Você está na página 1de 54

Cartilha Pedagógica

MEDIAÇÃO DE LEITURA E DE TEXTOS EM


PROCESSOS DE AUTOFORMAÇÃO
_______________________________________
Sub Projeto PIBID/DE/CAMEAM/UERN

Autoria
Apolônia Elieth da Costa Rêgo
Adnilsa Avelino de Freitas
Emanuela da Silva Pinheiro
Letícia Bezerra França
Larisse Pinheiro Guedes
Anieli Cristina Oliveira da Costa
Maria Lúcia Pessoa Sampaio
Francicleide Cesário de Oliveira Fontes
Ministério da Educação
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Setor Bancário Norte, Quadra 2, Bloco L, Lote 06
CEP 70040-020 Brasília-DF pibid@capbr
http://www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid

Catalogação da Publicação na Fonte.


Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.
Bibliotecária: Francismeiry Gomes de Oliveira CRB3 /1029
Governo do Estado do Rio Grande do Norte
Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – UERN
CAMPUS AVANÇADO “PROFª. MARIA ELISA DE ALBUQUERQUE MAIA” – CAMEAM
Departamento de Educação/DE – e-mail: de_pferros@uern.br
End.: BR 405, KM 153, Arizona, 59900-000, Pau dos Ferros/RN
Grupo de Estudos e Pesquisas em Planejamento do Processo Ensino-aprendizagem - GEPPE

R343
Rêgo, Apolônia Elieth da Costa
Mediação de leitura e de textos e processo de autoformação: cartilha. / Apolônia
Elieth da Costa Rêgo … [ et al. ]. Org. Francicleide Cesário de Oliveira, Maria Lúcia Pessoa
Sampaio - Pau dos Ferros/RN, Programa de Iniciação à Docência, 2017.

27 f.

1. Leitura. 2. Mediação de Leitura. 3. Programa de Iniciação à Docência. I. Título II.


Programa de Iniciação à Docência.

UERN/BSPDF CDD 028




































































BOLSISTAS/ESTUDANTES DE PEDAGOGIA
COORDENAÇÃO INSTITUCIONAL DO PIBID /UERN
Adnilsa Avelino de Freitas
Marcia Betânia de Oliveira Ana Larice Lopes de Lima
Maria do Socorro Batista da Silva Anieli Cristina Oliveira da Costa
Bianara da Silva Franco
SECRETÁRIO Dessica Rocha da Silva
Mário Sérgio Leite Emanuela da Silva Pinheiro
Fernanda Marques Fernandes
EQUIPE PIBID/PEDAGOGIADE/CAMEAM/UERN Francisca Rozângela Gurgel Campelo
Francisca Roseneide Gurgel Campelo
COORDENADORAS DE ÅREA E COLABORADORAS Francisca Thaís Pereira Costa
Francicleide Cesário de Oliveira Fontes José Ismaildo Dantas de Oliveira
Keutre Gláudia da Conceição Soares Bezerra José Jucelio da Silva
Maria Lúcia Pessoa Sampaio Larisse Pinheiro Guedes
Letícia Bezerra França
ESCOLAS PARCEIRAS Renata Paiva de Freitas
Escola Estadual José Guedes Iasnaia Kadidja Tôrres Ferros
Escola Estadual João Escolástico Ildivaânia Iadlaina Araujo
Escola Estadual Patronato Alfredo Fernandes Lívia Natália Dias
Maria Aline Queiroz da Silva
PROFESSORAS SUPERVISORAS Maria Edneide de Souza Bezerra
Apolonia Eieth da Costa Rego Maria Eliza Nunes de Oliveira
Eloiza Milka Cardoso Dias Maria Miraíre Pereira Silva
Jakeline Peixoto de Queiróz Maria Jocelma Duarte de Lima
Kalina Lígia Queiroz Barros Maria Maeza de Queiros Santos
Maria Consuelda Marques Pereira Maria Lourena de Queiroz
Maria Dalvanir de Queiroz Oliveira Maria Patrícia dos Santos
Maria Irene Batista de Lima Costa Maris Raiane Bezerra de Oliveira
Maria Leidiana Lira de Sousa Cavalcante Maria Natalina Benício
Raquel Fernandes de Queiroz
Rafaella Pereira Chagas
Regiane Maria de Queiroz
Rita de Cássia Fernandes Gadelha de Sousa
Sheilha Mikaele valeria da Costa
Tuanni Luma da Silva


