Você está na página 1de 21

7 – “CADERNO VIAJANTE”

EIXO TEMÁTICO: Artes Visuais e Apreciação Musical

METAS PRIORIZADAS:
 Meta 3- Utilizar a linguagem verbal e não-verbal como meio para produzir, expressar e comunicar suas idéias
de forma clara e objetiva em diferentes situações,
 Meta 6- Interagir de forma solidária respeitando as diferenças e valorizando a interdependência das pessoas
em ações e projetos comuns.
PÚBLICO-ALVO: Maternal III
Resumo:
O pleno e equilibrado desenvolvimento da criança, dá-se a partir da união de vários fatores, tais como o
neurológico, o psicológico, o ambiental, o afetivo, o nutricional e o cognitivo. Esses fatores são favorecidos pelo
estimulo, vivência e experimentos nas atividades diárias da criança. Nesse processo, procura-se fazer com que a
criança atinja a autonomia e a consciência corporal, temporal e espacial, enfatizando a criação de conceitos,
procedimentos e atitudes. O Projeto Caderno viajante está sendo desenvolvido há alguns anos com a turma do
maternal III no Centro de Educação Infantil- 44 “Luiz Ribeiro”. A parceria com os pais e ou familiares dos alunos tem
sido de fundamental importância para a realização desta atividade interativa, proporcionando resultados muito
positivos a todas as partes envolvidas.

APRESENTAÇÃO DO TEMA:
Este projeto visa incentivar a apreciação musical, a interação social, a criatividade, artes visuais, cultura
musical, a memória e o respeito, bem como valorizar momentos em que os familiares dedicam-se uns aos outros, por
meio de uma atividade lúdica e divertida oportunizando estreitamento dos vínculos familiares.

PROBLEMATIZAÇÃO:
Vivemos um período muito interessante na história da humanidade! Nunca antes tanta informação e tanta
comunicação chegaram aos nossos lares, nossas escolas e aos nossos locais de trabalho e lazer. Os atuais meios
de comunicação e informação como, internet, revistas, jornais e vídeos prendem a atenção de adultos e crianças. A
agitada vida profissional de nossa época faz com que, no fim do dia, todos estejam tão cansados que somente
querem relaxar.
A dura realidade de nossa época mostra que dia após dia aumenta o número de crianças que vêem os pais
cada vez menos e passam a maior parte do tempo sozinhas.
Compreendemos que é doloroso para a criança o fato de ficar afastada das pessoas queridas (BORGES,
2002).
Porém, num passado mais distante, havia espaço e tempo no seio da família para compartilhar as
experiências e as vivências do cotidiano. Havia disposição para ouvir, falar, compartilhar, circular afetos e trocar
carinhos.
De acordo com BORGES (2002), as fases do desenvolvimento das crianças são influenciadas,
principalmente, pelo ambiente em que vive, incluindo a escola.
Diante desta realidade cabe perguntar: o que nós pais e educadores estamos fazendo para resgatar o gosto
pelo imaginário das crianças? O que estamos fazendo para ajudar nossas crianças a expressarem seus
pensamentos, sentimentos e gostarem de conviver com os colegas e os membros da família? O que estamos
fazendo para evitar que as crianças se tornem individualistas?

JUSTIFICATIVA:
É chegada a hora de batalharmos pelo resgate do lúdico, do gosto pela expressão oral e corporal, do gosto
pela música e artes visuais, pelo desenvolvimento dos sentidos e sentimentos.
Segundo BORGES (2002), tendo em vista os primeiros anos de vida serem de fundamental importância para
o desenvolvimento subseqüente da criança, fica mais do que evidente a relevância e o papel da Educação Pré-
escolar, na formação integral do indivíduo, para uma sociedade em contínua mudança.
Tudo o que acontece desde a nossa primeira infância, fica registrado em nosso inconsciente. Isto significa
que tudo aquilo que vemos, ouvimos e sentimos, influi no nosso desenvolvimento e amadurecimento.
A possibilidade em vivenciar situações de socialização e de desfrute de atividades lúdicas, são essenciais
para a saúde e contribuem para o bem estar coletivo. O lazer e a disponibilidade de espaços para atividades lúdicas
são necessidades básicas e por isso, direitos do cidadão. Dar valor a essas atividades e reivindicar o acesso a elas
para todos é um posicionamento que pode ser adotado e adquirido durante estas mesmas atividades, na escola ou
fora dela (BRASIL, 1997).
A participação dos pais e familiares nas atividades propostas é muito importante para o fortalecimento do
vínculo afetivo, da construção da identidade e da autoestima, do desenvolvimento da criatividade e do emocional
infantil.
Assim, a escola deve ter como função essencial, uma proposta educativa mais ampla, visando um bom
desenvolvimento geral, oferecendo um clima de bem estar físico, afetivo, social e intelectual, mediante a proposição
de atividades lúdicas, que promovam a curiosidade e a espontaneidade, estimulando novas descobertas e o
estabelecimento de novas relações, pois, esta escola faz parte das suas necessidades intrínsecas e extrínsecas
(BORGES, 2002).
OBJETIVOS:
 Propiciar momentos de interação com os familiares;
 Estimular a apreciação musical;
 Valorizar a elaboração e produção de artes visuais;
 Ampliar o repertório de músicas e danças;
 Explorar e conhecer diferentes tipos de materiais;
 Socializar conhecimentos nas rodas de conversa;
 Desenvolver a oralidade de cada criança durante as explanações;
 Respeitar e valorizar todas as expressões artísticas;
 Aprender a ouvir as ideias das outras pessoas;
 Estimular a oralidade, criatividade e a sensibilidade.

REFERENCIAL TEÓRICO:
Para a criança, o acesso a materiais, a liberdade de iniciativa para manipulá-los e combiná-los à sua maneira
e o tempo para o fazer, são os elementos essenciais do processo de descoberta. É preciso que as crianças sintam-se
participantes em um ambiente que tenha sentido para elas, para que possam engajar na própria aprendizagem.
De acordo com BORGES (2002), a Educação Infantil, neste contexto, é um recurso benéfico, enquanto se
propõe a ser um ambiente intermediário, entre o lar e a escola, em um período de vida em que a personalidade
começa a se formar. Cabe ainda ressaltar, que a Educação Infantil, deve vir de encontro às necessidades básicas da
criança, partindo daquilo que ela já conhece para chegar às aprendizagens subseqüentes.
Nesse sentido, as instituições de Educação Infantil devem favorecer um ambiente físico e social onde as
crianças se sintam protegidas e acolhidas e ao mesmo tempo seguras para se arriscar e vencer desafios. Quanto
mais rico e desafiador for esse ambiente, mais ele lhes possibilitará a ampliação de conhecimentos acerca de si
mesmas, dos outros e do meio em que vivem (BRASIL, 1998).
Em suma, deve-se oferecer à criança, oportunidades de serem estimulada e motivada, no momento
conveniente e respeitar o tempo necessário para ela amadurecer (BORGES, 2002).
À medida que a criança cresce, o desenvolvimento de novas capacidades possibilita que ela atue de maneira
cada vez mais independente sobre a sua volta, ganhando maior autonomia em relação aos adultos (BRASIL, 1998).
Desta forma, acrescenta BORGES (2002), a Pré Escola é um poderoso socializador e educador, levando a
criança a desenvolver sua criatividade, promovendo também, um equilíbrio geral.
Quando definimos os objetivos da Pré Escola, um dos aspectos que enfatizamos no trabalho com a criança é
o desenvolvimento cognitivo ou da inteligência. No entanto, não é raro encontrarmos educadores que apresentam
dificuldades para responder como as crianças aprendem (BORGES, 2002).
Ainda segundo o mesmo autor, esta questão interessa ao educador, uma vez que é fundamental para orientar
sua prática. É a partir de uma reflexão sobre o desenvolvimento da criança e da maneira como ela adquire
conhecimento, que o educador se aproxima e penetra no mundo infantil, tornando o relacionamento significante para
ambos. Enfatiza que a criança é o próprio agente do seu desenvolvimento, uma vez que, desde que nasce é um ser
em constante interação com o mundo e com as relações sociais. Já o educador por sua vez, deve assumir um papel
dinamizador deste processo de interações (BORGES, 2002).
O trabalho educativo pode assim, criar condições para as crianças conhecerem, descobrirem e
ressignificarem novos sentimentos, valores, idéias, costumes e papéis sociais (BRASIL, 1998).
As práticas culturais predominantes e as possibilidades de exploração oferecidas pelo meio no qual a criança
vive, permite que ela desenvolva capacidades e construa repertórios próprios (BRASIL, 1998).
Cada cultura possui seu jeito próprio quanto aos recursos de expressão e movimento. Sendo assim, é grande
a influência que a cultura tem sobre o desenvolvimento infantil, não só pelas diferentes formas de expressão e
gestos, mas também pelos diferentes tipos de manuseios a objetos específicos como lápis, bolas, cordas,
brinquedos, etc (BRASIL, 1998).
As atividades e brincadeiras nesta idade apresentam-se com uma infinidade de opções interessantes, como
por exemplo, jogos, quebra-cabeça, pintura, histórias e as músicas (BORGES, 2002).
A música é a linguagem que se traduz em formas sonoras, capazes de expressar e comunicar sensações,
sentimentos e pensamentos, por meio da organização e relacionamento expressivo entre o som e o silêncio
(BRASIL, 1998).
A música está presente em diversas situações da vida humana. Existe música para dormir, para dançar, para
comemorar, entre outras. Deste modo, a criança entra em contato com a cultura musical desde muito cedo e assim
começam a aprender suas tradições musicais (BRASIL, 1998).
Complementando, segundo o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, a música e as artes
visuais estão presentes no cotidiano da criança e, portanto, uma das formas importantes de comunicação e
expressão humanas, o que por si só, justifica sua presença no contexto da educação, de um modo geral, e na
Educação Infantil, particularmente (BRASIL, 1998).
Finalizando, o adulto, o professor ou o responsável, devem respeitar o desejo de explorar das crianças e
compreender que essa é uma das formas mais importantes das crianças aprenderem e assim proporcionar
oportunidades delas agirem.

