Você está na página 1de 6

COBRAMSEG 2010: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. © 2010 ABMS.

Influência nos Parâmetros de Transporte de Cádmio e Níquel


Presentes em Soluções com Diferentes pH e Percolados em
Diferentes Estruturas de um Solo Residual Argiloso
Rafael Tímbola
Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo-RS, Brasil, rafaeltimbola@hotmail.com

Eduardo Pavan Korf


Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo-RS, Brasil, eduardokorf@gmail.com

Valter Caetano dos Santos


Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo-RS, Brasil, icosantos_@hotmail.com

Antonio Thomé
Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo-RS, Brasil, thome@upf.br

RESUMO: Poluentes contendo metais são uma importante fonte de impacto ambiental. Entre os
fatores que influenciam a migração de contaminantes em subsuperfície destacam-se o pH do
contaminante e a estrutura do solo. O cálculo de parâmetros através de soluções analíticas são
fundamentais na mensuração dos valores que irão pré-dizer a taxa de transporte da frente
contaminante em meios porosos. O objetivo do trabalho foi determinar a influência dos parâmetros
de transporte dos metais cádmio e níquel presentes em solução contaminante com diferentes faixas
de pH e permeados em diferentes estruturas. Para isso, foram realizados ensaios de coluna com solo
moldado em estrutura deformada e indeformada e solução contaminante contendo as faixas de pH
1,35, 4,5 e 6,5. Através de solução analítica foram determinados os parâmetros de transporte Rd, Kd
e Dh. Pôde-se concluir que a magnitude dos parâmetros Kd e Rd foi favorecida pelo incremento de
pH e não teve influência da estrutura do solo. Em relação ao parâmetro Dh não se observou
influência do pH e estrutura do solo ensaiado.

PALAVRAS-CHAVE: Transporte de Contaminante, Equipamento de Coluna, Atenuação Natural,


Metais.

1 INTRODUÇÃO ambiental. O descarte de resíduos no ambiente


tem o principal destino sobre o solo, podendo
A contaminação dos solos por metais tornou-se contaminar as águas superficiais pelo
uma grande preocupação ambiental em muitas escoamento superficial e às águas subterrâneas
partes do mundo, devido à rápida através da migração para o subsolo. Segundo
industrialização, à urbanização crescente, à Boa Ventura e Freiras (2006), a qualidade das
modernização das práticas agrícolas e aos águas superficiais e subterrâneas é fortemente
métodos inadequados de disposição dos rejeitos afetada pela expansão urbana, devido à
(LESTAN et al. 2008). Esses processos de introdução de poluentes inorgânicos como os
modernização e as relações de produção e metais ao ambiente aquático.
consumo têm ocasionado um aumento no Uma vez presente no ambiente, os metais
descarte desses resíduos no ambiente, ao longo tóxicos podem desencadear problemas de
das ultimas décadas. toxicidade aos organismos que estiverem
Os metais tóxicos, oriundos destes descartes, expostos, como plantas, animais e seres
têm se apresentado uma importante fonte de humanos, porque os mesmos podem ser
poluição que tem despertado preocupação inseridos na cadeia alimentar, devido à sua

1
COBRAMSEG 2010: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. © 2010 ABMS.

mobilidade nos diferentes compartimentos influência dos parâmetros de transporte dos


