Você está na página 1de 12

FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DA PEDAGOGIA DE PAULO

FREIRE

PHILOSOPHICAL FOUNDATIONS OF PAULO FREIRE’S PEDAGOGY

José André de Azevedo1

AZEVEDO, J. A. Fundamentos filosóficos da pedagogia de Pau-


lo Freire. Akrópolis Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar.
2010.

Resumo: Paulo Freire, educador mundialmente conhecido, obteve na


encarnação histórica a sua maneira de educar: educar para a liberta-
ção. O processo educativo nasce, necessariamente, das concepções
filosóficas, antropológicas e cosmológicas do educador. Compreender
a pedagogia de Paulo Freire a partir de seus fundamentos filosóficos
é defrontar-se com a “arché” de sua forma de conceber o mundo e
agir no mesmo. Uma educação como prática da liberdade, almejando
ser conscientizadora e propondo a relação dialógica como instrumen-
tal para a libertação somente pode ser compreendida a partir de seus
fundamentos, ou seja, das concepções filosóficas daquele que propõe
um método educativo, ou melhor, um caminho pedagógico.
Palavras-chave: Paulo Freire; Filosofia; Fundamentos.

Abstract: Paulo Freire, an educator known worldwide, obtained within


an historical incarnation his way of educating: education for liberation.
1
Mestrando em Filosofia Moderna e Con- The educational process arises necessarily from the educator’s phi-
temporânea da Universidade Estadual do losophical, anthropological and cosmological conceptions. Understan-
Oeste do Paraná – UNIOESTE. Professor ding the Paulo Freire’s pedagogy from its philosophical foundations is
da Faculdade Global de Umuarama – FGU. to face the “arché” of his way of conceiving and acting over the world.
E-mail: azevedosac@hotmail.com Education as a practice of freedom, aiming to be “awareness and pro-
posing a dialogical relationship as a tool for liberation can only be un-
derstood from its foundations, namely the philosophical ideas from that
who proposes an educational method, or rather a pedagogic path .
Keywords: Paulo Freire; Philosophy; Fundaments.

Recebido em dezembro/2009
Aceito em fevereiro/2010

Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010 37


AZEVEDO, J. A.

INTRODUÇÃO Assim sendo, apresentar as bases filo-


sóficas de Freire e seu substrato antropológico
Este artigo objetiva apresentar quais são e cosmológico é, de certa maneira, o “útero”
as bases filosóficas da pedagogia freireana e da compreensão de educação e alfabetização
demonstrar a urgência e a necessidade de pen- como transformadoras da própria realidade e fa-
sarmos o processo educativo a partir de seus cilitadoras de uma leitura da realidade.
substratos antropológicos e cosmológicos e, no Dado o seu caráter de relevante impor-
caso da pedagogia de Paulo Freire, a partir das tância no momento atual, este trabalho revelará
situações de conscientização, diálogo e liberta- a necessidade de uma retomada dos conceitos
ção. freireanos e a busca de uma educação que vise
Compreendendo a educação como a à construção do conhecimento a partir da liber-
grande possibilidade de se construir uma identi- dade e da própria pessoa.
dade sólida e firme, baseada na liberdade, diálo-
go e conscientização, Paulo Freire, partindo de 1. O CONCEITO DE EDUCAÇÃO COMO PRÁ-
um simples método de alfabetização de adultos, TICA DA LIBERDADE
apresenta um ideal filosófico a ser seguido, re-
fletido, questionado e buscado: o diálogo é ca- Paulo Freire, por se tratar, acima de tudo,
paz de criar vínculos de libertação e possibilitar de um educador, tem uma concepção toda ori-
o acesso a uma consciência clara e objetiva no ginal de educação, vista como instrumento de
tocante à realidade. libertação, como processo dialético de conscien-
Nesse sentido, e com esse espírito, estu- tização. As características do termo educação
dar-se-á e refletir-se-á sobre os conceitos funda- estão profundamente ligadas à sua pessoa, pois
mentais de Freire a partir da bibliografia básica ele é um homem que não somente se preocupa
do autor, que se encontra no final do trabalho. O com a educação, mas faz dela o ideal e a meta
que se procurará demonstrar, a partir disso, em de sua vida e de suas atividades.
síntese, é a sua gênese ideológica que se apoia A vocação para o educar de Paulo Freire
em fortes argumentos filosóficos. nasceu, cresceu e se desenvolveu nas suas di-
Serão apresentados, então, os concei- versas experiências no Nordeste do Brasil, onde
tos fundamentais de sua prática educativa e os grande parte da população vivia em situação de
substratos antropológicos da mesma da seguin- analfabetismo e em extrema situação de pobre-
te maneira: za. Essa realidade de analfabetismo e pobreza
A educação como uma prática de liber- colocava o homem numa condição de objeto, de
dade, na qual, o ser humano deixa seu estado coisa, de ser menos. Dentro desta realidade, ele
de coisificação e passa a ser objeto de sua pró- perdia sua consciência, vivia no anonimato da
pria história e destino. massificação e da alienação.
A teoria do conhecimento freireana, uma Tornando-se coisa, transformando-se em
teoria que nasce das relações dialéticas consci- homem objeto, o ser humano anula em si o sen-
ência-mundo. tido de sua vocação ontológica, ou seja, de ser
O diálogo como condição de gênese do sujeito de seu agir e da própria história.
processo educativo, ou seja, através de uma
relação dialógica, o ser humano se descobre e Libertar, pois, o homem oprimido desta rea-
toma consciência de sua objetividade diante da lidade desumanizante, desta “coisificação”,
vida. desta situação de “objetos”, de ser “menos”,
para ser “mais”, isto é, adquirir a própria dig-
A gênese ideológica de Paulo Freire,
nidade humana perdida, realizar a sua voca-
isto é, a percepção das fontes filosóficas que
ção histórica, tornou-se o objetivo principal
o grande educador brasileiro bebeu, como, por de Paulo Freire e o ideal de sua luta. (JOR-
exemplo: Tristão de Atayde, Jacques Maritain GE, 1979, p. 24)
e o neotomismo, o personalismo de Mounier,
o existencialismo de Kierkegaard, a existência Entretanto, o que era necessário fazer
concreta de Marcel, a incompletude do ser hu- para realizar esse objetivo de tornar o homem
mano de Heidegger, a relação dialógica de Karl sujeito de seu agir e de sua história, deixando de
Jaspers, o neomarxismo de Eric Fromm e a edu- ser objeto e coisa? Para concretizar esse obje-
cação como política de Gramsci. tivo, Paulo Freire intuiu que era necessário criar

