Você está na página 1de 32

Elucidando

A REENCARNAÇÃO

CESAR DE SOUZA MACHADO


Elucidando a Reencarnação

1ª Edição – Fevereiro de 2018

Cesar de Souza Machado

Material protegido pela Lei do Direito Autoral

Crédito das Imagens


Imagens 1, 6, 7, 8 : Wikimedia Commons
Demais imagens: Do autor

Direitos de reprodução

Esta obra pode ser copiada, transmitida ou distribuída por quaisquer


meios, digitais ou impressos sem prévia autorização.

Não é permitido qualquer tipo de supressão ou acréscimo em seu


conteúdo, nem sua utilização total ou parcial como parte de outros
trabalhos ou publicações, digitais ou impressas.

A venda ou comercialização é espressamente proibida.

Distribuição gratuita:

www.elucidando.metaconsciencia.com

Elucidando a Reencarnação 2
Conteúdo
4 | Apresentação
5 | Introdução
6 | Missão e intermissão
8 | Os corpos da consciência
9 | O processo da reencarnação
11 | Personalidade congênita
12 | Porque precisamos reencarnar
13 | O processo de esquecimento
14 | Missão de vida
15 | A crença na reencarnação
16 | Provas da reencarnação
17 | Mudanças de gênero
18 | Interprisões
19 | Libertação das interprisões
21 | Transmigrações
22 | O fim das reencarnações
23 | Retrocognições
24 | Regressão terapêutica
25 | Psicoterapia reencarnacionista
27 | Como aproveitar a encarnação atual
28 | Miniglossário
30 | Mais sobre reencarnação
31 | Série elucidando
31 | Outras outras do autor
32 | Sobre o autor

Elucidando a Reencarnação 3
Apresentação
rezado Leitor

P Este volume descreve alguns dos principais aspectos relacionados a reencarnação que é o
processo de nascimento, vida intrafísica, morte, vida extrafísica e novo retorno pelo qual
passam todas as pessoas com objetivo de possibilitar sua evolução.
O tema é vasto, comportando muitas considerações entre generalidades, aplicáveis a todas as pessoas
e especificidades, aplicáveis apenas em certos casos.
Buscamos, portanto, apresentar os conceitos fundamentais necessários para se entender como
funciona o processo reencarnatório, explicações para as principais questões, assim como alguns
meios pelos quais as lembranças de existências passadas podem ser recuperadas.
Por fim é descrita a condição que, quando alcançada, leva ao término do processo reencarnatório.
Tenha um bom proveito.

Cesar de Souza Machado


Fevereiro de 2018

Elucidando a Reencarnação 4
Capítulo 1
Introdução
Reencarnação é um termo popular que se refere ao processo de uma pessoa,
após ter passado pela morte do corpo, retornar ao mundo material por meio do
renascimento em um novo corpo físico. Conhecida por culturas de todo o mundo
há milênios, a reencarnação recebeu várias denominações ao longo do tempo:
palingenesia, pluralidade das existências, transmigração da alma, vidas sucessivas,
renascimento da personalidade, entre outras.

Todas as religiões pregam algum tipo de sobrevivência após a morte. De alguma


forma, cada uma delas busca representar o que aconteceria quando a vida
material chega ao seu fim. Então, o conceito acerca da existência do espírito ou
de uma alma que habita o corpo e que transcende a ele é tanto antigo quanto
universal.

Tida por alguns como crendice e por outros como dogma, o conceito da
reencarnação, vinculado ou não a religiões, ainda passa ao largo da ciência. Em
termos práticos, o maior impedimento para se crer na reencarnação está no fato
de que, ao nascermos, perdemos todas as lembranças objetivas, toda a memória
factual que possuíamos. Não lembramos nomes, lugares, pessoas ou fatos que
vivenciamos, mas, com frequência, mantemos integralmente os mesmos hábitos,
tendências e temperamentos de nossas vidas pregressas.

Assim, é possível afirmar que você, leitor ou


leitora, tem os mesmos pensamentos,
sentimentos, hábitos e tendências que possuía
em sua última vida, pois, esses aspectos básicos
da consciência mudam lentamente, quase nada
de uma vida para outra.

Apesar do bloqueio da memória objetiva, como


mostraremos adiante, com algum esforço é
possível recuperar, de várias formas, as
lembranças objetivas, pelo menos as mais Platão foi um dos
principais defensores da
significativas. reencarnação

Elucidando a Reencarnação 5
Capítulo 2
Missão e intermissão
O ser humano ou, mais apropriadamente, o corpo físico, é uma manifestação de
uma entidade espiritual que transcende a matéria física. Essa essência pode ser
chamada alma, espírito, self, ego ou consciência. Aqui vamos empregar o termo
consciência para nos referirmos a essa essência.

O ciclo multiexistencial de reencarnações consiste na alternância da condição da


consciência. Quando a consciência está encarnada, se manifestando com um
corpo físico, ela tem uma existência intrafísica ou missão. Quando ela está
desencarnada, se manifestando sem um corpo físico, ela tem uma existência
extrafísica ou intermissão.

Ao longo da existência intrafísica a consciência passa por inúmeras experiências


necessárias ao seu aprimoramento. Todas as situações em sua vida são
oportunidades de aprendizado e evolução, até mesmo as mais desagradáveis. À
medida que a consciência aprende suas lições, muda seus padrões de
pensamentos, sentimentos, energias e comportamento para melhor, ela evolui e
se liberta de quaisquer sofrimentos com que se defronte. Se isso não ocorre, ela
segue sofrendo. Se ela muda esses padrões para pior, o sofrimento que ela vai
causar para si própria, em algum momento aumenta proporcionalmente.

