Você está na página 1de 41
Projeto Laboratório Sustentável de Matemática Profª Daniela Mendes Vieira da Silva e colaboradores
Projeto Laboratório Sustentável de
Matemática
Profª Daniela Mendes Vieira da Silva e colaboradores
SEEDUCRJ/Colégio Estadual Hebe Camargo
• “Se for verdadeiro que “ninguém ama o que não conhece”, então fica explicado porque
• “Se for verdadeiro que “ninguém ama o que
não conhece”, então fica explicado porque
tantos alunos não gostam da matemática,
poisp
, se a eles não foi dado conhecer a
matemática, como podem vir a admirá-la?”
(LORENZATO, 2006, p. 34)
O laboratório é uma solução mágica? • Ele deve ser utilizado em todos os momentos
O laboratório é uma solução mágica?
• Ele deve ser utilizado em todos os momentos da
prática docente?
Lorenzato(2010) desconstrói esse mito
Não há mágica! O Laboratório de Matemática possibilita multiabordagens devido à variedade do acervo e
Não há mágica!
O Laboratório de
Matemática
possibilita
multiabordagens
devido à variedade
do acervo e se
constitui em um
ambiente que
envolve o educando
para atividades
distanciadas do ETV.
Recursos Do que é feito um laboratório?
Recursos
Do que é feito um laboratório?
Parafraseando Paulo Freire: Um laboratório é feito em primeiro lugar de gente
Parafraseando Paulo Freire:
Um laboratório é feito em primeiro
lugar de gente
Quem somos?Quem faz o LSM? Somos um grupo colaborativo de professores, licenciandos e pesquisadores que
Quem somos?Quem faz o LSM?
Somos um grupo colaborativo de professores, licenciandos e pesquisadores que
busca congregar professores da rede pública, unindo forças e incentivando uma
atitude de pesquisa através do intercâmbio de ideias entre todos os atores da
educação matemática no palco onde ela acontece para as massas.
• Coordenadora do projeto LSM: Professora Daniela Mendes
• Equipe LSM-CEHC: Professores Leila, Thiago e Willian e 4 alunos participantes da
coordenação do projeto (João Paulo, Ketelin, Sandy e Leonardo.
• Equipe LSM-Externa: Licenciandas Karina e Isabel (IFRJ) e professores Darling
Domingos e Ronaldo Paulucci(SEEDUCRJ)e Vanessa (Rede Particular). Além de
muitos outros atores que participam de nossas ações e dos quais iremos falar ao
longo da apresentação.
Em torno deste núcleo central temos
uma grande rede
Tecida pela internet (site/redes sociais) e
cujos laços
São reforçados em atividades presenciais.
É interessante observar que o site do lsm tem uma média de leitura de 16000
É interessante observar que o site
do lsm tem uma média de leitura
de 16000 páginas/mês e a fanpage
conta com quase 4000 fãs com
alcance próximo de 8000
pessoas/mês
E para atender às pessoas temos o acervo
E para atender às pessoas temos o
acervo
Conversando sobre o acervo: Materiais concretos • Mediadores da compreensão de conceitos matemáticos; •
Conversando sobre o acervo:
Materiais concretos
• Mediadores da
compreensão de conceitos
matemáticos;
• facilitam a observação e
análise de regularidades
auxilia no desenvolvimento
do raciocínio lógico;
• Incentivam a criticidade e se
constituem em subsídio
importantíssimo em uma
perspectiva experimental de
ensino de matemática;
• Auxiliares valiosos na
construção do conhecimento
do aluno.
(PEREZ & TURRIONI, 2010).
Materiais concretos: só devem ser utilizados nos anos iniciais de escolaridade? Inúmeros estudos apontam para
Materiais concretos:
só devem ser utilizados nos anos
iniciais de escolaridade?
Inúmeros estudos apontam para o fato de que
o uso de materiais concretos se constitui em
um facilitador da aprendizagem de temas
diversos, em quaisquer níveis de escolaridade,
sem distinção alguma de faixa etária.
(LORENZATO, 2010).
Conversando sobre o acervo: Jogos Situações de ensino que envolvam competitividade ou colaboração, dentro de
Conversando sobre o acervo:
Jogos
Situações de ensino que envolvam competitividade ou colaboração,
dentro de uma perspectiva lúdica, de forma que o estudante tome
consciência de suas possibilidades, limites e competências e, que
além disso,reforça os laços de afetividade com a educação
matemática (GRANDO, 2000).