38 Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010


Fundamentos filosóficos da pedagogia...

um método pedagógico que arrancasse aqueles aspectos da pedagogia freireana. Apenas um


homens da manipulação e restituísse-lhes a sua conhecimento superficial de Paulo Freire leva-
vocação humana, isto é, a pedagogia seria o ca- nos a ver que o seu método de alfabetização,
minho que possibilitaria a prática da liberdade. que sua prática pedagógica, é muito mais que
uma técnica para ensinar a ler; trata-se da trans-
E aqui está a grande intuição de Paulo Freire missão de uma filosofia de vida, é um ler a reali-
e, também, a sua grande descoberta no cam- dade de opressão com olhos críticos, é aprender
po da libertação e sua originalidade: para a ler a gramática das relações sociais.
que o homem oprimido pudesse se libertar Partindo da concepção de que a socieda-
e não continuar vivendo sob a opressão de
de contemporânea se apresenta em permanente
comandos estranhos a ele, deveria ser o su-
jeito de seu agir e de sua história. Naquelas conflito de forças contrárias, e essas forças são
condições, como em todas as outras, este designadas como opressores e oprimidos, onde
seria o único método capaz de libertar toda os primeiros são os causadores da desumani-
aquela massa das formas opressivas de que zação e os oprimidos objetos dos opressores,
eram vítimas. Paulo Freire apresentou, en- Paulo Freire almeja a transformação radical da
tão, àquela região onde trabalhava, como, sociedade, a qual, segundo ele, exige um pro-
posteriormente, a todo o mundo, a sua filoso- cesso de educação das massas que as habilite
fia para libertação: a “Educação como prática a tomar consciência da sua condição de oprimi-
da liberdade”, educação esta que, incidindo, dos e as leve a empreender a sua libertação. Tal
diretamente, sobre a realidade daqueles ho-
educação chama-se libertadora.
mens oprimidos, através de um método es-
pecífico, libertaria todos aqueles indivíduos A característica principal da educação
da manipulação e os faria sujeito de seu pró- libertadora encontra-se em sua essência: pro-
prio processo de libertação pelo conhecimen- blematizadora, isto é, não deve trazer certezas
to crítico da realidade onde viviam. (JORGE, ou verdades acabadas e muito menos suscitar
1979, p. 24) segurança, mas procurar levantar problemas e
provocar conflitos transformadores.
Pode-se, apenas com as ideias expostas É na base dessas premissas que Paulo
acima, antever os fundamentos da educação li- Freire apresenta a alfabetização. Esta é, como
bertadora proposta por Paulo Freire: um conhe- foi dito acima, mais do que um método de apren-
cimento processado por meio das relações dia- dizagem de leitura, visto que está inseparavel-
léticas educando-realidade. mente associada ao intuito de fazer do alfabe-
tizando um agente transformador da realidade,
De fato, somente quando o homem oprimido um agente revolucionário e libertador.
descobrir e conhecer o mundo da opressão,
nas suas causas e conseqüências, quando É isto que leva a dizer que Paulo Freire não
objetivar a realidade escravizadora na qual tem apenas preocupações pedagógicas, mas
vive, tendo uma consciência crítica de am- é também movido por intenções políticas. Ali-
bas, somente assim ele poderá tomar uma ás, um repórter do Jornal da República de
atitude, também crítica, que o leve a realizar Recife, aos 31/08/79, interrogou Paulo Freire
a missão que lhe compete: transformação [...] a respeito de eventual filiação a partido
e humanização das realidades opressoras. político; o que respondeu o mestre: “Faço po-
Então, o homem oprimido não será mais de- lítica através da pedagogia”. (FREIRE, 1979,
positário de injunções de educadores opres- p. 109)
sores, mas será capaz de tomar atitudes ver-
dadeiramente humanas para a superação da O conceito de educação libertadora de
contradição existente entre ele e o educador.
Paulo Freire contradiz os conceitos de transmis-
(JORGE, 1979, p. 25)
são de hábitos bons ou virtudes, pelas quais o
ser humano faz reto uso das suas faculdades,
E é essa a educação que Paulo Freire
ordenadas segundo a razão, como defendia
propõe: uma prática de libertação, uma “pedago-
Aristóteles e muito menos significa ensinar a ra-
gia dos homens que estão em processo perma-
ciocinar e pensar, para que a criança, o adoles-
nente de libertação”. (FREIRE, 1975, p. 61)
cente e o adulto cresçam em ciência e saber,
Todavia, fazem-se necessárias algumas
como esquematizava a Paideia grega.
ponderações mais consistentes sobre alguns
Estas concepções, segundo Freire, cons-

Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010 39


AZEVEDO, J. A.

