Você está na página 1de 13

Universidade do Estado de Mato Grosso

Campus Sinop
Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ROGÉRIO LÚCIO LIMA

Sinop – Fevereiro de 2016


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

“Equipamento que transforma energia elétrica em energia mecânica, em geral, energia


cinética.”

• Acionamento de máquinas e equipamentos mecânicos - assunto de grande


importância econômica;

• Acionamento industriais – 70% a 80% da energia elétrica consumida pelo conjunto de


todas indústrias seja transformada em energia mecânica;

• Década de 80 – indústria brasileira produziu em torno de 3 milhões de unidades, 80


mil unidades acima de 20 cv.

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

De acordo com o tipo de fonte, os motores podem ser divididos em DC e AC:

• Motores DC
• Controle preciso de velocidade;
• Evolução da eletrônica de potência permitiu a substituição dos grupos conversores
rotativos;
• Mais caros, porém tornou-se acessível pela evolução da eletrônica;
• Manutenção mais frequente;
• Classificam de acordo com a forma de produção do campo magnético e o projeto
de construção da armadura:
• Motores de fluxo magnético variável;
• Fluxo magnético constante;

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

• Motores AC
• 90% são motores de indução de gaiola;
• Predomínio destes motores para aplicações com unidade menores de 500 CV e
sem necessidade de ajuste de velocidade;

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

• Motores de Indução
• Tipo mais usual da indústria;
• Simplicidade quando comparado a CC;
• Baixo custo e máxima eficiência com manutenção mínima;
• Rendimento elevados para médias e máximas cargas
• Os seus terminais permitem ligações:
• Estrela ou triângulo, série ou paralelo;
• A alimentação é fornecida ao estator e por indução, transfere a energia ao circuito
rotor;
• O rotor pode ser gaiola ou apresentar 3 anéis girantes;

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

• Motores de Indução

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

• Fatores de Seleção
Vários fatores são determinantes:
• Fonte de alimentação: tipo, tensão, frequência, simetria, equilíbrio, etc.;
• Condições ambientais: agressividade, periculosidade, altitude, temperatura, etc.;
• Exigências da carga e condições de serviço: potência solicitada, rotação, esforços
mecânicos, configuração física, ciclos de operação, confiabilidade, etc.;
• Consumo e manutenção: varia com os interesses econômicos, perspectiva a curto
ou longo prazo;
• Controlabilidade: posição, torque, velocidade, corrente de partida (de acordo com
exigências da carga).

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

• Tipos de Motores

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

• Motor Rotor Gaiola de Esquilo


• Mais robusto: não possui escovas e comutadores;
• Não há problemas ligados a desgaste e manutenção;
• Usado no acionamento da maioria das cargas mecânicas;

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

• Motor com Rotor Bobinado

• Compostos por 3 bobinas ligadas em estrela, 3 terminais livres conectados a anéis


deslizantes no eixo do rotor;
• Os anéis permitem por meio de escovas a conexão de reostatos para manipular as
características de partida;
• Além de diferentes rotores, existem diferentes enrolamentos nos estatores para se
obter diferente velocidades.

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

• Motor Dahlander

• É o preferido para motores de duas velocidades: uma menor e outra maior;


• O rendimento em maior velocidade e melhor que em menor velocidade;
• A potência em maior velocidade é de 1.5 a 1.8 vezes do que em velocidade menor;
• São 6 bobinas e seis terminais que se combinam em duas formas;
• Porém não pode ser adaptado para duas tensões;

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos

• Motor com dois enrolamentos separados


• Dois enrolamentos separados que possibilitam duas velocidades;
• Cada enrolamento é ligado para obter a respectiva velocidade, deixando o
segundo enrolamento desligado;
• Desvantagem: por ter apenas metade do motor ativo, diminui seu rendimento.

• Motor para três e quatro velocidades


• Une-se o Dahlander a um enrolamento separado;
• Para obter quatro velocidade, une-se dois enrolamentos Dahlander separados em
um motor;
• Velocidade e rendimento é o mesmo do motor Dahlander.

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas


Acionamento de Máquinas

Motores Elétricos
Bibliografia

FRANCHI, C. M. Acionamentos Elétricos. 4 ed. São Paulo: Editora Érica, 2008.

Obrigado!!!

Prof. Msc. Rogério Lúcio Lima Acionamento de Máquinas