Você está na página 1de 29

Gabriela Cristina Ribeiro Pacheco

1
ESCOAMENTO UNIFORME

• Ocorre quando são constantes ao longo do conduto:


– a profundidade da água
– a área molhada da seção
– a velocidade

• A declividade da linha energética total, da superfície do líquido e do


fundo do canal são iguais.
• A velocidade é a mesma em todas as seções – equilíbrio das forças
atuantes no volume de controle.
• Associa-se a esse escoamento constante a profundidade normal yn.

2
RESISTÊNCIA AO ESCOAMENTO – FÓRMULA DE
MANNING

3
RESISTÊNCIA AO ESCOAMENTO – FÓRMULA DE
MANNING
• Chézi - força de resistência ao escoamento

• Fórmula de Chézi

4
RESISTÊNCIA AO ESCOAMENTO – FÓRMULA DE
MANNING
• Determinação do fator de resistência C

• Fórmula de Gauckler – Manning e Strickler

Coeficiente de Manning

• Fórmula de Manning

5
RESISTÊNCIA AO ESCOAMENTO – FÓRMULA DE
MANNING
• A fórmula de Chézi também pode ser obtida pela equação universal da
perda de carga, assim:

• Como a fórmula de Manning corresponde a uma aproximação da


equação universal, para escoamento turbulento (situação mais comum
na prática):

6
CÁLCULO DO ESCOAMENTO UNIFORME

– Variáveis geométricas: área da seção transversal e raio hidráulico


– Variáveis hidráulicas: vazão, rugosidade e declividade

VERIFICAÇÃO DO FUNCIONAMENTO HIDRÁULICO


• Determinação da capacidade de vazão de um canal ou corpo d´água a
partir das propriedades geométricas da seção em estudo.

7
CÁLCULO DO ESCOAMENTO UNIFORME

• Ex.
Um canal trapezoidal revestido com grama, com taludes 1 (V): 2 (H), base
com 7m e declividade de 0,06% possui n=0,025. Determine a vazão
transportada em regime uniforme sendo que nesta situação a
profundidade normal é 5m.

8
CÁLCULO DO ESCOAMENTO UNIFORME

• Ex.
Calcule a capacidade de vazão e o regime de escoamento de um rio que
possui declividade média de 0,0026m/m, sendo seu coeficiente de
rugosidade aproximadamente 0,022.

9
CÁLCULO DO ESCOAMENTO UNIFORME

– Variáveis geométricas: área da seção transversal e raio hidráulico


– Variáveis hidráulicas: vazão, rugosidade e declividade

DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO
• Determinar as dimensões de um canal em função de suas dimensões
hidráulicas.
• Necessidade de uma sistemática iterativa ou gráfica.

10
CÁLCULO DO ESCOAMENTO UNIFORME

DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO
• Seções complexas: construção de gráficos ou tabelas
• Seções regulares: uso de gráficos ou tabelas

11
CÁLCULO DO ESCOAMENTO UNIFORME

• Ex.
Um canal trapezoidal com base de 3m e taludes 1:1 possui uma vazão de
15m³/s. Calcule a profundidade de escoamento sendo n=0,0135 e
I=0,005m/m.

12
CÁLCULO DO ESCOAMENTO UNIFORME

13
CÁLCULO DO ESCOAMENTO UNIFORME

SEÇÕES CIRCULARES
• Existem tabelas auxiliares para essa geometria que facilitam o cálculo.

14
CÁLCULO DO ESCOAMENTO UNIFORME

SEÇÕES CIRCULARES

15
CÁLCULO DO ESCOAMENTO UNIFORME

• Ex.
Dimensione uma galeria circular para uma vazão de 1200l/s, com
declividade de 1,5%, sendo o tirante da água limitado a 80% do diâmetro
e a velocidade máxima do escoamento 4,5 m/s.

16
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

DETERMINAÇÃO DIRETA

• Envolve trabalhos de campo.


• Procedimento:
1. Determinação das cotas de fundo e características hidráulicas em
duas seções (1 e 2) separadas por Δx
2. Determinação das velocidades médias de escoamento nas seções
3. Aplicação da equação de Bernoulli para determinar a linha de
energia

4. Cálculo do n médio com a fórmula de Manning.

17
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

ESTIMATIVA

• Estimativa de n a partir da granulometria


• Estimativa de n a partir de incrementação – Método Cowan
• Estimativa de n a partir de tabelas
• Estimativa de n a partir da analogia com canais existentes

18
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

ESTIMATIVA
• Estimativa de n a partir da granulometria
São empregadas diversas expressões de natureza empírica.
Ex.: expressão de Meyer-Peter e Muller (1986) para leitos com proporção
significativa de material graúdo.

• Estimativa de n a partir da analogia com canais existentes


Corresponde à associação do corpo d’água em estudo com um canal
existente que tenha o coeficiente de rugosidade determinado.
Recorre-se à publicações que apresentem coletâneas de fotos e os
correspondentes coeficientes de rugosidade medidos.

19
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

ESTIMATIVA
• Estimativa de n a partir da analogia com canais existentes

20
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

ESTIMATIVA
• Estimativa de n a partir de incrementação – Método Cowan
Permite uma análise dos diversos fatores intervenientes na rugosidade e
uma compreensão dos processos físicos envolvidos com a resistência ao
escoamento.

Chow (1959):

21
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

ESTIMATIVA

22
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

ESTIMATIVA
• Estimativa de n a partir de tabelas
Existem muitas tabelas na literatura obtidas de ensaios e medições de
campo.

23
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

ESTIMATIVA
• Estimativa de n a partir de tabelas
Existem muitas tabelas na literatura obtidas de ensaios e medições de
campo.

24
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

SEÇÕES SIMPLES COM RUGOSIDADE VARIÁVEL


• Para calcular a velocidade como um todo, sem subdivisão desta deve-
se efetuar a ponderação da rugosidade para determinar a rugosidade
global.
• Chow (1959)

25
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

SEÇÕES COMPOSTA COM RUGOSIDADE VARIÁVEL


• Em alguns canais artificiais e, principalmente, naturais a ponderação
pelo perímetro molhado pode levar a resultados incorretos.
• Nesses casos pode-se calcular um coeficiente de rugosidade
equivalente para a seção ou decompor a seção em diversas
subseções com características distintas.

26
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

SEÇÕES COMPOSTA COM RUGOSIDADE VARIÁVEL


• Coeficiente de rugosidade equivalente - U.S. Corps of Engineers
(French, 1986)

• Decomposição da seção em subseções

27
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

SEÇÕES COMPOSTA COM RUGOSIDADE VARIÁVEL


• Decomposição da seção em subseções

28
COEFICIENTE DE RUGOSIDADE DE MANNING

• Ex.
Calcule os coeficientes de rugosidade global e equivalente para um
córrego que possui a seção transversal indicada constituída por gabiões
(n=0,03) e solo com revestimento vegetal (n=0,04).

29