DIAGRAMAÇÃO

Widgledson Viana Fernandes

REVISÃO ORTOGRÁFICA
Sueilton Júnior Braz de Lima
Apresentação ………………………………………………………………………..... 06

ESTRATÉGIAS DOS MEDIADORES DE LEITURA E DE TEXTOS EM PROCESSO

DE (AUTO) FORMAÇÃO ………………………………………………........................

Estratégia I : Cubo de imagens ……………………………………………………… 07

Estratégia II : Avental literário ……………………………………………………... 09

Estratégia III : Caixa encantada ……………………………………………………. 11

Estratégia IV : Contação de história com dramatização……………………………... 13

Estratégia V : Painel de história …………………………………………………….. 15

Estratégia VI : Contando história com máscaras …………………………………... 17

Estratégia VII: Contando história com palitoches ……………………………….... 19

Estratégia VIII: Dedoches de papel para mediação de histórias ……………….….. 21

Estratégia IX : Pote de sorvete como cenário para contação de história…………... 23

Estratégia X : Baú literário ……………………………………………………….... 25

Referências: ……………………………………………………………………….... 27
Estimado(a) leitor (a),

Esta cartilha pedagógica foi elaborada pelas alunas bolsistas, professoras supervisoras do
Programa de Iniciação à Docência (PIBID) e organizadas pelas coordenadoras de área e
colaboradoras Maria Lúcia Pessoa Sampaio e Francicleide Cesário de Oliveira Fontes, do
Subprojeto: “Mediadores de leitura e textos em processos de autoformação” (2013), do
Departamento de Educação do CAMEAM/UERN de Pau dos Ferros/RN.
O referido subprojeto faz parte do Programa de Iniciação à Docência (PIBID), financiado
pela Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (CAPES), que traz como
objetivo o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores para a educação básica,
promovendo a inserção dos estudantes em instituições escolares públicas e configura-se como um
forte parceiro, uma vez que contribui para o fortalecimento da docência, permitindo a antecipação
entre os futuros profissionais da educação e as salas de aula das escolas públicas.
Dessa forma, o PIBID tem um potencial que beneficia as instituições, e contribui para a
formação dos bolsistas, criando possibilidades para a construção de um espaço privilegiado de
trabalho e formação e que apresenta significativas produções de conhecimentos e materiais.
Assim, nesta Cartilha Pedagógica, você encontrará diversas estratégias de mediação de
leitura que foram desenvolvidas de forma lúdica e pedagógica e podem ser desenvolvidas em sala
de aula, como também em outros espaços da escola, que levam a compreensão de textos orais e
escritos. O intuito é de promover práticas diferenciadas de mediação, que proporcionem
momentos prazerosos com as histórias, a fim de despertar o gosto pela leitura e se deleitar no
fantástico mundo dos livros.
Dedicamos este trabalho a você, profissional da educação ou amantes da literatura, que
busca desenvolver práticas de leitura que contam e encantam aos ouvintes e que percebe a
relevância de atividades e mediações lúdicas, que contribuem para a aprendizagem e para o
processo de constituição de sujeitos leitores por toda a vida.
Boa leitura!

Autoras e Organizadoras
Estratégia I
Tema: Linguagem visual, auditiva e oral
Recurso didático: Contação com cubo de imagens
Texto base: “O sanduíche da Maricota” de Avelino Guedes (2002)

Fonte: Arquivo pessoal de Letícia França

CONTEÚDOS:

ü Linguagem visual;
ü Linguagem auditiva;
ü Linguagem oral;
ü Leitura.

