Você está na página 1de 6

Resumo

A necessidade do sono está intimamente ligada as funções físicas e psíquicas


e podemos dizer que todos os seres necessitam dormir para executar suas
atividades mínimas quando o indivíduo começa a ter problemas ou a falta de
sono pode desenvolver várias disfunções, desde problemas no sistema
imunológico, déficits cognitivos, até o descontrole do peso. E como a insônia
tipifica como um pertinaz distribuo comprometendo a qualidade de vida da
pessoa. Outro fator desencadeante para a alteração do sono e o fator
estressor, como trabalho ou assuntos afetivos. Em suma o sono ou a falta do
sono pode estar ligado á está ligada a uma infinidade de distúrbios tais como;
Transtornos de Ansiedade, Transtornos Depressivos, Estresse, Alcoolismo,
Transtorno Bipolar.

Palavra chave: sono, insônia, patologia, distúrbios, psicose, transtornos


aprendizagem.

ABSTRACT

The need for sleep is closely linked to physical and psychic functions and we
can say that all beings need to sleep to perform their minimal activities when the
individual begins to have problems or lack of sleep can develop various
dysfunctions, from problems in the immune system, deficits until the weight is
uncontrollable. And how insomnia typifies how a persistent person distributes
compromising the quality of life of the person. Another triggering factor for the
alteration of sleep and the stressor, such as work or affective issues. In short,
sleep or lack of sleep can be connected to is linked to an infinity of disorders
such as; Anxiety Disorders, Depressive Disorders, Stress, Alcoholism, Bipolar
Disorder.

Key words: sleep, insomnia, pathology, disorders, psychosis, learning disorders.


O sono na evolução

O historiador norte-americano Roger Ekrich, pesquisou referências históricas


que remontam desde a antiguidade, através de seu trabalho ele afirma que as
pessoas costumavam dividir suas noites de sono em dois períodos de quatro
horas. Ekrich revelou que normal que as pessoas se deitassem duas horas
após o pôr do sol. Depois de quatro horas, se despertavam, saiam para
caminhar ou realizavam qualquer atividade durante uma ou duas horas,
voltando a dormir por mais quatro horas, em um padrão de sono dividido em
dois turnos.

O sono e a mitologia

Na histórias mitológicas a linhagem familiar do Deus do Sono é muito


interessante. Hypnos é filho de Nix, a noite e Erubus, a escuridão, ele é
considerado o deus grego do sono e da sonolência, mas não dos sonos que
resultam em cansaço e fadiga. Hypnos tinha um irmão gêmeo, Thanatus, o
deus da morte. Portanto sua família é a noite, a escuridão e a morte, sendo ele
o sono. Hypnos é o responsável pelo descanso das criaturas terrestres
enquanto seu irmão, Thanatus, pairava na superfície. A cama de Hypnos ficava
no meio do palácio, com grandes cortinas negras ao seu redor, assim como é
retratada em diversas pinturas. Morpheus ficava ao redor da cama cuidando
para que o sono de seu pai não fosse interrompido de forma alguma. Hypnos, o
deus do sono, é muitas vezes retratado com chifres que contém ópio e outras
plantas hipnóticas. Suas vestes eram douradas, enquanto a de seu irmão
gêmeo seria prateada. Algumas vezes Hypnos foi retratado com asas e
tocando flautas, para que os homens adormecessem, praticamente a
simbologia de um anjo, como se o sono fosse algo divino, mesmo que algumas
vezes possa ser perturbador. A união Hypnos e Morpheus deu origem a duas
palavras muito conhecidas em nosso vocabulário. Em 1843 o médico escocês
James Braid desenvolveu uma técnica de transe muito semelhante ao sono.
Em suas pesquisas ele encontrou esta história mitológica, o hipnotismo
recebeu esse nome graças a Hypnos, o deus do sono. Um farmacêutico
alemão recorreu a história de Morpheus para dar nome ao principal alcalóide
do ópio, que ele havia separado pela primeira vez. Friedrich Sertüner chamou
de morphium ou morphin uma das substâncias mais conhecidas do mundo,
que no português chegou em 1841 conhecida como morfina.

Ícelo (Ikelos, "aparência") ou Fobetor (Phobetor, "assustador") é um dos


Oneiros, personificações do ato de sonhar. De acordo com Hesíodo Fobetor é
filho de Nix, deusa primordial da noite, produzido partenogeneticamente ou,
segundo o autor romano Cícero, com Érebo, a personificação da escuridão.

Fobetor tem a capacidade de aparecer no reino dos mortais na forma de


diversos animais e alterar sua forma física para interagir com os mortais neste
mundo; personificação dos pesadelos, aparece nos sonhos na forma de
animais ou monstros. Entre os próprios deuses, no entanto, é conhecido pelo
seu nome real, Ícelo; juntamente com seus irmãos vive na terra dos sonhos
(Demos Oneiroi), parte do Hades, o mundo inferior dos antigos gregos.

Fântaso ou Fantasos (possivelmente do grego Φαντασος, transl. Phantasos,


pelo latim Phantasus), na mitologia grega, é o deus da fantasia e um dos
oneiros. É irmão de Hipnos (sono) e filho de Nix (noite). Aparece nos sonhos,
na forma de objetos inanimados ou "sem vida" (no sentido greco-romano),
como rochedos, água e bosques. Seus dois irmãos, Morfeu que toma a forma
humana e é capaz de imitar mesmo as peculiaridades mais sutis de cada
pessoa e Fobetor (conhecido por outros deuses como Ícelo, seu "verdadeiro
nome") que toma a forma das bestas, podendo imitar as aves, quadrúpedes e
serpentes - o auxiliam nos sonhos; Morfeu toma conta dos sonhos plausíveis,
enquanto Fobetor dos pesadelos.