ambientais (REPETTO, 1995; OGA, 1996). metais cádmio e níquel presentes em solução
A modelagem numérica do transporte sub- contaminante com diferentes faixas ácidas de
superficial de poluentes é uma técnica utilizada pH e permeados em diferentes estruturas de um
para resolução de equações que governam o solo resídual da região de Passo Fundo-RS.
transporte de contaminantes e para
determinação do comportamento em condições
e tempo real. Para tal procedimento, necessita- 2 METODOLOGIA
se do conhecimento dos fenômenos de
transporte e da obtenção dos parâmetros de Os experimentos foram realizados seguindo
transporte de contaminantes nas condições em duas variáveis de controle. A primeira foi o pH
que estão submetidos. da solução contaminante em três níveis: 1,35;
A migração de contaminantes em sub- 4,5 e 6,5 e a segunda foi a estrutura do solo em
superfície é influenciada por diversos fatores dois níveis: indeformada e deformada. O
que podem determinar maior, menor ou Quadro 1 apresenta o programa dos ensaios
nenhuma movimentação no solo. Segundo realizados.
Costa (2002) o movimento destes, depende
também de mecanismos que por sua vez são Quadro 1: Programa dos ensaios.
regidos por processo físicos, químicos e Ensaio pH da solução Estrutura do solo
biológicos, aos quais estas substâncias estão contaminante
submetidas. Nesses processos, a interação entre I 1,35 Indeformada
II 4,5 Indeformada
as condições ambientais, o contaminante, como
III 6,5 Indeformada
por exemplo o seu pH, e o meio poroso, como
IV 1,35 Deformada
por exemplo a estrutura do material, ocasionam
V 4,5 Deformada
o retardamento, a aceleração ou a degradação VI 6,5 Deformada
do contaminante (DELGADO, 2000;
MONCADA, 2004; SHARMA e REDDY, 2.1 Materiais
2004; KNOP, 2007).
Os principais parâmetros que representam os O solo de estudo foi coletado no Campo
processos físicos e bio-físico-químicos são o experimental de Geotecnia da Universidade de
coeficiente de dispersão hidrodinâmica (Dh) e o Passo Fundo, localizado ao lado do Centro
coeficiente de partição (Kd), respectivamente. O tecnológico da UPF.
coeficiente de dispersão hidrodinâmica (Dh) Segundo Streck et al., (2002) a
representa o somatório da parcela submetida à classificação pedológica é de um Latossolo
difusão molecular e da parcela submetida à Vermelho distrófico típico (unidade Passo
dispersão mecânica, os quais representam os Fundo). Estes solos são muito profundos,
processos físicos de transporte. O coeficiente de drenados e altamente intemperizados,
partição (Kd) representa a totalidade dos apresentando uma seqüência de horizontes A-
processos bio-físico-químicos, o qual é também Bw-C, em que Bw é do tipo latossólico. Estes
denominado coeficiente de distribuição (Kd). solos têm pouco incremento de argila com a
Ele provém da quantificação do parâmetro profundidade e transição gradual entre os
sorção que também é uma medida da partição horizontes e por serem muito intemperizados
do contaminante entre as fases sólida e líquida têm predomínio de caulinita e óxidos de ferro, o
do sistema. Outro parâmetro que representa os que lhes proporciona baixa CTC (<17 cmol.kg-
processos bio-físico-químicos é o fator de 1), acentuada acidez e baixo estoque de
retardamento (Rd), o qual pode ser obtido por nutrientes. A coloração vermelha confere baixa
relação direta de Kd (SHACKELFORD, 1993; saturação por bases (<50%) e elevado teor de
COSTA, 2002; MONCADA, 2004; KNOP, Ferro (>18 %), o que os caracteriza como
2007). distroférrico (STRECK et al., 2002).
O objetivo do trabalho foi determinar a A caracterização geotécnica e química

2
COBRAMSEG 2010: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. © 2010 ABMS.

deste solo do horizonte B está apresentada na (2005).


