Você está na página 1de 23

 

Ferramentas de Análise das 
Demonstrações  Financeiras  
Capítulo 4 do Curso de Finanças no Excel 2007
 
Neste capítulo veremos como os vários índices financeiros
podem ser usados para avaliar a saúde financeira de uma
companhia, e daí então o desempenho dos gestores da
empresa. Você também verá como o Excel pode tornar mais
rápido e mais fácil o cálculo dos índices, do que fazê-lo
manualmente. Observaremos cinco categorias de índices:
Índices de liquidez medem a habilidade de uma empresa pagar
seus títulos; índices de eficiência medem quão bem a empresa
está fazendo uso dos seus ativos para gerar vendas; índices de
alavancagem descrevem quanta dívida a empresa está usando
para financiar seus ativos; índices de cobertura dizem quanto
caixa a empresa tem disponível para pagar despesas
específicas; e índices de lucratividade medem quão lucrativa foi a
empresa durante um período de tempo. Veremos também como
o Excel pode ser programado para fazer uma análise rudimentar
de índices automaticamente, usando somente umas poucas das
funções lógicas embutidas. Finalmente, observaremos o conceito
de lucro econômico e veremos como ele pode dar uma imagem
muito mais clara da saúde financeira de uma empresa do que a
medida tradicional de lucro líquido contábil.
 
Bertolo  
12/12/2008 
 
  Finanças no Exccel
    2007     

Ferram
F menttas de
e Anáálise das
d
D onstra
Demo açõess Fina
anceiiras

Apó
ós estuda
ar este ca
apítulo, você
v deve
erá ser ca
apaz de:
1

1. Descrevver quais são
o os índices financeiros
f e quem os us
sam.
2
2  Definir as
a cinco principais categ dices (liquidez, eficiência,, alavancage
gorias de índ em,cobertura
a,
e lucrativvidade).
3
3  Calcularr os índices comuns pa ara qualquerr empresa usando
u dad
dos da demo
onstração do
d
resultadoo do exercício e do bala
anço patrimon
nial.
44.
4  Usar índ
dices finance
eiros para avaliar
a o dessempenho passado da empresa,
e ide
entificar seu
us
atégias para lidar com es
problemas atuais, e sugerir estra stes problema
as.
5
5  Calcular o lucro econ
nômico de um
ma empresa..

Nos capítulos anteriores


a vim
mos como as a demonstrrações finan nceiras básiccas da empresa são coonstruídas. Neste
N
capíítulo veremos como os analistas
a fina
anceiros poddem usar a informação contida
c na de
emonstração
o do resultad
do do
exerrcício e balan
nço patrimon
nial para vários propósito
os.
Vocêê pode usarr várias ferra
amentas parra avaliar um
ma companh hia, mas alg mais valiosas são os índices
gumas das m
finan
nceiros. Índices são commo um micrroscópio do analista; ele mitem obter uma visão melhor
es nos perm m da saúde
s
finan
nceira da em
mpresa do quue olhar grosseiramente as
a demonstrações financceiras.

2         Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  
Índicces são úteiss para os an
nalistas interrnos e externnos da emprresa. Para propósitos
p intternos, os ín
ndices podem m ser
úteiss no planeja
amento do futuro,
f no esstabelecimen nto de metaas, e avaliar o desempe enho dos ge estores. Analistas
exte
ernos usam os índices parap decidireem se conce ederão créditos, para monitorar
m o ddesempenho o financeiro, para
plan
nejar o desemmpenho finan nceiro, e deccidir se investem na comppanhia.
Observaremos muitos
m índice
es diferentess, mas você deverá
d estarr ciente de que estes sãoo, necessaria
amente, sommente
uma a amostragem dos índicces que pod deria ser útill. Além disto
o, diferentess analistas p
poderiam calcular índice
es de
man neira ligeiram
mente diferen
nte, assim prrecisaríamos saber exata amente como o os índices foram calculados numa dada
situa
ação. As cha aves do entenndimento daa análise de índices
í são experiência
e e mente analítica.
Divid
diremos nosssa discussão
o dos índicess em cinco ca
ategorias ba
aseado na infformação forrnecida:
1. Ín
ndices de liqu
uidez descrevem a habilidade de uma
a empresa cumprir
c suas obrigações ccirculantes.
2.Ín
ndices de eficciência descrrevem quão bem a emprresa está usa m ativos para produzir
ando seu invvestimento em
vend
das.
3.Ín
ndices de ala
avancagem re
evelam o gra
au para o qual a dívida fo a financiar a compra de ativos
oi usada para a da
emppresa.
4.Ín
ndices de cob bertura são similares
s aoss índices de liquidez no que
q eles desccrevem a ha
abilidade de uma
u empresa
pagaar certas desspesas.
5. Ín
ndices de luccratividade fo
ornecem indiccações de qu
uão lucrativa
a foi uma empresa durante um períod
do de tempo..
Ante
es de entrarm
mos na discu ussão dos índ
dices finance
eiros individu
uais, abra a sua
s pasta Ind
dústria de Fiiltros SOFAP
PE
(IFS
S) do Capítulo
o 2 e adicion
ne uma nova planilha, chamada “Índic ces”.

Índ
dices de Liquidez
L
O te
ermo “liquidez” se refere à velocidade
e com a qua al um ativo pode ser convvertido em ccaixa sem grrandes desco ontos
no seu
s valor. Alg guns ativos, tais como ass contas à re
eceber, podeem ser conveertidos em ccaixa com soomente pequenos
desccontos. Outro
os ativos, ta
al como as coonstruções, podem ser convertidos
c em caixa mu mente somente se
uito rapidam
gran
ndes concesssões no preço forem da adas. Nós en ntão dizemoss que as contas a receb ber são mais s líquidas qu
ue as
consstruções.
Tudo o permanece endo igual, a empresa com
c mais ativos líquidos
s será capazz de se adeq
quar mais às s obrigaçõess que
estã
ão vencendo (i.e., seus títulos)
t do que
q uma empresa com ativos
a menos líquidos. C
Como você poderá imag ginar,
cred
dores estão particularmen
p nte preocupaados com a habilidade da
d empresa eme pagar se eus títulos. Para
P acessarr esta
habiilidade, é coomum usar o índice de liquidez corrrente índice de liquidez corrente e/o
ou o índice de liquidez seca
(quicck índice).
O Ín
ndice de Liquidez Corrrente
Geraalmente, os ativos circulaantes da em
mpresa são convertidos eme caixa (p.e ex., recebime
entos de conntas a recebe er ou
vendda de seus estoques)
e e este caixa é usado paraa pagar seus s passivos circulantes.
c P
Portanto, é ló
ógico avaliarr sua
habiilidade para pagar
p seus títulos,
t compparando o tam
manho dos seus
s ativos circulantes
c ao
o tamanho dos seus passsivos
circu
ulantes. O índice de liquid
dez corrente
e faz exatame
ente isto. Ele
e é definido como:
c

A  C
de Liquidez C
Índice d Corrente   (4-1)
P  C

Obvviamente, quanto maior o índice de liquidez corrrente, maior a probabilidade que u uma empresa será capa az de
paga ar os seus títulos.
t Assim
m, do ponto de vista doo credor, qua anto maior melhor.
m Entre
etanto, do ponto
p de vistta do
acionista isto nem sempre é bom. Ativoss circulantes usualmente têm um reto orno esperad
do inferior ao
o dos ativos fixos,
f
de modo
m que oss acionistas gostariam de
d ver que somente
s commo uma quan ntidade mínima do capittal da compa anhia
estivvesse investtida em ativo
os circulante
es. É claro, investimentos excessiva amente pequenos em ativos
a circula
antes
pode erão ser desastrosos parra ambos, oss credores e os proprietários, da emp
presa.
Nós podemos calcular o índice de liquidez corrrente para 2008 da IFS observa
ando o bala
anço patrim
monial
(Dem
monstração 2-5,
2 página xx).
x Neste caaso, temos:

1.290,00
Índice d
de Liquidez C
Corrente   2,3
39 vezes
540,20
5

Berrtolo  
3
  Finanças no Exccel
  2007     

Sign
nificando que e a IFS têm 2,39 vezes mais ativos circulantes que passivo
os circulantess. Nós deterrminaremos mais
tarde
e se isto é su
uficiente ou não.
n
A De o 4-1 mostra as iniciais de nossa plan
emonstração nilha de “Índiices”. Entre com
c os rótulo
os como mostrado.

DEMOONSTRAÇÃOO4–1
PLANILHA DE
D ÍNDICES PARA A IF
FS
A B C D E
1 Ín
ndice 2008 2007
2 Í
Índices de Liiquidez
3 Corrente
C 2,39x
  4  

Podeemos calcu ular o índ dice de liq quidez corrrente para 2008 na C3 coma a a fórmu ula: ='Bala anço
Patrimonial'!C8/'Balanço Patri imonial'!C C17. Após formatar para mostrar dua as casas deccimais, você verá
9. Deixamos temporariam
que o índice de liquidez corrrente é 2,39 mente a colu una D em branco de modo que pode emos
simp
plesmente co opiar as fórmmulas da cooluna C paraa a coluna E para obter os índicess 2007. Pode emos mais tarde
t
dele
etar a coluna D e as fórm
mulas se ajusstarão autom
maticamente. Isto é muito
o mais eficiente do que entrar
e novam
mente
com
m as fórmulass para 2007.
Notee que aplicam
mos o formaato de númerro personalizzado (ver página xx para ua memória) para o resultado
a atualizar su
em C3.
C Neste caso, o forma ato é 0,00”x”. Qualque er texto que você incluirr entre aspass será mostrrado junto co
om o
númmero. Entretanto, a prese
ença do textoo na tela não
o afeta o fato
o que ele é ainda
a um nú úmero e pode e ser usado para
os cálculos.
c Commo um experrimento, em D3 entre co om a fórmulaa: =C3*2. O resultado se erá 4,78 exattamente com
mo se
não tivéssemos aplicado o formato
f perssonalizado. Agora,
A em C44 digite: 2,3 39x e daí então copie a fórmula de D3
em D4. Você ob bterá um errro #VALOR porque o va alor em C4 é uma string texto, não u um número. Esta é uma a das
gran
ndes vantage ens da formaatação persoonalizada dee números: Podemos
P os, numa célula e
terr ambos, textto e número
ainda usar o númmero para cá
álculos.
O Ín
ndice de Liquidez Sec
ca (Quick Ratio)
R
Os estoques
e sã
ão freqüenteemente os menos
m líquidos dos ativo
os circulante
es da empre esa1. Por essta razão, muitos
m
acreeditam que uma medida melhor
m da liq
quidez pode ser obtida ig
gnorando os estoques. O resultado é conhecido como c
o índ
dice de liquid
dez seca (qu
uick índice) (a
algumas vezzes chamado o de acid-testt índice), e é calculado como:
A  C E
de Liquidez SSeca
Índice d   (4-2)
P  C

 
Para
a IFS em 200
08 o índice de
d liquidez se
eca (quick ra
atio) é:

1.290,00
0 836,00
Liquidez Secaa
Índice de L   0,84 vezes
540,20

Note
e que o índice de liquidez seca (qu uick ratio) se
erá sempre menor
m que o índice de lliquidez corrrente. Isto é pelo
desiign. Entretan ao índice de liquidez corrente
nto, um índicce de liquidez seca (quicck ratio) que é muito baixxo relativo a
pode e os estoques são maiore
e indicar que es do que elees deveriam ser.
Pode emos calcular o índice e de liquidezz seca (quicck ratio) daa IFS em 20 008 na C4 com fórmula: =('Bala anço
Patrimonial'!C8-'Balanço Patri imonial'!C C7)/'Balan nço Patri imonial'!C C17. Copiando esta fórrmula
em E4 revela qu ue o índice de
d liquidez seca
s (quick ratio)
r de 200
07 foi 0,85. Certamente
C lembre-se de entrar com
m um
rótullo na coluna A para todos os índices..

