Você está na página 1de 9

Curso: Engenharia Produção/Civil

DISCIPLINA:
PERÍODO: 3°
PROFESSORES:
ASSUNTO: Classificação dos ensaios mecânicos

ALUNOS MATRICULA

Página 1|9
Ensaios de Materiais

Introdução

Os ensaios mecânicos dos materiais são procedimentos padronizados que compreendem


testes, cálculos, gráficos e consultas a tabelas, tudo isso em conformidade com normas técnicas.
Realizar um ensaio consiste em submeter um objeto já fabricado ou um material que vai ser
processado industrialmente a situações que simulam os esforços que eles vão sofrer nas condições
reais de uso, chegando a limites extremos de solicitação.

Ensaios Destrutivos

Definição

São aqueles que deixam algum sinal na peça ou corpo de prova submetido ao ensaio,
mesmo que estes não fiquem inutilizados. Exemplos: tração, compressão, cisalhamento,
dobramento, flexão, embutimento, torção, dureza, fluência, fadiga e impacto.

Importância

É por meio dos ensaios mecânicos que se verifica se os materiais apresentam as


propriedades que os tornarão adequados ao seu uso. Dessa forma, tem-se o controle de qualidade do
produto, garantindo assim confiabilidade e segurança para o cliente.

Tipos mais comuns

Ensaio de Tração

Consiste na aplicação de uma carga de tração crescente, em uma única direção, em um dado
corpo de prova, previamente preparado e normatizado, até a ruptura do mesmo. Neste ensaio
deseja-se medir a variação no comprimento em função da carga aplicada. Muitos dados técnicos são
obtidos com este ensaio e é um dos mais utilizados no mundo metal-mecânico, os principais dados
obtidos neste ensaio são Limite de Resistência à Tração, Limite de Escoamento, Módulo de
Elasticidade, Módulo de Resiliência, Módulo de Tenacidade, Ductilidade, Coeficiente de
Encruamento e Coeficiente de Resistência.

Ensaio de Compressão

Consiste na aplicação de uma carga compressiva, em uma única direção, em um dado corpo de
prova, previamente preparado e normatizado. Deseja-se determinar a deformação linear obtida.
Quando um material é submetido ao ensaio de compressão, a relação entre tensão e deformação são
semelhantes as obtidas no ensaio de tração.

Página 2|9
Ensaio de Dureza
Consiste na impressão de uma pequena marca feita na superfície do material, com a ajuda de
uma ponte de penetração, que pode ser uma esfera de aço e/ou uma ponta de diamante. A dureza do
material (metal) é diretamente relacionada a marca deixada nesta superfície, com a característica da
marca e da carga aplicada.

Ensaio de Torção

Consiste na aplicação de carga rotativa em um corpo de prova, normalmente cilíndrico.


Mede-se o ângulo de deformação em função do momento torso aplicado.

Ensaio de Flexão

Consiste na aplicação de carga em uma parte de uma determinada barra de geometria


padronizada.

Ensaios Não Destrutivos

O que são os Ensaios Não Destrutivos?

Os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como testes para o controle da qualidade,
realizados sobre peças acabadas ou semi-acabadas, para a detecção de falta de homogeneidade ou
defeitos, através de princípios físicos definidos, sem prejudicar a posterior utilização dos produtos
inspecionados.
Constituem uma das principais ferramentas do Controle da Qualidade e são utilizados na
inspeção de produtos soldados, fundidos, forjados, laminados, entre outros, com vasta aplicação nos
setores petroquímico, nuclear, aeroespacial, siderúrgico, naval autopeças e transporte
rodoferroviários.

Quais são os Ensaios Não Destrutivos?

O método a ser utilizado depende das propriedades físicas do material. Um conhecimento


geral dos métodos de END disponíveis é necessário para a seleção do método adequado.

Aplicação

Algumas situações típicas em que os ensaios não destrutivos são aplicados:


• prevenção de acidentes
• redução de custos
• melhorar a confiabilidade de produtos ser aceito por uma determinada norma
• dar informações para reparo
Para obter resultados válidos, os seguintes tópicos devem ser observados
• pessoal treinado e qualificado
• um procedimento para conduzir o ensaio
• um sistema para anotar os resultados
• uma norma para interpretar os resultados.