Cada vida na matéria pode ser chamada de missão e cada período


intervidas pode ser chamado intermissão.

Elucidando a Reencarnação 6
A dimensão intrafísica em nosso planeta é muito agressiva. Os seres vivos têm
que lutar para sobreviver, inclusive o ser humano, apesar de todo o progresso
científico e tecnológico já alcançado. Ocorrem disputas em torno de quase tudo:
alimentos, bens materiais, sexo, carinho, atenção, etc. Em meio a esse ambiente,
as provas pelas quais passa a consciência, muitas vezes dificílimas, são
oportunidades para ela se elevar, empregando seu discernimento e o sentimento
(o coração) para superar suas dificuldades ou para se manifestar com a
agressividade comum aos demais seres vivos do planeta.

Enquanto permanece na dimensão extrafísica a consciência pode estar lúcida,


equilibrada e feliz, ou pode estar desequilibrada, doente, sofrendo ou até
inconsciente. O que determina isso é seu nível evolutivo, que decorre de tudo o
que ela fez em suas vidas anteriores, principalmente na última. Quando ela está
bem, vai habitar uma comunidade extrafísica evoluída, pode conviver com outras
consciências benévolas, sua família espiritual, por assim dizer, aprender coisas
novas e se dedicar ao autoaperfeiçoamento. Quando não está bem, vai habitar
uma comunidade extrafísica doentia e vai ficar sofrendo. Isso é apenas um
resumo bem simplificado de uma realidade que é bem mais complexa do que
aquela existente no mundo material.

Roda da vida budista mostrando as diversas encarnações da alma.


Esculpida entre 1174 e 1252 d. C. em Baodingshan, Sichuan, China.

Elucidando a Reencarnação 7
Capítulo 3
Os corpos da consciência
A consciência possui um conjunto de corpos cujas características são bem
distintas e que estão relativamente bem mapeadas e descritas na vasta
bibliografia do parapsiquismo. Esse conjunto de corpos pode ser chamado
holossoma, um termo que provem da junção do prefixo holo que significa todo, e
da palavra soma, um sinônimo de corpo. Assim, temos:
• Soma: O corpo físico, material, que surge com a fecundação e desaparece com
a morte.
• Energossoma: O corpo energético, sem forma definida, constituído de matéria
extrafísica densa que é responsável por possibilitar a união do psicossoma ao
corpo físico. Após a morte do corpo físico ele pode se dissolver ou não,
conforme as condições da consciência.
• Psicossoma: O corpo astral ou espiritual, semelhante em aparência ao corpo
físico, constituído de matéria extrafísica sutil e que não pode se acoplar à
matéria física diretamente, dependendo para isso do energossoma. É o corpo
que a consciência usa na dimensão extrafísica.
• Mentalsoma: O corpo mental, sem forma definida, constituído de matéria
extrafísica muito sutil. É o corpo empregado pelas consciências extrafísicas
muito evoluídas que não reencarnam mais.

O holossoma é formado por


pelo menos quatro corpos.
Outras abordagens
propõem até sete corpos.

Elucidando a Reencarnação 8
Capítulo 5
O processo da reencarnação
Não há duas reencarnações iguais. Cada caso é um caso com suas peculiaridades,
mas sempre seguindo um processo que obedece a leis naturais, conforme
descrito a seguir.

A consciência que está por reencarnar começa a perder a lucidez,


frequentemente entrando em um estado de desorientação mental. Tal se sucede
em virtude do acoplamento energético que se forma entre a consciência
extrafísica e as energias densas da matéria, na medida em que um elo energético
se forma com seus futuros pais, em especial com a futura mãe. Quando ocorre a
fertilização de um óvulo, tem início a multiplicação celular que, em nove meses,
culmina com o parto de uma nova pessoa.

Conforme o feto se forma, o psicossoma da consciência reencarnante se acopla a


ele, átomo por átomo, orientando sua formação. Assim, o novo corpo em
formação adquire características genéticas herdadas dos genitores, mas por meio
do psicossoma, que atua como um modelo organizador biológico, certos genes do
novo corpo físico são ativados e outros são inibidos, conforme as necessidades e
possibilidades evolutivas da consciência reencarnante.

Na medida em que o psicossoma se une ao novo soma em formação, surge ao


longo desse processo o energossoma. A função do energossoma é possibilitar a
união do psicossoma ao soma, uma vez que o primeiro é constituído de matéria
extrafísica sutil demais para que esse processo ocorra diretamente. Pode-se fazer
uma analogia do energossoma com a cola que une um pedaço de plástico a um
pedaço de madeira.

Após algumas décadas do renascimento, o soma, que é biologicamente


programado para envelhecer e se desgastar, atinge um ponto em que as funções
vitais não podem mais ser mantidas e ele morre.

Naturalmente, outros motivos podem levar à morte antes disso, tais como
doenças, acidentes, etc. A morte do corpo físico encerra a missão da consciência.