Índ
dices de Eficiência
E a
Os índices
í de efficiência, com mo o próprio
o nome indicca, fornecem
m informaçãoo sobre quão o bem a com mpanhia usa seus
ativo os para gera ar vendas. Por exemplo, se duas em mpresas têm o mesmo nível
n de venddas, mas um ma das emprresas
                                                                  
1 Porr isso que voc cê tão freqüenttemente vê 50 ndas quando as empresas estão saindo do negócio. 
0% fora as ven

4         Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  
tem um investimmento menor em estoqu ues, diríamoss que a empresa com estoques
e me
enores é ma
ais eficiente com
resp
peito ao seu investimento
i o em estoque
e.
Exisstem muitos tipos
t ência que poderiam ser definidos.
de índicces de eficiê d En os cinco dos mais
ntretanto, nóss ilustraremo
com
muns.
Índiice de Giro
o de Estoqu
ue
O ín
ndice de giro
o de estoque mede o núm mero de dóla das que são gerados por dólares de estoque. Ele diz
ares de vend
tamb
bém para nó ós o númeroo de vezes queq mpresa substtitui seus estoques durante um ano. Ele é calcu
uma em ulado
com
mo:
C    M  V
Índicee de Giro de E
Estoque      (4-3)
E

Note
e que é tamb bém comum m usar as vendas no num merador. Desde que a única
ú diferença entre venndas e custo
o das
ndidas é um markup, istto não causa
merccadorias ven a problemas
s. Além disso
o, você veráá freqüentemmente que o nível
dio de estoques atravéss do ano no
méd o denominaddor. Sempre que usar ín ndices, vocêê precisa ter consciênciia do
méto
odo de cálcuulo e ter certe
eza de que você
v está com
mparando “m
maçãs com maçãs”.
m
Para
a 2008, o índ
dice de giro de
d estoque da
d IFS foi:

3.2
250,00
Índice de Giro de Esstoque   3,89
9 vezes
83
36,00

Sign
nificando que
e a IFS subsstituiu seus estoques
e em
m aproximadaamente 3,89 vezes, dura ante o ano. Alternativam
A ente,
pode
eremos dizerr que a IFS gerou
g $3,89 em vendas para
p cada dó
ólar investido
o em estoque
es.
Para
a calcular o índice
í de girro de estoquee for IFS, en
ntre com a fó
órmula: ='DR
RE'!C6/'Ba alanço Pat trimonial'!C7
na C6
C e copie esta
e fórmula em E6. Note e que este índice
í tem deteriorado um pouco dee 4 vezes em m 2007 para 3,89
es em 2008. Geralmente
veze e, giros de esstoque maiores são cons siderados bo
ons porque e
ele significa que
q os custoos de
armaazenagem são
s baixos, mas m se ele fo or muito alto
o a empresa pode estar arriscando interrupções de estoquess e a
perd
da de clientess.
Índiice de Giro
o de Contas
s a Recebe
er
Os negócios
n con
ncedem créd ditos por umaa razão princcipal: para aumentar
a as vendas. É im
mportante, então, saber quão
m a empresa está gerencciando suas contas a recceber. O índice de giro de
bem d contas a receber (e o prazo médio de
rece
ebimento, abaixo) fornece
e-nos esta in
nformação. Ele
E é calculad do por:
V    C é
ndice de Giro de Contas a R
Ín Receber   (4-4)
C    R

Paraa a IFS, o índ


dice de giro de
d contas a receber de 2008
2 é (assumindo que to
odas as vend
das são vend
das à crédito
o, ou
prazzo):

3.250,00
Giro de Contass a Receber
Índice de G   9,58 vezes
402,00

Assiim cada dólaar investido em contas a receber ge erou $9,58 em


e vendas. NaN célula C7 anilha entre com:
7 de sua pla
='DRE'!C5/'Balanço Pa atrimonial l'!C6. O ressultado é 9,5
58 o qual é o mesmo que o encontra
ado acima. Copie
C
esta
a fórmula parra E7 para obbter o giro de
e contas a re
eceber de 20007.
Se 9,58
9 é ou nã
ão um bom ín o de contas a receber é difícil saber neste ponto
ndice de giro o. Podemos dizer que qu uanto
maio or geralmentte é melhor, mas muito alto poderia a indicar que
e a empresa a está negan a clientes com
ndo crédito aos
capa acidade cred
ditícia (com issso perdendo vendas). SeS o índice é muito baixoo, ele sugerirria que a em
mpresa está tendo
t
ecebimento de suas ven
dificuldade no re ndas. Isto é particularme
ente verdadee se encontrrarmos que contas
c a recceber
estãão crescendoo mais rapidaamente que as a vendas du urante um peeríodo prolon
ngado.
Prazzo Médio de
d Recebim
mento
O prrazo médio de
d recebimen
nto nos diz, em
e média, qu
uantos dias levam
l para se
s receber uma venda a prazo.

C    R
Prazo M
Médio de Receebimento  V    P  A
A (4-5)

Berrtolo  
5
  Finanças no Exccel
  2007     

Note
e que o deno or dia2. Em 2008,
ominador é simplesmente as vendas a prazo po 2 a IFS levava uma
a média de 37,59
3
er suas vendas a crédito::
dias para recebe
402,00
4
Prazo Médiio de Recebim
mento   37,59 vezes
3.85
50,00
360
Podeemos calcular o prazo médio o de rece ebimento em 2008 na
n C8 co om a fórm mula:='Balaanço
Patrimonial'!C6/(DRE'!C5/360). Copie isto em E8 para achar a que em
m 2007 o pra
azo médio de
e recebimento foi
36,8
84 dias o qua
al foi ligeiram
mente melhorr que em 200
08.
Note
e que este ín
ndice realme
ente nos fornece a mesm
ma informaçãão que o índice de giro das contas a receber. De fato,
pode ente demonstrado por sim
e ser facilme mples manipu
ulação algéb
brica:
360
Ín
ndice de Giro de Contas a R
Receber  
de Recebimen
Prazo Médio d nto

ou, alternativame
a ente:
360
Prrazo Médio d
de Recebimen
nto  
Índice de Giro de Co
ontas a Receb
ber

Desd de que o prrazo médio ded recebime ento é (num certo sentiddo) o inverso
o do índice d
de giro de contas
c a rece
eber,
deve erá ficar apa
arente que o critério inve
erso aplica-sse ao julgam
mento deste índice. Em ooutras palavras, quanto mais
baixxo usualmentte é melhor, mas muito baixo
b poderá indicar venddas perdidas.
Índiice de Giro
o do Ativo Fixo
F
O ínndice de giroo do ativo fixxo descreve a quantia de dólares de e vendas que é gerada por cada dó
ólar investido
o nos
ativo
os fixos. É da
ado por:
V
Índice de Giro d
do Ativo Fixo   (4-6)
A  F  Lí

Para
a a IFS, o girro do ativo fixxo 2008 é:
3.850,00
Índice de Giiro de Contass a Receber   10,67 vezes
360,80
Assiim, a IFS gerou
g $10,667 para cada dólar investido em ativos
a fixos. Na sua planilha “Índices” entre com:
='DRE'!C5/'Balanço Pa atrimonial l'!C11 em C9, ela con nfirmará que ativo fixo foi 10,67 vezess em
e o giro do a
20088. Novamentte, copie esta
a fórmula em
m E9 para ob
bter o índice 2007.
Índiice de Giro
o do Ativo Total
T
Com
mo os outross índices disscutidos nessta seção, o índice de giro do ativvo total desccreve quão eficientemen nte a
emp
presa está ussando seus ativos
a para gerar vendas. Neste caso
o, nós observvamos o inveestimento em
m ativo total da:
d
V
Índice de Giro do A
Ativo Total   (4-7)
A  T

Em 2008,
2 a IFS gerou $2,33 em vendas para cada dólar investido
o em ativo to
otal:
3.850,,00
Girro do Ativo To
otal   2,33 veezes
1.650,,80
Este
e índice podee ser calcula
ado em C100 da sua planilha com: ='DRE'!C5/
= /'Balanço Patrimoni ial'!C12. Após
A
0, você deverá ver que o valor de 200
copiar esta fórmula para E10 07 foi 2,34, essencialmen
e nte o mesmo
o de 2008.
Pode emos interprretar os índices de giro do ativo com mo segue: Quanto
Q maio
or, melhor. E ocê deverá estar
Entretanto, vo
ciente de que algumas indússtrias (setore es) terão natturalmente ín que outras. Por exemplo
ndices de girro menores q o, um
negó ócio de conssultoria quase certamente e terá um invvestimento muito
m baixo em
e ativos fixoos, e então um
u alto índicce de
giro do ativo fixo
o. Por outro lado, um servviço público de eletricida
ade terá um grande
g invesstimento em ativos fixos e um
baixxo índice de giro do ativoo fixo. Isto não
n significa, necessaria amente, que a companhiia de serviço o ao público seja

                                                                  
2 O usou de um ano o de 360 dias retorna aos dias antes dos computadore es. Ele foi derivvado assumindo que existem 12 meses, cada
um com c 30 dias. Poderia
P també ém se usar 365
5 dias; a diferença é irrelevante desde qu ue você seja cconsistente. 

