Você está na página 1de 2

1a Questão (Ref.

:201501669677) Pontos: 0,1 / 0,1

Não se extingue o poder familiar:

pela emancipação.
pela maioridade.
pela prática dos pais de atos contra à moral e aos bons costumes.
pela morte dos pais ou do filho.

2a Questão (Ref.:201501633200) Pontos: 0,1 / 0,1

Juliana e Mateus, às vésperas do casamento, firmaram um documento particular, pelo qual


optaram pelo regime de Separação de Bens. Viveram aparentemente bem durante 26 (vinte e
seis) anos e 4 (quatro) meses, e, em fevereiro de 2003, Juliana requereu Divórcio Litigioso, que
foi julgado procedente. Como deve proceder o Juiz, na fase da partilha de bens?

determinar o cumprimento do pacto antenupcial


aplicar as regras que tratam da Comunhão Universal de Bens
declarar nulo o pacto particular e aplicar as regras da Comunhão Parcial de Bens
determinar a ratificação do pacto antenupcial

3a Questão (Ref.:201501130756) Pontos: 0,1 / 0,1

(MPRS Assistente de Promotoria 2008 - adaptada) Maria, solteira, com 72 anos de idade,
pretende se casar com Joaquim, também solteiro, que possui 72 anos. Diana com 68 anos de
idade pretende se casar com Jean, que é solteiro e também possui 68 anos, mas faz doze meses
que o casamento de Diana com Douglas se desfez por ser considerado nulo. Nestas hipóteses:

Maria e Diana não podem se casar, por expressa determinação legal.


Maria pode casar, mas Diana está impedida de contrair matrimônio até dezoito
meses após a anulação de seu casamento com Douglas.
Maria pode se casar, mas deverá adotar obrigatoriamente o regime da separação
de bens. Quanto à Diana, não há nenhum impedimento ou causa suspensiva para o
seu casamento com Jean.
Maria pode casar, mas Diana está impedida de contrair matrimônio até dois anos
após a anulação de seu casamento com Douglas

4a Questão (Ref.:201501903630) Pontos: 0,1 / 0,1

Sobre a filiação, assinale a alternativa INCORRETA:

A filiação advinda após cento e oitenta dias da celebração do casamento não se presume
do marido.
Em se tratando de filho nascido de pais não casados entre si, o reconhecimento
voluntário da filiação pode ser feito no assento de nascimento, por escritura pública,
escrito particular, por testamento ou, ainda, por manifestação perante o juiz, tomada por
termo, qualquer que seja o procedimento.
Não havendo registro de nascimento, ou apresentando-se este defeituoso, não é possível
a demonstração da filiação por qualquer outro meio de prova.
A manifestação expressa e direta perante Juiz de Direito implica em reconhecimento de
filhos, ainda que fora da sede de investigação.
O filho maior não pode ser reconhecido sem seu consentimento.
5a Questão (Ref.:201501821219) Pontos: 0,1 / 0,1

(Ano: 2015; Banca: FCC; Órgão: MANAUSPREV; Prova: Analista Previdenciário - Área
Administrativa) A respeito das relações de parentesco, na forma disciplinada pela legislação
civil:

parentesco pode ser natural ou civil, sendo o primeiro resultante da consanguinidade.


reconhecimento de paternidade é irrevogável, salvo quando feito em testamento.
parentesco por afinidade limita-se aos ascendentes e descendentes.
vínculo de afinidade aplica-se, apenas, à filiação por adoção.
filho maior pode ser reconhecido independentemente de seu consentimento.