METODOLOGIA:
Primeiramente, o professor apresenta a música a ser trabalhada, para o grupo. Aprendemos a letra da
música, muitas vezes até em registro escrito nas atividades para que possibilite situações de pseudoleitura.
Dançamos, interpretamos o conteúdo das canções em nossas rodas de conversa. Então, sorteamos o aluno que
levará o caderno com o CD para ilustrar a página com seus familiares.
Inicialmente, o desenvolvimento do projeto foi explicado e compartilhado em reunião de pais.
Para a realização da atividade, pedimos que primeiramente, os familiares escutem a música solicitada do CD
no envelope em anexo.
Após a apreciação musical, juntamente com a criança, propomos a ilustração de uma página do caderno da
maneira como preferirem. Poderão desenhar, fazer colagem, pintura, etc. Estimulamos que as famílias se organizem
da maneira que preferirem,usando a imaginação e aproveitando este momento tão especial e inesquecível com seu
filhos!

DESCRIÇÃO DA AVALIAÇÃO:
O processo de avaliação do projeto ocorre com a devolutiva dos pais em relação aos momentos vivenciados
com seus filhos, informalmente nos horários de chegadas e partidas dos alunos, bem como, formalmente durante
reuniões de pais.

RESULTADOS:
Os resultados são muito positivos, pois há um envolvimento de todas as partes engajadas no projeto. Os
prazos de entrega são respeitados e a cada semana regularmente, sorteamos uma criança para levar o caderno
viajante. A criança vai para casa toda animada e feliz! Geralmente após quatro dias, retorna muito orgulhosa de si
para apresentar aos demais colegas o registro realizado com os familiares. Mesmo que algumas famílias se
dediquem mais que as outras em suas produções, as crianças apreciam todos os resultados com muito respeito e
admiração.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
A participação dos familiares superou nossas expectativas! Vivenciamos momentos muito especiais,
inesquecíveis e cheios de significado para as crianças. Cantamos e dançamos muito através deste projeto! A cada
semana a chegada do caderno viajante é um momento muito esperado pela turma.
Agradecemos o empenho e a participação de todos os familiares!

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
BORGES, Célio José. Educação Física para o Pré Escolar. Rio de Janeiro. 5ª ed. Sprint, 2002
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília. MEC,
1997
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular
Nacional para a Educação Infantil (Volumes 1, 2 e 3). Brasília. MEC, 1998.

6 – “BRINCADEIRA É COISA SÉRIA!”

EIXO TEMÁTICO: Alfabetização Letramento/ Arte-Música-Ludicidade


MODALIDADE: Projeto
METAS PRIORIZADAS:
 Leitura
 Escrita
PÚBLICO-ALVO: 3° ano do Ensino Fundamental
RESUMO:
O presente Projeto trata-se de uma intervenção pedagógica voltada para a Arte-Musical e para a Ludicidade,
presente tanto em brincadeiras corporais, como brincadeiras de roda e jogos de regras. O trabalho destina a explorar
o material “Brincadeiras Musicais com a Palavra Cantada”, livro com brincadeiras diversas de suas próprias músicas.
A idéia é propiciar uma interação da música com as crianças, assim como explorar a ludicidade presente nas
brincadeiras apresentadas pelo grupo, oportunizar momentos lúdicos aliados ao contexto pedagógico e ainda criar
um jogo de percurso gigante, com base em uma música do grupo eleita como a predileta da turma. A criação se faz
presente, devido à um dos gêneros textuais explorados no bimestre – Texto Instrucional – Regras. O projeto destina
às crianças de 3° ano do Ensino Fundamental, centrados em objetivos pertinentes a faixa etária. Desenvolvido na E.
M. Profª Inês Rodrigues Cesarotti, pudemos observar, que as crianças puderam evoluir, contemplando os objetivos
propostos, além disso, melhoraram a atenção e concentração, ampliaram vocabulário oral e escrito, evoluíram nas
hipóteses, de leitura e escrita, ampliaram seus repertórios musicais e vivenciaram momentos significativos.

APRESENTAÇÃO DO TEMA:
De acordo com os Parâmetros Nacionais da Educação a Arte deve estar presente em sala de aula, com a
mesma relevância que as demais áreas. O presente projeto além das metas, leitura e escrita, trata a Arte/Música
associada à ludicidade, onde brincadeiras e músicas refletem um momento interdisciplinar único, garantindo um
processo de aprendizagem significativo.
PROBLEMATIZAÇÃO:
De que forma utilizar um material didático pedagógico, fornecido para o acervo da Escola, a fim de
proporcionar um trabalho significativo, artístico-musical-lúdico, junto às crianças do 3° ano do Ensino Fundamental e
ainda adequar um gênero textual especifico a todo esse contexto?

JUSTIFICATIVA:
No intuito de proporcionar um momento lúdico e musical à nossa rotina de trabalho semanal, este projeto se
lança. Notei a partir da exploração do “CD Carnaval Palavra Cantada” e do “CD Tchibum: a Grande História da Água”
ambos da Palavra Cantada, como as crianças aprenderam facilmente a melodia, o ritmo, a letra nova e como se
interessaram em participar das atividades propostas até o momento. Passando algum tempo, o material “Brincadeiras
Musicais com a Palavra Cantada” chegou a nossa unidade escolar e as crianças comentavam sobre uma
propaganda, que estava passando na TV Cultura, sobre um programa da “Palavra Cantada”. Adequando o interesse
da turma, à um foco pedagógico, ou seja, unir um dos gêneros textuais ao material disponibilizado, nasce a
proposta, recebida com grande entusiasmo pela turma e realizada com muita música e brincadeira!

OBJETIVOS:
 Conhecer músicas novas, melodias, ritmos e timbres diferentes para a ampliação de repertório artístico-
cultural-musical.
 Ouvir as músicas, internalizar suas sensações e emoções.
 Assistir ao DVD buscando aprender através das informações e regras, como se brinca com as músicas
selecionadas.
 Apreciar as músicas, sua melodia, como linguagem expressiva do ser humano, assim como as brincadeiras
apresentadas, procurando interessar-se por elas.
 Ler textos: instrucionais (regras), informativos e canções, buscando aprimorar a competência leitora e
ampliar o repertório oral e escrito e ainda analisar a letra das canções através de conversas e troca de idéias.
 Brincar com as canções e brincadeiras propostas, buscando compreender suas regras e condutas, socializar
dentro e fora do grupo classe.
 Compreender um gênero textual, a partir de experiências concretas e significativas.
 Produzir em grupos produtivos e coletivamente texto do gênero proposto, a fim de construir as regras e
orientações para a conduta do jogo.
 Produzir um jogo de percurso mediante intervenção e auxílio do professor, após a vivência de alguns tipos de
jogos de percurso.
 Brincar com o jogo de percurso buscando ler as informações contidas em cada casa.

REFERENCIAL TEÓRICO:
Com base inicial, o material escrito por ALMEIDA e LEVY, traz informações importantes para todo o projeto,
imprescindíveis ao professor. Além disso, as pesquisas das autoras FERRAZ, FUSARI e IAVELBERG norteiam todo
o processo relacionado à Arte como um todo. Os PCN’s trazem as orientações pertinentes ao contexto e COLL
explana com facilidade de compreensão, a teoria de Ausubel, no que diz respeito à aprendizagem significativa.
Pautados nesses autores, o trabalho adquiri corpo e trilha um caminho com uma teoria que apóia e norteia todo o
processo educativo deste presente projeto.

METODOLOGIA:
1 Divulgação do projeto às crianças e aos pais.
2 Seleção de músicas que são apresentadas semanalmente.
3 Apresentação em áudio e vídeo da canção da semana.
4 Conversa em roda sobre o estilo musical de cada canção, a fim de perceber todos os aspectos musicais nela
inseridos, instrumentos, sonoridade, timbre, melodia, ritmo, etc.
5 Leitura compartilhada e individual dos diferentes textos apresentados de acordo com cada momento.
6 Vivenciar alguns tipos de jogos de percurso de tabuleiro, para então produzir o Jogo da Classe.
7 Produção dos textos para as casas dos jogos, respeitando a idéia da música Duelo de Mágicos, buscando adequar
à todo o seu contexto.
8 Confecção do jogo com a ajuda do professor-mediador.
9 Produção das Regras de forma coletiva, respeitando a estrutura textual do gênero proposto.
10 Brincar com o jogo, a fim de divertir-se com a produção do grupo, bem como para avaliar e validar as sensações,
sentimentos, emoções percebidas em todo o processo.
11 Socializações com outras turmas, ensinando-os a jogar.
12 Registro através de depoimentos de cada aluno, relatando a vivência aprendida em todo o processo e também
avaliando todas as condutas.

DESCRIÇÃO DA AVALIAÇÃO:
A avaliação se fez mediante a participação das crianças e o envolvimento de cada uma ao trabalho proposto,
utilizamos formas distintas de registros e coletamos os depoimentos, ou seja, a expressão de cada criança sobre o
desenvolvimento de todo o trabalho. Avaliou-se também a compreensão do gênero textual.