Elucidando a Reencarnação 9
Quando ocorre a morte do soma, chamada de dessoma (termo originado das
palavras descarte do soma) ou de primeira morte, tem início a intermissão e a
consciência passa a se manifestar na dimensão extrafísica. O energossoma,
contudo, tem que se dissolver ou em outras palavras, morrer também. Isso não
ocorre de imediato. É um processo que pode levar de horas a anos ou até mesmo
não acontecer, dependendo do nível evolutivo e das condições da consciência
naquele momento. Quando o energossoma se dissolve completamente, ocorre a
segunda morte e a consciência pode se manifestar com lucidez. Enquanto isso
não acontece, ela fica em um estado de semiconsciência ou de sonambulismo.
Confusa, sente que está imersa em um pesadelo sem fim ou fica completamente
inconsciente.

Em algum momento a consciência terá que reencarnar novamente. O processo de


constituição de um novo corpo físico pode ser chamado de ressoma (termo
originário das palavras reconstituição do soma). Caso tenha passado pela segunda
morte, o processo será mais tranquilo, como descrito anteriormente. Se ela ainda
trouxer consigo seu antigo energossoma, esse se aglutina ao novo energossoma
em formação durante a gestação, podendo influenciar negativamente na
formação do novo corpo físico. Ela poderá ter, por exemplo, aquilo o que
chamado de existência trancada, uma vida sem lucidez extrafísica, sem
experiências extracorporais lúcidas.

Consciência desencarnada e consciência encarnada

Elucidando a Reencarnação 10
Capítulo 6
Personalidade congênita
A personalidade congênita é a personalidade integral da consciência. Ela traz
consigo os traços fortes positivos (trafores) e os traços fardos, negativos (trafares)
que manifesta, vida após vida, em cada uma das suas existências. É uma
personalidade que está em contínuo processo de desenvolvimento ao longo do
ciclo multiexistencial. É com essa personalidade que a pessoa nasce. Ao longo da
existência intrafísica, a família, a escola e o meio social influenciam na
constituição da personalidade da vida presente, somando-se às tendências inatas
que ela já traz consigo, muitas vezes referidas como o temperamento da pessoa.

Dessa forma as pessoas se iludem, crendo que tudo se resume ao corpo físico que
envergamos nessa vida, aos fatores genéticos, à família e ao contexto em que
nascemos e crescemos. Acreditam que as repostas para tudo o que somos e
sentimos está nisso, desconsiderando que a vida atual é apenas uma entre
milhares de outras que a pessoa já teve e que contribuíram para moldar seu
espírito.

As ciências convencionais seguem esse raciocínio e lidam com os problemas do


espírito com base nessa ilusão, atribuindo a fatores da vida atual a causa de todas
as nossas virtudes, dificuldades ou sofrimentos. Ignoram o processo da
reencarnação e sua finalidade de promover a evolução da consciência.

Ao longo da existência intrafísica a consciência poderá aplicar os seus traços


fortes para promover sua evolução e ajudar outras pessoas, assim como precisará
trabalhar para superar os traços fardos que ainda traz consigo. Quando ela
consegue isso, sua vida terá sido bem aproveitada

Elucidando a Reencarnação 11
Capítulo 7
Porque precisamos reencarnar
Quando a consciência está na fase de intermissão e em más condições, ela pode
ficar sem lucidez e sofrendo indefinidamente. A reencarnação surge, portanto,
como uma saída dessa condição. Quando a consciência está em uma condição
boa, lúcida e feliz, ela habita uma comunidade extrafísica evoluída e convive com
outras consciências como ela ou até mais evoluídas. Nessas circunstâncias, ela
manifesta apenas aquilo o que tem de melhor, suas positividades, as energias dos
chacras superiores. Assim, todas as dores, mazelas e problemas que teve nas suas
encarnações passadas desaparecem momentaneamente.

Quando ela reencarna, a agressividade da dimensão extrafísica do planeta Terra


aliada ao esquecimento do seu passado levam-na a manifestar novamente as
energias densas dos chacras inferiores. Os problemas do passado, aquilo o que
não ficou bem resolvido retorna e ela tem que se esforçar para superá-los
definitivamente. Se fizer isso, sua encarnação será bem aproveitada. A
reencarnação atua, portanto, como um mecanismo de recuperação e promoção
da evolução da consciência.

Antiga ilustração do Concílio de


Constantinopla, realizado em 553 d.C. o
qual excluiu o conceito de reencarnação
da Igreja.

Elucidando a Reencarnação 12
Capítulo 8
O processo de esquecimento
Devido às peculiaridades do holossoma o renascimento provoca o esquecimento
das memórias objetivas das existências anteriores. O temperamento, contudo,
geralmente mantém-se inalterado, do jeito que estava no final da existência
anterior.

O processo de esquecimento que ocorre durante o reencarne tem por objetivo


possibilitar que a consciência tenha condições de se reconciliar com antigos
desafetos. Ela pode, por exemplo, renascer em uma família em que se encontram
tanto pessoas que ela prejudicou como pessoas que a prejudicaram. Se ela
lembrar desses eventos suas chances de reconciliação ficam muito reduzidas,
pois, dificilmente encontrará forças em si mesma para perdoar quem lhe fez mal.
O mesmo pode se dizer das consciências que ela prejudicou.

Por outro lado, não é correto afirmar que esquecemos completamente nossas
vidas passadas. Apenas as memórias objetivas são temporariamente
obscurecidas. O temperamento, as tendências, inclinações, gostos são
inteiramente rememorados e manifestados pela consciência, tal qual eram em
sua última existência. Por isso é que dizemos que a consciência pouco ou nada
muda de uma encarnação para outra.

