Você está na página 1de 1

07/05/2018 Folha de S.

Paulo - Crítica: Beto Brant consolida nova fase e cria drama sobre personagens deslocados - 15/06/2007
crítica

Beto Brant consolida nova fase e cria drama sobre personagens deslocados
INÁCIO ARAUJO
CRÍTICO DA FOLHA

Quando fez seus primeiros trabalhos, Beto Brant aparecia como um talento especialmente dotado para os filmes
comerciais, em particular os de aventura. Desde "O Invasor" (2002), no entanto, seu interesse parece se deslocar para
outras áreas.
Já "O Invasor", embora preservasse o tom de aventura da ação, era filmado como uma espécie de antiespetáculo. A
tendência se acentuou violentamente em "Crime Delicado" e parece se consolidar com este "Cão sem Dono".
No novo filme (co-dirigido por Renato Sciasca), desloca-se para Porto Alegre, onde vive o escritor Ciro (Júlio Andrade).
Isso não importa muito na paisagem, pois pouco vemos a cidade, embora importe em termos de sotaque, de maneira de
falar. Existe um estar no mundo sulista um tanto particular, pois não se ressente de provincianismo, nem desse tipo de
sentimento metropolitano paulistano (que acredita ser sua cidade o centro do mundo).
Trata-se de um deslocamento, sem dúvida, já que isso é o que parece definir Ciro no roteiro de Marçal Aquino. Sua casa
é o não-lugar, onde sobrevive um sujeito que fala muitas línguas, mas não tem trabalho. E talvez não valha a pena ter.
Ciro tem uma família, com a qual se dá bem, mas não vive com ela. E é compreensível, pois quando escuta o pai falar,
parece ouvir falar de épocas distantes, em que aconteciam coisas, em que o mundo existia.
O mundo de Ciro é o fim do mundo. Ou seria, não fosse o surgimento quase mágico de Marcela (a bela e insuficiente
Tainá Müller), significando vida e desejo, neste mundo terminal em que habita o escritor -um mundo de inexistência, de
existência impossível. Marcela trará vida e morte a Ciro -em suma, drama.
É com esse drama que estaremos às voltas ao longo do filme, mas também com o drama do próprio cinema. Pois a
produção modesta, precária em alguns aspectos, não nos deixa esquecer de que estamos diante de um drama de cinema.
Se em determinados momentos de sua carreira Brant abraçou o ideal clássico da representação "transparente",
"invisível", esse momento vai sendo deixado decididamente para trás: assim como a vida de Ciro não pode se parecer
com a dos escritores americanos, o filme brasileiro também é fadado a um destino outro.
Assim como o cão do enredo, o filme deve sofrer de solidão, de vazio (das salas), de incerteza (dos lançamentos), do
desamor do público. Eles é que plasmam sua forma. Inútil brincar de Hollywood. Por outro lado, essa forma faz e fará
sentido, deve existir, queira ou não a indústria cultural, pois seu território é o do deslocamento, da arte -não da indústria.

CÃO SEM DONO


Direção: Beto Brant
Produção: Brasil, 2007
Com: Júlio Andrade, Tainá Müller
Quando: estréia hoje no Espaço Unibanco, Unibanco Arteplex e Sala UOL
Avaliação: bom

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1506200708.htm 1/1

Interesses relacionados