RESULTADOS:
Evolução nos aspectos: físico, motor, social, emocional e cognitivo. Objetivos propostos contemplados com
sucesso. Melhora na capacidade de atenção e concentração em diversos momentos. Ampliação de vocabulário oral e
escrito. Evolução nas hipóteses de leitura e escrita convencional. Ampliação de repertório cultural/musical.
Compreensão e Produção do gênero Texto Instrucional: Regras.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Ao iniciar um trabalho nunca sabemos ao certo, qual o caminho que ele trilhará, pode dar certo, ou não. O fato é
que com arte, música e brincadeira, é diferente. As crianças são lúdicas e ousadas, natural do comportamento delas
e torna o trabalho muito mais fácil. Ao mencionar a idéia ao grupo, foi de imediato aceita e realizada com interesse
até o fim. As sextas-feiras tiveram uma sensação diferente! Paulatinamente as evoluções, comunicação e expressão
melhorando dia a dia, repertório musical mais apurado, ouvidos mais sensíveis ao universo musical. O jogo um
sucesso! Acredito que este é o caminho, porque as crianças se interessam por explicações simples e curtas, este
projeto traz simplicidade, mas têm significado, é artístico e ousado como as crianças, é lúdico, mas com
conhecimento, e muita diversão. Para finalizar, busco em Comênio “as palavras do professor são sempre!, palavras
simples, sólidas, breves, essenciais”, mais do que uma fala de uma professora, esse projeto conseguiu oportunizar
um olhar voltado para o conhecimento musical, permitindo um espaço onde eu e meus alunos compartilhamos juntos
a expressão citada por ALMEIDA e LEVY, “ensinar aprendendo, aprender ensinando”, no nosso caso, fomos além,
ensinamos cantando e aprendemos brincando.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
1. ALMEIDA, Berenice de. LEVY, Gabriel. O livro de Brincadeiras Musicais da Palavra Cantada. São Paulo:
Melhoramentos, 2010. Vol. 1.
2. BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros
Curriculares Nacionais. Arte. 2 ed. Brasília: SEF, 2000. v6.
3. COLL, César. Significado e Sentido na aprendizagem escolar. Reflexões em torno do conceito de
aprendizagem significativa. In: Aprendizagem Escolar e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed,
1994. Capítulo 9. 145-158. 159p.
4. FERRAZ, Maria Heloísa Corrêa. de Toledo. FUSARI, Maria F. de Rezende e. Metodologia do ensino de arte.
São Paulo: Cortez, 1999. 2 ed. Coleção Magistério 2º grau. Série formação do professor. 135p.
5. IAVELBERG, Rosa. Para gostar de aprender arte: sala de aula e formação de professores. Porto Alegre:
Artmed, 2003.

21 – “PALAVRA CANTADA... APRENDIZADO MUSICADO”

METAS PRIORIZADAS
 Utilizar a linguagem verbal e não-verbal como meio para produzir, expressar e comunicar sua ideias
de forma clara e objetiva em diferentes situações.
 Interagir de forma solidária respeitando as diferenças e valorizando a interdependência das pessoas
em ações e projetos comuns.
PÚBLICO-ALVO: Educação Infantil/ Ensino Fundamental I
RESUMO
O projeto destina-se aos alunos do 2º pré da Educação Infantil e 4ª série do Ensino Fundamental da E. M.
“Profª. Inês Rodrigues Cesarotti” e trata da música como fonte de prazer, conhecimento, manifestação cultural e meio
de exploração às habilidades.
O trabalho teve seu início com a apresentação do material Livro de Brincadeiras da Palavra Cantada e
levantamento dos conhecimentos prévios dos alunos no que se refere às brincadeiras e ritmos musicais. Em seu
decorrer houve grande interesse por parte das crianças às atividades propostas e grande participação nas
brincadeiras musicais, além do empenho nas pesquisas e busca de novos conhecimentos. Ao final das atividades
desenvolvida pudemos perceber avanço significativo na habilidade leitora, escritora, no desenvolvimento da
coordenação motora e da expressão corporal, melhora significativa no modo de expressar-se e aumento pelo gosto e
valorização musical.

APRESENTAÇÃO DO TEMA
O presente projeto trata da música como fonte de prazer, conhecimento, manifestação cultural e meio de
exploração às habilidades.

PROBLEMATIZAÇÃO
Deficiência nas habilidades criadoras, motoras, expressão corporal e oralidade.

JUSTIFICATIVA
A certeza de que a música é uma das linguagens expressivas do ser humano e que, portanto, deve fazer
parte de toda educação da criança é o que conduz o nosso projeto.
Sabemos que, para as crianças, a convivência com os diferentes sons e ruídos é muito importante, pois traz
novas descobertas e, com elas, o conhecimento e a exploração do novo.
A partir disto concebemos um trabalho pedagógico- musical que se pode realizar em contextos educativos
nos quais a música é entendida como um processo contínuo de construção que envolve perceber, sentir,
experimentar, imitar, criar e refletir.
A motivação primeira para levar a música para a sala de aula foi a certeza do quanto ela se faz necessária na
formação de cada indivíduo. Considerando-se também o recebimento do material “Livro de Brincadeiras” da Palavra
Cantada que viabilizou a execução deste projeto.

OBJETIVOS
 Sensibilizar para as possibilidades de expressão sonora;
 Apreciar música;
 Desenvolver a atenção;
 Criar músicas (produzir textos que serão sonorizados- paródias);
 Desenvolver a percepção e a memória melódica;
 Identificar timbres vocais;
 Explorar os diferentes sons produzidos pelo corpo;
 Identificar sons produzidos por objetos diversos;
 Desenvolver a percepção auditiva de pulso e ritmo;
 Repertoriar com o universo musical tradicional brasileiro;
 Desenvolver a linguagem / oralidade;
 Aprimorar a fala;
 Compreender e valorizar as manifestações populares;
 Ampliar o leque de conhecimento de diferentes culturas musicais;
 Valorizar a cultura de nosso país;
 Desenvolver a expressão corporal;
 Conhecer e identificar o som de alguns instrumentos;
 Desenvolver a coordenação motora;
 Trabalhar a memória;
 Desenvolver a lateralidade;
 Desenvolver a percepção e a localização espacial;
 Resgatar a tradição oral musical;
 Aprender a classificar, seriar e numerar;
 Aprimorar a leitura e a escrita

REFERENCIAL TEÓRICO
Perceber gestos e movimentos sob a forma de vibrações sonoras é parte de nossa integração com o mundo
em que vivemos. Os sons que nos cercam são expressões da vida, da energia, do universo em movimento e indicam
situações, ambientes, paisagens sonoras: a natureza, os animais, os seres humanos traduzem, também
sonoramente, sua presença, seu “ser e estar”, integrado ao todo orgânico e vivo deste planeta.
Fazer e ouvir música, estudar como é construída, conhecer seus recursos, saber como se estrutura,
perceber, ouvir, fazer...são conhecimentos fundamentais para, simplesmente, nutrir nossa relação com o mundo, com
as pessoas e com nós mesmos.
O ser humano é um ser musical, a música é uma das maneiras de se colocar no mundo, e, portanto é
indispensável que a linguagem musical seja valorizada em qualquer processo educacional.

METODOLOGIA
 Ouvir e apreciar diversos ritmos e estilos musicais;
 Brincar a partir das músicas propostas no material da Palavra Cantada;
 Criar músicas – produzir textos que serão sonorizados;
 Pesquisar, analisar e comparar a cultura musical das regiões brasileiras;
 Cantar para aprimorar a vocalização e ampliar o vocabulário;
 Repertoriar com o universo musical tradicional brasileiro;
 Resgatar a tradição oral musical;
 Classificar, seriar e numerar;
 Conhecer e explorar diversos instrumentos musicais.

AVALIAÇÃO
A avaliação será contínua e formativa através da observação do interesse e envolvimento nas atividades
propostas.

RESULTADOS
Melhora significativa nas habilidades criadoras, motoras, manifestação de sentimentos e expressões,
desenvolvimento da linguagem oral e escrita e ao respeito às diversas culturas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Através do trabalho desenvolvido obtivemos um excelente resultado com relação ao objetivo anteriormente
proposto, causando-nos grande admiração o interesse e envolvimento das turmas.
Foi um projeto prazeroso e que contribuiu de forma significativa para a construção e edificação do
conhecimento.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRITO, Teca Alencar de. Músicas na Educação Infantil. Propostas para a Formação Integral da Criança. São Paulo:
Peirópolis, 2003.
LEVY, Gabriel & ALMEIDA, Berenice. O livro de Brincadeiras Musicais da Palavra Cantada. Vol I, II e III: Livro do
Professor. São Paulo: Melhoramentos, 2010.
___________. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa, Matemática e Arte/ Secretaria de Educação
Fundamental: 2ª edição. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
___________. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. Vol I,II e III.
ROSSETI-FERREIRA, Maria Clotilde... [ET AL]. Os Afazeres na educação Infantil, 11ed. São Paulo: Cortez,
Ribeirão Preto.
TATIT, Paulo & PERES, Sandra. Livro de Brincadeiras musicais – Palavra Cantada vol. I, II e III. São Paulo:
Melhoramentos, 2010.

3 – “ATENÇÃO! CONCENTRAÇÃO! RITMO! VAI COMEÇAR! A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL”

EIXO TEMÁTICO: Música


MODALIDADE: Projeto
METAS PRIORIZADAS:
1. LER: vivenciar situações de leitura;
2. ESCREVER: vivenciar situações de escrita;
3. CALCULAR: utilizar procedimentos e estratégias diferentes;
4. COMUNICAR-SE: expressar seus sentimentos, ideias e conhecimentos por meio de múltiplas linguagens;
5. INTERAGIR: saber se comportar em diferentes situações respeitando o outro;
6. MANTER, AMPLIAR e APRIMORAR: parcerias com a comunidade.
PÚBLICO-ALVO: Educação Infantil

RESUMO:
A música está presente no cotidiano vivenciado por todas as pessoas. Ela nos anima, nos contagia, nos traz
nostalgia e boas ou más lembranças, marca os diferentes momentos da vida de cada um. Assim, com o presente
projeto, buscamos envolver e sensibilizar as crianças, bem como a comunidade escolar, desenvolvendo atividades
ricas para a aprendizagem e de valores culturais. Seguimos as pistas fornecidas pelo Referencial Curricular Nacional
para a Educação Infantil que afirma que a música atende a vários objetivos pedagógicos: desenvolve o raciocínio
lógico e a memória, estimula o gosto musical, para a dança e para a dramatização, une-se em uma síntese de
elementos imprescindíveis a educação global.

APRESENTAÇÃO DO TEMA:
A linguagem musical é um excelente meio para o desenvolvimento da expressão, do equilíbrio, da autoestima
e autoconhecimento, além de um poderoso meio de integração social. Diante destes argumentos, resolvemos utilizar
desta maravilhosa e lúdica ferramenta para atingir objetivos próprios da Educação Infantil e ainda, aproximar a
comunidade da escola, fazendo todos os envolvidos compreender que a educação é uma via de mão dupla, a escola
se responsabiliza por uma parcela e a família deve assumir a outra, sempre em parceria.

