Você está na página 1de 40

MANUAL DO ALUNO

Caro aluno,

É com grande satisfação que escrevo esta mensagem para lhe dar as boas-vindas
em nome do Instituto Executivo de Formação, que tem o orgulho de ser escolhida
por você para esta importante etapa da sua vida que é a Pós-Graduação. Aqui,
desempenhamos um trabalho sério e comprometido para oferecer uma educação
profissional transformadora ao maior número de pessoas, criando impacto
positivo para a sociedade.

Nossa missão: Formar profissionais comprometidos com a excelência na sua área


de atuação, competentes, éticos, qualificados e preparados para o mercado de
trabalho.

Nossa visão: Ser reconhecida como a melhor opção em Educação Profissional no


mercado em que estiver inserida.

Um abraço,

Herbet Carneiro Frota


Diretor Presidente
DIRETOR GERAL
Herbet Carneiro Frota

COORDENADOR DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO


Felipe Cardoso dos Anjos

ELABORAÇÃO E ORGANIZAÇÃO
Herbet Carneiro Frota
Felipe Cardoso dos Anjos
APRESENTAÇÃO

Prezado aluno,

Até dez anos atrás ter um curso superior poderia ser considerado um diferencial, visto
a baixa quantidade de oferta de cursos de graduação e vagas oferecidas nesta época. Hoje
em dia, essa realidade mudou. Muitos são os cursos de graduação oferecidos, e
consequentemente é maior o número de profissionais graduados. Para diferenciar-se no
mercado e melhorar o nível de empregabilidade nos dias atuais é necessário algo mais que a
simples graduação, desta forma uma imensa quantidade de profissionais buscam esse
destaque através dos cursos de especialização. Mas não basta ser qualquer especialização.
O profissional tem que saber escolher bem o curso e a instituição que oferece. Importante
também verificar onde estudam a maioria dos líderes de sua empresa ou de seu convívio,
certamente essa instituição oferecerá melhores condições de crescimento. A maioria dos
executivos da região buscam no Instituto Executivo o seu aprimoramento profissional, temos
como alunos vários diretores, gerentes, coordenadores e supervisores de grandes empresas
como Grendene, Votorantim, Beplast, Atonal, Tac Motors, Martins e outras, bem como
lideranças políticas da região. Sinal de que o Instituto Executivo é uma instituição que oferece
confiabilidade e também a que mais inova, trazendo sempre cursos exclusivos e voltados à
formação de líderes.
O Brasil vem apresentando um crescimento admirável nos últimos tempos. Porém
esse cenário, a depender de cada região, não é acompanhado pelo avanço educacional, o
que faz com que empresas instaladas em determinada região tenham que buscar
profissionais em outros estados. Percebendo essas carências, e visando o desenvolvimento
regional, o Instituto Executivo leva até essas regiões, cursos inéditos e de qualidade.
Este material foi elaborado com a finalidade de auxiliar você aluno, esclarecendo
eventuais dúvidas sobre o seu curso, normas acadêmicas e disciplinares, estrutura, etc.
Desejamos levar a você aluno, um excelente curso com muita qualidade, disciplinas
que aliam teoria e prática, professores capacitados e muito conforto para que você não
necessite se preocupar com mais nada além de seus estudos. Obrigado e parabéns por
escolher o Instituto Executivo e conte conosco nessa jornada da sua vida!

