Você está na página 1de 31

G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Eletromagnetismo Aplicado –
Propagação de Ondas Guiadas
Guias de Onda - 1/2

Heric Dênis Farias


hericdf@gmail.com
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

P ROPAGAÇ ÃO DE O NDAS G UIADAS - G UIAS DE O NDA


1/2

I Introdução;

I Guia de Onda Retangular;

I Modos Transversais Magnéticos;

I Modos Transversais Elétricos;

2/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

I NTRODUÇ ÃO
Como visto anteriormente, linhas de transmissão são utilizadas
para transportar energia de forma guiada. Um guia de onda é outro
meio de atingir o mesmo objetivo, entretanto, guias de onda diferem
das linhas de transmissão:
I Linhas de transmissão só suportam ondas transversais
eletromagnéticas enquanto os guias de onda podem suportar
vários modos diferentes;
I Na faixa de micro-ondas (3 – 300 GHz, aproximadamente), as
linhas de transmissão tornam-se ineficientes, principalmente
devido ao efeito pelicular e às perdas nos dielétricos, enquanto os
guias de onda operam bem nesta faixa de frequências;
I Guias de onda podem operar desde corrente contı́nua (f = 0) até
altas frequências, enquanto os guias de onda operam somente
acima de um certa frequência, atuando como filtros passa-alta,
ou seja, guias de onda não transmitem corrente contı́nua e
tornam-se excessivamente grandes abaixo de micro-ondas.
3/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

G UIA DE O NDA R ETANGULAR

Embora um guia de onda possua seção transversal uniforme, que


pode ter qualquer formato, os guias mais comuns são os retangulares
e os circulares.

A análise do guia de onda circular é trabalhosa e está fora do


escopo da disciplina, por isso, somente o guia de onda retangular será
considerado.

Considerando o guia de onda mostrado na figura a seguir, onde a e


b são as dimensões internas do guia, este é preenchido com um
dielétrico sem perdas livre de cargas e correntes (σ = 0, ρv = 0,
J = 0) e com paredes perfeitamente condutoras (σc = ∞).

4/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Assim, as equações de Maxwell na forma fasorial para um meio


sem perdas tornam-se

∇2 Es + k2 Es = 0 (1a)
2 2
∇ Hs + k Hs = 0 (1b)

onde k = ω µε. Utilizando Es = (Exs , Eys , Ezs ) e
Hs = (Hxs , Hys , Hzs ), cada uma das equações de Maxwell
corresponderá a três equações escalares de Helmholtz, ou seja, seis
equações diferenciais escalares devem ser resolvidas.

5/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Por exemplo, para a componente z, a equação 1a fica

∂ 2 Ezs ∂ 2 Ezs ∂ 2 Ezs


+ + + k2 Ezs = 0 (2)
∂ x2 ∂ y2 ∂ z2

Esta equação pode ser solucionada por separação de variáveis, ou


seja, fazendo

Ezs (x, y, z) = X(x)Y(y)Z(z) (3)

e substituindo na equação 2, dividindo por XYZ, obtém-se

X 00 Y 00 Z 00
+ + = −k2 (4)
X Y Z

6/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Como as variáveis são independentes, cada termo da equação 4


deve ser constante, para que somados sejam iguais a constante −k2 ,
portanto, a equação pode ser reescrita como

−kx2 − ky2 + γ 2 = −k2 (5)

onde kx , ky e γ são constantes de separação, assim, a equação 4 é


separada em

X 00 + kx2 X = 0 (6a)
Y 00 + ky2 Y = 0 (6b)
00 2
Z −γ Z = 0 (6c)

A escolha de γ ao invés de kz deve-se ao fato de que as ondas se


propagam na direção z no sistema de coordenadas definido.
7/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

A equação 6 é solucionada como

X(x) = c1 cos kx x + c2 sin kx x (7a)


Y(y) = c3 cos ky y + c4 sin ky y (7b)
γz −γz
Z(z) = c5 e + c6 e (7c)

Substituindo a equação 7 na equação 3

Ezs (x, y, z) = (c1 cos kx x + c2 sin kx x)


(c3 cos ky y + c4 sin ky y) c5 eγz + c6 e−γz

(8)

8/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Considerando que a onda se propaga no sentido positivo de z, a


constante c5 = 0, assim

Ezs (x, y, z) = (A1 cos kx x + A2 sin kx x)