tituem o que ele chama “educação domestica- No lugar de transmitir certezas ou ver-
dora, bancária ou alienante”, ou seja, supõe um dades seguras, a educação, como prática da
mestre que sabe tudo e um educando que aceita liberdade, levanta problemas e suscita atitudes
tudo e sabe pouco; para o educador pernambu- críticas.
cano, tal educação é fruto de uma estrutura so-
cial dominante e opressora. A educação problematizadora [...] é futurida-
Desse modo, Paulo Freire entende por de revolucionária. Daí que seja profética e,
educação bancária, o tipo de educação que ele como tal, esperançosa. Daí que corresponda
à condição dos homens como serem histó-
não aceita:
ricos e à sua historicidade [...]. Daí que se
identifique com o movimento permanente em
Em lugar de comunicar-se, o educador faz
que se achem inscritos os homens, como
“comunicados” e depósitos que os educan-
seres que se sabem inconclusos. (FREIRE,
dos, meras incidências, recebem pacien-
1975, p. 84)
temente, memorizam e repetem. Eis aí a
concepção bancária da educação, em que a
única margem de ação que se oferece aos Para romper com o sistema vigente, Pau-
educandos é a de receberem os depósitos, lo Freire não se utiliza da palavra Escola, mas
guardá-los e arquivá-los. Margem para se- prefere a expressão Círculo de Cultura.
rem colecionadores ou fichadores das coisas
que arquivam. No fundo, porém, os grandes A visão da liberdade tem nesta pedagogia
arquivados são os homens, nesta [...] equi- uma posição de relevo. É a matriz que atribui
vocada concepção ‘bancária’ da educação. sentido a uma prática educativa que só pode
Arquivados, porém, fora da busca, fora da alcançar efetividade e eficácia na medida da
práxis não podem ser. Na visão “bancária” participação livre e crítica dos educandos. É
da educação, o “saber” é uma doação dos um dos princípios essenciais para a estrutu-
que se julgam sábios aos que julguem nada ração do círculo de cultura, unidade de en-
saber. Doação que se funda numa das ma- sino que substitui a “escola”, autoritária por
nifestações instrumentais da ideologia da estrutura e tradição. Busca-se no círculo de
opressão - a absolutização da ignorância, cultura, peça fundamental no movimento de
segundo a qual esta se encontra sempre no educação popular, reunir um coordenador a
outro. (FREIRE, 1975, p.67) algumas dezenas de homens do povo no tra-
balho comum pela conquista da linguagem.
Segundo Paulo Freire, a educação bancá- O coordenador, quase sempre um jovem,
ria ou domesticadora não faz o homem ser mais, sabe que não exerce as funções de “profes-
sor” e que o diálogo é condição essencial de
mas o desumaniza. Por outro lado, a educação
sua tarefa, “a de coordenar, jamais influir ou
libertadora deve eliminar o muro de divisão e a
impor”. (FREIRE, 1979, p. 05)
diferença de classe entre educador e educando.
Em vez de falar de “educador do educando” e de
Portanto, percebe-se que o diálogo é o
“educando do educador”, usar-se-ão os termos
instrumento para se descobrir a educação pro-
“educador-educando” e “educando-educador”.
blematizadora e é a tentativa de renovação da
sociedade. O mesmo compõe-se de palavra (en-
O educador já não é o que apenas educa,
mas o que, enquanto educa, é educado, em tra aqui um conceito importantíssimo da filosofia/
diálogo com o educando, que, ao ser educa- pedagogia freireana: para o educador pernam-
do, também educa. Ambos assim se tornam bucano, na palavra há duas dimensões: ação e
sujeitos do processo em que crescem juntos reflexão, solidárias entre si; não há palavra ver-
e em que os ‘argumentos da autoridade’ já dadeira que não seja práxis, podendo-se, assim,
não valem [...]. Já agora ninguém educa nin- afirmar que a função da palavra verdadeira seja
guém, como tampouco ninguém se educa a de transformar o mundo).
a si mesmo; os homens se educam em co- É por meio do diálogo, também, que se
munhão, mediatizados pelo mundo. Media- elabora o conteúdo da educação, pois este não
tizados pelos objetos cognoscíveis, que, na
é trazido pronto, mas concebido e realizado no
prática “bancária”, são possuídos pelo edu-
cador, que os descreve ou os deposita nos grupo, nasce das situações históricas dessa co-
educandos passivos. (FREIRE, 1975, p. 78) munidade educativa e educadora, simultanea-
mente.

40 Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010


Fundamentos filosóficos da pedagogia...