Herbet Frota
Diretor Geral

Manual Aluno Página 4 IEF/CEPROSU


SOBRE O INSTITUTO EXECUTIVO DE FORMAÇÃO

Com uma experiência de 16 anos como executivo de grandes empresas como


Votorantim Cimentos, Grendene e Cotece S/A, e com a bagagem de ter formado as primeiras
turmas de pós-graduação de uma instituição de ensino, Herbet Frota, bacharel em direito,
engenheiro de produção e tecnólogo da construção civil, percebendo a carência de cursos
voltados para a educação corporativa e formação de líderes, fundou em junho de 2009 sua
própria instituição de ensino, nascia o Instituto Executivo de Formação.
Inicialmente ofertando cursos profissionalizantes na área de gerenciamento de
projetos em parceria com importantes instituições brasileiras, o Instituto Executivo foi a
primeira instituição a montar uma turma de seis sigma no Ceará. Em 2010 o Instituto Executivo
fecha um contrato de representação com a Faculdade Darcy Ribeiro e passa a ofertar cursos
de pós-graduação exclusivos voltados para a formação de líderes em diversas áreas. Ainda
em 2010, o Instituto Executivo torna-se polo exclusivo da ESAB (Escola Superior Aberta do
Brasil), umas das maiores instituições de ensino a distância do país, e passa a ofertar também
cursos na modalidade EAD. Daí em diante, através de um trabalho sério e competente, as
turmas foram se expandindo e chegando a outras cidades e estados. Em 2011, através de
uma parceria com o CPQT (Centro de Pesquisas e Qualificação Tecnológica), o Instituto
Votorantim e o IFCE(Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará), passa a
ministrar também o curso técnico em mineração, tornando-se uma das únicas instituições do
Nordeste e uma das poucas do Brasil a ofertar tal curso. Em 2012, mais uma importante
parceria é fechada, o Instituto Executivo passa a representar a Faculdade Ateneu, uma das
mais respeitadas instituições de ensino superior do Nordeste, aumentando significativamente
o seu portfolio de cursos, atualmente com mais de 500 opções entre profissionalizantes,
técnicos e de pós-graduação.
Apesar de ser uma instituição relativamente jovem, o Instituto Executivo de Formação
é uma das empresas na área de educação corporativa que mais cresce na região, com um
aumento de faturamento acima de 150% ao ano.
Hoje o IEF dispõe de cursos em diversas áreas e em diferentes regiões do estado do
Ceará como a serra da Ibiapaba, Fortaleza, Coreaú, Maracanaú, além dos cursos abertos em
Sobral, cidade polo do IEF. Também encontra-se em processo avançado a abertura das
unidades do Piauí, baseada na cidade de Parnaíba, e do Rio Grande do Norte, com base em
Mossoró.
O próximo e mais importante passo já foi iniciado, o Instituto Executivo trabalha
juntamente a uma das maiores consultorias do estado, o projeto de instalação das Faculdades
Executivo, um projeto audacioso e que trará ainda mais desenvolvimento para educação do
estado do Ceará e do Nordeste. O prédio das Faculdades Executivo, que já está em
construção, terá localização estratégica no centro de Sobral e será um dos mais luxuosos e
aparelhados dentre as instituições de ensino da região norte.

Manual Aluno Página 5 IEF/CEPROSU


VALORES DO INSTITUTO EXECUTIVO DE FORMAÇÃO

Programa de disciplinas avaliado rigorosamente antes de ser


lançado. Professores avaliados pelo IEF e pelos alunos, com
QUALIDADE
experiência acadêmica e empresarial comprovada. Mínimo de
70% de mestres e doutores.
Após o início de qualquer curso, independente da quantidade de
SEGURANÇA alunos que restarem, como forma de compromisso e respeito aos
nossos alunos, o IEF levará a turma até o final.
Carteiras ergonômicas, salas climatizadas, serviços de coffebreak
CONFORTO gratuito, internet banda larga grátis disponível em todo o prédio,
recursos audiovisuais como projetor, sistema de som, etc.
O IEF se preocupa com o destino de seus alunos, por isso mantém
EMPREGABILIDADE um banco de vagas e realiza estatísticas quanto ao nível de
empregabilidade dos seus alunos.
O IEF através de seu compromisso social, procura trazer
SERVIÇO benefícios à sociedade em geral através da realização de estudos,
pesquisas, seminários, fóruns, feiras, etc.

PRINCIPAIS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Manual Aluno Página 6 IEF/CEPROSU


1. PROCESSO AVALIATIVO

O processo de avaliação envolverá:

O professor do módulo/disciplina, sob a supervisão do Coordenador de Cursos da Pós-


Graduação, selecionará as técnicas, instrumentos e critérios de avaliação que melhor
atendam aos objetivos propostos, em conformidade com o Projeto Pedagógico de Curso.

O número de verificações de aprendizagem, durante a disciplina deverá ser de 02 (duas)


notas parciais (NP1 e NP2) e 01 (uma) nota final (PF), para cada disciplina.

§ 1º - O rendimento do aluno será avaliado em cada disciplina pela atribuição de nota;

§2º - A nota é o resultado da avaliação realizada pelo professor, sendo mensurada em uma
escala de 0 (zero) a 10 (dez);

§3º - A nota mínima exigida para aprovação por módulo/disciplina é 7,0 (sete);

§4º - Será facultada a revisão da avaliação final, desde que requerida no prazo máximo de
03 (três) dias úteis após a divulgação dos resultados;

§5º - O aluno reprovado em, no máximo 3 (três) módulos/disciplinas de um curso poderá se


inscrever, dentro do prazo de 1 (um) ano, nesses módulos/disciplinas de uma outra turma
desse mesmo Curso que, eventualmente, venha a se formar, obrigando-se ao pagamento
dos valores estabelecidos e ao cumprimento de todas as tarefas estabelecidas pelos
professores e à frequência às aulas;

§6º - O aluno reprovado em mais de 3 (três) módulos/disciplinas estará eliminado do curso,


sendo-lhe permitida a matrícula em nova turma, caso seja ofertada, com o aproveitamento
de módulo/disciplina no qual tenha sido aprovado, respeitadas as normas deste
Regulamento.

Manual Aluno Página 7 IEF/CEPROSU


2. CONTROLE DE FREQUÊNCIA

Aos alunos é obrigatória a frequência às aulas teóricas e/ou práticas, seminários e


outras atividades didáticas oficiais e programadas para verificação do rendimento de
aprendizagem.

1 - Independentemente dos demais resultados obtidos, é considerado reprovado na


disciplina o aluno que não obtenha frequência de, no mínimo, 75% (setenta e cinco por
cento) das aulas e demais atividades programadas.