6         Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  
adm
ministrada mais pobremente que a empresa de d consulto
oria. Pelo co
ontrário, cad
da uma esttá simplesm
mente
pondendo às demandas relacionadas
resp r s a sua indússtria.
Até este ponto sua
s planilha deverá
d se pa
arecer com aquela
a uma da Demonsttração 4-2. N
Note que apliicamos o forrmato
perssonalizado, discutido
d aciima, para a maioria doss índices. Em
E C8, entre
etanto, usammos o formaato personaliizado
0,00” dias”, pois o prazzo médio de recebimento o é medido em dias

DEMOONSTRAÇÃO O4–2
ÍNDICES FINANCEIRO
OS DA IFS
A B C D E
1 Índice 2008 2007
2 Índices de Liiquidez
3 Corrente 2,39x 2,33x
4 Seca (quick ratio) 0,84x 0,85x
5 dices de de Eficiência
Índ E
6 Giro de Estooque 3,89x 4,00x
7 Giro de Contas a Receber 9,58x 9,77x
8 Prazo Médio o de Recebim
mento 37,5
59dias 36,8
84dias
9 Giro do Ativo
o Fixo 1
10,67x 9,95x
  10 Giro dos Ativ
vos Totais 2,33x 2,34x  

Índ
dices de Alavancag
A gem
Em física,
f alavanncagem se refere
r a umaa multiplicaçãão da força. Usando uma a alavanca e um fulcro (a apoio),você pode
presssionar para baixo numa extremidade e de uma alavanca com m uma força dada,
d e obte
er uma grand de força na outra
o
emidade3. A quantidade
extre e de alavanccagem depe ende do com mprimento da a alavanca e da posiçã ão do fulcro. Em
finan
nças, a alavaancagem se e refere a um
ma multiplicação das variações na medida
m da luccratividade. Por
P exemplo o, um
aummento de 10% % nas venda as poderá le
evar a um au umento de 20%
2 o líquido4. A quantidade de alavanca
no lucro agem
depeende da qua antidade de dívida
d que umma empresa usa para fin nanciar suas operações, assim uma empresa
e que
e usa
basttante dívida é dita estar “altamente
“ allavancada”.
O ín avancagem descrevem o grau para
ndices de ala a o qual a empresa
e usaa a dívida na
a sua estrutuura de capittal. É
inforrmação impo
ortante para os
o credores e investidore es na empresa. Os credo ores poderão cupados que uma
o estar preoc
emp presa tenha muitas dívidas e, portannto, terá dificculdade em reembolsar seus empréstimos. Investidores pod derão
estaar preocupad
dos devido a uma grande e quantia de e dívida pode er conduzir a uma quanttidade grandde de volatilidade
nos lucros da emmpresa. Entrretanto, a maioria das em mpresas usa a um pouco de dívidas. Isto é por caausa da ded dução
dos juros nos im
mpostos pode e aumentar a riqueza do os acionistas
s da empresa a. Nós examminaremos vá ários índicess que
ajudam a determminar a quantia de dívida
a que uma em mpresa está usando. O quanto
q é gra
ande depende da naturezza do
negó ócio.
Índiice de Dívid
da (ou end
dividamento
o) Total
O ín
ndice de dívid
da total med
de a quantia total de dívida (longo prrazo e curto prazo) que a empresa usa
u para fina
anciar
seuss ativos:
Dí  T A  T P ô  Lí  T
Índice de Dív
vida Total   (4-8)
A  T A  T

Calcculando o índ da total para a IFS, enco


dice de dívid ontramos que
e a dívida co
onstitui cerca
a 58,45% da sua estruturra de
capital:
96
64,81
Índ
dice de Dívidaa Total    58,4
45%
1.650,80
                                                                  
3 Exe emplos de alaavancas são:  martelo, aliccate, carrinho o de mão, etc. O nosso corrpo humano p pode ser visto  assim fazeem os 
biom mecânicos e ccinesiologistaas  como um sistema de allavancas, gerralmente de 3 3ª classe  a fo
orça motriz fiica entre o ap
poio e 
a ressistência. 
4  

Berrtolo  
7
  Finanças no Exccel
  2007     

A fó
órmula para
a calcular o índice de
e dívida total em C12 é: ='Bala anço Patr rimonial'!C19/'Bala
anço
Patrimonial'!C12. O resultado para 2008
2 é 58,45
5% o qual é maior que oss 54,81% em
m 2007.
O Ín
ndice de Díívida de Lo
ongo Prazo
o
Muittos analistas acreditam que
q é mais útil focalizar apenas
a nas dívidas
d de lo
ongo prazo (DDLP) ao invé
és da dívida total.
O ín
ndice de dívida de longo o prazo é o mesmo
m que o índice de dívida total, exceto que o numeradoor inclui som
mente
dívid
da de longo prazo:
p
Dí    L  P
de Dívida de Longo Prazo
Índice d   (4-9)
A  T

O índice de dívid
da de longo prazo
p da IFS
S é:
424,61
Índice dee Dívida de Longo Prazo   25,72%
1.650,80

Em C13, a fórmulaf para calcularr o índice de dívida a de longo o prazo p para 2008 é: ='Bala anço
Patrimonial'!C18/'Balanço Patr rimonial'! !C12. Copia ando esta fóórmula para E13 revela que em 20 007 o
índicce foi somen
nte 22,02%. Obviamente,
O a IFS crescceu sua dívida de longo prazo
p a uma razão mais rápida
r do qu
ue ela
adiccionou ativos.
O Ín
ndice de Díívida de Lo
ongo Prazo
o pela Capittalização Total
T
Simiilar aos dois índices ante
eriores, o índ
dice da dívid
da de longo prazo pela capitalização
c o total nos diz a porcenta
agem
das fontes de caapital de long
go prazo quee é fornecida pela dívida de
d longo pra
azo (DLP). Elle é calculad
do por:
DLP
P
DLP pela C
Capitalização
o Total   (4-10)
DLP
P P ô  Lí  P P ô  L
Lí  O á

Para
a a IFS, temo
os:
424,61
DLP pela C
Capitalização Total   38,23%
4,61 685,99
424 9
Commo a IFS nã ão tem patrimmônio líquido preferenciial, sua capiitalização total consiste de dívida de
d longo pra azo e
do ordinário. Note que o patrimônio líquido ordin
patriimônio líquid nário é o tottal das ações ordinárias e lucros rettidos.
Pode emos calcu ular estes índices em m C14 da planilha co om:='Balan nço Patri imonial'!C C18/('Bala anço
Patrimonial'!C20+'Balanço Patr rimonial'!C21+'Bala anço Patri imonial'!C C18). Em 2007 este índicce foi
som
mente de 32,7 76%.
Índiice de Dívid
da pelo Patrimônio Líquido (ou Grau de Endividame
E ento – GE)
O ín
ndice dívida pelo
p patrimônio líquido fo
ornece exata
amente a me esma informa
ação que o ííndice dívida
a total, mas numa
n
form
ma ligeiramen
nte diferente daquela que e alguns ana
alistas prefere
em:
Dí  T
Dívidas pelo Patrimônio
o Líquido   (4-11)
P ô  Lí  T

Para
a a IFS, o índ
dice dívida pelo
p patrimôn
nio líquido é:
964,81
Dívidas p
pelo Patrimôn
nio Líquido   1
1,41 vezes
685,99

Em C15, isto é calculado como:


c ='Balanço Pat trimonial'!C19/'Bal lanço Patr rimonial'!C22. Copie
e isto
para
a E15 para encontrar que
e o índice dívvida pelo pattrimônio líquido em 2007 foi 1.21 vezes.
Para
a ver que o índice de dívvida total e o índice dívida
a pelo patrim o fornecem a mesma info
mônio líquido ormação, perrceba
que::
Dí  T Dí  T A  T
  x (4-12)
P ô  Lí  T A  T P ô  Lí  T

Mass rearranjand
do a equação
o (4-8) sabem
mos que:
A  T
  (4-13)
P ô  Lí  T Í    Dí  T
assim, por substtituição temo
os:

8         Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  
Dí  T Dí  T
  x Dí  T (4-14)
P ô  Lí  T A  T  
A  T

Pode emos conve erter o índicce de dívida


a total em índice dívida
a pelo patrim
mônio líquid
do sem quallquer inform
mação
adiccional (o resu
ultado não é exato devido
o ao arredondamento):
Díívida Total 1
 0,584
45x 1,41
Patrimônnio Líquido T
Total 1  0,584
45
Índiice Dívida de
d Longo Prazo
P pelo Patrimônio Líquido
De novo,
n muitos analistas prreferem focar na quantida
ade de dívida de longo prazo
p que um
ma empresa carrega.
c Porr esta
razã
ão, muitos an
nalistas gosta
am de usar o índice de dívida
d de long
go prazo pelo
o patrimônio
o líquido totall:
DL
LP
DLP pello Patrimônio
o Líquido   (4-15)
P ô  Lí  P P ô  Lí  O á

O índice dívida de
d longo prazzo pelo patrimônio líquido da IFS é:
424,61
DLP pelo Patrimô
ônio Líquido   61,90
685,99
A fórmula para calcular
c o índ
dice dívida de longo prazzo pelo patrim
mônio líquido
o de 2008 da
a IFS em C1
16 é: ='Bala anço
Patrimonial'!C18/'Balanço Patr rimonial'!C22. Após copiar esta fórmula para a E16, note que o índicce foi
som
mente 48,73%% em 2007.
Até este
e ponto, sua
s planilha deverá se pa
arecer com aquela
a da De
emonstração
o 4-3.

DEMOONSTRAÇÃOO4–3
ÍNDICES
S FINANCE
EIROS DA IF
FS COM OS
S ÍNDICES DE
D ALAVAN
NCAGEM
A B C D E
1 Índice 2008 2007
2 Ín
ndices de Liquidez
3 Corrente 2,39x 2,33x
4 Seca (quick ratio) 0,84x 0,85x
5 Índ
dices de de Eficiência
E
6 Giro de Estooque 3,89x 4,00x
7 Giro de Contas a Receber 9,58x 9,77x
8 Prazo Médio o de Recebimmento 37,5
59dias 36,8
84dias
9 Giro do Ativo
o Fixo 1
10,67x 9,95x
10 Giro dos Ativvos Totais 2,33x 2,34x
11 Índic
ces de de Ala
avancagem
12 Índice de En
ndividamento o Geral 58
8,45% 54,81%
13 Índice de Dívida de Longgo Prazo 25
5,72% 22,02%
14 ELP pela Caapitalização Total
T 38
8,23% 32,76%
15 Dívida pelo Capital
C Próprio (GE) 1,41x 1,21x
  16 ELP pelo Caapital Próprio
o 61
1,90% 48,73%  

Índ
dices de Cobertura
C a
Os índices de cobertura
c sã
ão similares aos índicess de liquidez no que eles descreve em a quanttidade de fundos
disponíveis para a “cobrir” ce
ertas despessas. Nós exa aminaremoss dois índice
es muito sem melhantes que descreveem a
habiilidade das empresas de ajustarem m suas obrig gações de pagamentos
p de juros. Em ambos os o casos, índ
dices
maio ores são dessejáveis até certo grau. Entretanto,
E s eles forem
se m muito altoss, podem ind
dicar que a empresa
e está
á sub
utilizzando sua ca
apacidade de e dívida, e en
ntão não maximizando a riqueza doss acionistas.
O Ín
ndice de Co
obertura de
e Juros (Th
he Times In
nterest Earrned Ratio - TIE)

Berrtolo  
9
  Finanças no Exccel
  2007     

O ínndice de cob
bertura de ju
uros mede a habilidade da empresa a em pagar suas
s obrigaçções de juro
os comparan
ndo o
lucro
o antes dos juros
j e impossto de renda
a (LAJIR, ou em inglês, EBIT)
E pela de
espesa de juros:
LAJIR
R
Índice de Cobertu
ura de Juros  
Despesa dee Juros
Para
a a IFS em 2008
2 o índice
e de coberturra de juros é:
149,70
Índice de Coberturaa de Juros   1,9
97 vezes
76,00
Na sua planillha, o índ
dice de co obertura dee juros po ode ser calculado
c e
em C18 co om a fórm mula:
='DRE'!C11/'DRE'!C12. Copie a fórm
mula para E18 e note que
e este índice
e declinou pa
articularmente
e precipitand
do de
3,35
5 em 2007.
O Ín
ndice de Co
obertura de
e Caixa
O LAAJIR não reeflete realmeente o caixa que está disponível
d pa
ara pagar ass despesas de juros da empresa. Issto é
devido a uma de espesa não caixa
c (depreeciação) ter sido
s subtraíd o do LAJIR. Para corrigirr esta deficiê
da no cálculo ência,
alguns analistas gostam de usar
u o índice
e de coberturra de caixa ao
a invés da cobertura
c de juros (times
s interest earnrned).
O índice de cobeertura de caixxa é calculaddo como:
LAJIR D  Nã  C
Ín
ndice de Cobeertura de Caixxa   (4-17)
D    J
álculo para a IFS em 200
O cá 08 é:
149,,70 20,00
Índice de Co
obertura de C
Caixa  
2,23 vezes
76,00
Note
e que o índicce cobertura de caixa serrá sempre ma
aior que o ín
ndice cobertu
ura de juros. A diferença depende da
ntidade de despesa de depreciação, e, portanto, do investime
quan ento e da ida
ade dos ativo
os fixos.
O índice
í de cobertura
c d caixa pode ser ca
de alculado, na célula C19,
C ua planilha “Índices”, com:
de su
=('DRE'!C11+'DRE'!C10)/ 'DRE'!C12. Em 200
07, o índice foi 3,65.

