

5. REFERENCIAL TEÓRICO

O nome Light Steel Framing (LSF) é um termo da língua inglesa utilizada para
designar edificações, em sua maioria de pequeno porte, cuja estrutura é executada com
perfis de aço galvanizado laminados a frio. O LSF é um sistema no qual os perfis de aço
são utilizados para a composição de uma estrutura de painéis que podem ser estruturais
ou não, vigas, tesouras entre outros componentes necessários (FREITAS, Castro, 2006)
O surgimento do Light Steel Framing deriva do Wood Framing que teve suas principais
características: velocidade e produtividade advindas do ideal da Revolução Industrial no
século XVIII. Após a Segunda Guerra Mundial e com o aparecimento das siderúrgicas
norte-americanas na metade do século XIX houve um aumento da produção do aço
galvanizado no mercado para a produção dos frames metálicos, mais leves e resistentes
ao fogo e à corrosão quando comparados aos frames de madeira. Contribuiu também
para impulsionar os frames metálicos, a passagem do furacão Andrew em 1992 pela
costa leste dos Estados Unidos, visto que as construções em Steel Frames são mais
resistentes aos sismos.
No Brasil, o LSF foi utilizado pela primeira vez pela Construtora Sequência em 1992,
na construção de um condomínio de casas em São Paulo. As casas típicas norte-
americanas mostraram um grande potencial devido à velocidade das obras, em torno de
cem dias e a sua linha de montagem industrial. Atualmente os fornecedores dos
componentes do sistema construtivo LSF são feitos no Brasil e garantem qualidade. É
uma forma de sistema construtivo residencial alternativo que, segundo Alexandre Mariutti,
diretor e arquiteto da construtora Sequência, para suprir o déficit habitacional que existe
hoje no mercado, é necessário que o setor da construção civil se industrialize. Esse
problema não será solucionado se continuar se construindo da forma que se constrói
hoje.
O termo sustentabilidade surgiu no século XX a fim de contornar os desperdícios e
consequências naturais que se intensificaram com a Revolução Industrial e tendo
consequências ainda na atualidade. O uso desenfreado de bens não renováveis trouxe a
necessidade de preservar e reutilizar bens naturais e deve ser colocado em prática desde
o nível doméstico e individual como em grandes construções civis e sistemas de energia.
Com isso, foi criada a Certificação Leadership in Energy and Envioronmental Design
(LEED) que funciona no Brasil desde 2007 e trata-se de um selo verde que qualifica
edificações que seguem o padrão de sustentabilidade no projeto de construção. Os
13

critérios utilizados pelo LEED para a certificação da empresa construtora é o uso racional
da água; eficiência energética; redução, reutilização e reciclagem de materiais e recursos;
qualidade dos ambientes internos da edificação; espaço sustentável; inovação e
tecnologia; e atendimento as necessidades locais.
Além das vantagens como velocidade e resistência na construção a sustentabilidade é
o diferencial do sistema construtivo LSF que visa atender aos critérios do Selo LEED. O
sistema reduz o desperdício à medida que gera pouco ou quase nenhum entulho e ainda
pode ser reutilizado, o aço pode ser reciclado indefinidamente e há redução na emissão
de gases do efeito estufa (GEE). Este sistema construtivo por ser muito leve e de pouca
carga pode atender aos mais variados terrenos, sem gastos com aterros ou movimento de
terras, de forma que causa poucos danos a natureza. Este também reduz o gasto com
madeiras para apoios ou caixas de vigamentos e outros e diminui a poluição sonora
causada em obras de alvenaria convencional por serras e outros equipamentos.
O termo construção a seco significa a redução ou nenhum gasto de água no LSF, já
que os componentes são pré-fabricados e depois apenas montados. É também conhecido
pelo modelo de construção Construção Energitérmica Sustentável (CES) que garante um
bom desempenho térmico e consequente economia de energia ao passo que utiliza o
método de reboco térmico, composto por painel Oriented Strand Board (OSB), barreira de
vapor, Poliestireno Expandido (EPS), tela em fibra de vidro e argamassa elastomérica.
O Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA) garante que a produção de aço
utiliza tecnologia limpa e não libera substâncias que agridem o meio ambiente, além de
ser obtido pelo minério de ferro, um dos elementos mais abundantes no planeta. Por ser
leve, reduz fundações e retiradas de terra. Sua flexibilidade sugere que as construções
possam ser modificadas sem desperdícios e perda de tempo, também pode ser
facilmente separado de outros materiais para sua reciclagem.
Assim como no sistema convencional o processo de construção do Light Steel Frame
é divido por etapas, e segundo o Engenheiro Alessandro de Souza Campos, Engenheiro
Civil da Superintendência de Desenvolvimento de Aplicação de Aço (CSD) da
Usiniminas/Cosipa, são elas:

 Fundação – O Light Steel Framing geralmente é montando sobre uma


fundação tipo radier, como na figura 1, executada sobre isolamento hidrófugo e
com as alimentações elétricas e hidráulicas já instaladas. Apesar de o radier ser o
mais utilizado, o tipo de fundação pode variar de acordo com o cálculo estrutural.
14

Após os painéis de aço de aço terem sido fabricados, os mesmos são fixados à
fundação através de chumbadores. Instalações provisórias de painéis, através da
utilização de pinos fixados por pólvora, também são usuais na fase de montagem,
entretanto, por não fornecer ancoragem suficiente, é necessário o uso dos
chumbadores para garantir a transferência das cargas da edificação para a
fundação e dessa para o terreno.

Figura 1 - Fundação em Radier.


Fonte: <http://www.flasan.com.br/steelframe.html>

 Painéis – O conceito estrutural consiste em dividir as cargas em um maior


número de elementos estruturais, sendo que cada um é projetado para receber
uma pequena parcela de carga, o que possibilita a utilização de perfis conformados
com chapas finas de aço, apresentados na figura 2. A modulação ou malha de
distribuição destes perfis, usualmente, é de 400mm ou 600mm, o que permite o
controle de utilização e a minimização do desperdício dos materiais
complementares industrializados, que estão enquadrados no modulo de 600mm,
tais como: fechamentos em placas cimenticias, OSB ou placas de gesso
acartonado.
Tanto a disposição dos montantes dentro da estrutura dos painéis como suas
características geométricas, de resistência e sistema de fixação entre as peças,
fazem com que estes estejam aptos a absorver e transmitir cargas verticais e
horizontais. Os elementos estruturais mais utilizados para garantir a estabilidade
estrutural dos painéis e, consecutivamente da edificação são os contraventamentos
15

e as placas de fechamento estruturais. Os painéis são, geralmente, executados


anteriormente em fábricas o que garante uma melhor produtividade, qualidade e
melhores condições de trabalho. Porém, o sistema oferece ainda a possibilidade de
execução destes painéis junto ao canteiro de obras, no entanto está não é a
melhor condição de trabalho.

Figura 2 - Perfis em aço galvanizado.


Fonte: <http://www.drymaxx.com.br/conteudo/conteudo.asp?id=14>

 Lajes e coberturas – O conceito estrutural do Sistema Light Steel Framing,


que consiste em dividir as cargas entre os perfis, também é utilizado para os
elementos que suportam as lajes e coberturas, seus elementos trabalham bi-
apoiados e devem, sempre que possível, transferir as cargas continuamente, ou
seja, sem elementos de transição, até as fundações. Para o sistema, existem dois
tipos distintos de lajes, denominadas de lajes secas (figura 3) ou úmidas (figura 4).
As lajes “secas” podem ser compostas por painéis de madeira (OSB ou outros) ou
placas cimenticias apoiadas sobre perfis metálicos estruturais (vigas de entrepiso).
Já as úmidas, são compostas por formas de aço (telhas galvanizadas) preenchidas
com concreto e tela eletrossoldada.
16

Figura 3 - Laje seca feita em OSB.


Fonte: <http://www.iframebrasil.com/sistema/>

Figura 4 - Tipo da Laje Úmida

 Isolamentos – Anteriormente o conceito de isolamento baseava-se na


utilização de materiais de grande massa e espessura. Hoje, com o avanço
tecnológico dos produtos e processos de cálculo, consegue-se mensurar a real
necessidade do isolamento e quantificar o material isolante necessário. Várias são
as maneiras de conservação energética em uma construção, entre elas conter
infiltrações de água e a passagem de vento, evitar penetração e formação de
umidade, adequado projeto de circulação de ar dentro da edificação ou, ainda,
17

reduzir as perdas térmicas entre o meio interno e externo. São estes alguns
sistemas de isolamento: Barreira de água e vento, barreira de vapor, Áticos
ventilados, Isolantes térmicos e acústicos (figura 5), e seladores

Figura 5 - Isolamento de estrutura em LSF.