PROBLEMATIZAÇÃO:
Verificamos durante o início das aulas, em 2010, que parte dos pais e responsáveis pelas crianças,
apresentavam – por serem estar, em sua maioria, novatas na escola – certa insegurança em relação ao trabalho
desenvolvido pela equipe; talvez isso se devesse ao pouco contato e a falta de conhecimento de nossas proposições
e recursos empregados para alcançar as metas e os objetivos propostos para a Educação Infantil.

JUSTIFICATIVA:
A problematização citada e a avaliação institucional, realizada no final de 2009, apresentou-nos aspectos
que possibilitaram pensar este projeto, em especial, três ações que deveríamos continuar investindo na unidade,
citamo-os: 1. estímulo a práticas pedagógicas de qualidade, que respeitem os saberes que nossos/as alunos/as
trazem do seio familiar; 2. incentivo a atuação dos pais e familiares na vida do/a aluno/a e; 3. investimento na
formação voltada para a cidadania através de atividades diversificadas, visando a autonomia de nossos/as alunos/as.
A música perpassa gerações e, como bem se lê no Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil,
A música está presente em diversas situações da vida humana. Existe música para
adormecer, música para dançar, para chorar os mortos, para conclamar o povo a lutar, o
que remonta à sua função ritualística. Presente na vida diária de alguns povos, ainda hoje é
tocada e dançada por todos, seguindo costumes que respeitam as festividades e os
momentos próprios de cada manifestação musical. Nesses contextos, as crianças entram
em contato com a cultura musical desde muito cedo e assim começam a aprender suas
tradições musicais. (BRASIL, 1998, p. 47, 3v.)

Dessa forma, trabalhar música no cotidiano escolar, com as crianças, além de todo o desenvolvimento
potencial para elas – seja ele do cognitivo, da linguagem, do vocabulário, da vivência coletiva e cultural – ainda,
possibilitaria que os pais e responsáveis participassem mais ativamente da vida escolar de seus/suas filhos/as, bem
como do cotidiano da escola, superando seus anseios e insegurança e, contribuindo com o despertar estético
musical dos/as mesmos/as.

OBJETIVOS:
Conceituais:
 Ampliar a linguagem oral e escrita;
 identificar diferentes ritmos musicais;
 reconhecer a música como objeto de conhecimento;
 conhecer e nomear diversos instrumentos musicais;
 conhecer a estrutura de um livro: autor, ilustrador, capa; conhecer um repertório de canções para
desenvolver memória musical;
 desenvolver habilidades psicomotoras;
 desenvolver habilidades lógico-matemáticas.
Procedimentais:
 Vivenciar situações de leitura das músicas mesmo que não convencional,
 participar de atividades que envolvam a música de diferentes estilos e épocas;
 vivenciar situações de manuseio de diferentes materiais; confeccionar o livro com as 10 músicas escolhidas
pelos alunos;
 confeccionar a maleta para o CD Viajante; confecção dos jogos de percurso com notas musicais,
instrumentos e números;
 escrever o nome das músicas, rimas ou palavras das letras da música.
Atitudinais:
 Interessar-se pela música;
 despertar a criatividade;
 vivenciar momentos de descontração, alegria e aprendizado;
 participar de jogos e brincadeiras que envolvam a dança e a música;
 ter autonomia para escolher as canções de sua preferência;
 manusear corretamente a maleta musical e seu conteúdo, os instrumentos e o livro de música;
 respeitar e valorizar os diversos gêneros musicais.

REFERENCIAL TEÓRICO:
Os principais documentos oficiais para a Educação Infantil tratam a música como um importante eixo para o
desenvolvimento da criança. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil evidencia, por exemplo, que
a música, em muitos casos, pode ser suporte para atender a propósitos alheios as próprias questões dessa
linguagem, quando utilizada para formar hábitos, atitudes e comportamentos –“lavar as mãos antes do lanche [...]; a
realização de comemorações relativas ao calendário de eventos do ano letivo [...]; memorização de conteúdos
relativos à números, letras do alfabeto, cores etc., traduzidos em canções”. (BRASIL, 1998, p. 47, 3v).
Mais adiante, acrescenta:
... o contato intuitivo e espontâneo com a expressão musical desde os primeiros anos de
vida é importante ponto de partida para o processo de musicalização. Ouvir música,
aprender uma canção, brincar de roda, realizar brinquedos rítmicos, jogos de mãos etc., são
atividades que despertam, estimulam e desenvolvem o gosto pela atividade musical, além
de atenderem a necessidades de expressão que passam pela esfera da vida afetiva,
estética e cognitiva. Aprender música significa integrar experiências que envolvem a
vivência, a percepção e a reflexão, encaminhando-as para níveis cada vez mais
elaborados. (Idem, p. 48)
E, finalmente, enfatiza a possibilidade de atrelar a música a outros eixos da educação infantil, em projetos
integrados.
Deve ser considerado o aspecto da integração do trabalho musical às outras áreas, já que,
por um lado, a música mantém contato estreito com as demais linguagens expressivas
(movimento, expressão cênica, artes visuais etc.), e, por outro, torna possível realização de
projetos integrados. É preciso cuidar, no entanto, para que não se deixe de lado o exercício
das questões especificamente musicais. (Idem, p. 49)

METODOLOGIA:
Música e verso para Hora da Roda; utilização de fantoches para definir as regras da formação de roda;
contação de história e Teatro; exploração musical; ritmo, silêncio e discriminação auditiva; apresentação de músicas
com ritmo; discriminação de sons (CD); discriminação de sons (Objetos); relaxamento; jogo de percurso;
brincadeiras: som alto, som baixo, som fraco, som forte; parlendas, Trava-línguas, Cantigas de Roda;
experimentação dos instrumentos com a música (um a cada dia) execução de várias músicas com a bandinha;
produção do livro de música; produção do livro de instrumentos musicais; produção da maleta para o CD viajante.

DESCRIÇÃO DA AVALIAÇÃO:
A avaliação foi feita por meio da observação contínua e cuidadosa do livro de música, da maleta viajante e
pela participação e envolvimento do aluno e sua família. Pesquisa de satisfação com os alunos e seus familiares.

RESULTADOS:
Desinibição dos alunos; melhora da autoestima; melhora da Linguagem oral e escrita; avanço no raciocínio
lógico-matemático; memorização; integração entre as turmas respeito às regras e combinados; respeito à Pluralidade
Cultural; acuidade musical; despertou a criatividade; aumentou a participação em jogos e brincadeiras; ampliação do
repertório musical; o fortalecimento da autonomia por meio da escolha para a composição do caderno de música;
formação estética; estreitamente da relação família/escola.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Mediante o desenvolvimento deste trabalho, percebe-se que a utilização de projetos é indispensável à nossa
prática pedagógica, pois, trazem inovações, proporcionando uma aprendizagem mais interessante e prazerosa, tendo
em vista o caráter dinâmico do mesmo.
Vale salientar que a música está presente em todas as culturas, nas mais diversas situações: festas e
comemorações, rituais religiosos, manifestações cívicas e políticas, ou seja, é indispensável sua presença no
contexto educacional. Neste sentido, a escola precisa se constituir em espaço que ofereça oportunidades e
situações estimuladoras para a criança e sua família. Pois, para Freinet (1990), "a escola é a continuação natural da
vida de família e do meio. Não se forma homens pré-fabricados, mas homens vivos e dinâmicos."
É importante enfatizar que a prática de projetos musicais tem um potencial bastante positivo, pois além de
aumentar a autoestima das crianças, favorece de maneira mais simples o enlace com o conhecimento, e, de certa
forma, acabou envolvendo mais que apenas o trabalho com textos, porque envolve os alunos e sua família
emocionalmente, possibilitando que alcançássemos os objetivos propostos.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular para a
Educação Infantil. Brasília: MEC / SEF, 1998. v. 1 e 3.
NICOLAU, M. L. M. Freinet; uma revolução na sala de aula. In: ______. Textos básicos de educação pré-escola. São
Paulo: Ática, 1990.
MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares
Nacionais. 33 ed. Brasília: MEC / SEF, 2001. v. 6.
RIBEIRO, Rita de Cássia Alves. Projeto: Música . Curso PRO-LETRAMENTO,2008.
ROSA, Lilia. Musicalização para pré-escola e iniciação musical. 5ª. Edição. São Paulo: Irmãos Vitale, 1997.

6 - “BRINCANDO EU APRENDO: QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA”

EIXO TEMÁTICO: Música, Linguagem Oral e Escrita, Movimento, Arte.


METAS PRIORIZADAS:
 1 - (Vivenciar situações de leitura) Ler com autonomia e compreensão diferentes tipos por gêneros textuais
pelo prazer, busca de informação e necessidade de ampliar conhecimento.
 3 - Utilizar a linguagem verbal e não-verbal como meio para produzir, expressar e comunicar suas ideias de
forma clara e objetiva em diferentes situações.
 6 - Interagir de forma solidária respeitando as diferenças e valorizando a interdependência das pessoas em
ações e projetos comuns.

PÚBLICO-ALVO: Maternal III – 3 anos

RESUMO:
O projeto “Brincando eu Aprendo: Quem canta seus males espanta” é fruto da união do Projeto Institucional
do Cei-83 “Maria Carmen Rodrigues Saker”, intitulado “Brincando eu Aprendo”, com o interesse despertado nas
crianças, do Maternal III, pela música. Através dele resgatamos as brincadeiras de roda, marchinhas carnavalescas,
cantigas e parlendas próprias da cultura popular brasileira e perpassamos por todos os objetivos propostos nos
diferentes eixos do Referencial Curricular Nacional de forma lúdica e interdisciplinar.

APRESENTAÇÃO DO TEMA:
Segundo o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, brincar é uma das atividades
fundamentais para o desenvolvimento da identidade e da autonomia. A brincadeira é uma linguagem infantil que
favorece a auto-estima e auxilia a interiorização de determinados modelos dos adultos e de grupos sociais e a
reestruturação de conhecimentos, conceitos e novas aquisições. Já a música é a linguagem que se traduz em formas
sonoras capazes de expressar e comunicar sensações, sentimentos e pensamentos. A música e o brincar são
formas importantes de expressão humana, o que por si só justifica sua presença no contexto da educação, de um
modo geral.