Índ
dices de Lucrativid
L dade
Inve
estidores, e daí
d então oss gestores, estão
e particu
ularmente in
nteressados na lucrativid mpresas que eles
dade das em
posssuem. Como o veremos, existem mu uitas maneiras para se medir a luccratividade. Os índices de lucratividade
forne
ecem um modom fácil de
d compara ar lucros de e períodos anteriores ou o com outtras empresas. Ainda mais,
m
examminando simmultaneamen nte os três primeiros
p índices de lucrratividade, um
m analista p
pode descob
brir categoria
as de
desppesas que poodem estar fora
f da linha..
Os índices
í de lu
ucratividade são os maiss fáceis de todos os índ dices para analisar.
a Sem
m exceção, índices altoss são
prefe
eridos. Entre
etanto, a de efinição de alto dependde do setor (indústria) no n qual a eempresa ope era. Geralmente,
emp dústrias maduras com mu
presas de ind uita competittividade terão lucratividad
des menoress que empreesas de indússtrias
jovens com me enos compe etitividade. Por
P exemploo, quitandas s terão marrgens de lu ucro inferiorres daquelass de
commpanhia de software
s de computadore
c es. Nos negócios de me ercearias, umma margem de lucro líqu uido de 3% seria
conssiderada muiito alta, mas a mesma margem seria terrivelmentte baixa nos negócios de e software.
A Margem
M de Lucro Brutta
A maargem de luccro bruta me
ede o lucro bruto relativo às vendas. Ela
E indica a quantia
q de fu
undos dispon
níveis para pagar
p
as despesas da empresa excceto os custo os de vendass5. A margem m de lucro brruta é calcula
ada por:
L  B
Marggem de Lucro
o Bruta   (4-18)
V

Em 2008,
2 a marg
gem de lucro
o bruta da IF
FS foi: 

                                                                  
5 Tam mbém chamada a de margem de e contribuição, é o que sobra de
epois dos gasto
os variáveis, isto
o é, depois de p
pagar os custos variáveis (CMV
V) e as
despe esas variáveis (comissões
( de vendas, imposttos sobre os pro odutos, salários
s de horistas, frretes, etc.). Esta
a margem de lu ucro (ou contrib
buição)
servirrá para pagar oss custos fixos (ssalários, pró-lab o no regime de caixa.  
bore, despesas gerais e adminiistrativas, etc.) e o restante serrá o lucro líquido

10     Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  
600,00
6
Marrgem de Lucro
o Bruta   15,,58%
3.8
850,00
ual significa que o custo
A qu o das mercaadorias vend
didas consum
miu cerca de
e 84,42% (=
= 1 – 0,15588) da receita
a das
vend
das. Podemo os calcular este
e índice em
e C21 com m: ='DRE'!C7/'DRE'!C5. Após co órmula para E21,
opiar esta fó
você
ê verá que a margem de lucro bruta declinou
d de 16,55%
1 em 2007.
2
A Margem
M de Lucro Ope
eracional
Movvendo para baixo
b na dem
monstração de
d resultados do exercíc cio, podemoss calcular oss lucros que restaram ap
pós a
emppresa pagar todas
t as despesas usuais (não--financeiras). A margem de lucro ope
as sua eracional é ca
alculada com
mo:
L  O  L

Margem de Lucro Operacional   (4-19)
V

Para
a a IFS em 2008:
2
149,70
Margem
m de Lucro O
Operacional   3,89%
3.850,00
A margem de luccro operacio onal pode ser calculada na
n C22 com a fórmula: ='DRE'!C11
= 1/'DRE'!C5 5. Note que isto é
significativamentte inferior aq
quela de 6,0
09% de 2007 7, indicando que a IFS parece
p ter tid
do problema
as no controle de
seuss custos.
A Margem
M de Lucro Líqu
uido
A margem
m ucro líquido relaciona o lucro líquido pelas ven
de lu ndas. Como o lucro líquido é o lucrro após todaas as
desp entagem das vendas que
pesas, a marrgem de lucrro líquido noss diz a porce e sobra para os acionistas
s da empressa:
L   Lí
Maargem de Lucrro Líquido   (4-20)
V

A ma
argem de luccro líquido pa
ara a IFS em
m 2008 é:
44,22
Marggem de Lucro
o Líquido   1,15%
3.850,00
3
A qu
ual pode serr calculada na
n sua planillha em C23 com: ='DRE E'!C15/'DR RE'!C5. Estte é inferior aquele
a de 2,56%
em 2007,
2 devido
o às despesa as de juros estarem cresccendo mais rapidamente
r e que as vend
das.
Junttando tudo, os três índiices de marrgem de luccro que exam minamos mo ostram uma companhia que pode estar
perd
dendo o controle sobre os o seus cusstos. É claro, altas despe
esas significcam baixos rretornos, e nós
n veremoss isto
conffirmado peloss próximos trrês índices de
d lucrativida
ade.
Reto
orno sobre
e os Ativos
s Totais (RO
OA)
O tootal de ativo
os de uma empresa
e é o investimen nto que os acionistas
a fizzeram. Muito
os como voocê poderia estar
interressados noss retornos ge
erados peloss seus investtimentos, analistas estãoo freqüentem
mente interes
ssados no rettorno
que uma empressa é capaz de d obter dos seus investimmentos. O reetorno sobre o total de attivos (ROA) é:
é
L   Lí
Reto
orno sobre oss Ativos Totais   (4-21)
T    A

Em 2008,
2 a IFS ganhou cercca de 2,68% sobre os seu
us ativos:
44,22
Retorn
no sobre os Attivos Totais   2,68%
1.650,80
Para
a 2008, po odemos ca alcular o Retorno
R sobre o tota al de ativoos na célu ula C24 comc a fórmmula:
='DRE'!C15/'Balanço Patrimonia
P al'!C12. No ote que isto é mais que 50%
5 inferior aquele 5,99
9% registradoo em
20077. O total de
e ativos da IF
FS obviamen
nte cresceu em 2008 nu uma razão mais
m rápida qque fez seu lucro líquido (que
realm
mente declinnou).
Reto
orno sobre
e o Capital Próprio (R
ROE)
Enquanto os ativos totais representam
r o investimeento total na
a empresa, o investimento dos proprietários (a ações
ordin
nárias e lucrros retidos) usualmente
u r
representa somente uma a porção dessta quantia (o s dívidas). Por
outro tanto são
esta
a razão é útil calcular a taxa de retoorno sobre os
o fundos inv vestidos doss acionistas. Podemos calcular
c o rettorno
sobrre (total) o ca
apital próprio
o como:

Berrtolo  
11
  Finanças no Exccel
  2007     
L   Lí
Reto
orno sobre o Capital Próprio   (4-22)
P ô  Lí  T

Notee que se um ma empresa não


n usa dívida, então seeu retorno so
obre capital próprio será
á o mesmo que
q o seu rettorno
sobrre os ativos. Quanto maior o índice de dívida de
e uma empre esa, maior será o seu reetorno sobre o capital prróprio
relattivo ao seu re
etorno sobre
e os ativos.
Em 2008
2 o retorno sobre o capital
c próprio
o da IFS foi:
44,22
Retorn
no sobre o Cap
pital Próprio   6,45%
685,99
O quual pode serr calculado em C25 com: ='DRE'!C1 15/'Balançço Patrimo 2. Novamentte, copiando
onial'!C22 o esta
fórm
mula para E25 5 revela que
e este índice declinou de 13,25% em 2007.
Reto
orno sobre
e o Capital Próprio Orrdinário
Para
a empresas que
q tem emitido ação pre eferencial alé
ém da ação ordinária, é freqüenteme
f ente benéfico
o determinar a
taxa
a de retorno sobre
s apenas o investime
ento dos acioonistas ordin
nários:
L   Lí  D í    A  O á
Retorno ssobre o Capittal Próprio Orrdinário   (4-23)
P ô  Lí  D  A  O á

O lucro líquido disponível


d ao
o capital próp
prio ordinário é o lucro líq
quido menos dividendos p
preferenciais
s. No caso da
a
IFS, este índice é o mesmo que
q o retorno o sobre o capital próprio porque ela não
n tem acio onistas preferrenciais:
Paraa a IFS, a fórrmula de planilha para o retorno sobrre o capital próprio
p ordiná mente a mesma que para
ário é exatam ao
retorrno sobre o capital
c próprio.
A Análise
A Du Pont
P
O re
etorno sobre o capital pró
óprio (ROE) é importante para os ges stores e os in
nvestidores. A efetividade
e dos gestore
es é
freqü
üentemente medida pela a variação noo ROE durannte o tempo. Portanto, é importante que eles ente endam que eles
podeem fazer parra melhorar o ROE da em mpresa, e qu
ue exige conh hecimento do o que causa variações na ROE duran nte o
temppo. Por exemmplo, podemos ver que o retorno sob bre o capital próprio
p da IF
FS declinou a
arrojadamentte de 2007 para
p
20088. Como voccê poderia immaginar, os in
nvestidores e os gestoress estão provaavelmente te
entando com mpreender poor
que isto acontecceu. O sistem
ma Du Pont é um modo de d olhar para a este problema.
O sistema Du Poont é uma maneira
m de de
ecompor a ROE
R nos seu
us componen
ntes. Vamos primeiro dar outra olhad
da no
Reto
orno Sobre os
o Ativos (RO
OA):
L   Lí L  Lí V
ROA      x  (4-24)
A   T V A  T

Assiim, o ROA mostra


m o efeitto combinado da lucrativvidade (comoo medida pella margem d de lucro líquid
do) e a eficiê
ência
de uso
u o (o giro do ativo total).. Portanto, o ROA pode
do ativo erá ser melh horado aumeentando a lu ucratividade pela
redu
ução da desp pesa, ou pelo
o aumento de e vendas relativo ao tota
al de ativos.
Com
mo menciona ado anteriorm
mente, a qua
antidade de alavancagem
a m que uma empresa
e usa é a ligação entre o ROA
Aeo
ROE
E. Especifica
amente:
L   Lí L  Lí A  T
ROE      x  (4-25)
P ô  Lí A  T P ô  Lí

e que o segundo termo em (4-25) é algumas vezes


Note v chama
ado de “multiplicador de
e capital próprio” e da (4
4-13)
sabe
emos que ela
a é igual a:
A  T
T
    D
Dí  T (4-26)
P ô  Lí  T Í    Dí  T
A  T

Subsstituindo (4-2
26) em (4-25
5) e rearranja
ando temos:
L  Lí Dí  T
ROE      1   (4-27)
A  T A  T