Fonte: http://www.flasan.com.br/steelframe.html

 Fechamento e acabamentos – Para os fechamentos internos das paredes o


gesso acartonado é o material mais indicado. Podemos encontrar no mercado
brasileiro 3 tipos diferentes de placa de gesso:

o Placas comuns, utilizadas em áreas secas, apresentam o cartão na


cor natural;
o Placas resistentes a umidade, também chamadas de placas verdes,
são indicadas para ambientes úmidos;
o Placa resistente ao fogo, utilizada quando há a necessidade de
proteção passiva, são diferenciadas pela cor vermelha do cartão
envelopador do gesso.

Sobre as placas de gesso (figura 6) podem ser aplicados revestimentos usuais


como cerâmica, pintura e textura entre outros usualmente aplicados na construção civil. O
revestimento externo também pode receber a aplicação dos materiais de acabamento
usualmente empregados, como pastilhas, pedras (mármore e granito) ou até mesmo
reboco e pintura. Atualmente já existem no Brasil revestimentos desenvolvidos
especialmente para o sistema Light Steel Framing, como o Vinílico, que consiste em um
18

material composto de PVC de fácil instalação e que dispensa manutenção, e a placa


cimenticia, que é aplicada diretamente sobre a estrutura e depois pintada, apresentando
ótimo desempenho.

Figura 6 - Revestimento Interno de uma estrutura de LSF.


Fonte: <http://livrevida.com.br/arquitetura-e-construcao/steel-frame-sistema-de-construcao/>
19

5.1. COMPARATIVO

Para fim de comparação foram utilizadas duas agências padrão KIT-06 da Caixa
Econômica Federal, que possuem área de 560m². O primeiro aspecto a ser comparado
será o custo de execução da parte estrutural e elétrica das agências, já que as demais
partes possuem custo similar em ambos os sistemas.
A tabela 1 apresenta o custo de execução das principais etapas:

Convencional Light Steel Framing


Serviços Preliminares e Gerais R$ 203.601,44 R$ 139.878,90
Instalações de Canteiro de Obra R$ 22.854,06 R$ 22.854,06
Infraestrutura R$ 51.236,93 R$ 156.026,63
Superestrutura R$ 130.496,41 R$ 187.266,11
Cobertura R$ 62.684,77 R$ 62.684,77
Impermeabilizações R$ 6.811,71 R$ 38.695,80
Fechamentos de Paredes R$ 266.678,30 R$ 214.989,64
Revestimento de Paredes R$ 4.468,75 R$ 4.468,75
Portas, Esquadrias e Vidros R$ 59.963,80 R$ 63.368,51
Pisos R$ 128.625,99 R$ 123.394,48
Rodapés, Soleiras e Peitoris R$ 6.915,10 R$ 6.915,10
Forros, Divisórias e Pisos Falsos R$ 41.419,33 R$ 41.419,33
Carpintaria e Marcenaria R$ 450,19 R$ 450,19
Serralheria R$ 41.443,89 R$ 52.306,21
Pintura R$ 20.247,68 R$ 20.247,68
Instalações Elétricas R$ 297.179,01 R$ 288.622,70
Custo Total R$ 1.345.077,36 R$ 1.423.588,85
Tabela 1 - Custo de execução de cada etapa

Como pode ser observado o custo total do sistema Light Steel Framing é 6% maior
que o custo do sistema de alvenaria convencional, apresentando desvantagem frente ao
sistema convencional. Porém deve ser ressaltado que em determinadas etapas, tal como,
serviços preliminares e gerais, o LSF tem vantagem em relação ao custo do sistema de
alvenaria convencional.
O segundo aspecto a ser comparado é tempo de execução total da obra. A tabela 2
apresenta o tempo de execução de cada um dos sistemas:
Convencional Light Steel Framing
20