OBJETIVO GERAL:

ü Desenvolver a leitura compreendendo a sequência lógica dos fatos, através de cubo com
imagens, como estratégia para despertar o gosto pela leitura e a capacidade visual, auditiva
e oral dos educandos.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:

ü No primeiro momento, organiza-se a sala em um grande círculo para promover melhor


visualização da história;
ü Em seguida, é essencial que se inicie a mediação, despertando a curiosidade dos alunos
sobre se conhecem a história, o que sabem da mesma, e ao mesmo tempo apresentando o
autor, ilustrador e o título da história a ser contada;
ü Depois de realizar essa mediação, conta-se a história oralmente ou apropriando-se do livro,
mas utilizando o cubo da sequência lógica dos fatos que demonstram o percurso da
história;
ü No terceiro momento, propõe-se o reconto da história, de modo que vários alunos poderão
participar e vivenciar os fatos acontecidos na história, expressando o que entenderam e
construindo significados sobre a história;
ü No quarto momento, distribui-se a história fatiada em partes, para que os alunos realizem e
montem a sequência no caderno;
ü Para finalizar, sugere-se distribuir sanduíches para os alunos, como gesto de partilhar
sabores e experiências.

RECURSOS MATERIAIS:

ü Caixa de papelão;
ü Imagens impressas da história;
ü História impressa;
ü Cola, tesoura;
ü Livro.

AVALIAÇÃO:

O processo avaliativo acontecerá de forma contínua, onde avaliaremos a partir da


concentração e interação entre os alunos e professoras, atentando-nos a analisar como instrumento
de avaliação a participação no momento da mediação e das atividades propostas.

REFERÊNCIA:
GUEDES, Avelino. O sanduíche da Maricota. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2002.
Estratégia II

Tema: Imaginação, oralidade e expressão artística


Recurso didático: O avental na hora da história
Texto base: Contos literários


Fonte: Arquivo pessoal de Manuela Pinheiro

CONTÉUDOS:
ü Contos Infantis;
ü Imaginação e criatividade partindo da história a ser inserida;
ü Literatura;
ü Oralidade e expressão.

OBJETIVO GERAL:

ü Trabalhar variados contos infantis com o mesmo cenário, mudando apenas personagens
da história.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:

ü Este é um avental trabalhado em EVA, com cenário de florestas, para que possa ser
utilizado em diferentes histórias, fazendo apenas pequenas mediações;
ü O professor mediador, pode escolher qual conto deseja trabalhar com o uso do avental.
Ele precisará confeccionar os personagens da história com EVA ou feltro, como preferir;
ü Depois de tudo pronto, o mediador utiliza o avental, e coloca dentro do seu bolso todos os
personagens que irá trabalhar na história, retira-se de acordo com a sequência da história
e, com ajuda da fita, vai pregando no avental os personagens;
ü Quando terminar a história, deixe os alunos à vontade para que tenham contato com o
material, para que possam imaginar de sua maneira;
ü Após a contação, os alunos poderão fazer o reconto utilizando o avental.
RECURSOS MATERIAIS:

ü Livros;
ü Personagens feito em feltrou ou EVA;
ü Avental.

AVALIAÇÃO:

O processo avaliativo acontecerá de forma processual, levando em consideração a


participação dos alunos nos momentos da mediação e principalmente do reconto.

Estratégia III
Tema: Linguagem visual e oral
Recurso didático: Caixa encantada para contar histórias
Texto base: Contos literários


Fonte: Arquivo pessoal de Manuela Pinheiro

CONTEÚDOS:

ü Contos infantis;
ü Linguagem visual e oral.

OBJETIVO GERAL:
ü Incentivar a prática da leitura e o desejo de ler, através de contações de histórias
diferenciadas, podendo assim contar histórias infantis para aquelas crianças que ainda não
decodificam os textos escritos.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:

ü Esta caixa teatral pode ser feita com materiais reciclados;


ü O mediador da leitura, partindo da particularidade da história escolhida, pode
confeccionar os palitoches a partir da história literária escolhida;
ü Os personagens podem ser feitos impressos e colados em um palito, podendo se
confeccionado a partir de outro material, ficará a critério do mediador;
ü Para contar a história o personagem fica por trás da caixa, inserindo os palitoches de
acordo com a sequência da história;
ü Ao término, o aluno pode recontar a história usando o mesmo material.

RECURSOS MATERIAIS:

ü Tecidos;
ü Palitos;
ü Personagens em feltro ou EVA;
ü Caixa de papelão;
ü Cola quente, pistola de cola e tesoura.