Pode
emos agora ver que o RO
OE é uma fuunção do ROOA da empres sa e do índicce de dívida total. Se dua
as empresass têm
o me
esmo ROA, aquela
a que estiver
e usand
do mais dívid
da terá um ROE
R maior.
Podeemos fazer mais
m uma suubstituição pa
ara decompo
or completammente o ROE
E nos seus co
omponentes. Como o
prim
meiro termo em
e (4-27) é o ROA, podemos substituuí-lo com (4-2
24):

12     Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  
L  Lí V
   
V A  T
ROE
E    Dí  T (4-28)
 
A  T

Ou, para simplificá-la um pou


uco:
M    L  L
Lí    G   A  T  
ROE    (4-29)
Í    Dí  T  

Para
a provar isto por si mesm
mo, em A28 entre
e com o rótulo:
r Du Poont ROE. Ag gora, em C228 entre com a fórmula:
=(C23*C10)/(1-C12). O resultado
r serrá 6,45% commo encontra amos anteriorrmente. Note
e que se umaa empresa não
usa dívida então
o o denominaador da equaação (4-29) será
s 1, e o ROE
R será o mesmo
m que o ROA.
Aná
álise dos Ín
ndices de Lucrativida
L ade da IFS
Obvviamente, a lucratividadee da IFS caiuu dramaticammente em especial no ano
a passado o. As fontes desses decllínios
pode em ser vistas mais clara
amente se nó ós observarmmos todos os
o índices daa IFS. Antes de continua ar, lembre-se
e que
nós deixamos a coluna D na a planilha em
m branco. Nóós fizemos is
sto de modo
o que pudésssemos facilm mente calculaar os
índicces de 2007 simplesmen nte copiando as fórmulas da coluna C para a colu
una E. Agoraa que o cálcu
ulo dos índicees foi
com
mpletado, pod demos deletaar a coluna D para obter uma melho or aparência da planilha. Até este po
onto sua plaanilha
deve erá se parecer com aqueela da Demon nstração 4-4
4.
A maargem de luccro bruta emm 2008 é inferior à de 20007, mas não significativammente (no mmínimo compa arada ao decclínio
nos outros índicces). A marg gem de lucro o operacionaal, entretanto, é significa
ativamente iinferior em 2008
2 daquella de
2007 a problemass potenciais no controle das despes
7. Isto indica sas operacio onais da emp presa, partic
cularmente asa de
venddas, gerais, e administraativas. Os ou
utros índices de lucrativid
dade são infeeriores àqueeles de 2007 7, particularm
mente
por causa do efe eito “gotejam
mento” do accréscimo nass despesas operacionais
o s. Entretanto
o, eles tambéém são inferriores
devido a IFS terr tomado um m monte de dívidas
d extra
as em 2008,, resultando numa despe esa de juross crescendo mais
rapid
damente que e as vendass. Isto pode ser confirm mado examinando a dem monstração d de resultadoo do exercíciio de
tamaanho comum m da IFS (Demonstração 2-3, página xx).
Fina
almente, a an nálise Du Poont do ROE dad empresa mostrou-nos s que ele podderia ser me elhorado por qualquer umm dos
seguuintes: (1) Au
umentar a margem
m de lu
ucro líquido; (2) Aumentaar o giro do ativo
a total; o
ou (3) Aumenntar a quantidade
de dívida
d relativa
a ao patrimô
ônio líquido. Nossas
N análises de índic
ces mostraraam que despe cionais cresceram
esas operac
conssideravelmen nte, levando ao declínio na margem de lucro líq quido. Reduzzir estas desspesas deverá ser o prin ncipal
obje
etivo da adm ministração. Como
C o índice de giro do
d ativo total está próximmo à média da indústria a, como nós logo
emos, deve ser difícil aumentar este
vere e índice. Entretanto, o índice de d giro de estoque da a empresa. Está
conssideravelmen nte abaixo da média da indústria e controlar
c estooque deve foornecer um método de melhorament
m to do
giro do ativo tota
al. Um aume ento na dívid
da não é exxigido, pois a empresa já á tem de cerrta forma ma ais dívidas que
q a
méddia da indústrria.

Berrtolo  
13
  Finanças no Exccel
  2007     

DEMO
ONSTRAÇÃO O4–4
PLANILHA COMPL
LETA DE ÍND A A IFS
DICES PARA
A B C D E
1 Ín
ndice 2008 2007
2 ndices de Liquidez
Ín
3 Corrente
C 2,39x 2,33x
4 S
Seca (quick ratio)
r 0,84x 0,85x
5 Ín
ndices de Efficiência
6 Giro de Estoq
G que 3,89x 4,00x
7 G de Conta
Giro as a Receber 9,58x 9,77x
8 P
Prazo Médio de Recebimeento 37,59dias 36
6,84dias
9 G do Ativo Fixo
Giro 10,67x 9,95x
10 G dos Ativo
Giro os Totais 2,33x 2,34x
11 Índiices de Alav
vancagem
12 Ín
ndice de End
dividamento Geral
G 5
58,45% 54,81%
13 Ín
ndice de Dívida de Longo o Prazo 2
25,72% 22,02%
14 E pela Cap
ELP pitalização Tootal 3
38,23% 32,76%
15 D
Dívida pelo Capital
C Próprio (GE) 1,41x 1,21x
16 E pelo Cap
ELP pital Próprio 6
61,90% 4
48,73%
17 Ín
ndices de Coobertura
18 Ín
ndice de Cobbertura de Ju uros (TIE) 1,97x 3,35x
19 Ín
ndice de Cobbertura de Ca aixa 2,23x 3,65x
20 Índiices de Lucrratividade
21 M
Margem de Lucro
L Bruto 1
15,58% 16,55%
22 M
Margem de Lucro
L Operaccional 3,89% 6,09%
23 M
Margem de Lucro
L Líquido
o 1,15% 2,56%
24 R
Retorno sobre
e o Ativo Tottal 2,68% 5,99%
25 R
Retorno sobre
e o Capital Próprio
P 6,45% 13,25%
26 R
Retorno sobre
e o Capital Próprio
P Ordin
nário 6,45% 13,25%
27
28 Du Pont ROE
D E 6,45% 13,25%
29 V
Valor de Merccado do Cap
pital Próprio 884.400
8
  30 Z
Z-Score 3,92  
 

Pre
evisão de
e Crises Financeir
F ras
A última
ú coisa que qualq quer investiddor quer é investir numa empre esa que esstá beirando o a falência a ou
aprooximadamentte sofrer de e severas crrises financeeiras através
s de um perríodo. Come eçando nos anos de 19 960 e
conttinuando atéé hoje, estuudantes e analistas
a de crédito disspensaram considerável
c tempo e esforço
e tenttando
deseenvolver mod delos que pu
udessem ideentificar tais companhias
c antecipadam
mente. O ma ais conhecido
o destes mod delos
foi criado
c pelo Professor
P Eddward Altmann em 19686. Nós discutiremos o mo odelo original de Altman e mais tarde e um
deseenvolvido para companhias privadas..
O Model
M Original Z-Scorre
O modelo
m Z-sco ore foi desen nvolvido usando uma téccnica estatís stica conhecida como An nálise Discriminante Múlltipla.
Esta a técnica perrmite um ana alista colocarr uma compa
anhia em um m de dois (ou u mais) grup pos dependendo do score e. Se
                                                                  
6  Verr E. Altman, “Fin nancial Ratios, Discriminant Analysis and the Prediction of Corporate
C Bankruptcy”- Journa
al of Finance, Se
etembro de 196
68. Os
elos discutidos nesta seção sã
mode ão de uma verrsão atualizada deste paper escrito em Julho o 2000: E. Altmman,”Predicting Financial Distress of
Comp
panies: Revisitin
ng the Z-Score and ZETA Models”. Este paperr pode ser obtid
do em http://www
w.defaultrisk.co
om/pp_score_14 4.htm.
 

14     Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  
o sccore está abaaixo do pontto de corte (cutoff
( point)), ela é coloc
cada no grupo 1 (mais rrápido de chhegar à falên
ncia),
casoo contrário ela
e é colocad da no grupo 2. De fato, Altman também identificcou um terce eiro grupo que
q cai dentrro de
umaa também chamada
c “zona cinza”. Estas com mpanhias po oderão ir nu um dos dois modos, mas m deveráá ser
defin
nitivamente considerada
c de maior rissco de créditto do que aq quelas do grrupo 2. Gera
almente, quaanto mais ba
aixo o
Zscoore, maior o risco de crise financeira ou falência.
O modelo
m origina
al Z-score pa
ara companh
hias negociad
das publicam
mente é:
Z = 1,2 X1 + 1,,4 X2 + 3,3 X3 + 0,6 X4 + X5 (4-30)

Onde as variáve
eis são os seguintes índicces financeiro
os:
X1 = capita
al de giro líquido/total de
e ativos
X2 = lucros retidos/tota
al de ativos
X3 = LAJIR
R/ total de attivos
X4 = Valorr de mercado
o de todo cap
pital próprio// Valor contábil dos passiivos totais
X5 = Vend
das / Ativos Totais
T
Altm
man relatou que
q este mod delo está enttre 80-90% de
d precisão se
s nós usarmmos um pontto de corte de
d 2,675. Isto
o é, a
emp presa com umu Z-score abaixo
a de 2,675
2 pode razoavelmen
r nte ser espe
erado que e
experimentará severas crises
c
finan
nceiras, e po
ossivelmente falência, no
o próximo ano
o.

A haabilidade de previsão do modelo torna


a-se melhor se usarmos um ponto de
e corte de 1,81. Existem,, portanto, trê
ês
interrvalos de Z-sscores:
Z < 1,81 Falê
ência prevista
a dentro de um
u ano
1,81 < Z < 2,675 Crise
e financeira, possível falê
ência
Z > 2,675 Nenhuma crise financeira
f pre
evista.
Pode emos facilmeente aplicar este modelo o a IFS na pla
anilha Índices. Entretanto
o, primeiro noote que não temos fornecido
inforrmação a resspeito do valor de mercad do das ações ordinárias da IFS. Em A29A entre co om o rótulo: Valor
V de
Mercado do Capital Próprio e em m C29 entre com 884.40 00. O valor de
d mercado d do capital próprio é
enco ontrado multiplicando o preço
p do lote
e pelo númeroo de lotes emm circulação. A seguir, entre com: Z--Score na A30,
A
e emm C30 entre com a fórmu ula: =1,2*(' 'Balanço Patrimonia
P al'!C8-'Ba alanço Pat trimonial'!C17)/
'Balanço Patrimonial'!C12+1,4*('Balanço o Patrimon nial'!C21/ /'Balanço
Patrimonial'!C12)+3,3*('DRE'!C C11/'Balan nço Patrim monial'!C1 12)+0,6*(C C29/'Balan nço
Patrimonial'!C19)+('DRE'!C5/'Balanço Pa atrimonial'!C12). Se e você entrou u com a equaação
correetamente, voocê encontraará que o Z-sscore da IFS em 2008 é 3,92,
3 o qual está certameente acima de
d 2,675, asssim a
falênncia não está
á prevista.
O Modelo
M Z-Sc
core para Empresas
E Privadas
Devido à variáve el X4 na equ uação (4-30)) exigir conhhecimento da a capitalização de merca ado da empresa (incluin ndo o
capital próprio ordinário e preferenciall), nós não podemos facilmente
f usar o mode elo para em mpresas privvadas
emppresas. Estimativas de valor de mercado estas e empreesas podem m ser feitass, mas os resultados são
neceessariamente e muito incerrtos. Alternattivamente, poderíamos substituir
s o va
alor contábil do capital próprio para o seu
valor de mercad do, mas isto não seria co orreto. A maioria das empresas nego ociadas publicamente vale várias vezzes o
seu valor contáb bil, de modo que uma su ubstituição paareceria requ
uerer um novvo coeficientte para X4. De
D fato, Todo os os
coefficientes no modelo
m varia
aram quando o Altman os estimou
e novaamente para empresas p privadas.
O no
ovo modelo para
p empressas privadas é:
Z = 0,717 X1 + 0,847 X2 + 3,107 X3 + 0,420X
Z’ X4 + 0,998X5 (4-31)