2 - A verificação e o registro de frequência do aluno são de responsabilidade do professor,


e seu controle, será responsabilidade da Secretaria do Instituto Executivo de Formação.

3 - Não haverá abono de faltas.

4 - Excepcionalmente, poderá ser compensado o período de ausência amparada em regime


especial, desde que este fato esteja devidamente comprovado e protocolado na
Coordenação de Cursos de Pós-Graduação, no prazo de 5 (cinco) dias úteis após a data de
sua ocorrência.

5 - O pedido de compensação de ausência poderá ser indeferido pelo Coordenador do Curso


de Pós-Graduação, sempre que exista a possibilidade de prejuízo de aprendizagem para o
aluno;

6 - Para a compensação da ausência exigir-se-á do aluno a entrega dos trabalhos prescritos


pelos professores dos módulos/disciplinas nos prazos em que estes determinem.

Manual Aluno Página 8 IEF/CEPROSU


3. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

1 - Para concluir o Curso, além da aprovação em todas as disciplinas, o aluno de Pós-


Graduação Lato Sensu deverá apresentar Trabalho de Conclusão de Curso - TCC, conforme
definição e orientações estabelecidas no respectivo Projeto Pedagógico de Curso e obter
nota igual ou superior a 7,0 (sete).

§1º - O TCC deverá ser elaborado de acordo com os padrões adotados pela Associação
Brasileira de Normas Técnicas – ABNT;

§2º - O prazo de entrega do TCC será de, no máximo, seis meses após o final do último
módulo/disciplina, de acordo com o Projeto Pedagógico do Curso;

§3º - Excepcionalmente, a Coordenação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu poderá


prorrogar, uma única vez, por até seis meses, o prazo de entrega do TCC;

§4º - Não será fornecido certificado de conclusão de pós-graduação lato sensu ao aluno que
não tenha feito a entrega formal do TCC dentro do prazo estabelecido;

2 - O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC, neste caso, trata-se de um artigo científico.


Parágrafo único – O Trabalho de Conclusão de Curso será realizado pelo aluno e sua
apresentação ocorrerá em data específica do calendário, devidamente divulgada pela
Coordenação.

3 - O TCC evidenciará o domínio do tema escolhido e a capacidade de sistematização do


aluno.
Parágrafo Único: O TCC será anotado como disciplina específica, no histórico escolar do
aluno.

4 - Para a realização do TCC o aluno será orientado por professor credenciado pelo Curso
e aprovado pela Coordenação de Cursos de Pós-Graduação.

§ 1º - Por solicitação do aluno e a critério da Coordenação de Cursos de Pós-Graduação,


pode haver mudança de orientador do TCC.

§ 2º - Para apresentação do TCC o aluno deverá ter a recomendação formal do orientador


dentro do prazo estabelecido.

Manual Aluno Página 10 IEF/CEPROSU


4. NORMAS PARA CONSTRUÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO

4.1. ARTIGO CIENTÍFICO

O artigo científico é um trabalho acadêmico que mostra idéias, métodos, técnicas,


informações e resultados sucintos do processo de pesquisa realizada nas diversas áreas do
conhecimento. Normalmente é submetido ao exame de outros cientistas, que verificam as
informações, os métodos e as conclusões ou resultados obtidos. Sua característica principal
é ser apresentado e publicado em finalizações de cursos, congressos e periódicos científicos.
As orientações que se seguem são baseadas na NBR 14724/2011 da ABNT.
O artigo se caracteriza por ser um trabalho extremamente sucinto, com linguagem
correta, precisa e coerente. É imprescindível na argumentação, clareza na exposição das
idéias, objetividade, concisão e fidelidade às fontes citadas. Na linguagem científica e
acadêmica, recomenda-se: (1) Impessoalidade: redigir o trabalho na 3ª pessoa do singular;
(2) Objetividade: afastar as expressões: “eu penso”, “eu acho”, “parece-me” que dão entender
de ausência de valor científico; (3) Estilo científico: a linguagem científica é informativa,
baseada em dados concretos, e mesmo que apresente argumentos subjetivos, deve sempre
está voltado a um ponto de vista científico; (4) Vocabulário técnico: cada ramo da ciência
possui uma terminologia técnica própria que deve ser observada, utilizando sempre clareza e
precisão, que é a condição indispensável de uma redação científica com qualidade., sendo
relevante realizar também a correção gramatical ao termino do artigo. (MÜLLER,, 2003).
Para um bom resultado, é necessário, que o autor tenha um conhecimento a respeito
do que está desenvolvendo e tenha feito uma seleção adequada do material
pesquisado.Todas as orientações para a construção do artigo estão rigorosamente de acordo
com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT em vigor, sendo
contempladas especificamente a seguir:

NBR 6023: Elaboração de Referências


NBR 6024: Numeração progressiva das seções de um documento escrito
NBR 6027: Sumário
NBR 6028: Resumo
NBR 10520: Citações
NBR 14724: Trabalhos acadêmicos

4.2. ELEMENTOS ESTRUTURAIS DO ARTIGO CIENTÍFICO

A organização dos Trabalhos de Conclusão de Curso é feita mediante o seguimento de


uma sequência de elementos que se dividem em pré-textuais, textuais e pós-textuais. Segue
o quadro abaixo, o qual mostra os elementos obrigatórios e os opcionais para estarem
contidos em trabalhos científicos.