Para o educador-educando, dialógico, pro- 2. CONSCIENTIZAÇÃO


blematizador, o conteúdo programático da
educação não é uma doação ou imposição Ao procurar o sentido que o educador
- um conjunto de informes a ser depositado pernambucano atribui à consciência, nota-se
nos educandos, mas a devolução organiza-
imediatamente que ele parte, como na teoria
da, sistematizada, e acrescentada ao povo,
daqueles elementos que lhe entregou de for-
do conhecimento, das relações dialéticas cons-
ma inestruturada. (FREIRE, 1975, p. 98) ciência-mundo. Observa-se: “A consciência e o
mundo se dão simultaneamente; exterior por es-
O fruto óbvio da educação para a liber- sência à consciência, o mundo é por essência,
tação há de ser, segundo Freire, uma revolução relativo a ela. Nessas relações é que a consci-
cultural dos opressores. ência e o mundo fazem a sua verificação simul-
Analisando toda a sua concepção de tânea”. (JORGE, 1979, p. 38)
educação, verifica-se que seu método educacio- Como pode-se notar, Paulo Freire acen-
nal está vinculado a uma ideologia, a uma visão tua o aspecto fundamental da consciência, ou
filosófica que tende a transformar a sociedade. É seja, não existe primeiro uma consciência e de-
o próprio Freire quem o afirma numa entrevista pois um mundo; ambos estão em interação: o
publicada na Revista Veja (20/06/79); o repórter mundo é relativo a ela e ela é relativa ao mun-
lançou a hipótese de que a educação freireana do. E justamente essa relação dialética cons-
fosse um método “assexuado”, neutro, descom- ciência-mundo é que implica os homens como
prometido com qualquer ideologia. Freire res- seres conscientes, isto é, são consciência de si
pondeu: e consciência do mundo; o ser humano é todo
consciência.
Quem disse isso, ou não entendeu nada ou Por conseguinte, Paulo Freire é o pri-
está de má-fé. Em meu método, parte-se do meiro a aplicar as palavras conscientização e
conhecimento do meio em que se vai desen- conscientizar ao setor da pedagogia; alguns até
volver a experiência da educação. Toma-se o credenciam como autor do vocábulo. Com seu
em consideração o universo vocabular do conteúdo vernáculo específico, as palavras aci-
grupo em questão, as palavras que são uti- ma foram introduzidas no vocabulário de idiomas
lizadas todos os dias e que exprimem a vida como o francês e o alemão, tidos como infensos
cotidiana daquelas populações. Desse uni-
à aceitação de neologismos.
verso vocabular são escolhidas as palavras
geradoras. Essas palavras encerram em si Atualmente, por todas as partes se fala
os temas da discussão que deverão corres- em conscientização. Isso tanto os que conhe-
ponder aos interesses dos alfabetizandos e cem a doutrina freireana como os que a igno-
deverão constituir o primeiro passo, por meio ram; o vocábulo parece que adquiriu um caráter
da discussão em grupo, em direção a uma mágico. “Conscientizar! Precisamos estar cons-
tomada de consciência individual e coletiva cientizados”... são expressões que aparecem
dos problemas discutidos. Este aspecto pu- nas salas de aula, conferências, livros, artigos,
ramente mecânico poderá ser utilizado por ônibus, escolas, ensinamentos. Mas, afinal, o
qualquer pessoa: tirar uma palavra geradora que é conscientização a partir da perspectiva
de um universo vocabular também pode ser
freireana?
feito por alguém que pretende mistificar a re-
alidade e a consciência dessa realidade. De Segundo Paulo Freire, creditar que a au-
minha parte, o conhecimento de uma realida- toria do vocábulo conscientização é de sua pes-
de que vai sendo construído pouco a pouco soa é engano.
a partir da experiência dos analfabetizandos,
está intimamente ligado à consciência cres- Na América Latina e nos Estados Unidos,
cente da capacidade de mudar essa reali- acredita-se que fui eu quem batizou esta pa-
dade. Conhecer para transformar, é este o lavra. Porém, a verdade é outra. Ela nasceu
objetivo. O que ficou sendo conhecido como de uma série de reflexões que uma equipe
Método de Alfabetização Paulo Freire, não é de professores desenvolveu no ISEB (Institu-
algo que se possa reduzir a um aprendizado to Superior de Estudos do Brasil). [...] A pala-
meramente lingüístico. Trata-se de aprender vra foi criada por um dos professores daque-
a ler a realidade - conhecê-la - para em se- la época, eu não saberia dizer qual; porém,
guida poder reescrever esta realidade - trans- o fato é que nasceu de suas reflexões em
formá-la. (BITTENCOURT, 1981, p. 70) equipe [...]. Eu convivia com todos eles e foi

Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010 41


AZEVEDO, J. A.

precisamente no ISEB que ouvi, pela primei- num compromisso histórico que significa enga-
ra vez, a palavra conscientização. Ao ouvi-la, jamento.
percebi, imediatamente, a profundidade de
seu significado, pois estava absolutamente A conscientização implica, portanto, que, ao
convencido de que a educação como práti- perceber-me oprimido, eu saiba que só me li-
ca da liberdade é um ato de conhecimento, bertarei se transformar essa situação concre-
uma aproximação crítica da realidade. Ne- ta em que me encontro oprimido, e que não
cessariamente, então, esta palavra começou posso transformar essa situação em minha
a participar do universo vocabular com que cabeça, porque isso seria idealismo no sen-
expressei minhas posições pedagógicas e, tido filosófico da palavra, seria cair em uma
facilmente, passou a ser considerada criação forma de pensar filosófica na qual a consci-
minha. (TORRES, 1979, pp. 93-94) ência “cria realidade”. Eu decretaria que mi-
nha consciência agora seria livre. Entretanto,
Na obra Pedagogia do oprimido, encon- as estruturas continuariam sendo as mesmas
tra-se a seguinte definição de conscientização: a e isto não realiza minha liberdade. Então, a
conscientização é o aprofundamento da tomada conscientização implica esta inserção crítica
de consciência. Em que consiste este aprofun- no processo, implica o compromisso histórico
damento? de transformação. (TORRES, 1979, p. 97)