Não obstante, conforme a consciência evolui, ela tem acesso a rememorações


espontâneas de suas vidas passadas. São as retrocognições que podem ocorrer
durante a vigília física, quando está desperta, mas que são mais comuns durante o
sono, quando ela está parcialmente desligada do corpo devido ao relaxamento e,
dessa forma, consegue acessar sua holomemória, ou seja, a memória integral de
todas as vidas.

Elucidando a Reencarnação 13
Capítulo 9
Missão de vida
A missão de vida, ou programação existencial, é o planejamento sistemático da
próxima encarnação da consciência, visando o seu aproveitamento máximo, e que
apresenta os seguintes aspectos gerais:

• Emprego prioritário dos principais traços fortes;


• Superação dos principais traços fardos;
• Realização de todas as reconciliações possíveis com outras consciências;
• Priorização do esclarecimento de outras consciências;
• Práticas assistenciais de forma contínua e, se possível, abrangentes.

Com frequência a realização da missão pessoal ocorre também por meio do


emprego de faculdades parapsíquicas com as quais a pessoa renasce ou que
desenvolve ao longo da nova existência. A presença e o uso dessas faculdades
decorrem do amadurecimento e da maior autoconscientização da consciência.

Muitas pessoas acreditam que a missão pessoal envolve grandes realizações ou


que seja necessário viver como um grande missionário ou avatar espiritual.
Contudo, via de regra, as missões são relativamente simples, de modo que os
aspectos relacionados acima são comuns a todas as missões. Não obstante, a
maioria das consciências não consegue cumprir completamente aquilo o que
programou para si. Se perdem nas questões do ego como orgulho, vaidade,
arrogância e paixões ou se equivocam julgando que grandes realizações, bem-
vistas no mundo material, são mais importantes do que a reforma íntima dos
pensamentos, sentimentos e atitudes pessoais.

Ao longo da vida amparadores extrafísicos intuem a pessoa para que ela possa
cumprir sua missão. Ao retornar ao mundo espiritual, após a morte do corpo
físico, caso tenha cumprido sua missão satisfatoriamente, pode prosseguir para
outra vida em condições melhores, mais favoráveis e com uma missão mais bem
elaborada. Caso não tenha cumprido sua missão a contento, terá que elaborar
uma programação para sua próxima vida em que terá que repetir as mesmas
experiências em que falhou. Naturalmente, isso não é motivo para se ficar feliz.

Elucidando a Reencarnação 14
Capítulo 10
A crença na reencarnação
A reencarnação faz parte de culturas distribuídas por todas as partes do planeja.
No oriente ela existe de forma contínua há milhares de anos. No ocidente, com o
advento do cristianismo e a proibição de qualquer forma de pensar diferente da
estabelecida pela Igreja, a crença na reencarnação foi proibida no início da idade
média, somente voltando a surgir com ao advento do espiritismo no século XIX.

Das religiões que admitem a reencarnação, existem hoje o hinduísmo (950


milhões de pessoas), o budismo (500 milhões de pessoas), o sikismo (23 milhões
de pessoas), o jainismo (4,2 milhões de pessoas), o shintoismo (4 milhões de
pessoas), o espiritismo (3,8 milhões de pessoas), e o taoismo (2 milhões de
pessoas), perfazendo um total de 19% da população mundial.

Em 2016 uma pesquisa realizada em 23 países com 18 mil pessoas pelo Ipsos –
Institute of Social Research, constatou que 51% acreditava na reencarnação e que
em países como Brasil, Argentina, Austrália, Japão e México o conceito de
reencarnação é aceito por significativa parcela da população.

No Brasil, especificamente, uma pesquisa realizada em 2007 constatou que 37% a


população acredita na reencarnação e que 18% tem dúvidas sobre se ela existe de
fato ou não.

Alan Kardec, em meados do


século XIX, popularizou
o conceito de reencarnação
no ocidente

Elucidando a Reencarnação 15
Capítulo 11
Provas da reencarnação
Desde meados do século XX muitas pesquisas foram realizadas em diversos países
com objetivo de verificar se a reencarnação é um fato ou apenas uma teoria.

Pesquisadores se debruçaram no estudo meticuloso de milhares de casos


sugestivos de reencarnação, nos quais pessoas, geralmente nos primeiros anos da
infância, afirmam se recordar de uma ou mais vidas anteriores. Esses casos são
mais comuns nos países do oriente devido à reencarnação ser mais aceita, mas
existem muitos casos que também foram registrados em países do ocidente,
inclusive no Brasil. Não raro, surgiram casos nos quais as lembranças de vidas
passadas ficaram muito evidentes e que dificilmente poderiam ser refutados
como meras fantasias, delírios ou mistificação.

Outra linha de pesquisa, baseada na análise de regressões de memória a vidas


passadas, demonstrou que, muitas vezes, os relatos de aspectos de suas
existências anteriores descritas pelas pessoas, quando confrontados com registros
históricos, provaram estar corretos.

Não existe uma prova definitiva e irrefutável


da reencarnação. Quem desejar deve, portanto,
prová-la para si mesmo.

Elucidando a Reencarnação 16
Capítulo 12
Mudanças de gênero
A consciência, apesar de não ter sexo, tem a necessidade evolutiva de aprender
sobre tudo o que a dimensão material tem a oferecer. Assim a consciência pode
reencarnar em uma vida em um corpo masculino e em outra em um corpo
feminino.