Manual Aluno Página 11 IEF/CEPROSU


Quadro 01: Elementos estruturais de um trabalho científico
Estrutura Elemento Nível de necessidade

Capa Obrigatório

Lombada Opcional

Folha de rosto Obrigatório

Errata Opcional

Folha de aprovação Obrigatório

Dedicatória Opcional

Pré-textuais Agradecimentos Opcional


Opcional
Epígrafe

Resumo na língua vernácula Obrigatório

Resumo na língua estrangeira Obrigatório


Opcional
Lista de ilustrações
Opcional
Lista de tabelas
Opcional
Lista de abreviaturas e siglas
Opcional
Lista de símbolos
Obrigatório
Sumário

Introdução Obrigatório
Textuais Desenvolvimento Obrigatório

Resultados / Discussão Obrigatório

Conclusão Obrigatório

Referências Obrigatório
Opcional
Glossário
Opcional
Pós-textuais Apêndice
Opcional
Anexo
Opcional
Índice

Fonte: ABNT (2000)

4.2.1 Elementos pré-textuais

Os elementos pré-textuais obrigatórios são: capa, folha de rosto, folha de aprovação,


lista de quadros, figuras e tabelas, resumo e sumário. Consistem nos elementos que
antecedem o trabalho propriamente dito, composto pelos elementos textuais.

4.2.2 Elementos textuais

Compõem os elementos que constituem o trabalho propriamente dito. São os


seguintes itens:
• Introdução;
• Desenvolvimento;
• Considerações Finais

Manual Aluno Página 12 IEF/CEPROSU


4.2.3 Elementos pós-textuais

São elementos complementares ao trabalho que devem estar como o próprio nome
diz, após o texto. São elementos pós-textuais:
 Referências;
 Glossário;
 Apêndices;
 Anexos e índice.

4.3 ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO

Os artigos de conclusão de curso diferem daqueles enviados a periódicos científicos,


congresso ou eventos, não sendo necessário fazer índice, nem agradecimentos. A capa, folha
de rosto e folha de aprovação, são sugeridos para melhor identificação do curso. Em
conformidade que o que já foi apresentado, o artigo cientifico como requisito à obtenção da
conclusão do curso de pós-graduação dessa IES possui a seguinte estrutura:

Capa: deve conter o nome da instituição, curso, autor, título do trabalho, cidade e ano.

Folha de rosto: apresenta nome do autor, título, cidade e ano e uma breve nota descritiva,
que deve conter o objetivo do trabalho e o nome do orientador.

Título: deve compreender os conceitos-chave de que trama o tema

Autor(es): O autor do artigo deve vir indicado do centro para a margem direita, havendo mais
de um autor, os mesmos deverão vir em ordem alfabética, ou se houver titulações diferentes
deverão seguir a ordem da maior para a menor titulação. Os dados da titulação de cada autor
serão indicados em nota de rodapé através de numeração ordinal.

Resumo e Abstract: é um texto, de 150 a 500 palavras, que sintetiza em um único parágrafo
as ideias do trabalho, ou seja, expõe o objetivo do artigo, a metodologia utilizada para
solucionar o problema e os resultados alcançados. O Abstract é o resumo traduzido para o
inglês, sendo que alguns periódicos aceitam a tradução em outra língua.

Palavras-chave - São palavras características do tema que servem para indexar o artigo, até
5 palavras.

Conteúdo: (Introdução, desenvolvimento textual e conclusão)

Introdução: deve situar o leitor no contexto do tema pesquisado, oferecendo uma visão da
pesquisa realizada, esclarecendo as delimitações estabelecidas na abordagem do assunto, o
objetivo e a relevância do tema, as justificativas que levaram o autor a tal investigação para,
em seguida, apontar as questões de pesquisa para as quais buscará as respostas.

Manual Aluno Página 13 IEF/CEPROSU


Desenvolvimento (teoria, metodologia e análise dos dados): esta etapa do artigo, o autor
deve fazer uma exposição e uma discussão das teorias que foram utilizadas para entender e
esclarecer o problema, apresentando-as e relacionando-as com a dúvida investigada,
buscando desenvolver a respeito das contribuições teóricas a respeito do assunto abordado.
Além de todo embasamento teórico, essa etapa também inclui a descritiva da metodologia
aplicada e apresentam-se os resultados desenvolvidos na coleta dos dados através das
entrevistas, observações, questionários, entre outras técnicas, seguidamente realizando a
análise desses dados conforme teoria apresentada.

Conclusão: nesta etapa serão apresentadas as conclusões embasadas no desenvolvimento


do tema. É a apresentação de modo resumido dos resultados obtidos. Pode apresentar
perspectivas e sugestões para o desenvolvimento de pesquisas futuras.