[...] este aprofundamento é um ir além da Para Paulo Freire, o processo de cons-


fase espontânea da apreensão da realidade cientização, o como do ato de conscientizar-se,
a uma fase crítica [...] é a exploração da rea- dá-se pela educação, educação libertadora e in-
lidade nas suas estruturas [...] é um compro- serida na realidade, o que a torna oposta à edu-
misso no tempo [...] é um compromisso de cação bancária, incapaz de ser instrumento para
caráter histórico [...] uma inserção de manei- a liberdade.
ra crítica na história. (JORGE, 1979, p. 54)
A educação conscientizadora, portanto, para
Portanto, o aprofundamento da tomada a libertação, em vez de ser esse ato de trans-
de consciência, ou melhor, a conscientização, ferência de conhecimento, no qual certamen-
nada mais é do que um conhecimento proble- te não há conhecimento, é um ato de conhe-
matizador da realidade, conhecimento este que cer. Porque é um ato de conhecer, implica
vai requerer do homem uma ação transformado- um processo em que educadores e educan-
ra sobre o objeto cognoscível e que, no caso, é do assumem, simultaneamente, a posição de
sujeitos cognoscentes mediatizados pelo ob-
a realidade opressora.
jeto conhecido. Aqui não há uma pessoa que
pensa que sabe diante de muitas que dizem
Sendo, pois, a conscientização este aprofun-
que não sabem e que necessitam ser educa-
damento da tomada de consciência no qual
dos, mas há indivíduos curiosos que procu-
o homem conhece e implicando este uma
ram conhecer. (TORRES, 1979, p. 100)
atitude transformadora do homem, vemos
que ela, a conscientização, está composta
de dois momentos fundamentais: conhecer 3. DIÁLOGO E LIBERTAÇÃO
para transformar. Portanto, o homem estará
a nível de conscientização somente quando Ao longo da proposta dessa reflexão,
gozar do conhecimento da realidade, naquilo constatou-se que o diálogo é o instrumento para
que ela é em si, e for capaz de tomar uma a libertação, é o método para a comunhão me-
atitude transformadora, isto é, humanizado- diatizante da humanidade, o meio de os homens
ra, por sobre a mesma realidade. (JORGE, entrarem em comunhão.
1979, p. 54)
Muita gente leva, certamente, um grande
O primeiro passo para a libertação, na susto ou tem talvez uma grande decepção
concepção freireana, é descobrir-se oprimido, é quando, lendo os escritos de Paulo Frei-
a descoberta da opressão, que inibe a vocação re e procurando neles o instrumento para
ontológica do homem, a qual é ser mais e, por a libertação do mundo, encontra o diálogo.
consequência, ele passa a ser menos; porém, Por certo, como comenta Jesus Arroyo, tais
este primeiro passo só se torna um processo pessoas teriam desejado, seguramente, que
Paulo Freire apresentasse outros instrumen-
de libertação quando a libertação se transforma

42 Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010


Fundamentos filosóficos da pedagogia...

tos para a libertação, instrumentos violentos encontro dos homens que procuram tornar
como guerras, sangue, no estilo de tantos o mundo mais humano. E, então, com estas
outros “revolucionários”. Não. Tais instrumen- coordenadas, “encontro”, “mundo mediador”
tos não aparecem no pensamento de Freire. e “amor”, Freire parte para a sua definição de
Para ele, o real instrumento da libertação é o diálogo: “um encontro amoroso dos homens
diálogo. (JORGE, 1979, p. 33) que, mediatizados pelo mundo, o pronun-
ciam, isto é, o transformam e transforman-
Porém, qual a justificativa para a presen- do-o, o humanizam para a humanização de
ça do diálogo no processo de libertação? todos”. (JORGE, 1979, pp. 35-36)
Observando as entrelinhas do pensa-
mento freireano, notar-se-á que a libertação que Sendo, pois, o diálogo este encontro
se procura é a libertação dos seres humanos e amoroso para a humanização, ele não pode
não das coisas e, portanto, o processo para se prescindir da união, coesão e participação de to-
consegui-la deve ser, antes de tudo, profunda- dos os sujeitos dialogantes. São esses elemen-
mente humano. E nada mais humano que o di- tos que fundirão o “eu” e o “tu” no “nós”, por in-
álogo; justamente por isso, ele é o instrumento termédio das relações personalizantes e dentro
por excelência da libertação, por ser ele o meio daquele horizonte cultural que envolve todos os
para humanizar o homem. “O diálogo é a con- homens.
dição fundamental para a verdadeira humaniza- O diálogo se plenifica na comunhão, no
ção dos homens”. (JORGE, 1975, p. 160) ser-com e, justamente por isso, o diálogo só é
O diálogo contém em si aquilo que o ho- possível na comunhão e não nas posições an-
mem tem de mais seu: a palavra, e a mesma tagônicas, as quais geram violência, nas quais o
se existencializa no diálogo. Por isso, na visão homem se transforma em objeto; transformando-
libertadora freireana, sem a palavra do homem se em objetos, não cumpre a vocação ontológica
não pode haver libertação. “Esta palavra torna- e é impedido de ser.
da diálogo existencial - comunicação e interco- Entretanto, para que o diálogo possa
municação, ação e interação, relação - implica alcançar este objetivo de libertação, sendo o
um compromisso: a humanização do mundo de verdadeiro instrumento, Paulo Freire coloca di-
todos os homens. Daí que, segundo Freire, os versas exigências, as quais se constituem com-
homens não podem se humanizar senão huma- ponentes essenciais de todo diálogo libertador.
nizando o mundo”. (JORGE, 1979, p. 34) Esses componentes essenciais são: o amor, a
No pensamento de Paulo Freire, eis, pois humildade, a fé e confiança nos homens e a es-
o que é o instrumento da libertação: o diálogo, perança.
palavra dos homens entre si, uns com outros, A partir disso, Paulo Freire não admite
dialogicamente. E neste diálogo, consciente e os homens que não sejam capazes de comuni-
autêntico, é que o mundo será libertado. Segue- cação porque, por natureza, são comunicação.
se, no âmbito do diálogo libertador, a sua natu- Ora, os homens se comunicam pela palavra e,
reza, seus componentes e a palavra transforma- para Paulo Freire, toda palavra autêntica é prá-
dora e humanizadora. xis e a prática é ação e reflexão dos homens so-
Fundamentalmente, o diálogo, para Frei- bre o mundo com o objetivo de transformá-lo.
re, é uma relação de comunhão entre dois pólos,
A transformação do mundo é um dever de
um eu e um tu, ambos sujeitos e conhecedores
todos os homens. Esta, porém, segundo o
do mesmo objeto que os imediatiza. O objeto
pensamento freireano, não deve ter como
que mediatiza os sujeitos dialogantes é a liber- modelo ou método a luta armada. A verda-
tação. Daí que a mediação do mundo é a base deira transformação é a da denúncia de um
do diálogo autenticamente libertador. E é nesta mundo injusto e a proclamação de um mun-
linha que Freire concebe o diálogo, como um en- do mais justo e equânime. Ora, se ao homem
contro por meio da mediação do mundo e cujo compete esta transformação como sujeito, a
objetivo é dar um nome a este mundo. ele compete esta denúncia e este anúncio.
Tal ele o faz com a palavra. Pela sua palavra,
Mas este encontro para “dar um nome ao pois, o homem é alçado ao ápice de sua his-
mundo” - e aqui Freire volta a insistir na vir- tória: sujeito da criação e recriação da histó-
tude-base de todo diálogo libertador - não ria do mundo e dele. Com ela, o homem vai
pode prescindir do amor. O amor é a base do fazendo a verdadeira história, “pronunciando

Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010 43


AZEVEDO, J. A.

o mundo”. E este, problematizado, “retor- bre as linhas filosóficas que mais influenciaram o
na, por sua vez, aos sujeitos pronunciantes, pensamento de Paulo Freire e que são, de certa
exigindo deles um novo pronunciamento”. E maneira, o substrato antropológico e cosmoló-
deste modo, o homem vai criando, transfor- gico de compreensão de suas obras e atividade
mando e humanizando o mundo e a si. Nesta
pedagógica.
perspectiva - a palavra criadora e transfor-
madora – [...] “imita a palavra divina que é
O pensamento de Paulo Freire está, [...], em-
criadora por excelência”. (JORGE, 1979, pp.
bebido nas mais autênticas filosofias que ti-
48-49)
veram o homem como centro, isto é, aquelas
que têm o mesmo objetivo dele. Ele não é,
4. A GÊNESE IDEOLÓGICA FREIREANA pois, uma “antologia” como se poderia con-
cluir intempestivamente. Seu pensamento
Um dos aspectos mais marcantes da baseado no neotomismo, no humanismo,
ideologia freireana é sua concepção de liberda- no personalismo, no existencialismo e no
de, sua origem e desenvolvimento. Para Freire, neomarxismo é uma síntese pessoal, mas
liberdade, educação, conscientização, diálogo tão pessoal e objetiva que, no ato mesmo
estão intrinsecamente ligados, justapostos. Des- de ser síntese, já se constitui num sistema
sa maneira, pode-se, assim, perguntar: Qual a doutrinário com fundamentação, objetivos e
métodos específicos enquanto, retomando
gênese ideológica de Paulo Freire? Quais as
essas filosofias, cujo objetivo central é o ho-
suas bases filosóficas?
mem, ele as repensou dentro das exigências
Num primeiro impulso, remeteríamos da realidade sua e com a qual se encontrava
suas idéias e fundamentos aos sociólogos e filó- comprometido e as traduziu para uma linha
sofos que anteriormente haviam feito reflexões de filosofia prática. Daqui que a gênese de
sobre o assunto. Mas se assim procedêssemos, Paulo Freire é o próprio pensamento de Pau-
estaríamos incidindo em dois graves erros. O lo Freire. (JORGE, 1979, pp. 21-22)
primeiro seria aquele de uma falta de objetivida-
de crítica frente ao pensamento de Paulo Freire No pensamento de Freire aparece, com
e, o segundo, seria o de estarmos cometendo especial relevo, a figura de Tristão de Atayde,
um erro contra a verdade, não aceitando suas “[...] crítico, pensador, professor e que, após a
idéias como algo pessoal e autêntico. sua conversão em 1928, através de seu amigo
Antes de procurarmos a gênese ideoló- Jackson de Figueiredo, se tornou um líder ca-
gica de Paulo Freire, é necessário afirmar que tólico e uma das maiores figuras intelectuais
o seu pensamento é totalmente autêntico e pes- do Brasil”. (JORGE, 1979, pp. 18) Paulo Freire
soal, isto é, é obra sua, nasce de sua vida e de mesmo afirma que sempre nutriu para com Tris-
suas experiências, provém de sua concepção de tão de Atayde uma admiração ilimitada.
verdade e sinceridade, é gerado pela luta e em- Segundo Jorge, foi por intermédio de
penho pela libertação do homem oprimido, prin- Tristão que Paulo Freire chegou ao neotomismo
cípio dinamizador de suas atividades. maritanista.
Na vivência da realidade dos oprimidos,
Paulo Freire pensou, repensou e refletiu e ama- Às vezes, é claríssima a presença de Ma-
dureceu seus pensamentos e suas ideias até ritain no pensamento de Freire, como por
que, num dado momento, ele pôde apresentá- exemplo, quando ele diz que não se pode
pensar em educação sem antes pensar no
los como um fruto pessoal, autenticamente seu.
homem; o neo-tomista francês isso mesmo o
Desse modo, podemos afirmar que a gê- afirma dizendo que não se pode estabelecer
nese ideológica de Paulo Freire é ele mesmo. nem orientar a educação que precisa saber,
E é nessa mesma prática real que se encontra antes de tudo, o que é o homem, qual a sua
a origem de sua filosofia prática, da educação natureza e a escala de valores que neces-
para a libertação, reflexão e ação, a qual se con- sariamente abrange. Claro que, num homem
cretiza no seu objetivo: a libertação do homem tão profundamente humano como o é Paulo
oprimido. Freire, toda a filosofia humanística tinha que
Para que esse objetivo - libertação do ter profundas repercussões nas suas refle-
homem oprimido - se concretize, Freire se utiliza xões. (JORGE, 1979, pp. 18-19)
de um “estratagema”: a educação.
Passe-se, agora, a refletir um pouco so- O personalismo de Emanuel Mounier

44 Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010


Fundamentos filosóficos da pedagogia...