AVALIAÇÃO:

A avaliação acontecerá durante toda a prática educativa, assim, como instrumentos


de avaliação, utilizaremos os processos de interação, as exposições feitas pelos alunos e o reconto
da história.
Estratégia IV

Tema: Expressão corporal e oral


Recurso didático: Contação de história com dramatização
Texto base: “A sopa de Pedra” com adaptação de Walkiria Garcia e Claúdia Castro (2003)

Fonte: Arquivo pessoal de Aniely Oliveira

CONTEÚDOS:

ü Leitura;
ü Expressão corporal;
ü Linguagem oral.

OBJETIVO GERAL:

ü Promover momentos prazerosos com a leitura, através da dramatização de história para


despertar o interesse e o prazer em ler.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:

ü No primeiro instante, o mediador deve direcionar as crianças para a biblioteca da escola.


ü Em seguida, o mediador deve questionar os educandos se sabem qual história será
contada, havendo assim, uma mediação e interação com as bolsistas e alunos,
apresentando itens que serão utilizados para contar a história;
ü No terceiro instante, realiza-se a contação da história “A sopa de Pedra”, com adaptação
de Walkiria Garcia e Claúdia Castro, através de dramatização teatral;
ü Realização do reconto pelos alunos, aonde eles poderão desenvolver apenas na oralidade,
ou apropriando-se dos objetos e figurinos utilizados anteriormente na contação.
RECURSOS MATERIAIS
ü Livro;
ü Utensílios domésticos (panela, colher de pau, pratos, colher);
ü Pedras;
ü Pedaços de lenha;
ü Legumes;
ü Roupas para figurino.

AVALIAÇÃO:
O processo avaliativo acontecerá no decorrer da mediação, e a partir da participação dos
educandos, avaliando a interação entre os alunos e professores, considerando a participação e as
exposições produzidas no reconto da história.

REFERÊNCIA:
GARCIA, Walkiria Angélica Passos; CASTRO, Claúdia. Baú do contador de histórias. Vol.III.
Ed. Fapi. Belo Horizonte, 2003.
Estratégia V
Tema: Literatura popular e cultura regional
Recurso didático: Painel de história
Texto base: “A menina enterrada viva” de Câmara Cascudo (2003)

Fonte: Arquivo pessoal de Letícia França

CONTEÚDOS:

ü Linguagem oral;
ü Literatura infantil e regional;
ü Conto popular.

OBJETIVO GERAL:

ü Incentivar o conhecimento da literatura regional e cultura popular, por meio da obra do


folclorista potiguar Luís da Camara Cascudo, valorizando o trabalho com a linguagem
oral das crianças.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:

ü No primeiro momento, recepcionamos os alunos na biblioteca, apresentando a história


que será contada, levantando os conhecimentos prévios dos alunos, indagando-os se já
conheciam a história, o autor do conto.
ü Em um segundo momento, foi preparado, para as outras turmas, a contação “A menina
enterrada viva”, de Luís da Câmara Cascudo, utilizando painel com cenário e
personagens feitos em feltro;
ü Em seguida, fazer a socialização da história, destacando aspectos que mais gostaram e
o reconto da história.
RECURSOS MATERIAIS

ü Painel de TNT;
ü Personagens de Feltro;
ü Livro de contos;

AVALIAÇÃO:

A avaliação acontecerá durante toda a prática educativa, assim como instrumentos de


avaliação utilizaremos os processos de interação, as exposições feitas pelos alunos e o reconto da
história.

REFERÊNCIA:
CASCUDO, Luís da Câmara. Contos tradicionais do Brasil. São Paulo: Global, 2003.
Estratégia VI

Tema: Linguagem oral


Recurso didático: Contando histórias com máscara
Texto base: “Os ovos misteriosos” de Luísa Ducla Soares (1998)

Fonte: Arquivo pessoal de Larisse Guedes

CONTEÚDOS:
ü Leitura;
ü Linguagem oral;
ü Diversidade.