Sono e doenças

A qualidade do sono também permite prever se uma doença neurológica vai


melhorar ou piorar. O sono desempenha um papel importante no processo de
reparação do cérebro. Na verdade, o sono é importante para que o cérebro
recupere de um acidente vascular cerebral. Os distúrbios associados a
doenças mentais podem ocorrem entre portadores de psicoses, transtornos de
humor e transtornos da ansiedade, e podem alterar a qualidade e a
continuidade do sono, os distúrbios associado a uma doença neurológica
ocorrem entre portadores de doenças degenerativas cerebrais, demências, mal
de Parkinson, insônia familiar fatal, epilepsia relacionada ao sono, estado de
mal epilético de sono e cefaleia relacionada ao sono e para finalizar distúrbios
associados a afecções médicas: ocorrem entre portadores de alterações
relacionadas aos sistemas cardiovascular, respiratório e digestivo (Reimão,
1996), como isquemia cardíaca noturna, doença pulmonar obstrutiva crônica,
refluxo gastresofágico relacionado ao sono e doença do sono.

Sono e reparação

O ciclo sono-vigília encontra-se relacionado ao fotoperiodismo decorrente da


alternância dia-noite, sendo influenciado pela luz ambiente durante o dia e pela
produção de melatonina durante a noite atua no início e na manutenção do
sono. Alterações no sono determinam má qualidade ao desempenho e
interferem na saúde, às vezes, de forma muito grave. As pessoas
apresentam necessidades diferentes em relação ao sono. Seria certo dizer
que seja adequado dormir entre 7 e 8 horas por noite, para a maioria das
pessoas, existem aquelas que precisam entre 4 e 10 horas então o que
podemos alegar que é um sono satisfatório não pode ser medido em horas
absolutas, mas sim em relação ao quanto o sono foi reparador para
o indivíduo (AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION, 1994). O sono é
uma função prioritária para o equilíbrio físico e psicológico do ser humano ,
pois é um dos principal mecanismo homeostático do organismo, tendo um
papel fundamental no funcionamento do cérebro, para isso existe o sono
para uma reparação das condições orgânicas e desenvolvidas outras
funções, como a reorganização do aprendizado adquirido durante o dia.
Portanto, uma noite bem dormida, com um sono reparador, é fundamental
para a saúde e melhoria a qualidade de vida.

Sono no processo da aprendizagem

O processo de aprendizagem é configurada como uma atividade cognitiva, isso


ocorre a partir da consolidação da memória com um papel importante do sono
esse processo interfere no humor, na memória, na atenção, nos registros
sensoriais, no raciocínio, enfim nos aspectos cognitivos que relacionam uma
pessoa ao seu ambiente. O sono noturno ajuda na consolidação das
memórias declarativas ou não-declarativas. Na adolescência, passamos por
um atraso no relógio biológico de sono e vigília – nosso corpo quer ficar
acordado até mais tarde e acordar mais tarde. A liberação de melatonina, o
hormônio que induz o sono (cuja liberação é sincronizada com a diminuição da
luz solar) é atrasada. O que é um problema para os adolescentes e a escola. A
instituição Americana, National Sleep Foundation orienta que jovens durmam,
no mínimo, 8 horas por noite, porque os jovens que dormem menos que isso
apresentam uma ou mais dessas características associadas à alteração do
sono e vigília. Relatam que mudar os horários diurnos das aulas aumentaria a
frequência dos estudantes, reduziria atrasos e ajudaria a melhorar o
desempenho escolar, pois que o sono é mais do que uma simples regeneração
do nosso sistema nervoso. Durante o sono, dá-se a ativação do processo de
aprendizagem (Huber et al., 2004), tendo um papel fundamental para a
formação da memória a longo prazo. Este processo da memória inicial, que se
forma assim que aprendemos uma nova tarefa, é susceptível a interferências.
Ao fim de um tempo específico, inicia-se um processo automático designado de
consolidação da memória, que estabiliza essa memória. Segundo Robert
Stickgold o nosso cérebro funciona melhor após um descanso e, ainda melhor,
após uma noite de sono, este processo também está ligado a uma solução
para um problema complicado, enquanto dormimos o nosso cérebro continua a
trabalhar na procura dessa solução.

Sono e plasticidade
Bibliografia

O Livro de Ouro da Mitologia: Histórias de Deuses e Heróis. Capítulo IX - Ceix e Alcíone: As


Alcíones.

http://www.history.vt.edu/Ekirch/

Culebras, A. (2006). Sindrome de apnea del sueno: soluciones a corto plazo y riesgo
cerebrovascular a largo plazo. Revista de Neurología,

Reimão, R. (1996). Sono: estudo abrangente (2a. ed.). São Paulo: Atheneu.

Quinhones MS, Gomes MM. Sono no envelhecimento normal e patológico: aspectos clínicos e
fisiopatológicos. Rev Bras Neurol. 2011;

Valle LELR, Ribeiro do Valle M, Valle EL. Sono e aprendizagem. In: Segredos do sono.
Reimão R, Rossini S, Valle LEL, Ribeiro do Valle M, orgs. Ribeirão Preto:Tecmedd Editora;2008

Huber, R. et al. “Sleep Homeostasis in Drosophila Melanogaster”, in Sleep, v. 27, n. 4,. 2004, p.
628. JONES, M. W. et al. “A Requirement for the Immediate Early .

Stickgold R (2005) Sleep-dependent memory consolidation. Nature 437: 1272-1278.


doi:10.1038/nature04286.