também faz parte do aprofundamento do pen- que o grande valor e sentido combativos do
samento de Freire, principalmente na questão pensamento de Fromm contra a alienação e
da reivindicação da dignidade da pessoa como contra a massificação do homem é que mais
fundamento. Como Mounier, Freire combate a interessam a Freire. Devido a esses elemen-
tos de Eric Fromm, esse ficou bem integrado
coisificação do homem e a sua alienação pelos
no pensamento freireano. (JORGE, 1979, p.
opressores. 21)
Em seu pensamento também pode-se
encontrar a presença da filosofia existencialista, Como não poderia deixar de ser, densifi-
pois essa aparece nas noções sobre a existên- cando o pensamento de Freire, ecoa Karl Marx.
cia e sobre o caráter histórico do homem. Assim, Torna-se importante entender a adoção de cer-
vemos Paulo Freire se aproximar de Kierkega- tos parâmetros marxistas por parte de Paulo
ard, tendo a mesma preocupação do filósofo Freire: tal adoção, que deve ser entendida de
dinamarquês, isto é, preocupação com uma fi- maneira aberta e não dogmática, não implicou
losofia da existência na qual o homem é realça- utilizar os marxismos como modelos ou mesmo
do no seu existir concreto: o homem é um ser a concordância com suas noções teleológicas e
concreto, diz Freire, que existe no mundo e com positivistas, componentes das suas “vulgatas”.
o mundo. Freire tem a noção de democracia e diálogo
A noção freireana de existência vista como fundamentais, as quais não suportariam a
como existência concreta e não como mera filo- ditadura do proletariado ou do partido ou qual-
sofia abstrata, isto é, uma filosofia que seja prá- quer outra ditadura.
xis, é exatamente a mesma que procura Gabriel
Marcel. “O ‘être avec’ de Gabriel Marcel é reto- Mais concretamente, pode-se afirmar que
mado por Paulo Freire, tornando-se fundamento o materialismo histórico tem marcado mais
da sua concepção do existir do homem no mun- profundamente as análises da realidade fei-
do e com o mundo [...]”. (JORGE, 1979, p. 19) tas por Paulo Freire principalmente a partir
A concepção antropológica de Paulo de 1970. Marx realizou uma fenomenologia
Freire é aquela em que o homem é um ser que concreta das relações econômicas de seu
pergunta, se interroga e vive num jogo de suas tempo, e seu método tem profunda vigência
respostas; Heidegger pensa semelhante a Paulo na atualidade, embora não se possam apli-
car os mesmos esquemas hoje, de forma
Freire: o homem é o que se interroga pelo pró-
estereotipada. Além disso, orientou o sentido
prio ser. da filosofia para a ação como guia da prática
O método para a libertação do homem e realçou o sentido dialético de toda a rea-
oprimido, segundo Freire, é o diálogo, porque, lidade. Nesse aspecto, Freire segue a linha
por meio dele, os homens se encontrarão, se traçada por Marx, tanto ao fazer o retrato do
comunicarão e superarão as situações de explo- oprimido como ao encarar a realidade da prá-
rados. xis como o verdadeiro caminho da libertação
do homem. E, sempre que fala da criticida-
Em todo o decorrer da sua doutrina dialógi- de da consciência, Freire estabelece relação
ca, notamos a presença de Karl Jaspers que imediata com a dialeticidade, considerando-a
luta pela comunicação dos homens entre si como algo específico da própria consciência
porque o isolamento significa a destruição. crítica. (TORRES, 1981, pp. 50-51)
Karl Jaspers é o filósofo “existencialista” (sa-
bemos que ele não aceita a sua classificação E não poderíamos deixar de mencionar,
como existencialista) do diálogo. Para Freire, como o próprio Freire admitiu, a grande influên-
o diálogo é que conduz à libertação. (JOR- cia que Antonio Gramsci possui sobre o educa-
GE, 1979, p. 20) dor brasileiro. Gramsci é aquele que pensará a
educação – partindo de sua realidade e contexto
Muito interessante é a presença do neo- históricos – como relação de poder transforma-
marxismo no pensamento de Paulo Freire; isso dor do conhecimento, a partir do qual se tornaria
certamente por ser essa doutrina a da luta contra possível produzir a disseminação de uma cultura
a alienação e contra a massificação do homem. que compreende a ação política como uma prá-
tica pensada no interior da sociedade civil e este
Há muita presença do pensamento de Eric
espaço de recriação do conhecimento – a educa-
Fromm na ideologia freireana [...] cremos

Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010 45


AZEVEDO, J. A.