4.4. DISCUSSÃO TEÓRICA

4.4.1 OS TIPOS DE PESQUISA

Pesquisa quanto aos objetivos Exploratória; Descritiva e Explicativa.


Estudo de caso; Levantamento;
Pesquisa quanto aos procedimentos Bibliográfica; Documental; Participante e
Experimental.
Pesquisa quanto á abordagem do Quantitativa e Qualitativa
problema

4.4.2 OBJETIVOS DA PESQUISA

Pesquisa Exploratória Ocorre quando existe pouco conhecimento


sobre a temática abordada.
Descrever características de determinada
Pesquisa Descritiva
população, fenômeno ou o estabelecimento
de relação entre variáveis.
Objetiva identificar os fatores que
Pesquisa Explicativa
determinam ou contribuem para a ocorrência
dos fenômenos.

4.4.3 PROCEDIMENTOS DA PESQUISA

Estudo de Caso Estudo direcionado, concentrado, profundo


e exaustivo em um único caso. Esse estudo
possui um ou poucos objetos, de maneira a

Manual Aluno Página 14 IEF/CEPROSU


permitir conhecimentos amplos e detalhados
sobre o mesmo.

Caracteriza-se pela interrogação direta das


pessoas cujo comportamento se deseja
Levantamento (Survey)
conhecer. Procede-se a solicitação de
informações a um grupo significativo de
pessoas acerca do problema estudado.
Este tipo de pesquisa explica um problema a
partir de referências teóricas publicadas em
Pesquisa Bibliográfica
documentos. Pode ser realizada
independentemente ou como parte da
pesquisa.
Caracteriza-se por um estudo na qual uma
Pesquisa Experimental ou mais variáveis são manipuladas pelo
pesquisador.
Ex.: Experimentos em laboratórios
Baseia-se em materiais (documentos) que
Pesquisa Documental
ainda não receberam um tratamento
analítico.
Caracteriza-se pela interação entre os
Pesquisa Participante pesquisadores e os membros das situações
investigadas, ou seja, participação conjunta
de pesquisadores e pesquisados.

4.4.4 QUANTO A ABORDAGEM DO PROBLEMA

Este tipo de pesquisa utiliza a descrição


matemática como uma linguagem, ou seja, a
linguagem matemática é utilizada para
descrever as causas de um fenômeno, as
Pesquisa Quantitativa
relações entre variáveis. O papel da
estatística é estabelecer a relação entre o
modelo teórico proposto e os dados
observados no mundo real.
Este tipo de pesquisa permite a
possibilidade de estudar os fenômenos que
envolvem os seres humanos e as relações
sociais em diversos ambientes.
Pesquisa Qualitativa
Avalia o fenômeno numa perspectiva
integrada; pesquisa em campo a partir da
perspectiva das pessoas envolvidas.

Manual Aluno Página 15 IEF/CEPROSU


4.4.5 FONTES INFORMAÇÕES

São gerados pelo pesquisador para a


Fontes primárias finalidade específica de solucionar o
problema estudado.
São dados que já foram coletados e que
Fontes secundárias possuem objetivos diferentes do problema
estudado.

Manual Aluno Página 16 IEF/CEPROSU


5. ETAPAS DA PESQUISA

1. Escolha do tema/Delimitação do Tema de acordo com o curso de formação;


2. Formulação do Problema;
3. Justificativa;
4. Determinação do objetivo;
5. Revisão teórica;
6. Metodologia;
7. Coleta de dados;
8. Tabulação dos dados;
9. Análise e discussão dos resultados;
10. Considerações finais;
11. Apresentação do trabalho científico.

6. REGRAS GERAIS

 Papel
Papel formato A4: 210mm X 297mm.

 Formatação, Margens e Espaço

 Fonte
Tipo de fonte: Times New Roman
Tamanho da fonte:
No título do artigo (em letras maiúsculas) = 12;
- No nome do(s) autor(es) = 12; (De acordo com a ABNT não deve ser na mesma fonte do
trabalho (12))
- Na titulação (nota de rodapé) 10;
- No resumo = 12; (De acordo com a ABNT na mesma fonte do trabalho)
- Nas palavras-chave = 12;
- Na redação do texto (introdução, desenvolvimento e conclusão) = 12;
- Nas citações longas = 10
- Nas referências = 12.

 Margens
As margens são formadas pela distribuição do próprio texto, no modo justificado,
dentro dos limites padronizados, de modo que a margem direita fique reta no sentido vertical,
com as seguintes medidas:
Superior: 3,0 cm. da borda superior da folha
Esquerda: 3,0 cm da borda esquerda da folha.
Direita: 2,0 cm. da borda direita da folha;
Inferior: 2,0 cm. da borda inferior da folha.
 Espaçamento

Entre linhas e entre parágrafos é 1,5;


Parágrafos: justificados;
Estruturas de parágrafos: iniciar sempre o parágrafo com uma tabulação para indicar o início
(após um recuo no começo do parágrafo);
Os títulos das seções devem ser separados do texto que os sucede por dois espaços;
Os títulos das subseções devem ser separados do texto que os precede e que os sucede por
dois espaços;
As notas de rodapé devem ser digitadas dentro das margens, ficando separadas do texto por
um espaço simples entre linhas e por um filete de 5 cm a partir da margem esquerda; (NBR
14274 2011).
Nas referências bibliográficas têm espaços simples e duplo entre si.