(A3 cos ky y + A4 sin ky y) e−γz (9)

Por um desenvolvimento semelhante, a solução da equação 1b é

Hzs (x, y, z) = (B1 cos kx x + B2 sin kx x)


(B3 cos ky y + B4 sin ky y) e−γz (10)

9/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Ao invés de resolver da mesma forma para as demais componentes


de campo, utilizam-se as equações de Maxwell para determiná-las a
partir de Ezs e Hzs , utilizando

∇ × Es = −jω µHs (11)


∇ × Hs = jωεEs (12)

obtém-se

10/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

∂ Ezs ∂ Eys
− = −jω µHxs (13a)
∂y ∂z
∂ Hzs ∂ Hys
− = jωεExs (13b)
∂y ∂z
∂ Exs ∂ Ezs
− = jω µHys (13c)
∂z ∂x
∂ Hxs ∂ Hzs
− = jωεEys (13d)
∂z ∂x
∂ Eys ∂ Exs
− = −jω µHzs (13e)
∂x ∂y
∂ Hys ∂ Hxs
− = jωεEzs (13f)
∂x ∂y

11/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

O objetivo é expressar Exs , Eys , Hxs e hys em função de Ezs e Hzs ,


por exemplo, para Exs , combinando as equações 13b e 13c

∂ 2 Exs ∂ 2 Ezs
 
∂ Hzs 1
jωεExs = + − (14)
∂y jω µ ∂ z2 ∂ x∂ z

Fica claro das equações 9 e 10 que todas as componentes de


campo variam com z de acordo com e−γz , ou seja

∂ Ezs ∂ 2 Exs
Ezs ∝ e−γz ; Exs ∝ e−γz → = −γEzs ; = γ 2 Exs (15)
∂z ∂ z2

12/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Desta forma,

 
∂ Hzs 1 2 ∂ Ezs
jωεExs = + γ Exs + γ (16)
∂y jω µ ∂x

ou, fazendo h2 = γ 2 + ω 2 µε = γ 2 + k2

γ ∂ Ezs jω µ ∂ Hzs
Exs = − − 2 (17)
h2 ∂ x h ∂y

13/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

De maneira semelhante, obtém-se os termos Eys , Hxs e Hys em


função de Ezs e Hzs

γ ∂ Ezs jω µ ∂ Hzs
Exs = − − 2 (18a)
h2 ∂ x h ∂y
γ ∂ Ezs jω µ ∂ Hzs
Eys = − 2 − 2 (18b)
h ∂y h ∂x
γ ∂ Hzs jω µ ∂ Ezs
Hxs = − 2 + 2 (18c)
h ∂x h ∂y
γ ∂ Hzs jω µ ∂ Ezs
Hys = − 2 − 2 (18d)
h ∂y h ∂x
onde

h2 = γ 2 + k2 = kx2 + ky2 (19)

Portanto, as equações 18 em conjunto com as equações 9 e 10 para


obter Exs , Eys , Hxs e Hys
14/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Das equações 9, 10 e 18, nota-se que existem diferentes tipos de


configurações de campo, cada configuração é chamada de um modo,
estas são:
I Ezs = Hzs = 0, este é o modo transversal eletromagnético (TEM),
no qual os campos E e H são transversais à direção de
propagação da onda, das equações 18 segue que todas as
componentes de campo se anulam nestas condições,
consequentemente o guia de onda retangular não suporta o modo
TEM;
I Ezs = 0, Hzs 6= 0, para esses modos, o campo E é transversal à
direção de propagação, por isto, este é denominado de modo
transversal elétrico (TE);
I Ezs 6= 0, Hzs = 0, de forma semelhante, neste modo o campo H é
transversal à direção de propagação, sendo assim o modo
transversal magnético (TM);
I Ezs 6= 0, Hzs 6= 0, neste caso, nenhum dos campos é
perpendicular à direção de propagação, estes são denominados
de modos hı́bridos ou modos HE. 15/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

M ODOS T RANSVERSAIS M AGN ÉTICOS (TM)


Neste caso, o campo magnético é normal à direção de propagação,
ou seja Hzs = 0, as demais componentes devem ser calculadas a partir
das equações 9, 10 e 18 e as condições de fronteira, iniciando por Ezs ,
nas paredes do guia, as componentes tangenciais devem ser contı́nuas,
ou seja