Onde todos as variáveis


v são
o definidas como
c antes, exceto que a X4 usa o valor contáb bil do capitall próprio. Altman
relattou que estte modelo é somente ligeiramente e menos prreciso que aquelea um para empre esas negociiadas
publlicamente qu
uando usamoos os novos pontos de co
orte (cutoff points), mostrrados abaixo
o.
Z’ < 1,21 ncia prevista dentro de um ano
Falên
1,23 < Z’ < 2,90 Crise
e financeira, possível falê
ência
Z’ > 2,90 Nenh
huma crise financeira
f pre
evista

Berrtolo  
15
  Finanças no Exccel
  2007     

Usa
ando Índ
dices Fina
anceiros
Calccular índicess financeiros é um exerccício sem propósito a menos
m que você
v entend
da como usáá-los. Uma regra
r
nálise de índices é esta: Um único ín
overrriding da an ndice fornece
e muito poucca informaçã ão, e pode estar
e equivoccada.
Vocêê nunca devverá tirar con nclusões de um único ín
ndice. Em veez disto, várrios índices deverão sus
stentar quaissquer
concclusões que você faça.
Com
m esta precau
ução em me
ente, existem e os índices podem ser u
m várias maneiras em que usados para
a tirar importa
antes
concclusões.
Aná
álise de Te
endência
A an
nálise de ten ndência envoolve o examme dos índicees durante o tempo. Ten ndências, ouu falta de ten
ndências, poodem
ajudar os gestores a calibra arem seu prrogresso em m direção a uma
u meta. Ainda
A mais, tendências podem destacar
área
as com necesssidades de atenção. Ap o termos inforrmação suficciente sobre a Elvis Prod
pesar de não ducts Internattional
a realizar a análise de ten
para ndência, é ób
bvio que muiitos dos seus
s índices esttão movendo o-se na direç
ção errada.
Por exemplo, to odos os índices de lucrratividade da a IFS declinnaram em 2008 relativa amente a 20 007, alguns mais
drammaticamente. A administrração deveráá imediatame ente tentar is
solar as área
as problemass. Por exempplo, a margem de
lucro
o bruta declinou apenas ligeiramentee, indicando que aumen ntar os custoos dos materriais não é o maior probblema
(apeesar de que um aumento o de preço pode
p ser exigido). A margem de luccro operacion nal caiu em cerca de 366%, e
commo nós não podemos culp par o crescim
mento dos cu ustos das me ercadorias veendidas, devvemos concluir que os cuustos
operracionais cre
esceram a umma taxa maiss rápida quee as receitas.. Este crescimento dos ccustos operaccionais cond
duziu,
até certo
c grau, ao
a declínio no
os outros índ
dices de lucra
atividade.
Umaa área de pro oblema potencial para a análise de te
endência é a sazonalidadde. Devemoss tomar cuidado ao comp parar
perío
odos similare es de tempo o. Por exempplo, muitas empresas
e geeram a maiooria de suas vendas dura ante as féria
as no
quarrto trimestre do ano. Po or esta razão
o eles devem
m começar a construir estoques
e no terceiro trim
mestre quand do as
venddas são baixxas. Nesta sittuação, comparando o ínndice de giro de estoque do terceiro ttrimestre pelo
o giro de esttoque
do quarto
q trimestre seria eng
ganoso.
Com
mparando às
à Médias da Indústrria
Ao laado da análise de tendência, um doss mais benéfficos usos do os índices fin
nanceiros é ccomparar emmpresas similares
denttro de uma única
ú indústria. Mais freq
qüentemente isto é feito comparando
c aos índicess médios da indústria que
e são
publlicados por organizações
o s tais como Robert Morrris Associates and Stan ndard & Poo or. Estas méédias da indúústria
forneecem um pa adrão de com mparação de e modo que podemos determinar
d quuão bem um ma empresa está executtando
relattivamente a seus
s grupos de iguais.
Commo um exem mplo do uso das médiass da indústrria, considere e a Demonsstração 4-5 (página xxx x) que mostrra os
índicces financeirros da IFS e as médiass da indústria para 2008 8. Você pode entrar com m as médias s da indústriia da
Demmonstração 4-5
4 na sua pllanilha come eçando em B1
B com o róttulo: Indúst tria 2008. A fim de passar o texto para
a próóxima linha quando
q o cu
ursor chegar ao final da linha, como fizemos,
f esccolha a guia Início, o gru
upo Alinham
mento
e ne
ele clique no Iniciador da a Caixa de Diálogo
D n canto infe
no erior esquerddo para fazer aparecer a caixa de diá
álogo
Formmatar Células e daí então o a guia Alin
nhamento. Clique na caix ação “Quebrrar texto automaticame
xa de verifica ente”
na categoria
c Co
ontrole de teexto de mod do que existta uma marc ca na caixa.. Para entraar com os nú úmeros, prim
meiro
selecione B3:B26, e note que e B3 não serrá escurecidoo. Digite 2,7
70 em B3 e daí pression ne a tecla Ennter.

16     Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  

Notee que a célula ativa mudaará para B4 tão


t logo a te ecla Enter forr pressionada. Isto pode ser mais umm método
eficie
ente de entra
ar com uma porção de números porq que seus ded dos nunca teerão de deixaar a parte direita do teclado
comm números. Esta
E técnica é especialme ndo se entrar com númerros em múltiplas colunas
ente útil quan s e células nãão
conttíguas.
Deve eria ser óbvvio que a IFS não está sendo admiinistrada tão o bem quantto à média d das empresa as do setor. Dos
índicces de liquidez podemoss ver que a IF FS é menos capaz de ajustar suas obrigações
o dee curto prazo
o do que a média
m
das empresas, apesar de que q elas nãoo estão provvavelmente em perigo iminente
i de atrasar os pagamentoss. Os
índicces de eficiêência nos mostram
m quee a IFS não o está geren nciando seuss ativos tão bem como seria esperado,
espe ecialmente seus
s estoquees. É também m óbvio que a IFS esteja usando sub bstancialmente mais dívidda que seu grupo
g
conccorrente (pee ers – groupss). Os índicess de coberturra indicam que a IFS tem
m menos caixxa para paga ar suas desp
pesas
de juros que a média da indústria. Istto pode ser devido a seu carregam mento de mais dívida que q a média
a das
emppresas do se etor. Finalmente, todos estes problem mas conduzirram a uma medida
m de lu
ucratividade abaixo da média
m
que parece estar piorando de e situação, ao
a invés de melhorar.
m
mportante notar que as médias
É im m da indústria não possam ser apropriadass em todos o os casos. Em
m muitos cassos é
provvavelmente mais
m preciso definir a “ind
dústria” como
o o competid
dor mais estrreitamente re
elacionado da

Berrtolo  
17
  Finanças no Exccel
  2007     

DEMO ONSTRAÇÃOO4–5
ÍNDIC
CES DA IFS
S VS. MÉDIA
A DA INDÚS
STRIA
A B C D E
Indústrria
1 Índ
dice 20088 2008 2007
2 Ín
ndices de Liiquidez
3 Corrrente 2,7
70x 2,39x 2,33x
4 Secca (quick ratiio) 1,0
00x 0,84x 0,85x
5 Ín
ndices de Efficiência
6 Giro de Estoque e 7,0
00x 3,89x 4,00x
7 Giro de Contas a Receber 10,7
70x 9,58x 9,77x
8 Praazo Médio dee Recebimen nto 33,64d
dias 3
37,59dias 3
36,84dias
9 Giro do Ativo Fiixo 11,2
20x 10,67x 9,95x
10 Giro dos Ativos Totais 2,6
60x 2,33x 2,34x
11 Índiices de Alav
vancagem
12 Índice de Endivvidamento Ge eral 50,00% 58,45% 54,81%
13 Índice de Dívidaa de Longo Prazo
P 20,00% 25,72% 22,02%
14 ELPP pela Capitaalização Totaal 57%
28,5 38,23% 32,76%
15 Dívvida pelo Cap
pital Próprio (GE) 1,0
00x 1,41x 1,21x
16 ELPP pelo Capitaal Próprio 40,00% 61,90% 48,73%
17 Ín
ndices de Coobertura
18 Índice de Cobertura de Juro os (TIE) 50x
2,5 1,97x 3,35x
19 Índice de Cobertura de Caixxa 2,8
80x 2,23x 3,65x
20 Índiices de Lucrratividade
21 Margem de Luccro Bruto 17,90% 15,58% 16,55%
22 Margem de Luccro Operacional 6,29% 3,89% 6,09%
23 Margem de Luccro Líquido 50%
3,5 1,15% 2,56%
24 Rettorno sobre o Ativo Total 9,10% 2,68% 5,99%
25 Rettorno sobre o Capital Próóprio 18,20% 6,45% 13,25%
  26 Rettorno sobre o Capital Próóprio Ordinárrio 18,20% 6,45% 13,25%  

commpanhia alvo. Este grupo o é provaveelmente bemm pequeno (pode


( ês a cinco companhias) que aquelle da
ser trê
indústria comple
eta como deffinido pelo có
ódigo de 4-dígitos SIC. O novo códig
go de 6-dígito S melhorará, mas
os da NAICS
não eliminará, essta situação7.
Mettas da Com
mpanhia e Contratos
C d Dívidas
de
Os índices
í financeiros são frreqüentemennte a base do
o cenário de metas da coompanhia. Por exemplo, um CEO poderia
decidir que uma a meta da empresa de everia ser ganhar no mínimo
m 15% sobre o ca apital próprio
o (ROE = 15%).
1
Obvviamente, se esta meta é ou não atingida pode se er determina
ado calculanddo o retorno sobre o cappital próprio. Além
A
dissoo, usando annálise de ten
ndência os ge
estores podeem calibrar o progresso na
n direção aao encontro das
d metas, e eles
podeem determinar se as mettas são realíssticas ou não
o.
Um outro uso dos índices fiinanceiros pode
p ser enccontrado noss contratos de
d empréstimmos. Quando o as compan nhias
tomaam dinheiro emprestado o, os credorees (portadorres dos títulos, bancos, ou outros ccredores) co olocam restriições
eqüentemente amarram aos valores de certos índ
sobrre a companhia, muito fre dices. Por
exemmplo, o credor pode exiggir que a em
mpresa tomad dora do emp préstimo manntenha um ínndice de liqu
uidez correntte de
no mínimo
m 2.0. Ou,
O pode exigir que o índice de dívid da total da empresa não exceda 40% %. Seja qual for a restrição, é
impoortante que a empresa monitore
m seuss índices em obediência, ou o credor pode obrigaar imediatamente.
Automatizand
do a Análise
e de Índice
es
                                                                  