 Numeração

A numeração se faz necessária em virtude de demonstrar organização no texto e


praticidade por parte do autor obedecendo as seguintes orientações:
Quanto às páginas: no canto superior direito iniciando na segunda folha do trabalho.
A primeira folha conta, todavia, o número irá aparecer somente após a segunda página;
Quanto às seções: numeração progressiva do corpo do texto deve ser apresentada de acordo
com a NBR 6024, ou seja:
- Seção primária: 1
- Seção secundária: 1.1
- Seção terciária: 1.1.1 e assim sucessivamente; devendo-se limitar a progressão quinária;

 Número de páginas
O artigo deverá conter em torno de 20 páginas (somente frente) de conteúdo textual.

 Citações longas
Recomenda-se a não utilização de citações longas.
– Uma área de interesse de um assunto
que se deseja provar ou desenvolver
– Originalidade
O QUE VOU PESQUISAR?
– Assuntos que envolvam questões de
vivência diária, polêmicas, reflexão,
entre outras
– Expor em forma de pergunta e
COMO FORMULAR A
claramente
PROBLEMÁTICA?
– Atender as respostas está disposto a
responder?
– Por que estudar esse tema?
– Vantagens e benefícios que a pesquisa
JUSTIFICATIVA
irá proporcionar
– Relevância do tema
– O que pretendo alcançar com a
pesquisa?
– Objetivo geral – qual o propósito da
pesquisa?
DETERMINAÇÃO DE OBJETIVOS
– Objetivos específicos – abertura do
objetivo geral em outros menores
Obs.: iremos trabalhar aqui apenas com
um objetivo
Busca de trabalhos semelhantes ou
idênticos em pesquisas e publicações na
REFERENCIAL TEÓRICO área. (livros, artigos, monografia,
dissertações, teses, periódicos, revistas
etc.) Preferencialmente em artigos
– Qual o tipo de pesquisa?
– Qual o universo da pesquisa? Será
utilizada população ou amostragem?
– Quais os instrumentos de coleta de
dados? Como serão construídos?
METODOLOGIA – Como será tabulado os dados?
– Como será a interpretação e análise dos
dados?
– Explicar a metodologia de pesquisas
– Indicar como pretende acessar suas
fontes de consulta.
UNIVERSO - Total de indivíduos que
possuem as mesmas características
UNIVERSO DA PESQUISA
definidas para um determinado estudo ou
AMOSTRA – parte do universo
Instrumentos de medidas ou instrumentos
INSTRUMENTOS DE PESQUISA
de coleta de dados.
Instrumentos de pesquisa mais
utilizados:
– Observação
– Entrevista
– Questionário – perguntas abertas,
fechadas e de múltipla escolha
– Formulários
– Como será o processo de coleta de
dados?
COLETA DE DADOS
– Através de que meios? Por quem?
Quando? Onde?
– Como organizar os dados obtidos?
TABULAÇÃO DOS DADOS – Recursos: índices, cálculos estatísticos,
tabelas, quadros e gráficos.
– Como os dados coletados serão
ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS analisados?
RESULTADOS

– Sintetizar os resultados obtidos


– Evidenciar as conquistas alcançadas
CONCLUSÃO DA ANÁLISE DOS com o estudo
RESULTADOS – Indicar as limitações e as
reconsiderações.

Após a análise e discussões dos
resultados, são apresentadas as conclusões
e as descobertas do texto, evidenciando
com clareza e objetividade as deduções
extraídas dos resultados obtidos ou
apontadas ao longo da discussão do
assunto. Neste momento são relacionadas
às diversas idéias desenvolvidas ao longo
do trabalho, num processo de síntese dos
principais resultados, com os comentários
CONSIDERAÇÕES FINAIS
do autor e as contribuições trazidas pela
pesquisa. Cabe, ainda, lembrar que a
conclusão é um fechamento do trabalho
estudado, respondendo às hipóteses
enunciadas e aos objetivos do estudo,
apresentados na Introdução, onde não se
permite que nesta seção sejam incluídos
dados novos, que já não tenham sido
apresentados anteriormente.
Conjunto de elementos que
permitem a identificação de todos os autores
citados no decorrer da pesquisa, ou seja, a
listagem dos livros, artigos e outros
elementos de autores efetivamente
utilizados e referenciados ao longo do artigo.
Em conformidade com as normas
REFERÊNCIAS
técnicas da ABNT 2016, o primeiro item a
ser corrigido é a digitação, que possui fonte
padrão Arial ou Times New Roman, em
tamanho 12 e com o espaçamento de 1,5 no
Word, no qual somente as expressões
estrangeiras e nomes científicos podem ser
colocados em itálico.
LOCAL DE ENTREGA

Pós-Graduação - Instituto Executivo de Formação


Horário de Funcionamento:
Segunda a sexta-feira das 08 às 22 horas
Rua Dr. Monte, 503, Centro, Sobral-CE
Fone: (88) 3614 8290
Cel.: (88) 8822 7626
E-mail: atendimento@executivoformacao.com.br
Site: http://www.institutoexecutivo.com.br

NÚMERO DE EXEMPLARES

Apenas 1 (um) impresso e 1 (um) arquivo gravado em CD.