OBJETIVO GERAL:
ü Expandir a oralidade destacando o reconhecimento da diversidade, da irmandade e do
companheirismo, através da contação de história.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:
ü No primeiro momento, iniciamos lendo a história “Os ovos misteriosos” com o auxílio do
datashow e em forma de teatro com a utilização de máscaras.
ü Breve discussão acerca da história englobando as diferenças, a solidariedade e a
irmandade.
ü Reconto pelos alunos da história, expressando as suas opiniões e interpretações, podendo
ser feita por meio da teatralização com o uso de máscaras.

RECURSOS MATERIAIS:
ü Data Show;
ü Máscaras em EVA.
AVALIAÇÃO:
A avaliação se dará de forma processual, considerando a participação, interação dos alunos
na realização das atividades propostas, analisando se reconhecem a diversidade e respeitar as
diferenças.

REFERÊNCIA:
SOARES, Luísa Ducla. Os ovos misteriosos. São Paulo: Afrontamento, 1998.



Estratégia VII

Tema: As diversas profissões


Recurso didático: Contando histórias com palitoche
Texto base: “O Coelhinho que não era da pascoa” de Ruth Rocha (1994)

Fonte: Arquivo pessoal de Larisse Guedes

CONTEÚDOS:
ü Literatura infantil;
ü Profissões.

OBJETIVO GERAL:
ü Incentivar o gosto pela leitura, através da leitura deleite, demonstrando para os alunos a
diversidade de personalidades e como as mesmas se adaptam a algumas profissões.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:

ü Inicialmente, acontece a acolhida da turma, seguida de uma conversa informal sobre o


prazer da leitura, enfatizando a discussão sobre as profissões e como algumas
personalidades se adaptam melhor a algumas profissões;
ü Em seguida, é feita a leitura da historia “O Coelhinho que não era da pascoa”, de Ruth
Rocha com o auxílio de palitoches;
ü Para depois, fazer uma roda de conversa, fazendo esclarecimentos sobre a história,
aajudando-lhes a perceber a importância das decisões tomadas pelos personagens, e em
seguida propor o reconto escrito da história, aonde enfatizarão um novo fim ou dando
continuidade a história.
RECURSOS MATERIAIS
ü Palitos de churrasco;
ü Xerox das figuras da historia;
ü Cola;
ü Isopor.

AVALIAÇÃO:
A avaliação se dará no decorrer da mediação, atentando-nos a observar a assiduidade dos
educandos na realização das atividades propostas. Assim, como instrumento de avaliação,
utilizaremos os posicionamentos expostos, como as relações de interação e participação na sala de
aula.

REFERÊNCIA:
ROCHA, Ruth. O coelhinho que não era de páscoa. São Paulo: Salamandra, 1994.
Estratégia VIII

Tema: Imaginação e criatividade


Recurso didático: Dedoches de papel para mediação de histórias
Textos base: Clássicos literários

Fonte: Arquivo pessoal de Adnilsa Freitas

CONTEÚDOS:

ü Leitura;
ü Imaginação e criatividade.

OBJETIVO GERAL:

ü Encantar os alunos com a contação de história, através de estratégias que permitem que se
insiram no mundo das histórias.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:

ü A princípio, preparar um espaço para contação, utilizando uma casinha de fantoches como
cenário para a contação;
ü Conversar com os alunos sobre a história a ser contada, questionando se a conhecem, se já
ouviram outras versões, apresentando autor, ilustrador e título da obra;
ü Contar a história, utilizando dedoches de papel;
ü Em seguida, os alunos poderão recontar a história, sendo eles os próprios personagens, ou
se apropriando do mesmo recurso utilizado para a contação;
ü Nessa aula, poderão ser confeccionados juntos com os alunos, outros dedoches de papel de
outras histórias.
RECURSOS MATERIAIS:

ü Papel tipo 60kg;


ü Coleções para pintar os dedoches;
ü Casinha de fantoches.

AVALIAÇÃO:

O processo avaliativo acontecerá durante toda a realização da atividade, considerando a


participação e envolvimento dos educandos no momento da mediação e do reconto.
Estratégia IX

Tema: Imaginário infantil


Recurso didático: Pote de sorvete como cenário da história
Texto base: “Cachinhos dourados”com adaptação de Walkiria Garcia e Claúdia Castro (2003)

Fonte: Arquivo pessoal de Letícia França

CONTEÚDOS:

ü Literatura infantil;
ü Imaginação.