PROBLEMATIZAÇÃO:
Como trabalhar música com crianças de três anos?
É possível atingir os objetivos propostos pelo Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil através
da musica?

JUSTIFICATIVA:
Por seu poder criador e libertador, a música torna-se um poderoso recurso educativo a ser utilizado na
escola. Ouvir música, aprender uma canção, brincar de roda, realizar brinquedos rítmicos etc.; são atividades que
despertam, estimulam e desenvolvem o gosto pela atividade musical, além de atenderem as necessidades de
expressões que passam pela esfera estética, afetiva e cognitiva. Oportunizar momentos de brincadeiras na Educação
Infantil cria um espaço o qual as crianças podem experimentar o mundo e internalizar uma compreensão particular
sobre pessoas, sentimentos e conhecimentos.
Explorar elementos da música e do brincar para se expressar, interagir com os outros, ampliar seu
conhecimento de mundo, perceber e expressar sensações, sentimentos e pensamentos são objetivos a serem
atingidos nas escolas.

OBJETIVOS:
Formação pessoal e social:
 Experimentar e utilizar os recursos de que dispõe para a satisfação de suas necessidades essenciais,
expressando seus desejos, sentimentos, vontades e desagrados e agindo com progressiva autonomia.
 Familiarizar-se com a imagem do próprio corpo, conhecendo progressivamente seus limites, sua unidade e
as sensações que ele produz.
 Interessar-se progressivamente pelo cuidado com o próprio corpo, executando ações simples relacionadas à
saúde e higiene.
 Brincar.
 Relacionar-se progressivamente com mais crianças, com seus professores e com demais profissionais da
instituição, demonstrando suas necessidades e interesses.
Conhecimento de mundo:
Movimento:
 Familiarizar-se com a imagem do próprio corpo;
 Explorar as possibilidades de gestos e ritmos corporais para expressar-se nas brincadeiras e nas demais
situações de interação;
 Deslocar-se com destreza progressiva no espaço ao andar, correr, pular, etc., desenvolvendo atitude de
confiança nas próprias capacidades motoras;
 Explorar e utilizar os movimentos de preensão, encaixe, lançamento etc., para uso e objetos diversos;
Música:
 Ouvir, perceber e discriminar eventos sonoros diversos, fontes sonoras e produções musicais
 Brincar com a musica, imitar, inventar e reproduzir criações musicais;
Artes visuais:
 Ampliar o conhecimento de mundo que possuem, manipulando diferentes objetos e materiais, explorando
suas características, propriedades e possibilidades de manuseio e entrando em contato com formas diversas
de expressão artísticas.
 Utilizar diversos materiais gráficos e plásticos sobre diferentes superfícies para ampliar suas possibilidades
de expressão e comunicação;
Linguagem oral e escrita:
 Participar de variadas situações de comunicação oral, para interagir e expressar desejos, necessidades e
sentimentos por meio da linguagem oral, contando suas vivencias;
 Interessar-se pela leitura de histórias;
 Familiarizar-se aos poucos com a escrita por meio da participação em situações nas quais ela se faz
necessária e do contato cotidiano com livros, revistas, histórias em quadrinhos, etc.
Natureza e sociedade:
 Explorar ambientes, para que possa se relacionar com pessoas, estabelecer contato com pequenos animais,
com plantas e com objetos diversos, manifestando curiosidade e interesse.
Matemática:
 Estabelecer aproximações a algumas noções matemáticas presentes no seu cotidiano, como contagem,
relações espaciais etc.

REFERENCIAL TEÓRICO:
De acordo com o Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil, no processo de construção do
conhecimento, as crianças se utilizam das mais diferentes linguagens e exercem a capacidade que possuem de
terem ideias e hipóteses originais sobre aquilo que buscam desvendar.
Brincar é uma das atividades fundamentais para o desenvolvimento da identidade e da autonomia.
Oportunizar momentos de brincadeiras na Educação Infantil cria um espaço no qual as crianças podem experimentar
o mundo e internalizar uma compreensão particular sobre pessoas, sentimentos e conhecimentos. Brincadeiras de
faz-de-conta, jogos de construção, de regras, tradicionais, matemáticos, brincadeiras de roda, etc. propiciam a
ampliação dos conhecimentos infantis, dos códigos sociais, da linguagem, da expressão, da interação social, por
meio da atividade lúdica.
Ouvir música, aprender uma canção, brincar de roda, realizar brincadeiras rítmicas etc.; são atividades que
despertam, estimulam e desenvolvem o gosto pela atividade musical, além de atender a necessidade de expressão
que passam pela esfera estética, afetiva e cognitiva. Aprender música significa integrar experiências que envolvam a
vivência, a percepção e a reflexão, encaminhando-as para níveis cada vez mais elaborados.
Cabe aos professores de educação infantil encarar a música e o brincar como parte integrante da formação global
dos alunos. É isso que tenho buscado em minha prática, oferecer aos meus alunos o contato, a apreciação e a
vivência de diferentes práticas para que possam construir seu conhecimento, desenvolver seus gostos e habilidades
e crescer como pessoas críticas, autônomas e reflexivas.

METODOLOGIA:
O projeto engloba marchinhas carnavalescas, cantigas de roda, parlendas e músicas do nosso folclore,
através das quais perpassamos por todas as áreas do conhecimento (Linguagem Oral e Escrita, Música,
Movimento, Arte, Matemática e Natureza e Sociedade) visando atingir aos objetivos propostos no Referencial
Curricular Nacional e as Metas de aprendizagem da Secretaria de Educação.
Iniciei o trabalho com a audição e canto das marchinhas carnavalescas, cantigas de roda, parlendas e
músicas de nossa cultura popular. A cada música abordada, realizei rodas de conversa e leitura de histórias de
acordo com o tema proposto pela musica. Explorei questões ambientais e das características de seres vivos,
situações-problema e noções matemáticas, materiais de arte plástica com a finalidade de ilustrar as parlendas,
cantigas, marchinhas e músicas trabalhadas.
Incluí, também, o trabalho com empréstimos do Kit “Tempo de Brincar”, o qual os alunos levam para casa
para compartilhar com seus familiares e registram como foi no caderno e registros.

DESCRIÇÃO DA AVALIAÇÃO:
A avaliação do projeto foi processual mediante a observação diária das formas de expressão das crianças,
de suas capacidades de concentração e envolvimento nas atividades, de satisfação com suas próprias produções e
conquistas.

RESULTADOS:
Percebi nas crianças maior motivação e alegria em participar das atividades propostas, além de atitudes que
demonstram autonomia e consciência ambiental.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
A música e o brincar são partes integrantes da formação global dos alunos. É papel do professor, oferecer o
contato, a apreciação e a vivência de diferentes práticas para que possam contribuir com a construção do
conhecimento e o desenvolvimento de gostos, habilidades e potencialidades de seus alunos.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular
Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. Vol. 1- Introdução.
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular
Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. Vol. 2- Formação pessoal e social.
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular
Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. Vol. 3- Conhecimento de mundo.

A MUSICALIZAÇÃO E SUAS FACETAS

EIXO TEMÁTICO: Linguagem Oral e Escrita, Movimento, Natureza e Sociedade, Matemática, Música e Arte.

MODALIDADE: Projeto

METAS PRIORIZADAS:
 Vivenciar situações de leitura e escrita;
 Resolver situações problemas próprias de suas vivências;
 Expressar-se por meio de múltiplas linguagens;
 Estabelecer relações cognitivas lógico-matemáticas;
 Interagir em diferentes situações respeitando o outro;
 Utilizar as linguagens, como instrumento de aprendizagem.

PÚBLICO-ALVO: Agrupamento 2006/07

RESUMO
O tema abordado foi A Musicalização e suas Facetas aplicado no Agrupamento 2006/07 no CEI-66
Fraternidade Feminina Cruzeiro do Sul e CEI-20 Victória Salus Lara.
O motivo do desencadeamento do projeto com a música foi a necessidade de prolongar o trabalho de
adaptação com nossos alunos. Devido a alguns problemas, em maio, ainda tínhamos crianças que choravam e não
se sentiam à vontade na escola. Algumas não se alimentavam e outras enfrentavam problemas relacionados à
ansiedade, compulsividade, gagueira, falta de concentração e atenção esperada para a faixa etária. Este fato estava
provocando um distanciamento do planejamento anual, baseado no Referencial Curricular para a Educação Infantil, o
que fez com que buscássemos o auxílio da música. A musicalização trouxe um novo universo para a turma,
impulsionando, de modo significativo, um trabalho rico e prazeroso, favorecendo o desenvolvimento das crianças em
todos os aspectos.

APRESENTAÇÃO DO TEMA
Como o trabalho pedagógico-musical deve se realizar em contextos educativos que entendam a música
como processo contínuo de construção, que envolve perceber, sentir, experimentar, imitar, criar e refletir, escolhemos
o tema “A Musicalização e suas Facetas” para atender tal processo e desafio que apresentava essa faixa etária.

PROBLEMATIZAÇÃO:
A busca por este trabalho de qualidade surgiu da necessidade de atender às propostas do Referencial
Curricular para a Educação Infantil, - comprometidas com o desenvolvimento integral das crianças - Acreditando que
o trabalho com a musicalização possibilitaria este desenvolvimento, passamos a desenvolvê-lo a fim de enriquecer e
ampliar a experiência e o conhecimento das crianças, não apenas do ponto de vista musical, mas integralmente em
contextos significativos.