FORMATAÇÃO DO TEXTO PARA DEFESA

Formatação dos Slides


• Slides – não apresentar textos e sim ideias distribuídas em tópicos;
• Utilizar palavras chaves para não poluir visualmente o slide (Máximo de 07 linhas por
slide);
• Fonte: Verdana (sugestão);
• Tamanho: 40 para títulos e 28 para texto;
• Focar nos resultados obtidos com a pesquisa.

Pontos a serem abordados


Tema; Problema; Justificativa; Objetivos; Referencial Teórico; Metodologia; Análise dos
Dados; Considerações Finais.

Apresentação Oral – Defesa Pública


• Tempo de apresentação de 15 minutos.
• Apresentação dos objetivos, referencial teórico e metodologia (instrumentos, testes
estatísticos, estrutura);
• Apresentação dos resultados – buscar ligação entre a teoria e a pesquisa (Enfoque
maior da apresentação);
• Considerações finais – responder aos objetivos e questionamentos da pesquisa;
• Abertura para os questionamentos.

Manual Aluno Página 25 IEF/CEPROSU


ENCADERNAÇÃO

I. Capa dura encadernado - conter os seguintes dados:


Nome da instituição; nome completo do autor; título do artigo; subtítulo (quando for
o caso); local (cidade); ano do depósito do trabalho. (Anexo ???).

II. Folha de rosto - (de acordo com a ABNT NBR 14724) e conter os seguintes dados:
Nome da instituição; nome completo do autor; título da obra; subtítulo (quando for
o caso); local (cidade); ano do depósito do trabalho; natureza do trabalho
(Especialização); nome do orientador. (Anexo ???).

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O DEPÓSITO DOS ARTIGOS

1. Declaração de anuência do Orientador: Documento assinado pelo(a) orientador(a) que


conste que as alterações da sugeridas pela banca foram acatadas (Anexo ???).
2. Versão impressa e digital: do Artigo em CD-Rom, formato PDF. Incluindo o resumo em
português as palavras-chave e o e-mail. O CD-Rom deverá vir identificado com o nome do
autor e o título do artigo.

Manual Aluno Página 26 IEF/CEPROSU


MODELO DE PROJETO DE PESQUISA
ANEXO I - MODELO DE PROJETO DE PESQUISA (CAPA)

INSTITUTO EXECUTIVO DE FORMAÇÃO


COORDENAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO
MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA E LIDERANÇA EXECUTIVA

ANA JÚLIA PEREIRA CARVALHO

O DESAFIO EMPRESARIAL NA ATUALIDADE

SOBRAL-CE
2018
ANEXO II - FOLHA DE ROSTO DO PROJETO DE PESQUISA

ANA JÚLIA PEREIRA CARVALHO

O DESAFIO EMPRESARIAL NA ATUALIDADE

Artigo apresentado ao Programa de Pós-


Graduação, lato sensu, do Instituto Executivo
de Formação – IEF, como parte dos requisitos
para obtenção do título de Especialista em
Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança
Executiva.

Orientador: Prof. Msc. ...

SOBRAL-CE
2018
ANEXO III – MODELO DE SUMÁRIO DE PROJETO DE PESQUISA

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ..................................................................Erro! Indicador não definido.


2 PROBLEMA .......................................................................Erro! Indicador não definido.
3 HIPÓTESES .......................................................................Erro! Indicador não definido.
4 OBJETIVOS .......................................................................Erro! Indicador não definido.
4.1 Objetivo geral ..............................................................Erro! Indicador não definido.
4.2 Objetivos específicos ...................................................Erro! Indicador não definido.
5 JUSTIFICATIVA ...............................................................Erro! Indicador não definido.
6 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ......................................Erro! Indicador não definido.
7 METODOLOGIA ...............................................................Erro! Indicador não definido.
8 RECURSOS ........................................................................Erro! Indicador não definido.
9 CRONOGRAMA ................................................................Erro! Indicador não definido.
10 ROTEIRO TEMÁTICO PROVISÓRIO .........................Erro! Indicador não definido.
11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ............................Erro! Indicador não definido.
APÊNDICES ..............................................................................Erro! Indicador não definido.
ANEXOS ....................................................................................Erro! Indicador não definido.
ANEXO IV – PROJETO DE PESQUISA

1 INTRODUÇÃO

2 PROBLEMÁTICA

3 HIPÓTESE

3 CONCLUSÃO

REFERÊNCIAS

APÊNDICES (se houver)

ANEXOS (se houver)


MODELO DE ARTIGO CIENTÍFICO
ANEXO V - MODELO DE ARTIGO (CAPA)

INSTITUTO EXECUTIVO DE FORMAÇÃO


COORDENAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO
MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA E LIDERANÇA EXECUTIVA

ANA JÚLIA PEREIRA CARVALHO

O DESAFIO EMPRESARIAL NA ATUALIDADE

SOBRAL-CE
2018
ANEXO VI - FOLHA DE ROSTO

ANA JÚLIA PEREIRA CARVALHO

O DESAFIO EMPRESARIAL NA ATUALIDADE

Artigo apresentado ao Programa de Pós-


Graduação, lato sensu, do Instituto Executivo
de Formação – IEF, como parte dos requisitos
para obtenção do título de Especialista em
Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança
Executiva.