Ezs = 0 em y = 0 (parede inferior) (20a)


Ezs = 0 em y = b (parede superior) (20b)
Ezs = 0 em x = 0 (parede esquerda) (20c)
Ezs = 0 em x = a (parede direita) (20d)
as equações 20a e 20c requerem A1 = A3 = 0 na equação 9

Ezs = Eo sin kx x sin ky ye−γz (21)


16/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

onde Eo = A2 A4 , as equações 20b e 20d aplicadas a equação 21 levam


a

sin kx a = 0; sin kx b = 0 (22)

ou

mπ nπ
kx = ; ky = ; m, n ∈ Z∗+ (23)
a b

Assim, substituindo a equação 23 na equação 21

mπx nπy −γz


Ezs = Eo sin sin e (24)
a b

17/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

As outras componentes de campo são obtidas a partir das equações


18 e 24 tendo em vista que Hzs = 0

γ mπ mπx nπy −γz


Exs = − 2
Eo cos sin e (25a)
h a a b
γ nπ mπx nπy −γz
Eys = − 2 Eo sin cos e (25b)
h b a b
jωε nπ mπx nπy −γz
Hxs = 2 Eo sin cos e (25c)
h b a b
jωε mπ mπx nπy −γz
Hys = − 2 Eo cos sin e (25d)
h a a b

onde

h mπ i2 h nπ i2
h2 = kx2 + ky2 = + (26)
a b
18/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Note que cada par de inteiros m e n corresponde a uma


configuração de campo diferente, estes são referidos de modos TMmn .
O inteiro m é igual ao número de meios ciclos de senos ou cossenos
na direção x e n denota o número de senos ou cossenos na direção y.
Das equações 24 e 38 conclui-se que se m ou n for nulo, todas as
componentes de campo se anulam, ou seja, o modo de menor ordem
transversal magnético é TM11 .
Substituindo a equação 23 na equação 19, obtém-se a constante de
propagação

rh
mπ i2 h nπ i2 √
γ= + − k2 ; k = ω µε (27)
a b

Lembrando que, em geral, γ = α + jβ .


19/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Da equação 27, separam-se três casos, dependendo dos valores de


k (ou ω), m e n:
1. Corte:
Se

h mπ i2 h nπ i2
k2 = ω 2 µε = +
a b
então

γ =0 ou α =β =0
O valor de ω para o qual isto ocorre é chamado de frequência de
corte ωc , isto é

rh
1 mπ i2 h nπ i2
ωc = √ + (28)
µε a b
20/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

2. Evanescente:

Se

h mπ i2 h nπ i2
k2 = ω 2 µε < +
a b
então

γ = α; β =0

Estes modos são atenuados e não há propagação da onda.

21/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

3. Propagação
Se

h mπ i2 h nπ i2
k2 = ω 2 µε > +
a b
então

γ = jβ ; α =0

ou seja, da equação 27, a constante de fase β torna-se

r h mπ i2 h nπ i2
β= k2 − − (29)
a b
Este é o único caso em que ocorre propagação, pois todas as
componentes de campo terão o fator e−γz = e−jβ z , portanto, cada
modo TMmn terá uma frequência de corte fc = ωc /2π correspondente.
22/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Assim, o guia de onda opera como um filtro passa-alta. Da


equação 28, nota-se que o modo TM11 tem a menor frequência de
corte dos modos TM, a constante de fase β pode ser reescrita em
função da frequência de corte fc como

s
 2
√ fc
β = ω µε 1− (30)
f
ou

s
 2
0 fc
β =β 1− (31)
f

onde β 0 = ω/u0 = ω µε é a constante de fase de uma onda plana
uniforme no meio dielétrico, u0 é a velocidade da luz neste meio.
23/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

A velocidade de fase up e o comprimento de onda λ no guia são

ω 2π up
up = ; λ= = (32)
β β f
A impedância intrı́nseca da onda para cada modo é obtida da
equação 38 considerando γ = jβ

r s  2
Ex Ey β µ fc
ηTM = =− = = 1− (33)
Hy Hx ωε ε f
ou

s
 2
0 fc
ηTM = η 1− (34)
f

onde η 0 = µ/ε é a impedância intrı́nseca de uma onda plana


p

uniforme no meio dielétrico.