7 Norrth American Industry I Classsification Syste
em. Este siste
ema foi criado pelo U.S. Census Bureau e seus contra partes Canad
dense
e Meexicano em 19
997 e está vagarosamente trocando os códigos
c SIC. Ver http://www aics.html para mais
w.census.gov//epcd/www/na
mação. 
inform

18     Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  
A annálise de índ
dices é um esforço
e muito
o subjetivo. Diferentes analistas
a provvavelmente farão julgam
mentos um pouco
p
diferrentes sobre
e uma empre esa. Apesar de tudo, voccê pode ter o Excel faze endo uma a análise rudim
mentar para você.
v
Realmente, a análise
a poderá ser feita de maneira a bem sofistticada se vo ocê estiver q
querendo co olocar nela certo
esfoorço. A técniica que nóss ilustraremo
os é análoga a a criação de um siste ema especia alista, apesa
ar de nós não
n a
cham marmos de um
u sistema especialista
e v
verdadeiro neste ponto.
Um sistema esppecialista é um
u programa a de computtador que poode diagnosticar problem mas ou forne
ecer uma annálise
usanndo as mesmmas técnicass que um esspecialista no o campo. Poor exemplo, um
u doutor e em medicina poderia usaar um
siste
ema especia
alista para diiagnosticar a doença de e um pacientte. O doutorr diria ao sisstema sobre os sintomass e o
siste
ema especialista consulta
aria sua lista
a de regras para gerar um
m provável diiagnóstico.
Construir uma veerdadeira annálise de índices com sisstemas espe
ecialistas no Excel consumiria muito tempo,
t e exiistem
ferra
amentas mellhores dispooníveis. Entreetanto, pode
emos construuir um sistem
ma muito sim mples usando somente umas
u
pouccas funções.. Nosso siste
ema analisarrá cada índicce separadam
mente, e sommente determ minará se um
m índice é “B
Bom”,
“Ok””, ou “Ruim””. Para ser realmente útil,
ú o sistem
ma necessitaará considerar as inter-rrelações enttre os índice
es, a
indústria em que
e está a companhia, etc. Nós deixaremos para vo ocê melhorarr o sistema.
Commo um prime eiro passo no
o desenvolviimento do no
osso sistema especialistta, precisam
mos especific
car as regrass que
ão usadas para categoriizar os índicces. Na maioria dos cas
serã sos, nós vim
mos que qua anto maior o índice, me elhor.
Porttanto, gostarríamos de ve
er que o índ
dice maior em
m 2008 do que
q em 2007, e aquele índice de 2008 maior que q a
méddia da indústrria.
Podeemos usar a declaração o embutida SE para implementar nos
ssa análise automática.
a Lembre-se que
q a declarração
SE re
etorna um de
e dois valore
es, dependen
ndo se uma declaração
d é verdadeira ou falsa:
SE(T
TESTE_LÓGIC
CO, VALOR_SE
S _VERDADEIR
RO, VALOR_SE
S _FALSO)

Onde TESTE_LÓGICO
L é qualquer declaração
d que pode ser avaliada como verdadeira a ou falsa a, e
VALOOR_SE_VERD
DADEIRO e VALOR
A _SE_FALLSO são os valores
v retorn
nados que depende
d CO ser verdadeiro
do TESTE_LÓGIC
ou fa
also.
Realmente queremos fazer dois d testes para
p determinar se um ínndice é “Bomm”, “Ok”, ou “Ruim”. Prim
meiro, testare
emos
paraa ver se o índice de 2008 8 é maior quue o índice de
d 2007. Parra fazer isto,, nós dividim
mos os valore
es de 2008 pelos
p
valores de 2007. Se o resultado é maior que um, enttão o índice 2008 é maio or que o índicce de 2007. Usando som mente
estee teste, nosssa fórmula pa ara o índice de liquidez corrente se
erá: SE(C3/D D3>=1;"Bom m";"Ruim") em E3. Neste
N
casoo o resultadoo deverá serr “Bom”, poiss o valor de 2008 é maio or que o valor de 2007. Se você copiar esta fórrmula
paraa E4, o resultado será “R Ruim”, pois o índice de liquidez sec
ca (quick rattio) de 2008 é inferior daquele índicce de
liquid
dez seca (quuick ratio) de
e 2007.
Pode emos modificar esta fórm
mula para levvar também em conta a média
m dústria. Se o índice de 20
da ind 008 for maior que
o índdice 2007 e o índice de 2008 for ma aior que a média
m da indústria, então
o o índice é “Bom”. Para a efetuar isto
o nós
preccisamos usarr a função E.. Esta função
o retornará verdadeira
v so
omente se toodos os argummentos foremm verdadeiro os:
E(LÓG
GICA1, LÓGICA
A2, . . .)

Nestta função, LÓGICA1 e LÓGICA2 são os dois arg gumentos ex xigidos, que pode ser avvaliados com mo verdadeirro ou
falso
o. Você podde ter até 299 argumento os, mas sommente dois são
s exigidoss. A função modificada em E3 é ag gora:
=SE(E(C3/D3>=1;C3/B3>=1);"Bom";"Ruim"). Agora, o índ dice somente e será julgaddo como “Bo
om” se ambaas as
conddições forem
m verdadeirass. Note que elas
e não são
o para o índic
ce de liquidezz corrente.
Um melhoramen nto final pode
e ser feito ad
dicionando “O
Ok” aos resultados possívveis. Diremo
os que o índicce é “Ok” se o
valor de 2008 for maior que o de valor de e 2007, ou o valor de 20008 for maior que a média
a da indústria
a. Podemos
efetu
uar isto aninh
hando uma segunda
s decclaração SE dentro
d da primeira no lug
gar de “Ruim”. Para a seggunda
declaração SE, precisamos
p u
usar a função o OU do Exccel:
OU(LÓG
GICA1, LÓGIC
CA2, . . .)

Estaa função é idêntica à funçção E, excetoo que ela rettorna verdadeiro, se quallquer um doss seus argum
mentos forem
m
verddadeiros. A fo
orma final daa nossa equa ação é:
=SE(E(C3/D3>=1;C3/B3>=1);"Bom";SE(OU(C3/D3>=1;C3/B3>=1);"Ok";"Ruim m")). Para o índice de
liquid
dez corrente
e, isto avaliarrá “Ok”. Você
ê pode agoraa avaliar todo
os os índicess da IFS copiando esta fó
órmula para
E4:EE26 e limpanndo as cópiass desnecesssárias em E5 5, E11, E17, e E20.

Berrtolo  
19
  Finanças no Exccel
  2007     

Maiss uma muda ança é neceessária. Lem


mbre-se que para os índ
dices de ala avancagem, quanto men nores geralm
mente
melhhores. Portanto, mude to e E12:E16.. Você precisa também ffazer a mesma mudança
odos os “>=”” para “<=” em a em
E8 para
p o prazo médio de re
ecebimento. Sua
S planilha deverá agorra ficar pareccida com aqu monstração 4-6.
uela da Dem
Vocêê deverá verr que aproximmadamente todos os índdices da IFS são julgados serem “Ru
uim”. Isto é exatamente
e o que
m, exceto que o Excel a fez automaticamente. Exxistem muita
nosssas análises anteriores determinaram
d as mudançass que
podeeriam ser fe eitas para melhorar
m este
e analisadorr simples de
e índices, mas
m nós deixxaremos este trabalho como
c
exerrcício para vo
ocê.

DEMO O4–6
ONSTRAÇÃO
ÍNDICE
ES DA IFS COM
C ANÁL
LISE AUTOM
MÁTICA
A B C D E
Indústrria
1 Índ
dice 20088 2008 2007 Análise
2 Ín
ndices de Liiquidez
3 Corrrente 2,7
70x 2,39x 2,33x Ok
O
4 Secca (quick ratiio) 1,0
00x 0,84x 0,85x Ruim
R
5 Ín
ndices de Efficiência
6 Giro de Estoque e 7,0
00x 3,89x 4,00x Ruim
R
7 Giro de Contas a Receber 10,7
70x 9,58x 9,77x R
Ruim
8 Praazo Médio dee Recebimen nto 33,64d
dias 3
37,59dias 36,84dias R
Ruim
9 Giro do Ativo Fiixo 11,2
20x 10,67x 9,95x O
Ok
10 Giro dos Ativos Totais 2,6
60x 2,33x 2,34x R
Ruim
11 Índiices de Alav
vancagem
12 Índice de Endivvidamento Ge eral 50,00% 58,45% 54,81% Ruim
R
13 Índice de Dívidaa de Longo Prazo
P 20,00% 25,72% 22,02% R
Ruim
14 ELPP pela Capitaalização Totaal 28,5
57% 38,23% 32,76% R
Ruim
15 pital Próprio (GE)
Dívvida pelo Cap 1,0
00x 1,41x 1,21x R
Ruim
16 ELPP pelo Capitaal Próprio 40,00% 61,90% 48,73% R
Ruim
17 Ín
ndices de Coobertura
18 Índice de Cobertura de Juro os (TIE) 2,5
50x 1,97x 3,35x Ruim
R
19 Índice de Cobertura de Caixxa 2,8
80x 2,23x 3,65x Ruim
R
20 Índiices de Lucrratividade
21 Margem de Luccro Bruto 17,90% 15,58% 16,55% Ruim
R
22 Margem de Luccro Operacional 6,29% 3,89% 6,09% R
Ruim
23 Margem de Luccro Líquido 3,5
50% 1,15% 2,56% R
Ruim
24 Rettorno sobre o Ativo Total 9,10% 2,68% 5,99% R
Ruim
25 Rettorno sobre o Capital Próóprio 18,20% 6,45% 13,25% R
Ruim
  26 Rettorno sobre o Capital Próóprio Ordinárrio 18,20% 6,45% 13,25% R
Ruim  

Me
edidas de
e Lucrativi
vidade Ecconômica da Perfo
ormance
O luucro econôm mico é o lucrro ganho em m excesso aosa d empresa,, incluindo sseus custos de oportunidade
custos da
implícitos (principalmente seeu custo de capital).
c Luccro contábil (lucro
( líquido o, mede o lucro como re
o), entretanto eceita
mennos todos os custos explíícitos da emp presa. Ele levva em conta
a um custo do o capital de d
dívidas da em
mpresa (desspesa
de ju
uros), mas ele
e ignora o custo implíccito do capita al próprio da
a empresa. O conceito d de lucro eco
onômico é aqquele
velho, mas tem sido
s revivido
o nos últimoss poucos anoos passados pelas empre esas de conssultoria prom
metendo melh horar
a peerformance financeira
f e práticas de compensaçção executiva a dos seus clientes8. Muitas grande es empresass tem
ado para as várias medidas de lucrro econômico
troca o – algumas s com bons resultados e algumas não. Em qualquer
casoo, o método tem gerado o uma porção de interessse, e nós in ncluiremos uma
u curta discussão da medida do lucro
econnômico nesta a seção.
                                                                  
8 A lííder neste esfo orço é a emprresa de consultoria Stern Sttewart and Co ompany que se
e referem ao lucro econômiico pelo nome
e com
direittos autorais ad dquiridos cham ded (EVA). 
mados Economic Value Add