Tabela 1. A caracterização permite verificar o
baixo teor de matéria-orgânica, o alto teor de 2.2 Métodos
argila e o pH ácido. A caracterização dos metais
extraídos por digestão ácida através método 2.2.1 Moldagem de corpos de prova
3050B da U.S.E.P.A (1996) está apresentada na
Tabela 2. O solo possui alteração nas A amostra foi extraída a campo, na forma
concentrações dos metais Cádmio e Cromo de indeformada, em formato em um bloco cúbico
acordo com a referência de prevenção da de 30 cm de aresta, do horizonte B do solo. Em
Cetesb (2005), o que indica alteração na laboratório, forma moldados corpos de prova
qualidade. cilíndricos com estrutura deformada e
indeformada. Os corpos de prova deformados
Tabela 1: Caracterização geotécnica e química do Solo receberam a mesma densidade e umidade
da área de estudo. natural que os indeformados. O diâmetro dos
Parâmetro Valor corpos de prova foram 5 cm e suas alturas
Argila (%) 68 foram variáveis.
Silte (%) 5
Areia (%) 27
2.2.2 Preparo da solução contaminante
Limite de Liquidez (%) 53
Limite de Plasticidade (%) 42
Índice de Plasticidade 11 A solução contaminante multiespécie foi
Peso específico real dos grãos (kN/m³) 26,7 elaborada a partir da diluição de uma solução
Umidade Natural (%) 34 padrão de Níquel e Cádmio com concentração
Peso específico natural (kN/m³) 16,3 de 1000 mg.L-1. A solução contaminante foi
Índice de Vazios 1,19 preparada com pH 1,35, 4,5 e 6,5 e a
Grau de Saturação (%) 75,7 concentração inserida seguiu extrapolação de
Porosidade (%) 54 100 vezes o valor de intervenção para águas
pH 5,4 subterrâneas proposto pela Cetesb (2005). A
Matéria Orgânica (%) <0,8
concentração inserida para o metal Níquel foi
CTC (cmolc/dm³) 8,6
Permeabilidade (m/s) 1,39.10-5
de 2,0 mg.L-1 e Cádmio foi de 0,5 mg.L-1.

Tabela 2: Caracterização de metais extraídos pelo método


2.2.3 Ensaio de coluna
3050B (USEPA, 1996).
Ref Prevenção Para avaliação da capacidade de atenuação,
Concentração adotou-se o ensaio de coluna que reproduz o
Metal Cetesb (2005)
(mg.kg-1)
(mg.kg-1) transporte de um poluente pelo solo de acordo
Ni 23,26 30 com ASTM (1995). O ensaio é executado em
Cd 1,63 1,3 duas etapas, sendo a primeira de saturação do
Pb 34,54 72 solo com água destilada e a segunda a
Zn 40,79 300 percolação da solução contaminante. A Figura 1
Cu 24,20 60 apresenta o equipamento de coluna utilizado no
Mn 511,85 -
laboratório de Geotecnia Ambiental da
Fe 50412,26 -
Cr 85,02 75
Universidade de Passo Fundo, o qual é capaz de
Co 9,74 25 ensaiar de forma simultânea três corpos de
prova.

A solução contaminante contém os metais


cádmio e níquel dissolvidos em água destilada.
Suas concentrações foram extrapoladas 100
vezes conforme Valores de Referência de
Intervenção para Águas Subterrâneas da Cetesb

3
COBRAMSEG 2010: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. © 2010 ABMS.

experimental determinou o valor do parâmetro


Dh. O coeficiente de distribuição (Kd) foi
determinado através de equação apresentada
por Moncada (2004), por meio de equivalência
com Rd.

3. RESULTADOS E DISCUSSÕES

A Figura 2 apresenta o ajuste realizado da curva


Figura 1: Equipamento de coluna utilizado para ensaio. téorica à experimental, para o metal cádmio,
ensaiado em estrutura indeformada e pH 1,35,
Após a percolação da solução para determinação analítica dos parâmetros.
contaminante pelo solo, o líquido foi coletado
em diferentes faixas de volume percolado e
tempos ensaiados e a concentração de metais
foi determinada através de análise em
espectrofotômetro de absorção atômica no
laboratório de análise de solo da UPF.
Após a determinação de metais no
efluente percolado pelos corpos de prova
ensaiados, pôde-se obter a curva de transporte
ou chegada do contaminante (breakthrough). A
curva de chegada relaciona no eixo “x”, o
número de poros percolados (volume
percolado/ volume de vazios – Vperc/Vv) ou
tempo de percolação (t) e no eixo “y” a
concentração relativa do contaminante
Figura 2: Ajuste realizado para determinação analítica
(concentração do efluente dos parâmetros.
percolado/concentração inicial - C/Co).
Tabela 3: Parâmetros médios para cada grupo de ensaio
2.2.4 Determinação dos parâmetros de de Cd e Ni.
transporte em ensaio de coluna Planejamento
Rd Kd (cm³/g) Dh (cm²/min)
Experimental