Orientador: Prof. Msc. ...

SOBRAL-CE
2018
ANEXO VII - FOLHA DE APROVAÇÃO

ANA JULIA PEREIRA CARVALHO

Artigo apresentado ao Programa de Pós-Graduação, lato sensu, do Instituto Executivo de


Formação/Faculdade Padre Dourado, como requisito necessário para a obtenção do título de Especialista
em ...

Artigo aprovado em:____/_____/_____

________________________________________________
Prof. Esp. Nome do Professor (Orientador)

________________________________________________
Prof. Esp. Nome do Professor (Examinador)

________________________________________________
Prof. Esp. Nome do Professor (Examinador)

________________________________________________
Prof. Esp. Herbet Carneiro Frota (Coordenador do Curso)

SOBRAL-CE
2018
ANEXO VIII – ARTIGO CIENTÍFICO

O DESAFIO EMPRESARIAL NA ATUALIDADE

Aluno1
Orientador²

RESUMO

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.

Palavras-chave: Palavra 01. Palavra 02. Palavra 03. (De 3 a 5 palavras-chave)

TÍTULO EM LÍNGUA ESTRAGEIRA

ABSTRACT

Trata-se da tradução do Resumo um idioma de abrangência internacional, para esta Faculdade deverá
ser adotado o idioma inglês.

Keywords: Word 01. Word 02. Word 03.

_________________________
1
Cursa Especialização em ..., Instituto Executivo de Formação – IEF, Graduado(a) em Administração
de Empresas, Universidade Estadual Vale do Acaraú, E-mail:aluno@email.com.br
² Maior grau do professor orientador, Universidade, Graduado em ... .E-mail: professor@email.com.br
ANEXO IX – ARTIGO CIENTÍFICO (COMPONENTES TEXTUAIS)

1 INTRODUÇÃO

2 DESENVOLVIMENTO (Está seção deverá conter as seguintes subseções nesta ordem:


Fundamentação Teórica, Metodologia e Resultados)

3 CONCLUSÃO

REFERÊNCIAS

APÊNDICES (se houver)

ANEXOS (se houver)


ANEXO X – DECLARAÇÃO DE ANUÊNCIA DO ORIENTADOR

DECLARAÇÃO

Declaro, para os devidos fins, que o(a) discente FELIPE CARDOSO DOS ANJOS efetuou as
correções sugeridas pelos membros da banca de defesa realizada no dia 29 de novembro do
corrente ano.

Sobral, 15 de dezembro de 2017.

________________________________________
Orientador Prof. Esp.
Instituto Executivo de Formação - IEF
REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: apresentação de


citações em documentos. Rio de Janeiro, 2002a.

______. NBR 12225:títulos de lombada. Rio de Janeiro, 2004a.

______. NBR 14724: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011a.

______. NBR 15287: projeto de pesquisa: apresentação. Rio de Janeiro, 2011b.

______. NBR 6023: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002b.

______. NBR 6024: numeração progressiva das seções de um documento. Rio de Janeiro,
2012a.
______. NBR 6022: artigo em publicação periódica científica impressa: apresentação. Rio de
Janeiro, 2003.

______. NBR 6028: resumos. Rio de Janeiro, 2003.

______. NBR 6034: índice. Rio de Janeiro, 2004b.

FRANÇA, Júnia Lessa et alii. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 6ª


ed., rev. e aum., Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2003.

KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de Metodologia Científica: teoria da ciência e prática da


pesquisa. 14ª ed., Petrópolis: Vozes, 1997.

LAKATOS, Eva M. e Marconi, Marina A., "Metodologia Científica", Editora Atlas S.A., São
Paulo SP. 2010, p.19

MÜLLER, Mary Stela; CORNELSEN, Julce. Normas e Padrões para teses, dissertações e
monografias. 5ª ed. Londrina: Eduel, 2003.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 22ª edição, São Paulo:
Cortez, 2002.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho cientifico. 22 ed. São Paulo: Cortez,
2002.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo:


Atlas, 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Guia de Normatização de Trabalhos Acadêmicos da


Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, CE, 2013.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Guia de Normatização de Artigos em Publicação


Periódica Científica da Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, CE, 2017.

UNIVERSIDADE DE FORTALEZA. Guia de Procedimentos Para Elaboração e Defesa de


Monografia. Fortaleza, CE, 2015.