Homens e mulheres possuem organismos diferentes que produzem dinâmicas e


comportamentos biológicos diferentes. Mulheres apresentam predominância da
energia Yin a qual se traduz em capacidades receptivas, cooperativas, solidárias e
emocionais. Homens apresentam predominância de energia Yang a qual se traduz
em capacidades externas, agressivas, expansivas e competitivas que evidenciam
mais o lado agressivo e animal do ser humano. O psicólogo suíço Carl Jung
chamou esses padrões energéticos e comportamentais de anima e animus,
respectivamente.

Assim, conforme as necessidades evolutivas, a consciência pode reencarnar com


um sexo ou com outro. Na prática, o que se observa é que as consciências
costumam reencarnar predominantemente com um sexo, em uma proporção, de
9:1 (aproximadamente). Em outras palavras, as consciências tendem a ter 9 vidas
com um sexo masculino e 1 com o sexo feminino ou vice-versa.

Quando a consciência é relativamente equilibrada essa mudança de gênero de


uma vida para outra ocorre mais tranquilamente. Contudo, há consciências que
fazem essa mudança por motivos de reajuste, como, por exemplo, a mulher que
explorou muitos homens e que é, por isso, obrigada a reencarnar com outro sexo
ou o homem que maltratou muitas mulheres se aproveitando de sua fragilidade e
que é obrigado a reencarnar como mulher. Nesses casos a mudança pode não ser
bem-aceita, gerando insatisfação e sofrimento para a consciência em seu novo
corpo. Sob a ótica da evolução, essas mudanças não são punições, mas medidas
paradidáticas necessárias para o amadurecimento da consciência e para correção
de suas imperfeições.

Elucidando a Reencarnação 17
Capítulo 13
Interprisões
As interprisões grupocármicas são a Lei da Causa e Efeito ou a Lei do Carma em
ação. À medida que uma pessoa prejudica outras de alguma forma, material,
emocional ou espiritualmente, vínculos são criados com elas de tal forma que ela
é obrigada a reencontrá-las ou na existência atual ou em existências futuras para
que seja feita a devida compensação ou reconciliação. Dependendo da gravidade
do comprometimento as pessoas prejudicadas podem se apresentar ao longo da
vida como vizinhos, colegas de estudo e de trabalho, parentes distantes ou
próximos, como pais, cônjuge e filhos. Em geral, quanto mais próximas são as
pessoas, mais sérios são os ajustes necessários.

Esse processo foi criado para possibilitar a evolução das consciências.


Tradicionalmente ele é visto como uma punição, pois, em geral, os reajustes são
dolorosos, envoltos em sofrimentos de todos os tipos. Contudo, à luz do
conhecimento que temos hoje, podemos desdramatizar essa visão religiosa e
encarar o processo como uma paradidática espiritual que é justa e visa o melhor
para todos.

Mecanismos conscientes e automáticos conduzem as pessoas a se reencontrarem


ao longo das existências para promover essas reconciliações. No primeiro caso,
consciências evoluídas chamadas evoluciólogos, orientadores evolutivos ou
senhores do carma são incumbidas de promover os ajustes necessários para que
as pessoas se reencontrem e se reconciliem. Os mecanismos automáticos nada
mais são do que sutis acoplamentos bioenergéticos que acabam por aproximar as
pessoas por uma questão de sintonia. Naturalmente, nem todas as pessoas que a
consciência reencontra são pessoas que ela prejudicou no passado. Algumas
delas, pelo menos, serão suas amigas e seu reencontro se dará para que possam
se ajudar mutuamente.

Cabe, portanto, à consciência decidir como deseja conduzir seu processo


evolutivo. Ela pode optar por fazer sua reforma íntima e assim caminhar mais
rapidamente ou pode permanecer no processo da dor que, através do
sofrimento, também vai fazê-la evoluir.

Elucidando a Reencarnação 18
Capítulo 14
Libertação das interprisões
Em geral, as interprisões se arrastam por muitas vidas, centenas ou milhares
delas. Lentamente, a consciência vai aprendendo a acertar mais do que errar e as
interprisões vão terminando. Contudo, a consciência chega, mais cedo ou mais
tarde, a um ponto de seu processo evolutivo em que atinge um grau de
autoconscientização sobre sua realidade espiritual que a levam a dar uma guinada
em favor de sua própria evolução. Geralmente isso ocorre na dimensão
extrafísica, durante uma intermissão. Ela passa então a elaborar uma ou mais
existências focadas em promover assistência a outras pessoas com quem tem
interprisões, assim como outras com quem já tem boas relações ou que pelo
menos nada tem a ajustar. Elabora então uma missão pessoal ou programação
existencial com esse objetivo e reencarna.

Uma vez reencarnada, sob os auspícios de amparadores extrafísicos coordenados


pelos orientadores evolutivos, a consciência é preparada com aportes físicos e
espirituais para sustentar sua missão. Esses aportes podem ser educação,
esclarecimentos espirituais, inspirações, portas que se abrem para ela na hora
certa, etc. Assim que possível tem início sua missão na nova encarnação.

Ilustração de 1918, demonstra


o que é o carma ou a Lei da
Causa e Efeito em ação.

