Você está na página 1de 4

Max Weber em seu texto avalia o Espírito do Capitalismo como uma

individualidade histórica, de um ponto de vista no qual existe uma significação


cultural. Sem o propósito de fundamentar, e sim, entender. Weber avalia fatos
históricos pela visão do desenvolvimento do capitalismo, que para ele, é descrito
como um “espírito” , um pensamento, uma ideologia e não a apenas a busca
incessante pelo lucro e pelo acúmulo de riquezas materiais.

Logo no início do capítulo ele explica que o capitalismo pode ser entendido
como uma ética peculiar, a qual podemos notar nos textos de Benjamin Franklin, um
dos lideres da independência dos Estados Unidos da America. Em seus discursos de
liberdade ele afirmava que “ganhar dinheiro dentro da ordem econômica moderna é,
enquanto isso for feito legalmente, o resultado e a expressão da virtude e da eficiência
de uma vocação”.

Para o sociólogo o Ocidente, em toda a sua história, desenvolveu de uma


forma diferenciada o capitalismo : a partir da organização sistemática,livre mão-de-
obra , desenvolvimento e evolução da ciência e da tecnologia. O protestantismo e o
calvinismo foram de certa forma o “espírito” que impulsionou os instintos capitalistas
no Ocidente.A moral individualista fundada pela doutrina Calvinista, foi segundo
Max Weber, o que deu força ao capitalismo ocidental.

Num certo ponto do texto Weber se direciona ao Tradicionalismo e o encara


como um adversário deste Espírito Capitalista. Dando como por exemplo o acumulo
de capital apenas para sobrevivência tão praticado antigamente. Porém, ele também
alega que existem muitas empresas com a finalidade do lucro que podem trazer em si
um caráter “tradicionalista” garantindo a característica de comparação e não definição
de suas opiniões.

O protestantismo é estudado como um fator cultural essencial e determinante


para a definição e desenvolvimento do capitalismo, segundo o autor. Se contrapondo
novamente ao materialismo histórico, Weber nos proporciona uma inversão da teoria
marxista : onde uma ética, a protestante, foi capaz de criar (e impulsionar) condições
ao desenvolvimento econômico e se tornar uma das teorias básicas da sociologia.
Através de uma análise lógica onde o homem capitalista se baseia em duas
premissas básicas para enriquecer : atingir a maior acumulação de capital possível e
gastar apenas o que for necessário para si próprio; Weber nos descreve que
influenciados pela religião, os homens através dessas crenças essa despertam o
espírito capitalista instigado pelo protestantismo mesmo que subjetivamente.

Em determinado momento do texto Weber nos salienta que “pessoas de


natureza imbuída do espírito capitalista, se não são diretamente hostis à Igreja
Católica, com certeza diferentes dela” apesar disso é necessário destacar que para ele
o espírito capitalista em nenhum momento foi instigado por conseqüência pura da
Reforma Protestante e das adversidades com a Igreja Católica. Antes de tudo, o que
dá sentido à suas pesquisas são o quanto as influências religiosas participaram desse

fenômeno e não se são, somente elas, a única razão do surgimento do capitalismo.


Segundo Weber somente “se poderá avaliar em que medida os fenômenos culturais
contemporâneos se originam historicamente em motivos religiosos e em que medida
podem ser relacionados com eles”.

Ao estudarmos a obra de Max Weber somos levados a concluir que o homem


cria e afirma valores pessoais que são de certa forma históricos, individuais e sociais.
O conflito social tão estudado pelo sociólogo é inevitável perante tanta diversidade de
opiniões e de valores distintos. Para ele o capitalismo se estrutura a partir de uma
racionalização burocrática e na separação da instituição família e empresa e com o
protestantismo e sua ética o ser humano antigamente influenciou, mesmo que não
diretamente a despertar esse sentimento materialista e isto o torna diferente do
“pregado” por Karlx Marx.
Escola Superior de Propaganda e
Marketing

Curso de Relações Internacionais

Max Weber e o Espírito do


Capitalismo

Parecer da disciplina de Sociologia da Religião

Nome: Raphaella Coty Narvaes

Prof ͣ: Vanessa Pereira

Turma: RINT 4B
25 de agosto de 2010

Você também pode gostar