Página 3|9
Tipos

Os END mais utilizados são:


• Inspeção Visual
• Partículas Magnéticas
• Líquidos Penetrantes
• Ultra-Som
• Radiografia
• Emissão Acústica
• Correntes Parasitas

Exemplo - Líquido Penetrante

É um método de ensaio não destrutivo (END) para a detecção de descontinuidades abertas


na superfície de materiais sólidos e não porosos.
Este método emprega um líquido penetrante, o qual é aplicado na superfície, penetrando nas
descontinuidades. Após um determinado tempo de penetração, o excesso é removido, aplica-se um
revelador e é feita a observação das descontinuidades através da observação do vazamento do
líquido penetrante.
Líquido penetrante pode ser usado em qualquer material. É essencial que o material seja
cuidadosamente limpo, de outra maneira será impossível que o líquido penetre no defeito.

Página 4|9
Ensaios de Materiais
Aspecto da velocidade
 Estático
Carga relativamente lenta
Ex: Tração, Compressão, Dureza, Torção, Flexão

Tração
Consiste na aplicação de uma carga de tração crescente, em uma única direção, em um
dado corpo de prova, previamente preparado e normatizado, até a ruptura do mesmo. Neste
ensaio deseja-se medir a variação no comprimento em função da carga aplicada. Muitos dados
técnicos são obtidos com este ensaio e é um dos mais utilizados no mundo metal-mecânico, os
principais dados obtidos neste ensaio são Limite de Resistência à Tração, Limite de Escoamento,
Módulo de Elasticidade, Módulo de Resiliência, Módulo de Tenacidade, Ductilidade, Coeficiente de
Encruamento e Coeficiente de Resistência.

Compressão
Consiste na aplicação de uma carga compressiva, em uma única direção, em um dado corpo
de prova, previamente preparado e normatizado. Deseja-se determinar a deformação linear
obtida. Quando um material é submetido ao ensaio de compressão, a relação entre tensão e
deformação são semelhantes as obtidas no ensaio de tração.

Dureza
Consiste na impressão de uma pequena marca feita na superfície do material, com a ajuda
de uma ponte de penetração, que pode ser uma esfera de aço e/ou uma ponta de diamante. A
dureza do material (metal) é diretamente relacionada a marca deixada nesta superfície, com
a característica da marca e da carga aplicada. Simbolicamente mencionando, em um ensaio de
dureza simples, quanto menor for a marca, maior será a dureza do material para uma mesma carga
e vice-versa.
Vantagens deste ensaio:
São simples e barato.
O ensaio é não destrutivo.
Outras propriedades mecânicas podem ser estimadas.

Torção
Consiste na aplicação de carga rotativa em um corpo de prova, normalmente cilíndrico.
Mede-se o ângulo de deformação em função do momento torso aplicado.

Flexão
Consiste na aplicação de carga em uma parte de uma determinada barra de geometria
padronizada.

Página 5|9
 Dinâmicos
Carga rápida ou cíclica.
Ex: Fadiga, Impacto

Definições Fadiga

O ensaio de impacto se caracteriza por submeter o corpo ensaiado a uma força brusca e
repentina, que deve rompê-lo. A maioria dos ensaios estudados anteriormente não avalia o
comportamento dos materiais submetidos a esforços Ensaios Mecânicos de Materiais o
comportamento dos materiais submetidos a esforços dinâmicos. No caso da fadiga, embora os
esforços sejam dinâmicos, o ensaio correspondente leva mais em conta o fato de serem cíclicos.

As fraturas produzidas por impacto podem ser frágeis ou dúcteis. As fraturas frágeis
caracterizam-se pelo aspecto cristalino e as fraturas dúcteis apresentam aparência fibrosa. Os
materiais frágeis rompem-se sem nenhuma deformação plástica, de forma brusca. Por isso, esses
materiais não podem ser utilizados em aplicações nas quais sejam comuns esforços bruscos, como
em eixos de máquinas, bielas etc.