Elucidando a Reencarnação 19
Uma dúvida comum a muitas pessoas é se uma consciência que tenha
prejudicado, por exemplo, 1000 pessoas ao longo de suas vidas passadas, terá
que reencontrar e ressarcir todas elas. Na realidade não. Se assim fosse, esse
processo talvez jamais tivesse fim. Na medida em que a consciência vai realizando
sua reforma íntima, mudando seus antigos padrões de pensamentos, sentimentos
e energias que a levaram a se desentender e prejudicar outras consciências e que
ainda a mantém ligada a elas, esses vínculos vão se extinguindo natural e
rapidamente. Em outras palavras, se a consciência aprender de fato suas lições
ela muda, e deixa de existir a necessidade evolutiva de ressarcimento forçado e
obrigatório. Além disso, é bem provável que muitas dessas consciências que ela
prejudicou já tenham superado essas diferenças e tenham lhe concedido perdão,
não havendo mais o que acertar com elas.

Dessa forma, em um período relativamente rápido de três vidas, por exemplo, é


possível eliminar todas as dívidas cármicas adquiridas ao longo de todas as
existências anteriores e que ainda estão em aberto.

Cabe, portanto, à consciência decidir como deseja conduzir seu processo


evolutivo. Ela pode optar por fazer sua reforma íntima e assim caminhar mais
rapidamente ou pode permanecer no processo da dor que, através do
sofrimento, também vai fazê-la evoluir.

Elucidando a Reencarnação 20
Capítulo 15
Transmigrações
Transmigração é o termo que se aplica a consciência que vivia e reencarnava em
um determinado planeta e que passa a viver e reencarnar em outro. Essa
mudança é uma necessidade do processo evolutivo, sendo que existem, pelo
menos, cinco tipos de motivações para que isso ocorra:

• A consciência atingiu um nível evolutivo muito acima da média da humanidade


do planeta em que vivia; logo, ela se muda para um mundo mais evoluído,
com o qual se tornou compatível.
• A consciência permaneceu em um nível evolutivo muito ruim, muito abaixo da
média da humanidade do planeta em que vivia; logo, ela se muda para um
mundo mais atrasado, compatível com seu nível.
• O mundo em que a consciência vivia, por algum motivo, perdeu a capacidade
de sustentar a vida; obrigando-a a deixá-lo e a reencarnar em outro planeta.
• A consciência atingiu um nível evolutivo elevado e decide reencarnar em um
mundo menos evoluído para ajudar a humanidade desse planeta e passar por
experiências que ainda necessita.
• A consciência reencarna temporariamente em um mundo mais evoluído para
aprender coisas que serão úteis quando voltar a reencarnar em seu mundo
original.

Distribuição dos
3705 exoplanetas
já descobertos

Elucidando a Reencarnação 21
Capítulo 17
O fim das reencarnações
Após ter se libertado de todas as interprisões, não possuindo mais ressarcimentos
a fazer, provavelmente a consciência ainda não estará pronta para concluir seu
processo reencarnatório. Muitos aprendizados ainda serão necessários até que se
esgotem todas as possibilidades de evolução na dimensão intrafísica. Por
exemplo, existem muitas formas de mobilizar bioenergias que precisam ser
aprendidos pela consciência, algo que pode exigir, inclusive, sua mudança para
outros planetas mais evoluídos.

Enfim, um dia todo o aprendizado possível terá sido alcançado, seja aqui na Terra,
seja em outro planeta. Quando alcança nesse ponto a consciência promove a
desativação do seu psicossoma. É a terceira morte que ocorre uma única vez.
Desprovida desse corpo extrafísico, a consciência passa a se manifestar
exclusivamente por meio do seu mentalsoma, como uma consciência livre,
prosseguido, desse ponto, seu processo evolutivo. Sabemos muito pouco sobre o
que acontece a partir daí. Há outros corpos, mais sutis, liberações ou superações
a serem conquistadas? Pouco podemos fazer além de especular.

Símbolos do carma como o


Nó Infinito são motivos
culturais comuns na Ásia.
Nós infinitos simbolizam a
interligação entre a causa e
o efeito dos atos humanos.

Elucidando a Reencarnação 22
Capítulo 18
Retrocognições
Ao longo da vida humana o esquecimento das lembranças de outras vidas pode
não ser definitivo. Retrocognição é uma lembrança espontânea de um evento
ocorrido em uma existência anterior. A maioria das retrocognições ocorre
durante o período de sono e, geralmente, passam despercebidas pela pessoa, que
as encara como meros sonhos, curiosos talvez, mas sem maiores implicações ou
significados. Outra característica dessas experiências é que elas muitas vezes são
bem rápidas, como flashes, o que faz com que sejam facilmente esquecidas, a
menos que a pessoa esteja atenta para registrá-las ao despertar.

Para os projetores lúcidos que tem muitas experiências fora do corpo, geralmente
é apenas uma questão de tempo para que acabem passando por experiências
retrocognitivas durante suas projeções.

Pessoas podem ter retrocognições durante o estado da vigília, quando estão


lúcidas e acordadas. Esses eventos, geralmente raros, podem ocorrer a partir de
um gatilho que pode ser a visita a uma construção antiga onde ela esteve no
passado, o encontro com uma pessoa que ela conheceu em vida anterior ou o
contato com um objeto que usou em outra encarnação.

Elucidando a Reencarnação 23
Capítulo 19
Regressão terapêutica
A regressão da memória é um fenômeno conhecido há muito tempo. Relatos do
emprego de regressões remontam a década de 1900 com os trabalhos pioneiros
do francês Albert de Rochas. Durante uma regressão, a pessoa é conduzida a um
estado de relaxamento ou de transe hipnótico para que consiga acessar áreas da
memória que ficam bloqueadas quando ela está consciente. Ela tanto pode
rememorar eventos da existência atual como de existências passadas.