ção – representa o surgimento de um novo tipo mútuo, um ser que cresce, espiritual e conscien-
de intelectual: alguém que não se constitui como temente, na relação dialética da construção da
reprodutor das estruturas sociais dominantes, sociedade.
mas, ao contrário, se coloca a serviço da cons- Perante a massificação e alienação da
trução de um novo modelo de sociedade. sociedade, a ideologia freireana grita, por meio
Freire é aquele que, também devido ao de um método de alfabetização e educação, que
seu contexto histórico, percebe no espaço polí- o homem necessita de liberdade e conscienti-
tico a disputa entre dois modelos de desenvolvi- zação, que é o aprofundamento da tomada de
mento e inicia a sua ação pedagógica libertado- consciência.
ra, propondo uma educação que caminhe dos Não se pode, de maneira alguma, silen-
aspectos políticos para uma totalidade política, ciar a intenção fundamentalmente reta de Paulo
ou seja, propõe uma pedagogia com os oprimi- Freire, que se preocupa com as massas e o pro-
dos e não uma pedagogia para os oprimidos. letariado, visando a promoção dessa parte das
O contexto de vida de ambos os edu- populações do Terceiro Mundo, dirigindo-se à
cadores – o italiano e o brasileiro -, que revela promoção da vocação ontológica do ser huma-
uma profunda experiência de cidadania, serviu no: ser mais. Entretanto, alguns questionamen-
como base para a formação das teorias educati- tos quanto à sua ideologia devem ser levados
vas suas. Paulo Freire afirmava que toda educa- em conta:
ção é um ato político e todo ato político, um ato Segundo o pensador pernambucano, há
educativo. Sua concepção, então, lembra Gra- uma subordinação do conhecimento e da pala-
msci, para quem a educação deve possibilitar a vra à transformação do mundo ou à práxis; ora,
construção de uma pedagogia que ultrapasse crê-se que não se pode dizer que a eficácia
os limites do conhecimento formal das discipli- transformadora do conhecimento seja o critério
nas, alcançando a capacidade de relacionar os da autenticidade do próprio conhecimento.
saberes escolares com uma nova leitura da so- A realidade ou extensão do ser é mais
ciedade. ampla do que o âmbito do socioeconômico-
Entretanto, como conclusão de tal apro- político. Por isto, há enorme valor em conhecer
ximação, faz-se necessário estabelecer uma di- também as verdades que não se prendem dire-
ferença entre Freire e Gramsci: o pensamento tamente ao político; há verdades de ordem es-
de ambos é político-pedagógico, mas a ênfase peculativa que não alienam necessariamente o
– e deve-se frisar tal situação – do primeiro se dá homem, mas o podem habilitar a ser mais sábio
no campo educativo e do segundo, no político. transformador deste mundo.
Dessa maneira, percebe-se em Paulo Para Freire, a educação domesticadora
Freire que a significação do mundo e a conscien- ou bancária inibe a vocação ontológica do ser
tização se estabelecem na relação com o outro, humano; segundo ele, a solução para acabar
isto é, o locus de transformação da realidade se com a diminuição do ser é a educação libertado-
dá na alteridade. ra; todavia, a mesma não poderia ser manipula-
dora e, num processo inverso, tornar-se domes-
CONSIDERAÇÕES FINAIS ticadora?
Mas nenhum dos questionamentos acima
Percorridas as reflexões referentes aos retira a sua intenção de imprimir no ser humano
conceitos fundamentais freireanos e as suas ba- o que ele possui de mais intrínseco: a humani-
ses filosóficas, é necessário relembrar: a exis- dade, a qual ele não se cansa de afirmar, cresce
tência na atualidade requer uma tomada de posi- nas relações dialógicas em vista da libertação,
ção, exige uma iniciativa a favor ou contra a vida que passa pela conscientização.
e a dignidade humanas. Perante isso, fazem-se
necessárias certas análises do sistema hodierno REFERÊNCIAS
para se entender as conjecturas e as necessida-
des da sociedade. BITTENCOURT, E. O método Paulo Freire em
Assim sendo, a figura de Paulo Freire debate. Revista Pergunte e Responderemos,
vem em nosso auxílio e possibilita relembrar que Rio de Janeiro, n. 254, 1981.
o ser humano é um ser de diálogo e comunica-
ção, de abertura e comunhão, de crescimento BRANDÃO, C. O que é método Paulo Freire.

46 Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010


Fundamentos filosóficos da pedagogia...

São Paulo: Brasiliense, 1981. Paulo: Loyola, 1981.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade. 4. VANNUCCHI, A. Paulo Freire ao vivo. São
ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. Paulo: Loyola, 1983.

______. Conscientização: teoria e prática da WREN, B. Educação para a justiça. São Paulo:
liberdade. São Paulo: Moraes, 1980. Loyola, 1979.

______. Educação como prática da liberdade. FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DE LA PE-


9. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. DAGOGÍA DE PAULO FREIRE

______. Educação e mudança. 2. ed. Rio de Resumen: Paulo Freire, educador mundialmente
Janeiro: Paz e Terra, 1979. conocido, obtuvo en la encarnación histórica a
su forma de educar: educar para la liberación.
______. Extensão ou comunicação? Rio de El proceso educativo nace, necesariamente,
Janeiro: Paz e Terra, 1971. de las concepciones filosóficas, antropológicas
y cosmológicas del educador. Comprender la
______. Pedagogia da autonomia. Rio de Ja- pedagogía de Paulo Freire a partir de sus fun-
neiro: Paz e Terra, 1997. damentos filosóficos es confrontarse con el “ar-
ché”, de su forma de concebir el mundo y actuar
______. Pedagogia do oprimido. 3. ed. Rio de en lo mismo. Una educación como práctica de la
Janeiro: Paz e Terra, 1975. libertad, buscando concienciación y proponien-
do la relación dialógica como instrumento para
GRAMSCI, A. Dos cadernos do cárcere. In: la liberación, pudiendo ser comprendida a partir
COUTINHO, C. N. Porto Alegre: LPM, 1981. de sus fundamentos, o sea, de las concepciones
filosóficas de aquel que propone un método edu-
JAPIASSU, H. A pedagogia da incerteza. Rio cativo, o mejor, un camino pedagógico.
de Janeiro: Imago, 1983. Palabras clave: Paulo Freire; Filosofía; Funda-
mentos.
JORGE, J. A ideologia de Paulo Freire. São
Paulo: Loyola, 1979.

______. Sem ódio nem violência. São Paulo:


Loyola, 1979.

PILETTI, C. Filosofia da educação. 7. ed. São


Paulo: Ática, 1995.

ROSSETTI, F. Freire lança pedagogia da auto-


nomia. Folha de São Paulo, São Paulo, 31 mar.
1997. Caderno 3, Cotidiano. p. 10.

ROSSI, W. Pedagogia do trabalho: caminhos


da educação socialista. São Paulo: Moraes,
1982.

TORRES, C. A práxis educativa de Paulo Frei-


re. São Paulo: Loyola, 1979.

______. Diálogo com Paulo Freire. São Paulo:


Loyola, 1979.

______. Leitura crítica de Paulo Freire. São

Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010 47


AZEVEDO, J. A.

ISSN 1517-6304

t Publica trabalhos referentes às áreas de Ciências


Contábeis, Administração e Economia.

t Periodicidade: Semestral

t e-mail: rcempresariais@unipar.br
http://revistas.unipar.br/empresarial

O conhecimento não é nada se não for compartilhado

48 Akrópolis, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010