Conversando sobre o acervo: Instrumentos Todo o tipo de instrumental está inserido nesta categoria desde
Conversando sobre o acervo:
Instrumentos
Todo o tipo de instrumental está inserido nesta categoria desde
instrumentos de medição, passando por materiais de papelaria
chegando até mesmo aos recursos audio visuais e computadores.
Segundo Vygotsky apud Kohl(1997) instrumentos são aqueles que
ampliam a nossa capacidade de compreensão e interação com o mundo.
Como funciona um laboratório de Matemática?
Como funciona um laboratório de
Matemática?
Organização do trabalho no laboratório – 3 pilares • Pesquisa/pla nejamento • Prática • Formação
Organização do trabalho no
laboratório – 3 pilares
• Pesquisa/pla
nejamento
• Prática
• Formação
Lorenzato
(2010)
Pesquisa/Planejamento Caminhos que percorremos até a realização da prática/investigação/formação: •
Pesquisa/Planejamento
Caminhos que percorremos até a realização
da prática/investigação/formação:
• Elaboração dos
subsídios a serem
utilizados na prática.
• Cada grupo deve
encontrar em seu local
de trabalho todos os
materiais necessários à
sua prática.
Vivenciando o planejamento Turma dividida em equipes de 4 alunos Turmas divididas em equipes de
Vivenciando o planejamento
Turma dividida em equipes de 4
alunos
Turmas divididas em equipes de
6 ou mais alunos
A Disposição em grupos de no máximo 4
alunos facilita a troca de ideias e colaboração
entre os participantes. (LORENZATO 2010;
TURRIONI &PEREZ, 2010; SILVA, 2014).
Atenção! • A implementação das práticas laboratoriais não se constitui em um trabalho simples, uma
Atenção!
• A implementação das práticas
laboratoriais não se constitui em
um trabalho simples, uma vez
que o aprendizado de
matemática, segundo a prática
corrente na maioria das escolas
ocorre em uma perspectiva
tradicional.
• O docente que optar por trilhar
este caminho pedagógico deve
perseverar e estar pronto para
eventuais fracassos que devem
ser vistos como oportunidades
de aprendizado e de melhoria de
suas próprias práticas
pedagógicas.
(LIMA, 2014)
Práticas Culminância de um trabalho de planejamento e elaboração de subsídios a esta atividade.
Práticas
Culminância de um
trabalho de
planejamento e
elaboração de subsídios
a esta atividade.
Prática=oportunidade de aprendizado
Práticas: OFICINAS DE CONFECÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS Excelente oportunidade de aprendizado: • A potencialidade
Práticas: OFICINAS DE CONFECÇÃO DE
MATERIAIS DIDÁTICOS
Excelente oportunidade de
aprendizado:
• A potencialidade mais
destacada de um material
manipulável se apresenta no
instante de sua construção
pelos educandos.
• Importância de que eles sejam
autores de suas criações,
facilitando suas conjecturas
através dos imprevistos e
desafios que surgem no
decorrer da atividade,
estimulando-os a buscar
alternativas e soluções
(LORENZATO, 2010).
Práticas: EXPERIMENTAÇÃO/EXPLORAÇÃO • Acesso a uma diversidade suportes de representação para os objetos
Práticas:
EXPERIMENTAÇÃO/EXPLORAÇÃO
• Acesso a uma diversidade suportes
de representação para os objetos
matemáticos estudados, através da
manipulação e exploração de
materiais concretos, jogos e
experimentos.
• A ampliação da gama de sentidos
empregados no acesso a estes
objetos, outra vantagem é a
ampliação do alcance destes sentidos
através de instrumentos.
• Postura reflexiva dos estudante e , e
que busca da existência de
contraexemplos com o objetivo de
comprovarem suas hipóteses
baseadas em determinados
fundamentos teóricos
(SILVA e NUÑEZ, 2002).
Práticas: INVESTIGAÇÃO • São ligadas à situações curiosas e interessantes apresentadas pelo professor. • O
Práticas: INVESTIGAÇÃO
• São ligadas à situações
curiosas e interessantes
apresentadas pelo
professor.