JUSTIFICATIVA:
De acordo com o Referencial Curricular para a Educação infantil, as cantigas de roda atendem a vários
objetivos pedagógicos: brincando de roda a criança exercita naturalmente o seu corpo, desenvolve o raciocínio e a
memória, estimula o gosto pela música e dança, une-se em uma síntese de elementos imprescindíveis a educação
global. As músicas contribuem para o desenvolvimento das várias linguagens, ampliam o vocabulário e propiciam o
enriquecimento cultural. Elas auxiliam no desenvolvimento emocional e psicológico da criança, tornando-a capaz de
lidar com conflitos, possibilitando a sua compreensão do mundo. São ótimas para a socialização e desinibição da
criança, ao provocar o olhar frente a frente com o outro, o toque corporal e a exposição consentida, pois em muitas
das cantigas deve-se ir ao centro da roda individualmente e ser visto por todos. Além disso, desenvolvem o senso de
organização coletiva por meio da roda e o senso rítmico pela música e pelo movimento corporal que ela cria,
despertando a imaginação, a fantasia e a capacidade de teatralização.

OBJETIVOS
• Conceituais: Identificar as canções e relacioná-las com outras formas de arte; ampliar o conhecimento do
que as cerca; analisar e interpretar a arte; indicar suas preferências; conhecer a natureza e a sociedade;
desenvolver habilidades psicomotoras, lógico-matemáticas, linguagem oral e escrita.
• Procedimentais: Manejar diversos tipos de materiais, confeccionar materiais, relacionados a textos, sons e
movimentos; representar situações; produzir textos e trabalhos artísticos.
• Atitudinais: Respeitar os colegas; sensibilizar-se com a sociedade; interessar-se pelo meio ambiente; ter
autonomia para tomar pequenas decisões; desenvolver inclinações artísticas.
• Objetivos Específicos:
• Explorar e identificar os elementos da música;
• Interagir com outras crianças;
• Ampliar seu conhecimento de mundo;
• Desenvolver, perceber e expressar sentimentos, sensações e pensamentos por meio de improvisações,
composições e interpretação musical;
• Reconhecer e utilizar os sons: (fracos, fortes); altura (grave, agudo);
• Desenvolver: hábitos e posturas, ampliar o vocabulário, localizar as partes do corpo, dominar a lateralidade e
as direções, acompanhar ritmos diversos, usar o corpo como instrumento de percussão, ampliar o senso
crítico, ter noção de cores e quantidades.

REFERENCIAL TEÓRICO:
De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil a música é a linguagem que se
traduz em formas sonoras, capazes de expressar e comunicar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio da
organização e relacionamento expressivo entre o som e o silêncio. Segundo Willems, percebemos o mundo por meio
de três níveis: sensorialidade, sensibilidade e intelecto. Relacionando com os estudos de Piaget, verificamos:

E. Willems Elementos da Música Piaget


vida fisiológica Ritmo Sensório motor
Vida afetiva Melodia Pensamento intuitivo
Vida mental Harmonia Operações mentais
Assim, constatamos a importância da música para o desenvolvimento integral das crianças.

METODOLOGIA:
1ª. Fase
a) - Percepção de roda:
 Marcação do chão com a fita;
 Música e verso para Hora da Roda;
 Utilização de fantoches para definir as regras da formação de roda;
 Contação de história e Teatro;
 Exploração musical
b) – Percepção do Som
 Ritmo, silêncio e discriminação auditiva;
 Apresentação de músicas com ritmo;
 Discriminação de sons (CD) e em brinquedos em roda;
 Relaxamento (ouvindo barulhos externos);
c) - Percepção de Melodia / Harmonia
 Músicas: Ex.: “Para cantar bem...”,
 Jogo com fantoche;
 Brincadeiras: som alto, som baixo, som fraco, som forte;
 Parlendas, Trava-línguas, Cantigas de Roda.
2ª. Fase
a) - Banda Rítmica:
 Exploração da Banda Rítmica;
 Música: “A loja do mestre André”;
 Experimentação dos instrumentos com a música (um a cada dia)
 Música: “Ora Bolas”;
 Execução de várias músicas com a bandinha.
DESCRIÇÃO DA AVALIAÇÃO:
A avaliação foi feita por meio de observação e acompanhamento constante de cada criança: sua participação,
espontaneidade, expressão, etc.

RESULTADOS:
Logo no início do trabalho, pudemos observar uma transformação significativa no dia a dia da turma. A
introdução de momentos musicais: relaxamento, roda, música, possibilitando o movimento, organizaram a rotina que
andava um tanto difícil. Aos poucos as crianças foram assimilando os momentos musicais e desfrutando com prazer
de cada um deles. Ao formar a roda as crianças ficavam dispostas a conversar, ouvir a história e brincar
organizadamente.
A partir de então, pudemos conduzir todo o planejamento, percebendo que por meio do trabalho musical, as
crianças despertaram a atenção e concentração, possibilitando um trabalho de qualidade. Percebemos um avanço
também na linguagem verbal: Algumas crianças falavam pouco, não se expressavam com facilidade e apresentavam
muita timidez, o que começou a mudar significativamente em poucos meses. Atrelado ao projeto musical, todas as
áreas foram cercadas de prazer e imaginação e a criatividade tomou forma em peças teatrais, nas histórias, nas
artes, brincadeiras e em todo o contexto pedagógico.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Realizar este projeto foi extremamente gratificante. Confirmou a importância da Música para a Educação
Infantil, trazendo benefícios em todos os aspectos. Apontou para o fato de que é necessário que o educador crie
oportunidades para que as crianças se apropriem da música, não como algo pronto, mas explorem, vivenciem e
inventem, construindo assim, o conhecimento musical, que comprovadamente é capaz de “contribuir para formação
de seres humanos sensíveis, criativos e reflexivos” (BRITO, Teca Alencar).
É importante lembrar que a lateralidade, noção de espaço, equilíbrio, coordenação motora, entre outros,
foram-se aperfeiçoando ao decorrer do projeto, culminando com descobertas e conquistas preciosas. Foi preciso
persistência, dedicação e paciência, mas os resultados foram surpreendentes.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BRITO,Teca Alencar de. Música na educação infantil, propostas para a formação integral da criança. São Paulo:
Peirópolis, 2003

BIAGIONE, Maria Zei. A criança é a música. São Paulo: Ed. Fermata, 1998 - 2ª Edição

CHAN, Thema. Dos pés à cabeça, sabe por quê? São Paulo: Ed. Irmãos Vitale, 2006.

MÚSICA PARA OUVIR...

EIXO TEMÁTICO: Linguagem e música


MODALIDADE: Projeto

METAS PRIORIZADAS:

 Utilizar linguagem verbal e não verbal como meio para produzir, expressar e comunicar suas idéias de
forma clara e objetiva em diferentes situações.
 Interagir de forma solidária respeitando as diferenças e valorizando a interdependência das pessoas em
ações e projetos comuns.

PÚBLICO-ALVO: AGRUPAMENTO 2006/07

RESUMO:

O projeto música para ouvir foi realizado no CEI-86, no maternal III turmas A e B no ano de 2009, a proposta
do projeto de ouvir música em casa e realizar o registro de como foi, com o objetivo de ampliar o repertório musical
familiar teve retorno muito positivo, com a participação de todas as famílias.
Os pais se aproximaram mais da realidade escolar dos filhos, o que empolgou a todos, crianças educadoras
e familiares.

APRESENTAÇÃO DO TEMA:
Linguagem como meio para interagir, expressar sentimentos e vivências.

PROBLEMATIZAÇÃO:
Cabe à escola propiciar o contato e experiências com a diversidade da linguagem musical como forma de
conhecer e representar o mundo?

JUSTIFICATIVA:

No final de julho percebemos que as crianças estavam cantando músicas populares que estavam tocando no
rádio, algumas dessas de duplo sentido e com conotações sexuais, percebemos então a necessidade de oferecer às
famílias outros tipos de música mais adequados a faixa etária de seus filhos, criamos este projeto para apresentar
aos familiares o tipo de música que as crianças ouvem na escola.

OBJETIVOS:

 Incentivar a criatividade e o desenvolvimento afetivo.

 Ampliar vocabulário.

 Ampliar repertório musical familiar

REFERENCIAL TEÓRICO:

Segundo o referencial curricular nacional para a educação infantil a música é um meio de expressão e forma
de conhecimento acessível aos bebês e crianças, inclusive aquelas que apresentam necessidades especiais.
O trabalho com música deve se organizar de forma que as crianças desenvolvam a capacidade de ouvir,
perceber, discriminar e reproduzir diferentes formas sonoras e ampliação de repertório.
A educação infantil ao promover experiências significativas de aprendizagem da língua por meio de trabalho
com a linguagem oral e escrita se constitui em um espaço de ampliação das capacidades de comunicação e
expressão e de acesso ao mundo letrado pelas crianças.

METODOLOGIA:

Semanalmente uma criança do grupo levará para casa um kit contendo um CD, material de artes, e um
caderno para registros.

A família será orientada a ouvir o CD, fazer um registro com a participação da criança utilizando os materiais
enviados e também um registro escrito de como foi a experiência.
Na Segunda-Feira o kit deverá ser devolvido e na roda de conversa a criança contará como foi ouvir música
com a família e mostrará no caderno o que fez com a família e o professor lerá o que a família escreveu para o
grupo.

DESCRIÇÃO DA AVALIAÇÃO:
A avaliação se dará através da observação e da análise do comportamento da criança na hora de apresentar
o produto final e também na análise do produto final obtido.

RESULTADOS:

Ao concluirmos o projeto pudemos observar que as famílias estavam mais envolvidas na vida escolar de seus
filhos.
As crianças apaixonadas pelas novas músicas apresentadas, e interessadas também pela leitura e
observação das gravuras destas no livro.
Apresentavam com muito orgulho o que haviam produzido relatando verbalmente no grupo como tinha sido e
concentrando se na leitura do relato (feita pelo professor).
Com este projeto conseguimos envolver as crianças com necessidades especiais (Inclusive auditiva), pois
como a limitação era parcial, colocávamos a criança próxima do rádio com a mão sobre o falante do rádio sentindo a
vibração do som, e com o apoio da observação das produções em artes visuais, essa criança se envolvia ainda mais
nas atividades do projeto. O Livro também foi indispensável para o envolvimento dessa criança.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Este projeto foi muito positivo e atingiu a maior parte de seus objetivos, as crianças tornaram se
multiplicadoras do novo repertório que conheceram. Todas as crianças foram envolvidas, participaram com alegria e
suas famílias demonstraram muita dedicação no desenvolvimento da proposta.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BRASIL, ministério da educação e do desporto. Secretaria da educação fundamental. Referencial curricular nacional
para a educação infantil-Volume 3. Brasília: MEC/SEF, 1998. Pg.: 49,55, 57 e 117.

QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA

EIXO TEMÁTICO: Música

MODALIDADE: Atividade sequenciada

METAS PRIORIZADAS:
 Ler (1);
 Expressar-se (4);
 Interagir (6);

PÚBLICO-ALVO: AGRUPAMENTO 2005/06 E 2004/05

RESUMO:

Esse trabalho foi desenvolvido no CEI 18 “Miguel Cheda”, no ano de 2009, com os alunos da 1ª e 2ª etapas.
Com o objetivo de desenvolver o gosto pela música e aprofundar o conhecimento dos alunos nesse eixo, as
professoras Cássia e Clarice elaboraram essa atividade seqüenciada que foi trabalhada regularmente com os alunos.
Concluíram o trabalho fazendo a apresentação da filmagem de alguns momentos vivenciados pelos alunos
no decorrer desse processo.
Percebemos que esse trabalho ajudou desenvolver a concentração dos alunos, o gosto pela música e o
desenvolvimento da sensibilidade.

APRESENTAÇÃO DO TEMA:
Partindo do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil nosso trabalho objetivou fazer com que
as crianças percebessem, sentissem, refletissem sobre a música e seus elementos, construindo seu mundo e suas
relações a partir de um processo gradativo.

PROBLEMATIZAÇÃO:

Como despertar a atenção dos alunos, o equilíbrio, a sensibilidade, numa sociedade na qual são
bombardeados de informações e atividades extra escolares, num ritmo de vida onde a família já não tem muito tempo
e parece que tudo acontecesse de um modo muito acelerado?

JUSTIFICATIVA:

Desde que se estuda a história da humanidade, tem-se observado que a música sempre fez parte da vida do
ser humano. Em qualquer parte do mundo, em todas as épocas, a música e as pessoas sempre viveram juntas.
Podemos suprir que no princípio, o ser humano reproduzia os sons que ouvia na natureza, como o vento forte e seu
sussurrar nas folhagens, a água dos rios, o estalarem dos galhos, o canto dos pássaros e tantos outros não só com a
intenção de imitá-los, mas também porque essa era a música que ele conhecia. A música é uma linguagem que se
traduz em formas sonoras capazes de comunicar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio de organização
e relacionamento expressivo entre o som e o silêncio. A música está presente em todas as culturas, nas mais
diversas situações. Faz parte da educação desde há muito tempo, sendo que, já na Grécia antiga, era considerada
fundamental para a formação dos futuros cidadãos.

OBJETIVOS:
Objetivos Conceituais:

- definir o que é música;

- analisar como se produz música;

- conhecer a combinação de sons e silêncio para produzir música;

- conhecer como funciona a audição;

- identificar os naipes dos instrumentos musicais;

- identificar a formação de uma orquestra e da banda rítmica;

- explorar e identificar os elementos da música;

- perceber e expressar sensações, sentimentos e pensamentos através das músicas;

- identificar as maneiras convencionais e não convencionais de se registrar a música;

- conhecer a leitura musical convencional;

- conhecer e identificar as propriedades do som;

- conhecer e identificar: pulso básico, ritmo da melodia, estrutura do arranjo, frases musicais;

Objetivos Procedimentais:

- interpretar músicas e canções diversas,

- participar de brincadeiras com parlendas, danças circulares, cantigas de roda, expressão corporal;

- ouvir e cantar diversas canções;

- escutar obras musicais variadas;

- participar de situações que integrem músicas, canções e movimentos corporais;

- cantar com a base gravada a música “da maré”;

- marcar com movimentos corporais as frases musicais da música “da maré”;

- observar cartazes sobre a audição humana;

- escutar sons da natureza;

- produzir sons corporais;

- produzir e observar ondas na água e nos instrumentos de corda;

- assistir vídeos contextualizados;

- realizar exercícios de respiração, relaxamento e aquecimento de voz;

- soprar para produzir sons em materiais e objetos diversos;


- ouvir informações sobre as obras musicais e seus compositores;

- marcar o pulso básico da música “asa branca” do CD através de palmas e outros movimentos e sons corporais;

- diferenciar ruído de música;

- combinar signos para registrar os sons de forma não convencional;

- marcar a leitura não convencional dos signos não convencionais.

Objetivos atitudinais:

- ampliar a percepção musical;

- desenvolver a atenção;

- apreciar obras musicais diversas;

- entender a música como uma forma de linguagem;

- desacelerar o pensamento;

- aliviar a ansiedade;

- melhorar a concentração;

- desenvolver o prazer de aprender;

- educar a emoção;

- despertar a sensibilidade.

REFERENCIAL TEÓRICO:

“A música deve ser considerada uma verdadeira "linguagem de expressão”, parte integrante da formação
global da criança. Deverá ela estar colaborando no desenvolvimento dos processos de aquisição do conhecimento,
sensibilidade, criatividade, sociabilidade e gosto artístico. Sendo a escola a instituição responsável pela formação
cultural da criança, cabe a ela também proporcionar esse conhecimento, não só da música popular como também
das músicas folclórica, clássica e erudita.” Leda Maria Giuffrida Silva.

METODOLOGIA:
 Definição do que é música e como linguagem;
 Diferenciação de som e silêncio;
 Identificação de diferentes sons;
 Reconhecimento da combinação de sons e silêncio;
 Identificação de como se produz a música;
 Conhecimento dos elementos da música;
 Ampliação do repertório musical;
 Análise para que serve a música – sensibilização musical;
 Apreciação musical;
 Conhecimento do funcionamento da audição humana;
 Identificação de signos e códigos musicais – convencionais ou não convencionais;
 Identificação dos naipes dos instrumentos musicais;
 Identificação da formação de uma orquestra;
 Reconhecimento da voz humana como o primeiro instrumento;
 Identificação gráfica das ondas sonoras;
 Registro convencional ou não convencional da música;
 Conhecimento da leitura musical convencional e não convencional;
 Identificação e reconhecimento da percepção musical através de: pulso básico, ritmo da melodia, pulso do compasso,
estrutura do arranjo, frases musicais, cânones, forma musical;
 Expressão através da dança e canto.

DESCRIÇÃO DA AVALIAÇÃO:

A avaliação foi feita por meio da observação acurada do professor durante a realização das atividades,
relatórios semanais e registros dos alunos. A pauta da observação é um instrumento importante no trabalho, é um
ótimo indicador para se ter clareza dos pontos exatos que se quer observar, pois orienta na coleta de dados para
posteriormente organizar e utilizar em uma análise e planejar novas ações. É importante que o professor atualize
sistematicamente suas observações, documentando as conquistas das crianças.

RESULTADOS:

Constatamos que a educação musical suscitou nas crianças um grande prazer já que se reveste de um
acentuado caráter lúdico e, portanto, desafiador. As crianças foram atraídas pela música, que se tornou um valioso
recurso para a aprendizagem em geral. Vivenciamos experiências incríveis e com base nos objetivos trabalhados, foi
possível observar que as crianças desenvolveram a atenção e concentração, senso rítmico, audição musical e
ampliaram o repertório musical.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Se pensarmos que a "nossa Escola" não tem condições, nem nos dá possibilidades para a prática musical,
ora por falta de material sonoro, ora por falta de espaço, ora mesmo pela insegurança, nada acontecerá. Porém, se
conseguimos desencadear o gosto pela elaboração da música nas classes de Educação Infantil e lutamos para que
isto tenha uma perspectiva de continuidade nas demais séries, acreditamos que teremos alunos mais alegres e
felizes e uma escola em que alunos, pais e professores interagirão de maneira harmônica, pois verdadeiramente
estarão sendo sujeitos da construção da sua própria história.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, volume 3

Guia para Educação e prática musical em escolas, Márcia Visconti e Maria Zei Biagioni, ABEMÚSICA

A educação artística da criança – plástica e música – fundamentos e atividades, editora ática

Pais brilhantes, professores fascinantes, Augusto Cury, editora sextante

A expressão musical para crianças de pré-escola, Leda Maria Giuffrida Silva.

Quem canta seus males espanta

EIXO TEMÁTICO: Alfabetização e Letramento

METAS PRIORIZADAS: - Utilizar várias linguagens

- Ler

- Escrever

PÚBLICO ALVO: AGRUPAMENTO 2005/06

RESUMO

Desde muito cedo a criança se utiliza principalmente da Linguagem Oral para se comunicar quer seja em
situações informais ou mesmo em situações formais nas instituições que elas vêem a freqüentar: as creches ou
escolas de educação infantil. É nesse ambiente, na interação com crianças de sua faixa etária e com os profissionais
dessa área que a criança enriquece seu repertório de palavras e de ações, gestos e comportamentos muitas vezes
utilizados para resolver os problemas que surgem no dia-a-dia.
Sendo a música uma ferramenta que contribui para a formação integral do ser humano; por meio dela a
criança entra em contato com o mundo letrado e lúdico; desenvolvendo sensibilidade, criatividade, senso rítmico,
prazer de ouvir música, imaginação, memória, concentração, atenção, auto disciplina, respeito ao próximo,
socialização e afetividade, também contribuindo para uma efetiva consciência corporal e de movimentação.
O projeto “Quem canta seus males espanta” realizou-se na E.M. Profª Lea Edy Alonso Saliba com crianças
de 1ª etapa por ser a música uma linguagem motivadora e facilitadora do processo de aprendizagem nessa faixa
etária.
Seu desenvolvimento permitiu que as crianças ampliassem seu conhecimento acerca do tema
compreendendo a relação entre a linguagem oral e escrita no seu uso social.