20     Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  
A idé
éia básica poor detrás da medida de luucro econômmico é que a empresa não pode cresccer a riqueza a dos acionisstas
a meenos que ela a faça um luccro em excessso do seu custo
c de capital9. Porque nós levarem
mos em conta a o custo de
capital explicitam
mente, nós não podemoss usar as med didas de con
ntabilidade normal do luccro diretamennte. Os ajustes
às demonstraçõe es financeira
as variam dependendo da a empresa e quem está fazendo
f os ccálculos. No momento, não
há padrão
p completamente acceito. Com issto em mente e, nós apres
sentaremos umu cálculo siimplificado do lucro
econnômico.
Mate
ematicamentte, o lucro ecconômico é:
Lucro
o Econômico apital operaccional após impostos
o = NOPAT – Custo do ca (4-32)

Onde, LOLAI (em m inglês, NO


OPAT) é o luccro operacional líquido após impostos. O custo do o capital ope
eracional apó ós os
impoostos são os custos de dólares de toddos os instru
umentos de dívidas
d produuzindo juros (i.e., bônus e títulos a pa
agar)
maiss os custos em
e dólares do
d capital próóprio preferen
ncial e ordináário. Geralmente, o custoo de capital após
a impostoos
da empresa
e (um
ma quantia po
orcentual) é calculado
c e então
e multipllicado pela quantia
q de caapital operacional para ob bter
um custo
c em dóllares.
a calcular o lucro econôm
Para mico, devemo os primeiro calcular
c NOPPAT, capital operacional
o ttotal e o custto de capital da
emppresa. Para nossos
n propó
ósitos neste capítulo,
c o10. NOPAT é o lucro ope
o custo de capittal será dado eracional apó ós
impo
ostos da emp presa:
NOPA AT = LAJIR (1
( – alíquota de imposto) (4-33)

Note
e que o cálcculo NOPAT T não inclui as despesass de juros porque
p ela será explicita
amente conta
abilizada quando
usto de todo o capital.
subttrairmos o cu

O caapital operaccional total é a soma doss ativos circuulantes não produzindo


p juros e os attivos fixos líq
quidos, menoos os
passsivos circulantes não produzindo jurros. Ignoram mos os ativos circulantess produzindo o juros porque eles não o são
ativo
os operacionnais, e nós ig gnoramos paassivos circu ulantes produ
uzindo juros (p.ex., título
os a pagar) porque
p os cu
ustos
desttes passivos estão incluíd dos no custo
o de capital.
Nós demonstrarremos os cállculos do luccro econômicco usando os o dados da Elvis Products Internatio
onal para 20 007 e
2008
8. Certifique--se de que a pasta de trrabalho conttendo as dem
monstraçõess financeiras da IFS está
á aberta, e in
nserir
uma
a nova planilha para no ossos cálculos do lucro o econômico o. Monte a sua nova planilha com mo mostrado na
Dem
monstração 4-7
4 e re-nome eie a folha co
omo “Lucro Econômico”.
E

DEMO O4–7
ONSTRAÇÃO
CÁLCUL
LO DO LUC
CRO ECONÔ
ÔMICO PAR
RA A IFS
A B C D
1 Elvis Products In
nternational
2 Cálculos do Lucroo Econômico
3 2008 2007
4 A
Alíquota de Im
mposto 40% 40%
5 N
NOPAT
6 C
Capital Operaacional Total
7 C
Custo do Cap pital Após Im
mpostos 13% 13%
8 C
Custo do Cap pital em Dólaar
  9 L
Lucro Econôm mico  

e que estamo
Note os assumind
do que o cussto de capitall da empresaa seja 13%, e a alíquota de imposto seja 40%. Todos
T
os outros
o númerros devem se
er calculadoss como discuutido acima.

                                                                  
9 O lu ucro econômicco é medido ta ambém pelo VPL,
V que será
á introduzido no
n Capítulo XX
X. A diferença
a principal é que neste capítulo
nós estamos
e tenta
ando calcular o lucro econôm
mico real que foi ganho durrante alguns períodos
p anterriores (usualmente no ano
anterrior). O VPL mede
m o lucro econômico
e perado de um investimento futuro. 
esp
10 O Capítulo XX cobre
c os cálcu
ulos necessários para o cussto médio pondderado de cappital após impoostos da empresa.
 

Berrtolo  
21
  Finanças no Exccel
  2007     

Lemmbre-se que no
n NOPAT é simplesmen nte o LAJIR vezes
v 1 – alíquota de imposto, assim
m em B5 entrre com a fórm
mula:
=’DRE'!C11*(1-B4). Voccê deverá ve S gerou um lucro operacional de $8
er que a IFS 89.820 em 2008.
2 Copie esta
fórm
mula para D55 para obter o NOPAT pa
ara 2007.
O próximo passso é calcularr a quantia de d capital operacional. ComoC a IFS
S não tem in
nvestimentoss de curto prazo,
mera amente adicionamos ativvos circulantees aos ativoss fixos líquidos e então subtraímos
s os passivos circulantes
c m
menos
os tíítulos a paga
ar. Em B6 enntre com a fó
órmula: ='Ba alanço Pat trimonial' '!C8+'Bala anço Patri imonial'!C C11-
('Balanço Pa atrimonial l'!-C17'Ba alanço Pat trimonial' '!C15). Seu u resultado d
deverá mosttrar que o caapital
operracional totall para 2008 foi
f $1.335.6000. Copie estta fórmula pa ara D6.
Paraa calcular o custo de cap
pital em dóla
ares em B8, entre com a fórmula: =B7*B6, e co opie isto parra D8. Lembre-se
que o lucro econnômico é simmplesmente o NOPAT menos o custo o de capital em dólares, assim nós podemos
p callcular
o luccro econômicco em B9 coom a fórmulaa: =B5-B8. Você
V deverá encontrar que a IFS ganhou um luc cro econômicco de
$-833.808 em 20 008. Copie esta
e fórmula para D9 e você
v verá quue o lucro econômico
e da IFS em 20 007 foi $-28.876.
Agora, delete a coluna
c C que
e estava em branco paraa facilitar a có
ópia das fórm
mulas.
Estee exemplo mostra
m quão equivocado a medida do d lucro con ntábil (particu ucro líquido) pode ser. Neste
ularmente lu N
casoo, a IFS repoortou lucros positivos em
m ambos oss anos de 20 007 e 2008, mas ela esstava realmente diminuin ndo a
rique
eza dos acioonistas durannte os dois últimos
ú anos passados. Este
E resultaddo essencialm
mente confirma os resulttados
de nossas
n análises de índicces. A administração d a IFS não temt m bom trabalho, no míniimo durante este
feito um
períoodo. Sua pla
anilha lucro econômico
e deeverá se parrecer com es
sta uma da Demonstraçã
D ão 4-8.

DEMO O4–8
ONSTRAÇÃO
PLANILHA DO
D LUCRO ECONÔMIC
CO COMPL
LETA DA IFS
S
A B C D
1 Elvis Products In
nternational
2 Cálculos do Lucroo Econômico o
3 2008 2007
4 Alíq
quota de Imp
posto 40% 40%
5 NO
OPAT 89.820 125.460
6 Capital Operacional Total 1
1.335.600 1
1.187.200
7 Cussto do Capita
al Após Impoostos 13% 13%
8 Cussto do Capita
al em Dólar 173.628 154.336
  9 Luccro Econômico (83.808) (28.876)  

Sum
mário
Nestte capítulo vimos
v como os vários índ
dices financeeiros podem ser usados para avaliarr a saúde finnanceira de uma
commpanhia, e portanto a pe erformance dos gestores da empresa. Você viu u também ccomo o Exce el pode faze
er os
cálculos dos índ dices mais rapidamente
r e mais faccilmente que e fazer à mãão. Observa amos as cinc co categoria
as de
índicces: Índices de liquidez medem a habilidade de e uma empre esa pagar seus títulos; índices de eficiência
e me
edem
quão o bem a emp presa está fa
azendo uso de
d seus ativoos para gerar vendas; índdices de alavvancagem de escrevem quuanta
dívid
da a empressa está usan anciar seus ativos; índic
ndo para fina ces de coberrtura dizem qquanto caixaa a empresaa tem
disponível para pagar despe esas específficas; e índicces de lucra
atividade me
edem quão lu ucrativa a empresa tem sido
duraante um perío odo.
Tammbém vimos como o Exccel pode ser programado o para fazer uma análise e rudimentarr de índice automaticam
a ente,
usanndo somente e umas poucas funções ló ógicas embu
utidas. A Tabbela 4-1 forne ece um sumário das fórm mulas dos índ dices
que foram apressentados nesste capítulo.
Fina
almente, observamos o conceito
c de lucro
l econômmico e vimoss como ele podep dar um
m quadro mu uito mais clarro da
saúdde financeira
a de uma empresa do que e as medidas de lucro co
ontábil tradiccionais.

22     Berrtolo
  F
Finanças no Excel
2007  

Pro
oblemas
1. Copie
C as dem
monstraçõess financeirass da Aspen Industries do
d Problema
a 1 do Capíítulo 2 numa
a nova pastta de
traba
alho.
a. M
Monte uma planilha
p índicce similar aq
quela da De
emonstração
o 4-4, página
a xxx, e calccule todos os
o índices pa
ara a
A
Aspen Industtries.
b. IIdentifique no
n mínimo du
uas áreas de interesse potenciais usando os ín
ndices. Identifique no mínimo duas áreas
á
q mostrara
que am melhoram
mento.
c. E
Em 2008 o ROE
R pen Industries cresceu asssustadoram
da Asp que, com palavras, porque este aum
mente. Expliq mento
o
ocorreu usando o método
o Du Pont coomo mostrado na equaçã ão (4-29).
Aspen Industries mostrou um lucro contábil em
d. A m cada um dos d dois últimos anos ppassados. Ca alcular seu lucro
e
econômico pa
ara estes anos e comparrá-lo ao lucro
o líquido. Ass
suma que o custo de cap
pital da Aspe
en seja 11%.
e. U
Usando o moodelo da Altm
man para em mpresas privvadas, calcular o Z-score
e para a Asp
pen Industrie
es. Parece que
q a
e
empresa está
á num perigo
o financeiro im
minente de falência?
f

Exe
ercício de
e Internett
2. Esscolha sua própria
p comppanhia e repitta a análise do Problema a 1. Você podde obter os ddados de MooneyCentral
Inve
estor em http://moneycentral.msn.com m/investor/ho ome.asp. Parra recuperar os dados pa mpanhia, vá a
ara a sua com
áreaa Stocks e en
ntre com o síímbolo registtrador. Agoraa escolha Fin
nancial Resu nts no menu do
ults e daí enttão Statemen
lado
o esquerdo da tela. Mostrre a demonsttração de ressultado do exercício anual, selecione da de dados e
e a seção tod
copie. Agora cole estes dado os diretamen
nte numa novva planilha. OsO dados serão colados no formato HTML.
H No Exxcel
20022 um Smart Tag aparece erá que lhe permitirá
p ou “Keep Source e Formatting
g” ou “Match Destination Formatting”.
Expeerimente parra ver qual deles você go
osta mais. Re epita estes passos
p para o balanço pa atrimonial.
(Notta: No mome ento que estáávamos escrrevendo, a MoneyCentral
M l usava dado os da Media General Fina ancial Servicces.
Os dados
d foram consolidado os em catego
orias consiste
entes para fa
acilitar a com
mparação de diferentes companhias.
Entrretanto, existtem erros freqüentes. Se você precisa ma fonte tal como
ar de dados livres de errros, você devverá usar um
a Staandard & Po oo’s Compusstat ou o bancco de dados da Edgar SEC).
 

Berrtolo  
23