• O intuito é o de
provocar discussões
que levem os
estudantes a investigar,
analisar, discutir
procedimentos, buscar
regularidades e padrões
em uma interação
dinâmica.
(KINDEL, 2013).
Práticas: Modelagem Matemática • Não parte desse ou daquele conteúdo matemático. • Os problemas é
Práticas: Modelagem Matemática
• Não parte desse ou daquele
conteúdo matemático.
• Os problemas é que
determinam os caminhos
matemáticos que conteúdos
conhecidos ou por
aprender, quais técnicas ou
procedimentos
matemáticos teriam de ser
explorados e estudados,
pelos aluno.
(Caldeira, Malheiros e Meyer,
2013).
Trabalho Final de Disciplina-TFD: Modelagem matemática em sala de aula Projetos de Modelagem Matemática Crítica:
Trabalho Final de Disciplina-TFD:
Modelagem matemática em sala de
aula
Projetos de Modelagem Matemática Crítica:
Inspirados e em parceria com o Msc Neil Canedo Jr.(PMJF): alguns projetos que
estão sendo desenvolvidos pelos alunos:
• Bicicletário com materiais de
baixo custo,
• caixa de compostagem para
transformar os restos de comida
da merenda em adubo orgânico,
• projeto de aproveitamento da
água que sai do ar condicionado,
• projeto para aquecimento da
água do vestiário da quadra com
garrafa pet e caixas de leite
Quando usar qual prática? Não existe uma única resposta a esta pergunta
Quando usar qual prática?
Não existe uma única resposta a esta pergunta
Formação/extensão • Nas atividades de formação, é possível refletir sobre a prática com o outro.
Formação/extensão
• Nas atividades de formação, é
possível refletir sobre a prática
com o outro. Tais atividades
são vividas tanto no próprio
laboratório quanto são levadas
para outros palcos a partir da
pesquisa neste.
• Palestras;
• Oficinas;
Oficina de aprendizagem de números reais ministrada pelo Dr. Ion
Moutinho (convidado) no segundo encontro presencial da Imersão
do corpo docente da Escola Municipal Mariana Nunes Passos no
LSM
• Minicursos;
• Grupos de discussão.
Formação: Site e redes sociais do projeto O site e as redes sociais do projeto
Formação: Site e redes sociais do
projeto
O site e as redes sociais do projeto servem ao mesmo tempo de divulgação das
práticas e ações do projeto e também como repositório indexado pelo Google.
Atualmente , por exemplo, temos cerca de 15000 páginas/mês lidas no site, no
Facebook temos 3500 fãs e alcance de 3 a 5 mil pessoas/semana.
Formação/Extensão: Seminário Bianual de Educação Matemática do CEHC • Neste evento regional reunimos
Formação/Extensão: Seminário
Bianual de Educação Matemática do
CEHC
• Neste evento regional
reunimos
pesquisadores,
professores,
licenciandos e
estudantes
secundaristas em uma
grande troca de
saberes. As inscrições
são feitas via internet.
Alguns momentos
Alguns momentos
Formação/Extensão: Colóquios de Educação Matemática do CEHC • Estes eventos tem como público alvo os
Formação/Extensão: Colóquios de
Educação Matemática do CEHC
• Estes eventos tem como
público alvo os professores do
entorno da instituição que são
trimestralmente convidados a
tomar um café conosco
enquanto assistem a uma
palestra e participam de uma
oficina. Os palestrantes e
oficineiros são professores,
pesquisadores e licenciandos.
Nosso objetivo aqui é fazer
uma ponte entre teoria e
prática. As inscrições são feitas
via internet.
Alguns momentos
Alguns momentos
Formação/Extensão: Visitação ao Laboratório Recebemos, por demanda, instituições visitantes que vem passar uma
Formação/Extensão: Visitação ao Laboratório
Recebemos, por demanda,
instituições visitantes que
vem passar uma tarde
conosco e conhecer
melhor o nosso projeto.
Nestas oportunidades
oferecemos uma palestra
sobre o projeto, interação
mediada com o acervo e
uma oficina desenvolvida
no projeto. Nas fotos ao
lado vemos as visitas de
algumas instituições:
Escolas Municipais Prof.
Castilhos/Ema
D’Ávila(SME)/Mariana
Passos(PMDC)/ Santa
Cândida (PMJF), IFRJ
/Paracambi, PIBID/UFJF.