Tempo de execução em semanas 24 16


Tabela 2 - Tempo de execução da obra

Nesse aspecto o Light Steel Framing tem vantagem em relação ao sistema


convencional, pois seu tempo de execução é 16 semanas, cerca de 1,5 vezes menor que
o outro sistema.
O último aspecto a ser comparado será a quantidade de resíduos gerados no final
de obra. A tabela 3 apresenta a quantidade de resíduos gerados, relacionado a todos os
materiais utilizados na obra, em cada um dos sistemas:
Convencional Light Steel Framing

Quantidade de Resíduos gerados 30% 1%


Tabela 3 - Residuos gerados na construção

Nesse último aspecto a o light steel framing tem grande vantagem em relação ao
sistema convencional, pois gera apenas 1% de resíduos da construção civil, fator esse de
extrema importância, em um contexto mundial que demanda soluções sustentáveis.
21
22

6. RESULTADOS

Atraves do estudos realizados, foi possivel avaliar a relação custo x tempo x


resíduos gerados apresentada no gráfico 1:

Gráfico 1 - Relação Custo x Tempo x Resíduos gerados

7. Considerações finais
Para melhor percepção das diferenças entre cada sistema, o sistema de alvenaria
convencional foi adotado como 100% no gráfico.
Apesar do LSF custar certa de 6% a mais do que o sistema de convencional, quando
se trata de uma obra que exiga rapidez na execução aliado a padrões de
sustentabilidades, racionalização de processos e qualidade final de obra exigência
crescente no cenário da construção civil, o Light Steel Framing apresenta grande
vantagem em relação ao sistema de convencional. Além de ser um flexível, que não
apresenta grandes restrições aos projetos, racionalizado e otimizando a utilização dos
recursos e o gerenciamento das perdas. Com projetos que podem ser customizados este
permite total controle dos gastos já na fase de projeto,
23

Dentro das vertentes normatizações, racionalização e produção em cadeia, atualmente


no Brasil tanto os profissionais envolvidos no ramo da construção civil bem como a
indústria siderúrgica encontram-se, totalmente preparados para atender o
desenvolvimento e crescimento desse sistema construtivo buscando trabalhar em uma
proposta para esse mercado que alie rapidez competitividade, mercado, negócios e
sustentabilidade. Onde a relação, tempo gasto em execução, precisão e desperdício se
traduz em custo benefício tanto para o executor da obra quanto para o usuário.
24

REFERÊNCIAS

Construção seca e sustentável com steel frame e wood frame. Disponível em:
<http://www.lpbrasil.com.br/aplicacoes/aplicacoes-na-contrucao-ces.asp> Acesso em: 8
nov. 2014

Costrução em aço, sustentabilidade. Disponível em: <http://www.cbca-


acobrasil.org.br/site/construcao-em-aco-sustentabilidade.php> Acesso em: 8 nov. 2014

Light Steel Framing, versatilidade, rapidez na montagem e um excelente


acabamento. Disponível em: <http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?
a=8&Cod=484> Acesso em: 2 nov. 2014

CAMPOS, Alessandro de Souza. O que é o Light Steel Framing.


Pagina consultada em 15 de Outubro de 2014,
<http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=29&Cod=85>

LIMA, Mauricio. Especialista apresentam sistemas construtivos residenciais.


Página consultada em 1 de Novembro de 2014,
<http://piniweb.pini.com.br/construcao/tecnologia-materiais/especialistas-apresentam-
sistemas-construtivos-residenciais-239254-1.aspx>

MACEDO, Eduardo. Certificação LEED: o selo da construção sustentável.


Página consultada em 9 de Novembro de 2014,
<http://inst.sitesustentavel.com.br/certificacao-leed-selo-da-construcao-sustentavel/>

MEDEIROS, Heloisa. Steel Framing, setor aponta vantagens e busca capacitação.


Página consultada em 31 de Outubro de 2014,
<http://arcoweb.com.br/finestra/tecnologia/steel-framing-boas-respostas-01-09-2009>

MEDEIROS, Heloisa. Steel Framing, sistema permite obra racional, rápida e limpa.
Página consultada em 31 de Outubro de 2014,
<http://arcoweb.com.br/finestra/tecnologia/steel-framing-01-09-2009>