24/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Como mencionado anteriormente, os inteiros m e n indicam o


número de meio ciclos de senos ou cossenos existentes em uma seção
reta x − y do guia. Assim, por exemplo, para um determinado instante
de tempo, a figura abaixo ilustra o modo TM21 .

25/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

M ODOS T RANSVERSAIS E L ÉTRICOS (TE)

Nos modos TE, o campo elétrico é normal à direção de propagação


da onda, ou seja, utilizando o mesmo desenvolvimento feito para as
ondas TM, fazendo Ezs = 0, determinam-se as demais componentes
de campo aplicando as condições de contorno, estas são obtidas a
partir do fato de que as componentes tangenciais do campo elétrico
devem ser contı́nuas nas paredes do guia de onda

Exs = 0 em y = 0 (35a)
Exs = 0 em y = b (35b)
Eys = 0 em x = 0 (35c)
Eys = 0 em x = a (35d)

26/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

A partir das equações 18, as condições de fronteira podem ser


reescritas como

∂ Hzs
= 0 em y = 0 (36a)
∂y
∂ Hzs
= 0 em y = b (36b)
∂y
∂ Hzs
= 0 em x = 0 (36c)
∂x
∂ Hzs
= 0 em x = a (36d)
∂x
impondo estas condições de fronteira na equação 10, obtém-se

mπx nπy −γz


Hzs = Ho cos cos e (37)
a b
onde Ho = B1 B3
27/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

As outras componentes de campo são obtidas, novamente,


utilizando as equações 18

jω µ nπ mπx nπy −γz


Exs = Ho cos sin e (38a)
h2 b a b
jω µ mπ mπx nπy −γz
Eys = − 2 Ho sin cos e (38b)
h a a b
γ mπ mπx nπy −γz
Hxs = 2 Ho sin cos e (38c)
h a a b
γ nπ mπx nπy −γz
Hys = 2 Ho cos sin e (38d)
h b a b

onde m, n ∈ Z+

28/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

Os parâmetros h e γ permanecem como foram definidos para os


modos TM. Novamente, os inteiros m e n indicam o número de meio
ciclos de senos ou cossenos existentes em uma seção reta x − y do
guia. A frequência de corte fc , a constante de fase β , a velocidade de
fase up e o comprimento de onda λ para os modos TE são iguais aos
dos modos TM.
Para os modos TE, m e n podem ser nulos, porém não
simultaneamente. Isto implica que os modos de menor frequência de
corte sejam o modo TE10 ou TE01 , dependendo dos valores de a e b.
É usual considerar a > b, de tal maneira que o modo TE10 é o de
menor frequência de corte, e é assim, definido como modo dominante.

u0
fc10 = (39)
2a
É importante ressaltar que, qualquer onda EM com frequência
menor do que a frequência de corte do modo dominante, não se
propagará no guia de onda.
29/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

A impedância intrı́nseca para os modos TE é diferente da


impedância intrı́nseca para os modos TM:

r
Ex Ey ωµ µ 1
ηTE = =− = = s (40)
Hy Hx β ε  2
fc
1−
f
ou

η0
ηTE = s  2 (41)
fc
1−
f
Note que

ηTE ηTM = η 02 (42)


30/31
G UIA DE ONDA RETANGULAR M ODOS TRANSVERSAIS MAGN ÉTICOS M ODOS TRANSVERSAIS EL ÉTRICOS P ROBLEMAS

P ROBLEMAS
1. Projete um guia de onda retangular com uma razão de 3 para 1
em suas dimensões, para ser utilizado na banda K (18 – 27 GHz).
Suponha que o guia é preenchido com ar.
2. Um túnel é modelado com um guia de onda retangular metálico
preenchido com ar, com dimensões de a = 8 m e b = 16 m.
Determine se o túnel transmite: (a) um sinal de radio AM de 1.5
MHz; (b) um sinal de radio FM de 120 MHz; (b) um sinal de telefonia
GSM 2G de 900 MHz.
3. Em um guia de onda quadrado preenchido com ar, com a = 1.2
cm,

2πx
Ex = −10 sin sin (ωt − 150z) V/m
a
(a) qual é o modo de propagação? (b) determine a frequência de corte
fc ; (c) calcule a frequência de operação f ; (d) determine γ e η.
31/31