Você está na página 1de 5

Universidade de Brasília

Instituto de Ciências Sociais


Departamento de Antropologia

Antropologia Política – 135321


Prof. Gabriel O. Alvarez
1/2005

A disciplina oferece ao aluno uma síntese das discussões acerca do


poder e a política desde uma perspectiva antropológica. O curso se inicia com
as discussões acerca da antropologia política desenvolvidas nas principais
tradições do pensamento antropológico para chegar, no final do curso, a uma
antropologia da política, que reflete os principais debates no pensamento
antropológico contemporâneo no Brasil.

A dinâmica das aulas é presencial e com leitura obrigatória dos textos a


serem discutidos nas sessões do curso. A avaliação consistirá em dois
trabalhos a serem apresentados no meio e no final do curso. A nota final levará
em conta a leitura e participação na sala de aula.

Antropologia política das “sociedades sem Estado”

A tradição Britânica

Firth, Raymond William. 1974. “Estrutura e organização numa pequena


comunidade”. In: Elementos de organização social. Rio de Janeiro:
Zahar.

Leach, E. R. 1996. “Introdução”; “cap. 6 Gumlao e Gumsa”. In: Sistemas


políticos da Alta Birmânia. São Paulo: EDUSP

Gluckman, Max. 1971. “I. Data and Theory”. In: Politics law and ritual in
tribal society. Oxford: Basil Blackwell
Turner, Victor, 1974. “Social Drama and Ritual Metaphors”. In: Dramas,
Fields, and Metaphors. Symbolic Action in Human Society. Cornell
University Press.

A Tradição Francesa

Balandier, Georges, 1987. “I. Construção da Antropologia Política”; “II.


Domínio do Político” . In: Antropologia Política. Lisboa: Editorial
Presença.

Balandier, Georges, 1987. “III. Parentesco e Poder”. In: Antropologia


Política. Lisboa: Editorial Presença.

Balandier Georges. 1977. “Introdução”; “I. Homens e Mulheres ou a metade


perigosa” Antropo-logicas. São Paulo: Cultrix.

Balandier Georges. 1977, “II. Pais e filhos primogênitos e caçulas”. In:


Antropo-logicas. São Paulo: Cultrix.

Balandier, Georges, 1987. “VII Tradição e modernidade”. In: Antropologia


Política. Lisboa: Editorial Presença.

Balandier, Georges, 1976. “I.I. Dinâmicas sociais”. In: As dinâmicas sociais.


Sentido e Poder. São Paulo: DIFEL

Balandier, Georges, 1976. “II.I. Sociologia da dependência”; “II.II. Sociologia


da colonização”. In: As dinâmicas sociais. Sentido e Poder.. São
Paulo: DIFEL

Foucault, M. 1979. “cap. 6. Poder – Cuerpo” “cap. 8. Curso Del 7 de enero de


1976” “cap. 9. Curso Del 7 de enero de 1976”. In: La microfísica del
poder. Barcelona: La piqueta.
Clastres, Pierre, 2003. “cap. 1. Copérnico e os Selvagens”; “cap. 2. Troca e
poder: filosofia da chefia indígena”; “cap. 11. A sociedade contra o
Estado”. A sociedade contra o Estado.São Paulo: Cossac & Naify

Política Tradicional indígena: O caso dos povos Tupi

Laraia, Roque de Barros, 1972. “Cap. V. Organização Política”. Tupi: índios


do Brasil atual. São Paulo: FFLCH/USP

Florestan Fernandes, 1989. “O conselho de chefes”. In: A organização Social


dos Tupinambá. São Paulo: Hucitec; Brasília: editora UnB.

A tradição Americana

Wolf, Eric. 2003. “Aspectos das relações de grupos em uma sociedade


complexa” “ A virgem de Guadalupe: um símbolo nacional mexicano” In.
Feldman-Bianco, B. & Ribeiro, G.L. Antropologia e poder.
Contribuições de Eric Wolf. Brasília: Editora da Universidade de
Brasília

Wolf, Eric. 2003. “Tipos de campesinato latino-americano: uma discussão


preliminar”; “Aspectos específicos dos sistemas de Plantations no Novo
Mundo: subculturas das comunidades e classes sociais” In. Feldman-
Bianco, B. & Ribeiro, G.L. Antropologia e poder. Contribuições de
Eric Wolf. Brasília: Editora da Universidade de Brasília

Wolf, Eric, 1994. “El movimiento de las mercancías” Europa y la gente sin
historia. México: Fondo de Cultura Económica

Sahlins, Marshall, 2003. “Cap. 1. O Marxismo e dois estruturalismos” Cultura


e razão prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor
Escobar, Arturo, 1996. “Cap. 1. El desarrollo y la antropología de la
modernidad”. In: La invención del Tercer Mundo. Construcción y
reconstrucción del desarrollo. Santa Fe de Bogota: Editorial Norma.

Antropologia da política – Relativisando o Estado-Nação

Habermas J. 1984. “Introdução: delimitação propedêutica de um tipo de


esfera pública burguesa”. In: Mudança estrutural da esfera pública.
Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Habermas J. 1984. “Estruturas sociais da esfera publica”. In: Mudança


estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Canclini, N. Garcia. “Contradições Latino-americanas: Modernismo sem


modernização”. In: Culturas Híbridas. Estratégias para entrar e sair
da modernidade. São Paulo: EDUSP.

Nunes Leal, V. 1975. “Indicações sobre a estrutura e o processo do


Coronelismo” in: Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Alfa-
Omega.

Bezerra, Marco O. “Bases sociais da prática da corrupção no Brasil” in: Série


Antropologia nro 161. Brasília: DAN

Peirano, M. 2002. “Rituais como estratégia analítica e abordagem etnográfica”


“A análise antropológica de rituais”. In: O Dito e o Feito, ensaios de
antropologia dos rituais. Peirano M. Org. Rio de Janeiro: Relume
Dumará.

Teixeira, Carla C. 2002. “Das bravatas. Mentira ritual e retórica da desculpa na


cassação de Sérgio Naya”. In: O Dito e o Feito, ensaios de
antropologia dos rituais. Peirano M. Org. Rio de Janeiro: Relume
Dumará.
Ribeiro, G. L. 2000. “A condição da Transnacionalidade” in: Cultura e política
no mundo contemporâneo. Brasília: Editora UnB.

Ribeiro, G. L. 2003. “Cosmopolíticas”. In: Postimperialismo. Cultura y


política em el mundo contemporáneo. Barcelona: Gedisa.