Conforme se constatou, quando memórias de certos eventos passados são


trazidas para o nível consciente da existência atual, os problemas que ela tinha se
dissipam, a carga emocional se esvazia e ela deixa de sofrer. Esses eventos do
passado nos quais a pessoa fica sintonizada na existência atual podem ser
chamados núcleos de potenciação.

A regressão terapêutica é uma técnica que emprega a regressão da memória para


desconectar as pessoas de eventos traumáticos do passado, desfazendo os
núcleos de potenciação. Ela também pode ser empregada para aumentar o
conhecimento acerca da trajetória reencarnatória e avaliar o grau de
aproveitamento evolutivo ao longo das últimas vidas, evidenciando quais são as
prioridades evolutivas para a existência atual.

Elucidando a Reencarnação 24
Capítulo 20
Psicoterapia reencarnacionista
A Psicoterapia Reencarnacionista, também chamada de “A Terapia da Reforma
Íntima” é uma metodologia assistencial que emprega a regressão terapêutica
para promover a rememoração de eventos de outras vidas nos quais a pessoa
está sintonizada e que estão afetando negativamente sua vida atual ou para
promover o autoconhecimento e facilitar a realização da sua reforma íntima.

Proposta pelo brasileiro Mauro Kwitko e promovida pela ABPR - Associação


Brasileira de Psicoterapia Reencarnacionista, a Psicoterapia Reencarnacionista foi
criada para possibilitar regressões da memória de forma segura a fim de que, ao
término do processo regressivo, a pessoa esteja se sentindo bem para que se
beneficie do processo. Os seguintes aspectos fundamentam essa metodologia:

• A existência do espírito e a reencarnação são tratados como fatos e não como


meras teorias.

• As sessões de regressões terapêuticas são conduzidas por amparadores


extrafísicos denominados mentores espirituais.

• O terapeuta atua como coadjuvante no processo, simplesmente auxiliando o


trabalho dos mentores.

• É preservada a Lei do Esquecimento, de forma que nenhuma informação do


passado que não possa ser revelada para a pessoa é exposta durante a
regressão pelos mentores espirituais.

• A sessão de regressão somente se encerra quando a pessoa chega a um ponto


em que ela está se sentindo muito bem, a fim de garantir que não haverá
repercussões negativas do processo regressivo.

• Durante sessões de análise o psicoterapeuta reencarnacionista explica e


discute com a pessoa os eventos rememorados, visando seu esclarecimento,
subsidiando assim a realização da reforma íntima que vai promover a
libertação definitiva de todos os problemas do passado e o aumento do seu
autoconhecimento.

Elucidando a Reencarnação 25
A regressão terapêutica promove a melhoria imediata da pessoa na medida em
que ocorrem os desligamentos das situações do passado que a fazem sofrer hoje.
Além disso, o vislumbre de uma vida inteira de forma sintética ao longo de uma
ou duas horas de regressão evidencia, por vezes de forma muito clara, padrões de
comportamento, de sentimentos e mesmo modos de pensar que se repetem na
existência atual. Com isso a pessoa pode refletir sobre esses aspectos e decidir se
deseja mudá-los ou não.

A psicoterapia reencarnacionista possibilita o tratamento de uma série de


problemas, tais como traumas, fobias, síndromes e depressões intensas de origem
desconhecida e resistentes aos tratamentos convencionais; crenças estranhas,
paranoides, culposas e autodestrutivas; sensações de abandono e solidão,
doenças físicas com diagnóstico indefinido, entre outros problemas.

Indo além, a psicoterapia reencarnacionista também promove regressões


terapêuticas com objetivo de aumentar o autoconhecimento e subsidiar a
evolução consciencial. Assim, a pessoa pode rememorar dezenas de existências,
fazendo desligamentos de eventos ou situações insuspeitas e recuperando
informações sobre si mesma que pode empregar para melhorar seus
desempenhos na vida atual.

Elucidando a Reencarnação 26
Capítulo 21
Como aproveitar a encarnação atual
A melhor forma de aproveitar a reencarnação atual é priorizar o
autoesclarecimento em todos os sentidos, adquirindo o maior volume de
conhecimentos evolutivamente úteis que for possível e colocando-os em prática
por meio de ações assistenciais, esclarecendo e ajudando outras pessoas de todas
as formas ao nosso alcance.

Ao mesmo tempo em que se faz isso, é preciso identificar e empregar os


principais traços fortes pessoais e colocá-los em ação assim como identificar e
superar os principais traços fracos que são responsáveis por atrapalhar a evolução
e gerar interprisões.

É preciso cuidar para que o ego, as paixões, as ilusões da vida material não nos
envolvam completamente, nos cegando e fazendo com que não realizemos as
mudanças íntimas para melhor que são, de fato, o que há de mais importante
para fazer em nossas vidas.

Todo esse processo, que pode ser chamado de reforma íntima, envolve a
mudança dos padrões de pensamentos, sentimentos, comportamentos e de
energias de um nível para outro melhor, superior, mais refinado, equilibrado e
com maior harmonia com as outras pessoas e com o universo.

O objetivo fundamental da reencarnação


é possibilitar a evolução espiritual das consciências.