Os parâmetros foram determinados através de Cádmio Níquel Cádmio Níquel Cádmio Níquel
solução analítica de Ogata e Banks apresentada
Grupo I Estrutura
por Shackelford (1995). Para solução analítica, Indeformada pH 1,35
10,23 10,23 2,55 4,86 0,73 0,63
foi realizado o ajuste de uma curva teórica
obtida pela solução de Ogata e Banks à curva Grupo II Estrutura
21,35 28,07 9,90 13,13 3,00 4,47
de transporte experimental (breakthrough) Indeformada pH 4,5

proveniente do ensaio de coluna. Para a Grupo III Estrutura


construção da curva teórica, os valores de 44,58 39,93 21,44 19,28 2,48 3,00
Indeformada pH 6,5
“C/C0” foram encontrados fixando os
parâmetros calculados e variando Dh e tempo Grupo IV Estrutura
5,05 4,15 1,97 1,54 0,73 1,30
Deformada pH 1,35
(t), até otimizar o ajuste à curva experimental.
Pequenos ajustes foram feitos no parâmetro Rd, Grupo V Estrutura
26,82 29,37 11,43 12,42 0,66 0,46
o qual foi obtido por metodologia apresentada Deformada pH 4,5
por Shackelford (1995), a qual define a área
acima da curva de transporte como valor para Grupo VI Estrutura
36,99 36,05 17,60 17,26 0,55 0,88
Deformada pH 6,5
Rd. O melhor ajuste da curva teórica à

4
COBRAMSEG 2010: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. © 2010 ABMS.

A análise dos parâmetros obtidos para o ficou em torno de 7. O valor de Kd para o metal
metal cádmio (Tabela 3) permite verificar o níquel foi de 40,7 cm3.g-1 e o valor de Rd foi de
incremento dos valores médios do fator de 131. Os valores mais altos obtidos pelos autores
retardamento (Rd) e do coeficiente de podem ter sido em função da compactação do
distribuição (Kd) com o aumento do pH e não se material e do pH do contaminante ensaiado, o
observou diferença considerável entre as qual poderia ter incrementado os valores dos
estruturas ensaiadas. Isso pode ser observado parâmetros de maneira semelhante como foi
pela magnitude dos valores obtidos para Rd para observado nesta pesquisa.
as estruturas indeformadas. De maneira geral,
não se observou variação nos valores médios do
parâmetro Dh para os diferentes pHs e 4. CONCLUSÃO
estruturas ensaiadas.
Pela análise dos parâmetros encontrados para A magnitude dos parâmetros Kd e Rd foi
o metal níquel (Tabela 3) não se observou favorecida pelo incremento de pH do
diferença considerável comparando as duas contaminante e não teve influência da estrutura
estruturas. A ordem de grandeza dos parâmetros do solo ensaiada. Em relação ao parâmetro Dh
médios de Kd e Rd aumentou com acréscimo de não se observou influência do pH e estrutura do
pH para o metal níquel, praticamente na mesma solo ensaiado.
proporção verificada no metal cádmio. Isso
pode ser observado pela magnitude dos valores
obtidos para Kd para as estruturas indeformadas AGRADECIMENTOS
e deformadas.. De maneira geral, não se
observou variação nos valores médios do Os autores agradecem ao CNPq pelo
parâmetro Dh para os diferentes pHs e financiamento de bolsa de iniciação científica
estruturas ensaiadas. ao primeiro autor (processo 116195/2009-6) e
Os maiores valores apresentados pelos de bolsas de produtividade em pesquisa ao
parâmetros Kd e Rd em relação ao incremento quarto autor (processo 303011/2008-4). Além
do pH são corroborados por Costa (2002), o disso agradecem à FAPERGS (projeto
qual afirma que o incremento do pH pode PRONEX-FAPERGS 0408410) pelo apoio
favorecer a precipitação de metais e o aumento financeiro concedido.
da adsorção.
Matos et al. (2001) obtiveram Rd para
Cádmio e outros metais nos horizontes A, B e C REFERÊNCIAS
para Argissolos e Latossolos com estrutura
deformada. Os valores para o metal Cádmio ANTONIADIS, V.; MCKINLEY, J. D.; ZUHAIRI, W.
ficaram em torno de 1,84 e 4,52 para Argissolo Y. W. Single-Element and Competitive Metal
Mobility Measured with Column Infiltration and
do horizonte B e em Latossolo no mesmo Batch Test. Journal Environment Quality. V. 36 p.
horizonte variou entre 1,46 a 5,61. Os valores 53-60, 2007.
de Rd obtidos por Matos et al. (2001) foram ASTM, “D4874: Standard Test Method for leaching solid
inferiores em relação aos valores obtidos nessa material in a Column Apparatus.” 1995.
pesquisa, o que pode ser explicado pelas BOAVENTURA, G. R.; FREITAS, A. L. S.
INORGANIC PARAMETERS ASWATER
condições dos materiais serem diferentes como QUALITY INDICATORS IN ACIDIC
a natureza do argilomineral presente, o pH do GROUNDWATER IN A TROPICAL REGION –
material e o pH do contaminante ensaiado, o BRASILIA-DF (BRAZIL). Water, Air, and Soil
qual não foi informado pelos autores. Pollution. V.171 p. 135-151, 2006.
Antoniadis et al. (2007), estudou a CETESB – COMPANHIA DE TECNOLOGIA EM
SANEAMENTO AMBIENTAL. . 2005. Disponível
mobilidade do metal níquel em ensaios de
em:
coluna obtendo o valor de Kd e Rd. O solo <http://www.cetesb.sp.gov.br/Solo/relatorios/tabela_v
estudado, foi uma argila de baixa alores_2005.pdf >. Acesso em 28. junho. 2006.
permeabilidade. O pH da solução contaminante COSTA, P. O. S. Avaliação em laboratório, do
transporte de contaminantes no solo do aterro