OBJETIVO GERAL:

ü Provocar a curiosidade nas crianças, através do pote cenário, para despertar o imaginário
da criança e o gosto pela leitura.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:

ü No primeiro momento, faze-se uma breve mediação, de modo que haja interação entre
bolsistas e alunos, mostrando apenas o cenário, sem entregar os personagens e o título da
história, aguçando assim a curiosidade dos educandos para que façam antecipações sobre
qual história será contada, observando os elementos que são apresentados no pote.
ü Após essa mediação, e os alunos já terem descoberto a história, e conta-se a história,
retirando os personagens e outros elementos da história de acordo com os fatos que
acontecem na obra;
ü Propor o reconto da história, para que os alunos possam expressar a história da maneira
como a entenderam.
RECURSOS MATERIAIS:

ü Pote de sorvete;
ü EVA ou feltro;
ü Palitos de picóle;
ü Livro.

AVALIAÇÃO:

A avaliação se dará no decorrer da aula, atentando-nos a observar a assiduidade dos


educandos na realização da atividade. Assim, como instrumento de avaliação, utilizaremos os , os
posicionamentos expostos na sala de aula, a curiosidade, os posicionamentos expostos como as
relações de interação e participação na atividade.

REFERÊNCIA:
GARCIA, Walkiria Angélica Passos; CASTRO, Claúdia. Baú do contador de histórias. Vol.III.
Ed. Fapi. Belo Horizonte, 2003.
Estratégia X

Tema: Imaginário infantil


Recurso didático: Baú literário
Textos base: Livros infanto-juvenis

Fonte: Arquivo pessoal Elieth Costa

CONTEÚDOS:
ü Literatura infantil;
ü Linguagem oral;
ü Imaginação.

OBJETIVO GERAL:
ü Incentivar o constante contato com a leitura, a partir de momentos prazerosos com o baú
literário que possibilite a realização de rodas de leituras e/ou leituras individuais,
contribuindo para o processo de formação leitora dos alunos.

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE:
ü Para a realização dessa atividade, deve-se pensar em um lugar diferente para a mediação,
que não seja somente a sala de aula pois o intuito de trabalhar com o baú literário é tornar
possível a leitura em vários espaços, para que as crianças percebam que o ato de ler deve
estar presente em todos os lugares.
ü Em seguida, apresentar o baú literário, esclarecendo que as obras foram especialmente
selecionadas para instigar a curiosidade e a vontade de ler, por meio dos livros que se
apresentam em diversos gêneros para que descubram o mundo por meio dos livros e dêem
asas a sua imaginação;
ü O ideal é que o espaço esteja preparado e com o baú enfeitado e repleto de livros, para
que fique à disposição das crianças para lerem;
ü A nossa experiência aconteceu ao ar livre, no salão de eventos que fica no pátio da escola,
onde preparamos o espaço com o baú, mais livros ao redor do baú, para que a oferta de
livros seja maior;
ü Em seguida, acontece as socializações das leituras, em que os alunos contam pelo livro ou
recontam a história lida.

RECURSOS MATERIAIS:
ü Livros;
ü Baú literário;
ü Caixa de som
ü Microfone.

AVALIAÇÃO:
A avaliação do aprendizado acontecerá durante toda a mediação da atividade, sendo uma
tarefa contínua, que se dimensiona a partir das oportunidades oferecidas aos alunos, atentando-nos
a observar às situações didáticas e, analisando a disposição dos alunos na participação nas rodas
de leitura, valorizando a linguagem oral, o comportamento extra classe, considerando a interação
com os colegas e professoras.

CASCUDO, Luís da Câmara. Contos tradicionais do Brasil. São Paulo: Global, 2003.

GARCIA, Walkiria Angélica Passos; CASTRO, Claúdia. Baú do contador de histórias. Vol.III.
Ed. Fapi. Belo Horizonte, 2003.
GUEDES, Avelino. O sanduíche da Maricota. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2002.

ROCHA, Ruth. O coelhinho que não era de páscoa. São Paulo: Salamandra, 1994.

SOARES, Luísa Ducla. Os ovos misteriosos. São Paulo: Afrontamento, 1998.