Para estas aplicações são desejáveis materiais que tenham capacidade de absorver energia e
dissipá-la, para que a ruptura não aconteça, ou seja, materiais que apresentem tenacidade. Esta
propriedade está relacionada com a fase plástica dos materiais e por isso se utilizam as ligas
metálicas dúcteis neste tipo de aplicação. Porém, mesmo utilizando ligas dúcteis, com resistência
suficiente para suportar uma determinada aplicação, verificou-se na prática que um material dúctil
pode romper-se de forma frágil

Um material dúctil pode romper-se sem deformação plástica apreciável, ou seja, de maneira
frágil, quando as condições abaixo estiverem presentes: Ensaios Mecânicos de Materiais ·
velocidade de aplicação da carga suficientemente alta; · trinca ou entalhe no material; · temperatura
de uso do material suficientemente baixa.

Definições Impacto

Um dos ensaios que permitem estudar os efeitos das cargas dinâmicas é o ensaio de impacto.
Este ensaio é usado para medir a tendência de um metal de se comportar de maneira frágil.
O choque ou impacto representa um esforço de natureza dinâmica, porque a carga é aplicada
repentina e bruscamente. Ensaios Mecânicos de Materiais No impacto, não é só a força aplicada que
conta. Outro fator é a velocidade de aplicação da força. Força associada com velocidade traduz-se
em energia. O ensaio de impacto consiste em medir a quantidade de energia absorvida por uma
amostra do material, quando submetida à ação de um esforço de choque de valor conhecido.

O método mais comum para ensaiar metais é o do golpe, desferido por um peso em
oscilação. A máquina correspondente é o martelo pendular. O pêndulo é levado a uma certa posição,
onde adquire uma energia inicial. Ao cair, ele encontra no seu percurso o corpo de prova, que se
rompe. Ensaios Mecânicos de Materiais A sua trajetória continua até certa altura, que corresponde à
posição final, onde o pêndulo apresenta uma energia final.

Página 6|9
No ensaio de impacto, a massa do martelo e a aceleração da gravidade são conhecidas. A
altura inicial também é conhecida. A única variável desconhecida é a altura final, que é obtida pelo
ensaio. O mostrador da máquina simplesmente registra a diferença Ensaios Mecânicos de Materiais
o mostrador da máquina simplesmente registra a diferença entre a altura inicial e a altura final, após
o rompimento do corpo de prova, numa escala relacionada com a unidade de medida de energia
adotada.

 Carga Constante
Carga aplicada durante um longo período.
EX: Fluência

Definições de Fluência
Quando um metal é solicitado por uma carga, imediatamente sofre uma deformação
elástica. Com a aplicação de uma carga constante, a deformação plástica progride lentamente com
o tempo (fluência) até haver um estrangulamento e ruptura do material.
Velocidade de fluência (relação entre deformação plástica e tempo) aumenta com a
temperatura.
Esta propriedade é de grande importância especialmente na escolha de materiais para operar a
altas temperaturas.
Fluência é definida como a deformação permanente, dependente do tempo e da
temperatura, quando o material é submetido à uma carga constante.
Este fator muitas vezes limita o tempo de vida de um determinado componente ou
estrutura
Este fenômeno é observado em todos os materiais, e torna-se importante à altas temperaturas
(≥0,4TF).

Fatores que afetam a fluência


Temperatura, Módulo de elasticidade, Tamanho de grão.
Em geral: Quanto maior o ponto de fusão, maior o módulo de elasticidade e maior é a resistência
à fluência. Quanto maior o tamanho de grão maior é a resistência à fluência.

Página 7|9
Ensaio de fluência
É executado pela aplicação de uma carga uniaxial
constante a um corpo de prova de mesma geometria dos
utilizados no ensaio de tração, a uma temperatura
elevada e constante.
O tempo de aplicação de carga é estabelecido em
função da vida útil esperada do componente.
Mede-se as deformações ocorridas em função do tempo
( ε x t).

Página 8|9
Referencias:
www.joinville.udesc.br/portal/professores/daniela/materiais/aula3.pdf
https://edisciplinas.usp.br/mod/resource/view.php?id=143737
essel.com.br/cursos/material/01/EnsaioMateriais/ensa14.pdf
mecanica-blog.blogspot.com/2010/04/ensaios-mecanicos-e-metalurgicos.html
https://jorgeteofilo.files.wordpress.com/.../epm-apostila-capitulo09-ensaios-mod1.pdf
https://edisciplinas.usp.br/mod/resource/view.php?id=132676
redeetec.mec.gov.br/images/stories/pdf/eixo.../161012_ens_mec_an_fal.pdf
www.engbrasil.eng.br/pp/em/aula12.pdf

Página 9|9