5
COBRAMSEG 2010: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. © 2010 ABMS.

sanitário de Sauípe/Ba. 2002. Dissertação (Mestrado


em Engenharia Civil – Geotecnia) – Departamento de
Engenharia Civil, Pontifícia Universidade Católica do
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.
DELGADO, C. W. C. Mecanismos de transporte de
metais pesados. In: CONGRESSO NACIONAL DE
MEIO AMBIENTE, 2, 2000, Salvador. Mini Curso.
Salvador.
KNOP, A. 2007. Estudo do comportamento de Liners
atacado por ácido sulfúrico. Tese (Doutorado em
Engenharia Civil) – Universidade Federal do Rio
Grande do Sul, Porto Alegre, 230p.
LESTAN, D.; CHUN-LING, L.; XIANG-DONG, L. The
use of chelating agents in the remediation of metal-
contaminated soils: A review. Environmental
Pollution. V.153, p. 3-13, 2008.
MATOS, A. T. de. et al. Mobility of heavy metals as
related to soil chemical and mineralogical
characteristics of Brazilian soils. Environmental
Pollution. V. 111, p. 429-435, 2001.
MONCADA, M. P. H. Estudo em laboratório de
características de colapso e transporte de soluto
associadas à infiltração de licor cáustico em um
solo laterítico. 2004. Dissertação (Programa de pós-
graduação em Engenharia Civil) – Departamento de
Engenharia Civil, Pontifícia Universidade Católica do
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.
OGA, Seizi. Fundamentos de toxicologia. São Paulo:
Atheneu, 1996. 515 p.
REPETTO, M. Toxicología avanzada. Madrid: Díaz de
Santos, 1995. 621 p.
SHACKELFORD, C. D. Contaminant transport. In:
DANIEL, D. E. (Org.). Geotechnical pratictice for
waste disposal. London: Chapman & Hall, 1993. p.
33-65
SHACKELFORD, C. D. Cumulative Mass Approach For
Column Test. Journal of Geotechnical Enginnering.
V 121 p. 696-703, 1995.
SHARMA, H. D.; REDDY, K. R. 2004.
Geoenvironmental engineering: site remediation,
waste containment, and emerging waste management
technologies. New Jersey: John Wiley & Sons, 992 p.
STRECK, Edmar Valdir. Solos do Rio Grande do Sul.
Porto Alegre: EMATER, 2002. 107 p.
U.S. ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY –
EPA. .Method 3050B: Acid digestion of sediments,
sludges, and soils. 1996.