APRESENTAÇÃO DO TEMA

A música faz com que a educação seja um processo natural de movimento, envolvimento e desenvolvimento.
Experiências musicais ativas (vendo, ouvindo, tocando) favorecem o desenvolvimento dos sentidos das crianças. Ao
trabalhar com os sons ela desenvolve sua acuidade auditiva; ao acompanhar gestos ou dançar ela está trabalhando
a coordenação motora e a atenção; ao cantar ou imitar sons ela está descobrindo suas capacidades e estabelecendo
relações com o ambiente em que vive.
Ao utilizar a música como elemento condutor para a aprendizagem de crianças que estão em contato com a
alfabetização faz-se necessário explorar a relação leitura e escrita como meio essencial para a aquisição desse
processo de forma prazerosa.
Segundo o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, a integração entre os aspectos
sensíveis, afetivos, estéticos e cognitivos, assim como a promoção de interação e comunicação social, conferem
caráter significativo à linguagem musical. E uma das formas importantes de expressão humana, o que por si só
justifica sua presença no contexto da educação, de um modo geral, e na educação infantil, particularmente.

PROBLEMATIZAÇÃO

A necessidade de realizar este projeto surgiu das nossas observações e reflexões de como trabalhar a
música e a linguagem musical na sala de Educação Infantil, como recurso mediador da aprendizagem e das
interações sociais. Nossas principais indagações foram: O que é linguagem musical? Como a linguagem musical
pode contribuir na aprendizagem de nossas crianças? Como a linguagem musical pode desenvolver a socialização
da criança no contexto escolar? Qual a contribuição da linguagem musical e sua influência no processo e na
formação de hábitos e atitudes na Educação Infantil?

JUSTIFICATIVA

A linguagem musical está presente na vida dos seres humanos e há muito tempo faz parte da educação de
crianças e adultos. Desde o nascimento a criança tem necessidade de desenvolver o senso de ritmo, pois o mundo
que a rodeia, expressa uma profusão de ritmos evidenciados por diversos aspectos.
Na educação infantil a criança beneficia-se do ensino da linguagem musical quando as atividades propostas
contribuem para o desenvolvimento da coordenação viso motora, da imitação de sons e gestos, da atenção e
percepção, da memorização do raciocínio, da inteligência, da linguagem e da expressão corporal.
Essas funções psiconeurológicas envolvem aspectos psicológicos e cognitivos que constituem as diversas
maneiras de adquirir conhecimentos, ou seja, são as operações mentais que usamos para aprender, para raciocinar.
A atividade de cantar uma música proporciona à criança o treinamento de uma série de aptidões importantes.
A musicalização é importante na infância porque desperta o lado lúdico aperfeiçoando o conhecimento, a
socialização, a alfabetização, inteligência, capacidade de expressão, a coordenação motora, percepção sonora e
espacial e matemática.
Este projeto desencadeou-se a partir da leitura inicial da matéria: “A orquestra na escola”, publicada no dia 30
de agosto de 2009 no jornal Cruzeirinho. Observando o interesse demonstrado pelas crianças pelo tema fez-se
necessário a busca de elementos teóricos que viessem enfatizar a importância da linguagem musical como forma de
expressão e interação social.
Teve como proposta oportunizar às crianças desenvolverem a sensibilidade à música, a concentração, a
memória, a coordenação motora, a socialização, a acuidade auditiva e a disciplina, tornado o ambiente mais alegre e
favorável à aprendizagem.

OBJETIVOS

- Compreender a música como linguagem capaz de nos permitir expressões, desejos e opiniões em diferentes
contextos sociais;

- Oportunizar a vivência de situações que favoreçam o desenvolvimento da integração, participação, solidariedade,


responsabilidade, criatividade e convivência através da linguagem musical;

- Valorizar o saber musical dando condições de ampliação de suas experiências, assegurando sua participação no
processo educativo;

- Utilizar a linguagem musical como instrumento de comunicação e interação, oportunizando o conhecimento de


vários gêneros orais e escritos em diversas situações de intercâmbio social;

- Interessar-se em demonstrar curiosidade pela linguagem musical, formulando perguntas e imaginado soluções para
compreendê-la, manifestando opiniões próprias, buscando informações e confrontando idéias.

REFERENCIAL TEÓRICO

Este projeto teve por objetivo resgatar a linguagem musical como elemento contribuinte para o
desenvolvimento da aprendizagem e a integração do ser. Para tanto fez-se necessário a realização de estudos
bibliográficos a cerca do tema para direcionar o foco do nosso trabalho sobre a importância da linguagem musical na
prática pedagógica da Educação Infantil.
Os principais autores aqui abordados foram: CHIARELLI (2005), GONÇALVES (2009), MÁRSICO (1982),
SNYDERS (1994) e outros que procuraram, em suas respectivas literaturas, examinar essa questão de uma forma
crítica, considerando a música como uma ferramenta a serviço de um projeto pedagógico.
Buscamos também fundamentação teórica e prática através do estudo do Referencial Curricular Nacional
para a Educação Infantil que nos possibilitou uma melhor compreensão relativa a adequação do tema a faixa etária
do nosso público alvo.
METODOLOGIA

1. Leitura do jornal Cruzeirinho (30/08) matéria da capa;


2. Roda de conversa: “quem gosta de música”;
3. Rede de conhecimentos prévios: para quê serve a música (dançar, cantar, animar uma festa, acalmar para
dormir, conhecer coisas novas, para alegrar e se divertir, dar risada, homenagear alguém);
4. Cantar com as crianças as músicas que eles mais gostam (variadas e depois focar as cantadas na escola);
5. Fazer lista dos nomes das músicas na lousa;
6. Votar e escolher as preferidas;
7. Montagem de gráfico e leitura da imagem;
8. Trazer para a classe CD com músicas clássicas e apreciar com as crianças;
9. Contar a história de vida de um músico famoso;
10. Trazer para a classe a “bandinha”, apresentando mos instrumentos e som que cada um deles produz, deixar
as crianças manusearem livremente, sugerir e acompanhar uma música conhecida;
11. Mini Feira Literária: roda de conversa sobre a importância da escrita mostrando diferentes tipos de
portadores às crianças como livro de receitas, poesias, histórias, jornais, mapas, dicionários, gibis, etc;
12. Escrever coletivamente na lousa os quatro primeiros versos de uma música eleita. Explorar a leitura
marcando o ajuste da fala à escrita (função social: escrever para não esquecer);
13. Montagem do livro: escrita coletiva na lousa, leitura com ajuste, caça letras e palavras no texto e colagem de
dobraduras para as ilustrações, explorando as formas geométricas;
14. Proposta e ensaio do coral para apresentação;
15. Apresentação do coral e apreciação do produto final;
16. Elaboração de um CD contendo as músicas trabalhadas no projeto e para distribuição de um exemplar para
cada criança;
17. Socialização do projeto para o corpo docente da Unidade Escolar;
18. Envio do projeto para a redação do jornal Cruzeirinho;
19. Publicação do projeto na edição do dia 17 de janeiro de 2010 no jornal Cruzeirinho.
DESCRIÇÃO DA AVALIAÇÃO

A avaliação se deu de forma contínua levando em consideração os processos vivenciados pelas crianças
através de registros, observações, relatos, vivências e atividades individuais e coletivas. Teve como pressuposto
acompanhar o desenvolvimento de cada aluno valorizando suas conquistas e promovendo a ampliação de suas
habilidades e competências relativas à linguagem musical para sua participação em sociedade.

RESULTADOS

Através da realização desse projeto foi possível observar que as crianças passaram a compreender a música
como uma linguagem usada cotidianamente em diferentes contextos.
Apropriaram-se dessa linguagem conhecendo diferentes gêneros e estilos musicais refletindo e apreciando
as características de cada um deles.
Passaram a perceber que a linguagem oral representada pela música pode ser registrada através da escrita
para que possa ser posteriormente resgatada.
Através desse projeto foi possível observar que as crianças desenvolveram atitudes positivas com relação ao
grupo, aprenderam a conviver melhor, a repartir e a construir uma relação de amizade mais intensa.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Como a música está presente em diversas situações da vida humana, este tema nos chamou a atenção
despertando o desejo de explorar a contribuição da linguagem musical no processo de aprendizagem. Através dos
nossos estudos, percebemos que as atividades musicais fazem um apelo intrínseco ao interesse da criança devendo
induzir a ações, comportamentos motores e gestuais inseparáveis da educação perceptiva. Todos os aspectos do
desenvolvimento afetivo, cognitivo e psicomotor estão intimamente interligados, tornando-se difícil não dizer que a
música é também um fator importante no desenvolvimento cognitivo, pois ela permite essa interação da qual fazem
parte os sentimentos correspondentes à criança.

Nosso trabalho nos possibilitou vivenciar a música como uma linguagem viva. Propiciou às nossas crianças
descobertas amplamente valiosas para a construção do conhecimento. Oportunizou-nos alegria e prazer em
compartilhar o ambiente escolar. Motivou as famílias a participarem das atividades desenvolvidas pelas crianças na
escola. Permitiu-nos, enquanto educadoras, trilhar novos caminhos para o ensino das nossas crianças.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil.
Brasília, MEC/SEF, 1998.3v.:il p. 71

BRITO, Teça Alencar de. Música na Educação Infantil Proposta para a formação integral da criança. Editora
Petrópolis. São Paulo, 2ª edição, 2003.

CHIARELLI, Lígia Karina Meneghetti. A importância da musicalização na Educação Infantil e no Ensino


Fundamental. 2005. Disponível em http://www.iacat.com/revista/recrearte/.../musicoterapia.htm

FERNANDES, Valéria da Silva Roque. A música como meio de desenvolver a inteligência e a integração do ser.
Disponível em http://br.notícias.yahoo.com/25/08/2009tecnologia-negocios-estudo-desenvolve-inteligencia-e-
integração.htm> Acesso em 25/08/2009

FERREIRA, Denise Luzia de Amorim. A influência da linguagem musical na Educação Infantil. 2005. Disponível
em http://www.histedbr.fac.unicamp.br/.../A%20influencia%20da%20linguagem%20musical%202...

GAINZA, Violeta Hemsy de. Estudos de Psicopedagogia Musical. 3. ed. São Paulo: Summus, 1988.

GONÇALVES, Adriana Rodrigues. A importância da música na Educação Infantil.


2009. Disponível em http://www.unisalesiano.edu.br/encontro2009/.../cc17041175855.