Elucidando a Reencarnação 27
Miniglossário
Amparadores extrafísicos: Consciências extrafísicas benévolas que auxiliam as
consciências intrafísicas. O mesmo que guias, mestres, mentores espirituais, anjos
da guarda ou espíritos de luz.
Carma: A Lei do Retorno, a Lei da Causa e Efeito.
Consciência: O mesmo que espírito, self, alma e ego.
Consciência extrafísica: Espírito, alma, desencarnado.
Consciência intrafísica: Pessoa, encarnado.
Consciência livre: A consciência que não mais reencarna.
Dessoma: Desativação do soma; a morte do corpo.
Energossoma: O corpo energético da consciência.
Existência trancada: Uma vida sem lucidez extrafísica, sem experiências
extracorporais lúcidas.
Holossoma: O conjunto de corpos da consciência.
Holomemória: A memória integral de todas as vidas da consciência.
Intermissão: O período entre duas existências intrafísicas. Existência extrafísica.
Interprisão: Vínculos cármicos com outras consciências adquiridos ao longo das
múltiplas existências.
Lei do esquecimento: Processo de esquecimento das memórias objetivas de
eventos passados que ocorre durante o reencarne, quando o novo corpo físico
está sendo formado.
Missão: uma existência intrafísica.
Missão pessoal: A missão de vida. Aquilo o que nascemos para fazer. A
programação existencial.
Mentalsoma: O corpo mais sutil da consciência.
Núcleo de potenciação: Um nódulo na holomemória de uma consciência que
provoca repercussões negativas na existência atual. O mesmo que núcleo de
holomenmônico ou nó cármico.

Orientador evolutivo: Consciência já muito evoluída responsável pela orientação


e coordenação de um grande grupo de consciências cuja evolução supervisiona. O
mesmo que senhor do carma e evoluciólogo.

Elucidando a Reencarnação 28
Miniglossário
Personalidade congênita: A personalidade integral da consciência que antecede e
transcende a personalidade da existência atual.
Primeira morte: A morte ou descarte do soma; o corpo físico.
Psicossoma: O corpo extrafísico da consciência. O mesmo que corpo astral ou
perispírito.
Psicoterapia reencarnacionista: Metodologia assistencial que emprega
regressões terapêuticas a existências passadas para tratar traumas, fobias,
depressões ou mesmo doenças físicas.
Reforma íntima: A mudança dos padrões de pensar, sentir e agir de um nível para
outro, mais elevado, equilibrado e harmonioso com relação às outras pessoas e a
todo o universo.
Regressão terapêutica: Técnica para fazer com que uma pessoa se lembre de
eventos ocorridos em existências passadas.
Ressoma: A reconstituição do soma, o reencarne.
Retrocognição: Lembrança espontânea de evento ocorrido em outra existência.
Segunda morte: A morte ou descarte do energossoma, o corpo energético.
Soma: O corpo físico, material.
Terceira morte: A morte ou descarte do psicossoma, o corpo astral ou perispírito.
Trafar: Traço fardo. Traço pessoal negativo. Aquilo o que precisa ser melhorado.
Trafor: Traço força. Traço pessoal positivo. O mesmo que dom ou talento.
Transmigração: A mudança de domicílio de uma consciência de um planeta para
outro.
Vigília física: O estado normal da consciência, quando ela está lúcida e desperta.
Yin: A energia feminina. O mesmo que anima.
Yang: A energia masculina. O mesmo que animus.

Elucidando a Reencarnação 29
Mais sobre reencarnação
Para saber mais sobre a reencarnação, existe a vasta bibliografia espírita,
disponível na Internet ou em livrarias em todo Brasil.

Muitos autores se dedicaram nos últimos 50 anos a pesquisar e escrever sobre o


assunto. Suas obras também podem ser encontradas com facilidade.

Na internet se encontram muitos blogs, fóruns de discussão e comunidades


dedicadas a debater o terma reencarnação, regressão da memória ou vidas
passadas.

No site www.vidas.metaconsciencia.com, esse autor disponibiliza conteúdo sobre


o assunto, particularmente sobre a Terapia Reencarnacionista. Links para outras
páginas e obras do autor também estão disponíveis nesse site.

Para contato direto com o autor: via telefone ou WhatsApp: +55 61 99290-2587
Facebook: https://www.facebook.com/bsbcesar.

Elucidando a Reencarnação 30
Série Elucidando
1 – Elucidando o Estado Vibracional (Janeiro 2018)

2 – Elucidando a Reencarnação (Fevereiro 2018)

Distribuição gratuita:

www.elucidando.metaconsciencia.com

Outras obras do autor

Versão impressa:

www.cubedeautores.com.br

Versão digital:

www.amazon.com.br

Versão impressa:

www.cubedeautores.com.br

Versão digital:

www.amazon.com.br

Elucidando a Reencarnação 31
Sobre o autor

Natural da cidade do Rio de Janeiro,


Cesar de Souza Machado é graduado
em telecomunicações, mestre em
engenharia da produção com
especialização em mídia e
conhecimento e pós-graduado em
engenharia de software. Pesquisador
de fenômenos parapsíquicos desde
1979, é professor, palestrante,
escritor, blogueiro e psicoterapeuta
reencarnacionista. Suas áreas de
especialização incluem as
experiências fora do corpo,
bioenergias, pesquisa de vidas
passadas e a psicoterapia
reencarnacionista.
Entre suas recentes publicações se
destacam os livros Experiências Fora
do Corpo e Estado Vibracional.