Formação/Extensão: Imersão no Laboratório Recebemos,neste ano de 2016 a Escola Mariana Nunes Passos (PMDC) para
Formação/Extensão: Imersão no Laboratório
Recebemos,neste ano de
2016 a Escola Mariana
Nunes Passos (PMDC) para
uma imersão de um ano
no Laboratório Sustentável
de Matemática. Este
projeto de Extensão do
CEHC é estruturado em
quatro encontros
presenciais, cada uma
dedicado aos eixos:
Grandezas e medidas,
números e operações,
espaço e forma e
tratamento da informação.
E em atividades teóricas
relativas a estes eixos em
grupo criado no Facebook
para este fim.
Formação: Publicações e congressos • Participamos também de congressos e eventos de formação de professores
Formação: Publicações e congressos
• Participamos também de congressos e eventos de
formação de professores oferecendo minicursos , palestras
e apresentando relatos de nossas experiências.
Outras ações Apoio à construção de outros espaços similares ao LSM • Espaço da ciência-Tinguá-prof.
Outras ações
Apoio à construção de outros espaços similares
ao LSM
• Espaço da ciência-Tinguá-prof. Duclécio;
• Laboratório de vivências em ciência-Campo
Grande-RJ Profª Deise;
• Laboratório Multidisciplinar- Mesquita- Profª
Darling;
• Sala de Matemática – Mesquita – prof. Ronaldo
Paulucci.
Dividimos com vocês mais alguns momentos do LSM
Dividimos com vocês mais alguns
momentos do LSM
Obrigada por sua atenção!
Obrigada por sua atenção!
Referências e Bibliografia consultada BATISTA, Adriana Maria da Silva Barbosa; SPINILLO, Alina Galvão. Nem todo
Referências e Bibliografia consultada
BATISTA, Adriana Maria da Silva Barbosa; SPINILLO, Alina Galvão. Nem todo material concreto é igual: a importância dos referentes na resolução de problemas. Estud.
psicol. (Natal), Natal, v. 13, n. 1, p. 13-21, Abr. 2008.
DUVAL, R. Registros de representação semiótica e funcionamento cognitivo da compreensão em matemática. In: MACHADO, S. D.A. (Org.). Aprendizagem em
matemática: registros de representação semiótica. Campinas: Papirus, 2003, p.11-33.
GRANDO, R.C. O conhecimento Matemático e o uso de jogos na sala de aula. Campinas: FE/UNICAMP. Tese de Doutorado, 2000. 183 p.
HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 2. ed. Tradução João Paulo Monteiro. São Paulo: Perspectiva, 1990. 236p
KINDEL, D.S. Investigações em Sala de Aula de Matemática: a Geometria Fractal e as Sequências Numéricas Infinitas Xi Encontro Nacional de Educação Matemática
Curitiba – Paraná, 20 a 23 de julho de 2013 Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática – ISSN 2178-034X.
LIMA, F. Dica saudável, bolor no laboratório de matemática. Revista Cálculo, São Paulo, n. 49, p. 21- 25, fev. 2014.
LORENZATO, S. Laboratório de ensino de matemática e materiais didáticos manipuláveis. O laboratório de matemática na formação de professores. Sérgio Lorenzato
(org.), 3ª ed. Campinas, SP. Autores Associados, 2010.
PEREZ, G. (1993). O laboratório de ensino e os materiais didáticos no ensino de matemática. Rio Claro, UNESP, Abr. (MANUSCRITO) Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2008000100002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em Ago. 2015.
TURRIONI, A.M.S., PEREZ, G. Implementando um laboratório de educação matemática para apoio na formação de professores. O laboratório de matemática na
formação de professores. Sérgio Lorenzato (org.), 3ª ed. Campinas, SP. Autores Associados, 2010.
SILVA, D.M.V. A importância do ambiente para o aprendizado de matemática. Disponível em: <http://www.laboratoriosustentaveldematematica.com/2015/02/a-
importancia-do-ambiente-para-o-aprendizado-de-matematica.html>. Acesso em: Set. 2015.
SILVA. S. F.; NÚÑEZ. I. B
O Ensino por problemas e trabalho experimental dos estudantes - reflexões teórico-metodológicas. Revista Química Nova, v.25, n.6b, p.1197-
1203, dez. 2002. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S0100- 40422002000700023.